AS PATENTES COMO OBJETO DE PESQUISA NOS CURSOS DE ENGENHARIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS PATENTES COMO OBJETO DE PESQUISA NOS CURSOS DE ENGENHARIA"

Transcrição

1 AS PATENTES COMO OBJETO DE PESQUISA NOS CURSOS DE ENGENHARIA Andrea Maristela Bauer Tamanine (UNIVILLE ) Robinson Neczypor (UNIVILLE ) Tendo como foco a identificação de conhecimento relacionado ao Sistema de Patentes e sobre os documentos de patentes e sua utilização como objeto de pesquisa e recurso didático, a proposta apresentada contemplou como público-alvo acadêmicoss e professores dos cursos de engenharia da Univille, campus São Bento do Sul (SC). Para tanto, utilizou-se de pesquisa bibliográfica e de campo, baseada na aplicação de questionários. A análise dos dados teve mérito quantitativo e qualitativo de dados. Entre os resultados obtidos dos entrevistados dos cursos de Engenharia, destacou-se entre os acadêmicos o fato de que mais da metade afirmou saber o que é uma patente (57%), porém 66% nunca realizaram pesquisa tecnológica em bancos de patentes, portanto apontando uma lacuna entre conhecer o documento e utilizálo como objeto de conhecimento tecnológico. Entre os professores, apesar dos entrevistados afirmarem conhecer documentos de patentes (de invenção ou modelo de utilidade), nenhum disse ter utilizado esse tipo de documento em sala de aula no curso de Engenharia como material de estudo e pesquisa nas disciplinas. Diante da análise dos dados, concluiu-se como urgente e necessária a realização de trabalho de instrumentalização dos professores dos cursos de Engenharia - não só da Univille - para que possam conhecer o Sistema de Inovação em funcionamento no Brasil e a necessidade de valorização da pesquisa tecnológica na formação dos futuros engenheiros, assim como destacar a oportunidade de conhecimento oferecida pelo documentos de patentes no espaço da sala de aula. Palavras-chaves: Patentes, engenharias, pesquisa tecnológica, ensinoaprendizagem

2 1. Introdução O grande impacto que as questões relativas à Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) tem apresentado nos índices do desenvolvimento dos países, somado às medidas de estímulo do governo brasileiro à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D&I) tanto às empresas quanto às universidades, têm destacado fortemente os profissionais das engenharias como recurso fundamental para alavancar o crescimento nacional. Segundo matéria recente da Folha de São Paulo, "pela primeira vez na história do ensino superior brasileiro, o número de calouros em engenharia superou o de direito. A área agora só fica atrás de administração. Os dados foram levantados pelo Ministério da Educação, a partir dos seus censos" (TAKAHASHI, 2013, WEB). Considera-se o dado muito positivo e, certamente, implicador de mudanças. A universidade precisa assumir responsabilidade cada vez maior para garantir acesso, permanência e qualidade para a formação profissional de seus estudantes de engenharia. É notória a influência da universidade como um importante agente de interação e mudança na comunidade na qual se insere e vive-versa, ou seja, como as modificações no ambiente econômico e social também alteram e demandam direcionamentos no ambiente da universidade. De acordo com Etzkowitz (1993, p. 16), A atual participação da universidade no desenvolvimento econômico, incorporandoo como função acadêmica, junto com o ensino e a pesquisa, constitui a Segunda Revolução Acadêmica, cuja palavra-chave é capitalização do conhecimento. A Primeira Revolução, ocorrida no final do século XIX, tornou a pesquisa uma função universitária, ao lado da tarefa tradicional do ensino. Portanto, a concentração de esforços em P&D&I também precisa estender-se às bases do ensino acadêmico para que aspectos cruciais ao perfil dos engenheiros para atuarem um cenário tecnológico dinâmico e competitivo sejam desenvolvidos. Defende-se aqui, então, que a pesquisa tecnológica deve fazer parte significativa das atividades dos acadêmicos de engenharia já nos primeiros anos de graduação, a fim de que estejam efetivamente preparados para esta avassaladora força de transformação mundial: a inovação. 2

3 No relatório Knowledge and innovation for competitiveness in Brazil, Rodriguez, Dahlman e Salmi (2008, p. 92) conceituam inovação de maneira abrangente, englobando produtos, processos e novas atividades empresariais ou modelos organizacionais, assim como "também como a primeira vez em que se usa ou se adapta a tecnologia a novos contextos. Em sentido amplo, pode-se dizer que inovar é colocar algo conceitualmente novo no mercado. Esse "algo novo" precisa modificar o comportamento da sociedade em relação ao produto ou processo antes utilizado, ou seja, mesmo que em graus variados, deve haver uma forma de vantagem relativa no processo de adoção de uma inovação. Essa vantagem relativa seria a definição o grau com que uma inovação é percebida como melhor que o produto que substitui (TIDD, BESSANT, PAVITT, 2008, p. 291). Segundo a Lei de Inovação brasileira - n o , de 2 de dezembro de define-se como Inovação: introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços, reafirmando-lhe os requisitos de novidade, aplicabilidade e efetiva introdução no mercado. Nesse contexto, as patentes aparecem como um importante documento de proteção de tecnologias para que se legitime o direito sobre o conhecimento desenvolvido e possam ser compensados esforços e investimentos por certo período de exclusividade. Abrantes (2011, p.10) explica que a patente: É um título de propriedade temporário outorgado pelo Estado, por força de Lei, ao depositante de um pedido (ou pessoas cujos direitos derivem do mesmo), para que este exclua terceiros, sem sua prévia autorização, de atos relativos à matéria protegida, tais como fabricação, comercialização, importação, uso, venda, etc. Jungman (2010, p.27) define patente como um título de propriedade temporário concedido pelo estado, ou seja, é importante salientar que esta proteção é temporária, válida por 20 anos nas patentes de invenção e por 15 anos no caso de modelos de utilidade. Este tempo é contado a partir da data de pedido de depósito. A patente de invenção é caracterizada por produtos ou processos totalmente novos e que não sejam melhorias de produtos já existentes. No caso do modelo de utilidade, é o melhoramento de um produto já existente visando facilitar sua utilização ou seu processo produtivo. Mas, nesta discussão, mais importante do que proteção oferecida pela patente - situação que divide opiniões quando se trata de inovação - é a condição específica da patente em conter 3

4 informação sobre o invento protegido e poder trazer nela pontos de partida para desenvolvimento de novas tecnologias que venham a melhorar ou romper o status quo estabelecido. O sentido do termo patente, do latim patens, já traz a ideia do que se quer destacar, pois remete a algo aberto, evidente, posto à mostra, descoberto. Dessa forma, este tipo de documento se torna material imprescindível para o estudo e pesquisa tecnológica do engenheiro, seja para compreendê-lo e utilizá-lo em atividades de P&D, seja para redigi-lo ou depositá-lo. A definição de P&D, de acordo com o Manual Frascati, é que [...] incluem o trabalho criativo levado a cabo de forma sistemática para aumentar o campo dos conhecimentos, incluindo o conhecimento do homem, da cultura e da sociedade, e a utilização desses conhecimentos para criar novas aplicações. Ainda segundo o Manual, P&D podem ser divididos em três tipos de atividades: 1) investigação básica - que pode ser definida como o estudo de fenômenos e fatos que podem ser observados com o intuito de obter novos conhecimentos sem que se tenha uma aplicação em vista; 2) investigação aplicada - esta se diferencia da investigação básica pelo fato de ser um estudo realizado tendo em vista uma aplicação específica; 3) desenvolvimento experimental - que consiste no desenvolvimento de trabalhos a partir de conhecimentos já existentes, obtidos a partir de experiências práticas, e com o objetivo de melhorá-los. Na segunda e na terceira atividades destacadas, a importância da pesquisa tecnológica e do acesso e utilização acadêmica do sistema patentário mundial toma vulto, pois em um documento de patente se pode encontrar a descrição do invento de forma a possibilitar, minimamente, a reprodução de seus aspectos técnicos essenciais. Dessa forma, a inovação se configura nos avanços tecnológicos que surgem de esforços conjuntos de P&D e de necessidades específicas que são identificados na linha do tempo. Nesse sentido, a prospecção tecnológica é entendida como uma forma organizada e sistemática de "mapear desenvolvimentos científicos e tecnológicos futuros capazes de influenciar de forma significativa uma indústria, a economia ou a sociedade como um todo" (KUPFER E TIGRE, 2004, WEB). Uma das fontes de informação para o exercício da prospecção tecnológica são os bancos de patentes. Os bancos de patentes são as bases virtuais em que as patentes, após concedidas, se tornam documentos disponíveis para consulta. Dados obtidos destes bancos são utilizados para medir, 4

5 por exemplo, o potencial tecnológico de um país, pois tem impacto muito expressivo sobre o desenvolvimento da economia. Para este tipo de afirmação, é feita uma relação entre o quanto o país é desenvolvido e medidas de atividades relacionadas a patentes, gastos com pesquisa e desenvolvimento, participação de engenheiros e cientistas em projetos de P&D e a composição público-privada da P&D (RODRIGUEZ, DAHLMAN E SALMI, 2008, p. 68). Diferentemente de países como Estados Unidos, China, Japão e Alemanha, que lideram o ranking mundial de desenvolvimento, infelizmente as patentes ainda não são amplo objeto de divulgação, estudo e pesquisa tecnológica nas universidades brasileiras, sendo este papel ainda dominado pelos livros e artigos científicos. Considerando-se que cerca de 80% de todas as informações tecnológicas novas estão disponíveis nos bancos de patentes, a patente precisa ser tratada no meio acadêmico como fonte de divulgação e consulta permanente e incluída como objeto de conhecimento, em especial, nos cursos de engenharia. Diante das informações e percepções apresentadas, o projeto As patentes como objeto de pesquisa nos Cursos de Engenharia da Univille compõe uma parte dos trabalhos e estudos realizados com a orientação dos docentes que atuam no Núcleo de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade da Região de Joinville - Univille - no sentido de inserir o contexto da inovação e da pesquisa e prospecção tecnológica nos seus cursos de graduação e pós-graduação. O estudo realizado em 2012 teve como objetivo identificar e analisar o conhecimento dos acadêmicos e dos professores dos cursos de Engenharia da Univille sobre pesquisa e prospecção tecnológica em bancos de patentes e o uso de documento de patente como objeto de conhecimento na Universidade. A partir dos conhecimentos iniciais obtidos, o trabalho apresentou como principal conclusão a necessidade urgente de ações para: 1) otimizar o conhecimento sobre patentes como objeto de pesquisa nos cursos de Engenharia da Univille; 2) dar a conhecer os bancos de patentes como fonte de recursos de ensino-aprendizagem junto aos professores dos cursos de Engenharia. 2. A importância das patentes como objeto de pesquisa nas Engenharias Para melhor ser contextualizada a proteção do conhecimento pela via patentária, é importante conhecer o sistema de Propriedade Industrial. A Propriedade Industrial é uma das partes da 5

6 Propriedade Intelectual, que se divide em Direito Autoral, Propriedade Industrial e Proteção sui generis. A Propriedade Industrial, segundo Federman (2006), tem por objetivo proteger por meio de patentes, desenhos industriais e marcas. O Direito da Propriedade Industrial assegura ao seu proprietário a exclusividade na fabricação, na comercialização, na importação, no uso, na venda e na cessão do seu produto ou serviço definido como Propriedade Industrial. De todos os documentos de proteção inseridos na Propriedade Industrial, a patente ganha destaque. Mesmo que, muitas vezes, informações de alta precisão sobre o funcionamento da tecnologia fiquem ocultas por redações estrategicamente elaboradas, em uma patente são encontrados conhecimentos tecnológicos importantes que caracterizam um produto ou um processo e indicam, na descrição do estado da técnica, até que ponto aquele invento avançou diante do que já era conhecido. Essa informação, portanto, permite que se avance o conhecimento e não se gastem esforços para desenvolver tecnologias já existentes. Excetuando-se os pesquisadores de ponta, apesar da obviedade aparente da importância da pesquisa tecnológica, percebe-se que não é comum o uso dos bancos de patentes nas universidades brasileiras para nortear estudos tecnológicos ou aprovar projetos, especialmente quando se fala em conhecimento a ser trabalhado por estudantes da graduação, envolvido nas atividades de sala de aula. Federman (2006) explica que a patente é a primeira fonte de informação tecnológica nova que se torna pública (publicada). Além disso, traz informações detalhadas sobre a descrição e o funcionamento do invento ou incremento que foi patenteado. Conforme a Organização Mundial da Propriedade Intelectual - OMPI, aproximadamente 70% das invenções ou modelos existentes nos bancos de patente não serão publicados em nenhum outro meio de comunicação. Vale salientar também que, por meio dos bancos de patentes, normalmente se tem conhecimento da nova invenção pelo menos 5 anos antes do que outros pesquisadores que não consultem esse tipo de fonte de informação. Existem muitas vantagens em se usar um banco de patentes como fonte de informação, seja na universidade ou na indústria (FEDERMAN, 2006). Outra característica favorável da patente se constitui por ser um documento padronizado, no qual todos os números contidos na primeira página ou folha rosto seguem uma norma 6

7 internacional, pois isso auxilia nas buscas. Assim, mesmo a patente estando em um idioma que o pesquisador não domina, é possível encontrar informações pertinentes que permitam o refinamento da sua pesquisa. Estes dados permitem, por exemplo, identificar o país ou repartição que publicou o documento de patente, datas de depósito e sigilo, inventor e/ou depositante e até mesmo a empresa relacionada à tecnologia. No Brasil, o órgão responsável pelo registro de patentes é o Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI. O INPI é uma autarquia federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, responsável por registros de marcas, concessão de patentes, averbação de contratos de transferência de tecnologia e de franquia empresarial, e por registros de programas de computador, desenho industrial e indicações geográficas, de acordo com a Lei da Propriedade Industrial (Lei nº 9.279/96) e a Lei de Software (Lei nº 9.609/98). Quando se tem a posse de uma patente, é possível, [...] remunerar a pesquisa científica e o desenvolvimento tecnológico, ao mesmo tempo em que gera estímulos nos agentes para que se movam na direção do crescimento econômico e possibilitem, assim, a elevação dos padrões de vida, trazendo a prosperidade para toda uma Nação. Sem as patentes, o compasso de desenvolvimento tecnológico diminuiria de ritmo. (FERREIRA, GUIMARÃES E CONTADOR, 2009, p.210). Outra informação importante da pesquisa tecnológica é saber que a patente só tem validade territorial, ou seja, só é válida no país em que foi realizado o pedido de proteção, como definido pela Convenção da União de Paris - CUP - As patentes requeridas nos diferentes países da União por nacionais de países da União serão independentes das patentes obtidas para a mesma invenção nos outros países membros ou não da União (FEDERMAN, 2006, p. 12). Entendido que existe a possibilidade de se estender essa proteção para outros países, para isso o depositante tem um prazo de um ano para fazer o pedido, é possível saber quando a tecnologia pode ser produzida nacionalmente sem exigência do pagamento de royalties. Assim, se pode compreender que conhecer o sistema de patentes é de suma importância para aqueles que desenvolvem ou investem em tecnologia e, em especial, interessa aos engenheiros não só os que atuam no mercado, mas aqueles que ainda estão em formação. Mesmo diante da importância das patentes para o mercado manter-se competitivo e da validade de seu conteúdo para a pesquisa tecnológica, muitas universidades brasileiras ainda não atentaram para o seu valor como objeto de pesquisa e recurso de ensino-aprendizagem na sala de aula. 7

8 3. Metodologia A pesquisa foi realizada no ano de 2012 e caracterizou-se como pesquisa bibliográfica e de campo, tendo sido submetida e aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade sob ofício n o 373/2012. A pesquisa de campo teve como local de investigação a Universidade da Região de Joinville - Univille, no campus localizado no município de São Bento do Sul, SC. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário com perguntas abertas e fechadas, dividido entre dois tipos de sujeitos de pesquisa: a) acadêmicos do departamento de Engenharia de 4 (quatro) turmas divididas entre Engenharia de Produção Mecânica (EPM) e Engenharia Mecânica (EM). b) professores do departamento de Engenharia de Produção Mecânica (EPM) e Engenharia Mecânica (EM). O questionário visou à obtenção de dados sobre o uso das patentes como recurso de pesquisa de pesquisa nos cursos de engenharia, identificando o grau de conhecimento dos acadêmicos sobre os temas inovação, patente e prospecção tecnológica. Entre os professores, os questionamentos abordaram seu conhecimento sobre os temas inovação, patente e prospecção tecnológica e, especialmente, sobre o uso ou não de patentes como objeto de pesquisa e recurso de ensino-aprendizagem. 4. Principais resultados obtidos O total de alunos entrevistados foi de 104, número correspondente ao total de respondentes de quatro turmas - já que a turma de 5 o ano de Engenharia de Produção Mecânica optou por não participar da pesquisa. Não se trataram aqui dos resultados obtidos em todas as perguntas do questionário, selecionaram-se apenas os mais relevantes em função da discussão em tela. Saber definir o que é inovação não foi percentual altamente positivo entre as turmas, mas há grupos que se mostraram inteirados, com destaque para o 1 o e o 3 o ano de EM - o mesmo ocorreu com a definição de patente. Porém, são preocupantes os resultados apresentados pelo 2 o ano de EM e 4 o de EPM, pois o índice de desconhecimento destes dois termos básicos foi significativo se comparado aos demais grupos. Os resultados discrepantes entre as turmas 8

9 podem indicar, principalmente, que não há um planejamento progressivo do trabalho com os temas em foco para que se distribuam de maneira lógica e equilibrada entre a matriz curricular e entre as disciplinas, estando condicionados ao conhecimento e interesse particular do professor que trabalha com a turma - ou até mesmo do interesse trazido pelos próprios acadêmicos. Tais resultados podem ser observados por turma na Tabela 1: Tabela 1 - Principais resultados do questionário aplicado aos acadêmicos de Engenharia Turma Turma Turma Turma 1 o Ano EM 2 o Ano EM 3 o Ano EM 4 o Ano alunos EPM 39 alunos 30 alunos 18 alunos 17 alunos Perguntas/Respostas SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO N/% N/% N/% N/% N/% N/% N/% N/% Sabe definir inovação tecnológica? Sabe o que é uma patente? Sabe o que é prospecção tecnológica? Já usou banco de patentes para pesquisar na universidade? 21/53,8% 18/46,2% 7/23,3% 23/76,6% 14/82,4% 4/17,6% 6/35,3% 11/64,7% 29/74,5% 10/25,6% 10/33,3% 20/66,6% 15/83,3% 3/16,6% 5/29,4% 12/70,6% 1/2,5% 38/97,5% 0/0% 30/100% 3/17,4% 15/82,6% 1/1,9% 16/98,1% 18/46,1% 21/53,8% 4/13,3% 26/86,6% 4/22,2% 14/77,7% 9/52,9% 8/47,05% Fonte: Primária (2013) Diante dos cenários atuais em que a inovação á a palavra de ordem, a falta de domínio do conhecimento manifestada pelos acadêmicos precisa ser tratada com planejamento e preparação dos professores para um trabalho intra e interdisciplinar. Outrossim, pelas definições dadas pelos acadêmicos nas perguntas abertas, inovação é definida de forma correta como "algo novo no mercado"; "algo novo que traga benefícios para a sociedade", o que mostra que mesmo havendo insegurança em definir o termo, há conhecimento sobre as suas principais características. 9

10 Sobre patentes, declarações dos acadêmicos como "criar algo novo no mercado e proteger esta criação"; "um sistema que protege e da todos os direitos a pessoa que cria ou desenvolve algo novo"; "o certificado que garante a autoria de alguma invenção ou inovação" mostraram que as características de segurança e proteção ligadas às patentes são de conhecimento comum, mas que precisa ser refinado o entendimento de suas outras funções e benefícios. Infelizmente, o resultado geral não se mostrou favorável ao conhecimento testado sobre o uso das patentes como objeto de pesquisa na sala de aula, como é possível ver pelo total geral das turmas apresentado na Tabela 2. Tabela 2 - Somatória geral dos principais resultados do questionário aplicado aos acadêmicos de Engenharia TOTAL GERAL Perguntas/Respostas 104 alunos RESPONDENTES SIM NÃO 104 ALUNOS N/% N/% Sabe definir inovação tecnológica? 48/46% 6/54% Sabe o que é uma patente? 59/57% 45/43% Sabe o que é prospecção tecnológica? 5/5% 99/95% Já usou banco de patentes para pesquisar na universidade? 35/34% 69/66% Fonte: Primária (2013) O conceito de prospecção tecnológica como previsão de cenários - e portanto, base para se chegar a algo inovador ao antecipar tendências e necessidades - não está claro para praticamente a totalidade dos entrevistados, fator que o torna o "tema de ordem" nos trabalhos do colegiado dos cursos. Mesmo que não soubessem conceituar prospecção, esperava-se que os acadêmicos tivessem mais proximidade com a pesquisa tecnológica pela utilização de bancos de patentes, mas praticamente 70% nunca utilizou dessa fonte nos trabalhos na universidade, outro resultado que pode ser revertido com trabalhos direcionados e práticas interdisciplinares a serem planejadas. 10

11 Já no que se refere ao levantamento de dados junto aos professores, o universo abordado foi de 11 profissionais, 98% do quadro docente do Departamento. Entre os resultados das entrevistas com professores, verificou-se que 100% soube definir tecnologia e inovação, mas apenas 63,6% conhecem documentos de patentes e nenhum dos entrevistados afirmou usar dados tecnológicos deste tipo de documento para planejar suas aulas. Apenas 1 professor afirmou ter usado patentes em trabalhos na sala de aula e 2 disseram ter usado patentes para pesquisas próprias. O dados apontam para a necessidade de um trabalho específico de sensibilização e formação a fim de que as patentes sejam utilizadas como recursos de ensinoaprendizagem entre os docentes. Diante das definições dadas pelos professores sobre patente, tecnologia e prospecção tecnológica, vê-se que há maior representatividade dos conceitos corretos e alinhados com a literatura atual sobre os assuntos em foco o que pode ser resultado das pesquisas destes profissionais e do seu trabalho paralelo nas indústrias da região. Porém, esse conhecimento dominado não é levado de forma eficiente aos alunos, haja vista os resultados apresentados na Tabela 1. Ficou claro que conhecer e valorizar a pesquisa e prospecção tecnológica, assim como adotar as patentes como recurso de ensino-aprendizagem na formação dos futuros engenheiros precisam ser temas de discussão e estratégias de trabalho no departamento de Engenharia da Univille. No entanto, dado que a introdução de temas como propriedade industrial e patentes na maioria da universidades é relativamente recente, suspeita-se que haja situações similares em muitas instituições congêneres em outros lugares do Brasil, estas inclusive sem dados que permitam avaliar como seus engenheiros estão sendo preparados para a prática atual das indústrias no que tange à inovação. Com esta preocupação, em 2013 a pesquisa aqui tratada será ampliada para outras universidades da região, aumentando-se o número de cursos de engenharia envolvidos e a condição de generalização dos resultados. Espera-se, assim, aprofundar mais o tema em novas oportunidades e oferecer subsídios para que professores e acadêmicos dos cursos de Engenharia pelo Brasil utilizem-se dos documentos de patentes nas atividades de sala de aula, para a pesquisa tecnológica, assim como já o são os livros e artigos para a pesquisa científica. Deseja-se que, de fato, estes estudantes preocupem-se em avançar o conhecimento e possam inovar, visando o desenvolvimento científico e tecnológico nacional. 11

12 5. Considerações finais Com o desenvolvimento desta pesquisa inicial, constataram-se alguns pontos a serem repensados hoje na Universidade para que os alunos e professores dos cursos de engenharia utilizem da melhor forma os documentos de patentes como objeto de pesquisa. A julgar pelos resultados, a pouca utilização das patentes como recurso didático e de pesquisa por parte dos docentes da Univille é o que mais contribui para a falta de conhecimento sobre os temas apresentada pelos alunos. Estes, portanto, perdem oportunidades de serem instrumentalizados durante o curso para utilizarem desta ferramenta como base para pesquisas acadêmicas e profissionais, caso não fossem mudadas as diretrizes atuais - trabalho em andamento no curso - levando o conhecimento inclusive para as empresas. Conclui-se que é necessário o planejamento de mais ações que estimulem estudos sobre inovação e promovam práticas de pesquisa e prospecção tecnológica, e que as patentes sejam objeto pesquisa e recurso de ensino-aprendizagem nos cursos de Engenharia. Como já dito, considera-se que os temas possam ser trabalhados de forma transversal e multidisciplinar, devendo haver preparação e planejamento integrado dos colegiados dos departamentos, da Univille e de outras universidades brasileiras. Acredita-se que o principal impacto deste trabalho foi apresentar um cenário preocupante, porém reversível, de abordagem da inovação tecnológica na sala de aula e da importância deste tema para o profissional de engenharia em formação. Certamente se reforça, mais uma vez, o importante papel da Universidade no Sistema Nacional de Inovação, pois é hélice essencial da oferta do principal insumo para inovar: o capital humano. 6. Referências ETZKOWITZ, H. Reconstrução criativa: hélice tripla e inovação regional. Rio de Janeiro: Inteligência Empresarial/Crie/Coppe/UFRJ, n. 23, FEDERMAN, Sonia Regina. Patentes: desvendando seus mistérios. Rio de Janeiro: Qualitymark, FERREIRA, A. A.; GUIMARÃES E. R.; E CONTADOR, J. C. Patente como instrumento competitivo e como fonte de informação tecnológica. Gestão da Produção. São Carlos, v. 16, n. 2, p , abr.-jun Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/gp/v16n2/v16n2a05.pdf>. Acesso em 02 out

13 JUNGMANN, Diana de Mello. A caminho da inovação: proteção e negócios com bens de propriedade intelectual, guia para o empresário. Brasília: IEL, KUPFER, David; TIGRE, Paulo. Prospecção Tecnológica. Papeles de la Oficina Técnica n o. 14.Caruso, L.A.; Tigre, P. B. (organizadores). Modelo SENAI de Prospecção: Documento Metodológico. ORGANIZACIÓN INTERNACIONAL DEL TRABAJO/CINTERFOR.Montevideo, ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual Frascati 2002: proposta de práticas exemplares para inquéritos sobre investigação e desenvolvimento experimental. Trad. More Than Just Words, Coimbra: F-Iniciativas, Disponível em: <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0023/23423.pdf>. Acesso: 14 mai RODRIGUEZ, Alberto; DALMAN, Carl; SALMI, Jamil. Conhecimento e inovação para a competitividade. Trad.: Confederação Nacional da Indústria. Brasília: CNI, Banco Mundial, TAKAHASHI, Fábio. Pela primeira vez, engenharia tem mais calouros do que direito. Disponível em: < Acesso em: 14 abr TIDD, Joe; BESSANT, John; PAVITT, Keith.Gestão da Inovação. 3 ed., Porto Alegre: Bookman, 2008.OTT, Margot Bertolucci. Tendências Ideológicas no Ensino de Primeiro Grau. Porto Alegre: UFRGS, p. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO

SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO SOCIEDADE, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO CARGA: 02 H/A POR SEMANA TOTAL.: 40 H/A NO SEMESTRE Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Endereço disciplina: http://stinovacao.blogspot.com.br/ 1 TECNOLOGIA & INOVAÇÃO Aula 08...

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Propriedade Intelectual e Exportação

Propriedade Intelectual e Exportação Propriedade Intelectual e Exportação Rita Pinheiro Machado Coordenadora Geral ACADEMIA/ INPI Rio de Janeiro, 12 de abril de 2016 Sumário O que é e como se divide a Propriedade Intelectual? Desde quando

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção das criações intelectuais, enfocando o arcabouço legal brasileiro e as atribuições do INPI. CARGA

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Proteção da Propriedade Intelectual Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Propriedade Intelectual Expressão genérica que corresponde ao direito

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO 1. Objetivo O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas.

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. PATENTES E SUAS ETAPAS Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. A busca de anterioridade não é obrigatória, mas é altamente

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções,

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Neste capitulo será feita uma breve explanação da metodologia de pesquisa que serviu de fundamentação às definições apresentadas. Serão definidos: o objeto de estudo, as questões

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Propriedade intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações do intelecto humano. Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto:

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Mônica Mota Tassigny Professora doutora da Universidade de Fortaleza, UNIFOR, Brasil 1. INTRODUÇÃO Numa sociedade mundial, na qual

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: 2. OBJETIVO(S):

Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: 2. OBJETIVO(S): Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: Nos últimos anos, o cenário econômico mundial vem mudando significativamente em decorrência dos avanços tecnológicos, da globalização, das mega

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O que é a propriedade intelectual? A convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual define como propriedade intelectual:

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

ANÁLISE DA ATUAÇÃO DO LÍDER NO SETOR DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO CONCHECITA CIARLINI MOSSORÓ/RN

ANÁLISE DA ATUAÇÃO DO LÍDER NO SETOR DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO CONCHECITA CIARLINI MOSSORÓ/RN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA ATUAÇÃO DO LÍDER NO SETOR DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO CONCHECITA CIARLINI MOSSORÓ/RN Paula Gurgel Dantas 1, Andréa Kaliany

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais