PALAVRAS-CHAVE: formação profissional, propriedade intelectual, verbetes, educação tecnológica,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS-CHAVE: formação profissional, propriedade intelectual, verbetes, educação tecnológica,"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA COLETA DE DADOS SOBRE A PROPRIEDADE INTELECTUAL E A SUA INSERÇÃO CURSOS NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA: PESQUISA DE CAMPO REALIZADA NO CEFET-MG E NA PUC MINAS José Antônio Carlos Pimenta * RESUMO: O artigo aborda os resultados da primeira coleta de dados da pesquisa de campo integrante do projeto de pesquisa apresentado perante o mestrado em Educação Tecnológica do Centro de Educação Tecnológico de Minas Gerais intitulado: A Propriedade Intelectual e a formação do profissional em tecnologia: um estudo da inserção do tema na escola de Educação Tecnológica. O referido projeto de pesquisa para obtenção do título de mestre em educação tecnológica perante o CEFETMG. A presente pesquisa foi realizada entre os dias 18 a de abril de 8, com os alunos dos seguintes cursos: Engenharia Mecânica da PUCMINAS, do 1 o.período da unidade de Contagem; Engenharia Elétrica do CEFETMG, do 1 o período e do Curso de Sistemas de Informação da PUCMINAS, do 1 o período, da unidade de Contagem. A população total pesquisada foi de 1(cento e vinte e cinco) alunos do chamado ciclo básico da área das ciências exatas. A coleta de dados se se baseou em um instrumento simples e objetivo através de um questionário com quatro níveis de apuração de conhecimento, com a seguinte codificação: NC: Não conheço nada do assunto; CP: Conheço pouca coisa sobre o assunto; CR: Conheço razoavelmente o assunto; MB: Conheço muito bem; versando sobre verbetes básicos da propriedade intelectual. Aponta, preliminarmente que os alunos dos ciclos iniciais dos referidos cursos na área da educação tecnológica tem um conhecimento de razoável à total desconhecimento sobre a maioria dos verbetes apresentados sobre o tema propriedade intelectual. Inda, a pesquisa coletou informações para traçar um perfil sócio-etário-étnico da população pesquisada. Tais dados serão oportunamente analisados para uma confrontação com os dados oficiais e das próprias instituições as quais os alunos estão ligados. Em derradeiro propõe o artigo propõe uma reflexão sobre a importância do tema propriedade intelectual na formação do profissional em tecnologia. PALAVRAS-CHAVE: formação profissional, propriedade intelectual, verbetes, educação tecnológica, * Professor de direito empresarial da PUCMINAS; Mestrando em Educação Tecnológica CEFETMG 1

2 Abstract The article approaches the results of the first collection of data of the research of integrant field of the project of research presented before the mestrado one in Technological Education of the Center of Technological Education of Minas Gerais intitled: The Intellectual Property and the formation of the professional in technology. study of the insertion of the subject in the school of Technological Education. The related project of research for attainment of the heading of Master in Technological Education before the CEFETMG. The present research was carried through enters days 18 the of April of 8, with the pupils of the following courses: Engineering Mechanics of the PUCMINAS, 1o.período of the unit of CONTAGEM; Electric Engineering of the CEFETMG, 1o period and the Course of Systems of Information of the PUCMINAS, 1o period, the unit of CONTAGEM. The searched total population was of 1 (one hundred and twenty and five) pupils of the call basic cycle of the area of accurate sciences.. The collection of data if was based on a simple and objective instrument through one questionnaire with four levels of knowledge verification, with the following decoding: NC: I do not know nothing of the subject; CP: I know little thing on the subject; CR: I know the subject reasonable; MB: I know very well; turning on verbetes basic of the intelectual propriety It points, preliminarily that the pupils of the initial cycles of the related courses in the area of the technological education have a knowledge of reasonable to the total unfamiliarity on the majority of verbetes presented on the subject copyright. In last it considers the article considers a reflection on the importance of has it Intellectual Property in the formation of the professional in technology. Words keys: professional formation, copyright, verbetes, technological education,

3 1. Introdução O presente artigo propõe uma reflexão a partir de uma questão/problema: Os alunos brasileiros dos cursos da área da educação tecnológica têm conhecimento de aspecto básicos da Propriedade Intelectual e da sua importância em sua formação acadêmica e profissional? Para responder a tal questão/problema propõe-se utilizar como metodologia a análise de conteúdo, inspirada na Escola Francesa, no campo da epistemologia. Mazzoti faz uma importante consideração quando se trata de pesquisas qualitativas, como a que deu gênesis ao presente artigo, tendo em vista a sua pretensiosa investida em levantar e indexar os trabalhos produzidos nas reuniões da Anped em um espaço de tempo relativamente longo, qual seja, do ano de 3 a 6. A pesquisadora assinala que: Pesquisas qualitativas tipicamente geram um enorme volume de dados que precisam ser organizados e compreendidos. Isto se faz através de um processo em que se procura identificar dimensões, categorias, tendências, padrões, relações, desvendando-lhes o significado. Este é um processo complexo, não linear, que implica um trabalho de redução, organização e interpretação de dados que se inicia já na fase exploratória e acompanha toda a investigação. (ALVES- MAZZOTI,, p.17). A Análise de discurso pode ser compreendida, segundo Maria L. P. Barbosa Franco, sinteticamente da seguinte forma: a) Assenta-se nos pressupostos de uma concepção crítica e dinâmica da linguagem. b) Linguagem uma construção real de toda a sociedade e como expressão da existência humana. c) Elabora e desenvolve na história representações sociais que se estabelece entre linguagem, pensamento e ação (FRANCO, 3, P.3) 3

4 3. Sobre os dados coletados A presente pesquisa foi realizada entre os alunos dos seguintes cursos: Engenharia Mecânica da PUCMINAS com 8(vinte oito) alunos do 1 o. período da unidade de Contagem; Engenharia Elétrica do CEFETMG com 38(trinta e oito) alunos do 1 o período e do Curso de Sistemas de Informação da PUCMINAS com 9(cinqüenta e nove) alunos do 1 o período, da unidade de Contagem. A população total pesquisada foi de 1(cento e vinte e cinco) alunos do chamado ciclo básico da área das ciências exatas. A presente amostragem representa mais de 6% (sessenta por cento) dos alunos matriculados nas referidas instituições para o 1 o Semestre de 8. Desta forma os dados coletados têm confiabilidade para fins de uma análise do conjunto. A coleta de dados se se baseou em um instrumento simples e objetivo, através de um questionário (anexo I) com quatro níveis de apuração de conhecimento sobre o tema pesquisado, assim dispostos: NC: Não conheço nada do assunto; CP:Conheço pouca coisa sobre o assunto; CR: Conheço razoavelmente o assunto; MB: Conheço muito bem o assunto Estes teriam que ser relacionados aos verbetes básicos no âmbito da Propriedade Intelectual. Os 1 (doze) verbetes foram os seguintes, postados em uma ordem hierárquica de importância e de organicidade conforme se segue : TEMAS NC CP CR MB 1) PROPRIEDADE INTELECTUAL )PATENTES 3)MARCAS )DESENHO INDUSTRIAL OU DESIGNER ) TRANSFERÊNCIA DE TECNLOGIA 6) KNOW HOW 7) INOVAÇÃO 8) TRIPPS DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO 9) ROYALTIES 1) CONVENÇÃO DE PARIS 11) DIREITO ELETRÔNICO 1) DIREITOS AUTORAIS

5 Cada um destes verbetes está inserido tanto em um contexto técnico como em um contexto jurídico, enquanto definido por diplomas legais, ou utilizados conceitualmente no campo da C& T. A título exemplo, sem a pretensão de fazer uma indexação sobre os principais verbetes, relaciona-se abaixo algumas definições legais de alguns. Quando da elaboração do trabalho final de pesquisa, será feita uma detalhada classificação dos principais termos e verbetes do assunto. Neste sentido, as patentes são apresentados e definidos da seguinte forma nos artigos 8 o. e 9 o da Lei 979/96: Art. 8º É patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial. Art. 9º É patenteável como modelo de utilidade o objeto de uso prático, ou parte deste, suscetível de aplicação industrial, que apresente nova forma ou disposição, envolvendo ato inventivo, que resulte em melhoria funcional no seu uso ou em sua fabricação. (BRASIL,1996) As marcas são definidas nos artigos 1 e 13 da referida Lei: Art. 1. São suscetíveis de registro como marca os sinais distintivos visualmente perceptíveis, não compreendidos nas proibições legais. Art. 13. Para os efeitos desta Lei, considera-se: I - marca de produto ou serviço: aquela usada para distinguir produto ou serviço de outro idêntico, semelhante ou afim, de origem diversa; II - marca de certificação: aquela usada para atestar a conformidade de um produto ou serviço com determinadas normas ou especificações técnicas, notadamente quanto à qualidade, natureza, material utilizado e metodologia empregada; e III - marca coletiva: aquela usada para identificar produtos ou serviços provindos de membros de uma determinada entidade. (BRASIL,1996) No que pertine ao Direito Eletrônico persiste um debate para se estabelecer a sua validade e delimitar o seu conteúdo, não obstante, ser unânime entre os juristas a necessidade da especialização deste ramo do direito, bem como a sua própria autonomia. Sustenta LORENZETTI, também explicitando a visão ontológica do direito eletrônico esclarece que esse novo ramo do direito possui um paradigma digital, preconizando a existência de um mundo digital diferente do mundo físico, composto até mesmo com novos cidadãos denominados netcitizens Identifica dois tipos de argumentos que fundamentam essa posição ontológica:

6 a) lex informática, b) Impossibilidade de regular, c) Defesa da liberdade individual: ciberativistas. (LORENZETTI apud LEITE,, pág.8) No Brasil a questão da propriedade intelectual sobre os programas de computadores é regulamentada pela Lei 9.69/1998, conforme abaixo exposto, sua base é o TRIPs (Treaty Related Aspects of Intellectual Property) ou Acordo sobre os aspectos dos direitos de propriedade intelectual relacionados ao comércio, vigente em nosso país por força do Decreto 1.33 de que promulgou a Ata final que incorpora os Resultados da Rodada Uruguai de Negociações Multilaterais do GATT. (BRASIL, 1998) Aponta a pesquisa, preliminarmente que, os alunos dos ciclos iniciais dos referidos cursos na área da educação tecnológica tem um conhecimento de razoável à total desconhecimento sobre a maioria dos verbetes relacionados à propriedade intelectual. Destaca-se na presente pesquisa de campo, de caráter preliminar, que os verbetes que receberam o maior percentual (Gráf.1), no Curso de Engenharia Mecânica da PUCMINAS, de CR: Conheço razoavelmente o assunto e MB: Conheço muito bem o assunto foram Royalties e Convenção de Paris, seguidos de Patentes e Marcas, sendo o verbete Desenho Industrial ou Designer o de melhor ocorrência. O verbete de melhor inocorrência ou de maior desconhecimento entre os alunos de engenharia mecânica da PUCMINAS foi TRIPPS da OMC. NC CP NC: Não conheço nada do assunto CP: Conheço pouca coisa sobre o assunto CR: Conheço razoavelmente o assunto MB: Conheço muito bem o assunto CR MB PROPRIEDADE INTELECTUAL MARCAS TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA INOVAÇÃO ROYALTIES DIREITO ELETRÔNICO 6

7 Gráfico 1: Conhecimento de verbetes-eng. Mecânica PUCMINAS - 1 o período- Noite 1 o.semestre 8 Fonte: dados da pesquisa No Curso de Engenharia Elétrica do CEFETMG os verbetes que receberam o maior percentual (Gráf. ) de CR: Conheço razoavelmente o assunto e MB: Conheço muito bem o assunto foram TRIPPS da OMC, Royalties e Direitos Autorais, seguidos de Patentes e Marcas e Know How. Sendo que o verbete Direitos Autorais o com melhor ocorrência dentre os apresentados.o verbete de melhor inocorrência ou de maior desconhecimento entre os primeiranistas do CEFET foi contraditoriamente ao dado anterior foi TRIPPS da OMC. NC: Não conheço nada do assunto CP: Conheço pouca coisa sobre o assunto CR: Conheço razoavelmente o assunto MB: Conheço muito bem o assunto NC CP CR MB PROPRIEDADE INTELECTUAL MARCAS TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA INOVAÇÃO ROYALTIES DIREITO ELETRÔNICO Gráfico : Conhecimento de verbetes- Eng. Elétrica CEFETMG 1 o períodotarde- 1 o.semestre 8 Fonte: dados da pesquisa No Curso de Sistemas de Informação os verbetes que receberam o maior percentual de CR: Conheço razoavelmente o assunto e MB: Conheço muito bem o assunto, conforme gráfico abaixo (GRÁF.3) foram Direitos Autorais e Inovação, seguidos de Marcas e Patentes. Sendo que o verbete Direitos Autorais teve a melhor ocorrência dentre os 7

8 apresentados. Os verbetes de melhor inocorrência ou de maior desconhecimento entre os primeiranistas da PUCMINAS foram TRIPPS da OMC e Royalties. NC: Não conheço nada do assunto CP: Conheço pouca coisa sobre o assunto CR: Conheço razoavelmente o assunto MB: Conheço muito bem o assunto 6 3 NC CP CR 37 MB PROPRIEDADE INTELECTUAL MARCAS TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA INOVAÇÃO ROYALTIES DIREITO ELETRÔNICO Gráfico 3: Conhecimento de verbetes- Sistema de Informação - PUCMINAS - 1 o período-noite 1 o semestre 8 Fonte: dados da pesquisa 8

9 O verbete que teve a maior ocorrência entre todos os cursos, ou seja, MB: Conheço muito bem o assunto foi Desenho Industrial ou Designer como se pode depurar do gráfico abaixo (Gráf.) apresentado com os resultados da pesquisa de campo. Ordem crescente dos verbetes mais conhecidos PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES MARCAS 16 DESENHO INDUSTRIAL OU DESIGNER TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA "KNOW HOW INOVAÇÃO 8 7 "TRIPPS " DA OMC 6 ROYALTIES CONVENÇÃO DE PARIS DIREITO ELETRÔNICO DIREITOS AUTORAIS 1 MB 3 Gráfico : Conhecimento de verbetes + MB- Todos os cursos pesquisados- 1 o períodos- 1 o semestre 8-população: 1 alunos Fonte: dados da pesquisa 9

10 O verbete que teve a maior inocorrência entre todos os cursos, ou seja, NC: Não conheço nada do assunto foi TRIPPS da OMC como se pode depurar do gráfico abaixo (Graf.) apresentado com os resultados da pesquisa de campo. Ordem crescente dos verbetes menos conhecidos PROPRIEDADE INTELECTUAL 1 PATENTES MARCAS 1 DESENHO INDUSTRIAL OU DESIGNER TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 1 "KNOW HOW INOVAÇÃO 8 "TRIPPS " DA OMC ROYALTIES 6 CONVENÇÃO DE PARIS DIREITO ELETRÔNICO DIREITOS AUTORAIS NC Gráfico : Conhecimento de verbetes + NC- Todos os cursos pesquisados- 1 o períodos- 1 o semestre 8-população: 1 alunos Fonte: dados da pesquisa 1

11 Inda, a presente pesquisa coletou informações para traçar um perfil sócio-etário-étnico da população pesquisada, conforme se constata no Anexo I, uma vez que apresentou indagações sobre onde o estudante cursou o ensino médio, a sua faixa etária e a sua auto-declaração étnico racial. Tais dados serão oportunamente analisados para uma confrontação com dados oficiais e das próprias instituições as quais os alunos estão ligados.. Sistematização dos dados coletados A presente pesquisa de campo, ressalta-se, ainda em caráter preliminar, ofertou os seguintes dados que podem assim sistematizados: I) Os alunos dos ciclos iniciais dos referidos cursos na área da educação tecnológica tem um conhecimento de razoável à total desconhecimento sobre a maioria dos verbetes relacionados à propriedade intelectual; II) Os verbetes que receberam o maior percentual (Gráf.1), no Curso de Engenharia Mecânica da PUCMINAS, de CR: Conheço razoavelmente o assunto e MB: Conheço muito bem o assunto foram Royalties e Convenção de Paris, seguidos de Patentes e Marcas, sendo o verbete Desenho Industrial ou Designer o de melhor ocorrência. O verbete de melhor inocorrência ou de maior desconhecimento entre os alunos de engenharia mecânica da PUCMINAS foi TRIPPS da OMC; III) No Curso de Engenharia Elétrica do CEFETMG os verbetes que receberam o maior percentual (Gráf. ) de CR: Conheço razoavelmente o assunto e MB: Conheço muito bem o assunto foram TRIPPS da OMC, Royalties e Direitos Autorais, seguidos de Patentes e Marcas e Know O. Sendo que o verbete Direitos Autorais o com melhor ocorrência dentre os apresentados.o verbete de melhor inocorrência ou de maior desconhecimento entre os primeiranistas do CEFET foi contraditoriamente ao dado anterior foi TRIPPS da OMC; IV) No Curso de Sistemas de Informação os verbetes que receberam o maior percentual de CR: Conheço razoavelmente o assunto e MB: Conheço muito bem o assunto, conforme gráfico abaixo (GRÁF.3) foram Direitos Autorais e Inovação, seguidos de Marcas e Patentes. Sendo que o verbete Direitos Autorais teve a melhor ocorrência dentre os apresentados. Os 11

12 verbetes de melhor inocorrência ou de maior desconhecimento entre os primeiranistas da PUCMINAS foram TRIPPS da OMC e Royalties; V) O verbete que teve a maior ocorrência entre todos os cursos, ou seja, MB: Conheço muito bem o assunto foi Desenho Industrial ou Designer;. Considerações Finais sobre o tema pesquisado Desta feita propõe-se uma reflexão, em caráter de urgência sobre a importância do tema Propriedade Industrial na formação do profissional em tecnologia e como a inserção do referido tema na Escola de Educação Tecnológica desafia novos paradigmas nas áreas da C&T (Ciência e Tecnologia), da Educação e do desenvolvimento econômico de um país. A educação profissional vai ter importância fundamental na ampliação dos avanços tecnológicos aplicados no trabalho. A costumeira observação arguta de Celso Furtado (1998) asseverou: não há um desenvolvimento econômico que não seja também desenvolvimento cultural. Nesta esteira de pensamento é nítida a relação entre a educação e a economia e por sua vez a formação profissional e o trabalho. Abreu Neto (, pág.11) chama a atenção do papel da tecnologia e a formação dos trabalhadores: A tecnologia exige adestramento dos trabalhadores e supervisão. A subordinação técnica do trabalhador ao ritmo uniforme do instrumental e a composição peculiar do organismo do trabalho, formado de indivíduos de ambos os sexos e das mais diversas idades, criam uma disciplina de caserna, que vai ao extremo no regime integral da fábrica. Por isso, desenvolve-se plenamente o trabalho de supervisão dividindo-se os trabalhadores em trabalhadores manuais e supervisores de trabalho, em soldados rasos e em suboficiais do exército da indústria. (MARX 3,pág. 8). Na abordagem heterodoxa marxista de João Bernardo, que apresenta um modelo diferente sobre a produção de força trabalho e da mais-valia relativa, que divergindo de Marx para quem a produção da força de trabalho seria exterior aos mecanismos do capitalismo (BERNARDO,1991,pág.79), assim apresenta no seu modelo: grande parte da produção da força de trabalho que não for realizada no âmbito doméstico o será em instituições especializadas. Juridicamente, os estabelecimentos de ensino geral não se distinguem no capitalismo conforme as classes sociais que os freqüentem. Uma primeira distinção prática opera-se quando existem instituições de ensino técnico exclusivamente destinadas a habilitar futura força de trabalho.(bernardo,1991, pág.81) Estas ponderações de cunho teórico doutrinário são suporte para se pensar em novas formulações para a Educação Tecnológica, ligando-a a questão de um modelo de desenvolvimento sustentável, competitivo e autônomo. Tais condições são 1

13 imprescindíveis para uma política industrial que não se fixe apenas no crescimento, mas também em um desenvolvimento efetivo e igualitário para todos os cidadãos brasileiros.. Referências bibliográficas ABREU NETO, Francisco Antônio.Tecnologia Fordista e Toyotista:Princípios Filosóficos constitutivos., 3f. Tese (doutorado)-universidade Complutense de Madrid. ALVES-MAZZOTTI, A. J. ; GEWANSZDNAJDER, F.. O Método nas Ciências Naturais e Sociais: pesquisas quantitativas e qualitativas. 6. ed. São Paulo: Pioneira,. v p. BERNARDO, João. Economia dos Conflitos Sociais.São Paulo:Cortez, p. Brasil. Lei 979 de 1 de maio de 1996.Disponível em acesso em 6 de abril de 8 Lei 969 de 9 de junho de 199. Disponível em acesso em 18 de agosto de 7. FRANCO, Maria L. Puglisi Barbosa. Análise de Conteúdo.- Brasília:Plano Editora,3, 7p. FURTADO, Celso. Capitalismo global. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. LORENZETTI, Ricardo L., Comércio Eletrônico, tradução de Fabiano Menke com notas de Claudia Lima Marques, São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p. 68, 69,7 apud. LEITE, Márcia Elizabeth. Existe Direito eletrônico? Revista de direito Eletrônico, ISSN , edição especial trabalhos apresentados no i congresso internacional de direito eletrônico. agosto de DISPONÍVEIS em Acesso em: 8 de março de 8 13

14 ANEXO I PROJETO DE PESQUISA A PROPRIEDADE INTELECTUAL E A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA: UM ESTUDO DA INSERÇÃO DO TEMA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRANDO: José Antônio Carlos Pimenta PROFESSOR ORIENTADOR: Professor Dr. Antônio Nunes de Pádua PROFESSOR CO-ORIENTADOR: Professor Anderson Arthur Rabello TEMAS NC CP CR MB 1) PROPRIEDADE INTELECTUAL )PATENTES 3)MARCAS )DESENHO INDUSTRIAL OU DESIGNER ) TRANSFERÊNCIA DE TECNLOGIA 6) KNOW HOW 7) INOVAÇÃO 8) TRIPPS DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO 9) ROYALTIES 1) CONVENÇÃO DE PARIS 11) DIREITO ELETRÔNICO 1) DIREITOS AUTORAIS PREZADO ALUNO, CONTAMOS COM SUA COLABORAÇÃO COM A NOSSA PESQUISA ACIMA MENCIONADA. PREENCHA OS ITENS ACIMA USANDO UM X COMO OS SEGUINTES CÓDIGOS PARA INFORMAR O SEU CONHECIMENTO SOBRE OS TEMAS APRESENTADOS. NC: Não conheço nada do assunto CP: Conheço pouca coisa sobre o assunto CR: Conheço razoavelmente o assunto MB: Conheço muito bem o assunto MARQUE X NA ALERNATIVA CORRESPONDENTE PERFIL Faixa etária 17 a 1 a ou + Cor ou Etnia Branca Negra Outros Onde cursou o ensino médio Escola Particul ar Escola Pública NOME OU INICIAIS: INSTITUIÇÃO: CURSO : PERÍODO: No. de controle: (não preencher) 1

Curso Avançado de Marcas

Curso Avançado de Marcas A proteção às marcas e aos demais sinais distintivos na legislação brasileira, na legislação comparada e nos tratados internacionais Nível Avançado 1º Semestre de 2009 Coordenação: Advs. Ricardo Fonseca

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

Leia mais

A INOVAÇÃO NOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACADÊMICOS DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO CEFET-PR: O CASO DA UNIDADE DE PONTA GROSSA

A INOVAÇÃO NOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACADÊMICOS DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO CEFET-PR: O CASO DA UNIDADE DE PONTA GROSSA A INOVAÇÃO NOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ACADÊMICOS DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO CEFET-PR: O CASO DA UNIDADE DE PONTA GROSSA Divonsir J. S. Dutra - divonsirdutra@terra.com.br Centro Federal de Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto Número e Título do Projeto: BRA/12/08 Apoio à implementação do Plano de Reabilitação Participativo do Centro

Leia mais

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas IMPACTO DA COMUNICAÇÃO TELEVISIVA NAS INTENÇÕES COMPORTAMENTAIS DE CONSUMIDORES: UM ESTUDO EMPÍRICO DO MERCADO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM JUNTO A UM ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM JUNTO A UM ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM JUNTO A UM ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL 1498 Ana Virginia Isiano Lima, Klaus Schlünzen Junior, Danielle Aparecida do Nascimento

Leia mais

Universidade de São Paulo ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - USP. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental

Universidade de São Paulo ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - USP. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - USP Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

Leia mais

Universidade de São Paulo ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES. Regulamento do Programa de Pós-Graduação Ciências da Comunicação

Universidade de São Paulo ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES. Regulamento do Programa de Pós-Graduação Ciências da Comunicação Universidade de São Paulo ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES Regulamento do Programa de Pós-Graduação Ciências da Comunicação I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º:

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I E II 1 - Resolução: Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: O Estágio Curricular

Leia mais

DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO

DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO DOUTORADO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO MANUAL DO ALUNO Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento Coordenação de Programas de Pós-Graduação Rua Mayrink Veiga, 09 17 e 18º

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 37

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 37 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 37 PELA MANUTENÇÃO DO INJUSTIFICÁVEL Autor Marcos Lobo de Freitas Levy Em longa entrevista concedida à Revista do IDEC neste mês de agosto, o Dr. Luis Carlos Wanderley Lima, ex-coordenador

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM

ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM Leila Figueiredo de Miranda

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) I.1 A CCP terá como membros titulares

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos Regulamento do Programa de em Engenharia de Sistemas Logísticos I Composição da Comissão Coordenadora de Programa (CCP) A CCP do Programa de Engenharia de Sistemas Logísticos é constituída por 3 (três)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 1 Normas do Programa Ciências Biológicas (Zoologia) I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa é constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente,

Leia mais

Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul

Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul Resumo A prospect of Postgraduate programs of Science and Mathematics teaching in Rio Grande do

Leia mais

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281 4ª EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA Software Cubivares Nome Empresarial ~ Manole STF00091281 SUMÁRIO Apresentação....................IX CAPiTULO I - NOÇÕES GERAIS 1. O homem e o instrumento........ 1 2. O sentimento

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

PARECER TÉCNICO DE MARCA

PARECER TÉCNICO DE MARCA PARECER TÉCNICO DE MARCA INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por objetivo debater tecnicamente a registrabilidade e a possibilidade de convivência entre as marcas MICROLINS x MICROMIX no mercado, bem como,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS) UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS (certificado pelo CNPq e pela UEMS) ATIVIDADES 2009 - Projeto de Evento Segundo Semestre II Encontro

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2009 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia.

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Autor 1 * Autor 2 ** Resumo: Neste artigo vamos apresentar o relato de uma proposta de trabalho desenvolvida na escola básica

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares seis orientadores plenos credenciados no programa, representantes de cada linha de

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Nuclear

Normas específicas do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Nuclear NORMAS DO PROGRAMA TECNOLOGIA NUCLEAR I - DA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA Por se tratar de Programa único, a Comissão Coordenadora do Programa CCP é a própria Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ARACAJU

EDUCAÇÃO FÍSICA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ARACAJU MARCONE CONCEIÇÃO DE OLIVEIRA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ARACAJU Orientador: Leonardo Rocha Universidade Lusófona de Humanidades e

Leia mais

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual do Estágio Supervisionado Santa Rita do Sapucaí-MG Janeiro/2011 Sumário 1. Introdução 3 2. O que é

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP

NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP NORMAS DO PROGRAMA INTEGRAÇÃO DA AMÉRICA LATINA PROLAM/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) Por se tratar de Programa único a CCP será a própria CPG. O Programa é vinculado administrativamente

Leia mais

PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS?

PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS? www.brasil-economia-governo.org.br PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS? FERNANDO B. MENEGUIN 1 Vimos no texto Por que proteger a propriedade intelectual? a importância de se garantir direito de propriedade

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO Art. 1º O presente conjunto de regras tem por finalidade normatizar as atividades que compõem o núcleo flexível do Currículo de Graduação em Direito e cujo

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO

O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO O COMÉRCIO ELETRÔNICO EVOLUI E CONSOLIDA-SE NO MERCADO BRASILEIRO Alberto Luiz Albertin Professor do Departamento de Informática e de Métodos Quantitativos Aplicados à Administração da EAESP/FGV, Coordenador

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE Jéssica Beatriz da Silva jessicabeatriz18@gmail.com Myckelle Michely da Silva Ferreira myckellemichely@hotmail.com

Leia mais

O ENSINO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS ESCOLAS TÉCNICAS

O ENSINO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS ESCOLAS TÉCNICAS O ENSINO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS ESCOLAS TÉCNICAS Sérgio Lamana - sergio_lamana@uol.com.br Centro Estadual de Educação Profissional de Ponta Grossa Rua Júlia da Costa, 222 - Oficinas Ponta Grossa

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

PROJETO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL DE ASSESSORIAS ESPORTIVAS EM ESCOLAS DE ESPORTES DE COLÉGIOS PARTICULARES DA CIDADE DE SÃO PAULO

PROJETO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL DE ASSESSORIAS ESPORTIVAS EM ESCOLAS DE ESPORTES DE COLÉGIOS PARTICULARES DA CIDADE DE SÃO PAULO Banca de Qualificação PROJETO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL DE ASSESSORIAS ESPORTIVAS EM ESCOLAS DE ESPORTES DE COLÉGIOS PARTICULARES DA CIDADE DE SÃO PAULO MESTRANDO: André Rímoli Costi ORIENTADOR: Prof. Dr.

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA 1. DEFINIÇÃO DE MARCA Marca é um sinal que individualiza os produtos ou serviços de uma determinada empresa e os distingue dos produtos ou serviços de seus concorrentes.

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DO CEFET-MG

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DO CEFET-MG REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS DO CEFET-MG Capítulo 1 - DA NATUREZA, DO ESCOPO E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1 - Este Regulamento disciplina, no âmbito do Centro Federal de

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1 REGULAMENTO aprovado em reunião do Colegiado - 21/03/2006 Fixa normas de operacionalização das disciplinas CIS (371) Monografia I E CIS (372) Monografia II do Curso de Administração da Universidade Estadual

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós-Graduação

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós-Graduação Normas Específicas do Programa de em Engenharia Mecânica I Composição da Comissão Coordenadora do Programa A CCP do Programa em Engenharia Mecânica (PPGEM) é constituída por 6 (seis) membros docentes titulares

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS ALUNOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO UNILESTEMG

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS ALUNOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO UNILESTEMG A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS ALUNOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO UNILESTEMG Fernando Guerra Grossi Campos Graduado do Curso de Educação Física do Centro Universitário

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI

A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI Técnico em Enfermagem Elisabete Batista Alves - betebatista@bol.com.br Francisca Assunção Alves da Costa

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Regulamento do Programa de Pós Graduação em Nutrição e Produção Animal I. COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 4 (quatro) orientadores plenos credenciados

Leia mais

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014.

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014. UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO PORTO DE SUAPE PARA A OFERTA DA EDUCAÇÃO PROFISSINAL NOS MUNICÍPIOS DE IPOJUCA E CABO DE SANTO AGOSTINHO Lígia Batista de Oliveira Thayane Maria

Leia mais

Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares

Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares 29/04/2009 Reginaldo Minaré O Acordo Relativo aos Aspectos do Direito da Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio ADPIC, mais conhecido

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS ALUNOS DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS ALUNOS DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS ALUNOS DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO Faniani Capelari i

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

II COMPETIÇÃO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL (CAEMP) DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL (PUCRS) REGULAMENTO

II COMPETIÇÃO DE ARBITRAGEM EMPRESARIAL (CAEMP) DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL (PUCRS) REGULAMENTO Preâmbulo Considerando os objetivos da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) de proporcionar um ambiente de aprendizado; Ciente dos resultados obtidos por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direitos do Autor Código

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Art. 2º - Para efeito desta Resolução, considerar-se-á a seguinte nomenclatura e respectivas definições:

Art. 2º - Para efeito desta Resolução, considerar-se-á a seguinte nomenclatura e respectivas definições: RESOLUÇÃO N.º 180/2000-CEE/MT Fixa normas para a oferta da Educação de Jovens e Adultos no Sistema Estadual de Ensino. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições, e com

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL Pedro Amaro da Silveira Maciel 2014 1 A GARRASTAZU ADVOGADOS Constituída a partir de uma história profissional de mais de trinta anos de experiência na advocacia, a GARRASTAZU ADVOGADOS

Leia mais

Propriedade Intelectual

Propriedade Intelectual CAPÍTULO 15 Propriedade Intelectual Apresentação A Propriedade Intelectual possui duas vertentes: (a) Propriedade Industrial (Patentes, Marcas e Desenhos, Indicações Geográficas de procedência e de origem)

Leia mais

Direito Comercial. Propriedade Industrial

Direito Comercial. Propriedade Industrial Direito Comercial Propriedade Industrial Os Direitos Industriais são concedidos pelo Estado, através de uma autarquia federal, o Instituo Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O direito à exploração

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 31/10/2002

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 31/10/2002 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 31/10/2002 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF Gilze Belém Chaves Borges e outro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Coordenação do Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E SUA INTERNALIZAÇÃO NO ORDENAMENTO JÚRICO BRASILEIRO

ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E SUA INTERNALIZAÇÃO NO ORDENAMENTO JÚRICO BRASILEIRO ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E SUA INTERNALIZAÇÃO NO ORDENAMENTO JÚRICO BRASILEIRO Isabella Petini de Oliveira 1 Nivaldo dos Santos 2 PALAVRAS-CHAVE: Propriedade Intelectual; Tratados

Leia mais

Treinamento On-Line. PALAVRAS-CHAVE Administração compartilhada, Automação, Gerenciamento dos acessos.

Treinamento On-Line. PALAVRAS-CHAVE Administração compartilhada, Automação, Gerenciamento dos acessos. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Treinamento On-Line Ricardo Cardoso dos Santos CEMIG Distribuição S.A rcsantos@cemig.com.br Virgilio Ferreira Neto CEMIG Distribuição S.A RESUMO Com evolução

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo

PROPRIEDADE INTELECTUAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo PROPRIEDADE INTELECTUAL Profa. Dra. Suzana Leitão Russo InvençãoX Criação X Inovação Invenção: É uma idéia, um esboço ou modelo para um novo ou melhorado dispositivo, produto, processo ou sistema. Criação:

Leia mais

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE O que são Contratos de Transferência de Tecnologia? CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/12/2003 (*) Portaria/MEC nº 4.035, publicada no Diário Oficial da União de 24/12/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana RESUMO Este artigo apresenta um projeto de pesquisa para elaboração

Leia mais

JOÃO MARTINS DIAS Presidente do Conselho Superior do IFAM

JOÃO MARTINS DIAS Presidente do Conselho Superior do IFAM RESOLUÇÃO Nº. 23 - CONSUP/IFAM, de 09 de agosto de 2013. Aprova o Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. O

Leia mais

Edital de convocação para o CONCURSO VESTIBULAR. UERJ Turismo 2010

Edital de convocação para o CONCURSO VESTIBULAR. UERJ Turismo 2010 Edital de convocação para o CONCURSO VESTIBULAR UERJ Turismo 2010 A Universidade do Estado do Rio de Janeiro torna público o presente Edital, com normas, rotinas e procedimentos relativos ao Concurso Vestibular

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do, da

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL E A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA: UM ESTUDO DA INSERÇÃO DO TEMA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

A PROPRIEDADE INTELECTUAL E A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA: UM ESTUDO DA INSERÇÃO DO TEMA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA José Antônio Carlos Pimenta A PROPRIEDADE INTELECTUAL E A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA: UM ESTUDO DA INSERÇÃO DO TEMA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA BELO HORIZONTE Centro Federal de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA Programa de Pós Graduação em Geografia Área de Concentração Geografia e Gestão do Território Av. João Naves de Ávila, 2121 Bl. H Sala 1H35 CEP

Leia mais

NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO

NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO Artigo 1º - A pós-graduação compreenderá dois níveis de formação, que levam aos graus de mestre e doutor. único O título de mestre

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

Case Vital Automação. Planejamento e Execução OLIV Consultoria: 47 9942 8985

Case Vital Automação. Planejamento e Execução OLIV Consultoria: 47 9942 8985 O cenário inicial: Após 10 anos de sucesso e contínuo crescimento, o Grupo Vital composto das duas unidades de negócio EPIs e AUTOMAÇÃO decidiu estrategicamente trabalhar o Marketing no segmento Automação

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 2º Os Programas de Pós-Graduação stricto sensu compreendem 02 (dois) níveis de formação:

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 2º Os Programas de Pós-Graduação stricto sensu compreendem 02 (dois) níveis de formação: RESOLUÇÃO Nº 054/2012, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova o Regulamento da Pós-Graduação stricto sensu da FURB. O Reitor da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ACADÊMICO DO DOUTORADO DO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO COPPE / UFRJ

REGIMENTO INTERNO ACADÊMICO DO DOUTORADO DO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO COPPE / UFRJ REGIMENTO INTERNO ACADÊMICO DO DOUTORADO DO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO COPPE / UFRJ (Válido para alunos que farão exame de qualificação a partir de 2012) I. DO PROGRAMA DE DOUTORADO Art. 1. Esta

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Sonia A. G. Oliveira 1 Érika Freitas Santana 2 Fabiana R. Grandeaux de Melo 3 Letícia de Castro Guimarães 4 O presente

Leia mais