O OFICIAL DO QUADRO COMPLEMENTAR SOB A ÓTICA DOS OFICIAS DOS DEMAIS QUADROS, ARMAS E SERVIÇOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO, NA GUARNIÇÃO DE SALVADOR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O OFICIAL DO QUADRO COMPLEMENTAR SOB A ÓTICA DOS OFICIAS DOS DEMAIS QUADROS, ARMAS E SERVIÇOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO, NA GUARNIÇÃO DE SALVADOR."

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR 1º Ten Al Patricia de Lima O OFICIAL DO QUADRO COMPLEMENTAR SOB A ÓTICA DOS OFICIAS DOS DEMAIS QUADROS, ARMAS E SERVIÇOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO, NA GUARNIÇÃO DE SALVADOR. Salvador 2008

2 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR 1º Ten Al Patricia de Lima O OFICIAL DO QUADRO COMPLEMENTAR SOB A ÓTICA DOS OFICIAS DOS DEMAIS QUADROS, ARMAS E SERVIÇOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO, NA GUARNIÇÃO DE SALVADOR. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Comissão de Avaliação da Divisão de Ensino da Escola de Administração do Exército, como exigência para obtenção do título de Especialização em Aplicações Complementares às Ciências Militares. Orientador: Cap QCO Nadja de Assis Mendonça. Salvador 2008

3 BANCA EXAMINADORA Oficial Orientador Oficial Examinador Oficial Examinador

4 Dedico este trabalho ao meu marido Fernando e a minha filha Larissa. Fernando por me acompanhar, ajudar e compreender a importância da minha ausência neste momento, e Larissa, por ser o grande motivo de todo meu esforço e sacrifício, pois, tudo é por ela e para ela. A todos oficiais do Quadro Complementar do Exército Brasileiro, por fazerem parte deste Quadro, que ainda tem muito potencial a ser empregado em prol do desenvolvimento eficaz e eficiente da Força Terrestre.

5 AGRADECIMENTOS Sempre a Deus, por ter me concedido o direito à vida e à maternidade, me dando saúde, paz e capacidade física e intelectual para seguir sempre em frente. À minha orientadora, Capitão Nadja, que me deu todo apoio e incentivo para seguir a carreira de oficial do Exército, iniciando com a experiência de ser Oficial Técnico Temporário. À minha amiga Ten Silvana, Oficial Técnico Temporário de Informática, servindo atualmente no 6 Centro de Telemática de Área, que me incentivou sobremaneira tanto para fazer o concurso, quanto para me manter firme e focada no objetivo que é ser Oficial do Quadro Complementar. Mesmo de longe, esteve sempre comigo a sua imagem de mulher determinada, confiante e apaixonada pela farda Verde-Oliva. Aos instrutores do Corpo de Alunos, Tenente-Coronel França, Comandante do Corpo de Alunos, Major Moraes Ramos, Comandante da Companhia de Alunos, e Tenente Felipe, Comandante do Primeiro Pelotão, por não somente permitirem como também proporcionarem meios para que eu pudesse amamentar minha filha e tê-la a meu lado em todos os momentos que mais precisamos, tanto ela, quanto eu. Ao Major Milton e ao Sargento Rodrigues, que me apresentaram o LimeSurvey, proporcionando agilidade e eficiência na aplicação do questionário no âmbito da 6ª Região Militar, através do portal disponível na EBNet/Internet. Às Capitães Selma Gonzales e Ana Nantua que, com muita propriedade e domínio, me orientaram quanto aos procedimentos e normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), sempre de maneira gentil e solícita, para a conclusão deste trabalho. E ao Exército Brasileiro por proporcionar a chance de a mulher contribuir para engrandecimento e manutenção da Força, atuando através do Quadro Complementar de Oficiais.

6 RESUMO O presente trabalho destina-se a fazer o levantamento de como os oficiais dos demais Quadros, Armas e Serviços do Exército Brasileiro percebem os oficiais do Quadro Complementar, na cidade de Salvador. Neste contexto, desenvolveu-se um questionário, que foi aplicado aos militares que compõem o universo selecionado. Parte destes questionários foi impressa e entregue em mãos aos oficiais da Escola de Administração do Exército, e parte restante foi aplicada com o auxílio de um programa de computador chamado LimeSurvey. Este programa foi disponibilizado na página do Comando da 6ª Região Militar, na EBNet (Rede de Computadores do Exército Brasileiro), para que os oficiais de todas as outras Organizações Militares da guarnição de Salvador-BA tivessem acesso ao mesmo, e pudessem respondê-lo. Também, foi lançado mão de pesquisa bibliográfica e documental a respeito da Escola de Administração do Exército (EsAEx), do Quadro Complementar de Oficiais (QCO), e Maria Quitéria de Jesus, patrono do QCO. Com base nos dados colhidos dos questionários, fez-se a análise dos mesmos, sempre buscando informações que pudessem corroborar com o objetivo deste trabalho que é o de buscar subsídios para a discussão a respeito da relação do oficial do Quadro Complementar e os oficiais dos demais Quadros, Armas e Serviços, principalmente os oriundos da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN). De maneira geral, depreendeu-se que tanto a carreira do Quadro Complementar de Oficiais, quanto o Curso de Formação devem ser reformulados, a fim de preparar melhor o oficial do QCO para assumir as atribuições de um militar. Quanto ao questionamento que deu origem a este trabalho, pôde-se concluir que existem arestas a serem aparadas, há indícios de resistência por parte dos oficiais dos demais Quadros, Armas e Serviços em relação ao oficial do Quadro Complementar. Palavras-Chave: Escola de Administração do Exército. Quadro Complementar de Oficiais. Oficiais. Quadros, Armas e Serviços. Questionário. Percepção em relação ao QCO.

7 ABSTRACT This work is intended to perform a study on how officers from Quadros, Armas e Serviços in the Brazilian Army see the officers from Quadro Complementar (QCO) in the city of Salvador. In this context, a questionnaire has been developed and applied to troops from the universe selected. Part of these questionnaires have been printed and handed in to officers in Escola de Administração do Exército and the remainder was applied with the aid of a computer program called LimeSurvey. This program was available on site of Command of Military Region in EBNet (Computer Networking of the Brazilian Army), so that the officers of all other organizations of Military garrison of Salvador-BA had access to it, and could answer it. Also, it was made a literature and documentary study about Escola de Administração do Exército and Maria Quitéria de Jesus, patron of QCO. Based on data collected in the questionnaires, they were analyzed in order to corroborate with the objective of this work that is to seek subsidies for the discussion about the the officers from Quadros, Armas e Serviços, particularly those from the graduated from Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN). In general, it appears that both the career of Quadro Complementar Officers, as the Training Course ( Curso de Formação de Oficiais - CFO ) should be reformulated so as to better prepare the officer QCO to assume the duties of a military. As for the questioning that led to this work, we could conclude that there are edges to be trimmed, there are signs of resistance on the part of officers of other Quadros, Armas e Serviços in relation to the officer's Quadro Complementar. Key-word: Army School of Administration. Table Supplemental Official. Official. Tables, and Weapons, and Services. Questionnaire. Perception in relation to QCO.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O QUADRO COMPLEMENTAR DE OFICIAIS POSTOS E PROMOÇÕES O SÍMBOLO E A PATRONO DO QCO O Símbolo A Patrono A ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO - ESAEX O CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR CFO/QC METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA POPULAÇÃO INSTRUMENTO DE PESQUISA PROCEDIMENTOS DE PESQUISA RESULTADOS E DISCUSSÃO DEVERES E DIREITOS, MISSÃO, FUNÇÃO, FORMAÇÃO DOS OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR A CARREIRA DOS OFICIAIS DO QUADRO COMPLEMENTAR O QUADRO COMPLEMENTAR DE OFICIAIS HÁ DISCRIMINAÇÃO EM RELAÇÃO AO QUADRO COMPLEMENTAR? ATRIBUTOS DA ÁREA AFETIVA SOB VÁRIOS ASPECTOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES... 47

9 8 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como tema buscar subsídios para discutir a visão que o oficial dos demais Quadros, Armas e Serviços têm a respeito do militar do Quadro Complementar de Oficiais (QCO). Para atingir este objetivo, foram aplicados questionários com uma amostra significativa de oficiais na guarnição de Salvador-BA. A princípio, pensou-se em aplicar o questionário somente no âmbito da Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador (EsAEx/CMS), porém, para dar mais credibilidade e abrangência, estendeu-se para todos os oficiais, os quais pertençam ao universo pretendido, da guarnição de Salvador. A metodologia de pesquisa empregada foi a pesquisa bibliográfica, documental e descritiva, uma vez que houve a necessidade de buscar dados sobre o Quadro Complementar, a sua história, estruturação e situação atual, bem como, fez-se uma breve explanação sobre o Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar, e a Escola de Administração do Exército. Objetivando dirimir dúvidas de como o oficial dos demais Quadros, Armas e Serviços, principalmente os oriundos da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), percebe os oficiais do QCO, elaborou-se este trabalho, e para alcançar este objetivo maior foram traçados objetivos secundários, tais como: identificar os pontos de divergência entre as diversas categorias de militares, identificar o grau de satisfação dos demais oficiais quanto ao trabalho desenvolvido pelo oficial do QCO, identificar os pontos sensíveis na relação dos oficiais do QCO e demais oficiais, identificar a percepção dos demais oficiais quanto ao militar do QCO. O Quadro Complementar de Oficiais é um Quadro jovem, quando se fala de Exército Brasileiro, e também, possui particularidades que, por vezes, causam estranheza tanto em seus integrantes, quanto nos militares que compõem os outros Quadros, Armas e Serviços. Por esta razão, sentiu-se a necessidade de pesquisar qual o sentimento que esses demais oficiais têm a respeito dos companheiros de farda do QCO. A importância deste estudo, de modo geral, é realizar um trabalho científico sobre as relações entre as diversas categorias de militares, especialmente oficiais, que compõem o Exército Brasileiro, e colher subsídios que possam ser empregados para o aprimoramento das relações e da capacidade administrativa da Força, contribuindo, também, para o crescimento do Quadro Complementar de Oficiais.

10 9 2 O QUADRO COMPLEMENTAR DE OFICIAIS O Noticiário do Exército (NE) n 7.551, de 20 de outubro de 1989 (EXÉRCITO BRASILEIRO, 1989) sob o título de Quadro Complementar de Oficiais Agora uma Realidade publica a informação de que o Presidente da República sancionou a Lei n 7.831, de 02 de outubro de 1989, que cria o Quadro Complementar de Oficiais QCO no então, Ministério do Exército. Segundo registra o Histórico ( ) pesquisado, o Ministro do Exército aprovou o Regulamento da Escola de Administração do Exército (EsAEx) (R/48), através da Portaria Ministerial n 742, de 16 de agosto de Atualmente, este regulamento está disposto na Portaria n 057, de 12 de fevereiro de 2003, revogando as Portarias Ministeriais anteriores (EXÉRCITO BRASILEIRO, 2003). Em 19 de outubro de 1989, foi sancionado, pelo Presidente da República, o Decreto n (BRASIL, 1989), transcrito no Boletim do Exército n 49, de 07 de dezembro, aprovando o Regulamento para o Quadro Complementar de Oficiais (R/41). Sendo assim, no dia 02 de maio do ano de 1990, pela primeira vez no Exército Brasileiro, foi realizada a recepção dos aprovados no concurso de admissão ao Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar (CFO/QC), no Corpo da Guarda da EsAEx. O evento foi iniciado com a apresentação dos alunos. Na seqüência, realizaram a entrada na EsAEx em coluna por um, no passo ordinário, a apresentação do CFO ao comandante da Escola, o canto da Canção do Exército, e o desfile dos candidatos. A Aula Inaugural foi ministrada pelo próprio Comandante da Escola, no auditório dos Correios e Telégrafos da Pituba, bairro da cidade de Salvador onde está sediada a EsAEx. (ESAEX, ) O Quadro Complementar de Oficiais (QCO) é composto por pessoas que incorporam às fileiras do Exército, oriundas do meio civil, ou até mesmo militares de outras Forças Armadas e Auxiliares, bem como os oficiais da reserva não-remunerada de segunda classe e praças do Exército, aprovados em concurso público de âmbito nacional. Os oficiais-alunos são graduados em cursos de nível superior reconhecidos pelo Ministério da Educação e realizados nas mais diversas universidades brasileiras, em diferentes áreas do conhecimento e especializações técnicas necessárias ao Exército. A primeira turma do Curso de Formação do Quadro Complementar de Oficiais, Turma Pandiá Calógeras, com 100 (cem) oficiais-alunos somente do sexo masculino, formou-se no dia 01 de dezembro de 1990, ocasião aquela na qual realizaram o compromisso ao Primeiro

11 Posto. Somente a partir do ano de 1992, as mulheres ingressaram no Exército, através do Quadro Complementar de Oficiais. Neste mesmo ano, e fazendo uma homenagem à Maria Quitéria de Jesus, primeira mulher que assentou praça em uma unidade militar do Brasil, a turma pioneira de oficiais, composta por homens e mulheres, foi denominada Turma Maria Quitéria. Após a conclusão do curso, o aluno é promovido, por ato normativo publicado no Diário Oficial da União, ao posto de primeiro-tenente de carreira, passando à situação de servidor público militar e sendo designado, por necessidade do serviço, para ocupar um cargo de natureza complementar, em uma das organizações militares distribuídas pelo território nacional. A criação do Quadro Complementar de Oficiais pode ser vista como uma solução institucional interna do Exército, em consonância com a política de formação de recursos humanos na Administração Pública Federal, que passou a constituir um fator importante para a Reforma Administrativa do Estado implementada no Brasil no ano de (SILVA, 2006, p. 63). Segundo Rodrigues (2008), com a intenção de profissionalizar suas atividades-meio e adequar-se aos novos paradigmas do capitalismo global em busca da excelência por meio de conhecimentos técnicos especializados, o Exército criou um novo quadro de oficiais de carreira, o Quadro Complementar de Oficiais (QCO), em Oficialmente, o QCO foi criado com a finalidade de: [...] formar para o Exército, oficiais das mais diversas áreas e especialidades para exercerem, na Força, atividades específicas - assessoramentos ao escalão superior, ensino e atividades administrativas e assim liberar os oficiais de Armas e Serviços para as atividades-fim. (EXÉRCITO BRASILEIRO, 2001 apud RODRIGUES, 2008, p.124). Rodrigues (2008) ainda diz que além de provocar um rearranjo na estrutura da oficialidade, a criação desse Quadro contribuiu para o salto de qualidade vislumbrado pelo Exército, pois: [...] ao implantar o QCO, o Exército possibilitou um avanço significativo para o cumprimento de sua missão, otimizando suas atividades administrativas com a inclusão de pessoal especializado que alia aos seus conhecimentos acadêmicos, a disciplina, o patriotismo e os valores característicos da carreira militar que são desenvolvidos na Escola de Administração do Exército. (ESAEX, 2008 apud RODRIGUES, 2008, p.124) Segundo Soriano Neto (2008), o Exército necessitava preencher com recursos humanos especializados, cargos e funções de natureza complementar e não combatente, a fim de que a Instituição pudesse melhor voltar-se para a sua atividade-fim, liberando para tal mister, um considerável número de Oficiais dos Quadros, das Armas e dos Serviços, da linha 10

12 combatente. A ocupação desses cargos e funções, em vista da evolução científico-tecnológica, que se faz, hoje, em velocidade impressionante, em vários campos do saber, teria de ser feita, obrigatoriamente, por especialistas de nível superior. De acordo com Silva (2006), o Boletim Especial n 04, de 02 de outubro de 1991, da EsAEx, afirma que a filosofia para criação do QCO está fundamentada não somente na necessidade de suprir as necessidades da Força Terrestre em pessoal de nível superior com formação específica, para a ocupação de cargos e funções na atividade-meio, mas também de conter gastos e mobiliar as organizações militares que desempenham a atividade-fim da Força Terrestre com os militares da linha combatente, os quais, muitas vezes, são desviados de função para ocuparem cargos de natureza administrativa. Ainda segundo Silva (2006), o Exército tencionou, também, minorar o problema de solução de continuidade dos trabalhos administrativos, decorrente das freqüentes movimentações impostas pela política de pessoal de proporcionar a vivência nacional aos oficiais da linha bélica (normalmente com dois anos e no máximo três num mesmo local). Assim, Rosa (1997, apud SILVA, 2006, p.64), ao analisar a necessidade de movimentação dos oficiais do QCO, afirma: A solução de continuidade, do exercício de algumas funções administrativas, seria evitada pela permanência mais prolongada do oficial do QCO na mesma OM. A necessária continuidade das rotinas burocráticas e administrativas seria garantida pelo oficial do QCO que se tornaria memória viva da OM. (ROSA, 1997, p.21). Assim sendo, o artigo primeiro, do Regulamento para o QCO (R-41), versa a respeito da finalidade do Quadro Complementar. Art. 1 º O Quadro Complementar de Oficiais (QCO), de que trata o presente Regulamento destina-se a suprir as necessidades do Exército em pessoal de nível superior para a ocupação de cargos e funções de natureza complementar. 1º São considerados de natureza complementar os cargos e funções cujas atividades não estão relacionadas diretamente com as operações militares e exijam, para o seu desempenho, pessoal com formação superior específica, não existente nos atuais Quadros, Armas e Serviços. 2º O Ministro do Exército definirá as áreas de atividades complementares de que necessita a Força Terrestre, especificando, quando necessário, as subáreas que caracterizam uma especialização dentro dessas áreas de atividade. (EXÉRCITO BRASILEIRO, 1989). Sabidamente o legislador carregou de flexibilidade a estrutura dessa carreira complementar, não definindo, em Lei Federal, os cursos superiores que seriam integrados ao Quadro Complementar. Dessa forma, as áreas de conhecimento podem ser integradas, em uma única carreira, por decisão do Exército, de acordo com suas necessidades nas áreas de pessoal, material e financeira (SILVA, 2006, p. 64). 11

13 12 Os cargos complementares são normalmente cargos de assessoria e, quando de chefia, restringem-se à chefia de pequenas seções administrativas, sendo assim, considerados na administração militar como médios gestores (SILVA, 2006, p.65). maneira: Atualmente, o efetivo de oficiais do Quadro Complementar está dividido da seguinte Tabela 1: Total de oficiais existentes (ativos e inativos) em cada posto da carreira. Posto Efetivo Existente Major 215 Capitão 790 1º Tenente 621 Total 1679 Fonte: elaborado pela autora com base no Almanaque Online do Exército (2008) Tabela 2: Percentual comparativo de militares do QCO, por posto. Percentual por Posto Percentual de 1º Tenentes 43% 38% Percentual de Capitães 49% 49% Percentual de Majores 8% 13% Fonte: elaborado pela autora com base no Almanaque Online do Exército (2008) Segundo o Almanaque do Exército (2008), a situação do efetivo de militares do Quadro Complementar de Oficiais, por ano de formação e por situação, é demonstrado na figura a seguir. Gráfico 1: Situação do Efetivo do Quadro Complementar (2008) Fonte: elaborado pela autora com base no Almanaque Online do Exército ( 2008)

14 13 O gráfico seguinte mostra o total do efetivo recém-egresso da Escola de Administração do Exército, ao final do curso de formação, nas respectivas turmas. Gráfico 2: Efetivo recém-egresso da EsAEx, por ano de formação Fonte: elaborado pela autora com base no Almanaque do Exército ( 2008) e oficiais do QCO na ativa. Os dados publicados no sítio, na Internet, do Exército Brasileiro, no ano de 2006, mostram algumas estatísticas em relação ao QCO. Tabela 3: Dados percentuais do efetivo do QCO Dados sobre o QCO Percentual de Cargos Preenchidos 49% Percentual de Homens 70% Percentual dos que já eram militares antes de ingressarem no Quadro 37% Percentual dos que já eram ou já foram militares antes de ingressarem no Quadro 44% Fonte: Noticiário do Exército, de 02 de outubro de 2006 Dia do Quadro Complementar de Oficiais

15 14 Tabela 4: Cargos Previstos e Efetivo Existente. Código Área QCP 1 Ef E Administração Contabilidade Economia Estatística Direito Informática Assistência Social Orientação Educacional Pedagogia Psicologia Ciências Médicas Ciências Humanas Português Matemática História Geografia Biologia Química Física Inglês Espanhol Francês Alemão Russo Italiano Filosofia Ciências Biológicas Veterinária Enfermagem Comunicação Social Biblioteconomia 29 0 Total Fonte: Noticiário do Exército, de 02 de outubro de 2006 Dia do Quadro Complementar de Oficiais. 1- QCP: Quadro de Cargos Previstos 2- Ef E: Efetivo Existente

16 POSTOS E PROMOÇÕES O Quadro Complementar de Oficiais está estruturado nos seguintes postos hierárquicos: Primeiro-Tenente, Capitão, Major, e Tenente-Coronel. De acordo com o Artigo 27, do Decreto , os oficiais do QCO têm as mesmas honras, direitos, prerrogativas, deveres, responsabilidades e vencimentos previstos em leis e regulamentos para os demais oficiais de carreira. O interstício, tempo mínimo de permanência no mesmo posto, da carreira do Quadro Complementar é superior ao das demais carreiras do Exército. O gráfico 3, a seguir, mostra os interstícios, em meses, dos diversos Quadros, Armas e Serviços do Exército para ingresso no Quadro de Acesso (QA), que é a relação de militares, no caso oficiais, habilitados a promoção ao posto acima. Neste gráfico não está contemplado o Quadro Auxiliar de Oficiais (QAO), uma vez que difere dos demais por ser um quadro que não alcança os postos de oficiais superiores. Gráfico 3: Interstícios para ingresso no Quadro de Acesso dos Quadros, Armas e Serviços do Exército Fonte: elaborado pela autora com base na Portaria n 659, de 14 de novembro de 2002.

17 O oficial da linha combatente quando se forma na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) é promovido ao posto de Aspirante-a-Oficial, e cumpre interstícios que totalizam 54 (cinqüenta e quatro) meses para alcançar o posto de Primeiro-Tenente, enquanto que os Capelães Militares, após o curso de formação, o alcançam em 50 (cinqüenta) meses. A partir do posto de Primeiro-Tenente, os Quadros, Armas e Serviços, considerados neste contexto, se igualam, e então, paradoxalmente, fica evidente a diferença entre cada um desses, como pode ser observado no gráfico acima. Essa diferença se dá pelo fato de o oficial do QCO atingir o topo da carreira no posto de Tenente-Coronel, ou seja, existe uma baixa amplitude entre o primeiro e último posto da carreira. A carreira prevê o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, realizado no posto de capitão, ministrado pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO), em regime de Ensino à Distância, curso este que é requisito para a promoção aos postos subseqüentes. Com o tempo regulamentar em cada posto, os oficiais do QCO são promovidos, por merecimento ou antigüidade, aos postos de capitão, major e tenente-coronel, este último somente por merecimento, segundo legislação vigente O SÍMBOLO E A PATRONO DO QCO Uma das formas de reforçar valores nas organizações diz respeito aos símbolos e mitos criados (BERGER e LUCKMANN, 2003 apud SILVA, 2006, p.69). Na vida militar, o respeito e culto às tradições é bastante forte, fazendo parte de toda rotina da caserna. Os símbolos, as vestes, bandeiras e cerimônias são revestidos com o manto histórico que corrobora para que a Instituição Militar seja uma das de maior credibilidade diante a população civil brasileira. (ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS, 2007) O Símbolo No Exército, o símbolo tem por finalidade representar a especialidade das Armas, Quadros e Serviços, bem como brevemente identificar sua finalidade. Segundo Regulamento de Uniformes do Exército (RUE), o símbolo do QCO está representado na figura de um

18 triângulo isósceles vazado representando o conhecimento civil, e um sabre sobreposto, relativo ao conhecimento militar. A interseção dessas figuras corresponde à integração desses dois conhecimentos. 17 Figura 1 Símbolo do QCO Em janeiro de 2007, a frase Nem cora o livro de ombrear co o sabre...nem cora o sabre de chamá-lo irmão... (CASTRO ALVES) foi estampada no Pavilhão do Curso de Formação de Oficiais, voltada para o Pátio Maria Quitéria, por retratar a essência da missão da Escola de Administração do Exército, responsável pela formação dos Oficiais do Quadro Complementar, cujo saber, aprendido em bancos acadêmicos, é direcionado para o desempenho e cargos e funções de interesse do Exército. Tal frase nos leva ao entendimento de que o saber e as armas não devem se envergonhar de juntos defender os valores e interesses da nação brasileira.(esaex, ) A Patrono Patrono, ou ainda, Chefe militar ou personalidade civil escolhida como figura tutelar de uma força armada, de uma arma ou unidade (AURÉLIO, 2000 apud SILVA, 2006, p.70) mantém vivas as tradições militares e o culto dos heróis. Pela análise documental realizada por Silva (2006), foi verificado que cada Arma ou Quadro do Exército tem o seu patrono como tradição a ser cultuada. As qualidades e habilidades deste são associadas às peculiaridades de cada arma ou quadro que são cultuados internamente, para reforçar valores e impregnar a tropa pelo exemplo, distinguindo-se, assim, a identidade de cada segmento. Segundo Soriano Neto (2008), nossos principais dicionários distinguem bem os dois vocábulos: patrona é cartucheira e também padroeira, protetora (no sentido religioso); patrono é protetor, defensor. Assim, as duas palavras apresentam denotações semelhantes sob o

19 aspecto de religiosidade, mas apenas "patrono" possui a semântica castrense, pois também significa "defensor". Maria Quitéria de Jesus é a Patrono do Quadro Complementar de Oficiais (QCO) e teve participação destacada nas lutas pela Independência da Bahia e do Brasil, combatendo bravamente em muitas frentes de batalha. Muitos são os sinônimos de Quitéria: Heroína da Independência, "Cadete da Independência, "A Joana D Arc Brasileira", e "A Mulhersoldado do Brasil. A patrono do QCO foi instituída pelo Decreto Presidencial assinado em 28 de junho de 1996, publicado no Diário Oficial da União, em 1 de julho do mesmo ano. Acrescenta-se, ainda, que o Decreto Presidencial, de 28 Jun 96, foi propositadamente publicado no DOU, de 1º de julho daquele ano, no dia anterior ao da maior e mais tradicional festa baiana, o "Dois de Julho", para que se desse o máximo de destaque ao importante marco histórico em que os baianos comemoram a "Independência da Bahia", porquanto, naquela data, em 1823, o "Exército Libertador", do qual Maria Quitéria fazia parte, entrou vitoriosamente em Salvador, abandonada, de véspera, pelos portugueses derrotados (SORIANO NETO, 2008). De acordo com a pesquisa de Silva (2006), uma das possíveis causas que levaram a escolha de Maria Quitéria como patrona do QCO foi o reforço à imagem da mulher, que ingressa pela primeira vez na administração militar, por meio do QCO, na turma de 1992, denominada de Turma Maria Quitéria. 18

20 19 3 A ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO - EsAEx O cenário da administração pública brasileira na época de criação da Escola de Administração do Exército (EsAEx) pode ser caracterizado pela Reforma do Estado iniciada nos anos de 1980, a qual buscava um modelo de administração gerencial para responder a crise do Estado, de forma a reduzir custos e aumentar a eficiência estatal para melhor atender às demandas sociais por meio da prestação dos serviços públicos (MACHADO DA SILVA, 2003 apud SILVA, 2006, p.65). A Escola de Administração do Exército (EsAEx) foi criada em 1988, na cidade de Salvador (BA), sendo um dos quatro Estabelecimentos de Ensino que formam os oficiais de carreira do Exército Brasileiro. A Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) é responsável pela formação dos oficiais da linha bélica, a Escola de Saúde do Exército (EsSEx) se encarrega da formação do oficial do Serviço de Saúde, o Instituto Militar de Engenharia (IME) forma oficiais engenheiros militares e a EsAEx forma os oficiais do Quadro Complementar, dentro de diversas áreas de interesse da Força Terrestre, como Administração de Empresas, Ciências Contábeis, Comunicação Social, Direito, Economia, Enfermagem, Estatística, Informática, Magistério, Pedagogia, Psicologia e Veterinária. O Regulamento da EsAEx (R-48) diz: Art. 2 A EsAEx é um estabelecimento de ensino (EE) de formação, de grau superior, da Linha do Ensino Militar Complementar, diretamente subordinado à Diretoria de Especialização e Extensão (DEE), destinado a: I - formar oficiais para o Quadro Complementar de Oficiais (QCO) habilitando-os para o exercício de cargos e funções de natureza complementar, cujas áreas e subáreas são definidas pelo Estado- Maior do Exército (EME); II - realizar os concursos para ingresso no QCO; III - ministrar estágios sobre assuntos peculiares à EsAEx; e IV - realizar pesquisas na área de sua competência, inclusive, se necessário, com a participação de instituições congêneres. (EXÉRCITO BRASILEIRO, 2003). Desde do ano de 1993, a Escola de Administração do Exército compartilha a área e instalações com o Colégio Militar de Salvador (CMS). Os dois estabelecimentos funcionam de forma independente, porém é nomeado um único comandante para o período de 2 (dois) anos de comando, com possibilidade de recondução.

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA (Insp G Ens Ex/1937)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA (Insp G Ens Ex/1937) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA (Insp G Ens Ex/1937) PORTARIA N o 99-DEP, DE 18 DE OUTUBRO DE 2004 Aprova as Diretrizes para o Subsistema de Ensino Regular de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005.

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. INSTITUI NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

FORMAS DE INGRESSO DO SEGMENTO DO SEXO FEMININO NO EXÉRCITO BRASILEIRO

FORMAS DE INGRESSO DO SEGMENTO DO SEXO FEMININO NO EXÉRCITO BRASILEIRO FORMAS DE INGRESSO DO SEGMENTO DO SEXO FEMININO NO EXÉRCITO BRASILEIRO As mulheres estão isentas do serviço militar, na forma prevista pela Constituição. Todavia, é permitida a prestação do serviço militar

Leia mais

PORTARIA Nr 98 - DEP, DE 18 DE OUTUBRO DE 2004

PORTARIA Nr 98 - DEP, DE 18 DE OUTUBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA (Insp G Ens Ex/1937) PORTARIA Nr 98 - DEP, DE 18 DE OUTUBRO DE 2004 Aprova as Diretrizes para o Funcionamento do Sistema de Ensino

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

DIRETRIZ PARA GESTÃO DA EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO

DIRETRIZ PARA GESTÃO DA EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO 1 de 9 11/9/2013 13:53 PORTARIA Nº 118-EME, DE 6 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a Diretriz para Gestão da Educação e Capacitação dos Recursos Humanos do Exército Brasileiro O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de Ministrado no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte/MG, OS os cursos de formação de Oficiais Médicos, Dentistas e Farmacêuticos, tem a duração aproximada de 18 (dezoito)

Leia mais

PROC. Nº 6203/07 PLL Nº 183/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 6203/07 PLL Nº 183/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Irani Flôres de Siqueira nasceu em Montenegro/RS, em 11 de fevereiro de 1936, filho de Mozart Noronha de Siqueira e de Cassilda Flôres de Siqueira. É casado com Lourdes Beatriz Pereira

Leia mais

ATENÇÃO! OS GRIFOS EM AZUL CORRESPONDEM ÀS NOVAS REDAÇÕES SUGERIDAS PELA APROJUS E/OU ACRÉSCIMOS NO TEXTO ORIGINAL. Capítulo I. Das Disposições Gerais

ATENÇÃO! OS GRIFOS EM AZUL CORRESPONDEM ÀS NOVAS REDAÇÕES SUGERIDAS PELA APROJUS E/OU ACRÉSCIMOS NO TEXTO ORIGINAL. Capítulo I. Das Disposições Gerais Dispõe sobre as Carreiras dos Servidores do Quadro de Pessoal de Provimento Efetivo dos Serviços Auxiliares do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, fixa valores de vencimento básico; cria

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Boletim do Exército Nº 28/2006. Brasília - DF, 14 de julho de 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO

Boletim do Exército Nº 28/2006. Brasília - DF, 14 de julho de 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Nº 28/2006 Brasília - DF, 14 de julho de 2006. BOLETIM DO EXÉRCITO N º 28/2006 Brasília - DF, 14 de julho de 2006.

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011.

PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011. PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011. Aprova as Instruções Reguladoras para a Organização, Funcionamento e Matrícula no Curso de Pós-Graduação em Direito Militar (IROFM/Dirt Mil - IR 60-49). O

Leia mais

Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos Militares Estaduais passam a observar os preceitos estatuídos na presente Lei.

Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos Militares Estaduais passam a observar os preceitos estatuídos na presente Lei. ANTEPROJETO DE LEI Nº xx DE 2013. Dispõe sobre a carreira dos Militares do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. Art. 1º - Os Quadros de Organização da Brigada Militar e a carreira dos

Leia mais

Unidades em ótimas localizações; Apostilas desenvolvidas pelos nossos professores com questões correspondentes aos concursos militares de todo o país.

Unidades em ótimas localizações; Apostilas desenvolvidas pelos nossos professores com questões correspondentes aos concursos militares de todo o país. Especialista na área militar; Excelente preparação para o ingresso na carreira militar; 41 anos de dedicação ao Ensino; Aperfeiçoamento da comunicação intrapessoal e interpessoal; Estimulação a mudanças

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Entrevista com o Chefe do DECEx

Entrevista com o Chefe do DECEx Entrevista com o Chefe do DECEx OGeneral-de-Exército Rui Monarca da Silveira é natural do Rio de Janeiro, onde nasceu no dia 14 de novembro de 1947, tendo sido declarado aspirante-a-oficial da arma de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais

INSTRUÇÕES REGULADORAS DA ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MATRÍCULA, DO CURSO DE IDIOMAS VIRTUAL (IROFM/CIV IR 60-55). Seção I Da Finalidade

INSTRUÇÕES REGULADORAS DA ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MATRÍCULA, DO CURSO DE IDIOMAS VIRTUAL (IROFM/CIV IR 60-55). Seção I Da Finalidade INSTRUÇÕES REGULADORAS DA ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MATRÍCULA, DO CURSO DE IDIOMAS VIRTUAL (IROFM/CIV IR 60-55). (Documento aprovado pela Portaria Nº 079 - DECEx, de de 2011) Seção I Da Finalidade Art.

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO 1 ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO Pesquisa n 1-22 de maio de 2013 CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO AQUI SÃO SELECIONADOS OS FUTUROS LÍDERES DO EXÉRCITO BRASILEIRO

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO UMA REFLEXÃO SOBRE O PERFIL DO ENGENHEIRO INDUSTRIAL DO CEFET-RJ. José dos Santos Bastos Lilian Martins da Motta Dias Leydervan de Souza Xavier Jorge

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR Regulamento da Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo, e dá outras providencias Setor Gráfico do CSM/M Int.

Leia mais

PROJETO DE LEI CRIAÇÃO DO QOPMA

PROJETO DE LEI CRIAÇÃO DO QOPMA PROJETO DE LEI CRIAÇÃO DO QOPMA QUADRO DE OFICIAL POLICIAL MILITAR DE ADMINISTRAÇÃO (Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Administração Policial Militar) SÚMULA: A fim de dar continuidade na carreira

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Art. 1º Fica instituída a Política de Capacitação dos servidores da Controladoria-Geral da União - CGU, com os seguintes objetivos:

Art. 1º Fica instituída a Política de Capacitação dos servidores da Controladoria-Geral da União - CGU, com os seguintes objetivos: Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca A Biblioteca da Presidência da República

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011.

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova a Instrução que estabelece as Normas Reguladoras para a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais.

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. SIC 01 /05 - CEE/MG Belo Horizonte, 25 de maio de 2005. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. Estabelece normas

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL LEI Nº 5.106, DE 3 DE MAIO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

INFORMATIVO DOZE DE OURO

INFORMATIVO DOZE DE OURO INFORMATIVO DOZE DE OURO ABRIL 2013/24 EDITORIAL O IDO do início de abril destaca algumas das atividades que conferem ao Btl o conhecido reconhecimento no âmbito da 4ª RM: Capacitação dos Quadros para

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

04/00 07/00 13/00 14/00

04/00 07/00 13/00 14/00 Graduação, realizado no Instituto Militar de Engenharia. 03 A1 de 11 Jan 00 Concede Medalha Marechal Hermes ao Concludente do Curso de Formação e Graduação, realizado no Instituto Militar de Engenharia.

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados PORTARIA Nº 785, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1998 Aprova as Instruções Gerais para a Qualificação Militar das Praças (IG 10-01) O MINISTRO DE ESTADO DO EXÉRCITO, de acordo com o que dispõe o art. 8º da Lei nº

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

O CURSO DE FORMAÇÃO MILITAR NA ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO

O CURSO DE FORMAÇÃO MILITAR NA ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO O CURSO DE FORMAÇÃO MILITAR NA ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO O Curso, com duração de 35 semanas tem como objetivo habilitar os profissionais de saúde da área médica a integrarem, como militares, o Serviço

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DO CEFET-RN

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DO CEFET-RN CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DO CEFET-RN (Aprovado através da Resolução nº 20/2005-CD, de 26/10/2005)

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE AVISO Nº 003/2014 A Diretora da ESMP/PE, Dra. Deluse do Amaral Rolim Florentino, nos termos do Art.8º, VII, da Resolução RES-CSMP-001/00, de 31.03.2000, torna público o Regulamento da terceira turma do

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

Resolução complementar N 04/2014, de 09 de setembro de 2014

Resolução complementar N 04/2014, de 09 de setembro de 2014 Resolução complementar N 04/2014, de 09 de setembro de 2014 Dispõe sobre as progressões e promoções dos integrantes das Carreiras de Magistério da Universidade Federal de Minas Gerais. O Conselho Universitário

Leia mais

PORTARIA Nº 256-DGP, DE 27 DE OUTUBRO DE 2008.

PORTARIA Nº 256-DGP, DE 27 DE OUTUBRO DE 2008. PORTARIA Nº 256-DGP, DE 27 DE OUTUBRO DE 2008. Aprova as Instruções Reguladoras para Aplicação das IG 10-02, Movimentação de Oficiais e Praças do Exército (IR 30-31). O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL,

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-24 ADMISSÃO DE CANDIDATOS CIVIS NOS CURSOS FUNDAMENTAL E PROFISSIONAL DO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

O Papel da Mulher na Gestão Pública

O Papel da Mulher na Gestão Pública O Papel da Mulher na Gestão Pública A linha divisória entre o mundo particular da família onde ficavam as mulheres, e o mundo público do trabalho e sucesso profissional, onde estavam os homens, está cada

Leia mais

PQI REGULAMENTO-GERAL DO PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL

PQI REGULAMENTO-GERAL DO PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL PQI REGULAMENTO-GERAL DO PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL Institui o regulamento geral do plano de qualificação institucional no Centro Federal de Educação Tecnológica de Rio Verde - GO. INTRODUÇÃO

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING NA EsAEx

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING NA EsAEx 0 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING NA EsAEx Salvador 2008 1 MINISTÉRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UDF EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UDF EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UDF EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 O Centro Universitário do Distrito Federal - UDF, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16.

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

Art. 3º Revogar a Portaria nº 256-DGP, de 27 de outubro de 2008, e a Portaria nº 176- DGP, de 24 de junho de 2009.

Art. 3º Revogar a Portaria nº 256-DGP, de 27 de outubro de 2008, e a Portaria nº 176- DGP, de 24 de junho de 2009. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL ( D i r e t o r i a G e r a l d o P e s s o a l / 1 8 6 0 ) DEPARTAMENTO BARÃO DE SURUHY PORTARIA Nº 070-DGP, DE 23 DE MARÇO DE 2010.

Leia mais

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO a) Perfil do curso (máximo: ½ página) Em 1954 foi criado na UFMG

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

Plano de Ação da CPA

Plano de Ação da CPA Centro Universitário do Estado do Pará - CESUPA Plano de Ação da CPA Ano 2014 CPA/CESUPA 2014 C o m i s s ã o P r ó p r i a d e A v a l i a ç ã o C P A / C E S U P A APRESENTAÇÃO O plano de ações da CPA

Leia mais

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Maria Luiza Nóbrega de Morais 1 O Núcleo de Pesquisa do Mercado de Trabalho de Comunicações e Artes (ECA- USP) coordenou recentemente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS:

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS: FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 A FACULDADE DO SUL DA BAHIA, credenciada pela Portaria Ministerial nº 944, de 17/05/2001 publicada no DOU em 21/05/2001 e o INSTITUTO

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013.

ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013. ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o curso oficial para ingresso, o curso de formação

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO

A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO A PREPARAÇÃO DO LÍDER ESTRATÉGICO NO EXÉRCITO BRASILEIRO UNIVERSO: OFICIAIS FORMADOS NA AMAN (origem líderes estratégicos ) PROPOSTA: Programa de Formação de Comandantes e Assessores para o Nível Estratégico

Leia mais

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes 1 PROVA TRADICIONAL 1.1 Dos Períodos de Inscrição, Horários e Locais: O Processo Seletivo da Universidade Cidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2011

RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Aprova as Normas Complementares para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REFERÊNCIA ELOGIOSA. Pelo Chefe da Divisão de Ensino da ACADEMIA MILITAR DAS AGULHAS NEGRAS

REFERÊNCIA ELOGIOSA. Pelo Chefe da Divisão de Ensino da ACADEMIA MILITAR DAS AGULHAS NEGRAS REFERÊNCIA ELOGIOSA Pelo Chefe da Divisão de Ensino da ACADEMIA MILITAR DAS AGULHAS NEGRAS No momento de sua transferência para a Reserva Remunerada, após mais de vinte e seis anos de efetivo serviço,

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES Artigo 1.º - O corpo docente da PUCPR é constituído pelo pessoal de nível superior que exerce atividades de ensino, pesquisa

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO.

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. Fixa normas de capacitação para o pessoal técnicoadministrativo. A CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI Consolida o Plano de Carreira e Cargo de Professor Federal e dispõe sobre a reestruturação e unificação das carreiras e cargos do magistério da União, incluídas suas autarquias

Leia mais

PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969

PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969 PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969 Dispõe sobre a profissão de Atuário e dá outras providências. Os Ministros da Marinha de Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar,

Leia mais

PAUTA SUPLEMENTAR DA 43ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE PESQUISA

PAUTA SUPLEMENTAR DA 43ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE PESQUISA PAUTA SUPLEMENTAR DA 43ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE PESQUISA 19/08/2015 1) Documento do Grupo de Trabalho para estudo da viabilidade de constituição do Conselho de Laboratórios na FCA junho/2015. Para ciência

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I PROJETO DE LEI O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a Carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei no 7.596, de 10

Leia mais