Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde"

Transcrição

1 Nrmas técnicas relativas as sftwares de prescriçã de medicaments e prduts de saúde Dezembr, 2012 Versã 1,0 Os direits de autr deste trabalh pertencem à SPMS e a infrmaçã nele cntida é cnfidencial. Este trabalh nã pde ser reprduzid u divulgad, na íntegra u em parte, a terceirs nem utilizad para utrs fins que nã aqueles para que fi frnecid sem a autrizaçã escrita prévia u, se alguma parte d mesm fr frnecida pr virtude de um cntrat cm terceirs, segund autrizaçã expressa de acrd cm esse cntrat. Tds s utrs direits e marcas sã recnhecids. As cópias impressas nã assinadas representam versões nã cntrladas.

2 Índice 1 Intrduçã 4 2 Objetiv 4 3 Generalidades 4 4 Requisits gerais ds sftwares Cmunicaçã cm a Platafrma de Interperabilidade da SPMS Univers de medicaments e dispsitivs Publicidade Atualizações à base de dads de medicaments Interface cm Regist Nacinal de Utentes (RNU) Interface cm Sistema Central de Prescrições Operaçã n-line Operaçã ff-line 8 5 Requisits de prescriçã Âmbit da receita Mdel de receita Tip de receita 9 6 Camps da receita eletrónica Númer da receita Númer nacinal da receita Identificaçã d lcal de prescriçã Identificaçã d prescritr Identificaçã d utente Entidade financeira respnsável Identificaçã d medicament Prescriçã pr DCI Prescriçã pr nme cmercial u d titular Identificaçã de similares para efeits de prescriçã eletrónica Cass particulares de prescriçã Prescriçã em receita renvável Prescriçã de estupefacientes e psictrópics Prescriçã de medicaments manipulads Prescriçã de géners alimentícis destinads a uma alimentaçã especial (Dietétics) Prescriçã de prduts destinads a autcntrl da diabetes mellitus Prescriçã de utrs prduts Identificaçã d regime especial de cmparticipaçã Data da prescriçã Assinatura d prescritr Períd de Validade 23 7 Anulaçã de receita 23 2 de 40

3 8 Impressã da receita Frmat Representaçã em códig de barras Guia de tratament Númer da receita Infrmaçã relativa a prescritr e lcal de prescriçã Infrmaçã relativa a utente Infrmaçã relativa a Códig de Acess e Códig d Direit de Opçã Infrmaçã sbre medicament prescrit Pslgia Númer de embalagens Infrmaçã sbre encargs ds utentes Infrmações gerais Data Identificaçã da empresa Recmendações 27 9 Versã Err! Marcadr nã definid. 10 Anex A Códigs de Barras Impressã d códig de barras Fnte de carateres Psicinament Margens de segurança mínimas Separaçã entre códig de barras e text crrespndente Númer d utente Númer de beneficiári Prescritr Lcal de prescriçã Númer da receita Medicament Anex B Mdel da Receita médica Receita médica materializada da prescriçã pr via electrónica e Guia de Tratament (Em tamanh A4 cm impressã na frente) Receita médica renvável materializada da prescriçã pr via electrónica e Guia de Tratament (Em tamanh A4 cm impressã na frente) Exempl de uma receita Anex C Listas de Valres Entidades Respnsáveis para efeits de cmparticipaçã de medicaments Migrantes - Dcuments de direit 40 3 de 40

4 1 Intrduçã A legislaçã que suprta a prescriçã de medicaments fi alterada para prmver a prescriçã pr Denminaçã Cmum Internacinal (DCI), refrçand-se a brigatriedade da prescriçã eletrónica. Para bm funcinament deste sistema que visa, num futur próxim, a eliminaçã da receita médica em papel, é fundamental a adçã de prcediments unifrmes de prescriçã, validaçã, dispensa e infrmaçã a utente, identificand cntribut de tds s envlvids n circuit d medicament. 2 Objetiv Este dcument pretende cmpilar um cnjunt de regras e rientações, de cariz prátic, essenciais a desenvlviment das aplicações de api à Prescriçã Eletrónica de Medicaments (PEM). Estã incluídas neste dcument as nrmas técnicas relativas à identificaçã d prescritr, d utente, de prescriçã e de dispensa aplicáveis as sftwares de prescriçã. Salienta-se, cntud, que estas nrmas sã cmplementadas pels seguintes dcuments: Manual de cedência d ficheir de medicaments e dispsitivs para a Diabetes, dispnível n síti d Infarmed; Especificaçã ds serviçs para integraçã cm a Sistema Central de Prescrições, dispnível n síti da SPMS; Especificaçã ds serviçs para integraçã cm Regist Nacinal de Utentes, dispnível n síti da SPMS. 3 Generalidades As empresas que pretendam dispnibilizar sftware para a PEM têm de cumprir as regras estabelecidas pel Ministéri da Saúde, as quais envlvem a apresentaçã de uma declaraçã de cnfrmidade, cm as presentes Nrmas, junt da SPMS Serviçs Partilhads d Ministéri da Saúde, E. P. E. (SPMS). 4 de 40

5 O prcess de declaraçã de autcnfrmidade e respetivs prcediments encntram-se dispníveis n síti da SPMS. O INFARMED - Autridade Nacinal d Medicament e Prduts de Saúde, I.P. (Infarmed), dispnibiliza, após celebraçã de prtcl, um ficheir diári, para efeits da PEM, cntend a lista de medicaments, dispsitivs médics e dispsitivs para diagnóstic in vitr destinads a cntrl da diabetes mellitus. 4 Requisits gerais ds sftwares 4.1 Cmunicaçã cm a Platafrma de Interperabilidade da SPMS Os sftwares de PEM devem integrar e funcinar de md n-line cm s serviçs centrais dispníveis na Platafrma de Interperabilidade da SPMS, garantind que em mment da prescriçã utente e respetivs benefícis sã identificads cm base na infrmaçã cnstante d Regist Nacinal de Utentes, sempre que aplicável, e que a receita de medicaments cumpre as nrmas e regras de prescriçã e fica registada n Sistema Central de Prescrições. Os sftwares de PEM devem também estar preparads para funcinar em md ff-line sempre que, pr razões alheias a sftware, nã seja pssível a integraçã n-line cm s serviçs centrais da Platafrma de Interperabilidade da SPMS. Esta situaçã deve ser excecinal, e só utilizada nas situações de indispnibilidade ds serviçs centrais u falha de cmunicações. 4.2 Univers de medicaments e dispsitivs A base de dads de medicaments, dispsitivs médics e dispsitivs para diagnóstic in vitr destinads a cntrl da diabetes mellitus utilizada ns sftwares de PEM é brigatriamente a d Infarmed. Para tal, as empresas têm de estabelecer um prtcl cm este Institut, cnfrme as instruções dispníveis em Cedência da base de dads de medicaments. As empresas nã pdem limitar univers de medicaments suscetíveis de serem prescrits, nmeadamente pr marca, preç u utr, sb pena de pder estar a desvirtuar a cncrrência, bem cm, a limitar camp de esclha ds prescritres. As empresas nã pdem, igualmente, alterar u mitir s dads cnstantes da base de dads. 5 de 40

6 4.3 Publicidade Os sftwares de PEM nã pdem, em cas algum, publicitar u veicular publicidade a medicaments u prduts de saúde. Adicinalmente, s sftwares de PEM nã pdem prmver uns prduts em detriment de utrs. 4.4 Atualizações à base de dads de medicaments As empresas frnecedras de sftwares de PEM devem garantir a atualizaçã da base de dads de medicaments da sua aplicaçã. A frequência de atualizaçã pde ser definida pelas empresas, respeitand sempre a peridicidade estabelecida ns terms cntratads cm Infarmed, sem prejuíz da atualizaçã n últim dia de cada mês. Cntud, acnselha-se que esta atualizaçã seja efetuada cm mair regularidade, uma vez que a base de dads d Infarmed sfre alterações diárias. 4.5 Interface cm Regist Nacinal de Utentes (RNU) Os sftwares de PEM devem integrar cm s serviçs dispnibilizads pel Regist Nacinal de Utentes para btençã de dads de identificaçã d utente e respetivs benefícis especiais de cmparticipaçã de medicaments, de acrd cm a estrutura e regras definidas n dcument técnic de Especificaçã ds serviçs para integraçã cm Regist Nacinal de Utentes, publicad n síti da SPMS. 4.6 Interface cm Sistema Central de Prescrições Os sftwares de PEM devem integrar cm Sistema Central de Prescrições, para validaçã e regist da receita, de acrd cm a estrutura e regras técnicas definidas na Especificaçã ds serviçs para integraçã cm a Sistema Central de Prescrições, publicad n síti da SPMS, bem cm cm a legislaçã e nrmas em vigr. O Sistema Central de Prescrições irá verificar a existência d utente junt d RNU, para s utentes d SNS, e verificar a existência de benefícis de Regime Especial de Cmparticipaçã de Medicaments, cas tenham sid aplicads. Se a infrmaçã d utente nã estiver de acrd cm a infrmaçã cnstante n RNU, será devlvid um err na validaçã da receita e a receita será recusada pel sistema central. 6 de 40

7 A infrmaçã relativa a prescritr e lcal de prescriçã também serã validads, e só serã aceites s prescritres que se tiverem identificad n Prtal de Requisiçã de Vinhetas e Receitas PRVR, dispnível as prescritres e instituições públicas e privada. A integraçã cm sistema central deve ser realizada n-line de frma a garantir a cnfrmidade da receita cm s requisits e regras de prescriçã, bem cm, seu regist n Sistema Central de Prescrições, antes da sua emissã em papel. O númer da receita é gerad e devlvid pel sistema e deve cnstar n mdel impress da receita. Só as receitas validadas e registadas n sistema central em md n-line sã cnsideradas eletrónicas Operaçã n-line Operaçã em que a chamada a serviç de validaçã e regist da receita n Sistema Central de Prescrições é feita n instante em que prescritr emite as receitas. Em cas de sucess na validaçã e regist da receita pel Sistema Central de Prescrições, é devlvida a seguinte infrmaçã: Númer da receita, que deve ser registad e impress na receita e na guia de tratament. O frmat d númer central da receita está descrit n pnt 6.1.1; Data da receita, de acrd cm a data/hra d sistema central de prescrições, a imprimir na receita e na guia de tratament; Códigs para utilizaçã na dispensa. Estes dis códigs devem ser impresss n guia de tratament, n lcal destinad para efeit, e representam: - Códig de Acess - códig pessal, a utilizar pel utente n mment de dispensa na farmácia, para autrizaçã d acess à sua receita; - Códig d Direit de Opçã - códig pessal, a utilizar pel utente n mment de dispensa, quand exerce direit de pçã pr medicament; Em cas de insucess na validaçã da receita, sftware deve ntificar prescritr da situaçã de err u crrigir a situaçã anómala, cnfrme tip de err devlvid. A receita nã deve ser emitida, até que prblema seja crrigid. Cas nã seja pssível a sua crreçã em temp útil, a receita deverá ser emitida em peraçã ff-line. 7 de 40

8 4.6.2 Operaçã ff-line Operaçã em que a chamada a serviç de validaçã e regist da receita n Sistema Central de Prescrições é realizada após a emissã da receita. Esta situaçã é excecinal, e só deve crrer na situaçã de indispnibilidade de serviçs u prblemas de cmunicações, que nã permitam a integraçã em md n-line cm Sistema Central de Prescrições. As receitas sã emitidas pel sftware de prescriçã, cm base na numeraçã lcal atribuída pr sftware e pr lcal de prescriçã, de acrd cm as regras descritas n pnt 6.1. Nesta situaçã, é brigatória a apsiçã de vinheta d prescritr n lcal destinad a códig de barras d médic prescritr. O prescritr deve ser infrmad da brigatriedade de apsiçã da vinheta. Psterirmente estas receitas devem ser enviadas para Sistema Central de Prescrições em md ff-line pel sftware de Prescriçã, e de acrd cm as regras estabelecidas na declaraçã de autcnfrmidade, de caráter brigatóri, e que definem s prcediments a efetuar pel frnecedr em situações de indispnibilidade. 5 Requisits de prescriçã 5.1 Âmbit da receita O mdel de receita médica aprvad pel Despach n.º 15700/2012, de 30 de Nvembr, aplica-se à prescriçã de medicaments, incluind medicaments manipulads e medicaments cntend estupefacientes e psictrópics (tabelas I e II d Decret-Lei n.º 15/93, de 22 de janeir, e n.º 1 d artig 86.º d Decret-Regulamentar n.º 61/94, de 12 de utubr). Também é aplicável à prescriçã de utrs prduts, nmeadamente para autcntrl da diabetes mellitus (prduts cnstantes da listagem frnecida pel Infarmed), géners alimentícis destinads a uma alimentaçã especial, fraldas, sacs de stmia u utrs prduts (prduts a serem prescrits em camp de text livre). 8 de 40

9 5.2 Mdel de receita O Despach n.º 15700/2012, de 30 de Nvembr, estabelece mdel de receita que deve ser preenchid eletrnicamente e impress em papel branc. Estas receitas pdem ser renváveis, cntend até 3 vias, devend ser impressa a indicaçã 1.ª via, 2.ª via e 3.ª via. Este mdel fi desenvlvid para a prescriçã e dispensa em ambulatóri na farmácia cmunitária. 5.3 Tip de receita Na receita deve cnstar a referência a tip de prdut prescrit. Assim, existem s seguintes tips: RN receita de medicaments; RE receita especial (psictrópics e estupefacientes); MM receita de medicaments manipulads; MDT receita de prduts dietétics; MDB receita de prduts para autcntrl da diabetes mellitus; OUT receita de utrs prduts (ex. prduts csmétics, fraldas, sacs de stmia, etc.). O sftware deve garantir que uma receita só pde cnter medicaments u prduts de um determinad tip. Pr exempl, uma receita MDB apenas pde cnter prduts para autcntrl da diabetes mellitus. 6 Camps da receita eletrónica 6.1 Númer da receita A receita eletrónica de medicaments é identificada através de um númer únic a nível nacinal, gerad centralmente pel Sistema Central de Prescrições, n prcess n-line de validaçã e tem de ser representad em códig de barras (Ver Númer da receita). N cas da peraçã ff-line, númer da receita deverá ser atribuíd pel sftware de prescriçã, de acrd cm as regras estabelecidas relativas à prveniência d impress e respetiv centr emissr, garantind a nã duplicaçã d mesm. 9 de 40

10 O númer da receita é cnstituíd pr 19 dígits estruturads da seguinte frma: Dígit(s) Representaçã 1.º Regiã de Saúde em que se integra lcal da prestaçã de cuidads: 1 - Regiã Nrte; 2 - Regiã Centr; 3 Regiã de Lisba e Vale d Tej; 4 Regiã d Alentej; 5 Regiã d Algarve; 6 Regiã Autónma ds Açres; 7 Regiã Autónma da Madeira. 2.º e 3.º Tip de impress: 01 receita médica nã renvável; 02 receita médica renvável. 4.º a 6.º Prveniência d impress sistema prdutr: Frnecid pela SPMS 7.º a 10.º Centr Emissr entidade utilizadra: Frnecid pela SPMS 11.º a 17.º Numeraçã sequencial da receita 18.º Via da receita: 0 receita nã renvável; 1 primeira via da receita renvável; 2 segunda via da receita renvável; 3 terceira via da receita renvável. 19.º Check digit cnfrme sistema ISO/IEC 7064, MOD Númer nacinal da receita O númer nacinal da receita é gerad centralmente e seu frmat é seguinte: 10 de 40

11 O sistema prdutr assume valr 100 e a numeraçã sequencial passa a ser cnstituída pr 19 dígits. 6.2 Identificaçã d lcal de prescriçã A identificaçã da unidade de saúde é efetuada através da designaçã d lcal de prescriçã e respetiv códig, cm seis (6) dígits precedids da letra U e sua representaçã em códig de barras (ver Lcal de prescriçã). Para efeits da cmunicaçã de dads, a identificaçã da unidade de saúde é cmpsta pr sete (7) dígits em que primeir indica a ARS em que a mesma se insere cncatenad cm s seis (6) dígits d respetiv códig. 6.3 Identificaçã d prescritr A identificaçã d prescritr é efectuada através d nme clínic e d respectiv númer da cédula prfissinal, cnstituíd pr cinc (5) dígits, precedid da letra M (para Médic inscrit na Ordem ds Médics), da letra D (para Médic inscrit na Ordem ds Médics Dentistas) e da letra O (para Prescritr Odntlgista) e sua representaçã em códig de barras. Deve também cnstar cntact telefónic d prescritr e a respetiva especialidade (se aplicável), de acrd cm a nmenclatura de especialidades cnstante da Circular Nrmativa n.º 35 de ACSS - classificaçã de Especialidade Médica (1.º nível Lista de Categrias). Para efeits de cmunicaçã de dads, a identificaçã d prescritr é efetuada através d númer da cédula prfissinal e respetiva classe prfissinal, de acrd cm seguinte: 05 médic (inscrit na Ordem ds Médics); 06 médic dentista (inscrit na Ordem ds Médics Dentistas); 07 dntlgista (inscrits n Ministéri da Saúde). Para efeits da prescriçã eletrónica é brigatóri regist prévi d prescritr junt d SNS, n Prtal de Regist de Prescritres. Só s prfissinais registads neste sistema serã recnhecids pel Sistema Central de Prescrições. 6.4 Identificaçã d utente O utente é identificad pels seguintes elements: Nme - este é um element brigatóri e indispensável para a validaçã da receita. 11 de 40

12 O sftware de PEM deve reclher utrs dads relativs à identificaçã d utente, nmeadamente: Nacinalidade; Sex; Data de nasciment. Númer de utente Númer nacinal que identifica univcamente utente Regist Nacinal de Utentes (RNU). Este númer é atribuíd n prcess de cidadã numa unidade de saúde u através d pedid d Cartã de Cidadã. representaçã deverá ser em dígits e em códig de barras (Ver Númer d utente). Regime especial de cmparticipaçã de medicaments, quand aplicável, representad pelas letras R e O. Utentes Pensinistas: A letra R aplica-se as utentes pensinistas abrangids pel regime especial de cmparticipaçã, e deve ser impressa a letra «R» junt à identificaçã d utente. A aplicaçã deste benefíci deverá ser verificada n RNU. Utentes cm utrs regimes especiais: A letra O aplica-se as utentes abrangids pr um regime especial de cmparticipaçã previst em legislaçã específica. Este é identificad pela mençã a diplma legal respetiv e pela impressã da letra «O» junt da identificaçã d utente. Númer de beneficiári d subsistema de saúde, sempre que aplicável. Denças prfissinais Na situaçã de prestaçã de cuidads n âmbit da dença prfissinal da qual utente é prtadr, e para s utentes que apresentem cartã de beneficiári pr dença prfissinal emitid pel Centr Nacinal de Prteçã de Riscs Prfissinais (CNPRP) deverá ser inscrit na Entidade Financeira Respnsável a sigla CNPRP e n númer de beneficiári deverá cnstar respetiv númer de dente prfissinal. Mantém-se brigatória a identificaçã d númer de utente para estes utentes. Cidadãs migrantes d espaç eurpeu Deve ser impressa a palavra Migrante, n cant superir direit, seguid d códig d respetiv país, cnfrme nrma ISO de 40

13 alpha-2. Na Entidade Respnsável deve ser inscrita a entidade financeira identificada n dcument de direit (Cartã Eurpeu de Segur de Dença (CESD) u dcument equivalente). N Númer de Beneficiári deve cnstar númer d dcument (ex. númer d CESD). A receita em frmat eletrónic deve cnter tds s dads d dcument de direit, de caráter brigatóri, nmeadamente: País Emissr d dcument de direit, cf. nrma ISO , alfa-2; Nº de beneficiári, crrespndente a Nº de Identificaçã Pessal; Designaçã da Entidade Financeira Respnsável, crrespndente à denminaçã da entidade cnstante n dcument de direit; Códig da Entidade Financeira Respnsável, crrespndente a códig da entidade cnstante n dcument de direit; Data de Validade d dcument de direit; Nº d dcument de direit; Tip de Dcument, cnfrme dcument de direit apresentad (CESD u dcument equivalente). Cidadãs migrantes a abrig de Acrds internacinais Deve ser impressa a palavra Migrante, n cant superir direit, seguid d códig d respetiv país, cnfrme nrma ISO alpha-2. Na Entidade Respnsável deve ser inscrita a entidade financeira identificada n Atestad de Direit. Igualmente deve ser indicad na receita númer de identificaçã da pessa que cnsta desse Atestad de Direit e que crrespnde a númer de beneficiári. Cmplementarmente deve ser indicad na receita númer de identificaçã d cidadã (crrespndente a númer que cnsta n cartã de cidadã, u n cartã de identificaçã u númer d passaprte). Apenas se aceitam s seguintes Atestads de Direit cm a seguinte numeraçã/identificaçã e para s seguintes países: Cab Verde: Decret n.º 02/2005 de 4 de fevereir - Cnvençã sbre Segurança Scial; Avis n.º379/2007 de 20 de nvembr - Acrd Administrativ; CV/P 19 Atestad de direit; Brasil: Resluçã da Assembleia da República n.º 54/94 de 27 de agst Aprva Acrd de Segurança Scial e Ajuste Administrativ; PB 5 Atestad de direit; 13 de 40

14 Andrra: Decret n.º 12/90 de 2 de mai Cnvençã sbre Segurança Scial e Acrd Administrativ; AND/PT 3 Atestad de direit; Marrcs: Decret n.º 27/99 de 23 de julh Cnvençã sbre Segurança Scial: Avis n.º 127/2010 de 16 de julh Acrd Administrativ; MA/PT 4 Atestad de direit; Quebec (Canadá): Decret n.º 61/91 de 5 de dezembr Acrd Administrativ; QUE/POR 4 Atestad de direit. A receita em frmat eletrónic deve cnter tds s dads d Dcument de Direit, de caráter brigatóri, nmeadamente: País Emissr d dcument de direit, cf. nrma ISO , alfa-2; Nº de beneficiári, crrespnde a Nº de Identificaçã Pessal; Designaçã da Entidade Financeira Respnsável, crrespndente à denminaçã da entidade cnstante n dcument de direit; Data de Validade d dcument de direit; Nº d dcument de direit; Tip de Dcument, cnfrme dcument de direit apresentad e de acrd cm a lista publicada n Anex C. Cidadãs estrangeirs em situações nã cntempladas nas anterires Deve ser impressa a frase Sem cmparticipaçã p/ SNS na Entidade Respnsável. 6.5 Entidade financeira respnsável É a entidade respnsável pel pagament u cmparticipaçã ds medicaments da receita. A entidade respnsável deverá ser SNS sempre que utente seja prtadr d seu númer de utente, estand excluídas as seguintes situações: Situaçã de prestaçã de cuidads decrrentes de acidentes de viaçã, de trabalh u pessais, em que exista uma entidade terceira que assume a respnsabilidade financeira pels serviçs prestads. Nesta situaçã, estas receitas nã sã cmparticipadas pel SNS, pel que deve ser impressa a frase Sem cmparticipaçã p/ SNS. Prestaçã de cuidads decrrente de acrd estabelecid cm SNS cntempland faturaçã e pagament pr preç cmpreensiv (Ex. Centrs de hemdiálise) e que limita a prescriçã. 14 de 40

15 Situaçã de prestaçã de cuidads a utente usufrutuári de um subsistema de saúde que assuma a respnsabilidade de cmparticipaçã de medicaments. Neste cas, deverá ser assinalada na entidade respnsável a sigla d subsistema e respetiv númer de beneficiári (ex: ADSE, SAD-GNR, etc.) e númer de utente, cas pssua. O sftware deve reclher códig da Entidade Financeira Respnsável, cnfrme lista Entidades Respnsáveis para efeits de cmparticipaçã de medicamentse respetiv númer de beneficiári, que deverá ser representad em dígits e carateres e também em códigs de barras (ver Númer de beneficiári). Situaçã de prestaçã de cuidads n âmbit de uma dença prfissinal de que utente seja prtadr, que deverá bedecer às regras referidas em 12 para dentes prfissinais. Situaçã de prestaçã de cuidads a utente migrante, que deverá bedecer às regras definidas em 12 para cidadãs migrantes. 6.6 Identificaçã d medicament A identificaçã d medicament na receita difere cnsante a prescriçã seja feita pr DCI u pr nme d medicament u d titular. O sftware deve permitir a prescriçã pr DCI e pr nme cmercial Prescriçã pr DCI O medicament é identificad pels seguintes elements: Denminaçã Cmum Internacinal u nme da substância ativa (DCI); Dsagem (Ds); Frma farmacêutica (FF); Dimensã da embalagem (Dim); Númer de embalagens em cardinal e extens; Pslgia - junt a cada medicament, existe um camp de preenchiment referente à pslgia. Este camp deve permitir especificar a dse de medicament, interval de administraçã, bem cm, a duraçã d tratament; Códig Nacinal para a Prescriçã Eletrónica de Medicaments (CNPEM). O sftware deve: 15 de 40

16 Listar as DCI que dispõem de medicaments que sejam passíveis de ser prescrits em ambulatóri (PEM_AMB=S); Listar as dsagens para a DCI selecinada (camp dsagem DOS_COMP); Listar as frmas farmacêuticas existentes para a DCI e dsagem selecinadas (frma farmacêutica Frm_farm_ID); Listar as dimensões de embalagens (n.º de unidades)/tip de embalagem para a DCI, frma farmacêutica e dsagem u medicament selecinads (tip de embalagem Camp Descr da tabela Emb); Imprimir na receita médica CNPEM em dígits e códig de barras (Medicament). Númer de medicaments pr receita Em cada receita pdem ser prescrits até 4 medicaments distints 1, até a ttal de 4 embalagens pr receita. N máxim, pdem ser prescritas duas embalagens 2 pr medicament. N cas ds medicaments prescrits se apresentarem sb a frma de embalagem unitária 3 pdem ser prescritas até quatr embalagens d mesm medicament; O sistema deve aplicar as regras relativas a númer máxim de embalagens pr receita. A imprimir a receita, sistema deve agrupar s medicaments que tenham sid repetids Prescriçã pr nme cmercial u d titular Só pde ser utilizada ns seguintes cass: Medicaments que nã dispnham de medicaments genérics similares cmparticipads; Justificaçã técnica d médic, nas seguintes situações: 1 O que crrespnde a MED_ID diferentes. 2 O que crrespnde a CNPEM diferentes. 3 Embalagens que se apresentam na frma de Embalagem Unitária (EMB_UNIT_ID=1 da Tabela EMB_UNIT). 16 de 40

17 Medicaments cm margem u índice terapêutic estreit cnstantes da lista definida pel Infarmed. Fundada suspeita, previamente reprtada a Infarmed, de intlerância u reaçã adversa a um medicament cm a mesma substância ativa, mas identificad pr utra denminaçã cmercial; Medicament destinad a assegurar a cntinuidade de um tratament cm duraçã estimada superir a 28 dias. Cada receita pde cnter apenas um medicament prescrit pr nme d medicament u d titular. Cas a prescriçã feita pr nme d medicament u d titular nã se enquadre nas situações anterirmente mencinadas, u na ausência da respetiva justificaçã, sistema deve cnverter esta infrmaçã em prescriçã pr DCI (V ). Margem u índice terapêutic estreit (alínea a) A receita tem que cnter a mençã Exceçã a) d n.º 3 d art. 6.º. Esta justificaçã está limitada a cnjunt de medicaments deliberads pel Infarmed. Nesta situaçã, sftware deve registar esta justificaçã e permitir a prescriçã pr marca. O sftware deve: Verificar se medicament prescrit cntém valr S n camp MARG_TERAP da tabela MED. Reaçã adversa prévia (alínea b) A receita tem de cnter a mençã Exceçã b) d n.º 3 d art. 6.º - reaçã adversa prévia. Esta infrmaçã tem de ser registada n prcess clínic d dente, para efeits de mnitrizaçã e cntrl. 17 de 40

18 Após a inclusã da justificaçã, sftware deve permitir a prescriçã pr marca. Cntinuidade de tratament superir a 28 dias (alínea c) A receita tem de cnter a mençã Exceçã c) d n.º 3 d art. 6.º - cntinuidade de tratament superir a 28 dias. Neste cas, a justificaçã deve cnstar da receita a qual tem, brigatriamente, que cnter a duraçã d tratament n camp pslgia. Esta infrmaçã tem de ser registada n prcess clínic d dente, para efeits de mnitrizaçã e cntrl. Após a inclusã da justificaçã, sftware deve permitir a prescriçã pr marca. Em tdas estas situações, a identificaçã d medicament deve cnter ainda: Nme cmercial d medicament u d respetiv titular de autrizaçã de intrduçã n mercad; Númer de regist d medicament representad em dígits e códig de barras. O sftware deve: Permitir a prescriçã d Nme cmercial/titular; Se médic selecinar um medicament cuja dsagem seja assciaçã (DOS_COMP = Assciaçã), medicament pde ser prescrit pr nme cmercial u pr indicaçã d titular; Permitir a prescriçã d Nme cmercial/titular sempre que se trate de medicaments cm margem terapêutica estreita - medicaments que cntenham valr S n camp MARG_TERAP da tabela MED; Permitir a prescriçã d Nme cmercial/titular apenas ns cass em que a pslgia instituída tenha uma duraçã superir a 28 dias; nestas situações, camp pslgia é de preenchiment brigatóri; Permitir a prescriçã d Nme cmercial/titular ns cass em que médic selecine a pçã de existência de reaçã adversa ntificada; Registar a justificaçã técnica utilizada, de acrd cm a legislaçã em vigr; 18 de 40

19 Sempre que médic esclha nme cmercial/titular, deve ainda ser mstrada a seguinte infrmaçã: preç de venda a públic/descntad, a taxa de cmparticipaçã e valr a pagar pel utente (regime geral e regime especial para pensinistas); Quand médic selecine um medicament para qual existam alternativas similares a um preç inferir (u seja, que apresenta PMU mais baix), sftware deve avisar dessa existência e acréscim de cust para medicament inicialmente selecinad. Númer de medicaments pr receita Cada receita apenas pde cnter um medicament prescrit pr nme cmercial/titular; O sistema deve aplicar as regras relativas a númer máxim de embalagens pr receita. A imprimir a receita, sistema deve agrupar s medicaments que tenham sid repetids, limitad a númer máxim de embalagens pr linha de medicament Identificaçã de similares para efeits de prescriçã eletrónica A identificaçã de medicaments similares deve ser feita através d CNPEM, u seja, sã cnsiderads similares s medicaments que têm mesm CNPEM. N cas de s medicaments nã terem CNPEM: Sã cnsiderads similares s medicaments que têm a mesma DCI, dsagem, agrupament de frma farmacêutica, via de administraçã e tamanh de embalagem. 6.7 Cass particulares de prescriçã Prescriçã em receita renvável Apenas pdem ser prescrits em receita renvável, s medicaments que se destinem a trataments de lnga duraçã, u seja, s medicaments que cnstem da tabela 2 da Deliberaçã n.º 173/CD/2011, de 27 de utubr. 19 de 40

20 Medicaments cm TRATAMENTO_ID=2 na Tabela TRATAMENTO; O sftware deve permitir a seleçã de 1, 2 u 3 vias da receita Prescriçã de estupefacientes e psictrópics Os medicaments que cntêm substâncias ativas classificadas cm estupefacientes u psictrópics (cntidas nas tabelas I e II d Decret-Lei n.º 15/93, de 22 de janeir, e n.º 1 d artig 86.º d Decret-Regulamentar n.º 61/94, de 12 de utubr) têm que ser prescrits isladamente, u seja, a receita médica nã pde cnter utrs medicaments. Cntud, a prescriçã destes medicaments segue as mesmas regras que s restantes, nmeadamente n que respeita a númer de embalagens pr receita. Esta prescriçã tem que ser feita em receita d tip RE; Medicaments cm Class_Estup_ID = 1, 4, 5 u 6 da Tabela CLASS_ESTUP; A receita nã pde cnter medicaments que nã tenham a Class_Estup_ID = 1, 4, 5 u 6 da Tabela CLASS_ESTUP Prescriçã de medicaments manipulads Os medicaments manipulads cmparticipads sã s cnstantes n Anex d Despach n.º 18694/2010, 18 de nvembr. Estes prduts têm que ser prescrits isladamente. Esta prescriçã tem que ser feita em receita d tip MM; Esta prescriçã nã pde ter utr tip de prduts; O sftware pde ter a lista ds manipulads cnstantes n Despach n.º 18694/2010, 18 de nvembr predefinida; O sftware tem que dispnibilizar camps de escrita livre para a prescriçã deste tip de medicaments. 20 de 40

Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde.

Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde. Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde. Introdução... 3 Objetivo... 3 Generalidades... 4 Requisitos gerais dos softwares... 4 1. Comunicação com a Plataforma

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Normas técnicas relativas à prescrição de medicamentos e produtos de saúde

Normas técnicas relativas à prescrição de medicamentos e produtos de saúde Normas técnicas relativas à prescrição de medicamentos e produtos de saúde Introdução... 2 Prescrição efetuada por meios eletrónicos (receita eletrónica)... 4 1. Âmbito... 4 2. Prescrição Eletrónica...

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Normas relativas à Prescrição de Medicamentos e Produtos de Saúde

Normas relativas à Prescrição de Medicamentos e Produtos de Saúde Adaptação à Região Autónoma da Madeira do documento conjunto da ACSS, I.P. e do INFARMED das Normas relativas à Prescrição de Medicamentos e Produtos de Saúde Normas relativas à Prescrição de Medicamentos

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução Âmbit d Dcument Mdel de Cmunicaçã Platafrma de Dads de Saúde - Prtal d Prfissinal Revisã 1 O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Platafrma de Dads da Saúde

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES?

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? ÂMBITO PESSOAL O regime jurídic d serviç militar prestad em cndições especiais de dificuldade u perig, aprvad pela Lei n.º 9/2002, de 11

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Introdução...3 Prescrição...4 Análise da prescrição...5 1. Receita eletrónica...5 1.1. Número da receita...5 1.2. Identificação do prescritor...6

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL Novas funcionalidades do Software ALERT versão 2.6.1

CTH - ALERT REFERRAL Novas funcionalidades do Software ALERT versão 2.6.1 Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL Nvas funcinalidades d Sftware ALERT versã 261 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, SA Tds s direits reservads A ALERT Life Sciences Cmputing, SA dispnibiliza presente

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

Instruções auxiliares de preenchimento

Instruções auxiliares de preenchimento Instruções auxiliares de preenchiment Preenchiment n-line: Utilize Adbe Acrbat Reader, versã 7.0.5 u superir, qual pde ser btid em http://www.adbe.cm; Seleccine a pçã Preenchiment e envi n-line ; Recmenda-se

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde v. 3.0, 13/02/2014 Entrada em vigor a 01/03/2014 de acordo com data da dispensa da receita médica. Introdução...3 Prescrição...4 Análise

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES 2.7. Destacament de Trabalhadres Frma e cnteúd de cntrat cm trabalhadr estrangeir u apátrida N art.º 5 d CT (Capítul II - Lei 7/2009 de 12/02) cntrat

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

SITAF - Manual de Utilizador

SITAF - Manual de Utilizador SITAF - Manual de Utilizadr Entrega de Peças Prcessuais Nvembr 2009 SITAF Sistema de Infrmaçã ds Tribunais Administrativs e Fiscais Manual de Utilizadr Entrega de Peças Prcessuais Apresentaçã O frmulári

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Instruções auxiliares de preenchimento

Instruções auxiliares de preenchimento Instruções auxiliares de preenchiment Preenchiment n-line: Utilize Adbe Acrbat Reader, versã 7.0.5 u superir, qual pde ser btid em http://www.adbe.cm; Seleccine a pçã Preenchiment e envi n-line ; Recmenda-se

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Instruções. Requerimento de Pensão de Sobrevivência, Reembolso das Despesas de Funeral e Subsídio por Morte. Preenchimento on-line:

Instruções. Requerimento de Pensão de Sobrevivência, Reembolso das Despesas de Funeral e Subsídio por Morte. Preenchimento on-line: Requeriment de Pensã de Sbrevivência, Reembls das Despesas de Funeral e Subsídi pr Mrte Instruções Preenchiment n-line: Utilize Adbe Acrbat Reader, versã 7.0.5 u superir, qual pde ser btid em http://www.adbe.cm;

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

1 Acesso ao SIIFSE. 1.1 Homepage do SIIFSE. SIIFSE - Manual do Utilizador QREN. O acesso ao Sistema é efectuado através do endereço siifse.igfse.pt.

1 Acesso ao SIIFSE. 1.1 Homepage do SIIFSE. SIIFSE - Manual do Utilizador QREN. O acesso ao Sistema é efectuado através do endereço siifse.igfse.pt. SIIFSE Manual d Utilizadr QREN Versã 1.0 21 de Dezembr de 2007 SIIFSE - Manual d Utilizadr QREN 1 Acess a SIIFSE 1.1 Hmepage d SIIFSE O acess a Sistema é efectuad através d endereç siifse.igfse.pt. Na

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro.

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro. REGULAMENTO CORRIDA SOLIDÁRIA BOSCH 2015 1. DENOMINAÇÃO A Bsch em Prtugal, representada pela Bsch Termtecnlgia, S.A, em Aveir, em parceria cm as Câmaras Municipais de Aveir e Ílhav, a Assciaçã Industrial

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

IVA Regime de Caixa. IVA Regime de Caixa

IVA Regime de Caixa. IVA Regime de Caixa 1 Cnteúd 1. Intrduçã...4 2. Enquadrament legal...5 2.1 Regime IVA de Caixa (Decret-Lei 71/2013)...5 2.1.1 Entidades que pdem ptar pel regime (a que se refere artig 1º)...5 2.1.2 Operações abrangidas (a

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais