Patrocinadores. Instituto Unibanco. Philips do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Patrocinadores. Instituto Unibanco. Philips do Brasil"

Transcrição

1

2 Patrocinadores Instituto Unibanco O Instituto Unibanco acredita que a produção de conhecimento é fundamental para a promoção de uma sociedade justa e sustentável. Com a missão de contribuir para o desenvolvimento humano de jovens em situação de vulnerabilidade, realizamos nosso trabalho por meio da concepção, testagem, validação e disseminação de tecnologias sociais que influenciem as políticas públicas voltadas para a juventude. Foi com a intenção de aprofundar o conhecimento sobre a diversidade nas empresas, mas, principalmente, a respeito da Lei do Aprendiz, que apoiamos essa importante iniciativa do Instituto Ethos. Philips do Brasil A diversidade vem ganhando destaque nas estratégias corporativas de empresas em todo o mundo. Isso acontece porque valorizar essa temática é uma maneira de entender melhor as diferenças, o que terá reflexos, também, no relacionamento com nossos stakeholders. Na Philips, a valorização da diversidade e da inclusão é parte integrante da nossa maneira de fazer negócios e deve ser incorporada em cada aspecto da nossa vida profissional. Ao apoiarmos esta importante pesquisa, reforçamos nosso compromisso em estabelecer relacionamentos corporativos mais diversos e inclusivos.

3 São Paulo, novembro 2010

4 Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas Pesquisa 2010 é uma publicação do Instituto Ethos, distribuída gratuitamente a seus associados. Realização Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Rua Dr. Fernandes Coelho, 85, 10º. andar Pinheiros São Paulo, SP Tel.: (11) Site: Ibope Inteligência Alameda Santos, 2101, 3º. andar Cerqueira César CEP São Paulo, SP Tel.: (11) Site: Parceria Fundação Getulio Vargas (FGV-SP), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem) Patrocínio Instituto Unibanco e Philips do Brasil Apoio Institucional Atletas pela Cidadania e Inter-American Foundation (IAF) Direção Editorial Paulo Itacarambi Coordenação e Edição Benjamin S. Gonçalves Redação Claudio Pucci Colaboradores do Instituto Ethos Débora Cristina Lins, Fernando Moreira Luz e Ivanaíra Oliveira Nascimento (Núcleo de Atendimento); Fernando Dourado e Lídia Rapuano Manduré (captação de patrocínio) Colaboradores do Ibope Inteligência Helio Gastaldi Filho (coordenação da pesquisa), Patrícia Pavanelli, Priscila Ratnieks e Roberta Miranda Colaboradores Convidados Ana Carolina Querino e Júnia Puglia (Unifem); Anna Maria Peliano (Ipea); Camila Iwasaki e Miriam Aguiar (Instituto Unibanco); Daniela Castro, Fabiana Kuriki e Victor Barau (Atletas pela Cidadania); Hélio Santos e Rocío Alonso Lorenzo (Instituto Brasileiro de Diversidade); Marta Gil (Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas); Rachel Moreno (Instituto Opinião); e Reinaldo Bulgarelli (Txai Cidadania e Desenvolvimento Social) Projeto gráfico e edição de arte Waldemar Zaidler (Planeta Terra Design) Tiragem: exemplares São Paulo, novembro de 2010 É permitida a reprodução desta publicação, desde que citada a fonte e com autorização prévia do Instituto Ethos. Esclarecimentos importantes sobre as atividades do Instituto Ethos: 1. O trabalho de orientação às empresas é voluntário, sem nenhuma cobrança ou remuneração. 2. Não fazemos consultoria e não credenciamos nem autorizamos profissionais a oferecer qualquer tipo de serviço em nosso nome. 3. Não somos entidade certificadora de responsabilidade social nem fornecemos selo com essa função. 4. Não permitim os que nenhuma entidade ou empresa (associada ou não) utilize a logomarca do Instituto Ethos sem nosso consentimento prévio e expressa autorização por escrito. Para esclarecer dúvidas ou nos consultar sobre as atividades do Instituto Ethos, contate-nos, por favor, pelo serviço Fale Conosco, do site

5 APRESENTAÇÃO O compromisso social da empresa com seus públicos de interesse é um fator decisivo para a sustentabilidade e o sucesso e de seus negócios, com influência tanto na produtividade quanto na competitividade e, obviamente, no desenvolvimento da sociedade. Um dos itens mais importantes desse compromisso é a promoção da diversidade e da equidade, princípio segundo o qual cada segmento presente na sociedade deve estar proporcionalmente representado nos quadros da empresa, com oportunidades iguais para todos. Buscando fomentar a discussão sobre o tema no meio empresarial e estimular a adoção de ações em favor da inclusão de grupos usualmente discriminados no mercado de trabalho, o Instituto Ethos tem promovido uma série de iniciativas relacionadas ao tema, dentro de um programa desenvolvido com o apoio institucional da Inter-American Foundation (IAF). Um dos frutos desse programa é o Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas Pesquisa 2010, cujos dados trazemos a público neste relatório. Este levantamento, que está em sua quinta edição, é realizado pelo Instituto Ethos e pelo Ibope Inteligência, em parceria com a Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV-SP), o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Esta edição contou com o patrocínio do Instituto Unibanco e da Philips do Brasil e com o apoio institucional da organização Atletas pela Cidadania e da IAF. O grande objetivo deste estudo é estimular cada executivo a observar mais atentamente os possíveis desequilíbrios na composição de seu público interno, em todos os níveis hierárquicos, no que se refere a sexo, cor ou raça, idade, escolaridade, tempo de empresa e a presença de pessoas com deficiência, levando-o a refletir sobre as ações que pode e deve realizar para promover a diversidade e a equidade em seus quadros e a adotar uma atitude proativa no sentido de mudar a realidade percebida. A escolha das 500 maiores empresas do país como alvo desta pesquisa não é casual. Os padrões adotados por elas têm força de indução e certamente servirão como referência para todo o meio empresarial brasileiro e como caminho efetivo para a redução das desigualdades não apenas no mercado de trabalho, mas em toda a sociedade. Os resultados que apresentamos a seguir demonstram que, embora tenha havido alguns avanços em relação aos levantamentos anteriores, permanece nas grandes empresas um alto grau de desigualdade que precisa ser reduzido com urgência. Para isso é necessário o estabelecimento de políticas e ações com metas objetivas e prazo determinado. O Brasil se prepara para tornar-se a quinta maior potência econômica global, mas permanece uma das sociedades mais desiguais do mundo. Devemos, portanto, dedicar todos os esforços para trazer os direitos humanos ao mesmo patamar da economia. A promoção da diversidade e da equidade é um passo decisivo nesse sentido.

6 ÍNDICE Introdução 5 Metodologia 7 Perfil da Amostra 9 Resultados 11 Composição por Sexo 12 Composição por Cor ou Raça 14 Pessoas com Deficiência 16 Faixa Etária 18 Tempo de Empresa 20 Escolaridade 21 Aprendizes 22 Políticas e Ações Afirmativas 26 Incentivo à Participação de Mulheres 26 Incentivo à Participação de Negros 26 Incentivo à Participação de Pessoas com Mais de 45 anos 27 Incentivo à Participação de Pessoas com Deficiência 28 Políticas e Ações para Promoção da Equidade 29 Percepção do Presidente 30 Sobre a Situação das Mulheres na Empresa 30 Sobre a Situação dos Negros na Empresa 31 Sobre a Situação das Pessoas com Mais de 45 anos 31 Sobre a Situação das Pessoas com Deficiência 32 Sobre a Proporção de Aprendizes 32 Questionário 33 Diversidade e Equidade: Ferramenta de Autoavaliação 33 A Necessidade de um Censo Interno 47

7 INTRODUÇÃO Única iniciativa do gênero no Brasil, a pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas busca traçar o perfil dos funcionários e dirigentes das maiores empresas que atuam no país, observando sua representação em todos os níveis hierárquicos, de acordo com o sexo, a cor ou raça, a faixa etária, o tempo de empresa e a escolaridade, bem como a presença de pessoas com deficiência. Este trabalho procura ainda levantar as políticas e ações afirmativas estabelecidas por essas empresas com o objetivo de valorizar a diversidade e a equidade entre seu público interno. Busca também conhecer a percepção do principal gestor de cada organização sobre a situação das mulheres, dos negros, das pessoas com mais de 45 anos e dos jovens aprendizes de seu corpo de funcionários. O primeiro estudo desta série foi realizado em 2001, quando se levantaram apenas os dados relativos ao quadro executivo das 500 maiores corporações do país. A partir de sua segunda edição, em 2003, a pesquisa se expandiu para todos os níveis hierárquicos e passou a registrar as políticas ou ações afirmativas promovidas por esse grupo de empresas. As edições seguintes, em 2005 e em 2007, seguiram o mesmo formato, com importantes alterações que visavam aprimorar os resultados. Na edição deste ano, procuramos aprofundar ainda mais a pesquisa, reformulando o questionário e incluindo perguntas como as que nos permitiram traçar o perfil dos aprendizes. Os dados obtidos por esta série de levantamentos reforçam a idéia de que é necessário promover ações para valorização da diversidade e promoção da equidade no mercado de trabalho. O cenário econômico contemporâneo apresenta fortes demandas não só por produtividade e competitividade, mas também em relação ao caráter ético e legal da atuação das empresas. Diante da tendência de disponibilidade cada vez maior de recursos tecnológicos, a vantagem competitiva de uma empresa será determinada em grande medida pela qualidade da relação que ela mantém com as pessoas, interna e externamente. E essa qualidade está diretamente relacionada ao problema da inclusão ou exclusão de diferentes grupos sociais. A diversidade é associada, mais frequentemente, a gênero e raça. As empresas, no entanto, vêm ampliando o conceito e passando a considerar questões como condição socioeconômica dos empregados, idade, estado civil, nacionalidade, orientação sexual, deficiências, estilo de trabalho e visão de mundo, entre outras diferenças. Apresentamos a seguir um resumo dos principais pontos enfocados pelo manual Como as Empresas Podem (e Devem) Valorizar a Diversidade, publicado pelo Instituto Ethos em setembro de Fator crítico de sucesso Implementar eficazmente estratégias de diversidade da mão de obra pode ser um fator crítico para o sucesso dos negócios. As políticas de diversidade incrementam a competitividade, ao possibilitar que as empresas usufruam de todo o potencial resultante das diferenças positivas entre seus empregados. Também é crescente a tendência de valorização de marcas e bens produzidos por organizações que projetam uma imagem pluralista e de responsabilidade social. 5

8 Adaptação ao perfil dos clientes Para que as empresas permaneçam competitivas na economia globalizada, a composição de sua força de trabalho deve refletir a diversidade e as mudanças na composição dos clientes e dos mercados. As empresas com mão de obra diversificada têm melhores condições de colocar seus produtos e serviços no mercado, atendendo a consumidores cada vez mais diferenciados e exigentes. Desempenho financeiro fortalecido Diversos estudos de âmbito internacional já indicaram que programas de diversidade influem positivamente no bom desempenho financeiro das empresas. Os programas de diversidade também têm sido um fator diferencial para muitas empresas na atração de novos investidores. Rotatividade reduzida A experiência de várias empresas mostra que a atenção à diversidade pode conduzir a uma redução da troca de mão de obra. Produtividade melhorada Um ambiente baseado na diversidade tende a ser mais estimulante e produtivo, favorecendo a elaboração de novos projetos e soluções. A valorização da diversidade contribui para a obtenção de um clima positivo que, pelo combate à intolerância, estimula a cooperação e a sinergia entre os profissionais da organização em torno de seus objetivos comuns. Com isso, cria-se um ambiente que reforça os vínculos dos funcionários com o trabalho e sua identificação com a empresa. Aumento da satisfação no trabalho Ao avaliar o alcance dos programas que incluem oportunidades iguais de desenvolvimento, a não discriminação e o respeito, pode-se concluir que empregados que têm no local de trabalho um ambiente de incentivo mostram-se mais satisfeitos com suas atividades profissionais e são mais leais. Menor vulnerabilidade legal As empresas que estabelecem programas de diversidade e métodos de gestão voltados para detectar e prevenir situações potenciais de discriminação são menos vulneráveis diante das exigências legais. Imagem corporativa valorizada Quando se constata que a valorização da diversidade é uma macrotendência verificável nos mais diferentes países, percebe-se a importância estratégica de praticá-la internamente. O tema tem sido alvo de atenção constante da mídia, especialmente quando empresas dão exemplos de racismo ou discriminação sexual. A publicidade em torno de uma prática discriminatória pode ser bastante negativa para a organização, afetando sua imagem perante os consumidores e a opinião pública. Por outro lado, se a diversidade for um atributo característico das atividades da empresa, tornando-a conhecida como um bom lugar para trabalhar, com um ambiente aberto e inclusivo, isso pode agregar qualidades positivas à imagem da corporação no mercado. Maior flexibilidade Incorporações, fusões e desmembramentos de empresas têm sido cada vez mais comuns. Também é crescente a tendência à terceirização de operações. Uma cultura organizacional pluralista favorece a adaptação a essas mudanças. São processos que muitas vezes impõem a convivência de grupos com diferentes culturas e particularidades. Uma política de promoção da diversidade pode tornar a empresa mais flexível, aumentando sua capacidade para se adaptar a novas situações. Reconhecimento adequado Na medida em que o estímulo à diversidade representa um reforço à expressão dos talentos e potencialidades individuais, ele torna a empresa mais bem capacitada para avaliar e promover seus empregados tendo por base sua efetiva competência. Um ambiente de discriminação pode reprimir talentos e comprometer a capacidade da empresa de reconhecer adequadamente o desempenho de seus funcionários e dirigentes. 6

9 Metodologia Esta é uma pesquisa de caráter quantitativo, com aplicação de questionário para autopreenchimento (reproduzido a partir da pág. 33). Universo Funcionários e dirigentes das 500 maiores empresas do país, por faturamento, de acordo com um ranking baseado no anuário Melhores e Maiores 2009, produzido pela revista Exame, da Editora Abril. Amostra Funcionários e dirigentes de 105 das 109 empresas que devolveram preenchido o questionário completo (ver A Necessidade de um Censo Interno, na pág. 47). Período de campo De 24 de fevereiro a 18 de junho de Coleta de dados O questionário foi enviado às 500 maiores empresas do país por meio de mensagem eletrônica endereçada ao principal gestor e ao responsável pela área de recursos humanos. Os dados das 109 empresas que responderam foram recebidos também por correio eletrônico ou por fax. Acompanhamento e controle de qualidade Uma equipe do Ibope Inteligência e o Núcleo de Atendimento do Instituto Ethos fizeram vários contatos com as empresas a fim de estimular as respostas, acompanhar o preenchimento do questionário, esclarecer dúvidas e identificar os casos em que era necessário o reenvio dos formulários. Após a leitura das respostas obtidas, foram feitas, em muitos casos, solicitações de complementação das informações. Para controlar eventuais erros, houve dupla digitação dos dados. O questionário Nesta edição, o questionário era composto de três partes. A primeira, dirigida ao RH, procurava identificar as políticas e ações afirmativas adotadas pela empresa em favor da diversidade e da equidade entre seus funcionários e dirigentes. Desta vez, foram ampliadas as questões sobre os aprendizes. A segunda parte continha questões que deveriam ser respondidas pessoalmente pelo principal gestor da empresa (o presidente ou um representante). Procurava-se desse modo verificar sua percepção sobre a situação, em sua equipe, de grupos historicamente discriminados no mercado de trabalho, como mulheres, negros, indivíduos com mais de 45 anos de idade e pessoas com deficiência. A terceira parte, de caráter mais objetivo, deveria ser preenchida com informações fornecidas pelo departamento de recursos humanos da organização sobre as características dos funcionários e dirigentes. Foi dividida nos quatro grandes quadros referentes aos níveis hierárquicos considerados neste trabalho desde a edição de 2003 o quadro executivo (presidente, vice-presidentes e diretores), o quadro gerencial, o quadro de supervisão, chefia ou coordenação e o quadro funcional (formado por funcionários sem posto de comando), incluindo-se agora o quadro de aprendizes. 7

10 Para designar as cores, raças ou etnias, usou-se neste estudo a nomenclatura adotada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para cor ou raça: branca, preta, parda, amarela e indígena, considerando-se negra a população formada por pretos e pardos. A amostra de 105 dos 109 questionários preenchidos e devolvidos corresponde a 21% do total enviado, com dados sobre um contingente de pessoas. Total da Amostra Nível Hierárquico Homens Mulheres Total Quadro Executivo Gerência Supervisão, Chefia ou Coordenação Quadro Funcional TOTAL

11 PERFIL DA AMOSTRA Setor de Atividade Indústria 47,6% 56,0% Serviços* 29,0% 26,6% Comércio Alimentos e Produtos Agrícolas 7,5% 7,5% 8,6% 17,2% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% * Inclui empresas da área financeira e da área de saneamento básico e abastecimento de água A maior parcela da amostra é de empresas do setor de indústria, com participação de 47,6%, seguido pelo setor de serviços, com 26,6%, e o de comércio, com 17,2%. Comparando-se o perfil da amostra desta pesquisa com a de 2007, observa-se, apesar da prevalência da indústria, uma queda de 8,4 pontos percentuais no setor. O comércio, que ocupa o terceiro lugar em 2010, apresenta um expressivo aumento de 7,5% para 17,2%. É mais do que o dobro da participação do setor no estudo anterior. Localização da Matriz das Empresas 2,0% 4,0% 2,0% Região Norte 2,9% ,5% 7,0% 6,0% 9,5% Região Nordeste 6,5% 7,0% 7,0% Região Centro-Oeste 4,8% ,0% 61,0% 64,5% Região Sudeste 20,0% 21,0% 20,5% Região Sul 23,8% ,0% 2010 As empresas da amostra se concentram, em sua maior parcela, nas regiões Sudeste e Sul, totalizando uma participação de 82,8%, só 2,2 pontos percentuais inferior à participação de 85% dessa parcela na pesquisa anterior. Registre-se, porém, o decréscimo de 5,5 pontos das empresas localizadas na região Sudeste, que detêm 59% da atual amostra, e o acréscimo de 3,3 pontos das empresas localizadas na região Sul, que atingem 23,8% do total das empresas pesquisadas. Observe-se ainda um acréscimo na proporção de empresas localizadas na região Nordeste, que saltou 9

12 de 6% para 9,5% (58,3% em números relativos), e na região Norte, que teve aumento de 2% para 2,9% do total da amostra (45% em números relativos). Porte por Faturamento Até R$ 500 milhões De mais de R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão De mais de R$ 1 bilhão a R$ 3 bilhões Acima de R$ 3 bilhões ,0% 3,0% 6,0% 16,0% 19,0% 19,0% 17,0% 25,0% 28,0% 29,0% 27,0% 31,0% 35,0% 48,0% 43,0% 47,0% 0% 25% 50% A faixa de mais de R$ 1 bilhão a R$ 3 bilhões concentra a maior proporção de empresas, com 47% do total da amostra. A segunda maior parcela ocupa a faixa acima de R$ 3 bilhões, com porcentagem de 31%. A proporção de empresas com faturamento acima de R$ 1 bilhão é, portanto, de 78%. Comparando-se este resultado com o obtido na pesquisa de 2007, verifica-se um considerável aumento de 10 pontos percentuais nesse grupo. Número de Funcionários Até 300 Funcionários De 301 a Funcionários De a Funcionários De a Funcionários Mais de Funcionários ,5% 8,0% 10,5% 5,0% 16,0% 14,0% 14,0% 14,5% 14,0% 16,0% 20,0% 28,0% 34,0% 32,5% 29,0% 21,0% 27,0% 21,0% 29,0% 36,0% 0% 20% 40% As empresas com mais de funcionários representam 81% da amostra, com um aumento de 5,5 pontos percentuais em relação à amostra de A faixa de mais de funcionários apresenta a maior diferença entre as amostras, com um crescimento de 29% para 36%. 10

13 RESULTADOS Cresce a participação de mulheres e negros nos quadros de funcionários das mais importantes empresas do país. Muito devagar, ainda. Com resultados momentaneamente menos favoráveis, até, e uma inaceitável desigualdade. Mas cresce, seguindo tendência, já considerada estrutural. É o que comprova a série histórica de pesquisas realizadas pelo Instituto Ethos, que chega agora, em 2010, à sua quinta edição. Comparados os dados deste ano com os de 2007, constata-se um decréscimo da presença feminina na base e nos níveis intermediários da escala hierárquica. Mas olhando-se o topo, pode-se saudar um crescimento de 2,2 pontos. As mulheres ocupam agora 13,7% do quadro executivo, um espaço historicamente inexpugnável para elas. Considerada a série histórica, a partir de 2001, são 7,7 pontos de avanço em relação a uma parcela inicial de 6%. Caminha-se. A série histórica mostra também evolução positiva da participação dos negros pretos e pardos, de acordo com nomenclatura do IBGE adotada por este estudo. Certamente muito mais lenta que a evolução feminina, principalmente para um grupo que já representa uma parcela de 51,1% da população brasileira ou, em números absolutos, 98 milhões de indivíduos, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de A disparidade e a sub-representação ainda são imensas. A situação da mulher negra é pior: ela detém uma parcela de 9,3% da base da escala e de 0,5% do topo, o que representa, em números absolutos, seis negras (todas pardas) entre as 119 mulheres ou os diretores, negros e não negros, de ambos os sexos, cuja cor ou raça foi informada pelas empresas que responderam este item da pesquisa. Melhorar essa condição não depende apenas da adoção de políticas públicas eficazes. As empresas têm um papel importante a desempenhar, e já começam a assumi-lo. Timidamente, porém. Uma expressiva maioria não tem medidas para incentivar a participação de mulheres ou de negros em seus quadros. Quando tem, são ações pontuais, e não políticas com metas e ações planejadas. O mesmo acontece em relação às pessoas com deficiência, que, mesmo formando um contingente estimado, pelo Censo de 2000, em 14,5% do total da população, não têm taxa de participação superior a 1,5%, verificada no quadro funcional das empresas da amostra. Também esperam um lugar de mais destaque na agenda das corporações os jovens aprendizes, que procuram mudar sua realidade, apoiados por uma lei que 70% das empresas da amostra dizem ter dificuldade de cumprir. A pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas pretende retratar a realidade desses grupos, usualmente discriminados no mercado de trabalho. Está, desta vez, enriquecida pela ampliação de seu alcance e por um maior envolvimento das empresas. Um grupo delas participou de consulta complementar de caráter qualitativo, ajudando a interpretar os dados e sugerindo aperfeiçoamentos na ação que o Instituto Ethos e parceiros procuram empreender. Confira nas páginas seguintes os resultados obtidos por este levantamento. 11

14 Composição por Sexo PESQUISA 2010 COMPARAÇÃO 2001/2003/2005/2007/2010 Executivo 13,7% Mulheres 86,3% Homens ,0% 91,0% 89,4% 88,5% 86,3% 6,0% 9,0% 10,6% 11,5% 13,7% Homens Mulheres Gerência 22,1% Mulheres 77,9% Homens ,0% 18,0% 69,0% 31,0% 75,4% 24,6% 77,9% 22,1% Homens Mulheres Quadro Funcional Supervisão 26,8% Mulheres 33,1% Mulheres 73,2% Homens 66,9% Homens ,0% 73,0% 73,2% 63,0% 37,0% 28,0% 27,0% 26,8% ,0% 67,4% 65,0% 66,9% 35,0% 32,6% 35,0% 33,1% Homens Mulheres Homens Mulheres É grande a desigualdade entre homens e mulheres nas maiores empresas do país. A diferença é menor no quadro funcional, em que a presença feminina representa uma parcela de 33,1% dos postos de trabalho. Mas cresce progressivamente, com o declínio da participação das mulheres nos níveis hierárquicos mais elevados: 26,8% na supervisão, 22,1% na gerência e 13,7% no executivo. Mantém-se, portanto, o afunilamento hierárquico, já constatado nos levantamentos anteriores, que exclui as mulheres na medida em que aumentam as atribuições de comando. Considere-se a respeito a presença feminina na sociedade brasileira: 51,3% do total da população, 43,9% da população economicamente ativa (PEA) e 42,6% da ocupada 1. Ou seja: além da desigualdade, há uma sub-representação das mulheres nas empresas da amostra. A constatação ganha maior importância quando se leva em conta o nível de instrução dos dois sexos 2. As mulheres têm um número médio de anos de estudo (7,4) superior ao dos homens (7) e são maioria (54,8%) entre os brasileiros que atingiram pelo menos 11 anos de estudo. Elas detiveram, em 2007, a maior proporção de matrículas (54,9%) e a maior parcela (59,8%) de concluintes do ensino superior 3. Alcançaram ainda, em três anos seguidos, desempenho equivalente ao dos homens no Exame Nacional de Desempenho de Estu- 1 Os dados sobre a população brasileira usados neste relatório foram extraídos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2009, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As exceções estão indicadas. 2 Ver, a esse respeito, Mulheres brasileiras, educação e trabalho, do site da Fundação Carlos Chagas, em 3 Estes e os dados sobre o Enade são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), do Ministério da Educação. 12

15 dantes (Enade), com as notas médias: 38,63 em 2005 (eles, 38,11), 39,61 em 2006 (eles, 39,25) e 40,94 em 2007 (eles, 42,57). A prevalência no nível de instrução é confirmada pela distribuição da PEA por escolaridade: tinham, em 2008, ensino médio completo 29,3% das mulheres e 24,4% dos homens. Era maior também, nessa população, a proporção de mulheres com superior completo: 12,7% do contingente feminino e 7,8% do masculino 4. Comparação Comparando-se os resultados de 2010 aos de 2007, constata-se uma evolução positiva na participação de mulheres no nível executivo, de 11,5% para 13,7%, com aumento de 2,2 pontos percentuais, e uma evolução negativa nos outros três níveis hierárquicos observados pela pesquisa: funcional, supervisão e gerência. Os resultados confirmam, primeiro, a tendência de contínua expansão da presença feminina no topo da escala hierárquica das empresas 5. A série histórica, iniciada em 2001 com porcentagem de 6%, mostra em 2010 uma evolução de 7,7 pontos percentuais no executivo, que representa, em números relativos, um crescimento de 128%. Quanto ao decréscimo nos outros três níveis, convém observar também a série histórica, excetuando-se 2001, quando a pesquisa só observou o executivo. Há, a partir de 2003, uma oscilação que sugere a princípio uma preocupante tendência à estabilização, com picos, para mais ou para menos, causados provavelmente por fatores conjunturais. A hipótese deve ser relativizada face à progressiva expansão verificada no executivo, mesmo que a proporção atingida de 13,7% esteja, afinal, bem longe do desejável para uma situação de real equidade entre os sexos. Leve-se em conta também a variação de perfil das amostras pesquisadas desde 2001, que pode afetar a consistência de algumas conclusões. Mas é importante registrar que o contínuo aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho, já captado por este e outros estudos, é uma tendência estrutural 6, e que há dois fatores diretamente relacionados que poderiam levar a uma refreada desse processo: a alta porcentagem de empresas que dizem não ter medidas para incentivar a inclusão de mulheres (ver pág. 26) e a grande parcela de gestores cuja percepção indica ser adequada a presença feminina em cada nível hierárquico (ver pág. 30). 4 Anuário dos Trabalhadores 2009, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em 5 Ver, a propósito, o item As proporções de mulheres e de homens dirigentes estão menos distantes no Norte e Nordeste, no texto Educação melhora, mas ainda apresenta desafios, da Síntese de Indicadores Sociais 2008, do IBGE, em noticia=1233&. 6 Ver Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?, de Natália de Oliveira Fontoura e Roberto Gonzalez, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 13

16 Composição por Cor ou Raça PESQUISA 2010 COMPARAÇÃO 2001/2003/2005/2007/2010 Executivo 5,3% Negros 0,2% Pretos 5,1% Pardos 1,4% Amarelos 93,3% Brancos Brancos 95,2% 96,5% 94,4% 94,0% 93,3% Negros* 2,6% 1,8% 3,4% 3,5% 5,3% Amarelos 2,0% 1,7% 2,2% 2,1% 1,4% Indígenas 0,2% 0,0% 0,0% 0,4% 0,0% * A classificação negros reúne pretos e pardos Gerência 13,2% Negros 1,6% Pretos 11,6% Pardos 1,9% Amarelos 0,2% Indígenas 84,7% Brancos Brancos 89,0% 89,0% 81,0% 84,7% Negros 8,8% 9,0% 17,0% 13,2% Amarelos 2,1% 1,9% 1,8% 1,9% Indígenas 0,1% 0,1% 0,2% 0,2% Quadro Funcional Supervisão 25,6% Negros 3,1% Pretos 22,5% Pardos 31,1% Negros 7,1% Pretos 24,0% Pardos 1,3% Amarelos 1,3% Amarelos 0,1% Indígenas 0,3% Indígenas 73,0% Brancos 67,3% Brancos Brancos 84,2% 84,1% 80,1% 73,0% Negros 13,5% 13,5% 17,4% 25,6% Amarelos 2,2% 2,3% 2,3% 1,3% Indígenas 0,1% 0,1% 0,2% 0,1% Brancos 74,6% 68,7% 73,0% 67,3% Negros 23,4% 26,4% 25,1% 31,1% Amarelos 1,8% 4,2% 1,4% 1,3% Indígenas 0,2% 0,7% 0,5% 0,3% O contingente de negros na população brasileira tem crescido continuamente. Entre 2004 e 2009, houve um aumento de 3,1 pontos percentuais na população negra, formada por pretos e pardos, de acordo com nomenclatura do IBGE adotada por este estudo. Em 2004, a proporção de pretos era de 5,9%; em 2009, passou a 6,9%, com aumento de 1 ponto percentual. A proporção de pardos era de 42,1%; passou a 44,2%, com aumento de 2,1 ponto percentual. Somados, pretos e pardos já são maioria no país: saltaram de 48% para 51,1%, o que representa, em números absolutos, 98 milhões de indivíduos. A população branca decresceu simultaneamente, no período de 2004 a 2009, de 51,4% para 48,2%, o que representa, em números absolutos, 92,5 milhões de indivíduos. Cor ou Raça na População Brasileira ANO (em pontos percentuais) Negros 48,0% 49,4% 49,5% 49,7% 50,6% 51,1% + 3,1 Pretos 5,9% 6,3% 6,9% 7,4% 6,8% 6,9% +1,0 Pardos 42,1% 43,1% 42,6% 42,3% 43,8% 44,2% +2,1 Brancos 51,4% 49,9% 49,7% 49,4% 48,4% 48,2% - 3,2 Outros* 0,6% 0,7% 0,8% 0,8% 1,0% 0,7% + 0,1 *Indígenas e amarelos Fonte: IBGE/Pnad Considere-se ainda que os negros formam 46,5% da população economicamente ativa (PEA) e 45% da população ocupada 7. 7 Anuário dos Trabalhadores 2009, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), e boletins regionais do Sistema PED (Pesquisa e Emprego e Desemprego). Os dados se referem a 2008, colhidos em cinco regiões metropolitanas (Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo) e no Distrito Federal. Ver também Desigualdade entre negros e não-negros no mercado de trabalho, no período , em ped/sp/negrormsp2009.pdf. 14

17 Ocupam, apesar dessas porcentagens, parcelas muito desiguais em relação aos não negros nos quadros de funcionários das empresas da amostra. Estão sub-representados. A disparidade é menor no quadro funcional, com 31,1% dos postos de trabalho ocupados por negros, e aumenta nos quadros seguintes, configurando um afunilamento. Ou seja: a proporção de negros é progressivamente menor nos níveis hierárquicos mais elevados: 25,6% na supervisão, 13,2% na gerência e 5,3% no executivo, referindo-se esta última parcela, em números absolutos, a 62 negros num grupo de diretores. A situação da mulher negra é ainda pior: 9,3% no quadro funcional, 5,6% na supervisão, 2,1% na gerência e 0,5% no quadro executivo, representando esta última porcentagem, em números absolutos, 6 negras (todas pardas) entre as 119 mulheres ou os diretores, negros e não negros, de ambos os sexos, cuja cor ou raça foi informada pelas empresas respondentes. É importante salientar que as mulheres negras representam uma parcela de 50,1% do total de mulheres presentes na população brasileira. Formam, além disso, um contingente de 25,6% de toda a população. Comparação O primeiro aspecto que chama a atenção, na comparação dos resultados dos estudos de 2010 e 2007, é o crescimento da parcela de funcionários da raça negra em três dos quatro níveis hierárquicos pesquisados: funcional, supervisão e executivo. O primeiro apresenta evolução de 25,1% para 31,1%; o segundo, de 17,4% para 25,6%; e o terceiro, de 3,5% para 5,3%. É só na gerência que se constata uma queda, de 17% para 13,2%. Os resultados de 2010 confirmam tendência de aumento progressivo da participação dos negros, constatada pela observação da série histórica, iniciada em 2001 só para o executivo e em 2003 também para os demais níveis. A expansão é de 7,7 pontos percentuais no quadro funcional, 12,1 pontos na supervisão e 2,7 pontos no executivo. Até na gerência, em que há uma retração de 3,8 pontos percentuais no período , vê-se um acréscimo, na série histórica, de 4,4 pontos percentuais. A destacar, o aumento da presença de negros em níveis de comando mesmo quando mais discreto e distante do esperado. Convém assinalar que é alta a taxa de não respostas para a composição por raça: 22,8% no nível executivo e 18% no de gerência, caindo, respectivamente, para 8,8% e 8% na supervisão e no quadro funcional. Em 2005, eram estes dois últimos que tinham as taxas mais altas, superiores a 20%, e, em 2007, as não respostas não ultrapassavam 8,1% no executivo. Isso sugere algum descontrole de muitas das empresas que responderam esta pesquisa em relação à característica de cor ou raça de seus funcionários, como confirmam, aliás, representantes de um grupo delas ouvidos em consulta complementar de caráter qualitativo. Na mesma consulta (ver pág. 47), discutiu-se a necessidade de cada empresa realizar o seu censo para saber com mais exatidão as características dos funcionários, entre as quais a cor ou raça. Em grande parte das corporações isso só é informado na ficha de admissão, por autodeclaração, como é correto. O censo interno permite que essa informação seja atualizada, resultando num retrato mais fiel do grau de diversidade do público interno 8. Registre-se ainda a coleta, pela pesquisa, de dois fatores com poder de interferir na composição por cor ou raça. O primeiro é a grande proporção de empresas que dizem não ter medidas para incentivar a participação de negros em cada nível nem políticas com metas e ações planejadas, nem ações pontuais ou específicas (ver pág. 26). O segundo fator, relacionado ao primeiro, é a percepção dos gestores que, também em grande parcela, consideram adequada a proporção de negros em cada nível (ver pág. 31). 8 A propósito deste assunto, ver o manual do Instituto Ethos Diversidade e Equidade: Metodologia para Censo nas Empresas, disponível em br/_uniethos/documents/divers_equidade_web.pdf. 15

18 Pessoas com Deficiência PESQUISA 2010 COMPARAÇÃO 2001/2003/2005/2007/2010 Executivo 1,3% Pessoas com deficiência 98,7% 1,0% Física Outros 0,0% Visual 0,3% Auditiva 0,0% Múltiplas Pessoas com Deficiência 1,0% 1,0% 0,4% 1,3% Deficiência física 0,3% 0,4% 0,3% 1,0% Deficiência visual 0,5% 0,3% 0,0% 0,0% Deficiência auditiva 0,1% 0,2% 0,1% 0,3% Deficiências múltiplas 0,1% 0,1% 0,0% 0,0% Outros 99,0% 99,0% 99,6% 98,7% Não respostas 29,0% 24,0% 9,3% 0,0% Gerência 0,4% Pessoas com deficiência 0,16% Física 0,01% Visual 0,23% Auditiva 0,00% Múltiplas 99,6% Outros Pessoas com Deficiência 3,7% 0,4% 0,4% 0,4% Deficiência física 0,3% 0,2% 0,3% 0,16% Deficiência visual 0,9% 0,1% 0,0% 0,01% Deficiência auditiva 1,5% 0,1% 0,1% 0,23% Deficiências múltiplas 1,0% 0,0% 0,0% 0,00% Outros 96,3% 99,6% 99,6% 99,6% Não respostas 44,0 12,3 1,1 1,9 Quadro Funcional Supervisão 0,6% Pessoas com deficiência 0,20% Física 0,09% Visual 0,30% Auditiva 0,01% Múltiplas 1,5% Pessoas com deficiência 0,8% Física 0,1% Visual 0,5% Auditiva 0,1% Múltiplas 99,4% Outros 98,5% Outros Pessoas com Deficiência 1,6% 4,7% 0,4% 0,6% Deficiência física 0,2% 0,3% 0,2% 0,20% Deficiência visual 0,1% 0,1% 0,0% 0,09% Deficiência auditiva 0,7% 0,3% 0,2% 0,30% Deficiências múltiplas 0,6% 4,0% 0,0% 0,01% Outros 98,4% 95,3% 99,6% 99,4% Não respostas 45,0% 28,6% 0,5% 1,7% * Pessoas com Deficiência 3,5% 2,0% 1,9% 1,5% Deficiência física 0,8% 1,0% 1,2% 0,8% Deficiência visual 0,5% 0,2% 0,1% 0,1% Deficiência auditiva 1,0% 0,7% 0,5% 0,5% Deficiências múltiplas 1,2% 0,1% 0,1% 0,1% Outros 96,5% 98,0% 98,1% 98,5% Não respostas 45,0 34,2 1,1 1,5 * Os dados de 2005 sobre pessoas com deficiência no quadro funcional correspondem aos que constam da errata divulgada em julho de 2007, disponível em É de 14,5% a porcentagem de pessoas com deficiência na população brasileira 9. É muito nítida, apesar disso, a sub-representação desses indivíduos em todos os níveis hierárquicos das empresas da amostra: 1,5% no quadro funcional, 0,6% na supervisão, 0,4% na gerência e 1,3% no executivo. Ou, em números absolutos, pessoas entre as do quadro funcional, 146 entre os supervisores, 54 entre os gerentes e 20 entre os executivos. Levando-se em conta os funcionários representados pelo conjunto de empresas que responderam este item da pesquisa (ver Comparação, neste capítulo), constata-se a presença de pessoas com deficiência, ou 1,5% do total. Considere-se, a propósito, o contraste entre a realidade mostrada pelo estudo e o que prevêem os textos legais. A Constituição Federal, por exemplo, proíbe qualquer discriminação para admissão e remuneração em razão de deficiência e garante a reserva de vagas na administração direta e indireta às pessoas com deficiência. O artigo 93 da Lei 8.213, de 1991, conhecida como Lei de Cotas, obriga a empresa com 100 ou mais empregados a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas, na seguinte proporção: até 200 empregados, 2%; de 201 a 500, 3%; de 501 a 1.000, 4%; e acima de 1.000, 5% Censo de 2000, do IBGE, que apresenta muitos dados sobre a situação das pessoas com deficiência no Brasil, em noticias/ censo.shtm. 10 A Constituição Federal está em A Lei 8.213, em L8213cons.htm. 16

19 A parcela majoritariamente expressiva de 81% das empresas da amostra pertence a essa última faixa (ver pág. 10), estando, portanto, em grande desalinho com a lei. Observe-se ainda ser considerável a parcela de corporações que dizem não ter medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência. Na lista de ações afirmativas desenvolvidas pelas empresas, no entanto, a manutenção de programa especial para contratação dessas pessoas está em primeiro lugar, com 81% de menções (ver pág. 29). Relatos colhidos na consulta complementar de caráter qualitativo indicam ser importante um esforço coletivo de toda a empresa, e não apenas do RH, geralmente encarregado de tratar da questão 11. Comparação É encorajadora, na observação da série histórica iniciada em 2003, a evolução positiva da adoção de programa especial para contratação de pessoas com deficiência. Essa prática foi mencionada, no primeiro ano, por uma parcela de 32% das empresas, saltando para 41% em 2005, depois para 67% em 2007 e, finalmente, neste ano, para 81%. Vê-se, apesar disso, ainda observando a série histórica, um contínuo decréscimo da presença desses indivíduos no nível funcional, para o qual é mais fácil contratar, por ser exigida, de modo geral, menor qualificação: de 3,5%, em 2003, para 2% em 2005, 1,9% em 2007 e 1,5% em Convém lembrar que os gestores que consideram baixa a participação das pessoas com deficiência apontam, em grande proporção, a falta de qualificação como principal causa de taxas tão exíguas (ver pág. 32). A ressaltar também o decréscimo da taxa de não respostas a partir de 2005, mesmo que tenha se elevado um pouco, de 2007 para 2010, em três dos quatro níveis pesquisados. No executivo, caiu de 9,3% para zero. A acentuada diminuição no período estaria indicando maior preocupação das corporações com a questão, mesmo que só para cumprir a lei o que não estão conseguindo. 11 Para mais informações, acesse a cartilha A Inclusão de Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho, do Ministério do Trabalho e Emprego, em www. acessibilidade.org.br/cartilha_trabalho.pdf, e o estudo Retratos da Deficiência no Brasil, feito pela Fundação Getúlio Vargas com a Fundação Banco do Brasil, em 17

20 Faixa Etária PESQUISA 2010 COMPARAÇÃO 2001/2003/2005/2007/2010 Executivo 0,3% 16 a 24 anos 18,0% 56 anos ou mais 39,8% 46 a 55 anos 6,4% 25 a 35 anos 35,5% 36 a 45 anos a 24 anos 0,0% 0,02% 0,0% 0,1% 0,3% 25 a 35 anos 6,0% 7,0% 11,5% 6,6% 6,4% 36 a 45 anos 33,0% 38,5% 39,6% 37,5% 35,5% 46 a 55 anos 43,0% 41,0% 37,0% 39,6% 39,8% 56 anos ou mais 18,0% 13,5% 11,9% 16,2% 18,0% Gerência 26,4% 46 a 55 anos 6,7% 56 anos ou mais 0,5% 16 a 24 anos 26,9% 25 a 35 anos 39,5% 36 a 45 anos a 24 anos _ 0,2% 1,0% 1,5% 0,5% 25 a 35 anos _ 19,0% 23,5% 23,2% 26,9% 36 a 45 anos _ 44,3% 50,5% 38,3% 39,5% 46 a 55 anos _ 33,8% 22,8% 31,4% 26,4% 56 anos ou mais _ 2,7% 2,2% 5,6% 6,7% Quadro Funcional Supervisão 3,0% 56 anos ou mais 15,6% 46 a 55 anos 32,1% 36 a 45 anos 12,3% 46 a 55 anos 19,3% 16 a 24 anos 2,4% 16 a 24 anos 46,9% 25 a 35 anos 2,4% 56 anos ou mais 22,8% 36 a 45 anos 43,2% 25 a 35 anos a 24 anos _ 3,0% 1,9% 2,3% 2,4% 25 a 35 anos _ 27,0% 30,2% 28,9% 46,9% 36 a 45 anos _ 46,0% 42,9% 40,8% 32,1% 46 a 55 anos _ 22,5% 22,6% 25,8% 15,6% 56 anos ou mais _ 1,5% 2,4% 2,2% 3,0% a 24 anos _ 19,7% 20,9% 17,6% 19,3% 25 a 35 anos _ 35,5% 37,5% 37,7% 43,2% 36 a 45 anos _ 29,2% 25,8% 25,7% 22,8% 46 a 55 anos _ 14,0% 14,0% 16,5% 12,3% 56 anos ou mais _ 1,6% 1,8% 2,5% 2,4% O total de funcionários das empresas que responderam este item é de , assim divididos por faixa etária: , de 16 a 24 anos; , de 25 a 35 anos; , de 36 a 45 anos; , de 46 a 55 anos; e , de 56 ou mais. As pessoas de até 45 anos formam uma parcela de 84,7% do total de funcionários e são maioria em três níveis hierárquicos: funcional (85,3%), supervisão (81,4%) e gerência (66,9%). Só no executivo são superadas pelas que têm mais de 45 anos. Estas ocupam 57,8% desse nível. O contingente de jovens, de 16 a 24 anos, está bem representado no quadro funcional, considerandose sua participação na população brasileira 12. Eles formam uma parcela de 19,3% desse nível, por onde entra, geralmente, a maioria dos jovens. Mas ocupam apenas 2,4% da supervisão, que é o primeiro nível de comando logo acima do funcional. O desnível, tão acentuado, sugere haver grande rotatividade, com poucas chances de ascensão e limitada confiança na possibilidade de jovens poderem ocupar cargos de maior responsabilidade 13. Chama a atenção ainda a pequena participação, de 2,5%, das pessoas da faixa etária de 56 anos ou mais no conjunto de funcionários das empresas que responderam este item do questionário 14. Observe-se 12 O dado mais aproximado para comparação é da Pnad 2009, que estima a presença de 17,4% de jovens na faixa de 15 a 24 anos. 13 Ver a propósito o estudo Juventude: Diversidades e Desafios no Mercado de Trabalho Metropolitano, do Dieese, em arquivos/estpesq11jovens.pdf. 14 Considere-se, quanto ao aspecto da representação, que apenas a faixa etária de 60 anos ou mais forma uma parcela de 11,3% da população brasileira, de acordo com estimativa da Pnad

21 também o desnível entre a faixa etária de 46 a 55 anos e a de 56 anos ou mais, em toda a escala hierárquica: de 12,3% para 2,4% no quadro funcional a 39,8% para 18% no executivo. Os dados demonstram haver poucas oportunidades de trabalho para essas pessoas nas maiores empresas do país. E mais: que a questão do rápido envelhecimento da população brasileira e do que fazer em resposta a esse fato ainda não teria entrado para valer na agenda das empresas 15. Comparação Confirma-se neste estudo a aparente reversão da tendência de rejuvenescimento do nível executivo. Após aumentar nas pesquisas de 2001, 2003 e 2005, respectivamente, de 39% para 45,5% e 51,1%, a parcela de funcionários na faixa de 25 a 45 anos diminuiu, em 2007, para 44,1% e, em 2010, para 41,9%. Voltou a crescer, ao mesmo tempo, nas duas mais recentes pesquisas, a proporção de funcionários com mais de 45 anos. Após diminuição em 2001, 2003 e 2005, respectivamente, de 61% para 54,5% e 48,9%, cresceu, em 2007, para 55,8% e, agora, para 57,8%. As empresas parecem não ter influência direta sobre essas alterações. É alta a proporção das corporações que dizem não ter medidas de incentivo à presença de pessoas com mais de 45 anos em seus quadros. Quando há, são ações pontuais e, em porcentagem bem menor, políticas com metas e ações planejadas (ver pág. 27). É surpreendente, ao mesmo tempo, a parcela de gestores que percebem como adequada a participação do grupo mais maduro (ver pág. 31). As empresas não teriam também influência direta sobre a curva apresentada pela série histórica referente à gerência, iniciada só em Depois de crescer de 63,3% para 74%, em 2005, a faixa etária dos funcionários de 25 a 45 anos caiu em 2007 para 61,5% e voltou a crescer, em 2010, para 66,4%, mostrando uma oscilação sem explicação aparente. Oscilou também a parcela de funcionários com mais de 45 anos: de 36,5% em 2003, para 25% em 2005, 37% em 2007 e 33,1% em Esses resultados seriam consequência de fatores conjunturais não captados pela pesquisa. Lembre-se ainda que estes, como outros dados, devem ser relativizados, por se trabalhar em cada estudo com amostras de perfil diferente. Quanto aos jovens, a pesquisa constatou um aumento da faixa etária de 16 a 24 no quadro funcional. Convém, porém, examinar a série histórica, que indica não ser possível falar-se ainda em uma tendência de crescimento. Há uma oscilação na curva de 2003 a 2010, chegando-se neste ano a uma proporção praticamente igual à de sete anos atrás. 15 Ver a propósito o texto Envelhecimento da População Brasileira: uma Contribuição Demográfica, de Ana Amélia Camarano, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 19

22 Tempo de Empresa PESQUISA 2010 COMPARAÇÃO 2001/2003/2005/2007/2010 Executivo 8,0% 15,4% Menos de 1 ano 3 a 5 anos 27,3% 14,2% 16 anos ou mais 1 a 2 anos 13,0% 22,1% 11 a 15 anos 6 a 10 anos ,0% 43% 45,0% 39,0% 40,3% 34,0% 31,0% 36,5% 37,5% 27,0% 24,0% 24,5% 23,0% 22,2% 24,0% Mais de 10 anos De 3 a 10 anos Até 2 anos Gerência 5,9% 12,2% Menos de 1 ano 1 a 2 anos 24,8% 17,9% 6 a 10 anos 3 a 5 anos 14,9% 24,3% 11 a 15 anos 16 anos ou mais ,0% 66,0% 55,0% 42,7% 32,4% 26,6% 21,5% 39,2% 12,6% 7,4% 10,5% 18,1% De 3 a 10 anos Mais de 10 anos Até 2 anos Quadro Funcional Supervisão 6,1% 12,6% Menos de 1 ano 1 a 2 anos 18,2% 21,4% 16 anos ou mais 3 a 5 anos 14,4% 11 a 15 anos 27,3% 6 a 10 anos 7,3% 9,8% 11 a 15 anos 16 anos ou mais 14,8% 21,8% 6 a 10 anos Menos de 1 ano 25,5% 20,8% 1 a 2 anos 3 a 5 anos ,0% 48,7% 32,6% 30,9% 18,7% 12,1% ,3% 36,0% 32,5% 35,6% 31,5% 17,1% De 3 a 10 anos Mais de 10 anos Até 2 anos Até 2 anos De 3 a 10 anos Mais de 10 anos Os funcionários com mais de dez anos de empresa são minoria nos três níveis hierárquicos de comando das organizações que compõem a amostra da pesquisa deste ano: 32,6% na supervisão, 39,2% na gerência e 40,3% no executivo. A progressão contínua do nível menos elevado ao mais elevado parece sugerir, no entanto, que o grupo de empregados com mais tempo de casa não necessariamente os mais maduros tem oportunidades de ascensão. Observe-se ainda que é grande a parcela de funcionários com até dois anos de casa na gerência (18,1%) e no executivo (22,2%), vindos, supostamente, de fora. Comparação Comparando-se a situação dos funcionários mais antigos em 2007 e 2010, é possível supor que está se revertendo a tendência de limitação das oportunidades de ascensão desse grupo. Era maior a parcela de supervisores do que a de gerentes com mais de dez anos de casa, e maior a de gerentes do que a de diretores nessa condição. Neste ano, é exatamente o contrário, sendo menor a parcela de supervisores do que a de gerentes, e menor a de gerentes do que a de diretores. Note-se, no entanto, ter caído a participação do contingente dos mais antigos em toda a escala hierárquica: de 31,5% para 17,1% no nível funcional, de 57% para 32,6% na supervisão, de 55% para 39,2% na gerência e de 43% para 40,3% no executivo. O que sugere ser a melhoria nas perspectivas de ascensão uma oportunidade para poucos. A destacar ainda o crescimento de 36% para 47,3% da participação de empregados com até dois anos de empresa no quadro funcional. Isso parece indicar maior oferta de novos empregos no período

23 Escolaridade PESQUISA 2010 COMPARAÇÃO 2001/2003/2005/2007/2010 Executivo 0,1% Até a 4ª. Série 2,2% Doutorado/Pós 36,5% Pós/Mestrado 0,2% Da 5ª. à 8ª. Série 2,8% Ensino Médio 58,2% Ensino Superior Até Ensino Médio 4,0% 2,8% 11,4% 2,3% 3,1% Ensino Superior 51,0% 65,0% 61,6% 56,6% 58,2% Pós/Mestrado 40,0% 31,0% 26,0% 38,6% 36,5% Doutorado/Pós 5,0% 1,2% 1,0% 2,5% 2,2% Gerência 0,2% Até a 4ª. Série 24,3% Pós/Mestrado 0,7% Doutorado/Pós 0,7% Da 5ª. à 8ª. Série 11,2% Ensino Médio 62,9% Ensino Superior Até Ensino Médio _ 18,5% 20,6% 28,7% 12,1% Ensino Superior _ 60,0% 58,0% 49,6% 62,9% Pós/Mestrado _ 21,0% 21,2% 21,0% 24,3% Doutorado/Pós _ 0,5% 0,2% 0,7% 0,7% Quadro Funcional Supervisão 0,1% Doutorado/Pós 10,3% Pós/Mestrado 52,1% Ensino Superior 2,9% Pós/Mestrado 16,0% Ensino Superior 58,2% Ensino Médio 0,8% Até a 4ª. Série 2,9% Da 5ª. à 8ª. Série 33,8% Ensino Médio 0,1% Doutorado/Pós 5,4% Até a 4ª. Série 17,4% Da 5ª. à 8ª. Série Até Ensino Médio _ 42,0% 30,5% 29,4% 37,5% Ensino Superior _ 48,0% 54,0% 60,5% 52,1% Pós/Mestrado _ 9,5% 14,5% 9,8% 10,3% Doutorado/Pós _ 0,5% 1,0% 0,3% 0,1% Até Ensino Médio _ 74,1% 71,5% 68% 81% Ensino Superior _ 22,0% 22,9% 29,2% 16,0% Pós/Mestrado _ 3,6% 3,2% 2,7% 2,9% Doutorado/Pós _ 0,3% 2,4% 0,1% 0,1% Os dados mostram que praticamente todos os integrantes do nível executivo das empresas da amostra têm formação superior. Eles compõem um contingente de 96,9%, que diminui progressivamente nos quadros de comando menos elevados. Considerando-se o grau de instrução de homens e mulheres nesse nível, constata-se que uma parcela de 96,7% dos homens possui formação superior porcentagem quase igual à de todos os diretores na mesma condição, por causa da grande diferença entre os grupos masculino e feminino. Elas, com uma exígua participação de 13,7% no topo da escala hierárquica, superam os homens em 2,3 pontos percentuais, exibindo a eloquente proporção de 99% do grupo com formação superior. Em números absolutos: são 182 mulheres entre diretores, e só duas não têm ainda educação superior, apenas o ensino médio. Nos níveis de comando menos elevados, o contingente feminino mantém sua superioridade, com proporções sempre acima de 90%. Na gerência, em que 87,1% dos homens têm formação superior, as mulheres atingem a marca de 91,2%. Na supervisão, em que eles não passam de 60,8%, elas chegam a 94,5%. Até no quadro funcional eles ficam atrás, com discretos 17%. São 6,2 pontos percentuais a menos que o grupo feminino, que possui uma parcela de 23,2% com formação superior. Nesse quadro, predominam os funcionários que têm até o ensino médio, e a proporção de homens nessa condição é de 83%. Elas estão 6,2 pontos percentuais abaixo, com uma proporção de 76,8%. A maior presença de mulheres com formação superior seria, simplesmente, uma confirmação do fato de elas possuírem maior grau de instrução no Brasil. Mas parece mostrar mais: a dificuldade que têm para ascender, apesar de uma melhor formação. 21

24 Comparação A parcela de diretores com formação superior permanece estável. Comparando-se os resultados de 2010 com os de 2007, há uma queda de apenas oito décimos, de 97,7% para 96,9%. Observando-se a série histórica, constata-se uma volta ao patamar de 2001, quando foi registrada presença de 96% de diretores com esse grau de escolaridade. A oscilação negativa na curva para 88,6% em 2005 não parece ter explicação, devendo-se provavelmente à variação de perfil da amostra. Também em relação à parcela de gerentes com formação superior, convém examinar a série histórica, que mostra uma curva descendente a partir de 2003, quando esse nível hierárquico começou a ser pesquisado: de 81,5% para 79,4% em 2005, 71,3% em 2007 e, agora, um salto para 87,9%. Os resultados dos três primeiros levantamentos configurariam uma tendência de queda que, por alguma causa não detectada por este estudo, estaria se revertendo. Considere-se a possibilidade de parte das empresas terem perdido o controle da real condição de seus funcionários quanto à escolaridade. Essa hipótese foi confirmada em encontro com representantes de corporações participantes da pesquisa para conhecimento e discussão de seus resultados antes da elaboração deste relatório (ver pág. 47). Isso talvez explicasse melhor alguns aspectos do que foi coletado em campo. Aprendizes PESQUISA 2010 Sua empresa contrata trabalhadores jovens na condição de aprendizes? Qual é o percentual de aprendizes em relação ao total de trabalhadores cujas funções demandam formação profissional específica? ,0% 93,0% 60 53,0% 54,0% ,0% 43,0% Menos de 5% ,0% 7,0% Sim Não ,0% ,0% De 5% a 15% Mais de 15% Sua empresa tem dificuldade para cumprir a Lei do Aprendiz? Entre os aprendizes mantidos por sua empresa há pessoas com deficiência? Sua empresa mantém uma política de efetivação dos aprendizes que concluem o contrato de aprendizagem? 30,0% 70,0% Sim Não 22,0% 78,0% Sim Não 44,0% Não 56,0% Sim 22

25 É bem expressiva a parcela de empresas que dizem contratar jovens aprendizes em seus quadros. São 93% da amostra do atual estudo. Mas é grande ainda a proporção das que não cumprem o mínimo exigido pela Lei do Aprendiz 16. Ela prevê a contratação, pelas grandes e médias empresas, de um número de aprendizes equivalente a 5%, no mínimo, e 15%, no máximo, dos trabalhadores existentes em cada estabelecimento cujas funções demandem formação profissional específica. O texto legal visa facilitar o ingresso do jovem no mundo do trabalho, como meio de transformar sua realidade pessoal e social 17. Não se trata apenas de gerar empregos, mas de permitir a formação profissional do jovem, sem comprometer seus estudos, e a geração de renda, sem comprometer a empregabilidade e os ganhos futuros. Há, no entanto, na amostra de 2010, 43% de empresas abaixo do mínimo. A parcela majoritária, de 54%, está na faixa exigida pela lei, sendo que a grande maioria, de 83% das empresas dessa faixa, não excede o mínimo de 5%. Cerca de um terço das corporações da amostra diz ter dificuldade para cumprir a lei, apontando, como principais empecilhos a falta de qualificação dos aprendizes ou dos que queiram se qualificar, falta de vagas suficientes, ausência de escolas preparatórias ou dificuldade na efetivação. Neste último aspecto, um dos obstáculos seria o impedimento, para algumas empresas, de contratar menores de 18 anos 18. Outro motivo lembrado seria o critério, considerado muito subjetivo, de definição de qual função demanda formação profissional, observada a Classificação Brasileira de Ocupações, do Ministério do Trabalho e Emprego. Ou ainda: a baixa oferta de capacitação pelo Sistema S (Senai, Sesi, Senac, Sesc, Senar e Senat, entre outras entidades) em determinada região. Preocupa a alta taxa de 78% das empresas da amostra que declaram não ter pessoas com deficiência entre seus aprendizes 19, alegando como uma das dificuldades para fazer isso o fato de muitos jovens nessa condição não possuírem os pré-requisitos necessários, de acordo com a Lei do Aprendiz. Comparação Comparando os resultados de 2007 e 2010, constata-se um discreto aumento de um ponto percentual, de 92% para 93%, na proporção de empresas que dizem contratar aprendizes. É, por enquanto, antes de um novo estudo, um sinal de estabilização, como o verificado no aumento da parcela de corporações que ainda não atingiram o mínimo exigido pela Lei do Aprendiz. Ou o observado no aumento, também de um ponto percentual, da porcentagem de empresas na faixa das que cumprem a lei. 16 Ver Manual da Aprendizagem O que é preciso saber para contratar o aprendiz, do Ministério do Trabalho e Emprego, em 17 Ver o estudo O trabalho e a sua ausência: narrativas de jovens do Programa Bolsa Trabalho no município de São Paulo, de Maria Carla Corrochano, em 18 Ver o artigo Compromisso pela Lei do Aprendiz, de Raí Oliveira e Daniela Rodriguez de Castro, em php?id= Ver o artigo O mundo do trabalho e as pessoas com deficiência, de Marta Gil, em 23

26 Perfil dos Aprendizes Composição por Sexo Composição por Cor ou Raça Pessoas com Deficiência 63,0% 37,0% Homens Mulheres 35,6% 0,6% Amarelos Negros 8,2% Pretos 27,4% Pardos 0,1% Indígenas 63,7% Brancos 0,5% Pessoas com deficiência 0,22% Física 0,10% Visual 0,15% Auditiva 0,03% Múltiplas 99,5% Outros Faixa Etária Escolaridade 13,6% De 20 a 24 anos 57,6% De 17 a 19 anos 28,8% De 14 a 16 anos 72,1% Ensino Médio 2,3% Até a 4ª. Série 25,6% Da 5ª. à 9ª. Série Repete-se, com os aprendizes, uma situação de desigualdade equivalente à observada na contratação de mulheres, negros ou pessoas com deficiência, fora do corpo de jovens aprendizes. Com diferenças percentuais favoráveis a estes nos dois primeiros casos. Considerando-se só o quadro funcional, por onde costuma entrar a maioria dos novos e mais jovens funcionários: há nele 33,1% de mulheres e 31,1% de negros. Os aprendizes formam parcelas de 37% e 35,6%. Quanto às pessoas com deficiência, o quadro funcional tem 1,5%; os aprendizes, 0,5%. Lembre-se, a propósito dos aprendizes com deficiência, que não há limite de idade para sua contratação, de acordo com a lei. O que aumentaria as oportunidades de inclusão desse grupo. As instituições formadoras desses jovens trabalhadores são, principalmente, o Senai, o Senac e o CIEE, com, respectivamente, 54%, 28% e 12% de menções. E 56% das organizações que mantêm aprendizes dizem ter política para efetivar os que concluem seu período de aprendizagem. O que talvez explique, em boa parte, sua taxa de aproveitamento ao final do processo de aprendizado: 75% em 2008, 85% em Não dispomos de dados sobre as condições de trabalho e remuneração desses novos funcionários. As principais áreas de formação dos aprendizes são, de acordo com as respostas aos questionários, a administrativa, a de operações, a de recursos humanos e a comercial, com, respectivamente, 69%, 50%, 40% e 35% das menções. 24

27 Para entender melhor a lei A Lei , de 2000, conhecida como Lei do Aprendiz e regulamentada por decreto de 2005, explicita disposições da Constituição Federal e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), alterando alguns artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), de O contrato de aprendizagem é um contrato de trabalho especial, por prazo determinado, com duração máxima de dois anos, em que o empregador se compromete a assegurar, aos maiores de 14 e menores de 24 anos inscritos em programa de aprendizagem, formação técnico-profissional metódica, compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e psicológico, diz a lei. O programa de aprendizagem deve ser desenvolvido sob a orientação de entidade qualificada. O aprendiz precisa estar cursando ou ter concluído o ensino fundamental e, salvo condição mais favorável, lhe será garantido o salário mínimo-hora. Os estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a empregar e matricular nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem número de aprendizes equivalente a 5%, no mínimo, e 15%, no máximo, dos trabalhadores existentes em cada estabelecimento, cujas funções demandem formação profissional. Devem ser consideradas, para efeito de cálculo da cota de aprendizes, todas as funções que demandem formação com certificado profissional, observada a Classificação Brasileira de Ocupações, elaborada pelo Ministério do Trabalho e Emprego. O empregador tem total liberdade para selecionar o aprendiz, observados os dispositivos legais referentes à aprendizagem. É conferida prioridade aos adolescentes de 14 a 18 anos. No caso de pessoas com deficiência, não há limite de idade para participação no programa. Mais detalhes sobre a Lei do Aprendiz e sobre como cumpri-la podem ser obtidos pela internet nestes endereços:

28 POLÍTICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Incentivo à Participação de Mulheres 62,0% PESQUISA 2010 Com relação a medidas para incentivar a participação de mulheres nos seguintes níveis hierárquicos, sua empresa tem: Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 4,0% 34,0% 52,0% 7,0% 53,0% 7,0% 49,0% 8,0% 41,0% 40,0% 43,0% Políticas com metas e ações planejadas Ações pontuais específicas Não tem medidas para incentivar a participação de mulheres Apesar da sub-representação presente em todos os níveis hierárquicos (ver Composição por Sexo, na pág.12), a maioria das empresas da amostra não tem, de acordo com informação dos departamentos de recursos humanos, nenhuma medida para incentivar a participação de mulheres em seus quadros. A maior parte das que dizem adotar alguma medida se restringe a ações pontuais ou específicas. Isso está indicado em 34% das respostas referentes ao executivo, 41% à gerência, 40% à supervisão e 43% ao quadro funcional. Uma proporção bem menor diz ter políticas com metas e ações planejadas, que não ultrapassam os 8% das respostas referentes ao quadro funcional. Igualdade de Oportunidades Tem política para promover a igualdade de oportunidades para homens e mulheres? Sim 63,0% Não 37,0% A maioria das empresas diz desenvolver atualmente alguma política visando a promoção da igualdade de oportunidades para homens e mulheres entre os funcionários (ver quadro Políticas e Ações para Promoção da Equidade, na pág. 29). Incentivo à Participação de Negros 72,0% PESQUISA 2010 Com relação a medidas para incentivar a participação de negros nos seguintes níveis hierárquicos, sua empresa tem: Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 3,0% 25,0% 69,0% 4,0% 4,0% 68,0% 27,0% 28,0% 61,0% 6,0% 33,0% Políticas com metas e ações planejadas Ações pontuais específicas Não tem medidas para incentivar a participação de negros As empresas com alguma medida para incentivar a participação de negros têm principalmente ações pontuais ou específicas, de acordo com seus RHs. O dado é expresso por 25% das respostas referentes ao executivo, 27% à gerência, 28% à supervisão e 33% ao quadro funcional. Em proporção muito menor, têm políticas com metas e ações planejadas, que não excedem os 6% de respostas referentes ao quadro funcional. A maioria declara 26

29 não ter nenhuma medida para incentivar a participação de negros, apesar da sub-representação desse grupo, especialmente no executivo, em que ocupa só 5,3% dos cargos (ver Composição por Cor ou Raça, na pág. 14). A iniciativa das corporações em relação à participação dos negros parece ter, portanto, efeito bem limitado sobre o aumento, de 2007 para 2010, de sua presença em quase todos os níveis hierárquicos. Igualdade de Oportunidades Tem política para promover a igualdade de oportunidades para brancos e negros? Sim 52,0% Não 48,0% A maioria das empresas diz desenvolver atualmente alguma política visando a promoção da igualdade de oportunidades para brancos e negros entre os funcionários (ver quadro Políticas e Ações para Promoção da Equidade, na pág. 29). Incentivo à Participação de Pessoas com Mais de 45 Anos 67,0% PESQUISA 2010 Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 5,0% 28,0% Com relação a medidas para incentivar a participação de pessoas com mais de 45 anos nos seguintes níveis hierárquicos, sua empresa tem: 66,0% 5,0% 67,0% 4,0% 65,0% 4,0% 29,0% 29,0% 31,0% Políticas com metas e ações planejadas Ações pontuais específicas Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com mais de 45 anos As medidas de incentivo à participação de pes soas com mais de 45 anos adotadas pelas empresas concentram-se, segundo seus RHs, em ações pontuais ou específicas para o quadro executivo (28%), a gerência (29%), a supervisão (29%) e o quadro funcional (31%). São muito reduzidas as porcentagens de metas e ações planejadas, que não superam 15% das respostas em nenhum dos níveis hierárquicos. Igualdade de Oportunidades Tem política para promover a igualdade de oportunidades para as diferentes faixas etárias? Sim 50,0% Não 50,0% Metade das empresas diz desenvolver atualmente alguma política visando a promoção da igualdade de oportunidades para as diferentes faixas etárias entre os funcionários (ver quadro Políticas e Ações para Promoção da Equidade, na pág. 29). 27

30 Incentivo à Participação de Pessoas com Deficiência Com relação a medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência nos seguintes níveis hierárquicos, sua empresa tem: Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 66,0% 9,0% 25,0% 13,0% 53,0% 34,0% 47,0% 20,0% 33,0% 31,0% 10,0% 59,0% Políticas com metas e ações planejadas Ações pontuais específicas Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência É considerável a parcela de empresas que adotam, de acordo com seus RHs, políticas com metas e ações planejadas (59%) ou ações pontuais ou específicas (31%) para incentivar a presença de pessoas com deficiência no quadro funcional. Contrasta, porém, com estes dados a queda, de 2007 a 2010, da participação desse grupo de funcionários nesse quadro (ver Pessoas com Deficiência, na pág. 16). Igualdade de Oportunidades Tem política para promover a igualdade de oportunidades para pessoas com deficiência? Sim 73,0% Não 27,0% Uma grande maioria de empresas diz desenvolver atualmente alguma política visando a promoção da igualdade de oportunidades para pessoas com deficiência entre os funcionários (ver quadro Políticas e Ações para Promoção da Equidade, na pág. 29). 28

31 Políticas e Ações para Promoção da Equidade Quais destas políticas ou ações afirmativas sua empresa mantém ou promove? Manutenção de programa especial para contratação de pessoas com deficiência 32,0% 41,0% 67,0% 81,0% Medidas de conciliação entre trabalho, família e vida pessoal* 56,0% Apoio a projetos na comunidade que visem melhorar a oferta de profissionais qualificados provenientes de grupos usualmente discriminados no mercado de trabalho 24,0% 33,0% 46,0% 51,0% Estabelecimento de programas de capacitação profissional que visem melhorar a qualificação de mulheres 3,0% 4,0% 23,0% 20,0% Estabelecimento de metas para reduzir a diferença entre o maior e o menor salário pago pela empresa 6,0% 8,0% 11,0% 17,0% Estabelecimento de metas para a redução das desigualdades salariais na empresa (entre homens e mulheres, por exemplo) 3,0% 3,0% 16,0% 16,0% Estabelecimento de programas especiais para contratação de pessoas usualmente discriminadas no mercado de trabalho, como mulheres, negros e indivíduos com mais de 45 anos de idade 7,0% 11,0% 14,0% 22,0% Estabelecimento de programas de capacitação profissional que visem melhorar a qualificação de pessoas com mais de 45 anos 3,0% 8,0% 10,0% 18,0% Estabelecimento de metas para ampliar a participação de mulheres em cargos de direção** Estabelecimento de programas de capacitação profissional que visem melhorar a qualificação de negros Oferecimento de oportunidades de trabalho para ex-detentos 1,0% 4,0% 2,0% 2,0% 5,0% 6,0% 10,0% 9,0% 16,0% 20,0% Estabelecimento de metas para ampliar a participação de negros em cargos de direção** 6,0% 2,0% * Opção incluída em **Opção incluída em Atabela foi elaborada a partir das menções feitas a uma ou mais ações ou políticas que as empresas estariam desenvolvendo, escolhidas de uma lista apresentada no questionário da pesquisa. Destaca-se, entre as opções, a referente à existência de programa especial para contratação de pessoas com deficiência. Ela atinge neste ano 81% de menções, seguindo uma linha de evolução positiva iniciada em O resultado é coerente com a adoção, por uma parcela de 90% das empresas, de medidas para incentivar a participação, no quadro funcional, de pessoas nessa condição (ver pág. 28) Com porcentagens bem mais discretas, embora acima de 50%, destacam-se também as menções ao apoio a projetos na comunidade que visem melhorar a oferta de profissionais qualificados provenientes de grupos usualmente discriminados no mercado de trabalho, e a medidas de conciliação entre trabalho, família e vida pessoal. Note-se que esta segunda opção foi incluída na lista apenas neste ano. Num patamar inferior, mostra evolução promissora o estabelecimento de metas para reduzir a diferença entre o maior e o menor salário pago pela empresa. Nas pesquisas de 2003, 2005 e 2007, solicitou-se que este item do questionário fosse respondido pelo presidente da empresa. Em 2010, pediu-se que as respostas fossem dadas pelo departamento de recursos humanos. 29

32 PERCEPÇÃO DO PRESIDENTE Sobre a Situação das Mulheres na Empresa 45,0% PESQUISA 2010 De acordo com seu critério, a proporção de mulheres em sua empresa está: Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 0,0% 55,0% 59,0% 1,0% 40,0% 1,0% 0,0% 71,0% 15,0% 28,0% 85,0% Acima do que deveria Abaixo do que deveria Adequada Parcela significativa dos presidentes, ou executivos que os representam na resposta a esta parte da pesquisa, consideram adequada a proporção de mulheres nos quatro níveis hierárquicos de suas empresas. Esse entendimento corresponde a 45% das respostas referentes ao quadro executivo, nível em que a presença das mulheres é de apenas 13,7%, de acordo com informação do departamento de recursos humanos das corporações, não necessariamente conhecida pelos presidentes (ver Composição por Sexo, na pág. 12). A parcela de respostas que consideram adequada a presença de mulheres na gerência é de 59%, porcentagem que sobe para 71% na supervisão e 85% no quadro funcional. Há até uma pequena parcela, de 1% das respostas, que entende estar acima do que deveria a presença de mulheres na supervisão e na gerência. Registre-se uma coerência na opinião dos gestores: quanto menor é a participação feminina em cada nível 33,1% no funcional, 26,8% na supervisão, 22,1% na gerência e 13,7% no quadro executivo, menor também é a concordância deles (85%, 71%, 59% e 45%). Se a proporção de mulheres está abaixo do que deveria em algum desses níveis, a que atribui? À falta de qualificação profissional de mulheres para os cargos 42,0% À falta de interesse de mulheres por cargos na empresa 9,0% À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto 49,0% Aos que consideram a participação feminina menor do que deveria ser foi indagado a que atribuem essa insuficiência. A maior parcela de gestores, representados por 49% das respostas, dizem ser a falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto; 42% atribuem a situação à falta de qualificação profissional das mulheres; e 9%, à falta de interesse delas por cargos na empresa. Convém observar que a parcela de respostas dos que consideram a presença feminina insuficiente não chega a ser desprezível. A que se refere ao executivo até supera a de respostas que consideram o número de mulheres adequado (55% e 45%). Apesar disso, é grande a proporção de empresas que não têm, de acordo com informação de seus RHs, medidas para incentivar a participação de mulheres em seus quadros (ver Políticas e Ações para Promoção da Equidade, na pág. 29). 30

33 Sobre a Situação dos Negros na Empresa 45,0% Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 1,0% 54,0% 49,5% De acordo com seu critério, a proporção de negros em sua empresa está: 1,0% 49,5% 63,0% 1,0% 36,0% 65,0% 1,0% 34,0% Acima do que deveria Abaixo do que deveria Adequada É majoritária a parcela de presidentes que considera adequada a proporção de negros em pelo menos dois dos quatro níveis hierárquicos observados por esta pesquisa: o funcional e o de supervisão, com porcentagens de, respectivamente, 65% e 63%. Isso apesar da presença de indivíduos da raça negra, nesses níveis, ser de apenas 31,1% e 25,6% (ver Composição por Cor ou Raça, na pág. 14). Na percepção sobre a gerência, há um empate entre adequada e abaixo do que deveria. Observa-se quanto aos negros, assim como em relação às mulheres, uma coerência na opinião dos presidentes: a percepção de adequação diminui progressivamente do nível menos elevado ao mais elevado da escala hierárquica, conforme decresce a parcela de pessoas desse grupo de funcionários. Há outro detalhe que chama a atenção: uma parcela de 1% entende estar a proporção de negros acima do que deveria em todos os níveis. Aos que consideram a participação dos negros menor do que deveria ser foi indagado a que atribuem essa insuficiência. A maior parcela, de 61% das respostas, indica a falta de qualificação para os cargos. Porcentagem bem inferior, de 31%, atribui a situação à falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto; e 8%, à falta de interesse de negros por cargos na empresa. Se a proporção de negros está abaixo do que deveria, a que atribui? À falta de qualificação profissional de negros para os cargos 61,0% À falta de interesse de negros por cargos na empresa 8,0% À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto 31,0% Observe-se que, a exemplo do que ocorre a propósito das mulheres, não chega a ser desprezível a parcela de respostas dos que consideram a presença de indivíduos da raça negra menor do que deveria ser. A que aponta essa insuficiência no executivo até supera a de respostas que consideram a presença adequada (54% e 45%). Apesar disso, é muito alta a proporção de empresas que não têm, de acordo com informação de seus RHs, medidas para incentivar a participação de negros em seus quadros (ver Políticas e Ações para Promoção da Equidade, na pág. 29). Sobre a Situação das Pessoas com Mais de 45 Anos 93,0% Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 4,0% 93,0% 3,0% De acordo com seu critério, a proporção de pessoas com mais de 45 anos em sua empresa está: 3,0% 4,0% 92,0% 4,0% 4,0% 3,0% 89,0% 8,0% Acima do que deveria Abaixo do que deveria Adequada Aproporção, na empresa, de pessoas com mais de 45 anos é tida como adequada por parcelas bem significativas e praticamente iguais das respostas dos presidentes para cada nível da escala hierárquica: 93% para o executivo e para a gerência, 92% para a supervisão e 89% para o quadro funcional. A presença de pessoas desse grupo etário é considerada menor do que deveria ser por apenas 3%, 4%, 4% e 8% das respostas referentes aos quatro níveis. 31

34 Se a proporção de pessoas com mais de 45 anos está abaixo do que deveria, a que atribui? À falta de qualificação profissional de pessoas nessa faixa etária para os cargos 17,0% À falta de interesse de pessoas nessa faixa etária por cargos na empresa 33,0% À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto 50,0% As porcentagens de presidentes que consideram a proporção de pessoas com mais de 45 anos até acima do que deveria, em cada nível hierárquico, são iguais ou próximas a essas últimas e maiores do que as registradas na percepção, quanto a este aspecto, da proporção de mulheres ou de negros: 4% para o quadro executivo, 3% para a gerência, 4% para a supervisão e 3% para o quadro funcional. Esses dados demonstram não haver preocupação, da quase totalidade dos presidentes, a respeito da situação dos funcionários com mais de 45 anos. E essa percepção não contrasta, ao menos parcialmente, com a realidade (ver Faixa Etária, na pág. 18). A falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto foi majoritária entre as três opções apresentadas no questionário à suposta insuficiência de pessoas com mais de 45 anos na empresa. Sobre a Situação das Pessoas De acordo com seu critério, a proporção de pessoas com deficiência em sua empresa está: com Deficiência Quadro Executivo Gerência Supervisão Quadro Funcional 49,0% 0,0% 42,0% 0,0% 36,0% 0,0% 0,0% 51,0% 58,0% 43,0% 64,0% 57,0% Acima do que deveria Abaixo do que deveria Adequada São majoritárias as parcelas de respostas considerando a proporção de pessoas com deficiência menor do que deveria ser, em todos os níveis hierárquicos. Opinaram assim 51%, 58%, 64% e 57% dos gestores das empresas a propósito, respectivamente, do executivo, da gerência, da supervisão e do quadro funcional. Indagou-se também aos presidentes a que atribuem o fato, por eles percebido, de ser mais baixa do que deveria a proporção de funcionários nessa condição. A opinião de que falta qualificação profissional foi manifestada por 73% deles, vindo muito abaixo as outras duas opções apresentadas pelo questionário: a falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto (17%) e a falta de interesse de pessoas com deficiência por cargos na empresa (10%). Se a proporção de pessoas com deficiência está abaixo do que deveria, a que atribui? À falta de qualificação profissional de pessoas com deficiência para os cargos 73,0% À falta de interesse de pessoas com deficiência por cargos na empresa 10,0% À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto 17,0% São expressivas as porcentagens de respostas dos RHs indicando não haver medidas para incentivar a presença de pessoas desse grupo nos três níveis de comando das empresas (ver Políticas e Ações para Promoção da Equidade, na pág. 29). Sobre a Proporção de Aprendizes De acordo com seu critério, a proporção de aprendizes em sua empresa está: Se a proporção de aprendizes está abaixo do que deveria, a que atribui? 72,0% Adequada 7,0% 21,0% Acima do que deveria Abaixo do que deveria 41,0% À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto 36,0% À falta de qualificação de aprendizes 23,0% À falta de interesse dos aprendizes pela empresa Parcela bem expressiva dos principais gestores considera adequada a proporção de aprendizes na empresa. Essa opinião é manifestada por 72% das respostas. Um segundo contingente, de 21%, pensa que a proporção de aprendizes está abaixo do que deveria e há 7% de gestores para os quais a proporção é maior do que deveria. Com 41% das respostas, a maior parcela do segundo grupo atribui a suposta insuficiência do número de aprendizes à falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto; 36% dizem ser a falta de qualificação dos aprendizes; e 23%, a falta de interesse de aprendizes pela empresa. 32

35 QUESTIONÁRIO Publicamos a seguir a íntegra do questionário utilizado para o levantamento dos dados que apresentamos neste relatório. Nosso intuito é oferecer às empresas que não participaram desta pesquisa uma ferramenta que as auxilie a fazer um censo interno para avaliar como elas estão no que se refere à diversidade e à equidade entre seus dirigentes e funcionários. Mesmo as organizações que participaram deste levantamento ou que já fizeram seu censo interno poderão utilizar esta ferramenta para atualizar seus dados regularmente. Informações sobre como fazer o censo interno na empresa podem ser obtidas no manual Diversidade e Equidade: Metodologia para Censo nas Empresas, lançado pelo Instituto Ethos em Ele está disponível em Diversidade e Equidade: Ferramenta de Autoavaliação Instruções Gerais de Preenchimento do Questionário O questionário está dividido em três partes. A Parte 1 contém perguntas sobre o perfil da empresa (identificação, implementação de ações e desenvolvimento de políticas em favor da diversidade e da equidade), devendo ser respondida pela pessoa responsável por Recursos Humanos ou por alguém indicado para esse fim, que marcará com um X a alternativa mais apropriada. A Parte 2 contém perguntas sobre a percepção do(a) executivo(a) responsável pela organização sobre o quadro de funcionários, devendo ser preenchida por ele(a), apenas assinalando com um X. A Parte 3 contém quadros cujo objetivo é levantar o perfil dos funcionários e dirigentes da empresa, em cinco categorias: 1) Quadro Executivo (presidentes, vice-presidentes e diretores); 2) Gerência; 3) Supervisão, Chefia ou Coordenação; 4) Quadro Funcional (funcionários sem cargo de chefia); e 5) Aprendizes. Tais informações também devem ser fornecidas pela pessoa responsável por Recursos Humanos ou por alguém indicado. Os quadros devem ser preenchidos levando-se em conta o número total de funcionários daquele nível, bem como o total de homens e o total de mulheres. Assim, se, por exemplo, os funcionários que se enquadram na categoria de Supervisão, Chefia ou Coordenação forem 100, os números constantes na divisão por gênero deverão sempre totalizar 100 funcionários em cada item. 33

36 Parte 1 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Nome da empresa: Nome do respondente: Cargo do respondente: Setor da Atividade Primária da Empresa (indique abaixo) 01. ( ) Água e Saneamento 14. ( ) Mineração 02. ( ) Alimentos e Produção Agrícola 15. ( ) Papel e Celulose 03. ( ) Bebidas e Fumo 16. ( ) Plásticos e Borracha 04. ( ) Comércio Atacadista 17. ( ) Química e Petroquímica 05. ( ) Comércio Exterior 18. ( ) Serviços Especializados 06. ( ) Comércio Varejista 19. ( ) Serviços Médicos 07. ( ) Construção Civil 20. ( ) Siderurgia 08. ( ) Eletroeletrônica 21. ( ) Tecnologia da Informação 09. ( ) Energia Elétrica 22. ( ) Telecomunicações 10. ( ) Farmacêutica 23. ( ) Têxtil, Couro e Vestuário 11. ( ) Mat. de Construção e Decoração 24. ( ) Transportes e Logística 12. ( ) Mecânica 25. ( ) Veículos e Peças 13. ( ) Metalurgia 26. ( ) Outro. Qual? Porte da Empresa (com base no faturamento ANUAL) 1. ( ) Até R$ 500 milhões 3. ( ) De R$ 1 bilhão a R$ 3 bilhões 2. ( ) De R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão 4. ( ) Acima de R$ 3 bilhões Localização da Matriz da Empresa no Brasil 1. ( ) Região Norte 4. ( ) Região Sudeste 2. ( ) Região Nordeste 5. ( ) Região Sul 3. ( ) Região Centro-Oeste Número Total de Funcionários Funcionários (número exato) 1. ( ) Até 300 funcionários 4. ( ) De a funcionários 2. ( ) De 301 a funcionários 5. ( ) Mais de funcionários 3. ( ) De a funcionários 34

37 AÇÕES DA EMPRESA P01 A. Com relação a medidas para incentivar a participação de mulheres nos seguintes níveis hierárquicos, a sua empresa tem: Diretoria: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de mulheres Gerência: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de mulheres Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de mulheres Quadro Funcional: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de mulheres P01 B. Com relação a medidas para incentivar a participação de negros nos seguintes níveis hierárquicos, a sua empresa tem: Diretoria: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de negros Gerência: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de negros Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de negros Quadro Funcional: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de negros P01 C. Com relação a medidas para incentivar a participação de pessoas com mais de 45 anos de idade nos seguintes níveis hierárquicos, a sua empresa tem: Diretoria: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com mais de 45 anos de idade 35

38 Gerência: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com mais de 45 anos de idade Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com mais de 45 anos de idade Quadro Funcional: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com mais de 45 anos de idade P01 D. Com relação a medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência nos seguintes níveis hierárquicos, a sua empresa tem: Diretoria: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência Gerência: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência Quadro Funcional: 1. ( ) Políticas com metas e ações planejadas 2. ( ) Ações pontuais ou específicas 3. ( ) Não tem medidas para incentivar a participação de pessoas com deficiência p02 A. Sua empresa desenvolve atualmente alguma política visando à promoção da igualdade de oportunidades para homens e mulheres entre os funcionários? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não p02 B. Sua empresa desenvolve atualmente alguma política visando à promoção da igualdade de oportunidades para brancos e negros entre os funcionários? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não p02 C. Sua empresa desenvolve atualmente alguma política visando à promoção da igualdade de oportunidades para as diferentes faixas etárias entre os funcionários? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não 36

39 p02 D. Sua empresa desenvolve atualmente alguma política visando à promoção da igualdade de oportunidades para pessoas com deficiência entre os funcionários? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não p03. Caso alguma das respostas anteriores seja positiva (de P01 A a P02 D), quais destas políticas e/ou ações afirmativas sua empresa mantém ou promove? 01. ( ) Estabelecimento de programas especiais para contratação de pessoas usualmente discriminadas no mercado de trabalho, como mulheres, negros e indivíduos com mais de 45 anos de idade 02. ( ) Manutenção de programa especial para contratação de pessoas com deficiência 03. ( ) Estabelecimento de programas de capacitação profissional que visem melhorar a qualificação de mulheres 04. ( ) Estabelecimento de programas de capacitação profissional que visem melhorar a qualificação de negros 05. ( ) Estabelecimento de programas de capacitação profissional que visem melhorar a qualificação de pessoas com mais de 45 anos 06. ( ) Estabelecimento de metas para a redução das desigualdades salariais na empresa (entre homens e mulheres, por exemplo) 07. ( ) Estabelecimento de metas para ampliar a participação de mulheres em cargos de direção 08. ( ) Estabelecimento de metas para ampliar a participação de negros em cargos de direção 09. ( ) Estabelecimento de metas para reduzir a diferença entre o maior e o menor salário pago pela empresa 10. ( ) Oferecimento de oportunidades de trabalho para ex-detentos 11. ( ) Apoio a projetos na comunidade que visem melhorar a oferta de profissionais qualificados provenientes de grupos usualmente discriminados no mercado de trabalho 12. ( ) Medidas de conciliação entre trabalho, família e vida pessoal 20. p04 A. Conhecida como Lei do Aprendiz, a Lei nº /2000, regulamentada pelo Decreto nº /2005, define a contratação de aprendizes pelas empresas. Sua empresa contrata trabalhadores jovens na condição de aprendizes? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não Em caso positivo na P04 A: p04 B. Qual é o percentual de aprendizes em relação ao total de trabalhadores cujas funções demandam formação profissional específica? 1. ( ) 1% 5. ( ) 5% 9. ( ) 9% 13. ( ) 13% 2. ( ) 2% 6. ( ) 6% 10. ( ) 10% 14. ( ) 14% 3. ( ) 3% 7. ( ) 7% 11. ( ) 11% 15. ( ) 15% 4. ( ) 4% 8. ( ) 8% 12. ( ) 12% 16. ( ) Mais de 15% Em caso positivo na P04 A: p04 C. Qual é a natureza da entidade formadora dos aprendizes mantidos pela empresa? Informe quantos aprendizes por entidade. 01. Senac 05. Sescoop 02. Senai 06. Escola técnica pública 03. Senar 07. Outra organização 04. Senat Qual? 20 Medidas de conciliação entre trabalho, família e vida pessoal são aquelas destinadas a proporcionar uma maior compatibilização entre as responsabilidades familiares e as responsabilidades laborais. São exemplos de medidas já adotadas por empresas: ampliação da licença maternidade, ampliação da licença paternidade, licenças parentais, auxílio-creche para trabalhadores e trabalhadoras, licenças para acompanhar filhos e outros familiares dependentes e flexibilidade de horário. 37

40 Em caso positivo na P04 A: p04 D. Em que área da empresa estão os aprendizes? Informe quantos aprendizes por área. 01. Administrativa 09. Financeira 02. Administrativa Depto. de Pessoal 10. Jurídica 03. Administrativo-Financeira 11. Marketing 04. Atendimento 12. Operações 05. Comercial 13. Pesquisa e Desenvolvimento 06. Compras/Suprimentos 14. Recursos Humanos/Gestão de Pessoas 07. Comunicação 15. Tecnologia 08. Contabilidade 16. Outras p04 E. Que departamento da empresa faz a gestão dos aprendizes? 01. ( ) Recursos Humanos 02. ( ) Outro p04 F. Sua empresa mantém uma política de absorção dos aprendizes que concluem o contrato de aprendizagem? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não p04 G. Em caso positivo, quantos aprendizes foram efetivados como funcionários em 2008 e em 2009? Total de Aprendizes Total de Efetivados 01. Em Em 2009 P04 H. Entre os aprendizes mantidos por sua empresa há pessoas com deficiência? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não p04 I. Sua empresa tem dificuldade para cumprir a Lei do Aprendiz? 1. ( ) Sim 2. ( ) Não p04 J. Em caso positivo, informe quais são as principais dificuldades. 38

41 Parte 2 PERCEPÇÃO DO PRINCIPAL GESTOR DA EMPRESA P05 A. De acordo com seu critério, a proporção de mulheres em sua empresa, em cada um dos seguintes níveis hierárquicos, está: Diretoria: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Gerência: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Quadro Funcional: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada P05 B. Se a proporção de mulheres está abaixo do que deveria em um desses níveis, a que atribui? 1. ( ) À falta de qualificação profissional de mulheres para os cargos 2. ( ) À falta de interesse de mulheres por cargos na empresa 3. ( ) À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto P06 A.. De acordo com seu critério, a proporção de negros em sua empresa, em cada um dos seguintes níveis hierárquicos, está: Diretoria: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Gerência: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Quadro Funcional: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada 39

42 P06 B. Se a proporção de negros está abaixo do que deveria em um desses níveis, a que atribui? 1. ( ) À falta de qualificação profissional de negros para os cargos 2. ( ) À falta de interesse de negros por cargos na empresa 3. ( ) À falta de conhecimento ou experiência na empresa para lidar com o assunto P07 A. De acordo com seu critério, a proporção de pessoas com mais de 45 anos em sua empresa, em cada um dos seguintes níveis hierárquicos, está: Diretoria: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Gerência: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Quadro Funcional: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada P07 B. Se a proporção de pessoas com mais de 45 anos de idade está abaixo do que deveria em um desses níveis, a que atribui? 1. ( ) À falta de qualificação profissional de pessoas nessa faixa etária para os cargos 2. ( ) À falta de interesse de pessoas nessa faixa etária por cargos na empresa 3. ( ) À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto P08 A. De acordo com seu critério, a proporção de pessoas com deficiência em sua empresa, em cada um dos seguintes níveis hierárquicos, está: Diretoria: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Gerência: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Supervisão, Chefia ou Coordenação: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada Quadro Funcional: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada 40

43 P08 B. Se a proporção de pessoas com deficiência está abaixo do que deveria em um desses níveis, a que atribui? 1. ( ) À falta de qualificação profissional de pessoas com deficiência para os cargos 2. ( ) À falta de interesse de pessoas com deficiência por cargos na empresa 3. ( ) À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto P09 A. De acordo com seu critério, a proporção de aprendizes em sua empresa está: 1. ( ) Acima do que deveria 2. ( ) Abaixo do que deveria 3. ( ) Adequada P09 B. Se a proporção de aprendizes está abaixo do que deveria em um desses níveis, a que atribui? 1. ( ) À falta de qualificação de aprendizes 2. ( ) À falta de interesse de aprendizes pela empresa 3. ( ) À falta de conhecimento ou experiência da empresa para lidar com o assunto 41

44 Parte 3 (A ser preenchida pelo RH) QUADRO Nº. 1 PERFIL DO QUADRO EXECUTIVO PERFIL GERAL > TOTAL DE DIRETORES TOTAL DE HOMENS TOTAL DE MULHERES GRUPOS ETÁRIOS TOTAL TOTAL TOTAL DIRETORES HOMENS MULHERES De 16 a 24 anos De 25 a 35 anos De 36 a 45 anos De 46 a 55 anos 56 anos ou mais TOTAL Escolaridade TOTAL TOTAL TOTAL DIRETORES HOMENS MULHERES Até a 4ª. série Da 5ª. à 8ª. série Ensino Médio Ensino Superior Pós/Mestrado Doutorado/Pós TOTAL RaçA OU COr TOTAL TOTAL TOTAL DIRETORES HOMENS MULHERES Branca Preta Parda Amarela Índígena TOTAL Deficiências TOTAL TOTAL TOTAL DIRETORES HOMENS MULHERES Física Visual Auditiva Múltipla Não são portadores TOTAL Tempo de Empresa TOTAL TOTAL TOTAL DIRETORES HOMENS MULHERES Menos de 1 ano De 1 a 2 anos De 3 a 5 anos De 6 a 10 anos De 11 a 15 anos 16 anos ou mais TOTAL 42

45 QUADRO Nº. 2 PERFIL DO QUADRO DE GERÊNCIA PERFIL GERAL > TOTAL DE GERENTES TOTAL DE HOMENS TOTAL DE MULHERES GRUPOS ETÁRIOS TOTAL TOTAL TOTAL GERENTES HOMENS MULHERES De 16 a 24 anos De 25 a 35 anos De 36 a 45 anos De 46 a 55 anos 56 anos ou mais TOTAL Escolaridade TOTAL TOTAL TOTAL GERENTES HOMENS MULHERES Até a 4ª. série Da 5ª. à 8ª. série Ensino Médio Ensino Superior Pós/Mestrado Doutorado/Pós TOTAL RaçA OU COr TOTAL TOTAL TOTAL GERENTES HOMENS MULHERES Branca Preta Parda Amarela Índígena TOTAL Deficiências TOTAL TOTAL TOTAL GERENTES HOMENS MULHERES Física Visual Auditiva Múltipla Não são portadores TOTAL Tempo de Empresa TOTAL TOTAL TOTAL GERENTES HOMENS MULHERES Menos de 1 ano De 1 a 2 anos De 3 a 5 anos De 6 a 10 anos De 11 a 15 anos 16 anos ou mais TOTAL 43

46 QUADRO Nº. 3 PERFIL DO QUADRO de Supervisão, Chefia ou Coordenação PERFIL GERAL > TOTAL DE SUPERVISORES/CHEFES TOTAL DE HOMENS TOTAL DE MULHERES GRUPOS ETÁRIOS TOTAL TOTAL TOTAL SUPERVISORES/CHEFES HOMENS MULHERES De 16 a 24 anos De 25 a 35 anos De 36 a 45 anos De 46 a 55 anos 56 anos ou mais TOTAL Escolaridade TOTAL TOTAL TOTAL SUPERVISORES/CHEFES HOMENS MULHERES Até a 4ª. série Da 5ª. à 8ª. série Ensino Médio Ensino Superior Pós/Mestrado Doutorado/Pós TOTAL RaçA OU COr TOTAL TOTAL TOTAL SUPERVISORES/CHEFES HOMENS MULHERES Branca Preta Parda Amarela Índígena TOTAL Deficiências TOTAL TOTAL TOTAL SUPERVISORES/CHEFES HOMENS MULHERES Física Visual Auditiva Múltipla Não são portadores TOTAL Tempo de Empresa TOTAL TOTAL TOTAL SUPERVISORES/CHEFES HOMENS MULHERES Menos de 1 ano De 1 a 2 anos De 3 a 5 anos De 6 a 10 anos De 11 a 15 anos 16 anos ou mais TOTAL 44

47 QUADRO Nº. 4 PERFIL DO QUADRO FUNCIONAL PERFIL GERAL > TOTAL DE FUNCIONÁRIOS TOTAL DE HOMENS TOTAL DE MULHERES GRUPOS ETÁRIOS TOTAL TOTAL TOTAL FUNCIONÁRIOS HOMENS MULHERES De 16 a 24 anos De 25 a 35 anos De 36 a 45 anos De 46 a 55 anos 56 anos ou mais TOTAL Escolaridade TOTAL TOTAL TOTAL FUNCIONÁRIOS HOMENS MULHERES Até a 4ª. série Da 5ª. à 8ª. série Ensino Médio Ensino Superior Pós/Mestrado Doutorado/Pós TOTAL RaçA OU COr TOTAL TOTAL TOTAL FUNCIONÁRIOS HOMENS MULHERES Branca Preta Parda Amarela Índígena TOTAL Deficiências TOTAL TOTAL TOTAL FUNCIONÁRIOS HOMENS MULHERES Física Visual Auditiva Múltipla Não são portadores TOTAL Tempo de Empresa TOTAL TOTAL TOTAL FUNCIONÁRIOS HOMENS MULHERES Menos de 1 ano De 1 a 2 anos De 3 a 5 anos De 6 a 10 anos De 11 a 15 anos 16 anos ou mais TOTAL 45

48 QUADRO Nº. 5 PERFIL DO QUADRO DE APRENDIZES PERFIL GERAL > TOTAL DE APRENDIZES TOTAL DE APRENDIZES HOMENS TOTAL DE APRENDIZES MULHERES GRUPOS ETÁRIOS TOTAL APRENDIZES APRENDIZES APRENDIZES HOMENS MULHERES De 14 a 16 anos De 17 a 19 anos De 20 a 24 anos TOTAL Escolaridade TOTAL APRENDIZES APRENDIZES APRENDIZES HOMENS MULHERES Até a 4ª. série Da 5ª. à 9ª. série Ensino Médio TOTAL RaçA OU COr TOTAL APRENDIZES APRENDIZES APRENDIZES HOMENS MULHERES Branca Preta Parda Amarela Índígena TOTAL Deficiências TOTAL APRENDIZES APRENDIZES APRENDIZES HOMENS MULHERES Física Visual Auditiva Múltipla Não são portadores TOTAL 46

49 A NECESSIDADE DE UM CENSO INTERNO Concluímos esta edição da pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas com a convicção de termos aprofundado um pouco mais a observação sobre a realidade do nosso universo. Ou, mais precisamente, da amostra que conseguimos obter a partir do envio de um questionário às empresas. Conseguimos a considerável marca de 109 respostas das 500 possíveis, com uma taxa de retorno de 21,8%, menos expressiva, porém, do que seria de se esperar por estarmos já na quinta edição da pesquisa. Mesmo assim, depois de muita insistência e com grande dilatação dos prazos para retorno. A resposta, por autopreenchimento, é evidentemente voluntária e as empresas se empenham ao máximo em nos atender. Mas a dificuldade de receber os questionários preenchidos é o primeiro indício do quanto é complicado para a maioria colher e registrar os dados requeridos; e um claro sinal, ao mesmo tempo, da inexistência ou desatualização desses dados e da dificuldade em lidar com algumas questões. Em especial, a que se refere à cor ou raça de seu público interno dos negros, mais especificamente. O país vive novo momento, de revalorização identitária do negro, que conquistou maior visibilidade em muitos setores. O governo federal até criou, com status de ministério, a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, que busca, entre seus objetivos, valorizar a cultura étnica dos afrodescendentes. Universidades adotam a política de cotas, telejornais escalam jornalistas negros para suas bancadas e novelas e anúncios conferem ao negro inédito protagonismo. Esse conjunto de ações favorece o fortalecimento da autoestima e torna menos difícil, para as pessoas de cor ou raça negra, declarar sua condição. Assim, em 2008, elas atingiram presença majoritária, com tendência a maior crescimento, na população brasileira. A maioria das corporações, no entanto, permanece em desalinho com essa mudança. Perde a oportunidade de valorizar a diversidade e promover a equidade, que, à parte serem princípios de direitos humanos e de uma autêntica democracia, oferecem melhores perspectivas de desenvolvimento sustentável dos negócios. É o que têm mostrado ao longo dos anos os estudos realizados pelo Ethos e por outras instituições. Tanto é assim que nos surpreendemos com os resultados inicialmente apresentados pelo Ibope para a pesquisa de A participação de negros crescera desmesuradamente em relação ao estudo anterior, atingindo patamar também superior ao sugerido pela série histórica, iniciada em Estranhouse, a par disso, uma participação bem menor de mulheres em todos os níveis hierárquicos das empresas. O que teria acontecido? Que fatores conjunturais poderiam explicar essas mudanças? Elas sugeriam ser mais uma indicação da falta de controle das empresas a respeito das principais características de seus funcionários. Seguindo então uma antiga e boa tradição de aprofundar aspectos de uma pesquisa que parecem não ter causa ou conter alguma inconsistência, o Instituto Ethos, por intermédio do Ibope, voltou a campo para uma nova consulta. Foi ouvir, mediante entrevista por telefone, as empresas que apresentavam percentuais de indivíduos da raça negra superiores aos da média do estudo. Para essa consulta complementar, foi selecionado um contingente de 48 empresas, formado por dois grupos: um com 38 empresas, que só responderam à pesquisa de 2010; outro com 10, que responderam às pesquisas de 2007 e Obteve-se retorno de 30 empresas, sendo 24 do primeiro grupo e 6 do segundo. No geral, as empresas consultadas mostravam não ter, num primeiro momento, a percepção de mudança no perfil dos funcionários contratados. Nenhuma afirmou ter passado a contratar mais pessoas da raça negra. Vale observar, ainda, que as corporações disseram não fazer nenhum tipo de acompanhamento quanto a essa questão, não havendo um histórico para que pudessem responder exatamente se teria havido mudança ou não. Quase todas usam a ficha de admissão como referência para fornecer os dados solicitados. O que se refere à cor ou 47

50 raça baseia-se na autodeclaração, como recomendado. E nenhuma das empresas disse ter alterado esse dado, nem feito algum tipo de reclassificação ou pedido aos empregados para atualizarem suas fichas. O que algumas comentaram é que muitos funcionários demonstram certa indecisão ao se classificarem. Indagadas sobre o que explicaria o fato de terem em seus quadros mais negros do que a média das empresas participantes da pesquisa, as empresas ouvidas nessa consulta complementar apontaram quatro fatores principais: a raça negra como característica mais marcante das pessoas que moram na região em que a empresa está localizada ou onde mantém parte de suas operações (o Norte e o Nordeste, principalmente); o crescimento da empresa e o consequente aumento na contratação de novos funcionários, sem, no entanto, nenhum controle ou programa para admissão de negros; mudança geográfica da sede de cidade, Estado e região; setor de atividade em que atua, que concentraria um maior número de indivíduos da raça negra. A partir dos resultados dessa consulta, foram avaliadas, individualmente, as 109 empresas da amostra. Concluiu-se que quatro delas, que não haviam participado das pesquisas anteriores, comportavam-se como outliers. Apresentavam resultados tão díspares das demais que impactavam também os resultados totais, inclusive por terem porte muito acima da média. As quatro foram então separadas, para posterior estudo, que poderá fornecer novas e importantes informações. A amostra passou a ter então as 105 empresas que seriam efetivamente representativas do universo pesquisado, com crescimento promissor, porém ainda desalentador, da participação de negros, e a elevação da presença feminina a um patamar também mais coerente com a série histórica. A seguir, todas as empresas que responderam a pesquisa foram convidadas a participar de um encontro em que foram comunicados a mudança da amostra e os resultados obtidos e agora publicados neste documento. Participaram desse encontro 21 empresas, representadas principalmente por responsáveis pelas áreas de recursos humanos, comunicação e responsabilidade social. O evento transformou-se numa nova consulta complementar, de caráter qualitativo. O grupo de representantes comentou os dados e forneceu informações valiosas sobre a realidade das empresas algumas coincidentes com as coletadas na primeira consulta complementar. Colaboraram, assim, com o aperfeiçoamento das pesquisas realizadas pelo Ethos e com uma melhor interpretação dos resultados. Algumas de suas contribuições estão incorporadas, implícita ou explicitamente, ao longo das páginas do relatório. A mais significativa talvez seja o reconhecimento, pelas corporações, da necessidade de realizar periodicamente um censo interno. É uma valiosa ferramenta, que permite às empresas conhecer melhor seus funcionários e dirigentes, não só quanto à cor ou raça, mas também quanto a outras características. De posse dos dados fornecidos pelo censo, as empresas podem também planejar e desenvolver melhor políticas e ações de valorização da diversidade e de promoção da equidade. Enquanto isso, persiste alguma incerteza quanto à exatidão das taxas de participação dos negros nos quadros das maiores e mais importantes empresas do país. Uma vez que a informação sobre raça ou cor foi fornecida apenas no momento da contratação, é possível dependendo do tempo de casa do funcionário que ela tenha sido obtida num contexto diferente do atual, em que algumas características desse grupo eram menos valorizadas. O mesmo ocorre em relação à escolaridade. Embora as empresas ouvidas solicitem a seus funcionários que informem sua evolução nesse aspecto, isso não tem ocorrido como prática geral. Para auxiliar as empresas a fazer o seu censo interno, o Instituto Ethos publicou em 2008 o manual Diversidade e Equidade: Metodologia para Censo nas Empresas. Seu conteúdo está disponível em 48

51 Realização Parceria Patrocínio Apoio Institucional

PERFIL SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO DAS 500 MAIORES EMPRESAS DO BRASIL E SUAS AÇÕES AFIRMATIVAS

PERFIL SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO DAS 500 MAIORES EMPRESAS DO BRASIL E SUAS AÇÕES AFIRMATIVAS Benjamin S. Gonçalves, do Instituto Ethos, e Helio Gastaldi, do Ibope Inteligência PERFIL SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO DAS 500 MAIORES EMPRESAS DO BRASIL E SUAS AÇÕES AFIRMATIVAS Impressões sobre os principais

Leia mais

Agradecemos a cooperação de Hélio Santos, Rachel Moreno, Reinaldo Bulgarelli e Rede Saci/USP na avaliação dos dados da pesquisa.

Agradecemos a cooperação de Hélio Santos, Rachel Moreno, Reinaldo Bulgarelli e Rede Saci/USP na avaliação dos dados da pesquisa. Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas é uma publicação do Instituto Ethos, distribuída gratuitamente a seus associados. Realização Instituto Ethos

Leia mais

Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas - 2010

Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas - 2010 Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas - 1 2 Objetivos & Metodologia Objetivo Levantar o perfil social, racial e sexo do quadro de funcionários das

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA COMO TRANSFORMAR OBRIGAÇÃO LEGAL EM VANTAGEM COMPETITIVA 2º FÓRUM SOU CAPAZ Araçatuba 28/08/13 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Contextualização da

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Fernando Haddad Prefeito Antonio da Silva Pinto Secretário da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial Maurício

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

PROGRAMA FEBRABAN DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

PROGRAMA FEBRABAN DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE PROGRAMA FEBRABAN DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE 2 Programa FEBRABAN de Valorização da Diversidade C M Y CM MY CY CMY K CartazPeq-Amarelo.pdf 18/1/2008 15:55:42 C M Y CM MY CY CMY K CartazPeq-Azul.pdf 18/1/2008

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013.

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013. PNAD 2013: Uma análise para o Estado de A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, realizada anualmente pelo Instituto eiro de Geografia e Estatística (IBGE), é dividida em duas partes,

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

Lei da Aprendizagem 10.097/2000. Visite nosso site: www.cepro.org.br

Lei da Aprendizagem 10.097/2000. Visite nosso site: www.cepro.org.br Lei da Aprendizagem 10.097/2000 Visite nosso site: www.cepro.org.br HISTÓRICO DO CENTRO PROFISSIONALIZANTE RIO BRANCO 1946 1997 Lar Escola Rotary (LER)- uma escola rural Mudança do nome para Centro de

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE 2009 Brasília DF 2010 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PROCESSO DE COLETA

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PERFIL SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO DAS MAIORES EMPRESAS DO BRASIL E SUAS AÇÕES AFIRMATIVAS

PERFIL SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO DAS MAIORES EMPRESAS DO BRASIL E SUAS AÇÕES AFIRMATIVAS PERFIL SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO DAS 500 MAIORES EMPRESAS DO BRASIL E SUAS AÇÕES AFIRMATIVAS PERFIL SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO DAS 500 MAIORES EMPRESAS DO BRASIL E SUAS AÇÕES AFIRMATIVAS é uma publicação

Leia mais

Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião

Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião Sumário Executivo Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião dos Brasileiros Vox Populi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Manual de Orientação do Selo da Diversidade

Manual de Orientação do Selo da Diversidade Manual de Orientação do Selo da Diversidade SELO DA DIVERSIDADE ETNICO-RACIAL DA CIDADE DE SALVADOR É uma política pública criada pela Prefeitura de Salvador, através da Secretaria Municipal da Reparação

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA

RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA 12 RETRATOS DA SOCIEDADE B RASILEIRA: PADRÃO DE VIDA N OVEMBRO/2013 12 Retratos da Sociedade Brasileira: Padrão de Vida CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA

Leia mais

Manual da Aprendizagem

Manual da Aprendizagem Manual da Aprendizagem Preparado pelo Centro Social Betesda (CSB) INTRODUÇÃO Aprendizagem é uma ação promovida para incentivar a aplicação prática da Lei 10.097, que regulariza o trabalho de adolescentes

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas dos indicadores selecionados pelo Ministério da Educação

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

O ALFABETISMO JUVENIL: INSERÇÃO EDUCACIONAL, CULTURAL E PROFISSIONAL

O ALFABETISMO JUVENIL: INSERÇÃO EDUCACIONAL, CULTURAL E PROFISSIONAL Inaf Indicador de Alfabetismo Funcional Edição Especial Jovens Metropolitanos O ALFABETISMO JUVENIL: INSERÇÃO EDUCACIONAL, CULTURAL E PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Em mais uma iniciativa do Instituto Paulo

Leia mais

APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES

APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES Aprendizagem Cria oportunidades tanto para o aprendiz quanto para a empresa, pois prepara o jovem

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual II CONCURSO NEGRO E EDUCAÇÃO Projeto - RAÇA E EDUCAÇÃO: OS EXCLUÍDOS DO ENSINO SUPERIOR Autora Delcele Mascarenhas Queiroz Orientador - Prof. Dr. Jocélio T. dos Santos A pesquisa examina as desigualdades

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 BOLETIM DIEESE DIEESE EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 Há 306 anos morria Zumbi dos Palmares, o maior líder da resistência anti-escravista nas Américas. A sua luta contra a discriminação racial permanece

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Retratos da Sociedade Brasileira: A indústria brasileira na visão da população

Retratos da Sociedade Brasileira: A indústria brasileira na visão da população 18 Retratos da Sociedade Brasileira: A indústria brasileira na visão da população CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA José Augusto

Leia mais

Estudo ABERJE 2012 Comunicação Interna. Comunicação Interna

Estudo ABERJE 2012 Comunicação Interna. Comunicação Interna Estudo ABERJE 2012 JULHO DE 2012 20 2012 ABERJE Pesquisa 2012 Associação Brasileira de Comunicação Empresarial Concepção e planejamento: Prof. Dr. Paulo Nassar Coordenação: Carlos A. Ramello Desenvolvimento:

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 24 setembro de 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos No Brasil, as profundas transformações pelas quais

Leia mais

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Juliana Petroceli - Assessora Técnica Departamento de Proteção Social Especial Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Página 1 de 5 O ART. 429, CLT E A COTA APRENDIZ Márcio Archanjo Ferreira Duarte 1. INTRODUÇÃO A figura da aprendizagem adveio originalmente do Decreto nº. 13.064, de 12 de junho de 1918, que aprovava naquela

Leia mais