PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS"

Transcrição

1 ISSN PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Debora Athayde Herkenhoff (Latec/UFF) Moacyr Amaral Domingues Figueiredo (Latec/UFF) Gilson Brito de Lima (UFF) Resumo Este trabalho apresenta os resultados da avaliação de modelos de maturidade de gerenciamento de projetos e uma proposta unificada de níveis de maturidade, considerando os modelos avaliados. A partir da revisão da literatura sobre gestão de projetos, foram selecionados quatro principais modelos de maturidade que foram avaliados em relação às características de seus níveis de maturidade. Com as lições aprendidas da avaliação dos modelos foi elaborada uma proposta unificada de níveis de maturidade da gestão de projetos. Palavras-chaves gerenciamento de projetos, avaliação de maturidade, modelos de maturidade e critérios.

2 1. Introdução A gestão de projetos vem se tornando elemento fundamental no cenário de globalização, já que o sucesso dos projetos se tornou ainda mais vital para o desempenho dos negócios. Consequentemente as práticas de gerenciamento de projetos vem se desenvolvendo e sendo consolidadas principalmente a partir da década de Atualmente, uma das formas utilizadas para avaliar as boas práticas e o desempenho dos projetos, é a avaliação de maturidade. Os modelos de maturidade em gestão de projetos avaliam o nível atual em que a organização se encontra em relação a determinadas boas práticas pré-estabelecidas. A partir da análise do estado em que a organização se encontra, podem ser tomadas providências e desenvolvidos planos de ação para o aperfeiçoamento da gestão de projetos na organização. Com o crescente interesse na gestão dos projetos, vários modelos de maturidade apropriados para gestão de projetos foram desenvolvidos. Apesar do interesse pelo tema e o aumento de pesquisas e estudos nessa área, observa-se que não há um modelo com aceitação geral pelas empresas, dificultando dessa forma a comparação de práticas de gestão entre empresas. Os modelos de maturidade existentes utilizam diferentes abordagens para a avaliação da maturidade da gestão de projetos. As competências de gerenciamento de projetos não são padronizadas. Os modelos são muito genéricos e não se adéquam a peculiaridades de cada organização. Os modelos existentes são bem diferentes em relação a conteúdo e abordagens. Foi constatado na literatura sobre o tema, a inexistência de estudos sobre quais seriam os critérios mais adequados para a avaliação dos modelos de maturidade do gerenciamento de projetos existentes. Embasado nos argumentos supracitados, o presente estudo tem os seguintes objetivos: apresentar os resultados da avaliação teórica dos principais modelos de maturidade de gerenciamento de projetos levantados na literatura e a proposta unificadora de níveis de maturidade do gerenciamento de projetos. Para atingir o objetivo enunciado, estruturou-se o presente estudo em quatro partes. Inicialmente, é feita uma contextualização da avaliação da maturidade no gerenciamento de projetos. Na segunda parte é apresentada a metodologia utilizada para a avaliação dos modelos de maturidade. A terceira parte apresenta os resultados da análise crítica comparativa dos modelos e a proposta unificadora de níveis de maturidade do gerenciamento de projetos. Por fim, na quinta parte são apresentadas as conclusões e sugestões para pesquisas futuras. 2

3 2. Maturidade em gerenciamento de projetos Segundo Vargas (2005) o gerenciamento de projetos é um conjunto de ferramentas que permite que a empresa desenvolva habilidades, inclusive conhecimentos e habilidades individuais, destinados a controle de eventos não repetitivos, únicos e complexos, dentro de um cenário de tempo, custo e qualidade pré-determinados. Para Kerzner (2006) a gestão de projetos pode ser definida como o planejamento, a programação e o controle de uma série de tarefas integradas de forma a atingir seus objetivos com êxito, para benefício dos participantes do projeto. O PMI (2008) define o gerenciamento de projetos como a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos. As áreas do gerenciamento de projetos descrevem o gerenciamento de projetos em termos de seus processos componentes. Esses processos podem ser organizados em nove grupos integrados (VARGAS, 2005): gerenciamento da integração, gerenciamento de escopo, gerenciamento de tempo, gerenciamento de custos, gerenciamento da qualidade, gerenciamento de recursos humanos, gerenciamento das comunicações, gerenciamento de riscos e gerenciamento de aquisições. A importância das nove áreas se dá na medida em que o processo de gerenciamento de projetos das empresas requer o aprimoramento das nove áreas de conhecimento propostas pelo PMI (CARVALHO, 2005). Para se ter sucesso em projetos é fundamental entender que um projeto bem-sucedido é aquele que foi realizado conforme o que foi planejado (VARGAS, 2005). Para que um projeto tenha sucesso é importante que (VARGAS, 2005): -seja concluído dentro do tempo previsto; -seja concluído dentro do orçamento previsto; -tenha utilizado os recursos sem eficientemente e sem desperdícios; -tenha atingido qualidade e desempenho desejados; -tenha sido concluído com o mínimo possível de alterações no escopo; -tenho sido aceito sem restrições pelo cliente; -tenha sido realizado sem prejuízos ou interrupções nas atividades normais da organização; -não tenha agredido a cultura da organização. 3

4 Uma pesquisa realizada pelo PMI em 2008 confirma a importância de uma metodologia de projetos para o sucesso do projeto, apresentando uma relação entre o uso de uma metodologia de gerenciamento de projetos e o sucesso dos projetos, conforme apresentado no gráfico a seguir: Figura 1: Qual a relação entre a utilização de uma metodologia de GP e o sucesso em projeto? Fonte: Estudo de benchmarking em gerenciamento de projetos Brasil 2008 PMI As empresas que utilizam uma metodologia de gerenciamento de projetos possuem 76% de sucesso em seus projetos enquanto aquelas que não se orientam com base em uma metodologia estruturada conseguem um índice de apenas 49% de sucesso em seus projetos. Outra questão apresentada pelo estudo do PMI (2008) relaciona o sucesso do projeto com o nível de maturidade da organização, conforme apresentado na figura a seguir. Figura 2: Qual a relação entre o nível de maturidade da organização e a freqüência de sucesso em projetos? Fonte: Estudo de benchmarking em gerenciamento de projetos Brasil 2008 PMI 4

5 Com o crescimento do nível de maturidade de uma organização, maior é a freqüência de sucesso de seus projetos. Com isso, observa-se a importância da avaliação da maturidade de gestão de projetos para alcançar a excelência em gestão de projetos. O conceito de maturidade em gerenciamento de projetos tem sua raiz no conceito de maturidade de processo, originado no movimento de TQM (Total Quality Management), em que técnicas de controle estatístico da qualidade possibilitaram a redução da variação de resultados dos processos e uma substancial melhoria de desempenho (COOKEDAVIES; ARZYMANOW, 2003 apud KUWAMOTO). Kerzner (2002) define a maturidade em gestão de projetos como o desenvolvimento de sistemas e processos que são por natureza, repetitivos e garantem uma alta probabilidade de que cada um deles seja um sucesso, destacando, entretanto, que esses sistemas e processos repetitivos apenas aumentam a probabilidade, mas não garantem o sucesso. O modelo de maturidade em gerenciamento de projetos é essencialmente um arquétipo de crescimento que estabelece estágios pré-definidos, permitindo auto-avaliações e aperfeiçoamentos (PRADO, 2003). Carvalho et al (2005) apresenta uma adaptação de um quadro comparativo das características de organizações maduras e imaturas, conforme a seguir: Organizações Imaturas Organizações Maduras Ad hoc, processo improvisado por profissionais e gerentes. Coerente com as linhas de ação, o trabalho é efetivamente concluído. Não é rigorosamente seguido e o cumprimento não é controlado. Definido, documentado e melhorado continuamente. Altamente dependente dos profissionais atuais. Com o apoio visível da alta administração e de outras gerências. Baixa visão do progresso e da qualidade. Bem-controlada, fidelidade ao processo é A funcionalidade e a qualidade do produto objetivo de auditoria e de controle. podem ficar comprometidas para que prazos sejam cumpridos. Arriscado do ponto de vista do uso de nova tecnologia. Custos de manutenção excessivos. Qualidade difícil de prever. Figura 3: Organizações imaturas versus organizações maduras Fonte: Adaptado de Paulk et al (1995) apud Carvalho et al (2005). São utilizadas medições do produto e do processo. Uso disciplinado de tecnologia. 5

6 Para Kerzner (2002) os principais resultados da aplicação dos modelos de maturidade nas organizações são: descobrir oportunidades para melhoria no gerenciamento de projetos; verificar as mudanças necessárias na organização para a melhoria da maturidade; identificar forças e fraquezas dos projetos; orientar o desenvolvimento de um plano de capacitação. Para Rosemann (2004) a utilização de modelos de maturidade apresenta três propósitos principais: Como uma ferramenta que habilita a descrição do estado atual (As is) avaliando pontos fortes e fracos atuais; Como uma ferramenta que habilite prescrever o desenvolvimento de um roteiro para melhorias; Como ferramenta que habilite a execução de benchmarking para avaliar padrões industriais e outras organizações. A seguir são apresentados alguns resultados do estudo de benchmarking sobre gerenciamento de projetos realizado pelo PMI no Brasil em A Figura 4 apresenta o resultado quanto à utilização dos modelos de maturidade pelas empresas no Brasil. 31% A organização não conhece 50% A organização conhece, mas não pretende utilizar A organização conhece, já utiliza ou pretende utilizar 19% Figura 4: Nível de Utilização de Modelos de Maturidade em Gerenciamento de Projetos Fonte: Estudo de benchmarking em gerenciamento de projetos Brasil 2009 PMI 6

7 De acordo com a Figura 4, metade dos respondentes conhece modelos de maturidade, 19% conhecerem a avaliação de maturidade, mas não a utilizam. Na Figura 5 são apresentados os modelos de maturidade mais utilizados em gerenciamento de projetos. O modelo OPM3 é o mais utilizado, com uma percentagem de 38%, seguido pelos modelos CMM, MMGP e Kerzner, com 28%, 18% e 9% respectivamente. Kerzner 9% Prado e Archibald 18% Nenhum 26% CMMI 28% OPM3 38% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% Figura 5: Modelos de Maturidade em Gerenciamento de Projetos mais utilizados Fonte: Estudo de benchmarking em gerenciamento de projetos Brasil 2009 PMI 7

8 A Figura 6 apresenta as principais iniciativas de gerenciamento de projetos que as empresas pretendem desenvolver no próximo ano. Terceirização/Outsourcing de PMO A organização não pretende investir em Terceirização/Outsourcing de profissionais Gerenciamento de Programas Implantação de PMO Auditoria de qualidade Implantação de ferramenta/software de Avaliação de maturidade em gerenciamento Implantação de processos e metodologia para Implantação de ferramenta/software de Implantação de indicadores de desempenho Programas de capacitação em gerenciamento Desenvolvimento/Revisão de metodologia de 3% 3% 8% 22% 22% 22% 27% 28% 42% 45% 50% 57% 60% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Figura 6: Iniciativas que as Organizações pretendem desenvolver nos próximos 12 meses Fonte: Estudo de benchmarking em gerenciamento de projetos Brasil 2009 PMI Cerca de 30% das organizações pretendem avaliar a maturidade de seus projetos, elas estão preocupadas com essa avaliação e com seus resultados. A partir da análise dos gráficos da pesquisa percebe-se a importância da avaliação da maturidade e a necessidade das empresas em aumentar o nível de maturidade e investir em ferramentas para obter maior sucesso em projetos. Os modelos de maturidade são ferramentas que têm por objetivo auxiliar as empresas a alcançar a maturidade no gerenciamento de seus projetos, através da identificação das melhores práticas, realizadas por empresas líderes de mercado (KERZNER, 2002). 3. Metodologia Neste item é apresentada a classificação da pesquisa, suas fases e a estrutura utilizada para a comparação dos modelos de maturidade de gestão de projetos. Para classificação da pesquisa, tomou-se como base a taxionomia utilizada por Vergara (1990), que a qualifica em relação a dois aspectos: quantos aos fins e quanto aos meios. 8

9 Quanto aos fins, a pesquisa foi classificada como exploratória e aplicada. Exploratória porque há pouco conhecimento acumulado sobre a avaliação de modelos de maturidade de gestão de projetos e o estudo não visou verificar teorias e sim obter maior familiaridade com elas. Aplicada porque visa resolver problemas identificados na aplicação dos modelos de maturidade de gerenciamento de projetos. Quantos aos meios, a pesquisa foi classificada como bibliográfica porque os modelos de maturidade foram avaliados em função de informações coletadas na literatura sobre o tema. A pesquisa foi dividida em quatro fases. Na 1ª. fase foi realizada uma pesquisa bibliográfica para levantar e selecionar os principais modelos de maturidade de gerenciamento de projetos existentes na literatura. Na 2ª. Fase foi definida a estrutura a ser utilizada para comparação dos modelos de maturidade selecionados. Na 3ª. Fase foi realizada a análise crítica comparativa dos modelos selecionados e na 4ª. Fase os resultados obtidos foram discutidos e foi elaborada uma proposta unificadora dos níveis de maturidade. A estrutura comparativa utilizado foi por níveis de maturidade. Os modelos foram comparados em função das características dos modelos em cada nível de maturidade. 4. Resultados 4.1 Classificação dos níveis de maturidade A Tabela 1 apresenta o número de níveis de maturidade e a denominação de cada nível utilizado pelos modelos analisados. MODELO NÍVEIS DE MATURIDADE N1 N2 N3 N4 N5 CMMI Inicial Repetitivo Definido Gerenciado Otimizado OPM3 Padronização Medição Controle Melhoria Contínua PMMM Linguagem comum Processos Comuns Metodologia Singular Benchmarking Melhoria Contínua MMGP Inicial Conhecido Padronizado Gerenciado Otimizado Tabela 1: Classificação dos níveis de maturidade dos modelos Fonte: Os autores Da análise da Tabela 1, observa-se que todos os modelos utilizam cinco níveis de maturidade conforme proposto pelo SEI em seu modelo CMMI. O OPM3 utiliza apenas quatro níveis de maturidade, dificultando a comparação com os outros modelos. 9

10 4.2 Resultados da comparação em relação aos níveis de maturidade A Tabela 2 apresenta as características de cada modelo em relação ao nível 1 de maturidade. CARACTERÍSTICAS DO NÍVEL 1 DE MATURIDADE O processo de desenvolvimento de software é ad hoc e até mesmo caótico. Poucos processos CMMI são definidos e o sucesso depende de esforços individuais; faltam planejamento e controle de processos. OPM3 Desenvolver/adquirir processo comum e fiscalizar o cumprimento. É o nível em que a organização reconhece a importância do gerenciamento de projetos como metodologia útil para atingir sucesso em projetos. Neste nível, em geral a organização sente KERZNER a necessidade de ter um bom entendimento e conhecimento básico na disciplina, com condições, ao menos para estabelecer uma terminologia. A empresa está no estágio inicial de gerenciamento de projetos, que são executados na base da "boa vontade" ou do melhor esforço individual. Geralmente não se faz planejamento e MMGP o controle é inexistente. Não existem procedimentos padronizados. O sucesso fruto do esforço individual ou da sorte. As possibilidades de atraso, estouro de orçamento e não atendimento às especificações técnicas são grandes. Tabela 2: Características dos modelos em relação ao Nível 1 de Maturidade Fonte: Os autores. Observou-se, em relação ao nível 1, que o modelo CMMI e o modelo MMGP caracterizam este nível de forma semelhante. Os dois modelos se referem a um nível inicial no qual há pouco conhecimento sobre o assunto, falta de planejamento e controle dos processos e não há uma metodologia estabelecida. Os processos são realizados pela intuição e através de esforços individuais. O modelo de Kerzner é um pouco mais exigente, pois, considera que nesse nível a organização já reconhece a necessidade e a importância de uma metodologia de gestão de projetos, porém a sua utilização ainda é superficial e esporádica, principalmente porque nesse nível ainda existe resistência a mudança. O primeiro nível do modelo OPM3, nomeado de Padronizado apresenta características de processos documentados, comunicados e padronizados. Essas características estão bem mais desenvolvidas e avançadas comparando-se ao mesmo nível dos outros modelos analisados. 10

11 Na Tabela 3, a seguir, são apresentadas as características dos modelos em relação ao nível 2 de maturidade. CARACTERÍSTICAS DO NÍVEL 2 DE MATURIDADE CMMI Processos de gerenciamento de projetos básicos estão estabelecidos para mensurar e controlas custos, prazos e funcionalidades (qualidade). São firmados compromissos e é estabelecido um nível de gerenciamento. Os processos estabelecidos permitem a repetição de sucessos em projetos semelhantes, entretanto o sucesso depende do gerenciamento do projeto. OPM3 Medir padrões de desempenho e características críticas de processo. KERZNER Refere-se ao reconhecimento da organização da necessidade de estabelecimento de processos comuns para projetos. Os processos comuns visam repetir o sucesso obtido de um projeto para todos os outros na organização. MMGP A organização fez investimentos constantes em treinamento e adquiriu softwares de gerenciamento de projetos. Pode ocorrer a existência de iniciativas isoladas de padronização de procedimentos, mas seu uso é restrito. Percebe-se melhor a necessidade de se efetuar planejamento e controle e, em algumas iniciativas isoladas, alguma melhoria é percebida. No restante, os fracassos continuam ocorrendo. Tabela 3: Características dos modelos em relação ao Nível 2 de Maturidade Fonte: Os autores. Em relação ao nível 2, os modelos CMMI, MMGP E KERZNER apresentam características sobre a necessidade do gerenciamento de projetos e a aplicação de iniciativas básicas de gerenciamento. Essas iniciativas são muitas vezes isoladas, no entanto já conduzem a pequenas melhorias e/ou permite a repetição de sucesso em projetos semelhantes. Um detalhe importante é observado no modelo MMGP, onde se considera que já existem práticas iniciais para a criação de competências necessárias para o gerenciamento, através de treinamentos e aquisição de softwares. Mais uma vez o nível do modelo OPM3 destoa dos demais, visto que já se observa a preocupação com as necessidades dos clientes além de características e entradas críticas de projetos já são identificadas e mensuradas. Na tabela 4 são apresentadas as características dos modelos em relação ao nível 3 de maturidade. CARACTERÍSTICAS DO NÍVEL 3 DE MATURIDADE CMMI O processo de desenvolvimento de software tanto técnico quanto gerencial é documentado, padronizado, e integrado a um processo padrão de desenvolvimento da empresa. Todos os projetos usam uma versão padronizada para o desenvolvimento e manutenção de softwares. 11

12 Os processos e técnicas gerenciais são bem definidos e permitem a avaliação do processo, com medições de desempenho, realização de auditorias de forma rotineira e testes padrões. OPM3 Desenvolver, implementar e auditar sistemas para manter a estabilidade dos processos de controle. KERZNER É quando a organização reconhece a possibilidade de obter sinergia dada à combinação de várias metodologias dentro de uma única, sendo que seu eixo central é o gerenciamento de projetos. Os efeitos da sinergia única facilitam o controle de processos. MMGP Foi feita uma padronização de procedimentos, difundida e utilizada em todos os projetos sob a liderança de um Escritório de Gerenciamento de Projetos (EGP). Uma metodologia está disponível e é praticada por todos e parte dela está informatizada. Foi implementada uma estrutura organizacional adequada e possível ao setor e aos seus tipos de projetos no momento da implementação. Tenta-se obter o melhor comprometimento possível dos principais envolvidos. Os processos de planejamento e controle são consistentes e o processo de aprendizagem faz que eles sejam executados cada vez melhor.os resultados estão aparecendo. Tabela 4: Características dos modelos em relação ao Nível 3 de Maturidade Fonte: Os autores. No nível 3 do modelo CMMI, os processos já são bem definidos o que permite avaliações e auditorias. Este nível no CMMI pode ser relacionado com o nível 3 do OPM3, que apesar de possuir a avaliação de seus processos no seu nível anterior (nível 2), desenvolve e implementa auditoria através de um plano de controle. Também é possível conpará-lo com o modelo MMGP que caracteriza esse nível com processos de planejamento e controle consistentes. O modelo do KERZNER no nível 3, apresenta características de uma metodologia única e processos integrados e mais controlados, resultantes do retornos de investimento em treinamento, iniciado no nível anterior (nível 2). O modelo MMGP também possui uma evolução e melhoria nas questões culturais, das pessoas envolvidas nos projetos. Assim como o modelo do KERZNER e o CMMI, o modelo MMGP também caracteriza esse nível como aquele onde a utilização de padrões, normas e metodologias estão sendo difundidas na organização e implementadas mais efetivamente. Em todos os modelos, nesse nível são citados sinais de melhoria, os resultados estão aparecendo através de estabilidade, excelência, etc. Na tabela a seguir são apresentadas as características dos modelos em relação ao nível 4 de maturidade. 12

13 CARACTERÍSTICAS DO NÍVEL 4 DE MATURIDADE CMMI Mensurações detalhadas do processo de desenvolvimento de software e qualidade dos produtos são coletadas, e o processo é quantitativamente definido, avaliado e controlado. OPM3 Identificar problemas de processos e implementar melhoria contínua. KERZNER É formado por um processo contínuo de comparação das práticas de gerenciamento de projetos desenvolvidas por uma organização, com outras. O objetivo desta fase é a obtenção de informações que ajudem a organização a melhorar seu desempenho. MMGP Os processos estão consolidados e a empresa está aperfeiçoando o modelo através da coleta e da análise de um banco de dados sobre projetos executados. Ele possibilita uma avaliação da causa de desvios da meta dos projetos e contramedidas estão sendo estabelecidas e aplicadas. O Ciclo de Melhoria Continua é aplicado sempre que se detecta alguma deficiência. A estrutura organizacional é revista e evolui para outra que permite um relacionamento mais eficaz com as áreas envolvidas (eventualmente uma estrutura projetada, matricial balanceada ou forte). Existe um alinhamento dos projetos com os negócios da organização. Os gerentes estão se aperfeiçoando ainda mais em aspectos críticos do gerenciamento, tais como relacionamentos humanos, conflitos, negociações, etc. A aplicação de processos de gerenciamento de projetos é reconhecida como fator de sucesso para os projetos. Tabela 5: Características dos modelos em relação ao Nível 4 de Maturidade Fonte: Os autores. Em relação ao nível 4, os modelos OPM3 e MMGP introduzem o conceito de melhoria contínua. Paralelamente, no modelo do KERZNER, começa a aparecer a exigências de práticas de benchmarking com outras organizações a fim de buscar melhores práticas que ajudem a empresa a melhorar seu desempenho. Outro fator importante que começa a ser exigido no modelo de KERZNER é o estabelecimento de um escritório de processo ou um centro de excelência em gestão de projetos. No modelo MMGP o alinhamento dos projetos com o negócio da organização começa a tomar importância e ser praticado. Já o modelo CMMI esse nível é caracterizado pela exigência de processos definidos, controlados e mensurados, o que já era exigido em outros modelos no nível anterior (nível 3). A análise das características nesse nível revela iniciativas e características de processos de melhoria contínua presentes nos modelos OPM3, MMGP E KERZNER. Na tabela a seguir são apresentadas as características dos modelos em relação ao nível 5 de maturidade. 13

14 CARACTERÍSTICAS DO NÍVEL 5 DE MATURIDADE CMMI Processo de melhoria continua é estabelecido pela quantidade de feedbacks do processo e do desenvolvimento de inovações e tecnologias. OPM3 - KERZNER Melhoria contínua: Neste nível, a organização avalia as informações obtidas através do benchmarking e deve decidir o que vai ou não contribuir para a metodologia única. MMGP Existe uma otimização na execução de projetos com base na larga experiência e também nos conhecimentos e atitudes pessoais (disciplina, liderança, etc.). Os novos projetos podem também se basear em um excelente banco de dados de melhores práticas. O nível de sucesso é próximo de 100%. A organização tem alta confiança em seus profissionais e aceita desafios de alto risco. Tabela 6: Características dos modelos em relação ao Nível 5 de Maturidade Fonte: Os autores. Apenas no nível 5, é que o modelo CMMI começa a exigir o estabelecimento de processos de melhoria contínua, além do desenvolvimento de inovações. No nível 5, o modelo do Kerzner, continua com sua proposta de benchmarking em busca da melhoria do desempenho, através do aproveitamento das melhores informações obtidas com a comparação com outras empresas.além disso, neste nível exige-se práticas de gestão do conhecimento, através de lições aprendidas e transferência do conhecimento, relacionado à melhoria contínua. O escritório de processo que foi citado em seu nível anterior faz o processo de tutoria no gerenciamento de projetos. Da mesma forma o modelo MMGP exige práticas relacionadas à gestão do conhecimento, como exemplo a utilização de um banco de melhores práticas. 4.3 Correspondência entre os níveis de maturidade A Tabela 7 apresenta uma correspondência entre os níveis de maturidades dos modelos estudados. CORRESPONDÊNCIA ENTRE NÍVEIS MODELO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5 CMMI Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 KERZNER Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 MMGP Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 OPM3 - Nível 1 Nível 4 Nível 4 14

15 Nível 2 Nível 3 Tabela 7: Correspondência entre níveis de modelos de maturidade Fonte: Os autores Em relação ao modelo OPM3 que apresenta apenas quatro níveis de maturidade, observou-se que os primeiros níveis do modelo OPM3 apresentam práticas de gestão de projetos mais desenvolvidas do que os outros modelos. Ele apresenta características mais avançadas em seus dois primeiros níveis do que os outros modelos. Essas características são compatíveis com aquelas propostas pelos demais modelos apenas no nível 3. Já as características do nível 4 do modelo OPM3 se assemelham àquelas apresentadas nos níveis 4 e 5 dos modelos CMMI, MMGP E KERZNER, e que indicam organizações maduras, com altas probabilidade de sucesso nos projetos, através de práticas de gerenciamento de projetos estruturadas e consistentes. O modelo Kerzner evidencia em seu nível 1 práticas de gestão de projetos um pouco mais avançadas que os demais modelos. O modelo considera que no nível 1 a organização já deve entender a necessidade e importância de uma metodologia de gerenciamento de projetos, enquanto que no mesmo nível dos demais modelos, há pouco conhecimento sobre o assunto, falta planejamento e controle dos processos e não há uma metodologia estabelecida. Além disso, percebeu-se que o modelo CMMI caracteriza o nível 4 um pouco destoante do mesmo nível nos demais modelos, isto é com práticas citadas no nível 3 do OPM3, KERZNER e MMGP. 4.4 Proposta unificadora de níveis maturidade em gerenciamento de projetos Em grande parte, os critérios avaliados por cada modelo são diferentes e as práticas preconizadas para a maturidade de projeto diferem entre os modelos analisados. Constatou-se que existem grandes diferenças entre os modelos, seja na forma de avaliação e nos critérios avaliados ou seja no posicionamento de cada critério dentro dos níveis avaliados e consequentemente no enquadramento do nível. De acordo com as semelhanças e diferenças constatadas na análise comparativa e com a intenção de facilitar a avaliação da maturidade em gerenciamento de projetos, foi elaborada uma proposta que unifica as características e níveis de maturidade do gerenciamento de 15

16 projetos. Essa proposta inicial combina os critérios mais relevantes empregados pelos modelos analisados, conforme apresentado na Tabela 8. 16

17 PROPOSTA INICIAL DE NÍVEIS DE MATURIDADE DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Baixo conhecimento do assunto. NÍVEL 1 Inexistência de metodologia e/ou modelos de gerenciamento. INICIAL Uso de intuição no gerenciamento de projetos. Falta planejamento e controle de processos. Reconhecimento dos benefícios do gerenciamento de projetos. Reconhecimento da necessidade de processos/metodologia. NÍVEL 2 Reconhecimento da necessidade de controle de custos. REPETITIVO Processos de gerenciamento de projetos básicos estão estabelecidos para mensurar e controlar custos, prazos e qualidade. Processos estabelecidos permitindo a repetição de sucessos em projetos semelhantes. Processos documentados, comunicados e padronizados. Utilização de padrões. NÍVEL 3 Uma metodologia está disponível e é praticada por todos e parte dela está informatizada. DEFINIDO Implementação de uma estrutura organizacional adequada e possível ao setor e aos seus tipos de projetos. Maior comprometimento dos principais envolvidos. Padrões funcionam; Alinhamento com os negócios da organização. Processo é definido, avaliado e controlado. NÍVEL 4 Problemas identificados e melhorias implementadas. GERENCIADO Ciclo de Melhoria Continua é aplicado sempre que se detecta alguma deficiência. Início da implantação de um centro de excelência ou escritório de projetos. Início de algumas práticas de benchmarking com empresas similares e não similares. Arquivos com lições aprendidas. Banco de dados de melhores práticas. Práticas de transferência de conhecimento estabelecidas. NÍVEL 5 Escritório de processo ou centro de excelência estruturado e realizando tutoria. OTIMIZADO Planejamento estratégico para gerenciamento de projetos. Processo de melhoria continua é estabelecido pela quantidade de feedbacks do processo e do desenvolvimento de inovações e tecnologias. Práticas de benchmarking sistematizadas e avaliadas. Tabela 8: Proposta inicial de níveis de maturidade Fonte: Os autores 17

18 A proposta considerou os principais critérios utilizados pelos modelos analisados e uma seqüência de desenvolvimento de maturidade de projetos baseada nos níveis propostos pelo CMMI. A proposta tem como objetivo auxiliar na padronização das competências necessárias para a avaliação da maturidade de gerenciamento de projetos, visto que se optou por realizar um agrupamento dos principais critérios utilizados pelos modelos analisados. 5. Conclusões e sugestões para estudos futuros O crescimento do interesse em gerenciamento de projetos reflete a relevância do tema para as organizações e sua importância como ferramenta para organizar e padronizar os processos que constituem as fases de um projeto Neste contexto, este trabalho apresentou a avaliação dos principais modelos de maturidade de projetos e uma proposta unificadora de níveis de maturidade, considerando os modelos analisados. A principal sugestão para pesquisas futuras é a realização de pesquisas de campo para validar a proposta unificadora de níveis de maturidade do gerenciamento de projeto em organizações interessadas no assunto. 18

19 REFERÊNCIAS CARVALHO, M. M. et al. Equivalência e completeza: análise de dois modelos de maturidade em gestão de projetos. Revista Administração, v. 40, n.3, jul./ago./set, p HARRINGTON, H. J. Aperfeiçoando processos empresariais. São Paulo: Makron Books, 1993 KERZNER, H. Strategic planning for project management using a project management maturity model. New York Advanced project management best practices on implementation Gestão de Projeto: as Melhores Práticas Project Management a system approach to planning, scheduling and controlling KUAMOTO, P.E. A certificação em gerenciamento de projetos à luz da teoria institucional um estudo de caso. Dissertação de Mestrado. Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas São Paulo, PMI. Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos Brasil Organizational Project Management Maturity Model (OPM3 ): PMI PRADO, D. Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. Nova Lima, v Maturidade em gerenciamento de projetos ROSEMANN, M. The Service Portfolio of a BPM Center of Excellence. BPTrends ROSEMANN;, M. e T. D. B. T. HUEFFNER. A Model for Business Process Management Maturity

20 VARGAS, R. V. Gerenciamento de projetos: estabelecendo diferenciais competitivos VERGARA, S. C. Tipos de pesquisa em administração. Cadernos EBAP, FGB, Rio de Janeiro, n.52, jun./

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP Versão 1.6.4 Setembro 2009 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 2ª Edição (a publicar) Autor: Darci

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

Planejamento de Projeto Gestão de Projetos

Planejamento de Projeto Gestão de Projetos Planejamento de Projeto Gestão de Projetos O gerenciamento de projetos consiste na aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas adequadas às atividades do projeto, a fim de cumprir seus

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

e PMA Consultoria www.pma.com.br

e PMA Consultoria www.pma.com.br e PMA Consultoria www.pma.com.br 1 MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ROTEIRO: Necessidades Atuais A Plataforma Modelo de Maturidade Alguns Valores Maturidade e Sucesso Apoio INDG Gestão de mudanças

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ENERGISA SERGIPE. MSc. Sandra Patrícia B. Rocha

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ENERGISA SERGIPE. MSc. Sandra Patrícia B. Rocha AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ENERGISA SERGIPE MSc. Sandra Patrícia B. Rocha A EMPRESA Um dos principais grupos privados do setor elétrico brasileiro A EMPRESA A EMPRESA

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Maturidade em gestão de projetos. Um estudo de caso para avaliar o grau de maturidade setorial em uma empresa de injeção de termoplástico.

Maturidade em gestão de projetos. Um estudo de caso para avaliar o grau de maturidade setorial em uma empresa de injeção de termoplástico. Maturidade em gestão de projetos. Um estudo de caso para avaliar o grau de maturidade setorial em uma empresa de injeção de termoplástico. Heberton Vitor de Resende Gouveia Resumo O presente artigo é um

Leia mais

O MODELO PRADO-MMGP V4

O MODELO PRADO-MMGP V4 O MODELO PRADO-MMGP V4 Existem, atualmente, diversos modelos de maturidade para gerenciamento de projetos. Todos eles apresentam cinco níveis, mas diferem um pouco no conteúdo de cada nível [1,4,5]. Além

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO Aula 0 Olá, pessoal! Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO DE PROJETOS E GESTÃO SOCIAL para o concurso de ANALISTA DE POLÍTICAS SOCIAIS do MPOG. Esta é uma carreira nova,

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE PESQUISA CLÍNICA

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE PESQUISA CLÍNICA Revista de Gestão e Projetos - GeP e-issn: 2236-0972 DOI: 10.5585/gep.v4i1.124 Organização: Comitê Científico Interinstitucional Editor Científico: Roque Rabechini Júnior Avaliação: Double Blind Review

Leia mais

Sumário. Modelo de Maturidade vs Tomadores de Decisão: Reduzindo o Gap Através do Método UTA

Sumário. Modelo de Maturidade vs Tomadores de Decisão: Reduzindo o Gap Através do Método UTA Modelo de Maturidade vs Tomadores de Decisão: Reduzindo o Gap Através do Método UTA Fabio Reginaldo 1 Sumário - Introdução Contexto de Projetos Modelos de Maturidade O Problema O Objetivo Método Utilizado

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO Valdir Furlan Junior 1 (valdirfurlanjr@gmail.com) Álvaro Azevedo Cardoso 1 (azevedo@unitau.br)

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos Escritório de Projetos Agenda Conceito de Escritório de Projetos Por que implementar um Escritório de Projetos? Implementando um Escritório de Projetos Funções do Escritório de Projetos Modelo de Maturizade

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Motivações Gerenciamento de projetos, vem sendo desenvolvido como disciplina desde a década de 60; Nasceu na indústria bélica

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2.1 Capítulo 2 QUALIDADE DE SOFTWARE 1. INTRODUÇÃO Como foi mencionado no capítulo anterior, o papel da Engenharia de Software é, principalmente, fornecer métodos e ferramentas para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LABCEO MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DÉBORA ATHAYDE HERKENHOFF

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LABCEO MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DÉBORA ATHAYDE HERKENHOFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LABCEO MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DÉBORA ATHAYDE HERKENHOFF ANÁLISE COMPARATIVA DOS MODELOS DE MATURIDADE DE PROJETOS: OPM3, CMMI, KERZNER E MMGP-PRADO Niterói - RJ 2010

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Sistemas & Gestão 8 (2013), pp 234-243

Sistemas & Gestão 8 (2013), pp 234-243 Sistemas & Gestão 8 (2013), pp 234-243 MODELO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETO: UM ESTUDO DE CASO APLICADO A PROJETOS DE PETRÓLEO E ENERGIA MODEL OF MATURITY IN PROJECT MANAGEMENT: A CASE STUDY

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto Presidente: Efraim

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

IV Seminário Internacional. Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa

IV Seminário Internacional. Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa IV Seminário Internacional Maturidade em Gerenciamento de Projetos Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa Palestrante: Leon Herszon F.,MSc, PMP Leon Herszon F., MSc, PMP Diretor Executivo

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos IMPORTÂNCIA DO GUIA PMBOK [01] Grandes organizações, notadamente aquelas que chamamos de multinacionais, trabalham

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Professora Mestranda Elaine Araújo E o profissional de RH... Como deve mergulhar na abordagem da Gestão do Conhecimento? Qual sua contribuição

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

O VALOR DA EVOLUÇÃO DA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

O VALOR DA EVOLUÇÃO DA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS O VALOR DA EVOLUÇÃO DA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Darci Prado, Russell Archibald e Warlei Oliveira Resumo: O objetivo deste artigo é apresentar um estudo em que se demonstra o valor da evolução

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Tutorial de Gerenciamento de Projetos Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Apresentação Erika Yamagishi Engenheira de Computação pela UNICAMP Consultora associada

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos 1 Escritório de Projetos Módulo 3 Gestão de Projetos Aluno: Humberto Rocha de Almeida Neto hran@cin.ufpe.br Professores: Hermano Perrelli e Alexandre Vasconcelos 19 de outubro de 2009 Agenda Índice do

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 2-26/04/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto. Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5

O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto. Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5 O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Introdução Níveis de gerenciamento A função de gerente de projetos

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Transformação de Negócios: a Orquestração de Serviços de Gestão 1

Transformação de Negócios: a Orquestração de Serviços de Gestão 1 Transformação de Negócios: a Orquestração de Serviços de Gestão 1 As definições tradicionais de gestão estão sendo gradualmente substituídas pelo reconhecimento de que as organizações são sistemas vivos

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 No início de 2010, após

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Orientações iniciais

Orientações iniciais 1 Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior O evento terá

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

AGILIDADE ORGANIZACIONAL

AGILIDADE ORGANIZACIONAL PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO AGILIDADE ORGANIZACIONAL Destaques do Estudo O lento crescimento econômico e as prioridades mutantes do mercado global criaram um ambiente de negócios complexo

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Eduardo Christófaro de Andrade Eng. Agrônomo Juliana Maria Mota

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 Peter Rizzon 2 Resumo: Com a crescente demanda no desenvolvimento de softwares baseados na plataforma web, as empresas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS Marcos Eduardo Andreazza Jaguaribe 1 Dr. Luiz Gonzaga Mariano Filho 1

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

AUDITORIA OPERACIONAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A BOA GESTÃO

AUDITORIA OPERACIONAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A BOA GESTÃO SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE CONTROLADORES SOCIAIS E OUVIDORIA INTINERANTE AUDITORIA OPERACIONAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A BOA GESTÃO Kassandra Saraiva de Lima Auditora de Controle Externo A atualidade tem

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Workshop de Engenharia de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Workshop de Engenharia de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Auxiliar

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA DESENVOLVIMENTO, IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E GERENCIAMENTO DA SOLUÇÃO GRP DO MUNICÍPIO

Leia mais

INTRODUÇÃO A PROJETOS

INTRODUÇÃO A PROJETOS INTRODUÇÃO A PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GESTÃO DE PROJETOS Gestão Ágil de projetos Gestão de projetos com PMBOK GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS GESTÃO ÁGIL

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Gerenciamento de Qualidade Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Introdução Melhoria nos níveis gerais de qualidade de software nos anos recentes. Diferenças em relação ao gerenciamento da qualidade na manufatura

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT Mestrando CARLOS C. MASCARENHAS - PG Mestrando ANTONIO RAMALHO DE S. CARVALHO - PG Orientadora Profa. Dra. GLADIS CAMARINI mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Palestra 03 O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Gerente de Projetos O ICBV3 DA IPMA COMO INSTRUMENTO PARA A AUTO AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO GERENTE DE

Leia mais