Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte"

Transcrição

1 Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Sebastião Florêncio Pereira Neto CRMV-SP Itabom - SP

2 Pontos Primordiais para a Produção de Frangos de Corte Genética Sanidade Nutrição Estrutura do Aviário Manejo Ambiência Bem-estar

3 Busca pelo conforto térmico: Ambiência adequada para cada fase da ave Calor: consumo de ração gastos metabólicos (homeostase) mortalidade de Frangos consumo de água trânsito intestinal C.A. e I.E.P. Custos de Produção Frio: consumo de ração gastos metabólicos (homeostase) mortal. de pintinhos refugagem consumo de águadesidratação C.A. e I.E.P. Custos de Produção

4 Benefícios do Sistema de Pressão Negativa Sistema de climatização automatizado; Melhor uniformidade de vento; Menor velocidade de vento; Remoção + eficiente do ar; Sistema eficiente de pré-resfriamento do ar; Redução na amplitude térmica; Menor influência do ambiente externo; Melhores condições para renovação de ar nos pinteiros; Melhor expressão do potencial genético e nutricional; Possibilidade de aumentar a densidade de aves alojadas.

5 PONTOS CRÍTICOS

6 Construção do Aviário Dimensionamento: Orientação técnica; - Galpão - Equipamentos Não depender exclusivamente dos vendedores de equipamentos; Desenvolver um padrão desejado para atender as necessidades da empresa.

7 Galpão Comprimento Largura Altura

8 Comprimento do Aviário Aviários mais longos otimizam a construção de aviários pressão negativa; Os custos com a climatização do aviário independem do comprimento do mesmo; Fator limitante: qualidade do ar Após 145 metros de percurso do ar, no interior do aviário, a qualidade do mesmo fica intolerável para as aves; concentração de calor, umidade, CO2, NH3 e poeira; Comprimento limite: máximo 150 metros.

9 Largura do Aviário Aviários + largos possuem menores custos de construção por m²; No entanto, quanto mais estreito for o barracão melhor a uniformidade de ar; Aviários com largura acima de 14 metros necessitam de entrada de ar frontal adicional, que proporcionam desuniformidade de vento, principalmente no primeiro terço do galpão; Aviários + estreitos tem apresentado melhores índices zootécnicos, como C.A., C.A.C. (2,4 Kg) e I.E.P.

10 RESULTADOS X LARGURA LARGURA N TOT. AVES N VIAB. MORT. IDADE PESO G.P.D. C.A. I.E.P. C-2,40 AVIÁRIOS INTEG. ALOJADAS LOTES % % MÉDIO 10 METROS ,58 2,42 45,16 2,769 61,44 1, ,65 12 METROS ,48 2,52 44,67 2,774 62,09 1, ,63 13 METROS ,22 3,78 45,06 2,672 59,29 1, ,73 14 METROS ,31 2,69 44,58 2,661 59,69 1, ,69 16 METROS ,15 4,85 45,72 2,731 59,73 1, ,73 RESULTADOS REFERENTES AO PERÍODO DE 01/01/2009 A 31/12/2010

11 Altura do Aviário Granjas + altas possuem desvantagens econômicas; Possuem maiores gastos para resfriamento e aquecimento por ave alojada; Aumento da área sem proporcionar maior capacidade de alojamento; Fator limitante: carregamento das aves trabalho com tratores Alturas mais utilizadas: 2,5 a 2,8 metros.

12 Secção transversal Largura x altura; O cálculo do número de exaustores depende exclusivamente da secção transversal; Reduzir a área de ar a ser removida, resfriada e aquecida, torna o sistema mais eficiente e com menor custo de implantação.

13 Exaustores Cálculo do número de exaustores: Altura x largura x velocidade do vento (m³/min) Capacidade do exaustor (m³/min) Velocidade máxima de vento desejada: - 3 m/seg x 60 = 180 m/min Capacidade do exaustor: - sob pressão estática de 0,10 wc; - mínimo 5% a menos do que a capacidade nominal; - qualquer tipo de obstáculo em frente aos exaustores pode prejudicar a eficiência dos mesmos.

14

15 Exemplo: Aviário: 150 x 14 x 2,7 Capacidade do exaustor = 580 m³/min 14 x 2,7 x 180 = 6804 = 11,73 (12 exaustores) Observações: - Os exaustores devem ser posicionados a uma altura de 40 a 60 cm do nível do piso; - Quando necessários exaustores laterais, estes devem respeitar uma distância mínima de 2 metros do final do aviário.

16

17 Ventilação O número de exaustores deve ser calculado baseado na velocidade de vento de 3m/s; Verão quente e úmido = necessidade de maior velocidade de vento para evaporação da umidade; Cuidado: excesso de vento irá causar desconforto as aves (decúbito); A ventilação deve ser acionada gradativamente, ou seja, no maior número de grupos possível.

18

19

20

21 Painel de controle Número de grupos: - Ventilação: 6 a 10 - Nebulização interna: 2 - Resfriamento do cooling: 1 Acionamento automático da cortina: - por grupo - pressão estática Ventilação mínima: - por módulo ou tempo desligado - porcentagem ou tempo ligado Sistemas de proteção: - aterramento, alarmes, bateria, desarme de cortina.

22 Controle da ventilação REGULAGENS DO CONTROLADOR PRESSÃO NEGATIVA COOLING DE TIJOLO GRUPOS DE VENTILAÇÃO NEBULIZAÇÃO COOLING ALARME DIAS G1 G2 G3 G4 G5 G6 G7 G8 G9 G10 NEB 1 NEB 2 VER. INV. Acel. MÁX MÍN Hist 1 A , A , , , , REGULAGENS DO CONTROLADOR PRESSÃO NEGATIVA COOLING DE CELULOSE GRUPOS DE VENTILAÇÃO NEBULIZAÇÃO COOLING ALARME DIAS G1 G2 G3 G4 G5 G6 G7 G8 G9 G10 NEB 1 NEB 2 VER. INV. Acel. MÁX MÍN Hist 1 A A , , , ,

23 Temperatura Todas as funções do painel tem como referência a temperatura desejada e a temperatura média do aviário; Para evitarmos falhas no sistema, as sondas de temperatura devem ser aferidas periodicamente.

24 Segurança

25 Particularidades do cooling Função bem definida e exclusiva: - entrada de ar - resfriamento do ar Dimensionamento de acordo com a capacidade de exaustão; Influência direta da vedação do aviário e do próprio cooling; Atenção especial com envelopes e forro; Dimensionar corretamente os bicos de nebulizadores no cooling cerâmico (1 bico/ 0,5 m² de parede); O cooling frontal deve possuir de 25 a 50% da largura do aviário.

26

27 Cálculo da entrada de ar - Tijolo Velocidade de vento desejada = 1,8 m/seg. ou 108 m/min. de passagem pelo tijolo Capacidade total = N de exaustores x capacidade = X (m³/min) dos exaustores Cap. Exaustores (m³/min) = área (m²) x 2 (50% de restrição) 108 m/min Exemplo: 12 exaustores x 580 (m³/min) = (m³/min) (m³/min) = 64 m² x 2 = 128 m² / 2,5 (altura)/ 2 (laterais) 108 (m/min) Resultado = 25 metros lineares em cada lateral do aviário

28 Sistema de resfriamento de ar eficiente

29 Não conformidades

30

31

32 Cálculo da entrada de ar - Celulose Velocidade de vento desejada = 2,0 m/seg. ou 120 m/min. de passagem pelo tijolo Capacidade total = N de exaustores x capacidade = X (m³/min) dos exaustores Cap. Exaustores (m³/min) = área (m²) 120 m/min Exemplo: 12 exaustores x 580 (m³/min) = (m³/min) (m³/min) = 58 m² /1,8 (altura) = 32 metros /2 (laterais) 120 (m/min) Resultado = 16 metros lineares em cada lateral do aviário

33

34 Pressão estática Deve ser sempre bem aferida e estável; É controlada exclusivamente pela cortina do cooling; Objetivo: - garantir a uniformidade de vento - garantir velocidade de vento em todos os pontos do aviário A pressão estática é inversamente proporcional a capacidade dos exaustores; Quanto mais largo o aviário maior a necessidade de elevarmos a pressão estática; Para trabalharmos com a pressão estática ideal é indispensável dimensionar corretamente a entrada de ar e garantir uma boa vedação do aviário.

35 Pressão estática desejada Pressão Estática Largura do aviário (WC) até 14 metros acima de 14 metros 1 ao 3 grupo 0,02 a 0,04 0,06 a 0,08 4 ao 6 grupo 0,04 a 0,06 0,08 a 0,10 7 ao 10 grupo 0,06 a 0,08 0,10 a 0,12

36

37

38 Melhoria no conforto técnico + necessidade de redução de custo de produção = n aves/m² Base de cálculo = 32 a 37 Kg/m² PM (abate) Kg/m² Exemplo = 13 aves/m² 2,500 Kg 32,5 2,850 kg 37,0 Média = 34 Kg/m² Convencional = até 32 Kg/m²

39

40 Sistema em túnel: Divisórias em Box - muita diferença de ambiência no sentido longitudinal do aviário; - Quanto mais próximo dos exaustores, maior o acúmulo de calor, poeira, NH3, CO e CO2 e menor a oferta de O2; - Migração em direção a entrada de ar; - As aves devem ser divididas em box desde o alojamento e não devem ser misturadas durante o lote; - O acúmulo de poeira nas divisórias formam barreiras, prejudicando a ventilação.

41 Relação comprimento do aviário x n de box Migração longitudinal: - Até 80 metros = 1 divisória/ 2 pinteiros - De 80 a 120 metros = 2 divisórias/ 3 pinteiros - De 120 a 150 metros = 3 divisórias/ 4 pinteiros Os boxes devem abrigar de a aves.

42

43

44 Aquecimento eficiente A renovação de ar constante exige maior demanda de produção de calor dos aquecedores; Posicionamento estratégico = ao final do terço inicial do pinteiro; Sala de pré-aquecimento; Aferir sondas da caldeira e do painel; Utilizar no mínimo 4 cortinas transversais.

45

46

47 Renovação de ar ventilação mínima Possui grande importância devido a vedação do aviário; O não acionamento da ventilação mínima promove o acúmulo de umidade, NH3 e CO2 e a redução na oferta de O2; CO2 = aves letárgicas; NH3 = problemas repiratórios e oculares; umidade = alta umidade na cama; neutraliza o efeito do aquecimento; refugagem das aves. Evitar o corte da ventilação mínima (-10 C da temp. desejada); O alarme por baixa temperatura sempre deve tocar antes do corte.

48 VENTILAÇÃO MÍNIMA IDADE MÓD. % MÓD. % ( C) ( C) IDADE MÓD. % MÓD. % ( C) ( C) (MIN) (MIN) (MIN) (MIN) CAIXA

49

50 Manejo de cortina interna Cortinas laterais: % aberta ou 100% fechada; - Proteção na parte inferior; Cortinas transversais: - Permitir a entrada e saída do ar do pinteiro somente pela abertura superior; - Não utilizar válvulas; Importante = cortina do cooling controlada por pressão estática - as cortinas transversais influenciam na leitura da pressão estática prejudicando o funcionamento da cortina do cooling; - Manter sempre uma abertura inicial mínima.

51

52

53

54

55

56

57 Plantio de árvores favorece o sistema Reduz custo com acionamento de exaustores; Melhora o conforto das aves; Inverno = custo com aquecimento; Plantio apenas para proteger o galpão do sol da tarde; Importante: quando existir o sistema de resfriamento de ar evaporativo, a entrada de ar não deve ser sombreada.

58 Reaproveitamento de cama O trabalho de fermentação deve ser eficiente; A reutilização incorreta da cama aumenta os custos de produção devido ao aumento da necessidade de renovação de ar; NH3 = gastos energéticos (exaustão e aquecimento) = refugagem = C.A. e I.E.P. Ventilação mínima = o dobro do tempo ligada; O aquecimento pode ser prejudicado.

59 Controle de luz HORAS PERÍODO DE LUX DIAS ESCURO CLARO ESCURO ( DARK) 0 A A h 01 h 20 8 A h 06 h A h 05 h A h 04 h 5 36 A h 03 h 5 41 ATÉ ABATE h 02 h 5

60 O conforto térmico não supri a necessidade do número adequado de comedouros e bebedouros Novos aviários: 1 comedouro para no máximo 40 aves (ideal 35); Limite máximo de 4 m de espaçamento entre linhas; 1 comedouro infantil para cada 70 aves; 1 bebedouro pendular para cada 70 aves; 1 bico de nipple para no máximo 8 aves/ vazão 140 ml/min.

61

62

63 Carregamento Nunca iniciar o carregamento do lado dos exaustores; Manter as divisórias para evitar o amontoamento de aves; Reduzir a intensidade luminosa; Abrir no máximo dois portões ao mesmo tempo; Carregamento noturno em caso de Dark-House.

64 Recursos humanos Perfil do produtor: - financeiro - dedicação ao empreendimento Capacitação da equipe técnica; Treinamento da mão de obra local.

65 Custos operacionais Manutenção > convencional Cama = convencional Energia elétrica convencional Aquecimento convencional Funcionário > convencional - mão-de-obra + especializada e + cara

66 INVESTIMENTO PREVISÃO DE INVESTIMENTO 1 barracão R$ Construção Cívil - Barracão 150mt x 14 mt = m² ,00 Equipamentos para granja ( Nipple) ,00 Gerador de energia elétrica ,00 Total ,00

67 CUSTO DE CRIAÇÃO Total Aves Nº Funcionários Composição Total R$ Custo Representação Histórico por Cabeça % Energia Elétrica 1.800,00 0, ,59% Gasto com Energia Elétrica no lote Aquecimento 1.200,00 0, ,72% Gasto com aquecimento Palha 2.100,00 0, ,01% 2 caminhões Mão-de-Obra 3.135,00 0, ,85% Salário R$ 950,00 + encargos 65% Manutenção Preventiva 510,00 0,0182 5,83% Gastos Extras no lote (Equipamento) Total Custo (Criação) 8.745,00 0, ,00%

68 Quitação do Investimento Aves Retornadas ======> DESPESAS Valor pago por Ave ====> R$ 0,51 Média Qtd. de Fundo de Granja => 45 ton. Custos Criação =====> R$ 8.745,00 Ton. Fundo de Granja ===> R$ 70,00 Média Total Despesas =====> R$ 8.745,00 RECEITAS Lucro % Rendimento Bruto por Lote => R$ ,00 Lucro Líquido (Lote)= R$8.113, % Venda do Fundo de Granja => R$ 3.150,00 Lucro Líquido (Mês)= R$4.056,50 Total Receitas ========> R$ ,00 Pagamento do Investimento = 7 anos e 8 meses

69 Comparação de resultados 2009/ 2010 Mortalidade Idade PM GPD CA IEP CAC Lotes Convencional 2,93 b 45, ,6 c 59,20 c b 314,27 c c 365 Pressão Negativa 2,49 a 45, ,8 b 61,23 b a 341,41 b b 106 Dark - House 2,61 ab 45, ,6 a 63,76 a a 356,61 a a 32

70 Dark-house Controle + efetivo da iluminação interna; Ponto crítico: não poder recorrer à abertura da cortina em casos de falta de energia; Risco de grandes perdas com mortalidade; Presença de risco tanto com cortina preta como com parede; Gerador automático.

71 Vantagens da parede Melhor uniformidade de vento/ menor atrito nas laterais; Melhor isolamento térmico; Redução nos custos energéticos: - resfriamento - aquecimento Melhor vedação; Redução de custos de manutenção com: - Cortina interna - Cortina externa - tela

72 Desvantagens da parede Ausência dos raios solares no interior do aviário; Maior cuidado com desinfecção; O ideal é que o piso seja concretado; Após a lavagem do aviário, existe maior dificuldade em remover a umidade de seu interior.

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82 Meia parede

83

84

85

86 Obrigado! Contatos / Telefones: /

Introdução. Conceitos. Conceitos de aviários Pressão Negativa

Introdução. Conceitos. Conceitos de aviários Pressão Negativa Conceitos de aviários Pressão Negativa Julho / 2009 Por Nilton Pedro Vieira - Vice-Presidente e Consultor Técnico de Manejo Avícola da JAPFA COMFEED INDONESIA. Introdução Diante dos desafios enfrentados

Leia mais

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Manejo de ambiência para melhor produção avícola Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Homeotermia Energia utilizada pelos homeotermos 20 % Manter a homeotermia 80% Produção ZONA DE SOBREVIVÊNCIA

Leia mais

FATORES QUE INFLUENCIAM NA ESCOLHA DA ESTRUTURA E EQUIPAMENTOS A SEREM IMPLANTADOS

FATORES QUE INFLUENCIAM NA ESCOLHA DA ESTRUTURA E EQUIPAMENTOS A SEREM IMPLANTADOS FATORES QUE INFLUENCIAM NA ESCOLHA DA ESTRUTURA E EQUIPAMENTOS A SEREM IMPLANTADOS OBJETIVO DA CRIAÇÃO ALTA PRODUTIVIDADE OU PRODUTIVIDADE NORMAL DURABILIDADE- VIDA ÚTIL DO CONJUNTO ESTRUTURA +EQUIPAMENTOS

Leia mais

MODELOS DE AQUECIMENTO

MODELOS DE AQUECIMENTO MODELOS DE AQUECIMENTO Paulo Giovanni de Abreu D.Sc. - Área de Construções Rurais e Ambiência Embrapa Suínos e Aves Introdução Nos primeiros dias de vida, o sistema termorregulador das aves ainda não está

Leia mais

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011.

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte Equipe Técnica da Turquía, Oriente Médio e África Janeiro / 2012 Resumo Introdução Melhorias

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 ARTIGO NU MERO 187 EFEITOS DA DENSIDADE DE ALOJAMENTO SOBRE A PRODUÇA O DE FRANGOS DE CORTE Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 1 Aluna do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO ISSN 0100-8862 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves Ministerio da Agricultura e do Abastecimento Caixa Postal 21, 89700-000, Concórdia, SC Telefone:

Leia mais

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Prejuízos decorrentes do manejo préabate inadequado MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Canadá: perda de 1.500 toneladas Austrália: prejuízo de U$ 20 milhões Estados Unidos: U$ 60 milhões causado pela anomalia

Leia mais

Comunicado 501 Técnico

Comunicado 501 Técnico Comunicado 501 Técnico ISSN 0100-8862 Versão Eletrônica Maio, 2012 Concórdia, SC Foto: Valdir Avila/Embrapa Custo do avicultor para a produção de frango de corte para a região de Dourados no Mato Grosso

Leia mais

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR Avaliação econômica Marcelo Miele Franco Müller Martins A suinocultura brasileira Desempenho

Leia mais

Instalações para Bovinos de Corte. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti

Instalações para Bovinos de Corte. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti Instalações para Bovinos de Corte Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti Aspectos gerais As instalações adequadas facilitam o bom manejo do rebanho, devendo ser bem planejadas, projetadas e construídas,

Leia mais

Acumulador solar de camadas Acumulador de estratificação Pro-Clean Acumulador de água fresca FS

Acumulador solar de camadas Acumulador de estratificação Pro-Clean Acumulador de água fresca FS Made in Tirol by Teufel & Schwarz Acumulador solar de camadas Acumulador de estratificação Pro-Clean Acumulador de água fresca Pro-Clean O termoacumulador inteligente com permutador térmico de esfera As

Leia mais

Manejo pré-abate de aves

Manejo pré-abate de aves Jejum Alimentar Manejo pré-abate de aves Reduz a taxa de mortalidade e evita vômito durante o transporte. Segurança alimentar: previne a liberação e a disseminação de contaminação bacterina pelas fezes

Leia mais

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo?

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo? 1. (Enem 2013) A Lei da Gravitação Universal, de Isaac Newton, estabelece a intensidade da força de atração entre duas massas. Ela é representada pela expressão: F G mm d 1 2 2 onde m1 e m2 correspondem

Leia mais

ESTADO DO ACRE Secretaria de Estado da Gestão Administrativa Secretaria Adjunta de Compras e Licitações Comissão Permanente de Licitação CPL 06

ESTADO DO ACRE Secretaria de Estado da Gestão Administrativa Secretaria Adjunta de Compras e Licitações Comissão Permanente de Licitação CPL 06 1 2 9.000btu/h só frio especificações técnicas mínimas: capacidade de refrigeração 9.000 btu/h; operação eletrônica; ciclo frio; tensão 220v/60hz; cor branca; vazão de ar mínima de 450 m³/h; corrente total

Leia mais

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Construção Metálica Escola de Minas Universidade Federal de Ouro Preto arquitetura bioclimática e desempenho térmico t de edificações Henor Artur de Souza

Leia mais

módulos solares de tubos de vácuo

módulos solares de tubos de vácuo módulos solares de tubos de vácuo benefícios Instalação simples. Amigo do ambiente. Tubos de vácuo de alta eficiência que reduzem perdas de calor. Fácil substituição individual de tubos em caso de quebra.

Leia mais

Bomba de Calor Piscina

Bomba de Calor Piscina Bomba de Calor Piscina 74 Como funciona 80 Detalhe do Sensor de Fluxo Externo 81 Características e benefícios dos produtos Heliotemp Compressor Scroll-Notadamente os compressores mais eficientes e silenciosos

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ÁREA: PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ÁREA: PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PALOTINA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ÁREA: PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE Aluna: Aline

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF.

DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF. DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF. LEÔNIDAS ALBANO LISTA DE EXERCICIOS 1) Explique as relações entre perdas/ganhos

Leia mais

Série V-500. Unidades de controle de temperatura para caminhões

Série V-500. Unidades de controle de temperatura para caminhões Série V-500 Unidades de controle de temperatura para caminhões Mais ecológico Rendimento superior Capacidade de aquecimento melhorada Confiabilidade garantida Versão Spectrum disponível Série V-500: satisfaz

Leia mais

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal BEM ESTAR DOS ANIMAIS EM TRANSPORTE REGULAMENTO 1/2005 Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal DGV REGULAMENTO 1/2005 DECRETO-LEI Nº 265/07 REGRAS DO TRANSPORTE DE ANIMAIS VERTEBRADOS TRANSPORTES

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

VISÃO GERAL DOS ACUMULADORES

VISÃO GERAL DOS ACUMULADORES ACUMULADORES VISÃO GERAL DOS ACUMULADORES Designação do tipo Acumuladores de camadas PC Acumuladores de camadas PC 2WR Acumuladores de água fresca FS 1R página 119 página 120 página 161 Acumulador combinado

Leia mais

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango 1 de 6 20/7/2009 14:35 Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango Valéria Maria Nascimento Abreu, DSc Pesquisadora Sistema de Produção de Aves - Embrapa Suínos e Aves O manejo inicial dos frangos

Leia mais

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA. Solução para o seu projeto

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA. Solução para o seu projeto SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Solução para o seu projeto Indústria brasileira KOMECO. SOLUÇÃO PARA O SEU PROJETO. FABRICANDO QUALIDADE. Os sistemas de aquecimento solar Komeco são fabricados em

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

MÁQUINAS DE CORTE E SOLDA

MÁQUINAS DE CORTE E SOLDA MÁQUINAS DE CORTE E SOLDA M-550 M-650 M-750 M-950 M-1100 M-1400 Máquinas para a confecção de sacos e sacolas plásticas de PEBD, PEAD, PEBDL, PP e BOPP. CARACTERÍSTICAS GERAIS: De construção mecânica e

Leia mais

INTENSIFIQUE CADA MINUTO DO SEU BANHO. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS POR ACUMULAÇÃO. O novo grau de conforto. LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO

INTENSIFIQUE CADA MINUTO DO SEU BANHO. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS POR ACUMULAÇÃO. O novo grau de conforto. LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO TO EN M A Ç N LA INTENSIFIQUE CADA MINUTO DO SEU BANHO. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS POR ACUMULAÇÃO LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO 00579mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:40:57 NOVIDADE

Leia mais

2 Depósito de acumulação estratificado SolvisStrato

2 Depósito de acumulação estratificado SolvisStrato 2 Depósito de acumulação estratificado SolvisStrato 2.1 Utilização e estrutura O depósito de acumulação estratificado SolvisStrato (figura à direita) foi concebido especificamente para instalações solares.

Leia mais

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS INTRODUÇÃO Galinhas poedeiras ou de postura são aquelas destinadas à produção de ovos, sendo este considerado de alto valor nutricional, podendo a sua qualidade ser influenciada

Leia mais

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC)

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC) PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN Iluminação Cores Ventilação Temperatura AMBIÊNCIA Umidade Ruído Material de revestimento Profa. Flávia Milagres Campos Ambiente aconchegante e agradável para clientese funcionários:

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Desempenho de frangos de corte criados em aviários dark house versus convencional

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Desempenho de frangos de corte criados em aviários dark house versus convencional PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Desempenho de frangos de corte criados em aviários dark house versus convencional Ellen Rovaris 1, Gerusa da Silva Salles Corrêa 2, André Brito

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition Mai/2010 Cama de Aviário Cama de Aviário Introdução O objetivo do uso da cama de aviário é evitar o contato direto da ave com o piso, servir de substrato para a absorção da água, incorporação das fezes

Leia mais

The art of handling. Energia

The art of handling. Energia The art of handling Energia A arte em eficiência energética através do manuseio do ar Devido ao aumento constante dos preços da energia e da necessidade de proteger o meio ambiente, está se tornando cada

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela!

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA A Estrela é uma plantadora pneumática articulada, ágil, de grande porte e com rodado de plantio posicionado entre as linhas. A Estrela trabalha

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC.

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. Airgenic Unidade de Teto CX 300-F3-IC. MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR Airgenic Unidade de Teto Índice Airgenic Unidade de Teto Modo de Usar Paginas 3 4 Regulagens do Equipamento Pagina 5 Falhas e Soluções Pagina 6 Limpeza

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE Norma NBR 7198 (ABNT,1998) Projeto e execução de instalações prediais deágua quente. Condições

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. x v média. t t. x x

TIPO-A FÍSICA. x v média. t t. x x 12 FÍSICA Aceleração da gravidade, g = 10 m/s 2 Constante gravitacional, G = 7 x 10-11 N.m 2 /kg 2 Massa da Terra, M = 6 x 10 24 kg Velocidade da luz no vácuo, c = 300.000 km/s 01. Em 2013, os experimentos

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9 páginas

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE 1 Processo no qual a água é removida rápida ou lentamente, envolvendo duas operações fundamentais na indústria de alimentos: transferência de calor e de

Leia mais

WHIRLPOOL AR CONDICIONADO 2013

WHIRLPOOL AR CONDICIONADO 2013 WHIRLPOOL 201 CONTROLA O AMBIENTE, POUPA ENERGIA, MANTEM O LAR LIMPO E SAUDÁVEL Recentes investigações confirmam que a seleção do sistema de ar condicionado está influênciada principalmente por três fatores

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

Vestiários - Obrigatoriedade ( armários individuais - separação de sexos )

Vestiários - Obrigatoriedade ( armários individuais - separação de sexos ) Vestiários - Obrigatoriedade ( armários individuais - separação de sexos ) ONDE: Estabelecimentos industriais Se exige troca de roupa; Seja imposto o uso de uniforme ou guarda-pó. A localização do vestiário,

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 São estratégias de projeto que devem ser adotadas quando não se consegue tirar partido dos recursos naturais. Geralmente são indispensáveis

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Linha Exclusive Thermomatic) Exclusive III Obrigado por escolher a série dos desumidificadores Exclusive da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 APRESENTAÇÃO Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants Paulo César

Leia mais

FUVEST 2000-2 a Fase - Física - 06/01/2000 ATENÇÃO

FUVEST 2000-2 a Fase - Física - 06/01/2000 ATENÇÃO ATENÇÃO VERIFIQUE SE ESTÃO IMPRESSOS EIXOS DE GRÁFICOS OU ESQUEMAS, NAS FOLHAS DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES 1, 2, 4, 9 e 10. Se notar a falta de uma delas, peça ao fiscal de sua sala a substituição da folha.

Leia mais

Instalações e Equipamentos para Frangos de Corte

Instalações e Equipamentos para Frangos de Corte Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Instalações e Equipamentos para Frangos de Corte Considerações Iniciais Capital disponível; Funcionários; Assistência técnica;

Leia mais

MULTISPRAY 2000 RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS

MULTISPRAY 2000 RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS Os defensivos agrícolas são classificados de acordo com a sua classe toxicológica. Para cada uma das classes existe uma recomendação especial em

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

Leia mais

quem somos A RAYFLEX é líder nacional em tecnologia para portas industriais.

quem somos A RAYFLEX é líder nacional em tecnologia para portas industriais. quem somos A RAYFLEX é líder nacional em tecnologia para portas industriais. Fundada em 1985, a empresa desenvolve soluções em PORTAS RÁPIDAS, PORTAS SECCIONAIS E NIVELADORES DE DOCAS. Faz parte de uma

Leia mais

Linha completa de aquecimento para banho e piscina

Linha completa de aquecimento para banho e piscina Linha completa de aquecimento para banho e piscina Aquecedor solar Aquecedor de piscina Bomba de calor www.heliotek.com.br Coletores solares Heliotek A força da nova geração Ao contrário dos coletores

Leia mais

Gerenciamento Ambiental em Uma Granja de Frangos

Gerenciamento Ambiental em Uma Granja de Frangos Página II Reconhecimento O conteúdo principal desta publicação é de autoria do Professor James O. Donald, da Universidade de Auburn. O Professor Donald é um engenheiro agrícola amplamente reconhecido como

Leia mais

Pinot 700 3 BL I/1. NoBreak Line Interativo Família Pinot 700 VA

Pinot 700 3 BL I/1. NoBreak Line Interativo Família Pinot 700 VA NoBreak Line Interativo Família Pinot 700 VA NoBreak Line Interativo microprocessado de alta velocidade,integrando diversas funções periferias. Possui estabilizador interno com estágios de regulação, que

Leia mais

ENERGIA. Energias passivas

ENERGIA. Energias passivas Energias passivas ENERGIA Estes sistemas, quando bem dimensionados, são de longe mais económicos do que qualquer outro sistema que recorra a energia elétrica ou combustíveis convencionais. Com o aumento

Leia mais

Introdução à condução de calor estacionária

Introdução à condução de calor estacionária Introdução à condução de calor estacionária Exercício 1 - O telhado de uma casa com aquecimento elétrico tem 6m de comprimento, 8m de largura e 0, 25m de espessura e é feito de uma camada plana de concreto

Leia mais

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador)

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Nota: As especificações técnicas abaixo são um modelo a ser adaptado para cada caso. ELEVADOR ELÉTRICO AUTOMÁTICO PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 43/2011 às normas de segurança contra incêndio edificações existentes

Leia mais

Ambiência na produção animal

Ambiência na produção animal Ambiência na produção animal Prof. Dra. Ana Maria Bridi Departamento de Zootecnia Universidade Estadual de Londrina Modificações ambientais Vários parâmetros do ambiente podem favorecer ou prejudicar o

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ObjETIVOS A ThyssenKrupp Elevadores, em sintonia com as tendências mundiais em transporte vertical, está focada em sua responsabilidade socioambiental. Por isso, desenvolve produtos

Leia mais

Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte. Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi.

Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte. Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi. Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi. 1 Dark House BRASIL... Como ocorreu a nossa Evolução Histórica DÉCADA DE 90:

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares - Vários tipos de lavagem e limpeza podem ser utilizados no processo de fabricação e manutenção industrial, requerem atenção na localização devido aos produtos utilizados e na condição de execução do serviço;

Leia mais

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE CONFORTO EM ÁGUA QUENTE 2 TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS Rigorosamente testado A fiabilidade dos termoacumuladores da Gorenje é garantida pelo controlo rigoroso de qualidade: % Testado sobre pressão; % Testado

Leia mais

Máquina de Massas Curtas.

Máquina de Massas Curtas. Máquina de Massas Curtas. A maior diversidade em matérias-primas, receitas e formatos. 2 BÜhler MÁQUINA DE MASSAS CURTAS Do grão para massa. Plantas confiáveis com soluções inovadoras. Mais de 100 anos

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor Ar/Água. Uma tecnologia de futuro Sistema de climatização integrado e eficiente 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Princípio

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada VALORES DE CONSTANTES E GRANDEZAS FÍSICAS - aceleração da gravidade g = 10 m/s 2 - calor específico da água c = 1,0 cal/(g o C) = 4,2 x

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL BEM-ESTAR ESTAR NA PRODUÇÃO DE AVES DE POSTURA PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL 1930-1960 Período comercial Piracicaba/SP Setembro de 2012 Dra. Aérica Cirqueira Nazareno Pesquisadora - NUPEA A criação de aves

Leia mais

Ventilação de impulso em parques de estacionamento cobertos não compartimentados. João Viegas (LNEC)

Ventilação de impulso em parques de estacionamento cobertos não compartimentados. João Viegas (LNEC) Ventilação de impulso em parques de estacionamento cobertos não compartimentados João Viegas (LNEC) Enquadramento > Ventilação em parques de estacionamento cobertos destina-se a: realizar o escoamento

Leia mais

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Indústria brasileira KOMECO. SOLUÇÃO PARA O SEU PROJETO. FABRICANDO QUALIDADE Os sistemas de aquecimento solar Komeco são fabricados em São José Santa Catarina. Uma

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR

FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR Representação: FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR O sistema de Climatização utiliza o princípio de termodinâmica, isto é, retira o calor do ar através da evaporação, garantindo que a massa de ar quente do ambiente

Leia mais

Perdas no Processo: Do Campo à Indústria

Perdas no Processo: Do Campo à Indústria Perdas no Processo: Do Campo à Indústria Curso Teórico e Pratico da Fermentação Etanólica UNESP/UFSCar 20 a 24 de fevereiro de 2006 Prof. Dr. Octávio Antonio Valsechi DTAISER/CCA/UFSCar vico@power.ufscar.br

Leia mais

www.aviculturainteligente.com.br frangos de corte Manual de Manejo de Frangos de Corte cobb-vantress.com www.aviculturainteligente.com.

www.aviculturainteligente.com.br frangos de corte Manual de Manejo de Frangos de Corte cobb-vantress.com www.aviculturainteligente.com. Manual de Manejo de Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução O compromisso da Cobb com o aperfeiçoamento genético continua aumentando o potencial de desempenho de frangos e matrizes

Leia mais

Tratamento de cama de aves para sua reutilização

Tratamento de cama de aves para sua reutilização Tratamento de cama de aves para sua reutilização Valéria M. N. Abreu Cuiabá, 04 de maio 2010 Introdução evitar o contato direto das aves com o piso; servir de substrato para a absorção da umidade do ambiente;

Leia mais

Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 08 - Vol. 2

Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 08 - Vol. 2 HTTP://COMSIZO.BLOGSPOT.COM/ Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 08 - Vol. 2 Engenharia Física 09 Universidade Federal de São Carlos 10/31/2009 *Conseguimos algumas resoluções

Leia mais

KERN KHP V20 Versão 1.0 11/2014 P

KERN KHP V20 Versão 1.0 11/2014 P KERN & Sohn GmbH Ziegelei 1 D-72336 Balingen E-mail: info@kern-sohn.com Telefone: +49-[0]7433-9933-0 Fax: +49-[0]7433-9933-149 Internet: www.kern-sohn.com Instrução de instalação Ponte de pesagem ( 3000

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED Soluções em energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED ENERGIA Insumo fundamental para garantir o desenvolvimento econômico e social do país ENERGIA ÓLEO COMBUSTÍVEL GÁS NATURAL GLP BIOMASSA ELÉTRICA

Leia mais

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor White Paper 139 Revisão 0 Por Jim VanGilder e Wendy Torell > Sumário Executivo A refrigeração em linha está surgindo como uma solução de

Leia mais

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências:

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências: Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Os elevadores de correias a caçambas são os equipamentos mais comuns e econômicos para o movimento vertical de materiais

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais