COOPERATIVAS DE SEGUROS DE AUTOMÓVEIS Gerenciando um novo ramo de negócio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERATIVAS DE SEGUROS DE AUTOMÓVEIS Gerenciando um novo ramo de negócio"

Transcrição

1 COOPERATIVAS DE SEGUROS DE AUTOMÓVEIS Gerenciando um novo ramo de negócio Flávio Henrique de Oliveira Javier Batista de Sá Júlio Cesar Andrade Nilton José Ferreira Roberto Januário Ronilson Esteves Santos Belo Horizonte Maio de 2008

2 Flávio Henrique de Oliveira Javier Batista de Sá Júlio Cesar Andrade Nilton José Ferreira Roberto Januário Ronilson Esteves Santos COOPERATIVAS DE SEGUROS DE AUTOMÓVEIS Gerenciando um novo ramo de negócio Orientadora: Professora Maria Helena Michel Relatório final do projeto interdisciplinar apresentado ao Curso de Administração da Faculdade Novos Horizontes como requisito parcial para aprovação nas disciplinas do 2º. Semestre letivo. Belo Horizonte Maio de

3 RESUMO Este projeto busca analisar os conceitos principais de gerente e gerencia e suas aplicações dentro das organizações. Tendo como objetivo de pesquisa principal as cooperativas onde foram apresentadas suas características principais, sua historia juntamente com sua funcionalidade. O referencial teórico teve como tema principal cooperativa de seguro de automóveis com o objetivo de analisar sua função principal, através de avaliação de estudos específicos analise de informações, entrevistas e visita a uma cooperativa de seguro de automóveis. Os resultado foram analisados com foco especificando o tema seguro de cooperativas de automóveis que trouxeram informações de como funciona sua administração, as praticas realizadas e seu objetivo, buscando verificar seus benefícios e desvantagens. 3

4 SUMÁRIO RESUMO 1 INTRODUÇÃO REFERNCIAL TEÓRICO Gerência Gerente Organizações Cooperativas Cooperativa de seguro de automóveis METODOLOGIA ANALISE DE DADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE A - Roteiro da entrevista

5 1 INTRODUÇÃO Apresenta-se, neste trabalho, o relatório final do projeto Interdisciplinar, desenvolvido no 2º período do curso de Administração da Faculdade Novos. Horizontes, que teve como tema Gerencia e Gerentes, optando o grupo por discutir o tema sob a visão das Cooperativas de veículos. Sabe-se que as cooperativas são uma forma de organização moderna, na qual os cooperados são os próprios donos, ou seja, todos compartilham as decisões (lucros ou prejuízos) A proposta básica desse tipo de organização é a possibilidade de que as pessoas envolvidas (cooperados) repartam entre si as atividades de produção e a distribuição dos lucros, alem da solução dos problemas comuns. Do nome pode-se compreender que a base para funcionar uma cooperativa é a colaboração, e é o que acontece em uma cooperativa de veículos. Optou-se por esse tema devido ao fato de o mesmo ser um assunto que rege interesses de praticamente toda a população que possui veículos. Devido ao grande aumento das taxas de um seguro privado, os seguros de cooperativas se tornaram uma alternativa bastante viável para a população, que nem sempre possui condições de adquirir um seguro privado. Embasado nos dados acima, foram criadas as questões de pesquisa: Como funcionam as cooperativas? Quais as dificuldades enfrentadas pelos gerentes dessas cooperativas? Diante disso, elaboram-se alguns objetivos para a pesquisa. O geral é discutir os principais aspectos conceituais relativos às cooperativas, enquanto forma de organização.em mais detalhes, as cooperativas de seguros de automóveis. OS Específicos foram definidos: 1. Identificar as vantagens e desvantagem da participação em cooperativas de seguro de automóveis. 2. Verificar as competências necessárias para gerenciar uma cooperativa de seguro de automóveis. 3. Identificar os desafios que esse tipo de organização enfrenta. 5

6 2 REFERECIAL TEÓRICO 2.1 Gerencia O trabalho do dirigente consiste em tomar decisões, estabelecer metas, definir diretrizes e atribuir responsabilidades aos integrantes da organização, de modo que as atividades de planejar, comandar, coordenar, e controlar estejam numa seqüência lógica, (FAYOL citado por MAXIMIANO, 2004 pág.48). Com isso, o autor acima quis dizer que o dirigente é responsável pelas decisões que serão tomadas na organização, onde ele tem que cumprir etapas e procedimentos para que tudo ocorra dentro dos parâmetros necessários. afirmação: Para o propósito desse trabalho torna-se importante mostrar a seguinte A gerência é importante em pelo menos em dois pontos. No primeiro ela pode melhorar a produtividade, bem como a economia e no segundo pode ajudar a organização a atender as prioridades competitivas dos clientes. (JAMES 1999, pág.465). O autor mostra que a organização pode melhorar sua lucratividade e também trazer a excelência no atendimento ao cliente e nas exigências que são formadas pelos mesmos. Um bom exemplo seria um cooperado que tem seu veículo segurado em uma determinada cooperativa de seguro de automóveis, e quando ele vier a sofrer um sinistro, se o mesmo tiver um acompanhamento diferenciado, com certeza a organização terá a credibilidade de seu cliente que será sempre fiel a ela. Nesse contexto, o processo decisório organizacional tende a ser visto como um conjunto de relações ordenadas para se adaptar às variações ambientais e atingir fins predeterminados. As organizações passam, então, a ser retratadas como seres racionais, adaptativos, potencialmente harmoniosos e até inteligentes (MOTTA pág. 64) O autor afirma que o processo decisório tem que estar sempre flexível para ajudar as organizações nas mais difíceis situações para sempre dar um resultado positivo, assim fazendo que o gerenciamento sempre seja coordenado com racionalidade e objetividade. Motta (1995) afirma que, para o gerenciamento seguir nas condições de flexibilidade e racionalidade, o responsável tem que adquirir um treinamento gerencial que constitui uma oportunidade de desenvolvimento pessoal, onde mostrará o individuo uma nova visão de si próprio, de sua careira, de seu futuro e de sua organização, também mostrando para ele os mitos e as verdades sobre a função de um dirigente. 6

7 QUADRO 1: Mitos e Verdades mais Comuns sobre as Funções do Dirigente Fonte: Motta, 1995 pág,60. O autor expõe seu conceito sobre algo que parece ser simples em primeira instancia, ou seja, quando se analisa superficialmente. Mas, quando a se estuda a fundo sobre o assunto, pode-se perceber que o trabalho do gerente é muito mais complexo e difícil de cumprir do que se imagina. 7

8 2.2 Gerente Gerente é o líder que demanda a confiança de seus subordinados, é solicito a seus desejos e desenvolvimento, ao mesmo tempo em que desenvolve os recursos matérias de modo a alcançar alta eficiência das operações dos subordinados. (SILVA, 2002, pág.261). Com isso o autor afirma que o conceito apresentado de gerente é a pessoa que exerce liderança, e toma decisões necessárias. Desenvolve planejamento e controle nas execuções dos trabalhos de seus subordinados bem como transmite confiabilidade nas suas decisões. Segundo Silva (2002), para ser um gerente eficaz, ele tem que desenvolver habilidades de gerenciamento de pessoas para obter o sucesso. A liderança eficaz inclui perfil, condicionamento, experiência, treinamento, comunicação objetiva, sendo que só ocorre quando a liderança de sucesso resulta em comportamento funcional. Silva (1992), afirma que a pessoa para ser um gerente de sucesso é necessário muito mais do que um planejamento e controle das tarefas, é preciso influenciar motivando o comportamento de todo o grupo de subordinados. O sucesso do líder pode ser devido parcialmente a certos traços de personalidade ou do seu comportamento, mas também e determinado por quão bem aquelas abordagens atendem as necessidades dos subordinados e as características da situação.(silva, 2002, pág.263) O conceito do autor demonstra que o líder deve apresentar uma personalidade que motiva e contagia, apresentado planos e tarefas, adequadas ao momento oferecendo um ambiente de trabalho aceitável aos seus subordinados. O desenvolvimento de competências gerenciais se alinha ao objetivo mais amplo de tornar as organizações do terceiro setor melhor preparadas para enfrentar os desafios atuais e futuros. Em termos genéricos, poderíamos dizer que toda organização necessita de quadros com as seguintes competências gerenciais básicas:liderança, persuasão, trabalho em equipe, criatividade, tomada de decisão, planejamento e organização e determinação. (REIS,2008,pág.13) O autor destaca para que para uma pessoa ser um bom gestor é preciso ela obter varias competências gerenciais que o auxiliarão em seu desempenho dentro da organização. 8

9 2.3 Organizações Uma organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Por meio de uma organização torna-se possível perseguir e alcançar objetivos que seriam inatingíveis para uma pessoa. Uma grande empresa ou uma pequena oficina, um laboratório ou o corpo de bombeiros, um hospital ou uma escola são todos exemplos de organizações, (MAXIMIANO,1992 pág. 40) Para o autor uma organização é basicamente uma instituição que visa atender varias pessoas, lembrando que em uma organização cada pessoa tem sua função estabelecida que seriam os cargos, para alcançar um objetivo em grupo onde uma pessoa sozinha não daria conta de exercer todas funções. Maximiano (1992), explica que uma organização é constituída pelo conjunto de empregados que nela exercem suas funções, pelo maquinário, pelo dinheiro aplicado. Então a organização é formada pela soma de tudo isso que, no final ira, disponibilizar um determinado produto ou serviço, mostrando que a organização é voltada somente para um objetivo, que seria o seu crescimento. 2.4 Cooperativas Carneiro (1981) destaca que o foco do cooperativismo é identificar os interesses, idéias, necessidades com o intuito de se obter benefícios satisfatórios a todo grupo. Segundo Carneiro (1981), para oferecer o serviço de melhor qualidade existe alternativa de se buscar empresas que tenham serviço necessário como sua atividade principal, oferecendo um serviço de qualidade e especializada. Com isso a terceirização torna-se uma alternativa que traz conforto e comodidade as organizações. Carneiro (1981) destaca este conceito dando ênfase à redução de custos com a mão de obra, já que os cooperados são os donos do próprio negocio, gerando assim um maior comprometimento com a organização, pois há uma divisão direta do resultado e das responsabilidades econômico-financeira do negocio.com isso obtém-se um aumento real da produtividade redução de custo final do serviço, proporcionando competitividade das empresas e conseqüentemente gerando novos postos de trabalho. Para Carneiro (1981), a historia da cooperativa está relacionada com as necessidades de se alavancar a economia das pequenas organizações. Objetivando o crescimento e trazendo benefícios comuns a todo grupo, com praticas satisfatórias, e como uma administração eficiente. 9

10 2.4.1 Cooperativa de seguro de automóveis Devido à procura de referências teóricas sobre o assunto cooperativa de seguro de automóveis, tornou-se como referências para este item o texto (APPROVA citado por COSTA), que normatiza o funcionamento de uma seguradora de veículos. Uma cooperativa de seguro de automóveis é uma associação de proteção aos veículos automotores e é uma instituição sem fins lucrativos formados por pessoas idôneas e comprometidas umas com as outras, com a finalidade de proteger seus veículos, com alta eficiência e baixo custo.(costa, 2005, pág.01). Segundo o autor uma cooperativa de seguro de automóveis não possui fins lucrativos e tem como objetivo atender pessoas que necessitam de um seguro com preço mais acessível. Uma cooperativa de seguro de automóveis funciona, através de um sistema arrojado de rateio dos prejuízos ocorridos entre os associados, e pela capacidade de proporcionar soluções e respostas em tempo abreviado. (COSTA, 2005, pág.01). O autor afirma então, que uma cooperativa no segmento de seguros de automóveis, divide os prejuízos ocorridos no mês com os associados. Costa (2005) demonstra que os custos são divididos entre os associados de acordo com o valor do veículo, equilibrando as despesas de cada associado. O avanço tecnológico trouxe conforto e comodidade em muitos aspectos da vida moderna. Porém, assistimos a um avanço sem precedentes da violência nos grandes centros urbanos, sobretudo, no trânsito.(costa, 2005, pág.02).segundo o autor o avanço da tecnologia trouxe também o aumento da violência. Daí a visão de uma cooperativa de seguro de automóveis, mostrando que é possível uma maior segurança quanto à propriedade dos veículos de seus associados, dando-lhes a garantia de um prestação de serviço de alta qualidade e baixo custo.(costa, 2005, pág.02). Segundo o autor uma cooperativa de seguro de automóveis proporciona aos seus associados um seguro compatível e com baixo valor. A missão de uma cooperativa de seguro de automóveis, é proteger os veículos de seus associados, entendendo que um patrimônio adquirido, mais do que um bem material, é um testemunho público do esforço e empenho de cada um (COSTA,2005,pág 3). O autor entende que é de vital importância a proteção de um bem, que é conquistado com bastante esforço. 10

11 Costa (2005) afirma que o foco no cliente é a razão da existência do sucesso. O autor mostra que uma cooperativa de seguro de automóveis é uma associação vencedora, que alcança os objetivos previstos. O foco principal da associação e o tempo de resposta abreviado, visão á curto e longo prazo, manutenção pelo máximo de tempo de posições liderança de mercado, orientação e determinação para proporcionar soluções, busca de crescimento organizacional, estrutural e novos investimentos. (COSTA, 2005, pág.05) Conforme informa o autor uma cooperativa de seguro de automóveis prática uma sistemática de crescimento bem administrada, com o objetivo de se alcançar o sucesso máximo. Conforme o autor os associados se uniram com um objetivo em comum, que seria cobertura total para os seus veículos. É cobrada de todos os associados uma mensalidade, por cada veículo cadastrado junto à cooperativa a titulo de despesas administrativas e demais custos relativos à manutenção da instituição. Esta mensalidade dependerá do valor do veículo cadastrado, conforme a tabela Abaixo: (COSTA, 2005, pág.11). TABELA 1: Tabela de mensalidades de veículos Valor do veículo Índice de rateio Mensalidade Até R$ ,00 1 R$ 15,00 De R$ ,00 até R$ 1,5 R$ 22, ,00 De R$ ,01 até R$ 2 R$ 30, ,00 Fonte: Costa, 2005 pág,15. Costa 2005 explica que para se tornar mais justos os valores das parcelas, cada associado paga um valor proporcional ao valor do seu veículo. 11

12 3 METODOLOGIA Este projeto teve como objeto de pesquisa as cooperativas de seguro de automóveis. Para isso foi selecionada uma empresa no ramo das cooperativas de seguros de automóveis cujo nome é APPROVA.O propósito dessa pesquisa é conhecer um pouco mais sobre os objetivos de uma cooperativa de seguro de automóveis e a função de um gerente dentro dela. Para a realização dessa pesquisa foram selecionadas duas pessoas dessa determinada empresa, sendo a primeira um gerente financeiro e a outra pessoa é um cooperado dessa mesma organização. Após a seleção dessas duas pessoas optou-se por caracterizar a pesquisa de campo que (segundo Fachin 2001 pág.133). Se detém na observação do contexto a principio um fato social, que passa a ser examinado, e posteriormente, é encaminhada para explicações por meio dos métodos e das técnicas específicas, em uma pesquisa descritiva e qualitativa que (segundo Fachin 2001 pág. 82). É caracterizada por seus atributos e relacionam os aspectos não somente mensuráveis, mas também definidos descritivamente. Visando alguns conceitos sobre a cooperativa. Em seqüência foram elaboradas algumas perguntas que serviram para coleta de dados em forma de uma entrevista, e esta entrevista foi analisada de modo comparativo que (segundo Fachin 2001 pág. 37). consiste em investigar coisas ou fatos e explicá-los segundo suas semelhanças e suas diferenças. Onde realizamos primeiramente a entrevista com o gerente financeiro da APPROVA e em segundo com cooperado embasados nas respostas do gerente. Fazendo uma síntese de toda metodologia realizado neste projeto, podese concluir que ele foi realizado em cinco momentos, onde no primeiro momento elaboramos a tematização, justificativa, problematização, e os objetivos. No segundo momento foi realizado o referencial teórico, no terceiro a pesquisa de campo, em seguida analise dos dados e por final apresentação oral e teatro. 12

13 4 ANALISE DE DADOS A pesquisa realizada é referente a uma cooperativa de seguro de automóveis na qual o seu nome é APROVA. Onde foram entrevistadas duas pessoas, um gerente financeiro Sr. Dennis Costa que será mencionado na entrevista como o ENTREVISTADO 1, e a outra pessoa é o segurado Sr. Helder Fernandes Filho dessa mesma cooperativa que será mencionada na entrevista como ENTREVISTADO 2. Baseado nessa pesquisa o ENTREVISTADO 1. exalta as vantagens de se obter um seguro de cooperativa. Uma das vantagens em participar de uma cooperativa é em relação ao custo beneficio, e pode ser pago em até 12 vezes mais barato a mesma cobertura e os mesmos benefícios de uma seguradora convencional. O ENTREVISTADO 2. também concorda com alguns conceitos que foram citados pelo entrevistado 1 A maior vantagem encontrada em uma cooperativa cooperativa de seguro de automóveis é em relação à diferença de preço de uma cooperativa para uma seguradora privada. O ENTREVISTADO 1.Procura também expor os objetivos da APPROVA,que tem como objetivo primordial conferir a proteção e segurança dos automóveis e seus associados,por meio de repartição entre os associados de eventuais prejuízos materiais nestes bens em função da utilização dos mesmos que sejam causados por,acidentes,furto qualificado ou roubo de acordo com as normas estabelecidas pelo seu regulamento.diante destes objetivos apresentados o ENTREVISTADO 2 elogia a cooperativa em relação ao cumprimento dos objetivos Creio que os objetivos são cumpridos pois a única vez em que precisei, quando meu carro estragou e precisei de um reboque eles foram pontuais e responsáveis em relação a seus objetivos. O ENTREVISTADO 1.Fala um pouco sobre os aspectos que são predominantes para o surgimento de uma cooperativa de seguro de automóveis o surgimento de uma cooperativa de seguro de automóveis vem através dos outros custos oferecidos pelas seguradoras convencionais,e pessoas que tem veículos mais antigos,ficando inviável fazer a proteção por meio de uma seguradora convencional. Houve uma coincidência na resposta do ENTREVISTADO 1 com a do ENTREVISTADO 2 que respondeu o seguinte. Pelo meu ponto de vista as seguradoras privadas tem oferecido preços exorbitantes e de difícil acesso para algumas pessoas,por isso a necessidade da criação de uma alternativa que no caso temos as cooperativas de seguro de automóveis 13

14 Em consenso com as respostas dos entrevistados entende-se que ao adquirir um seguro de cooperativas as pessoas, estarão adquirindo um produto que é similar ao original com as mesmas vantagens e com preços mais acessíveis e de grandes vantagens para a população que possui veículos. Foi questionada ao ENTREVISTADO 1.sobre a habilidade necessária para gerenciar uma cooperativa de seguro de automóveis que expôs da seguinte forma os seus conceitos Não necessariamente necessita de habilidades diferenciadas mas, muito respeito e dedicação e principalmente levar a sério àquilo que faz Ao ENTREVISTADO 2.Foi exposta a habilidade necessária para um gestor e questionado se o gerente da APPROVA detinha essas habilidades. Não acredito que seja tão difícil gerenciar uma cooperativa, mas claro que você tem que possuir alguns aspectos diferenciados e do que eu pude conhecer do gerente da APPROVA ele é muito competente e inteligente no cumprir de suas ações O ENTREVISTADO 1.Obteve o mesmo raciocínio e conceito do ENTREVISTADO 2 quanto à dificuldade em gerenciar uma cooperativa. Não há dificuldade em gerenciar uma cooperativa, pois, a maior preocupação de um gestor é em relação aos lucros e prejuízos e na nossa associação nos rateamos o real, ou seja, somente o que acontece em termos de prejuízos, de forma que não trabalhamos com fundo de caixa para eventuais problemas que podem acontecer. Os entrevistados colocam de forma simples o gerenciamento de uma cooperativa, expondo as suas opiniões de forma contraria ao que se constata no referencial teórico que mostra que para gerenciar qualquer organização são necessárias varias habilidades como planejar, organizar, liderar e controlar. O maior desafio encontrado para a criação de uma cooperativa pelo ENTREVISTADO 1 é sobre a confiabilidade de um novo projeto no segmento de seguro de automóveis no qual ainda não tinha sido testado. O ENTREVISTADO 2.Também vê a confiabilidade como maior obstáculo em criar uma cooperativa Criar algo é fácil, difícil é saber se vai dar certo e se vai ser como os criadores imaginaram e o pior de tudo é que não depende só da organização, depende também do público que irá adquirir um determinado produto. Os principais desafios encontrados no segmento de cooperativa segundo o ENTREVISTADO 1 além da concorrência são os órgãos fiscalizadores. SINCOR-MG e o SUSEP órgãos que fiscalizam as seguradoras devido a grande baixa na cartela de clientes das seguradoras houve um problema jurídico onde é questionada a finalidade 14

15 das associações, dizendo que somos seguros disfarçados, onde queremos recolher os impostos do qual somos isentos. O ENTREVISTADO 2.Mesmo assim continua baseado seu conceito sobre os desafios na confiabilidade. O maior desafio que eu vejo que as cooperativas enfrentam e a confiabilidade pois todos os meus amigos ficam receosos em adquirir um seguro de cooperativa. Sobre a questão da evolução da cooperativa APPROVA o ENTREVISTADO 1 observa de forma positiva a evolução se deve pelas pessoas adquirir confiança no projeto por causa de um trabalho sério,dedicação,competências e respeito que criamos entre as associações que se estalaram após a APPROVA. O ENTREVISTADO 2.Também vê uma grande evolução da APPROVA. Vejo ela evoluindo bastante, pois como já falei várias pessoas ficam receosas em adquirir um seguro de cooperativa, mas a APPROVA vem quebrando esta barreira e mostrando que as pessoas devem confiar em um seguro de cooperativa e que eles são de grande válida para a população. É possível entender a queixa do gerente em relação aos desafios, e isso pode ser comprovado através do próprio cooperado que mesmo com pouco conhecimento sobre os desafios, pode detectar o principal deles, que é a relação da confiabilidade da população para com as cooperativas, esse dentre outros problemas vem sendo os grandes obstáculos no caminho das cooperativas de seguro de automóveis. 15

16 CONCLUSÃO Ao decorrer do desenvolvimento desse projeto foi possível obter informações baseada na teoria de autores de renome na área da administração, como os conceitos de gerencia, gerente, as funções necessárias para gerenciar uma organização, alguns conceitos sobre organização, conceito sobre o que é uma cooperativa e o que é uma cooperativa de seguros de automóveis. Foi possível também obter a resposta do problema proposto na introdução, sobre como funcionam as cooperativas? Questão respondida da seguinte forma. As premissas do cooperativismo são: identidade de propósito e interesse; ações conjuntas, voluntárias que objetivam para a coordenação de contribuição e serviços; obtenção de resultado útil e comum a todos. Outro problema proposto foi sobre as dificuldades enfrentadas pelos gerentes dessas cooperativas, respondido de forma simples pois não foi encontrada nenhuma dificuldade em gerenciar uma cooperativa pois a maior preocupação de um gestor é em relação aos lucros e prejuízos e nas cooperativas eles trabalham de forma de rateamento e não com um fundo de caixa. Outra conclusão que se pode obter foi sobre o alcance dos objetivos, que possui como objetivo geral os conceitos relativos à cooperativa e cooperativa de seguro de automóveis. Pois no referencial teórico foi detectado através de alguns autores conceitos sobre o objetivo proposto. Em seguida, alguns objetivos específicos, sobre as vantagens e desvantagens da participação das cooperativas de seguro de automóveis. E pode-se analisar a confiança em uma cooperativa, pois possui as mesmas coberturas e benefícios de uma seguradora convencional, mas com preços mais acessíveis. O outro objetivo especifico está relacionado com as competências necessárias para gerenciar uma cooperativa de seguro de automóveis onde se concluiu através da pesquisa de campo que é necessário obter habilidades diferenciadas para administrar uma cooperativa de automóveis, sendo um gestor com ações ordenadas e planejadas, preocupar com as políticas e diretrizes da instituição, ter um trabalho programado com algumas fases previsíveis relacionadas com os problemas, programar objetivos e metas, reunir-se para resolver problemas, saber analisar relatórios diversos e manter um comportamento formal. E por ultimo identificar os desafios que essas organizações enfrentam. E foram detectados alguns desafios onde dois se sobressaem sendo o primeiro a confiabilidade de segurar o veículo em uma cooperativa e o segundo se refere às fiscalizações que tentam acabar com as cooperativas. 16

17 Diante dos conceitos expostos no projeto foi possível esclarecer varias duvidas sobre o assunto, e concluir que a cooperativa é uma alternativa segura e confiável que obtemos para escapar dos grandes preços impostos pelas seguradoras privadas. 17

18 REFERÊNCIAS Bureau Internacional du Travil. Curso de educação operaria. Lisboa, F.D.T 1971 CARNEIRO,Palmyos Paixão. O principio cooperativo e a força social do trabalho. 14.ed. Belo Horizonte, fundec, NORONHA, Adolfo Vasconcelos. Cooperativismo. São Paulo, Capolo, MAXIMIANO, Antônio César A. Introdução a Administração, 3ª ed. São Paulo, Editora Atlas, SILVA, Reinaldo Oliveira.Teorias da Administração, S.P: Pioneira Thomson Learning , 261 e

19 APÊNDICE A Roteiro da entrevista Para essa pesquisa foram elaboradas as seguintes perguntas para o gerente: 1.Em sua opinião quais as vantagens oferecidas a um associado de uma cooperativa de seguro de automóveis? 2.Quais os principais objetivos de uma cooperativa de seguro de automóveis? 3.O que você considera em aspecto predominante para o surgimento de uma cooperativa de seguro de automóveis? 4.Quais as habilidades necessárias para gerenciar uma cooperativa de seguro de automóveis? 5.Você encontra alguma dificuldade em gerenciar uma cooperativa? 6.Qual a maior dificuldade encontrada na criação dessa cooperativa? 7.Quais desafios você considera interventoras no seguimento de uma cooperativa? 8.Como você vê a evolução desta associação em relação às problemas enfrentados? E para o cooperado foram elaboradas as seguintes perguntas: 1.Em sua opinião quais as vantagens oferecidas a um associado de uma cooperativa de seguro de automóveis? 2.Uma cooperativa de seguro de automóveis passa os seguintes objetivos.conferir a proteção e segurança dos automóveis e seus associados, por meio de repartição entre os associados de eventuais prejuízos materiais nestes bens em função da utilização dos mesmos que sejam causados por, acidentes, furto qualificado ou roubo de acordo com as normas estabelecidas pelo seu regulamento. Você acha que esses objetivos são cumpridos em relação ao atendimento do cooperado? 3.O que você considera um aspecto predominante para o surgimento de uma cooperativa de seguro de automóveis? 4.As habilidades necessárias para um gestor são planejar, organizar, liderar e controlar Você acha que o gestor da APPROVA possui essas qualidades ao gerenciar esta cooperativa? 5.Você acredita que as cooperativas enfrentam algum desafio em seu segmento? 6.Você vê alguma dificuldade em criar uma cooperativa. Quais? 7.Você vê alguma evolução na associação, a qual você participa? Ou pelo contrário você vê a decadência dela? 19

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

VARIAÇÃO MISTA: RELEVÂNCIA E TÉCNICA DE MENSURAÇÃO

VARIAÇÃO MISTA: RELEVÂNCIA E TÉCNICA DE MENSURAÇÃO VARIAÇÃO MISTA: RELEVÂNCIA E TÉCNICA DE MENSURAÇÃO Área Temática: (2) Controladoria e Contabilidade Gerencial Ramificação da área temática: (b) Contabilidade de Custos RUBENS FERREIRA DA COSTA UNIVERSIDADE

Leia mais

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 da Techint Engenharia e Construção Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 15 de Julho de 2008 Missão Nossa missão é agregar valor aos nossos acionistas e clientes através da prestação de serviços de Engenharia,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação.

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação. RELACIONAMENTO ENTRE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO: OS FATORES CRÍTICOS SOBRE O COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL NA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO. José Aparecido Moura Aranha

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II custos2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Gerência de Custos em Enfermagem GRECO, Rosangela

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Roteiro para elaboração de projetos 1

Roteiro para elaboração de projetos 1 1 Roteiro para elaboração de projetos 1 O objetivo aqui é que vocês exercitem a criatividade, a atitude empreendedora, a inteligência emocional (liderar e ser liderado) e a responsabilidade (individual

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I

Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I Gestão Colegiada Os aspectos que definem o grau de responsabilidade de uma instituição são: 1 - A conformação da agenda do gestor: isso significa que um

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS

APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS APÊNDICES APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS Este roteiro de perguntas foi estruturado com a função de cumprir o objetivo geral de descobrir a realidade das assessorias e agências dentro do mercado londrinense.

Leia mais

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Diego Begot da Silva Dantas Francisco Mateus da Costa Mota Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt Disciplina: Governo Eletrônico/EGC/UFSC Professores: Dr. Aires Rover e Dr. Denilson Sell Equipe: David Lemos, Luiza

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

O GERENTE DA PEQUENA EMPRESA: ALGUMAS DISCUSSÕES DESCONCERTANTES

O GERENTE DA PEQUENA EMPRESA: ALGUMAS DISCUSSÕES DESCONCERTANTES O GERENTE DA PEQUENA EMPRESA: ALGUMAS DISCUSSÕES DESCONCERTANTES Luciana de Oliveira Miranda Gomes Mestre em Administração Pública Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Administração Campus

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

O ADVOGADO GESTOR. A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker

O ADVOGADO GESTOR. A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker O ADVOGADO GESTOR Ari Lima A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker A competitividade atualmente no setor jurídico tem exigido uma nova postura profissional dos advogados. Tanto para

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Contexto Durante a história recente, as percepções públicas a respeito da indústria automobilística tem reagido de acordo com eventos e marcos globais

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais: princípios, tipos, apoio a decisão Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS 2014 19010-080 -Presidente Prudente - SP 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Prof.ª Adriana Maria André,

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Franclin Michel Vasconcelos GONÇALVES 1 Lucas De Paiva ANDRADE 2 Pillar Caldeira SETIN 3 Nadia bosso FERNANDES

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais