DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA PATENTES. Florianópolis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA PATENTES. Florianópolis"

Transcrição

1 CURSO BÁSICO B DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA PATENTES Florianópolis polis,, 14 de maio de

2 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Introdução Atividade de Pesquisa e Desenvolvimento; 2. Evolução Legislativa; 3. Sistema de Patentes; 4. Naturezas de Proteção - Vigência; 5. Requisitos e Condições para Concessão de Patentes; 6. Matérias Excluídas de Proteção; 7. Estrutura do Documento de Patente; 8. Etapas de Processamento do Pedido de Patente; 9. Publicação dos atos, despachos e decisões; 10. Custos Básicos; B 11. Extinção do Privilégio; 12. Outras formas de proteção Segredo Industrial. 2

3 1. INTRODUÇÃO Classificação (didática) 1.PROPRIEDADE INDUSTRIAL 1.1 Marcas; 1.2 Patentes de Invenção e Modelo de Utilidade; 1.3 Desenho Industrial; 1.4 Repressão à Concorrência Desleal. 2. DIREITO AUTORAL 2.1 Proteção à obras artísticas, cientificas e literárias; rias; 2.2 Direito Conexo; 2.3 Programa de Computador. 3. TOPOGRAFIA DE CIRCUITOS INTEGRADOS 4. CULTIVARES 5. OUTRAS FORMAS PROTEÇÃO (exemplos) 5.1 Segredo de Indústria; 5.2 Segredo de Comércio; 5.3 Know How; 5.4 Domínio nio; 5.5 Nome Empresarial; 5.6 Título de Estabelecimento; 5.7 Nome da Fantasia;* 3

4 1. Introdução Conceito de Propriedade Industrial: é o conjunto de direitos que compreende as patentes de invenção, os modelos de utilidade, os desenhos ou modelos industriais, as marcas de fábrica ou de comércio, as marcas de serviço, o nome comercial e as indicações de proveniência ou denominações de origem, bem como a repressão da concorrência desleal (Convenção União de Paris) 4

5 1. Descoberta X Invenção Descoberta: Revelação ou identificação de algo (ou fenômeno) existente na natureza, alcançada ada através s da capacidade de observação do homem. Exemplos: identificação de uma propriedade (física, química) de determinado material, formulação da lei da gravidade (por Isaac Newton). Invenção: Criação de algo anteriormente inexistente, como resultado da capacidade inventiva do homem. As invenções decorrem de forma mediata ou imediata das descobertas. Exemplos: dinamite (Alfred Nobel), telescópio (Isaac( Newton). 5

6 1. Brasil no cenário mundial Patentes por Escritório rio de Patente 20 Maiores tml 6

7 1. Estatística stica de Depósitos - INPI esquerdo/instituto/imagens_docs_cgpo/estatisticas_arquivos/patentes/ped_patentes_depositados.pdf tes/ped_patentes_depositados.pdf 7

8 2. Evolução Legislativa Percurso Histórico da Propriedade Intelectual no Brasil Alvará de 1o de abril de 1808 que previa a proteção de novas máquinas m e invenção nas artes, concedidas pela Real Junta do Comércio, pelo prazo de 14 anos; Constituição de 1824, antecipou a Convenção de Paris; Lei de 28 de agosto de 1830, regula alguns direitos dos inventores, es, gratuitamente, pelo prazo de 5 a 20 anos; 1875 a Baina Meuron e Cia, com a Marca Rapé de Areia Preta, contra Moreira e Cia; Lei nº n 2.682, de 23/10/1875, reconhecia a marca de comércio e embutiria; Lei nº n 3.129, de 1882 de autoria do Conselheiro Buarque de Macedo Decreto 336, de 14/10/1887, regulado pelo Dec , influenciada pelo novo padrão internacional dos tratados; Decreto 5.424, 1905, revoga alteração no Código C Penal de 1882, retomando a pena para o cometimento de contrafação; Decreto nº n , em 1923, federaliza o registro da proteção industrial; Decreto de 27/08/45 regula os crimes em matéria de propriedade Industrial; Lei 5.772, de 21/12/1971, cria o Código C de Propriedade Industrial; PCT Patent Cooperation Treaty firmado em 19 de junho de 1970, alterado em 1979, 1984 e 2001; recepcionado na legislação brasileira em 09 de abril de TRIPS Trade Related aspects of Intellectual Property rights Lei 9.279, de 2/02/1996, cria a nova e atual Lei de Propriedade Industrial. Atos Normativos do INPI, exemplo: : AN 127/97, patentes,, e AN 128/97, PCT; Topografia de Circuitos Integrados Lei nº n /07.

9 3. O Sistema de Patentes Aspectos regulados pela Lei 9.279/96: Art. 2º 2 A proteção dos direitos relativos à propriedade industrial, considerado o seu interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País, efetua-se mediante: I - concessão de patentes de invenção e de modelo de utilidade; II - concessão de registro de desenho industrial; III - concessão de registro de marca; IV - repressão às s falsas indicações geográficas; e V - repressão à concorrência desleal. * 9

10 3. Sistema de Patentes INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI) é o órgão responsável pelo registro no Brasil, que se caracteriza por ser uma autarquia federal, sediada no Rio de Janeiro, e em como finalidade: a execução das normas da propriedade industrial, entre as quais o processamento e o exame das pedidos de patente ou de registro de desenho industrial e marcas, atualmente tendo a competência de ser o órgão depositante dos programas de computador. SITE: 10

11 Por que patentear? 3. Sistema de Patentes Divulgação da informação/pesquisa: 71% da tecnologia tem divulgação exclusiva por patentes; Fonte: : INPI em setembro de Abrange todos os campos tecnológicos com estrutura uniforme; Contém m a informação mais recente em relação ao estado da técnica. Reconhecimento profissional: A Lei (9.279/96, art. 6º, 6 4º) ) assegura o direito moral à indicação dos inventores. 11

12 Por que patentear? Benefícios econômicos a) Case Capotril: 3. Sistema de Patentes Medicamento indicado para controlar pressão arterial; Patente do Laboratório rio Squibb faturamento anual de U$ 5 bilhões; Enzima originalmente (dec.. 60) isolada do veneno da jararaca no Instituto Butantã, pelo pesquisador Sérgio Ferreira e equipe.* b) Case QUALCOMM (1985): Criadora do CDMA, com 400 patentes (900); Mais de 100 empresas licenciadas; US$ 10,00 a cada celular vendido; Faturamento em 2001: 2,7 BI US$; 1/3 provenientes de patentes; ½ dos lucros.* Informação disponível em 12

13 Quem pode patentear? a) O Inventor: Lei 9.279/96, art. 6º. 6. Ao autor de invenção ou modelo de utilidade será assegurado o direito de obter a patente que lhe garanta a propriedade, nas condições estabelecidas nesta Lei. b) Terceiros: 3. Sistema de Patentes Lei 9.279/96, art. 6º 6 2º A patente poderá ser requerida em nome próprio, prio, pelos herdeiros ou sucessores do autor, pelo cessionário ou por aquele a quem a lei ou o contrato de trabalho ou de prestação de serviços determinar que pertença a a titularidade. Lei 9.279/96, art. 88. A invenção e o modelo de utilidade pertencem exclusivamente ao empregador quando decorrerem de contrato de trabalho cuja execução ocorra no Brasil e que tenha por objeto a pesquisa ou a atividade inventiva, ou resulte esta da natureza dos serviços para os quais foi o empregado contratado. 2º Salvo prova em contrário, rio, consideram-se se desenvolvidos na vigência do contrato a invenção ou o modelo de utilidade, cuja patente seja requerida pelo empregado até 1 (um) ano após s a extinção do vínculo v empregatício cio. 13

14 4. Natureza da Proteção PATENTE Conceito: Considera-se se patente, o certificado concedido pelo Estado que dád ao seu titular o direito de exclusividade temporal da exploração de uma inovação e proibição que terceiros a utilizem, condicionado ao fornecimento das informações exatas da tecnologia criada. Divide-se em: Patente de Invenção (PI); Modelo de utilidade (MU); Certificado de Adição (C). 14

15 Características sticas: 4. Natureza da Proteção Caráter atributivo de direito concedido pelo Estado; Restrito ao território rio do Estado concessor (Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes - PCT (Patent( Cooperation Treaty); Limitado a um período determinado de acordo com a legislação pátria; Exclusividade de exploração no referido território rio de concessão; Divulgação das informações com o fim de permitir o constante avanço o tecnológico; Internacional: Convenção de Paris em 1883, sobre propriedade industrial, foi revista em 1890 em Madri, 1900 em Bruxelas, 1911 em Washington, 1925 em Haia, 1934 em Londres, 1958 em Lisboa, 1967 em Estocolmo e em processo de revisão iniciado em 1980 em Genebra; G Rodada do GATT (General( Agrément on Tafiffs and Trade,, iniciado 1947), na oitava, no Uruguai cria a OMC (1995) e TRIPS (Trade( Related Aspects of Intellectual Property Rights, de 15/04/1994). 15

16 Invenção: Consiste na criação de algo novo suscetível de aplicação industrial. Requisitos (art. 8º): 8 5. Requisitos para concessão novidade (art. 11) quando não compreendidos no estado da técnica; t atividade inventiva (art. 13) é considerado atividade inventiva, sempre que, para um técnico t no assunto, não decorra de maneira evidente ou óbvia do estado da técnica; aplicação industrial (art. 15) é considerado suscetível de aplicação industrial, quando possa ser utilizada ou produzida em qualquer tipo de indústria. Suficiência descritiva (art. 24) descrever clara e suficientemente o objeto, de modo a possibilitar sua realização por técnico t no assunto e indicar, quando for o caso, a melhor forma de execução. Vigência: 20 anos contados do depósito (Art. 40) Assegurada a vigência mínima m por 10 anos da concessão (Parágrafo único do art. 40). 16

17 Invenção: 5. Requisitos para concessão Tipos: Produto Novo objeto. Exemplo: Citrato de sildenafila - pulmonar; medicamento para hipertensão Aparelho Nova máquina m para realizar um determinado trabalho. Exemplo: aparelho de d posicionamento, medição e trenagem de eletrodutos/caixas na parede e teto para instalação elétrica; Processo Nova forma de. Exemplo: método m para produção de um molde para embalagem de resina sintética, tica, sensor de concentração de álcool e aparelho para medição da concentração de álcool; Segundo uso Utilizado na área de patentes de produtos farmacológicos para possibilitar a patente de nova aplicação de um composto jáj conhecido para uma outra finalidade não conhecida e esperada do composto original. Exemplo: citrato de sildenafila em pregado para tratamento de disfunção erétil. 17

18 5. Requisitos para concessão Modelo de Utilidade Conceito legal (art. 9º): 9 é patenteável como modelo de utilidade, o objeto de uso prático ou parte deste, suscetível de aplicação industrial, que apresente nova forma ou disposição, envolvendo ato inventivo, que resulte em melhoria funcional no seu uso ou em e sua fabricação. Ato Inventivo (art. 14) - consiste sempre que, para um técnico t no assunto, a melhoria não decorra de maneira comum ou vulgar do estado da técnica. t Vigência: 15 anos contados do depósito (Art. 40) Assegurada a vigência mínima m por 7 anos da concessão (Parágrafo único do art. 40). 18

19 5. Requisitos para concessão Certificado de Adição de Invenção Conceito legal (art. 76) aperfeiçoamento ou desenvolvimento introduzido no objeto da invenção, mesmo que destituído do de atividade inventiva, desde que a matéria se inclua no mesmo conceito inventivo. Somente pode ser requerido pelo titular da invenção. Se julgado não se enquadrar no mesmo conceito inventivo é possível, no prazo do recurso, transformá-lo em pedido de Patente de Invenção. Vigência: acessória ao da invenção a que está vinculado. DESENHO INDUSTRIAL (Design) Conceito legal (art. 95) considera-se se desenho industrial a forma plástica de linhas ou cores que possa ser aplicado a um produto proporcionando resultado visual novo e original na sua configuração externa e que possa servir de tipo de fabricação industrial. 19

20 5. Requisitos para concessão Exercício cio Estado da TécnicaT Novo Objeto? Modelo de Utilidade 20

21 5. Requisitos para concessão Exercício cio Estado da TécnicaT Novo Objeto? Desenho Industrial 21

22 5. Requisitos para concessão Exercício cio Estado da TécnicaT Novo Objeto? Invenção 22

23 5. Requisitos para concessão Exercício cio Estado da TécnicaT Novo Objeto? Desenho Industrial 23

24 5. Requisitos para concessão Exercício cio Estado da TécnicaT Novo Objeto? Invenção 24

25 Patente de Invenção Aparelho capaz de transmitir e receber sons através s de um cabo elétrico. Alexander Graham Bell * US (1876)( * Em 11 de junho de 2002 o Congresso dos Estados Unidos aprovou a resolução No. 269 na qual se reconheceu que o inventor do telefone foi, na realidade, Antonio Santi Giuseppe Meucci e não Alexander Graham Bell. CALLIARI/

26 Modelo de Utilidade O aparelho foi aperfeiçoado, melhorando seu funcionamento, de uma forma esperada. Sua utilização ficou mais prática. CALLIARI/

27 Desenho Industrial As modificações introduzidas têm o objetivo de tornar o objeto mais agradável ao consumidor, distinguindo- se dos da concorrência. Não háh aperfeiçoamentos técnico ou no uso, apenas um novo design. CALLIARI/

28 Patente de Invenção Ainda é um telefone, mas... foi feito um aperfeiçoamento não linear: a introdução do disco/pulso, que é algo não esperado a partir dos modelos de magneto. CALLIARI/

29 Agora estamos em outro patamar: o mesmo telefone com disco, porém com uma forma mais distintiva; novos designs Desenho Industrial CALLIARI/

30 Patente de Invenção Outro degrau : A passagem para tom/freqüência é um novo rompimento com o desenvolvimento do telefone. CALLIARI/

31 6. Matérias Excluídas da Proteção Art. 10. Não se considera invenção nem modelo de utilidade: I - descobertas, teorias científicas e métodos m matemáticos; ticos; II - concepções puramente abstratas; III - esquemas, planos, princípios pios ou métodos m comerciais, contábeis, financeiros, educativos, publicitários, de sorteio e de fiscalização; IV - as obras literárias, rias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; tica; V - programas de computador em si; VI - apresentação de informações; VII - regras de jogo; VIII - técnicas e métodos m operatórios rios ou cirúrgicos, rgicos, bem como métodos m terapêuticos ou de diagnóstico, para aplicação no corpo humano ou animal; e IX - o todo ou parte de seres vivos naturais e materiais biológicos encontrados na natureza, ou ainda que dela isolados, inclusive o genoma ou germoplasma de qualquer ser vivo natural e os processos biológicos naturais. 31

32 6. Matérias Excluídas da Proteção Art. 18. Não são patenteáveis: I - o que for contrário rio à moral, aos bons costumes e à segurança, a, à ordem e à saúde públicas; p II - as substâncias, matérias, misturas, elementos ou produtos de qualquer espécie, bem como a modificação de suas propriedades físico-químicas e os respectivos processos de obtenção ou modificação, quando resultantes de transformação do núcleo n atômico; e III - o todo ou parte dos seres vivos, exceto os microorganismos transgênicos que atendam aos três requisitos de patenteabilidade - novidade, atividade inventiva e aplicação industrial - previstos no art. 8º 8 e que não sejam mera descoberta. Parágrafo único. Para os fins desta Lei, microorganismos transgênicos são organismos, exceto o todo ou parte de plantas ou o de animais, que expressem, mediante intervenção humana direta em sua composição genética, uma característica normalmente não alcançá çável pela espécie em condições naturais. 32

33 7. Estrutura do Documento de Patente 1. Pedido de Patente: 1. Formulário rio de Patente INPI 2. Título 3. Campo de Aplicação 4. Estado da Técnica T e Descrição dos Problemas TécnicosT 5. Melhorias TécnicasT 6. Descrição da Invenção 7. Figuras 8. Reivindicações 9. Resumo 10.Outros documentos 33

34 1. 1. Formulário rio de Patente INPI Protocolo Provisório rio Número do Pedido 34

35 1. 1. Formulário rio de Patente INPI 35

36 1. 1. Formulário rio de Patente INPI 36

37 1. 1. Formulário rio de Patente INPI 37

38 38

39 1. 2. TítuloT 39

40 1. 3. Campo de Aplicação 40

41 1. 4. Estado da Técnica T e Descrição dos Problemas TécnicosT 41

42 42

43 1. 5. Descrição das Melhorias TécnicasT 43

44 1. 6. Descrição do Invento 44

45 1. 7. Figuras 45

46 1. 7. Figuras 46

47 1. 8. Reivindicações Define a matéria para qual a proteção é solicitada, estabelecendo e delimitando os direitos do inventor/criador, recomenda-se seja estruturada: Título; Preâmbulo caracterizado por Características do invento que se busca proteger. Tipos de reivindicações para Patente de Invenção: independente: criação em seu conceito integral; dependente: detalhes específicos ou particularidades relativos a matéria definida em uma reivindicação independente. Tipos de reivindicações para Modelo de Utilidade: Independente: uma única, descrevendo o modelo integralmente com todas suas características de forma ou disposição introduzida, essenciais à obtenção da melhoria funcional; Dependente: apenas se for elemento complementar de uso opcional, variedades construtivas ou forma tridimensional de uma estrutura inicial planificada. 47

48 1. 8. Reivindicações 48

49 1. 9. Resumo 49

50 Outros Documentos: a) Contrato Social / Estatuto Social da Depositante; b) Atas / Portarias de designação dos Representantes Legais; c) Cartão do CNPJ; d) Termo de Cessão dos Inventores; e) Procuração; f) Outros. 50

51 8. Principais Etapas do Processamento Processo administrativo de concessão de patente: 1º - Depósito do pedido, preenchendo os pré-requisitos requisitos do art. 19; 2º - Após s 18 meses publicação ( Revista de Propriedade Industrial); 3º - Recolhimento da 3ª 3 Anuidade entre o 24º e 27º mês da data do depósito do pedido (art. 84): início do terceiro ano da data do depósito sito ( 2º) dentro dos primeiros 3 (três) meses ; 4º - Modificações para melhor esclarecer ou definir o pedido de patente até a data de requerimento do exame (5º) ) vedada a alteração da matéria inicialmente revelada (art. 32); 5º - Pedido de Exame - no prazo de 36 meses do depósito (art. 33), deve ser requerido o exame da patente pelo depositante ou por terceiro recolhendo-se a retribuição correspondente; 6º - Recolhimento da 4ª 4 Anuidade e sucessivas entre o 36º e 39º mês da data do depósito do pedido conforme art. 84, caput e 2º; 7º - Concessão da patente, após s deferido o pedido e comprovado o pagamento da taxa competente. 51

52 8. Fluxograma do Processamento Período de Graça (12 meses) 52

53 9. Publicação dos Atos, Despachos e Decisões As publicações são realizadas na Revista de Propriedade Industrial (RPI) disponibilizada pelo INPI em meio eletrônico no site (http://www.inpi.gov.br/menu-superior/revistas): - Exigências para correção; - Publicação do pedido, após 18 meses de sigilo; - Solicitações de subsídios para exame; - Oposições; - Julgamento do Pedido; - Julgamento dos recursos eventualmente interpostos; - Comunicação da interposição de processo de nulidade; - Comunicação da interposição de processo de caducidade; - Julgamento dos processos administrativos e seus recursos; - Despachos de arquivamento do pedido. Não são publicados na RPI: - Avisos para recolhimento das anuidade; - Aviso para pedido de exame da patente. 53

54 10. Custos BásicosB 54

55 11. Extinção Extinção da Patente (art. 78): Expiração do prazo de vigência da Patente de Invenção ou do Modelo de Utilidade; Renúncia, ncia, requerimento formulado pelo titular; Falta de pagamento das anuidades; Falta de representação no Brasil, na forma do art. 217; Caducidade (art. 80), se decorridos 2 anos da primeira licença compulsória*, este prazo não tenha sido suficiente para sanar o desuso ou abuso, salvo justificativa. Licença a Compulsória (arts( arts.. 68 a 74): Em caso de abuso dos direitos da patente (ausência de exploração ou exploração insuficiente), abuso de poder econômico ou dependência de outra patente. 55

56 12. Segredo Industrial Art Comete crime de concorrência desleal quem: I - publica, por qualquer meio, falsa afirmação, em detrimento de concorrente, com o fim de obter vantagem; II - presta ou divulga, acerca de concorrente, falsa informação, com o fim de obter vantagem; III - emprega meio fraudulento, para desviar, em proveito próprio prio ou alheio, clientela de outrem; IV - usa expressão ou sinal de propaganda alheios, ou os imita, de modo a criar confusão entre os produtos ou estabelecimentos; V - usa, indevidamente, nome comercial, título t tulo de estabelecimento ou insígnia alheios ou vende, expõe ou oferece à venda ou tem em estoque produto com essas referências; VI - substitui, pelo seu próprio prio nome ou razão social, em produto de outrem, o nome ou razão social deste, sem o seu consentimento; VII - atribui-se, como meio de propaganda, recompensa ou distinção que não obteve; 56

57 12 Segredo Industrial VIII - vende ou expõe ou oferece à venda, em recipiente ou invólucro de outrem, produto adulterado ou falsificado, ou dele se utiliza para negociar com produto da mesma espécie, embora não adulterado ou falsificado, se o fato não constitui crime mais grave; IX - dá ou promete dinheiro ou outra utilidade a empregado de concorrente, para que o empregado, faltando ao dever do emprego, lhe proporcione one vantagem; X - recebe dinheiro ou outra utilidade, ou aceita promessa de paga ou recompensa, para, faltando ao dever de empregado, proporcionar vantagem a concorrente do empregador; XI - divulga, explora ou utiliza-se, sem autorização, de conhecimentos, informações ou dados confidenciais, utilizáveis na indústria, comércio ou prestação de serviços, excluídos aqueles que sejam de conhecimento público ou que sejam evidentes para um técnico t no assunto, a que teve acesso mediante relação contratual ou empregatícia, mesmo após s o término do contrato;* 57

58 12. Segredo Industrial XII - divulga, explora ou utiliza-se, sem autorização, de conhecimentos ou informações a que se refere o inciso anterior, obtidos por meios ilícitos ou a que teve acesso mediante fraude; ou XIII - vende, expõe ou oferece à venda produto, declarando ser objeto de patente depositada, ou concedida, ou de desenho industrial registrado, que não o seja, ou menciona-o, o, em anúncio ncio ou papel comercial, como depositado ou patenteado, ou registrado, sem o ser; XIV - divulga, explora ou utiliza-se, sem autorização, de resultados de testes ou outros dados não divulgados, cuja elaboração envolva esforço considerável e que tenham sido apresentados a entidades governamentais como condição para aprovar a comercialização de produtos. Recomenda-se, ainda, dar ciência inequívoca aos empregados e funcionários do caráter sigiloso das informações, através s das seguintes providências: firmar Acordo de Confidencialidade com todos os colaboradores; identificar toda documentação como CONFIDENCIAL ; ter procedimentos de controle de acesso à informação confidencial. 58

59 MUITO OBRIGADO!!! Vitor Hugo Cenci SALLES VALENTE, GUIMARÃES & SANTIAGO, ADVOGADOS ASSOCIADOS (48)

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES Dr Rockfeller Maciel Peçanha Conselheiro e Diretor do CREA-RJ Esta apresentação é de responsabilidade do autor não refletindo necessariamente

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial.

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. TÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA AS PATENTES- Excludentes

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

COMO ESCREVER UMA PATENTE

COMO ESCREVER UMA PATENTE Universidade Federal do Piauí Centro de Ciências da Saúde Laboratório de Pesquisa em Neuroquímica Experimental COMO ESCREVER UMA PATENTE Palestrante: Profª Maria Leonildes B. G. C. B. Marques Universidade

Leia mais

Patentes e a CTIT. Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual. Abril de 2012

Patentes e a CTIT. Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual. Abril de 2012 Patentes e a CTIT Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual Abril de 2012 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS Propriedade Intelectual Propriedade Industrial O que é Patente? O que é patenteável? Como

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

Patentes na Indústria Farmacêutica

Patentes na Indústria Farmacêutica Patentes na Indústria Farmacêutica 1. PATENTES 2. O MERCADO FARMACÊUTICO 3. COMPETIVIDADE DO SETOR 4. A IMPORTÂNCIA DAS PATENTES NO MERCADO FARMACÊUTICO PATENTES PATENTES Definiçã ção o ( LEI 9.279 DE

Leia mais

Propriedade Industrial

Propriedade Industrial Propriedade Industrial Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996 Constituição Federal, Artigo 5º, XXIX Instituto Nacional da Propriedade Industrial Instituto Nacional da Propriedade Industrial - Autarquia Federal,

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

Propriedade Intelectual / Propriedade Industrial / Patentes

Propriedade Intelectual / Propriedade Industrial / Patentes Propriedade Intelectual / Propriedade Industrial / Patentes Lei da Propriedade Industrial L.P.I. Nº 9.279 de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativas à propriedade industrial. Finalidade

Leia mais

Inovação tecnológica e empreendedorismo:

Inovação tecnológica e empreendedorismo: Inovação tecnológica e empreendedorismo: Ciência, desenvolvimento tecnológico, proteção industrial e geração de novos negócios Prof. Dr. Cleber Gustavo Dias 22/09/2015 Programação da oficina 1. Relações

Leia mais

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 Regula Direitos e Obrigações Relativos à Propriedade Industrial. TÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA AS PATENTES Art. 183.

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado.

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 04 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: Patente de Invenção e de Modelo de Utilidade. Referência eletrônica de material para concurso:

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

Aplicação em concurso

Aplicação em concurso Marcelle Franco Espíndola Barros (TRF-3 2011 CESPE objetiva) André, Bruno e César realizaram uma mesma invenção, respectivamente, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2011. As invenções foram depositadas

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Propriedade intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações do intelecto humano. Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade

Leia mais

Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012. NIT Mantiqueira

Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012. NIT Mantiqueira Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012 NIT Mantiqueira PREFÁCIO Ao longo dos últimos dois anos o atendimento àqueles que tomaram a iniciativa de solicitar pedidos de patente de invenção ou de registro de software

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ETAPAS DO PROCESSAMENTO

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ETAPAS DO PROCESSAMENTO I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES: ETAPAS DO PROCESSAMENTO 111 Processamento Administrativo do Pedido de Patente Apresentação do Pedido Apresentação do Pedido Art. 19 Relatório

Leia mais

Inovação da Ideia ao Mercado

Inovação da Ideia ao Mercado Inovação da Ideia ao Mercado Como proteger minha Inovação 26.05.2015 AHK-SP Henrique Steuer I. de Mello henrique@dannemann.com.br dannemann.com.br 2013 2013 Dannemann Dannemann Siemsen. Siemsen. Todos

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL A vigente Lei de Propriedade Industrial (LPI Lei n. 9.279/96) aplica-se à proteção das invenções, dos modelos de utilidade, dos desenhos industriais e das marcas. Para que a invenção

Leia mais

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas.

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. PATENTES E SUAS ETAPAS Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. A busca de anterioridade não é obrigatória, mas é altamente

Leia mais

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a Pós-Graduação Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Propriedade Intelectual - Conceito A Propriedade

Leia mais

Uso Estratégico de Patentes em Negócios com foco em informações tecnológicas. Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica

Uso Estratégico de Patentes em Negócios com foco em informações tecnológicas. Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica Uso Estratégico de Patentes em Negócios com foco em informações tecnológicas Henry Suzuki Axonal Consultoria Tecnológica www.clevercaps.com.br Ministrante Henry Suzuki Sócio Diretor da Axonal Consultoria

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

Brauliro Gonçalves Leal

Brauliro Gonçalves Leal Brauliro Gonçalves Leal Colegiado de Engenharia da Computação Coordenador do NIT www.univasf.edu.br/~brauliro.leal Alana Maria Souza Siqueira Bacharel em Administração Bolsista do NIT nit@univasf.edu.br

Leia mais

Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio

Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisas SCUP Arranjo de Núcleos

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL Importância e Modos de Proteção Vasco Dias, Consultor e Advogado Contexto Empreendedorismo de Base Tecnológica Análise e gestão do risco Actividades de Vigilância Tecnológica Business

Leia mais

Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Art. 1o. - Esta lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial.

Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Art. 1o. - Esta lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Lei de patentes INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial LEI No. 9.279 DE 14 DE MAIO DE 1996 Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1o.

Leia mais

Registro de Marcas e Patentes

Registro de Marcas e Patentes Registro de Marcas e Patentes Propriedade Intelectual Propriedade Industrial (marcas, patentes e desenhos industriais) + Direito de Autor Sistema de Propriedade Intelectual - Direito autoral e patentes:

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO

III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ APOIO 1 III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO - 1º SEMESTRE

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA I. Prof.: Esp. Ariel Silva.

DIREITO DE EMPRESA I. Prof.: Esp. Ariel Silva. DIREITO DE EMPRESA I Prof.: Esp. Ariel Silva. 2 l NOÇÕES GERAIS Criações do gênio humano; Preocupação da era industrial: l Produção em grande escala; l Proveito econômico da criação. França (1330): exclusividade

Leia mais

Diretrizes de Exame de Patentes

Diretrizes de Exame de Patentes Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Patentes Diretrizes de Exame de Patentes v01.00 Dezembro de 2002 ÍNDICE DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE

Leia mais

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações

Leia mais

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281 4ª EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA Software Cubivares Nome Empresarial ~ Manole STF00091281 SUMÁRIO Apresentação....................IX CAPiTULO I - NOÇÕES GERAIS 1. O homem e o instrumento........ 1 2. O sentimento

Leia mais

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção das criações intelectuais, enfocando o arcabouço legal brasileiro e as atribuições do INPI. CARGA

Leia mais

Ariane Oliveira da Silva 30/07 a 02/08 de 2013.

Ariane Oliveira da Silva 30/07 a 02/08 de 2013. Propriedade Intelectual: conceitos e ferramentas Ariane Oliveira da Silva 30/07 a 02/08 de 2013. Sumário Ø Conceitos Básicos em Propriedade Intelectual Ø A Lei de Inovação e as Universidades Ø Propriedade

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL DEFINIÇÃO A Convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual - OMPI (WIPO em inglês) - define como Propriedade Intelectual, a soma dos direitos relativos às obras literárias,

Leia mais

27/07/2011 Adm. Mauricio Serino Lia

27/07/2011 Adm. Mauricio Serino Lia Marcas e Patentes na Inovação Propriedade Intelectual como instrumento de apoio à Inovação 27/07/2011 Adm. Mauricio Serino Lia Ambientação Objetivos da apresentação: Visão geral sobre a propriedade intelectual

Leia mais

A CONCORRÊNCIA DESLEAL E O CRIME DE FALSA ALEGAÇÃO DE DIREITO DE EXCLUSIVA A LIVRE CONCORRÊNCIA COMO REGRA NO DIREITO BRASILEIRO

A CONCORRÊNCIA DESLEAL E O CRIME DE FALSA ALEGAÇÃO DE DIREITO DE EXCLUSIVA A LIVRE CONCORRÊNCIA COMO REGRA NO DIREITO BRASILEIRO A CONCORRÊNCIA DESLEAL E O CRIME DE FALSA ALEGAÇÃO DE DIREITO DE EXCLUSIVA Patrícia Carvalho da Rocha Porto 1 A LIVRE CONCORRÊNCIA COMO REGRA NO DIREITO BRASILEIRO No Brasil a livre iniciativa é prevista

Leia mais

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14

PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 06 / 03 / 2014 RESOLUÇÃO Nº 126 / 14 Assunto: Dispõe sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

DIRETORIA MARCAS E PATENTES LTDA

DIRETORIA MARCAS E PATENTES LTDA Informamos que o processo de registro junto ao INPI da vossa Empresa, encontra-se em aberto até o devido momento, ou melhor em domínio publico. Queremos ressaltar que de nossa parte, tomamos todas as providências

Leia mais

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES MILTON LEÃO BARCELLOS & CIA. LTDA. PROPRIEDADE INTELECTUAL DESDE 1957 Milton Lucídio Leão Barcellos Advogado

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONCEITOS BÁSICOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Rede de núcleos de inovação tecnológica do Estado do Ceará REDENIT-CE CONCEITOS BÁSICOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Lorena Bezerra de Souza Matos Graduada em Direito (UFPE), e Especialista em Gestão de

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (NIT) CAPÍTULO 1 Das Disposições Preliminares Art. 1 - As normas e diretrizes para a gestão da política de inovação, bem como de proteção à propriedade industrial

Leia mais

Direito Comercial. Propriedade Industrial

Direito Comercial. Propriedade Industrial Direito Comercial Propriedade Industrial Os Direitos Industriais são concedidos pelo Estado, através de uma autarquia federal, o Instituo Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O direito à exploração

Leia mais

Introdução à Propriedade Intelectual

Introdução à Propriedade Intelectual Introdução à Propriedade Intelectual UFF Leila Longa Gisele de Mendonça Coordenação de Gestão Tecnológica e Inovação Vice-Presidência de Desenvolvimento Tecnológico FIOCRUZ Maio/2007 PROPRIEDADE INTELECTUAL

Leia mais

CARTILHA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

CARTILHA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CARTILHA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Avenida Treze de Maio, 2081 Benfica CEP: 60040-531 Tel: (85) 3307-3744 E-mail: nit@ifce.edu.br 2 Sumário APRESENTAÇÃO

Leia mais

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

XXIX CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL

XXIX CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL XXIX CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO - 1º SEMESTRE DE 2014 RIO DE JANEIRO Objetivo Apresentar conceitos e o procedimento administrativo inerente à Propriedade Industrial.

Leia mais

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Estabelece a Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do

Leia mais

ANEXO. TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais)

ANEXO. TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) ANEXO TABELA DE RETRIBUIÇÕES DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO INPI (valores em Reais) Código 200 201 Descrição do serviço Pedido nacional de invenção; Pedido nacional de modelo de utilidade; Pedido nacional

Leia mais

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo.

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. 1. Registo Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. O registo das modalidades da Propriedade Industrial, compete a todos operadores das actividades económicas que nisso

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção

Leia mais

Sumário. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996

Sumário. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996 Sumário Proposta da coleção Leis especiais para concursos... 13 Apresentação da 2ª edição... 15 Apresentação... 17 Abreviaturas utilizadas nas referências e nos comentários... 19 Lei nº 9.279, de 14 de

Leia mais

PATENTES - CURSO BÁSICO

PATENTES - CURSO BÁSICO PATENTES - CURSO BÁSICO Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos 2 DIMOL - Divisão de Biologia

Leia mais

INTENSIVO III/ INTENSIVÃO FEDERAL/ FEDERAL PLENO Disciplina: Direito Comercial Tema: Aula 04 Prof.: João Galhardo Data: 05/01/2008 MATERIAL DE APOIO

INTENSIVO III/ INTENSIVÃO FEDERAL/ FEDERAL PLENO Disciplina: Direito Comercial Tema: Aula 04 Prof.: João Galhardo Data: 05/01/2008 MATERIAL DE APOIO MATERIAL DE APOIO INDICE 1. Bibliografia 2. Material do Professor 3. Questões 1. Bibliografia Newton Silveira Propriedade Intelectual Saraiva Fábio Ulhoa Coelho Curso de Direito Comercial - Saraiva Maurício

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Aulas de 08 a 18/03/13

Aulas de 08 a 18/03/13 Aulas de 08 a 18/03/13 6. Nome Empresarial 6.1. Alteração do nome empresarial O nome empresarial pode ser alterado a qualquer momento, respeitados os requisitos citados acima. Assim, o nome empresarial

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO -

- GUIA DO EMPRESÁRIO - - GUIA DO EMPRESÁRIO - REGISTRO DE MARCAS LEGISLAÇÃO Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/19 Neste documento você encontrará a legislação referente ao registro

Leia mais

NIT. núcleo de inovação tecnológica. Orientações sobre. Propriedade Intelectual

NIT. núcleo de inovação tecnológica. Orientações sobre. Propriedade Intelectual NIT núcleo de inovação tecnológica Orientações sobre Propriedade Intelectual 2012 Propriedade Intelectual Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Subsecretaria de Coordenação das Unidades de

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

PATENTES. Módulo Básico

PATENTES. Módulo Básico PROPRIEDADE DA PATENTES Módulo Básico Eng. Sérgio Bernardo - DSc. Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II - DIRPA Curso de Capacitação em Propriedade Intelectual Módulo Básico Diretoria

Leia mais

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções,

Leia mais

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE O que são Contratos de Transferência de Tecnologia? CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

Importância da Inovação

Importância da Inovação Importância da Inovação A importância do conhecimento e da inovação na concretização de novas possibilidades de desenvolvimento social e econômico acelerou-se a partir dos anos 50 do século passado. Tem

Leia mais

(a) Retribuição por meio eletrônico (*) Retribuição

(a) Retribuição por meio eletrônico (*) Retribuição TABELA DE RETRIBUIÇÕES PELOS SERVIÇOS DO INPI (valores em Reais) Anexo da Resolução INPI/PR Nº 280, de 30 de dezembro de 2011 Código SERVIÇOS DA DIRETORIA DE PATENTES DIRPA INVENÇÃO, CERTIFICADO DE ADIÇÃO

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

GOVERNO FEDERAL APOIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

GOVERNO FEDERAL APOIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO MDIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GOVERNO FEDERAL Trabalhando em todo o Brasil INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO Apresentação a atecnologia é o mais importante

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinador de Patentes Divisão de Física e Eletricidade - DIRPA

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Examinador de Patentes Divisão de Física e Eletricidade - DIRPA I N PI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PATENTES CURSO BÁSICO Catia Valdman Examinador de Patentes Divisão de Física e Eletricidade - DIRPA Curso Básico de Capacitação para Gestores de Propriedade

Leia mais

Diretrizes de Exame de Patentes

Diretrizes de Exame de Patentes Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Patentes Diretrizes de Exame de Patentes v01.00 Dezembro de 2002 DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS DE PATENTE ÍNDICE DIRETRIZES DE EXAME DE PEDIDOS

Leia mais

HISTÓRIA. Alvará, de 28 de abril de 1.809 - Isenta de direitos as matérias primas do uso das fábricas e concede outros favores aos fabricantes e

HISTÓRIA. Alvará, de 28 de abril de 1.809 - Isenta de direitos as matérias primas do uso das fábricas e concede outros favores aos fabricantes e Page 1 of 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO HISTÓRIA HISTÓRICO DAS LEIS DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL NO BRASIL PROPRIEDADE INTELECTUAL QUE É PATENTE? QUEM PODE REQUERER UMA PATENTE REQUISITOS BÁSICOS PARA PROTEÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário.

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 05 a 09 de abril de 2010 Centro de Treinamento do INPI- Praça Mauá, 07/ 10 o andar, RJ Informações: cursos@inpi.gov.br

Leia mais

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE Existem mentes privilegiadas, capazes de inventar produtos ou processos que em muito têm contribuído para o progresso da humanidade. Falamos, por exemplo de um medicamento,

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Propriedade Industrial Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira 1 PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade intelectual é gênero, do qual são espécies: o O

Leia mais

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade A A protecção das invenções ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade 1 A protecção das invenções Sumário rio: 1. Modalidades de protecção 2. O que

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE O presente trabalho constitui-se numa síntese da Legislação em vigor, destinandose ao auxílio dos usuários no preparo de um pedido de patente.

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA 1. DEFINIÇÃO DE MARCA Marca é um sinal que individualiza os produtos ou serviços de uma determinada empresa e os distingue dos produtos ou serviços de seus concorrentes.

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL Profa. Dra. Suzana Leitão Russo DESENHO OU MODELO INDUSTRIAL Concepção funcional-estética de um produto, possível de reprodução em série, industrialmente. Vigência:10

Leia mais

XXIII CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL

XXIII CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL XXIII CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO - 1º SEMESTRE DE 2015 SÃO PAULO Objetivo Apresentar conceitos e o procedimento administrativo inerente à Propriedade Industrial.

Leia mais

O Reitor em exercício da Universidade de Santa Cruz do Sul, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista a decisão do Conselho Universitário,

O Reitor em exercício da Universidade de Santa Cruz do Sul, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista a decisão do Conselho Universitário, REITORIA RESOLUÇÃO Nº. 20, de 26 de maio de 2011. Dá nova redação à Resolução nº. 81, de 14 de dezembro de 2006, que estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência

Leia mais

A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP

A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA A PESQUISA E A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA USP MARIA APARECIDA DE SOUZA LORENA, 27 DE MARÇO DE 2014. Agência USP de Inovação - Pró-Reitoria de Pesquisa.

Leia mais