PLANEAMENTO ANUAL I MACROCÍCLO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEAMENTO ANUAL I MACROCÍCLO"

Transcrição

1

2 1º 2º 3º 4º 5º 6º PLANEAMENTO ANUAL I MACROCÍCLO PERÍODO INTRODUTÓRIO DAS PARTES DÉBEIS ADAPTAÇÃO FUNCIONAL PERÍODO FUNDAMENTAL APURAMENTO TÉCNICO PREPARAÇÃO FUNCIONAL FORÇA FORÇA MÁXIMA DINÂMICA POTÊNCIA PERÍODO FUNDAMENTAL INTENSIVO FORÇA VELOCIDADE FORÇA ESPECIAL VELOCIDADE DE DE BALANÇO PERÍODO ESPECIAL VELOCIDADE FORÇA (POTÊNCIA) VELOCIDADE DE SALTO - PERÍODO PRÉ-COMPETITIVO (competições secundárias) VELOCIDADE PREPARAÇÃO DE SALTO MODELAÇÃO PARA A COMPETIÇÃO PERÍODO COMPETITIVO VELOCIDADE MÁXIMA CONCRETIZAÇÃO DA TRABALHO ANTERIOR 4 SEMANAS 5 SEMANAS 6 SEMANAS 4 SEMANAS 2 SEMANAS 6 SEMANAS TOTAL DE SEMANAS 27 SEMANAS

3 1º 2º 3º 4º 5º PLANEAMENTO ANUAL II MACROCÍCLO PERÍODO FUNDAMENTAL APURAMENTO TÉCNICO PREPARAÇÃO FUNCIONAL FORÇA FORÇA MÁXIMA DINÂMICA POTÊNCIA PERÍODO FUNDAMENTAL INTENSIVO FORÇA VELOCIDADE FORÇA ESPECIAL VELOCIDADE DE DE BALANÇO PERÍODO ESPECIAL VELOCIDADE FORÇA (POTÊNCIA) VELOCIDADE DE SALTO - PERÍODO PRÉ-COMPETITIVO (competições secundárias) VELOCIDADE PREPARAÇÃO DE SALTO MODELAÇÃO PARA A COMPETIÇÃO PERÍODO COMPETITIVO VELOCIDADE MÁXIMA CONCRETIZAÇÃO DA TRABALHO ANTERIOR TOTAL DE SEMANAS 4 SEMANAS 4 SEMANAS 3 SEMANAS 3 SEMANAS 7 SEMANAS 21 SEMANAS

4 PLANEAMENTO - NELSON ÉVORA - I MACROCÍCLO ( ) GRÁFICO PERCENTUAL POR MICROCÍCLO PERÍODOS VOLUME SEMANAS PERÍODO INTRODUTÓRIO PERÍODO FUNDAMENTAL PERÍODO FUNDAMENTAL INTENSIVO PERÍODO ESPECIAL PRÉ PERÍODO COMP. COMPETITIVO (3 + 1) (4 + 1) (1 + 1)+ (4 + 1) (3 + 1) MICROCÍCLO % 90% % % % a 18 setembro 18 a 24 Setembro 9 a 15 Outubro 16 a 22 outubro 6 a 12 Novembro 13 a 19 Novembro 27 Nov. 3 Dez. (estágio) 4 a 10 Dezembro (estágio) 18 a 24 Dezembro TAÇA SALTOS APUR. CLUBES - M. MOSCOVO M. STUGARD? C. NAC. CLUBES C. NACIONAL M. ESTOCOLMO (20) - M. ATENAS (24) C. EUROPA período transitório 50% 40% a 14 Janeiro 22 a 28 Jan. 12 a 18 Fevereiro 19 a 25 Fev. 1 a 7 Janeiro 26 Fev. a 4 Março 30% 4 a 10 set. 25 Set.- 1 Out. 30 Out. 5 Nov. 2 a 8 Outubro 23 a 29 Outubro 20 a 26 Nov. 11 a 17 Dezembro 25 a 31 Dez. 15 a 21 Janeiro 29 Jan. a 4 Fev. 5 a 11 Fevereiro 20% 10% INTENSIDADE Reforço p. débeis Adaptação funcional Apur. Técnico/funcion F. máxima dinãmica potência Força especial + velocidade de corrida balanço Força + V. salto Técnica Pre. Téc. Salto p/ Compet. Competição - velocidade Máxima Realiz trabalho anterior

5 DISTRIBUIÇÃO SEMANAL DA CARGA (II MACROCICLO 2007) CÍCLO 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª SÁBADO MANHÃ FUNDAMENTAL I AQUECIMENTO AQUECIMENTO SALTOS F. ESPECIAL TARDE MANHÃ FUNDAMENTAL II AQUECIMENTO SALTOS FORÇA ESPECIAL AQUECIMENTO MASSAGEM FORÇA ESPECIAL F. ESPECIAL TARDE MANHÃ ESPECIAL TARDE MANHÃ COMPETITIVO SALTOS AQUECIMENTO F. ESPECIAL S SALTOS F. ESPECIAL AQUECIMENTO MASSAGEM SALTOS MASSAGEM F. ESPECIAL COMPETIÇÃO) TARDE /FORÇA F. ESPECIAL MASSAGEM

6 FICHA DE REGISTO Nome NELSON ÉVORA Temporada: I MACROCÍCLO CARGAS DE TREINO POR MICROCICLO (repetições) M icrociclo ESTÁGIO VOLUME ANUAL DESEN R. P É PERÍODO INTRODUTÓRIO PERÍODO PREP. FUNDAMENTAL SKIP P IN G A LT O PERÍODO FUNDAMENTAL INTENSIVO PERÍODO ESPECIAL P ER N A S EST EN D. M ON O SKIP P IN G M OVIM. B R A ÇOS M OV. B R A ÇOS C / P ESO 1,5 KG R OLA R S/ P ESO R OLA R C / P ESO 1,5 KG C OR R ID A SA LT A D A C OR R ID A SA LT A D A C / ELA ST IC O PERÍODO PRÉ-COMPETITVO PERÍODO COMPETTIVO

7 FREQUÊNCIA SEMANAL DOS MEIOS DE TREINO INTROD. FUND. FUND. INT. ESPECIAL PRÉ COMP- COMPET. 1 a 2 2 a 3 2 a 3 3 a 4 2 a a 5 5 a 6 5 a 6 3 a 4 2 a 3 1 a 2 FORÇA GERAL 3 a 4 3 a 4 2 a 3 1 a a 1 FORÇA ESPECIAL 2 2 a 3 2 a 3 2 a 3 1 a 2 1 SALTOS a 3 2 a 3 1 a 2 1

8 TESTES ETAPAS EXERC. CONTROL FUNCIONAL PERÍODO P. FUND. FORÇA E VELOCID. P. PREP. FUNDAM. FORÇA E VELOC. SALTO P. FUND. INT. PREP. SALTO P. PREP. ESPECIAL PERÍODO PRÉ COMP. COMPETITIVO 300 m X 150 m X 100 m X X 60 m X X 30 m lanç. X X X X 10 m lanç. X X

9 TRIPLO PARADO X X FUND. FUND INT. ESPEC. PRÉ COMP. COMP. PENTASSALTO X X X SALTOS EM 30 M X X X SALTOS PARA CIMA DE? X X X X SALTOS SAPO P/ A FRENTE X X X X X SALTOS DE SAPO P/ TRÁS X X X COM DE 3 A 4 PASSOS X X COM DE 7 A 8 PASSOS X X COM DE 12 PASSOS X X X COM DE 14 PASSOS X X COM COMPLETA X

10 CONTEÚDOS POR PERÍODO 2006/2007 PERÍODOS PERÍODO INTROD. P. PREP. FUNDAMENTAL P. PREP. FUND. INTENSIVO P. PREP. ESPECIAL P. PRÉ COMPETITIVO P. COMPETITIVO DATAS 05 SET. a 2 OUT. 03 OUT. A 06 NOV. 07 NOV. a 18 DEZ. A 19DEZ. a 15 janeiro 16 a 29 JANEIRO 30 JAN. a 12 MAR. MICROCÍCLO 4 SEMANAS (3 + 1) 5 SEMANAS (4 + 1) 6 SEMANAS (1 + 1) + (3 + 1) 4 SEMANAS (3 + 1) 2 SEMANAS (Comp. 6 SEMANAS (3 + 3) Secund) CONTEÚDOS Reforço pontos débeis Adaptação funcional Apur. Técnico + Prep. Funcional F. Máxima dinâmica + Potência Força Especial+ Velocidade Corrida balanço Força + Velocidade salto Técnica Prepar. Técnica de Salto Modelação p/ competição Compe. V. Máxima Realização trabalho Movim. Braç. c/ peso até 2kg Elevação Joelho Desenrolar Pé imitar cor. March sub. Joelh até 2 kg Ski. alto resistencia elástico Pernas estendidas Mo. Braç. c/ peso até 1,5 kg Elevação Joelho Desenrolar Pé imitar cor. Marcha subindo. Joelho até 1,5 kg Skipping alto resist. Elástico Skipping alto c/ pesos até 1,5 kg Ski. assimétrico c/pesos até 1,5 kg Pernas estendidas ritmo crescente Movimento Braços Elevação Joelho Desenrolar Pé Marcha subindo joelho Skip assim. com e sem peso até 1,5 Corrida saltada comtra e sem elástico Corr. saltada a 1 perna c/ e s/ elástico Pernas estendidas ritmo crescente Movimento Braços Elevação Joelho Desenrolar Pé Marcha subindo joelho Corrida saltada c/ e s/elástico Corr. saltada a 1 perna Pern estendi passo pélvico até 1,5 Skipping alto Movimento Braços Elevação Joelho Desenrolar Pé Extensão horiz. da perna Skipping alto Combinações de exercic. Movim. Braços Elevação Joelho Desenrolar Pé E. horiz. da perna Skipping alto Comb. de exercic. (Só aquecimento) S S BALANÇO FORÇA MULTISSALTOS Parado / c/ desloc. Skip. Chamada Chamadas sucessivas 3/5 passos entre chamadas Vel. Reacção + Resist. Cross 15 a a 500 m Vel. reacção 6 a 8 passos 1ª fase 4 a 5 bar. 13/11 passos Prep. Força Geral Reforço muscular partes débeis Multissaltos s/ deslocamento Parado c/ cinto lastrado Skip. Chamada queda em afundo Skip. Corrida salto Chamadas sucessivas Saltar p/ cima caixa Saltar cor. Curta cima caixa 10/15 cm Veocidade. Resist. + Técnica Cross 15 a a 300 m 40/80 m amplo/freq./normal 1º e 2º fase até 12/14 passos 4 a 5 bar. 11/9 passos F. Resist./ F. Máxima Din. Explos Circuito de séries longas 45 Exerc. 12 a 15 3/4 séries Rep. 30 int. 60 Carga 30 % - S/ transfer (velocidade elevada) Multissaltos curtos sem balanço (séries longas) Chama. c/ e s/ peso Suces.» vel Mesmo em rampas, peso, elástico 10 pass. Chama queda em afundo Chamadas contra elástico (3/5) pas. Saltar p/ cima caixa c/ s/ peso Saltar cor. Curta c/ pesos Salt. cor. média cima caixa 10/15 cm Vel. Resist. + Técnica + Acleração Cross 15 a 30 - recup. (1x s) 150 a 200 m 40/60 m amplo/freq./normal Elásticos e Arrastos 30/40 m Total Superior. Total passos/ partidas bar. 30 prog p +10 manter) Força Máxima / Elast. explosiva ½ agach. afundo marchando Step up extensão dos pés 1/2 agach. Explosivo Corridas e Multis. Com pesos Arranque - 1/2 rápido 1/2 agach. c/ salto 1/2 agach. c/ salto explosivo Saltitares galopes Steps Corridas com pesos Mult. Condições dificultadas Decassaltos (máximo) Chamadas sucessivas 5/7 passos entre chamadas Mesmo c/ fácil. Elástico Sal. p/ cima caixa fac. elastico Saltos cor. Média Salt. cor. m. cima c. 10/15 cm Sal. Corr. Comp.«competiç Vel. Técnica + Aceler. + Máxima Cross 15 a 30 - recup. (1x s) 100 a 150 m 10 m com 30 m balanço Elásticos e Arrastos - contraste Total dentro e fora sector passos/ partidas bar. 30 prog p +10 manter) F. Especial - Reactiva Elástica Arranque - 1/2 agach. c/ salto Saltos pés juntos - saltitares Step up 40 cm - Afundo marchan 1/2 agach. Rápido Des. 1 pé 1/2 agach. Explosivo ¼ agach. Com salto Mult. Curtos c/ balanço Saltos sobre barreiras (verticais) Saltos a pés juntos - Pliometria Chamadas sucessivas 3/5 a 7 passos entre chamadas Mesmo c/ elástico facilitador Saltos cor. curta aquecim. Saltos corrida média Saltos corrida longa Vel. Acler. + Máxima + Ritmo Recuperação 80 a 120 m 30/40/50 m Facilitadas 30/40 m Total dentro e fora sector passos/ partidas bar. 30 prog p +10 manter) Força rápida + F. explosiva Arranque 1/2 agach. Rápido 1/2 agach. Explosivo 1/2 agach. Com salto Saltitares - Galopes S. a pés juntos + cham e saltos Mult. Curtos c/ velocidade Hops com balanço Pliometria Saltos completos Entradas cor. média e longa Vel. Máxima + Ritmo Regeneração 70 a 100 m Lançada 30+10/15m Total - secctor pass. finais Resist. especial saltos (reactiva) Multissaltos a medir Saltitares com barra ½ agach. Rápido ½ agach. Explosivo ¼ agach. Com salto step up com salto Saltos a pés juntos Chamadas e saltos Mult. Técnicos (conbinações) % CARGA Peso corporal 50 70% 70 95% 30 95% % Manutenção

11 MACROCÍCLO PERÍODOS DATAS MICROCÍCLO INTENSIDADE P. INTRODUT. P. PREP. FUND. P. FUND.INT. P. PREP. ESPECIAL PRÉ. COMP. COMPETITIVO 1 a 21 Out. ADAP. FUNCIONAL(1) PERIODIZAÇÃO ANUAL - SECTOR SALTOS- 2007/2008 I 22 Out. a 25 Nov. 26 NOV. a 6 JAN. 7 /27 JANEIRO 28 JAN/ 10 FEV. 11 Fevereiro a 9 de MARÇO FORÇA(2) FORÇA - VELOCIDADE(3) VEL. (4) MOD. COMP.(5) MODELO COMPETIVO(6) (2 + 1) SUAVE P/ MÉDIO (3 + 1) (2+1) + (2 + 1) (2 + 1) MÉDIO FORTE PERÍODO MAIS FORTE MÉDIO FORTE 2 4 MÉDIO LEVE LEVE % INTENS. DOMINANTE MANUT. FÍSICA VAR. MICROC. TEC. COR.MÉDIA/LONGA COR. LONGAS 100% EST. F.C. C.P. C.M. 90% T T T.S. A. C. T T 80% HIPERTROFIA FORÇA RESIST. ADAP. TENDINOSA ELEM. TÉCNICOS FORÇA MÁXIMA FORÇA ELÁSTICA FORÇA REFLEXA FORÇA EXPLOSIVA POTÊNCIA MÁXIMA VELOC.DE SALTO TEC. COR. CURTA/MÉDIA TEC. S MÉDIAS 70% % MÁXIMO RENDIMENTO VELOCIDADES MÁXIMAS TEC. S LONGAS 50% % FORÇA VELOCIDADE MULTISSALTOS MULTILANÇAM. FORÇA GERAL TREINO EM CIRCUITO ARRANQUE ½ AGACH. C/ SALTO S. A P. JUNTOS SALTITARES - GALOPES GÉMEOS- MET. PEITO GÉMEOS ½ AGACHAM. RÁPIDO ½ AGACH. EXPLOSIVO C. E SALTOS ½ AGACHAM. RÁPIDO AGACHAM. TOTAL AGACHAM. TOTAL ½ AGACHAM. C/ SALTO EXPLOSIVO ARRANQUE ARRANQUE ½ AGACHAM. EXPLOSIVO ½ AGACHAM. ½ AGACHAM. SALTITARES - GALOPES / STEPS SALTOS PÉS JUNTOS ½ AG. RÁPIDO ½ AGACHAM. C/ SALTO STEP UP (40 CM) STEP UP (40 CM) S COM PESOS SALTITARES ½ AG. EXP. SALTOS E CHAMADAS AFUN MARCHANDO AFUNDO MARCHANDO S. EM PROFUNDIDADE ½ AGAC. C/ S. C. DE REACÇÃO IN / OUT ( M) PARTIDAS COM BARREIRAS BAR. 7/ 5/3 PASSOS 4 A 5 BAR. 7 A 5/3 PASS ACELERAÇÕES PARTIDAS C/ BARREIRAS 4 A 5 BARREIRAS 11 A 9 PASSOS C. AMP. FREQ. NORM. IN /OUT(30-10) VEL. MÁX. DE 20 A 30 M 13/11 PAS.. BAR. BARREIRAS 11 A 9 PASSOS COR. AMPLA - FREQ. - NORMAL ELÁSTICOS ROLDANAS C. 30, M COR. REPET. 30, M C. AMPLA - FREQ - NOR S PROGRESSIVAS 30M LANÇ M RÁPIDO C. BALANÇO S DE 60 M S PROGRES. ELÁSTICOS E ARRASTOS FREQ./ AMPL. C/ CONES C. BALAN 5+5 COR. BAL. 5M + 5M ARRASTOS + MULTIS. S COMPLETAS PARADO CAIXA DE 40 CM CAIXADE 60 CM CAIXADE 80 CM-PLIOM MUL C/ VEL. MULTISSALTOS TÉCNICOS MULT. S/ DESL. M. CURT. S/ BAL. - S. LON. MULT. DIFICULTADOS DECA M CURTOS BARREIRAS HOPS / PLIOM COMBINAÇÕES

12 VELOCIDADE PERÍODO EXERCÍCIOS PRINCIPAIS 1º (PESO CORPORAL) 2º (50-70%) 3º (70-95%) P. INTRODUTÓRIO DAS PARTES DÉBEIS ADAPTAÇÃO FUNCIONAL P. FUNDAMENTAL APURAMENTO TÉCNICO PREPARAÇÃO FUNCIONAL FORÇA RESISTÊNCIA FORÇA MÁXIMA DINÂMICA POTÊNCIA P.FUND. INTENSIVO FORÇA VELOCIDADE FORÇA ESPECIAL VELOCIDADE DE DE BALANÇO CAPACIDADE DE REACÇÃO ACELERAÇÕES 13 A 11 PASSOS ENTRE BARREIRAS (4 A 5) - AMPLITUDE S DE VARIAÇÃO DE VELOCIDADE: IN / OUT ( M) PARTIDAS COM BARREIRAS 4 A 5 BARREIRAS 11 A 9 PASSOS AMPLA FREQUENTE NORMAL S PROGRESSIVAS ARRASTOS + MULTISSALTOS PARTIDAS COM BARREIRAS 4 A 5 BARREIRAS 11 A 9 PASSOS AMPLA FREQUENTE NORMAL S PROGRESSIVAS ELÁSTICOS E ARRASTOS 4º PERÍODO ESPECIAL 4 A 5 BARREIRAS 7 A 5/3 PASSOS (30-95%) VELOCIDADE FORÇA (POTÊNCIA) VELOCIDADE DE SALTO - AMPLA FREQUENTE NORMAL ELÁSTICOS ROLDANAS 30M LANÇADOS + 10 M RÁPIDOS FREQ. E AMPLITUDE COM CONES 5º ( %) 6º (manutenção) P. PRÉ-COMPETITIVO (competições secundárias) VELOCIDADE PREPARAÇÃO DE SALTO MODELAÇÃO PARA A COMPETIÇÃO PERÍODO COMPETITIVO VELOCIDADE MÁXIMA CONCRETIZAÇÃO DA TRABALHO ANTERIOR 4 A 5 BARREIRAS 7 A 5/3 PASSOS 30M LANÇADOS + 10 M RÁPIDOS S REPETIDAS 30, M S BALANÇO NO SECTOR E FORA DO SECTOR BALANÇO 5M + 5M 4 A 5 BARREIRAS 7 A 5/3 PASSOS VELOCIDADE MÁXIMA DE 20 A 30 M S REPETIDAS 30, M S DE 60 M BALANÇO 5M + 5M S COMPLETAS

13 SALTOS - MULTISSALTOS 1º (PESO CORPORAL) 2º (50-70%) 3º (70-95%) 4º (30-95%) 5º ( %) 6º (manutenção) PERÍODO SALTOS ESPECIAIS SALTOS TRIPLO P. INTRODUTÓRIO DAS PARTES DÉBEIS ADAPTAÇÃO FUNCIONAL P. FUNDAMENTAL APURAMENTO TÉCNICO PREPARAÇÃO FUNCIONAL FORÇA RESISTÊNCIA FORÇA MÁXIMA DINÂMICA POTÊNCIA P.FUND. INTENSIVO FORÇA VELOCIDADE FORÇA ESPECIAL VELOCIDADE DE DE BALANÇO PERÍODO ESPECIAL VELOCIDADE FORÇA (POTÊNCIA) VELOCIDADE DE SALTO - P. PRÉ-COMPETITIVO (competições secundárias) VELOCIDADE PREPARAÇÃO DE SALTO MODELAÇÃO PARA A COMPETIÇÃO PERÍODO COMPETITIVO VELOCIDADE MÁXIMA CONCRETIZAÇÃO DA TRABALHO ANTERIOR PARADO MULTISSALTOS S/ DESLOCAMENTO CAIXADE 40 CM MULTISSALTOS CURTOS S/ BALANÇO SÉRIES LONGAS CAIXADE 60 CM MULTISSALTOS DIFICULTADOS DECASSALTOS CAIXADE 80 CM MULTISSALTOS CURTOS C/ SALTOS SOBRE BARREIRAS PLIOMETRIA MULTISSALTOS CURTOS C/ VELOCIDADE HOPS COM BALANÇO PLIOMETRIA MULTISSALTOS TÉCNICOS (COMBINAÇÕES) PASSOS 12 PASSOS 14 PASSOS PASSOS ---

14 FORÇA PERÍODO EXERCÍCIOS PRINCIPAIS MULTILANÇAMENTOS 1º (PESO CORPORAL) P. INTRODUTÓRIO DAS PARTES DÉBEIS ADAPTAÇÃO FUNCIONAL FORÇA GERAL GÉMEOS AGACHAM. TOTAL ½ AGACHAM. STEP UP (40 CM) AFUNDO MARCHANDO METIDA AO PEITO 20 KG 2º (50-70%) P. FUNDAMENTAL APURAMENTO TÉCNICO PREPARAÇÃO FUNCIONAL FORÇA RESISTÊNCIA FORÇA MÁXIMA DINÂMICA POTÊNCIA TREINO EM CIRCUITO GÉMEOS AGACHAM. TOTAL ½ AGACHAM. STEP UP (40 CM) AFUNDO MARCHANDO 15 KG 3º (70-95%) P.FUND. INTENSIVO FORÇA VELOCIDADE FORÇA ESPECIAL VELOCIDADE DE DE BALANÇO ARRANQUE ½ AGACHAM. RÁPIDO ½ AGACHAM. C/ SALTO EXPLOSIVO SALTITARES GALOPES / STEPS S COM PESOS 10 KG 4º (30-95%) PERÍODO ESPECIAL VELOCIDADE FORÇA (POTÊNCIA) VELOCIDADE DE SALTO - ½ AGACHAM. C/ SALTO ½ AGACHAM. EXPLOSIVO ARRANQUE SALTOS A PÉS JUNTOS SALTITARES SALTOS EM PROFUNDIDADE 7 KG 5º ( %) P. PRÉ-COMPETITIVO (competições secundárias) VELOCIDADE PREPARAÇÃO DE SALTO MODELAÇÃO PARA A COMPETIÇÃO SALTOS A PÉS JUNTOS CHAMADAS E SALTOS ARRANQUE ½ AGACHAM. RÁPIDO ½ AGACHAM. EXPLOSIVO ½ AGACHAM. C/ SALTO SALTITARES - GALOPES 5 KG 6º (manutenção) PERÍODO COMPETITIVO VELOCIDADE MÁXIMA CONCRETIZAÇÃO DA TRABALHO ANTERIOR SALTITARES GALOPES ½ AGACHAM. RÁPIDO ½ AGACHAM. EXPLOSIVO ½ AGACHAM. C/ SALTO SALTOS E CHAMADAS ---

26 Julho de João Manuel Ganço Las claves en el entrenamiento de triple salto: el caso de Nelson Évora

26 Julho de João Manuel Ganço Las claves en el entrenamiento de triple salto: el caso de Nelson Évora 26 Julho de 2010 João Manuel Ganço Las claves en el entrenamiento de triple salto: el caso de Nelson Évora LAS CLAVES EN EL ENTREINAMIENTO DE TRIPLE SALTO (NELSON ÉVORA) Apresentação do atleta Pontos altos

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m)

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) NOTA: Nos treinos de ginásio faz-se sempre pliometria de caixas e no aquecimento estão incluídos exercícios de pliometria básicos. Preparação Específica

Leia mais

O TREINO EM IMAGENS. por Sebastião Mota TREINO DA FORÇA COM CARGAS CURL DOS BÌCEPS FLEXÃO TRONCO À FRENTE (BONS DIAS)

O TREINO EM IMAGENS. por Sebastião Mota TREINO DA FORÇA COM CARGAS CURL DOS BÌCEPS FLEXÃO TRONCO À FRENTE (BONS DIAS) 1 O TREINO EM IMAGENS por Sebastião Mota TREINO DA FORÇA COM CARGAS SUPINO CURL DOS BÌCEPS FLEXÃO TRONCO À FRENTE (BONS DIAS) HIPER EXTENSÃO DORSO-LOMBAR COM CARGAS AGACHAMENTO ( COSTAS E Á FRENTE) 2 AGACHAMENTO

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

Marcos Chuva ÉPOCA 2010-2011. Golden League Zurique - 2011. C. Nac. Juvenis Luso - 2006

Marcos Chuva ÉPOCA 2010-2011. Golden League Zurique - 2011. C. Nac. Juvenis Luso - 2006 Marcos Chuva ÉPOCA 2010-2011 Golden League Zurique - 2011 C. Nac. Juvenis Luso - 2006 Marcos Chuva Resultados mais significativos Nível Nacional Campeão Nacional do Triatlo Técnico em 2004 e 2006; Vencedor

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE JAYME NETTO JR Professor do Departamento de Fisioterapia/UNESP Mestrado em Ciências do Esporte/UNICAMP Doutorado em Ciências da Saúde/FAMERP Técnico Olímpico

Leia mais

CEF Periodização e Sistemas de Treino

CEF Periodização e Sistemas de Treino CEF Periodização e Sistemas de Treino João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist Periodização TF Sistemas de TF 1 PLANO

Leia mais

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo 1 Saltos Horizontais Comprimento e Triplo Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Na escola, pretende-se que a aptidão natural dos jovens para este tipos de saltos associe e integre a sua técnica específica

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS a) Coopera com os companheiros, quer nos exercícios

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA 1º Período 3ºª Feira Módulo 3 JOGOS DESP. COLETIVOSIII (VOLEIBOL) 22 tempos Início16/09/14 Fim: 25/11/14 VOLEIBOL (Módulo 3) Nível Avançado - O aluno: 1. Em exercício 1x1; 3x3 e situação de jogo 4x4 e

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

PLANO DE ETAPAS 8ºE FUT2+ VED. 11 Ter Sala 13 Qui. Andebol 10. Futebol 10 FUT2+ VED FUT1+ SUP. 16 Ter. 11 Qui

PLANO DE ETAPAS 8ºE FUT2+ VED. 11 Ter Sala 13 Qui. Andebol 10. Futebol 10 FUT2+ VED FUT1+ SUP. 16 Ter. 11 Qui 3ª Etapa 2ª Etapa 1ª Etapa PLANO DE ETAPAS 8ºE 11 Ter Sala 13 Qui 18 Ter 20 Qui 25 Ter GIN 27 Qui GIN Set VERÃO Apresentação Andebol 1 Futebol 1 Basquetebol 1 Voleibol 1 Barreiras 1 Judo 1 Ginástica 1

Leia mais

Seqüência de Desenvolvimento

Seqüência de Desenvolvimento Seqüência de Desenvolvimento Motor, Padrões Fundamentais de Movimento e TGMD-2 2Test Seqüência de Desenvolvimento Motor q (GALLAHUE & OZMUN, 1998) Seqüência de Desenvolvimento Motor (TANI, MANOEL, KOKUBUM

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Kayak-Polo

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Kayak-Polo Plano Geral Semanal Treinador: Orlando Silva 14 / 01 /2008 a 27 /01 /2008 Época: 07/08 Atletas: Séniores Macrociclo:1 Mesociclo:4 Microciclo: 3-4 TOTAL T: 2h10` T: 2h10` T: 1h40` T: 2h00` T: 2h00` T: 2h10`

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA.

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA. ESPADA SISTEMA PARA FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE ESPADISTAS A ESGRIMA DE PONTA SEM PRATICAR O FLORETE Arthur CRAMER Há vários modos de esgrimir, dizemos quanto à esgrima de sala e à esgrima de competição.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE Regulamento Específico por Modalidade 1 FESTIVAL/COMPETIÇÃO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA E GINÁSTICA RÍTMICA DO G.D.V Ginástica Artística: Feminino Objetivo Estimular a

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

VII ENCONTRO DE ACADEMIAS KIDS ATHLETICS DE NATAL

VII ENCONTRO DE ACADEMIAS KIDS ATHLETICS DE NATAL SPORTING CLUBE DE PORTUGAL Academia de Atletismo VII ENCONTRO DE ACADEMIAS KIDS ATHLETICS DE NATAL Centro de Alto Rendimento de Atletismo Jamor 13 de Dezembro de 2015-09.30 Horas Regulamento do Encontro

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado)

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado) PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016 Versão 19 de janeiro. 2016 Índice Introdução... 3 I - Estrutura Técnica do Programa... 3 a) Tempo e música... 4 b) Categorias e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Rodrigo Gerhardt Desde que você resolveu deixar de engatinhar

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Percurso de 1 hora e meia, nem muito forte, nem muito suave, mas tens de suar e manter o ritmo cardíaco no regime aeróbico (de 70 a 80%).

Percurso de 1 hora e meia, nem muito forte, nem muito suave, mas tens de suar e manter o ritmo cardíaco no regime aeróbico (de 70 a 80%). PLANO DE TREINO Para competir é necessário algo mais do que pedalar, é necessário um plano de treino específico para XC. Este plano inclui treino de força no ginásio e horas a pedalar em estrada e montanha,

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Questões especiais Exames Complementares Medicação: Reumoplus. Fatores que agravam os sintomas e função

Dados Pessoais: História social e familiar. Questões especiais Exames Complementares Medicação: Reumoplus. Fatores que agravam os sintomas e função Dados Pessoais: Nome: V. Idade: 19 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Estudante e Jogador de Basquetebol (Estoril) Diagnóstico Médico: Ligamentoplastia do Ligamento Cruzado Anterior História

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

Tipos de análises do movimento humano

Tipos de análises do movimento humano Tiago Barbosa Análise qualitativa do movimento humano Tipos de análises do movimento humano QUALIT. QUANT. Nível de desenvolvimento Escala de apreciação Amplitude de passada Velocidade Aceleração Força

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola

Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola Introdução São vários os estudos de investigação que atualmente avaliam as necessidades dos atletas e os diferentes pontos de vista a respeito

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

Relatório Área 1 -Semana a tempo inteiro, 1º ciclo e aulas filmadas-

Relatório Área 1 -Semana a tempo inteiro, 1º ciclo e aulas filmadas- UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ESCOLA SECUNDÁRIA DE MEM MARTINS Ano Letivo 2014/2015 Relatório Área 1 -Semana a tempo inteiro, 1º ciclo e aulas filmadas- Orientadores: Prof. Lineu

Leia mais

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem.

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem. INTRODUÇÃO O ensino da educação física no 1º nível de ensino joga um papel importante no desenvolvimento das diferentes qualidades físicas, assim como das diversas habilidades motoras dos educandos. Através

Leia mais

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior de Desporto de Rio Maior Ano Lectivo 2009/20010 SISTEMÁTICA DO DESPORTO II Licenciatura em Desporto: Variante de Condição Física Regente: Hugo Louro Docentes:

Leia mais

JOGOS LÚDICO-DESPORTIVOS DE KARATÉ Proposta de Conceito e Regulamento

JOGOS LÚDICO-DESPORTIVOS DE KARATÉ Proposta de Conceito e Regulamento JOGOS LÚDICO-DESPORTIVOS DE KARATÉ Proposta de Conceito e Regulamento Não se pode dizer que a criança não se adaptou ao karate Mas até que ponto é que este se tem adaptado à criança? INTRODUÇÃO É entendimento

Leia mais

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO O AGACHAMENTO O agachamento é um dos movimentos mais utilizados no treino desportivo, mas um dos menos compreendidos e pior utilizado. Deixo um conjunto reflexões que para alguns poderão ser um pouco polémicas

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente

Leia mais

Modalidades esportivas Sesc

Modalidades esportivas Sesc Faça sua carteira COMERCIÁRIO: TITULAR: CPTS atualizada, Comp. de residência, GFIP (Guia de Recolhimento e Informações do FGTS), Taxa CONVENIADOS: TITULAR: Comp.de residência, documento que comp. de vínculo

Leia mais

Curso de Formação. C. 304 Abordagem Multidisciplinar de Atletismo

Curso de Formação. C. 304 Abordagem Multidisciplinar de Atletismo Centro de Formação da Associação de Escolas de Matosinhos Curso de Formação C. 304 Abordagem Multidisciplinar de Atletismo Maria João Madeira Alves Formadores: Mário Paiva e Sara Fernandes Leça da Palmeira

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) 1. Se tem a bola, passar

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE ALTETISMO DE LEIRIA

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE ALTETISMO DE LEIRIA ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE ALTETISMO DE LEIRIA CALENDÁRIO DE ACTIVIDADES DISTRITAL/BEIRAS NACIONAL/ INTERNACIONAL ÉPOCA 2009-2010 (versão de 01 Junho 2010) Outubro 2009 3/4/5 Curso de Treinadores Nível 1

Leia mais

Energym Turbo Charger

Energym Turbo Charger Energym Turbo Charger LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Antes de começar qualquer programa de exercícios,

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA

CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA CAMPEONATOS DE PORTUGAL EM PISTA COBERTA E CAMPEONATO NACIONAL DE SUB-23 EM PISTA COBERTA 1. NOTA INTRODUTÓRIA Nos Campeonatos de Portugal Absolutos de Pista Coberta serão atribuídos os títulos individuais

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC 300B. A qualidade transforma o mundo

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC 300B. A qualidade transforma o mundo GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC 300B A qualidade transforma o mundo LANÇA ULTRALONGA. GRANDE CAPACIDADE DE ELEVAÇÃO Características do produto Chassi Características do produto Superestrutura Parâmetros

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE ALTETISMO DE COIMBRA CALENDÁRIO DE ACTIVIDADES DISTRITAL/BEIRAS NACIONAL/ INTERNACIONAL. Calendário ÉPOCA 2013/2014

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE ALTETISMO DE COIMBRA CALENDÁRIO DE ACTIVIDADES DISTRITAL/BEIRAS NACIONAL/ INTERNACIONAL. Calendário ÉPOCA 2013/2014 ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE ALTETISMO DE COIMBRA CALENDÁRIO DE ACTIVIDADES DISTRITAL/BEIRAS NACIONAL/ INTERNACIONAL Calendário ÉPOCA 2013/2014 (Versão de 11.06.2014) Outubro 2013 19 Night Run Lisboa 2013 16

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Educação Física e Esporte Campus de Ribeirão Preto A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística Myrian Nunomura Nadia 1976 http://www.youtube.com/watch?v=4m2yt-pikec

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROFESSOR PAULO BARROSO CREF 06081 G/RJ PREPARADOR FÍSICO DOS ÁRBITROS FFERJ PROFESSOR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE

Leia mais

AIR ALERT III : Um Programa Completo Para Saltos Verticais

AIR ALERT III : Um Programa Completo Para Saltos Verticais AIR ALERT III : Um Programa Completo Para Saltos Verticais AIR ALERT III : Um Programa Completo Para Saltos Verticais Traduzido por: Halian Vilela Original em inglês retirado do link http://www.home.no/slominski/air%20alert%20iii.htm

Leia mais

Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013

Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013 Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013 QUESTIONÁRIO Autor: Alexandre Miguel Mil-Homens Lucas Orientador: Prof. Doutor Raul Oliveira Ano lectivo 2012-2013

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

RACIOCÍNIO CLÍNICO NO CICLO DE INTERVENÇÃO

RACIOCÍNIO CLÍNICO NO CICLO DE INTERVENÇÃO iclo de Intervenção com o Utente. G. Ed. línica II RIOÍNIO ÍNIO NO IO E INTERVENÇÃO 1. valiação Utente. G., 39 anos, residente em aleizão, vive com esposa e filho, chefe de manutenção de uma fábrica, habilitações

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

como a DT200 da Yamaha.

como a DT200 da Yamaha. Para os iniciantes, é melhor optar por uma moto de menor potência, como a 125cc, porque elas são mais leves e dão mais chances. As 250cc são mais violentas e qualquer erro pode causar um tombo. Para o

Leia mais

PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU 2011 ------------------------- INÊS HENRIQUES

PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU 2011 ------------------------- INÊS HENRIQUES PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU 2011 ------------------------- INÊS HENRIQUES Jorge Miguel - Treinador PLANEAMENTO PARA O MUNDIAL EM DAEGU PLANEAMENTO PARA: UM ANO DE TREINO (ÉPOCA) UM PERÍODO DE TREINO

Leia mais

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO Horácio Honório Curso de Treinadores de Hóquei em Patins Nível III CRITÉRIOS DE ORGANIZAÇÃO DA PLANIFICAÇÃO FUNDAÇÃO NORTECOOPE - SÉNIORES

Leia mais

A. Disposições Gerais

A. Disposições Gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Direcção Técnica Nacional Sector juvenil Versão de 29 de Maio de 2008 REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES NORMAS RELACIONADAS COM OS ESCALÕES DO ATLETISMO JUVENIL A. Disposições

Leia mais

CIRCULAR PA Nº. 31 14/15 02/09/2015

CIRCULAR PA Nº. 31 14/15 02/09/2015 CIRCULAR PA Nº. 31 14/15 02/09/2015 DISTRIBUIÇÃO: Associações, Clubes P.A. ASSUNTO: 1 Abertura de época 2015/2016 2 Inscrição de equipas nas provas oficiais 3 Bola oficial 4 Taxas 5 - Regulamentos 6 Anexos

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

Abordagem do Salto em Comprimento Trabalho Final

Abordagem do Salto em Comprimento Trabalho Final Centro de Formação de Associação de Escolas de Matosinhos Escola-Sede: Escola Secundária com 3º Ciclo do E. Básico Augusto Gomes C304. Abordagem Multidisciplinar do Atletismo Curso, 50 horas Abordagem

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio

Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio CLINIC PLANETA BASKET SEBASTIÃO MOTA 10 DE SETEMBRO 2015 Decididamente, a musculação é uma parte muito séria do trabalho, tornando as atletas mais fortes, mais rápidas,

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR ANO LECTIVO 2010/2011 ÍNDICE 1 Programa... 2 2 Determinações referentes à participação... 2 2.1 Quadro

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NORONHA FEIO ESCOLA E. B. 2. 3. NORONHA FEIO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Orientações metodológicas Programação e Planeamento Avaliação Actividade Interna CAP I PROGRAMAÇÃO E

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo Avaliação dos alunos (Critérios uniformizados a nível do Conselho Pedagógico e do Grupo

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador

UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador A MINHA FILOSOFIA DE TREINADOR Estar sempre motivado Motivar os atletas e dar-lhes objectivos realistas Procurar condições de treino e estabilidade

Leia mais

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Periodização do Treinamento Esportivo aplicada ao TaeKwon-Do Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Exercício Homeostase Síndrome da Adaptação Geral Estresse Resistência Exaustão

Leia mais

Dossier de Treino. Revista Técnica da Federação Portuguesa de Atletismo

Dossier de Treino. Revista Técnica da Federação Portuguesa de Atletismo Dossier de Treino Revista Técnica da Federação Portuguesa de Atletismo Edição Especial: O Treino com Jovens N.º 6 Julho 2009 Dossier de Treino Revista Técnica da Federação Portuguesa de Atletismo N.º 6,

Leia mais