Gestão por processos aplicada em estrutura de contact center

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão por processos aplicada em estrutura de contact center"

Transcrição

1 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Gestão por processos aplicada em estrutura de contact center Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) Denner Ribeiro de Sousa (Uniminas) Karina Romeiro Silva (Uniminas) Resumo Processo é um vocabulário amplamente usado no mundo dos negócios, mas quase sempre de forma incorreta. Da maneira mais simples possível, processo é aquilo que gera os resultados que a empresa fornece aos clientes, ou de forma técnica, processo é um grupo organizado de atividades correlatas que, em conjunto, cria um resultado de valor para os clientes. Trabalho em processos é aquele que se concentra no cliente, leva em conta o contexto mais amplo, se orienta para consecução de resultados em vez de ser um fim em si mesmo, segue um projeto disciplinado e repetitivo, e fornece os altos níveis de desempenho, exigidos pelo cliente. Este trabalho apresenta o conceito da gestão orientada por processos e a aplicação desta metodologia no processo de vendas no serviço de telefonia celular do tipo contact center. Verificou-se neste estudo a agregação de valor obtida com a utilização do gerenciamento por processos e seus ganhos diretos como: flexibilidade, dinamismo e aprendizagem coletiva. Palavras chave: Gestão por processos, Contact center, Agregação de valor. 1. Introdução Pessoas e organizações estão sendo convidadas a se ajustar, mudar e buscar dinamismo, flexibilidade e aprendizagem coletiva. A principal estratégia tornou-se a busca pela evolução contínua do empreendimento, com ganhos obtidos através do aumento de competitividade. A adaptação a esta realidade é uma questão de sobrevivência. Vencerá quem tiver maior competência, rapidez e conseguir colocar no mercado produtos e serviços que satisfaçam e mantenham os clientes. Competência se faz com pessoas parceiras no negócio, onde é necessário trocar os modelos centrados e mecanicistas de gerenciamento das organizações e pessoas, por modelos participativos, criativos, inovadores, abertos, globais, sistêmicos e de parceria com clientes, funcionários, fornecedores e acionistas. Esta nova realidade aponta também para a necessidade de desenvolver e aplicar novos métodos de administração. Uma nova maneira de associar o processo de qualidade com o gerenciamento, denominada Gestão por Processos, demonstra a importância do foco nos processos da cadeia de valor das organizações e na melhoria do desempenho, segundo exigências do atual contexto empresarial. De acordo com Almeida (2002), processo é a seqüência de atividades que transforma insumos em produtos finais, ou serviços, de muito maior valor para o cliente final. Campos (1992) define processo como um conjunto de causas que provocam um ou mais efeitos, enfatizando que uma empresa é em si um grande processo constituído por outros e, para ele, desde que existam causas e efeitos, existirão processos. Já para Harrington (1993), processo é qualquer atividade que recebe uma entrada (input), adiciona-lhe valor e fornece uma saída (output) para um cliente interno ou externo. Os processos utilizam os recursos da organização para obter resultados concretos. Não existe um processo sem um produto ou serviço. Da mesma maneira, não existe um produto ou serviço sem que haja um processo. Desta forma, em qualquer processo, deve-se ter a preocupação em garantir que todas as 1

2 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 entradas, em todas as atividades que o compõem, estejam condizentes com os objetivos esperados. Segundo Almeida (2002), se o insumo (input) for lixo, o produto final (output) será lixo, ou seja, a característica de interdependência entre as distintas atividades que compõem um processo tem como requisito a necessidade de aferição de sua qualidade, desde o início do processo. A organização deve concentrar os esforços em seus processos chaves, considerando os fatores críticos de sucesso diante o cliente. Orientar-se por processos é como reger uma orquestra, é necessária uma comunicação harmoniosa e eficiente entre seus diversos componentes.a gestão orientada por processos organizacionais difere da gestão por funções tradicionais em pelo menos três pontos básicos, a saber: Utiliza objetivos externos, ou seja, o foco principal é o cliente; Os empregados e recursos são agrupados para produzir um trabalho completo; A informação segue para onde é necessário, sem o filtro da hierarquia. Este trabalho tem por objetivo apresentar a aplicação da gestão por processo, centralizada nos esforços da melhoria contínua das atividades que efetivamente agregam valor aos produtos e serviços, na venda de serviço de telefonia celular do tipo contact center. Tal gestão busca eliminar ou reduzir as operações que apenas geram custos aos produtos e que não contribuem para a satisfação do cliente, conforme demonstrado nos resultados obtidos. 2. Fundamentação teórica Conforme Harrington (1993), os processos devem apresentar pelo menos três objetivos de aperfeiçoamento, possibilitando ao cliente: percepção de valor agregado (eficiência), eliminação de retrabalho e desperdício de insumos (eficácia), e flexibilização dos processos conforme as necessidades dos clientes internos e externos. Todos os processos bem definidos e gerenciados possuem características semelhantes: Alguém responsável pelo desempenho do processo, o dono do processo ; Limites bem definidos, interações internas e responsabilidades claramente identificadas; Procedimentos, tarefas e especificações de treinamentos descritos em documentos de apoio; Sistemas de controle e feedback próximo ao ponto em que a atividade é executada; Controles e metas orientados às exigências do cliente; Prazos de execução conhecidos; Disposição de procedimentos para mudanças e certeza de o quanto podem ser bons. Os processos apresentam estrutura organizacional através de hierarquia e nível de detalhamento. Segundo Rados (2000) e Almeida (2002), os processos podem ser classificados e organizados em: Macroprocesso é aquele que normalmente envolve mais de uma função na organização, possuindo impacto significativo nas demais atividades. Dependendo da complexidade, o processo é dividido em subprocessos; Subprocesso divisões do macroprocesso com objetivos específicos, organizadas seguindo linhas funcionais. Os subprocessos recebem entradas e geram saídas em um único departamento e podem ser divididos nas diversas atividades que os compõem; Atividades são procedimentos que ocorrem dentro do processo ou subprocesso, geralmente desempenhadas por uma pessoa ou departamento, para produzir um resultado particular. Elas constituem a maior parte dos fluxogramas; 2

3 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Tarefa é uma parte específica do trabalho, ou melhor, o menor microenfoque do processo, podendo ser um único elemento e/ou um subconjunto de uma atividade. De acordo com Rados (2000), a metodologia do Gerenciamento de Processos (GP) exige que os processos e subprocessos passem a ser orientados com base nos requisitos do cliente, tanto externo quanto interno. Os processos e suas melhorias são orientados pelos clientes externos e cada subprocesso é orientado de acordo com os requisitos do cliente interno, que recebe a saída desse subprocesso. Tudo aquilo que for realizado e que não seja necessidade do cliente não tem valor agregado ao processo. Conforme Almeida (2002) e Colenghi (2003), o mapeamento do processo pode ser desenvolvido em sete etapas, numa seqüência de fases inter-relacionadas, dentro de um modelo sistemático, lógico e racional: Etapa 1 - Priorização de processos: A partir da estratégia da empresa, identificar os processos chaves, ou seja aqueles que influenciam a vantagem competitiva sob a ótica do mercado, ou é responsável pela maior parcela da geração de valor para o cliente. Etapa 2 Definição do Projeto de Melhoria: Através de exames iniciais, é possível ter uma visão abrangente e geral da problemática vivenciada no processo. Então, define-se: comitê de decisão, equipe do projeto e de facilitadores, enfoque do projeto. Etapa 3 Análise dos Processos Situação Atual: Deverão ser apontadas todas as atividades do processo, associando-as aos seus responsáveis e objetivos. Ao elaborar o mapa de processos é necessário identificar a existência de disfunções e os indicadores estabelecidos para controle dos pocessos. Etapa 4 Planejamento e Implantação de Melhorias: Deve-se desenvolver um plano de ação que ataque as causas mais significativas. A implantação deverá ser realizada mediante acompanhamento da execução do plano, monitoramento do comportamento dos indicadores e comparação dos resultados obtidos com os esperados. Etapa 5 Formalização dos Processos: A garantia da qualidade dos processos está no planejamento, na sistematização e formalização dos mesmos. A documentação permite a comunicação do objetivo do processo e a consistência da ação. Seu uso contribui para atingir a conformidade com os requisitos do cliente e a melhoria da qualidade. Etapa 6 Implantação dos Processos: Deve-se transferir ao nível operacional as melhorias identificadas e documentadas, cujas atividades incluem a formalização dos processos, o planejamento e o treinamento do pessoal; focando sua divulgação e conscientização de todos. Etapa 7 Gerência dos Processos: Cabe ao dono do processo elaborar e liderar um sistema gerencial (de objetivos, desempenho, recursos e interfaces) que provoque a permanente atenção e ação dos membros da equipe e melhorias, bem como, envolva a linha hierárquica superior no apoio e acompanhamento dos resultados obtidos. 3. Aplicação da Gestão por Processos no Contact Center O estudo de caso, apresentado neste trabalho, tem como objetivo destacar a aplicação prática da abordagem conceitual descrita, bem como, evidenciar a importância da gestão por processos, em uma organização, na implementação de melhorias. O estudo foi realizado através da metodologia PGP (Programa de Gestão de Processos), instituída como metodologia oficial de melhoria de processos nas empresas do Grupo ALGAR. A estrutura de um projeto 3

4 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 desenvolvido através do PGP consiste na aplicação de cinco etapas: 1- Identifica; 2- Mede; 3- Analisa; 4- Implementa; 5- Avalia. A necessidade de desenvolvimento do projeto de melhoria foi identificada através do processo de venda de aparelho celular da empresa cliente, aqui denominada Alfa, em uma operação de contact center. Ao analisar tal processo, o Grupo ALGAR percebeu a importância da agregação de valor à empresa cliente, como também, da satisfação do consumidor final e do aumento da lucratividade do negócio. Em virtude da abrangência desse projeto e a concentração de esforços focados no cliente, o mesmo foi denominado SIT (Soluções Integradas Televendas). A seguir, é apresentado o desenvolvimento das atividades conforme metodologia PGP. 1ª Etapa: Identifica Oportunidade: Inexistência de metodologia e ferramentas para o segmento de televendas de aparelhos celulares, impossibilitando agregação de valor à empresa cliente e usuário final. Situação atual: baixo aproveitamento de mailing (20%); dificuldades na gestão de estoque de aparelhos; input manual de vendas, com ineficiência de 30%; inexistência de ferramenta de tecnologia da informação (TI) para input de vendas; política inadequada de comissionamento dos televendedores. Situação desejada: definir metodologia para o negócio televendas; criar ferramentas de TI para o registro de vendas, a rastreabilidade do pedido e o controle e acompanhamento dos resultados de vendas; criar ferramenta para controle do estoque de aparelho celular; definir processo de degustação para aumentar a produtividade para 40%; otimizar o processo de venda e revisar política de comissionamento da operação e conseqüente aumento de vendas; extinção da utilização do papel no registro de vendas, eliminando re-trabalho para o registro em meio eletrônico; reduzir em pelo menos 50% o ciclo do processo; eliminar 100% das atividades sem valor agregado; aumentar o valor percebido pelo cliente, possibilitando diferenciação em relação aos demais fornecedores, como também, gerar novas oportunidades de negócio. 2ª Etapa: Mede Verificou-se uma queda considerável nas vendas de celular, abaixo da meta 1 celular/dia por atendente, conforme contratado pela empresa. A permanência dessa situação acarretaria na descontinuidade dos negócios. Outro problema era o custo mensal com papéis (R$ 2000,00) e inexistência de um sistema que permitisse o lançamento eletrônico imediato das vendas. As ferramentas de qualidade foram fundamentais para a tomada de decisão. Foi utilizado o método dos porquês com o objetivo de detalhar as causas da indefinição da metodologia e ferramentas para o segmento televendas. Através dessa análise, Quadro 01, identificou-se: que os esforços estavam concentrados diretamente nas metas de vendas, não existindo foco na deficiência dos processos; a necessidade do detalhamento do processo de venda, identificando os desvios/gargalos existentes. Oportunidade Inexistência de metodologias e ferramentas para o seguimento de televendas de aparelhos celulares impedindo a agregação de valor para a empresa cliente e usuário final Porquê Desconhecimento e interação com a cadeia de valor da empresa cliente Ausência de foco Desatenção aos processos 4

5 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Falta interação com o cliente na busca conjunta de análise e implantação de oportunidades de melhorias Esforços concentrados apenas na meta de venda, estabelecida pela empresa cliente Quadro 1 - Método dos 5 porquês, elaborado pelo projeto SIT 5

6 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Outra preocupação relacionada à melhoria do processo foi mensurar o tempo do ciclo do processo. Para isso, todas as atividades foram cronometradas. Essa informação foi o fator decisivo para a implementação das melhorias, haja vista que ficou claro os motivos da insatisfação do consumidor em relação ao prazo de entrega do aparelho celular adquirido. Ao quantificar todas as etapas do processo, verificou-se que todo o ciclo durava 25 dias, conforme Quadro 2. Diante desse levantamento, identificou-se também a necessidade da análise de valor agregado de todas as atividades relacionadas, pois seria possível justificar, com maior segurança, a necessidade de eliminar atividades que não proporcionavam ganhos e aumentavam o ciclo do processo. Através dos resultados apresentados no Quadro 03, percebeu-se que 18% das atividades do processo não agregavam valor. Etapa nro. Descrição da etapa Operação Transporte Inspeção Atraso Armazenamento Total 1 Elabora campanha de vendas / mailing Treina vendedores 3 Importa mailing em banco de dados 0,5 0,5 4 Contacta cliente 0,002 0,002 5 Registra pedido de venda (manual) 0,005 0,005 6 Aguarda registro do pedido eletrônico 0,25 0,25 7 Avalia dados do pedido (manual) 0,04 0,04 8 Registra pedido de venda (eletrônico) 0,02 0,02 9 Arquiva pedido manual 0,003 0, Transfere pedido eletrônico 11 Aguarda avaliação do pedido 12 Aprova pedido 13 Transfere pedido aprovado 14 Aguarda faturamento do pedido 0,5 0,5 15 Fatura pedido 0,5 0,5 16 Transfere pedido faturado 17 Programa/habilita aparelho 18 Emite nota fiscal 0,006 0, Recolhe aparelho para entrega 20 Entrega aparelho ao cliente Apura comissão 22 Paga comissionamento ao vendedor Total do Ciclo do Processo (Dias) 25 Quadro 02 - Tempo de ciclo do processo situação atual Etapas do Processo VRA VEA SVA Elabora campanha de vendas / mailing Treina vendedores Importa mailing em banco de dados Contacta cliente Registra pedido de venda (manual) Aguarda registro do pedido eletrônico Avalia dados do pedido (manual) Registra pedido de venda (eletrônico) Arquiva pedido manual Transfere pedido eletrônico Aguarda avaliação do pedido Aprova pedido Transfere pedido aprovado Aguarda faturamento do pedido Fatura pedido Transfere pedido faturado Programa/habilita aparelho Emite nota fiscal Recolhe aparelho para entrega Entrega aparelho ao cliente Apura comissão Paga comissionamento ao vendedor 23% 59% 18% Legenda VRA (Valor Real Agregado) Atividades que precisam ser executadas para atender as exigências do cliente VEA (Valor Empresarial Agregado) Atividades com valor agregado para a organização e imperceptível ao cliente SVA (Sem Valor Agregado) Atividades que não contribuem para o atendimento das exigências dos clientes. Estas atividades poderiam ser eliminadas sem comprometer a funcionalidade do produto/serviço. 6

7 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Quadro 03 - Análise de valor agregado situação atual A Figura 1 apresenta o Diagrama de Ishikawa, conhecido como espinha de peixe, que proporcionou o estabelecimento de prioridades e o foco nas causas de maior impacto/criticidade. As causas A, B e N foram consideradas fatores críticos, portanto, foco de atenção do projeto, dado o impacto gerado na prestação do serviço à empresa cliente e satisfação ao usuário final. CAUSAS Métodos Mão de Obra Meio Ambiente C A B D E G H F L I J K N M EFEITO Inêxistência de Metodologia de Negócio Televendas Material Equipamentos Medidas A : Ausência de procedimentação de vendas B : Baixo aproveitamento de mailing C : Falta de estoque D : Turn-over em 10% E : Inexistência de campanhas motivacionais F : Perfil inadequado G : Inexistência de relatórios customizados H : In-put de vendas manual I : Falta de sinergia entre as equipes de vendedores J : Falta de decorações temáticas K : Meta de vendas definida sem análise histórica x capacidade de recursos L : Baixa taxa de ocupação M : Falta de relatório diário de vendas N : Política de comissão inadequada Figura 1- Diagrama de Ishikawa, elaborado pelo projeto SIT 3ª Etapa: Analisa Foi realizada a elaboração de propostas e sugestões de soluções potenciais através de mais uma ferramenta de qualidade conhecida como Brainstorming, que auxilia na tomada de decisão mediante a seleção das soluções mais eficazes. As principais idéias sugeridas foram: Identificar solução em tecnologia para o registro da venda; Desenvolver internamente ferramenta para o registro da venda; Contratar consultoria externa para desenho, diagnóstico e identificação das melhorias de processos; Realizar o desenho dos processos através da estrutura interna (gestão de processos) e diagnosticar/implementar as melhorias através do CG (comitê de gestão) Benchmarking para identificar outras soluções aplicadas ao Contact Center; Apresentar situação atual para a empresa cliente avaliando a real necessidade da melhoria do processo pela empresa Alfa em parceria com o cliente Decidiu-se pela implementação das idéias B, D e F, por seremm consideranda melhores práticas. 4ª Etapa: Implementa 7

8 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Iniciou-se a implementação das soluções, conforme prioridades definidas nas etapas anteriores, mediante a análise dos dados. Através da discussão das melhorias, foi feito o redesenho do processo, eliminando todas as atividades sem valor agregado. Com isso, houve uma redução de 10 dias no ciclo, o que representa um ganho de 60% de redução do tempo, Quadro 04. De acordo com o Quadro 05, as atividades sem valor agregado também deixaram de existir, aumentando o valor percebido pelo cliente. Etapa nro. Descrição da etapa Operação Transporte Inspeção Atraso Armazenamento Total 1 Elabora campanha de vendas / mailing Treina vendedores 3 Importa mailing em banco de dados 0,04 0,04 4 Contacta cliente 0,002 0,002 5 Registra pedido de venda (manual) 0,005 0,005 6 Aguarda registro do pedido eletrônico 0,25 0,25 7 Avalia dados do pedido (manual) 0,04 0,04 8 Registra pedido de venda (eletrônico) 0,003 0,003 9 Arquiva pedido manual 0,003 0, Transfere pedido eletrônico 11 Aguarda avaliação do pedido 12 Aprova pedido 0,003 0, Transfere pedido aprovado 14 Aguarda faturamento do pedido 0,5 0,5 15 Fatura pedido 0,04 0,04 16 Transfere pedido faturado 17 Programa/habilita aparelho 18 Emite nota fiscal 0,006 0, Recolhe aparelho para entrega 20 Entrega aparelho ao cliente Apura comissão 22 Paga comissionamento ao vendedor Total do Ciclo do Processo (Dias) 15 Quadro 04 -Tempo de ciclo do processo situação implantada. Etapas do Processo VRA VEA SVA Elabora campanha de vendas / mailing Treina vendedores Importa mailing em banco de dados Contacta cliente Registra pedido de venda (eletrônico) Transfere pedido eletrônico Aguarda avaliação do pedido Aprova pedido Transfere pedido aprovado Aguarda faturamento do pedido Fatura pedido Transfere pedido faturado Programa/habilita aparelho Emite nota fiscal Recolhe aparelho para entrega Entrega aparelho ao cliente Apura comissão Paga comissionamento ao vendedor 5ª Etapa: Avalia 28% 72% 0% Quadro 05 - Análise de valor agregado situação implementada. Legenda VRA (Valor Real Agregado) Atividades que precisam ser executadas para atender as exigências do cliente VEA (Valor Empresarial Agregado) Atividades com valor agregado para a organização e imperceptível ao cliente SVA (Sem Valor Agregado) Atividades que não contribuem para o atendimento das exigências dos clientes. Estas atividades poderiam ser eliminadas sem comprometer a funcionalidade do produto/serviço. Além desses ganhos demonstrados, houve ganhos econômicos e financeiros obtidos com a implementação do projeto. Os custos com papéis foram extintos e a partir do reconhecimento da agregação de valor pela empresa cliente, novos negócios foram gerados, ou seja, 8

9 VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 possibilitou-se a expansão da operação de vendas a partir da contratação de novas posições de atendimento. Outros ganhos qualitativos também foram mensurados, como a maior eficiência nas vendas através da degustação do mailing (aproveitamento de 40 a 60%); garantia da rastreabilidade do pedido de vendas e melhoria do clima organizacional da operação, decorrente da nova política de comissionamento. Além disso, o projeto SIT foi destaque na feira PGP ALGAR 2005 e case de relacionamento com o cliente premiado pela ABT (Associação Brasileira de Telemarketing). 4. Conclusão Este trabalho apresentou uma visão geral sobre o gerenciamento por processos e sua aplicação nas organizações como fator de competitividade. Deve haver uma preocupação para que o produto final seja entregue atendendo os objetivos de desempenho estabelecidos pelo cliente. Uma metodologia estruturada pode incrementar a qualidade por meio da melhoria contínua dos processos, envolvidos na produção de um bem ou serviço, levando em conta todos os aspectos importantes de um negócio. O maior paradigma na gestão das organizações a ser quebrado é o apontamento das falhas humanas diante o não cumprimento de metas ou queda de nível de serviço. A partir do momento que as atenções estiverem mais dedicadas aos processos, os gestores entenderão o quanto às tomadas decisões serão mais fundamentadas e justificadas pelos fatos e dados. Referências ALMEIDA, L.G. Gestão do processo e a gestão estratégica. Rio de Janeiro: Qualitymark, CAMPOS, V. F. TQC: Controle da Qualidade Total (no estilo japonês). Belo Horizonte, MG: Fundação Christiano Ottoni, Escola de Engenharia da UFMG. Rio de Janeiro: Bloch, COLENGHI, V. M. O & M e qualidade total: uma interpretação perfeita. Rio de Janeiro: Qualitymark, Curso de Gestão de Processos. Apostila Gestão de Processos. Uberlândia: UNIALGAR, GONÇALVES, J. E.L. As empresas são grandes coleções de processos. RAE Revista de Administração de Empresas. v.40. n. 1. São Paulo, p. 5-19, HARRINGTON, H.J. Aperfeiçoando processos empresariais: estratégia revolucionária para o aperfeiçoamento da qualidade, produtividade e competitividade. São Paulo: Makron Books, RADOS, G.J. et al. Apostila gerenciamento de processos. Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina,

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 COMPETITIVIDADE Rentabilidade Fluxo de caixa Crescimento de mercado GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 2 FOCO EM RESULTADOS Gestão dos processos associados

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

ALGAR Programas PGP e PGI 1

ALGAR Programas PGP e PGI 1 ALGAR Programas PGP e PGI 1 O Grupo Algar atua nos setores de Telecomunicações, Agronegócios, Serviços e ainda tem participação acionária no Rio Quente Resorts, no segmento de turismo. A sede do Grupo

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

Serviços de Consultoria Sabre Travel Network

Serviços de Consultoria Sabre Travel Network Serviços de Consultoria Sabre Travel Network Serviços de Consultoria de Sabre Travel Network Nunca foi tão importante compreender o desempenho real dos seus negócios. E tomar conhecimento do posicionamento

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Guia de Modelagem de Estruturas Organizacionais EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Exercício de mapeamento, avaliação, análise e melhoria 1 A gestão de processos permite identificar o conjunto

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão Aula 05 Database Marketing Agenda O que é Database Marketing? Estratégias e Sistemas Os dois usos do Database Marketing Case Referências 2

Leia mais

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR Júlio Miranda Pureza, Dr. Luiz Veriano O. Dalla Valentina, Dr. Gabriela Kunde Edel, Adm. Centro de Ciências Tecnológicas FEJ, Universidade

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PESSOAL

PLANEJAMENTO DE PESSOAL GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO DE PESSOAL Planejamento estratégico de GP 1 Um dos aspectos mais importantes do planejamento estratégico de GP é o alinhamento da função de GP com a estratégia organizacional.

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 10 Tema: Gerenciamento

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada Vice-Presidência de Tecnologia Governança de TI Uma Jornada Contexto Conhecer-se é condição fundamental para evoluir Evolução da TI Governança de TI Contexto Evolução da TI Aumento de importância e complexidade

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Gestão de Não conformidades

Gestão de Não conformidades Gestão de Não conformidades OTIMIZA O ATENDIMENTO ÀS NORMAS ISO, ONA, OHSAS, TS, AS, PBQP-h, ABNT, NR, ANVISA, entre outras, além de se adaptar aos requisitos internos da empresa. TREINAMENTO E SUPORTE

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Portfólio de Produtos

Portfólio de Produtos Portfólio de Produtos 2014 Quem somos: A Focus Educação Corporativa nasceu da necessidade identificada no interior do estado de Minas Gerais, que carece de Consultorias especializadas em pequenas e médias

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais