rio+20 pág. 64 Propostas para a conferência devem considerar fatores ambientais, sociais e econômicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "rio+20 pág. 64 Propostas para a conferência devem considerar fatores ambientais, sociais e econômicos"

Transcrição

1 Especial Desenvolvimento sustentável Políticas públicas pág. 42 Os caminhos para crescer com responsabilidade InCENTIVOS pág. 46 Eles são importantes para mudar padrões de consumo e de produção energia pág. 48 As fontes são limpas, mas os impactos existem bons modelos pág. 51 O Brasil já tem soluções urbanas inteligentes e ecológicas água doce pág. 56 Temos mais que qualquer país, mas não cuidamos bem dela valor econômico pág. 60 O potencial financeiro das unidades de conservação ultrapassa R$ 5 bilhões rio+20 pág. 64 Propostas para a conferência devem considerar fatores ambientais, sociais e econômicos Símbolo oficial da conferência Rio+20

2 Políticas Públicas Por um caminho verde texto Ana Rita Gondim Um país crescer de forma sustentável não é questão de possibilidade, mas de necessidade. Nesse sentido, políticas públicas enfatizando que é preciso fazer mais com menos começam a ganhar corpo no Brasil. Esse é o pensamento do diretor do Departamento de Gestão Estratégica da Secretaria-Executiva do Ministério do Meio Ambiente, Volney Zanardi, ao mencionar relatório divulgado pela Organização Nacional das Nações Unidas (ONU) em maio. A organização alerta para um consumo triplicado de minerais, minérios, combustíveis fósseis e biomassa até Isso significa que, até o ano citado, a população mundial poderá chegar a um consumo de 140 bilhões de toneladas desses recurso. Uma das políticas públicas brasileiras existentes para conter aumentos como esse é o Plano Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC). Segundo a gerente do projeto, Karen Silverwood- -Cope, ele tem estimulado órgãos federais a incorporar critérios climáticos na elaboração de suas diretrizes. O Brasil tem a política de mudança do clima mais avançada entre todos os países em desenvolvimento, afirma. Uma das razões para a afirmação da gerente está nos valores fixados no Decreto 7.390, de 9 de dezembro de 2010, que regulamenta artigos da Lei , de 29 de dezembro de Esta institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima. Um dos compromissos assumidos pelo País é de que, até 2020, o Brasil reduzirá o total da emissão de gases entre mil toneladas e mil toneladas de carbono equivalente (medida usada para vários gases que tenham efeito de aquecimento, não só o carbono). Lançado em setembro de 2008 e coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, o PNMC compila medidas práticas visando à redução de emissões de gases. O governo assume, pela primeira vez, metas voluntárias de redução de desmatamento em todos os biomas até atingir o desmatamento ilegal zero. Atenção ao lixo Outra iniciativa recente do governo é a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), estabelecida pela Lei , de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto 7.404, de 23 de dezembro de A norma institui princípios, objetivos e instrumentos para a gestão e o gerenciamento dos resíduos sólidos no Brasil com o envolvimento de consumidores, comerciantes, distribuidores e fabricantes. De acordo com o secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do MMA, Nabil Bonduki, um dos benefícios da PNRS é incentivar a adoção de certos critérios ao elaborar licitações. Assim, as empresas serão obrigadas a desenvolver ações de respeito ao meio ambiente, utilizando, por exemplo, tecnologias limpas. Além disso, os processos licitatórios podem estimular a participação de cooperativas de catadores de materiais recicláveis. Sustentabilidade no trabalho A adoção de novas práticas de gestão e de valorização dos profissionais da indústria motivou a criação do modelo Sesi de Sustentabilidade no Trabalho, um dos serviços integrantes do Programa Indústria Saudável. Em sua aplicação, são avaliadas seis áreas: cultura organizacional, gestão de pessoas, educação e desenvolvimento, inovação, ambiente de trabalho seguro e saudável e desenvolvimento socioambiental. A gerente de Projetos do Serviço Social da Indústria do DF, Nardeci Elisa Silva, afirma que os benefícios vão além, uma vez que o modelo contribui de forma decisiva para a competitividade no mercado global. Avaliando práticas e revendo processos, a empresa passa a ser mais competitiva, afirma. No País, 357 indústrias de grande, médio e pequeno portes desenvolvem o sistema

3 Três perguntas // Luis Bueno Diretor regional da Natura, eleita a sexta empresa mais sustentável da América Latina em 2008 Quais mecanismos a Natura desenvolve para contribuir com o desenvolvimento sustentável do País? São diversos. Nosso modelo de produção envolve cerca de 2,3 mil famílias em todo o Brasil e está baseado na criação de cadeias de valor de preço justo, com a remuneração feita pelo uso do patrimônio genético e do conhecimento tradicional às comunidades, manejo adequado dos insumos e incentivo ao desenvolvimento local. Qual está sendo a contribuição do governo nesse sentido? A preocupação com o desenvolvimento sustentável está na pauta de todos os setores, inclusive do governo. Ainda assim, estamos muito tímidos. Um dos principais exemplos é a falta de marco regulatório que permita pesquisas e avanços científicos em produção, consumo e conservação da biodiversidade. Em 2010, nossos principais esforços estiveram voltados para a promoção de um novo marco legal, que garanta condições de uso sustentável do patrimônio genético nacional e das manifestações tradicionais associadas a ele. Como conciliar desenvolvimento urbano e sustentável? É um caminho sem volta, um dependerá do outro. Uma empresa sustentável é aquela que gera valor para todos os públicos e busca transformar os desafios socioambientais em oportunidades de negócios. Com isso, o desenvolvimento urbano e da sociedade será também resultado desse processo. A Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) é mais um programa que visa a inserir a gestão socioambiental sustentável nas atividades administrativas e operacionais do governo. Isso pode ser feito por meio de ações de licitação sustentável/compras verdes e de processos de formação continuada dos servidores. A ideia é sensibilizar os gestores públicos para as questões socioambientais, além de estimulá-los a incorporar questões de gestão ambiental nas atividades administrativas. Para Nabil Bonduki, os gestores também são consumidores e por essa razão são solidariamente responsáveis pelos resíduos sólidos gerados. Por isso, devem acondicioná-los adequadamente e de forma diferenciada (embalagens, latas, papel ou papelão, vidro, restos de comida) para fins de coleta e devolução. Consequências nefastas Desenvolvimento urbano sem controle tende a gerar tragédias como a que ocorreu no início do ano na região serrana do estado do Rio de Janeiro. Se aquelas áreas de preservação permanente tivessem sido mantidas, boa parte das pessoas estaria viva, afirma Samuel Barreto, um dos coordenadores da WWF-Brasil. A conclusão o crescimento sustentável exige diálogo de empresas, indústrias, governo e entidades da área ambiental para evitar conflitos. baseia-se em relatório do MMA que provou que a catástrofe ocorreu devido a desrespeitos à legislação ambiental. O estudo, encomendado pela Secretaria de Biodiversidade e Florestas do ministério, comparou imagens de satélite antes e depois das enchentes e deslizamentos e constatou a ocupação irregular das margens de rios e das encostas. As chuvas castigaram principalmente Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo e deixaram mais de 900 mortos e centenas de desaparecidos. O fato é que traçar um plano de crescimento para o Brasil e proteger o meio ambiente requer diálogo entre empresas, indústrias, governo e entidades da área ambiental para evitar conflitos causados por visões equivocadas ou interesses específicos. Buscar convergências é um exercício, propõe Barreto. São os desafios que o Brasil tem pela frente. Trabalho verde A essência do emprego verde, segundo a Organização Internacional do Trabalho, é a relação direta que ele tem com o mundo do trabalho e o meio ambiente. São atividades que contribuem para a preservação ou restauração da qualidade ambiental e, ao mesmo tempo, cumprem as obrigações trabalhistas (remuneração adequada, condições seguras e respeito aos trabalhadores). Para a OIT, o conceito resume as transformações das economias, das empresas, dos ambientes de trabalho e dos mercados laborais em direção a uma economia sustentável, o que proporciona um trabalho decente com baixas emissões de carbono. Elemento central na consolidação do desenvolvimento sustentável, os empregos verdes correspondem a 2,6 milhões de postos de trabalho no País nas áreas de agricultura, indústria, construção, atividades administrativas, científicas, entre outras. De acordo com estudo de 2009 da Organização Internacional do Trabalho, a modalidade contribui para reduzir emissões de carbono e preservar ou restaurar a qualidade ambiental. A oferta de cargos verdes deve aumentar. Estudo do Banco Mundial prevê que os investimentos para reduzir em 20% as emissões de carbono até 2030 poderão gerar anualmente 1,13% a mais de empregos. Nesse contexto, os maiores geradores de cargos são políticas e programas governamentais, como Minha Casa, Minha Vida e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

4 Incentivos Taxar para preservar texto Camila Vidal foto Thyago Arruda A tentativa de prolongar o ciclo de vida de matérias-primas consideradas imprescindíveis para a vida pode ser feita a partir de isenções, taxas e punições aos excessos. Com base nisso, políticas públicas de incentivos fiscais para quem usufruir melhor os recursos naturais começam a ganhar forma no Brasil. Mesmo que, por ora, apenas no campo das ideias. São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro tentaram recentemente formular leis que vedam ou desestimulam a entrega das sacolas plásticas convencionais pelos estabelecimentos comerciais. As iniciativas sugeriam a venda de produtos ecológicos como os sacos biodegradáveis ou a utilização de sacolas retornáveis (ecobags) ou carrinhos de feira. Tributar o uso de sacolas plásticas é realidade em Mudanças no padrão de consumo vão se refletir no padrão de produção, desde a extração de recursos à gestão dos resíduos. países como a Itália e a Bélgica. Outras nações, como a Austrália e os Estados Unidos, estudam aplicar a mesma medida. A Irlanda é modelo no assunto. Por lá, os consumidores pagam o PlasTax, tributo de 22 centavos de euro por sacola utilizada. Estima-se que a medida tenha resultado em 95% de queda no uso do produto. Essas ações visam a uma alteração no padrão de consumo, que vai se refletir no padrão de produção, explica Armando Caldeira Pires, doutor em Engenharia Mecânica pela Universidade Técnica de Lisboa. Normatização Embora o Brasil não tenha legislação federal de incentivos fiscais voltados exclusivamente para a sustentabilidade ambiental, discussões em torno da preservação dos ecossistemas e destinação do lixo têm reverberado no Congresso Nacional. Em menos de cinco anos, deputados e senadores aprovaram a Lei Nacional de Saneamento Básico e o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, respectivamente, em 2007 e 2010, que preveem ações interligadas do uso adequado de recursos naturais. A nova legislação vem mais integrada e o papel do Parlamento e do Judiciário será cada vez mais importante para dar consistência e credibilidade às questões ambientais, ressalta o diretor de Gestão Estratégica da Secretaria-Executiva do Ministério do Meio Ambiente, Volney Zanardi. De acordo com Armando Caldeira Pires, uma forma de o governo dar incentivos fiscais à indústria, sob a ótica da sustentabilidade, seria a adoção de diretrizes como a Avaliação de Ciclo de Vida. A norma, adotada por quase toda a Europa e a China, serve para avaliar o impacto ambiental de serviços e bens de consumo. A avaliação começa na extração das matérias-primas e termina com a boa gestão dos resíduos sólidos. Caso o produto seja aprovado em itens como economia de água, redução de emissões de gases e não uso de solventes tóxicos ao longo do ciclo de vida, recebe um rótulo, que pode ser base para a adoção de incentivos fiscais. Certificado Em 2010, o Brasil adotou a norma internacional ISO com diretrizes sobre responsabilidade social. O documento, lançado em Genebra (Suíça), é reconhecido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). O uso sustentável de recursos é um dos sete temas centrais a ser incorporados na rotina de pequenas, médias e grandes organizações em todo o mundo que querem obter a certificação

5 Energia Nem tão sustentável texto Carmen Lustosa foto Nilson Carvalho Para o governo, a matriz energética brasileira já supera consideravelmente outros países em termos de sustentabilidade. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, a hidroeletricidade responde por cerca de 90% da energia gerada no País, o que faz do Brasil uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo. Porém, ambientalistas acreditam que, mesmo consideradas fontes limpas, energia hidrelétrica e álcool causam impactos sociais e ambientais que poderiam ser evitados. Os números O Plano Decenal de Expansão de Energia PDE 2020 prevê o aumento da participação de outras fontes renováveis, como as pequenas centrais hidrelétricas, as usinas eólicas e de biomassa. Nos próximos dez anos, deve haver acréscimo de MW em geração eólica e 4.667MW em geração de biomassa, o que corresponde a 25% da expansão total necessária neste período. A importância desses números é ainda maior quando comparados com a política energética dos Estados Unidos, país responsável por 25% do consumo mundial de energia, sendo 80% oriunda de combustíveis fósseis. Por causa da concentração, os Estados Unidos são o maior emissor de gases de efeito estufa. Mas isso não quer dizer que o jogo esteja ganho para o Brasil. Países como EUA e Japão detêm mais de 60% das patentes de novas tecnologias verdes. Outro exemplo é a Espanha, que produz grande parte de energia a partir da matriz eólica, e a tendência é crescer ainda mais. Desafios No Brasil, observando esse contexto, ambientalistas querem não apenas menos emissões, mas uma política energética que atente para o impacto socioambiental, da mesma forma que exigem mais investimentos em pesquisa de fontes alternativas. O professor do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, Thomas Ludewigs, explica que uma matriz energética limpa não é isenta de impactos. Nossa matriz é limpa, pois é composta por 47% de recursos renováveis, o que contribui para uma pegada ecológica pequena para o balanço de carbono. Porém, o impacto socioambiental de uma hidrelétrica não pode ser desprezado: Há o reassentamento involuntário, erosão cultural, problemas sociais advindos do excedente populacional ocasionado pelas obras e a perda de biodiversidade terrestre e aquática, enumera o docente. Tudo isso deve ser ponderado e explicitado assim como os potenciais benefícios. O coordenador da Fundação Científica e Tecnológica em Energias Renováveis (FCTER), Floriano Kupske, acredita que, apesar dos impactos sociais, as energias hídricas são muito promissoras no Brasil e seu benefício geral ainda compensa. Olhando objetivamente, a energia hídrica causa muito mais benefícios à natureza do que as termoelétricas, que funcionam à base de carvão, óleo diesel ou combustíveis fósseis e são muito mais poluentes, defende. Também causa impactos que devem ser avaliados o monocultivo da cana-de-açúcar. Entre eles, a contaminação do lençol freático pelo uso de pesticidas e fertilizantes; queimadas que causam poluição e afetam a fauna; a alta evapotranspiração da cana, que pode causar rebaixamento do lençol freático; tráfego de máquinas pesadas, que pode levar à erosão e ao assoreamento de rios e os efeitos A luz que vem do lixo Em Nova Iguaçu (RJ), iniciativa da prefeitura transformou um problema ambiental em negócio lucrativo. Depois de 15 anos sendo fonte de contaminação fluvial, o lixão de Marambaiase transformou-se em fonte de energia elétrica graças à construção de uma usina de biogás. A metodologia usada pelo projeto NovaGerar utiliza o gás formado pela degradação dos detritos para alimentar um gerador e produzir eletricidade. A usina tem capacidade para 12MW de energia. A previsão é reduzir as emissões em 14 milhões de toneladas de CO2 nos próximos 21 anos

6 Bons modelos Dependência do petróleo O Brasil tem sido exemplo mundial no uso de energias renováveis ao manter, desde os anos 70, sua matriz energética próxima a 50% originada de fontes renováveis. No último ano, a parcela de energias renováveis no País foi de 46%, bastante superior à média global, de 12,9%, de acordo com relatório divulgado em julho pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O documento indica, porém, que a dependência do petróleo na matriz energética brasileira continuará forte até A energia gerada a partir dessa fonte não renovável deverá responder por pelo menos um terço do total nos próximos 20 anos. indiretos da expansão da área plantada. O professor Ludewigs considera que as decisões do governo têm sido tomadas de forma obscura e parcial: Defendo a posição de que é necessário ousar para criar alternativas, afirma. O argumento de que a eficiência de fontes como a eólica e a solar não atende à demanda nacional está furado. Floriano Kupske concorda. Na opinião dele, falta no Brasil uma legislação específica que incentive o uso das energias renováveis. O governo não faz o suficiente e a iniciativa privada não investe porque não há incentivo, justifica. Na opinião dele, as energias eólica e solar são boas alternativas porque não causam impacto. Dependendo do espaço, ainda é possível cultivar plantas e animais, sugere o coordenador da FCTER. Nós temos vento, sol, água, biomassa, o que falta é o interesse por parte dos governantes, por isso o Brasil não evolui, sentencia Kupske. Mas ele é otimista quanto ao futuro. Já está havendo maior conscientização e tem aumentado o diálogo entre governo e sociedade sobre esse assunto; existem bons projetos e eu acredito que eles saiam do papel em um futuro próximo, conclui. especialistas querem não apenas menos emissões, mas uma política que atente para o impacto social e ambiental, da mesma forma que exigem mais investimento em pesquisa de fontes alternativas. Cada vez mais perto das cidades do futuro O primeiro ônibus movido a hidrogênio do Brasil circula em SP. texto Alice Bucar foto Tutto Transporti Centros urbanos têm papel vital no desenvolvimento sustentável de um país e na erradicação da pobreza, como apontou o Relatório Global sobre Assentamentos Humanos 2011, Cidades e Mudança Climática: Direções Políticas, divulgado recentemente pela ONU-Habitat. Dessa forma, para as próximas décadas, governos e sociedade têm o desafio de repensar a dinâmica das cidades e as ações de planejamento urbano, desenvolver tecnologias verdes e conscientizar a população sobre a importância de adotar padrões de consumo sustentáveis. Devem ser desenvolvidas medidas que pressupõem a promoção de cidades compactas, dando especial atenção à mobilidade urbana e à criação de ambiente equilibrado e seguro, segundo a urbanista Marta Romero, coordenadora do Laboratório de Sustentabilidade Aplicada à Arquitetura da Universidade de Brasília. Nesse contexto, o Bright Green Book 50 51

7 Emblemático Muitos países têm como meta aumentar a sustentabilidade dos sistemas de transporte. Em Paris, na França, a alternativa encontrada foi o Vélib, um esquema de aluguel de bicicletas associado aos ônibus e metrôs. O objetivo é restringir o uso dos automóveis e promover a utilização de um veículo menos agressivo ao meio ambiente, além de mais econômico e socialmente justo. Criado em 2007, o sistema conta com 20 mil bicicletas espalhadas por 1,5 mil estações (com no máximo 300 metros de distância) e opera 24 horas por dia, sete dias na semana. Com potencial para gerar reduções de 32,33 mil toneladas de CO2 todos os anos, a iniciativa é um sucesso no transporte público ecologicamente correto. (livro verde do século 21), lançado há pouco pelo Conselho Euro- -Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável em parceria com a ONU-Habitat, selecionou cem iniciativas das quais 23 são brasileiras adotadas por países, cidades e organizações que têm contribuído para impulsionar a economia verde no mundo. A Dinâmica Pública selecionou algumas delas: Plástico Verde A Braskem desenvolveu, a partir do álcool da cana-de-açúcar, o polietileno verde, também chamado de plástico verde ou orgânico. O produto apresenta as mesmas propriedades técnicas de processabilidade e desempenho que o polipropileno produzido a partir de rotas tradicionais. São diversas aplicações para a criação da Braskem: sacolas de supermercados, frascos de produtos de higiene e beleza, embalagens de alimentos e tanques de combustível. Para cada tonelada de polietileno verde produzida são capturados e fixados até 2,5 toneladas de CO2 da atmosfera. Além disso, o plástico verde é 100% reciclável. A primeira usina solar do brasil No município de Tauá, no Ceará, a MPX Tauá é a primeira usina de energia solar em escala comercial do Brasil, com ligação à rede elétrica nacional. A usina tem capacidade instalada inicial de 1 MW, o suficiente para abastecer 1,5 mil famílias. A MPX Tauá já tem licença da Superintendência Estadual de Meio Ambiente do Ceará e autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica para expandir a geração a 5 MW. Há espaço para ampliar a capacidade para até 50 MW. Estamos orgulhosos do sucesso obtido com essa iniciativa, o potencialdeabastecimentocomplementar com energia solar é grande no País, comemora Marcus Temke, diretor de Implantação e Operação da MPX. Ônibus a hidrogênio Resultado de cinco anos de trabalho, o primeiro ônibus movido a hidrogênio do Brasil é uma iniciativa do Ministério de Minas e Energia e da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo, com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), do Fundo Global para o Meio Ambiente e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). O veículo é equipado com cé- o desafio é repensar a dinâmica das cidades e desenvolver tecnologias verdes, com atenção especial à questão da mobilidade urbana e à criação de um ambiente equilibrado e seguro. lulas a combustível, dispositivo que utiliza o hidrogênio para gerar eletricidade, que, por sua vez, alimenta os motores elétricos do ônibus. Não há emissões de ruídos ou de gases poluentes, liberando para a atmosfera apenas vapor d água. O ônibus verde está em operação na cidade de São Paulo desde dezembro do ano passado e circula no Corredor Metropolitano ABD, com a mesma tarifa de um veículo convencional. Asfalto verde Parte de ampla iniciativa de sustentabilidade capitaneada pela prefeitura do Rio de Janeiro, o projeto consiste na reciclagem do revestimento asfáltico e na utilização de mistura morna de asfalto. A possibilidade de reaproveitamento do material minimiza a exploração de pedreiras e o uso de cimento oriundo de petróleo, evitando risco ao meio ambiente e à saúde dos operários, que não precisam trabalhar com altas temperaturas. A nova fórmula também representa maior vida útil do revestimento e melhor qualidade nos serviços. Capital referência Copenhague, capital da Dinamarca, caminha para ser a primeira cidade no mundo com CO2 totalmente neutralizado. Para tanto, está construindo mais parques eólicos e promovendo incentivos à infraestrutura para ter carros movidos a hidrogênio ou eletricidade. A constatação foi baseada em estudo único de sustentabilidade ambiental feito pela Siemens com os 30 maiores centros urbanos de 30 países europeus. A pesquisa foi apresentada durante a Conferência de Mudança Climática da ONU, COP

8 54 55

9 Água doce Abundante até quando? texto Ana Rita Gondim e Jéssica Paula foto Scott Warren O Brasil é o primeiro país do mundo em disponibilidade hídrica, com cerca de 12% de toda a água doce superficial do planeta. Um verdadeiro privilégio se o recurso não fosse usado de forma inadequada. Poluição, desperdício e má distribuição prejudicam a gestão de um bem que pode ser no futuro causa de conflitos entre nações. Durante o abastecimento doméstico, 50% do total encaminhado para as residências brasileiras se perde no caminho, segundo pesquisa de uma das maiores organizações não governamentais voltadas à preservação ambiental, The Nature Conservancy (TNC), em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA). Há cidades, como Porto Velho (RO), onde são desperdiçados até 80% dos recursos hídricos. Vale ressaltar que a taxa que o consumidor paga inclui a quantidade perdida. Redes antigas e os chamados gatos (tubos conectados fora do sistema padrão) são os principais causadores de desperdício, segundo o geólogo Albano de Araújo, coordenador de estratégias voltadas para água doce da TNC. Seria preciso, de acordo com ele, investir em tecnologia para criar um sistema resistente e com maior durabilidade. Para o coordenador da WWF, Samuel Barreto, a disponibilidade dos recursos naturais, como a água, funciona como uma caderneta de poupança. Hoje há, no Brasil, uma reserva, mas pode faltar lá na frente, alerta. Questão crítica O sistema de canalização doméstico é o grande vilão da sujeira de rios e lagos. Segundo a especialista em recursos hídricos da ANA Luciana Andrade, apenas 26% do esgoto urbano é tratado. O Relatório de Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil Informe 2011, lançado recentemente, aponta que investimentos em saneamento como um todo até foram feitos nos últimos sete anos (passaram de R$ 5 bilhões para R$ 13,2 bilhões), mas nada focado no problema da poluição. A saída para a preservação das reservas de águas seria o tratamento de todo o esgoto dos núcleos urbanos, segundo o Apenas 26% do esgoto urbano brasileiro é tratado. O tratamento integral seria uma saída para a preservação das águas. Projeto inovador A ferramenta chamada Pegada Hídrica, criada pela Universidade de Twente, na Holanda, serve para quantificar o consumo de água com base no uso direto e indireto e assim permitir o estabelecimento de estratégias e práticas para obter o seu manejo sustentável. Por meio de números, analisa-se a quantidade de água envolvida na produção de determinado produto, desde a obtenção da matéria-prima até o resultado final. A pegada hídrica de 1 quilo de carne, por exemplo, é de 15,5 mil litros de água. Valor que inclui até a quantidade do recurso utilizado para produzir a ração que alimentou o animal. O coordenador da WWF, Samuel Barreto, explica que o conceito tem tido aceitação por parte do governo, de profissionais e cidadãos, mas para a iniciativa produzir de fato mudanças comportamentais é preciso apoio financeiro. Essa é a maior barreira encontrada

10 Albano de Araújo Coordenador de estratégias voltadas para água doce da The Nature Conservancy Água potável é para consumo humano. Os animais e o próprio ecossistema em volta de rios e lagos necessitam da água com todas as substâncias originais. foto: Thyago Arruda A importância de conscientizar Educar continua sendo o melhor jeito de prevenir desperdícios e agressões ao meio ambiente. Exemplo disso é o trabalho pioneiro da Escola da Floresta, criada pela prefeitura de Santarém, no Pará. A equipe de 40 profissionais, entre professores, técnicos agrícolas, biólogos e geólogos, empenha-se em envolver os alunos em estratégias de preservação da natureza. O programa inclui palestras e ações práticas como o cultivo de árvores, hortas e jardins e, segundo a coordenadora pedagógica, Clarice Rebelo, já é possível observar nas crianças e nos adolescentes mudanças significativas de hábitos. pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Marco Antônio Ferreira. Ele aponta outras soluções, como a recomposição da vegetação de proteção das nascentes e dos cursos d'água de todo o País. Ao contrário da opinião de muitos políticos, durante discussão sobre o Código Florestal, a mata ciliar é indispensável à manutenção do curso d'água, justifica. Conservação Um exemplo de como políticas públicas podem ajudar na preservação de mananciais é o projeto Conservador das Águas no município de Extrema (MG), onde estão os principais rios do sistema Cantareira, responsável pelo abastecimento de 50% da água de São Paulo. O projeto é uma parceria entre a prefeitura, a TNC, a ANA e o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais. Funciona por meio de remuneração dos proprietários rurais pela prefeitura para que preservem e restaurem a vegetação. As áreas são monitoradas e, se o trabalho for feito, o produtor recebe R$ 187 por hectare, no caso de Extrema. Segundo a coordenadora de Estratégia do Programa Produtor de Água da TNC, Anita Diederichsen, 99% dos participantes cumprem as metas estabelecidas. O projeto foi pioneiro no País. 58

11 Valor Econômico Conservar para dar lucro texto Caroline Vilhena foto Thyago Arruda AA preservação do meio ambiente pode ser sinônimo de considerável retorno financeiro. Prova disso são as unidades de conservação (UCs), com potencial para gerar cerca de R$ 5,7 bilhões por ano aos cofres públicos. A conclusão é do estudo Contribuição das Unidades de Conservação para a Economia Nacional, divulgado no início de junho. A pesquisa foi desenvolvida pelo Centro para Monitoramento da Conservação Mundial do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP-WCMC, na sigla em inglês) e o Ministério do Meio Ambiente (MMA), sob a coordenação técnica de pesquisadores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e da Universidade Federal do Rio de Janeiro, com o apoio técnico da agência de cooperação da República Federal da Alemanha (GIZ) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). As unidades de conservação geram uma série be- nefícios, usufruídos por grande parcela da população brasileira. A maior parte da qualidade e da quantidade da água que compõe os reservatórios de usinas hidrelétricas, por exemplo, é originada nas unidades de conservação. Além disso, o desenvolvimento de muitos fármacos e cosméticos utilizam espécies protegidas nessas unidades. Se conseguirmos explorar todo o potencial [das UCs] de forma sustentável, até 2016 teremos obtido lucro para a economia nacional, resume Ana Paula Prates, diretora de Áreas Protegidas do MMA. As projeções só se tornarão reais, entretanto, se investimentos adequados forem feitos. Nós ainda precisamos aprender a explorá-las [as UCs] de forma sustentável, completa Ricardo Soazinski, diretor de unidades de conservação e proteção integral do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão do governo. Segundo ele, já estão sendo feitas concessões necessárias para abrir mais parques e melhorar a estrutura dos que estão em funcionamento. Potencial Segundo dados do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, existem hoje no Brasil 310 UCs federais, 503 estaduais e 81 municipais, além das 973 reservas R$ 5,7 bilhões é com esse valor que as unidades de conservação podem contribuir anualmente para os cofres públicos do Brasil. particulares do patrimônio natural. Somadas, correspondem a 16,6% do território continental brasileiro e 1,5% do território marinho. Os cálculos do estudo consideram o potencial econômico de cinco bens e serviços das UCs: água, produtos florestais, carbono, uso público das áreas principalmente para o turismo e repasses do ICMS Ecológico (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) aos municípios, já aprovado em 14 estados. O ICMS Ecológico, transferido em 2009 para os municípios, passou dos R$ 402 milhões como recompensa pela presença das UCs em seus territórios. Além disso, o estudo aponta que estados que ainda não têm o imposto poderiam arrecadar até R$ 14,9 milhões com a adoção do mecanismo. Outros importantes serviços ambientais, como a proteção de assentamentos humanos contra deslizamentos, enchentes e outros acidentes; a conservação de recursos pesqueiros e a conservação da biodiversidade, não puderam ter seus valores estimados por falta de informaçõesoumetodologiasadequadas. Turismo O turismo que movimenta a economia de muitos municípios do País só é possível pela presença de unidades de conservação. Até mesmo as mais restritas, como as de proteção integral estações ecológicas, reservas biológicas, parques nacionais, que não têm uso direto, têm potencial para gerar renda. Elas podem ser usadas indiretamente por visitações públicas. Ao ingressar em uma dessas áreas, o turista, além de pagar uma taxa, deixa divisas para a população local; ele se hospeda, come, compra um souvenir, enfim, usa de maneira econômica aquela localidade, diz Ana Paula Prates. Mas, segundo a diretora do MMA, alguns setores do governo 60 61

rio+20 pág. 64 Desenvolvimento sustentável Políticas públicas pág. 42 energia pág. 48 bons modelos pág. 51 água doce pág. 56 valor econômico pág.

rio+20 pág. 64 Desenvolvimento sustentável Políticas públicas pág. 42 energia pág. 48 bons modelos pág. 51 água doce pág. 56 valor econômico pág. Especial Desenvolvimento sustentável Políticas públicas pág. 42 Os caminhos para crescer com responsabilidade InCENTIVOS pág. 46 Eles são importantes para mudar padrões de consumo e de produção energia

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal Adjunto de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Abril 2013 A Construção de uma Cidade Sustentável

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Eduardo Bandeira de Mello Chefe do Departamento de Meio Ambiente Cuiabá, 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO 1. Desenvolvimento

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Magazine Meio Ambiente

Magazine Meio Ambiente Página 1 de 5 Magazine Meio Ambiente MEIO AMBIENTE Dez atitudes domésticas ecologicamente corretas Publicado a 28 Janeiro 2011 por Danielrox01 Substituir sacolas de plástico A sacola de plástico é a atual

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq A Indústria de Máquinas na Era da Economia Verde Perfil geral A indústria da indústria Fundação:1937- origem de um sindicato têxtil; Possui 1.500

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais: uma proposta em discussão. Shigeo Shiki Mata Atlântica e Serviços

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável Principais pontos de abordagem: Legislação Paulista que aborda Mudanças Climáticas; Estratégias para o Desenvolvimento

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO produz e dissemina conhecimento por meio da Educação para a Sustentabilidade Organização promove a transformação socioambiental de pessoas, organizações e sistemas

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Coordenador do Comitê Municipal sobre Mudanças Climáticas e Ecoeficiência Legislação Municipal e Mudanças

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2012

PROJETO DE LEI Nº /2012 PROJETO DE LEI Nº /2012 (Dos Senhores Deputados Heuler Cruvinel e Onofre Santo Agostini) Institui a obrigatoriedade de instalação de pontos de recarga para veículos elétricos em vias públicas e em ambientes

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Maputo, Moçambique, 2-4 de maio de 2012 Estrutura

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO A AÇÃO LOCAL PELA PROTEÇÃO DO CLIMA 19 ANOS DO ICLEI CONTEÚDO

INTRODUÇÃO A AÇÃO LOCAL PELA PROTEÇÃO DO CLIMA 19 ANOS DO ICLEI CONTEÚDO INTRODUÇÃO A AÇÃO LOCAL PELA PROTEÇÃO DO CLIMA 19 ANOS DO ICLEI Laura Valente S. de Macedo Diretora Regional, ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade laura.valente@iclei.org www.iclei.org/lacs/portugues

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários Perfil das empresas Porte da Empresa (NA) Média 84 De 00 a 499 funcionários Grande 69 4 00 ou mais funcionários 3 00 Tipo de indústria (NA) Indústria/agência de embalagens 33 Usuária de embalagens 02 67

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA Muito prazer. Somos a Associação Comercial de São Paulo. A ACSP faz parte da vida de empreendedores de diversos tamanhos. Nós existimos para

Leia mais