FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS NELSON JOÃO RIELLO NETO A EVOLUÇÃO DOS POLÍMEROS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS NELSON JOÃO RIELLO NETO A EVOLUÇÃO DOS POLÍMEROS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS NELSON JOÃO RIELLO NETO A EVOLUÇÃO DOS POLÍMEROS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Sorocaba/SP 2012

2 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS NELSON JOÃO RIELLO NETO A EVOLUÇÃO DOS POLÍMEROS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Polímeros na FATEC Sorocaba como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Polímeros, sob a orientação do Profº Marcos Chogi Iano Sorocaba/SP 2012

3 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS NELSON JOÃO RIELLO NETO A EVOLUÇÃO DOS POLÍMEROS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Polímeros na FATEC Sorocaba como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Polímeros. BANCA EXAMINADORA: Prof. Ms. Célio Olderigi De Conti Faculdade de Tecnologia de Sorocaba Prof. Dr. Francisco Carlos Ribeiro Faculdade de Tecnologia de Sorocaba SOROCABA 2012

4 DEDICATÓRIA Com grande orgulho e satisfação dedico este trabalho a todos que me ajudaram, não importa como, e trilharam comigo esse longo caminho do qual saio vitorioso.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus principalmente pela capacidade e sabedoria que de mim mesmo não as tinha, mas me emprestou por sua grande misericórdia e me deu força para seguir e vencer mais essa batalha. A meus pais, minhas irmãs, minha namorada e demais familiares, por sempre estarem presentes nesta árdua trajetória, servindo de sustentação em todos os momentos. A meus colegas e amigos do curso de Tecnologia em Polímeros, que de alguma forma me conduziram até este momento. Aos professores que doaram e compartilharam conhecimentos não apenas teóricos, mas também práticos para o ingresso neste competitivo mercado de trabalho, em que agora faço parte. Em especial professor Marcos Chogi Iano, pela orientação durante este trabalho. À empresa Toyota do Brasil, que me despertou para o tema deste trabalho e mostrou na prática as aplicações desses maravilhosos materiais que são os polímeros, e também a empresa Engeflex do Brasil que me deu a oportunidade de aplicar meus conhecimentos e adquirir novos.

6 EPÍGRAFE A ciência de hoje é a tecnologia de amanhã. (Edward Teller).

7 RESUMO A ideia deste Trabalho de Conclusão de Curso é mostrar através de pesquisas a evolução do material polimérico na indústria automobilística, compreendendo como eram os materiais utilizados que, ao que se sabe, apresentavam material polimérico praticamente nulo. Com o passar dos anos, esses materiais passaram a ter uma aplicação cada vez mais ampla em tal segmento. O intuito é, portanto, relembrar o desenvolvimento do automóvel dentro do contexto da evolução do material polimérico, por meio de dados concretos dessa evolução e de sua importância para o setor automobilístico. A meta não é, necessariamente, atentar a um tipo específico de material polimérico, mas sim mostrar sua evolução em linhas gerais. Palavras-chave: Polímeros. Automóveis. Indústria.

8 ABSTRACT The idea of this Work Completion of course is through surveys show the evolution of the polymer material in the auto industry, including the materials used were like that, you know, had virtually no polymeric material. Over the years, these materials now have an increasingly broad application in this segment. The aim is therefore to recall the automobile development within the context of the evolution of the polymeric material, through hard data that evolution and its importance to the automotive industry. The goal is not necessarily qualify a particular type of polymer material, but to show its progress in general. Keywords: Polymers. Cars. Industry.

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO REVISÃO DE LITERATURA Definição de Polímero Classificações Fontes de Matérias-Primas METODOLOGIA RESULTADOS Propriedades dos polímeros nos automóveis DISCUSSÃO Aplicações dos polímeros na indústria automobilística A sustentabilidade dos polímeros nos automóveis Principais usos dos polímeros Utilidades essenciais poliméricas nos automóveis Rodas de Polímero Demais aplicações As vantagens dos materiais poliméricos nos automóveis são diversas CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 50

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Macromolécula. Fonte: IANINO, Alexandre. Polímeros (apostila) Figura 2 - Cabo de automóveis com revestimento de PVC. Fonte: Keben electronic Figura 3 - Canos de ar-condicionado revestido de PU. Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre Figura 4 - Processo de pintura das carrocerias durante a linha de montagem dos carros. Fonte: Foto divulgação, agências internacionais Figura 5 - Descarte de resíduos plásticos indevidos. Fonte: (TARTARUGA MARINHA, 2010,s/p) Figura 6 - Ecofibra. Fonte: Artecola Figura 7 - Utilidades gerais dos polímeros Figura 8 - Classificação dos Polímeros quanto ao desempenho. Fonte: Baseado em Bomtempo Figura 9 - Roda de plástico. Fonte: (http://www.inovacaotecnologica.com.br) Figura 10 - Polímero substitui metal no para-lama. Fonte: DIVULGAÇÃO CUCA JORGE Figura 11 - Polissulfona é opção ao metal e ao termofixo nos faróis. Fonte: DIVULGAÇÃO CUCA JORGE Figura 12 - Coletores de plástico do BMW (esq.) e do Fiat. Fonte: DIVULGAÇÃO CUCA JORGE Figura 13 - Front end traz metal e plástico injetado. Fonte: DIVULGAÇÃO CUCA JORGE Figura 14 - Capa do motor em Nylon incorpora os sistemas de filtro. Fonte: DIVULGAÇÃO CUCA JORGE Figura 15 - Para-choques. Fonte: DIVULGAÇÃO CUCA JORGE Figura 16 - flexível leva PA 12 da Evonik. Fonte: 44 Figura 17 - Engrenagem de Plástico. Fonte: Divulgação CUCA JORGE Figura 18 - Participação do Nylon nos veículos. Fonte: RHODIA Figura 19 - Plásticos usados no VW Golf IV

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Aplicação e estrutura dos polímeros Tabela 2 Polímeros aplicados na indústria automobilística... 38

12 ii 1. INTRODUÇÃO Os primeiros contatos do ser humano com material ligado à resina e graxa, extraída ou refinada, ocorreu em tempos da Antiguidade, com o povo egípcio e romano, que o utilizou como carimbo, cola de documentação e vedação de vasilhames. Já durante o século XVI, os povos espanhol e português interessados na exploração dos seringais instalaram-se em Belém e em Manaus e obtiveram os primeiros contatos com produtos extraídos das seringueiras. Esses extratos, produtos das coagulações e secagens do látex, apresentavam um perfil e algumas características de boa elasticidade e flexibilidade que não eram conhecidas até o presente momento. Esses materiais receberam a denominação de borracha, por seu potencial de fazer o apagamento de marcas de lápis ou lapiseiras. O uso da borracha deu-se de modo bem restrito até que houve o descobrimento das vulcanizações, por Charles Goodyear, no ano de 1839, que atribui às borrachas um perfil elástico, não pegajoso e durável. Já no ano de 1846, Christian Schónbien, químico da Alemanha, fez um tratamento envolvendo algodão e ácido nítrico, originando a nitrocelulose, que foi considerado o polímero com características semissintéticas. No ano de 1862, Alexander Parker, da Inglaterra, adquiriu completo domínio sobre essas técnicas, de modo a realizar uma patente da nitrocelulose. Hoje em dia, ainda é comumente usada a cera Parquetina, que se deriva justamente de Parker. No ano de 1897, Krishe e Spittller, na Alemanha, obtiveram produtos endurecidos através das reações de formaldeído e caseína, formando proteínas constituintes do leite desnatado. No começo do século XX, provou-se que certos tipos de material, com produção realizada pela Química, até então considerado como colóide, consistia, na realidade, em um conjunto gigantesco de moléculas, que tinham a possibilidade de vir como resultado dos encadeamentos de mais de átomos de carbono. Uma vez que essa estrutura química componente não apresentava partículas estruturais que se repetiam de maneira regular, tais moléculas se denominaram macromoléculas. Os importantes estudos de Staudinger, que é tido como o pai e

13 13 mestre dos polímeros, foram aprimorados pelos processos investigativos de outros teóricos, tais como Mark e Marvel, comprovando que as naturezas desse tipo de macromolécula eram semelhantes às das moléculas menores, já sabidas. Desse modo, possibilitou-se que se desenvolvesse um tipo de material polimérico com bastante acentuação. A palavra POLÌMERO vem do grego poli, cujo significado é muito, e de mero, que quer dizer parte ou unidade (que se repete). Os meros, para formarem um polímero, são ligados entre si através de ligações primárias, estáveis. (MANRICH, 2005, pág. 19) Os primeiros polímeros sintéticos foram idealizados por Leo Baekeland, no ano de 1912, produzidos pelas reações entre fenol e formaldeído. Tais reações produziam um material sólido, denominado resina fenólica, que atualmente se conhece por baquelite, termo que deriva do nome de seu criador. Polimerização é a reação ou o conjunto de reações nos quais moléculas simples reagem entre si formando uma macromolécula de alta massa molar. Durante esse processo, algumas variáveis são mais ou menos importantes, dependendo de sua influência na qualidade do polímero formado. Assim, temperatura de reação, pressão, tempo, presença e tipo de iniciador e agitação são considerados variáveis primárias, e a presença, o tipo de inibidor, de retardador, catalisador, controlador de massa molar, da quantidade de reagentes e demais agentes específicos, são considerados variáveis secundárias. Durante a reação para obter compostos de baixa massa molar, mudanças nas variáveis primarias não afetam o tipo de produto final, apenas alteram o rendimento da reação. Em contraste, mudanças nestas mesmas variáveis primárias durante a polimerização não só afetam o rendimento da reação como também podem produzir alterações de massa molar média, distribuição de massa molar e estrutura química. (CANEVAROLO, 2002, pág. 107) Diversos tipos de plástico, borracha e material fibroso que é útil a nós hoje em dia consiste sua base em polímero sintético. Realmente, após o final da Segunda Guerra Mundial, os campos de materiais foram virtualmente revolucionados pela invenção desse polímero sintético. Esses materiais podem se produzir a um custo barato, cujas propriedades se administram a um nível em que muitas delas superam suas contrapartes de natureza. A Substituição de materiais tradicionais por polímeros nos automóveis ocorreu de forma gradativa ao longo do tempo, porém atualmente esses avanços dentro do segmento automobilístico tiverem seu ritmo acelerado. Esta evolução se deu através de diversas razões tanto econômicas, quanto tecnológicas, determinando a velocidade dessas mudanças.

14 14 Crises como a do petróleo de 1979 trouxeram a conscientização para o problema da escassez de combustível e para a vulnerabilidade do uso indiscriminado de recursos naturais de fontes não renováveis. Porém, foram esses acontecimentos que alavancaram as decisões para viabilização do projeto de automóveis mais eficientes, seguros, confortáveis e que, principalmente, consumissem menos combustíveis. Os plásticos estão sendo constantemente usados como substitutos dos materiais clássicos na indústria automobilística com o objetivo de reduzir peso, melhorar projeto e consequentemente reduzir custos de produção. É importante também enfatizar que, somente após a superação das limitações tecnológicas e com o desenvolvimento de polímeros de alto desempenho foi possível à aplicação real dos polímeros nos automóveis. A aplicação e o uso de polímeros tem se tornado cada vez mais evidente devido à sua importância e relevância para o contexto da sociedade atual. Percebe-se uma visível evolução do uso desse material na indústria automobilística, possibilitando novos recursos e outros modos de interação dentro do mercado de automóveis. Portanto, faz-se necessário que um olhar atento a tais questões, possibilitando uma melhor compreensão do fenômeno da utilização dos polímeros, desde o seu início até os tempos atuais. O objetivo do trabalho é contextualizar esse crescimento, principalmente na indústria automobilística, por meio de dados concretos e históricos ao longo do presente trabalho. Evidenciar que, no início da produção automobilística, não era utilizado praticamente nenhum material polimérico. Tornar notória a ideia de que, com o passar dos anos, os polímeros passaram a ter uma aplicação cada vez maior nesse segmento. Relembrar a história do automóvel dentro do contexto da evolução do material polimérico, por meio de dados concretos dessa evolução e de sua importância para o setor automobilístico.

15 15 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 REVISÃO DE LITERATURA Definição de Polímero A palavra POLÍMERO vem do grego poli, cujo significado é muito, e de mero, que quer dizer parte ou unidade (que se repete). Os meros, para formarem um polímero, são ligados entre si através de ligações primárias, estáveis. (MANRICH, 2005, pág. 19). Para (CANEVAROLO, 2002 apud AGUIAR, 2010) um polímero é composto por dezenas de milhares de meros que são as unidades moleculares que se repetem pelas chamadas ligações covalentes. De acordo com (PADILHA, 2000 apud AGUIAR, 2010), os meros que se repetem são basicamente formados por diversos átomos como de carbono, hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, flúor e em diversos elementos não metálicos. Os meros também chamados monômeros, ou até mesmo micromoléculas são compostos quimicamente suscetíveis a ter uma reação e assim formar os polímeros. (MANO; MENDES, 2004 apud AGUIAR, 2010) Figura 1 - Macromolécula. Fonte: IANINO, Alexandre. Polímeros (apostila) Classificações Na dependência da espécie de monômeros (estruturas químicos), da numeração média dos meros por cadeias e da espécie de ligações covalentes, pode-se fazer a divisão dos polímeros em três escalas. (PADILHA, 2000 apud AGUIAR, 2010) Plásticos;

16 16 Borrachas ou Elastômeros; Fibras. Um modelo classificatório mais amplo traz, ainda, os seguintes nomes de materiais possíveis: Revestimentos; Adesivos; Espumas; Películas. Diversos tipos de polímero são modos variados ou desenvolvidos em cima de tipos de moléculas já conhecidos. Eles se classificam em quatro diferentes fases: Em relação às estruturas químicas; Em relação aos métodos de preparações; Em relação aos comportamentos mecânicos; Em relação aos desempenhos mecânicos. Contudo, cabe compreender melhor as relações entre essas características e os efeitos sobre a performance de cada material composto por polímeros no espaço que nos circunda e envolve. Para isso, serão abordadas as classificações de Callister (2002) quanto às estruturas moleculares e às suas respostas mecânicas à temperatura elevada, isto é, quanto aos comportamentos térmicos Classificação quanto às estruturas moleculares a) Polímero Linear: Cada unidade mero está unida de ponta a ponta, no formato de cadeia única. Trata-se de uma cadeia flexível em que há a possibilidade de existência de extensas dimensões de interligações de van der Waals entre si. Alguns exemplos: Polietileno; Cloreto de Polivinila; Poliestireno; Polimetil Metacrilato;

17 17 Nylon; Fluorocarbonos. b) Polímero Ramificado: Trata-se de certa cadeia de ramificação lateral que se conectam a cadeia principal, e se consideram como uma parcela dessas cadeias. As compactações são reduzidas e resultam em polímeros de tamanho menor. Um polímero linear também pode ser ramificado. c) Polímero com ligação cruzada: Diz respeito a uma cadeia linear adjacente. Essas cadeias se ligam umas às outras, em diversas posições por interligações que se covalem. Tais ligações não apresentam processo de reversão e se obtêm ao longo das sínteses dos polímeros a alta temperatura. São observados em bastante dos materiais elásticos que possuem perfis de borrachas, tais como se pôde notar. d) Polímero em rede: Unidade mero com três ligações covalentes, que são ativas, estruturando uma espécie de rede tridimensional. Aqueles com diversas interligações cruzadas podem se caracterizar como polímeros em rede e apresentam conjunto de propriedades mecânicas e térmicas que se distinguem. Alguns exemplos: materiais de base epóxi e fenol formaldeído. Conforme (BATHISTA E SILVA, 2003 apud AGUIAR, 2010) os polímeros normalmente são classificados referentes às quantidades de meros da seguinte forma: a) Homopolímeros: É o fenômeno que ocorre no momento em que cada unidade repetida dentro das cadeias é constituída de um tipo semelhante de mero. b) Copolímeros: Acontece se as unidades repetidas das cadeias são constituídas de duas ou mais espécies de meros diversos Classificação quanto aos comportamentos térmicos a) Polímero termoplástico: Passando pelos efeitos das temperaturas e pressões, os polímeros amolecem, de modo a assumir o formato dos moldes. Conforme (MANRICH, 2005 apud AGUIAR, 2010), termoplásticos são polímeros que podem ser fundidos ou solidificados diversas vezes, com

18 18 pouca ou nenhuma variação em suas propriedades mecânicas ou de modo geral. Termoplásticos: plásticos com a capacidade de amolecer e fluir quando sujeitos a um aumento de temperatura e pressão. Quando esses são retirados, o polímero solidifica-se em um produto com formas definidas. Novas aplicações de temperatura e pressão produzem o mesmo efeito de amolecimento e fluxo. Esta alteração é uma transformação física, reversível. (CANEVAROLO, 2002, pág. 24) Outras mudanças de temperatura e pressão reiniciam os processos e, desse modo, se classificam como recicláveis. Em níveis moleculares, na medida em que as temperaturas se elevam, a força de ligação secundária diminui, por conta da ampliação dos movimentos moleculares no ambiente em que se formam. Assim, os movimentos relativos de cada cadeia adjacente se facilitam quando se aplicam tensões. O termoplástico é, de modo relativo, mole e dúctil, compondo-se da maior parte dos polímeros lineares e daqueles que apresentam certas estruturações ramificadas com cadeia flexível. Alguns exemplos: PE, PP, PVC, etc. b) Polímero Termofixo ou termorrígido: Com efeitos de temperaturas e pressões, tornam-se moles, de modo a assumir o formato de moldes. Termofixo: plástico que amolece uma vez com o aquecimento sofre o processo de cura no qual se tem uma transformação química irreversível, com a formação de ligações cruzadas, tornando-se rígido. Posteriores aquecimentos não mais alteram seu estado físico, ou seja, não amolece mais, tornando-se infusível e insolúvel. (CANEVAROLO, 2002, pág. 24) Nesses casos, novas alterações de temperatura e pressão não realizam qualquer tipo de efeitos e os tornam materiais sem solubilidade, infusíveis e sem a possibilidade de reciclagem no ambiente. Ao longo dos tratamentos térmicos iniciais, cada ligação cruzada covalente é formada entre cadeias moleculares. Tais ligações tornam presas as cadeias entre si, de modo a formar resistência ao movimento vibracional e rotacional das cadeias a temperatura elevada nos ambientes de modo geral.

19 19 A ruptura dessas ligações só irá ocorrer sobre temperaturas extremamente altas. O polímero termofixo é, geralmente, mais duro, forte e frágil que o termoplástico, e apresenta maiores estabilidades dimensionais. Alguns exemplos: Baquelite (resinas de fenol-formaldeído), epóxi (araldite), resinas de poliéster, etc Fontes de Matérias-Primas Os custos dos polímeros dependem, de maneira básica, aos seus processos de polimerização e disponibilidades de monômeros. Os principais fornecedores de matérias-primas podem se dividir em três agrupamentos, conforme adiante. Produtos naturais: Nesse contexto, são citados como mais fundamentais os seguintes: A celulose, que é um carboidrato existente em quase todo vegetal; A borracha natural, que se encontra no látex das seringueiras, como emulsões de borrachas em água. Outro produto menos importante também podem promover a produção de polímeros, como o óleo de mamona (ao produzir Nylon 11 e Poliuretano) e o óleo de soja (Nylon 9). Hulha ou carvão mineral: Demonstra-se, em diversas ocasiões, que é possível obter certos polímeros a partir da destilação de carvões minerais. Petróleo: É demonstrada, em diversos casos, a obtenção de polímeros que provêm da destilação do óleo cru. 2.2 METODOLOGIA A metodologia aqui apresentada objetiva consolidar os principais materiais bibliográficos e técnicos, que orientaram e subsidiaram as políticas e ações do presente trabalho.

20 20 Lembrando que o principal objetivo é auxiliar no entendimento da evolução dos polímeros na indústria automobilística ao longo dos anos. Como objetivo secundário, pretende-se resolver dúvidas e encaminhamentos pertinentes, principalmente os relacionados ao desenvolvimento de materiais poliméricos A base do presente trabalho também visa ser útil para pesquisadores da área em sua prática diária. A busca das normas e documentos que compõem esta pesquisa foi efetuada em diferentes momentos. Em um primeiro instante, identificaram-se as bases de dados disponíveis e foram selecionadas as que se mostraram de maior interesse para servirem de fontes de informações para a pesquisa. Foram identificadas 48 (quarenta e oito) obras literárias a respeito do desenvolvimento de polímeros, sendo escolhidas 42 (vinte e sete) referências bibliográficas. O foco se manteve naquelas que permitissem a pesquisa por ocorrência de palavras-chave, além de possuírem uma abrangência temporal que cobrisse o período fixado para a pesquisa. Além disso, visou-se que elas tivessem confiabilidade, sendo consideradas como mais leais as disponibilizadas ou redirecionadas a partir das páginas institucionais de órgãos/setores do sistema automobilístico. Como palavras-chave, os termos escolhidos foram: polímeros indústria automobilística automóveis material polimérico mecânica plástico propriedades térmicas ações químicas.

21 RESULTADOS Propriedades dos polímeros nos automóveis Propriedades mecânicas As propriedades mecânicas referentes ao polímero se especificam por diversos parâmetros semelhantes aos utilizados pelos metais. Desse modo, utilizam-se os módulos de elasticidade, os limites de resistência à tração e a resistência aos impactos e à fadiga. Para diversos polímeros, usam-se gráficos tensão-deformação de maneira a caracterizar certos parâmetros mecânicos como esses. Ainda que haja comportamentos mecânicos semelhantes, os polímeros têm a possibilidade de serem, em certos casos, diversos aos metais em sua forma mecânica, entre outros. Um exemplo é relacionado aos módulos de elasticidade, aos limites da resistência à tração e aos alongamentos Propriedades Térmicas Além da presença de certas propriedades térmicas características do polímero, como termoplástico ou termofixo, e da transição térmica do polímero, há pontos de extrema importância na opção do material adequado para aplicação. Os polímeros em especial os termoplásticos tem baixa condutividade térmica, mas mesmo assim quando aplicado a um super aquecimento a degradação térmica ocorre e as quebras de cadeias começam, assim tendo a redução da massa molar e liberação de gazes ou vapores químicos. (POLYURETHANE, 2008) Degradação é qualquer fenômeno que provoque uma mudança química na cadeia polimérica, normalmente com redução da massa molar e consequentemente queda nas propriedades físico mecânicas. Modificação química destrutiva com a quebra de ligações covalentes e formação de novas ligações. Exemplos: oxidação, hidrólise, cisão de cadeia, etc. (CANEVAROLO, 2006, pág 27) Entre o material relacionado à engenharia, citado anteriormente, destaca-se a baixa condutividade térmica e o alto coeficiente de dilatações térmicas lineares, se comparado a um material não polimérico, quatro ou cinco vezes maior.

22 Propriedades Óticas As principais propriedades óticas a serem consideradas no presente trabalho são a transparência apresentada por tipos de polímero amorfo ou com baixíssimo grau de cristalinidade. Esse perfil é expresso de modo quantitativo pelas transmitâncias, isto é, a razão entre as extensões de luz que atravessam o meio e as que incidem de maneira perpendicular às superfícies, alcançando até 92% no plástico comum. O material polimérico cristalino se torna translúcido ou semitransparente. Em alguns casos, até mesmo opaco Resistência às intempéries e às ações químicas Intemperismo: é um termo que se aplica quando um material sofre todos os tipos de degradações, sejam efeitos da luz, da oxidação da luz, da oxidação, calor, umidade, poluentes, etc. Todos estes fatores junto e incluindo condições climáticas, posição geográfica e estação do ano devem ser levadas em consideração para este processo de degradação. (MANO, PACHECO, BONELLI, 2005). A degradação causada pela exposição às intempéries não é simples, em razão das múltiplas condições a que são submetidos os materiais. As condições de exposição, a formulação do plástico e o desempenho requerido são fatores que se entrelaçam e devem ser considerados quando se avalia a velocidade de degradação do material. A degradação é um processo complexo, podendo se manifestar em mais de um tipo, simultaneamente e ou em estágios. Ela depende da duração da exposição à radiação e de fatores adicionais, como temperatura, presença de água e de componentes atmosféricos (oxigênio, ozônio, óxido nitroso, hidrocarbonetos). (MANO, PACHECO, BONELLI, 2005, pág. 128 e 129.) O perfil mecânico do polímero é muito sensível às naturezas químicas dos ambientes, isto é, na existência de água, oxigênio, solvente orgânico, entre outros. Em meio às propriedades químicas mais essenciais, há a resistência às oxidações, ao calor, à radiação ultravioleta, à água, ao ácido e à base, a solvente e reagente, de acordo com o que se descreve adiante. Oxidação: A resistência se amplia em um sistema de macromoléculas, somente com uma ligação simples entre os átomos de carbono. apenas com ligações simples entre átomos de carbono. A resistência se torna diminuída, de modo particular, na borracha, chegando a romper a cadeia. Age assim, também, quando o ozônio se faz presente.

23 23 Calor: A resistência se amplia abaixo das temperaturas de transição em vítreo. Ela é diminuída de modo frequente com a existência de oxigênio, ao se romperem ligações covalentes entre os átomos na cadeia macromolecular. Raios ultravioletas: A resistência diminui em certos tipos de macromolécula com duplas ligações em meio aos átomos de carbono. Umidade: O polímero que absorve água sofre alterações de volume, ampliando a dimensão dos materiais. A resina fenólica, por exemplo, em ocasiões de curas incompletas do laminado, incha, muda de tamanho e sofre delaminação. Ácidos: Os contatos com ácido de modo generalizado, em meios aquosos, podem causar parciais destruições da molécula polimérica. Bases: Uma solução alcalina, geralmente aquosa, em maiores ou menores concentrações, é bastante agressiva aos polímeros cujas estruturas apresentem certo agrupamento, tais como carboxila, hidroxila, fenólica e éster. Solventes e Reagentes: Quando a estrutura molecular dos solventes é mais afim à dos polímeros que a elas mesmas, têm a possibilidade de penetração em meio às cadeias de macromoléculas, chegando a gerar tipos de interação físicoquímica. Alguns exemplos de força intermolecular, como ponte de hidrogênio, ligações dipolo-dipolo ou, inclusive, forças de Van der Waals, permitem que se disperse, a níveis moleculares, da estrutura polimérica. 2.4 DISCUSSÃO Aplicações dos polímeros na indústria automobilística Ao longo dos últimos anos, os polímeros têm sido requisitados de modo constante na indústria automobilística. Concomitantemente, a eficácia de tal material invade os projetos de carros, na busca de substituição dos materiais utilizados até o presente momento, com o aço, por exemplo.

24 24 Nos automóveis, encontramos polímeros no painel, nos para-choques, nos estofamentos, nos tapetes, nas lanternas, nos acabamentos das laterais, no teto e, provavelmente, no futuro serão utilizados em outros locais. Muitas peças de carroceria são feitas com o polímero termoplástico Acrilonitrila-Butadieno-Estireno, que torna o carro mais leve e, consequentemente, mais econômico e menos poluente. O polímero de adição polipropileno é utilizado na fabricação dos parachoques dos automóveis, pois possui moléculas que se atraem com muita intensidade formando um material com alta resistência térmica. Os pneus são constituídos por mais de um tipo de polímero: a banda de rolagem é feita de Poli(Estireno-Butadieno-Estireno); as laterais são feitas de poliisopreno; seu revestimento interior é feito de Poliisobutileno e, além disso, os pneus são reforçados com cordonéis que podem ser feitos de kevlar, que, por ser um dos materiais mais resistentes já vistos, também é utilizado na fabricação de coletes à prova de bala. Um polímero transparente muito resistente e de excelentes propriedades ópticas utilizado em algumas janelas é o plexiglass (Polimetilmetacrilato). Outras peças bem menores e, muitas vezes, quase esquecidas também são constituídas de polímeros. O limpador de para-brisas é feito de uma borracha chamada poliisopreno, enquanto que as lentes das lanternas dos automóveis são feitas de policarbonato, um material que é transparente e muito resistente. As mangueiras são feitas da borracha Polibutadieno, que suporta baixas temperaturas e possui preço acessível. Os filtros de ar contêm papel espesso, que é feito de um polímero natural que vem da glicose vegetal, a celulose. Ainda nos filtros de ar, o revestimento é feito da borracha poliisopreno. Os tapetes dos carros podem ser feitos de nylon, que possui grande resistência à tração e ao desgaste e queima com dificuldade; ou de Orlon (Poliacrilonitrila), uma fibra acrílica amplamente utilizada na fabricação de mantas, cobertores e tapetes; ou de polipropileno. Um revestimento plástico, o chamado "couro sintético", é usado em estofamentos. Pequenos amassados na carroceria podem ser corrigidos com uma massa feita de argila e Poliéster, um material sintético impermeável.

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes.

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Polímeros 1 São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Celulose Classificação quanto a natureza Naturais (Madeira, borracha, proteínas) Sintéticos

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS MATERIAIS POLIMÉRICOS

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS MATERIAIS POLIMÉRICOS ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS MATERIAIS POLIMÉRICOS Prof. Rubens Caram 1 HISTÓRICO ANTIGUIDADE: RESINAS E GRAXAS USADAS PARA VEDAR VASILHAMES E COLAR DOCUMENTOS, PELOS EGÍPCIOS E ROMANOS SÉC.

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS Antonio Augusto Gorni Editor Técnico, Revista Plástico Industrial - POLÍMEROS: MATERIAIS DE NOSSO DIA A DIA O plástico é um dos materiais que pertence à família dos polímeros,

Leia mais

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Roberto Monteiro de Barros Filho

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Roberto Monteiro de Barros Filho POLÍMEROS Prof. Macromoléculas Moléculas grandes contendo um número de átomos encadeados superior a uma centena e podendo atingir valor ilimitado, podendo ou não ter unidades químicas repetidas Polímeros

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS AULA 01 Polímeros Definição de Polímeros Tipos de Polímeros Aplicações dos Polímeros Definições gerais para Polímeros Peso Molecular Arquitetura Molecular Estado de Conformação

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13

RESÍDUOS SÓLIDOS. N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13 RESÍDUOS SÓLIDOS N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13 UNINASSAU FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Centro Universitário Maurício de Nassau Fazendo Parte de Sua Vida Professor Adriano Silva RESÍDUOS

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

Estrutura Molecular de Polímeros

Estrutura Molecular de Polímeros Química de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br Estrutura Molecular de Polímeros Polímeros Material orgânico de alta massa molar (acima de 10 mil, podendo chegar a 10 milhões),

Leia mais

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998 Fitas VHB Dupla-Face de Espuma Acrílica para Construção Civil Fita Dupla-Face de Espuma Acrílica Cinza - 4972 Dados Técnicos Julho/2011 AgoAg Junho / 1998 Substitui: Novembro/2005 Descrição do Adesivo

Leia mais

Materiais Compósitos

Materiais Compósitos Materiais Compósitos Introdução Material que combina propriedades complementares btenção de propriedades que não se conseguem com os componentes isolados. São combinações de pelo menos dois materiais distintos,

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

POLÍMEROS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

POLÍMEROS NA CONSTRUÇÃO CIVIL POLÍMEROS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Israel da Silva Hipolito sael.resende@gmail.com AEDB Rafael da Silva Hipolito rafashi@hotmail.com AEDB Gean de Almeida Lopes geamlopalm@gmail.com AEDB Resumo: Nas últimas

Leia mais

Os plásticos são todos iguais?

Os plásticos são todos iguais? CEEJA QUÍMICA CONTEÚDO PARA U. E. 16 O QUE VAMOS APRENDER? Propriedades dos plásticos Termoplásticos Organizar uma tabela Os plásticos são todos iguais? A matéria-prima usada para fabricar detergentes

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

Composites: marcados por desafios

Composites: marcados por desafios Composites: marcados por desafios O que é um composite Em teoria, um composite é um material composto por matriz e reforço de origens diferentes. Os composites mais conhecidos e mais usados são os que

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Polímeros

Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Polímeros FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Polímeros O que são os polímeros? A palavra polímeros vem do grego polumeres, que quer dizer ter muitas partes.

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014

POLÍMEROS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. ago. 2014 POLÍMEROS ago. 2014 Macromoléculas Moléculas grandes contendo um número de átomos encadeados superior a uma centena e podendo atingir valor ilimitado, podendo ou não ter unidades químicas repetidas 2 Polímeros

Leia mais

Materiais têm personalidade?

Materiais têm personalidade? Materiais têm personalidade? Introdução O pior é que têm! Como? Pense um pouco. Por que o plástico é plástico? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a

Leia mais

Materiais Poliméricos

Materiais Poliméricos Materiais Poliméricos INTRODUÇÃO Polímeros são materiais compostos de origem natural ou sintética com massa molar elevada, formados pela repetição de um grande número de unidades estruturais básicas. Características

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos

Motivação. Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear. Plásticos. Objetivo. Plásticos. Plásticos Motivação Soldagem de lanterna veicular pelo processo de vibração linear Por que autopeças? Por que plástico? Por que um processo de transformação de plástico? Por que solda por vibração linear? Alejandro

Leia mais

'111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111.

'111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111. '111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111. Composição: Tubos em Poliamida Flexível (Nylon 6) - Excelente resistência mecânica, resistência química, boa estabilidade

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

OFICINA DE IDENTIFICAÇÃO DE PLÁSTICOS. Grupo Pauling Escola José Gomes Filho

OFICINA DE IDENTIFICAÇÃO DE PLÁSTICOS. Grupo Pauling Escola José Gomes Filho OFICINA DE IDENTIFICAÇÃO DE PLÁSTICOS Grupo Pauling Escola José Gomes Filho O QUE SÃO PLÁSTICOS? São polímeros (grandes moléculas) sintéticos, fabricados para suprir nossas necessidades com custo mais

Leia mais

Os Jogos Olímpicos sempre estiveram muito próximos da história da Dow. Nossa empresa foi fundada apenas um ano após os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna. Somos guiados desde aquela época por uma

Leia mais

Cepex Sales Folder 06/2005. C Tipos de Plásticos

Cepex Sales Folder 06/2005. C Tipos de Plásticos epex Sales Folder 06/2005 C 1 Classificação dos plásticos Termoplásticos (usados para partes rígidas) Poliolefinas Cloretos de vinil Estirenos Polímeros fluorados Polipropileno, polietileno, etc. PVC-U,

Leia mais

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Curso: Engenharia Ambiental Aluno: André Lenz de Freitas Disciplina: Ecologia Geral Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho

Leia mais

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA,

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, As propriedades são obtidas através da quantidade, da geometria da fase

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

Adesivo Stop Pregos. Adesivo MS Ultra Express. Excelente aderência em diversos tipos de material base.

Adesivo Stop Pregos. Adesivo MS Ultra Express. Excelente aderência em diversos tipos de material base. Produtos Químicos Líder de mercado na maioria dos países europeus; O mais alto nível de atendimento ao cliente do segmento industrial; Excelente imagem da marca: 92% dos engenheiros de estruturas e arquitetos

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. PANOX Fibras PAN oxidadas

Broad Base. Best Solutions. PANOX Fibras PAN oxidadas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS PANOX Fibras PAN oxidadas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos Q Cadeia

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

Materiais poliméricos ciência e aplicação como biomateriais

Materiais poliméricos ciência e aplicação como biomateriais Materiais poliméricos ciência e aplicação como biomateriais Polímeros para aplicação biomédicas A maioria são sintéticos (poucos são naturais) As propriedades variam de: macios (hidrogéis, lentes) elastômeros

Leia mais

DECIV EM - UFOP Polímeros Matéria prima, reações de polimerização, tipos de ligas plásticas, utilização, classificação, plástico de engenharia,

DECIV EM - UFOP Polímeros Matéria prima, reações de polimerização, tipos de ligas plásticas, utilização, classificação, plástico de engenharia, MATERIAIS DE CONSTRUÇAO II Engenharia Civil DECIV EM - UFOP Polímeros Matéria prima, reações de polimerização, tipos de ligas plásticas, utilização, classificação, plástico de engenharia, propriedades

Leia mais

Materiais usados na concepção de um automóvel

Materiais usados na concepção de um automóvel Materiais usados na concepção de um automóvel Que materiais poliméricos são utilizados e quais os respectivos componentes? Projecto FEUP Ano lectivo 2010/2011 18 de Outubro de 2010 Trabalho realizado por:

Leia mais

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos.

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Título do experimento: Identificando os plásticos Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Materiais: - Plásticos diversos; - Lamparina; - Pinça; - Tesoura; - Pedaço de fio de cobre;

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Conceitos importantes UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Angelo Just da Costa e Silva Materiais betuminosos Impermeabilização Betume: aglomerante orgânico obtido por processo industrial (resíduo

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Maria da Conceição Paiva, Guimarães Outubro 2006 Maria da Conceição Paiva 1 ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Estereoquímica de polímeros Massas moleculares Organização

Leia mais

Polímeros. Conceitos básicos DQA -- 092 2002

Polímeros. Conceitos básicos DQA -- 092 2002 Polímeros Conceitos básicos DQA -- 092 2002 Plásticos Capaz de ser moldado Materiais artificiais / orgânicos sintéticos Moldados Polímeros / monômeros 1862 - Parkesina 1870 - John Hyatt - celulóide 1950

Leia mais

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. CNHECIMENTS GERAIS 01 Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo, quanto aos efeitos negativos da utilização de combustíveis fósseis sobre o ambiente. ( ) A combustão de gasolina

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013

COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013 COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013 SABIC reforça seu posicionamento no suporte ao crescimento dos fabricantes de veículos no Congresso SAE Brasil 2013 Na 22ª edição anual do Congresso

Leia mais

Soluções Técnicas em Construção

Soluções Técnicas em Construção Betumanta E Composto de asfalto elastomerico (S.B.S.), reforçado por um filme de polietileno de alta densidade com 50 micra de espessura. Esse produto foi desenvolvido para ser aplicado à maçarico. O produto

Leia mais

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Cinthia Versiani Scott Varella Ms. Engenheira de Produção Pesquisadora do Núcleo Alternativas de Produção Consultora INSEA Objetivo Qualidade da matéria

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

Revestimentos para Usinas

Revestimentos para Usinas Revestimentos para Usinas Sobre nós Fundada em 1995 Fundador: Engº Químico Newton Carvalho Jr. Área de atuação: Revestimentos monolíticos - pisos técnicos, pisos decorativos, proteções de superfície, revestimentos

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 3 Variáveis e Constantes Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos

Leia mais

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS

POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS E TERMOFIXOS. Os polímeros podem ser classificados em termoplásticos e termofixos. TERMOPLÁSTICOS Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira POLÍMEROS TERMOPLÁSTICOS

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por:

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: Página1 II - Proteção para os membros superiores: NR 06 Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: 1. Materiais ou objetos

Leia mais

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade.

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Ciclo de Vida Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Sua análise permite a quantificação das emissões ambientais e o

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 01 PVC Introdução Os produtos de PVC são divididos em duas grandes classes: rígidos e flexíveis. Os plastificantes vêm sendo utilizados há muitos anos na produção de PVC flexível para uma grande variedade de

Leia mais

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas

Broad Base. Best Solutions. SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas Broad Base. Best Solutions. CARBON FIBERS and COMPOSITE MATERIALS SIGRAFIL Fibras de carbono contínuas 2 Fibras de carbono e materiais compósitos fabricados pelo SGL Group. Q Amplo portfólio de produtos

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2.1. Introdução A partir de 1980 a produção comercial de fibras de carbono desenvolveuse em grande escala no Japão. Isto ocorreu como resultado

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA GERADOR DE HIDROGÊNIO GASOSO PARA UTILIZAÇÃO COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO EM VEÍCULOS AUTOMOTORES Luis Thiago Panage Conelheiro 1, Arquimedes Luciano 2 RESUMO: Uma grande

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 - AO1 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO QUÍMICO INFORME SETORIAL N 0 8 POLICARBONATO

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 - AO1 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO QUÍMICO INFORME SETORIAL N 0 8 POLICARBONATO ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 - AO1 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO QUÍMICO INFORME SETORIAL N 0 8 POLICARBONATO INTRODUÇÃO Como se pode observar, a seguir, as classes dos termoplásticos são definidas

Leia mais

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA!

INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! INOVAÇÃO COM CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! LANÇAMENTOS 2012 LINHA APLIKCAR- para envelopamento de veículos VINIL BRANCO BRI.LHANTE - vinil para envelopamento de veículos e impressão digital. VINIL BLACK PIANO

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE POLÍMEROS Os polímeros são macromoléculas formada pela união de pequenas unidades que se repetem, os monômeros. Existem basicamente dois tipos de polimerização: adição e condensação. Na polimeirzação por

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado Plásticos x Meio Ambiente Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado JUSTIFICATIVA A maioria das invenções modernas estão diretamente relacionadas com nosso conforto e praticidade, porém muitas delas são

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 20. Sistema de Lubrificação Introdução Tipos de Sistemas de Lubrificação O percurso do óleo lubrificante Componentes do Sistema de lubrificação Óleo lubrificante

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Autor: Sérgio Medeiros Graúna Química E-mail: Site: www.graunagroup.com

Leia mais

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE QUÍMICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Paulo Henrique Saraiva Câmara SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Frederico

Leia mais

Polímeros. a) Escreva a fórmula estrutural do produto de adição do ácido acético ao acetileno.

Polímeros. a) Escreva a fórmula estrutural do produto de adição do ácido acético ao acetileno. Polímeros 01. (Fuvest) Qual das moléculas representadas adiante tem estrutura adequada à polimerização, formando macromoléculas? 02. (Fuvest) O cianeto de vinila pode ser produzido como mostrado adiante.

Leia mais

O Futuro dos Compósitos. Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015

O Futuro dos Compósitos. Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015 O Futuro dos Compósitos Waldomiro Moreira MSc. Caxias do Sul Fevereiro 2015 Industria da Transformação Célula de Sobrevivência Célula de Sobrevivência F1 Índice Materiais Compósitos & Compósitos poliméricos

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

MINI KIT MARTELINHO DE OURO

MINI KIT MARTELINHO DE OURO MINI KIT MARTELINHO DE OURO *Imagens meramente ilustrativas Manual de Instruções Prezado Cliente Este Manual tem como objetivo orientá-lo na instalação, operação e informações gerais de seu Mini Kit Martelinho

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

DANILO MINSONI. P o l i o l P o l i é s t e r

DANILO MINSONI. P o l i o l P o l i é s t e r DANILO MINSONI P o l i o l P o l i é s t e r chimica organicaindustrialendustriale milanese c o i m B r a s i l N E G Ó C I O S Sistemas PU Solados U r e x t e r N o v a c o t e Sistemas Adesivos PU P

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

DuPont Rynite. Guia de produtos e propriedades. PET resina de poliéster termoplástico

DuPont Rynite. Guia de produtos e propriedades. PET resina de poliéster termoplástico DuPont Rynite PET resina de poliéster termoplástico Guia de produtos e propriedades 1 3 2 4 O logotipo Oval da DuPont, DuPont, The Miracles of Science*, e Rynite são marcas registradas ou marcas requeridas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM INTRODUÇÃO CMA CIÊNCIA

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Soluções Inteligentes para o dia a dia

Soluções Inteligentes para o dia a dia Soluções Inteligentes para o dia a dia TELHAS TRANSLÚCIDAS 70 % transmissão de luz =$ Alta durabilidade; Não solta fibras; Melhor custo/benefício; Leveza e flexibilidade; Proteção contra raios UV (economia

Leia mais

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS MATERIAIS COMPÓSITOS 1. Introdução A diversidade de materiais actualmente disponíveis para o uso em engenharia é extraordinariamente grande, existindo por isso materiais cada vez mais especializados para

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 08 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 08 PVC Adaptado e resumido de Agnelli, J. A. M. (2000). Verbetes em polímeros. ABS: sigla padronizada pela IUPAC (International Union of Pure and Applied Chemistry) para representar o plástico principalmente

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E PLÁSTICO O petróleo é um dos principais insumos

Leia mais

FITAS ADESIVAS PARA A INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA LAMINAÇÃO DE VIDROS E BLINDADORES

FITAS ADESIVAS PARA A INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA LAMINAÇÃO DE VIDROS E BLINDADORES FITAS ADESIVAS PARA A INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA LAMINAÇÃO DE VIDROS E BLINDADORES GUIA GERAL DE PRODUTOS E SOLUÇÕES INDUSTRIAIS FITAS PARA A INDÚSTRIA METALÚRGICA, SIDERURGIA INDÚSTRIA DE PAPEL E PAPELÃO,

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

Soluções em Especialidades Industriais

Soluções em Especialidades Industriais Soluções em Especialidades Industriais Guia de Seleção de Produtos A melhor alternativa para sua empresa Especialidades Industriais Alta qualidade e proteção para seu negócio O Grupo Manuli Fitasa apresenta

Leia mais

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume SISTEMA PU - 4000 - Tintas Industriais Esmalte E-4000 6,5 m2/litro sem diluição. 50 a 60 µm K-4060 Catalise 5 X 1 Excelente acabamento para pintura de caixa eletrônico, ônibus, baús, orelhões, painéis

Leia mais