NEWSLETTER. EDITORIAL DO GRUPO DE COORDENAÇÃO DA PPGS. O Grupo de Coordenação da PPGS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEWSLETTER. http://www.ppgs.pt EDITORIAL DO GRUPO DE COORDENAÇÃO DA PPGS. O Grupo de Coordenação da PPGS"

Transcrição

1 Nº 3 Abril 2015 p.1 PUBLIQUE NA DA PPGS Todos os interessados em divulgar informações, notícias, eventos ou trabalhos relacionados com Geotermia na Newsletter da PPGS, deverão enviá-los para EDITORIAL DO GRUPO DE COORDENAÇÃO DA PPGS Neste 3º número da Newsletter da Plataforma Portuguesa de Geotermia Portuguesa (PPGS), destacam-se as soluções de regularização da temperatura interna através da geotermia implementadas em edifícios do campus da Universidade de Aveiro e a importância da realização de Testes de Resposta Térmica (TRT) em aplicações geotérmicas, a par de notícias breves sobre várias actividades e iniciativas, nacionais e europeias, realizadas no primeiro quadrimestre de Dando execução à prioridade estabelecida nas orientações políticas do Presidente Juncker, o presente ano ficou já marcado pelo Pacote da União da Energia, publicado pela Comissão em 25 de fevereiro e analisado pelo Conselho Europeu em de março. A nova política energética da EU, traduzida na COM(2015) 80 ( Estratégia-quadro da Comissão para uma União da Energia resiliente ), visa implementar um mercado da energia que beneficie os consumidores, reforce a segurança energética, as interligações de redes, a eficiência energética e o contributo das energias renováveis no mix energético. Relativamente às energias renováveis, a Comissão deverá propor em um novo Pacote para as Energias Renováveis que incluirá, entre outras iniciativas de política energética, legislação que garanta a prossecução da meta europeia vinculativa de pelo menos 27% de incorporação de energias renováveis no consumo de energia da UE até Para a descarbonização da economia e a manutenção da liderança tecnológica neste domínio, a UE precisa de um vasto leque de tecnologias das renováveis, incluindo a energia geotérmica nas suas diversas aplicações. A Newsletter da PPGS será a fonte de informação sobre os desenvolvimentos nesta matéria, em particular no que diz respeito ao aquecimento ou arrefecimento a partir de sistemas geotérmicos superficiais e bombas de calor. O Grupo de Coordenação da PPGS FICHA TÉCNICA Coordenação PPGS: Elsa Ramalho Pedro Madureira Carla Lourenço Luís Silva Colaboração neste número: Ana Vieira José Lapa Claudino Cardoso Luís Coelho Nelson Tavares Design gráfico: Filipe Barreira Horizonte2020 Ações COST European Network for Shallow Geothermal Energy Applications in Buildings and Infrastructures Teve lugar no dia 9 de Março em Bruxelas a reunião de lançamento da Ação COST European Network for Shallow Geothermal Energy Applications in Buildings and Infrastructures", das ações COST (European Cooperation in the field of Scientific and Technical Research), envolvendo o Laboratório Nacional de Engenharia Civil, o Laboratório Nacional de Energia e Geologia e o Instituto Superior Técnico como parceiros portugueses. A presente Ação reflete a recente expansão de fontes das aplicações em geotermia superficial para aquecimento e/ou arrefecimentos em edifícios através da introdução de permutadores de calor nos elementos das suas estruturas que fazem interface com o solo, tais como as fundações dos edifícios ou túneis e pretende fomentar a poupança de custos envolvendo em simultâneo o fator estrutural do próprio edifício e o aproveitamento da energia geotérmica. Foi estimado um total de cerca de 32 M para a totalidade dos países participantes e para a duração total da Ação ( ), que apoia missões científicas de curta duração, formação em instituições de investigação e de investigadores, apresentações em conferências temáticas e científicas, publicação de artigos na newsletter da COST e outras, que fomentam a disseminação e a partilha de conhecimentos e experiências. Integra 55 investigadores de 12 Países da EU e como Delegados Nacionais da Ação foram nomeadas Ana Vieira, do LNEC e Elsa Ramalho, do LNEG. A criação de cinco Working Groups focalizados nas várias

2 p.2 áreas que o projecto aborda, permitirá que a rede assegure uma plataforma inclusiva e aberta para a discussão No âmbito do 10º Seminário sobre Águas Subterrâneas, organizado pelo Grupo de Águas Subterrâneas da Região Sul da Associação Portuguesa de Recursos Hídricos, realizado nos dias 9 e 10 de abril de 2015 na Universidade de Évora, foi realizada uma visita técnica ao sistema de aquecimento de geotermia de muito baixa entalpia da Universidade de Évora. Esta visita, coordenada pelo Doutor Jorge Duque, compreendeu uma deslocação às quatro captações de água subterrânea que servem de suporte à instalação de geotermia de muito baixa entalpia, que aquece o piso inferior das salas de aulas do edifício do Colégio Espírito Santo e ainda o acesso à sala dos permutadores de calor. A visita técnica contou com cerca de 50 participantes. Num próximo número da Newsletter da PPGS, este sistema será descrito em detalhe. científica para definir as melhores práticas de regulamentação Europeias, para promover a consciencialização pública e a confiança nesta técnica e fomentar o conhecimento internacional através de uma colaboração que se pretende constante. INSPIRE THEMATIC CLUSTER ENERGY RESOURCES Foi recentemente criado o sub-grupo Energy Resources no INSPIRE, que cobre recursos energéticos históricos, atuais e futuros, bem como o ciclo de vida completo no que diz respeito aos aspetos relacionados com a sua viabilidade económica e social. A Diretiva INSPIRE estabelece a criação da Infra-Estrutura Europeia de Informação Geográfica. Esta infraestrutura pretende promover a disponibilização de informação de natureza espacial, utilizável na formulação, implementação e avaliação as políticas ambientais da União Europeia. HEAT PUMP INSTALLATION AND MAINTENANCE- HPC O IEA Heat Pump Centre (HPC) publicou a sua mais recente Newsletter, disponível em Esta edição da Newsletter refere a instalação de bombas de calor e a sua manutenção, especialmente a nível experimental e análise, tal como o relato de problemas reais na sua instalação. VISITA TÉCNICA À INSTALAÇÃO GEOTÉRMICA DE MUI- TO BAIXA ENTALPIA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA GEOTERMIA SUPERFICIAL UMA ENERGIA RENOVÁ- VEL A PRECISAR DE ATENÇÃO foi o título da conferência realizada no passado dia 14/04/2015, no Auditório da ESTG do Instituto Politécnico da Guarda. Inserida no âmbito das Palestras Energia e Ambiente 2015 daquele instituto, a sessão efectuada pelo Dr. Pedro Madureira, membro do Grupo de Coordenação da PPGS, abordou diversos tópicos relacionados com a geotermia superficial, numa perspectiva de divulgação e sensibilização para o aproveitamento deste recurso energético.

3 INFOGRAFIA: RENOVÁVEIS PARA AQUECIMENTO & ARREFECIMENTO As associações industriais das Renováveis para Aquecimento e Arrefecimento EGEC, AEBIOM e ESTIF desenvolveram uma infografia no estado das Renewables for Heat and Cooling (RHC) e os benefícios que serão atingidos através do enquadramento de uma política estratégica. A infografia pode ser descarregada em e para divulgação. p.3

4 p.4 A IMPORTÂNCIA DO TRT EM APLICAÇÕES GEOTÉRMICAS Synege by Geoplano Technic A SYNEGE desenvolveu, em colaboração com o Instituto Politécnico de Setúbal, um equipamento (figura 1) para realização de Testes de Resposta Térmica (TRT). Este teste é muito importante para a determinação, com o máximo rigor, das propriedades do solo com vista à exploração dessas características em aplicações de climatização por bombas de calor geotérmicas, ou da simples circulação de água por permutadores enterrados/submersos em permuta direta (geocooling). Figura 1 Equipamento para realização de TRT Sendo a viabilidade de um sistema de bomba de calor geotérmica normalmente ditada pelo custo da perfuração do solo e dos permutadores de calor (condensador/evaporador de fluido), é da máxima importância a exatidão do dimensionamento deste circuito (primário). A possível redução do número de furos e extensão de tubo, ou mesmo a segurança concedida ao projeto são as vantagens da execução de um TRT. As tabelas de propriedades dos solos apresentam-nos valores na forma de intervalos de considerável amplitude, em particular os da sua condutividade. Este fato leva, em casos extremos, ao subdimensionamento do sistema e consequente mau funcionamento a curto prazo, ou ao seu sobredimensionamento incomportável em termos económicos. Para além disso, existe ainda o fator heterogeneidade (camadas) em profundidade. O TRT permite obter, a condutividade média linearizada do solo (condutividade efetiva) do local e para a profundidade desejada, mediante o fornecimento contínuo de calor ou frio uma vez atingida a estabilização térmica para essa condição. O fluxo de calor espectável para determinada instalação pode depois ser determinado por uma das técnicas (por exemplo: line source theory), sendo a razão entre a diferença de temperatura do fluido térmico e da parede do furo (temperatura do solo), pela resistência total do conjunto (material do tubo, grout, diâmetro do furo, tipo de escoamento dentro do tubo). Podem desta forma ser despistadas e contabilizadas todas as variáveis desconhecidas e que podem afetar quer o fluxo quer a capacidade de armazenamento de calor do solo. São elas a presença de água, a sobreposição de camadas diferentes de materiais rochosos ou sedimentares, a existência de cavidades e o gradiente térmico próprio da geologia terrestre.

5 p.5 O equipamento usado para efetuar um TRT deve seguir algumas normas e especificações técnicas, para que se garanta a continuidade do fornecimento de energia ao solo e o correto registo das leituras da temperatura de ida e de retorno do fluido. Foram realizados testes de TRT no sistema geotérmico (existente e em exploração há vários anos) da Escola Superior de Tecnologia, do Instituto Politécnico de Setúbal (figura 2), que demonstraram que a efetiva condutividade dos furos com permutador coaxial é de 2,52 W/m.K e 2,61 W/m.K no caso dos permutadores duplo U. Figura 2 Resultados do ensaio a um furo com permutador coaxial, temperatura de ida (vermelho) e de retorno (azul) PRÓXIMOS EVENTOS INTERNACIONAIS RELACIO- NADOS COM GEOTERMIA April 2015 World Geothermal Congress 2015 Melbourne, Australia wgc2015.com.au April th Euroheat & Power Congress Tallin, Estonia 21 May 2015 Internationaler Geothermie-Kongress 2015 St. Gallen, Switzerland May 2015 Geothermal Energy Days: How to use this Source of Clean Energy at Regional level? Novi Sad, Vojvodina, Serbia 28 May th EHPA European Heat Pump Forum Brussels, Belgium forum.ehpa.org June 2015 EU Sustainable Energy Week Brussels, Belgium October 2015 Heat Pump Summit Nuremberg, Germany

6 p.6 A GEOTERMIA NA SUSTENTABILIDADE DE CAMPI UNIVERSITÁRIOS: OS CASOS DE ESTUDO DO EDIFÍCIO CICFANO E DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE Claudino Cardoso, Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Aveiro, José Lapa, Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Aveiro, Introdução Considerada uma das mais importantes instituições de ensino do país e apontada como uma referência internacional, tanto nas suas infraestruturas e arquitetura, bem como na sua aposta continuada e sustentada na tecnologia de ponta, a Universidade de Aveiro destaca-se na criação, no desenvolvimento e na utilização eficiente de recursos naturais e residuais para a produção energética. Numa altura em que o comportamento verde deve ser uma responsabilidade civil em que os exemplos devem partir principalmente das entidades e instituições públicas, concretizando assim a sua responsabilidade social e contribuindo de forma ativa para a mudança de comportamentos, a Universidade de Aveiro iniciou em 2010, um amplo programa de renovação dos seus dois campus principais e de outras instalações externas aos campus. Num universo edificado de 65 edifícios, foram introduzidas novas práticas e novas tecnologias em diferentes campos de intervenção: i) produção de energia elétrica para consumo próprio mediante a instalação de painéis fotovoltaicos em 4 edifícios; ii) instalação de painéis solares em 7 edifícios; iii) substituição de lâmpadas na iluminação pública; iv) introdução de uma gestão centralizada da utilização na maioria dos edifícios; v) supervisão e controle remoto de consumos de equipamentos; vi) aplicação de dispositivos de eficiência hídrica e reaproveitamento de água nos edifícios e na rega dos espaços verdes; vii) utilização de fontes energéticas naturais, como o solo e as águas residuais para a climatização dos 6 edifícios a construir até 2015; viii) utilização de materiais de mudança de fase e outras ações que visam a procura da sustentabilidade do desenvolvimento físico da universidade. Uma das vertentes mais importantes deste conjunto de ações foi o de documentar e monitorizar os resultados obtidos de modo a despoletar o desenvolvimento de estudos posteriores sobre as metodologias utilizadas, determinar os custos das soluções, registar os comportamentos obtidos e determinar os resultados financeiros, sociais e ambientais, no sentido de poderem constituir uma fonte de conhecimento para a própria Universidade e para toda a comunidade. Desta forma foi-se permitindo um fluxo de informação que possibilitasse aos seus investigadores e alunos, a realização de estudos paralelos à execução das soluções, de modo a permitir compreender, modelar e otimizar os processos de transferência das fontes térmicas para os edifícios, quer relativamente à sua climatização através de sistemas de estruturas termo ativas e de ventilação, quer na produção de águas quentes sanitárias. Num contexto de recessão, onde o investimento para a realização de nova edificação já se tornou difícil, a aposta em novas tecnologias, originárias de países onde o aquecimento é a principal necessidade energética de climatização, adaptando-as para ambas as fases de aquecimento e arrefecimento e também para a variabilidade do clima por vezes diária que se tem verificado nas estações de transição, foi sem dúvida uma aposta difícil de se fazer dada a ausência de utilização deste tipo de tecnologias adaptadas a países do sul da europa, e que precisa de ser comprovada através da utilização de dados da monitorização reais e da verificação dos comportamentos dos edifícios e das fontes térmicas que sustentam os sistemas. O facto de que os sistemas foram implementados numa Universidade, é sem dúvida uma oportunidade quase única de poderem efetuar-se vários estudos, análises e modelação, em vários domínios da ciência e da investigação, que permitam o desenvolvimento e a otimização de soluções com grandes vantagens em todas as vertentes do desenvolvimento sustentável, aqui aplicado aos campus universitário mas como evidente, com possível aplicação a diferentes soluções de edificação. Neste estudo, pretende-se informar sumariamente quais foram as diversas soluções adotadas nos edifícios recentemente construídos e no está presentemente em construção, quais os estudos que até agora originaram e quais as pretensões futuras de investigação e divulgar alguns dos resultados obtidos com base nos dados iniciais nas diferentes vertentes. Os edifícios com TABS (Thermo active building systems) e fonte geotérmica, são seguidamente enumerados, sendo descrita a solução de climatização e os dados e resultados atuais, ainda em fase de tratamento nos diversos temas de investigação em curso. São igualmente referidas sucintamente algumas dificuldades de funcionamento e de comportamento das soluções que se estão a tentar compreender e resolver e que tem interesse serem aqui abordadas.

7 Casos de estudo: o Edifício CICFANO e a Escola Superior de Saúde i) Edifício CICFANO (Complexo Interdisciplinar de Ciências Físicas Aplicadas a Nanotecnologia e Oceanografia) - Caracterização: Conclusão de construção: Novembro de 2012 Área bruta de construção: 4514 m2 em 3 pisos Volume de construção: m3 Área útil climatizada: 3560 m2 Necessidades anuais: Aquecimento 982,8 kwh e Arrefecimento 897,1 kwh Solução de climatização: Solução secundária de climatização: Lajes de betão pré-fabricadas alveolares termo ativadas e 2 UTAN, 2 bombas de calor reversíveis, sendo uma dedicada à fonte geotérmica e outra à fonte biotérmica. Solução primária de fontes térmicas: Geotermia com permutadores duplos em estacas, sendo 55 de 600mm e 30 de 400 mm, com 10 metros de comprimento ficando 24 estacas não ativadas. Biotermia de águas residuais com permutador de aço inoxidável de 350 mm em bypass do emissário sob pressão localizado a cerca de 80 metros do edifício, com 32 metros de comprimento. - Geologia: A área enquadra-se na morfologia plana da ria de Aveiro, entre as cotas 10 a 11 m, caracterizando-se do ponto de vista geológico pela ocorrência de materiais Cretácicos, recobertos por depósitos Plio-plistócénicos com depósitos de praias antigas e terraços fluviais que possuem cerca de 4,2m de espessura e são constituídos por areias de calibre variável, siltosas, com seixos e cascalho, com cor acastanhada ou bege, e com finos níveis de argilas siltosas, amareladas ou avermelhadas, por vezes com fragmentos calcários, intercalados. Os depósitos de cobertura assentam, próximo dos 4,2m de profundidade, sobre os Arenitos e Argilas de Aveiro do Cretácico Superior. Esta unidade é constituída por argilas e siltes, de cor cinzenta, com elevada consistência. Do ponto de vista hidrogeológico, os depósitos Plioplistocénicos constituem um aquífero livre, com elevada permeabilidade, alimentado pela infiltração das águas de superfície e sensível à variação do nível de água na ria. As camadas cretácicas inferiores, dominantemente constituídas por argilas e siltes, funcionam como uma base impermeável. - Referências de funcionamento e comportamento: A estimativa de projeto da empresa instaladora, de que a solução geotérmica apenas cobria 75% de necessidades de aquecimento e 60% em arrefecimento, não se tem verificado, pois qualquer das soluções que têm sido alternadas tem permitido praticamente corresponder às necessidades desde o início da utilização do edifício. Verifica-se igualmente que em termos de comportamento em conformidade com a programação automática do instalador, a parte de temperatura do ar de insuflação tem-se sobreposto em demasia à da termoativação estrutural o que tem implicado o reverso do que se pretendia, ou seja, que a climatização pelas UTAN fosse complementar. Isso tem implicado problemas de dissipação geotérmica por errada informação do sistema. - Referências sociais: Relativamente aos utilizadores existe um bom grau de satisfação em relação ao conforto humano especialmente na fase de aquecimento e na qualidade do ar. Excetuam-se em algumas falhas da solução do circuito secundário, ligadas p.7

8 a dificuldades de controle dos utilizadores sobre a ventilação e não sobre a termoativação das lajes, bem como na resposta do sistema a problemas de pontes térmicas e ainda na altura de transições muito rápidas da temperatura externa. - Referências financeiras: A solução tradicional de projeto inicial consistia em caldeira e chiller e apresentavam consumos anuais com valores de fatura elétrica estimados de 5283 em aquecimento e de 5913 em arrefecimento. Em média do ano e meio de atividade a fatura energética foi de 2672 em fase de aquecimento e de 557 em fase de arrefecimento, representando assim cerca de 70% de poupança no consumo. O investimento na solução de energia renovável em comparação com a solução tradicional indicada em projeto inicial, foi de cerca de 18% superior. Por comparação com edifícios similares dentro do campus com soluções tradicionais, é previsível uma redução de custos de manutenção na ordem dos 60%, pelo que o período máximo de retorno do investimento situa-se entre 6 e 7 anos. - Referências ambientais: Em termos de comparação entre energias primárias da solução convencional projetada e a solução adotada, a redução de emissões de CO2, reduziu-se a cerca de 30%. ii) Edifício com dois módulos ESSUA (Escola Superior de Saúde) - Caracterização: Conclusão da construção: Janeiro de 2012 Área bruta de construção: m2 em 3 pisos Volume de construção: m3 Área útil climatizada: m2 Necessidades anuais: Aquecimento 1980,0 kwh e Arrefecimento 1800,0 kwh - Solução de climatização Solução secundária de climatização: Lajes de betão pré-fabricadas alveolares termo ativadas e 10 UTAN, 3 bombas de calor reversíveis, sendo duas dedicadas à fonte geotérmica das estacas e outra à fonte geotérmica de sondas de profundidade. Solução primária de fontes térmicas: Geotermia com permutadores duplos em 147 estacas de 600mm, com 8 metros de comprimento ficando 83 estacas não ativadas. Geotermia com 22 poços 150mm com sondas verticais em duplos U com 150m de profundidade. - Geologia A zona aparece integrada pelo conjunto das seguintes unidades lito-geotécnicas típicas: solos orgânicos, correspondentes ao horizonte mais superficial do terreno, constituído por solo orgânico de cor castanha escura e com espessura variável entre os 0,40m e os 1,00m; correspondendo ao plio-plistoceno, encontramos lodos argilosos no limite inferior à capa dos solos orgânicos, que são constituídos por solo argiloso, misturado com alguma areia de cor castanha e com uma espessura variável entre 1,20m e 2,70m. Na camada inferior encontra-se areia com diferentes distribuições granulométricas, argilas, sílicas e micáceas, misturadas com seixos médios e pequenos, de cor bege e branca, com uma espessura variável entre os 2,70m e os 4,50m. Com origem no Cretáceo as "argilas de Aveiro", correspondente ao substrato subjacente, constituídas por lodos argilosos de coloração predominantemente cinzenta e cinzenta clara com níveis argilosos de cor avermelhada, cinza e cinza esverdeada com traços alaranjados. Finalmente, existe um nível arenoso de depósitos de praias antigas, de elevada condutividade hidráulica, constituído por um aquífero de águas suspensas, existente no substrato cretáceo, o qual é praticamente impermeável. O nível freático detetado varia entre as cotas que vão dos 9,40m aos 10,10m p.8

9 p.9 - Referências de funcionamento e comportamento: Em conformidade com o estudo da empresa espanhola de instalação do sistema geotérmico, a solução geotérmica com permutação pelas estacas cobria cerca de 70% de necessidades de aquecimento e 65% em arrefecimento, sendo assim necessária a execução de 22 furos com duplas sondas geotérmicas. Relativamente aos quase 2 anos de utilização e pelos dados obtidos, a solução total está pelo menos 25% sobredimensionada em termos de necessidades, no entanto verificam-se igualmente dificuldades de dissipação térmica em especial em fase de aquecimento. Esta expetativa é assim motivadora de se efetuarem algumas sondagens para verificação não só do tipo de dissipação térmica em cada fase de funcionamento, mas também para verificação comparativa do efeito no nível freático, o que já está previsto na empreitada a realizar em Referências sociais: Relativamente aos utilizadores existe uma ótima percentagem de satisfação em relação ao conforto humano e à qualidade do ar. Continuam a verificar-se algumas falhas da solução do circuito secundário, ligadas a dificuldades de controle dos utilizadores sobre a ventilação em fase de aquecimento. - Referências financeiras: A solução tradicional de projeto inicial consistia em UTA para a parte dos laboratórios e aquecimento por radiadores estáticos nas salas e gabinetes e por sistemas de ar condicionado em auditórios, complementados com sistemas de insuflação e extração de ar com pré-tratamento, apresentando consumos anuais com valores de fatura elétrica estimados num valor total anual de cerca de nos dois módulos do edifício. Em média no cerca de um ano de atividade a fatura energética foi de cerca de 5000, representando assim cerca de 65% de poupança no consumo. O investimento na solução de energia renovável em comparação com a solução tradicional indicada em projeto inicial, foi de cerca de 15% superior. O período máximo de retorno do investimento é estimado em cerca de 5 anos. - Referências ambientais: Em termos de comparação entre energias primárias da solução convencional projetada e a solução adotada, a redução de emissões de CO 2, reduziu-se a cerca de 25%. No local do edifício, o substrato Cretácico designado por Arenitos e Argilas de Aveiro encontra-se muito perto da superfície e praticamente sem recobrimento de depósitos de praias antigas e terraços fluviais. A unidade Cretácica é constituída por argilas e siltes, por vezes com alguma areia a topo, passando em profundidade para argilitos e siltitos com impregnações carbonatadas e até com níveis calcários entre 4 a 6,5m de profundidade - Referências de funcionamento e comportamento: Entre o universo construído com soluções puramente geotérmicas, este edifício é o que melhor comportamento tem tido, possivelmente por ter um funcionário devidamente formado para efetuar o controle do sistema e a sua manutenção constante. Neste caso, observa-se igualmente que o tratamento térmico do ar insuflado é correto e a primazia de sol ução é efetivamente o pavimento térreo termo ativado. A qualidade do ar é extraordinária. - Referências sociais: Relativamente aos utilizadores existe uma ótima percentagem de satisfação em relação ao conforto humano e á qualidade do ar. É sem dúvida neste momento, o edifício com comportamento mais bem conseguido dos edifícios do campus universitário.

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA Definição Recurso geotérmico -Fluidos e formações geológicas do sub-solo, de temperatura elevada, cujo calor seja suscetível de aproveitamento

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO.

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 S O N D A G E N S E C A P T A Ç Õ E S D E Á G U A S O N D A G E N S B A T A L H A PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

Acumuladores de Calor

Acumuladores de Calor Acumuladores de Calor Em virtude da atividade de muitas pessoas se desenvolver, diariamente, no interior de edifícios, tal obriga a que as condições de conforto, principalmente as relacionadas com a qualidade

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Projecto e Dimensionamento de Sistemas Geotérmicos Superficiais

Projecto e Dimensionamento de Sistemas Geotérmicos Superficiais Projecto e Dimensionamento de Sistemas Geotérmicos Superficiais BOMBAS DE CALOR GEOTERMICAS e as suas soluções FACTORES DECISIVOS e os seus benefícios POTENCIAL DO SOLO acesso; características; perfuração

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada

Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Câmara Municipal da Mealhada Institute of Systems Engineering and Computers INESC Coimbra Contribuição do INESC Coimbra para o Estudo Prévio do Futuro Edifício da Technical Report Documento Técnico Institute of Systems Engineering

Leia mais

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA TRABALHA DE DIA, NOITE, COM CHUVA

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011 Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião Junho 2011 Objectivos Avaliar se os indivíduos que habitam em casas já certificadas, conhecem o respectivo certificado energético

Leia mais

Estruturas Solares Multifunções

Estruturas Solares Multifunções Esta nova forma de captação da energia solar patenteada pela Sunaitec, chamada de Estruturas Solares Multifunções, vem alterar radicalmente a forma de captação da energia do sol disponibilizando-se, no

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE53106823 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila Utopia,

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 05/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA JOSÉ GUSTAVO PIMENTA, LOJA N.º 15, RC NORTE Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.576546, -8.447543 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais 1 Os edifícios da Sede e Museu foram inaugurados em 1969, 7 anos depois do início da construção, sendo o projecto dos arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d Athouguia; Os jardins são projecto dos

Leia mais

Utilização de Estacas Geotérmicas em Região de Clima Tropical 4 CG Fundações

Utilização de Estacas Geotérmicas em Região de Clima Tropical 4 CG Fundações Utilização de Estacas Geotérmicas em Região de Clima Tropical 4 CG Fundações BANDEIRA NETO, L.A. Escola de Engenharia de São Carlos USP, São Carlos, Brasil, luis.neto@usp.br TSUHA, C.H.C. Escola de Engenharia

Leia mais

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDIFÍCIOS DE BAIXO CONSUMO COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 20 de Maio de 2010 COMPONENTE PASSIVA DO EDIFÍCIO OPTIMIZADA COMPONENTE DOS SISTEMAS ACTIVOS OPTIMIZADA 1 COMPONENTE PASSIVA

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

NEWSLETTER. http://www.ppgs.pt. Editorial do Grupo de Coordenação da PPGS

NEWSLETTER. http://www.ppgs.pt. Editorial do Grupo de Coordenação da PPGS NEWSLETTER p.1 http://www.ppgs.pt PUBLIQUE NA NEWSLETTER DA PPGS Todos os interessados em divulgar informações, notícias, eventos ou trabalhos relacionados com Geotermia na Newsletter da PPGS, deverão

Leia mais

GEOTERMIA. a energia sustentável

GEOTERMIA. a energia sustentável GEOTERMIA a energia sustentável FUROS GEOTÉRMICOS A Terra oferece-nos o calor para o aquecimento e arrefecimento central e AQS num só sistema. Venha conhecer! PORQUÊ PAGAR POR ALGO QUE A NATUREZA LHE DÁ?

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE UM SISTEMA HÍBRIDO RADIANTE-CONVECTIVO A DOIS-TUBOS, VENTILOCONVECTORES E PAREDES RADIANTES L. Roriz R. Duarte M. Gamboa Instituto Superior Técnico DEM/ICIST Av. Rovisco Pais, 1

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt

Soluções de Energia Solar. Março de 2007. www.senso.pt Soluções de Energia Solar Março de 2007 www.senso.pt ENERGIA E CONSTRUÇÃO Crescente aplicação de energias renováveis Mudança do modelo energético Símbolo de distinção para construções de qualidade Resposta

Leia mais

BMW Welt Munique Divisões fluidas de ambientes em vários níveis

BMW Welt Munique Divisões fluidas de ambientes em vários níveis BMW Welt Munique BMW Welt Munique A BMW Welt no norte de Munique é uma obra-prima da arquitetura inovadora. Desde outubro de 2007 ela serve de palco multifuncional para todos os tipos de eventos: concertos,

Leia mais

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA A escolha atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA 2 A escolha natural 3 em1: aquecimento, arrefecimento e água quente sanitária O sistema Daikin Altherma é a solução integrada de conforto, promovendo aquecimento,

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso por Isabel Sarmento e Marco Quaresma (Afaconsult) grafismo AVAC João Fitas Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso O novo Edifício do CallCenter da PT localizar-se-á

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 ENQUADRAMENTO Para os efeitos previstos na secção 2 da Portaria 57-B/2015,

Leia mais

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes Climatização Soluções Eficientes Indíce 1 Energias Renováveis Aerotermia, Energia Solar 2 Eficiência Energética Tecnologias, Regulamento 3 Bombas de Calor Soluções 4 Ar condicionado Gamas, Sistemas 1 Energias

Leia mais

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO.. 3 2 O SOFTWARE.... 3 3 EDIFÍCIO. 6 3.1 Área aquecida........ 6 3.2 Pavimento... 11 3.3 Cobertura..... 11 3.4 Aquecimento central.. 12 3.5 Produção de

Leia mais

Master em Sustentabilidade e Eficiência Energética

Master em Sustentabilidade e Eficiência Energética Master em Sustentabilidade e Eficiência Energética Área de Energias Renováveis Energias Renováveis Datos del curso Área formativa: Energias Renováveis Modalidade: A Distância/E-learning Duração: 60 ECTS

Leia mais

FICHA TÉCNICA Edifícios - Energia Alternativa. Nº Pág.s: 8 nº 05 20. Novembro. 2006. Copyright 2006 - Construlink.com - Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA Edifícios - Energia Alternativa. Nº Pág.s: 8 nº 05 20. Novembro. 2006. Copyright 2006 - Construlink.com - Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA Edifícios - Energia Alternativa Nº Pág.s: 8 nº 05 20. Novembro. 2006 Edifícios - Energias Alternativas 01 A adaptação dos edifícios às energias alternativas é cada vez mais uma realidade.

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

7. Exemplos de Aplicação

7. Exemplos de Aplicação 7. Exemplos de Aplicação Neste parágrafo vamos procurar exemplificar o tipo de informação que é possível obter com a leitura deste manual. Pretende-se, a partir de dados típicos, dar uma ideia geral do

Leia mais

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA João Paulo LOBO FERREIRA Núcleo de Águas Subterrâneas, LNEC Luís OLIVEIRA Núcleo de

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Válido até 19/01/2015 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 39.700000, -8.000000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

BMW Welt Munique. Dados e fatos

BMW Welt Munique. Dados e fatos BMW Welt Munique BMW Welt Munique A BMW Welt no norte de Munique é uma obra-prima da arquitetura inovadora. Desde outubro de 2007 ela serve de palco multifuncional para todos os tipos de eventos: concertos,

Leia mais

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA Re Re INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA THERMA V, UMA SOLUÇÃO QUE VAI DE ENCONTRO ÀS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO Grande parte dos portugueses possuem habitação própria. Em 2006, 85% do consumo

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento Este projeto recebe financiamento da União Europeia no âmbito do programa de investigação e inovação Horizonte 2020, sob o contrato No649905 A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ Válido até 08/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ Freguesia TRAVASSÔ E ÓIS DA RIBEIRA Concelho AGUEDA GPS 40.592482, -8.504090 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Tipos de Fundações Técnicas de Reforço Técnicas de Execução de Caves Casos Práticos Considerações Finais Tipos de Fundações

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 Perguntas e Respostas Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 v0 0 ÍNDICE

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

A nova geração de portas seccionadas de abertura vertical Crawford OH1042. ASSA ABLOY Entrance Systems

A nova geração de portas seccionadas de abertura vertical Crawford OH1042. ASSA ABLOY Entrance Systems A nova geração de portas seccionadas de abertura vertical Crawford OH1042 ASSA ABLOY Entrance Systems PORQUE DEVE ESCOLHER UMA CRAWFORD OH1042 Design atrativo da folha da porta para um aspeto inovador

Leia mais

Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo

Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo Estação de metrô Marienplatz Visualização Marienplatz A estação de metrô Marienplatz é com certeza o entroncamento

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com O Vidro de Controlo Solar e Design www.vitrochaves.com Polivalente para o uso Eficiente da Energia ISOLAR SOLARLUX proporciona uma temperatura ambiente equilibrada Tanto no verão como no inverno. Isto

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Climatização Geosolar em Moura

Climatização Geosolar em Moura Climatização Geosolar em Moura Miguel Santos1, Rogério Duarte2 1 2 Projetista e Consultor, Rua da Boa Vista, 31, Albarraque, 2635-019 Rio de Mouro, Portugal migueldacostasantos@gmail.com Escola Superior

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS PORTO, ABRIL 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS:

Leia mais

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus 1 Arnulfo Barroso Vasconcellos, Dr.; Fernando Novelo, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Antônio

Leia mais

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras At tud p rm t! ERI Engenharia SA A ERI Engenharia S.A. é uma empresa que está no mercado desde 1995. A nossa estratégia de actuação pauta-se pela flexibilidade e ajustamento face às necessidades e exigências

Leia mais

A Renopac Soluções Inteligentes é uma jovem empresa especializada em Energias Renováveis, Climatização e Sistemas Elétricos.

A Renopac Soluções Inteligentes é uma jovem empresa especializada em Energias Renováveis, Climatização e Sistemas Elétricos. A Renopac Soluções Inteligentes é uma jovem empresa especializada em Energias Renováveis, Climatização e Sistemas Elétricos. Tem como principal objetivo proporcionar um serviço eficiente e de extrema qualidade

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase)

O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase) O Armazenamento de Energia Térmica para aquecimento por Calor Latente (P.C.M,s) (Materiais com Mudança de Fase) Por: Alfredo Costa Pereira* Os materiais que mudam de fase (P.C.M,s) armazenam energia mantendo

Leia mais

Água Quente Sanitária. Climatização Passiva. Aquecimento e Arrefecimento. Aquecimento

Água Quente Sanitária. Climatização Passiva. Aquecimento e Arrefecimento. Aquecimento Água Quente Sanitária Climatização Passiva Aquecimento e Arrefecimento Aquecimento A Geotermia Vertical consiste na instalação de sondas geotérmicas para a captação de energia térmica em furos até 200

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

Projec ctar as especialidades..

Projec ctar as especialidades.. Projec ctar as especialidades.. Logo da entidade que apresenta Projectar as especialidades Projecto Uno Lda Engª Paula Neves projecto.uno@sapo.pt Quem somos? A Projecto Uno Projectos, Urbanizações e Construção

Leia mais

Apresentação institucional

Apresentação institucional Apresentação institucional QUEM SOMOS HOJE? A Sotecnisol é uma empresa portuguesa que opera de uma forma consistente nos setores da: construção, ambiente e energia. Com presença física estável no mercado

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 6628-(40) Diário da República, 1.ª série N.º 233 2 de dezembro de 2013 MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 349-D/2013

Leia mais