DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA"

Transcrição

1 DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA

2 Documento elaborado e aprovado pelas duas instituições Este documento apresenta um estudo comparativo de metodologias de custos de produção agrícola utilizadas pela Conab e pelo Cepea; Trata-se de um estudo realizado em conjunto entre a Gerência de Custos de Produção (GECUP) da Conab e o Cepea; O resultado apresentado é de responsabilidade de ambas as instituições; Seu conteúdo pode se tornar público; Os envolvidos e responsáveis pelo documento são: Pesquisadores do Cepea Geraldo S. C. Barros Lucilio R. A. Alves Fábio F. de Lima Mauro Osaki Renato G. Ribeiro Pesquisadores da Conab Asdrúbal de C. Jacobina Adriene Alves de Melo Antônio A. da Conceição Poliana T. S. Gratão Séfora Silvério 2

3 Estrutura do material Objetivos deste documento e objetivos/focos para o cálculo de custo de produção das instituições; Estruturas agregadas e detalhadas dos resultados finais das planilhas de custos de produção de cada instituição; Comparações de itens de custos de produção e apresentação das principais distinções nos cálculos; Identificação de pontos divergentes de cálculos e obtenção de informações que podem impactar os custos de forma mais expressiva; Comparações de resultados que realmente podem ser efetuados; Comparações de evoluções de custos de fibras e grãos para regiões selecionadas; Considerações gerais. 3

4 Objetivos do documento Efetuar uma análise comparativa entre as metodologias de cálculos de custos utilizadas pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e pelo Cepea, no setor agrícola. Identificar as formas de cálculos de custos agrícolas entre as instituições, detalhando os itens que são considerados, com o intuito de identificar e apresentar suas características e especificidades. As implicações relacionadas a cada metodologia serão elaboradas, tendo em conta que cada instituição tem seus próprios objetivos quando realizam seus cálculos de custos do setor agrícola. 4

5 Cepea: Objetivos de cálculo de custo de produção Obter os custos de produção, que permitam analisar rentabilidade e riscos da atividade agropecuária; Identificar os fatos relevantes e calcular custos de produção do ano-safra objeto de estudo; Analisar a propriedade típica como um todo, calculando custos com base no sistema produtivo e não apenas de uma cultura em específico; Contribuir nas boas práticas de gestão de custos das propriedades agrícolas e subsidiar nas tomadas de decisões privadas, de entidades representativas da cadeia produtiva e do setor público. 5

6 CONAB: Objetivos de cálculo de custo de produção Elaborar custo de produção agrícola e disponibilizar metodologia para que entidades estatais e não-estatais possam elaborar estudos e tenham informações para tomadas de decisões políticas, administrativas, econômicas, financeiras e operacionais; Oferecer as condições para estudos de políticas públicas e programas de governo, além de subsidiar discussões técnicas de melhoria do processo produtivo (máquinas e implementos agrícolas, agrotóxicos e fertilizantes, mudas e sementes etc.) e de comercialização. 6

7 CONAB: Objetivos de cálculo de custo de produção Conhecer as tecnologias utilizadas na agricultura; Conhecer a estrutura regionalizada dos custos, de modo a permitir análises comparativas entre regiões/países; Dispor de um instrumento que proporcione uniformidade metodológica, confiabilidade e consistência analítica; Subsídio às propostas de preços mínimos e ao bônus da garantia de preços da agricultura familiar. 7

8 8 Estruturas de custos operacionais de produção da Conab CNP (Soja) 2014/15 base jan/14 DISCRIMINAÇÃO CUSTO POR HA CUSTO / 60KG PARTICIPAÇÃO CV (%) PARTICIPAÇÃO CT (%) I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA 1 - Operação com animal 2 - Operação com Avião 3 - Operação com máquinas: Tratores e Colheitadeiras 97,79 1,87 5,41 4, Conjunto de Irrigação 4 - Aluguel de Máquinas 5 - Aluguel de Animais 6 - Mão-de-obra 7 - Administrador 4,32 0,08 0,24 0, Sementes 182,50 3,51 10,09 8, Royalties 9 - Fertilizantes 589,37 11,33 32,60 26, Agrotóxicos 565,83 10,89 31,30 25, Água 12 - Receita 13 - Outros: Análise Foliar Embalagens/Utensílios Vernalização(Alho) Análise de Solo 1,69 0,04 0,09 0, Mudas Taxas Ambientais Demais Despesas Implementos Manuais 14 - Serviços Diversos TOTAL DAS DESPESAS DE CUSTEIO DA 1.441,50 27,72 79,73 64,32 II - OUTRAS DESPESAS 15 - Transporte Externo 68,64 1,32 3,80 3, Despesas: Despesas Administrativas 43,24 0,83 2,39 1, Despesas de armazenagem 69,83 1,34 3,86 3, Beneficiamento 17 - Seguro da Produção 18 - Seguro do crédito 19 - Assistência Técnica 36,04 0,69 1,99 1, Classificação 21 - Outros Impostos/Taxas 19,50 0,38 1,08 0, CDO 23 - CESSR 67,99 1,31 3,76 3, FUNDECITRUS TOTAL DAS OUTRAS DESPESAS (B) 305,24 5,87 16,88 13,62 III - DESPESAS FINANCEIRAS 25 - Juros do Financiamento 61,24 1,18 3,39 2,73 TOTAL DAS DESPESAS FINANCEIRAS (C) 61,24 1,18 3,39 2,73 CUSTO VARIÁVEL (A+B+C=D) 1.807,98 34, ,67 IV - DEPRECIAÇÕES

9 16 - Despesas: Despesas Administrativas 43,24 0,83 2,39 1, Despesas de armazenagem 69,83 1,34 3,86 3, Beneficiamento 17 - Seguro da Produção 18 - Seguro do crédito 19 - Assistência Técnica 36,04 0,69 1,99 1, Classificação 21 - Outros Impostos/Taxas 19,50 0,38 1,08 0, CDO 23 - CESSR 67,99 1,31 3,76 3, FUNDECITRUS TOTAL DAS OUTRAS DESPESAS (B) 305,24 5,87 16,88 13,62 III - DESPESAS FINANCEIRAS 25 - Juros do Financiamento 61,24 1,18 3,39 2,73 TOTAL DAS DESPESAS FINANCEIRAS (C) 61,24 1,18 3,39 2,73 CUSTO VARIÁVEL (A+B+C=D) 1.807,98 34, ,67 IV - DEPRECIAÇÕES 26 - Depreciação de benfeitorias/instalações 48,47 0,93 2,68 2, Depreciação de implementos 60,02 1,15 3,32 2, Depreciação de Máquinas 37,96 0,73 2,10 1,69 TOTAL DE DEPRECIAÇÕES (E) 146,45 2,81 8,10 6,53 V - OUTROS CUSTOS FIXOS 29 - Manutenção Periódica Benfeitorias/Instalações 3,39 0,07 0,19 0, Encargos Sociais 1,97 0,04 0,11 0, Seguro do capital fixo 6,43 0,12 0,36 0,29 TOTAL DE OUTROS CUSTOS FIXOS (F) 11,79 0,23 0,66 0,53 CUSTO FIXO (E+F=G) 158,24 3,04 8,76 7,06 CUSTO OPERACIONAL (D+G=H) 1.966,22 37,81 108,76 87,73 VI - RENDA DE FATORES 32 - Remuneração esperada sobre o capital fixo 57,34 1,10 3,17 2, Terra Própria 217,43 4,18 12,03 9, Arrendamento TOTAL DE RENDA DE FATORES (I) 274,77 5,28 15,20 12,26 CUSTO TOTAL (H+I=J) 2.240,99 43,09 123,96 10 Despesas financeiras e estruturas de custos fixos de produção da Conab CNP (Soja) 2014/15 base jan/14 9

10 Estruturas de custos operacionais de produção do Cepea CNP (Soja) safra 2013/14 Custo/ha Participação Descrição (R$/ha) COE CT Insumos (A) R$ 1.254,12 63% 47% Corretivos R$ 36,67 2% 1% Sementes de forrageiras R$ 6,50 0% 0% Fertilizantes R$ 472,50 24% 18% Sementes R$ 185,63 9% 7% Tratamento de semente R$ 44,10 2% 2% Def. agr./adjuvantes/foliares R$ 508,73 26% 19% 10 Herbicidas R$ 102,42 5% 4% Inseticidas R$ 223,03 11% 8% Fungicidas R$ 148,95 8% 6% Adjuvantes/Regulador de cresc. R$ 16,32 1% 1% Fertilizantes foliares R$ 18,00 1% 1% Operação mecânica (B) R$ 182,51 9% 7% Correção do solo R$ 4,55 0% 0% Formação de forragem PD R$ 8,62 0% 0% Preparo do solo R$ - 0% 0% Adubação pré-semeadura R$ 11,50 1% 0% Semeadura/adubação R$ 49,33 2% 2% Ad. Cobertura (N e K) R$ - 0% 0% Pulverização R$ 27,15 1% 1% Outros tratos culturais R$ - 0% 0% Colheita R$ 81,36 4% 3% Operações terceirizadas (C) R$ 81,00 4% 3% Preparo do solo R$ - 0% 0% Semeadura R$ - 0% 0% Tratos culturais R$ - 0% 0% Operações terceirizadas (C) R$ 81,00 4% 3% Preparo do solo R$ - 0% 0% Semeadura R$ - 0% 0% Tratos culturais R$ - 0% 0% Colheita R$ - 0% 0% Frete agrícola (rod.) R$ 81,00 4% 3% Mão de obra (D) R$ 111,99 6% 4% Preparo do solo R$ 3,36 0% 0% Semeadura R$ 3,30 0% 0% Tratos R$ 6,22 0% 0% Colheita R$ 6,73 0% 0% Geral R$ 92,37 5% 3% Irrigação (E) Custo geral (F) R$ - 0% 0% Comercialização (G) R$ 59,40 3% 2% Beneficiamento R$ 59,40 3% 2% Armazenamento 0% 0% Impostos (H) R$ 138,89 7% 5% CESSR (Funrural) R$ 65,19 3% 2% Fethab + FACS R$ 73,71 4% 3% Arrendamento 0% 0% Seguro (I) R$ 14,33 1% 1% Assistência técnica (J) R$ 32,59 2% 1% Juros de capital de giro (K) R$ 128,36 6% 5% CUSTO OPERACIONAL R$ 2.003,20 100% 76%

11 Estruturas de custos fixos de produção do Cepea CNP (Soja) safra 2013/14 Depreciação Custo/ha Itens (R$/ha) Máquinas R$ 60,90 Implementos R$ 50,67 Equipamentos (Irrigação) Utilitários Benfeitoria R$ 5,35 Total de depreciação R$ 116,92 CUSTO OPERACIONAL TOTAL R$ 2.120,12 Rem. do capital investido Custo/ha CARP/ha Itens (R$/ha) (R$/ha) Máquinas R$ 48,05 164,46 Implementos R$ 11,11 37,88 Equipamentos (Irrigação) Utilitários Benfeitoria R$ 10,84 14,74 Terra R$ 460,97 513,20 CUSTO TOTAL SEM TERRA R$ 2.190,12 R$ 2.220,28 CUSTO TOTAL R$ 2.651,09 R$ 2.733,47 11

12 Estrutura geral dos custos de produção da CONAB e do CEPEA Estrutura de custos Conab Cepea/CNA Cepea/AMPA I DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA Insumos Insumos Insumos Operação mecânica Operação mecânica Operação mecânica Serviços diversos Operações terceirizadas Operações terceirizadas Mão de obra Mão de obra Mão de obra Irrigação Irrigação Irrigação Despesa geral Custos gerais Custos gerais II - OUTRAS DESPESAS Desp. Armazenagem Comercialização Comercialização Impostos Impostos Impostos Arrendamento Arrendamento Desp. Administrativa Seguro de produção e de crédito Seguro de capital fixo Seguro de capital fixo Assistência técnica Assistência técnica Assistência técnica III - DESPESAS FINANCEIRAS Juros do Financiamento Juros de capital de giro Juros de capital de giro 12

13 Estrutura geral dos custos de produção da CONAB e do CEPEA Estrutura de custos Conab Cepea/CNA Cepea/AMPA IV DEPRECIAÇÕES Depreciação geral Depreciação geral CARP V OUTROS CUSTOS FIXOS VI - RENDA DE FATORES Manut. Benfeitoria Encargos sociais Seguro do capital fixo Rem. s/ Capital fixo Terra própria Arrendamento Rem. s/ Capital fixo CARP 13

14 14 I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? 1 Operação com animal Custo detalhado ou terceirizado Serviço terceirizado Não 2 Operação com Avião Terceirizado Combustível e manutenção ou serviço terceirizado Não 3 Operação com máquinas: 3.1 Tratores e Colheitadeiras Combustível, manutenção, mão de obra ou Combustível e manutenção ou serviço Sim, na taxa de terceirizado terceirizado manutenção 3.2 Conjunto de Irrigação Combustível, manutenção, mão de obra ou Combustível e manutenção ou serviço Sim, na taxa de terceirizado terceirizado manutenção 4 Aluguel de Máquinas Serviços terceirizados Serviços terceirizados Não 5 Aluguel de Animais Serviços terceirizados Serviços terceirizados Não 6 Mão de obra Mão de obra de diaristas, efetivas Mão de obra efetiva + ponderação do tempo Sim, especialmente extra, no total da cultura no tempo extra 7 Administrador Salário sem encargos, rateado pela área Incluso no item 6 Não 8 Sementes Sementes/Mudas por hectare Sementes/Mudas por hectare Não 8.1 Royalties Royaties pelo uso da sementes e mudas Junto com o valor da sementes e mudas Não 9 Fertilizantes Uso por hectare x valor à vista, na propriedade Uso por hectare x valor à vista, na propriedade Não 10 Agrotóxicos Uso por hectare x valor à vista, na propriedade, Uso por hectare x valor à vista, na propriedade separado por classe de produto Não 11 Água Cobrança/pagamento pelo uso de água Está no custo total da irrigação Não 12 Receita Receita de co-produtos entra negativo Entra na receita bruta e não no desconto do custo Sim 13 Outros: 13.1 Análise Foliar Desp. geral Análise foliar Está em Custos Gerais - Não compõe o custo Não 13.2 Embalagens/Utensílios Gerais, como itens para café e frutas Está em Custos Gerais - Não compõe o custo Não 13.4 Análise de Solo Desp. geral Análise do solo Está em Custos Gerais - Não compõe o custo Não 13.5 Mudas Para culturas permanentes Consta no item 8 Não 13.6 Taxas Ambientais Taxas gerais Está em Custos Gerais - Não compõe o custo Não 13.7 Demais Despesas Outras despesas que tenham relação com a produção Está em Custos Gerais - Não compõe o custo Não 13.8 Implementos manuais Gerais Benfeitorias oficinas Não 14 Serviços Diversos Outros, não computados anteriormente Serviços terceirizados Não

15 II - OUTRAS DESPESAS Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? 15 Transporte Externo Frete Frete Não 16 Despesas: 16.1 Despesas Administrativas 3% do custo variável 16.2 Despesas de armazenagem Gastos com recepção, secagem, sobretaxa (ou equivalente tarifa) e armazenagem base custo Armazéns Conab. Para culturas que não possuem compras do Governo, este item não é computado Custo para beneficiamento, base serviço terceirizado Está em Custos Gerais - Não compõe o custo atual Gastos com recepção, secagem, sobretaxa (ou equivalente tarifa) e armazenagem 16.3 Beneficiamento Custo para beneficiamento, base serviço terceirizado Não 17 Seguro da Produção Proagro, quando houver Proagro, quando houver Não 18 Seguro do crédito Não considerado Não considerado Não 19 Assistência Técnica 2% sobre gastos com insumos, mão de obra e 2% sobre gastos com insumos, mão de obra e operações mecânicas operações mecânicas Não 20 Classificação Está contido no item 16.2 e 16.3 Está contido no item 16.2 e 16.3 Não 21 Outros Impostos/Taxas Despesa geral (Taxa CNA, ITR, IPVA, Sindicato Custos Gerais (Taxa CNA, ITR, IPVA, Sindicato rural, associação) rural, associação) Está em Custos Gerais Não 22 CDO (Taxa de cooperação e defesa da orizicultura) Valor por saca Considera-se preço líquido Não 23 CESSR 2,3% da Receita Bruta 2,3% ou 0,2% da Receita Bruta, a depender do citado no painel Não 24 FUNDECITRUS Valor % sobre a produção Valor % sobre a produção Não Sim Sim 15

16 DEMAIS ITENS Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? III - DESPESAS FINANCEIRAS Utiliza-se de taxas de juros preferenciais do crédito Média ponderada das diferentes fontes de captação 25 - Juros do Financiamento rural para os recursos dessas linhas e Taxa Selic para as demais fontes de recursos pelos produtores, conforme taxas e participação repassadas pelos produtores Sim IV DEPRECIAÇÕES 26 - Depreciação de benfeitorias/instalações Depreciação, considerando taxa residual 27 - Depreciação de implementos Depreciação, considerando taxa residual 28 - Depreciação de Máquinas Depreciação, considerando taxa residual V - OUTROS CUSTOS FIXOS 29 - Manutenção Periódica Benfeitorias/Instalações 30 - Encargos Sociais 31 - Seguro do capital fixo VI - RENDA DE FATORES 32 - Remuneração esperada sobre o capital fixo 33 - Terra Própria Diferencia-se por envolve taxa de manutenção de 1% e taxa de ocupação De todos os contratados na fazenda, com dedicação na cultura Diferencia-se por envolver, inclusive, o valor inicial dividido por 2 Diferencia-se por envolver, inclusive, o valor inicial dividido por 2 e taxa de juro de 6% a.a. 3% ao ano, rateado em casos de mais de 1 cultivo no ano-safra 34 Arrendamento Se área arrendada, o gasto é custo operacional Depreciação, considerando taxa residual (CNA) ou Depreciação capitalizada (AMPA) Depreciação, considerando taxa residual (CNA) ou Depreciação capitalizada (AMPA) Depreciação, considerando taxa residual (CNA) ou Depreciação capitalizada (AMPA) Diferencia-se por envolver taxa de manutenção de 10% Está contido no item mão de obra Diferencia-se por envolver o valor residual Diferencia-se por envolver o valor residual e taxa de juro variável a cada ano, conforme linhas de financiamento específicas para o item em análise Equivalente ao arrendamento (CNA) ou uma taxa de juro real anual (AMPA), ponderado pela receita bruta (CNA) ou área cultivada (AMPA) Se área arrendada, o gasto é custo operacional, ponderado pela receita bruta (CNA) Sim, Valor Residual diferente entre as instituições Não Não Não Sim Sim Sim 16

17 CONSIDERAÇÕES GERAIS DAS ESTRUTURAS DE CUSTOS Dados seus objetivos, as estruturas de apresentação dos resultados são diferentes entre as instituições; Diferenciação em cálculos de: Taxas de manutenção de ativos fixos; Mão de obra efetiva e total da propriedade; Despesas com armazenagem; Juros de financiamento; Remuneração do capital fixo diverso e na forma de cômputo do arrendamento; O Cepea, por enquanto, não considera Custos Gerais da propriedade (denominado pela Conab como Gastos Administrativos); 17

18 Comparações individuais I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? 3 Operação com máquinas: 3.1 Tratores e Colheitadeiras Combustível, manutenção, mão de obra Combustível e manutenção ou serviço Sim, na taxa de terceirizado manutenção 3.2 Conjunto de Irrigação Combustível, manutenção, mão de obra Combustível e manutenção ou serviço Sim, na taxa de terceirizado manutenção CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA Consumo Diesel por hora = Potência Máquina x 12% Consumo de Energia Elétrica por hora (Kwa) = Potência Máquina x 75% 1.1 Máquinas e Implementos Hora Máquina Consumo de Combustível - Motor diesel Consumo Diesel por hora = Potência Máquina x 12% Consumo Diesel por hora = Potência Máquina x 12% Consumo de Combustível - Motor elétrico x x 10% das despesas com combustível Filtros e Lubrificantes Incluso na taxa de manutenção Incluso na taxa de manutenção Salário mensal 220 horas/mês, para aqueles envolvidos na atividade Mão de Obra O custo da hora da mão de obra, multiplicado pelo rendimento de cada operação com máquinas e equipamentos, não é computado ao valor da hora-máquina, mas sim ao custo total com mão de obra na cultura sob análise. O custo da hora da mão de obra, multiplicado pelo rendimento de cada operação com máquinas e equipamentos, não é computado ao valor da hora-máquina, mas sim ao custo total com mão de obra na cultura sob análise. Manut = (Vi*1%)/Vu Manutenção Manut = (Vi*tman)/Vu Manut = (Vi*tman)/Vu Vi = Valor inicial Vi = Valor inicial Vi = Valor inicial Vu = Vida útil em horas Máquinas tman = Taxa de manutenção do bem (Tabela anexa) tman = Taxa de manutenção do bem (Tabela anexa) Vu = Vida útil em horas Vu = Vida útil em horas Manut=(Vi*0,8%)/Vu Implementos Manut=(Vi*tman)/Vu 18

19 Comparações individuais I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? Mão de obra efetiva + ponderação do tempo Sim, especialmente 6 Mão de obra Mão de obra de diaristas, efetivas extra, no total da cultura no tempo extra 7 Administrador Salário sem encargos, rateado pela área Incluso no item 6 Não CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.8 Mão de obra Rateio na agricultura empresarial Rateio = (Rem+bonus+Enc)/Área Rem = sálario do administrador Mão de obra fixa (administrador) da agricultura empresarial vide "Rateio da mão de obra não utilizada efetivamente nas operações mecânicas da propriedade" vide "Rateio da mão de obra não utilizada efetivamente nas operações mecânicas da propriedade" bonus = percentual sobre a produção, se houver Enc = Encargos conforme tipo de contratação Aréa = área de cultivo Empregrados da agricultura empresarial Se utilizado nas operações mecânicas, calculado por: [custo por hora trabalhada x rendimento da operação com máquina e/ou implemento] Se não utilizado efetivamente, vide "Rateio da mão de obra não utilizada efetivamente nas operações mecânicas da propriedade" Se utilizado nas operações mecânicas, calculado por: [custo por hora trabalhada x rendimento da operação com máquina e/ou implemento] Se não utilizado efetivamente, vide "Rateio da mão de obra não utilizada efetivamente nas operações mecânicas da propriedade" Salário + encargos e utilizado para o cálculo de hora/máquina Tratorista e operador de colheitadeira e de conjunto de irrigação Se utilizado nas operações mecânicas, calculado por: [custo por hora trabalhada x rendimento da operação com máquina e/ou implemento] Se não utilizado efetivamente, vide "Rateio da mão de obra não utilizada efetivamente nas operações mecânicas da propriedade" Se utilizado nas operações mecânicas, calculado por: [custo por hora trabalhada x rendimento da operação com máquina e/ou implemento] Se não utilizado efetivamente, vide "Rateio da mão de obra não utilizada efetivamente nas operações mecânicas da propriedade" Rateio de Salário = ((SA-GE)*ht)/Acult Rateio de Salário = ((SA-GE)*ht)/Acult 19 não Rateio de toda a mão de obra não utilizada efetivamente nas operações mecânicas da propriedade SA = total gasto com sálario na propriedade no ano (remuneração + encargos) GE = soma do gasto efetivo com mão de obra por cultura ht = horas trabalhadas por cultura divida pelas horas total trabalhadas na propriedades Acult = área da cultura SA = total gasto com sálario na propriedade no ano (remuneração + encargos) GE = soma do gasto efetivo com mão de obra por cultura ht = horas trabalhadas por cultura divida pelas horas total trabalhadas na propriedades Acult = área da cultura

20 Comparações individuais I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? Mão de obra efetiva + ponderação do tempo Sim, especialmente 6 Mão de obra Mão de obra de diaristas, efetivas extra, no total da cultura no tempo extra 7 Administrador Salário sem encargos, rateado pela área Incluso no item 6 Não CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.8 Mão de obra sim Encargos sociais e trabalhistas Os encargos serão qualificados conforme o tipo de contratação do trabalhador e as informações coletadas prioritariamente no painel Não! Os encargos são fixos para todas os funcionários, a exceção de diaristas que trabalham sem registro Não! Os encargos são fixos para todas os funcionários, a exceção de diaristas que trabalham sem registro 45,59% Trabalhador por tempo indeterminado 45,89% 45,89% 33,03% Trabalhador por tempo determinado 45,89% 45,89% 37,71% 41,59% 2,3% sobre a receita bruta proveniente da comercialização. Exceção para sociedades cooperativas e as agorindustrias de piscicultura, carcinicultura suinocultura e avicultura Trabalhador - contrato safra, incluso empregador Trabalhador - convenção ou acordo coletivo, incluso empregador CESSR (ex-funrural) - Contribuição previdenciária da agroindústria, produtor rural, pessoa fisica ou jurídica 45,89% 45,89% 45,89% 45,89% 2,3% Sobre Receita Bruta 2,3% Sobre Receita Bruta 20

21 21 Comparações individuais II OUTRAS DESPESAS Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? 16.1 Despesas Administrativas 3% do custo variável Está em Custos Gerais - Não compõe o custo atual Sim 16.2 Despesas de armazenagem CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.13 Despesas administrativas sim CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.11 Armazenamento Gastos com recepção, secagem, sobretaxa (ou equivalente tarifa) e armazenagem serão computados por apenas 15 dias de armazenagem, expansíveis para mais 15 dias se forem captadas essas informações no painel. Considerado o gasto com energia elétrica, telefone, serviços de contador, radio cominicador, material de consumo, computador, internet, veiculo de passeio e combustivel, assinatura de revistas, jornais, capacitação (viagens hospedagem, pagamento, inscrição, etc) ligadas ao processo produtivo. 3% sobre o total do custeio Gasto Gastos com recepção, secagem, sobretaxa (ou equivalente tarifa) e armazenagem base custo Armazéns Conab. Para culturas que não possuem compras do Governo, este item não é computado Despesas sim, sempre que possível e de acordo com a unidade modal. Valores do gasto coletados em painel para cada item Duas opções: a) somam-se os gastos com recepção, secagem, tarifas extras e armazenamento; ou, b) caso os participantes não dispunham da informação, considera-se o preço líquido recebido na venda da produção. Gastos com recepção, secagem, sobretaxa (ou equivalente tarifa) e armazenagem sim, sempre que possível, mas não é o foco do levantamento. Valores do gasto coletados em painel para cada item Em outras despesas no custo variável Registro não é computado no custo de produção não é computado no custo de produção Sim Duas opções: a) somam-se os gastos com recepção, secagem, tarifas extras e armazenamento; ou, b) caso os participantes não dispunham da informação, considera-se o preço líquido recebido na venda da produção.

22 Comparações individuais DEMAIS ITENS Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? III - DESPESAS FINANCEIRAS Utiliza-se de taxas de juros preferenciais do crédito Média ponderada das diferentes fontes de captação 25 - Juros do Financiamento rural para os recursos dessas linhas e Taxa Selic para as demais fontes de recursos pelos produtores, conforme taxas e participação repassadas pelos produtores Sim CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.9 Juros sim sim sim sim não Juros de custeio computados a partir da época de liberação ou utilização Calculado com base em estimativas de crédito que o agricultor obtém com linhas de crédito rural oficiais e com linhas de crédito de fontes alternativas (próprias ou terceiros), remuneradas de acordo com a origem dos recursos Realiza um fluxo de caixa conforme os ingressos de recursos, desembolsos e datas das operações Utiliza-se de taxas de juros preferenciais do crédito rural para os recursos dessas linhas e Taxa Selic para as demais fontes O montante de captação de recursos leva em conta o que foi desembolsado no ano-safra, considerando as diferenças entre as taxas e volumes captados por cultura não Sim, de acordo com as taxas e percentuais obtidas no painel não Parcialmente. A taxa efetiva leva em conta os juros bases do ano-safra e custos adicionais citados pelos painelistas. sim não Sim, de acordo com as taxas e percentuais obtidas no painel não Parcialmente. A taxa efetiva leva em conta os juros bases do ano-safra e custos adicionais citados pelos painelistas. sim 22

23 Comparações individuais DEMAIS ITENS Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? VI - RENDA DE FATORES Diferencia-se por envolver o valor residual e taxa de 32 - Remuneração esperada sobre o Diferencia-se por envolver, inclusive, o valor inicial juro variável a cada ano, conforme linhas de capital fixo dividido por 2 e taxa de juro de 6% a.a. financiamento específicas para o item em análise Sim 33 - Terra Própria 3% ao ano, rateado em casos de mais de 1 cultivo no ano-safra 34 Arrendamento Se área arrendada, o gasto é custo operacional Equivalente ao arrendamento (CNA) ou uma taxa de juro real anual (AMPA), ponderado pela receita bruta (CNA) ou área cultivada (AMPA) Se área arrendada, o gasto é custo operacional, ponderado pela receita bruta (CNA) CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.1 Máquinas e Implementos Remuneração do Capital Rcap = {[(q*vi/2)/vu]*hstr}*i Rcap = {[q*((vi+vr)/2)/vu]*i}/agric CARPrem = (q*vi)*((1+i)^n)/agric q= Quantidade do bem q= Quantidade do bem q = Quantidade do bem Vi = Valor inicial Vi = Valor inicial Vi = Valor inicial Vu = Vida útil em horas Vr = Valor residual n = Vida útil em anos HsTr = Total de horas trabalhadas por hectare Máquinas e implementos Vu = Vida útil em horas i = Taxa de juros no ano i = Taxa de juros (6% a.a) Agric = Área de cultivo total da propriedade Agric = Área de cultivo total da propriedade i = Taxa nominal de financiamento via Finame/Moderfrota CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.2 Benfeitorias RCap=[(Vi/2)*Tocup*j]/Área Remuneração Capital RCap = {[((Vi+Vr)/2)*j]/Vu}/Agric CARPrem = (q*vi)*((1+i)^n)/agric Vi = Valor inicial Vi = Valor inicial q = Quantidade do bem Tocup = Taxa de Ocupação (% de uso deste bem - Vr = Valor residual Vi = Valor inicial calculado pelo uso de máquinas na cultura) Benfeitorias j= taxa de juros n = Vida útil em anos j= taxa de juros (6%) Vu = Vida útil em anos i = Taxa de juros no ano Aréa = área de cultivo Agric = Área de cultivo total da propriedade Agric = Área de cultivo total da propriedade Sim Sim 23

24 Comparações individuais DEMAIS ITENS Descrição Composição Conab Composição Cepea Efeito nos custos? VI - RENDA DE FATORES Diferencia-se por envolver o valor residual e taxa de 32 - Remuneração esperada sobre o Diferencia-se por envolver, inclusive, o valor inicial juro variável a cada ano, conforme linhas de capital fixo dividido por 2 e taxa de juro de 6% a.a. financiamento específicas para o item em análise Sim 33 - Terra Própria 3% ao ano, rateado em casos de mais de 1 cultivo no ano-safra 34 Arrendamento Se área arrendada, o gasto é custo operacional Equivalente ao arrendamento (CNA) ou uma taxa de juro real anual (AMPA), ponderado pela receita bruta (CNA) ou área cultivada (AMPA) Se área arrendada, o gasto é custo operacional, ponderado pela receita bruta (CNA) CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA 1.15 Remuneração da terra Rter = 3% * Vmt Rter = Arrend*(RBc/RBp) Rter = (terra*tr)/[(agric+pecuária)*aprop] Vmt = preço real médio de venda da terra Arrend = valor pago por hectare/ano terra = valor da terra própria total da propriedade Este valor é anual e, caso houver duas culturas RBc = receita bruta da cultura em análise tr = taxa de juros real no ano-safra no ano, dividi-se por 2 Remuneração da terra RBp = receita bruta da propriedade no ano-safra (verão e inverno) Agric = área cultivada total (verão + inverno) Pecuária = área com pastagem total Aprop = representatividade, em percentagem, da área própria sobre a soma da área própria e arrendada Sim Sim 24

25 Comparações individuais ESTRUTURAS DO IMOBILIZADO E MÃO DE OBRA DA FAZENDA CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA Inventário de Imobilizado e mão de obra Descrição da quantidade, modelo, potência do motor e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, modelo e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, modelo, especificações e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, modelo, especificações e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, categoria trabalhista e remuneração integral recebida pela prestação do serviço, para a fazenda modal Máquinas Veículos Implementos Benfeitorias Mão de obra Descrição da quantidade, modelo, potência do motor e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, modelo e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, modelo, especificações e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, modelo, especificações e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda modal Descrição da quantidade, categoria trabalhista e remuneração integral recebida pela prestação do serviço, para a fazenda modal Descrição da quantidade, modelo, potência do motor e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda em estudo de caso Descrição da quantidade, modelo e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda em estudo de caso Descrição da quantidade, modelo, especificações e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda em estudo de caso Descrição da quantidade, modelo, especificações e valor médio novo na safra em análise, para a fazenda em estudo de caso Descrição da quantidade, categoria trabalhista e remuneração integral recebida pela prestação do serviço, para a fazenda em estudo de caso 25

26 A caracterização inicial da fazenda / cultura são semelhantes entre as instituições 26 CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA sim Obtenção de dados via Painel sim não, via estudos de casos 10 a 15 Nº de participantes mínimo 7 pelo menos 3 fazendas por região Moda do pacote tecnológico na região para a Moda dos pacotes tecnológicos na unidade Unidade produtiva modal cultura em análise produtiva típica da região fazenda produtora de algodão Área total ocupada pela cultura na região, se não, a Área disponível para cultivo na primeira safra - Área disponível para cultivo na primeira safra - Área agricultavel área da cultura no munícipio safra de verão safra de verão Média do tamanho das propriedades em relação ao número de produtores - mas o foco é a cultura Tamanho médio da propriedades Moda das propriedades da região pesquisada Área total de cada fazenda pesquisada x Área de Preservação Permanente (APP) e Reserva Legal (RL) Porcentagem da área referente a APP e RL Porcentagem da área referente a APP e RL Percentual (%) da área própria ou arrendada para Percentual (%) da área própria ou arrendada para Percentual (%) da área própria ou arrendada para Condição da terra plantio plantio plantio Valor da terra em R$/ha Preço da terra Valor da terra em R$/ha Valor da terra em R$/ha Percentual da produção (%), valor em R$/ha, valor por sc/ha ou outra modalidade negociada por hectare Preço do arrendamento Percentual da produção (%), ou valor em R$/ha, ou valor por sc/ha ou outra modalidade negociada por hectare Percentual da produção (%), ou valor em R$/ha, ou valor por sc/ha ou outra modalidade negociada por hectare Ano da safra de plantio Safra Referente ao ano agrícola Referente ao ano agrícola Produtividade média, após eliminar os extremos para o produto objeto do levantamento dos Produtividade Produtividade média da unidade modal Produtividade média da fazenda pesquisada coeficientes técnicos Espaço entre linhas utilizado no plantio Espaçamento entre linhas Espaçamento entre linhas utilizado no cultivo de Espaçamento entre linhas utilizado no cultivo de algodão, especialmente de segunda safra algodão, especialmente de segunda safra Citar culturas e temporalidade da rotação Rotatividade de cultura Registra-se o sistema produtivo no ano agrícola Registra-se o sistema produtivo no ano agrícola Convencional, plantio direto, orgânico, irrigado, sequeiro, cultivo mínimo e outros Sistema de cultivo Convencional, plantio direto, orgânico, irrigado, sequeiro, cultivo mínimo e outros Convencional, plantio direto, orgânico, irrigado, sequeiro, cultivo mínimo e outros

27 Itens como tecnologia, sistema de comercialização e fonte de recursos financeiros podem se diferenciar CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA e CEPEA/AMPA Para culturas semiperenes e permanentes, indicando o tempo e a produtividade de cada ano, quando for o caso Especificar as tecnologias utilizadas pelo produtor de acordo com a classificação alta, média e baixa dadas as suas especificidades Meios e os preços obtidos no processo de comercialização Preços pesquisados pelas Superintendências Regionais da Companhia, à vista Utiliza-se de taxas de juros preferenciais do crédito rural para os recursos dessas linhas e Taxa Selic para as demais fontes Informação coletada no painel ou processo de consulta; a Companhia poderá realizar o levantamento de insumos substitutos e seus coeficientes Vida útil do cultivo Tecnologia Comercialização Preço do diesel Fonte de Recursos de Capital de Giro Pacote tecnológico e coeficientes técnicos Para culturas semiperenes e permanentes, indicando o tempo e a produtividade de cada ano, quando for o caso Identifica as tecnologias utilizadas pelo produtor de acordo com a classificação alta, média e baixa, para ajuste de manejo e produtividade modal Modalidade e participação da modalidade e os preços médios obtidos em cada modalidade Média do preço do diesel posto propriedade na região, para o ano agrícola Identifcam-se as fontes de recursos, a proporção que representa sobre o total (inclusive recursos próprios) e a taxa de juros média efetivas de cada fonte Informação coletada no painel 27

28 Pode haver maior impacto em custos devido às frequências de atualização de coeficientes CONAB DESCRIÇÃO CEPEA/CNA CEPEA/AMPA Duas fontes: painel e dos preços pesquisados pelas Superintendências Regionais da Companhia, à vista, posto fazenda Custo estimado, com atualização bimestral. Coleta de preços Adequação dos custos no tempo Duas fontes: custo do ano-safra, via painel; para estimativas mensais de custos, via coleta própria do CEPEA. Ambos à vista, posto fazenda Levantamento de coeficientes técnicos e preços, via painel, após o final do ciclo produtivo - já será o custo efetivado. Duas fontes: custo do ano-safra, via estudo de caso; para estimativas mensais de custos, via coleta própria do CEPEA. Ambos à vista, posto fazenda Um levantamento em março ou abril, para obtenção de custos efetivos de soja e estimativas de custos de milho e algodão; novo levantamento em setembro para os custos efetivos de milho e algodão Atualização observada de 3 em 3 anos com consultas ao painelistas anual e obrigatória. No caso de mudança no pacote tecnólogico, nova visita poderá ser agendada ou adotar a consulta para o levantamento dos novos coeficientes técnicos Revisão do pacote tecnológico Pacote tecnológico revisto a cada painel, visando obter a realidade de cada ano agrícola Pacote tecnológico revisto a cada ano, visando obter a realidade de cada ano agrícola 28

29 Onde pode haver maior impacto em custos? Atualização do pacote tecnológico: Cepea: todo ano-safra, identificando como foi a safra efetivamente; Conab: a cada três anos, exceto se identificar mudança tecnológica significativa; Propriedade representativa: Cepea: foco no custo de produção da fazenda, com base nos sistemas produtivos Propriedade típica/modal; Estudo de caso: sistemas utilizados em cada fazenda foco do estudo Conab: Moda do pacote tecnológico na região para a cultura em análise; 29

30 Onde pode haver maior impacto em custos? Referências de custos: Cepea: Custo do ano-safra: com base em coeficientes técnicos e preços da safra efetiva; Acompanhamento do custo mensal (hipótese de compra de todos os insumos e venda de toda a produção no mesmo mês): coeficientes técnicos da última safra validade e preços médios mensais, com pagamento à vista; Conab: os custos consideram o último levantamento de coeficiente técnico, mas com preços médios do mês de referência; 30

31 Comparações: Cepea x Conab Quando a Conab divulga custos de uma cultura para um ano-safra, toma como base o último coeficiente disponível e o preço do mês de referência; Ex.: o custo de algodão em Campo Novo do Parecis/MT, divulgado com base em Jan/2014, para a safra 2014/15, na prática se refere ao uso do último coeficiente disponível, com base em preços de janeiro/2014; Obs.: Neste período, ainda estará em desenvolvimento (até mesmo semeio) as lavouras da safra 2013/14; 31

32 Comparações: Cepea x Conab Para o Cepea, em janeiro de 2014, houve um acompanhamento de evolução de custos mensais com base em coeficientes de 2012/13; O custo efetivo da safra 2013/14 só foi calculado e divulgado pelo Cepea no último trimestre de 2014; O custo efetivo da safra 2014/15 (divulgado pela Conab em jan/14) só estará calculado e divulgado pelo Cepea no último trimestre de 2015; 32

33 Comparações: Cepea x Conab Conclusão quanto às comparações: A Conab, na prática, parece estar calculando orçamentos de custos para uma determinada cultura e ano-safra, corroborando os objetivos de definição de políticas públicas ao setor agrícola; Este valor deve ser comparado com a evolução de custos mensais do Cepea (na hipótese de compra de todos os insumos e venda de toda a produção no mesmo mês); Pode haver diferenças expressivas de custos quando se comparam resultados de um mesmo ano-safra entre as instituições, devido aos coeficientes considerados e o período de coleta de preços dos insumos; 33

34 COMPARAÇÕES DE CUSTOS SELECIONADOS 34

35 R$/ha 5.104,20 Custos de anos-safras: Cepea x Conab ALGODÃO SAFRA Barreiras/BA 4.758, , , , , , , , , , ,84 kg/ha algodão em caroço e em pluma ,52 439,57 853,69 601,53 259,69 882,57 685,40 336, ,55 520,73 262,17 143,03 766,90 572, , / / / / / /15 - jan/14 505,64 577,21 622,86 664,87 706, /14 - mai/13 736, /13 - mai/12 475,01 590,58 457, /12 - mai/11 601,53 259,69 283,07 Jan/14 - coef. 2012/13 766,59 685,40 520,73 336,68 336,68 262,17 222,33 196,35 Mai/13 - coef. 2010/11 Mai/12 - coef. 2010/11 CEPEA - PAINEL CONAB CEPEA - ESTIMATIVA CUSTO I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA II - OUTRAS DESPESAS III - DESPESAS FINANCEIRAS IV - DEPRECIAÇÕES V - OUTROS CUSTOS FIXOS VI - RENDA DE FATORES Produtividade 245,27 Mai/11 - coef. 2009/

36 R$ ha Custos de anos-safras: Cepea x Conab ALGODÃO SAFRA Barreiras/BA Produtividade (kg de pluma/ha) R$ ha kg de pluma e/ou em caroço/ha , , , , , , Painel Cepea 2013/14 Conab 2014/15 (jan/14) Cepea jan/ Painel Cepea 2012/13 Conab 2013/14 (Mai/13) Cepea Mai/

37 R$/ha Custos de anos-safras: Cepea x Conab ALGODÃO SAFRA Campo Novo do Parecis/MT 4.972, , , , , , , ,35 kg/ha ,77 593,69 251,23 188,42 281, ,91 533,78 413, , / / /15 - jan/14 479,75 567,64 331,17 374,75 942,80 774, /14 - mai/ /13 - mai/ ,96 300,67 169,08 388,80 235,75 Jan/14 - coef. 2012/ ,13 Mai/13 - coef. 2011/12 CEPEA - AMPA CONAB CEPEA - ESTIMATIVA CUSTO I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA II - OUTRAS DESPESAS III - DESPESAS FINANCEIRAS IV - DEPRECIAÇÕES V - OUTROS CUSTOS FIXOS VI - RENDA DE FATORES Produtividade 305,49 238, ,72 Mai/12 - coef. 2010/

38 R$ / ha Custos de anos-safras: Cepea x Conab ALGODÃO SAFRA Campo Novo do Parecis/MT Produtividade (kg/ha) R$ / ha Produtividade (kg/ha) , , , , , , , , , , , , Cepea/AMPA 2013/14 Conab 14/15 (jan/14) Cepea jan/14 Cepea/AMPA 2012/13 Conab 13/14 (Mai/13) Cepea Mai/

39 Custos de anos-safras: Cepea x Conab SOJA Sorriso/MT 39

40 Custos de anos-safras: Cepea x Conab SOJA Sorriso/MT 40

41 Custos de anos-safras: Cepea x Conab SOJA Carazinho/RS 41

42 Custos de anos-safras: Cepea x Conab SOJA Carazinho/RS 42

43 Custos de anos-safras: Cepea x Conab MILHO VERÃO Carazinho/RS 43

44 Custos de anos-safras: Cepea x Conab MILHO VERÃO Carazinho/RS 44

45 Custos de anos-safras: Cepea x Conab MILHO 2ª SAFRA Rio Verde/GO 45

46 Custos de anos-safras: Cepea x Conab MILHO 2ª SAFRA Rio Verde/GO 46

47 PARA FINALIZAR... 47

48 Considerações gerais O Cepea possui acompanhamento do custo efetivo em cada ano-safra, considerando os preços dos insumos e a base tecnológica de cada safra; Com isso, obtém o custo de fechamento de cada ano-safra, com base nos levantamentos de campo realizados; Analisa-se a evolução dos custos efetivos e as mudanças tecnológicas a cada ano-safra; Avalia-se a rentabilidade efetiva em cada ano-safra; Mantida a última tecnologia disponível (obtida no painel anual), o Cepea efetua a evolução mensal de custos, considerando variações apenas nos preços dos insumos; Representa uma evolução da inflação de custos, para a última tecnologia disponível, que pode ser uma indicação da tendência para a safra seguinte. 48

49 Considerações gerais Comparando os custos entre as instituições para o período adequado, em que os coeficientes técnicos e preços podem se equivaler, os custos totais tendem a ser próximos: Ex: Comparações de custos da safra 2013/14 do painel Cepea (divulgado no último trimestre de 2014), com a estimativa de custos divulgada em jan/14 pela CONAB e com estimava de custos CEPEA divulgado em jan/14 (coeficientes de 2012/13); O item produtividade parece ter divergências expressivas entre as metodologias das instituições, o que pode afetar o cálculo do custo unitário; 49

50 Considerações gerais Ao comparar cada item do custo, os valores podem se divergir dado a estrutura metodológica, mas no custo total pode haver convergência. Notam-se mudanças tecnológicas expressivas nas culturas a cada ano, indicando a importância de se realizar painéis e/ou estudos de casos anuais. 50

51 DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA MATERIAL DESENVOLVIDO CONJUNTAMENTE ENTRE AS DUAS INSTITUIÇÕES. FINALIZADO EM ABRIL DE Sugestões podem ser encaminhadas para: Lucilio Alves Asdrúbal Jacobina

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014 MATO GROSSO - Janeiro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 257.129 1.458.698 519.693 170.289 601.101 3.006.910 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.049,89 R$ 1.141,83 R$

Leia mais

METODOLOGIA E RESULTADOS DO LEVANTAMENTO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DE ARROZ IRRIGADO

METODOLOGIA E RESULTADOS DO LEVANTAMENTO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DE ARROZ IRRIGADO METODOLOGIA E RESULTADOS DO LEVANTAMENTO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DE ARROZ IRRIGADO Maria Aparecida Nogueira Serigatto Braghetta Equipe Projeto Arroz Cepea/Esalq-USP Economista e Mestre em Direito Ambiental

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013 MATO GROSSO - Novembro/2013 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.344.084 3.224.679 1.686.704 641.603 1.774.382 8.671.453 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.007,21 R$ 1.530,19

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012 MATO GROSSO - Outubro/2012 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.208.516 3.159.861 1.615.657 617.912 1.747.076 8.349.020 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.190,90 R$ 1.178,31

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS LEVANTAMENTO REALIZADO POR FARSUL/CEPEA 19/05/2014 PROPRIEDADE TÍPICA: MUINCÍPIO DE CRUZ ALTA Característica da Propriedade: 44 ha Reserva Legal

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ Temas a serem tratados: Custos de Produção 2015 e Orçamentação para 2016 Proposta de Projeto de Lei com estabelecimentos de critérios em Lei; Mecanismos de Comercialização

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 ISSN 2176-2864, Versão Eletrônica Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 75 As estimativas dos custos e lucros de produção de uma determinada atividade agropecuária

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO 1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO Atualizado em 07-abr-2014 Este documento refere-se às instruções de preenchimento do cadastro de usinas para o levantamento de custos de produção de cana-de-açúcar,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 Nº I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, 23-2010 DESTAQUES Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 - Limites para custeio

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL

GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL Janielen Pissolatto Deliberal (UCS ) janipst@yahoo.com.br Denize Grzybovski (UPF ) gdenize@upf.br Marcia Rohr da Cruz (UCS )

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS Aline de Souza Malavazi (PG UEM) Dayane Eiko Fugita ( PG UEM) Paulo Moreira da Rosa, Dr. (UEM) Resumo Devido às novas complexidades

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

MENSURAÇÃO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE ARROZ IRRIGADO NO RIO GRANDE DO SUL SAFRA 2014/2015. Tiago Sarmento Barata Ramiro Toledo

MENSURAÇÃO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE ARROZ IRRIGADO NO RIO GRANDE DO SUL SAFRA 2014/2015. Tiago Sarmento Barata Ramiro Toledo MENSURAÇÃO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE ARROZ IRRIGADO NO RIO GRANDE DO SUL SAFRA 2014/2015 Tiago Sarmento Barata Ramiro Toledo Conhecimento do custo de produção Profissionais X amadores Avaliação da viabilidade

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR Por João Paulo Bernardes Deleo e Álvaro Legnaro Colaboração: Carlos Alexandre Almeida e Jefferson Luiz de Carvalho

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

Alimentos Saudáveis para o Brasil

Alimentos Saudáveis para o Brasil Agricultura Familiar: Alimentos Saudáveis para o Brasil Plano Safra 2015/2016 Mais proteção para quem produz Novo seguro de renda Cobertura de até 80% da receita bruta esperada Limites de cobertura triplicados:

Leia mais

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010 Grupo II Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e setorial da indústria brasileira de bens de capital FEVEREIRO DE 2010 1 Objetivo O presente trabalho se propõe a mensurar o Custo Brasil,

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015 1. Introdução O Crédito Rural abrange recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização. As suas regras, finalidades e condições estão estabelecidas no Manual de Crédito Rural (MCR), elaborado

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS

O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS 1. INTRODUÇÃO Este texto visa apresentar uma metodologia para o cálculo do custo total de produção de produtos

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB

METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB Capítulo 2 ASPECTOS METODOLÓGICOS O método de cálculo adotado pela CONAB busca contemplar todos os itens de dispêndio, explícitos ou não, que devem

Leia mais

Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP

Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP Custo de Produção Gerência de Custos de Produção- GECUP GECUP Produtos Estimativas de custos de produção da agropecuária, atualizados bimestralmente; Análise do mercado de insumos e de fatores de produção;

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR CURITIBA

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Informe nº 4 Informações sobre a renda familiar do Cadastro Único O que é o Programa de Fomento? O Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999 GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999 Autores : Engº Agrº Milton S. Matsushita Engº Agrº Odílio Sepulcri Méd. Vet. Luiz Augusto Pfau EMATER Paraná Vinculada à Secretaria da Agricultura

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento Ações Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de 2014 com Relatório dos Auditores

Leia mais

Apresentação. Mauro Celso Zanus Chefe Geral Embrapa Uva e Vinho

Apresentação. Mauro Celso Zanus Chefe Geral Embrapa Uva e Vinho Morango Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Uva e Vinho Rua Livramento, 515. Caixa Postal 130. CEP: 95700-000 Bento Gonçalves, RS, Brasil. Fone: (0xx)54 3455-8000 / Fax: (0xx)54

Leia mais

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Muito embora os resultados financeiros da Companhia sejam divulgados no calendário de ano-civil (ex. o primeiro trimestre divulgado compreende o

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária

Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária Antonio Flavio Dias Avila INPE, São José dos Campos, 12 de julho de 2006 Avaliação dos impactos da pesquisa da Embrapa: multidimensionalidade

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP - 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP - 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP - 2009 TRABALHO DE AVALIAÇÃO Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma análise da avaliação de áreas de imóveis

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE CASA DE FARINHA COMO OPÇÃO DE RENDA PARA OS REASSENTADOS DO REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO Abril de 2013 1 SUMÁRIO execução: INTRODUÇÃO

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. Política de Crédito; 2. Limites em contas produção; 3. Seguro de Produção; 4. Comentários gerais. 1. POLÍTICA DE CRÉDITO 1.1 Comentários

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011.

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Instituição Comunitária de Crédito de Londrina Casa do Empreendedor, em operação desde 18/11/1997, é uma

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00 13/2 15/2 17/2 19/2 21/2 23/2 25/2 27/2 1/3 3/3 5/3 7/3 9/3 11/3 13/3 15/3 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão PREÇOS CAEM: Assim como no cenário de âmbito

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I VOLUME I I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário previsto no art. 7o, 4o, desta Lei; 4 VOLUME I II - Recursos destinados

Leia mais