; RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-mail: cbottoli@hotmai.com ; aline_1252@yahoo.com.br; marianantoniazzi@hotmail.com; letimeller@yahoo.com.br; RESUMO"

Transcrição

1 SEPARAÇÃO CONJUGAL: SUAS IMPLICAÇÕES E OS DESAFIOS PARA PSICOLOGIA BOTTOLI, Cristiane, ANTONIAZZI, Marina Peripolli; DENARDI, Aline Tomazetti, SILVA, Letícia Meller. 1 Projeto de extensão, UNIFRA 2 Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 4 Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 5 Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil ; RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar os efeitos que a separação conjugal causa para os pais e filhos, assim como esclarecer a distinção entre parentalidade e conjugalidade e os desafios da psicologia diante da complexidade desse fenômeno. A partir de uma revisão bibliográfica, foi possível destacar que o rompimento do laço conjugal origina uma crise no grupo familiar que pode ser elaborada de uma forma menos ou mais adaptativa. Desse modo, o estudo evidencia que a separação conjugal repercute diretamente no exercicio parental dos ex-conjuges podendo causar sérios prejuízos ao desenvolvimento da criança. Cabe a Psicologia promover espaços de escuta e reflexão para a compreensão das dificuldades oriundas da separação, viabilizando o reconhecimento da distinção entre a conjugalidade e a parentalidade. Palavras-chave: Separação Conjugal; parentalidade, conjugalidade. 1. INTRODUÇÃO Há poucas décadas não enfrentávamos dificuldade alguma para definir família, bem como, para descrever quem são os seus membros. Hoje, a cada dia, cresce a quantidade de notícias a respeito de novos arranjos familiares. Estas mudanças no modelo familiar, 1

2 apesar de observadas, não têm sido acompanhadas pelas práticas profissionais, que permanecem aplicando o entendimento construído a partir do viés do modelo familiar tradicional. Além disso, a condição da separação conjugal tem contribuído fortemente para o aumento da diversidade de modelos e estruturas de famílias (WAGNER e LEVANDOWSKI, 2008). De acordo com Schabbel (2005) o divórcio legaliza um estado de discórdia entre o casal. Configura um processo de disputa e exige a criação de novas estruturas de convivência doméstica, principalmente no que tange a pais e filhos. Tanto no âmbito clínico quanto no forense, estudos demonstram que os conflitos vividos pelos pais antes e durante o processo de separação, causam problemas de ajustamento nos filhos que vivenciam o divórcio como um mistério que precisa ser explicado com clareza e objetividade. Todos familiares, vivenciam incertezas e angústias que ameaçam a estabilidade pessoal, exigindo a elaboração de uma perda. Esses acontecimentos passam a desencadear falhas na comunicação e interpretações errôneas permeadas de mágoas e ressentimentos, gerando, deste modo, inúmeros conflitos, afetando diretamente o exercício parental. Frente a essa realidade o presente estudo busca através de uma revisão bibliográfica, reconhecer os efeitos que a separação conjugal causa a pais e filhos. Da mesma forma, elucidar a distinção entre parentalidade e conjugalidade, sendo que diante do processo de separação torna-se crucial o reconhecimento da diferença entre o exercicio parental e conjugal para que a vivência desse processo seja mais saudável para todos envolvidos. Nessa perspectiva a atuação da Psicologia como ciência e profissão inclina-se à compreensão dos desafios.da eminência de novos arranjos familiares que instituem a redefinição dos papéis e da dinâmica tida como tradicional na família. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 Efeitos que a separação causa para os pais e filhos Diante da complexidade do tema que é a separação conjugal na atualidade, o objetivo desta revisão bibliográfica é discutir os efeitos que a separação causa na vida dos pais e dos filhos, apontando esses acontecimentos como um fenômeno social que afeta milhares de famílias no Brasil. Segundo Romaro e Oliveira (2008) quando um casal decide separar-se haverá uma crise importante na vida das pessoas nela envolvidas direta ou 2

3 indiretamente, podendo ser elaborada de uma forma menos ou mais adaptativa. Cabe ressaltar também que, algumas pessoas não conseguem lidar facilmente com as alterações ligadas à separação, pois o rompimento conjugal não envolve apenas o sair de casa, mas a necessidade de assumir responsabilidades legais, sociais e emocionais que este momento exige. De acordo com Brito, Cardoso e Oliveira (2010) a separação conjugal é identificada como um fator responsável por inúmeras mudanças no cotidiano da família, especialmente quando o casal possui filhos. Segundo Nazareth (2004) esta realidade envolve transformações na estrutura e na dinâmica familiar, determinando uma nova configuração familiar sendo que a conjugalidade foi rompida. Com o rompimento conjugal frequentemente estão presentes conflitos e questões emocionais não resolvidas pelo ex-casal, gerando sentimentos depreciativos em relação ao ex-companheiro como raiva, traição, desilusão com o casamento, e uma vontade consciente, ou não, de se vingar pelo sofrimento causado, tanto para o ex-cônjuge, quanto com relação aos filhos oriundos desta relação (SOUSA, 2010). Neste contexto, destaca-se também que, a separação conjugal pode causar efeitos psicológicos estando relacionados ao aumento de doenças físicas e emocionais. De acordo com Bee apud Romaro e Oliveira (2008) pessoas que recentemente separaram-se estão vivendo um momento de fragilidade e propensas a sofrerem acidentes automobilísticos, à tendência a cometerem suicídio, faltar ao trabalho e se deprimir com facilidade. Conforme apontado, os efeitos psicológicos podem ter consequências desastrosas, sendo fundamental seu estudo nos serviços de saúde no sentido de caracterizar aspectos da demanda do grupo de ex - casal. Além disso, cabe destacar também que o grupo familiar como um todo segundo Schabbel (2005) acaba sendo prejudicado quando um dos cônjuges resolve sair de casa, surgindo sentimentos de perda, fracasso, desamparo, abandono, rejeição, medo, insegurança e incertezas. Assim, o divórcio legaliza um momento de desunião entre o excasal gerando, muitas vezes, um clima de disputa entre o filho, criando novas estruturas de convivência entre eles e principalmente provocando angústias e incertezas que ameaçam a estabilidade pessoal de todo o grupo familiar. Já para os filhos a separação representa um mistério no qual não se tem conhecimento das causas, sendo necessário que esta seja explicada por ambos os pais com o máximo de transparência e objetividade. 3

4 Até aqui percebe-se que as repercussões que uma separação conjugal causa são inúmeras, mas cabe ressaltar que uma das grandes dificuldades suscitadas neste momento, quando o ex casal possui filhos, é o fato de um deles, ou o pai ou a mãe, quererem desvincular-se, desligar-se completamente, sendo que na verdade isso poderá gerar grandes repercussões para todos os envolvidos, pois o que termina é a relação conjugal e não a relação parental. Com isso, é importante que o ex-conjuge preserve as relações parentais e possa principalmente ser capaz de estabelecer entendimentos mútuos com relação aos filhos. Assim, entende-se que a separação causará efeitos no grupo familiar inclusive nos filhos. Estes efeitos geralmente são negativos para a criança ou adolescente que enfrenta o medo e as consequências de um lar desfeito. Pesquisas realizadas fora do Brasil apontam a duas percepções provocadas nos filhos pelo efeito da separação que são o medo, inconsciente ou consciente, de que o outro cônjuge também vá embora, e a percepção de que os adultos não são confiáveis e nem honestos (SCHABBEL, 2005, p. 14). Além disso, cabe destacar, como outra conseqüência esperada, os momentos delicados e difíceis que o casal e os filhos passarão a conviver no que diz respeito às questões práticas como a guarda e a visita e aos aspectos emocionais como, por exemplo, a perda da convivência diária com um dos pais e os sentimentos de abandono, rejeição e desamor. Para Cezar- Ferreira (1995) outra questão relevante é que nesse processo de separação, os filhos precisam cada vez mais dos pais, só que, muitas vezes, estes se encontram neste momento fragilizados e vulneráveis pelo rompimento, uma vez que há uma perda a ser elaborada e inúmeros sentimentos emergem, como a frustração por falharem no casamento, sendo que além disso, aspectos práticos precisam ser resolvidos. Segundo Sousa (2010) na medida em que os filhos são maiores eles passam a assumir responsabilidades nos cuidados da casa e consigo pós-separação e sendo muitas vezes o confidente de sua mãe. A separação conjugal gera nos filhos uma dependência física e emocional em relação à mãe, sendo que esta é a única referência parental na casa. Para a autora uma das queixas dos filhos com relação a separação dos pais é com o afastamento que, ocorre em relaçao ao conjuge que não mora mais no mesmo lar. De acordo com Gottman apud Braz, Dessen e Silva (2005) as influências negativas produzidas nas crianças, em conseqüência de relações conjugais insatisfatórias, incluem desde 4

5 problemas de saúde, depressão, baixa competência social e baixa performance acadêmica se o filho é um jovem adulto, até vários outros distúrbios de conduta. Outra situação difícil vivenciada pelos filhos diz respeito ao fato de quando eles são colocados no meio dos conflitos dos pais, sendo que às vezes o pai ou a mãe, ou ambos jogam o filho um contra o outro. Segundo Brito (2008) logo após a separação alguns filhos exercem a tarefa de transmitir recados, informações já que os pais pós separação pouco se falam. Estes recados dizem respeito a questões financeiras e ao cotidiano dos filhos. Percebe-se no entanto que mesmo após a separação, os filhos continuam expostos às brigas. Em suma, pode-se dizer que com o rompimento conjugal inúmeras mudanças irão ocorrer no ambiente familiar, especialmente quando o casal possui filhos. Uma nova realidade estará presente envolvendo transformações na estrutura e na dinâmica familiar, determinando novas configurações e funcionamentos familiar. 2.2 Parentalidade e Conjugalidade Sabe-se que a separação é um processo doloroso onde todos da família estão envolvidos, podendo trazer modificações para o exercício dos papéis parentais, como também sérias conseqüências nas relações entre pais e filhos (SOUSA, 2010). Além disso, de acordo com Grzybowski (2011) uma das grandes dificuldades na separação é a diferenciação entre a conjugalidade, ser marido e mulher, e a parentalidade, ser pai e mãe. Frente a isso, cabe diferenciar a parentalidade da conjugalidade. Para Solis-Ponton (2004) a parentalidade é a capacidade psicológica de exercer a função parental, ou seja, ter a competência de ser pai ou mãe suficientemente bons para seus filhos. Já para definir conjugalidade é necessário fazer uma diferenciação com vinculo conjugal. Assim, conforme Sousa (2010) o vínculo conjugal serve para designar aspectos de ordem relacional, afetiva ou psicológica envolvidos no casamento, enquanto que, a conjugalidade seria mais ampla, pois envolve além dos aspectos psicológicos, outros de caráter sociológicos, histórico, jurídico, bem como a vida cotidiana. Com isso, embora a conjugalidade venha a ser desfeita com o fim do casamento, é possível que ainda perdure o vínculo conjugal entre os exparceiros. Ou seja, quando acontece a separação de fato pode não acontecer a separação 5

6 emocional e o ex-casal continua vivenciando sentimentos de raiva, traição, desilusão com o casamento, e os filhos, por vezes, são envolvidos no conflito como uma forma de atingir o ex-companheiro. Desta forma, faz-se necessário entender as configurações da parentalidade e da conjugalidade, pois, conforme Grzybowski (2011) casais com carga emocional conflitiva, provavelmente não conseguirão definir fronteiras nítidas entre a parentalidade e a conjugalidade, e ficará mais difícil manter a estabilidade necessária para o bem estar dos filhos. Porém, o que se espera do casal é que, apesar de seus conflitos e divergências, eles consigam se separar mantendo o respeito mútuo, e com isso, estabelecendo regras de funcionamento que privilegiem a qualidade de vida dos filhos, amenizando as perdas e o sofrimento que causa todo o processo de separação. Mediante isso, destaca-se que a parentalidade continua após a separação, porque por mais que existam ex-maridos e ex-esposas, jamais existirá ex-mãe e ex-pai, pois o vínculo parental é para sempre (GRZYBOWSKI, 2011). Além disso, a mesma autora acredita que a parentalidade implica uma série de responsabilidades essenciais para com os filhos, e precisa ser remodelada e adequada no contexto de separação conjugal, porque enquanto pais, o ex-casal, precisa compartilhar a tarefa de educar os filhos, abrindo espaço para o que denominamos de coparentalidade. Para Grzybowski e Wagner (2010) a coparentalidade está presente sempre que os pais, mesmo casados, negociam seus papéis, responsabilidades e contribuições para com seus filhos e, para que aconteça é necessária a presença de duas pessoas envolvidas responsáveis pela educação dos filhos, porém, sabe-se que, num contexto de separação conjugal, isto nem sempre ocorre, porque o que se vê é que muitos pais e mães divorciados encontram dificuldades em manter um relacionamento coparental saudável. Mas, para que isso ocorra de maneira mais saudável, acrescenta-se a definição da coparentalidade, o entendimento de que esta implica num interjogo de papéis que se relacionam com o cuidado global da criança, e que precisa envolver responsabilidade conjunta dos pais pelo bem-estar da mesma (GRZYBOWSKI e WAGNER, 2010). Além disso, para que as modificações, decorrentes do contexto da separação conjugal, ocorram de uma forma menos dolorosa para os envolvidos, seria importante que pais e filhos renegociassem as fronteiras em suas relações, combinando poder e intimidade. 6

7 Wagner e Levandowski (2008) destacam que, frente à ruptura conjugal, as famílias que conseguem construir fronteiras nítidas entre os seus membros e manter uma hierarquia capaz de preservar a relação de cuidado, proteção e amor para com seus filhos, têm grande potencial para se reorganizar de forma mais exitosa e saudável. Além disso, fatores como a manutenção da harmonia entre os pais, o tempo dedicado aos filhos, o estilo de vida dos progenitores, a presença ou ausência de um projeto de vida familiar, potencializam a família na formação de hábitos, atitudes e valores dos seus filhos. Portanto, são importantes medidas que visam favorecer o diálogo no grupo familiar, ao mesmo tempo em que promovem o respeito aos direitos de pais, mães e filhos na família pós-divórcio (SOUSA, 2010). 2.3 Desafios para a psicologia Frente a essa problemática, cabe ao profissional da psicologia promover o reconhecimento da distinção do exercício parental do conjugal, que nesse momento se desfaz, bem como os entendimentos e sentimentos decorrentes deste processo. Uma vez que a família com consistência ideológica e emocional é o veículo promotor da socialização dos filhos, torna-se prioritário o trabalho em prol do fortalecimento dos vínculos pai-filho frente ao processo e efetivação divórcio. Neste contexto,brito et al (2010) propõe o desenvolvimento de grupos de reflexão, de modo que esses atuem como facilitadores à compreensão dos problemas àqueles que desfazem a conjugalidade, implicando pais e mães no desenvolvimento de condições mais saudáveis de convivência após o divórcio sem transpor as mágoas conjugais para a relação parental que é indissolúvel. Outro aspecto apontado por Schabbel (2005) é de que o casamento ainda faz parte da subjetividade da maioria dos indivíduos. Assim, quando um casal enfrenta a separação, essa assume a resposta final a um conjunto de frustrações pessoais provocadas pela nãorealização de esperanças e anseios mútuos. Do mesmo modo cabe ao saber psicológico, atuar em conjunto com outros profissionais, na resolução dos conflitos conjugais oriundos do divórcio. A atuação através de processos de mediação permite ao profissional da psicologia operar nos aspectos emocionais da crise de separação vivida pelo casal, reconhecendo que essas são tanto parte do problema quanto de sua solução e, uma vez endereçadas, 7

8 clareadas e resolvidas, facilitam a negociação das opções mais adequadas para reorganizar as funções, papéis e obrigações da família. Desta forma, entende-se que cada família deverá descobrir uma nova forma de (re)estruturação, cabendo ao profissional da Psicologia auxiliá-la neste caminho singular, para que os papéis de cada um possam ser redefinidos através do desejo real de assumir suas próprias vidas. O desafio se constitui na reavaliação dos parâmetros familiares e pessoais e no reconhecimento destes, pois atualmente novos elementos ampliam o conceito de família e desafiam o nosso olhar, enquanto profissionais psi, sobre o fenômeno da separação conjugal e suas repercussões nas relações familiares (WAGNER e cols, 2011). 3. CONCLUSÃO A separação conjugal é identificada como um fator responsável por inúmeras mudanças no cotidiano da família, especialmente quando o casal possui filhos. Diante da bibliografia estudada conclui-se que, vivenciada a separação, uma nova realidade estará exposta envolvendo transformações na estrutura e na dinâmica familiar. O grupo familiar como um todo acaba sendo prejudicado quando um dos cônjuges resolve sair de casa. Surgem sentimentos de perda, fracasso, desamparo, abandono, rejeição, medo, insegurança e incertezas circundando esses sujeitos, que afetam diretamente os novos arranjos familiares e a reedição de papéis que esse fenômeno impõe. Percebeu-se que a distinção entre conjugalidade e o exercício parental, ou seja, a parentalidade é um desafio à demanda dos novos modelos familiares, de modo que a separação conjugal implica os sujeitos a lidarem com frustrações particulares que reeditaram seus papéis na família. A separação conjugal determina o término da relação entre os cônjuges, no entanto, há de ser vivenciada como algo inerente ao exercício parental que constitui uma relação indissolúvel. Nessa perspectiva cabe a Psicologia promover espaço de escuta e reflexão que viabilizem aos sujeitos a introjeção desses novos papéis para que as mágoas e frustrações oriundas da separação não prejudiquem o exercício parental dos cônjuges. Nesse contexto que vulnerabiliza toda família, a relação entre pais e filhos há de ser fortalecida em prol do desenvolvimento saudável da criança. À família cabe o reconhecimento do seu novo funcionamento e estruturação, implicando o saber da Psicologia ao estudo e atuação nesse 8

9 campo de intensas mudanças e grandes repercussões causadas pelo término do laço conjugal. REFERÊNCIAS BRITO, Leila Maria Torraca de. Família e separações: perspectivas da psicologia jurídica. In:. Alianças desfeitas, ninhos refeitos: mudanças na família pós-divórcio. Rio de Janeiro: EdUERJ, p BRITO, Leila Maria Torraca de; CARDOSO, Andréia Ribeiro; OLIVEIRA, Juliane Dominoni Gomes de. Debates entre pais e mães divorciados: um trabalho com grupos. Psicol. cienc. prof. [online]. 2010, vol. 30, n. 4, pp ISSN BRAZ, Marcela Pereira; DESSEN, Maria Auxiliadora e SILVA, Nara Liana Pereira. Relações conjugais e parentais: uma comparação entre famílias de classes sociais baixa e média. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 2005, vol.18, n.2, pp ISSN CÉZAR-FERREIRA, V. A. M. Da pertinência da interdisciplinaridade nas questões de família. Revista Direito de Família e Ciências Humanas, São Paulo, 1995, p GRZYBOWSKI, L. S. Ser pai e ser mãe como compartilhar a tarefa educativa após o divórcio? In: WAGNER, A. e cols. Desafios psicossociais da família contemporânea. São Paulo: Artmed, GRZYBOWSKI, L. S e WAGNER, A. Casa do pai, casa da mãe: A coparentalidade após o divórcio. Psicologia: Teoria e Pesquisa Jan-Mar 2010, Vol. 26 n. 1, pp Nazareth, Eliana R. Família e divórcio. In: Cerveny, Ceneide Maria de Oliveira (Org.), Família e divórcio. São Paulo: Casa do Psicólogo, p SCHABBEL, Corinna. Relações familiares na separação conjugal: contribuições da mediação. Psicol. teor. prat. [online]. 2005, vol.7, n.1, pp ISSN SOLIS-PONTON, L.; Ser pai, ser mãe: parentalidade: um desafio para o terceiro milênio. São Paulo: Casa do Psicólogo, SOUSA, Analicia Martins de. Síndrome da alienação parental: um novo tema nos juízos de família. In:. O rompimento conjugal. São Paulo: Cortez, cap. 1 p ROMARO, Rita Aparecida e OLIVEIRA, Patricia Evangelista C. Leal. Identificação das queixas de adultos separados atendidos em uma clínica-escola de Psicologia. Psicol. cienc. prof. [online]. 2008, vol.28, n.4, pp ISSN WAGNER, A.; LEVANDOWSKI, D. C.; Sentir-se bem em família: um desafio frente à diversidade. Revista textos & Contextos Porto Alegre v. 7 n. 1 p jan./jun

10 WAGNER, A, Cols. Desafios da família contemporânea. In:. Desafios Psicossociais da Família Contemporânea. São Paulo: Artemd,

O LUGAR DO FILHO NA SEPARAÇÃO CONJUGAL

O LUGAR DO FILHO NA SEPARAÇÃO CONJUGAL O LUGAR DO FILHO NA SEPARAÇÃO CONJUGAL 2014 Joyce Borges Boamorte Psicóloga Judiciária do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo E-mail de contato: borgespsico@gmail.com RESUMO O presente artigo discorre

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

SEPARAÇÃO CONJUGAL E A ALIENAÇÃO PARENTAL: DESDOBRAMENTO NO ESTADO EMOCIONAL DOS FILHOS

SEPARAÇÃO CONJUGAL E A ALIENAÇÃO PARENTAL: DESDOBRAMENTO NO ESTADO EMOCIONAL DOS FILHOS 1 SEPARAÇÃO CONJUGAL E A ALIENAÇÃO PARENTAL: DESDOBRAMENTO NO ESTADO EMOCIONAL DOS FILHOS FREITAS, Carlos David 1 RESUMO Este artigo tem por finalidade propor reflexão sobre o estado emocional dos filhos

Leia mais

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde 5 Carmen Luiza Correa Fernandes e Lêda Chaves Dias Curra Médicas de Família e Comunidade / Terapeutas de Família e Casais

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR ALINE ESQUARCIO SOBRINHO 1 ROSANA MOREIRA 2 RESUMO: Este trabalho almeja demonstrar uma visão inovadora do instituto da Guarda

Leia mais

FAMÍLIA NA CONTEMPORANEIDADE: REFLEXÕES ACERCA DO LUGAR DO PAI. BITELBRON, Elaine; BOTTOLI, Cristiane; CHERON, Taline; GIL, Bruna.

FAMÍLIA NA CONTEMPORANEIDADE: REFLEXÕES ACERCA DO LUGAR DO PAI. BITELBRON, Elaine; BOTTOLI, Cristiane; CHERON, Taline; GIL, Bruna. FAMÍLIA NA CONTEMPORANEIDADE: REFLEXÕES ACERCA DO LUGAR DO PAI BITELBRON, Elaine; BOTTOLI, Cristiane; CHERON, Taline; GIL, Bruna. RESUMO: O presente estudo discorre a respeito do lugar do pai dentro do

Leia mais

A Guarda Compartilhada

A Guarda Compartilhada A Guarda Compartilhada Maria Carolina Santos Massafera Aluna do curso de pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil na Fundação Aprender Varginha, em convênio com o Centro Universitário Newton Paiva.

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

COMPORTAMENTO AGRESSIVO DO ADOLESCENTE: A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA E A INTERVEÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NESTE CONTEXTO

COMPORTAMENTO AGRESSIVO DO ADOLESCENTE: A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA E A INTERVEÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NESTE CONTEXTO COMPORTAMENTO AGRESSIVO DO ADOLESCENTE: A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA E A INTERVEÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NESTE CONTEXTO Carla Regina de Oliveira SANTELLO 1 Mayara Lima LOPES 2 Valderes Maria ROMERA 3 RESUMO: O

Leia mais

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL CEZAR, Pâmela Kurtz; MELLO, Lauren Machado. Revisão Bibliográfica Curso de Pós Graduação: Especialização

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça I- A Comissão de Abrigo da Comarca de São Paulo A comissão de abrigo é constituída de assistentes sociais e psicólogos da capital que se reúnem desde 2005 sob a coordenação do Núcleo de Apoio Profissional

Leia mais

ANEXO AO PROTOCOLO DE SERVIÇOS

ANEXO AO PROTOCOLO DE SERVIÇOS ANEXO AO PROTOCOLO DE SERVIÇOS Unidade de Intervenção Especializada em Terapia Familiar e do Casal e Unidade de Peritagens/ Pareceres Psicológicos 1 Definição e Problemáticas Indicadas A. A Unidade de

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia de Casal Débora Kalwana Flávia Verceze Júlia Montazzolli

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

Mediação: processo comunicacional não violento

Mediação: processo comunicacional não violento Mediação: processo comunicacional não violento Desde que comecei a escrever nessa coluna, preocupo-me em deixar muito claro do que se trata a mediação. Assim, a mediação é um processo conversacional pacífico,

Leia mais

Aprender a Educar Programa para Pais

Aprender a Educar Programa para Pais Aprender a Educar Programa para Pais 9ª Edição 2013 Ser Pai e Mãe é um desafio constante! O Programa APRENDER A EDUCAR é uma iniciativa da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

CASAL. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica

CASAL. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica e Prática Clínica Atendimento Psicanalítico de CASAL Atendimento PsicANALÍTICO DE CASAl Isabel Cristina Gomes Lidia Levy e cols. Coordenação da Série Isabel Cristina Gomes z Zagodoni Editora Copyright

Leia mais

Casamento, Divórcio e Recasamento. Prof Dra Rejane Veiga Oliveira Johann

Casamento, Divórcio e Recasamento. Prof Dra Rejane Veiga Oliveira Johann Casamento, Divórcio e Recasamento Prof Dra Rejane Veiga Oliveira Johann Casando e descasando: vicissitudes da Rede Social durante o casamento e o divórcio (Sluzki, 1997) A história da formação do casal

Leia mais

ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas.

ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas. ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas. Carolina M. M. de Albuquerque Edilene F. Queiroz A iniciativa de adotar pode ser explicada como uma tentativa

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DA FAMILIA NUCLEAR PARA A FAMÍLIA CONTEMPORANEA: NOVAS CONFIGURAÇÕES (2012) 1

TRANSFORMAÇÕES DA FAMILIA NUCLEAR PARA A FAMÍLIA CONTEMPORANEA: NOVAS CONFIGURAÇÕES (2012) 1 TRANSFORMAÇÕES DA FAMILIA NUCLEAR PARA A FAMÍLIA CONTEMPORANEA: NOVAS CONFIGURAÇÕES (2012) 1 BOTTOLI, Cristiane 2 ; BÜRGER, Raquel Baptista 3 ; CASTRO, Luiza Manassi 4 ; FERRÃO, Natacha da Rosa 5 1 Trabalho

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

BIBLIOTECA PARA PAIS.

BIBLIOTECA PARA PAIS. Nossa sociedade mudou, temos uma inversão de papeis e valores, mais informação do que podemos absorver, a mulher trabalha fora, o avanço tecnológico foi grande, a família mudou, a criança mudou, o aluno

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

A ESPIRAL DAS FAMÍLIAS: As fases do ciclo de vida Claudia cacau Furia César 1 Lucimara Martins Pereira

A ESPIRAL DAS FAMÍLIAS: As fases do ciclo de vida Claudia cacau Furia César 1 Lucimara Martins Pereira A ESPIRAL DAS FAMÍLIAS: As fases do ciclo de vida Claudia cacau Furia César 1 Lucimara Martins Pereira A família é o lugar que dá origem a história de cada pessoa, é o espaço de vida privada onde se dão

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

CONSTRUINDO PONTES ENTRE A FAMÍLIA E A ESCOLA (2)

CONSTRUINDO PONTES ENTRE A FAMÍLIA E A ESCOLA (2) CONSTRUINDO PONTES ENTRE A FAMÍLIA E A ESCOLA (2) Eliane Calheiros Cansanção Psicóloga e Psicopedagoga Este artigo tem como objetivo refletir sobre as relações entre a família e a escola, de forma a pensar

Leia mais

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES Cristina Ferreira Assis 1 Rosa Maria da Exaltação Coutrim 2 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO A pesquisa ora apresentada refere-se ao ser

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) "Cuidados Paliativos consistem

Leia mais

A Mediação Aplicada nos Conflitos Familiares

A Mediação Aplicada nos Conflitos Familiares A Mediação Aplicada nos Conflitos Familiares Mediação e Conciliação: São procedimentos utilizados na resolução do conflito Conflito: dissenso; relação divergente Conciliação: há hierarquia dos sujeitos;

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

Guarda. Guarda Compartilhada. Filhos Menores. Interesse do Menor. Aplicação

Guarda. Guarda Compartilhada. Filhos Menores. Interesse do Menor. Aplicação DA GUARDA COMPARTILHADA Rayssa Marques Tavares RESUMO: O tema procura abordar a guarda dos filhos menores de pais separados conjugalmente. Pois, acredita-se que as crianças sofram muito com essa ruptura,

Leia mais

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO 87 A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO A Lei 12.424, de 16 de junho de 2011, ao introduzir o art. 1240-A no Código Civil, instituiu uma nova modalidade de usucapião no direito

Leia mais

A MEDIAÇÃO FAMILIAR é um processo extra-judicial. Made By Jaime Roriz (XII Forum da Criança) 1

A MEDIAÇÃO FAMILIAR é um processo extra-judicial. Made By Jaime Roriz (XII Forum da Criança) 1 A MEDIAÇÃO FAMILIAR é um processo extra-judicial Made By Jaime Roriz (XII Forum da Criança) 1 A Mediação Familiar propõe a igualdade das oportunidades, a decisão voluntária, e uma negociação cujo fim último

Leia mais

A REALIZAÇÃO DO PSICODIAGNÓSTICO COMO PROCESSO COMPREENSIVO: ESTUDO DE CASO COM UMA PRÉ-ADOLESCENTE (2012) 1

A REALIZAÇÃO DO PSICODIAGNÓSTICO COMO PROCESSO COMPREENSIVO: ESTUDO DE CASO COM UMA PRÉ-ADOLESCENTE (2012) 1 A REALIZAÇÃO DO PSICODIAGNÓSTICO COMO PROCESSO COMPREENSIVO: ESTUDO DE CASO COM UMA PRÉ-ADOLESCENTE (2012) 1 LAUERMANN, Jusiene Denise 2 ; BOTTOLI, Cristiane 3 1 Trabalho de Estágio _UNIFRA 2 Curso de

Leia mais

GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ RESUMO

GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ RESUMO GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ MOREIRA, Andressa Becker²; VISENTINI, Danielle Machado ²; GONÇALVES, Camila dos Santos³ 1 Trabalho sobre relato de experiência de estágio _UNIFRA

Leia mais

COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA

COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA COMO LIDAR COM O DEPENDENTE QUÍMICO E SUA FAMÍLIA Msc Rosa Graciela de Campos Lopes A dependência de drogas pode ser considerada como uma doença que, como qualquer outra, pode ser tratada e controlada,

Leia mais

TÍTULO: ARTE MARCIAIS EM BUSCA DO AUTOCONHECIMENTO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: ARTE MARCIAIS EM BUSCA DO AUTOCONHECIMENTO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARTE MARCIAIS EM BUSCA DO AUTOCONHECIMENTO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Mediação Familiar: Uma nova proposta

Mediação Familiar: Uma nova proposta Mediação Familiar: Uma nova proposta Lara Mascarenhas 1 1.Bolsista Extensão Universidade Federal de São João del-rei, Discente e-mail: lara_mrp@yahoo.com.br do Curso de Psicologia. Resumo: O presente projeto

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 BISOGNIN, Patrícia 2 ; SIQUEIRA, Alessandro 2 ; BÖELTER, Débora Cardoso 2 ; FONSECA, Mariana 2 ; PRUNZEL

Leia mais

CONFLITOS FAMILIARES A MEDIAÇÃO COMO INSTRUMENTO CONSENSUAL DE SOLUÇÃO

CONFLITOS FAMILIARES A MEDIAÇÃO COMO INSTRUMENTO CONSENSUAL DE SOLUÇÃO CONFLITOS FAMILIARES A MEDIAÇÃO COMO INSTRUMENTO CONSENSUAL DE SOLUÇÃO Lilia Maia de Morais Sales Professora Titular da Universidade de Fortaleza, Doutora/UFPE 1 Considerações Iniciais A Instituição família

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Mediação Familiar. Maria Clara Sottomayor

Mediação Familiar. Maria Clara Sottomayor Maria Clara Sottomayor Noção: Modalidade extra-judicial de resolução de alternativa de litígios emergentes de relações familiares, em que as partes com a sua participação activa e directa, são auxiliadas

Leia mais

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA 1 OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA Maria Adelane Monteiro da Silva Antonia Eliana de Araújo Aragão Keila Maria de Azevedo Ponte Lourdes Claudênia

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Os Negócios Jurídicos Da União Estável E Terceiros De Boa-fé Maíta Ponciano Os Casais que vivem união estável DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS DA UNIÃO ESTÁVEL E TERCEIROS DE BOA-FÉ. Desde

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz Receitas para a Escola e Família na melhoria do processo educativo: verdade ou provocação? Orlanda Cruz Promovendo a Parentalidade Positiva Cruz Orlanda Parentalidade (positiva) Criar as condições (necessárias,

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Boa Saúde. Brian L. Mishara, Ph.D., Professor do Departamento de Psicologia, Universidade de Quebec Montreal, Canadá

Boa Saúde. Brian L. Mishara, Ph.D., Professor do Departamento de Psicologia, Universidade de Quebec Montreal, Canadá Guia para Pais Boa Saúde Nós cuidamos bastante da saúde física das nossas crianças cuidamos para que comam bem e que estejam agasalhadas quando faz frio e também as motivamos para a prática de esportes

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OBRIGATORIEDADE DA GUARDA COMPARTILHADA Patrícia Serafini Gross 1 Júlia Bagatini 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 A FAMÍLIA E O PODER FAMILIAR. 3 A GUARDA DE FILHOS. 4 A GUARDA COMPARTILHADA. 5 CONCLUSÃO.

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR"

Mostra de Projetos 2011 UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

OS EFEITOS DO DIVÓRCIO NA FAMÍLIA COM FILHOS PEQUENOS

OS EFEITOS DO DIVÓRCIO NA FAMÍLIA COM FILHOS PEQUENOS OS EFEITOS DO DIVÓRCIO NA FAMÍLIA COM FILHOS PEQUENOS 2013 Mariana Monteiro Silva Santos Aluna da Universidade Jorge Amado - UNIJORGE (Salvador, Brasil) E-mail de contato: marimssantos@gmail.com RESUMO

Leia mais

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ BARRETO, Adriano Albuquerque

Leia mais

DIVÓRCIO NO CONTEXTO ATUAL: Aspectos relevantes a partir da visão feminina. MOREIRA, Márcia Regina Salviano¹ FONSECA, Bárbara Cristina Rodrigues²

DIVÓRCIO NO CONTEXTO ATUAL: Aspectos relevantes a partir da visão feminina. MOREIRA, Márcia Regina Salviano¹ FONSECA, Bárbara Cristina Rodrigues² DIVÓRCIO NO CONTEXTO ATUAL: Aspectos relevantes a partir da visão feminina. MOREIRA, Márcia Regina Salviano¹ FONSECA, Bárbara Cristina Rodrigues² Resumo: O divórcio é considerado um dos momentos mais estressantes

Leia mais

DIVÓRCIO. Portugal EUA Alguns países europeus Alterações legislativas em Espanha e França Proposta BE

DIVÓRCIO. Portugal EUA Alguns países europeus Alterações legislativas em Espanha e França Proposta BE DIVÓRCIO Portugal EUA Alguns países europeus Alterações legislativas em Espanha e França Proposta BE Portugal Modalidades possíveis: Divórcio litigioso: Violação dos deveres conjugais Ruptura da vida em

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? 1 Sandra Gaspar de Sousa Moura RESUMO Este artigo tem a finalidade de mostrar a importância das relações interpessoais dentro do ambiente escolar e como os sujeitos

Leia mais

O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR:

O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR: O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR: Uma análise na Escola Municipal José Teobaldo de Azevedo no Município de Limoeiro-PE Autores: ELIANE GONÇALVES LEITE HAYDÊ MORGANA GONZAGA GOMES

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS Fábio Roberto Caldin 1 Rodrigo Pessoni Teófilo de Carvalho 1 Vinicius Leonam Pires Kusumota 1 Vitor Turci de Souza 1 RESUMO O

Leia mais

CASAMENTOS DURADOUROS E A ARTE DA CONVIVÊNCIA: A VISÃO DE MULHERES COM MAIS DE 20 ANOS DE RELACIONAMENTO

CASAMENTOS DURADOUROS E A ARTE DA CONVIVÊNCIA: A VISÃO DE MULHERES COM MAIS DE 20 ANOS DE RELACIONAMENTO CASAMENTOS DURADOUROS E A ARTE DA CONVIVÊNCIA: A VISÃO DE MULHERES COM MAIS DE 20 ANOS DE RELACIONAMENTO Angelita dos Santos 1,Profª Drª Adriana Leonidas de Oliveira 2 1 Universidade de Taubaté/Departamento

Leia mais

A PRÁTICA DA MEDIAÇÃO FAMILIAR: RESGATANDO E QUALIFICANDO A PARENTALIDADE (2010) 1

A PRÁTICA DA MEDIAÇÃO FAMILIAR: RESGATANDO E QUALIFICANDO A PARENTALIDADE (2010) 1 A PRÁTICA DA MEDIAÇÃO FAMILIAR: RESGATANDO E QUALIFICANDO A PARENTALIDADE (2010) 1 MOZZAQUATRO, Caroline de Oliveira 2 ; CÚNICO, Sabrina Daiana 3 ; SILVA, Milena Leite 4 ; ARPINI, Dorian Mônica 5 1 Trabalho

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais