Relatório de Atividades 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Atividades 2011"

Transcrição

1 Relatório de Atividades 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011

2 Relatório de Atividades P á g i n a

3 Índice 1. Palavra do Presidente Nosso Setor Objetivos do ITEHPEC Parcerias Estratégicas Programa de Inovação... 8 Projetos Desenvolvidos... 8 Projetos em Desenvolvimento Desenvolvimento de Projetos Gestão Profissional Demonstrações Financeiras Empresas Associadas P á g i n a

4 1. Palavra do Presidente Inovação é um dos pilares estruturantes do desenvolvimento sustentável. É inegável o progresso dos países do BRIC que concorrem com o Brasil por um lugar de destaque na economia, especialmente em função de suas metas agressivas em direção à inovação. O processo de inovação e desenvolvimento tecnológico no Brasil pode ser acelerado através da Inovação Aberta, da interação dos diferentes agentes para promover inovações de forma mais rápida. Na Era do Conhecimento, as empresas e profissionais devem saber transformar a informação em conhecimento estratégico, ideias em ações capazes de gerar resultados positivos e crescentes. Isso é possível através de uma gestão da inovação bem planejada. É fundamental a conscientização sobre a importância da inovação, do seu entendimento e disseminação. Assim, o papel da alta gestão dentro das organizações é fator crucial no processo inovativo. A inovação depende principalmente de pessoas, de líderes que encorajam e desafiam, e de equipes que trabalham com determinação e criatividade, em ambientes que incentivam e reconhecem as iniciativas inovadoras. Visando um cenário de liderança a partir dos drivers da inovação e considerando as tendências apontadas pelo estudo prospectivo para o setor até 2023, o ITEHPEC desenvolveu o Programa de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria Cosmética Brasileira. As diretrizes do Programa são baseadas em ações estratégicas que levam em consideração os desafios e oportunidades que deverão se apresentar nos próximos anos. João Carlos Basilio da Silva Presidente 4 P á g i n a

5 2. Nosso Setor O Setor brasileiro de HPPC vem crescendo a uma taxa real média de 10% ao ano nos últimos 16 anos e, em 2011, o Brasil seguia como o 3º maior mercado consumidor do mundo com 10% de todo o market share (dados do Euromonitor). O faturamento da indústria alcançou 29,4 bilhões de reais (ex-faxtory, líquido de impostos sobre vendas). Os últimos dados de 2009 revelaram que havia empresas do setor distribuídas pelo Brasil, sendo que 20 empresas de grande porte representavam 73% do faturamento total. As regiões Nordeste e Centro- Oeste continuavam liderando o crescimento do número de empresas produtoras deste segmento. As exportações do setor têm crescido a uma taxa superior a 14% e atingem 141 países de todos os continentes. O setor é responsável ainda pela criação de cerca de 4,3 milhões de oportunidades de trabalho. A indústria cosmética destaca-se pelo seu dinamismo, demandando inovação contínua e investimentos constantes, fatores que se refletem sobre toda a cadeia produtiva. A inovação é um fator fundamental para o desenvolvimento e competitividade das empresas; e as parcerias com fornecedores, universidades e instituições de pesquisa tornam possível a aceleração do processo de inovação através de projetos conjuntos e da transferência de tecnologia. A título de ilustração, em 2009, o setor investiu cerca de 2% do seu faturamento em P&D, taxa muito superior aos 0,65% da média brasileira (levantamento da Booz & Company). A cada dois anos, os lançamentos dentro do setor são responsáveis por cerca de 50% do faturamento de toda a indústria cosmética. 5 P á g i n a

6 3. Objetivos do Itehpec O ITEHPEC - Instituto de Tecnologia e Estudos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos foi criado em 2006 como o braço tecnológico da ABIHPEC Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. O ITEHPEC tem como missão atender a demanda do setor nas questões de inovação e tecnologia; estimulando, fomentando e promovendo atividades de inovação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico para os produtos do setor, em qualquer região do território nacional e internacional. O ITEHPEC tem um papel fundamental no estabelecimento de diretrizes para o desenvolvimento tecnológico desta cadeia produtiva, constituindo-se, a partir das decisões de seu Conselho Gestor, um Programa de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria Cosmética. O Itehpec tem como objetivos: a) Ser o facilitador no desenvolvimento tecnológico, um instrumento para a capacitação tecnológica das empresas, tendo como papel fundamental a busca da competitividade do setor, gerando informações para o balizamento das políticas tecnológicas e para a gestão do processo de mudanças e inovações no setor; b) Gerar oportunidades de negócios em inovação e capacitação tecnológica para as empresas do setor; c) Estabelecer e consolidar a interação das universidades e centros de pesquisa com as empresas; d) Estimular o aproveitamento dos mecanismos de subvenção e incentivos fiscais para a inovação nas empresas; e e) Estimular a participação de instituições de Ciência & Tecnologia no processo de inovação tecnológica. 6 P á g i n a

7 4. Parcerias Estratégicas O ITEHPEC conta com parcerias estratégicas para implementar o seu Programa de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico. Dentre as parcerias, podem ser destacadas: ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial ABIFRA Associação Brasileira de Fragrâncias ABIQUIM Associação Brasileira da Indústria Química Agência USP de Inovação APEX Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos; BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos CNI-MEI - Confederação Nacional das Indústrias - Mobilização Empresarial pela Inovação CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de SP FIESP/CONIC Federação das Indústrias do Estado de São Paulo/ Conselho Superior de Inovação e Competitividade FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos IAC Instituto Agronômico de Campinas INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Instituto de Embalagens MCT - Ministério da Ciência e Tecnologia MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Unicamp Universidade Estadual de Campinas Protec Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica Rede CIN - Rede de Centros de Inovação em Nanocosméticos Secretaria da Inovação MDIC USP Universidade de São Paulo UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul 7 P á g i n a

8 5. Programa de Inovação Sob a missão de atender a demanda do setor nas questões de inovação e tecnologia, o ITEHPEC vem estimulando, fomentando e promovendo atividades de inovação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico do setor. O ITEHPEC tem desenvolvido um consistente Programa de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico para a Indústria Cosmética que tem como pilares fundamentais: a produção de conhecimento estratégico; a disseminação e a aplicação do conhecimento; a capacitação de empresas; a criação de ambiente propício para a inovação; e a inserção das empresas na gestão da inovação. A seguir, veremos as iniciativas do ITEHPEC alinhadas às diretrizes do Programa. PROJETOS DESENVOLVIDOS Curso de Desenvolvimento e Avaliação de Projetos o objetivo do curso é qualificar o profissional do setor, apresentando os instrumentos de apoio e financiamento para o desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica. Os cursos já foram ministrados para turmas em São Paulo/SP (2008, 2009 e 2011), Fortaleza/CE (2008) e Porto Alegre/RS (2008). Curso Patentes e Gestão da Propriedade Industrial o objetivo do curso é capacitar empresas do setor quanto às principais características da legislação sobre patentes, tanto nacional como internacional; elaborar e acompanhar um pedido de patente consistente, utilizar informações tecnológicas contidas em documentos de patente, gerir a propriedade industrial e promover o uso dos incentivos fiscais para a inovação. O curso foi ministrado em São Paulo/SP (2008). 8 P á g i n a

9 Rodada Tecnológica do Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos o objetivo é estimular a interação entre os atores da cadeia produtiva, dentre os quais as universidades, fornecedores, prestadores de serviços e a indústria de cosméticos visando à transferência tecnológica e à aceleração no processo do desenvolvimento e inovação tecnológica junto às empresas do setor e da cadeia de valor. No período, foram realizadas quatro Rodadas, todas em São Paulo/SP (2006, 2007, 2008, 2010 e 2011). Seminário de Nanotecnologia: Aplicação em Cosméticos o objetivo do curso é disseminar essa nova tecnologia aplicada ao setor de cosméticos. Esse Seminário foi realizado em São Paulo/SP (2007), Curitiba/PR (2008) e Rio de Janeiro/RJ (2008) Seminário Internacional Nanotecnologia Aplicada aos Cosméticos: Perspectivas para a Indústria Brasileira, realizada em São Paulo (2011). Reuniu especialistas nacionais e internacionais para debater acerca da segurança dos produtos, da evolução e das tendências em nanocosméticos. A programação incluiu ainda a atuação das instituições de fomento em pesquisa e desenvolvimento, enfatizando seu apoio a projetos de inovação. Foi apresentado também o caso de uma empresa brasileira que desenvolveu seu projeto de nanocosméticos em parceria com uma universidade e contou com o financiamento de recursos públicos. Seminário Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade em Embalagens para a Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos de Embalagens o objetivo é apresentar e debater sobre as mudanças evolutivas mundiais e os grandes desafios da indústria de embalagens, envolvendo a cadeia produtiva, as necessidades, tendências e soluções tecnológicas aliadas à sustentabilidade. O Seminário foi realizado em São Paulo/SP (2010). Programa de Multiplicadores I Constituição de delegação de técnicos que foi enviada para cursos e/ou eventos técnicos de interesse do setor visando à formação de multiplicadores em instituições internacionais de referência em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. A delegação foi composta por quatro especialistas que participaram de duas missões internacionais, propiciando acesso ao que há de mais novo em relação a estudos e pesquisas científicas na área cosmética desenvolvidos fora do país em setembro de P á g i n a

10 As missões internacionais do Programas de Multiplicadores são apresentadas adiante: 1ª Missão Internacional Curso Intensive Course in Dermato-Cosmetic Sciences Data: 13 a 17 de setembro de 2010 Local: Bélgica, Bruxelas Pauta: O curso abordou os aspectos mais importantes e atualizados sobre a ciência dermato-cosmética com um programa intensivo ministrado por especialistas do setor na União Européia, internacionalmente reconhecidos pela indústria nas áreas de atuação, incluindo os desafios da prática do desenvolvimento de produtos. Os aspectos abordados pelo curso foram: Skin Care Sun, Skin, Aging and Objective Evaluation Objective Evaluation of the Efficacy of Cosmetics Legislative Aspects of Dermato-Cosmetics Barrier Function of the Skin Safety of Dermato-Cosmetic Products 2 a Missão Internacional XXVI Congresso IFSCC- Innovation & Responsibility Data: 20 a 23 de setembro de 2010 Local: Buenos Aires Argentina Pauta: O Congresso abordou os aspectos mais importantes e atualizados sobre pesquisas e estudos na área cosmética de especialistas do setor internacionalmente reconhecidos pela indústria na área de atuação. Cosméticos: Aspectos Físicos, Químicos y Biológicos Cosméticos para El Bienestar y La Belleza Estrategias de Protección Sociedad y Cosméticos 10 P á g i n a

11 Programa de Multiplicadores II - Curso de Ciência Cosmética: Conceitos, Inovações e Tendências Cursos ministrados pelos multiplicadores. Os multiplicadores, após regresso das missões internacionais, ministraram uma série de cursos pelo Brasil visando qualificar os profissionais das empresas do setor. Os cursos com duração de um dia, foram realizados em seis cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte e Salvador em Missão Tecnológica para o Japão: Feira Nanotech e Visitas Técnicas A iniciativa visou estabelecer contatos e oportunidades de negócios na área de nanotecnologia entre empresas e instituições de ciência e tecnologia brasileiras e japonesas. Além disso, teve por objetivo a participação inteligente do Brasil na Nanotech 2011, realizada entre os dias 16 a 18 de Fevereiro de Missão Tecnológica para a França: Visitas Técnicas A missão aconteceu no período de 21 a 25 de novembro de 2011 e teve como objetivos: Participação da ABIHPEC na Missão Brasileira de Tecnologia à França para visita aos centros de pesquisa e empresas fornecedoras de matérias-primas e serviços com a finalidade de conhecer as tecnologias utilizadas e que poderão beneficiar a indústria brasileira de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Avaliação dos recursos disponíveis na região de Lyon. Avaliação dos recursos disponíveis no Cosmetic Valley na Região de Chartres. Avaliação de tecnologias de: nanoencapsulação de moléculas lábeis como proteínas, fragrâncias; Microemulsificação - pickering emulsions ; Modelos de pele equivalente; Formulação, desenvolvimento e fabricação (terceirizado) de cosméticos Como resultado de nossa visita à França, teremos alguns convidados franceses das áreas de Tecnologia nos próximos encontros de inovação tecnológica que poderão ajudar nossas empresas a ser fortalecerem na fabricação de produtos. Esta prospecção e avaliação de novas tecnologias poderá beneficiar o setor a partir deste primeiro contato realizado pelo ITEHPEC. 11 P á g i n a

12 PROJETOS EM DESENVOLVIMENTO Estudo Técnico do Elo de Embalagens da Cadeia Produtiva de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos O objetivo é mostrar quais os desafios enfrentados pelas empresas na busca e seleção de novas soluções para o acondicionamento de seus produtos. No âmbito da inovação, esses desafios podem residir sob os aspectos técnico e tecnológico, como compatibilidade com molde e com a formulação, adaptações no design, capacidade de proteção do produto, entre outros; como podem também estar associados a aspectos mercadológicos, como disponibilidade de matéria-prima, custo, regulação, demanda do cliente/fornecedor, escala, entre outros. Curso de Pós-Graduação Gestão Estratégica de Negócios da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos - O programa é resultado do trabalho de quase um ano do grupo de especialistas envolvido com o projeto de qualificação profissional, composto por profissionais da área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação e de Recursos Humanos das empresas desta cadeia produtiva. Contamos, ainda, com a valiosa contribuição da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), com quem estamos desenvolvendo o projeto. O programa desenvolvido sob medida visa atender de maneira satisfatória à demanda do setor. Estímulo ao ingresso de novos talentos na indústria cosmética - criar programas de incentivo para o desenvolvimento de trabalhos científicos no setor de cosméticos dentro das universidades. Projeto de Mapeamento dos Ativos da Amazônia Legal projeto de ampla pesquisa que se constitui na busca por novos ingredientes oriundos deste bioma e que, após testes de avaliação de segurança e eficácia, poderão constituir as formulações de produtos deste setor. Este é um projeto-piloto que deverá ser estendido aos demais biomas brasileiros. Mobilização Empresarial pela Inovação da CNI - A ABIHPEC e o ITEHPEC vêm atuando ativamente, como membro do Comitê de Associações Setoriais, em prol da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), de iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os objetivos maiores da MEI são organizar a agenda de inovação a partir das contribuições das empresas, além de aprimorar as políticas públicas de apoio à inovação de acordo com as reais necessidades da 12 P á g i n a

13 indústria. Conselho Superior de Competitividade e Inovação da FIESP iniciativa que visa fortalecer a indústria do Estado de São Paulo através de ações de promoção da Inovação na indústria. Portal i3 Agência USP de Inovação a parceria estabelecida entre o ITEHPEC/ABIHPEC e a Agência USP de Inovação visa proporcionar a oportunidade de encontrar soluções tecnológicas demandadas pelas empresas do setor. O Projeto i3 visa integrar a cooperação entre pesquisadores da USP e as empresas desta cadeia produtiva. Grupos de Trabalho de Nanotecnologia da Cadeia Produtiva de HPPC criados para debater e criar uma estratégia de atuação sobre o tema da nanotecnologia em seus diversos aspectos: marco regulatório, mercado, cooperação internacional e formação de recursos humanos. Apoio à inserção da Gestão da Inovação na Indústria Cosmética Esta proposta visa apoiar à inserção da Gestão da Inovação nas empresas da cadeia produtiva de HPPC. A grande maioria das empresas do setor HPPC não possui tradição em desenvolver uma Gestão da Inovação. Por vezes, as empresas gostariam de investir em novos desenvolvimentos, no entanto, apresentam 13 P á g i n a

14 grandes dificuldades em relação a aspectos diversos: obtenção de funding para os seus projetos de inovação; falta de pessoal qualificado para desenvolver os projetos e atividades de pesquisa e desenvolvimento; dificuldade de compreensão dos editais e dos programas de financiamento; entre outras questões, sem enumerar temas do seu dia a dia. Outro aspecto importante verificado é a falta de estrutura própria das empresas para o desenvolvimento de pesquisas mas que, neste caso, poderiam utilizar-se dos ativos disponíveis nas Instituições de pesquisa e universidades, que já têm tradição no desenvolvimento de projetos dessa natureza. Essas dificuldades são encontradas nas empresas em geral mas, notadamente, em empresas de menor porte (micro, pequenas e médias). Essas empresas não possuem uma Gestão da Inovação, que lhes permitiria potencializar as oportunidades de desenvolvimento, e acabam deixando passar excelentes oportunidades pela falta de estratégia e planejamento. O projeto prevê duas frentes: Diagnóstico - uma equipe multidisciplinar irá desenvolver um trabalho junto às empresas in loco para diagnosticar a sua situação em relação a potencialidades na área de inovação e tecnologia, a partir do qual poderão ser desenvolvidos projetos com o apoio dos consultores envolvidos e os profissionais-chave da empresa. Capacitação de Empresas empresas receberão um treinamento específico abrangendo diversas áreas, habilitando seus profissionais para uma eficiente gestão da inovação. A elaboração de projetos é requisito para a participação das empresas no programa. Ao final do programa, os profissionais serão certificados. Portanto, trata-se de uma importante iniciativa, visando alavancar a mudança de patamar tecnológico e propiciar um salto qualitativo das empresas, notadamente das Micro, Pequenas e Médias (MPME) no contexto do avanço tecnológico do país. A ideia de termos em número cada vez maior de empresas de menor porte de base tecnológica é fundamental para o desenvolvimento tecnológico da indústria brasileira. O projeto é resultado do desdobramento do Estudo Prospectivo da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, desenvolvido pela ABDI em parceria com a ABIHPEC, no âmbito do Plano Estratégico Setorial (PES) e da Política de 14 P á g i n a

15 Desenvolvimento Produtivo (PDP), e vem seguindo a linha mestra do Plano Brasil Maior Inovar para Competir. Competir para Crescer. ATS Agenda Tecnológica Setorial O Projeto Agenda Tecnológica Setorial ATS - teve início no final de 2010 com o objetivo de identificar o conjunto de Ações Tecnológicas mais relevantes para a competitividade do Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC), em alinhamento com a Política de Desenvolvimento Produtivo - PDP e o Plano de Ação de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional PACTI. O Projeto ATS de Cosméticos foi uma iniciativa conjunta entre a ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) o seu Instituto de Tecnologia e Estudos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ITEHPEC), a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) e o CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos). Inicialmente foram constituídos 8 grupos de trabalho, de acordo com as ações tecnológicas identificadas como prioritárias na Agenda Tecnológica Setorial: ITEM ATCO01 ATCO02 ATCO03 ATCO04 ATCO05 ATCO06 ATCO07 ATCO08 AÇÃO TECNOLÓGICA Design: Desenvolver processos integrados de design e modelagem (da concepção ao produto lean design) do segmento de embalagens de vidro e plásticos Processos produtivos: Aprimorar as tecnologias e processos de gestão na indústria de produção de embalagens de vidro Capacitação para a inovação: Desenvolver a formação de profissionais especializados (técnicos e nível superior) para a indústria de embalagens de vidro. Produtos da biodiversidade (produtos naturais) brasileira: Desenvolver tecnologias de P, D & I e processos (consistência de qualidade; garantia de fornecimento...) dos insumos de origem natural. Nanotecnologia: Desenvolver P, D & I com nanocompostos para a indústria de cosméticos (incluir embalagens) Desenvolver a tecnologia para a produção nacional da matéria-prima grau cosméticos (óleo quimica, petroquimica) Desenvolvimento de Pele Artificial Fomentar Centros de Excelência em P, D & I do setor de HPPC (criação de cluster de P, D & I para desenvolver produtos naturais: óleos essenciais e fragrâncias). Desenvolver P, D & I para obtenção insumos de origem não petroquímica para a indústria de química fina (Biorefinarias e Celulose) Como resultado, a ATS teve desdobrados os seguintes projetos: 15 P á g i n a

16 a. Embalagem de Vidro - Programa de modelagem matemática e prototipagem para desenvolvimento de embalagens de vidro para a cadeia produtiva de HPPC b. Nanometrologia - Desenvolvimento de procedimentos e métodos para analise e caracterização de produtos da cadeia de nanocosméticos c. Epiderme Equivalente - Validação e Produção de Epiderme Equivalente para avaliação da eficácia e segurança de produtos cosméticos. d. Núcleo de Inteligência Industrial em Tecnologia e Inovação em Cosméticos e. Desenvolvimento Nacional de Matérias-Primas (oleoquímica, petroquímica) e de Ingredientes da Biodiversidade Brasileira para a Indústria de HPPC. a. Embalagem de Vidro - Programa de modelagem matemática e prototipagem para desenvolvimento de embalagens de vidro para a cadeia produtiva de HPPC O projeto tem por objetivo implantar um processo de prototipagem de embalagens de vidro, constituído pela aplicação de modelagem matemática para simulação e pela instalação de unidade piloto semi-industrial para conformação e decoração de embalagens de vidro, visando atender aos requisitos de inovação, notadamente os produtos de perfumaria e cosméticos, com custos, velocidades e sustentabilidade demandados pelo mercado. Para isso, as etapas deste projeto são: Desenvolvimento da modelagem matemática para criação de molde piloto (ferramental) e simulação das condições de processos de conformação da embalagem de vidro; Estabelecimento de uma unidade piloto de fabricação de vidro para a comprovação dos resultados obtidos na modelagem matemática, exploração de novos processos e técnicas de produção e capacitação de pessoal para tal indústria; e Instalação de equipamentos para decoração de embalagens de vidro para a prototipagem de processos de decoração de embalagens de vidro. 16 P á g i n a

17 O projeto propiciará também a especialização de profissionais nível técnico e superior em desenvolvimento e produção de embalagens de vidros, com o fortalecimento da cadeia produtiva de HPPC nos mercados nacional e internacional, que propiciará uma posição de liderança do Setor na América Latina. b. Nanometrologia - Desenvolvimento de procedimentos e métodos para analise e caracterização de produtos da cadeia de nanocosméticos O projeto consiste em desenvolver o universo da nanometrologia para a indústria de HPPC, proporcionada através do desenvolvimento de cadeias de rastreabilidade metrológica (procedimentos e métodos de analise padronizados, materiais de referência, sistemas de medição). Como resultado do trabalho, a ser realizado pelo INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, estes resultados apontarão os parâmetros de controle e desenvolvimento de nanoprodutos e terão impacto nas questões ligadas à segurança ou caracterização dos nanomateriais. Os investimentos em nanotecnologia no Brasil não têm acompanhado as evoluções verificadas em outros países. O investimento neste projeto possibilitará a indústria se desenvolver com diferencial competitivo atrelado aos benefícios do uso da nanotecnologia em produtos de HPPC que estão ligados diretamente com uma variedade de tendência de consumo de produtos cosméticos, como eficácia agressiva contra o envelhecimento, aspectos sensoriais inovadores ou ainda segurança no uso de produtos, entre outros. O lançamento de produtos no mercado mundial contendo a palavra nano ou nanotecnologia saltou de aproximadamente 70 em 2005 para quase 700 em Em relação ao número de produtos cosméticos que usam o termo nanotecnologia, encontramos 344 lançamentos nos EUA, 377 no Japão, 163 na China e 95 no Brasil no período entre 1997-Maio/2011). Os lançamentos de produtos cosméticos contendo nanotecnologia concentram-se em 28% na América do Norte, 35% na Europa, 31% na Ásia e apenas 6% na América do Sul, número este impulsionado pelo Brasil. O mercado produtor brasileiro de produtos HPPC se beneficiará desse projeto, 17 P á g i n a

18 pois aumenta o acesso da grande maioria das empresas a nanotecnologia, aos instrumentos de metrologia e avaliação da conformidade. O uso crescente da nanotecnologia em produtos de HPPC, somado ao cenário regulatório internacional em fase de definições pode ser uma oportunidade para a Indústria Brasileira, quando sai na frente com seu parque de desenvolvimento alinhado, com critérios técnicos claros e capacidade de produção e análise reforçadas. O projeto traz a oportunidade de inovar e desenvolver a Indústria para o mercado consumidor nacional e internacional, aumentar a relação e aproximar as empresas de Universidades e ICT s, aumentarem a assertividade e o conhecimento relacionado a decisões estratégicas e planejamento. Para o governo é evoluir nas questões de regulamentação, e quando determinada, possuir uma Indústria preparada. Para o mercado consumidor é ter produtos inovadores e que atendem as necessidades de consumo. c. Epiderme Equivalente - Validação e Produção de Epiderme Equivalente para avaliação da eficácia e segurança de produtos cosméticos. Este projeto tem por objetivo desenvolver a validação, produção em escala semi-industrial (piloto) e disseminação de modelo de epiderme equivalente ( 3D Aberto ) com o propósito de oferecer um modelo para testes de segurança e eficácia de novas moléculas, matérias-primas e produtos cosméticos. A disseminação faz parte do escopo, que terá ato contínuo após a etapa da produção descrita neste projeto. Plataformas a serem desenvolvidas: Desenvolvimento do processo de validação do modelo 3D Aberto epiderme humana tridimensional de acordo com a ECVAM (European Centre for Validation of Alternative Methods); Produção em escala semi-industrial de epiderme humana de acordo com o modelo 3D Aberto e disseminação para a comunidade científica - academia, indústria e laboratórios como ato contínuo após finalizada a etapa de produção. Com a criação e validação do modelo de epiderme equivalente 3D Aberto, fornecedores de matérias-primas (ingredientes) e produtores de cosméticos 18 P á g i n a

19 poderão comercializar seus produtos na Europa, atendendo então os requisitos pré-estabelecidos na Legislação Europeia. O projeto proporcionará às empresas maior capacidade de desenvolver melhores ingredientes e produtos finais mais seguros. Proporcionará também a utilização desta tecnologia por laboratórios brasileiros acreditados, através de um programa de treinamento e transferência de tecnologia a ser disponibilizado pelo proponente do projeto. O projeto beneficiará as empresas interessadas para atuar no mercado nacional e internacional atendendo as legislações existentes nos diferentes países. A colocação no mercado nacional de um kit de epiderme equivalente desenvolvido no Brasil e validado internacionalmente aumentará a competitividade de empresas nacionais no mercado internacional, pois as empresas nacionais não precisarão enviar seus produtos para serem testados em laboratórios espalhados na Europa e Estados Unidos que possuem os kits de epiderme equivalente validados (SkinEthic, Episkin ou Mattek ). Este procedimento é caro e demorado, dificultando e encarecendo a realização de testes para produtos cosméticos. d. Núcleo de Inteligência Industrial em Tecnologia e Inovação em Cosméticos Um Núcleo de Inteligência Industrial é um dispositivo que permite acompanhar a evolução de um fenômeno, de um domínio ou de um tema estratégico, no tempo e no espaço, apontando direcionamentos tecnológicos através da integração e análise de dados. Faz isso utilizando de metodologias prospectivas estratégicas, investigando futuros possíveis e explorando suas possibilidades. Identifica cenário provável e desejável. Esta investigação resulta em informações estratégicas para suportar a tomada de decisões, diferenciando de outras formas de planejamento por trabalhar com as informações dos mais diversos atores, de forma estruturada, interativa, participativa, coordenada e sinérgica. Nesse contexto, um Núcleo de Inteligência Industrial em tecnologia e inovação 19 P á g i n a

20 em cosméticos permitirá trabalhar as inúmeras informações veiculadas da área e traduzi-las gerando conhecimento estratégico para o setor, baseados em dados sólidos de mercado, tendências, oportunidades e diferenciais competitivos; e, ainda, criando vantagens competitivas para o setor de HPPC interessado em tecnologia e inovação. A participação em organismos internacionais, seja como observador ou membro ativo, também fará parte da estratégia. O trabalho pode ser organizado em duas plataformas: a primeira visa monitorar um conjunto de ações com o objetivo de identificar e analisar informações, entregando conhecimento estratégico para as empresas do mercado cosmético visando antecipar tendências; a segunda, com base no conhecimento estratégico produzido na plataforma anterior, visa tomar iniciativas setoriais que permitam que empresas da cadeia produtiva tornem-se efetivamente mais competitivas. Essas iniciativas poderão contemplar programas diversificados de qualificação das empresas. Está previsto que parte do programa de qualificação esteja disponível de duas formas: presencial e à distância. Esta proposta é resultado do desdobramento do Projeto da Agenda Tecnológica Setorial (ATS) e está em linha com o Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. e. Desenvolvimento Nacional de Matérias-Primas (oleoquímica, petroquímica) e de Ingredientes da Biodiversidade Brasileira para a Indústria de HPPC A indústria de HPPC utiliza uma enorme quantidade de matérias-primas finas as quais conferem enorme valor agregado às formulações dos produtos do setor e, todavia, não são produzidas no Brasil, gerando dependência de importação, altos custos e trâmites longos e complexos nos portos, aeroportos e fronteiras. O objetivo do projeto é obter a produção no Brasil de insumos de alta qualidade e valor agregado com custos mais competitivos, tornando nossos produtos mais atrativos tanto no mercado interno como externo e, consequentemente, propulsor para o aumento das exportações do setor. 20 P á g i n a

ITEHPEC. Instituto de Tecnologia e Estudos de HPPC (Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) Apresentação

ITEHPEC. Instituto de Tecnologia e Estudos de HPPC (Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) Apresentação ITEHPEC Instituto de Tecnologia e Estudos de HPPC (Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) Apresentação O ITEHPEC (Instituto de Tecnologia e Estudos em HPPC) tem como objetivo atender a demanda do setor

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 Há oportunidades para participação de empresas

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES

Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 SETOR DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL TIPOS

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos

Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos Etapas de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos SEGMENTO COSMÉTICO SEGMENTO COSMÉTICO Características Dinâmico Crescimento constante Necessidade de lançamentos

Leia mais

PROJETO AGENDAS TECNOLÓGICAS SETORIAIS ATS Setor de Construção Civil 12/08/2009

PROJETO AGENDAS TECNOLÓGICAS SETORIAIS ATS Setor de Construção Civil 12/08/2009 PROJETO AGENDAS TECNOLÓGICAS SETORIAIS ATS Setor de Construção Civil 12/08/2009 Realização e Coordenação: Execução: Apresentação O projeto Agendas Tecnológicas Setoriais ATS - tem como objetivo identificar

Leia mais

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM O DMS (Digital Manufatcturing and Simulation) é um grupo de pesquisas com foco em PLM (Product Lifecycle Management), Manufatura Digital e Simulação para sistemas de manufatura e produção. Faz parte do

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Relatório Geral. Abril - 2015

Relatório Geral. Abril - 2015 Relatório Geral Abril - 015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL DE HPPC Objetivo Promover o desenvolvimento das empresas do setor de HPPC de forma sustentável, por meio da gestão e difusão de conhecimento,

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa HPPC Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Alexandre Ribeiro Pereira Lopes Coordenador-Geral das Indústrias Químicas e de Transformados

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013 O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades Piracicaba, 21 de março de 2013 A ABIMAQ Uma das principais associações industriais do

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos

Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos 1. Introdução Inovar é transformar ideias em valor. Seu motor é o mercado: é um imperativo da concorrência. É a capacidade de atender as necessidades

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil.

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Ata de Reunião 1. IDENTIFICAÇÃO DA REUNIÃO Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Líder da Reunião: Regina Silvério Telefones: (61) 3426-0785 Ordem do dia: Reunião

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Coordenador: Guilherme Ary Plonski

PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Coordenador: Guilherme Ary Plonski PROPOSTA PARA CONTINUIDADE DO APOIO AOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Coordenador: Guilherme Ary Plonski Setembro 2014 1 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de trabalho visa à continuidade do apoio para

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais