INOVAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI EM AMBIENTE DE ALTA COMPLEXIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI EM AMBIENTE DE ALTA COMPLEXIDADE"

Transcrição

1 ISSN INOVAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI EM AMBIENTE DE ALTA COMPLEXIDADE Isaias Scalabrin Bianchi (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA) Alessandra de Linhares Jacobsen (UNIVERSIDADE) Tainá Terezinha Coelho (UNIVERSIDADE) Rafael Pereira Ocampo Moré (UNIVERSIDADE) Resumo Considera-se como irrefutável a importância da inovação em ambientes competitivos principalmente de alta complexidade. Contudo, a assertiva merece constante pesquisa e análise sob perspectivas distintas. Assim, a proposta deste trabalho, coom base em estudo de caso, considerando as inovações adotadas em um Centro de Ensino da UFSC, aprofunda as discussões sobre a inovação em ambiente acadêmico de gerenciamento de serviços de tecnologia da informação, com base em conceitos de gestão do conhecimento e qualidade na prestação de serviços. Os resultados apontam para ganho na capacidade de ofertar serviço com maior qualidade facilitado por um sistema baseado na gestão do conhecimento. Palavras-chaves: Gerenciamento de Serviços de TI; Qualidade nos Serviços de TI; Inovação;

2 1 Introdução Há oito séculos e meio nasce no mundo a primeira universidade (Buarque, 2003). Seu nascimento é apontado por muitos estudiosos como atrasado em decorrência da resistência dos mosteiros medievais que na época negavam e distanciavam-se das inovações que surgiam pelo mundo e que impulsionavam mudanças sociais e tecnológicas. Sendo assim, eles não foram capazes de acompanhar, tampouco de fomentar os avanços desse mundo externo. Esses prisioneiros de dogmas, fecundos tradutores e intérpretes de textos mostraram-se antagônicos às necessidades de incorporar os saltos do pensamento da época. Apesar do conturbado nascimento, a universidade, ao longo dos séculos posteriores, desenvolveu-se pelo mundo como um verdadeiro centro de geração de conhecimento, transformando-se e se adaptando ao mundo que a mudava e que a ajudava a mudar (SCOTT, 2006; BUARQUE, 2003). Sob esse prisma não é demasiado afirmar que a universidade enquanto instituição social configura-se como cerne da investigação científica e produção de conhecimento que contribui para suprir as necessidades advindas da sociedade na qual ela está inserida. A universidade, portanto, desde sua criação é reflexo da sociedade com expressões contraditórias, projetos conflitantes, produtos múltiplos, em constante mudança (SUCUPIRA, 1968). Para Cohen et al. (1972) as universidades são instituições de alta complexidade de tecnologias indefinidas. Baldridge et al. (1982) corrobora para tal afirmação ressaltando que as instituições universitárias possuem: metas ambíguas e inconsistentes, servem a uma clientela difusa, possuem uma tecnologia nebulosa, sem rotina, uma aparente visão holística, quadro de pessoal predominantemente profissional e relacionamento ambiental muito vulnerável. Diante do contexto exposto, este artigo busca analisar como a inovação no gerenciamento de serviços de tecnologia da informação (TI) pode contribuir para a tomada de decisão frente a diversas situações de risco com o uso de informações do gerenciamento de TI em ambiente instituição universitária. A inovação, a partir de uma abordagem do paradigma tecnoeconômico da informação (FREEMAN, PEREZ, 1988), permite-nos defini-la de maneira ampla, considerando as peculiaridades do serviço. De acordo com Schumpeter (1985), a inovação pode ser identificada em situações de: introdução de novo serviço ou qualidade nova de serviço, prestação de serviço com novo método, abertura de novo mercado, aquisição de nova fonte de matéria prima e, ainda, reestruturação de organização de determinada instituição. Essa visão de Schumpeter aliada ao gerenciamento de serviços de TI é interpretada como um processo de resolução de problemas numa circularidade hermenêutica, pois a partir do momento que determinados problemas são conhecidos e resolvidos e patamar superior de qualidade é atingido, novos problemas surgem e recomeça-se a busca por outras soluções, através de outros pontos de vista com recursos inovadores para os entendermos melhor. Nessa direção, Freeman e Perez, (1988) esclarecem que, para além de uma tecnologia nova, o paradigma tecnoeconômico da informação considera mudanças em toda a estrutura de custos, produção e distribuição. Sendo que as decisões de resolução de problemas são tomadas de maneira distinta de instituição para instituição, dessa forma, o processo de inovação é caracterizado como diferente de instituição para instituição (ZAWISLAK, 1996). Na visão de Drucker (2001) qualquer instituição deve inovar do contrário estará fadada ao fracasso. Ao mesmo tempo, na atual conjuntura, o uso de tecnologias da informação aliada à gestão do conhecimento como ganho na qualidade de prestação de serviço merece olhares 2

3 científico múltiplos. Entretanto, as leituras que se tem feito até o momento parecem convergir para uma consonância de que as TI impactam de maneira positiva como ferramenta estratégica para o ganho competitivo sustentável nas instituições. No mesmo sentido, apontam para uma necessidade de aprendizagem constante. Nessa perspectiva, Starkey (1997), destaca que a capacidade de aprendizagem e o conhecimento são recursos estratégicos de primeira grandeza essenciais para a vantagem competitiva. Portanto, a gestão do conhecimento nesse quadro propicia o uso e a aprendizagem dos conhecimentos necessários à organização aliado ao gerenciamento de TI, favorecendo assim o seu desenvolvimento e processo de inovação (NONAKA, 1997; DRUCKER, 2001). Na atual era do conhecimento a inovação ocupa lugar central como recurso para ampliar as capacidades das instituições em utilizar e produzir novos conhecimentos. Entretanto, tratar teoricamente da relação inovação, qualidade na prestação de serviço e gestão do conhecimento não é tarefa fácil, pois o assunto ainda é pouco abordado na literatura o que acarreta em risco em tentar aqui fazê-lo. No entanto, o risco é necessário. Nosso objetivo é, portanto, a partir de revisão da literatura, construir sustentação teórica que permitam analisar como a inovação, a partir da perspectiva da gestão do conhecimento e qualidade na prestação de serviços, no gerenciamento de serviços de TI em ambiente universitário pode contribuir para a tomada de decisão eficiente e efetiva. 2 Gestão do Conhecimento como Estratégia de Inovação A inovação no entendimento de Tidd, Bressante e Pavitt (2008) caracteriza-se como algo novo que agregue valor social ou riqueza a um novo produto, processo, prática mercadológica, pequenas adaptações ou mudanças, algo que gere um ganho para quem a pôs em prática. Para Damanpour (1991), a inovação pode ser um novo bem ou serviço, um novo processo de produção, um sistema administrativo, ou uma nova estratégia adotada pela organização. Nesse sentido, na concepção de Davila, Souza e Varvakis (2008) a inovação é entendida como o uso do conhecimento e das competências organizacionais com o objetivo de criar valor e otimizar os processos organizacionais visando a redução de tempo e custo dentre os objetivos e metas da organização. Assim, podemos afirmar que a inovação dentro de uma organização está interligada no pensar diferente, ou seja, gerar novas ideias que resultem no novo e que esse, por sua vez, possa agregar valor aos serviços ou produtos que são ofertados aos clientes. É preciso ainda considerar que o conhecimento, assim como sua gestão, possa ser o grande diferencial na prática da inovação, o que perfaz na necessidade de se estudar e aplicar a gestão do conhecimento de modo contínuo em todos os processos organizacionais, provocando a otimização das práticas gerenciais, dos recursos e gerando o desenvolvimento organizacional. Por certo, como afirmam Davila, Souza e Varvakis (2008) organizações que pretendem obter bons resultados para serem competitivas no mercado, recomenda-se aplicar a inovação nos seus processos. Com essa missão destacam-se grande parte das empresas japonesas, que conseguiram excelentes resultados à média do setor após aplicação da inovação em seus processos com investimento de grande parte do faturamento na área de P&D, obtendo vantagem competitiva na qualidade de seus serviços perante os concorrentes. No entendimento do que venha a ser o conhecimento organizacional, ele passa pela compreensão da diferença entre dados, informações e conhecimentos e as implicações a partir das diferenças entre eles. De modo objetivo, tem-se que os dados são números brutos desvinculados da realidade; a informação, por sua vez, diz respeito aos dados processados; e o conhecimento representa informações autenticadas num determinado contexto (ALAVI; LEIDNER, 2001; MACHLUP, 1983; e VANCE, 1997). 3

4 Sendo assim, o conhecimento pode ser entendido como algo individual e personalizado, sendo ele útil no momento em que é expresso e possa ser interpretado pelos receptores. No aspecto conceitual do conhecimento, três autores trouxeram compreensões importantes e que se complementam (POLANYI, 1962; NONAKA & TAKEUCHI, 1997), apresentando em suas teorias duas dimensões do conhecimento: tácito e explícito. O conhecimento tácito está diretamente ligado à interação do indivíduo com o meio a sua volta, ou seja, a partir das experiências vivenciadas e do contexto social e cultural em que está inserido. A base de conhecimento de um indivíduo é o resultado de um processo que acontece ao longo dos anos, ininterruptamente, e que só cessa quando a vida encerra (POLANY, 1962). Na dimensão explícita, o conhecimento se refere ao conhecimento articulado e codificado, que é comunicado de forma simbólica ou numa linguagem verbal. Ademais das duas dimensões de conhecimento cabe destacar a definição de gestão do conhecimento, que tem sido analisada a partir de várias abordagens e perspectivas. Para este trabalho ela pode ser compreendida como a identificação e a compreensão do conhecimento organizacional em prol de contribuir na competitividade organizacional (VON KROGH, 1998). A partir dessa perspectiva a gestão do conhecimento possibilita promover a inovação dos processos, por meio da comunicação e a da preservação do conhecimento no meio organizacional, promovendo o acesso e a reutilização do conhecimento (O'LEARY, 1998; STEELS, 1993). Nesse contexto, pode-se afirmar que a inovação envolve conhecimento, informação e criatividade e é entendida como um processo sistêmico de criação de valor que emerge a partir de um conjunto de fatores, sendo o conhecimento um dos seus principais insumos no desenvolvimento desse processo (DAVILA, SOUZA, VARVAKIS, 2008; TIDD, BRESSANTE, PAVITT, 2008). As práticas de inovação, em geral, são caracterizadas por qualquer tipo de mudança, podendo ser analisadas nas seguintes perspectivas (TIDD, BRESSANTE, PAVITT, 2008): Inovação em produto - mudanças em produtos ou serviços que uma empresa oferece; Inovação de processos - mudanças na forma em que os produtos ou serviços são criados e entregues; Inovação da posição - mudanças no contexto em que produtos ou serviços são introduzidos; Inovação de paradigma - mudanças nos modelos mentais subjacentes que orientam o que a empresa faz. É a partir da ótica da inovação de processos e em produtos definidos por Tidd, Bressante e Pavitt (2008), que se pretende caracterizar a mudança no serviço e processo de solicitações e atendimentos de informática do Centro Socioeconômico da UFSC por meio da TI, que traduz a prática da inovação em um ambiente da alta complexidade. 3 Qualidade nos Serviços de TI Segundo Parasuraman et al. (1985), os serviços apresentam características típicas, distintas dos bens manufaturados, que são sua intangibilidade, heterogeneidade e a inseparabilidade entre a produção e o consumo do serviço, dificultando a avaliação de sua qualidade. O aspecto da intangibilidade do serviço torna difícil ou mesmo impossível a experimentação, o teste ou a inspeção antes de seu consumo. Como conseqüência, torna-se 4

5 difícil a avaliação do resultado e a qualidade do serviço, tanto para o consumidor, como para os gestores do processo (PARASURAMAN et al.,1985). A heterogeneidade dos serviços refere-se à grande influência que a mão-de-obra tem em sua participação, especialmente os que exigem uso intensivo desta. Esse aspecto torna muito difícil a produção do serviço com uniformidade da qualidade (PARASURAMAN et al.,1985). Assim, por tratar-se de aspecto subjetivo a qualidade em serviços é também avaliada pelo cliente de maneira dificultosa, também o é quando tratamos de inovação (PARASURAMAN et al.,1985). A avaliação da qualidade pelo cliente se dá no momento do consumo e envolve todo o processo de produção do serviço. Não há a possibilidade de se controlar a qualidade do serviço antes de seu fornecimento (GRÖNROSS, 1993). Dessa forma, espera-se por uma qualidade na prestação de serviço, visto que ela não pode ser predeterminada ou antecipada, por isso, a importância de se sustentar em outras perspectivas, aqui gestão do conhecimento, inovação e qualidade na prestação de serviços de TI (GRÖNROSS, 1993). Para Zeithaml et al. (1990), Grönroos (1993) e Garvin (1992) a discussão da avaliação da qualidade deve, portanto, levar em consideração a participação do cliente, que ao final é quem julga o serviço ou produto recebido. A qualidade pode ainda ser definida como adequação ao uso (Paladini, 1997). Transportando essa afirmação para o contexto do uso e aperfeiçoamento de um sistema de informação este, por conseguinte, deve ser adequado às necessidades das empresas. De acordo com o Sebrae, as vantagens que a TI traz para uma empresa podem ser dividias em três grupos. a) Menores custos: a informática, quando bem utilizada, reduz os custos da empresa, porque agiliza e possibilita maior segurança e confiabilidade nos processos, rotinas e controles administrativos; simplifica as tarefas burocráticas; reduz os erros e praticamente elimina a repetição do trabalho. b) Maior produtividade: possibilita que as pessoas produzam mais, em menos tempo, com menor dispêndio de recursos; permite aproveitar melhor a capacidade produtiva da empresa com o planejamento e o controle da produção; armazena e localiza imediatamente informações fundamentais para os negócios; agiliza os processos de tomada de decisões em relação a preços, estoques, compras e vendas, entre outros. c) Maior qualidade: a qualidade dos produtos e serviços é melhorada, pois as tecnologias de informação ajudam a manter o padrão dos produtos dentro das especificações estabelecidas; proporciona melhores condições de trabalho para os empregados; reduz esforços com a burocracia para concentrá-los nas atividades fins da empresa. Entretanto, o uso de TI, por si só não representa um ganho na qualidade de prestação de serviço, as práticas de gerenciamento de serviços de TI é que tem essa responsabilidade. De acordo com Mansur (2007), o gerenciamento de serviços de TI são procedimentos e sugestões que objetivam solucionar problemas estratégicos assim como os operacionais em prazo curto e longo. Hoje destaca-se como foco do gerenciamento de serviços de TI os processos organizacionais, aplicados em ambiente de TI. É justamente esse aspectos que vamos analisar na prática, ou seja, o processo de inovação no gerenciamento de serviços de TI através do uso de qualidade nova de serviços, prestação de serviço adotando método novo e obtenção e uso de nova fonte de matéria prima (SCHUMPETER, 1985) em Centro de Ensino da Universidade Federal de Santa Catarina. 5

6 4 Análise empírica da aplicação de inovação Apresenta-se a análise empírica decorrente da implantação da inovação em ambiente universitário. Os resultados aqui apresentados e discutidos são parte de estudo mais amplo realizado nos anos de 2011 e 2012 que resultou em dissertação de mestrado. Esta pesquisa é classificada, sob o ponto de vista da forma de abordagem do problema, qualitativa, pois visa aprofundar temas no mundo dos significados a partir de uma realidade dita não visível, que precisa ser externalizada e interpretada, em primeira instância, pelos próprios pesquisados (DESLANDES; MINAYO, 2008). Igualmente, considera-se que a abordagem qualitativa é ajustada pois possibilita penetrar no problema de pesquisa investigando minuciosamente as características da organização e buscando compreendê-la como um todo. Vale-se do estudo de caso que, de acordo Yin (2010), refere-se a uma estratégia de pesquisa que busca examinar um fenômeno contemporâneo dentro do seu contexto, valorizando as experiências. A justificativa pela escolha desse método é alicerçada no fato desta investigação só poder ser realizada em situação única, a inovação aqui é entendida exclusivamente para o caso em análise (ZAWISLAK, 1996). No caso do presente estudo, trata-se da análise do processo de inovação na implantação de um sistema de informação na unidade de ensino do Centro Socioeconômico da UFSC baseado na perspectiva da gestão do conhecimento e qualidade na prestação de serviço. A fim de melhor compreender a pesquisa, apresenta-se a caracterização do local a que ela se refere, com dados referentes à sua infraestrutura tecnológica e de seus colaboradores. Nessa ótica, a pesquisa em questão foi conduzida na Universidade Federal de Santa Catarina, mas precisamente na sua unidade de ensino denominada Centro Socioeconômico. O aludido Centro possui 4 departamentos, a saber: Departamento de Ciências da Administração; Departamento de Ciências Contábeis; Departamento de Ciências Econômicas; e Departamento de Serviço Social. O CSE tem 1 diretor e 1 vice-diretor. Ainda, identificaram-se 8 cursos de graduação, incluindo aqueles cursos recém criados na modalidade de ensino a distância e o curso de Relações Internacionais, que é abrigado pelo Departamento de Ciências Econômicas. Já, em nível de pós-graduação, há 6 cursos, incluindo o Mestrado Profissional em Administração Universitária, o primeiro em todo país, criado em Em toda essa infraestrutura, conta-se com o apoio de 170 docentes e 35 técnicos administrativos, os quais atuam em diversos ambientes: laboratório de informática, 4 ao todo, na mesma quantidade de auditórios, conta ainda com 35 salas de aula e 400 equipamentos entre desktops, servidores, notebooks que fazem parte do parque de máquinas do CSE. O objeto de estudo da presente pesquisa refere-se às atividades realizadas no citado núcleo de informática, voltadas ao gerenciamento de serviços de TI do CSE. Em reunião com o diretor, com servidores técnicos administrativos e com docentes do CSE, através de geração de idéias (JHRA, 1997), levantaram-se os objetivos do help desk e as dificuldades encontradas naquele momento, estabelecendo dessa forma o diagnóstico o processo atual de help desk do núcleo de informática do CSE. Foram, assim, apresentados os principais elementos que o Núcleo de Informática da Unidade de Ensino em estudo precisa atender, tais como: objetivo, causas e oportunidades. Na reunião, os participantes apresentaram as seguintes dificuldades do Núcleo de Informática do CSE: Falta de transparência no sistema de help desk. Ao fazer uma solicitação para o núcleo de informática, o usuário não tem conhecimento do andamento do mesmo; 6

7 Não é definido tempo para os atendimentos nem classificação para eles; Os chamados são resolvidos por ordem de chegada, não existem critérios de impactos sobre o negócio, exemplo internet parou de funcionar, é prioridade consertar; Não existe documentação dos processos; e Ausência de uma prática padrão para o gerenciamento de serviços de TI. Durante a reunião com os participantes, o diretor do CSE, técnicos administrativos, docentes do CSE expuseram ter conhecimento de que o processo de help desk não está adequado às suas demandas e que sugere um esforço no sentido de remodelá-lo e padronizá-lo tornando-se, portanto, mais funcional para a organização. Foram verificadas também as seguintes limitações relativas aos atendimentos de demandas de informática: Chamados são atendidos por ordem de chegada; Se determinado processo chave para, passa a ser prioridade parar tudo o que se está fazendo para resolver o problema. Se dois processos chaves pararem, não se define uma ordem de prioridade para atendê-los; Solicitações dos chamados são feitas por telefone e pessoalmente; Telefone sempre esta ocupado; e Dificuldade de encontrar funcionários de informática no local para atendimento. A partir dos problemas e dificuldades levantadas durante a pesquisa do Núcleo de Informática do CSE, elaborou-se a Tabela 1 para melhor compreender a inovação no presente artigo. A tabela 1 sintetiza o processo atual antes da inovação, após a aplicação de mudanças e os benefícios que resultaram essas mudanças no processo de inovação. Tabela 1 - Processo de Inovação Processo antes da Inovação Falta de transparência nas solicitações de atendimento para o núcleo de informática do CSE, o usuário não tem conhecimento do andamento da sua solicitação; As solicitações dos atendimentos para a informática são feitas por telefone e pessoalmente e são todas informais, sem nenhum registro; Não é definido tempo para os atendimentos nem classificação, os chamados são resolvidos por ordem de chegada; Não existe documentação dos processos e nenhum tipo de representação visual; O núcleo de informática não adotada nenhuma prática formal para gerenciamento de serviços de Tecnologia da Informação; Mudanças no Processo depois da Inovação Definiu-se o conceito de Help Desk para o Núcleo de informática do CSE, segundo Cohen (2008), local físico, e lógico (isto é um software), onde são fornecidas informações para solucionar problemas relacionados à tecnologia da informação, de modo que os serviços sejam reestabelecidos o mais brevemente possível para minimizar impactos gerados pela paralisação deles; Adotou-se as prática ITIL para gerenciamento de serviços de TI do Help desk, com classificação dos chamados conforme prioridade e impacto na organização; Determinação do ciclo de vida de atendimento de um chamado; classificação de níveis de atendimento e tempo para cada atendimento. Desenvolveu-se um sistema de gerenciamento de serviços de TI conforme as práticas ITIL, para registrar todas as solicitações referentes a informática do CSE. Desta forma, nenhuma solicitação é perdida. Aplicou-se o conceito de Davenport em que o dado é registrado no sistema de gestão de TI, que transforma em informação para os técnicos realizarem o atendimento, em que gera uma solução, um conhecimento para tomada de decisão para os gestores. Padronização dos atendimentos e formas de abertura e fechamentos dos chamados e as pessoas envolvidas no processo; Modelou-se os processos de Help desk e representando graficamente por meio de um diagrama modelado na notação BPMN. A notação para modelagem de processos de negócio Business Process 7

8 Modeling Notation (BPMN) foi desenvolvida para prover o desenvolvimento e uso da gerência de processos de negócio através do estabelecimento de padrões (OMG, 2008). Esses padrões são utilizados nas fases de um projeto para acompanhamento, otimização de processos, além da ampliação dos recursos de modelagem e mapeamento entre as linguagens de alto nível e as linguagens de execução (OMG, 2008). Fonte: elaborado pelos autores. Toda e qualquer inovação segundo Tidd, Bressante e Pavitt (2008), é algo que agregue valor e ganho para quem a pós em prática. No presente estudo os ganhos e benefícios com a inovação do processo de help desk para o CSE pode-se definir como: Otimização da mão-de-obra dos técnicos de informática para os atendimentos aos usuários conforme suas habilidades técnicas, reduzindo assim o tempo para o atendimento dos chamados e gerando uma maior qualidade nos serviços de atendimentos prestados aos usuários (PALADINI,1995). O Portal de Gestão de TI, Figura 1, que registra todas as solicitações dos atendimentos e permite total gerenciamento e suporte à tomada de decisão. Figura 1: Portal de Gestão de TI Fonte: elaborado pelos autores. Assim, por meio de relatórios gerenciais oferecidos pelo sistema, é possível responder questões como: a) Estatísticas, controle e registro de todas as solicitações de TI; b) Volume de chamados por período; c) Tempo médio de resposta e solução para os chamados; d) Identificação dos principais problemas atendidos; e) Identificação dos locais e usuários mais atendidos; f) Quantidade de chamados atendidos por equipamento e sua reincidência; g) Quantidade de chamados atendidos por técnico; Nesse sentido, com a geração desses relatórios gerenciais referente aos principais problemas, gerou-se uma base de conhecimento para que todos os usuários possam ter acesso a esse conteúdo que vem a ser um facilitador no auxílio na resolução à incidentes de informática em situações extremas, como diante da ausência de técnico. Um dos exemplos são tutoriais e vídeos sobre configuração de , internet sem fio, configuração de impressora para auxiliar passo a passo os usuários nas suas dificuldades e diminuir a quantidade desse tipo de solicitações em que já tem a solução do problema. 8

9 Documentação visual de todo o processo de solicitação, atendimento, com a notação BPMN e as entradas e saídas para cada atividade, padronizando dessa forma os atendimentos. teve-se a inovação de um produto que foi o Portal de gerenciamento de serviços de tecnologia da informação. Dessa forma, percebe-se que ocorreu um processo de inovação e essa inovação teve um ganho para quem a pós em prática, validando desta forma a teoria apresentada por Tidd, Bressante e Pavitt (2008). 5 Conclusões O presente artigo teve como proposta articular três temas: inovação, gestão do conhecimento e qualidade na prestação de serviço na tentativa de alçar as discussões sobre os impactos do uso de inovação na perspectiva da gestão do conhecimento e qualidade na prestação de serviço em ambiente de alta complexidade. Sem pretensão de persecução de fundamentos inabaláveis concatenou as bases teóricas que julgou pertinente e as articulou em campo empírico defendido como de alta complexidade, ambiente universitário. As temáticas apresentadas permitem-nos aferir algumas constatações. Uma delas tratase da dificuldade em conceituar e identificar na prática as inovações. Neste trabalho considerada e analisada sob a perspectiva de mudanças de processo. O campo empírico, núcleo de informática do CSE da Universidade Federal de Santa Catarina indicou uma mudança significativa nos processos de atendimento aos clientes do núcleo. Constatou-se que antes das mudanças inovadoras havia ausência de transparência nos atendimentos, o cliente não sabia quando seria atendido, não recebia nenhuma previsão de tempo e horário em que seria atendido e quando procurava atendimento presencial no núcleo, muitas vezes, encontrava a porta fechada. Com a adoção de software para o gerenciamento de serviços de TI e a adoção das boas práticas ITIL o processo além de transparente, determinou o ciclo de vida dos chamados, com classificação de níveis de atendimento e tempo para previsto para o atendimento do cliente. Segunda, em decorrência da ausência da transparência das informações, dados e local apropriado para armazená-los não havia nenhuma criação ou transferência de conhecimento identificáveis. A mudança do processo permite a construção de conhecimento tácito assim como o conhecimento explicito, este último ganhou mais ênfase pois no site ficou disponibilizado manuais, representações visuais do processo de atendimento, facilitando o processo de criação e transferência de conhecimento. Terceira, prestação de serviço com mão de obra adequada de acordo com o problema apresentado. Antes o processo de atendimento ocorria sem nenhum tipo de cuidado e direcionamento do profissional, ou seja, os conhecimentos do profissional eram desprezados. Após a mudança o profissional mais bem qualificado para atendimento a determinado problema era designado a realizar o atendimento. Isso aumentou a satisfação do cliente, pois terá seu problema resolvido com mais chances no primeiro contato. Outra constatação, o processo antes das modificações não registrava nenhum atendimento, não criava nenhuma base para tomadas de decisão estratégica. Isso foi totalmente alterado com a adoção do novo processo, agora é possível gerar relatórios de todos os atendimentos realizados. Ademais do controle proporcionado pela mudança ela possibilita a ação estratégica do gestor que pode antecipar e melhorar a qualidade da tomada de decisão, dessa forma, pode reduzir custos e riscos pela falta de materiais de trabalho ou falha de equipamentos que a pesquisa mostrou merecer manutenção preventiva em determinada periodicidade. 9

10 Estas foram as respostas encontradas durante a realização da pesquisa. Apontaram resultados interessantes que nos permite afirmar que a adoção das inovações propostas e implantadas para o gerenciamento de serviços de TI em ambiente de alta complexidade acarretaram em melhora da qualidade da prestação de serviço assim como na gestão do conhecimento que a partir das mudanças pode ser produzido e criado. 6 Referências bibliográficas BALDRIDGE, J. V. et al. Estructuración de políticas e liderazgo efectivo en la educación superior. México: Noema, COHEN, M. D. et al. A garbage can model of organizational choice. Administrative Science Quartely. v. 17, p. 1-25, DESLANDES, Suely Ferreira & MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 27 ed. Petrópolis: Vozes, DRUCKER, P. F. O melhor de Peter Drucker: a Administração. São Paulo: Nobel, FÁVERO, Maria de Lourdes de Albuquerque. Autonomia e poder na universidade: impasses e desafios. In: Perspectiva. v. 22, n. 01, p , jan./jun FERNANDES, A. A;ABREU, V.F. Implantando a Governança de TI: da estratégia à gestão dos processos e serviços.2.ed. Rio de Janeiro: Brasport, FREEMAN, C.; PEREZ, C. Structural crises of adjustment: business cycles and investment behaviour. In: G. Dosi, R. Nelson, G. Silverberg, L. Soete, (Eds). Technical change and economic theory (p.38-66). London: Printer Publishers, GARVIN, D. A. Gerenciando a qualidade. Rio de Janeiro: Qualitymark, GRÖNROOS, C. Marketing gerenciamento e serviços. Rio de Janeiro: Campus, JAPAN HUMAN RELATIONS ASSOCIATION (JHRA). O livro das idéias: o moderno sistema japonês de melhorias e o envolvimento total dos funcionários. Porto Alegre: Artes Médicas, MANSUR, R.. Governança de TI: Metodologias, Frameworks, Melhores Práticas. Rio de Janeiro: Brasport, NONAKA, I. A empresa criadora de conhecimento. In: STARKEY, K. (Org.). Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, PALADINI, E. P. Gestão da Qualidade no Processo: a Qualidade na Produção de Bens e Serviços. São Paulo: Atlas, PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, V. A.; BERRY, L. A conceptual model of service quality and its implications for future research. Journal of Marketing, v. 49 (fall), p , SCHUMPETER, J. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, Scott, John C. The mission of the university: medieval to postmodern transformations. In: The Journal of Higher Education. Ohio State University Press. v. 77, n. 1, Special Issue: Moving into the Next 75 Years, p. 1-39, STARKEY, K.. Como as organizações aprendem: relatos do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, SUCUPIRA N. A reestruturação das universidades federais. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. v. 50, n. 111, p. 87-8, YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e método. Porto Alegre: Bookman, ZAWISLAK, P. Uma abordagem evolucionária para a análise de casos de atividade de inovação no Brasil. Ensaios FEE. v.17, p , ZEITHAML, PARASURAMAN, A., BERRY, L. Delivering quality services: balancing customers perceptions and expectations. New York: The Free Press,

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC)

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Florianópolis, 2012 Expedito Michels Mestrado Profissional

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI * Centro Universitário Filadélfia Unifil. mariana.munk@unifil.br Mariana Gomes Musetti Munck* Roberto Yukio Nishimura* Edison Sahd*

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior

A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital ZAIDAN, Lílian Araújo Ferreira 1 VIEIRA, Vânia Maria de Oliveira 2 No ensino

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Desenvolvimento tecnológico e o SEBRAETEC

Desenvolvimento tecnológico e o SEBRAETEC Desenvolvimento tecnológico e o SEBRAETEC Raimundo José de Paula Albuquerque (UFPB) albuca@fortalnet.com.br Resumo O presente trabalho é um estudo de caso realizado no ano de 2005, tendo como principal

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 Implantação e certificação do sistema de gestão da qualidade do Programa Especial de Treinamento da Engenharia de Produção da UFSC conforme a norma ISO 9001:2000 Victor Monte Mascaro Vietti (PET Produção

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Cristina Diamante Elizabeth Maria Lazzarotto Lorena Moraes Goetem Gemelli 1 INTRODUÇÃO: Na maioria das organizações de saúde, os profissionais

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais