PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA"

Transcrição

1 PLANO DE NEGÓCIOS CÓDIGO: DATA: 1) INTRODUÇÃO O plano de negócio é um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes de colocar em prática a nova idéia, reduzindo assim, as possibilidades de se desperdiçarem recursos e esforços em um negócio inviável. NOME: 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA ENDEREÇO: CPF: TEL: RG: 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: CNPJ: IE: DATA FUNDAÇÃO: ENDEREÇO: TEL: 4) QUADRO SOCIETÁRIO E DESCRIÇÃO JURÍDICA DA EMPRESA: TIPO DE EMPREENDIMENTO: ( ) MEI-microempresa individual ( ) EI Empresa Individual (ME-microempresa ou EPP-empresa de pequino porte) ( ) EIRILI Empresa Indiv Responsabilidade Limitada (ME-microempresa ou EPP-empresa de pequino porte) ( ) LTDA-Sociedade Empresária Limitada (ME-microempresa ou EPP-empresa de pequino porte) ( ) S/A-Sociedade Anônima REGIME TRIBUTÁRIO: 1

2 ( ) SIMPLES NACIONAL ( ) LUCRO PRESUMIDO ( ) LUCRO REAL ( ) OUTROS REGIMES DISCRIMINAÇÃO DOS SÓCIOS: NOME: Mini-Currículo: NOME: Mini-Currículo: NOME: Mini-Currículo: 5) CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO ( ) implantação de um novo empreendimento Finalidade do plano de negócios ( ) expansão e/ou modernização de empreendimento existente ( ) relocalização do empreendiemento Segmentação do empreendimento: ( ) comercial ( ) industrial ( ) serviços Setor de Atividade: (Ex: Comércio Loja de roupas) Entidade de Classe a que pertencerá (para Contribuição de Classe): Síntese do negócio (um breve resumo do seu negócio, com fonte das informações quando citar dados): Objetivo (objetivos da atuação da empresa no mercado a proposta de valor que a empresa oferece ao mercado o que ela se propõe solucionar para o cliente): Produtos/serviços a serem oferecidos (os itens que serão oferecidos efetivamente): 2

3 Produtos/serviços possuem marca (patente, registro) própria: ( ) sim ( ) não Logotipo, Nome (registro, patente): Verificar em Quais: Caracteristicas do produtos/serviços Estado físico: ( ) sólido ( ) líquido ( ) gasoso ( ) digital/virtual Riscos de Acidentes: ( ) alta ( ) média ( ) baixa ( ) nenhuma Periculosidade: Insalubridade: Certificações e Autorizações exigidas: EPI s: 6) ANÁLISE DE MERCADO Área de atuação: ( ) local ( ) regional ( ) estadual ( ) nacional ( ) internacional Mercado potencial (possível mercado que tem abertura para atuar): Segmentação de Mercado (especificações detalhadas do seu cliente): Ex: faixa etária, sexo, nível cultural, nível econômico-financeiro, detalhes da personalidade do cliente. Público alvo consumidor/principais clientes (a quem seu produto/serviço é dedicado): (inserir os resultados das pesquisas realizadas) Perfil da demanda: ( ) constante ( ) sazonal ( ) crescente ( ) decrescente Principais concorrentes (NOMES): Análise concorrencial 3

4 Pontos fortes dos concorrentes (por concorrente): Pontos fracos dos concorrentes (por concorrente): Meios de comunicação e divulgação dos produtos/serviços ( ) TV ( ) rádio ( ) mala direta ( ou físico) ( ) internet (facebook, twitter, instagran, etc) ( ) carro som ( ) jornais/revistas ( ) telemarketing ( ) faixas ( ) panfletagem ( ) boca a boca ( ) outros (outdoor, busdoor, etc) Análise do ambiente externo (Fora da empresa e não controla mas impacta na empresa: legislação, política econômica, política cambial, clima, tecnologia, tendências do setor, população, região geográfica, etc...) Principais oportunidades: Principais ameaças: Análise do ambiente interno (dentro da empresa, que a empresa controla e que vai usar para lidar com o ambiente externo e com os concorrentes) Pontos fortes (qualidades): Pontos fracos (defeitos): 4

5 7) PROCESSO PRODUTIVO Descrição do processo operacional: (pode colocar um diagrama de bloco do processo produtivo: passo a passo do início ao fim do processo produtivo) Máquinas e equipamentos utilizados no Processo Produtivo: Tipo de mão de obra necessária: ( ) nivel superior ( ) nivel técnico ( ) nivel operacional Numero funcionários necessários/ área: ( ) comercial ( ) administrativo ( ) operacional Espaço físico necessário (m2) ( ) 22 ( ) 74 ( ) 83 ( ) 132 ( ) 147 = dentro da incubadora ( ) já tem o espaço = para remoto fora da incubadora Caracteristicas do processo produtivo Riscos: ( ) ruído ( ) calor ( ) radioatividade ( ) outros Insalubridade: ( ) alta ( ) média ( ) baixa ( ) nenhuma Periculosidade: Certificações e Autorizações exigidas: EPI s Equipamentos de Proteção Individual: Logística de entrega (transporte): ( ) próprio ( ) cliente ( ) terceirizado Processo de vendas: ( ) representante comercial ( ) equipe própria ( ) televendas ( ) e-commerce Esboço de layout (arranjo fisico): ANEXO (desenho da disposição dos móveis no espaço = planta baixa) 8) ANÁLISE DO FORNECEDOR Fornecedor de matéria prima e/ou insumos ( ) local ( ) regional ( ) estadual ( ) nacional ( ) internacional 5

6 Estado físico: ( ) sólido ( ) liquido ( ) gas Tipo de matéria príma e/ou insumos: Riscos: ( ) fisico ( ) quimico ( ) biológico ( ) acidente ( )ergonômico ( ) alta ( ) média ( ) baixa ( ) nenhuma Periculosidade: Insalubridade: Principais fornecedores (NOMES): Logistica de recebimento (transporte): ( ) próprio ( ) fornecedor ( ) terceirizado 9) INVESTIMENTO IMOBILIZADO INVESTIMENTO IMOBILIZADO MÁQUINAS EQUIPAMENTOS VEÍCULOS OUTROS ITEM QTIDADE $ UNITÁRIO $ TOTAL 6

7 VALOR TOTAL DO IMOBILIZADO 10) DESPESAS FIXAS MENSAIS PLANILHA DE DESPESAS FIXAS MENSAIS água aluguel de máquinas aluguel de prédio amortização financiamentos assistência médica café e lanches cestas básicas/benefícios combustível Contabilidade (depende do tipo de empresa: ME, EPP, MEI, LTDA) contribuições de classes (sindicato patronal: salário categoria) Depreciações é anual e deve ser dividido por 12 - (imobilizado) despesas bancárias despesas postais encargos salários (INSS, FGTS, IR, etc: depende do tipo de empresa) - Regime Tributário energia elétrica Ferramentaria (moldes) fretes e carretos gastos diversos/viagens $ MENSAL 7

8 honorários serviços/consultoria Informática (site, domínio, etc) insumos de produção Internet (banda larga) jornais e revistas manutenção maq/equip manutenção predial manutenção veículos materiais escritório (papel, caneta, etc) materiais limpeza materiais segurança (EPI s de acordo com os riscos) pró-labore (retirada dos sócios: incide nos encargos salariais) publicidade/feiras salários administração (categoria classe trabalhador) salários serviços produção (categoria classe trabalhador) 1/12 férias + 1/3 (reflexo no FGTS e INSS = encargos financeiros) 1/12 13º (reflexo no FGTS e INSS = encargos financeiros) segurança patrimonial (prédio) Seguros (veículos, equipamentos, etc) Serviços terceiros (faxineira, etc) Taxas municipais (alvará, tx licença, bombeiros, vigilância sanitária, etc... específicas para a atividade desenvolvida) Telefone (celular + fixo) Treinamentos Uniformes vale transporte e gratificações TOTAL GERAL 11) FICHA TÉCNICA DOS PRODUTOS/SERVIÇOS (CUSTOS) PRODUTO/SERVIÇO: FICHA TÉCNICA DOS PRODUTOS E/OU SERVIÇOS ITEM/MATÉRIA PRIMA UNIDADE QUANTIDADE $ UNITÁRIO $ TOTAL 8

9 TOTAL GERAL FICHA TECNICA PRODUTO/SERVIÇO: FICHA TÉCNICA DOS PRODUTOS E/OU SERVIÇOS ITEM/MATÉRIA PRIMA UNIDADE QUANTIDADE $ UNITÁRIO $ TOTAL TOTAL GERAL FICHA TECNICA 12) PREVISÃO DE DEMANDA (Em Quantidade) PRODUTO/SERVIÇO MES 1 MES 2 MES 3 TRIMESTRE 2 SEMESTRE 2 9

10 13) VARIÁVEIS SOBRE VENDAS (VENDAS) PRODUTOS/SERVIÇOS $ À VISTA de venda FRETE(%) IMPOSTOS (%) Depende do Regime Tributário (ICMS, ISSQN, IPI, PIS, COFINS) COMISSÕES(%) 14) FATURAMENTO PREVISTO (previsão de demanda x variáveis de venda) PRODUTOS/SERVIÇOS MES 1 R$ MES 2 R$ MES 3 R$ TRIMESTRE 2 R$ SEMESTRE 2 R$ Rentabilidade: indicador financeiro para os acionistas Lucratividade: Margem de Contribuição Ponto de equilíbrio Indice de liquidez (corrente/imedita/seca) Endividamento Retorno do investimento Retorno do capital próprio 10

11 15) PARECER DE VIABILIDADE TÉCNICA-FINANCEIRA SÍNTESE: PARECER: ( ) FAVORÁVEL À INCUBAÇÃO ( ) NÃO FAVORÁVEL À INCUBAÇÃO ANALISTA: DATA: 16) ANÁLISE DO CONSELHO GESTOR SÍNTESE: ANÁLISE: ( ) APROVADO ( ) NÃO APROVADO CONSELHO: DATA: 11

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

MANUAL DO EMPRESÁRIO

MANUAL DO EMPRESÁRIO MANUAL DO EMPRESÁRIO ÍNDICE GERAL Pagina CAPITULO I VOCÊ, COMO EMPRESÁRIO E SUA EMPRESA 012 PARTE I TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER 012 ITEM I O QUE VOCÊ DEVE SER E TER 012 PARTE II O PLANEJAMENTO DA SUA

Leia mais

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO DO CUSTO, PREÇO DE SERVIÇOS NAS CONTRATAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO SISTEMA S

CURSO FORMAÇÃO DO CUSTO, PREÇO DE SERVIÇOS NAS CONTRATAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO SISTEMA S CURSO FORMAÇÃO DO CUSTO, PREÇO DE SERVIÇOS NAS CONTRATAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO SISTEMA S MANAUS/AM 11 E 12 DE DEZEMBRO DE 2014 PROFESSOR JERÔNIMO LEIRIA APRESENTAÇÃO Proporcionar aos participantes

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

CURSO COMO PLANEJAR E JULGAR AS CONTRATAÇÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACORDO COM A IN Nº 02/08 E ALTERAÇÕES

CURSO COMO PLANEJAR E JULGAR AS CONTRATAÇÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACORDO COM A IN Nº 02/08 E ALTERAÇÕES CURSO COMO PLANEJAR E JULGAR AS CONTRATAÇÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACORDO COM A IN Nº 02/08 E ALTERAÇÕES PERÍODO DE REALIZAÇÃO E CARGA HORÁRIA O curso será realizado no período de 02 a 05 de

Leia mais

A ACADEMIA BRASILEIRA DE SOLUÇÕES E TREINAMENTOS traz para Você o seguinte treinamento:

A ACADEMIA BRASILEIRA DE SOLUÇÕES E TREINAMENTOS traz para Você o seguinte treinamento: A ACADEMIA BRASILEIRA DE SOLUÇÕES E TREINAMENTOS traz para Você o seguinte treinamento: QUESTÕES POLEMICAS: Método de Pesquisa de Preço de Serviços, Compreensão e Manejo de Planilhas para Julgamento de

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03

Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03 Anexo II - PLANILHA DE PREÇOS Serviços de recepção e mensageria Escritório Regional da Anatel no Paraná Pegrão Amplo nº 009/2011-Anatel-ER03 Número do processo: Data de apresentação da proposta: Unidade

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

3.438,76 ASCENSSORISTA 16 R$ 1.969,29 R$ PREÇO TOTAL MENSAL:

3.438,76 ASCENSSORISTA 16 R$ 1.969,29 R$ PREÇO TOTAL MENSAL: Ao Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM) Proposta que faz a empresa ALMAN CONSERVAÇÃO DE PREDIOS EPP, CNPJ: 19.002.421/000180 contratação de empresa especializada para a prestação

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE

ESTUDO DE VIABILIDADE ESTUDO DE VIABILIDADE REDE LOCAL / ARRANJO PRODUTIVO LOCAL / CADEIA PRODUTIVA NOME: SIGLA: ESTADO: 1º Parte - Viabilidade Econômica e Ambiental Esta é a dimensão mais importante do estudo de viabilidade

Leia mais

SERVIÇOS: De limpeza conservação de forma contínua prédio da Anatel-PI

SERVIÇOS: De limpeza conservação de forma contínua prédio da Anatel-PI ANEXO II PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA SERVIÇOS: LIMPEZA E CONSERVAÇÃO PREDIAL - ANATEL - PI PA 03/2006-ER09 - UO9.2 Fls.01/06 LOCAL: AVENIDA FREI SERAFIM Nº 2786 - CENTRO - TERESINA-PI

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E TECNOLOGIA AE&T - LICEUTEC

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E TECNOLOGIA AE&T - LICEUTEC ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E TECNOLOGIA AE&T - LICEUTEC FICHA DE INSCRIÇÃO A BOLSA DE ESTUDOS 1.IDENTIFICAÇÃO Cursos Técnicos - 1 Semestre de 2015 Favor escrever com letras legíveis Nome... Curso... Série...

Leia mais

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA Ao ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S/A COMISSÃO DE LICITAÇÃO COLIC Ref. PREGÃO ELETRÔNICO N. 2013/ Prezados Senhores, Apresentamos em atendimento ao Edital do Pregão em epígrafe

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE Dados da empresa Razão Social: Nome de fantasia: Endereço: RUA DOUTOR AGENOR MARTINS DE CARVALHO, 1138 - SALA 02 - BAIRRO AGENOR MARTINS DE CARVALHO CEP: 76.820-350

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Questões legais da constituição da Empresa

Questões legais da constituição da Empresa Questões legais da constituição da Empresa 1 Escolha do tipo societário O novo Código Civil (2002), alterou os tipos societários anteriormente existentes Agora há três grupos distintos de tipo societário:

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae Data: Nome da Empresa: Nome dos Proprietário(s): Endereço: Telefone: Email: 1 Empreendimento Proposto 1.1 Objetivo do Empreendimento: A empresatem por objetivo principal

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

MODELO DE PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Esta planilha é exemplificativa pois alguns dos elementos integrantes de custos são variáveis e dependem da caracteristica e estrutura de custo de cada licitante. Outros elementos são decorrentes de Lei,

Leia mais

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Apresentação Valdecir de Oliveira Pereira Diretorde Desenvolvimento valdecir@grvsoftware.com.br www.grvsoftware.com.br GRV Software

Leia mais

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Classificação CONTA 1. ATIVO 1. 1. ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. DISPONIBILIDADES 1. 1. 1. 01. CAIXA GERAL 1. 1. 1. 01. 1001 Caixa 1. 1. 1. 02. BANCOS CONTA

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças... 4 1.1 Avaliação de investimentos... 4 1.2 Empréstimos e juros... 5 1.3 Alternativas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PROPONENTE Dados da empresa Razão Social: Nome de fantasia: BRILHAR 14.846.479/0001-96 Endereço: CEP: Avenida Bandeirantes, 440 - Bairro Amambai 79.005-670 Municipio/UF: Campo

Leia mais

ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA

ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA ANEXO IV PLANILHA ESTIMATIVA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - SERVIÇO DE ASCENSORISTA DADOS COMPLEMENTARES DO ANEXO DA PROPOSTA DE PREÇOS: ADSERTE - ADMINISTRAÇÃO E TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO Caro empreendedor, para que você possa elaborar com facilidade seu plano de negócio, utilize o manual da Etapa 2 seguindo as orientações passo a passo que estão contidas

Leia mais

Pós-Graduação em Finanças Empresariais MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso agosto 2010. ESPM Unidade Porto Alegre

Pós-Graduação em Finanças Empresariais MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso agosto 2010. ESPM Unidade Porto Alegre Pós-Graduação em Finanças Empresariais MANUAL DO CANDIDATO Ingresso agosto 2010 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51)

Leia mais

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo

TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo TRABALHO AVALIATIVO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Financeira e Orçamentaria II Turma: 7º Periodo Elaboração do Trabalho: valor 3,0 Apresentação : Valor 3,0 (Impressa/escrita e Slides)

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

Prazo de execução: xxxx meses, a partir da assinatura do convênio

Prazo de execução: xxxx meses, a partir da assinatura do convênio MODELO PARA APRESENTAÇÃO PLANO DE TRABALHO EDITAL 2013 1 - IDENTIFICAÇÃO 1.1 DO PROJETO Nome do Projeto: Local onde será executado o projeto: (endereço completo) Nº de Beneficiários diretos: xx crianças

Leia mais

Roteiro de Informações para Elaboração de Projetos para o BNB.

Roteiro de Informações para Elaboração de Projetos para o BNB. Roteiro de Informações para Elaboração de Projetos para o BNB. Novembro / 2005 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO..2 1. GRUPO/EMPRESA.3 2. PROJETO.4 3. MERCADO8 4. ASPECTOS ECONÔMICO-FINANCEIROS..10 5. ANEXOS.11 Apresentação

Leia mais

Entre R$ 10,5 milhões e R$ 60 milhões de faturamento bruto em 2009 Média.

Entre R$ 10,5 milhões e R$ 60 milhões de faturamento bruto em 2009 Média. Instruções o Marcação das respostas: repare que no final de cada pergunta há uma orientação para Marcar mais de 1 resposta OU Marcar apenas 1 resposta. Por favor, siga claramente a forma de marcação indicada

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento?

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento? USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 2. (BP) Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) Quais são os objetivos do tópico... - Reconhecer os componentes e os grupos

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

PROGRAMA CREDJOVEM NOME DO EMPREENDIMENTO

PROGRAMA CREDJOVEM NOME DO EMPREENDIMENTO ANEXO I PROGRAMA CREDJOVEM PLANO DE NEGÓCIO NOME DO EMPREENDIMENTO 2014 2. Informações Gerais dos Jovens. 2.1 CREDJOVEM - Sócio 1 Nome: Endereço:, nº: Bairro: Complemento: CEP: Data de Nascimento: RG:

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

Plano de Negócio - Agronegócio Atividade Individual em aula 3,0 pontos

Plano de Negócio - Agronegócio Atividade Individual em aula 3,0 pontos FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE AGRONEGÓCIOS Professor Paulo Nunes 1

Leia mais

Oportunidades em Destaque:

Oportunidades em Destaque: Oportunidades em Destaque: Cargo: COORDENADOR DE TI Código da Vaga: 2199 Salário: R$ 2.200,00 Horário: Comercial (Segunda a sábado) PRINCIPAIS ATIVIDADES: CRIAR E ACOMPANHAR ROTINAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO;

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES SINCOR - ES Cleber Batista de Sousa MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES Estrutura Básica de uma GESTÃO ADMINISTRATIVA ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Gestão Operacional; Gestão de Pessoas; Gestão Financeira; Gestão

Leia mais

Han12 FICHA TÉCNICA APRESENTAÇÃO

Han12 FICHA TÉCNICA APRESENTAÇÃO Han12 FICHA TÉCNICA APRESENTAÇÃO O Sistema Ficha Técnica (FT) é um software que tem por objetivo proporcionar a composição de custos de produto de forma simplificada, sem custos e manutenção. As tabelas

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação)

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Obs.: O modelo utiliza o Regime de Tributação Lucro Real. A empresa deverá utilizar o seu Regime de Tributação indicando as respectivas alíquotas no item C, do Módulo 5. MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E

Leia mais

EMPREENDER É SHOW MISSÃO IV EM BUSCA DE CRÉDITO NO BANCO DO BRASIL

EMPREENDER É SHOW MISSÃO IV EM BUSCA DE CRÉDITO NO BANCO DO BRASIL EMPREENDER É SHOW MISSÃO IV EM BUSCA DE CRÉDITO NO BANCO DO BRASIL SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE FINANCIAMENTO PARA APOIO A PROJETOS INOVADORES E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO BANCO DO BRASIL Brasília, 27 de

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo Prof. Luciano Moura 1 de 6 (Questão Inédita ) As contas escrituradas no livro razão da empresa Aprovados S/A,

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº Processo Licitação Nº Dia / / às : horas Discriminação dos Serviços A Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano)

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS TECNOPUC Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Porto Alegre, dezembro

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de MG Câmpus São João del-rei Diretoria de Administração e Planejamento ANEXO IV Modelo de Planilha de Custos e Formação

Leia mais

Módulo Recebimento de Materiais

Módulo Recebimento de Materiais Controle de Qualidade Contas a Pagar Compras Controle de Estoques Importação Recebimento de Materiais e Serviços Assistência Técnica / OS Recebimento de Leite (laticínios) Escrita Fiscal Custos / Preços

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Adiantamento para futuro Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE 2010 255.719.100

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 Aprova a OTG 1000 que dispõe sobre modelo contábil para microempresa e empresa de pequeno porte O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA 2009 ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA A elaboração do orçamento doméstico nem sempre é uma tarefa fácil. Definir quais são as suas necessidades e planejar

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DADOS CADASTRAIS: Nome de fantasia: Ativa Serviços Nome empresarial: ATIVA SERVIÇOS DE LIMPEZA E APOIO A PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM EMPRESAS EVENTOS E PRAÇAS ESPORTIVAS LTDA ME

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA COORDENADORA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E FINANÇAS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA COORDENADORA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E FINANÇAS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 Senhor Licitante, Solicito a V.Sª preencher o protocolo de entrega de edital abaixo, remetendo-o a Comissão Permanente de Licitação da PGF/AL, por meio do fax (0XX82) 3216 9874 ou e-mail licitacao@sefaz.al.gov.br.

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO RECEPCIONISTA. Página 1. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação)

MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ORÇAMENTO RECEPCIONISTA. Página 1. Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) Obs.: O modelo utiliza o Regime de Tributação Lucro Real. A empresa deverá utilizar o seu Regime de Tributação indicando as respectivas alíquotas no item C, do Módulo 5. MODELO DE PLANILHA DE CUSTOS E

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA maio/2016 ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA A elaboração do orçamento doméstico nem sempre é uma tarefa fácil. Definir quais são as suas necessidades e

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

SAMUEL GONSALES. Articulista: e-commerce Brasil, e-commerce News, imasters, TI Inside, TI Especialistas, ERP News, Administradores e muitos outros.

SAMUEL GONSALES. Articulista: e-commerce Brasil, e-commerce News, imasters, TI Inside, TI Especialistas, ERP News, Administradores e muitos outros. SAMUEL GONSALES MBA em Gestão de Negócios e PÓS em Sistemas Integrados de Gestão (ERP). Gerente de Produtos e-millennium. Professor Universitário IBTA e SENAC. Articulista: e-commerce Brasil, e-commerce

Leia mais

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk Planejamento Financeiro Aula 6 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Orçamento Ferramenta para o sucesso empresarial Tomada de decisão Exposição de hipóteses Sistema de autorização, meio de planejamento,

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 09/2013 Serviços de Limpeza da Federação: Pará Data de início

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO Formação de preço CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO O preço se define a partir do público a quem se dirige o produto e como a empresa se coloca em relação aos produtos e serviços dos concorrentes. Por isso, depende

Leia mais

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL DIPRE Diretoria de Prospecção e Formatação de Novos Empreendimentos GEPRE Gerência de Prospecção de Novos Empreendimentos

Leia mais

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira O Principal: OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno sobre o

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE MERCOSUL/CCM/DIR Nº 15/98 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA , UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II RECURSOS HUMANOS 2º semestre, turmas ingressantes em Agosto. São Paulo 2011 1 PIM

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de CUSTOS Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 - PONTO DE EQUILÍBRIO PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, ECONÔMICO E FINANCEIRO A empresa Distribuidora

Leia mais

1º PRÊMIO DE CRIATIVIDADE E DESIGN MINIATURAS DA FATEC DE CALÇADOS FEMININOS COORDENAÇÃO DOS PROFESSORES: NOV/2011 REV. 01

1º PRÊMIO DE CRIATIVIDADE E DESIGN MINIATURAS DA FATEC DE CALÇADOS FEMININOS COORDENAÇÃO DOS PROFESSORES: NOV/2011 REV. 01 1º PRÊMIO DE CRIATIVIDADE E DESIGN MINIATURAS DA FATEC DE CALÇADOS FEMININOS COORDENAÇÃO DOS PROFESSORES: PROF. FRANCIENNE HERNANDES PROF. ESP. FLÁVIO C. VENTURA PROF. ME MARCOS BONIFÁCIO NOV/2011 REV.

Leia mais