INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinador de Patentes Divisão de Física e Eletricidade - DIRPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinador de Patentes Divisão de Física e Eletricidade - DIRPA"

Transcrição

1 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES CURSO BÁSICO Catia Valdman Examinador de Patentes Divisão de Física e Eletricidade - DIRPA Curso Básico de Capacitação para Gestores de Propriedade Industrial Abril de 2009 Universidade Federal de São João del Rei 1

2 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações do intelecto humano. Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial, científico, literário e artístico. Possui diversas formas de proteção: patentes, marcas, direitos de autor e indicação geográfica... 2

3 Propriedade Industrial A propriedade industrial é a expressão genérica que se confere aos direitos legais relativos às atividades industriais e/ou comerciais de pessoas físicas ou jurídicas. Abrange, de acordo com o Art. 1 o da Convenção de Paris de 1883, não apenas a indústria e o comércio propriamente ditos, mas também as indústrias agrícolas e as extrativas, por exemplo: vinhos, cereais, tabaco em folha, frutas, animais, minérios, águas minerais, cervejas, flores e farinhas. 3

4 Evolução Legislativa Brasileira Alvará que determinou o fechamento das indústrias no Brasil; Alvará do Príncipe Regente; Lei Brasileira; Código da Propriedade Industrial; Criação do INPI Instituto Nacional da Propriedade Industrial; Novo Código da Propriedade Industrial; Lei Brasileira N o 9.279, em vigor: Resoluções (INPI); Atos Normativos (INPI). 4

5 Convenção da União de Paris (CUP) Princípios Básicos: Tratamento Nacional; Prioridade Unionista; Territorialidade; Independência das patentes. Última revisão Secretaria Internacional da União para Proteção da Propriedade Industrial; Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) 1967 administra 15 tratados relativos à matéria. 5

6 Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT) Objetivos do Tratado: Diminuir os custos do sistema de patentes; Avaliação prévia acerca da patenteabilidade. Fase Internacional: Depósito do pedido internacional; Busca Autoridade Internacional de Busca (ISA); Exame preliminar internacional (IPER). Fase Nacional: Iniciada em até 30 meses da prioridade unionista ou do depósito internacional. 6

7 Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT) Depósito Internacional 137 países membros (01/08/2007) OMPI Não há Patente Mundial!!! 7

8 Depósitos de pedidos de patentes em outros países CUP DEPÓSITO NO PAÍS DE ORIGEM 12 MESES DEPÓSITO EM OUTRO PAÍS PCT 12 MESES 18 MESES DEPÓSITO INTERNACIONAL 8

9 Constituição da República Federativa do Brasil (05/10/1988) Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para a sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimentos tecnológico e econômico do País. 9

10 Lei da Propriedade Industrial LPI - Lei 9.279/96 Art. 1 - Esta lei regula propriedade industrial; direitos e obrigações relativos à Art. 2º - A proteção dos direitos relativos à propriedade industrial, considerado o seu interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País, efetua-se mediante: I - concessão de patentes de invenção e de modelo de utilidade; II - concessão de registro de desenho industrial; III - concessão de registro de marca; IV - repressão às falsas indicações geográficas; e V - repressão à concorrência desleal. 10

11 Lei 9.279/96 De acordo com o artigo 5 o da LPI, a Propriedade Industrial é considerada um bem móvel. Assemelha-se se a qualquer outro ativo móvel da empresa / depositante. É um bem patrimonial. 11

12 Outros Dispositivos Legais em Propriedade Intelectual no Brasil Lei n o /01 - altera e acresce dispositivos à Lei n ; Lei de Cultivares, n o /97 - em vigor desde abril de Institui a proteção para plantas; Lei de Programa de Computador, n o / em vigor desde fevereiro de 1998; Lei de Direitos Autorais, n o /98 - em vigor desde junho de 1998, substituiu a Lei /73 73; Decretos e Atos Normativos do INPI. 12

13 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL O SISTEMA DE PATENTES 13

14 Tornar público para o meio científico Conhecimento Manter em segredo Depositar um pedido de patente 14

15 Patente: o que é? Título de propriedade temporário outorgado pelo Estado ao inventor ou à pessoa legitimada. A patente permite que terceiros sejam excluídos de atos relativos à matéria protegida. 15

16 Patentear: por quê e para quê? Para o País: Ferramenta para a disseminação da informação: Disponível após a publicação; Fonte de dados para os indicadores do grau de desenvolvimento tecnológico e econômico; Acompanhar a evolução tecnológica; Identificar detentores de tecnologias concorrentes; Identificar tendências tecnológicas; Identificar mercados potenciais. 16

17 Patentear: por quê e para quê? Para o País: Instrumento pró-competitivo: Estimula o usuário ativo (pesquisadores e esfera da produção); Estimula o desenvolvimento de novas tecnologias ou o aperfeiçoamento das tecnologias existentes; Atendimento das necessidades do usuário passivo (consumidor). A propriedade é limitada temporalmente; findo o prazo de vigência, o conhecimento protegido na patente poderá ser utilizado livremente. 17

18 Patentear: por quê e para quê? Para o titular: Comprovar que tem tecnologia própria; Excluir terceiros do mercado; Controlar/limitar a concorrência; Assegurar os investimentos da empresa em seus elementos imateriais; Maior poder de negociação na comercialização de seus produtos; Marketing. 18

19

20 Titularidade A patente poderá, mediante nomeação e qualificação, ainda, ser requerida: Em nome próprio; Herdeiros ou Sucessores do autor; Cessionários; Por quem a lei ou o contrato de trabalho determinar. 20

21 Titularidade Se dois ou mais autores tiverem realizado a mesma invenção ou modelo de utilidade, de forma independente, o direito de obter patente será assegurado àquele que provar o depósito mais antigo, independentemente das datas de invenção ou criação. Primeiro a depositar 21

22 Nomeação e Qualificação do Inventor O inventor deve ser nomeado e qualificado. Porém, o inventor pode optar pela não-divulgação de seu nome no ato do requerimento do pedido de patente. Neste caso, o nome do inventor é omitido: em quaisquer publicações oficiais do INPI; em cópias do processo fornecidas a terceiros; no pedido publicado; na carta-patente. Terceiros, com legítimo interesse, podem obter essa informação através do INPI. Compromisso, sob as penas da lei, de não divulgar informação, além do necessário. essa 22

23 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DESCOBERTA X INVENÇÃO 23

24 DESCOBERTA Consiste na revelação de algo (ou fenômeno) até então ignorado, mas já existente na natureza, o qual é determinado através da capacidade de observação do homem. Exemplos formulação da lei da gravidade; propriedades (física, química, etc.) de determinado material; metal, como por exemplo, o ferro; genes e proteínas. 24

25 INVENÇÃO Invenção é a concepção resultante do exercício da capacidade de criação do homem, manipulando ou interferindo na natureza, que represente a solução para um problema específico, dentro de determinado campo das necessidades humanas. Exemplos Telescópio (Newton) Dinamite (Nobel) Insulina recombinante e seu processo de síntese Fibra Óptica Aspirina Band-Aid As invenções são patenteáveis, as descobertas não. 25

26 DESCOBERTA Arctium Lappa (Carrapicho) x INVENÇÃO INVENÇÃO Produto e método VELCRO 26

27 É possível patentear-se uma idéia? A resposta é NÃO. É preciso que a idéia esteja concretizada (CRIAÇÃO DO INTELECTO INVENÇÃO), e que tenha sido demonstrada a sua APLICAÇÃO INDUSTRIAL. As invenções são patenteáveis, mas as descobertas não. 27

28 VELCRO Invenção Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico VELCRO Easy Coin Inovação Tecnológica (EMPRESA) VELCRO Quick Tape VELCRO PS-19 Velcro silencioso 28

29 Patentear não Significa Impedir o Avanço da Ciência O direito do titular não se aplica: aos atos praticados por terceiros não autorizados, com finalidade experimental, relacionados a estudos ou pesquisas científicas ou tecnológicas. Art. 43 / LPI 29

30 Atividade de P&D: distribuição institucional e depósitos de pedidos de patentes Brasil China EUA Fonte: MCT, 2006 Japão Rússia Espanha Ensino superior Empresas Governo Alemanha % Pesquisadores Depósitos de pedidos de patentes realizados por residentes e gastos em P&D: 2005 Depósitos por milhão de habitantes Dispêndio Interno Bruto em P&D (% do PIB) Depósitos por USD bilhão - PIB Depósitos por USD milhão gastos em P&D Brasil 20,5 0,91 2,74 0,29 China 71,66 1,34 11,92 0,91 Reino Unido 296,22 1,73 10,01 0,54 EUA 701,08 2,68 18,82 0,72 Japão 2875,68 3,18 103,53 3,37 Fonte : WIPO Patent Report, 2007 e L. A. R. Elias, O desafio da inovação no Brasil,,

31 Titulação: distribuição e P&D Fonte: Inovação nas Empresas,, Instituto Inovação,

32 Artigos X Patentes Brasil: artigos publicados em periódicos científicos internacionais indexados no Institute for Scientific Information (ISI) e percentual em relação ao mundo, Pedidos de patentes de invenção depositados no escritório de marcas e patentes dos EUA; alguns países, No. de Artigos % em relação ao mundo 2,0 1,8 Chile Argentina ,6 México ,4 Brasil ,2 1,0 0,8 Rússia Espanha China França ,6 Reino Unido ,4 Alemanha ,2 0,0 Japão EUA Fonte: Institute for Scientific Information (ISI), National Science Indicators (NSI). Elaboração: MCT, Fonte: United States Patent and Trademark Office (USPTO). Elaboração: MCT,

33 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: NATUREZAS DE PROTEÇÃO 33

34 Naturezas de Proteção Patente de Invenção (PI) - 20 (vinte) anos contados da data de depósito; Patente de Modelo de Utilidade (MU) - 15 (quinze) anos contados da data de depósito; Registro de Desenho Industrial (DI) - 10 (dez) anos, prorrogáveis por mais 3 (três) períodos de 5 (cinco) anos, contados da data de depósito. Prazo de vigência não será inferior a 10 (dez) anos, para patente de invenção, e 7 (sete) anos, para modelo de utilidade, a contar da data de concessão, ressalvadas questões judiciais ou força maior. 34

35 Patente de Invenção (PI) Concepção resultante do exercício de capacidade de criação do homem que represente uma solução para um problema técnico específico dentro de um determinado campo tecnológico. Avanço Tecnológico 35

36 Patente de Invenção Descreve Tecnologia 36

37 Patente de Invenção Exemplo: desenvolvimento do telefone Graham Bell Pat. US Western Electric sistema de disco 1921 Western Electric discagem por tom

38 Patente de Invenção: exemplos Sterilair PI Sistema de esterilização de ar por dutos de alto gradiente térmico. Cadeira de rodas vertical PI Dispositivo para locomoção de deficientes físicos. 38

39 Patente de Invenção: exemplos Mouse US Indicador de posição X-Y para uma tela Lacre para conservas PI Processo para formação de um furo de alívio portador de lacre obturador destacável, em tampas metálicas, destinadas ao fechamento inviolável e a vácuo de copos e outras embalagens de vidro. 39

40 Modelo de Utilidade (MU) Nova forma ou disposição conferida em objeto, que resulte em melhoria funcional no seu uso ou em sua fabricação. Praticidade Comodidade Eficiência 40

41 Patente de Modelo de Utilidade Descreve OBJETO forma ou estrutura ou sua combinação que resulte em melhoria funcional. 41

42 Modelo de Utilidade: exemplos Organizador de gavetas modular MU Módulos para composição de caixas e/ou divisões para disposição de objetos, peças e produtos diversos 42

43 Modelo de Utilidade: exemplos Porta Sabão em pó com dosador MU Disposição construtiva em porta sabão em pó e similares 43

44 Desenho Industrial (DI) Toda forma plástica que possa servir para a fabricação de produtos, que se caracterize por nova configuração ornamental. Toda disposição ou conjunto novo de traços, linhas e cores ou sua combinação, que tendo finalidade comercial, possa ser aplicado na ornamentação de um produto. É um registro Não é concedido como Patente 44

45 Registro de Desenho Industrial Descreve Forma Plástica Ornamental Conjunto de traços, linhas e cores aplicado na ornamentação 45

46 Desenho Industrial: exemplos É um registro Não é concedido como Patente 46

47 Diferentes naturezas de proteção PI sistema de aquecimento sistema de controle da temperatura MU ergonomia do cabo dispositivo de apoio do ferro *DI dispositivo para não queimar os botões de uma camisa modificação da forma plástica, sempre com caráter ornamental. *Registro 47

48 PI MU DI PI MU DI PI MU DI 48

49 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: REQUISITOS E CONDIÇÕES PARA CONCESSÃO 49

50 Requisitos e condições para concessão da patente INVENÇÃO Novidade Atividade Inventiva Aplicação Industrial Suficiência descritiva MODELO DE UTILIDADE Novidade Ato Inventivo Melhoria funcional Aplicação Industrial Suficiência descritiva 50

51 Dos requisitos para a patenteabilidade Art. 11 / LPI Novidade A Invenção e o Modelo de Utilidade são considerados novos quando não compreendidos no estado da técnica. 51

52 ESTADO DA TÉCNICA Tudo aquilo tornado acessível ao público antes da data de depósito do pedido de patente, por descrição escrita ou oral, por uso ou qualquer outro meio, no Brasil ou no exterior, ressalvados: período de graça; prioridade; prioridade interna. Art. 11 / LPI 52

53 ESTADO DA TÉCNICA pedido depositado em 02/09/2004 Linha do tempo Estado da Técnica: Documentos publicados até 01/09/

54 PERÍODO DE GRAÇA Não será considerada como estado da técnica a divulgação de Invenção ou Modelo de Utilidade, quando ocorrida durante os 12 meses que precederem a data de depósito ou da prioridade do pedido de patente: Art. 12 / LPI pelo INPI; por terceiros e pelo inventor. Atenção: alguns países não reconhecem o período de graça 54

55 PRIORIDADE UNIONISTA Art. 16 / LPI Convenção da União de Paris (CUP) Assegura que, com base em um primeiro pedido de patente depositado regurlarmente em um dos países signatários, o solicitante poderá, durante o período de 12 meses, solicitar proteção para o mesmo invento em qualquer um dos demais países signatários. 55

56 PRIORIDADE INTERNA Será assegurado ao pedido de Patente de Invenção (PI) ou Modelo de Utilidade (MU), sem reivindicação de prioridade e não-publicado, o direito de prioridade ao pedido posterior sobre mesma matéria, não se estendendo à matéria nova introduzida. Art. 17 / LPI Só poderá ser requerida pelo mesmo depositante ou sucessores. Prazo de 1 ano a partir da data de depósito. O pedido base é definitivamente arquivado. 56

57 ESTADO DA TÉCNICA Período de graça Prioridade Unionista Prioridade Interna em 02/09/2003 pedido depositado em 02/09/2004 Linha do tempo Não será considerado Estado da Técnica. 57

58 Requisitos para a concessão da patente: Atividade Inventiva / Ato Inventivo INVENÇÃO Art. 13 da LPI MODELO DE UTILIDADE Art. 14 da LPI Uma invenção é dotada de atividade inventiva sempre que, para um técnico no assunto, não decorra de maneira evidente ou óbvia do Estado da Técnica. O Modelo de Utilidade é dotado de ato inventivo sempre que, para um técnico no assunto, não decorra de maneira comum ou vulgar do Estado da Técnica. 58

59 TÉCNICO NO ASSUNTO Domínio tecnológico da invenção ou do modelo de utilidade. Nível de conhecimento: Suficiente para utilizar o conhecimento profissional sobre o assunto. Intimamente ligado à natureza técnica da invenção. O conhecimento pode ser teórico e prático. 59

60 TÉCNICO NO ASSUNTO Deve ser capaz de: Executar trabalhos de bancada; Conduzir experimentos de teste; Efetuar substituições por elementos equivalentes; Buscar informações: bibliotecas, bancos de teses, bancos de dados. 60

61 TÉCNICO NO ASSUNTO Capacidade Intelectual Técnico no Assunto é a pessoa detentora dos conhecimentos medianos sobre a matéria e não um grande especialista ou sumidade na matéria. 61

62 Requisitos para a concessão da patente: Aplicação Industrial Art. 15 / LPI Uma invenção é considerada suscetível de aplicação industrial se o seu objeto for passível ou capaz de ser fabricado ou utilizado em qualquer tipo / gênero de indústria. Inclui: Indústrias agrícolas; Indústrias extrativas; Indústrias de produtos manufaturados ou naturais. 62

63 Melhoria Funcional Considera-se se melhoria funcional, a introdução em objeto de uma forma ou disposição que acarrete comodidade ou praticidade ou eficiência à sua utilização e/ou obtenção. 63

64 Suficiência Descritiva Art. 24 da LPI O relatório deverá descrever clara e suficientemente o objeto, de modo a possibilitar sua realização por técnico no assunto e indicar, quando for o caso, a melhor forma de execução. Atenção ao redigir o pedido de patente 64

65 Suficiência Descritiva na Área de Biotecnologia De acordo com o artigo 24 da LPI, Parágrafo Único: No caso de material biológico que não possa ser descrito na forma do caput e que não estiver acessível ao público, o relatório será suplementado por depósito de material em instituição autorizada pelo INPI ou indicada em acordo internacional. 65

66 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: MATÉRIAS EXCLUÍDAS DE PROTEÇÃO 66

67 Matérias excluídas de proteção Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade e Art. 18 Não são patenteáveis 67

68 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade I descobertas, teorias científicas e métodos matemáticos; II concepções puramente abstratas; 68

69 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade As pesquisas do casal Curie culminam no descobrimento de um novo elemento químico - Rádio (Ra). Descoberta: revelação ou identificação de algo (ou fenômeno) até então ignorado, mas já existente na natureza, através da capacidade de observação do homem. Albert Einstein elaborou a Teoria da Relatividade. Teoria científica não é uma invenção. 69

70 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Um método rápido de divisão não é enquadrado como Invenção. No entanto, a máquina de calcular construída para operar de acordo com o método desenvolvido se constitui em invenção. Um método matemático para o desenvolvimento de filtros é uma concepção puramente intelectual e abstrata. No entanto, o filtro desenvolvido de acordo com tal método é uma criação patenteável. 70

71 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade III esquemas, planos, princípios ou métodos comerciais, contábeis, financeiros, educativos, publicitários, de sorteio e de fiscalização. 71

72 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Métodos para ensinar idiomas, resolver palavras cruzadas, métodos de jogos (definido por suas regras) ou esquemas para organizar operações comerciais, não constituem invenções. No entanto, os dispositivos ou equipamentos idealizados para executar tais concepções são criações concretas que se enquadram no conceito de patentes. 72

73 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade IV - As obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; As criações que envolvem aspectos puramente estéticos ou artísticos, por não apresentarem caráter técnico, não são consideradas invenções. Proteção por Direito Autoral 73

74 Entretanto, se o efeito estético ou artístico for obtido através de meios envolvendo características técnicas, tais meios constituem matéria patenteável. Exemplo: Um efeito estético ou artístico obtido em tecidos através de relevos, tramas e urdiduras. A obtenção de tal tecido se realizou por meio de processo específico de tecelagem e formação de tufos. Neste caso, tanto o processo como o tecido resultante são invenções, sem que o efeito estético ou artístico tenha sido levado em consideração. 74

75 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade V - Programas de computador em si; Proteção por Direito Autoral Lei de Software 75

76 Entretanto, se o equipamento que possui o software resolve um problema técnico e produz um efeito técnico, ele é passível de proteção por patente. Neste caso, a proteção não recai sobre o programa de computador em si, mas sobre o equipamento. 76

77 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade VI - Apresentação de informações; O conteúdo da informação apresentado por meios diversos (sinais acústicos, visuais, etc.), não é considerado invenção. Entretanto, tal conteúdo pode ser gravado em suportes variados, que podem ou não ser passíveis de patenteamento (mas não as informações em si e/ou a maneira como elas são apresentadas). Proteção por Direito Autoral 77

78 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade VII - Regras de jogo; No caso de um jogo, só os meios físicos são protegidos. 78

79 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade VIII Técnicas e métodos operatórios ou cirúrgicos, bem como métodos terapêuticos ou de diagnóstico, para aplicação no corpo humano ou animal; 79

80 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Métodos terapêuticos: são aqueles que implicam na cura e/ou prevenção de uma doença ou mau funcionamento do corpo humano ou animal, ou alívio de sintomas de dor, sofrimento e desconforto, objetivando restabelecer ou manter suas condições normais de saúde. 80

81 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Métodos operatórios ou cirúrgicos: todo método que requeira uma etapa cirúrgica, ou seja, uma etapa invasiva do corpo humano ou animal (por exemplo: implantação de embriões fertilizados artificialmente, cirurgia estética, cirurgia terapêutica, etc). 81

82 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade Métodos de diagnóstico - São aqueles que indicam o estado de saúde de um paciente como resultado da técnica utilizada. Quando realizados fora do corpo humano ou animal são passíveis de proteção por patente. Exemplo: Métodos de detecção in vitro como de uma condição patológica através de uma amostra biológica (sangue, urina, fezes, etc...). 82

83 Lei 9.279/96 Art. 10 Não se considera invenção nem modelo de utilidade IX - O todo ou parte de seres vivos e materiais biológicos encontrados na natureza, ou ainda que dela isolados, inclusive o genoma ou germoplasma de qualquer ser vivo natural e os processos biológicos naturais. DNA, plantas, animais, processo de polinização, extratos de animais/plantas Compostos sintéticos indistinguíveis dos de ocorrência natural 83

84 Entretanto, são passíveis de proteção por patente: O processo de extração de substâncias de animais/plantas; A composição que contenha o extrato, desde que não represente uma mera diluição. 84

85 Lei 9.279/96 Art. 18 Não são patenteáveis: I - O que for contra a moral, bons costumes, segurança, ordem e saúde públicas; Interpretação subjetiva e mutável, uma vez que tais conceitos relacionam-se aos costumes e valores sociais. 85

86 Lei 9.279/96 Art. 18 Não são patenteáveis: II - Matérias relativas à transformação do núcleo atômico; São patenteáveis somente os equipamentos, máquinas, dispositivos e similares e, eventualmente, processos extrativos que não alterem ou modifiquem a estrutura do núcleo atômico. 86

87 Lei 9.279/96 Art. 18 Não são patenteáveis: III o todo ou parte dos seres vivos, exceto os microorganismos transgênicos que atendam aos três requisitos de patenteabilidade novidade, atividade inventiva e aplicação industrial previstos no art. 8 e que não sejam mera descoberta. 87

88 Lei 9.279/96 Art. 18 Não são patenteáveis: Parágrafo único. Para fins desta Lei, microorganismos transgênicos são organismos, exceto o todo ou parte de plantas ou animais, que expressem, mediante intervenção humana direta em sua composição genética, uma característica normalmente não alcançável pela espécie em condições naturais. Bactéria transgênica 88

89 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ESTRUTURA DO DOCUMENTO 89

90 ESTRUTURA DO DOCUMENTO DE PATENTE Pedido de Patente Lei 9.279/96 Ato Normativo 127/97 Relatório Descritivo Reivindicações Resumo (Desenhos) (Listagem de Sequências) + Formulário, comprovante de recolhimento, outros... Folha de rosto do depósito - Formulário 1.01 (Disponível na Internet) Deve conter os dados do pedido/titular 90

91 O pedido de patente é um documento legal que deve ser redigido de forma clara, precisa e em um formato particular. Pedido de Patente A estrutura e o formato de um pedido de patente são determinados por regras definidas pelo AN 127/97 e que devem ser obrigatoriamente respeitadas pelo agente de propriedade intelectual. Um pedido de patente completo consiste em uma petição contendo dados do titular / inventor, relatório descritivo, resumo, reivindicações e guia de recolhimento. Se aplicável, desenhos e uma listagem de seqüências devem ser também incluídos. 91

92 Relatório Descritivo Deverá conter: Título; Setor técnico; Estado da técnica; Descrição da abordagem técnico e vantagens; do Relação das figuras, caso presentes; Descrição da Invenção; Exemplos, se necessário. problema 92

93 Título Deve ser curto, preciso e específico. Setor Técnico Indica o campo técnico relacionado com a invenção. Estado da técnica Deve descrever o estado da técnica pertinente, possibilitando o entendimento, a busca e o exame da invenção, e evidenciando os problemas técnicos existentes. 93

94 Descrição da abordagem do problema e vantagens Definir os objetivos da invenção, descrevendo de forma clara e concisa, a solução proposta para o problema existente, bem como as vantagens da invenção. Descrição da Invenção Descrever a invenção em detalhes de maneira suficiente para reprodução da mesma, inclusive os materiais, finalidades de uso e metodologias envolvidas. Indicar, se necessário, a melhor forma de execução. Exemplos Se necessário, fornecer pelo menos um exemplo de concretização da invenção. 94

95 Reivindicações Base legal da proteção patentária. Os termos e a estruturação das reivindicações definem os limites de proteção conferidos por uma patente. Formam uma linha que delimita a proteção, evidenciando infrações dos direitos por terceiros. 95

96 Resumo Sumário do exposto no relatório descritivo, nas reivindicações e nos desenhos; Setor técnico; Instrumento eficaz para fins de pesquisa; Sinais de referência constantes dos desenhos. 96

97 Desenhos São representações dos aparelhos, peças e acessórios, esquemas elétricos, diagramas de bloco etc., que sejam imprescindíveis para a compreensão da invenção. No caso dos modelos de utilidade (MU), definem o escopo da invenção. MU PI 97

98 98

99 99

100 100

101 101

102 102

103 103

104 104

105 105

106 106

107 107

108 108

109 109

110 110

111 Listagem de Sequências 111

112 I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ETAPAS DO PROCESSAMENTO 112

113 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Apresentação do Pedido Apresentação do Pedido Art. 19 Relatório descritivo; Reivindicações; Desenhos (se for o caso); Resumo; Comprovante de recolhimento; (continua) 113

114 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Exame Formal Preliminar e Depósito Art. 19 (...) Exigência para Correção Não Exame formal Preliminar atendido Art dias Sim Pedido Corrigido Não Pedido Devolvido ou Arquivado Sim Pedido Depositado Art. 30 Publicação do Pedido (18 meses após o depósito ou prioridade mais antiga) Art Publicação Antecipada (continua) 114

115 Publicação do Pedido Art. 30 O pedido de patente será mantido em sigilo durante 18 meses contados da data do depósito ou da prioridade mais antiga, quando houver, após o que será publicado, à exceção do caso previsto no Art

116 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Exame Formal Preliminar e Depósito (...) Art. 33 Até 36 meses do depósito Pedido de Exame Não Arquivado Sim 60 dias Subsídio ao Exame Art. 31 Até o fim do Exame Exame Técnico não pode ser iniciado antes de 60 Sim dias da publicação do pedido Sim Requerer Desarquivamento Não Arquivamento Definitivo 116

117 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Solicitação de Exame (Art. 33 LPI) Relatório de Busca e Parecer técnico (Art. 35 LPI) 1º Exame técnico 6.1 (exigência) 7.1 (ciência) 9.1 (deferimento) Manifestação 2º Exame técnico 9.1 (deferimento) 6.1 (exigência) 7.1 (ciência) 9.2 (indeferimento) 117

118 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Exame Técnico: Parecer de Exigência Técnica (6.1): Correção e Delimitação (90 dias); Não respondida - Arquivado Definitivamente (Art ); Respondida dar prosseguimento ao exame. 118

119 Pedido de Patente Modificações no Pedido de Patente: Retificações de erros datilográficos ou de tradução. Correções de irregularidades formais. Modificações do quadro reivindicatório: Espontâneas prazo até o requerimento do exame (Art. 32). Decorrentes de exame técnico. Ambas estão limitadas pelo conteúdo inicialmente revelado no pedido. 119

120 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Exame Técnico: Parecer de Ciência (7.1): Chamada para Manifestação; Não patenteável ou natureza incompatível (prazo 90 dias); Respondida ou não - prossegue o exame (Art.36 2º); Razões não aceitas - Indeferido (Art. 37). 120

121 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Exame Técnico: Parecer de Deferimento (9.1) Pagamento de retribuição; Expedição da Carta Patente (60 dias); Não pagamento - Arquivado Definitivamente (Art. 38 2º LPI). 121

122 CONCESSÃO DA PATENTE Art. 38 A patente será concedida depois de deferido o pedido, e comprovado o pagamento da retribuição correspondente, expedindo-se a respectiva carta-patente Art. 39 Da carta Patente deverão constar: número, título e natureza; nome do inventor e qualificação; domicílio do titular; prazo de vigência; relatório descritivo, reivindicações e desenhos; dados da prioridade. 122

123 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Segunda Instância Recurso contra o Indeferimento: Até 60 dias após a decisão; Interessados podem oferecer Contra-Razões (60 dias); Deferido ou mantido o indeferimento. Nulidade: Processo Administrativo de Nulidade - Até seis meses da data de concessão; Ação de Nulidade - Poderá ser proposta a qualquer tempo da vigência da patente. 123

124 Tramitação no INPI Subsídios ao exame (terceiros) Decisão Decisão Retribuição p/ expedição 18 meses 36 meses Pedido de Exame Anuidades (início) Nulidade (Anuidades) Pareceres técnicos Manifestações 124

125 Depósitos de pedidos de patentes Pedidos de Patente depositados no Brasil % 10% Total = % Fonte : WIPO Patent Report, 2007 Residentes Não Residentes (CUP) Fase Nacional (PCT) 125

126 QUANTO CUSTA? Custos Básicos A taxa de depósito é de R$ 140,00 00, mas pode diminuir para R$ 55,00 para pessoas físicas, instituições de ensino e pesquisa e microempresas. O pedido de exame de invenção com até 10 (dez) reivindicações é de R$ 400,00 (R$ 160,00 00). Já o pedido de exame de modelo de utilidade custa R$ 280,00 00 (R$ 110,00 00). Não havendo obstáculos processuais como exigências ou subsídios ao exame deverão ser pagos R$95,00 (R$ 40,00) pela expedição da Carta-Patente, (invenção ou modelo de utilidade). O depositante do pedido e o titular estarão sujeitos ao pagamento de retribuição anual, denominada anuidades (Arts. 84 a 87 da LPI). Veja os custos na Tabela de Retribuição. Valores de jan/

127 Cód. SERVIÇOS DA DIRETORIA DE PATENTES DIRPA (PATENTES DE INVENÇÃO E DE MODELO DE UTILIDADE) Valores em Reais - R$ Retr.1 Retr.2(*) (ano) 200 Depósito de pedido nacional de Patente de Invenção (PI), Certificado de Adição de Invenção (C) ou Modelo de Utilidade (MU) e Entrada na Fase Pedido de Exame de Patente de Invenção (PI). Retribuição normal de R$400,00 ou R$ 160,00 (*) para até 10 reivindicações. Acima deste total, deve-se somar um valor adicional de R$ 19,00 ou R$ 7,00 (*) por reivindicação Cumprimento de Exigência Expedição de Carta-Patente ou Certificado de Adição de Invenção (C) no prazo ordinário Anuidade de Pedido de Patente de Invenção (PI) no prazo ordinário Anuidade de Patente de Invenção (PI) do 3º ao 6º ano no prazo ordinário Anuidade de Patente de Invenção (PI) do 7º ao 10º ano no prazo ordinário Anuidade de Patente de Invenção (PI) do 11º ao 15º ano no prazo ordinário , , , , , Anuidade de Patente de Invenção (PI) do 16º ano em diante no prazo ordinário , , , (*) Retr.2 Resolução INPI No. 104/03, de 24 de novembro de Redução de valor de retribuição a ser obtida por : - pessoas físicas; microempresas, assim definidas em lei; sociedades ou associações de intuito não econômico; órgãos públicos 1.300, , Projeção de custo , ,00 127

128 Da publicidade dos atos, despachos e decisões A Convenção da União de Paris em seu Art. 12 exige e preconiza a ampla publicidade dos atos, despachos e decisões relativos a Propriedade Industrial, para os países membros. Conforme a Convenção, o INPI efetua através da Revista da Propriedade Industrial (RPI), a mencionada publicidade. 128

129 Extinção do privilégio Expiração do prazo de vigência; Renúncia do titular, sem prejuízo de terceiros; Caducidade; Falta de pagamento de anuidade; Falta de procurador para os não residentes. 129

130 130

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinadora de Patentes Divisão de Química II - DIRPA

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinadora de Patentes Divisão de Química II - DIRPA I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL Curso Básico de Capacitação para Gestores de Propriedade Intelectual PATENTES Márcia C. M. R. Leal, D.Sc. Examinadora de Patentes Divisão de Química

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

PATENTES. Módulo Básico

PATENTES. Módulo Básico PROPRIEDADE DA PATENTES Módulo Básico Eng. Sérgio Bernardo - DSc. Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II - DIRPA Curso de Capacitação em Propriedade Intelectual Módulo Básico Diretoria

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Propriedade intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações do intelecto humano. Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ETAPAS DO PROCESSAMENTO

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ETAPAS DO PROCESSAMENTO I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ETAPAS DO PROCESSAMENTO 111 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Apresentação do Pedido Apresentação do Pedido Art. 19 Relatório

Leia mais

PATENTES - CURSO BÁSICO

PATENTES - CURSO BÁSICO PATENTES - CURSO BÁSICO Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos 2 DIMOL - Divisão de Biologia

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES Dr Rockfeller Maciel Peçanha Conselheiro e Diretor do CREA-RJ Esta apresentação é de responsabilidade do autor não refletindo necessariamente

Leia mais

Propriedade Intelectual / Propriedade Industrial / Patentes

Propriedade Intelectual / Propriedade Industrial / Patentes Propriedade Intelectual / Propriedade Industrial / Patentes Lei da Propriedade Industrial L.P.I. Nº 9.279 de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativas à propriedade industrial. Finalidade

Leia mais

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

Os Bens Sensíveis e sua Importância Estratégica para a Defesa Nacional

Os Bens Sensíveis e sua Importância Estratégica para a Defesa Nacional Os Bens Sensíveis e sua Importância Estratégica para a Defesa Nacional Proteção Intelectual e Bens Sensíveis 8º Seminário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa Liane Elizabeth Caldeira

Leia mais

COMO ESCREVER UMA PATENTE

COMO ESCREVER UMA PATENTE Universidade Federal do Piauí Centro de Ciências da Saúde Laboratório de Pesquisa em Neuroquímica Experimental COMO ESCREVER UMA PATENTE Palestrante: Profª Maria Leonildes B. G. C. B. Marques Universidade

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

Patentes na Indústria Farmacêutica

Patentes na Indústria Farmacêutica Patentes na Indústria Farmacêutica 1. PATENTES 2. O MERCADO FARMACÊUTICO 3. COMPETIVIDADE DO SETOR 4. A IMPORTÂNCIA DAS PATENTES NO MERCADO FARMACÊUTICO PATENTES PATENTES Definiçã ção o ( LEI 9.279 DE

Leia mais

Patentes e a CTIT. Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual. Abril de 2012

Patentes e a CTIT. Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual. Abril de 2012 Patentes e a CTIT Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual Abril de 2012 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS Propriedade Intelectual Propriedade Industrial O que é Patente? O que é patenteável? Como

Leia mais

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações

Leia mais

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas.

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. PATENTES E SUAS ETAPAS Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. A busca de anterioridade não é obrigatória, mas é altamente

Leia mais

Inovação tecnológica e empreendedorismo:

Inovação tecnológica e empreendedorismo: Inovação tecnológica e empreendedorismo: Ciência, desenvolvimento tecnológico, proteção industrial e geração de novos negócios Prof. Dr. Cleber Gustavo Dias 22/09/2015 Programação da oficina 1. Relações

Leia mais

(a) Retribuição por meio eletrônico (*) Retribuição

(a) Retribuição por meio eletrônico (*) Retribuição TABELA DE RETRIBUIÇÕES PELOS SERVIÇOS DO INPI (valores em Reais) Anexo da Resolução INPI/PR Nº 280, de 30 de dezembro de 2011 Código SERVIÇOS DA DIRETORIA DE PATENTES DIRPA INVENÇÃO, CERTIFICADO DE ADIÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 Assunto: Dispõe sobre

Leia mais

Aplicação em concurso

Aplicação em concurso Marcelle Franco Espíndola Barros (TRF-3 2011 CESPE objetiva) André, Bruno e César realizaram uma mesma invenção, respectivamente, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2011. As invenções foram depositadas

Leia mais

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado.

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 04 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: Patente de Invenção e de Modelo de Utilidade. Referência eletrônica de material para concurso:

Leia mais

Inovação da Ideia ao Mercado

Inovação da Ideia ao Mercado Inovação da Ideia ao Mercado Como proteger minha Inovação 26.05.2015 AHK-SP Henrique Steuer I. de Mello henrique@dannemann.com.br dannemann.com.br 2013 2013 Dannemann Dannemann Siemsen. Siemsen. Todos

Leia mais

Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012. NIT Mantiqueira

Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012. NIT Mantiqueira Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012 NIT Mantiqueira PREFÁCIO Ao longo dos últimos dois anos o atendimento àqueles que tomaram a iniciativa de solicitar pedidos de patente de invenção ou de registro de software

Leia mais

Diretrizes de Exame de Patentes

Diretrizes de Exame de Patentes Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Patentes Diretrizes de Exame de Patentes v01.00 Dezembro de 2002 DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE ÍNDICE DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS

Leia mais

TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais)

TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) Anexo da Resolução INPI/PR Nº 129, de 10 de março de 2014. Código 200 201 Descrição do serviço Pedido nacional de invenção; Pedido

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONCEITOS BÁSICOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Rede de núcleos de inovação tecnológica do Estado do Ceará REDENIT-CE CONCEITOS BÁSICOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Lorena Bezerra de Souza Matos Graduada em Direito (UFPE), e Especialista em Gestão de

Leia mais

ANEXO. TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais)

ANEXO. TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) ANEXO TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) Código 200 201 Descrição do serviço Pedido nacional de invenção; Pedido nacional de modelo de utilidade; Pedido nacional

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Art. 1o. - Esta lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial.

Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Art. 1o. - Esta lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Lei de patentes INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial LEI No. 9.279 DE 14 DE MAIO DE 1996 Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1o.

Leia mais

A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica

A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica A patente na área Biotecnológica e Farmacêutica Alexandre Lourenço e Roberta Rodrigues Examinadores de Patentes DIQUIM II e DIBIOTEC - DIRPA Araraquara- SP 17 a 18 de agosto de 2009 Pedidos depositados

Leia mais

Propriedade Industrial

Propriedade Industrial Propriedade Industrial Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996 Constituição Federal, Artigo 5º, XXIX Instituto Nacional da Propriedade Industrial Instituto Nacional da Propriedade Industrial - Autarquia Federal,

Leia mais

Brauliro Gonçalves Leal

Brauliro Gonçalves Leal Brauliro Gonçalves Leal Colegiado de Engenharia da Computação Coordenador do NIT www.univasf.edu.br/~brauliro.leal Alana Maria Souza Siqueira Bacharel em Administração Bolsista do NIT nit@univasf.edu.br

Leia mais

Diretrizes de Exame de Patentes

Diretrizes de Exame de Patentes Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Patentes Diretrizes de Exame de Patentes v01.00 Dezembro de 2002 ÍNDICE DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA E NORMALIZAÇÃO PROPRIEDADE INTELECTUAL E INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA

TECNOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA E NORMALIZAÇÃO PROPRIEDADE INTELECTUAL E INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA TECNOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA E NORMALIZAÇÃO PROPRIEDADE INTELECTUAL E INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA 1 1. PROPRIEDADE INDUSTRIAL - PROTEÇÃO Patentes Desenho Industrial Marcas CONTEÚDO 2. PROPRIEDADE INDUSTRIAL

Leia mais

Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio

Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisas SCUP Arranjo de Núcleos

Leia mais

HISTÓRIA. Alvará, de 28 de abril de 1.809 - Isenta de direitos as matérias primas do uso das fábricas e concede outros favores aos fabricantes e

HISTÓRIA. Alvará, de 28 de abril de 1.809 - Isenta de direitos as matérias primas do uso das fábricas e concede outros favores aos fabricantes e Page 1 of 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO HISTÓRIA HISTÓRICO DAS LEIS DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL NO BRASIL PROPRIEDADE INTELECTUAL QUE É PATENTE? QUEM PODE REQUERER UMA PATENTE REQUISITOS BÁSICOS PARA PROTEÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

Ariane Oliveira da Silva 30/07 a 02/08 de 2013.

Ariane Oliveira da Silva 30/07 a 02/08 de 2013. Propriedade Intelectual: conceitos e ferramentas Ariane Oliveira da Silva 30/07 a 02/08 de 2013. Sumário Ø Conceitos Básicos em Propriedade Intelectual Ø A Lei de Inovação e as Universidades Ø Propriedade

Leia mais

III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO

III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ APOIO 1 III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO - 1º SEMESTRE

Leia mais

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário.

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 05 a 09 de abril de 2010 Centro de Treinamento do INPI- Praça Mauá, 07/ 10 o andar, RJ Informações: cursos@inpi.gov.br

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE O presente trabalho constitui-se numa síntese da Legislação em vigor, destinandose ao auxílio dos usuários no preparo de um pedido de patente.

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES MILTON LEÃO BARCELLOS & CIA. LTDA. PROPRIEDADE INTELECTUAL DESDE 1957 Milton Lucídio Leão Barcellos Advogado

Leia mais

Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases

Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases Teresina, 28 de novembro de 2011 Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases O que buscamos? Qual é a função da pesquisas?

Leia mais

DIRETRIZ DE EXAME DE PATENTES DE MODELO DE UTILIDADE

DIRETRIZ DE EXAME DE PATENTES DE MODELO DE UTILIDADE DIRETRIZ DE EXAME DE PATENTES DE MODELO DE UTILIDADE DIRPA- DIRETORIA DE PATENTES MAIO 2012 DIRPA/CGPAT II 1/10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...1 2 DIFERENÇAS ENTRE PATENTE DE MODELO DE UTILIDADE E PATENTE DE INVENÇÃO...1

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

PATENTES CURSO INTERMEDIÁRIO. Alexandre Lourenço e Roberta Rodrigues Examinadores de Patentes Diquim II e Dibiotec- DIRPA

PATENTES CURSO INTERMEDIÁRIO. Alexandre Lourenço e Roberta Rodrigues Examinadores de Patentes Diquim II e Dibiotec- DIRPA I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES CURSO INTERMEDIÁRIO Alexandre Lourenço e Roberta Rodrigues Examinadores de Patentes Diquim II e Dibiotec- DIRPA Diretoria de Patentes - INPI

Leia mais

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Em que momento procurar a área de Patentes da Gestec? O pesquisador pode procurar a área de Patentes da Gestec através do Núcleo de Inovação Tecnológica

Leia mais

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo.

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. 1. Registo Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. O registo das modalidades da Propriedade Industrial, compete a todos operadores das actividades económicas que nisso

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL A vigente Lei de Propriedade Industrial (LPI Lei n. 9.279/96) aplica-se à proteção das invenções, dos modelos de utilidade, dos desenhos industriais e das marcas. Para que a invenção

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

Uso Estratégico de Patentes em Negócios com foco em informações tecnológicas. Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica

Uso Estratégico de Patentes em Negócios com foco em informações tecnológicas. Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica Uso Estratégico de Patentes em Negócios com foco em informações tecnológicas Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica www.clevercaps.com.br Ministrante Henry Suzuki Sócio Diretor da Axonal Consultoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL P R E S I D Ê N C I A

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL P R E S I D Ê N C I A Ato Normativo 128/97 05/03/1997 ATO NORMATIVO Nº 128 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL P R E S I D Ê N C I A Assunto: Dispõe sobre aplicação

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

Inovação Tecnológica & Propriedade Industrial

Inovação Tecnológica & Propriedade Industrial Inovação Tecnológica & Propriedade Industrial Especialização em Engenharia de Produção UFJF Prof. Ricardo M. Naveiro Sumário Conceitos: inovação tecnológica e P&D Conhecimentos para a inovação tecnológica

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

CARTILHA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

CARTILHA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CARTILHA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Avenida Treze de Maio, 2081 Benfica CEP: 60040-531 Tel: (85) 3307-3744 E-mail: nit@ifce.edu.br 2 Sumário APRESENTAÇÃO

Leia mais

27/07/2011 Adm. Mauricio Serino Lia

27/07/2011 Adm. Mauricio Serino Lia Marcas e Patentes na Inovação Propriedade Intelectual como instrumento de apoio à Inovação 27/07/2011 Adm. Mauricio Serino Lia Ambientação Objetivos da apresentação: Visão geral sobre a propriedade intelectual

Leia mais

Guia de Tramitação de um Pedido de Patente

Guia de Tramitação de um Pedido de Patente Guia de Tramitação de um Pedido de Patente O objetivo do presente guia é facilitar a compreensão em relação ao trâmite de um pedido de patente, do seu depósito até a concessão da patente em nosso país.

Leia mais

GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE:

GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE: GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE: APRESENTAÇÃO...1 INTRODUÇÃO...2 INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI...2 Finalidade do INPI...2 PROPRIEDADE INTELECTUAL...2 Propriedade Industrial...3

Leia mais

A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP

A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP MARIA APARECIDA DE SOUZA LORENA, 27 DE MARÇO DE 2014. Agência USP de Inovação - Pró-Reitoria de Pesquisa.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETORIA DE PATENTES

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETORIA DE PATENTES MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETORIA DE PATENTES Perguntas Frenquentes - PPH 1. O que é o PPH? O PPH é uma modalidade de exame prioritário.

Leia mais

GOVERNO FEDERAL APOIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

GOVERNO FEDERAL APOIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GOVERNO FEDERAL Trabalhando em todo o Brasil INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO Apresentação a atecnologia é o mais importante

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL Profa. Dra. Suzana Leitão Russo DESENHO OU MODELO INDUSTRIAL Concepção funcional-estética de um produto, possível de reprodução em série, industrialmente. Vigência:10

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL Imagem: http://yaymicro.com/ O que é o INPI? Tipos de proteção no INPI 3 O que é a Propriedade Intelectual? Fonte e imagens: Inovação e Propriedade Intelectual Guia para o Docente

Leia mais

Guia do usuário de patentes

Guia do usuário de patentes Page 1 of 9 Guia do usuário de patentes O objeto deste trabalho é de mostrar através de um conjunto de perguntas e respostas as características básicas do sistema de patentes. As perguntas são baseadas

Leia mais

Direito Comercial. Propriedade Industrial

Direito Comercial. Propriedade Industrial Direito Comercial Propriedade Industrial Os Direitos Industriais são concedidos pelo Estado, através de uma autarquia federal, o Instituo Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O direito à exploração

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

XXIX CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL

XXIX CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL XXIX CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO - 1º SEMESTRE DE 2014 RIO DE JANEIRO Objetivo Apresentar conceitos e o procedimento administrativo inerente à Propriedade Industrial.

Leia mais

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE Existem mentes privilegiadas, capazes de inventar produtos ou processos que em muito têm contribuído para o progresso da humanidade. Falamos, por exemplo de um medicamento,

Leia mais

PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011

PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011 PRESIDÊNCIA 31/10/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 273 / 2011 EMENTA: Estabelece os procedimentos relativos ao depósito e processamento de pedidos de registro de topografia de circuito integrado no INPI. O

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

GUIA PARA TRAMITAÇÃO DO PEDIDO DE PATENTE DIRETORIA DE PATENTES

GUIA PARA TRAMITAÇÃO DO PEDIDO DE PATENTE DIRETORIA DE PATENTES GUIA PARA TRAMITAÇÃO DO PEDIDO DE PATENTE DIRETORIA DE PATENTES NOVEMBRO DE 2007 ÍNDICE: APRESENTAÇÃO...1 I - PROCESSAMENTO ADMINISTRATIVO...2 DEPÓSITO DO PEDIDO... 2 EXAME FORMAL PRELIMINAR... 2 PUBLICAÇÃO

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PATENTE

INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PATENTE INSTITUTO FEDERAL ALAGOAS PATENTE INSTITUTO FEDERA DE ALAGOAS. Núcleo de Inovação Tecnológica. Patente. Maceió. 2014. 11 p. 03 O QUE É UMA PATENTE A patente é um título de propriedade temporário outorgado

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 13

SUMÁRIO. Introdução... 13 STJ00094835 SUMÁRIO Introdução... 13 Capítulo 1 Propriedade intelectual e industrial... 17 1. O conteúdo do direito de propriedade... 17 2. Conceito de propriedade... 20 3. A propriedade e a atual legislação

Leia mais

NIT. núcleo de inovação tecnológica. Orientações sobre. Propriedade Intelectual

NIT. núcleo de inovação tecnológica. Orientações sobre. Propriedade Intelectual NIT núcleo de inovação tecnológica Orientações sobre Propriedade Intelectual 2012 Propriedade Intelectual Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Subsecretaria de Coordenação das Unidades de

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA I. Prof.: Esp. Ariel Silva.

DIREITO DE EMPRESA I. Prof.: Esp. Ariel Silva. DIREITO DE EMPRESA I Prof.: Esp. Ariel Silva. 2 l NOÇÕES GERAIS Criações do gênio humano; Preocupação da era industrial: l Produção em grande escala; l Proveito econômico da criação. França (1330): exclusividade

Leia mais

GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE:

GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE: GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE: APRESENTAÇÃO...1 INTRODUÇÃO...2 INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI...2 Finalidade do INPI...2 PROPRIEDADE INTELECTUAL...2 Propriedade Industrial...3

Leia mais

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Propriedade Industrial Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira 1 PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade intelectual é gênero, do qual são espécies: o O

Leia mais

Introdução à Propriedade Intelectual

Introdução à Propriedade Intelectual Introdução à Propriedade Intelectual UFF Leila Longa Gisele de Mendonça Coordenação de Gestão Tecnológica e Inovação Vice-Presidência de Desenvolvimento Tecnológico FIOCRUZ Maio/2007 PROPRIEDADE INTELECTUAL

Leia mais

PATENTES CURSO INTERMEDIÁRIO. Pesquisador em Propriedade Industrial Chefe-Substituto Divisão de Biologia Molecular - DIRPA

PATENTES CURSO INTERMEDIÁRIO. Pesquisador em Propriedade Industrial Chefe-Substituto Divisão de Biologia Molecular - DIRPA PATENTES CURSO INTERMEDIÁRIO RIO Alexandre Godinho, Ph.D Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Farmácia I - DIRPA Rodrigo Ferraro, Ph.D Pesquisador em Propriedade Industrial Chefe-Substituto

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Proteção da Propriedade Intelectual Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Propriedade Intelectual Expressão genérica que corresponde ao direito

Leia mais

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade A A protecção das invenções ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade 1 A protecção das invenções Sumário rio: 1. Modalidades de protecção 2. O que

Leia mais

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a Pós-Graduação Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Propriedade Intelectual - Conceito A Propriedade

Leia mais

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O que é a propriedade intelectual? A convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual define como propriedade intelectual:

Leia mais

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (NIT) CAPÍTULO 1 Das Disposições Preliminares Art. 1 - As normas e diretrizes para a gestão da política de inovação, bem como de proteção à propriedade industrial

Leia mais

Conceitos de Propriedade Intelectual. Coordenadoria de Propriedade Intelectual Secretaria de Negócios

Conceitos de Propriedade Intelectual. Coordenadoria de Propriedade Intelectual Secretaria de Negócios Conceitos de Propriedade Intelectual Coordenadoria de Propriedade Intelectual Secretaria de Negócios Sumário Conceitos básicos de proteção intelectual O portfólio de proteção intelectual da Embrapa O portfólio

Leia mais

Curso Avançado em Redação de Patentes

Curso Avançado em Redação de Patentes Curso Avançado em Redação de Patentes Parte II Preparando um Pedido de Patente Rodrigo B. Ferraro, Ph.D Examinador de Patentes Divisão de Biotecnologia - DIRPA 02 a 06 de março / Cuiabá - MT 1 Preparando

Leia mais