Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas"

Transcrição

1 Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016

2 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado pelo artigo 3.º da Lei n.º22/2011, de 20 de maio, que procedeu à 5.ª alteração da Lei de Enquadramento Orçamental (Lei n.º 91/2001, de 20 de agosto, republicada pela Lei n.º 37/2013, de 14 de junho). A iniciativa para a sua criação seguiu-se à publicação do Relatório final do Grupo de Missão para o Conselho Europeu sobre a governação económica da Europa e concretizou-se em outubro de 2010, através de um protocolo entre o Governo, então apoiado pelo Partido Socialista, e o Partido Social Democrata. A versão final dos Estatutos do CFP foi aprovada pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro. O CFP iniciou a sua atividade em fevereiro de 2012, com a missão de proceder a uma avaliação independente sobre a consistência, cumprimento e sustentabilidade da política orçamental, promovendo a sua transparência, de modo a contribuir para a qualidade da democracia e das decisões de política económica e para o reforço da credibilidade financeira do Estado. Este Parecer foi elaborado com base na informação disponível até ao dia 19 de abril de 2016.

3 1 INTRODUÇÃO Este Parecer respeita às previsões macroeconómicas subjacentes à proposta de Programa de Estabilidade (PE/2016), sendo elaborado nos termos conjugados do n.º 1 do artigo 12.º- I da Lei de Enquadramento Orçamental (Lei n.º 41/2014, de 10 de julho), da alínea a) do artigo 6.º dos Estatutos do Conselho das Finanças Públicas (CFP), aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, do n.º 4 do artigo 4.º e da alínea f) do n.º 3 do artigo 6.º do Regulamento (UE) n.º.473/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de maio de Este Parecer enquadra-se no Protocolo entre o Ministério das Finanças e o Conselho das Finanças Públicas sobre a elaboração de parecer relativo às previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade e à Proposta de Orçamento do Estado, celebrado a 6 de fevereiro de De acordo com o estabelecido no referido Protocolo, o Governo comunicou formalmente ao CFP no dia 25 de fevereiro que o Programa de Estabilidade seria publicado no dia 30 de abril (dia D para efeitos do calendário incluído na secção 5 do Protocolo). O CFP recebeu a 6 de abril uma versão de trabalho das previsões macroeconómicas no cenário de políticas invariantes e no cenário programático, isto é, incluindo as medidas de política previstas pelo Governo. No dia 8 decorreu uma reunião entre as equipas técnicas do Ministério das Finanças (MF) e do CFP na qual a primeira fez uma apresentação sumária dos dois cenários. Nessa reunião foi solicitado pelo CFP um conjunto de informação adicional, novamente explicitado em correio eletrónico enviado no dia 11 e, no mesmo dia, parcialmente satisfeito. No dia 8 de abril o CFP tomou conhecimento por correio eletrónico de que o Programa de Estabilidade seria remetido para apreciação da Assembleia da República a 21 de abril. Apesar de se tratar de uma alteração ao calendário estabelecido nos termos do Protocolo supra referido, o Conselho Superior do CFP entendeu que deveria proceder à elaboração do seu Parecer. Este incide sobre os valores considerados pelo MF para as hipóteses externas e técnicas e para as previsões macroeconómicas subjacentes ao cenário programático. O Quadro 1 apresenta os principais indicadores, que resultam da informação mais recente transmitida pelo MF ao CFP até à data de fecho deste Parecer (20 de abril de 2016). É sobre essa informação que não inclui o texto do próprio Programa de Estabilidade e, portanto, a descrição da estratégia orçamental e das medidas de política planeadas até 2020 que este Parecer se pronuncia. Tendo em conta que o Governo havia procedido à apresentação pública do Programa Nacional de Reformas no dia 29 de Março e que os elementos remetidos pelo MF no dia 6 de abril não incluíam qualquer informação relevante sobre a articulação entre este documento e o PE/2016, o CFP solicitou por ofício de dia 7 do mesmo mês a disponibilização de informação sobre a caraterização e os efeitos orçamentais e económicos previstos das principais medidas do Programa Nacional de Reformas para o horizonte de projeção do Programa de Estabilidade. Este pedido foi reiterado na reunião técnica e no correio eletrónico referidos. Contudo, até ao fecho deste Parecer, não foi recebida a informação solicitada sobre a articulação do PE/2016 com outros instrumentos de política. 1 Disponível para consulta na página do CFP. 1

4 A metodologia e o processo de análise utilizados neste Parecer estão descritos no Protocolo acima referido. Para proceder à análise das previsões macroeconómicas subjacentes ao PE/2016 o CFP utilizou as seguintes fontes de informação: a) Análise das previsões pelos técnicos do CFP; b) Comparação com as previsões realizadas por instituições de referência: Comissão Europeia (CE), Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económicos (OCDE), Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco de Portugal (BdP) e CFP; c) Comparação com previsões recentes realizadas por outras entidades, oficiais e não oficiais; d) Indicadores coincidentes e avançados e a informação estatística mais recente disponível, produzida pelas autoridades estatísticas nacionais Instituto Nacional de Estatística (INE) e BdP; e) Esclarecimentos técnicos verbais e escritos prestados pelo MF relativamente às previsões elaboradas. 2

5 2 PREVISÕES DO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Cenário Macroeconómico subjacente ao Programa de Estabilidade O PE/2016 antevê uma aceleração gradual do crescimento da economia durante o horizonte de projeção, tendo como motor o contributo positivo da procura interna. Para 2016 o MF mantém o cenário apresentado no OE/2016, antecipando que a economia cresça ao ritmo de 1,8%. A procura interna deverá manter um contributo próximo do verificado em 2015 (2,4 p.p. em 2016 face a 2,5 p.p. em 2015). Para tal, contribui em grande parte a aceleração do investimento (de 3,9% para 4,9% em 2016) e a quase manutenção do ritmo de crescimento do consumo privado (2,4% contra 2,6% em 2015), enquanto se espera que o consumo público cresça a um ritmo mais reduzido (0,2% face a 0,6%). Antecipa-se um abrandamento do crescimento das exportações (de 5,2% para 4,3%) e das importações (de 7,4% para 5,5%) sendo o contributo das exportações líquidas novamente negativo em 2016 (-0,6 p.p.). Entre 2017 e 2020 o MF prevê que a economia acelere aproximadamente 0,1 p.p. por ano, alcançando um crescimento de 2,1% em A procura interna continua a ser a base do crescimento para os próximos quatro anos, mantendo um contributo ligeiramente inferior a 2 p.p./ano, enquanto a contribuição das exportações líquidas será aproximadamente nula. O consumo privado deverá ter um crescimento estável de 1,8% por ano, ao passo que o consumo público deverá apresentar variações negativas, especialmente em 2018 e A FBCF apresentará um crescimento anual superior a 4% em todo o horizonte de previsão. Quanto aos preços é esperada a aceleração do deflator do PIB em 2016 (de 1,9% para 2,1%) seguida de um abrandamento e subsequente estabilização do seu crescimento em 1,5% por ano no médio prazo. Os principais contributos para esta evolução são: i) o deflator do consumo público, que apresenta um crescimento de 2,8% em 2016, influenciado pelo aumento das remunerações dos trabalhadores no sector público, desacelerando em 2017 para 0,7% e mantendo-se posteriormente em valores em torno de 1,0%; ii) o deflator do consumo privado, que deverá apresentar uma evolução em linha com a prevista para o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) ao longo do horizonte de projeção, situando-se em 1,2% em 2016 e acelerando gradualmente até 1,8% em Esta evolução tem subjacente o pressuposto da inflação em Portugal convergir para o objetivo do BCE no médio prazo; e iii) a recuperação lenta do deflator das importações, apresentando crescimento positivo em 2018 (1,7%) e abrandando posteriormente para um valor pouco acima de 1% nos dois últimos anos de previsão. O PIB nominal resulta da conjugação da variação dos preços com a variação em volume. Em 2016 o MF prevê uma variação de 3,9%, refletindo tanto um desenvolvimento positivo dos preços como o crescimento em volume. No período a variação nominal rondará os 3,5% sendo ditada na sua maior parte pelo efeito volume, contribuindo o deflator do PIB com 1,5 p.p.. A trajetória esperada do PIB nominal tem um impacto positivo no apuramento dos rácios do saldo orçamental e da dívida pública em percentagem do PIB. 3

6 No mercado de trabalho, perspetiva-se a continuação da diminuição da taxa de desemprego, atingindo 9% da população ativa em O MF antevê que a taxa de desemprego diminua mais de 2,0 p.p. entre 2016 e O crescimento do emprego deverá manter-se em torno de 1,0% nos anos em análise. Em 2016 a remuneração média por trabalhador em termos nominais deverá crescer 2,4%, contrariando a tendência verificada nos dois últimos anos. O MF projeta que este padrão se mantenha nos anos seguintes, com a remuneração média a crescer cerca de 2,0% ao ano. Descontando a evolução prevista para os preços implícitos no PIB, a remuneração média real crescerá abaixo do ritmo projetado para a produtividade aparente do trabalho. Quadro 1 Previsões do Programa de Estabilidade O cenário macroeconómico prevê uma trajetória favorável do sector externo. A capacidade líquida de financiamento do país melhora 0,5.p.p. em 2016, para 1,6% do PIB, progredindo positivamente para 2,4% em A balança corrente contribui para esta evolução positiva nos próximos anos, apresentando uma melhoria gradual explicada pela dinâmica da balança de bens e serviços. É esperada a deterioração do saldo já negativo (-0,9% em 2015) da balança de rendimentos primários e transferências para -1,2% do PIB em A previsão do PE aponta para um hiato do produto positivo em 2019 e O MF prevê o crescimento do produto potencial de 0,6% em 2016 (após estagnação em 2015) e uma trajetória ascendente até 1,5% em A evolução do hiato do produto parte de -2,4% do produto potencial em 2015 para 1,0% em Fonte: MF Informação comunicada a 19 de abril

7 As hipóteses externas para a economia portuguesa têm um impacto positivo no cenário macroeconómico. A procura externa relevante aumenta 1,0 p.p. entre 2015 e 2017, estabilizando num crescimento anual de 4,8% nos três últimos anos de projeção. Assume-se que a taxa de juro de curto prazo (Euribor a três meses) se manterá negativa ao longo do período em análise, fixandose em -0,2% a partir de A taxa de câmbio do euro face ao dólar mantém-se inalterada ao longo de todo o horizonte de projeção. Perspetiva-se ainda uma redução do preço do petróleo nos mercados internacionais em 2016 e 2017 (para 42,0 e 41,2 USD/barril, respetivamente) e um aumento para 44,9 USD/barril de 2018 em diante. Conciliação com previsões anteriores Compara-se nesta secção o cenário em apreço com as previsões anteriores do MF, explicitadas em abril de 2015 no Programa de Estabilidade (PE/2015). Excluíram-se nesta secção as previsões subjacentes ao OE/2016 por não refletirem qualquer diferença face ao cenário macroeconómico apresentado no PE/2016 para o ano corrente. O MF antecipa um crescimento real da economia para o período em análise inferior ao do cenário apresentado no PE/2015. A variação do consumo privado prevista é menor a partir de 2017, tal como a do consumo público, que apresenta taxas de crescimento negativas (Gráfico 1). A dinâmica do investimento é ligeiramente inferior à prevista no PE/2015, apesar de um crescimento mais elevado em 2016 (4,9% face a 4,4% previsto anteriormente). A procura externa líquida resulta num contributo positivo para o crescimento do PIB apenas em 2018 e 2019, enquanto no PE/2015 se antecipava que este contributo se mantivesse positivo ao longo de todo o período. Esta evolução pode encontrar explicação na previsão mais baixa de crescimento das exportações (em mais de 1 p.p. em 2016), que não compensa uma previsão de crescimento das importações também revista em baixa. 5

8 Gráfico 1 Comparação das previsões incluídas no PE/2016, PE/2015 e DEO/2014 (variação, %) PIB Consumo privado Consumo público Investimento (FBCF) Exportações Importações IHPC Deflator do PIB Taxa de desemprego (% pop. ativa) Fonte: MF PE ; PE e DEO Nota: Os valores para o DEO foram recalculados pelo CFP segundo o referencial de Contas Nacionais SEC 2010 (metodologia explicada no Relatório n.º 6/2014). Face ao PE/2015 o cenário do PE/2016 antecipa uma aceleração dos níveis de preços e uma diminuição mais rápida da taxa de desemprego: O crescimento do PIB real é inferior ao projetado no PE/2015, voltando a níveis esperados no DEO/2014; As trajetórias da inflação e do deflator do PIB são agora superiores para o período de previsão. A taxa de desemprego apresenta uma trajetória bastante mais favorável, atingindo em 2017 valores que eram esperados apenas em 2019 no PE/2015 (10,9% da população ativa em 2017, face a 11,1% da população ativa em 2019 no PE/2015). 6

9 Caixa 1 Previsões oficiais para a economia portuguesa A estimativa do MF para o crescimento real do PIB em 2016 (1,8%) encontra-se acima das projeções das principais instituições oficiais (entre 1,4% e 1,7%). Este diferencial deve-se a projeções mais moderadas para o consumo privado e da FBCF por parte de todas as instituições (conforme Quadro 2 abaixo e Quadro 3 em anexo). Por seu turno, o MF antecipa um crescimento do consumo público menos pronunciado face aos previsores. A evolução das exportações encontra-se em linha com a média das previsões conhecidas, enquanto as importações se situam 1,0 p.p. abaixo da média. Deste modo, o contributo para o crescimento do PIB por parte da procura externa esperado pelo MF (-0,6 p.p.) é inferior ao das restantes instituições, sendo compensado por uma maior contribuição da procura interna (2,4 p.p.). No caso dos preços, as estimativas do MF para o crescimento tanto do IHPC (1,2%) como do deflator do PIB (2,1%) estão acima da média (que é de 0,7% e 1,3% respetivamente). Para a taxa de desemprego e para o crescimento do emprego o MF está em linha com as restantes instituições, divergindo por excesso no crescimento da remuneração média por trabalhador. Por fim, a capacidade líquida de financiamento estimada pelo MF é inferior à dos restantes previsores devido ao desempenho menos favorável da balança corrente. Para 2017 o MF antecipa um crescimento do PIB idêntico ao máximo do intervalo das outras previsões (1,8%), caraterizandose por uma evolução negativa do consumo público e por um maior crescimento da FBCF. Nos anos 2018 a 2020, as estimativas do MF para a evolução do PIB são consistentemente superiores às das instituições oficiais, justificando-se por uma dinâmica de investimento mais favorável, que compensa uma trajetória do consumo público negativa. O diferencial entre a estimativa do MF e a média das instituições para a inflação reduz-se ao longo do horizonte de projeção, apesar de se manter sempre positivo (de 0,5 para 0,3 p.p. em 2020). Em o MF apresenta o valor mais elevado para o crescimento do deflator do PIB (1,6% e 1,5%), fixando-se posteriormente em linha com a média. A dinâmica mais favorável da balança de bens e serviços esperada pelo MF coincide com a expectativa apresentada para o comportamento das exportações e importações. Finalmente, no mercado de trabalho, destaque para os dois últimos anos de projeção, em que as previsões do MF diferem das restantes por se esperar uma menor taxa de desemprego e um maior crescimento do emprego, bem como para as remunerações médias por trabalhador, que se encontram sempre acima da média. Note-se que o cenário do MF já incorpora os dados finais em contas nacionais relativos a 2015 e tem em conta medidas de política no período que os exercícios das restantes instituições não incorporam, sendo alguns elaborados sob hipótese de políticas invariantes. Os cenários das instituições usadas neste exercício são detalhados no Quadro 3 em anexo. Quadro 2 Comparação da média das previsões oficiais para a economia portuguesa com o PE/ Instituições Instituições Instituições Instituições Instituições MF MF MF MF oficiais oficiais oficiais oficiais oficiais MF PIB real e componentes (variação, %) PIB 1,5 1,6 1,8 1,6 1,8 1,5 1,9 1,4 2,0 1,3 2,1 Consumo privado 2,6 2,0 2,4 1,9 1,8 1,7 1,8-1,8-1,8 Consumo público 0,6 0,5 0,2 0,4-0,7 0,4-1,1 - -1,2 - -0,3 Investimento (FBCF) 3,9 2,4 4,9 3,6 4,8 3,4 4,1-4,7-4,1 Exportações 5,2 4,4 4,3 4,9 4,9 4,4 4,9 3,9 4,9 3,9 4,9 Importações 7,4 4,5 5,5 5,2 4,9 4,5 4,1 3,8 4,3 3,9 4,4 Contributos para o crescimento real do PIB (p.p.) Procura interna 2,5 1,8 2,4 1,8 1,9-1,7-1,8-1,9 Exportações líquidas -1,0-0,2-0,6-0,1-0,1-0,2-0,1-0,1 Preços (variação, %) Deflator do PIB 1,9 1,3 2,1 1,2 1,6 1,3 1,5 1,4 1,5 1,6 1,5 IHPC 0,5 0,7 1,2 1,1 1,6 1,3 1,7 1,4 1,8 1,5 1,8 PIB nominal Variação (%) 3,4 2,9 3,9 2,7 3,4 2,7 3,5 2,8 3,5 3,0 3,6 Nível (mil M ) 185,5 184,3 192,7 189,4 199,3 195,4 206,1 201,0 213,4 207,0 221,1 Mercado de trabalho (variação, %) Taxa de desemprego (% pop. ativa) 12,4 11,5 11,4 10,9 10,9 10,5 10,4 10,1 9,8 9,7 9,0 Emprego 1,4 0,9 0,8 0,7 0,7-1,0-1,0-1,2 Remuneração média por trabalhador -0,5 1,3 2,4 1,1 2,0-2,0-2,2-2,2 Produtividade aparente do trabalho 0,1 0,7 1,0 0,9 1,1-0,9-1,0-0,9 Setor externo (% PIB) Capacidade líquida de financiamento 1,1 2,4 1,6 2,2 1,8 2,1 2,0-1,9-2,4 Balança corrente -0,1 0,8 0,4 0,6 0,6 0,4 0,8 0,2 0,7 0,1 1,0 Balança de bens e serviços 0,8 1,5 1,0 1,4 1,3 1,5 1,7-2,0-2,2 Desenvolvimentos cíclicos PIB potencial (variação, %) 0,0 0,6 0,6 0,9 1,1-1,3-1,4-1,5 Hiato do produto (% PIB potencial) -2,4-2,2-1,3-1,3-0,6 - -0,1-0,5-1,0 Pressupostos Procura externa (variação, %) - 4,2 4,3 4,7 4,9 4,3 4,8-4,8-4,8 Taxa de juro de curto prazo (%) 0,0-0,2-0,2-0,2-0,3-0,2-0,2 - -0,2 - -0,2 Taxa de câmbio EUR-USD 1,1 1,1 1,1 1,1 1,1-1,1-1,1-1,1 Preço do petróleo (Brent, EUR) 48,3 36,0 38,5 40,4 36,8 41,4 40,1-40,1-40,1 Fontes: MF Programa de Estabilidade , abril 2016; FMI - World Economic Outlook, abril 2016; BdP - Projeções para a economia portuguesa: , março 2016; CFP - Finanças Públicas: Situação e condicionantes , março 2016; CE - Previsões de inverno, fevereiro 2016; OCDE - Perspetivas Económicas No. 98, novembro Nota: não é apresentada a média nos casos em que existe informação apenas de uma única instituição para além do MF. 7

10 3 ANÁLISE DAS PREVISÕES Foi comunicado ao CFP que o cenário do PE/2016, para além do impacto dos fundos comunitários, 2 não contém efeitos de outras medidas de política económica além das de natureza orçamental apresentadas no OE/2016, desligando-o assim das medidas contidas noutros documentos de estratégia económica, como é o caso do Programa Nacional de Reformas. Como o CFP tem vindo a alertar, na apreciação dos cenários macroeconómicos subjacentes aos Programas de Estabilidade é indispensável a análise da interdependência nos diagnósticos, nas estratégias e nos impactos da política orçamental e das demais políticas públicas no contexto mais geral da política económica. A ausência de consideração dessas medidas torna, assim, em alguns pontos, de difícil entendimento a trajetória apresentada para o cenário no PE/2016. A análise do CFP incide em dois temas centrais: os riscos do cenário macroeconómico nos curto e médio prazos; e a composição e trajetória do crescimento económico no médio prazo. O PE/2016 tem subjacente a aceleração do crescimento económico de 1,8% em 2016 para 2,1% em 2020, não incorporando os riscos consideráveis existentes no curto e médio prazos. As previsões mais recentes para a economia portuguesa apontam para uma revisão em baixa das perspetivas de crescimento. De acordo com as publicações de abril 3 do FMI, existe, face à última avaliação (em outubro de 2015), um aumento dos riscos negativos para a economia da área do euro e incertezas crescentes face à situação macroeconómica e financeira, os quais, a concretizarem-se, mesmo que de forma mitigada, terão um impacto negativo no crescimento da economia portuguesa. O MF não reviu o cenário macroeconómico para 2016 face ao apresentado no OE/2016, apesar da informação atualmente disponível poder recomendar a revisão dessa projeção. Seria de esperar um ajustamento da estimativa para 2016, não só pela incorporação de informação mais atualizada de séries temporais e indicadores avançados de conjuntura económica, como também devido à publicação das Contas Nacionais para o ano de 2015 que, ao apresentarem alguns valores diferentes do esperado pelo MF no OE/2016, implicam uma dinâmica diferente para o ano corrente. A dinâmica do deflator do consumo privado acompanha a evolução do IHPC, que tem como pressuposto a convergência da inflação em Portugal para o objetivo do BCE no médio prazo. Deve-se contudo salientar que o deflator do consumo privado apresenta uma recuperação mais rápida que os demais deflatores e nisto se distancia das previsões comparáveis já conhecidas (ver Quadro 2 e Quadro 3). 2 De acordo com a informação prestada pelo MF, o cenário macroeconómico contempla o investimento que se espera vir a ser alavancado por fundos estruturais e de investimento acessíveis através dos Programas Operacionais do Portugal No entanto, apesar de ter sido solicitada, não foi possível obter a informação necessária para identificar a quantidade, a natureza e a distribuição desse investimento ao longo do período em análise. 3 World Economic Outlook, abril 2016 e Global Financial Stability Report, abril

11 Uma vez que não houve revisão do cenário macroeconómico para 2016, a identificação dos riscos contida na análise do CFP nos documentos Análise da POE/2016 e Parecer relativo às previsões macroeconómicas incluídas no PPO/2016 permanece válida para o curto prazo no PE/2016. Os maiores riscos então identificados incidiam sobre o papel esperado do crescimento do consumo privado enquanto motor da economia no médio prazo e dos efeitos da incerteza quanto à evolução do enquadramento internacional. Consumo privado De acordo com as previsões incluídas no cenário macroeconómico do PE/2016, o consumo privado perde a capacidade impulsionadora da atividade económica que a POE/2016 lhe atribuiu. O cenário macroeconómico subjacente ao plano orçamental, que o CFP analisou em janeiro e março últimos, previa uma trajetória da economia assente em larga medida na expansão da despesa das famílias em 2016, que não parecia sustentável no médio prazo. O perfil projetado para este agregado no PE/2016, com expansões anuais na ordem dos 1,8% a partir de 2017, abaixo do crescimento do PIB, apresenta-se mais consentâneo com uma gestão prudente da política económica. Procura externa e exportações As previsões macroeconómicas do PE/2016 envolvem um elevado grau de incerteza no que respeita aos pressupostos assumidos para a procura externa, os quais influenciam o comportamento de diversas componentes do PIB, em particular as exportações e o investimento. O pressuposto assumido pelo MF quanto à variação da procura externa em 2016 encontra-se, ainda que ligeiramente, acima da média dos restantes previsores e em linha com o previsto pelo BdP em dezembro, implicando uma aceleração da procura externa superior à que os dados mais recentes deixam antever, podendo ter um impacto positivo não justificável na trajetória de crescimento. A partir de 2017 o MF, por simples hipótese técnica, optou por manter constante este crescimento anual. A previsão para o crescimento das exportações em volume, a uma taxa constante de 4,9% ao ano, tem como suporte central a manutenção da quota de mercado, acompanhando por isso a hipótese admitida para a evolução da procura externa. A falta de fundamentação económica na informação transmitida ao CFP fragiliza esta previsão, que é relevante tanto no que respeita ao peso das exportações no PIB, como pela importância do equilíbrio da balança comercial para a estabilidade macroeconómica. 9

12 Investimento Perspetiva-se como de difícil concretização o crescimento da FBCF previsto pelo MF para , que é fundamentado essencialmente pela concretização dos montantes de investimento cofinanciados pelos fundos europeus. O CFP não dispõe de qualquer informação sobre o montante ou a distribuição dos fundos estruturais considerados na projeção para financiar investimento do sector privado. No curto prazo, o crescimento de 4,9% em 2016 afigura-se improvável em função dos novos indicadores de conjuntura que vão sendo conhecidos, ao mesmo tempo que não se dissipam as expectativas negativas e a incerteza no quadro internacional. A expectativa quanto ao crescimento da FBCF encontra-se acima da generalidade dos restantes previsores uma evolução fortemente positiva que, ainda assim, não parece ter reflexos significativos noutras componentes, como por exemplo, no crescimento do emprego. Consumo público O consumo público em volume apresenta taxas de crescimento negativas no período , justificadas pela aplicação das regras de redução dos efetivos nas administrações públicas e principalmente por medidas cuja especificação não foi enviada ao CFP até à conclusão deste Parecer. A experiência anterior revela que medidas não especificadas não constituem fundamento suficiente para a previsão apresentada. Incerteza nas previsões Não obstante a aceleração do crescimento do PIB ao longo do período não ser tão elevada como já sucedeu em anteriores atualizações do Programa de Estabilidade, estas projeções acarretam um nível de incerteza de difícil ponderação. Partindo dos relatórios dos Programas de Estabilidade e Documentos de Estratégia Orçamental entre 1998 e 2015, o CFP calculou os intervalos de confiança associados às previsões do MF. Foram usados intervalos de previsão assimétricos, que pressupõem, para ponderação do risco nas projeções, uma probabilidade distinta de se verificarem desvios positivos e negativos face à previsão. 10

13 O dispositivo de previsão do MF tende a ser particularmente otimista na previsão do PIB e do investimento, realizando previsões não enviesadas do deflator do PIB e apresentando algum otimismo, nomeadamente no médio prazo, na estimação do comportamento das exportações. Os resultados podem ser fruto quer da assunção sistemática de hipóteses mais favoráveis, quer do funcionamento do próprio modelo de previsão. Os dados apresentados no Gráfico 2 não podem ser lidos como contendo qualquer julgamento sobre a qualidade presente ou futura das previsões do MF. Servem, contudo, para evidenciar tendências respeitantes a algumas variáveis críticas para a apreciação das previsões, tendo em conta a experiência passada. Esta informação é, assim, relevante para enquadrar as conclusões do CFP relativamente ao cenário a que este Parecer se reporta. Gráfico 2 Intervalos de previsão associados às previsões do MF (variação, %) PIB Deflator do PIB Investimento (FBCF) Exportações Fonte: PE/ 2016; CFP - cálculos com base nos relatórios do PE/DEO

14 4 CONCLUSÃO As conclusões que se seguem têm em conta os princípios do artigo 8.º da Lei de Enquadramento Orçamental (Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro): As projeções orçamentais subjacentes aos documentos de programação orçamental devem basear-se no cenário macroeconómico mais provável ou num cenário mais prudente. Este mesmo princípio orientador de utilização de previsões realistas para a condução das políticas orçamentais encontra-se também vertido na legislação europeia, em particular no Pacto de Estabilidade e Crescimento e na Diretiva n.º.2011/85/ue do Conselho de 8 de Novembro de 2011, que estabelece requisitos aplicáveis aos quadros orçamentais dos Estados-Membros. Assim, em resultado da análise efetuada às previsões macroeconómicas subjacentes à proposta de Programa de Estabilidade , o Conselho das Finanças Públicas conclui que: 1. Sobre as previsões incluídas neste cenário para o ano de 2016 o CFP já se pronunciou em 21 de janeiro e 1 de março de Os dados conhecidos posteriormente não só confirmam como reforçam os riscos então assinalados. 2. A composição do crescimento da procura agregada a partir de 2017, assente no dinamismo do investimento e das exportações, a concretizar-se, afigura-se a mais adequada para a economia portuguesa. 3. Para todo o período de previsão, o CFP destaca os riscos que incidem sobre: a. a prudência dos pressupostos relativos à evolução da procura externa e ao crescimento das exportações no médio prazo; b. a fundamentação para a dinâmica do investimento. 4. Adicionalmente, a instabilidade em torno do sistema financeiro português constitui um risco não negligenciável para a concretização do cenário macroeconómico analisado. 5. Os riscos assinalados têm consequências para o conjunto das variáveis do cenário macroeconómico, que poderão implicar a revisão dos resultados esperados para os objetivos orçamentais. O conjunto das previsões para o período apresenta um risco mais elevado de não realização. 6. A perceção dos riscos associados às previsões pode ser mitigada pela articulação entre o cenário macroeconómico do Programa de Estabilidade e os demais instrumentos de política económica que consubstanciem a prossecução das reformas estruturais de que a economia portuguesa ainda carece. Essa articulação é especialmente relevante quando se trata de um documento que devia estabelecer a orientação da política orçamental para o período de uma legislatura. Contudo, o Governo não apresentou ao Conselho das Finanças Públicas informação que permita tê-la em conta. 12

15 Quadro 3 Detalhe das previsões oficiais para a economia portuguesa Fontes: Fundo Monetário Internacional - World Economic Outlook, outubro 2015; Comissão Europeia - Previsões económicas de outono, novembro 2015; OCDE - Perspetivas Económicas No 98, novembro 2015; Banco de Portugal - Boletim Económico, dezembro 2015; Ministério das Finanças Projeto de Plano Orçamental 2016, janeiro

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Previsões macroeconómicas incluídas no Projeto de Plano Orçamental 2016. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas incluídas no Projeto de Plano Orçamental 2016. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas incluídas no Projeto de Plano Orçamental Parecer do Conselho das Finanças Públicas de janeiro de O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado pelo artigo.º

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Análise da proposta de Orçamento do Estado para 2016

Análise da proposta de Orçamento do Estado para 2016 Análise da proposta de Orçamento do Estado para 2016 Relatório do Conselho das Finanças Públicas n.º 2/2016 março de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado pelo artigo 3.º

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 1.7.2015 COM(2015) 326 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Avaliação das medidas adotadas pela FRANÇA em resposta à Recomendação do Conselho de 10 de março de 2015 com vista a

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Programa de Estabilidade

Programa de Estabilidade REPÚBLICA PORTUGUESA Programa de Estabilidade 2016-2020 Abril de 2016 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Av.ª Infante D. Henrique, 1 1149-009 LISBOA Telefone: (+351) 21.881.6820 Fax: (+351) 21.881.6862 http://www.min-financas.pt

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2005-2007 Dezembro 2004 Programa de Estabilidade e Crescimento 2005-2007 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO...2

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Análise do Programa de Estabilidade 2015-2019

Análise do Programa de Estabilidade 2015-2019 Análise do Programa de Estabilidade 2015-2019 Relatório do Conselho das Finanças Públicas n.º 5/2015 maio de 2015 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado pelo artigo 3.º da Lei

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017 Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 7 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 1. Introdução

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL EUROSISTEMA Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

Orçamento do Estado para 2016

Orçamento do Estado para 2016 Ministério das Finanças Orçamento do Estado para 2016 Relatório Fevereiro 2016 (Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Av. Infante D. Henrique, 1 1149 009 LISBOA Telefone:

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

capítulo Enforcement

capítulo Enforcement capítulo 4 4.1 Considerações iniciais No quadro da atividade de enforcement, o ISP (i) dirige recomendações e determinações específicas às entidades supervisionadas visando a correção de eventuais irregularidades

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Exame Nacional de 2006 (1.ª Fase, versão 1) 1. B 16. C 11. C 16. B 2. C 17. D 12. D 17. D 3. A 18. D 13. C 18. B 4. B 19. A 14. D 19. A 5. B 10. A 15. A 20. C I II 1. A recuperação

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial -

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas Promoção Porto e Norte

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014 N.º 3 fevereiro 215 Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 21 O Banco de Portugal publica hoje, no Boletim Estatístico, as estatísticas de balanço e de

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

PARECER N.º 100/CITE/2015

PARECER N.º 100/CITE/2015 PARECER N.º 100/CITE/2015 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida e trabalhador em licença parental incluídos em processo de despedimento coletivo, nos termos do n.º 1 e da alínea

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT A análise do quadro jurídico para a ratificação da Convenção 102 da OIT por Cabo Verde, inscreve-se no quadro geral da cooperação técnica prestada

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Análise da Execução Orçamental da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações em 2015. Relatório do Conselho das Finanças Públicas. n.

Análise da Execução Orçamental da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações em 2015. Relatório do Conselho das Finanças Públicas. n. Análise da Execução Orçamental da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações em 2015 Relatório do Conselho das Finanças Públicas n.º 4/2016 abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE 1º TRIMESTRE DE 2014 Página 1 de 34 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário do 1º trimestre de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, L 121/20 DECISÃO (UE) 2015/774 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 4 de março de 2015 relativa a um programa de compra de ativos do setor público em mercados secundários (BCE/2015/10) O CONSELHO DO BANCO CENTRAL

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CÓDIGO DO AVISO: POVT - POVT-35-2013-59

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CÓDIGO DO AVISO: POVT - POVT-35-2013-59 CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS REGULAMENTO

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 1. PERSPETIVAS PARA A ÁREA DO EURO: VISÃO GERAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS As projeções de junho

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 10ª Edição dezembro 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Quando olhamos em retrospetiva, não é possível definir o ano de 2014 como um ano plácido,

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/202, de 5 de julho Prova 72/2.ª Fase Braille Critérios de Classificação 2 Páginas 205 Prova

Leia mais

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-63

CÓDIGO DO AVISO: POVT-35-2013-63 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2004-2007 Dezembro 2003 Í N D I C E I. INTRODUÇÃO...1 II. OBJECTIVOS DE POLÍTICA ECONÓMICA...2 III. ENQUADRAMENTO MACRO-ECONÓMICO...3

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 EUROSISTEMA Abril 2014 BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Lisboa, 2014 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Banco de Portugal Av.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.9.2010 COM(2010) 495 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia em resposta às recomendações

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1.

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. O fornecimento de bens e serviços não mercantis (não comercializáveis)

Leia mais

DECRETO N.º 262/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 262/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 262/XII Cria a contribuição de sustentabilidade e ajusta a taxa contributiva dos trabalhadores do sistema previdencial de segurança social e do regime de proteção social convergente, procedendo

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1.1. CONTEXTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL O enquadramento internacional em 13 foi marcado por uma recuperação gradual da atividade, com um crescimento mais expressivo

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0 Textos de Política e Situação Económica Verão 26 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 26-27 1. INTRODUÇÃO Neste artigo apresenta-se o cenário macroeconómico para a economia portuguesa projectado pelo

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2015) 136 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre a transparência fiscal para combater a evasão e a elisão fiscais

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014 Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 ÂMBITO GERAL 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Orçamento do Estado para 2005 Relatório Janeiro 2005 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Avª Infante D. Henrique, 1 1149-009 LISBOA Telefone:

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

Análise da proposta de Orçamento do Estado para 2013

Análise da proposta de Orçamento do Estado para 2013 Análise da proposta de Orçamento do Estado para 2013 Relatório do Conselho das Finanças Públicas N.º 3/2012 novembro de 2012 Análise da proposta de Orçamento do Estado para 2013 i O Conselho das Finanças

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2015-2019 - Atualização i

Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2015-2019 - Atualização i Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2015-2019 - Atualização Relatório do Conselho das Finanças Públicas n.º 9/2015 outubro de 2015 Conselho das Finanças Públicas Finanças Públicas: Situação e

Leia mais