SUMÁRIO. 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Objetivo 1.2 Aplicação 1.3 Revisão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Objetivo 1.2 Aplicação 1.3 Revisão"

Transcrição

1 CÓDIGO DE ÉTICA

2

3 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Objetivo 1.2 Aplicação 1.3 Revisão 2. VALORES E PRINCÍPIOS 2.1 Valores Humanidade Sociabilidade Desenvolvimento Responsabilidade Pluralismo 2.16 Cooperação 2.2 Princípios Dignidade da Pessoa Humana Igualdade Legalidade Eficiência Segurança da Informação Responsabilidade Pessoal Transparência Respeito ao Cliente Combate à Corrupção Responsabilidade Socioambiental Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

4 3. REGRAS DE CONDUTA 3.1 Regras nas relações com os demais colaboradores 3.2 Regras nas relações com Acionistas e Investidores 3.3 Regras nas relações com Fornecedores e Parceiros 3.4 Regras nas relações com os entes e órgãos Públicos 3.5 Regras nas relações com a imprensa 3.6 Regras nas relações com a comunidade 3.7 Regras nas relações com o meio ambiente 4. CONSELHO DE ÉTICA 4.1 Composição 4.2 Competências 4.3 Procedimentos Representação Averiguação preliminar Contraditório Instrução Julgamento Penalidades Recurso 5. ANEXOS 5.4 Termo de compromisso 5.5 Formulário de representação 5.6 Formulário de revisão e/ou alteração do Código de Ética 4 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

5 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos o Código de Ética da ELO CONTACT CENTER, mais do que um instrumento de condutas, um compromisso a ser assumido pelos Colaboradores, Acionistas e Investidores. Com este instrumento pretendemos nortear condutas, visando a construção de uma Organização ética e responsável, ambiente onde serão colhidos os frutos de um desenvolvimento sustentável. Organizado de forma acessível e transparente, o Código traz valores, princípios e regras de conduta, normas de eficácia interna, mas de efeito multiplicador, que identificarão positivamente seus seguidores e propagarão benefícios a toda coletividade. O Código de Ética também institui o Conselho de Ética, órgão de consulta, regulamentação, julgamento e deliberação, com autoridade para prescrever normas específicas, resolver dúvidas sobre a aplicação do Código, julgar as representações por infração às normas por ele instituídas e deliberar sobre sua reforma ou alteração. Acredita-se, assim, que o texto hora apresentado será bem recebido pelos colaboradores, acionistas e investidores, tanto mais por ser fruto de construção coletiva e que assim pretende se perpetuar - sempre aberto à revisão por iniciativa de qualquer dos colaboradores, acionistas, investidores e anuência do Conselho de Ética. Diretoria da ELO Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

6 1.1 Objetivos Objetiva-se, com a instituição deste Código Ética, estabelecer parâmetros para a atuação dos colaboradores, acionistas e investidores, visando propiciar um ambiente de negócios e trabalho ético, humano, produtivo e sustentável, condições que acreditamos indispensáveis para o desenvolvimento das atividades empresariais. Também se almeja a criação de uma cultura organizacional de mútuo respeito entre colaboradores, acionistas e investidores, além de uma relação transparente com o público externo. 1.2 Aplicação O Código se aplica a todos os colaboradores, acionistas, investidores e parceiros que desempenhem suas atividades na empresa ou externamente, em nome dela. 1.3 Revisão As disposições contidas neste Código poderão ser revistas ou alteradas por iniciativa formalmente adequada de qualquer dos sujeitos a quem ele se aplique, desde que aprovada por três quintos dos componentes do Conselho de Ética. 2. VALORES E PRINCÍPIOS 2.1 Valores Saber de onde partir e onde chegar é pressuposto para o desenvolvimento de qualquer organização. Mas, mais do que o passo inicial e o horizonte desejado, uma organização sólida deve definir seu caminho. Os valores representam o como chegar. São os parâmetros iniciais de qualquer atuação ou planejamento. São os valores que orientam as decisões e pautam as condutas, porque o caminho é tão importante quanto a chegada. 6 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

7 Nosso caminhar haverá de seguir os seguintes valores: Humanidade Compreender a natureza humana em todas as suas dimensões, com toda a sua diversidade, com seus vícios e qualidades é um dos valores que a ELO preza. Em nossas relações interpessoais devemos ver no próximo o reflexo de nós mesmos. Devemos respeitá-los como gostaríamos de ser respeitados. Devemos acolhê-los como gostaríamos de ser acolhidos. Devemos nos solidarizar com as pessoas. Reconhecer que, assim como nós, são passíveis de erros e perdoá-las. Devemos também incentivá-las ao acerto, parabenizá-las pelas conquistas e auxiliá-las em tudo o que estiver ao nosso alcance, para que possam se desenvolver plenamente Sociabilidade Ninguém é capaz de se realizar sozinho. A vida em sociedade não é uma opção. É uma necessidade. É feliz aquele que, reconhecendo-se parte de um todo indivisível, soma seus esforços para o bem comum, retira da sociedade a exata medida do que produziu e se preocupa com a felicidade alheia. Ser sociável é admitir que precisa do outro e estar pronto para ajudar, porque também o outro precisa de ti. É ser gentil, solícito e resiliente, evitando confrontos e desgastes desnecessários Desenvolvimento Desde que nascemos buscamos o aprimoramento de nossas capacidades. Propiciar um ambiente adequado para a busca contínua da excelência é um valor a ser perseguido por todos em uma organização. Somos suscetíveis ao erro, dada a nossa condição humana. Mas o que nos diferencia é a nossa autocrítica e a força de vontade para empreender mudanças e buscar o acerto. Devemos buscar incansavelmente nos tornarmos indivíduos melhores. E não só em nossa capacidade técnica, em nossas relações pro- Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

8 fissionais, mas também devemos refrear nossos vícios, corrigir nossos defeitos e superar nossas limitações nas relações interpessoais Responsabilidade Somos inteiramente responsáveis por nossas ações e omissões. Mais do que ter consciência de que erramos, devemos assumir nossos erros e fazer o possível para repará-los o mais rápido possível. Assumir o erro e comunica-lo a quem de direito é o primeiro passo para corrigi-lo. Devemos ser humildes para reconhecer nossa imperfeição e fortes para levantar e tentar novamente Diversidade Mesmo pertencendo a uma sociedade, sendo um só indivíduo em meio a um mar de gente, somos únicos em nosso modo de ser, de pensar, de agir, de comunicar. Tem cada qual suas particularidades, preferências, sua filosofia de vida, sua crença, seu modo de criar, de se expressar e se relacionar. Devemos reconhecer e respeitar a individualidade de cada um, assim como exigir que nos respeitem como indivíduos únicos e livres para ser e pensar Cooperação Em uma organização as pessoas somam esforços para um objetivo comum. O sucesso de uma empresa depende, portanto, do conjunto de acertos de seus integrantes. A cooperação é um valor que impõe a consciência de pertencimento a um grupo. Um grupo com um propósito comum: alcançar o êxito na atividade empreendida. Mas não é possível atingir o êxito na atividade com ações isoladas, desintegradas ou conflitantes. Ao contrário, o sucesso da empresa depende da integração dos esforços, da troca de experiências e do mútuo auxílio. Somente através da cooperação a empresa crescerá, gerando, assim, oportunidades de crescimento aos colaboradores. 8 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

9 2.2 Princípios Princípios são normas com conteúdo amplo, aplicáveis a uma generalidade de situações. Eles devem orientar a conduta dos colaboradores, acionistas, investidores e parceiros, ainda que não haja regra específica sobre a situação concreta. São a especificação dos valores empresariais, sem descer à minúcia das regras. A partir dos princípios as pessoas orientam suas decisões e ponderam as consequências de suas ações. A ELO tem como princípios os seguintes: Dignidade da Pessoa Humana Este princípio impõe às pessoas o dever de conferir tratamento adequado aos seus superiores, colegas e subordinados, tratando -os com o respeito e deferência que toda pessoa merece. São expressamente proibidas quaisquer condutas que impliquem em menosprezo, maus tratos, vexame, violência física ou moral, assédio sexual e discriminações baseadas em opção sexual, crença, cor da pele, gênero, ou outras que não guardem relação com a capacidade pessoal e com o desenvolvimento profissional. Também não se admitirão interferências no planejamento da carreira, respeitando-se o direito de qualquer um de pleitear alterações de cargo, setor ou local de trabalho, as quais serão deferidas ou indeferidas com base em critérios puramente profissionais. Esse princípio também assegura a todos os colaboradores, acionistas, investidores e parceiros o direito à privacidade nos ambientes físicos e virtuais de uso restrito, tais como toaletes, armários pessoais, pessoal, entre outros. Será assegurado a todos um ambiente de trabalho livre de riscos e violência, devendo, contudo, todos os colaboradores, acionistas, investidores e parceiros se submeter às regras e procedimentos ordinários de segurança, como a identificação, o cadastramento, o Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

10 zelo com as chaves de acesso, senhas, uso de equipamento de segurança pessoal, etc. São assegurados aos colaboradores, acionistas, investidores e parceiros a livre manifestação do pensamento e a liberdade de expressão, os quais serão exercidos a qualquer tempo e modo, contanto que não impliquem em ofensa aos direitos de outrem ou obstem o bom andamento dos trabalhos. Canais específicos como a Ouvidoria serão mantidos para que todos possam se expressar de forma sigilosa sobre os assuntos pertinentes à empresa. Será admitida a expressão artística em momentos oportunos e será assegurado aos colaboradores o direito de traduzir sua cultura em suas vestimentas e acessórios, desde que adequados ao ambiente de trabalho Igualdade A estrutura hierárquica no ambiente empresarial visa a organização dos trabalhos e a produtividade dos colaboradores. Não permite, contudo, que o superior hierárquico se valha da função para impor ações ou omissões dissociadas da relação com o trabalho. Não serão admitidas discriminações irrazoáveis, desproporcionais ou sem justo fundamento. Somente serão admitidas diferenças entre colaboradores quando tal diferença seja necessária ao bom andamento dos trabalhos ou decorra de méritos pessoais reconhecidos por boas condutas em prol da empresa Legalidade Todos os sujeitos ao Código devem pautar sua conduta pelo estrito respeito às leis do país e aos tratados ou convenções internacionais aos quais o Brasil tenha aderido, em especial aquelas editadas pela Organização Internacional do Trabalho. Não serão admitidas, sob qualquer pretexto, infrações às leis brasileiras, ainda que ordenadas por superior hierárquico. 10 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

11 2.2.4 Eficiência Os colaboradores, acionistas, investidores e parceiros têm o especial dever de zelar pela eficiência na atuação empresarial. Serão incentivadas condutas tendentes a aumentar a produtividade e a qualidade do trabalho realizado Segurança da Informação Serão preservados os dados pessoais dos colaboradores, acionistas, investidores e parceiros confiados à empresa. Também assim, deverão estes preservar as informações classificadas como sigilosas, que lhes forem transmitidas no exercício da profissão Responsabilidade Pessoal As violações praticadas por quaisquer dos sujeitos a este Código ser-lhe-ão imputadas individualmente, segundo sua culpabilidade, assegurado o direito ao contraditório Transparência Todos colaboradores, acionistas, investidores e parceiros, assim como a empresa, pautarão sua conduta pela transparência e legitimidade, manifestando com clareza e objetividade seus propósitos e expectativas com relação a terceiros. Todas as demandas e questionamentos deverão ser respondidos em tempo hábil e pelo mesmo canal por onde foram formulados Respeito ao Cliente O cliente é o motivo de existência da organização e, como tal, deve ser respeitado. Ainda quando não dedique o merecido respeito à empresa, aos colaboradores, aos acionistas, investidores e parceiros, o cliente jamais deverá ser tratado de forma rude, deseducada ou desrespeitosa. O respeito que dedicamos à todos nos favorece e engrandece mais do que ao destinatário. Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

12 Eventuais excessos praticados por clientes deverão ser submetidos ao conhecimento da Ouvidoria, para as providências cabíveis Combate à Corrupção A corrupção é um mal que consome os recursos coletivos e impõe a miserabilidade a um sem número de pessoas. Mais do que um problema das autoridades públicas, a corrupção é fenômeno cultural que pode e deve ser combatido por todos nós. A ELO, uma empresa cidadã, assume sua responsabilidade no combate a todas as formas de corrupção, comprometendo-se a disseminar a cultura empresarial da honestidade, boa-fé e respeito ao interesse público Responsabilidade Socioambiental Temos o compromisso ético com as presentes e futuras gerações de bem administrar os recursos naturais e econômicos de nosso planeta. Todo e qualquer crescimento há de ser planejado de forma sustentável, ou seja, deve ser conduzido de modo a preservar os recursos naturais e a distribuir os benefícios advindos do crescimento. 3. REGRAS DE CONDUTA As regras de conduta são normas específicas que disciplinam o modo de agir dos colaboradores, acionistas, investidores e parceiros da ELO no ambiente de trabalho. São vedações e imposições que devem ser seguidas, sob pena de responsabilização. Regras nas relações com os demais colaboradores Nos processos de admissão, promoção ou desligamento, os motivos determinantes devem estar atrelados à capacidade e aptidão para o trabalho, sendo vedadas discriminações em razão da raça, gênero, idade, religião, estado de gravidez, entre outras não relacionadas ao trabalho. 12 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

13 3.2.2 No cotidiano empresarial as pessoas devem se tratar com gentileza, respeito e solidariedade, cooperando umas com as outras para o desenvolvimento das aptidões e para a produtividade no trabalho A individualidade, o modo de trabalhar, se relacionar, se comunicar e o planejamento da carreira serão de livre escolha de cada pessoa, desde que respeitados os horários de trabalho, cumpridas as tarefas ordenadas, acatados os parâmetros do cliente e obedecidos os valores e princípios da empresa Todos têm o dever de contribuir para a promoção de um ambiente de trabalho saudável, seguro, agradável, confortável e livre de assédios, discriminação e violência. Ações ofensivas a esses objetivos deverão ser denunciadas a quem de direito É assegurado a todos os colaboradores, acionistas, investidores e parceiros o direito de criticar construtivamente as pessoas, procedimentos e ações da empresa, desde que o faça de forma transparente, imparcial, respeitosa e de boa-fé Todos devem zelar pelo sigilo e confidencialidade das informações assim classificadas, bem como atuar com discrição em relação a fatos e condutas desabonadoras de pessoas, cuja divulgação não contribua para a melhoria do ambiente empresarial. Também se preservará o sigilo das informações médicas, funcionais e pessoais dos colaboradores, acionistas, investidores e parceiros É dever de todos respeitar os direitos trabalhistas individuais e coletivos dos colaboradores e parceiros, assim como cumprir ou fazer cumprir os respectivos acordos ou convenções coletivos Todos devem buscar meios pacíficos de resolução de controvérsias, em especial a conciliação e mediação, preferencialmente pelos canais internos da empresa A empresa valorizará a disseminação do conhecimento e da cultura, promovendo, sempre que necessário, o treinamento dos colaboradores e parceiros. Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

14 A empresa adotará técnicas de incentivo à produção e à qualidade do atendimento, assim como métodos saudáveis de competição, respeitando sempre a saúde e qualidade de vida dos colaboradores e parceiros A empresa será compreensiva com eventuais falhas de seus colaboradores e parceiros, assegurando-lhes meios de se redimir e corrigi-las. Não serão, contudo, tolerados atos de leniência dos responsáveis pela apuração de falhas, nem tampouco violações graves ou reiteradas às normas de conduta. A eventual aplicação de sanções se dará de forma imparcial e proporcional Não haverá qualquer discriminação ou perseguição aos colaboradores que denunciarem condutas ofensivas ao Código de Ética ou formularem críticas construtivas à empresa. 3.3 Regras nas relações com Acionistas e Investidores Aos acionistas e investidores serão assegurados os direitos de propriedade sobre os ativos da empresa, bem como o direito à informação sobre toda a atuação da empresa, cabendo aos colaboradores e parceiros o dever de eficiência, transparência e fidelidade no trato desse patrimônio e informações Os acionistas deverão respeitar as normas de gestão corporativa, em especial as prevista em acordo de acionistas, sendo-lhes vedada a gestão fraudulenta ou qualquer conduta lesiva aos direitos dos demais acionistas, investidores, colaboradores ou parceiros O acionista controlador deve usar o poder com o fim de fazer a companhia realizar o seu objeto e cumprir sua função social, e tem deveres e responsabilidades para com os demais acionistas da empresa, os que nela trabalham e para com a comunidade em que atua, cujos direitos e interesses deve lealmente respeitar e atender. 14 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

15 3.4 Regras nas relações com Fornecedores e Parceiros A todos compete, em suas relações com fornecedores e parceiros, zelar pelos interesses da ELO, sendo vedadas quaisquer práticas que impliquem em preferências pessoais ou discriminações infundadas A escolha de fornecedores e parceiros obedecerá aos critérios de preço, qualidade, eficiência e legalidade Fornecedores e parceiros deverão ser tratados com o devido respeito, vedando-se aos colaboradores estimular a concorrência predatória e o desequilíbrio na relação econômico-financeira mantida com a empresa Não se admitirá a contratação de fornecedores ou qualquer forma de parceria com pessoas físicas ou jurídicas condenadas por atos de improbidade administrativa, crimes ambientais, crimes contra a administração pública ou que façam uso de trabalho infanto-juvenil ou forçado É vedado a qualquer colaborador, acionista ou investidor receber para si ou para outrem quaisquer valores (comissões ou gratificações), presentes ou benesses de fornecedores ou parceiros. Regras nas relações com os entes e órgãos Públicos Nas relações com a Administração Pública Direta ou Indireta, assim como nas relações com Poderes Públicos Independentes e quaisquer outras entidades públicas ou privadas subvencionadas com recursos públicos, a ELO atuará com estrita legalidade e deferência É vedado a qualquer colaborador, acionista, investidor ou parceiro se relacionar com qualquer entidade acima arrolada sem prévia e expressa autorização da ELO É vedado a qualquer colaborador, acionista, investidor ou parceiro requerer ou usufruir de benefícios ilegais concedidos pelas entidades acima arroladas. Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

16 3.6 Regras nas relações com a imprensa A ELO primará por uma relação transparente com os órgãos públicos ou privados de comunicação e buscará ser acessível sempre que razoavelmente demandada É vedado a qualquer colaborador, acionista, investidor ou parceiro se relacionar com qualquer órgão acima mencionado sem prévia e expressa autorização da ELO A ELO se reservará o direito de restringir ou adiar a divulgação de determinadas informações a um ou alguns órgãos de comunicação quando a divulgação da informação puder se mostrar ofensiva aos valores e princípios previstos neste Código. Decisões neste sentido obrigarão a todos os colaboradores, acionistas, investidores e parceiros. 3.7 Regras nas relações com a comunidade e o meio ambiente A ELO aturará sempre com estrito respeito às normas ambientais e incentivará ações de responsabilidade ambiental Todos os colaboradores, acionistas, investidores, fornecedores e parceiros adotarão práticas de consumo responsável no ambiente de trabalho da ELO A ELO promoverá ações de responsabilidade social, com o aporte de recursos humanos ou financeiros em projetos previamente aprovados por sua Diretoria. 4. CONSELHO DE ÉTICA 4.1 Composição O Conselho de Ética será composto por 3 (três) membros, sendo um presidente, um relator e um vogal, todos indicados pela Diretoria da ELO, com mandato de dois anos, permitida uma recondução por igual período. 16 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

17 4.2 Competências Geral Compete ao Conselho de Ética: Zelar pela observância do Código de Ética; Educar sobre os valores e princípios do Código de Ética; Realizar campanhas periódicas em prol da cultura ética; Esclarecer dúvidas sobre a aplicação e interpretação do Código de Ética; Realizar averiguações preliminares de denúncias por infração ao Código de Ética; Instaurar e julgar, de ofício ou a requerimento, processo disciplinar; Revisar o Código de Ética de ofício ou a requerimento de outrem; Manter e gerir base de dados com os resultados dos julgamentos e consultas; Editar súmulas consolidando o seu entendimento; Organizar os próprios trabalhos e agendar as reuniões periódicas Específicas Compete ao Presidente do Conselho de Ética: Presidir as reuniões e gerir os trabalhos do Conselho; Pautar os julgamentos e designar dia para sua realização; Instaurar, de ofício, processo disciplinar; Comunicar aos setores responsáveis o resultado dos julgamentos; Aprovar a emissão de súmulas. Compete ao Relator do Conselho de Ética: Redigir o relatório sobre a denúncia ou consulta; Disponibilizar o relatório aos demais membros; Receber denúncias de infrações ao Código de Ética e proceder à averiguação preliminar. Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

18 Compete ao Vogal do Conselho de Ética: Oficiar como secretário do presidente; Substituir o relator em caso de afastamento temporário. 4.3 Procedimentos Consulta A consulta é o procedimento cabível para o saneamento de dúvida sobre a interpretação ou aplicação do Código de Ética. Tem legitimidade para formular a consulta qualquer pessoa sujeita às normas deste Código de Ética. A consulta será respondida de forma concisa, objetiva e fundamentada, representando o entendimento da maioria do Conselho de Ética Denúncia A denúncia é o instrumento hábil à comunicação de infração ao Código de Ética. Qualquer pessoa sujeita às normas deste Código de Ética poderá denunciar condutas infratoras. A denúncia deverá conter os seguintes requisitos, sob pena de arquivamento: Identificação e assinatura do denunciante; Identificação do(s) denunciados; Descrição objetiva dos fatos; Indicação da(s) norma(s) infringida(s); Indicação dos meios de prova (anexação dos documentos e/ ou nomeação das testemunhas); Em casos excepcionais, quando a segurança, a privacidade ou outros relevantes interesses estejam ameaçados, poderá o denunciante ter sua identidade preservada, se assim decidir o relator. 18 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

19 4.3.3 Averiguação preliminar A averiguação preliminar é o procedimento de apuração prévia de denúncias perante o Relator, cuja conclusão será pelo arquivamento da denúncia ou sua procedência. Em caso de procedência, será a denúncia transformada em processo disciplinar. Compete ao relator receber as denúncias e proceder à averiguação preliminar, para verificar se estão presentes indícios de autoria e materialidade da suposta infração, bem como se cumpridos os requisitos formais necessários ao seu processamento. O juízo emitido monocraticamente pelo relator não vinculará os demais membros no julgamento do processo disciplinar, em caso de procedência da denúncia. Em caso de improcedência, caberá recurso ao pleno do Conselho de Ética Processo disciplinar O processo disciplinar é o procedimento estabelecido em contraditório para a apuração dos fatos e julgamento da conduta denunciada. O processo disciplinar poderá ser instaurado de ofício pelo Presidente do Conselho de Ética, caso em que será dispensada a averiguação preliminar, ou a requerimento do relator, se procedente a denúncia em averiguação preliminar. Após autuada a denúncia, será notificado pessoalmente o acusado para, em 5 (cinco) dias corridos, formular sua defesa e indicar as provas que pretende produzir. Recebida a defesa, o relator designará dia para audiência de conciliação. Havendo conciliação, o processo será arquivado, sem registro de infração. Caso infrutífera a conciliação, poderá o relator recomendar o pronto arquivamento, o julgamento conforme o estado do processo ou prosseguir com a instrução. Se necessária a instrução, o relator designará dia para a oitiva das testemunhas, sem a presença de acusado ou denunciante. O depoimento será reduzido a termo e assinado pelas testemunhas e pelo relator. Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

20 Concluída a instrução, o relator emitirá relatório sucinto sobre as principais ocorrências do processo, encaminhando cópia ao Presidente e ao Vogal. Lido e achado conforme o relatório, o Presidente designará dia para o julgamento, o qual correrá em sessão sigilosa com a presença exclusiva dos membros do Conselho de Ética. O julgamento resultará da maioria dos votos e sua conclusão será comunicada às partes, via . Em caso de condenação, caberá recurso ao presidente da ELO Penalidades Reconhecida a autoria e a materialidade, assim como a responsabilidade do acusado, o Conselho de Ética concluirá pela condenação, recomendando à área de Recursos Humanos uma das seguintes sanções: Advertência oral (não anotável); Advertência escrita (anotável); Suspensão (de 1 a 30 dias); Demissão por justa causa (observado o art. 482 da CLT). A aplicação e registro da sanção se dará a exclusivo critério da área de Recursos humanos. A sanção eventualmente aplicada não exime o condenado da eventual responsabilidade civil, administrativa e penal. ANEXOS 20 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

21 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

22

23 Denunciante: Denunciado(s): FORMULÁRIO DE DENÚNCIA Fato: Norma(s) violada(s): Meios de prova: ( ) testemunha(s); ( ) documentos; ( ) perícia; ( ) imagens de câmeras de segurança; ( ) outros (qual? ) Nome e matrícula das testemunhas: Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

24 Documentos juntados: Localização das câmeras e horário da ocorrência: Tipo de perícia requerida: ( ) contábil; ( ) engenharia; ( ) informática; ( ) outra. São Luís, de de 20. Assinatura: Matrícula: 24 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

25 FORMULÁRIO DE RECURSO CONTRA ARQUIVAMENTO DE DENÚNCIA Recorrente: Recorrido(s): Razões de recurso: São Luís, de de 20. Assinatura: Matrícula: Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

26 Proponente: FORMULÁRIO DE REVISÃO/ALTERAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA Dispositivo(s) a ser reformado(s): Razões para a reforma: São Luís, de de 20. Assinatura: Matrícula: 26 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

27 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

28 Av. Gomes de Castro, nº 134, Centro São Luís/MA CEP

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO CÓDIGO DE ÉTICA G UPO 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 2 1. APLICABILIDADE... 3 ESCLARECIMENTOS... 3 O COMITÊ DE ÉTICA... 3 ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ... 3,4 2. ASSUNTOS INTERNOS... 4 OUVIDORIA... 4 PRECONCEITO...

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Competências Art. 1º - Compete à Comissão de Ética, no âmbito

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC De origem grega, o termo ethos significa costumes e deve ser entendido com um conjunto de princípios básicos que visam disciplinar e regular, a moral e a conduta das

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CAPANEMA DUARTE ADVOGADOS

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CAPANEMA DUARTE ADVOGADOS CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CAPANEMA DUARTE ADVOGADOS I. Preâmbulo 1.1 Temos como objetivo ser um escritório de advocacia altamente conceituado e referência em nossa área de atuação, o que requer, além de

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Políticas Corporativas. Código Interno de Ética

Políticas Corporativas. Código Interno de Ética Políticas Corporativas Versão: Janeiro de 2014 Área: Risco e Compliance Responsável: Leonardo Tavares Pereira Objetivo : Este Código tem por objetivo estabelecer os princípios, conceitos e valores que

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

MEGAINVEST. Código de Ética

MEGAINVEST. Código de Ética Código de Ética Sumário - Do Código de Ética - Filosofia Corporativa - Valores - Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas Relacionadas - Exceções ao Código, Sanções e Punições Acreditamos que, no

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

Apresentação...4. Glossário...5. Princípios Éticos Suzano...6. Governança Corporativa...6. Integridade...7. Igualdade...9. Transparência...

Apresentação...4. Glossário...5. Princípios Éticos Suzano...6. Governança Corporativa...6. Integridade...7. Igualdade...9. Transparência... Índice Apresentação...4 Glossário...5 Princípios Éticos Suzano...6 Governança Corporativa...6 Integridade...7 Igualdade...9 Transparência...10 Desenvolvimento Sustentável...10 Valorização Profissional...11

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1. CONCEITO 2. OBJETIVO 3. PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS 4. CONFLITOS DE INTERESSE 5. CUMPRIMENTO DO CÓDIGO 4 5 6 10 11

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions. Nenhuma

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13 COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO Versão 01-13 1 C Ó D I G O D E É T I C A Introdução A ÉTICA é o ideal de conduta humana, desenvolvido

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

Identidade Organizacional. Prezado,

Identidade Organizacional. Prezado, Prezado, Apresentamos a todos os colaboradores, o Código de Conduta da Bolt Transportes, que foi minuciosamente elaborado de acordo com os valores que acreditamos ser essenciais para o um bom relacionamento

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A.

REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A. REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A. DA CONSTITUIÇÃO Artigo 1º - Por decisão da Diretoria Tokio Marine Seguradora S.A., e na forma da Circular Susep nº 279/2013 esta OUVIDORIA atuará nos

Leia mais

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais.

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais. 03/07/2013 Pág. 01 GESTÃO DA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS ÉTICOS E Substitui a IO-07 CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL E DO CANAL de 03/04/2012 DE DENÚNCIA DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS 1. FINALIDADE

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL 1. Disposições Preliminares Este Código de Ética tem como principal objetivo informar aos colaboradores, prestadores de serviço, clientes e fornecedores da Petronect quais são os princípios éticos que

Leia mais

OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: Trabalho com ÉTICA HONESTIDADE HUMILDADE TRANSPARÊNCIA RESPONSABILIDADE EMPREENDEDORISMO

OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: Trabalho com ÉTICA HONESTIDADE HUMILDADE TRANSPARÊNCIA RESPONSABILIDADE EMPREENDEDORISMO OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: O CÓDIGO DE CONDUTA do GRUPO BAHAMAS, composto pelo Supermercado Bahamas e Bahamas Card (BTR), foi elaborado com o objetivo de orientar o trabalho de forma que as nossas

Leia mais

Código de Ética ENGENHARIA AMBIENTAL

Código de Ética ENGENHARIA AMBIENTAL Código de Ética Índice Mensagem do Conselho de Administração... 3 Valores e Crenças... 5 Abrangência e Escopo... 7 Compromissos de conduta... 9 Ambiente de trabalho... 9 Bens da VITAL Utilização e Preservação...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA FACULDADE DE DIREITO DE SANTA MARIA FADISMA

CÓDIGO DE ÉTICA DA FACULDADE DE DIREITO DE SANTA MARIA FADISMA CÓDIGO DE ÉTICA DA FACULDADE DE DIREITO DE SANTA MARIA FADISMA Título I Das Disposições Gerais Art. 1º - São destinatários deste Código, para fim de observância de seus preceitos, os dirigentes, docentes,

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon Palavra do Presidente É com satisfação que editamos o Guia de Conduta Ética das Empresas Randon, um instrumento de comunicação que traduz os nossos valores e dá as diretrizes para as nossas ações profissionais,

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Conceito 2. Objetivo 3. Abrangência 4. Regras e Normas 4.1 Conceito de Ética. Ponto de vista empresarial 4.2 Princípios

Leia mais

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012 Sumário I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Divulgação de Informação

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO 1. OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de reforçar o compromisso da empresa Via Boleto de cooperar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007 OUTUBRO/2007 ÍNDICE Página 1. APRESENTAÇÃO 1 2. OBJETIVOS 1 3. NORMAS, PRINCÍPIOS E VALORES ÉTICOS 2 4. CONFLITOS DE INTERESSES 5 5. CONFIDENCIALIDADE 6 6. DÚVIDAS COM A APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA 6

Leia mais

Código de Ética Rastru

Código de Ética Rastru CÓDIGO DE ÉTICA RASTRU O objetivo desse Código de É tica é definir com clareza os princípios éticos que norteiam as ações e os compromissos da organização Rastru, tanto da parte institucional como da parte

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Afonso França Engenharia - 23 Detalha as normas de conduta esperadas pela Afonso França Engenharia de seus profissionais. A Afonso França tem e dissemina princípios que devem nortear

Leia mais

Código de Ética AccessBrasil 1

Código de Ética AccessBrasil 1 Código de Ética AccessBrasil 1 Sumário 01. Objetivos 02. Estrutura Operacional e Fluxo de Informações 03. Missão e Valores 04. Relações com Fornecedores 05. Relações com Clientes e Consumidores 06. Negociações

Leia mais

Mensagem da Diretoria

Mensagem da Diretoria Código de Ética Índice Mensagem da Diretoria... 07 Princípios Cooperativistas... 09 Política da Qualidade... 11 Nosso Negócio, Missão, Visão... 12 Nossos Valores... 13 Nosso Relacionamento com: Associados...

Leia mais

Código de Ética. Capítulo 1 - DEFINIÇÕES PRELIMINARES

Código de Ética. Capítulo 1 - DEFINIÇÕES PRELIMINARES Código de Ética Considerando que: O Estatuto Social da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, ASSESPRO NACIONAL, estabelece a existência de um Código de Ética a ser observado

Leia mais

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A.

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. (POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE APROVADA NA RCA DE 2002) FINALIDADE A política de divulgação de Ato ou Fato Relevante da Unipar observará

Leia mais

Mensagem da Diretoria

Mensagem da Diretoria 2007 A Mensagem da Diretoria história da Responsabilidade Social na Copacol está intrínseca desde que abriu as portas do cooperativismo no Oeste do Paraná, em 1963. Com a assinatura do Pacto Global, essa

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso maior da instituição deve ser o de possibilitar continuamente a consecução de sua missão, a saber: Ser o agente financeiro do Estado para promover

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre a criação, a organização e as atribuições da Ouvidoria do Ministério Público Federal. O Presidente da República, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

GRUPO OXFORD CÓDIGO DE ÉTICA PREÂMBULO

GRUPO OXFORD CÓDIGO DE ÉTICA PREÂMBULO GRUPO OXFORD CÓDIGO DE ÉTICA PREÂMBULO O grupo Oxford tem como dever a prática dos mais altos padrões de conduta profissional e ética em suas atividades múltiplas de consultoria empresarial. Todos os funcionários,

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso é servir como Guia Prático de Conduta Pessoal e Profissional, a ser utilizado por todos os Colaboradores do Banrisul, possibilitando a

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente Código contém os fundamentos éticos, obrigações, responsabilidades e requisitos que devem ser seguidos pelos Físicos Médicos no exercício

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa Caro colaborador, A prática do Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa é tão importante que fazemos questão que cada colaborador tenha seu próprio

Leia mais

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações:

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações: POLÍTICAS CORPORATIVAS Assunto: Código de Ética e Conduta Objetivo O Código de Ética e Conduta objetiva estabelecer os princípios, conceitos e valores que orientam o padrão ético de todos os Colaboradores

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 Se surgirem dúvidas sobre a prática dos princípios éticos ou desvios de condutas, não hesite em contatar o seu superior ou o Comitê de Ética. SUMÁRIO O CÓDIGO DE

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP 2008-2 1 Apresentação A SABESP a partir da sua própria missão de prestar serviços de saneamento, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente constitui-se

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

FACULDADES DA FUNDAÇÃO DE ENSINO DE MOCOCA - FaFEM

FACULDADES DA FUNDAÇÃO DE ENSINO DE MOCOCA - FaFEM Portaria n. 012/2010. Estabelece as Normas e Regulamento da Ouvidoria das FAFEM. A Diretora das Faculdades da Fundação de Ensino de Mococa, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLVE: regulamentar

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1 DA OUVIDORIA-GERAL DA UNIÃO DA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2014. O Ouvidor-Geral da União, no uso de

Leia mais

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos.

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos. TÍTULO Código de Conduta Ética da Organização Bradesco GESTOR Banco Bradesco S.A. ABRANGÊNCIA Unidades no Exterior, Agências, Departamentos, Empresas Ligadas DATA DE PUBLICAÇÃO 07/08/2015 Descrição: 1.

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial.

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. G7 PRO UNIIDADE BRASIIL SSOLLUÇÕEESS EESSTTRRATTÉÉGI IICASS EEM SSEEGURRANÇA CÓDIGO DE ÉTICA Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. Este documento possui informações INTERNAS

Leia mais

Prezado colaborador, Receba estes Princípios Éticos e de Conduta, que resumem o que já somos e pregam o que nunca devemos deixar de ser.

Prezado colaborador, Receba estes Princípios Éticos e de Conduta, que resumem o que já somos e pregam o que nunca devemos deixar de ser. Prezado colaborador, Fazemos parte de empresas que já nasceram comprometidas com os princípios éticos do exercício da verdade, fundamentais para a nossa credibilidade. Uma identidade cristalina, que nos

Leia mais