coordenadores de cursos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "coordenadores de cursos"

Transcrição

1 Informativo do Conselho Regional de Biologia da 2ª Região Rio de Janeiro e Espírito Santo Ano X Nº 109 outubro 2013 Sistema CFBio/CRBios aproxima-se dos coordenadores de cursos das IES Biólogos: eles se destacam no INPI CRBio-02 sempre em defesa da categoria

2 Conselho Regional de Biologia da 2ª Região Rio de Janeiro e Espírito Santo Presidente: Vicente Moreira Conti Vice-presidente: Santiago Valentim de Souza Conselheira Secretária: Elizabeth dos Santos Rios Conselheiro Tesoureiro: Valdir Alves Lage Conselheiros Efetivos: Anderson Mendes Augusto Cristina Aparecida Gomes Nassar Glaucia Freitas Sampaio Newton Dias Lourenço Válber da Silva Frutuoso Vera Lúcia Vaz Agarez Conselheiros Suplentes: Dimário Aluisio Pesce de Castro Humberto Ker de Andrade Maria das Graças Ávila Guimarães Mário Flavio Moreira Marta Regina Reis Amendoeira Renato Rodrigues de Souza Rodrigo Soares de Moura Neto Rosa Maria C. Wekid Castello Branco Endereços: Rio de Janeiro Sede: Rua Álvaro Alvim, 21/12º andar Cinelândia. Rio de Janeiro. RJ CEP: Tel.: (21) Fax: (21) Delegacia Regional Vitória ES: Edifício Cimas Center, Rua Fortunato Ramos, 30, Salas 208 e 210, Santa Lúcia, Vitória (ES) CEP: Tel./Fax: (27) Cel.: (27) Delegado Regional: Humberto Ker de Andrade Delegado Substituto: Renato Rodrigues de Souza Informativo Trimestral do CRBio-02 Ano X Nº 108 junhho 2013 Edição e Produção: Assessoria de Comunicação do CRBio-02 AG Rio Comunicação Corporativa Rua Santo Afonso, 44/405 Tijuca Rio de Janeiro RJ CEP Jornalista Responsável: Arlete Gadelha (MTb /RJ) Impressão: IMOS Gráfica e Editora Tiragem: 10 mil exemplares Os artigos assinados são de responsabilidade dos seus autores. Fale conosco: Para bem servir ao biólogo Dentro da proposta de gestão da atual administração de profissionalizar o Conselho Regional de Biologia da 2a Região continuamos empenhados em investir na melhoria do atendimento aos profissionais biólogos e na atualização do nosso processo de informação, incluindo a renovação e incremento do nosso parque de tecnologia da informação (TI), no Rio de Janeiro e no Espírito Santo. Uma entre as diversas estratégias que vêm sendo implementadas de forma contínua é a melhoria nos processos de comunicação com os biólogos e, também, com estudantes de Biologia pela participação constante de nossos conselheiros em eventos técnicos, encontros e formaturas, sempre apresentando palestras ilustrativas a respeito do papel primordial do Conselho na nossa vida profissional. Com base nessa premissa, empreendemos, durante a semana comemorativa do Dia do Biólogo, em setembro, várias ações voltadas aos profissionais e estudantes, com realização de mesa-redonda em Vitória/ ES, promovida pela Delegacia Regional, e na sede, no Rio de Janeiro, onde foi realizado um ciclo de palestras que compreendeu as três grandes áreas da Biologia, explicitadas na Resolução CFBio no 227/2010. Também demos início aos trabalhos de uma Assessoria de Comunicação que, de imediato criou uma Fanpage do CRBio-02, cujos acessos têm crescido dia a dia, alcançando cerca de 4 mil visualizações por semana. Também a facilidade de acesso ao sistema Fale Conosco tem se demonstrado extremamente eficaz, uma vez que os biólogos tem usado esse canal de acesso rápido para esclarecer dúvidas, promover denúncias e oferecer todo tipo de contribuição visando ao aprimoramento de nossos serviços. Outro assunto de vital importância e alvo de inúmeras discussões internas que precisam ser levadas ao conhecimento dos biólogos vinculados a este Conselho é a discussão a respeito da campanha salarial de 2013 dos empregados do CRBio-02. Tal campanha se desenrola desde maio deste ano, uma vez que a administração do Conselho não tem como atender às diversas reivindicações dos empregados, que destoam da realidade atual e da obrigatoriedade legal em oferecer benefícios administrativos e financeiros muito além dos limites considerados adequados e realizáveis por esta administração. Assim, o Conselho trabalha visando facilitar o bom andamento de nossos propósitos de forma a dar consecução à atividade de bem servir ao profissional biólogo que, efetivamente, contribui com sua anuidade para manutenção de nossas estruturas de trabalho e de pagamento de pessoal. Assim, cientes de que nossa missão como gestores da coisa pública é administrar e zelar pelos recursos do Conselho e que são custeados, em sua totalidade, pelos biólogos, esclarecemos que tais negociações continuam sendo realizadas com base no bom senso, nas limitações financeiras específicas para a rubrica de pagamento de pessoal e acatando todos os aspectos legais inerentes ao custeio de nossa de folha de pagamentos. Sempre promovendo a administração desse recurso de forma adequada tanto no que diz respeito a atender aos anseios racionais pelos empregados em perceber salários justos, mas, também, observando o princípio do zelo com relação aos recursos promovidos para essa finalidade pelos biólogos contribuintes e visando ao pleno gozo dos seus direitos mediante o adequado funcionamento do Conselho. Anta (Tapirus terrestris) É o maior mamífero brasileiro. Tem hábito solitário, sendo de atividade noturna, preferindo a proximidade com rios e florestas úmidas. O período reprodutivo é de cerca de 390 a 400 dias. (Fonte: conselheiro Anderson Mendes Augusto) Vicente Moreira Conti Presidente O Sistema CFBio/CRBios em ação Em defesa do mercado de trabalho dos biólogos, o Sistema CFBio/CRBios implementou uma série de ações neste segundo semestre visando conquistar e garantir, cada vez mais, espaço para a atuação da categoria. Um bom exemplo é o projeto do deputado Izar (PSD-SP) que autoriza o biólogo a ser responsável técnico em produção de sementes e que já obteve parecer favorável da Comissão de Trabalho e de Administração e Serviço Público. Tal projeto tem sido acompanhado de perto pelos Conselhos Federal e Regionais. Atualmente, os responsáveis técnicos por essas atividades são os engenheiros agrônomos e florestais. A proposta altera os artigos 2 o e 44º, da Lei n o , de 5 de agosto de 2003, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas. Outro exemplo é a declaração, por unanimidade, dos ministros da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça afirmando que os biomédicos não possuem o direito de participar de concurso público cujo edital prescreva como atribuições do cargo atividades específicas de biólogo, entendendo que as profissões de biólogo e de biomédico são distintas. Dessa forma, a administração pública, quando necessitar de biólogos, não pode aceitar, em concurso destinado a suprir essa necessidade, profissionais de outras áreas. Também vale registrar o avanço que aconteceu em Goiás, quando o Conselho Regional de Biologia da 4 a Região (CRBio-04), tendo como assistente o Conselho Federal de Biologia (CFBio), saiu vitorioso na sentença prolatada na Ação Civil Pública ajuizada pelo Conselho Regional de Biomedicina da 3 a Região (CRBM-03), que pretendia suspender os efeitos da Resolução n o 12/1993 do CFBio, que autoriza os profissionais da área da Biologia a praticar atividades de análises clínicas (fonte assessoria de imprensa do CFBio). De olho nos concursos Tanto o CFBio como os CRBios estão atentos aos concursos públicos que muitas vezes descrevem as atividades do biólogo mas não oferecem a vaga a tais profissionais. Em agosto, o Conselho Federal ingressou com um recurso administrativo junto ao presidente da Comissão do 8 o Concurso do Ministério Público da União (MPU), solicitando a inclusão do biólogo para concorrência às vagas ofertadas no edital, de nível superior para o cargo 16: analista do MPU área de atividade: perícia especialidade: engenharia ambiental, juntamente com os engenheiros ambientais e para que seja adequada a exigência de registro nos CRBios Conselhos Regionais de Biologia. O CFBio requereu, ainda, que o edital, devidamente retificado, preveja um novo prazo para inscrições, a fim de garantir a igualdade de condições de concorrência a todos os possíveis interessados e atendidos os preceitos constitucionais e legais (fonte assessoria de imprensa do CFBio). Antes mesmo dos editais serem publicados, em busca de oportunidades de trabalho, os próprios biólogos denunciam para os seus Conselhos possíveis irregularidades. Ainda em agosto, o CRBio-02 recebeu de dois biólogos denúncias a respeito do concurso público que seria realizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio de edital em vias de ser liberado. As denúncias tiveram como base matérias publicadas na grande imprensa que divulgavam 172 vagas para a função fiscal federal agropecuário, a serem preenchidas por profissionais da área de medicina veterinária, agronomia, farmácia, química e zootecnia. Como as atribuições descritas para o cargo em concurso anterior realizado pela mesma instituição também abrangiam a profissão Ciências Biológicas, o CRBio-02 mandou um ofício ao Mapa solicitando a inclusão do biólogo na cargo de fiscal agropecuário. O Mapa informou que para a categoria biólogos já estavam reservadas duas vagas e que, provavelmente, se o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão autorizar a ampliação do número de vagas para o cargo de fiscal federal agropecuário, a categoria será agraciada com um maior número de vagas. O ministério, até o fechamento desta edição, ainda não tinha liberado o edital. O CRBio-02 também encaminhou ofícios administrativos ao Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Campus Valença (Cefet), pedindo a impugnação do edital do concurso no 9, publicado em 24 de junho último pela instituição, uma vez que o conteúdo programático para a área de concentração microbiológica de alimentos divulgado no edital do concurso é também adequado à profissão de biólogo. No texto, a formação exigida foi limitada a bacharel em tecnologia de alimentos, por isso o pedido de impugnação. Sempre que recebe uma denúncia, o CRBio-02 realiza toda a investigação necessária para, embasado, tomar as devidas providências. O biólogo registrado é o maior e melhor fiscal avançado que o CRBio-02 pode ter. 2 3

3 Conselho homenageia seus registrados Visando dar visibilidade a categoria, o CRBio-02 promoveu uma série de ações para homenagear o biólogo durante a semana do dia 3 de setembro. Realizou eventos no Espírito Santo e no Rio de Janeiro, envolvendo mais de 150 pessoas, entre palestrantes, profissionais e estudantes de Ciências Biológicas. Sob o slogan Biologia muito mais que uma ciência, lançou a campanha desenvolvida para todo o Sistema pelo Conselho Federal de Biologia (CFBio) nas mídias impressa (jornais de grande circulação: O Globo-RJ e A Gazeta-ES), eletrônica (rádios FM) e por meio de busdoors (linhas circulares de ônibus), no Rio de Janeiro e Espírito Santo. A mesma campanha também foi disseminada por meio de cartazes distribuídos para todas as Instituições de Ensino Superior de Ciências Biológicas e empresas públicas e privadas empregadoras de biólogos nos dois estados. A Assessoria de Imprensa do Conselho também funcionou, conseguindo espaço com dois renomados jornalistas do Rio de Janeiro Ancelmo Gois e Ricardo Boechat que parabenizaram o biólogo pelo seu dia. O evento do Espírito Santo O deputado federal pelo PSB, Paulo Foletto, reafirmou seu apoio aos biólogos: Cada vez mais essa profissão terá um espaço maior na sociedade, a regularização, por meio do CRBio-02, e a qualificação, por meio do avanço no conhecimento, são necessárias para a conquista desse espaço. Vim aqui, colocar meu mandato a disposição de vocês. Ele foi um dos convidados que compuseram a mesa de debate sobre o Biólogo e o mercado de trabalho. Os demais convidados foram, os biólogos: Ana Paula Valentim Pereira, da Rede de Ensino Doctum, que falou sobre sua experiência como docente, José Mauro Sterza, da Ethica Ambiental, que abordou o empreendedorismo, e Olga Anita Ventorim Lisboa Santos, da Prefeitura da Serra, que repassou sua experiência em órgãos públicos. O evento foi aberto pelo presidente do CRBio-02, Vicente Moreira Conti, que falou da disposição do Conselho de se aproximar cada vez mais da categoria. Depois foi a vez do delegado Humberto Ker de Andrade ressaltar que, em 2013, o CRBio-02 inaugurou uma nova forma de se relacionar com os biólogos capixabas: A diretoria no Rio de Janeiro viu que nós merecíamos mais do que tínhamos e atendeu todas as nossas demandas. Hoje temos instalações, recursos humanos e materiais e estamos nos movimentando para trazer os biólogos para legalidade. A partir da esquerda: José Mauro Sterza, Olga Anita Ventorim Lisboa Santos, o deputado federal Paulo Foletto, Humberto Ker de Andrade, Vicente Moreira Conti e Ana Paula Valentim Pereira, no Hotel A arte multifotos criada pelo CFBio, que tão bem caracteriza as diversas áreas de atuação do biólogo, foi utilizada em todas as mídias, inclusive em mais de 20 linhas de ônibus do Rio de Janeiro e do Espírito Santo Maria Antônia Malajovich Vera Lucia Vaz Agarez A partir da esquerda: Rosa Maria Wekid Cordeiro Castello Branco, Flavio Torres Nunes, Cristina Aparecida Gomes Nassar e Santiago Valentim Dimário A. Pesce de Castro Rodrigo Soares de Moura Neto O mercado está cada vez mais competitivo e um dos profissionais que esse mercado tem procurado é o biólogo, que tem que buscar especializações e estar regularizado e em dia com o seu Conselho. O Ciclo de palestras no Rio Durante cinco dias, de 2 a 6 de setembro, o CRBio-02 apresentou em sua sede no Rio de Janeiro, sete palestras sobre temas variados: biotecnologia, educação, saúde, genética forense, meio ambiente e mercado de trabalho. O evento foi aberto pelo presidente do Conselho Vicente Moreira Conti, que agradeceu a presença de todos e ressaltou a importância do profissional biólogo para o CRBio-02: Estamos aqui, cada vez mais, lutando e conquistando nosso espaço na sociedade. Todos precisam entender a importância do biólogo para a vida sustentável, diz. A primeira palestra foi sobre a Biotecnologia no século XXI com Maria Antônia Malajovich, do Instituto de Tecnologia ORT e diretora científica da Associação Nacional de Biossegurança (ANBio). Ela abordou a evolução da biotecnologia no Brasil e demonstrou três estudos de casos que mais chamam sua atenção: o feijão resistente a vírus (Embrapa), o projeto Aedes transgênico (USP. Moscamed, Oxitec) e os novos biocombustíveis (Amyris). No mesmo dia, à tarde, aconteceu a palestra A importância do biólogo na educação com a conselheira Vera Lucia Vaz Agarez, que afirmou: Nos países de primeiro mundo a ciência é vista como capital (lucro) e se investe muito em experimentos, no Brasil infelizmente não é assim. A conselheira disse ainda que os alunos de graduação do curso de Ciências Biológicas amadurecem mais, pois passam a perceber e refletir sobre as mudanças que acontecem no seu próprio corpo, pois a Biologia é o estudo da vida. No segundo dia, o foco foi o mercado de trabalho. Os palestrantes, Santiago Valentim, vice-presidente do CRBio-02, Cristina Aparecida Gomes Nassar e Rosa Maria Wekid Cordeiro Castello Branco, conselheiras, e Flavio Torres Nunes, assessor jurídico ressaltaram a importância do profissional ser registrado no Conselho para sua inserção e valorização no mercado de trabalho, falaram das diversas áreas de atuação e da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), que registra cada atividade desempenhada pelo profissional biólogo de forma individual. O grupo também abordou, entre outros temas, as diferenças entre conselho e sindicato. O primeiro, além de fiscalizar o exercício da profissão garante que a Biologia seja exercida por biólogos devidamente habilitados. Já o segundo, define direitos e interesses coletivos. Flavio Torres Nunes voltou ao auditório no terceiro dia do evento para ministrar a palestra A legitimidade de atuação do biólogo, esclarecendo alguns pontos importantes para a legitimidade da atuação do biólogo principalmente nas áreas onde existe sombreamento com outros profissões. Em O papel do biólogo na saúde: caminhos e desafios, o conselheiro Dimário A. Pesce de Castro falou sobre a importância de um profissional especializado. Eu não defendo o biólogo na contratação, defendo o bom profissional. Temos que não somente defender a profissão, além disso, precisamos defender o bom e o ético disse. Dimário, além de conselheiro, é especialista em patologia clínica, lead auditor em Sistema de Qualidade, Mestre em Ciências Morfológicas pela UFRJ e diretor técnico do Laboratório Cetac Lab. Na palestra Vinte Anos de Genética Forense, o conselheiro Rodrigo Soares de Moura Neto, professor do Instituto de Biologia/UFRJ e coordenador do Programa de Metrologia Forense do Inmetro, falou sobre o desdobramento da genética, das novas tecnologias e equipamentos disponíveis no mercado. Para finalizar o Ciclo de Palestras do CRBio-02, o vice-presidente Santiago Valentim apresentou Agenda 21 o conceito reverbera no discurso, mas tropeça na prática, explicando que a Agenda 21 não é somente ambiental, e sim uma agenda de desenvolvimento sustentável, que exige planejamento estratégico e uma maior participação de todos. 4 5

4 EM DIA COM O SEU CONSELHOvida dos ações do crbio-02 importantes para a biólogos Encontro Técnico em Campos O CRBio-02, representado pela conselheira e coordenadora da Comissão de Orientação e Fiscalização do Exercício Profissional (Cofep), Rosa Maria Cordeiro Wekid Castello Branco, participou do 1 o Encontro Técnico do Projeto Monitoramento biológico de espécies aquáticas ameaçadas de extinção na bacia do rio Paraíba do Sul: desenvolvimento de sistema piloto e implementação de plano de ação, realizado na cidade de Campos dos Goytacazes (RJ). Foto: Roosevelt Mota Museu Nacional Biólogos levam dois grandes livros para casa Ana Paula Accacio Veloso foi a ganhadora do livro Macroalgas marinhas do Brasil guia de campo das principais espécies, escrito pela Conselheira do CRBio-02, Cristina Nassar. O sorteio foi realizado na fanpage do CRBio-02, em comemoração ao Dia do Biólogo. Já o biólogo Mar co Antonio Iorio Pereira foi o felizardo que ganhou o livro História, pesquisa e biodiversidade do Monumento Natural das Ilhas Cagarras. Também por meio da fanpage do Conselho. Mais de 100 biólogos registrados participaram dos dois eventos. Concurso cultural oferece minicursos para biólogos Via Facebook, o CRBio-02 promoveu um concurso cultural entre seus registrados para distribuir minicursos ministrados durante o Ecoprag (RJ). Os ganhadores foram os biólogos Marcela Borges de Abreu Pimenta, Marco Aurélio Ferreira da Silva, Diva Cardoso de Oliveira e Adjene Yazeji Simonsen. Semana de Biologia da AEDB O presidente do CRBio-02, Vicente Moreira Conti, participou da Semana da Biologia 2013, organizada pela Associação Educacional Dom Bosco, em Resende (RJ). Em palestra ele abordou o tema Biólogo formação e mercado de trabalho, no auditório Maria Joaquina Esteves. CRBio-02 na mídia O CRBio-02, representado pelo conselheiro Anderson Mendes Augusto, se pronunciou sobre a Resolução no 457/2013 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). O biólogo Anderson, que possui 20 anos de experiência em trabalho e manejo de animais silvestres, explica que a resolução tem lacunas que precisam ser solucionadas o quanto antes. De acordo com o texto, é permitido, para cada CPF/CNPJ, a guarda de até 10 animais silvestres. Para o conselheiro isso estimula ainda mais o tráfico desses animais, tendo em vista que as medidas de segurança como anilhas e chips, podem ser forjadas. Os traficantes podem retirar essas anilhas e chips, vender o animal e reimplantar em outro da mesma espécie, disse. Sobre a fiscalização, o conselheiro afirma que ela deve ser feita em seu lugar de origem (flagrante da caça na natureza) e não no destino (ponto de venda ilegal). Para ele as punições para pessoas que vendem animais silvestres têm que ser mais duras. Anderson reconhece que os locais que recebem esses animais não têm estrutura e que a construção de mais centros como esses não será a solução. Do jeito que está mesmo construindo mais centros de reabilitação e de triagem de animais silvestres (CRAS/Cetas) não vamos dar conta, devido à quantidade de espécies retiradas da natureza. A solução seria uma fiscalização mais pesada nos locais de origem, finaliza. A entrevista foi ao ar na TV Band, nos programas Brasil Urgente e Jornal do Rio. Conferência Nacional Infanto-juvenil O CRBio-02, representado pela conselheira Vera Lucia Vaz Agarez, esteve presente na IV Conferência Nacional Infanto-juvenil pelo Meio Ambiente: Vamos Cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis. Durante o evento, foram realizadas diversas atividades para estabelecer e divulgar a educação ambiental como conteúdo transversal do processo educativo não só no âmbito escolar, mas também na sociedade local. Na foto, Vera Agarez com o biólogo Pedro Otavio Galindo. 6 7

5 EM DIA COM O SEU CONSELHOvida dos ações do crbio-02 importantes para a biólogos Conselho recebe alunos da UGF Alunos do Centro Acadêmico da Biologia Kátia Mello da Universidade Gama Filho estiveram na sede do Conselho Regional de Biologia 2 a Região RJ/ES, para pedir auxílio sobre a situação da UGF. Eles estão pagando por um serviço que não recebem, disse o presidente do CRBio-02, biólogo Vicente Moreira Conti. Os alunos da UGF foram recepcionados pelo presidente e pela Assessoria Jurídica do Conselho, que pôde orientá-los na busca dos seus direitos, por meio da promoção de ações no Ministério Público Estadual e no Ministério da Educação, como também na Vigilância Sanitária do estado e do município. Semana de Biologia do Centro Universitário São Camilo O presidente do CRBio-02, Vicente Moreira Conti, esteve presente na Semana da Biologia X Seminário de Biologia, evento organizado pelo Centro Universitário São Camilo, em Cachoeiro do Itapemirim (ES). Vicente abordou o tema O profissional biólogo. O encontro aconteceu no auditório lotado Ângelo Brusco. Uma das estudantes presentes, Patricia Jabour de Medeiros, via Facebook, falou, entre outras coisas, que a participação do presidente do CRBio-02 foi de suma importância para sua formação: Eu assim como muitos de meus colegas tinha dúvidas acerca do limite de nossa área de atuação como licenciados, e essas dúvidas puderam ser sanadas durante a palestra. Biólogos participam de pesquisa na sede do CRBio-02 Os biólogos Juliana Barreira da Cruz A. Augusto, Vera Jane Ruffato Pereira Ferreira, Simone Maia Evaristo, Roberto Eduardo Albino Brandão (frente), Gabriel Kyvassay, André Luís Tavares Seghetto e Alexandre Fernandes estiveram na sede do CRBio-02, no Centro, Rio de Janeiro, no final de setembro, para participar de uma pesquisa qualitativa sobre uma campanha a ser lançada entre o final de 2013 e o início de A campanha terá como objetivo elevar a autoestima da categoria, criando um sentimento de aproximação entre os profissionais. A participação dos sete convidados foi extremamente valiosa e imprescindível para a obtenção do sucesso da iniciativa. Aguardem! Código ambiental do Rio de Janeiro a espera de ser aprovado O Conselho Regional de Biologia 2 a Região RJ/ES (CRBio-02) recebeu em seu auditório, no Centro do Rio de Janeiro (RJ), o ambientalista e coordenador do grupo de trabalho que elaborou a proposta do Projeto Código Ambiental do Município do Rio de Janeiro, Erick Guimarães Nenartavis. O encontro reuniu cerca de 50 pessoas, entre estudantes e profissionais de Ciências Biológicas, para debaterem sobre a proposta que foi encaminhada à Câmara Municipal do Rio de Janeiro e que se constituiu no Projeto de Lei Complementar 30/2013. O vice-presidente do CRBio-02, Santiago Valentim, falou sobre a importância da abertura desse debate do Conselho com os biólogos: O mais interessante desse assunto é o fato dele ser uma audiência pública da qual todos podem e devem participar. No Código Ambiental da Cidade do Rio de Janeiro não somos só espectadores, somos todos colaboradores. Contudo, para que a proposta seja aprovada precisamos de mais participação, afirmou. Conselho prestigia formatura em Teresópolis O vice-presidente, Santiago Valentim, esteve presente na colação de grau da segunda turma de graduação em Ciências Biológicas bacharelado e da quarta turma de graduação em Ciências Biológicas licenciatura, do Centro Universitário de Serra dos Órgãos (Unifeso). A cerimônia aconteceu no Espaço Higino na Av. Oliveira Botelho, 365, em Teresópolis (RJ), em agosto Santiago também ressaltou que ao se tentar regularizar o aspecto ambiental do Rio de janeiro, se mexerá em uma série de conflitos seculares que coexistem dentro do espaço urbano que, na verdade, ninguém soube como resolver. O ambientalista explicou todo o processo de criação da proposta do Código Ambiental até sua chegada à Câmara. Para que fosse dado o pontapé inicial, uma equipe de voluntários começou o projeto tendo como base o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Sustentável (PDDUS) que tem o propósito de promover e conciliar o desenvolvimento econômico, a preservação ambiental e a equidade social, de forma sustentável. O Projeto de Lei Complementar 30/2013 visa reunir as leis municipais sobre meio ambiente, em consonância com o PDDUS do município do Rio de Janeiro, definindo as normas, critérios, parâmetros e padrões para: o licenciamento e autorização ambiental; avaliação de impactos de vizinhança e de impacto ambiental e respectivos relatórios, vinculada à capacidade de suporte ambiental; controle, monitoramento e fiscalização ambiental da poluição do ar, hídrica, sonora, do solo e subsolo, dos passivos ambientais, dos resíduos sólidos e da poluição visual; monitoramento e preservação das áreas protegidas, da fauna e flora, da paisagem e da zona costeira; ações de sustentabilidade ambiental municipal. O Código Ambiental Municipal também consolidará as normas referentes a: termos de ajustamento de conduta; instrumentos de gestão ambiental previstos no Plano Diretor; ao Fundo Municipal de Conservação Ambiental e ao Conselho Municipal de Meio Ambiente. Encerrando a apresentação, o vice-presidente do CRBio-02, Santiago Valentim, pediu a participação de todos na audiência pública, que está carente de mobilização: Precisamos de profissionais preocupados, atentos e com novos olhares para que possamos avançar no tema, finalizou. 8 9

6 Quando o mercado de trabalho e a academia se encontram Fórum Regional do Sistema CFBio/CRBios e Coordenadores de Cursos de Ciências Biológicas acontece no Rio de Janeiro Para debater a Resolução do CFBio 300/2012, que ratifica a carga horária da graduação em Ciências Biológicas para horas, conforme legislação do MEC, mais de 40 coordenadores de cursos das Instituições de Ensino Superior (IES) dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo estiveram presentes no Fórum Regional do Sistema CFBio/CRBios e Coordenadores de Cursos de Ciências Biológicas, realizado pelo Conselho Federal de Biologia e Conselho Regional de Biologia 2 a Região RJ/ES. A mesa que abriu o evento O evento aconteceu no auditório da Universidade Veiga de Almeida, Campus Tijuca (RJ). Participaram da mesa de abertura o presidente do CFBio, Wlademir João Tadei, o presidente do CRBio-02, Vicente Moreira Conti, a vicepresidente do CFBio, Geni Conceição de Barros Cáuper, a conselheira secretaria e coordenadora da CFAP/CFBio, Vera Lúcia Marostica Callegaro, e a conselheira e participante da CFAP/CRBio-02, Verá Lúcia Vaz Agarez. O presidente do CFBio ressaltou a importância de todos conhecerem a Resolução CFBio 300/2012, enfatizando que o papel do Conselho é o de orientar os coordenadores de cursos e dirimir possíveis dúvidas: Nós do Sistema CFBio/CRBios queremos que vocês se sintam à vontade e que procurem o seu Conselho Regional para orientá-los sobre a resolução, um mecanismo que garante a qualidade da formação dos biólogos. O presidente do CRBio-02, Vicente Moreira Conti, agradeceu às Comissões de Formação e Aperfeiçoamento Profissional do Federal e do Regional, promotoras do Fórum, falou da importância da presença dos coordenadores de cursos e da ênfase que o CRBio-02 vem dando às áreas de fiscalização, assessoria jurídica e comunicação. O Conselho tem se aproximado cada vez mais do seu público-alvo, o biólogo, melhorando todos os serviços que lhe são prestados, inclusive e principalmente a fiscalização contra o exercício ilegal da profissão, nosso principal objetivo. Após a abertura oficial, a vice-presidente do CFBio, Geni Conceição de Barros Cáuper, falou sobre a habilitação legal para o exercício profissional e áreas de atuação do biólogo. Geni explicou o papel do CFBio e CRBios, as atribuições do biólogo e a importância do registro profissional e da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART): O biólogo precisa de um acervo técnico que só Vera Lúcia Maróstica Callegaro: Os biólogos precisam de uma boa matriz curricular Geni Conceição de Barros Cáuper: As ARTs são essenciais é formado com a emissão de ARTs que são essenciais para comprovar sua experiência, inclusive em licitações e concursos. Geni Conceição apresentou a Resolução CFBio 300/2012. Para ela, o professor é o formador do bom profissional de amanhã: É preciso que as IES tenham uma boa grade curricular e que abram o mercado de trabalho para o futuro biólogo. A coordenadora da CFAP/CFBio, Vera Lúcia Maróstica Callegado, falou sobre a diferença entre bacharel e licenciado e disse que o papel das Comissões de Formação e Aperfeiçoamento Profissional é o de orientar as IES. Nossa função é atualizar e informar as universidades a respeito da matriz curricular, analisar o perfil do egresso e o contexto regional, que influenciará na elaboração dessa matriz de qualidade e específica para cada local. Vera Lúcia explica que conforme a CNE/CPQ 01/2002 do MEC que institui diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores de educação básica em nível superior, curso de licenciatura e graduação plena, a carga horária para licenciatura em Ciências Biológicas é de horas. Enquanto a CNE CPQ 04/2009 do MEC que dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação em Biomedicina, Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição e Terapia Ocupacional, bacharelados, na modalidade presencial institui uma carga horária para bacharel de horas, com o mínimo de 4 anos de formação

7 A conselheira federal Fátima Cristina Inácio de Araújo, que já foi presidente do CRBio-02 agradeceu o convite e disse que para ela é uma honra apresentar uma resolução que começou a ser criada em 1998, quando o MEC incentivou o debate das matrizes curriculares e que, junto com os coordenadores de cursos, pôde chegar a um denominador comum para valorizar a profissão. Não podemos interferir no MEC, mas podemos orientá-lo, disse. Foi sugerido no Fórum uma estrutura básica de matriz curricular já na nova carga horária contendo: o núcleo básico atividades obrigatórias de campo, laboratório e adequada instrumentação e embasamento teórico e prático para que o acadêmico possa direcionar sua formação específica buscando sua identidade profissional; e o núcleo específico matérias que definem a identidade profissional, traçando o perfil adequado para a atuação nas áreas de meio ambiente, saúde e biotecnologia. Fátima Cristina também ressaltou a necessidade do Sistema CFBio/CRBios estar presente nas universidades e que na grade seja inclusa deontologia disciplina da ética especial adaptada ao exercício da uma profissão. Os coordenadores de cursos presentes aprovaram o Fórum. Para o coordenador de bacharelado da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), Vitor Martin, o Conselho deve estar presente desde o início nas faculdades. É muito importante que os alunos ao ingressarem saibam que o biólogo tem um Conselho que luta pela profissão! A coordenadora do curso de Ciências Biológicas da Universidade Severiano Sombra (USS), Maria das Graças, achou o Fórum muito esclarecedor, O evento foi ótimo em função das últimas Fátima Cristina Inácio de Araújo: Os biólogos precisam da disciplina deontologia Maria das Graças: O Fórum foi muito esclarecedor no âmbito da gestão dos coordenadores de cursos Karla Maria Pedra de Abreu: O Fórum foi muito proveitoso, agora eu sei o quanto a ART é importante para o biólogo discussão: Denominação do Curso x Lei 6.684/79, art. 1 o, inciso I: viabilização do Registro Profissional; Análise do PPC: carga horária x distribuição dos conteúdos curriculares: Parecer CFBio n o 01/2010; Atendimento dos requisitos mínimos para atuação profissional como biólogo, Resolução CFBio 300/2012; Dificuldades enfrentadas para conciliar a legislação: MEC x exercício profissional. Wlademir encerrou o evento e parabenizou o CRBio-02 pela organização: Agradeço ao CRBio-02 que nos recebeu muito bem. Os coordenadores interagiram conosco e eles sabem que podem contar com o Conselho. Sobre os próximos eventos, o presidente disse que em outubro acontecerá um Fórum para avaliação com a diretoria do CFBio e em novembro haverá uma reunião em nível nacional com todos os Conselhos Regionais e os coordenadores de todo o Brasil. Na foto a equipe do Curso de Ciências Biológicas da Uenf, João Almeida, coordenador de Ensino a Distância, Cristina Magalhães, coordenadora do curso de Licenciatura, e Victor Martin, coordenador do Bacharelado legislações e aplicação no dia a dia na gestão, que vem ao encontro da necessidade do gestor. Para Karla Maria Pedra de Abreu, do Instituto Federal do Espírito Santo (Ufes), o evento foi positivo, principalmente sobre a qualificação do biólogo por meio das ARTs. Eu desconhecia o quanto uma ART é importante para o profissional, garantindo e certificando a especialização do biólogo. Após as palestras, foram formados grupos de trabalhos que encerraram o evento debatendo e apresentando os quatro pontos de CRBio-02 recebe presidentes do Sistema Os dirigentes dos Conselhos Regionais de Biologia do Sistema CFBio/CRBios reuniram-se, no dia 23 de setembro, na sede do Conselho Regional de Biologia 2 a Região RJ/ES, Rio de Janeiro, para debaterem problemas e soluções comuns, bem como expor boas práticas, visando à melhoria de processos internos, tendo como objetivo o aprimoramento do atendimento aos seus registrados. Em entrevista, a presidente do Conselho Regional de Biologia 3 a Região RS/SC, Clarice Luz, disse que espera da reunião entre os presidentes do Sistema CFBio/CRBios a padronização de algumas ações em nível nacional, para que não haja diferenças de condutas e do atendimento ao biólogo registrado de norte ao sul do país. Espero que a gente saia daqui com algumas deliberações do grupo de presidentes para levarmos ao CFBio medidas que melhorem e valorizem a nossa relação com os nossos registrados. O Federal tem um olhar para o biólogo diferenciado do nosso, que atendemos ao biólogo todos os dias, disse. Clarice, que já é presidente do CRBio-03 há oito anos sendo esta a sua terceira gestão, acha que o que deve ser padronizado em primeiro lugar são as informações repassadas para os registrados: como fazer uma TRT e uma ART, por exemplo: Queremos que a emissão de documentos no Sistema seja padronizada e reconhecida em qualquer lugar do país, como uma espécie de selo de qualidade. Clarice Luz: Queremos que a emissão de documentos no Sistema seja padronizada e reconhecida Para ela, a mudança periódica dos dirigentes do Sistema dificulta um pouco as coisas: Os presidentes têm uma gestão curta de quatro anos e os que chegam novos começam revendo tudo para então dar o devido encaminhamento, isso dificulta o andamento linear das coisas que não acontecem com a rapidez que a gente deseja. Temos uma diversidade muito grande e um entendimento muito diferenciado. O que estamos fazendo aqui é trabalhar para chegarmos a um consenso. Clarice finalizou: Estou feliz de ter voltado ao Rio de Janeiro, é um prazer visitar o CRBio-02. Espero que o presidente Vicente Moreira Conti tenha sucesso em sua gestão, assim como os demais que passaram por aqui

8 Biólogos em destaque no INPI De gestores a examinadores, esses biólogos fazem a diferença. O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) possui em seu quadro de funcionários cerca de 40 biólogos trabalhando em diversos setores. Para que todos conheçam um pouco do trabalho que esses biólogos realizam, o informativo do CRBio-02 entrevistou três desses profissionais: Alexandre Guimarães Vasconcellos, Zea Duque Vieira Luna Mayerhoff e Claudia Santos Magioli. O INPI é responsável pela análise e registros de marcas, desenhos industriais, indicações geográficas, programas de computador e topografias de circuitos, concessões de patentes e averbações de contratos de franquia e das distintas modalidades de transferência de tecnologia. De acordo com os entrevistados, existe uma necessidade de contratação de mais profissionais para serem examinadores de patentes na instituição inclusive biólogos o que provavelmente acontecerá em 2014, em função da previsão de realização de um concurso público que abrangerá todas as áreas tecnológicas da instituição. No INPI o biólogo é um profissional de ponta Alexandre Guimarães Vasconcellos foi o primeiro biólogo concursado do INPI, já tem 15 anos de autarquia. Iniciou como pesquisador na área de biotecnologia e atualmente trabalha no setor de buscas do Centro de Disseminação da Informação da Tecnologia (Sebus/ Cedin). O setor dá orientação aos pesquisadores nas buscas de tecnologias dentro do sistema de patentes. Para que uma patente seja concedida deve apresentar novidade em relação a tudo o que já foi feito no mundo. Sendo assim, conhecer o que já existe naquele campo tecnológico é fundamental para orientar as pesquisas, fundamentar a decisão de depositar ou não uma patente e definir a estratégia de atuação da empresa no mercado, explica o biólogo. O trabalho de Alexandre envolve o atendimento a inúmeras indústrias, universidades e inventores independentes como também treinamentos sobre informação tecnológica em patentes ministrados em todas as regiões do país. Além de trabalhar no Cedin, ele foi aprovado no último concurso de especialista sênior para atuar na coordenação de pesquisas, docência e orientação de alunos de mestrado e doutorado no âmbito da Academia de Propriedade Intelectual, que é um centro de ensino e pesquisa de propriedade intelectual e inovação. Atualmente, o Centro possui desde especializações a doutorado e faz parte do INPI, tendo como coordenadora a bióloga Rita Pinheiro Machado. Sobre futuras oportunidades dentro do órgão público, segundo Alexandre, há uma autorização de contratação de 475 novos servidores, via concurso, para diminuir o acúmulo de trabalho: Talvez surjam aí oportunidades para os biólogos. Apoio aos que querem inovar O biólogo é um profissional muito importante no INPI em razão do grande desenvolvimento da biotecnologia nos últimos anos e de sua crescente interface com o sistema de propriedade intelectual. Alexandre Guimarães Vasconcellos A Bióloga Zea Duque Vieira Luna Mayerhoff, no INPI desde 2002, entrou como examinadora de patentes, função que exerceu por três anos e que considerou muito enriquecedora por exigir aprofundamento dos conhecimentos em biotecnologia trazidos da sua formação. A mudança para a diretoria de Cooperação para o Desenvolvimento aconteceu em função do anseio por trabalhar mais diretamente em prol do desenvolvimento da área no país, estando mais próxima a outra ponta, oferecendo informação e apoio aos pesquisadores e agentes de desenvolvimento da inovação. Atualmente, Zea está à frente do projeto para implantação do Centro Brasileiro de Material Biológico (CBMB) que visa oferecer no país a infraestrutura necessária para a preservação de material biológico essencial à realização de invenções, o que é uma exigência do sistema. Essa implantação é uma necessidade urgente, já que todas as instituições depositárias desse material vivo estão localizadas fora do Brasil. Foi devido à experiência com coleções de microrganismos adquirida em seu mestrado e doutorado, que a bióloga recebeu a incumbência de coordenar esse projeto. De acordo com ela, o projeto do CBMB foi concebido para a preservação do material biológico depositado para fins de patentes seguindo padrões internacionais, e para o fornecimento de amostras a interessados devidamente autorizados, de acordo com a legislação vigente. Os pesquisadores que irão trabalhar no CBMB são profissionais especializados, biólogos e microbiologistas. O projeto está sendo desenvolvido em parceria com o Inmetro e conta com o apoio de diversas outras entidades, entre elas a Fiocruz. Zea também é membro-suplente do INPI no Comitê Nacional de Biotecnologia (CBN), que coordena a implementação da Política de Desenvolvimento da Biotecnologia (PDB), visando ao desenvolvimento da indústria brasileira e a utilização da biotecnologia pela sociedade. No CNB, a suplente lida com assuntos variados, entre os quais aqueles relacionados à legislação de patentes para a área, debatendo, por exemplo, o escopo do patenteamento de materiais biológicos no Brasil e a conveniência da adesão do país ao Tratado de Budapeste para o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Fins de Patentes. Uma bióloga realizada que adora o que faz Claudia Santos Magioli é coordenadora da Diretoria de Patente (Dirpa) e está no INPI há nove anos. Ela entrou na instituição como examinadora de patentes na área de biotecnologia e hoje coordena cinco divisões técnicas. São elas: biotecnologia, fármacos biotecnológicos, alimentos, cosméticos e agroquímicos. Atualmente sob sua coordenação estão cerca de 35 biólogos nas divisões citadas. Para a bióloga é muito gratificante trabalhar no INPI. Na UFRJ, Claudia já se dedicava a pesquisas e continuou usando o seu conhecimento depois que ingressou no instituto na área de análise de patentes em biotecnologia: Adoro meu trabalho na coordenação, mas também gosto muito de examinar os pedidos de patentes, completa. A implantação do CBMB é uma necessidade urgente, já que todas as instituições depositárias desse material vivo estão localizadas fora do Brasil. Zea Duque Vieira Luna Mayerhoff Claudia explica o porquê, muitas vezes, da demora no exame dos pedidos de patentes na área de biotecnologia: Essa é uma área tecnológica recente que gera muito debate sobre o que pode ou o que não pode ser protegido por patente. Além disso, há dependência de várias outras leis, como a Lei de Biossegurança e a Medida Provisória n o 2.186/16, que regula o acesso ao patrimônio genético nacional para a conclusão de exame do pedido de patente. Pedidos de patentes que envolvam, por exemplo, pesquisas com células-tronco ou tecnologia de restrição de uso, apresentam interface com a Lei de Biossegurança, se a invenção foi oriunda de acesso ao patrimônio genético nacional ou conhecimento tradicional associado, o inventor tem que estar regularizado no Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGEN) para que o processo tramite no INPI. Muitos inventores não têm conhecimento disso. Como seu colega Alexandre, Claudia confirma: O biólogo é muito importante para o INPI, na área de biotecnologia o número de pedidos de patentes depositados cresce a cada ano. Os pedidos só podem ser analisados por um profissional técnico qualificado e A biotecnologia é uma área tecnológica recente que gera muita discussão sobre o que pode ou o que não pode ser protegido por patente. Claudia Santos Magioli para essa área a análise do biólogo é essencial, completa

9

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior 1. Apresentação Em cumprimento à deliberação 1-F do Eixo Formação, aprovada no 37 0 Encontro Nacional /CRESS,

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Normas referentes a disciplina FR904 - Atividades Complementares do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Considerando: A Lei 9.394 de 1996. Lei de Diretrizes

Leia mais

PROCESSO N 337/11 PROTOCOLO N.º 07.595.260-0 PARECER CEE/CEB N.º 1019/11 APROVADO EM 09/11/11

PROCESSO N 337/11 PROTOCOLO N.º 07.595.260-0 PARECER CEE/CEB N.º 1019/11 APROVADO EM 09/11/11 PROTOCOLO N.º 07.595.260-0 PARECER CEE/CEB N.º 1019/11 APROVADO EM 09/11/11 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADO: COLÉGIO INSTITUTO CRISTÃO ENSINO MÉDIO E PROFISSIONAL MUNICÍPIO: CASTRO ASSUNTO: Pedido

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista 1 Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista DESTINO: Vitória/ES INSTITUIÇÃO PROMOTORA: Secretaria

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES 2013 INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES Este documento visa orientar as ações para a inscrição de estudantes irregulares no de anos anteriores e esclarecer as dúvidas que possam aparecer durante o processo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA REALENGO SEARA NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) REGULAMENTO E-1/12 FACULDADES SÃO JOSÉ NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO I - DA NATUREZA DAS ATIVIDADES

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS Jaqueline Souza Lacerda 1,4 ; Eude de Sousa Campos 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues

Leia mais

ESCLARECIMENTO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA JORNADA DE 30 HORAS PARA ASSISTENTES SOCIAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL

ESCLARECIMENTO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA JORNADA DE 30 HORAS PARA ASSISTENTES SOCIAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL ESCLARECIMENTO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA JORNADA DE 30 HORAS PARA ASSISTENTES SOCIAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL Desde a publicação da lei nº 12.317, de 27 de agosto de 2010, que estabeleceu a jornada de trabalho

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO A importância da atuação do fiscal para a qualidade do ensino no Brasil A importância da atuação do fiscal para a qualidade do ensino no Brasil BREVE HISTÓRICO

Leia mais

Situação dos alunos da UVA que concluíram o curso de Licenciatura em Biologia. Profª. Ma. Maria Beatriz M. Padovani

Situação dos alunos da UVA que concluíram o curso de Licenciatura em Biologia. Profª. Ma. Maria Beatriz M. Padovani Situação dos alunos da UVA que concluíram o curso de Licenciatura em Biologia Profª. Ma. Maria Beatriz M. Padovani Todas as situações colocadas nesta reunião não se aplicam aos ex-alunos da UVA que somente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 95/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

PROGRAMA CONSELHEIROS

PROGRAMA CONSELHEIROS PROGRAMA CONSELHEIROS Um projeto de cooperação entre as Instituições de Ensino Superior e o CREA-MG Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Minas Gerais LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br,

Leia mais

A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO

A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO Prof. Santo Conterato Diretor da APSERJ Vitória da Sociologia. Com este título o boletim da APSERJ Papo de Sociólogo, Ano I, Nº 0, de novembro de 1989, noticia a inclusão

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Busca do equilíbrio ACADEMIA

Busca do equilíbrio ACADEMIA Busca do equilíbrio Conquistar sustentabilidade financeira e qualificar recursos humanos são alguns dos principais objetivos dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) no Brasil POR CAMILA AUGUSTO Ilustrações:

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 Assunto: Dispõe sobre

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU RELATÓRIO DAS DELIBERAÇÕES ACERCA DO III FORUNIVER DECISÕES DO CONSELHO SUPERIOR ACERCA DAS PROPOSTAS ORIUNDAS DO III FÓRUM UNIVERSITÁRIO, REALIZADO ENTRE 13 E 15 DE SETEMBRO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.772/2005 (Publicada no D.O.U. de 12.08.2005, Seção I, p. 141-142) Revogada pela Resolução CFM nº 1984/2012 Institui o Certificado de Atualização Profissional

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos!

Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos! Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos! PERFIL Tempo de Atuação Estrutura da Equipe PERFIL DO OBSERVATÓRIO SOCIAL 3 anos Receita do OS 1º Quadrimestre 2014 R$ 14.135,00 Despesas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE APUCARANA - FECEA MUNICÍPIO: APUCARANA ASSUNTO:

Leia mais

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES CHAPA: InterAÇÃO: Equidade e Responsabilidade Propostas para a Gestão Junho/2013 a Junho/2017 UBERLÂNDIA 2013 1.0 APRESENTAÇÃO DO CANDIDATO Bacharel e Licenciado

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais

Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP

Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP COGEO/CAMBINACIONAL/UNIFAP A Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02/2014/IF BAIANO/GAB

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02/2014/IF BAIANO/GAB NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02/2014/IF BAIANO/GAB "A democracia é o único regime político no qual os conflitos são considerados o princípio mesmo do seu funcionamento". Marilena Chauí Com a frase da ilustríssima

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO GRUPO DE EXCELÊNCIA DE ESTUDOS EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA [GEAP], DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012, COM INÍCIO ÀS 20H00 E TÉRMINO ÀS 22H30.

ATA DE REUNIÃO DO GRUPO DE EXCELÊNCIA DE ESTUDOS EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA [GEAP], DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012, COM INÍCIO ÀS 20H00 E TÉRMINO ÀS 22H30. ATA DE REUNIÃO DO GRUPO DE EXCELÊNCIA DE ESTUDOS EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA [GEAP], DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012, COM INÍCIO ÀS 20H00 E TÉRMINO ÀS 22H30. Presentes:- Bruno Luis Lima de Carvalho, Murilo Lemos

Leia mais

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL SEMINÁRIO CONFEA / CAU APRESENTADAS NOS GTs, ALINHADAS COM AS SOLUÇÕES BUSCADAS PELO SEMINÁRIO Brasília, 24 e 25 de julho de 2014 Eixo 1: Exercício Profissional Eixo 2: Fiscalização Eixo 3: Formação Profissional

Leia mais

A reprodução desse conteúdo, em parte ou na íntegra, não é permitida sem autorização prévia da Allen.

A reprodução desse conteúdo, em parte ou na íntegra, não é permitida sem autorização prévia da Allen. Investimento contínuo para oferecer educação de qualidade UNIGRANRIO aposta na atualização e padronização de seu parque computacional a fim de propiciar aos alunos as melhores condições de ensino em pé

Leia mais

CHAMADA PUBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ ESPECIALIZAÇÃO EM DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA SAÚDE TURMA 2012

CHAMADA PUBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ ESPECIALIZAÇÃO EM DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA SAÚDE TURMA 2012 CHAMADA PUBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ ESPECIALIZAÇÃO EM DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA, DA TECNOLOGIA E DA SAÚDE TURMA 2012 O Curso de Especialização em Divulgação da Ciência,

Leia mais

SOBRE A FÉRIAS VIVAS MISSÃO. Lutar pela conscientização e proteger vidas no turismo nacional. VISÃO

SOBRE A FÉRIAS VIVAS MISSÃO. Lutar pela conscientização e proteger vidas no turismo nacional. VISÃO SOBRE A FÉRIAS VIVAS A Associação Férias Vivas é a primeira ONG de âmbito nacional voltada para a segurança no turismo e no lazer. A organização foi criada em 2002 a partir da iniciativa de um grupo de

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares

Regulamento das Atividades Complementares Regulamento das Atividades Complementares Estabelece normas para o funcionamento das Atividades Complementares do sistema seriado dos cursos de Administração com linha de formação específica em Administração

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4. INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.372/2012) Ministério Secretaria de Regulação e da Educação Supervisão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária Zoot. Adeilton Ricardo da Silva Conselheiro Efetivo Professor da FIMCA e UNIRON Agência IDARON adeiltonricardo@ibest.com.br Sistema CFMV/CRMV: É uma Autarquia

Leia mais

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 SOBRE O ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes -

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei Nº 4.769, de 09 de setembro de 1965 O Presidente da República Dispõe sobre o exercício da profissão de Administrador e dá outras providências (*) (**). Faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

Edital Interno de Seleção do Programa CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - CAPES/CNPq. Graduação Sanduíche na Áustria, Bélgica, China, Finlândia e Irlanda

Edital Interno de Seleção do Programa CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - CAPES/CNPq. Graduação Sanduíche na Áustria, Bélgica, China, Finlândia e Irlanda Edital Interno de Seleção do Programa CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - CAPES/CNPq Graduação Sanduíche na Áustria, Bélgica, China, Finlândia e Irlanda EDITAL DE SELEÇÃO 002 2013 O Diretor de Relações Internacionais

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE MARCAS

CURSO AVANÇADO DE MARCAS CURSO AVANÇADO DE MARCAS 1º SEMESTRE DE 2014 RIO DE JANEIRO - RJ Coordenadores: Filipe Fonteles Cabral Ricardo Pinho Diretor de Estudos: Alexandre Fragoso Machado LOCAL Auditório da ABAPI Av. Rio Branco,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

EDITAL Nº 01/2013 - DG

EDITAL Nº 01/2013 - DG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CÂMPUS SÃO VICENTE DO SUL Rua 20 de Setembro, s/nº - 97420-000 São

Leia mais

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Dezembro/2003 - A discussão sobre carga horária para

Leia mais

Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica PARFOR; ANEXO I MANUAL DE ATRIBUIÇÕES DOS BOLSISTAS DOS CURSOS ESPECIAIS PRESENCIAIS

Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica PARFOR; ANEXO I MANUAL DE ATRIBUIÇÕES DOS BOLSISTAS DOS CURSOS ESPECIAIS PRESENCIAIS Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Educação Básica Presencial - DEB Setor Bancário Norte - Quadra 02 - Bloco L - Lote 6-4º andar CEP: 70.020-040 - Brasília/DF - Telefone:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO DE EXTENSÃO GRUPO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA HISTÓRICA

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO DE EXTENSÃO GRUPO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA HISTÓRICA 1 UFF Universidade Federal Fluminense Pólo de Campos dos Goytacazes ESR Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional SFC - Departamento de Fundamentos de Ciências da Sociedade RELATÓRIO

Leia mais

FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA

FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA LIGA ACADÊMICA DE REABILITAÇÃO EM ORTOPEDIA DA FACULDADE MONTES BELOS Francisco Dimitre Rodrigo Pereira Santos Marillia Pereira Cintra Sintia

Leia mais

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 Dispõe sobre o exercício da Análise Clínico- Laboratorial. Art. 1º Os atuais portadores de diploma de Ciências Biológicas, modalidade médica, bem como os diplomados

Leia mais

ÍNDICE. Sumário. Apoios. Media Partners. Dados Gerais. Conferência. Expositores. Visitantes. Campanha de Marketing. Mídia Espontânea.

ÍNDICE. Sumário. Apoios. Media Partners. Dados Gerais. Conferência. Expositores. Visitantes. Campanha de Marketing. Mídia Espontânea. ÍNDICE Sumário Apoios Media Partners Dados Gerais Conferência Expositores Visitantes Campanha de Marketing Mídia Espontânea Imagens 2 Sumário O Evento A 7ª Edição da BRASIL OFFSHORE - Feira e Conferência

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIAS ENCONTRO DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais