Desafios da pós-graduação e da pesquisa sobre formação de professores*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios da pós-graduação e da pesquisa sobre formação de professores*"

Transcrição

1 Desfios d pós-grdução e d pesquis sobre formção de professores* Mrli André** Resumo O texto present inicilmente um qudro gerl d pós-grdução no pís, destcndo três tems pr debte n áre de educção: reestruturção dos modelos formtivos, uso dos grupos de pesquis como espços de formção e fortlecimento dos intercâmbios inter-institucionis. Argument, em seguid, que com implntção dos cursos de pós-grdução n décd de 70 form crids s condições pr institucionlizção d pesquis em educção. Discute, n seqüênci, com bse em estudos integrtivos, questões referentes à qulidde d pesquis n áre de formção de professores, como frgmentção ds temátics, o modismo nos referenciis e frgilidde teóricometodológic. Conclui que prte dos problems pontdos ns pesquiss decorre ds condições de produção do conhecimento no Brsil, que se deteriorrm nos últimos nos. Sugere que o repensr d pós-grdução e lut por melhores condições de produção do conhecimento sej um tref coletiv. Plvrs-chve: pós-grdução; pesquis sobre formção de professores; condições de produção do conhecimento. * Um versão do texto foi presentd n sessão de encerrmento d 28ª Reunião Anul d ANPEd, ** É doutor e pós-doutor em Educção pel University of Illinois, USA, é professor do Progrm de Estudos Pós-Grdudos em Educção: Psicologi d Educção d PUC SP. Publicou com Meng Ludke, Abordgens Qulittivs de Pesquis em Educção, pel EPU, Etnogrfi d Prátic Escolr, pel editor Ppirus e Estudo de Cso em Pesquis e Avlição Educcionl, pel Liberlivros. Desenvolve tulmente pesquis sobre o trblho docente do professor formdor. E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

2 Chllenges in grdute eduction nd in techer eduction reserch Abstrct First, the pper shows picture of grdute eduction nd points out three topics for further discussion: review of grdute courses curriculum, turning reserch groups into eductive spces, nd strengthening joint reserch cross universities nd groups. Next, the pper shows tht the growth of grdute courses in the seventies brought out the conditions for reserch to be institutionlized. Moreover, bsed on integrtive reserch results, the pper indictes some drwbcks in techer eduction reserch such s: frgmenttion of topics nd frgility of the studies frmework. Finlly, it reltes gret prt of these drwbcks to bd conditions for knowledge production in Brzil. It suggests tht rethinking grdute courses curriculum nd fighting for better knowledge production conditions is collective tsk. Keywords: grdute eduction; techer eductionl reserch; knowledge production conditions. Desfíos del pos grdo y de investigción sobre formción de profesores Resumen El texto present inicilmente un cudro generl del pos grdo en el pís, destcndo tres tems pr debte en el áre de educción: reestructurción de los modelos formtivos, uso de los grupos de pesquis como espcios de formción y fortlecimiento de los intercmbios interinstitucionles. Argument, enseguid, que con l implntción de los cursos de pos grdo en l décd de 70 fueron creds ls condiciones pr l institucionlizción de l pesquis en educción. Discute, enseguid, con bse en estudios de integrción, cuestiones referentes clidd de pesquis y el áre de formción de profesores, como l frgmentción de ls temátics, el modismo en los referenciles y l frgilidd teórico-metodológic. Concluye que, prte de los problems destcdos en ls pesquiss provienen de ls condiciones de producción del conocimiento en Brsil, que se deteriorron en los últimos ños. Sugiere que el repensr del 44 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

3 pos grdo y l luch por condiciones mejores de producción del conocimiento se un tre colectiv. Plbrs-clve: pos grdo; investigción sobre formción de profesores; condiciones de producción del conocimiento. Introdução A Fundção de Ampro Pesquis do Estdo de São Pulo (Fpesp) publicou recentemente 3ª edição dos Indicdores de Ciênci e Tecnologi e Inovção em São Pulo, referente o período É interessnte exminr lguns ddos geris dess publicção pr inicir est discussão. A produção científic brsileir (mensurd pelo número de trblhos científicos publicdos em revists indexds) teve tx de crescimento nul de 54%, enqunto o crescimento d produção mundil ficou bixo de 9%. São Pulo teve um crescimento de 63% e foi responsável por 52% d produção ncionl. A prticipção brsileir no cenário mundil pssou de 1,1% em 98 pr 1,5% em 2002, o que é um slto enorme. O crescimento d produção científic brsileir nos últimos nos foi compnhdo por um grnde expnsão d pós-grdução. Os indicdores d Fpesp revelm que: tx de crescimento ds mtrículs no mestrdo foi de 35% e de doutordo de 62% tx de crescimento ds titulções foi de 92% no mestrdo e 113% no doutordo Estes ddos mostrm um evidente expnsão d pós-grdução, em especil no doutordo. Vle pen exminr como se deu expnsão d pós-grdução n áre de educção: Em 1992 hvi 29 progrms de pós-grdução em educção no pís: 19 em Intituições de Ensino Superior Federis; 4 em Instituições de Ensino Superior Estduis; 6 em Instituições de Ensino Superior Privds; E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

4 Em 2002, já erm 64 ( um crescimento de 120%) os progrms de pós-grdução em educção no pís, dos quis: 29 em Instituições de Ensino Superior Federis; 11 em Instituições de Ensino Superior Estduis; 24 em Instituições de Ensino Superior Privds. Estes ddos nos permitem observr que foi grnde expnsão d pós-grdução nos últimos dez nos: o número de progrms cresceu 120%. Os ddos d Região Sudeste seguem mis ou menos tendênci gerl do pís. Pode-se pens ssinlr que houve um descentrlizção dos progrms o longo do tempo, pois o percentul de progrms no SE ciu de 48% pr 45% em dez nos. De modo gerl e tmbém no Sudeste fic evidente que o crescimento foi mior ns IES privds. O qudro bixo resume situção: Brsil Sudeste IES/no Federl Estdul Privd Totl O que estão revelndo estes ddos? Um ds possíveis explicções é que tis ddos mostrm o resultdo de um pressão de demnd, decorrente ds exigêncis d Lei de Diretrizes e Bses d Educção Ncionl que define um percentul de mestres e doutores pr compor os qudros ds universiddes e centros universitários. Ess medid legl tem levdo s instituições contrtrem mestres e doutores e quem quiser permnecer ou ingressr como docente no ensino superior buscr pós-grdução. Outr hipótese é que estes ddos refletem situção do mercdo de trblho: por um ldo, flt de emprego, por outro ldo s exigêncis pr preenchimento de crgos de lto nível que estrim impulsionndo s pessos procurr um curso de pós-grdução, sej pr umentr qulificção, sej pr umentr chnce de entrd no mercdo. 46 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

5 Igulmente possíveis, são s hipóteses de que tis como o crescente umento de convênios ds secretris de educção com s universiddes pr formção de mestres e doutores, busc de cesso n crreir docente e expecttiv de quisição de novos conhecimentos pr melhorr prátic. Pode ser que um conjunto de ftores explique demnd. Ou tlvez hj outros. Um implicção relevnte desses ddos é que expnsão d pós-grdução e mplição do cesso precem ter introduzido lguns ddos novos nos progrms de pós-grdução. Por exemplo, o tipo de luno que procur um curso de pós e sus expecttivs são completmente diferentes do que ocorri há dez nos. Quem é o luno que busc tulmente um curso de mestrdo? Qul formção desse luno? O que ele busc? Em recente crcterizção dos lunos mtriculdos n pósgrdução em psicologi d educção d PUC/SP consttmos que formção de bse dos lunos é muito vrid: 64% se grdurm em Psicologi ou Pedgogi, ms 36% tiverm formção em Letrs, Educção Físic, Veterinári, Administrção, Químic, Hotelri, Direito, Biologi, Históri, Geogrfi, Mtemátic, entre outrs. A grnde miori dos pós-grdundos cursou grdução num instituição privd (70%). Outro ddo de interesse é que 80% dos pós-grdundos disserm exercer um tividde remunerd. Trblhm e estudm o mesmo tempo. A miori dos que trblhm são docentes n educção básic (23%) ou no ensino superior (19%); 10% são supervisores de ensino e 8% professores-coordendores. Indgdos sobre o que buscm n pós-grdução, os motivos mis indicdos form: tulizção profissionl (22%) e dquirir novos conhecimentos (21%), seguidos de ingressr ou mnter-se n docênci (17%) e prender fzer pesquis (14,4%). O que temos oferecer um luno que: tem formção em áres muito diversificds e pouco domínio dos conceitos básicos d áre de educção; completou grdução em instituições que deixm muits dúvids qunto qulidde d formção; precis mnter o seu trblho enqunto curs pós-grdução; E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

6 tem objetivos muito vridos, como: mnter seu emprego no ensino superior, scender no mgistério, brir um nov frente profissionl, resolver problems d prátic? Ess nov relidde dos lunos precis ser serimente considerd. Os pós-grdundos que inicim tulmente o mestrdo trzem um repertório bstnte pobre, que é resultnte d precriedde de nosso sistem educcionl. Têm defsgens muito séris de formção n áre específic, dificulddes de escrit e compreensão de texto e não dominm os conceitos básicos d áre de educção. Qunto os doutorndos, tmbém observmos muits dificulddes, sej no domínio d litertur d áre de educção, sej no domínio ds hbiliddes básics de pesquis. O que fzer dinte desse qudro? Prece que temos lguns desfios pel frente. Um deles é (re)pensr função socil d pós-grdução hoje. Qul é e qul deveri ser o ppel d pósgrdução? Se n su origem os progrms de pós-grdução tinhm um preocupção básic com preprção de professores pr o ensino superior, se n su consolidção, têm ddo ênfse à pesquis, como deve cminhr su evolução tul? Deve-se buscr um equilíbrio entre preprção de docentes pr o ensino superior, de pesquisdores e de profissionis que lmejm profundmento teórico, culturl, científico e tecnológico? Como tingir esse equilíbrio? Defrontmo-nos, ssim, com outro desfio: como lidr com ess nov relidde. O que temos feito pr mnter qulidde em nossos progrms de pós-grdução? Temos, por exemplo umentdo o número de disciplins obrigtóris pr o mestrdo e crido seminários e estudos independentes pr o doutordo. Temos vlorizdo o exme de qulificção e temos sobrecrregdo os orientdores no momento de elborção d dissertção ou d tese. Ms, será que não hveri outros meios, outros recursos? Podemos e devemos orgnizr um put de discussão, que tenh como ponto centrl repensr os objetivos ou função socil d pós-grdução n áre, ms que não deixe de considerr lguns spectos estruturis como flexibilizção dos modelos 48 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

7 formtivos, o fortlecimento dos grupos de pesquis, e o intercâmbio de pesquisdores em âmbito institucionl ou interinstitucionl. Anlisemos mis detidmente cd um desses spectos. Flexibilizção dos esquems de formção Qundo flmos em flexibilizção dos modelos formtivos n pós-grdução, estmos nos referindo lterntivs que fujm à estrutur trdicionl dos cursos e disciplins semestris. Será que não podemos pensr em cursos trimestris, por exemplo? Mis compctos e focdos? Ou em progrms intensivos, que inclum tnto leitur dos clássicos d áre, qunto o desenvolvimento de disciplins instrumentis, como de leitur e compreensão de textos? Se nossos lunos de mestrdo chegm sem domínio básico d escrit ou dos conceitos d áre de educção, precismos pensr em estrtégis pr superr esss dificulddes. Não podemos repetir quel idéi corrente entre muitos professores d educção básic que esperm lunos sem dificulddes ou sem defsgens e que culpm os lunos ou seus professores nteriores por não terem prontidão necessári. Temos que superr tmbém tendênci de deixr solução pr inicitivs individuis dos docentes e buscr construir proposts do curso ou do progrm de pós-grdução. Como diz Bernrdete Gtti (2001, p.112): Temos de enfrentr o conformismo o modelo único, de finlidde únic, e buscr forms orgnizcionis que tornem o espço d pós-grdução espço no qul de fto se exercite explorção intelectul de problems e tems, em tempo dequdo vridos tipos de lunos, permitindo eles gestão desse tempo em limites rzoáveis, propicindo o cesso conhecimentos e à mplição culturl, grupos diferencidos e profissionis que trblhm. Será que simplesmente rejeitr lterntiv dos mestrdos profissionis é melhor solução? Não terímos que discutir melhor ess propost? E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

8 Grupos de psquis: espços de formção Outr frente importnte pr se repensr pós-grdução em educção é trnsformr os grupos de pesquis em instâncis verddeirmente formdors. Se o CNPq teve o grnde mérito de induzir crição dos grupos de pesquis e su institucionlizção, não podemos deixr que se tornem mer formlidde, ou o cumprimento de um norm burocrátic. Precismos fzer com que se trnsformem em espços formtivos, colborndo pr consolidção ds linhs de pesquis e pr o melhori dos trblhos científicos. Os grupos de pesquis podem constituir um form muito interessnte de preservr o nível de qulidde ds dissertções, fce o encurtmento dos przos de mestrdo. Se os progrms de pós-grdução oferecerem o mestrndo oportunidde de inserção num projeto coletivo, em que sej possível (com)prtilhr de um referencil teórico comum e o mesmo tempo desenvolver, poido pelo grupo, um ângulo específico de um problemátic mis mpl, o trblho finl poderá vir tingir um nível de qulidde melhor do que se feito isoldmente. No doutordo, os grupos de pesquis tmbém podem ser um bo lterntiv tnto por proporcionr oportunidde os pós-grdundos de discussão coletiv e de troc com pesquisdores mis experientes (os docentes do progrm), qunto por oferecerem um lbortório de prendizgem de orientção de trblhos científicos. Afinl, os doutorndos são os orientdores de mnhã e possivelmente serão tmbém líderes de grupos de pesquis. Nos espços cridos pelos grupos de pesquis, esses futuros orientdores terão oportunidde de prender lidr com os embtes próprios o trblho coletivo, que envolvem tnto tensões intelectuis qunto emocionis e estrão, ssim, se preprndo pr enfrentr questões similres em seus contextos institucionis. Ms, lém de espços de formção de pesquisdores, os grupos de pesquis podem judr consolidr linhs de pesquis, profundr fundmentção teóric dos trblhos e reduzir s frgiliddes metodológics tão freqüentes nos estudos d áre. O trblho conjunto de pessos com formções diferencids, 50 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

9 perspectivs teórico-metodológics e experiêncis vrids pode contribuir pr o melhor delinemento do perfil do curso e pr o fortlecimento d pesquis em educção. Intercâmbios inter-institucionis Qunto o intercâmbio de grupos de pesquis, s inicitivs podem ocorrer tnto entre pesquisdores de diferentes áres do conhecimento de um mesm instituição, interessdos n investigção de problemátics comuns, qunto entre pesquisdores de diferentes instituições. Citndo novmente Bernrdete Gtti (2001, p ), temos que crir condições de promover conhecimentos interconectdos, fcilitndo o cesso de professores e estudntes outrs áres disciplinres, for de su especilidde específic; estbelecer intercomunicções entre áres; fcilitr cminhos pr que se desenvolvm em métodos de nálises interdisciplinres, promovendo seminários conjuntos, projetos de pesquis interdisciplinres, colóquios; crindo cmpos interdependentes de estudo ou outros mecnismos que lrguem s possibiliddes de insights em conhecimentos que são, o mesmo tempo, básicos em um especilidde ms que necessitm de portes de outros cmpos. Esse intercâmbio de idéis, tividdes e empreendimentos conjuntos pode ocorrer no interior ds universiddes ou entre progrms de diferentes regiões do pís, ou ind entre grupos de diferentes píses. Discutir s possibiliddes, no entnto, não signific que estmos nos esquecendo ds condições necessáris à produção de trblhos científicos n pós-grdução. Questões como o curto tempo de titulção do mestrdo, disponibilidde escss de bolss de estudo ou de outros poios finnceiros, de uxílios pr pesquis e pr prticipção em eventos científicos devem ser objeto de discussão por prte de tod comunidde e de lut junto os órgãos responsáveis pel vlição e pelo fomento. Questões como disponibilidde de recursos bibliográficos e midiáticos, de espços pr encontros e reuniões, oportuniddes pr produção e divulgção de trblhos científicos precism fzer prte dos projetos de pós-grdução. Enftizmos, té gor, fce um nov relidde e um E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

10 novo tipo de luno, necessidde de repensr tnto os objetivos d pós-grdução, qunto su estrutur e funcionmento. Ms não bst pens repensr o ensino e s tividdes de formção há que se repensr muito serimente situção tul d pesquis em educção. Institucionlizção d pesquis educcionl A históri d pesquis educcionl no Brsil está muito ssocid à históri d pós-grdução. Foi no início dos nos 70 que começrm ser implntdos os cursos de pós-grdução stricto sensu: entre 71 e 72 form cridos dez cursos e em 75 já hvi 16. Esse crescimento bstnte rápido dos cursos triu os recursos humnos com mis lto nível de formção. Ao mesmo tempo, ssiste-se à expnsão dos qudros ns universiddes. Intensific-se formção de recursos humnos no exterior e no retorno desses professores pr integrr os progrms de pós-grdução, tem-se, como diz Gtti (1983, p.4) s condições institucionis ns quis prioritrimente pesquis em educção e formção de seus recursos humnos se frá prtir de então. Em 1971 é crido o Deprtmento de Pesquiss Educcionis d Fundção Crlos Chgs, em São Pulo, coordendo por Bernrdete Gtti, que reúne um grupo de pesquisdores de lto nível e dá um impulso substntivo à pesquis em educção. A pesquis té então se restringi inicitivs individuis e projetos induzidos pelo INEP (Instituto Ncionl de Estudos e Pesquiss Educcionis) pr subsidir s polítics educcionis. Com crição dos cursos de pós-grdução, há um deslocmento d produção científic pr s universiddes e, segundo Gtti (1983), podem ser notds mudnçs ns temátics e metodologis d pesquis educcionl. Por exemplo, há um distribuição mis eqüittiv dos estudos entre s problemátics estudds: currículos, vlição de progrms, crcterizção de redes e recursos eductivos, relções entre educção e trblho, crcterístics de lunos, fmílis e comunidde, nutrição e prendizgem, vlidção e crític de instrumentos de dignóstico e de vlição, estrtégis de ensino. Aprecem estudos sobre polític educcionl e nálises institucionis, tems té então 52 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

11 quse usentes. Gtti (1983, p. 4) tmbém pont mudnçs nos enfoques: uso de um referencil teórico mis crítico e de instrumentos quntittivos mis sofisticdos de nálise. No entnto, pesquisdor lert pr lgums questões importntes, como os modismos n importção de modelos de outrs culturs e precriedde teórico-metodológic de certos estudos. Ns dus décds posteriores, o número de estudos e pesquiss cresce muito, ms s crítics persistem. Em váris vlições de pesquiss, sej qundo fonte de ddos são os trblhos de mestrndos e doutorndos (WARDE, 1993), sej qundo são s pesquiss em gerl (GATTI, 2001b; ALVES MAZZOTTI, 2001), os utores expressm preocupções comuns: pobrez n bordgem teórico-metodológic e modismos n seleção dos referenciis de nálise. E s pesquiss sobre formção de professores? Não é noss intenção repetir nálises e crítics sobre pesquis educcionl em gerl, ms foclizr lguns ddos extrídos de estudos integrtivos bstnte recentes sobre pesquis, n áre de formção de professores. Esses estudos nos permitem um olhr crítico sobre os vnços, problems e perspectivs num áre específic, ms significtiv no cmpo d educção. Em su tese de doutordo, defendid n UFMG (Universidde Federl de Mins Geris), Silvn Ventorim (2005) nlisou 77 trblhos presentdos nos Endipes (Encontro Ncionl de Didátic e Prátic de Ensino) o longo do período de , que tinhm como objeto o professor pesquisdor. Como fonte de nálise é pouco explord e bstnte representtiv d produção científic ncionl, pois brnge textos de pesquisdores de tods s regiões do pís, julguei interessnte reproduzir sus conclusões geris. Ventorim (2005) consttou que grnde miori dos trblhos foi originári de pesquisdores vinculdos o ensino superior público (85%). As instituições de ensino superior estduis presentrm o mior número de trblhos (49%), seguids ds instituições federis (35%) e privds (16%). O mior número de trblhos sobre o professor pesquisdor concentr-se n Região Sudeste (61,76%), seguid d Região Sul (30,97%), d Região E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

12 Nordeste e Centro Oeste (2,94%), e Região Norte (1,96%). Qunto os referenciis dos trblhos, Ventorim (2005, p ) verificou que no corpus dos 77 trblhos form feits 279 citções de utores, que possivelmente indicm direção teóric do estudo. Os utores mis citdos form: Zeichner (17 indicções), Nóvo (14), Schon (14), Perrenoud (10), Elliot (10), Kincheloe (5), Kemmis (5), Popkewitz (4), Giroux (4), Pérez Gómez (4), Stenhouse (3). Dos utores brsileiros, os mis citdos form: André (18), Lüdke (11), Demo (11), Gerldi (10), Freire (8), Mrin (7), Piment (7), Cndu (5), Gtti (5), Fzend (5), Dis d Silv (5), Cunh (5), Slles Oliveir (4), Giovnni (4), Mrtins (3) e Krmer (3). A utor discute s contribuições ds diferentes áres do conhecimento e conclui que: N configurção teóric, form percebids evidêncis do diálogo entre diferentes áres, como Históri, Biologi, Lingüístic, Filosofi e Sociologi. Além disso, pôde-se ver o investimento de muitos utores em trduzirem-se pr seus contextos específicos. No cso do diálogo com utores d educção e d formção do professor pesquisdor, percebeu-se um vinculção excessiv com os utores estrngeiros, o que demonstrou or um cert dependênci, ou mesmo um proprição crític, e or um cuiddo metodológico em contextulizr produção sobre o ssunto como tmbém um proprição mis consciente (p ). Qunto bordgem metodológic, Ventorim (2005, p. 177) verificou que 74% dos trblhos não indicrm bordgem metodológic, fto que, segundo el, merece tenção, pois precem que se desutorizm d condição de pesquis qundo não ssumem explicitmente opção metodológic seguid, especilmente por serem trblhos que trtm do tem pesquis. Ess observção nos prece grve porque revel um frgilidde inceitável em um trblho científico. Qunto o locus d colet de ddos, miori dos trblhos se volt pr prátic escolr do ensino básico, o que é bstnte positivo, pois s questões e problems nesse nível de ensino merecem tod tenção possível. Pr complementr esses ddos, buscou-se um fonte que 54 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

13 brnge exclusivmente produção discente: s dissertções e teses defendids nos progrms de pós-grdução em educção do pís. André (2000) e su equipe fizerm um blnço ds pesquiss sobre formção de professores, levndo em cont s dissertções e teses defendids no período de nos progrms de pós-grdução em educção do pís. A nálise de 410 resumos desses trblhos evidenciou que 72% investigvm questões relcionds os cursos de formção inicil, 17,8% foclizvm proposts, progrms e cursos de formção continud e 10,2% o tem d identidde e profissionlizção docente. A nálise mis curd ds temátics revelou grnde pulverizção. A mior incidênci ds pesquiss tinh seu conteúdo voltdo pr um disciplin pedgógic ou específic (109 estudos), o que levou utor concluir que: Tornm-se conhecidos pens frgmentos dos cursos, perdendo-se ns prticulriddes visão brngente de cd um deles. Há muit redundânci de conteúdos, de form, de bordgem e pouc explorção de spectos e questões tuis, como s de rç e gênero, violênci, drogs, (in)disciplin, meios de comunicção, informátic e questões culturis de vários tipos (ANDRÉ, 2000, p. 89). Ao exminr bordgem metodológic utilizd nesses estudos, utor verificou que 1/4 (106) nlisv um cso, sej um curso, um disciplin, um turm, um grupo de docentes. Consistim em gerl, em estudos vlitivos, relizdos no próprio contexto de trblho do pesquisdor, visndo conhecer um porção bstnte restrit d relidde. Outro tipo de pesquis freqüente er nálise de depoimentos (53), vindo seguir o relto de experiênci (37), pesquis teóric (31), nálise d prátic pedgógic (31), pesquis históric (29), pesquis-ção (24), nálise de polítics e proposts (23), nálise documentl (15), o levntmento (13), pesquis etnográfic (10), nálise de discurso (8), nálise de livro didático (6), históri de vid (6), os estudos comprdos (4), vlidção de mteril (5), nálise de custo (1), o estudo longitudinl (1) e em qutro estudos bordgem não foi identificd. A continuidde desse blnço ds pesquiss, cobrindo o E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

14 período de está em ndmento, com o objetivo de verificr se os interesses dos pesquisdores se mntiverm o longo desses sete nos ou se houve mudnçs nos tems e ns bordgens metodológics. Ms, como ess é um tref enorme, que demnd muito tempo, foi relizdo um estudo intermediário por André (2005) e su equipe, comprndo ddos ds dissertções e teses defendids em 1992 e 2002, com o propósito de investigr quis s mudnçs ocorrids ness décd. Um conclusão gerl desse estudo comprtivo foi o grnde umento interesse dos pós-grdundos pel temátic d formção docente. N décd de 90 porcentgem de trblhos que investigv ess temátic ficou em torno de 6%, ms em 2002 encontr-se um percentul de 25%. É muito provável que esse crescente interesse estej ligdo às polítics governmentis que têm tribuído à formção docente um ppel fundmentl n melhori d qulidde d educção escolr, e à mídi e orgnismos externos de finncimento d educção, que têm enftizdo sobremneir o peso d formção de professores no sucesso ou frcsso escolr. Outro resultdo importnte do estudo foi mudnç nos conteúdos ds pesquiss sobre formção docente. Se em ,7% ds pesquiss investigv formção inicil, 25,7% formção continud e 20% o tem d identidde e profissionlizção docente, em 2002 esse qudro se lter substntivmente. Apens 24% ds pesquiss trtm dos cursos de formção inicil, enqunto 37,6% investigm o tem identidde e profissionlizção docente e 25% formção continud. A mudnç foi, sobretudo, de foco: os cursos de formção ficrm em segundo plno e quem gnhou destque foi o professor: sus opiniões, representções, sberes e prátics e su identidde profissionl. Qunto bordgem metodológic utilizd ns pesquiss dos pós-grdundos, observou-se tmbém um grnde mudnç dos nos 90 pr os nos Se em 1992, 28,6% dos trblhos nlisvm um cso, em 2002 esse percentul ci pr 11,5%. No entnto, nálise de depoimentos, que em 1992 compreendi 8,6% dos trblhos, em 2002 sobe pr 22,9%. Os percentuis dos outros tipos de pesquiss não se lterrm substntivmente, não ser s históris de vid que pssrm de 2,8% pr 5%. Pôde-se 56 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

15 observr que surgirm novos tipos de pesquis em 2002, como pesquis colbortiv e nálise de prátics discursivs. Outro fto importnte foi qued no percentul de trblhos que não mencionv bordgem metodológic: em 1992 erm 25,7%, já em 2002, pens 11% dos trblhos deixrm de fzê-lo. Outros ddos interessntes puderm ser observdos n nálise ds técnics de colet de ddos. Tnto em 1992 qunto em 2002, o documento foi um ds técnics mis utilizds (20%) ns pesquiss dos pós-grdundos. Já entrevist teve um crescimento muito grnde: em 1992 foi menciond por 5% dos pesquisdores, ms em 2002 integr 27,7% dos trblhos, o que é bstnte coerente com o crescimento ds pesquiss do tipo nálise de depoimento. Um fto muito sugestivo ind foi o reprecimento do questionário como técnic de colet. Em 1992, nenhum estudo indicou o uso dess técnic, já em 2002, 10,7% dos trblhos o fizerm. Prece que o preconceito pelos estudos quntittivos está diminuindo. Um fto bstnte positivo foi qued no número de trblhos que não mencionvm técnic de colet de ddos utilizd: em 1992, 46% omitim esse ddo, ms em 2002 pens 15,3% o fizerm, o que prece indicr que os pesquisdores estão mis tentos às questões metodológics. Interessnte tmbém foi verificr que em 2002 muitos pesquisdores pssrm combinr técnics de colet, como por exemplo entrevist e nálise documentl, entrevist e o questionário, entrevist, questionário e documento, o que revel um preocupção com nálise multidimensionl ds questões pesquisds. Nos nos 2000 surgem novs técnics de colet com o grupo focl, entrevist coletiv, o grupo de discussão e o diário reflexivo. Alguns problems identificdos ns pesquiss de 2002 form um cert frgilidde nos fundmentos teóricos há muit citção de utores, em gerl estrngeiros, sem um esforço pr contextulizr sus proposts; tmbém fic pouco evidente qul o eixo condutor do trblho ou o conhecimento produzido pel pesquis. Notou-se ind um frgilidde metodológic nos trblhos: flt de clrez qunto o objeto de estudo - formção de professores ; qunto os fundmentos d bordgem quli- E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

16 ttiv e qunto s metodologis de pesquis, de modo gerl. Esss consttções nos cusm muit preocupção porque revelm quão precári tem sido orientção dos trblhos de mestrdo e doutordo. É urgente que discutmos o processo de orientção nos cursos de pós-grdução. Em que condições trblhm os orientdores? Est questão nos lev um outr mis mpl e mis rdicl: quis s condições de produção do conhecimento científico no Brsil? Se considerrmos situção dos progrms de pós-grdução, onde se produz mior prte ds pesquiss, verificmos que houve um deteriorção nos últimos nos. O número de lunos de pós-grdução cresceu muito, o przo pr titulção foi reduzido, ms os recursos humnos, mteriis e finnceiros não compnhrm esse crescimento e os modelos formtivos permnecerm inlterdos. Com s posentdoris de muitos docentes e reposição pens prcil desses qudros, houve sobrecrg dos que permnecerm, sej com uls, sej com comissões, trblho dministrtivo, sej com orientção, o que certmente tem fetdo qulidde dos trblhos. O poio finnceiro pr pesquis dos docentes diminuiu nesses últimos nos, ficndo prticmente restrito o CNPq e, em lguns estdos, às Fundções de Ampro à Pesquis. A competição umentou porque o número de doutores elegíveis pr cptr recursos tmbém cresceu muito, ms disponibilidde de recursos não cresceu n mesm proporção. Se considerrmos s condições dos pós-grdundos, observmos que o qudro tmbém não é nimdor. As bolss de estudo não são suficientes pr todos. Muitos lunos precism mnter seu trblho enqunto cursm pós-grdução, sej pr grntir seu emprego, sej pr própri mnutenção. Como desenvolver um bom trblho de pesquis com pouc disponibilidde de tempo e com um orientdor sobrecrregdo? Voltmos, ssim, o ponto inicil deste texto, qundo enftizmos necessidde de repensr o modelo tul d pósgrdução. E crescentmos gor necessidde de nos envolvermos num lut polític junto às nosss ssocições e os nossos representntes nos órgãos de fomento pr melhorr urgentemente s condições de produção do conhecimento cien- 58 E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN. 2007

17 tífico. E ess é um tref coletiv. Referêncis ALVES_MAZOTTI, Ald J. Referênci e plicbilidde d pesquis em educção. Cdernos de Pesquis, n.113, p.39-50, ANDRÉ, Mrli. Dez nos de pesquis sobre formção de professores. Trblho presentdo no VII Congresso Estdul Pulist de Formção de Educdores, Águs de Lindói, SP, setembro, A pesquis sobre formção de professores no Brsil In: CANDAU, V. M. (org.). Ensinr e prender: sujeitos, sberes e pesquis. Rio de Jneiro: DP&A, p , GATTI, Bernrdete A. Pós-grdução e pesquis em educção no Brsil: Cdernos de Pesquis, n. 44, p. 3-17, Reflexão sobre os desfios d pós-grdução: novs perspectivs sociis, conhecimento e poder. Revist Brsileir de Educção, n. 18, p , 2001ª. GATTI, Bernrdete A. Implicções e perspectivs d pesquis educcionl no pís. Cdernos de Pesquis, n.113, p , 2001b. MELLO, Guiomr N. Pesquis educcionl no Brsil. Cdernos de Pesquis, n. 46, p , VENTORIM, Silvn. A Formção do professor pesquisdor n produção científic dos encontros de Didátic e Prátic de Ensino: f. Tese (Doutordo em Educção). Universidde Federl de Mins Geris, WARDE, Mirin. O ppel d pesquis n pós-grdução em educção. Cdernos de Pesquis, n. 73, p , A produção discente dos progrms de pós-grdução em educção no Brsil ( ): vlição e perspectivs n áre de educção. Porto Alegre: ANPEd/CNPq, Endereço: Progrm de Estudos Pós-Grdudos em Educção: Psicologi d Educção d PUC-SP. Ru Ministro Godoi, 969 Perdizes E-mil: Recebido: fevereiro de 2007 Aceito: mrço de E DUCAÇÃO & L INGUAGEM ANO 10 Nº , JAN.-JUN

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF O sistem de cots no Brsil: um estudo de cso n Universidde Estdul do Norte Fluminense -UENF Ludmil Gonçlves d Mtt Doutor em Sociologi Polític Professor do Mestrdo em Plnejmento Regionl e Gestão de Ciddes

Leia mais

Resumo Executivo. Violência contra a mulher

Resumo Executivo. Violência contra a mulher S T U L s R E K Q F zs B x f b w s X R e R y P Z K O q u A r G J M e z YLU E p z P c o Resumo Executivo iolênci contr mulher estudo revel predominânci de viés policilesco n cobertur noticios do tem Estudo

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Classes multisseriadas: desafios e possibilidades

Classes multisseriadas: desafios e possibilidades Clsses multisserids: desfios e possibiliddes An Cristin Silv d Ros* Resumo Pretende-se com este rtigo suscitr reflexões sobre form de orgnizção didático-pedgógic de docentes que tum em clsses multisserids.

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Expansão da Pós-Graduação no Brasil e o Mestrado de Educação da Umesp nesse contexto

Expansão da Pós-Graduação no Brasil e o Mestrado de Educação da Umesp nesse contexto Expnsão d Pós-Grdução no Brsil e o Mestrdo de Educção d Umesp nesse contexto Rinlv Cssino Silv Resumo Sem pretensão de esgotr o ssunto, o presente rtigo reflete sobre expnsão d pós-grdução no Brsil. Por

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Corpo-educação on line: um ensaio sobre a produção acadêmica em pós-graduação no Brasil

Corpo-educação on line: um ensaio sobre a produção acadêmica em pós-graduação no Brasil Corpo-educção on line: um ensio sobre produção cdêmic em pós-grdução no Brsil Wesley Adrino M. Dourdo* An Céli Arújo Silv** Crmen B. Lopes** Zild Améli Assis ** A crinç é feit de cem mãos, cem modos de

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015 Memóri d 41ª Reunião do Comitê Gestor de Cpcitção CGCAP 25/5/2015 Às quinze hors e vinte minutos do di vinte e cinco de mio de dois mil e quinze, presentes André de Mrque, Helen Arujo, Erismr Noves, Crl

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico

3º Ciclo do Ensino Básico ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE AMORA - ANO LETIVO 2014/2015 DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES GRUPO 600 Plnificção Anul Educção Visul 8º Ano 3º Ciclo do Ensino Básico Domínio Objetivos Geris

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Ser professor de história em escolas rurais: identidades em construção*

Ser professor de história em escolas rurais: identidades em construção* Ser professor de históri em escols ruris: identiddes em construção* Selv Guimrães Fonsec** Astrogildo Fernndes d Silv Junior** Resumo Este rtigo vis presentr resultdos de investigção cerc ds relções entre

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA UERR PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPES

ESTADO DE RORAIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA UERR PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPES 1 ESTADO DE RORAIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA UERR PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS - PPGEC A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COMO METODOLOGIA

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo?

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo? N Aul 30, você já viu que dus rets concorrentes formm qutro ângulos. Você tmbém viu que, qundo os qutro ângulos são iguis, s rets são perpendiculres e cd ângulo é um ângulo reto, ou sej, mede 90 (90 grus),

Leia mais

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS:

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: ANO XLIV N.º 095 01/07/2014 SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: SEÇÃO I EXTRATO DE INSTRUMENTO CONVENIAL...02 SEÇÃO II PARTE 1: DESPACHOS

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Educção integrl/educção integrd e(m) tempo integrl: concepções e prátics n educção brsileir Mpemento ds experiêncis de jornd escolr mplid no Brsil UFPR UNB UNIRIO UFRJ UERJ UFMG ULBRA Educção integrl/educção

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO DE ARAUCÁRIA 06 smed@rucri.pr.gov.br 1 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Municipl de Educção CME de Arucári, crido nos termos d Lei Municipl nº 1.527/04, de 02 de novembro de 04, é o órgão

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Diário de pesquisa virtual: uma experiência formativa on-line

Diário de pesquisa virtual: uma experiência formativa on-line Diário de pesquis virtul: um experiênci formtiv on-line Joquim Gonçlves Brbos* Lendro d Nóbreg Pinheiro** Mônic Ferreir Nunes*** Resumo O presente texto propõe um discussão respeito d importânci do uso

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL PEC/COPPE/UFRJ Nº 261/2015: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052 * TEXTO PARA DISCUSSÃO N 1052 O VERMELHO E O NEGRO: RAÇA E GÊNERO NA UNIVERSIDADE BRASILEIRA UMA ANÁLISE DA SELETIVIDADE DAS CARREIRAS A PARTIR DOS CENSOS DEMOGRÁFICOS DE 1960 A 2000 Kizô Iwkmi Beltrão

Leia mais

Wittgenstein e a importância dos jogos de linguagem na educação infantil*

Wittgenstein e a importância dos jogos de linguagem na educação infantil* Wittgenstein e importânci dos jogos de lingugem n educção infntil* Ivnldo Sntos** Resumo O objetivo desse ensio não é presentr tods s questões discutids por Wittgenstein em sus Investigções filosófics,

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS ROGRAMA DE ÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESECIAL. COMORTAMENTO DO SICÓLOGO EM INSTITUIÇÃO DE ATENDIMENTO A DEFICIENTES MENTAIS: CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar)

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminr) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Governo do Estdo de Rorim Secretri Estdul

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

A DISTÂNCIA: na área de. e pesquisa. de campo, evasão no. apresentam sustento da. até o locall. Pedagogiaa

A DISTÂNCIA: na área de. e pesquisa. de campo, evasão no. apresentam sustento da. até o locall. Pedagogiaa A EVASÃO NOS CURSOSS DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA: UM ESTUDO ACERCA DO CURSO DE PEDAGOGIA Líne Tátic: POSIBLES CAUSAS Y FACTORES INFLUYENTES EN EL ABANDONO. PREDICCIÓN DEL RIESGO DE ABANDONOO

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

construindo agenda 21 na comunidade escolar

construindo agenda 21 na comunidade escolar construindo gend 21 n comunidde escolr Governo do Estdo d Bhi Secretri d Educção Construindo Agend 21 n Comunidde Escolr Bhi Governdor do Estdo d Bhi Jques Wgner Secretário d Educção do Estdo d Bhi Osvldo

Leia mais

SUMÁRIO VOLUME 1 HISTÓRIA

SUMÁRIO VOLUME 1 HISTÓRIA SUMÁRIO VOLUME 1 "Dentro de você existe um Universo em permnente construção." Pulo Roberto Gefte Cpítulo 1 Orgnizção históric e temporl n construção dos universos (Relção d própri vivênci com o tempo e

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais