FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA"

Transcrição

1 FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014

2 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em curso de Administração com habilitação em Marketing da Faculdade FAMA, que tem como orientadora a professora Mariana Vilela, como requisito para conclusão do curso. RECIFE DEZ/2014

3 1.Introdução Atualmente muitas pessoas têm começado seu negócio com muita facilidade, há uma quantidade grande de novas empresas no mercado e com o passar do tempo o número de pequenas, médias e grandes empresas tem aumentado. Com esse desenvolvimento surgem algumas necessidades de planejamento e organização empresarial. Para que uma empresa cresça é preciso fazer análises em todas as partes que a compõem. É neste momento que as empresas de consultoria, ou até mesmo apenas um consultor entra em ação. Contribuindo com metodologias, técnicas e processos que possam auxiliar os donos ou administradores das empresas a tomarem decisões com qualidade. É comum que uma empresa possua problemas que passam despercebidos por certos setores, geralmente isso acontece devido à falha de comunicação entre os setores. As pessoas que ocupam cargos mais elevados na instituição nem sempre sabem de todos os problemas que acontecem, principalmente quando se trata dos setores de operação. Com o auxílio e análise de um consultor, que já possui uma visão mais ampla e tem acesso a toda empresa, a identificação e solução para os problemas ficam mais fácil. Desta forma, é possível perceber que há necessidade de consultoria nas empresas, e que essa demanda tem aumentado. O consultor é um agente externo alguém que soma sua visão de fora, sua neutralidade e suas vivências à competência da empresa para planejar e realizar ações efetivas. (Belfort, 2004, p.6) Esse é um conceito amplo sobre a consultoria empresarial, mas que no decorrer do artigo será aprofundado gradativamente, facilitando a compreensão e importância da consultoria nas empresas. Se for observado de uma forma mais minuciosa, é comum que quase todas as empresas falhem em seus primeiros anos de vida, isso acontece devido à falta de planejamento detalhado. Esse planejamento deve ser a etapa mais importante, pois é a partir dele que o empreendedor decide qual será o seu foco e quais são serão suas prioridades no momento de investir. O que geralmente acontece é que boa parte desses empreendedores não possuem experiência no setor administrativo, ou não estão habituados a fazer esse tipo de planejamento.

4 Atualmente, com todo o contexto de competitividade no setor de consultoria empresarial, os consultores já não devem ficar esperando a ligação do potencial cliente solicitando os seus serviços de consultoria. O consultor deve observar seu potencial cliente e descobrir uma maneira que seja adequada como chegar ao executivo que decide sobre a necessidade de contratação de serviços de consultoria, para então oferecer seus serviços. O objetivo deste artigo é mostrar a importância e a necessidade da consultoria nas empresas, bem como o processo pelo qual a empresa passa ao ser analisada pelo consultor até se chegar ao diagnóstico e as suas possíveis soluções dos problemas encontrados.

5 2.Objetivos 2.1.Objetivo Geral Identificar a necessidade do emprego dos serviços de consultoria: Por que?, Onde?, Como?, Quando?, Para que? e Para quem?. 2.2Objetivos Específicos Verificar a realidade em que a empresa se encontra, tendo em vista os seus negócios atuais e os resultados alcançados até o momento para que se apliquem os conhecimentos e condutas apontados no diagnóstico realizado pela empresa de consultoria. Planejar o futuro da empresa para ajustar a situação atual em que se encontra com a que a mesma deseja estar futuramente, tendo em vista os seus negócios atuais e futuros e também os resultados que se espera alcançar.

6 3.Referencial Teórico 3.1.A consultoria e as empresas Um dos principais questionamentos que deve ser feito pelo empreendedor é: Minha empresa precisa de consultoria? ou Que tipos de consultorias são utilizadas e demandadas?. A partir desses questionamentos e reflexões a respeito deles podemos analisar a necessidade de uma consultoria ou a falta dela. Segundo Valença & Associados (1999), há organizações que preferem não contratar os serviços de consultoria por considerarem que esse tipo de serviço não tem atendido aos objetivos para os quais foram contratados. Outras não contratam serviços de consultoria onde há uma abordagem fundada nas bases teóricas da Teoria de Ação, Teoria de Intervenção e da Aprendizagem Organizacional, que foram desenvolvidas por Chris Argyris, seja por não conhecerem a abordagem ou não a aceitarem. Desta forma é possível perceber que independente da necessidade, existe uma certa resistência por parte de algumas organizações em contratar os serviços de consultoria. Mas ainda com essa resistência, a consultoria empresarial tem sido um dos segmentos de prestação de serviços que mais tem crescido em todo o mundo. Oliveira (2006) afirma que no Brasil, as duas principais causas do crescimento da consultoria empresarial se dão devido ao crescimento do parque industrial e também devido à falta de conhecimento atualizado das técnicas e metodologias de gestão empresarial, pois há um novo contexto de concorrência entre as empresas que é decorrente da globalização da economia. 3.2.O que leva uma empresa a contratar serviços de consultoria Os motivos que levam uma empresa a contratar os serviços de consultoria podem ser diversos, e de acordo com Belfort (2004), existem alguns que se destacam mais, como: A procura por novos conhecimentos e inovações para enfrentar a globalização da economia, com a evolução da globalização econômica, as empresas sentem a necessidade de buscar atualização através de metodologias e técnicas mais avançadas que estão sendo utilizadas. Com o auxílio de um consultor competente essa inovação e atualização se torna possível de uma maneira mais eficaz.

7 A consolidação de vantagens competitivas, pois essas vantagens são as características dos produtos e dos serviços que irão direcionar os clientes e os mercados a compra-los ao invés de escolher os produtos e serviços dos concorrentes. A terceirização dos processos, é muito comum haver essa terceirização principalmente nos serviços de recursos humanos e de informática, pois as empresas-clientes procuram transferir alguns desses serviços para a consultoria, que pode executar essas atividades com melhor qualidade e menor custo. A melhoria contínua sustentada, esse motivo é um dos mais buscados, pois a empresa quer tornar o processo, tanto administrativo quanto operacional da empresa, cada vez mais eficiente, aumentando os resultados da empresa e otimizando a utilização dos recursos disponíveis. E uma das funções dos serviços de consultoria é esse, pois o objetivo é buscar sempre contribuir para a consolidação do processo de qualidade total na empresa. 3.3.Identificando a necessidade dos serviços de consultoria Uma questão importante a se saber é identificar a necessidade dos serviços de consultoria, e para que isso aconteça, segundo Oliveira (2006), o ideal é que essa identificação seja realizada com base em duas situações: A realidade em que a empresa se encontra, tendo em vista os seus negócios atuais e os resultados alcançados até o momento; A situação que a empresa deseja estar futuramente, tendo em vista os seus negócios atuais e futuros e também os resultados que se espera alcançar. Essas situações podem ainda ser consideradas ao mesmo tempo, e se forem, irão proporcionar uma qualidade ainda maior na identificação dos serviços de consultoria necessários para a empresa. É comum que as empresas mudem lentamente, por isso, todo esse trabalho de análise deve ser feito de forma gradativa e sustentada. Quando se fala da forma sustentada significa que deve estar relacionada às metodologias e técnicas administrativas, estas devem representar um dos principais aspectos da atuação do consultor empresarial.

8 As empresas clientes são irracionais, isso se deve porque elas representam o conjunto de percepções de diferentes pessoas, que são os executivos e profissionais que fazem parte dela. Devido a isso os consultores, geralmente, trabalham com situações onde há problemas e também irracionalidade. Eles precisam estar aptos para saber lidar com as mais diversas situações, porém não é necessário que tenham um conhecimento aprofundado em todas as áreas. No contexto da irracionalidade, em que os consultores desenvolvem seus trabalhos, as contradições aparecem a todo momento. Não adianta o consultor tentar atuar no outro extremo, ou seja, na pura racionalidade, porque, se a racionalidade e a lógica sempre funcionassem, as empresas não precisariam de consultores. (Oliveira, 2006, p.73) Com isso, pode-se afirmar que o consultor pode atuar da forma mais ampla possível com relação aos assuntos administrativos. E a partir dessa ampla atuação podem surgir algumas dúvidas com relação à contratação dos serviços de consultoria. Para quais assuntos administrativos devem-se contratar os serviços de consultoria? Entre os principais assuntos, podem-se destacar três situações: onde o assunto é o próprio negócio da empresa, é um sistema ou um processo da empresa, ou é a atuação dos executivos e profissionais da empresa cliente e o correspondente processo decisório. É importante saber que existem diversas formas de interação entre o consultor e a empresa cliente, como a assessoria, o conselho consultivo, a consultoria executiva, a consultoria de risco, o treinamento, a palestra, a pesquisa e a auditoria. Estas atuações podem ou não estar interagindo com a consultoria empresarial, vai depender da necessidade da empresa que estará contratando o serviço. 3.4.Identificando o consultor ideal para a realidade da empresa Este é o segundo momento, que é quando a empresa já sabe que precisa contratar os serviços de consultoria, mas ainda não sabe qual consultor contratar. Assim como a identificação da necessidade, é muito importante avaliar bem qual empresa de consultoria ou até mesmo consultor autônomo será contratado.

9 De acordo com Belfort (2004), as empresas devem estar atentas à seleção e contratação desse serviço para não cometer erros graves, entre os erros mais comuns das empresas está a análise completamente genérica da empresa de consultoria que será contratada e a análise ainda mais genérica dos técnicos da empresa de consultoria que irão realizar esse serviço. É comum que algumas empresas se enganem ou sejam enganadas ao contratar uma empresa de consultoria famosa, geralmente uma multinacional. Isso porque a empresa avalia apenas o status da empresa de consultoria e não observa se os consultores e técnicos que irão prestar o serviço possuem conhecimento suficiente a respeito do assunto pelo qual a empresa cliente está precisando e com possíveis problemas. Desta forma, é possível perceber que o foco deve ser o consultor e não a empresa de consultoria. O consultor que será escolhido deve ter uma boa experiência e conhecimento na especialidade em que a empresa está precisando. O ideal é observar a abordagem e sustentação profissional. A identificação do consultor, na maioria das vezes, é feita por ampla investigação de seu histórico e prática comprovada no mercado em que atua. Uma vez escolhido o consultor, em geral pela direção da organização, parece haver gradativamente menor investimento de esforços nas fases que se seguem. (Valença e associados, 1999, p.97) Entre os principais aspectos que devem ser observados para que a contratação seja a ideal para a empresa temos: o consultor deve ter conhecimentos que não são disponíveis facilmente no mercado, ter metodologias e técnicas administrativas, transferir conhecimento com facilidade, atuar para obter resultados, ter reputação, experiência, atuar com imparcialidade, ser ético, ter responsabilidade pelos resultados, ter empatia, trabalhar com mudanças e equipes, ter postura definida e concretizar o uso total dos conhecimentos da empresa cliente. O consultor escolhido pela empresa-cliente deve ter visão ampla, saber equilibrar a equação do risco com certeza, ser forte nos questionamentos, saber trabalhar com problemas, saber ocupar vazios, expressar-se bem, dar a máxima atenção à empresa-cliente, apresentar confiança interativa, não se preocupar com os créditos dos trabalhos realizados, saber determinar o valor justo dos trabalhos, não ter dependência de um único cliente, saber procurar

10 o nível bom e não o ótimo, respeitar e interagir com a cultura e postura de atuação da empresa-cliente, aplicar o endomarketing, ter tempo e vontade para estudo e para escrever, ter paciência e saber realizar consultoria a si próprio. (Oliveira, 2006, p. 186 e 187) 3.5.A importância na consultoria interna e externa De acordo com Belfort (2004), é mister compreender a definição do tipo de consultoria tanto para o consultor, quanto para a empresa que solicita o serviço de consultoria,pois com a escolha do consultor definido será observado se a consultoria irá analisar onde poderá atuar, quando utilizar,a melhor condução das avaliações,porque é decisiva a participação do olhar de quem é de fora da empresa para melhor antecipação aos problemas e como será definido os passos para serem colocados em prática diante das soluções que o consultor poderá citar.a partir dessa compreensão fica mais fácil identificar qual tipo de consultoria é a mais adequada para a necessidade da empresa bem como o porquê de estar sendo contratada. E com base nas ideias dela temos as definições a seguir. O consultor externo, geralmente é representado por um consultor autônomo, ou por um profissional que faz parte de uma empresa de consultoria. Entre as suas principais vantagens ou qualidades temos: a maior experiência, pois por ser contratado durante um período, acaba realizando o mesmo serviço em várias empresas diferentes, adquirindo mais conhecimento; maior aceitação dos superiores da empresa, isso acontece pois geralmente a contratação do consultor é feita pela alta administração; pode correr riscos, ele está apto e tem a liberdade de dizer e fazer as coisas que acredita serem as mais corretas; e é imparcial, por não ter vínculo anterior com a empresa e não estar envolvido com as questões cotidianas da empresa, consegue ser imparcial em suas decisões. O consultor interno, é aquele que é um funcionário da empresa e que realiza serviços para diversas áreas de empresa em que trabalha. Entre as principais vantagens ou qualidades desse tipo de consultor temos: o maior conhecimento dos aspectos informais da empresa, por já trabalhar na empresa ele já possui conhecimento mais aprofundado sobre o funcionamento e possíveis problemas ou dificuldades que estão sendo enfrentados; maior acesso a pessoas e aos grupos da empresa, como o consultor já é membro da organização, tem facilidade em manter a comunicação com as pessoas e os grupos que a compõem; participa de forma efetiva na avaliação e no controle do processo do trabalho que está sendo feito; possui certo poder

11 informal, como esse consultor já faz parte do quadro de funcionários da empresa, acaba interagindo com mais facilidade tanto com as pessoas quanto com os grupos da empresa, o que faz com que a comunicação possa acontecer de uma forma mais eficaz. Outro aspecto que deve ser avaliado também são as desvantagens do consultor externo e do consultor interno. É importante conhecer os pontos fortes e fracos de ambos para facilitar a escolha no momento da contratação. Quanto às desvantagens, ou pontos fracos, do consultor externo, temos: o menor conhecimento dos aspectos informais da empresa, por não fazer parte da mesma o consultor não tem um conhecimento aprofundado sobre os problemas e dificuldades enfrentadas; não possui poder formal, por ser uma pessoa contratada temporariamente para executar um serviço, o consultor externo não pertence à estrutura hierárquica da organização e consequentemente não possui poder formal nela; possui menor acesso informal, da mesma forma que ele não possui poder formal, o seu acesso informal é pouco pois não conhece as pessoas e grupos da empresa; normalmente não frequenta a empresa diariamente, por não ser um funcionário da mesma, o consultor geralmente não frequenta a empresa todos os dias, só faz isso quando acredita ser necessário. Quanto às desvantagens, ou pontos fracos, do consultor interno, temos: a menor aceitação dos superiores da empresa; é comum que possuam menos experiência, já que trabalham em apenas uma empresa e não realizam o mesmo serviço em outras; possuem menor liberdade para dizer e fazer as coisas, isso acontece pois geralmente eles não podem correr riscos e não têm autonomia suficiente para tomar certas decisões na empresa. 3.6.A importância do diagnóstico O diagnóstico é a fase fundamental no trabalho de um consultor, ele inicialmente irá analisar e conhecer os problemas que a empresa possui, em seguida, de acordo com seus conhecimentos dará o diagnóstico. Onde a partir deste, serão tomadas as medidas cabíveis para a melhoria da empresa. É com o diagnóstico que se torna possível planejar as soluções e melhorias futuras da empresa, verificando a sua realidade e agindo de acordo com ela. De acordo com Santos (2000), a elaboração de um diagnóstico possui algumas etapas fundamentais que devem ser realizadas para efetivar assim o diagnóstico de forma mais

12 concisa, são elas: a obtenção de dados iniciais; a análise preliminar da empresa; a inspeção das unidades de produção; a obtenção e análise de dados na empresa, contábeis e gerenciais; o estudo setorial; as entrevistas com os principais executivos; a análise integrada das informações; e as conclusões e elaborações do relatório final. É através do relatório final que o consultor vai dar o diagnóstico, ou seja, o resultado da sua pesquisa com toda a análise feita e as possíveis soluções. O relatório final explica a metodologia utilizada, apresentando a fundamentação sobre as premissas e sugestões conclusivas relativas ao objeto do estudo. (Santos, 2000, p.19)...os aspectos básicos a serem considerados pelo consultor empresarial são: identificação do problema-alvo, o qual será o foco do projeto de consultoria; análise do ambiente do projeto; definição dos objetivos, desafios e metas a serem alcançados; definição dos critérios e parâmetros de avaliação do projeto; elaboração dos estudos de viabilidade necessários; identificação da equipe de trabalho, envolvendo ou não profissionais da empresa-cliente; programação e alocação dos recursos; e elaboração do plano de projeto. (Oliveira, 2006, p. 101) Desta forma, é possível perceber que o diagnóstico a ser feito pelo consultor é essencial para o seu trabalho na empresa, pois nesta análise criteriosa em todos os departamentos é onde será aplicada as metodologias estratégicas e quando aplicadas,viabilizará como atingir os objetivos da organização. Sem que seja feito o estudo e o diagnóstico, não é possível fazer um trabalho de consultoria. 3.7.A consultoria e o treinamento Segundo Valença & Associados (1999), no treinamento não há a necessidade de se ter algum serviço de consultoria envolvido, porém todo e qualquer serviço de consultoria deve envolver algum serviço de treinamento.

13 Desta forma, é possível afirmar que o consultor deve estar apto a passar seu conhecimento em determinadas áreas através de treinamento, como forma de sanar algumas dificuldades ou problemas enfrentados pela empresa. De acordo com Dessler (2003), o treinamento é o conjunto de métodos usados para transmitir aos funcionários novos e antigos as habilidades necessárias para o desempenho do trabalho. Segundo ele, os cinco passos do processo de treinamento e desenvolvimento são: (1) Levantamento das necessidades, (2) projeto instrucional, (3) validação, (4) implementação e (5) avaliação.há vários tipos de treinamento no trabalho, e o mais conhecido é o método de substituição, no qual o funcionário é treinado no cargo por um trabalhador com experiência ou pelo supervisor dos treinados. Na consultoria além do treinamento, o desenvolvimento se torna fundamental para esse processo. Tanto o treinamento quanto o desenvolvimento seguem a mesma linha, onde o primeiro é consequência do segundo. Treinamento de aprendizagem é um processo estruturado pelo qual os indivíduos ganham habilidade por uma combinação de instrução em sala de aula e treinamento no trabalho. (Dessler,2003, p. 144). Pode-se afirmar dessa forma que o treinamento é um processo completamente essencial na atividade de consultoria empresarial. Não é possível haver um trabalho de consultoria sem que o consultor treine os funcionários da empresa. E além do treinamento, o desenvolvimento se torna fundamental para esse processo. O treinamento procura melhorar o atual desempenho dos executivos e funcionários da empresa-cliente, enquanto o desenvolvimento procura consolidar novas capacitações e habilidades que sejam necessárias para as atuais atividades, mas, principalmente, para as atividades futuras necessárias, tendo em vista o processo de inovação da empresa. (Oliveira, 2006, p.34) Desta forma é possível perceber que mesmo o treinamento sendo parte fundamental na atividade da consultoria, o desenvolvimento também possui uma função importante. Ele atua como um complemento ou consequência do treinamento.

14 4.Conclusão É possível constatar que o consultor tem se tornado peça fundamental no processo de desenvolvimento das empresas, sejam elas pequenas, médias ou grandes. Como foi visto anteriormente, o consultor de acordo com seus conhecimentos e metodologias, consegue encontrar as melhores soluções para os problemas e dificuldades que a empresa está passando, lembrando que o mesmo não possui o controle direto da situação. Muitas empresas sentem dificuldade em descobrir quando há a necessidade de contratar serviços de consultoria e qual serviço será contratado. Muitas são as dúvidas em relação a esses dois aspectos, mas é preciso apenas fazer uma análise do que a empresa precisa no momento e seus objetivos futuros, bem como analisar os possíveis consultores, observando qual deles tem o perfil adequado que irá suprir as necessidades da empresa. Na consultoria empresarial tanto o diagnóstico quanto o treinamento são de fundamental importância para que o consultor possa exercer suas atividades e obter os resultados esperados. É através do diagnóstico que o consultor irá identificar os problemas e dificuldades enfrentados pela empresa e traçar através dos seus conhecimentos e metodologias possíveis soluções que junto a um treinamento eficiente, obterá ótimos resultados, fazendo com que a empresa possa se desenvolver continuamente alcançando assim os objetivos desejados, pois é quando o diagnóstico é finalizado a empresa cliente consegue identificar o porque de mudanças,como serão realizadas,em quais setores,internos e externos para a devida tomada de decisões. É mister estar atento à todas as mudanças que vêm ocorrendo, principalmente, devido à globalização. As organizações precisam estar atualizadas, procurando sempre inovar e os serviços de consultoria acabam se tornando parte essencial nessa busca de atualização e inovação no mercado. Conclui-se então que a consultoria é de fundamental importância para o bom desenvolvimento das empresas, pois os empreendedores executam naturalmente a arte de fazer negócios, mas necessariamente não tem conhecimento para fazer um planejamento

15 estratégico, portanto a necessidade de encontrar as melhores soluções para os problemas existentes ou que podem surgir futuramente. 5.Referências Belfort, Judite. Consultoria empresarial: a função do consultor nas empresas. Disponível em: <http://tupi.fisica.ufmg.br/michel/docs/artigos_e_textos/gestao/consultoria_empresarial.pdf> acesso em 07/10/14 as 23:20. Chiavenato, Idalberto (1994), Administração de empresas uma abordagem contingencial/makron Books-São Paulo; Dessler, Gary (2003), Ad ministração de Recursos Humanos /São Paulo: 2ª.ed./Gary Dessler; tradução Cecilia Leão Oderch São Paulo: Prentice Hall. Drucker, Peter Ferdinand (2002), Introdução à Administração/São Paulo: Pioneira Thomson Learning; Moura, Ana Lúcia Neves de; Feitosa, Marcos Gilson Gomes; Souza. Bruno Campello de. Consultoria Interna: inspirando-se em Argyrispara uma ação mais eficaz. Disponível em: <https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact =8&ved=0CB0QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww.spell.org.br%2Fdocumentos%2Fdownlo ad%2f4769&ei=czfmvpppjcijnry3gpac&usg=afqjcnemax5sf7o9nihfhy1- Oh_8q8l3BQ&bvm=bv ,d.eXY> acesso em 15/10/14 as 23:50.

16 Oliveira, Djalma de Pinho Rebouças de (2006), Manual de consultoria empresarial; conceitos, metodologias, práticas/6ª. ed.- São Paulo - Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira; Pereira, Maria José Lara de Bretas (1999), Administração de empresas uma abordagem contingencial/makron Books-São Paulo; Santos, Vilmar Pereira dos (2000), Manual de Diagnóstico e reestruturação financeira de empresas/2ª.ed.- São Paulo:Atlas Vilmar Pereira dos Santos. Valença & Associados (1999), Utilização de Consultoria na Região Metropolitana do Recife; Uma pesquisa orgânica e qualitativa/recife: Valença e Associados Estratégias de Ação.

CONSULTORIA EMPRESARIAL

CONSULTORIA EMPRESARIAL D DE P R DE O JALMA INHO EBOUÇAS LIVEIRA Manual de CONSULTORIA EMPRESARIAL Conceitos Metodologia Práticas MANUAL DO PROFESSOR ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO ESTE MANUAL DO PROFESSOR DA DISCIPLINA CONSULTORIA

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

Objetivos. Produto da Consultoria. Consolidação do Profissional como Consultor. Prof. Carlos William de Carvalho. Produto:

Objetivos. Produto da Consultoria. Consolidação do Profissional como Consultor. Prof. Carlos William de Carvalho. Produto: Consolidação do Profissional como Consultor Prof. Carlos William de Carvalho Objetivos Quais aspectos a serem considerados para que uma pessoa se torne consultor empresarial? Como definir e qual a importância

Leia mais

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís O PROFISSIONAL-PESQUISADOR. O PERFIL ATUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO LUÍS Mônica Cairrão Rodrigues* ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís acredita que o diferencial na postura do

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JÂNIFFER APARECIDA DE SOUSA CONSULTORIA EMPRESARIAL: Uma oportunidade

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Fundamentos da Administração Estratégica AULA 2

Fundamentos da Administração Estratégica AULA 2 Fundamentos da Administração Estratégica AULA 2 Fundamentos da Administração Vem do latim: ad (direção para, tendência para) e minister (subordinação ou obediência), e significa aquele que realiza uma

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL Fabiana Custódio e Silva * Murilo Sérgio Vieira Silva **

Leia mais

Caro(a)s voluntário(a)s. é

Caro(a)s voluntário(a)s. é Os Caro(a)s voluntário(a)s. é com satisfação que apresentamos cinco na temática do empreendedorismo que vocês poderão implementar junto aos alunos das escolas parceiras: Introdução ao Mundo dos Negócios,

Leia mais

OS RESULTADOS DO E-LEARNING NO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO DOS GESTORES

OS RESULTADOS DO E-LEARNING NO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO DOS GESTORES 1 OS RESULTADOS DO E-LEARNING NO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO DOS GESTORES Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Franclin Michel Vasconcelos GONÇALVES 1 Lucas De Paiva ANDRADE 2 Pillar Caldeira SETIN 3 Nadia bosso FERNANDES

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

Plano de Negócios (PN): uma visão geral. O que é e para que serve

Plano de Negócios (PN): uma visão geral. O que é e para que serve Plano de Negócios (PN): uma visão geral. O que é e para que serve 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL. O QUE É E PARA QUE SERVE Objetivo específico - Ao concluir este módulo, você vai ser capaz de

Leia mais

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos;

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos; Diferentes empresas de pesquisa oferecem diferentes habilidades, experiências e instalações. Por essa razão, não existe uma única empresa que seja a mais apropriada para todos os tipos de problemas de

Leia mais

Sobre o Professor e os Discentes

Sobre o Professor e os Discentes FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE A melhor idéia, sem gente boa, não vai a lugar algum. Carlos Alberto Sicupira Controlador da ABInBev Presidente do Conselho das Lojas Americanas

Leia mais

Como planejar e executar um treinamento

Como planejar e executar um treinamento Como planejar e executar um treinamento Treinamento: uma breve conceituação Não há possibilidade de nos desenvolvermos economicamente e, consequentemente, elevarmos o nosso nível social, sem aumentarmos

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.2 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

TÍTULO: PROVISÃO DE PESSOAS: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE RECURSOS HUMANOS DO GRUPO PASTOFORT

TÍTULO: PROVISÃO DE PESSOAS: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE RECURSOS HUMANOS DO GRUPO PASTOFORT TÍTULO: PROVISÃO DE PESSOAS: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE RECURSOS HUMANOS DO GRUPO PASTOFORT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO

EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO RESUMO: Este artigo contém citações de alguns dos mestres do empreendedorismo e também

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS Guilherme Yuji FUKUMOTO 1 Gabriel Samorano MARINS 2 Roberta CAVALCANTE 3 RESUMO: Recrutamento e Seleção de Pessoal nada mais é que uma ferramenta funcional de todas as

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DE JOGOS NO TREINAMENTO PARA EDUCAÇÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DE JOGOS NO TREINAMENTO PARA EDUCAÇÃO EMPRESARIAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DE JOGOS NO TREINAMENTO PARA EDUCAÇÃO EMPRESARIAL Natália Aguiar de Menezes 1, Patrícia Rodrigues da Silva 2 RESUMO: O treinamento

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais Seção Relação entre as organizações cristãs e as Conforme discutido na Seção 1, as desempenham um papel na proclamação e na demonstração do evangelho. Entretanto, com muita freqüência, o papel da igreja

Leia mais

Competências organizacionais

Competências organizacionais GESTÃO DO PROCESSO JUDICIAL Capacidade de coordenar e controlar as atividades processuais, entregando com eficiência e presteza a tutela jurisdicional. EXCELÊNCIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Capacidade para

Leia mais

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira XXVIENANGRAD CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira FOZDOIGUAÇU,2015 TGA%TeoriaGeraldaAdministração CRECHEDECÃES:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos I-Organização da Administração Pública A vida da sociedade organizada pressupõe uma organização racional do trabalho, constituída de uma hierarquia

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares

Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares Empresa Familiar É considerada Empresa Familiar, toda a organização empresarial ligada a uma família, por pelo menos duas gerações. A importância

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 7 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceitos de planejamento

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Principais Vultos: Peter F. Drucker, Willian Newman, Ernest Dale, Ralph C. Davis, Louis Allen e George Terry.

Principais Vultos: Peter F. Drucker, Willian Newman, Ernest Dale, Ralph C. Davis, Louis Allen e George Terry. Abordagem Neoclássica da Administração Todas as teorias administrativas assentaram-se na Teoria Clássica, seja, como ponto de partida, seja como crítica para tentar uma posição diferente, mas a ela relacionada

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE. Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE. Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Prof. Washington Clay A. Santos Prof. Douglas de Moura Andrade PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva

Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira Muito já se escreveu sobre gerenciamento de projetos. Mas será que gerenciar projetos de inteligência competitiva (IC)

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 Versão: 2 Pág: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 13/10/2009 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto. Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5

O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto. Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5 O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Introdução Níveis de gerenciamento A função de gerente de projetos

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH 1/1 CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH Todas as disciplinas do curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos têm como critério para aprovação, em conformidade com o capítulo V do regimento escolar:

Leia mais

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 2013.02 AUDITORIA INTERNA Prof. Esp. Ailton Nóbrega www.profailtonnobrega@gmail.com www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 01. APRESENTAÇÃO Buscando complementar as informações trabalhadas em sala de aula

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área.

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. A história da psicologia organizacional é uma criação do século XX, com seu inicio no final do século

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Qual o conceito de empreendedor?...empreendedor é um indivíduo que imagina, desenvolve e realiza visões. Ele está sempre buscando novas idéias e criando

Leia mais

ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH

ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH Dados fornecidos por Carlos Alberto Maziero, coordenador de planejamento de carreira e desenvolvimento organizacional (Central, Campinas, SP); Antonio Marcos Vicentini, assessor

Leia mais

Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços. Vitória ES - 05/2012

Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços. Vitória ES - 05/2012 1 Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços Vitória ES - 05/2012 Categoria: Estratégias e Políticas Setor Educacional: Educação

Leia mais

FACITEC Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico FACITEC Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico PLANO DE ENSINO Administração em Comunicação Credenciada pelas Portarias MEC 292, de 15.02.2001

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Marcelo Augusto Loenert 1 Introdução As práticas de motivação e liderança estão sendo cada vez mais aplicadas nas organizações. Várias mudanças

Leia mais

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE 2 NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE Quando uma empresa vai pra internet e investe em marketing digital, essas são as 3 coisas que precisam ser feitas: 1- GERAR LEADS 2- TRANSFORMAR LEADS EM CLIENTES

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO DESENVOLVIMENTO E SUCESSO Janeiro de 2014 número 1 DISBEME COMEMORA UM ANO DO SEU PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Neste mês, a Disbeme Distribuidora de Tanhaçú/BA, comemorou um ano do lançamento do seu planejamento

Leia mais

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial.

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. G7 PRO UNIIDADE BRASIIL SSOLLUÇÕEESS EESSTTRRATTÉÉGI IICASS EEM SSEEGURRANÇA CÓDIGO DE ÉTICA Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. Este documento possui informações INTERNAS

Leia mais

Balanço Social 2007. 1 - Apresentação. 1.1 Carta do Diretor Executivo. Índice. 1 - Apresentação. 2 - Empresa. 3 - Qualidade.

Balanço Social 2007. 1 - Apresentação. 1.1 Carta do Diretor Executivo. Índice. 1 - Apresentação. 2 - Empresa. 3 - Qualidade. 1 - Apresentação Balanço Social Índice 1 - Apresentação 1.1 Carta do Diretor Executivo 1.2 Perfil do Empreendimento 1.3 Nossos Produtos e Serviços 1.4 Abrangência de Atuação 1.5 Setores de Atuação 2 -

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

Mensuração de Resultados

Mensuração de Resultados Mensuração de Resultados A Educação Corporativa mais Próxima da Estratégia do Negócio coleção 3 02 olá! A Affero Lab, maior empresa de Educação Corporativa do Brasil, tem se envolvido com todos os aspectos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Aula 08 Programas de Treinamento

Aula 08 Programas de Treinamento Aula 08 Programas de Treinamento Objetivos da aula: Conhecer os programas de desenvolvimento e métodos de treinamento utilizados nas empresas como sua política e prática de Recursos Humanos. Compreender

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Administrativos Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Livro: Gestão do Conhecimento

Livro: Gestão do Conhecimento Livro: Gestão do Conhecimento O grande desafio empresarial Autor: José Cláudio Cyrineu Terra Acadêmica: Camila Corrêa Ricardo Pode-se dizer que a Gestão do Conhecimento, como hoje é entendida, foi uma

Leia mais

Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas

Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas Prof. Paulo César Crepaldi UNIFEI Coordenação Prof. Dr. Evaldo Cintra 26/02/2013 Tecnologia - Definição A palavra Tecnologia (s. f.) tem a seu significado baseado

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2014.1. Organização, Sistemas e Métodos (OSM) ADM 028.

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2014.1. Organização, Sistemas e Métodos (OSM) ADM 028. Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

Gestão Estratégica. de Pessoas. Gestão por competências e desenvolvimento de líderes

Gestão Estratégica. de Pessoas. Gestão por competências e desenvolvimento de líderes Gestão Estratégica de Pessoas Gestão por competências e desenvolvimento de líderes Agenda Contextualização Evolução Conceito Gestão por competências Desenvolvimento de novos líderes Avaliação das pessoas

Leia mais

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do da AJES A - APRESENTAÇÃO 1. A empresa 1.1. Aspectos Gerais 1.1.1. História da empresa (da fundação a atualidade) 1.1.2. Visão, Missão e

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE ULRICH, Helen Departamento de Engenharia de Produção - Escola de Engenharia

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração. Conteúdo programático: Administração e suas Perspectivas

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração. Conteúdo programático: Administração e suas Perspectivas TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Administração Prof. Me. Olney Bruno da Silveira Junior Conteúdo programático:. Ênfase nas tarefas e Ênfase na Estrutura Organizacional. Ênfase nas Pessoas. Ênfase

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais