Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos"

Transcrição

1 Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/ :36 Data Modificação: 21/02/ :36 Tipo Empresa: Empresa nascente

2 1 - Sumário Executivo Resumo Dados dos empreendedores Missão da empresa Setores de atividade Forma jurídica Enquadramento tributário Âmbito federal Âmbito estadual Âmbito municipal Capital social Fonte de recursos 2 - Análise de mercado Estudo dos clientes Estudo dos concorrentes Estudo dos fornecedores 3 - Plano de marketing Produtos e serviços Preço Estratégias promocionais Estrutura de comercialização Localização do negócio 4 - Plano operacional Leiaute Capacidade instalada Processos operacionais Necessidade de pessoal 5 - Plano financeiro Investimentos fixos Estoque inicial Caixa mínimo Investimentos pré-operacionais Investimento total Faturamento mensal Custo unitário Custos de comercialização Apuração do custo de MD e/ou MV Custos de mão-de-obra Custos com depreciação Custos fixos operacionais mensais Demonstrativo de resultados Indicadores de viabilidade 6 - Construção de cenário Ações preventivas e corretivas 7 - Avaliação estratégica Análise da matriz F.O.F.A 8 - Avaliação do plano Análise do plano

3 1 - Sumário Executivo Resumo O plano de negócios foi elaborado com o objetivo de analisar a viabilidade da proposta de terceirização feita por uma empresa médio porte do setor de confecção. O projeto prevê investimentos na compra de máquinas, matéria prima e para capital de giro. Indicadores Ano 1 Ponto de Equilíbrio R$ ,34 Lucratividade 47,85 % Rentabilidade 458,88 % Prazo de retorno do investimento 3 meses Dados dos empreendedores Nome: Endereço: Maria Tereza da Silva Santos Rua Alterosas, 50 Morro Alto. Cidade: Muriaé - Estado: Minas Gerais Perfil: Maria Tereza possui grande experiência no setor de confecção e moda. Costura desde a adolescência e aperfeiçoou suas habilidades participando de cursos e palestras. É hábil na modelagem e desenvolve os próprios modelos. Domina o processo de produção e preza pela qualidade e detalhes das peças. Atribuições: Como empreendedora individual, conhece todas as rotinas para condução do negócio: compras, produção, vendas e os controles financeiros básicos Missão da empresa Oferecer conforto e qualidade na produção de moda íntima noite e seus complementos Setores de atividade [x] Agropecuária [ ] Comércio [ ] Indústria [ ] Serviços Forma jurídica 3 de 29

4 ( ) Empresário ( ) Sociedade Limitada (x) Outros: Micro Empreendedor Individual - EI Enquadramento tributário Âmbito federal (x) Empreendedor Individual ( ) Regime SIMPLES ( ) Regime NORMAL IRPJ Imposto de Renda Pessoa Jurídica PIS Contribuição para os Programas de Integração Social COFINS Contribuição para Financiamento da Seguridade Social CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido IPI Imposto sobre Produtos Industrializados (apenas para indústria) Âmbito estadual ( ) ICMS Regime Simplificado ( ) ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (SISTEMA DÉBITO E CRÉDITO) Âmbito municipal ( ) ISS Imposto sobre Serviços Capital social Nº Sócio Valor Participação (%) 1 Maria Tereza da Silva Santos R$ 6.109,66 100,00 Total R$ 6.109,66 100, Fonte de recursos A empresa será montada com recursos próprios e utilizando uma linha de financiamento fornecida pela cooperativa de crédito local. 4 de 29

5 2 - Análise de mercado Estudo dos clientes Público-alvo (perfil dos clientes) O público alvo é formado por homens e mulheres, adultos, adolescentes e crianças que gostam de roupas de dormir bonitas e confortáveis. Os clientes diretos serão confecções que terceirizam parte do seu processo produtivo e também lojas de artigos do vestuário da região. Comportamento dos clientes (interesses e o que os levam a comprar) Consumidor final: Pessoas que compram roupas para dormir e seus complementos para uso pessoal ou para presentear. Compradores: Confecções de médio porte que terceirizam parte da produção para ganhar em eficiência e que tem como requisito de fornecimento custo competitivo, qualidade e agilidade na entrega. Lojas de artigos do vestuário da região que querem adquirir produtos de qualidade, estilo e com preço de compra acessível. No início do inverno, as vendas aumentam consideravelmente, assim como em datas comemorativas (dia das mães, dos pais e Natal). Área de abrangência (onde estão os clientes?) As vendas serão feitas para as principais confecções (terceirização) e lojas da área central do município e região. 5 de 29

6 2.2 - Estudo dos concorrentes Empresa Qualidade Preço Condições de Pagamento Localização Atendimento Serviços aos clientes Garantias oferecidas Maria Tereza da Silva Santos Muito boa Mais Barato Dinheiro; Cheque Bairro Próximo ao centro. Segunda a sexta na parte da tarde. Contato direto com a proprietária. Pijamas masculinos e femininos tamanhos P, M e G, infantil e adulto e camisolas Qualidade da malha, da linha e da costura. Bom gosto nas cores e estampas. Concorrente 1 Joana Evangelista de Souza - EI Boa. O mesmo Preço Dinheiro ou Cheque No mesmo Bairro. O Mesmo. Somente pijamas masculinos. Garantia de entrega no horário combinado. Concorrente 2 Fáb.de Pijamas Alterosa Ltda - ME Muito boa. Preço ligeiramente mais caro. Dinheiro, cheque ou cartão. Cataguases - MG. Segunda a sexta - horário comercial. Ampla linha de pijamas e camisolas. Produção em escala bem maior. Tecidos importados. Conclusões Além de atender as demandas de terceirização das confecções de médio porte, serão produzidos pijamas, camisolas e similares para as lojas da região. Apesar da concorrência local e de empresas do Rio de Janeiro, São Paulo, Juiz de Fora e importados, os produtos comercializados terão maior aceitação para um público tradicional, exigente e com um preço justo, mas um pouco menor que o praticado pelos concorrentes. 6 de 29

7 2.3 - Estudo dos fornecedores Descrição dos itens a Nº serem adquiridos (matérias-primas, insumos, mercadorias Nome do fornecedor Preço Condições de pagamento Prazo de entrega Localização (estado e/ou município) e serviços) Malhas de boa 1 qualidade, nacionais ou importadas. Diversas Casa das Malhas Ltda. (nome fictício) Mais barato. 30 dias no cartão, cheque ou boleto. 3 dias Juiz de Fora - MG cores e estampas. 2 Tecido de algodão, linhas, arremates e botões. Paulinho Aviamentos. (nome fictício) Mais Barato À vista c/ 3% de desconto ou 30 dias no cheque Imediato Muriaé - MG 3 Fornecedor alternativo aos produtos acima. Tecidos e Armarinhos Pérola Ltda. - EPP (nome fictício) Mais caro um pouco. 30 dias no cartão, cheque ou boleto. Imediato Muriaé-MG 4 Etiquetas para roupas Jefferson Etiquetas Personalizadas Normal 30 dias no cheque. 2 dias. Juiz de Fora - MG 5 Embalagem Plástica Embalagens Miranda Ltda - EPP Normal 30 dias no cartão, cheque ou boleto. Imediato Muriaé-MG 7 de 29

8 3 - Plano de marketing Produtos e serviços Pijama masculino em malha ou algodão; Pijama masculino infantil em malha ou flanela; Pijama feminino adulto em malha; Camisola feminina adulto em malha; Camisola feminina infantil em malha ou flanela; Nº Produtos / Serviços 1 Pijama masculino longo em malha 2 Pijama masculino curto em malha 3 Pijama masculino infantil curto em malha 4 Pijama masculino infantil longo em flanela 5 Pijama feminino longo adulto em malha 6 Camisola feminina curta adulto em malha 7 Camisola feminina curta infantil em malha 8 Camisola feminina longa infantil em flanela Preço Os preços foram calculados com base nos custos, em pesquisas feitas nos concorrentes diretos, no perfil dos clientes e na oferta de valor do negócio Estratégias promocionais Para as confecções e lojistas a estratégia será desenvolver o relacionamento comercial, mantendo e melhorando o padrão de qualidade dos produtos e serviços sem comprometer o preço e os prazos de entrega combinados. Serão fabricados volumes extras em datas comemorativas (dia das mães, dos pais e Natal) e oferecidas condições especiais de pagamento (30 e 60 dias) nas compras para o verão. Serão produzidos folder, catálogo de produtos, cartões de visita e um perfil para a empresa no facebook Estrutura de comercialização A comercialização será feita pela própria empreendedora através de visitas pessoais às empresas clientes Localização do negócio Endereço: Bairro: Cidade: Maria Tereza da Silva Santos Morro Alto Muriaé 8 de 29

9 Estado: Minas Gerais Fone 1: (32) Fone 1: (32) Fax: (32) Considerações sobre o ponto (localização), que justifiquem sua escolha: A área de produção e o pequeno showroom da empresa estão localizados em um espaço construído no terreno da residência da empreendedora em um cômodo de 25 m² onde ficam as máquinas e o estoque de matéria-prima e produtos acabados. 9 de 29

10 4 - Plano operacional Leiaute Capacidade instalada Qual a capacidade máxima de produção (ou serviços) e comercialização? A capacidade produtiva máxima é de aproximadamente 900 peças mês. Isso corresponde a, aproximadamente, 400 pijamas (duas peças) e 100 camisolas (peça única). Qual será o volume de produção (ou serviço) e comercialização iniciais? O Volume de produção e comercialização iniciais serão de 300 peças ao mês Processos operacionais Compras As compras de tecidos, linhas, botões e demais aviamentos serão feitas pela própria empreendedora. Inicialmente as compras serão 100% a prazo. No futuro será possível solicitar um empréstimo para capital de giro para viabilizar a aquisição dos materiais à vista com desconto. Recepção da matéria prima Todos os materiais serão conferidos assim que entregues em relação às especificações de quantidade e qualidade presentes no pedido. Desenho, modelagem, corte e costura O desenho das peças e a modelagem serão feitos pela empreendedora. Os procedimentos de corte, costura e arremates serão realizados por ela e por uma ajudante. 10 de 29

11 Embalagem As peças destinadas a outras confecções serão embaladas em caixas e etiquetadas com informações sobre o produto (modelo, numeração, quantidade e a data de fabricação). As peças fornecidas para as lojas serão embaladas uma a uma em sacos plásticos transparentes e levarão a etiqueta com o nome da marca e com as especificações do produto. Vendas e entregas As confecções se responsabilizarão em buscar semanalmente as peças encomendadas. Os produtos adquiridos por lojistas serão entregues pela empreendedora em carro próprio (utilitário) conforme programação feita com os clientes. Controle de Caixa As contas serão controladas pela própria Tereza utilizando uma planilha de movimento e fluxo de caixa disponibilizada pelo agente da cooperativa de crédito do município Necessidade de pessoal Nº Cargo/Função Qualificações necessárias 1 Costureira ajudante Experiência anterior, conhecimento de técnicas de corte e costura industrial, disposição para o trabalho, destreza manual e concentração no trabalho. 11 de 29

12 5 - Plano financeiro Investimentos fixos A Imóveis Nº Descrição Qtde Valor Unitário Total SUB-TOTAL (A) R$ 0,00 B Máquinas Nº Descrição Qtde Valor Unitário Total 1 Máquina de costura industrial - Singer 2 R$ 1.100,00 R$ 2.200,00 2 Maquina de corte 4- Yamata 1 R$ 300,00 R$ 300,00 3 Máquina de costura reserva - usada 1 R$ 600,00 R$ 600,00 SUB-TOTAL (B) R$ 3.100,00 C Equipamentos Nº Descrição Qtde Valor Unitário Total SUB-TOTAL (C) R$ 0,00 D Móveis e Utensílios Nº Descrição Qtde Valor Unitário Total 1 Cadeira para a máquina de costura 2 R$ 100,00 R$ 200,00 2 Bancada para corte 1 R$ 200,00 R$ 200,00 3 Estantes de metalon (usadas) 6 R$ 90,00 R$ 540,00 SUB-TOTAL (D) R$ 940,00 E Veículos Nº Descrição Qtde Valor Unitário Total SUB-TOTAL (E) R$ 0,00 F Computadores Nº Descrição Qtde Valor Unitário Total 12 de 29

13 SUB-TOTAL (F) R$ 0,00 TOTAL DOS INVESTIMENTOS FIXOS TOTAL DOS INVESTIMENTOS FIXOS (A+B+C+D+E+F): R$ 4.040, Estoque inicial Nº Descrição Qtde Valor Unitário Total 1 Malha - cores diversas K. 25 R$ 8,00 R$ 200,00 2 Flanela estampada. M². 30 R$ 9,00 R$ 270,00 3 Linha Corrente Sol 5000 m. 6 R$ 16,70 R$ 100,20 4 Botões diversos - milheiro 1 R$ 30,00 R$ 30,00 5 Etiqueta - milheiro. 1 R$ 150,00 R$ 150,00 6 Plásticos - milheiro. 1 R$ 54,25 R$ 54,25 7 Arremates diversos - verba 1 R$ 100,00 R$ 100,00 TOTAL (A) R$ 904, Caixa mínimo 1º Passo: Contas a receber Cálculo do prazo médio de vendas Prazo médio de vendas (%) Número de dias Média Ponderada em dias A prazo (1) - Cartão 30 d. 50, ,50 A prazo (2) - Cartão 2 x 20, ,00 A prazo (3) - Cartão 3 x 20, ,00 À vista 10,00 0 0,00 Prazo médio total 23 2º Passo: Fornecedores Cálculo do prazo médio de compras Prazo médio de compras (%) Número de dias Média Ponderada em dias A prazo (1 100, ,00 Prazo médio total de 29

14 3º Passo: Estoque Cálculo de necessidade média de estoque Necessidade média de estoque Numero de dias 12 4º Passo: Cálculo da necessidade líquida de capital de giro em dias Recursos da empresa fora do seu caixa Número de dias 1. Contas a Receber prazo médio de vendas Estoques necessidade média de estoques 12 Subtotal Recursos fora do caixa 35 Recursos de terceiros no caixa da empresa 3. Fornecedores prazo médio de compras 30 Subtotal Recursos de terceiros no caixa 30 Necessidade Líquida de Capital de Giro em dias 5 Caixa Mínimo 1. Custo fixo mensal R$ 2.336,19 2. Custo variável mensal R$ 1.655,05 3. Custo total da empresa R$ 3.991,24 4. Custo total diário R$ 133,04 5. Necessidade Líquida de Capital de Giro em dias 5 Total de B Caixa Mínimo R$ 665,21 Capital de giro (Resumo) Descrição Valor A Estoque Inicial R$ 904,45 B Caixa Mínimo R$ 665,21 TOTAL DO CAPITAL DE GIRO (A+B) R$ 1.569, Investimentos pré-operacionais Descrição Valor Despesas de Legalização R$ 0,00 Obras civis e/ou reformas R$ 0,00 Divulgação R$ 0,00 Cursos e Treinamentos R$ 0,00 14 de 29

15 Outras despesas R$ 0,00 Despesas de legalização R$ 100,00 Obras civis e/ou reformas e instalações R$ 400,00 Divulgação R$ 0,00 Cursos e treinamentos R$ 0,00 Placas e letreiros R$ 0,00 Consultoria e projetos R$ 0,00 Outras despesas R$ 0,00 TOTAL R$ 500, Investimento total Descrição dos investimentos Valor (%) Investimentos Fixos Quadro 5.1 R$ 4.040,00 66,12 Capital de Giro Quadro 5.2 R$ 1.569,66 25,69 Investimentos Pré-Operacionais Quadro 5.3 R$ 500,00 8,18 TOTAL ( ) R$ 6.109,66 100,00 Fontes de recursos Valor (%) Recursos próprios R$ 4.032,37 66,00 Recursos de terceiros R$ 2.077,28 34,00 Outros R$ 0,00 0,00 TOTAL ( ) R$ 6.109,66 100,00 15 de 29

16 5.6 - Faturamento mensal Nº Produto/Serviço Quantidade (Estimativa de Vendas) Preço de Venda Unitário (em R$) Faturamento Total (em R$) 1 Pijama masculino longo em malha 25 R$ 17,50 R$ 437,50 2 Pijama masculino curto em malha 50 R$ 15,00 R$ 750,00 3 Pijama masculino infantil curto em malha 50 R$ 12,50 R$ 625,00 4 Pijama masculino infantil longo em flanela 20 R$ 14,00 R$ 280,00 5 Pijama feminino longo adulto em malha 30 R$ 22,50 R$ 675,00 6 Camisola feminina curta adulto em malha 50 R$ 19,90 R$ 995,00 7 Camisola feminina curta infantil em malha 45 R$ 14,90 R$ 670,50 8 Camisola feminina longa infantil em flanela 30 R$ 15,00 R$ 450,00 TOTAL R$ 4.883,00 Projeção das Receitas: (x) Sem expectativa de crescimento ( ) Crescimento a uma taxa constante: 0,00 % ao mês para os 12 primeiros meses 0,00 % ao ano a partir do 2º ano ( ) Entradas diferenciadas por período Período Faturamento Total Mês 1 R$ 4.883,00 Mês 2 R$ 4.883,00 Mês 3 R$ 4.883,00 Mês 4 R$ 4.883,00 Mês 5 R$ 4.883,00 Mês 6 R$ 4.883,00 16 de 29

17 Mês 7 R$ 4.883,00 Mês 8 R$ 4.883,00 Mês 9 R$ 4.883,00 Mês 10 R$ 4.883,00 Mês 11 R$ 4.883,00 Mês 12 R$ 4.883,00 Ano 1 R$ , Custo unitário Produto: Pijama masculino longo em malha Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Malha para a calça - quilo 0,32 R$ 8,00 R$ 2,56 Malha para a camisa - quilo 0,43 R$ 8,00 R$ 3,44 Linha - metros 10,00 R$ 0,03 R$ 0,30 Arremate 1,00 R$ 0,10 R$ 0,10 Botões 5,00 R$ 0,03 R$ 0,15 Etiquetas 2,00 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1,00 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 6,96 Produto: Pijama masculino curto em malha Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Malha para a calça - quilo 0,21 R$ 8,00 R$ 1,68 17 de 29

18 Malha para a camisa - quilo 0,34 R$ 8,00 R$ 2,72 Linha - metros 7 R$ 0,03 R$ 0,21 Arremate 1 R$ 0,10 R$ 0,10 Botões 5 R$ 0,03 R$ 0,15 Etiquetas 2 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 5,27 Produto: Pijama masculino infantil curto em malha Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Malha para a calça - quilo 0,18 R$ 8,00 R$ 1,44 Malha para a camisa - quilo 0,29 R$ 8,00 R$ 2,32 Linha - metros 5 R$ 0,03 R$ 0,15 Arremate 1,00 R$ 0,10 R$ 0,10 Botões 5,00 R$ 0,03 R$ 0,15 Etiquetas 2,00 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1,00 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 4,57 Produto: Pijama masculino infantil longo em flanela Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Flanela para a calça - quilo 0,18 R$ 9,00 R$ 1,62 Malha para a camisa - quilo 0,29 R$ 9,00 R$ 2,61 Linha - metros 7 R$ 0,03 R$ 0,21 Arremate 1,00 R$ 0,10 R$ 0,10 Botões 5,00 R$ 0,03 R$ 0,15 Etiquetas 2,00 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1,00 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 5,10 Produto: Pijama feminino longo adulto em malha Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Malha para a calça - quilo 0,32 R$ 8,00 R$ 2,56 Malha para a camisa - quilo 0,43 R$ 8,00 R$ 3,44 Linha - metros 10,00 R$ 0,03 R$ 0,30 18 de 29

19 Arremate 3,00 R$ 0,10 R$ 0,30 Botões 5,00 R$ 0,03 R$ 0,15 Etiquetas 2,00 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1,00 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 7,16 Produto: Camisola feminina curta adulto em malha Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Malha - quilo 0,32 R$ 8,00 R$ 2,56 Linha - metros 5,00 R$ 0,03 R$ 0,15 Arremate 3,00 R$ 0,10 R$ 0,30 Botões 2,00 R$ 0,03 R$ 0,06 Etiquetas 2,00 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1,00 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 3,48 Produto: Camisola feminina curta infantil em malha Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Malha - quilo 0,26 R$ 8,00 R$ 2,08 Linha - metros 3,00 R$ 0,03 R$ 0,09 Arremate 2,00 R$ 0,10 R$ 0,20 Botões 0 R$ 0,03 R$ 0,00 Etiquetas 2,00 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1,00 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 2,78 Produto: Camisola feminina longa infantil em flanela Materiais / Insumos usados Qtde Custo Unitário Total Malha - quilo 0,40 R$ 9,00 R$ 3,60 Linha - metros 3,00 R$ 0,03 R$ 0,09 Arremate 2,00 R$ 0,10 R$ 0,20 Botões 0 R$ 0,03 R$ 0,00 Etiquetas 2,00 R$ 0,15 R$ 0,30 Embalagem 1,00 R$ 0,11 R$ 0,11 TOTAL R$ 4,30 19 de 29

20 5.8 - Custos de comercialização Descrição (%) Faturamento Estimado Custo Total Comissões (Gastos com Vendas) 5,00 R$ 4.883,00 R$ 244,15 Propaganda (Gastos com Vendas) 0,00 R$ 4.883,00 R$ 0,00 Taxas de Cartões (Gastos com Vendas) 0,00 R$ 4.883,00 R$ 0,00 Total Impostos R$ 0,00 Total Gastos com Vendas R$ 244,15 Total Geral (Impostos + Gastos) R$ 244,15 Período Custo Total Mês 1 R$ 244,15 Mês 2 R$ 244,15 Mês 3 R$ 244,15 Mês 4 R$ 244,15 Mês 5 R$ 244,15 Mês 6 R$ 244,15 Mês 7 R$ 244,15 Mês 8 R$ 244,15 Mês 9 R$ 244,15 Mês 10 R$ 244,15 Mês 11 R$ 244,15 Mês 12 R$ 244,15 Ano 1 R$ 2.929,80 20 de 29

21 5.9 - Apuração do custo de MD e/ou MV Estimativa de Custo Unitário Nº Produto/Serviço Vendas (em de Matériais CMD / CMV unidades) /Aquisições 1 Pijama masculino longo em malha 25 R$ 6,96 R$ 174,00 2 Pijama masculino curto em malha 50 R$ 5,27 R$ 263,50 3 Pijama masculino infantil curto em malha 50 R$ 4,57 R$ 228,50 4 Pijama masculino infantil longo em flanela 20 R$ 5,10 R$ 102,00 5 Pijama feminino longo adulto em malha 30 R$ 7,16 R$ 214,80 6 Camisola feminina curta adulto em malha 50 R$ 3,48 R$ 174,00 7 Camisola feminina curta infantil em malha 45 R$ 2,78 R$ 125,10 8 Camisola feminina longa infantil em flanela 30 R$ 4,30 R$ 129,00 TOTAL R$ 1.410,90 Período CMD/CMV Mês 1 R$ 0,00 Mês 2 R$ 0,00 Mês 3 R$ 0,00 Mês 4 R$ 0,00 Mês 5 R$ 0,00 Mês 6 R$ 0,00 Mês 7 R$ 0,00 Mês 8 R$ 0,00 Mês 9 R$ 0,00 Mês 10 R$ 0,00 Mês 11 R$ 0,00 Mês 12 R$ 0,00 Ano 1 R$ 0,00 21 de 29

22 Custos de mão-de-obra Função Nº de Empregados Salário Mensal Subtotal (%) de encargos sociais Encargos sociais Total Costureira ajudante 1 R$ 672,00 R$ 672,00 11,00 R$ 73,92 R$ 745,92 TOTAL 1 672,00 R$ 73,92 R$ 745, Custos com depreciação Ativos Fixos Valor do bem Vida útil em Anos Depreciação Anual Depreciação Mensal EQUIPAMENTOS R$ 4.040,00 10 R$ 404,00 R$ 33,67 MÓVEIS E UTENSÍLIOS R$ 4.040,00 10 R$ 404,00 R$ 33,67 Total R$ 808,00 R$ 67, Custos fixos operacionais mensais Descrição Custo Aluguel R$ 0,00 Condomínio R$ 0,00 IPTU R$ 0,00 Energia elétrica R$ 200,00 Telefone + internet R$ 100,00 Honorários do contador R$ 0,00 Pró-labore R$ 800,00 22 de 29

23 Manutenção dos equipamentos R$ 60,00 Salários + encargos R$ 745,92 Material de limpeza R$ 30,00 Material de escritório R$ 0,00 Taxas diversas R$ 0,00 Serviços de terceiros R$ 0,00 Depreciação R$ 67,34 Contribuição Empreendedor Individual R$ 39,90 Outras taxas R$ 0,00 Juros e amortizações do financiamento R$ 93,03 Diversos R$ 200,00 TOTAL R$ 2.336,19 Projeção dos Custos: (x) Sem expectativa de crescimento ( ) Crescimento a uma taxa constante: 0,00 % ao mês para os 12 primeiros meses 0,00 % ao ano a partir do 2º ano ( ) Entradas diferenciadas por período Período Custo Total Mês 1 R$ 2.302,51 Mês 2 R$ 2.302,51 Mês 3 R$ 2.302,51 Mês 4 R$ 2.302,51 Mês 5 R$ 2.302,51 Mês 6 R$ 2.302,51 Mês 7 R$ 2.302,51 Mês 8 R$ 2.302,51 Mês 9 R$ 2.302,51 Mês 10 R$ 2.302,51 Mês 11 R$ 2.302,51 Mês 12 R$ 2.302,51 Ano 1 R$ ,12 23 de 29

24 Demonstrativo de resultados Descrição Valor Valor Anual (%) 1. Receita Total com Vendas R$ 4.883,00 R$ ,00 100,00 2. Custos Variáveis Totais 2.1 (-) Custos com materiais diretos e/ou CMV(*) R$ 1.410,90 R$ ,80 28, (-) Impostos sobre vendas R$ 0,00 R$ 0,00 0, (-) Gastos com vendas R$ 244,15 R$ 2.929,80 5,00 Total de custos Variáveis R$ 1.655,05 R$ ,60 33,89 3. Margem de Contribuição R$ 3.227,95 R$ ,40 66,11 4. (-) Custos Fixos Totais R$ 2.336,19 R$ ,28 47,84 5. Resultado Operacional: LUCRO R$ 891,76 R$ ,12 18,26 Período Resultado Mês 1 R$ 891,76 Mês 2 R$ 2.336,34 Mês 3 R$ 2.336,34 Mês 4 R$ 2.336,34 Mês 5 R$ 2.336,34 Mês 6 R$ 2.336,34 Mês 7 R$ 2.336,34 Mês 8 R$ 2.336,34 Mês 9 R$ 2.336,34 Mês 10 R$ 2.336,34 Mês 11 R$ 2.336,34 Mês 12 R$ 2.336,34 24 de 29

25 Ano 1 R$ , Indicadores de viabilidade Indicadores Ano 1 Ponto de Equilíbrio R$ ,34 Lucratividade 47,85 % Rentabilidade 458,88 % Prazo de retorno do investimento 3 meses 25 de 29

26 6 - Construção de cenário Ações preventivas e corretivas Receita (pessimista) 20,00 % Receita (otimista) 20,00 % Descrição Cenário provável Cenário pessimista Cenário otimista Valor (%) Valor (%) Valor (%) 1. Receita total com vendas R$ 4.883,00 100,00 R$ 3.906,40 100,00 R$ 5.859,60 100,00 2. Custos variáveis totais 2.1 (-) Custos com materiais diretos e ou CMV R$ 1.410,90 28,89 R$ 1.128,72 28,89 R$ 1.693,08 28, (-) Impostos sobre vendas R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 0, (-) Gastos com vendas R$ 244,15 5,00 R$ 195,32 5,00 R$ 292,98 5,00 Total de Custos Variáveis R$ 1.655,05 33,89 R$ 1.324,04 33,89 R$ 1.986,06 33,89 3. Margem de contribuição R$ 3.227,95 66,11 R$ 2.582,36 66,11 R$ 3.873,54 66,11 4. (-) Custos fixos totais R$ 2.336,19 47,84 R$ 2.336,19 59,80 R$ 2.336,19 39,87 Resultado Operacional R$ 891,76 18,26 R$ 246,17 6,30 R$ 1.537,35 26,24 Ações corretivas e preventivas: 26 de 29

27 7 - Avaliação estratégica Análise da matriz F.O.F.A FATORES INTERNOS FATORES EXTERNOS PONTOS FORTES PONTOS FRACOS FORÇAS Experiência profissional. Contrato de fornecimento com uma média confecção da cidade. Qualidade da malha e da costura. FRAQUEZAS Necessidade de capital de giro para aumentar a produção. Falta de espaço para expandir. OPORTUNIDADES Crescimento do comércio local. Concentração de médias e grandes confecções na região. AMEAÇAS Limitações legais de contratar mais costureiras sendo MEI. Dificuldade de mão de obra caso sua ajudante arrume outro emprego. Aumento da concorrência. Ações: Estimular as forças, aproveitas as oportunidades, diminuir as fraquezas e contornar as ameaças. 27 de 29

28 8 - Avaliação do plano Análise do plano O plano de negócios foi feito para se obter uma visão melhor da viabilidade e do modelo de negócios do empreendimento. Como microempreendedora Individual será possível desenvolver as atividades de compra, venda e produção dentro da legalidade e com um risco menor. O projeto traz vários outros pontos favoráveis: flexibilidade de horário, poder trabalhar em casa e mais perto da família, independência, autonomia e a oportunidade de criar um novo posto de trabalho. Sua visão de futuro é deixar de ser microempreendededor individual para constituir uma microempresa no ramo de confecção em até dois anos tendo como objetivo principal crescer para aumentar a produção, o faturamento e os lucros. 28 de 29

29 Termo de Aceite SOFTWARE CEPN COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIO O software CEPN tem o objetivo de oferecer uma ferramenta simples e aplicável para auxiliar na construção de um plano de negócios. A criação de uma empresa é uma tarefa complexa e o plano de negócios, enquanto instrumento de planejamento, é utilizado em todo o mundo e por diversas instituições, sendo aplicável à empresas dos mais diversos tamanhos e atividades. Neste sentido, um plano de negócios permite elaborar um planejamento para ingresso no ambiente empresarial, acompanhamento de resultados e atração de recursos e parceiros. Para Dolabela *, sua finalidade é diminuir riscos e fazer com que o empreendedor tenha a capacidade de estimar se sua empresa, projetada com base na sua visão, expectativas, pesquisa e conhecimento de mercado, é viável ou não. Sua elaboração não garante a eliminação total dos riscos e nem mesmo o sucesso, mas evita que possíveis erros sejam cometidos pela falta de análise. * DOLABELA, F. C. O Segredo de Luísa: uma idéia, uma paixão e um plano de negócios: como nasce o empreendedor e se cria uma empresa. São Paulo: Cultura Editores Associados, Informações Gerais Um plano de negócios não garante por si só o sucesso de uma empresa.lembre-se de que existem fatores externos que influenciam no desempenho do negócio, aos quais você deve estar atento, monitorando riscos e aproveitando oportunidades. Fatores internos também determinam a continuidade, o crescimento e o sucesso do negócio. Esses fatores são de inteira responsabilidade do empreendedor e estão relacionados, por exemplo, a ações planejadas no curto e longo prazo e à implantação de um bom modelo de gestão para a empresa. Um plano de negócios é antes de mais nada uma ação de planejamento. Portanto, você deve reunir o maior número possível de informações. Informação é a matéria-prima de um plano de negócio e quanto mais precisas forem as informações pesquisadas por você, maior a qualidade do plano. Pesquise tudo sobre o seu setor. Informações podem ser obtidas em revistas especializadas, associações, feiras, cursos, junto a outros empresários do ramo, na Internet, com clientes, fornecedores e especialistas (consultores, contabilistas, advogados, funcionários do governo, etc.). Um plano de negócio não é um instrumento rígido, estando sujeito a ajustes em função de mudanças do mercado e do ambiente interno do empreendimento. Assim, é responsabilidade do empreendedor revisá-lo permanentemente. O plano de negócios é uma importante instrumento gerencial, mas não figura como fim em si mesma. Existem uma série de outras ferramentas, que devem ser utilizadas por você na gestão do empreendimento, conforme cada caso. O plano de negócios pode vir a ser demandado por uma instituição financeira quando em um eventual pedido de empréstimo. Entretanto, este plano não assegura a obtenção dos recursos, pois cada instituição financeira têm seus próprios requisitos e exigências. Quanto mais claras as idéias em seu plano, melhores tendem a ser os resultados. Um plano de negócio pode ser utilizado para conseguir sócios e investidores, estabelecer parcerias com fornecedores e clientes ou mesmo na busca de recursos. Entretanto, o maior usuário do seu plano é você. Tenho ciência e concordo com os termos acima. Plano de Negócio - Exemplos 29 de 29

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

APP - Interatividade

APP - Interatividade APP - Interatividade "não compartilhe o seu tempo livre - viva-o" APP - Interatividade Elaborado por: Alexandre Nogueira Cunha Data criação: 24/02/2015 00:43 Data Modificação: 01/03/2015 19:13 Tipo Empresa:

Leia mais

Fabrica de Doces - Exemplo

Fabrica de Doces - Exemplo Doces Marília de Dirceu Fabrica de Doces - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:26 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Restaurante - Exemplo

Restaurante - Exemplo Restaurante - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 27/01/2014 16:50 Data Modificação: 21/02/2014 14:26 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo 1.2

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA

PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA PLANO DE NEGÓCIOS CÓDIGO: DATA: 1) INTRODUÇÃO O plano de negócio é um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido,

Leia mais

Plano de Negocio Sistemas Security

Plano de Negocio Sistemas Security Plano de Negocio Sistemas Security GOIÂNIA,05/12/2015 A Empresa A Sistema Security nasceu da idéia de Alunos do Senac quando cursavam o último período do curso de segurança da Informaçao. Área de Atuação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Análise Econômica. Nívea Cordeiro

Análise Econômica. Nívea Cordeiro Análise Econômica Nívea Cordeiro 1 2011 Análise Econômica Permite levantar o montante que será gasto no empreendimento e se este dará lucro ou prejuízo. A análise econômica trabalha por competência, permitindo

Leia mais

Plano de Negócio - Agronegócio Atividade Individual em aula 3,0 pontos

Plano de Negócio - Agronegócio Atividade Individual em aula 3,0 pontos FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE AGRONEGÓCIOS Professor Paulo Nunes 1

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira.

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Silvanda de Jesus Aleixo Ferreira 0201002501 Belém-PA

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura.

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura. Table of Contents Sobre o material Geo Studio Apresentação Mercado de Rastreadores Mercado de Rastreadores Equipamentos Estrutura Estrutrua Localização Pessoal Mercadoria Produtividade da Empresa Automação

Leia mais

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS MATERIAL COMPLEMENTAR PARTE 2 IDEIAS DE NEGÓCIOS PROFª MAISA ALVES masantos@prof.ung.br Fevereiro, 2014 PLANO DE NEGÓCIOS...

Leia mais

PROGRAMA CREDJOVEM NOME DO EMPREENDIMENTO

PROGRAMA CREDJOVEM NOME DO EMPREENDIMENTO ANEXO I PROGRAMA CREDJOVEM PLANO DE NEGÓCIO NOME DO EMPREENDIMENTO 2014 2. Informações Gerais dos Jovens. 2.1 CREDJOVEM - Sócio 1 Nome: Endereço:, nº: Bairro: Complemento: CEP: Data de Nascimento: RG:

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO O estudo de viabilidade econômica para o setor de empreendimento imobiliário representa uma consultoria completa. Com ele será possível obter

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Pessoa para Contato: João Barbosa. Rua Ceará, 1254. Belo Horizonte MG.

Pessoa para Contato: João Barbosa. Rua Ceará, 1254. Belo Horizonte MG. PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA DO RAMO DE SERVIÇOS ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Brilhante Serviços de Limpeza Razão Social: Barbosa e Rodrigues ME Sócios: João Barbosa e Jerônimo

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae Data: Nome da Empresa: Nome dos Proprietário(s): Endereço: Telefone: Email: 1 Empreendimento Proposto 1.1 Objetivo do Empreendimento: A empresatem por objetivo principal

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

SAMUEL GONSALES. Articulista: e-commerce Brasil, e-commerce News, imasters, TI Inside, TI Especialistas, ERP News, Administradores e muitos outros.

SAMUEL GONSALES. Articulista: e-commerce Brasil, e-commerce News, imasters, TI Inside, TI Especialistas, ERP News, Administradores e muitos outros. SAMUEL GONSALES MBA em Gestão de Negócios e PÓS em Sistemas Integrados de Gestão (ERP). Gerente de Produtos e-millennium. Professor Universitário IBTA e SENAC. Articulista: e-commerce Brasil, e-commerce

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Elaboração de Plano de Negócio Leandro Lind 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais!

Elaboração de Plano de Negócio Leandro Lind 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Elaboração de Plano de Negócio Leandro Lind 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! O que é importante para você? O que é importante para você? Saúde! O que

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE Objetivo: Apresentar aos participantes os principais pontos a serem considerados no planejamento

Leia mais

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Sejam bem-vindos Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Curso 5 dias 1º 2º 3º 4º 5º Curso 10 dias OBJETIVOS 1º Apresentação do curso, empreendedorismo e CCE's 2º Cenário macroeconômico,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE

ESTUDO DE VIABILIDADE ESTUDO DE VIABILIDADE REDE LOCAL / ARRANJO PRODUTIVO LOCAL / CADEIA PRODUTIVA NOME: SIGLA: ESTADO: 1º Parte - Viabilidade Econômica e Ambiental Esta é a dimensão mais importante do estudo de viabilidade

Leia mais

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Apresentação Valdecir de Oliveira Pereira Diretorde Desenvolvimento valdecir@grvsoftware.com.br www.grvsoftware.com.br GRV Software

Leia mais

Plano de Negócios. Nívea Cordeiro 2011

Plano de Negócios. Nívea Cordeiro 2011 Plano de Negócios Nívea Cordeiro 2011 www.cordeiroeaureliano.com.br nivea@cordeiroeaureliano.com.br 2011 2 O Doidinho da Aldéia Vamos exercitar nossas habilidades empreendedoras; O que significou: O vendedor

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Viabilidade de Negócios. Serviço

Viabilidade de Negócios. Serviço Viabilidade de Negócios Serviço SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANALISANDO A VIABILIDADE DO NEGÓCIO... 12 3. INVESTIMENTOS FIXOS... 17 4. GASTOS FIXOS MENSAIS... 23 5. CAPITAL DE GIRO INICIAL... 38 6. INVESTIMENTO

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

Universidade São Marcos

Universidade São Marcos FUNDAMENTOS DE FINANÇAS AS FLEX UNIDADE 4 - Aula 2 GESTÃO DE CUSTOS Margem de Contribuição e Ponto de Equilíbrio CENÁRIO ATUAL O Mercado cada vez mais competitivo. Preocupação dos empresários com seus

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

MANUAL DO EMPRESÁRIO

MANUAL DO EMPRESÁRIO MANUAL DO EMPRESÁRIO ÍNDICE GERAL Pagina CAPITULO I VOCÊ, COMO EMPRESÁRIO E SUA EMPRESA 012 PARTE I TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER 012 ITEM I O QUE VOCÊ DEVE SER E TER 012 PARTE II O PLANEJAMENTO DA SUA

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria 1 OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma visão prática do ponto de vista de mercado e correta

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

COORDENADOR ADMINISTRATIVO DE VENDAS

COORDENADOR ADMINISTRATIVO DE VENDAS COORDENADOR ADMINISTRATIVO DE VENDAS Escolaridade: Superior completo em áreas afins Experiência: Necessário experiência em: - Gestão Comercial (preferencialmente como analista de vendas ou outra interna),

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA Sumário SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA... 3 INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE COLCHÕES... 4 Laminação (corte) de blocos de espuma... 4 Fechamento e costura dos colchões... 5 ROTEIRO DE DECISÃO... 7

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS Introdução Defina o tipo de empresa Capítulo 1 Registre a sua marca e o seu domínio Capítulo 2 Prepare-se para os impostos Capítulo 3 O direito do e-consumidor

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

PLANEJAMENTO. Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso do que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições.

PLANEJAMENTO. Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso do que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. PLANEJAMENTO Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso do que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (DORNELAS, 2008) POR QUE PLANEJAR? 0 Causas de fracasso de startups americanas:

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Criamos o que as pessoas amam antes que elas saibam o que querem Hoje nossos franqueados

Leia mais

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças... 4 1.1 Avaliação de investimentos... 4 1.2 Empréstimos e juros... 5 1.3 Alternativas

Leia mais

Vito Carrieri. Venda Mais e Melhor conhecendo os 5C s dos Custos

Vito Carrieri. Venda Mais e Melhor conhecendo os 5C s dos Custos b Vito Carrieri Venda Mais e Melhor conhecendo os 5C s dos Custos O setor hoje em dia Grande concorrência Pequenas serralherias às vezes fazem preço de venda muito baixo Grande aumento no uso da informática

Leia mais

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente DICAS PARA ABRIR UM ESCRITÓRIO CONTÁBIL Começar um empreendimento requer coragem. Estar preparado para esse momento é fundamental, pois não vale, em hipótese alguma, aplicar o seu dinheiro no desconhecido.

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba - SP 08/10/2013

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba - SP 08/10/2013 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba - SP 08/10/2013 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

Agenda de Capacitações - Sebrae Bahia. Unidade Regional Salvador - Março / 2016

Agenda de Capacitações - Sebrae Bahia. Unidade Regional Salvador - Março / 2016 Agenda de Capacitações - Sebrae Bahia Unidade Regional Salvador - Março / 2016 *Inscrições: presencialmente, em um dos pontos de atendimento do Sebrae; pela Central de Relacionamento Sebrae, no telefone

Leia mais

LICENCIAMENTO: ALTO RETORNO COM BAIXO RISCO PARA QUEM QUER ABRIR UM NOVO NEGÓCIO

LICENCIAMENTO: ALTO RETORNO COM BAIXO RISCO PARA QUEM QUER ABRIR UM NOVO NEGÓCIO ebook LICENCIAMENTO: ALTO RETORNO COM BAIXO RISCO PARA QUEM QUER ABRIR UM NOVO NEGÓCIO IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO E QUALIDADE COM RAPIDEZ E BAIXO CUSTO. TAMBÉM PARA A PEQUENA EMPRESA. PROCESSO

Leia mais

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios

Como. elaborar COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. plano um de. negócios. Especialistas em pequenos negócios Como elaborar plano um de negócios 1 Especialistas em pequenos negócios BRASÍLIA 2013 Sebrae NA Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Eduardo Pereira Barretto

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Classifique os itens abaixo como custos (fixos ou variáveis) ou despesas. C= custos CV=custo variável

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 1.1 - Descrição do Projeto... 4 1.2 - Dados dos Empreendedores, Perfis e Atribuições... 6 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...

1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 1.1 - Descrição do Projeto... 4 1.2 - Dados dos Empreendedores, Perfis e Atribuições... 6 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 1.1 - Descrição do Projeto... 4 1.2 - Dados dos Empreendedores, Perfis e Atribuições... 6 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 7 2.1 - Dados do Empreendimento... 7 2.2 - Setor de Atividade...

Leia mais

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008 10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas 13/Outubro/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas; Identificar os principais

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS DISCIPLINA: Constituição de novos empreendimentos Aula 5 Assunto: Continuando O Plano de Negócios ( segundo o modelo do SEBRAE) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE FINANCIAMENTO DO PROGRAMA JURO ZERO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE FINANCIAMENTO DO PROGRAMA JURO ZERO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE FINANCIAMENTO DO PROGRAMA JURO ZERO 1 Aba Empresa 1.1 Empresa CNPJ Razão Social E-mail Site Receita Operacional Bruta do Exercício Social Data de Constituição / Fundação da Empresa

Leia mais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais 2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 05/02/2016 www.boscotorres.com.br

Leia mais

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: Ciências Contábeis MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2014.1 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2015.1 Contabilidade Intermediária I FASE: 3ª fase FASE:

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Laser Dream? Por que ser um licenciado

Laser Dream? Por que ser um licenciado Por que ser um licenciado Laser Dream? Procurando expandir a gama de tratamentos e procedimentos oferecidos em seu espaço? Provavelmente já deve saber que a LASER DREAM só trabalha com aparelhos modernos,

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO Caro empreendedor, para que você possa elaborar com facilidade seu plano de negócio, utilize o manual da Etapa 2 seguindo as orientações passo a passo que estão contidas

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Para ser Franqueado. É essencial:

Para ser Franqueado. É essencial: Para ser Franqueado É essencial: Estar em busca de sucesso empresarial; Ter disposição pessoal para estudar, ensinar e trabalhar para manter um negócio seguro e rentável; Possuir espírito empreendedor;

Leia mais

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS QUESTÕES TEÓRICAS 1. Qual a condição básica para que se possa caracterizar um material como matéria-prima? R: Ser componente físico principal do produto. 2. Em que condição os impostos (ICMS/IPI) não são

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais