REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DE UMA INCORPORADORA IMOBILIÁRIA: UMA METODOLOGIA VIVENCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DE UMA INCORPORADORA IMOBILIÁRIA: UMA METODOLOGIA VIVENCIAL"

Transcrição

1 REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DE UMA INCORPORADORA IMOBILIÁRIA: UMA METODOLOGIA VIVENCIAL Artur Medeiros de Araujo Nunes (UFRN) Mariana Medeiros de Araujo Nunes (UFRN) Objetivou-se apresentar os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma incorporadora imobiliária, acerca do processo de reconstrução de identidades em momentos de mudança organizacional. Utilizaram-se dados coletados através de três etapas: identificação da demanda, realização do diagnóstico organizacional e redefinição da estrutura organizacional da incorporadora imobiliária. Os dados foram obtidos por meio de reuniões com a alta administração e direção comercial, como também a utilização de entrevistas com dezessete colaboradores da empresa, com a finalidade de traçar seus perfis, mapear suas funções e demais questões sobre o contexto organizacional. Foi realizado o diagnóstico organizacional o qual contou com a análise documental, aplicação de ferramentas de modelagem organizacional, entrevistas (coleta de dados) e observação direta; aplicados pelo pesquisador em alinhamento com o dono da empresa. A partir dessas etapas, apresentou-se à administração o organograma atual da empresa e foi proposto um novo organograma baseado nas informações obtidas nas reuniões e entrevistas com funcionários. Atrelado ao novo organograma, foi também construída a descrição de cada um dos cargos, incluindo as atribuições dos líderes. Palavras-chave: Estrutura organizacional, reestruturação organizacional, incorporadora imobiliária

2 1. Introdução Uma abordagem para compreender como e porque as mudanças organizacionais ocorrem é aquela que entende a mudança como um processo contínuo, emergente nas interações entre as pessoas (WEICK; QUINN, 1999). As estruturas organizacionais das empresas são estruturas dinâmicas, as quais sofrem modificações no decorrer dos anos, sendo obrigadas a se adaptarem as novas realidades de cada época. O presente artigo tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa de campo realizada em uma incorporadora imobiliária, acerca do processo de reconstrução de identidades em momentos de mudança organizacional. O artigo está estruturado em cinco seções, além desta introdução caractetizando-se a primeira. Na segunda seção argumenta-se sobre o referencial teórico abordando a discussão a cerca da estrutura organizacional, redesenho organizacional, organograma e descrição de cargos. A terceira seção explicita o objeto e a metodologia da pesquisa de campo realizada, enquanto a quarta apresenta os resultados da investigação. Na quinta seção são apresentadas conclusões a que o estudo permitiu chegar. 2. Referencial Teórico 2.1 Estrutura Organizacional As estruturas organizacionais das empresas são estruturas dinâmicas, as quais sofrem modificações no decorrer dos anos, sendo obrigadas a se adaptarem as novas realidades de cada época. Segundo Hall (2004), a estrutura organizacional está dividida em duas vertentes: a divisão do trabalho e a hierarquia, entendidas como a distribuição das tarefas entre os colaboradores e a distribuição desses colaboradores em posições, respectivamente. O autor ainda considera que as estruturas organizacionais atendem três funções básicas: a) produzir produtos organizacionais e atingir metas; b) minimizar as variações sobre as organizações; c) promover a instância onde o poder é exercido, com decisões tomadas e atividades executadas. Além disso, a estrutura de uma organização também pode ser considerada como a disposição e relacionamento entre os componentes da empresa e seus cargos (STONER, 1985). De 2

3 acordo com o autor, a estrutura organizacional é responsável por três fatores que se assemelham a perspectiva de Hall: 3

4 a) Especificar a divisão das atividades, apresentando como estão interligadas; b) Mostrar o nível de especialidade do trabalho; c) Apresentar a disposição hierárquica e da autoridade, enfatizando as relações de subordinação; Contudo, diante da realidade dinâmica do mercado, as organizações são obrigadas a realizarem reestruturações periódicas, baseadas no processo planejado de reconfiguração da organização, de seus processos, estruturas, sistemas de recompensa, práticas e políticas, com o objetivo principal de criar e manter uma organização eficiente, capaz de realizar sua estratégia coorporativa (GALBRAITH, DOWNEY & KATES, 2011) Reestruturação Organizacional O mercado em constante transformação obriga as organizações a se reestruturarem frequentemente. Essa reestruturação é comumente conceituada como sendo qualquer alteração significativa de estado, visando atingir os componentes de cunho comportamental, estrutural, tecnológico (equipamentos e conhecimento) e estratégico (WOOD, 1995; SHIBA et al., 1997; ARAÚJO, 2010; ROBBINS et al., 2011). Para isso, é preciso ressaltar cinco elementos que devem ser apresentados, baseados em Seiffert apud Stoner (1985), na composição de uma reestruturação organizacional: 1) Tarefas especificadas, as quais se referem à especificação de atividades singulares ou de grupos em toda a organização divisão do trabalho e ao conjunto destas tarefas em células de trabalho departamentalização; 2) Tarefa padronizadas, para que os procedimentos a serem realizados sejam definidos, garantindo a previsibilidade das tarefas; 3) Atividades coordenadas, a partir dos procedimentos realizados, integrando funções da organização; 4) Decisões centralizadas e descentralizadas, de acordo com a localização do poder decisório; 5) Tamanho da unidade de trabalho, relativo a quantidade de colaboradores que compõem as células de trabalho. 4

5 É fundamental que as organizações apresentem processos de reestruturação organizacional periodicamente, pois é através deles que se é possível definir claramente qual a função de cada funcionário. Ou seja, a reestruturação nada mais é que um tipo de mudança na estrutura organizacional, a qual promove adequações direcionadas à melhoria nos fluxos dos processos, no desempenho operacional e na relação dos processos com o trabalho. Para que se concretize uma reestruturação organizacional é necessário praticar cinco etapas vitais (SEIFFERT & COSTA, 2007): 1) Diagnosticar as características atuais da empresa, incluindo suas deficiências; 2) Planejar uma nova estrutura à organização, decidindo quem serão os agentes envolvidos e como serão distribuídos em hierarquia; 3) Implantar o que o foi planejado, padronizando, neutralizando pontos deficientes, estabelecendo indicadores de processo, comunicando a nova estrutura para todos os colaboradores e realizando treinamento de capacitação na nova condição de trabalho; 4) Avaliar periodicamente para verificar se o projeto implantado está sendo executado com o planejado; 5) Reajustar os problemas identificados, de modo que exista sempre a melhoria contínua. Contudo, é válido ressaltar que a integração dos colaboradores também é de extrema importância nos processos de mudança, principalmente os referentes à reestruturação organizacional (CARREIRA, 2009). Esse fato se deve a constante ocorrência de modificações no modo como os funcionários estão habituados a executar seus processos laborais, gerando dessa maneira, alterações nas ligações hierárquicas Organograma O organograma consiste na estrutura formalizada da empresa. A partir dele é possível visualizar a posição e a relação existente entre as unidades que forma a estrutura da organização. 5

6 Com base em Rocha (1985), é possível encontrar nas bibliografias inúmeros modelos de organogramas, como por exemplo o organograma em barras, radial, lambda, funcional, matricial, por cargos e etc. Contudo, é o organograma clássico que apresenta maior facilidade de construção a par da grande flexibilidade em termos de mudanças estruturais, sem causas grandes alterações no restante do diagrama. De acordo com Cury (1990, p. 171), o organograma é responsável por apresentar os seguintes tópicos: Os órgãos que compõem a empresa; As funções desenvolvidas pelos órgãos; Os níveis administrativos que compõe a organização; As vinculações e/ou relações de interdependência entre os órgãos; A via hierárquica; É válido destacar que a reestruturação é suportada por uma série de ferramentas desenvolvidas pelo autor, com o objetivo de repassar claramente ao colaborador quais os seus objetivos processuais e suas interfaces relevantes com os processos críticos mapeados (SEIFFERT, 1998). Por fim, é verificado que os temas apresentados proporcionaram uma visão global do meio o qual o objeto de estudo está inserido, além de contextualizar os compostos abordados Estrutura e reestruturação organizacional e organograma. Estes contribuíram com o embasamento teórico necessário para desenvolver uma proposta de melhoria diante a problemática em questão. Mais especificadamente, contribuiu para atingir um dos objetivos específicos da presente pesquisa, dentre eles: a apresentação dos resultados da pesquisa de campo realizada em uma incorporadora imobiliária presente no estado do Rio Grande do Norte. Na seção a seguir será discutida a metodologia proposta para a realização do trabalho. 3 Método de Pesquisa Nessa sessão serão abordados os detalhes sobre os procedimentos utilizados para a realização da pesquisa. Dividiremos então esse tópico em três sub-sessões. 6

7 3.1. Tipo de pesquisa Para a realização desta pesquisa, foi utilizada uma abordagem qualitativa e quantitativa. Quanto a natureza, este estudo trata-se de uma pesquisa aplicada, pois tem como objetivo desenvolver e aplicar uma metodologia para auxiliar no processo de redesenho dos processos de negócio de uma empresa, para, por fim, medir o impacto do resultado deste estudo na organização. Quanto aos objetivos, é classificado como uma pesquisa exploratória, uma vez que visa avaliar a situação atual da estrutura dos processos de negócios na organização e identificar pontos de melhoria a serem aplicados. Por fim, o estudo é classificado quanto aos procedimentos como uma pesquisa-ação, pois por meio das informações e da situação atual da empresa em relação a sua estrutura de processos de negócios, foram estudados modelos e teorias em paralelo a realidade da empresa, e aplicadas estas novas práticas voltadas para um melhor resultado. 3.2 Etapas da pesquisa A pesquisa foi realizada e esquematizada em três etapas de atividade conforme a figura a seguir. Em seguida, detalharemos sobre as ações específicas de cada etapa. Figura 1 Etapas da pesquisa Etapa 1 Identificação da demanda A etapa 1 consistiu na identificação da demanda por parte da diretoria da empresa visando à estruturação organizacional com a criação de um organograma o qual descrevesse a realidade da empresa, como também o redesenho dos processos de negócios no que tange os setores de vendas e pós venda. Ainda nesta etapa, foram realizadas reuniões com um dos donos da empresa e o diretor comercial responsável pelo antigo setor de vendas a fim de entender a problemática em questão, definindo-se os objetivos gerais e específicos do projeto. Nesta primeira etapa, foram realizadas duas reuniões para melhor consolidação da problemática no período de julho de Etapa 2 Diagnóstico Organizacional 7

8 A etapa 2 consistiu da realização do diagnóstico organizacional. Esta etapa é uma fase importante para facilitar o desenho da nova estrutura, principalmente, quanto a identificação das suas deficiências, possuindo como foco principal situar o pesquisador a respeito do contexto organizacional onde está inserido. Dessa forma, buscou-se compreender o contexto organizacional da área comercial do cliente por meio de análise documental, aplicação de ferramentas de modelagem organizacional, entrevistas (coleta de dados) e observação direta; aplicados pelo pesquisador em alinhamento com o dono da empresa. Inicialmente, foram realizadas entrevistas informais com 17 colaboradores envolvidos no problema da pesquisa, a fim de absorver e entender como eles enxergavam o papel deles na empresa e quais sugestões pertinentes para o melhor funcionamento das atividades. As respostas foram organizadas em grupos de trabalho com características específicas. Posteriormente, após entendimento da cultura organizacional, realizou-se uma entrevista formal com cada um dos colaboradores da área comercial, incluindo a diretoria. A entrevista foi baseada na ferramenta 5W1H, com o objetivo de construir uma lista de atividades por cada funcionário, descriminando-a no modo em como cada uma delas é operacionalizada, quais ferramentas e dados são necessárias para seu funcionamento, qual a periodicidade da sua realização, quem são os envolvidos, além do colaborador entrevistado em questão e qual a finalidade dela Etapa 3 Redefinição da Estrutura Organizacional A etapa 3 abrange o desenvolvimento da primeira parte do modelo proposto o qual se divide em redefinição da estrutura organizacional e redesenho dos processos de negócios. Inicialmente, foi apresentado o manual formalizado contendo as funções de todos os órgãos componentes da nova estrutura organizacional da área comercial da empresa, bem como o novo organograma desta área, baseado em sua realidade dinâmica e principalmente através da coleta de dados baseada no 5W1H, apresentada na etapa 2. A estrutura organizacional documentada tem por finalidade orientar à Diretoria e demais colaboradores no desenvolvimento de suas funções, visando o cumprimento, com êxito, da missão e das diretrizes estabelecidas pela Empresa. 8

9 O novo modelo organizacional foi concebido através da estruturação baseada em processos, de forma a proporcionar maior flexibilidade organizacional e capacidade de resposta aos clientes, além de significativas melhorias na comunicação e na integração entre as equipes. Após a divulgação da nova estrutura organizacional da empresa, o trabalho passou a focar na segunda parte do projeto: redesenho dos processos de negócio. O novo organograma da área comercial da empresa apresentava uma estrutura com 4 setores. Em todos eles, foram realizadas as etapas apresentadas a seguir. A figura 2 apresenta a distribuição das etapas na linha de tempo de acordo com a duração de cada uma delas. Figura 2 - Linha do tempo para as etapas desenvolvidas 4 Resultados e discussão Nessa sessão os resultados obtidos no estudo são apresentados e discutidos a partir da metodologia desenvolvida e apresentada. Eles serão descritos seguindo a estrutura da linha do tempo para as etapas desenvolvidas, iniciando a partir da etapa 2 diagnóstico organizacional. 4.1 Resultados da etapa 2 Diagnóstico organizacional Após a identificação da demanda por parte da diretoria da empresa, foi realizado o diagnóstico organizacional o qual contou com a análise documental, aplicação de ferramentas de modelagem organizacional, entrevistas (coleta de dados) e observação direta; aplicados pelo pesquisador em alinhamento com o dono da empresa. Inicialmente, com a realização de entrevistas informais envolvendo 17 colaboradores, foi compreendida a visão de cada um deles de como enxergavam o seu papel individual na empresa e quais sugestões pertinentes para o melhor funcionamento das atividades. As respostas foram organizadas inicialmente de acordo com o roteiro da entrevista e, em seguida, em grupos de trabalho com características específicas. A seguir, o quadro 1 apresentar o roteiro da entrevista de diagnóstico organizacional parte 1. 9

10 A partir das respostas coletadas com os 17 colaboradores entrevistados, foi possível conhecer seu perfil, verificar seu posicionamento na empresa em relação a setor, cargo, hierarquia e coletar sugestões pertinentes quanto ao modo de organização que a empresa deveria ter na visão deles. No entanto, após a realização das entrevistas, antes de ser divulgada a proposta final de organograma baseado na estratégia da diretoria, foi apresentado, como mostra a figura 3, o organograma que expressava a realidade organizacional da empresa naquele momento, tomando como base as informações coletadas nas entrevistas e sugestões dadas pelos colaboradores durante as fases da pesquisa. Quadro 1 Roteiro da entrevista de diagnóstico organizacional Parte 1 Entrevista de Diagnóstico Organizacional Parte 1 1. Qual o seu nome? 2. Qual o seu Cargo / Setor? 3. Quem é seu superior imediato? 4. Quem é (são) seu (s) subordinado (s)? 5. O que você faz hoje? 6. Do que você faz hoje, o que em sua opinião não deveria fazer? E quem deveria fazer? 7. O que na sua opinião você deveria fazer e não faz? Quais são os motivos? 8. Você tem alguma sugestão que possa melhorar alguma atividade? 10

11 Figura 3 - Organograma na visão dos colaboradores Na visão dos colaboradores, a empresa era dirigida pelo proprietário Sócio-Diretor e por um funcionário submisso a ele, o diretor comercial. A empresa contava com 3 setores: Publicidade & Marketing, Crédito e Comercial. Os dois primeiros apresentavam nível hierárquico abaixo da Diretoria Comercial, mas era dirigido pelo Sócio-Diretor. Já o setor comercial era coordenado pelo Diretor Comercial e consistia no maior setor da empresa, dividindo-se em 6 equipes: Recepção, Administrativo de Vendas, Motorista, Atendimento Vendas, Prospecção e Pós Venda. Esta última equipe apresentava duas subdivisões, a equipe de responsável pelos distratos e a equipe responsável pela resolução das dívidas dos clientes no SPC/SERASA. Após a construção e documentação do organograma na visão dos colaboradores, foi realizada a segunda entrevista informal, envolvendo os mesmos 17 colaboradores entrevistados anteriormente, dessa vez com o objetivo de identificar a lista dos processos realizados por cada colaborador e realizar o mapeamento respectivo de cada um dos processos listados. A seguir, o quadro 2 apresentar o roteiro da entrevista de diagnóstico organizacional parte 2. 11

12 Após a realização das entrevistas de diagnóstico organizacional com o objetivo de coletar os processos realizados por cada colaborador e, em seguida, mapeá-los, foram construídas as planilhas de Lista de Processo e Detalhamento do Processo. A seguir é apresentada por meio das figuras 3 e 4 a estrutura das planilha utilizadas para coleta e análise dessas informações. Essas informações coletadas serão utilizadas nas próximas etapas de redefinição da estrutura organizacional e redesenho de processos de negócios. Quadro 2 - Roteiro da entrevista de diagnóstico organizacional Parte 2 Entrevista de Diagnóstico Organizacional Parte 2 1. Qual o seu nome? 2. Qual o seu Cargo / Setor? 3. Quais processos você realiza na empresa? 3A) 3B) 3C) 4. Quem são os responsáveis e envolvidos em cada um dos processos citados? 4A) 4B) 4C) 5. Quais são as ferramentas utilizadas em cada um dos processos citados? 5A) 5B) 5C) 6. Com que periodicidade se realizada cada um dos processos citados? 6A) 6B) 6C) 7. Qual a finalidade de cada um dos processos citados? 7A) 7B) 7C) 12

13 Figura 3 Exemplo de planilha para coleta de dados para mapeamento dos processos e responsáveis Lista de Processos Nome do colaborador entrevistado: Setor/Cargo: # Título do Processo 1 2 Responsáveis / Envolvidos Ferramentas utilizadas Periodicidade Finalidade Figura 4 Exemplo de planilha para coleta de dados referente ao detalhamento dos processos Detalhamento dos Processos # Descrição 1 Responsáveis / Envolvidos Ferramentas utilizadas Periodicidade Finalidade 5.2 Resultados da etapa 3 Redefinição da estrutura organizacional Após a apresentação do organograma construído a partir da visão dos colaboradores, foi verificada a necessidade de ajustes diante das sugestões coletadas nas entrevistas e da estratégia que a diretoria queria implantar. Quanto às sugestões coletadas nas entrevistas realizadas com os colaboradores, foram levantados alguns pontos importantes para reestruturação organizacional, entre eles: Falta de padronização nos processos, Indefinição das prioridades, Abismo entre os cargos, Falta de foco nas atividades de ligação, Falta de acompanhamento da documentação dos clientes antes de serem enviadas ao setor de Crédito, Pós-venda deficiente e Desequilíbrio de funções entre os setores/equipes. Quanto ao posicionamento da diretoria, ela almejava com a reestruturação, minimizar alguns problemas presentes na visão dela, como: Diretoria com funcionalidade operacional e pouco estratégica, preocupação com problemas micros, falta de acompanhamento dos indicadores, pois a mesma era responsável pelo levantamento e não tinha tempo para isso. Desse modo, foi construída a proposta de organograma com a preocupação em atender os pontos abordados, apresentado na figura 5 a seguir. 13

14 Figura 5 - Organograma reestruturado Em relação a alta-administração, a Diretoria Comercial se mantém subordinada ao Sócio- Diretor, mas o alcance de sua direção abrange agora todos os colaboradores. O Diretor Comercial passa a ser o responsável por intermediar o que é demandado pelo Sócio-Diretor aos colaboradores e os resultados obtidos dos colaborados para o Sócio-Diretor, favorecendo assim, o foco do proprietário da empresa em ações mais no nível estratégico e menos no nível operacional. Os setores foram reorganizados e renomeados, chamando-os agora de células. Assim como Geib (1991) afirmou, pode-se definir trabalho em células como uma tecnologia de organização de um sistema de produção. Quanto aos aspectos comportamentais e psicológicos envolvidos, procura-se fortalecer o espírito de grupo e a motivação ao trabalho dos operadores, criando uma forte sinergia, resultando daí um propício ambiente de trabalho. Além disso, as células não são unidades totalmente fechadas, podendo haver o trânsito de colaboradores entre elas, de acordo com a necessidade exigida pela carga de trabalho e as diretrizes da Diretoria. Compondo as células, foi criada a liderança de cada uma delas, favorecendo a ideia do plano de carreira, reduzindo o abismo entre os cargos e apoiando o Diretor Comercial na coordenação geral das células. Dessa forma, assim como o Sócio-Diretor ganhou autonomia 14

15 estratégia, o Diretor Comercial passa a ganhar autonomia gerencial, reduzindo também suas ações operacionais. Além dos líderes, algumas células foram divididas em equipes, principalmente pela relevância de que algumas atividades demonstraram, necessitando de uma especialização. Dessa forma, com a criação das equipes de Agendamento, foi possível focar nas atividades de ligação e agendamento de clientes. Quanto a criação da Equipe de Administrativo de Vendas, foi possível combater a falta de acompanhamento da documentação dos clientes antes de serem enviadas a equipe de crédito, visto que a célula passou a ser uma célula de interface entre a célula de vendas e célula de pós venda. Por fim, foi estruturada uma célula direcionada exclusivamente ao Pós Venda, o qual se mostrava uma etapa deficiente na empresa. Desse modo, manteve-se a ideia da célula de Vendas, retirando apenas a equipe de prospecção, mas mantendo uma equipe responsável pelos agendamentos e outra responsável pelos atendimentos, abrangendo as resoluções de SPC/SERASA e distratos. Desse modo, a estrutura organizacional ficou composta por um sócio-diretor, um diretor comercial, quatro células, sendo elas de: Venda, Administrativo de Vendas, Pós Venda e Crédito. A célula de Vendas apresenta três equipes Prospecção de clientes, Agendamento de clientes e Atendimento de clientes -, já a célula de ADM Vendas apresenta uma equipe, mas a mesma é composta pela recepção e pelo motorista. A célula de Pós Venda apresenta duas equipes, uma de agendamento e outra de atendimento e, por fim, a célula de análise de crédito, responsável principalmente pela conquista e organização da carta de crédito do cliente. Atrelado ao novo organograma, foi também construída a descrição de cada um dos cargos, incluindo as atribuições dos líderes. Ele foi desenvolvido com base principalmente no que foi respondido nas questões 5, 6 e 7 da Entrevista de Diagnóstico Organizacional e aprimorado de acordo com as estratégias da Diretoria, com o redesenho do organograma. 15

16 5 Conclusão Hoje, o principal fator motivador pela busca por melhorias por parte das organizações é proveniente da competitividade do mercado. As empresas além de almejarem o crescimento dos seus lucros e redução dos seus custos, buscam a satisfação contínua de seus clientes, através do desenvolvimento de modelos e técnicas organizacionais. Neste cenário, as decisões voltadas para a reestruturação de cargos e a padronização dos processos de negócios são considerados impactantes para obtenção de resultados positivos ou negativos nas empresas. Desta forma, é evidente a necessidade de se estruturar organizacionalmente, definindo-se organograma e processos padronizados, que busquem resultados satisfatórios quanto à maximização da lucratividade da empresa. Com esse objetivo, a metodologia de reestruturação organizacional e de processos de negócios, desenvolvida pelo pesquisador com base no estudo do referencial teórico, apresenta-se como uma alternativa prática, com baixo custo de estruturação, aplicável em empresas de pequeno e médio porte, com quadro técnico de funcionários limitados e alta administração sem tempo para coordenar o projeto, respondendo assim a problemática da pesquisa. Considerando o exposto em todo o trabalho, é notável a comprovação de que seu objetivo geral foi atingido, no tocante ao desenvolvimento e validação de uma metodologia aplicada a reestruturação de processos de negócios em uma incorporadora-imobiliária que apresenta recursos financeiros e quadro de funcionários limitados, já que a partir do capítulo 3 - Metodologia, foi possível apresentar como se estruturou a metodologia aplicada, por meio de cinco etapas chaves, as quais permitiram a identificação, o estudo, a implantação e o controle da padronização de processos de negócios baseados em uma estrutura organizacional redesenhada. 16

17 Referências bibliográficas CARREIRA, D. Organização, sistemas e métodos: ferramentas para racionalizar as rotinas de trabalho e a estrutura organizacional da empresa. 2 ed. São Paulo: Saraiva, CURY, Antônio. Organização e métodos: perspectiva comportamental & abordagem contingencial. São Paulo: Atlas, 5 ed., GALBRAITH, Jay R.; DOWNEY, Diane; KATES, Amy. Projeto de organizações dinâmicas: um guia prático para líderes de todos os níveis. Porto Alegre: Bookman, GEIB, Fernando Oscar. Princípios Básicos da Tecnologia do Grupo. Revista Tecnicouro, Volume 13, Mar/Abr, HALL, Richard. Organizações, estrutura e processo. 8. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, ROCHA, Luís Osvaldo Leal da. Organização e métodos: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 4 ed., SHIBA, S; GRAHAM, A.; WALDEN, D. TQM: quatro revoluções na gestão da qualidade. Porto Alegre: Artes Médicas, SEIFFERT, P. Q.; COSTA, J. A. Estruturação organizacional: planejando e implantando uma nova estrutura. São Paulo: Atlas, STONER, James. Administração. 2. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, WEICK, K. E.; QUINN, R. E. Organizational change and development. Annual Reviews Psychology, v. 50, p , WOOD, T. Mudança Organizacional. São Paulo: Atlas,

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD 1 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD São Luís MA Maio/2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: D / Meso: H / Micro: M Natureza:

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO.

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. 1 Maria Aparecida Da Silva Buss 2, Pedro Luís Büttenbender

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS Disciplina TURMA 2015/2 Segunda e Quarta - Unidade BUENO COORDENADOR: Profa. Camen Rizzotto da Trindade CH

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA Braulio Oliveira dos Santos Fo Adriana Guimarães de Oliveira Leuzenir Barth de Oliveira Resumo: Este artigo retrata a maneira pela qual foi desenvolvido

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde.

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde. GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS NO MINISTÉRIO DA SAÚDE O projeto Gestão por Competências teve início no Ministério da Saúde (MS) em setembro de 2009. Esse modelo de Gestão de Pessoas foi implantado

Leia mais

Customer Service e Atendimento ao Cliente

Customer Service e Atendimento ao Cliente Customer Service e Atendimento ao Cliente Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing SMGShare Marketing Group É muito importante manter um sistema de atendimento às reclamações

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO)

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESEMVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS TURMA 15/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) COORDENADOR: Prof. Carmen Rizzotto Disciplina CH EMENTA Data Professor

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

Como pode ser dividido

Como pode ser dividido Planejamento Como pode ser dividido O planejamento estratégico prever o futuro da empresa, em relação ao longo prazo. De uma forma genérica, consiste em saber o que deve ser executado e de que maneira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Agenda O Sebrae/RJ Contexto Inicial Iniciativas de Gestão por Processos Iniciativa Interna Projeto Gestão

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos.

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos. IDENTIFICAÇÃO Nome do Curso: Administração de Empresas. Disciplina: Organização, Sistemas e Métodos. Número da Disciplina: 4520. Carga Horária Semanal: 2 h/a. Carga Horária Semestral: 40 h/a. Período Letivo:

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA META Apresentar e descrever a construção de um projeto de pesquisa e seus elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais; OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR GESTÃO POR COMPETÊNCIAS http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR COMPETÊNCIA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS Competências individuais Competências organizacionais 1 Competências

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR Departamentalização e os Principais Tipos Antonia Angélica Muniz dos Santos 7 Daniele Santos Lima e Silva 7 Edna Almeida Guimarães 7 RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar a departamentalização e

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

5 Estudo de caso 1. visão e um diagnóstico 2. nível de prática das capabilidades 3. nível de gestão de interfaces 4. oportunidades de melhorias

5 Estudo de caso 1. visão e um diagnóstico 2. nível de prática das capabilidades 3. nível de gestão de interfaces 4. oportunidades de melhorias 91 5 Estudo de caso Este capítulo objetiva a contextualizadção da metodologia demonstrada no capítulo 4 através de sua aplicação na área de Compras de uma empresa real. Ressalta-se que o nome da empresa

Leia mais

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NO GRUPO JMT 1

O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NO GRUPO JMT 1 O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NO GRUPO JMT 1 CATTELAN, Verônica Dalmolin 2 ; NORO, Greice de Bem 3; MAGALHÃES, Aline Cristina de Menezes 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Bacharel em Admninistração

Leia mais

Tenha um plano de cargos e salários consistente

Tenha um plano de cargos e salários consistente ESTRUTURAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Tenha um plano de cargos e salários consistente Cícero C Nunes c²n c2n@posicional.com Consultoria Técnica em Remuneração POSICIONAL.COM Consultoria Empresarial Ltda. Araraquara/SP

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2014.1. Organização, Sistemas e Métodos (OSM) ADM 028.

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2014.1. Organização, Sistemas e Métodos (OSM) ADM 028. Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR Título do Projeto: : Reengenharia de processos Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: 1349 - FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO.

O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO. O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO. RESUMO Muitas empresas de pequeno e médio porte deixam de elaborar o planejamento estratégico por desconhecer

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

RESENHA. COSTA, Eliezer Arantes. Gestão Estratégica: construindo o futuro de sua empresa - Fácil. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

RESENHA. COSTA, Eliezer Arantes. Gestão Estratégica: construindo o futuro de sua empresa - Fácil. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. FOCO: Revista de Administração da Faculdade Novo Milênio. RESENHA COSTA, Eliezer Arantes. Gestão Estratégica: construindo o futuro de sua empresa - Fácil. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. Valéria Santiago

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE Narjara Bárbara Xavier Silva 1 Patrícia Morais da Silva 2 RESUMO Este artigo é resultado parcial do Projeto de Extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia MARKETING DE RELACIONAMENTO UTILIZADO COMO FERRAMENTA PARA APRIMORAR A RELAÇÃO ENTRE O PÚBLICO INTERNO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA EMPRESA DALCAR NA CIDADE DE BACABAL MA MOURA, Íthalo Bruno Grigório de

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

G E S T Ã O POR P R O Ç E S S O S MÉTODOS PROCESSOS. Organização, Sistemas, Métodos & Processos ORGANIZAÇÃ0 SISTEMAS

G E S T Ã O POR P R O Ç E S S O S MÉTODOS PROCESSOS. Organização, Sistemas, Métodos & Processos ORGANIZAÇÃ0 SISTEMAS G E S T Ã O POR P R O Ç E S S O S Organização, Sistemas, Métodos & Processos ORGANIZAÇÃ0 SISTEMAS MÉTODOS & PROCESSOS Disposição de recursos materiais, humanos e tecnológicos da empresa, de maneira harmônica,

Leia mais

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação Resenha Crítica: Qual a relação entre competitividade, gestão do conhecimento e tecnologia da informação? Paulo Fernando da Silva Para discutirmos a relação

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Renato Paraquett Fernandes Mestrando do Programa de Pós-Graduação e Engenharia Civil/Produção da Universidade

Leia mais

Mayalú Tameirão de Azevedo

Mayalú Tameirão de Azevedo Mayalú Tameirão de Azevedo A avaliação dos controles internos no âmbito das Auditorias de Natureza Operacional, realizadas pelo Tribunal de Contas da União, destacando a abordagem dos componentes do COSO

Leia mais

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Resumo Manter um ambiente de trabalho adequado à realização

Leia mais

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista [X ] PÔSTER A GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÕES NÃO- GOVERNAMENTAIS (ONG): UM ESTUDO DE CASO EM ONGS AMBIENTAIS FINANCIADAS PELA AGÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL - USAID

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Coordenação Geral Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO Os Estágios Supervisionados constam de atividades de prática pré-profissional, exercidas em situações reais de trabalho, sem vínculo empregatício,

Leia mais

MAPEAMENTO DE PROCESSOS COMO FATOR DE MELHORIA DA QUALIDADE EM ORGANIZAÇÕES: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE RORAIMA

MAPEAMENTO DE PROCESSOS COMO FATOR DE MELHORIA DA QUALIDADE EM ORGANIZAÇÕES: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE RORAIMA MAPEAMENTO DE PROCESSOS COMO FATOR DE MELHORIA DA QUALIDADE EM ORGANIZAÇÕES: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE RORAIMA RAIANE DAMASIO DE ASSIS bel.belmira@gmail.com ESTÁCIO ATUAL KILDO

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas Aplicabilidade do Planejamento Estratégico na Coopercicli - Cooperativa de

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos).

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos). RELATÓRIO EXECUTIVO Este relatório executivo mostra resumidamente a pesquisa realizada pelo mestrando JOSÉ BEZERRA MAGALHÃES NETO, com forma de atender à exigência acadêmica como requisito complementar

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

Tribunais Exercícios Noções de Administração Teorias Administrativa Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Noções de Administração Teorias Administrativa Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Noções de Administração Teorias Administrativa Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. AULA DE EXERCÍCIOS: Teorias Administrativas

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Vitória Junho de 2003 ELEMENTOS NORTEADORES O Projeto Pedagógico de Curso explicita os fundamentos teóricometodológicos, os

Leia mais