PATENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA A ÁREA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO: um estudo de caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA A ÁREA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO: um estudo de caso"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA ELISÂNGELA DE MOURA PATENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA A ÁREA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO: um estudo de caso CAMPINAS 2008

2 ELISÂNGELA DE MOURA PATENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA A ÁREA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO: um estudo de caso Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado como exigência para obtenção do Título de Bacharel em Biblioteconomia, ao curso de Biblioteconomia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Orientadora: Profª Drª Vera Sílvia Marão Beraquet. PUC CAMPINAS 2008

3

4 Pontifícia Universidade Católica de Campinas Centro de Ciências Sociais Aplicadas Faculdade de Biblioteconomia BANCA EXAMINADORA Orientadora Profª. Drª. Vera Sílvia Marão Beraquet 1º Examinador Profª. Drª. Mariângela Pisoni Zanaga 2º Examinador Bibliotecária Valdinéa Sonia Petinari Campinas, 01 de dezembro de 2008.

5 Dedico! Aos que confiaram em mim, que tiveram paciência e compreensão nos dias em que estive ausente para concluir este trabalho. E à minha família que sempre acredita no meu sucesso.

6 AGRADECIMENTOS trabalho. Agradeço primeiramente a Deus, por me guiar sempre e poder concluir este Ao meu pai Joaquim pelos ensinamentos, pela honestidade, a minha mãe Maria pela paciência durante esta jornada de 4 anos, principalmente pelo incentivo moral para atingir os resultados profissionais, acadêmicos e pessoais. Às minhas irmãs pela troca de experiências, aos sobrinhos pelas ausências, mas mesmo assim sempre carinhosos. Ao Cido, pelos ensinamentos durante o tempo que esteve presente, e que sempre estará em nossas vidas, pelos incentivos morais, financeiros e pela alegria de sempre. Aos colegas de classe sem exceção, pela parceria. Aos amigos conquistados nesse período: Cássia, Athais, Rosimeire, Fernanda, Paula, Sueli, Silvia e Antônia, que durante esses 4 anos proporcionaram muitas alegrias, experiências, conhecimentos, que levarei pra sempre. Aos profissionais do Centro de Engenharia Biomédica da Unicamp, pela experiência de vida durante 3 anos, pelas trocas de conhecimentos, e também pela confiança depositada. Aos professores Carlos Corrêa, Mariângela Pisoni Zanaga, Leonardo, Renata Ciol, César Pereira que sempre me motivaram a ir além daquilo que era proposto. A professora Vera Beraquet, pelos ensinamentos, oportunidades, cobranças e pela orientação. Obrigada pela confiança.

7 "A ciência está destinada a desempenhar um papel cada vez mais preponderante na produção industrial. E as nações que deixarem de entender essa lição hão inevitavelmente de ser relegadas à posição de nações escravas: cortadoras de lenha e carregadoras de água para os povos mais esclarecidos". Lord Rutherford

8 RESUMO MOURA, Elisângela de. Patente como fonte de informação para a área de pesquisa e desenvolvimento tecnológico: um estudo de caso f. Monografia (Graduação) Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Curso de Biblioteconomia, Campinas, Estudo sobre o conhecimento e uso da patente como fonte de informação por parte dos pesquisadores da área de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, nos quais são vinculados a uma Agência de Propriedade Intelectual de uma universidade paulista. Como objetivos específicos: verificou a utilização do documento de patente; identificou onde são recuperados esses documentos; analisou quais as dificuldades e preferências de acesso a essa fonte, por fim, identificou se existe o conhecimento e reconhecimento da função da patente como fonte de informação. Como método, aplicou-se questionário semi-estruturado com 22 questões relacionadas ao uso e conhecimento da fonte de patente, nos quais foram respondidos 8, tornando-se uma pesquisa de pequeno porte. Concluiu-se a maior parte dos pesquisadores conhece e utiliza a patente como fonte de informação no desenvolvimento de seus produtos e serviços, percebeu-se que existe o reconhecimento da patente como fonte de informação tecnológica como propulsora de novos conhecimentos e a cultura de uso dessa fonte, no âmbito da universidade foi praticada. Diante desses levantamentos, como conseqüência, foram ainda percebidas as razões que podem estar impedindo o uso da informação contida nas patentes. Palavras-chave: Patente. Fonte de informação. Informação tecnológica. Universidade.

9 ABSTRACT MOURA, Elisângela de. Patent as a source of information for the area of research and technological development: a case study. Campinas Monograph (Undergraduate) - Library Science, Applied Social Sciences Center, Pontifical Catholic University of Campinas Study on the knowledge and use of the patent as a source of information by researchers from research and technological development area, in which are linked to an Intellectual Property Agency of São Paulo University. Specific objectives: found the use of the patent document; identified where these documents are recovered; which examined the difficulties preferences and access to this source, finally, if there is identified the knowledge and recognition of the function of the patent as an information source. As a method was applied semi-structured questionnaire with 22 questions related to the use and knowledge of the source of patent, in which 8 were answered, making it a small research. Concluded most researchers know and use patents as a source of information in developing their eservices products, it was noticed that there is a recognition of the patent as a source of technological information as a driver of new knowledge and to use this source of culture within the university was committed. Given these surveys, as a consequence, were still perceived the reasons that may be preventing the use of information contained in patents. Keywords: Patent. Source of information. Technological information. University.

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Formação acadêmica dos sujeitos Quadro 2 - Visão quanto a função da patente Quadro 3 - Opinião sobre as condições do país em gerar tecnologias, ampliar o número de patentes registradas e transferir informações e conhecimentos... 40

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Graduação dos pesquisadores Tabela 2 - Última atualização dos sujeitos em nível de formação acadêmica Tabela 3 - Número de patentes depositadas Tabela 4 - Área de aplicação da patente Tabela 5 - Motivo do depósito da patente Tabela 6 - Uso da fonte de patente para gerar novos conhecimentos Tabela 7 - Uso do documento de patente como fonte de informação Tabela 8 - Uso de bases de dados de P.I. para acessar o documento de patente Tabela 9 - Frequência de uso das bases de dados de P. I Tabela 10 - Fontes consultadas para acessar o documento de patente Tabela 11 - Fontes consultadas para obter o documento de patente Tabela 12 - Opinião quanto a estrutura do documento de patente Tabela 13 - Dificuldades enfrentadas na busca ao documento de patente Tabela 14 - Preferências de formatos na recuperação de informações sobre patentes Tabela 15 - Visão quanto à função da patente Tabela 16 - Forma de uso da fonte de patente Tabela 17 - Tabela 18 - Tabela 19 - Tabela 20 - Conhecimento e uso das bases de dados disponível na instituição em que trabalha Como teve conhecimento das bases de dados de Patentes de sua instituição Percepções durante a busca nas bases de dados de patentes da universidade na qual trabalha Nível de conhecimento quanto as informações e serviços disponibilizados sobre 38 patentes disponibilizados no INPI... Tabela 21 - Fontes de informações mais utilizadas... 39

12 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS P&D I.T. C&T INPI CEDIN DIDOC DIINTEC PROFINT TCIs C&E PINTEC CT&I Pesquisa e Desenvolvimento Informação Tecnológica Ciência e Tecnologia Instituto Nacional de Propriedade Intelectual Centro de Documentação e Informação Tecnológica Divisão de Documentação Divisão de Informação Tecnológica Programa de Fornecimento e Informação Tecnológica Tecnologias de Informação e Comunicação Cientistas e Engenheiros Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica Ciência, Tecnologia e Inovação ANPEI CPqD P.I Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Propriedade Intelectual

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Fonte de informação Informação tecnológica Sistema Nacional de Propriedade Intelectual Patente como fonte de informação REVISÃO DE LITERATURA MÉTODO Caracterização da Instituição Sujeitos e coleta de dados Procedimentos TABULAÇÃO DOS DADOS... 5 DISCUSSÃO... 6 CONCLUSÃO... 7 REFERÊNCIAS APÊNDICES... 58

14 3 1 INTRODUÇÃO A realização desse trabalho justifica-se pelo atual cenário mundial, onde a tecnologia é potencial no desenvolvimento de uma nação. Reforçou-se pelo fato de Campinas estar inserida no Pólo de Alta Tecnologia da região. Pesquisar este tema representou um desafio tanto ao fato de adquirir conhecimento aprofundado na área, quanto para ter contato com os profissionais da área pesquisada. Além de a temática ser bem diferenciada na Biblioteconomia. O estudo que se apresenta possui como panorama a questão de identificar se os pesquisadores reconhecem a patente como fonte de informação inclusive se utiliza essa fonte para o desenvolvimento de seus produtos e serviços tecnológicos. Sabe-se que a tecnologia é o mais relevante instrumento de desenvolvimento da economia atual, ela dá autonomia para os países tornarem-se sustentáveis gerando produtos e serviços para a sociedade. Entende-se por tecnologia a técnica que emprega conhecimento científico, onde os conhecimentos que foram utilizados para gerar a máquina, o processo, a planta industrial permitem sua absorção, adaptação, transferência e difusão. (JANNUZZI; MONTALLI, 2004). A condição atual de um país depende do conjunto de descobertas, aperfeiçoamentos e esforços das gerações anteriores. Pilat (2005, p. 13) afirma que o avanço tecnológico proporciona novos métodos de produção, aumento da produtividade, geração de riquezas e melhoria da qualidade de vida da população. Nesse contexto, a capacidade de inovar ganha importância preponderante na definição de quem vai prosperar ou sucumbir. O valor dos produtos e serviços depende cada vez mais da quantidade de inovação, tecnologia e inteligência neles incorporada. (BRASIL INOVADOR, 2006) A informação tem hoje, nas indústrias papel fundamental para a área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). O tipo de informação que permeia aspectos relativos à produção de conhecimento tecnológico é a Informação Tecnológica (I. T.). Ela pode ser entendida como aquela que trata da informação necessária,

15 4 utilizada e gerada, nos procedimentos de aquisição, inovação e transferência de tecnologia, nos procedimentos de metrologia, certificação de qualidade, normalização e processos de produção. (MONTALLI; CAMPELLO, 1996) O documento de patente vem cada vez mais sendo utilizado como valiosa fonte de I.T. Contribui muito para isso o fato de as patentes serem documentos uniformizados. Existem diversos códigos, adotados internacionalmente, que facilitam a recuperação de informações de interesse para empresas ou pesquisadores. (BORJA, 2005) Essa fonte de informação é o principal indicativo de desenvolvimento tecnológico, produzido pela ciência traduzida em tecnologia, recurso fundamental para competitividade em função das inovações tecnológicas que pode alavancar. É responsável pelo desenvolvimento dos países, pois gera competitividade das empresas, sendo um agente de riqueza econômica. (SANTOS; DIAS, 1996) A patente é formada por conhecimentos técnicos, sendo um instrumento legal destinado a proteger a invenção aplicável a indústria, durante um prazo de tempo definido, contra cópias e quaisquer outros usos não autorizados pelo seu possuidor de modo a permitir-lhe a exploração rentável dessa nova idéia. (FRANÇA, 2000, p. 153). O amparo jurídico da patente tem como função estimular e promover por meio do uso da informação de patente o desenvolvimento técnico, científico e industrial. (SANTOS; DIAS, 1996). Este estudo tem como escopo as informações geradas no ambiente de inovação tecnológica e a riqueza da informação de patentes, tendo como objetivo geral analisar o conhecimento e uso da patente como fonte de informação por parte dos pesquisadores doutores vinculados a uma Agência de P.I de uma universidade paulista. A pesquisa teve como objetivos específicos de verificar se há utilização do documento de patente; identificar onde são recuperados esses documentos; identificar as dificuldades e preferências de acesso a essa fonte, por fim, analisar se existe o conhecimento e reconhecimento da função da patente como fonte de informação.

16 5 Para isso, foram aplicados questionários aos 51 pesquisadores vinculados a Agência de Propriedade Intelectual, visando identificar a relevância atribuída à fonte de patente, descrevendo as possíveis dificuldades encontradas pelos pesquisadores na obtenção e uso da patente como fonte de informação. Este estudo foi desenvolvido numa agência de Propriedade Intelectual situada numa universidade estadual paulista. Esta agência possui uma estrutura direcionada ao desenvolvimento e proteção de novas tecnologias, com a finalidade de resguardar a propriedade intelectual das tecnologias, marcas, produtos, ou processos eventualmente desenvolvidos na universidade. A agência auxilia os pesquisadores nos procedimentos de registro de propriedade intelectual das invenções, nos processos de licenciamento das inovações, na redação e no depósito de patente, no registro de software, na identificação de produtos ou processos patenteáveis e licenciáveis. A escolha do local se deu pelo fato de as atividades de pesquisa científica e tecnológica no Brasil serem desenvolvidas em sua grande parte no universo acadêmico. No país a quase totalidade da atividade de pesquisa e desenvolvimento (P&D) ocorre em ambiente acadêmico ou instituições governamentais e não na indústria. (CRUZ, 1999) As universidades empreenderam grandes esforços para construção da capacitação própria para o fomento de novas tecnologias. As estruturas organizacionais criadas pelas universidades são capazes de atender as novas demandas tecnológicas, e assim estão consolidando agências de inovação tecnológica, que promovem a área de pesquisa e desenvolvimento tecnológico no universo acadêmico. No âmbito da Biblioteconomia, esta pesquisa pretende disseminar esse tipo de fonte de informação, inclusive os resultados visam promover a atuação do bibliotecário em centros de pesquisa científica e tecnológica, atuando como mediador para acesso a informações tecnológicas de qualidade.

17 6 Diante do quadro apresentado, partiu-se das questões: Os pesquisadores conhecem e utilizam a patente como fonte de informação durante o desenvolvimento de seus produtos e serviços? A informação contida nos documentos de patentes, provoca um questionamento relevante quanto ao uso e motivo aos quais os pesquisadores fazem ou não o uso desta informação tecnológica. Diante desses levantamentos, como conseqüência, foram ainda percebidas as razões que podem estar impedindo algumas empresas de utilizarem a informação contida nas patentes, como ferramenta no desenvolvimento de novos produtos. O desenvolvimento deste trabalho teve como ponto principal, a realização de um estudo exploratório no que tange em atrair, auxiliar e divulgar os resultados aos profissionais da área, pesquisadores, agências e aos órgãos do sistema de propriedade intelectual quanto ao uso e conhecimento de patentes como fonte de informação tecnológica. Desta forma, analisar os fatores positivos e negativos e ter um referencial para evolução da melhoria contínua da disponibilização dessa fonte, promovendo o desenvolvimento científico e tecnológico do país. Assim, estimular e promover maiores discussões sobre o assunto, no seu uso de forma qualitativa, que pode significar maior competitividade para o país, geração de empregos e renda para a sociedade. O capítulo 1 está dividido em subtópicos, no qual abrange os seguintes conceitos básicos: Fontes de Informação; Informação Tecnológica; Sistema Nacional de Propriedade Intelectual e por último a Patente como fonte de informação. No capítulo 2, trata do levantamento da literatura científica pertinente, com trabalhos relacionados a patente como fonte de informação. No capítulo 3 apresenta-se o método utilizado, caracterizando a instituição e os sujeitos da pesquisa, bem como os procedimentos e os instrumentos para coleta de dados. No capítulo 4, encontrase a tabulação dos dados, com tabelas e quadros, mostrando todos os dados da pesquisa. O capítulo 5 trata da discussão dos principais dados apresentados. O capítulo 6 apresenta as conclusões e sugestões sobre o uso e conhecimento da patente como fonte de informação tecnológica.

18 7 1.1 Fontes de informação O interesse pelo conhecimento sempre fez parte da história da humanidade e com o resultado da revolução social, econômica e tecnológica, o desejo de se compreender suas formas de aquisição se reforçaram. O interesse pelas informações disponíveis também se estenderam, pois por meio dela que se pode alcançar mais resultados, isso porque sua busca amplia a bagagem de conhecimentos. Castro (2006) afirma que a produção do conhecimento ocorre no indivíduo, fruto da informação recebida. Assim sendo, para que a informação seja recebida, assimilada e gerada em conhecimento, esta informação deve estar disponível em alguma fonte de informação. Cunha (2001) apud Borja (2005, p. 26) citou que as fontes de informação cientítica e tecnológica possuem várias características em comum: a) Formato: aparecem em diferentes formatos, incluindo periódicos, relatórios técnicos, manuais e patentes. Alguns, como as patentes, são mais comuns nas áreas tecnológicas; b) Universalidade: cientistas e engenheiros, dispersos pelas várias regiões do globo, utilizam em seus trabalhos as mesmas fórmulas, tabelas e medidas. Essa característica faz com que a metodologia e os resultados de determinada pesquisa sejam compreendidos por especialistas de todos os países; c) Acumulação de conhecimentos: diferentemente de outras disciplinas, a ciência e tecnologia são construídas com informações coletadas ao longo do tempo; assim, o cientista ou engenheiro não precisa reinventar uma informação básica que já se encontra disponível nas diversas fontes de informação. (CUNHA, 2001 apud BORJA, 2005, p. 26) Dentre as fontes de informações citadas acima, o Manual de Oslo traz definições e orientações metodológicas para coleta e análise de informações para a área de inovação tecnológica. Dentre as fontes de informações citadas, apontou a patente como fonte de informação propulsora para inovação. Essas fontes de informação desenvolvem capacidades de absorção de conhecimentos, o que pode se tornar uma poderosa ferramenta para o crescimento econômico. Isto porque, as fontes de informação são documentos provenientes das

19 8 atividades de pesquisa, nas quais são definidas em três tipos. Como fonte primária, contém informações originais ou novas interpretações de fatos ou idéias já conhecidas, nos quais têm interferência direta do autor da pesquisa. Neste caso, estão inseridos relatórios técnicos, artigos de periódicos, trabalhos apresentados em congressos, teses e dissertações, patentes e outros. As fontes secundárias visam facilitar o uso e consulta de determinada informação que estão dispersas nas fontes primárias. Neste caso, estão incluídas as enciclopédias, dicionários, manuais, dentre outros. As fontes terciárias também denominadas como obras de referências, são aquelas que remetem e guiam o usuário para as fontes primárias e secundárias, neste incluem bibliografias, catálogos, bases de dados entre outros. A principal finalidade da obra de referência é facilitar a localização da informação que se procura. (SISTEMAS DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP 1 ) Para se alcançar o sucesso na P&D, Cunha (2001) apud Borja (2005, p. 26) afirma que o uso regular e efetivo das fontes apropriadas, impressas e eletrônicas, é a chave para se alcançar este sucesso, como também sucesso em quaisquer atividades ligadas à ciência e tecnologia. Percebe-se que a fonte de informação tecnológica para a área de P&D é fator determinante para o progresso tecnológico. Para que isto aconteça, elas devem ser coletadas e disponibilizadas em fontes acessíveis, além de ser em divulgadas para o uso efetivo da comunidade de pesquisadores, visando melhoria no progresso científico e tecnológico do país. 1.2 Informação Tecnológica Dos diferentes tipos de informações geradas pela sociedade, destaca-se a informação tecnológica, devido ao seu importante papel no desenvolvimento de uma nação. O conhecimento produzido neste ambiente é denominado informação tecnológica, no qual trata da informação necessária, utilizada e da informação 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS; SISTEMAS DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP. Programa de capacitação de usuários em informação científica: módulo 1 fontes de informação. Campinas: UNICAMP, 2005.

20 9 gerada nos procedimentos de aquisição, inovação e transferência de tecnologia, aplicados nos processos de produção. (MONTALLI; CAMPELLO, 1996). Este tipo de informação é utilizada como fonte necessária para produção do conhecimento científico, e é definida como todo tipo de conhecimento sobre tecnologias de processo, de produto e de produção, que favoreça a melhoria contínua da qualidade e a inovação do setor produtivo. (ALVARES, 1998 apud MOURA, 2005, p. 5) Castro (2006) afirma que ela é diferenciada pelo seu importante papel no desenvolvimento de uma nação, sendo responsável, por exemplo, pela inovação e, consequentemente, pela competitividade das empresas, agentes de riqueza econômica de um país. Com a renovação constante de produtos e serviços fez a informação atrelada com área de Ciência e Tecnologia (C&T) tornar-se um recurso primordial nos processos inovativos. Isto fez com que todos os olhares voltassem para esse setor, criando um processo contínuo de inovação, que se estendeu até os dias atuais. Castro (2006) afirma que a informação produzida pela ciência traduzida em tecnologia é recurso fundamental para a competitividade em função da inovação que pode alavancar. Para o autor, o processo de criar o novo, de inovar, depende inequivocamente de quanta informação se dispõe e o processo de produção e captação de informação para geração de novos conhecimentos para aplicação em novos produtos e processos é recurso estratégico para uma nação. A inovação tecnológica assumiu um grande papel frente ao desenvolvimento econômico, político e social das nações. Isto porque a inovação segundo Viotti (2001) apud Pereira (2005, p. 35) [...] é a chave para o crescimento, competitividade, e o desenvolvimento de empresas, indústrias regiões e países. Também tem importância fundamental na determinação do estilo de desenvolvimento das regiões ou nações e na forma como afeta no presente, e afetará no futuro, a qualidade de vida da população em geral e de seus segmentos.

21 10 A atual preocupação dos países em se manterem sustentáveis e independentes, deve-se ao fator econômico e para que este desejo seja efetivado, o desenvolvimento científico e tecnológico é essencial. A tecnologia é o mais relevante instrumento de desenvolvimento da economia atual, ela dá autonomia para os países tornarem-se sustentáveis gerando produtos e serviços para a sociedade. Pilat (2005, p. 13) afirma que o avanço tecnológico proporciona novos métodos de produção, aumento da produtividade, geração de riquezas e melhoria da qualidade de vida da população. No campo da pesquisa e desenvolvimento, a produção renovada do conhecimento é fator primordial para o desenvolvimento tecnológico. A informação tecnológica é o insumo básico na produção do conhecimento, ela que serve como base e é indispensável no desenvolvimento de novas tecnologias. Os autores Sanchez e Paula (2001, p. 42) afirmam que a sobrevivência da informação tecnológica obriga o setor de ciência e tecnologia, à renovação contínua dos processos tecnológicos para manter a competitividade. A relevância da área científica e tecnológica se reforçou após a II Guerra Mundial, quando os países desenvolvidos investiram abundantemente na produção contínua de novos produtos e serviços para nação de forma a manter o desenvolvimento sustentável. (PEREIRA, 2005) No Brasil e no mundo existem políticas na área tecnológica e científica, que são denominadas Ciência e Tecnologia (C&T) e Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). A área de C&T no país é considerada bem mais ampla do que a categoria de P&D, mas a excede. Atribui-se à categoria P&D as atividades criativas relativas à C&T: o investimento para criar conhecimento e tecnologia pertence à categoria P&D e também à categoria C&T, enquanto que o investimento para comprar tecnologia pronta pertence à categoria C&T. (CRUZ, 1999). Pode-se inferir que a informação tecnológica serve, acima de tudo, para fomentar a indústria e servir como ferramenta maior no progresso de inovação tecnológica para o avanço da ciência e da indústria. (BORJA, 2005)

22 Sistema Nacional de Propriedade Intelectual Neste contexto de conhecimento, informação e tecnologia, a propriedade industrial se constituiu como instrumento de proteção à tecnologia que é desenvolvida, evitando que seja apropriada indevidamente. O Sistema Internacional de Propriedade Intelectual é um conjunto de leis e tratados que tem como objetivo de proteger todos os ativos intangíveis da indústria, representada por valores voláteis, tais como a tecnologia utilizada, a marca como proteção de um produto, dentre outros. (FRANÇA, 2000) O sistema de Propriedade Intelectual teve seus princípios básicos estabelecidos na Convenção da União de Paris para Proteção da Propriedade Industrial. No Brasil, a Lei 9.279/1996, que trata da propriedade industrial, estabelece também o que pode e não pode ser patenteável, pois a patente deve representar uma invenção e deve ter aplicação industrial. Os objetivos do sistema patentário visam em primeiro lugar, de recompensar o inventor de uma novidade técnica que tenha necessariamente uma aplicação industrial. Isto é feito através da concessão do estado para a exploração da invenção por um prazo determinado. O segundo refere-se a plena e universal divulgação das inovações tecnológicas geradas pelas invenções, de forma a possibilitar seu uso no benefício geral da humanidade, desenvolvendo as artes e a indústria. (FRANÇA, 2000) O órgão responsável pela concessão de patentes e registro de marcas no Brasil é o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), que é autarquia ligada ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, com sede no Rio de Janeiro, criado pela Lei 5.648/1970. O Instituto foi criado no dia 11 de dezembro de 1970, pela Lei n.º em uma época marcada pelo esforço de industrialização do país, o INPI pautava sua atuação por uma postura cartorial que se limitava à concessão de marcas e patentes e pelo controle da importação de novas tecnologias. (FRANÇA, 2000)

23 12 Hoje, com a modernização do país, o INPI concentra esforços para utilizar o sistema de propriedade industrial não somente em sua função de proteção intelectual. Todo o trabalho de reestruturação, empreendido, sobretudo a partir de 2004, tem como objetivo utilizar este sistema como instrumento de capacitação e competitividade, condições fundamentais para alavancar o desenvolvimento tecnológico e econômico do país. A reestruturação atendeu à necessidade de modernizar tanto os processos administrativos quanto as áreas fins, em especial as relacionadas às marcas e patentes. Os novos rumos da administração podem ser representados também pela criação, em 2004, da Ouvidoria e da Diretoria de Articulação e Informação Tecnológica. Os dois órgãos passaram a fortalecer os elos do Instituto com a sociedade, facilitando o acesso às informações tecnológicas disponíveis no INPI e disseminando a cultura da propriedade intelectual. (INPI, 2008) No que se refere à cooperação institucional, o INPI procura consolidar seus laços com as principais instituições do Sistema Nacional de Inovação - associações empresariais, federações, universidades, agências de desenvolvimento. Com a Confederação Nacional da Indústria, o INPI busca a efetiva participação das empresas brasileiras nos programas de capacitação relacionados à propriedade intelectual. Voltada à micro e pequenas empresas, a parceria com o Sebrae tem se mostrado o melhor caminho para o incentivo às produções locais. (INPI, 2008) O setor responsável pelos documentos de patentes no INPI é o Centro de Documentação e Informação Tecnológica (CEDIN) que é encarregado de proporcionar os serviços e programas para facilitar o acesso a informação especializada, sendo sua estrutura composta pela Divisão de Documentação (DIDOC) e pela Divisão de Informação Tecnológica (DINTEC). (INPI, 2008) O CEDIN administra um acervo extraordinário de informações sobre o desenvolvimento de tecnologias para as quais se requer a patente. No acervo, o banco de patentes possui mais de 25 milhões de referências de documentos de patentes, originados dos principais países industrializados, alem da documentação brasileira. Seus serviços permitem acesso a diversas fontes de informação no exterior, ampliando capacidade de pesquisa, com economia de recursos. O centro

24 13 presta informações para empresas, pesquisadores e áreas de governo sobre o desenvolvimento de tecnologias para as quais se requer a patente. (FRANÇA, 2000) O instituto tem se posicionado de forma atuante no país e criou programas eficientes e de alto padrão para o uso da informação tecnológica, um dos programas é o Programa de Fornecimento Automático de Informação Tecnológica (PROFINT). Este programa trata da informação seletiva da informação tecnológica, contida nos documentos de patente nacionais e estrangeiros. Uma das normas criadas referiu-se a padronização do documento de patente, sendo como exigência para sua concessão as seguintes partes: folha de rosto onde contém dados bibliográficos essenciais, tais como nome do inventor, título da invenção; relatório descritivo descrição pormenorizada do invento, o problema a ser resolvido e como resolvê-lo, contendo esquemas, diagramas, desenhos; reivindicações delimitam aquilo que vai ser protegido; resumo da patente descrição sucinta do invento. Além disso, tomando providências quanto ao acesso e uso da fonte de informação de patentes foram criados bancos de dados informatizados de patentes, de forma que a informação contida dentro do documento de patente seja recuperada, analisada e disseminada para os pesquisadores. Desta forma, o INPI promove o progresso de técnica por dois motivos: porque constitui-se como um incentivo e proteção ao investimento realizado, e segundo por motivar concorrentes a buscarem alternativas tecnológicas na disputa pelo mercado. Criando assim novos investimentos na área de P&D. 1.4 Patente como fonte de informação A importância dada a informação, as fontes e recursos de informação disponíveis atualmente não nos faz pensar que antigamente o homem produzia algum tipo de conhecimento (material, escultural, pinturas, etc) sem acesso aos estoques de informação. As atividades inventivas, como forma de lazer, ou para melhoria da qualidade de vida eram expressões do conhecimento. Isto porque na Idade Média os homens começaram a preocupar-se em registrar suas obras, principalmente os artesãos que formaram suas corporações de ofício, que

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo VIII Seminário do Setor de Saúde da Britcham, tema: "Ambiente de Inovação em Saúde no Brasil PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO Maria Aparecida de Souza Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

Leia mais

Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável. Prof. Dr. Nivaldo dos Santos. Faculdade Alfredo Nasser. nivaldodossantos@bol.com.

Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável. Prof. Dr. Nivaldo dos Santos. Faculdade Alfredo Nasser. nivaldodossantos@bol.com. Patentes verdes: mecanismo de desenvolvimento sustentável Prof. Dr. Nivaldo dos Santos Faculdade Alfredo Nasser nivaldodossantos@bol.com.br A importância de um sistema de patentes forte para incentivar

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica Manual dos Serviços de Informação Tecnológica Passo-a-passo para os clientes CEDIN INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ÍNDICE 1 - Apresentação 02 2 - Por quê

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS CARTILHA DE PI DO CADUCEUS SUAS IDEIAS PODEM SER VALIOSAS! Vivemos hoje no mundo da informação e do conhecimento, onde o crescimento e a sustentação de qualquer indústria são sobretudo determinados por

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-ND A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Encontro de Negócios em Inovação e Tecnologia itec 2015 São Paulo, SP 28

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação 1 1. Apresentação A ideia de investigar o processo de internacionalização de micro, pequenas e médias empresas, em Pernambuco, surgiu de observações iniciais realizadas pelo pesquisador enquanto profissional

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO

SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO CARGA: 02 H/A POR SEMANA TOTAL.: 40 H/A NO SEMESTRE Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Endereço disciplina: http://stinovacao.blogspot.com.br/ 1 TECNOLOGIA & INOVAÇÃO Aula 08...

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INFORME O CÓDIGO PAER IMPRESSO NA ETIQUETA _ _ _ _ _ _ _ ANO BASE-1998 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Programa de Expansão da Educação

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais