OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA"

Transcrição

1 OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA EDISON JOSÉ USTULIN Presidente da Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar

2 1. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil aconselha os fornecedores de cana a produzirem e administrarem a sua própria produção de cana-de-açúcar pelos motivos expostos abaixo: Probabilidade de obterem lucro maior por área utilizada; Aproveitamento racional da infra-estrutura de veículos, máquinas e equipamentos existentes; Aproveitamento da mão-de-obra familiar e de empregados efetivos e formalizados; Possibilidade de agregar receitas com rotação de oleaginosas; Possibilidade de operar no mercado spot; Liquidez imediata no caso de venda da propriedade por preços reais de mercado; Possibilidade de mudança de cultura em caso de frustrações de preços; Pulverização das compras de insumos e produtos em geral no comércio local e regional Contribuição para redução da concentração de renda; Participação ativa no processo de evolução do setor em todos os aspectos; Socialmente correto;

3 2. FORMAS DE PARCERIA AGRÍCOLA É preciso esclarecer que na parceria agrícola, o parceiro proprietário é importante para o Agroindustrial e vice-versa e que em princípio, esse relacionamento deve ser de longo prazo, portanto, as negociações devem ser transparentes, respeitosas, seguras, racionais, recíprocas, flexíveis, que satisfaça as partes e que após concluídas devem ser irretratável e irrevogável. Cada caso é um caso, cada contrato é um contrato, cada Usina é uma Usina, variando também de região para região e de Estado para Estado, portanto vamos descrever de uma maneira genérica como funcionam. Os contratos são complexos, individuais, particulares, peculiares, distintos e secretos, cabendo as partes seu cumprimento. O mais usual é o de parceria agrícola._ Recebimento pelo CONSECANA. Normalmente utiliza-se o numero de ATR da cana padrão, ou seja, 121,96Kg/ATR/Ton. Utiliza-se mais índices físicos fixo por unidade de área.

4 Exemplo: x ton/ha. - Recebimento: usa-se mais recebimento mensal; - Não responderá, o proprietário, por empréstimo de qualquer espécie, aval, hipoteca, etc; - Prazo, normalmente de 6 a 7 safras, podendo ser também de 12 a 14 safras; - O recebimento passa a valer no mês subseqüente a assinatura do contrato em data previamente ajustada; - Normalmente carreadores, estradas, etc, fazem parte da área útil a ser explorada, objeto do contato; - Vencimento do contrato: normalmente o proprietário comunica a Usina com 6 meses de antecedência ao termino do contrato, caso não haja mais interesse em arrendar; - Em caso de venda da área objeto da parceria, a unidade industrial tem preferência na compra. A manifestação da desistência da compra deve ser por escrito. O novo proprietário, por força do contrato, deve ser fiel ao mesmo; - Isenção de responsabilidade e ônus sobre incêndios controlados, acidentais, criminosos e de suas conseqüências em relação ao meio ambiente, terceiros, e a quebra de produção. - Isenção de responsabilidade e ônus sobre encargos trabalhistas, previdenciários, sociais, etc; - Pode-se constar que a exploração deve ser dentro dos aspectos tecnológicos modernos, evitando-se erosões, respeitando-se o meio ambiente, áreas e vegetação de vizinhos, volatividade de defensivos, contaminação de açudes, rios, etc.

5 3. OS VALORES DE ARRENDAMENTO BASEIAM-E NO SEGUINTE: _ Necessidade de cana; _ Distância da Usina; _ Topografia; _ Tipo de estrada; _ Distância da área á estrada municipal, asfalto, etc. _ Tipo de vegetação existente. _ Numero de anos a explorar no contrato. _ Tipo de solo. _ Infra-estrutura de apoio próximo, ou seja, cidade, vila, etc, que possa contar com a mão de obra. _ Recurso de água para irrigação. _ Tamanho da área. _ Formato e distribuição da área. _ Próximo de cidades, reservas florestais, redes de alta tensão, etc. _ Relacionamento proprietário da Terra/Usina. _ Proximidade de outra Usina. _ Falta de terra disponível ou não, etc.

6 4. MODALIDADES DE PARCERIA AGRICOLA PARCERIA POR TONELADA DE CANA O proprietário da Terra deve insistir pela modalidade de Parceria Agrícola e não arrendamento. O recebimento é pelo valor do kg de ATR médio ponderado da Unidade Industrial, do grupo ou do Estado (depende da Usina), acumulado da safra. Supondo-se que o numero de quilograma de ATR por tonelada de cana média ponderada da safra seja de 149,00 kg/atr/ton. Conclui-se que 121,96kg/ATR/ton equivale a 81,85% de 149,00kg/ATR/ton. Portanto, ao fazer a Parceria Agrícola, tem-se que levar em consideração que estará recebendo, em média, em torno de 18% a menos que o preço normal de mercado. O Parceiro Proprietário, ao negociar suas terras,deve acrescentar no número de toneladas por hectares esses 18% a mais, conforme o exemplo acima formulado. Se o Parceiro Proprietário achar que suas terras valem 17ton/ha e na verdade ira receber, em média 18% a menos, deverá forçar essa parceria para 18% a mais por hectare, ou seja, em torno de 17+18%= 20ton/ha.

7 Os números que normalmente pagam, a não ser que haja acordos de adiantamento de dinheiro ou outros acordos, são os seguintes: De 10 ton/ha a 30 ton/ha, ficando a média em mais ou menos 15/20/ton/ha, fundamentado em n variáveis conforme relatado. A vantagem do CONSECANA é que ele acompanha os preços do mercado e a incorporação de produtos e subprodutos que acarretarão alterações nas formulas futuras de recebimento. O CONSECANA/SP considera em média 16,5ton/ha o custo de arrendamento. Como o preço da terra é alto, se não remunerar o capital adequadamente, ninguém irá fazer parceria, daí também a responsabilidade de ter um preço ótimo pela cana. Geralmente é descontado na fonte, dos valores a serem recebidos pelos parceiros proprietários, as taxas e impostos de lei, ou seja: INSS= 2,3% Lei 4870/65= 1% artigo 36 e 1,5% artigo 64.

8 Taxas para manutenção do Departamento técnico e CONSECANA, definida pela AGE. Taxas de Cooperativas Agropecuárias ou outras taxas quando previamente negociado com Usinas, respaldadas por AGE. O Imposto de Renda, ITR, Contribuição Sindical são pagos diretamente pelo proprietário rural. Há Usinas que negociam número de kg/atr/ton diferente, ou seja: - 109,19 kg/atr/ton= não aceitável ,96 kg/atr/ton= aceitável ,00 kg/atr/ton= correto. - Valor cheio, ou seja, pelo numero ponderado do fechamento da safra da Usina ou Estado (numero/kg/atr/ton/final), o que também é correto, e o mais recomendável pela CNA. Esse sistema pode variar de safra para safra, porém tem a vantagem de acompanhar a evolução tecnológica da cana em termos da sua riqueza em açúcar por tonelada. Estamos usando nos exemplos 149 kg/atr/ton, sendo que a curto/médio prazo podemos atingir 170 kg/atr/ton, em media acumulado da safra.

9 4.2 PARCERIA AGRÍCOLA POR PORCENTUAL DE PRODUÇÃO. Alguns proprietários de terras aceitam ou exigem que seja por produção sobre a área objeto da parceria. Os riscos residem na adversidade climática e na não utilização de tecnologia de ponta e manejo correto pela Unidade Industrial, comprometendo a qualidade da matéria prima, reduzindo o numero de kg/atr/ton, reduzindo também a produtividade e conseqüentemente a produção. Os indicadores nessa modalidade podem variar muito, mas tem sido feito, de acordo com as características da propriedade em torno de 20/25% da produção.

10 4.3. PARCERIA POR VALOR FIXO POR HECTARE CORRIGIDO PELA INFLAÇÃO. Não é normal esse tipo de negócio. Numa flutuação grande de preços, tanto da terra como do produto negociado, cana de açúcar, poderá haver um grande descompasso PARCERIA PARA RECEBIMENTO EM EQUIVALENCIA PRODUTO QUE NÃO A CANA- DE- AÇÚCAR. Existe casos isolados desse tipo de negociação, para recebimento em equivalência produto de soja, arroba de boi, caixa de laranja, etc.

11 5. FORMAS DE PAGAMENTO PELA PARCERIA A forma de pagamento pela cana não consta do CONSECANA, portanto, a negociação é livre entre as partes, porém convencionou-se a pagar da seguinte forma, o que é seguido por um numero considerável de Usinas: -Paga-se 80% como adiantamento, descontando-se as taxas. -No dia 15 de dezembro faz-se um ajuste fundamentado no valor do kg do ATR do mês de novembro, pagando-se os 85% corrigidos. -Em 15 de janeiro paga-se 90% corrigido pelo valor do kg/atr do mês de dezembro. -Em 15 de fevereiro paga-se 95% corrigido pelo valor do kg/atr do mês de janeiro. - Em 15 de março paga-se 100% corrigido pelo valor do kg/atr do mês de fevereiro. - - E em 15 de abril paga-se o remanescente corrigido pelo valor do kg/atr do mês de março. - Isto vale para parceiros que assim optarem e para fornecedores de cana propriamente dito.

12 6. PARCERIAS COM OPCÃO PARA RECEBER EM AÇÚCAR E/OU ÁLCOOL ANIDRO E/OU ÁLCOOL HIDRATADO ART- Açúcar Recuperável Total A qualidade ou riqueza em açúcares contidos na cana, ou seja, todos os açúcares contidos na cana, sacarose e açucares redutores (glicose e frutose) denomina-se ART, conforme estabeleceu o CONSECANA/SP, Conselho dos Produtores de Cana- de Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo ATR- Açúcar Total Recuperável São todos os açúcares contidos na cana (sacarose, glicose e frutose) e que são passíveis de serem recuperados no processo normal da Indústria, portanto, são os açúcares efetivamente recuperado. A diferença entre o ART entrado e ATR saído são as perdas industriais que ocorreram no processo e que para o Estado de São Paulo acordou-se como sendo de 9,5%.

13 6.1 ÁLCOOL HIDRATADO Supondo-se que a média ponderada de ATR entregue na safra foi de 149,00 quilogramas de ATR por tonelada de cana. Estabeleceu-se, através de fórmulas, que para produzir um litro de álcool hidratado precisa-se de 1,6913 kg/atr, portanto: 149,00 1,6913= 88,09 litros de álcool hidratado por tonelada de cana. Estabeleceu-se, fundamentado nos custos agrícolas e industriais que a participação média da matéria prima (cana- de- açúcar) nos custos finais de produção de álcool é igual a 62,10%. Portanto: 88,09x62,10%= 54,70 litros de álcool hidratado por tonelada de cana, em média, que é o custo equivalência produto da matéria prima. A diferença de 88,09-54,70= 33,39 litros de álcool hidratado que é o custo de processamento de 1 ton de matéria prima. 100,00%-62,10%= 37,90%

14 Como exemplo, um Fornecedor de Cana que entregou a cana com 149,00 kg/atr/ton, se fosse receber em equivalência produto de álcool hidratado receberia 54,70 litros. As perdas industriais ao nível de 9,5% e os custos industriais nesse processo ao nível de 37,90%, em média, não retrata isso nas Usinas/Destilarias modernas. Portanto, é possível considerar a participação da matéria prima em uma Unidade Industrial moderna ao nível de dois terços ou 66% a 70%. Nesse caso o fornecedor de cana receberia 88,09x70%= 61,66 litros/ton. Supondo-se que o Parceiro Proprietário, em media, recebesse 20/25% da produção, em equivalência produto ou em produto, temos: 88,09x20%= 17,62 litros/ton/cana ; 88,09x25%= 22,02 litros/ton/cana Se em sua terra é possível conseguir uma produtividade média de 85 ton/ha, teríamos: 17,62x85= 1.497,70 litros/ha ; 22,02x 85= 1.871,70 litros/ha Outro raciocínio seria: 85ton/ha x 88,09= 7.487,65 litros/ha 7.487,65 x 25%= 1871,70 litros/há É possível que o parceiro proprietário receba 30% da produção? Sim, em negociação tudo é possível para mais ou para menos.

15 RISCO EM FIXAR PARCERIA EM ÁLCOOL: Dentro de poucos anos, com a produção do álcool celulósico ou hidrolise do bagaço, da palha e da ponta, variedades transgênicas, incorporação de subprodutos como o bagaço na cogeração de energia, irrigação, avanços tecnológicos na área agrícola e industrial, podemos chegar a produzir /20.000/ litros de álcool/ha. Daí que as parcerias devem ser curtas, 6/7 safras.

16 6.2. ÁLCOOL ANIDRO Supondo-se que a média ponderada de ATR entregue na safra foi de 149,00 kg/atr/ton. Estabeleceu-se, através de fórmula, que para produzir 1 litro de álcool anidro precisa-se de 1,7651 kg de ATR, portanto: 149,00 1,7651= 84,41 litros de álcool anidro por tonelada de cana. Participação média da matéria prima nos custos finais de produção de álcool é igual a 62,10%. Portanto 84,41 x 62,10= 52,42 litros de álcool anidro por ton de cana (equivalência produto), em media. A diferença de 84,41-54,42= 31,99 litros de álcool anidro que é o custo de processamento da matéria prima. 100,00%-62,10%= 37,90% Supondo-se que o Parceiro Proprietário negociou a 25% em media, em equivalência produto, temos: 84,41 x 25%= 21,10 litros/ton/cana 85 ton/ha x 21,10 litros/ton= 1.793,50 litros /ha

17 6.3. AÇÚCAR CRISTAL Supondo-se que a media ponderada de ATR entregue na safra foi de 149,00 kg/atr/ton. Estabeleceu-se, através de fórmulas, que para produzir 1 kg de açúcar cristal precisa-se de 1,0495 kg/atr. Portanto: 149,00 1,0495= 141,97 kg de açúcar cristal por tonelada de cana. Participação media da matéria prima nos custos finais de produção de açúcar cristal = 59,5%. Portanto: 141,97 x 59,5%= 84,47 kg de açúcar cristal por ton/cana que é o custo equivalência produto da matéria prima. A diferença de 141,97 84,47= 57,50 kg de açúcar cristal é o custo de processamento de 1 ton de matéria prima. 100,00% - 59,50= 40,50% Supondo-se que o parceiro proprietário negociou, em media, a 25% da produção, temos: 141,97 x 25%= 35,49 kg/ton Supondo-se que suas terras produzam 85 ton/ha, em media, para 5 cortes, temos: 85 ton/ha x 35,49 kg/ton= 3.016,66 kg/ha 3.016,66 50 kg/saca= 60,33 sacas/ha

18 7. VALOR A RECEBER PELA CANA, PELO ÁLCOOL E AÇÚCAR É feita uma ponderação pelos preços praticados no mercado interno e externo, deduzindo-se os impostos, pelo MIX de produto produzido pela Unidade Industrial, pela curva de comercialização desses produtos e pela qualidade da matéria prima entregue. Para o Parceiro Proprietário que negociou em equivalência produto, já houve a fixação previamente, portanto, a matéria prima não entra no cálculo.

19 AÇÕES E CONQUISTAS DA COMISSÃO NACIONAL DE CANA-DE-AÇÚCAR DA CNA

20 CONQUISTAS DA COMISSÃO 1) Avaliação e acompanhamento de preços e produção da safra de cana-de-açúcar pela Comissão. A divulgação e as discussões na Comissão é referência para os órgãos do executivo para dimensionar suas políticas para setor sucroalcooleiro. 2) Fortalecimento do modelo de autogestão do setor e das formas de remuneração do produtor de cana. As reuniões e encontros que a Comissão Nacional de Cana-de-açúcar realizou com as entidades governamentais e empresariais teve resultados no fortalecimento do Conselho de Produtores de Cana, Açúcar e Álcool CONSECANA, bem como, na sua atualização, ou seja, na mudança da fórmula de remuneração da tonelada da cana em ATR, no ano de 2006; 3) A participação na Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar e do Álcool do Ministério da agricultura, Pecuária e Abastecimento. A participação da Comissão no Grupo Técnico da Cana da Câmara tem fortalecido a posição do setor produtivo dentro da cadeia para criação de políticas públicas para o setor. 4) Aumento do crédito de custeio de R$ 100 mil para R$ 200 mil: O aumento de recursos para custeio de safra de cana vai refletir diretamente no aumento da área de cana-de-açúcar e também no número de produtores beneficiados. De acordo com perfil dos produtores de cana, na região Centro-Su, tais valores vão beneficiar, cerca de 91% dos produtores da cana, principalmente os pequenos e médios produtores de cana. Na região Norte-Nordeste, os valores beneficiarão, da mesma forma, 98,5% do total de produtores, formados por pequenos e médios produtores. No Brasil, estes recursos vão beneficiar mais de 90 % do total dos produtores independentes e cerca de 40% da produção de cana dos produtores independentes.

21 CONQUISTAS DA COMISSÃO 5) Cana-de-açúcar foi incluída no programa de seguro agrícola governamental com o percentual de subvenção ao prêmio de 30%, até o limite de R$ 32 mil: A produção de cana-de-açúcar nunca foi alvo de interesse das empresas seguradoras. Contudo, alguns fatos têm ocorrido recentemente na produção que tornaram necessários a utilização mecanismo de proteção contra perdas. Podemos citar no caso o Estado de São Paulo com os sinistros ocorridos devido a incêndio criminoso e acidental. Em outras regiões como a do Nordeste existe a necessidade de tal prevenção em função das mudanças climáticas que vem provocando sucessivas secas e conseqüentemente perdas econômicas na atividade canavieira. 6) Autorização para o financiamento de unidades industriais de álcool, açúcar, biodiesel para produtores de cana em cooperativas pelo Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária (PRODECOOP). Tal reivindicação já foi autorizada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) está aguardando regulamentação pelo BNDES. O objetivo do programa é fortalecimento da atividade canavieira do produtor independente com a implementação de ações que permitam alavancar e agregar valor à produção de cana-de-açúcar, onde fornecedores em cooperativas possam instituir destilaria de álcool, em resposta ao aumento potencial da demanda de álcool tanto no mercado interno como no externo. 7) Autorização para operações de investimento em implantação de lavoura de cana-de-açúcar pela linha de financiamento BNDES Automático. Apesar de da reivindicação não aparecer no Plano Agrícola e Pecuário 2006/2007, será atendida nesta safra. O BNDES, por solicitação da Comissão, já está financiando a fundação de lavoura de cana pelo modelo do BNDES automático para o produtor independente com contratos pré-estabelecidos de fornecimento de cana para novas unidades industriais e também para as que comprovadamente estiverem com capacidade ociosas de moagem.

22 CRÉDITO: INVESTIMENTO AÇÕES DA COMISSÃO PARA ) Na avaliação de empréstimos do BNDES para novas unidades industriais de álcool e de açúcar leve-se em conta a participação de produtores independentes de cana-de-açúcar no fornecimento de matéria-prima para o processo produtivo do álcool e do açúcar. COMERCIALIZAÇÃO/TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO 2) CPR de álcool para fornecedor de cana-de-açúcar com taxa de juros equalizáveis com recursos da Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (CIDE) 3) Redução do IPI para açúcar 4) Elaboração de cartilha contendo informações para o produtor de cana-de-açúcar sobre contratos do Consecana; Contratos de Arrendamento, parceria e trabalhista. 5) Tornar obrigatória os descontos e repasse das taxas Conveniadas e Assistência Técnicas das Associações de Cana-de-Açúcar 6) Regulamentação do setor. 7) Estudo sobre acompanhamento dos custos e preços Consecana pela FGV Brasil. 8) Parceria com Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT/Finep) para estudar a viabilidade técnica e econômica de microdestilarias.

23 OBRIGADO! ENDEREÇO: SGAN QUADRA 601 LOTE K BRASÍLIA DF BRASIL CEP: TEL: (55.61)

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A Edição nº 20 maio de 2011 EDIÇÃO ESPECIAL DE FECHAMENTO SAFRA O Informe Especial da Canaoeste tem como objetivo, transmitir aos associados todas as informações relevantes da safra 2010/2011, encerrada

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO 1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO Atualizado em 07-abr-2014 Este documento refere-se às instruções de preenchimento do cadastro de usinas para o levantamento de custos de produção de cana-de-açúcar,

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Cédula de Produto Rural -

Cédula de Produto Rural - Renda Fixa Cédula de Produto Rural - CPR Cédula do Produto Rural Comercialização de produtos do agronegócio com recebimento antecipado O produto A Cédula do Produtor Rural é um título de crédito lastreado

Leia mais

Açúcar Relatório de Mercado Março de 2014 MERCADO INDUSTRIAL

Açúcar Relatório de Mercado Março de 2014 MERCADO INDUSTRIAL Açúcar MERCADO INDUSTRIAL PRODUÇÃO CANA, AÇÚCAR E ETANOL As unidades produtoras do Centro-Sul processaram 149.271 toneladas de cana-de-açúcar na primeira quinzena de fevereiro, volume 3,8% menor ante as

Leia mais

8 Cálculo da Opção de Conversão

8 Cálculo da Opção de Conversão 83 8 Cálculo da Opção de Conversão Uma usina de açúcar relativamente eficiente pode produzir 107 kg de açúcar a partir de cada tonelada de cana processada, da qual também é produzida obrigatoriamente uma

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

ANEXO II. FORMAÇÃO DO P REÇO DA CANA DE AÇÚCAR E FORMA DE P AGAMENTO

ANEXO II. FORMAÇÃO DO P REÇO DA CANA DE AÇÚCAR E FORMA DE P AGAMENTO ANEXO II. FORMAÇÃO DO P REÇO DA CANA DE AÇÚCAR E FORMA DE P AGAMENTO TI TULO I DA METODOLOGI A DE FORMAÇÃO DO P REÇO FI NAL DA CANA DE AÇÚCAR Art. 1º O preço da cana de açúcar será calculado utilizando

Leia mais

DERAL-Departamento de Economia Rural A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO

DERAL-Departamento de Economia Rural A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO PROGNÓSTICO 2014/15 Maio de 2014 A previsão ao setor sucroalcooleiro no Paraná é de um pequeno crescimento ao longo da safra 2014, confirmando a recuperação ocorrida

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB)

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) 1. Biodiesel no Brasil No Brasil, biodiesel é o biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a utilização de recursos das exigibilidades de aplicação em crédito rural oriundos da poupança rural e dos depósitos a vista para financiamentos destinados à liquidação de dívidas de produtores

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 Possibilidade de Comercialização de Arroz no Mercado Futuro Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 1 Estrutura

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 01 O PROBLEMA ECONÔMICO Recursos Limitados versus Necessidades Ilimitadas A Economia é a área

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Negócios com Cooperados Portal de Crédito, Esteira BB e BB Convir

Negócios com Cooperados Portal de Crédito, Esteira BB e BB Convir Novembro de 2015 Sumá 2 Gerência de Negócios com Cooperativas Carteira de Crédito Agro BB Evolução do Crédito Cooperativas Desembolso de Crédito Cooperativas Participação do BB no Crédito Agro Cooperativas

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 Seminário Investimentos em Biodiesel Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 BANCO DO BRASIL Painel: Linhas de Investimento e Custeio BB Biodiesel BB Biodiesel Finalidade Financiamento: acusteio; ainvestimento;

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RISCO DO INVESTIMENTO NO SEGMENTO DA CONSTRUÇÃO

AVALIAÇÃO DO RISCO DO INVESTIMENTO NO SEGMENTO DA CONSTRUÇÃO SUPRICON AVALIAÇÃO DO RISCO DO INVESTIMENTO NO SEGMENTO DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES PARA LEITURA DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO INVESTIMENTO 1/9 Supricon-Sistemas Construtivos Ltda www.supricon.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

O Investimento Proposto

O Investimento Proposto O Investimento Proposto 1 IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL VISIBILIDADE DO EMPREENDIMENTO Os pontos fundamentais a serem observados para efeitos de estudos de viabilidade serão 1 - Localização; 2 - Valor básico

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 240 de 2619 ESPELHO DE S DE ACRÉSCIMO DE META 1 DESAFIO 7 Reduzir as desigualdades regionais e intra-regionais com integração das múltiplas escalas

Leia mais

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM. Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18 Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.BR Agronegócio Brasileiro: Cana-de-açúcar O que será do Brasil

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais

BIODIESEL COMO FONTE ALTERNATIVA DE ENERGIA ELÉTRICA: ESTUDO DO ÓLEO DE DENDÊ

BIODIESEL COMO FONTE ALTERNATIVA DE ENERGIA ELÉTRICA: ESTUDO DO ÓLEO DE DENDÊ 1/6 Title BIODIESEL COMO FONTE ALTERNATIVA DE ENERGIA ELÉTRICA: ESTUDO DO ÓLEO DE DENDÊ Registration Nº: (Abstract) 222 Company UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Authors of the paper Name Country e-mail

Leia mais

Demonstrativos Contábeis OCB/RJ

Demonstrativos Contábeis OCB/RJ Demonstrativos Contábeis OCB/RJ Balanço Patrimonial (em R$) ATIVO Circulante Caixa Bancos Creditos a Receber Adiantamento a Terceiros Não Circulante Comodatos Investimentos Imóveis 10.887,19 738,37 3.548,82

Leia mais

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO 1 CONTEÚDO RESUMIDO Elaboração e Apresentação Professor: Edison Küster MST. KÜSTER, Edison; Fabiane Christina Küster; Projetos Empresariais - Elaboração e Análise de Viabilidade - Editora Juruá, Curitiba

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais

Proposta de planilha para projeção de pagamento de cana futura conforme normas do CONSECANA-SP

Proposta de planilha para projeção de pagamento de cana futura conforme normas do CONSECANA-SP Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Proposta de planilha para projeção de pagamento de cana futura conforme normas do CONSECANA-SP Willian Vinicius Benelli (UEL) - willianbenelli@terra.com.br Paulo Arnaldo

Leia mais

Resumo Quinzenal do Biodiesel

Resumo Quinzenal do Biodiesel Tel: (21) 3547-1539 / (21) 9565-0444 Resumo Quinzenal do Biodiesel 16/06 à 30/06/11 Este relatório é confidencial e de uso exclusivo do destinatário, e não pode ser enviado ou compartilhado com terceiros

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Alexandre de Souza Correa¹; Jaylton Bonacina de Araujo² UFGD/FACE Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra

A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra O Arrendamento Rural e a Parceria Agrícola, Pecuária, Agro-Industrial e Extrativa a cada dia ganham mais importância em nosso meio tendo em vista

Leia mais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Informe nº 4 Informações sobre a renda familiar do Cadastro Único O que é o Programa de Fomento? O Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Leia mais

POR QUE FAZER O PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL NO CEARÁ?

POR QUE FAZER O PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL NO CEARÁ? POR QUE FAZER O PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL NO CEARÁ? 1 1. Necessidade de modernização das propriedades rurais; 2. Necessidades de novas lideranças; 3. Necessidade de visão empresarial; 4. Baixa auto-estima

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

ESTRUTURA SOCIETÁRIA

ESTRUTURA SOCIETÁRIA APIMEC 2011 ESTRUTURA SOCIETÁRIA 2 VANTAGENS COMPETITIVAS SMTO Matéria-Prima Um dos players mais integrados do Brasil (mais de 70% de cana própria) Ganhos de Escala Expertise na administração de grandes

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 É um órgão colegiado, de segundo grau, integrante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre assistência financeira a cooperativas de produção agropecuária e de crédito e altera o Capítulo 5 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Banco Central

Leia mais

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a subvenção econômica ao prêmio do Seguro Rural e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO Elizabeth Farina Diretora Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar Araçatuba, 13 de dezembro de 2013 130 associados; 60% da cana-de-açúcar, etanol

Leia mais

Políticas Governamentais para Biocombustíveis

Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ricardo B. Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

MODELOS DE VENDA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COMPARAÇÃO ENTRE CONTRATOS DE FORNECIMENTO E ARRENDAMENTO

MODELOS DE VENDA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COMPARAÇÃO ENTRE CONTRATOS DE FORNECIMENTO E ARRENDAMENTO MODELOS DE VENDA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COMPARAÇÃO ENTRE CONTRATOS DE FORNECIMENTO E ARRENDAMENTO (TYPES OF SUGARCANE SELLING DEALS: COMPARISON BETWEEN SUPPLYING AND RENTAL CONTRACTS) Antonio Carlos Lopes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Adriana Botelho Taliarine dritaliarine@hotmail.com Darci de Jesus Ramos Prof. MSc. José Ricardo Favoretto Fatec Itapetininga - SP RESUMO: O aumento da

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento do Café Secretaria de Produção e Agroenergia O café no Brasil Maior produtor e exportador de café do mundo Segundo maior consumidor mundial

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC BANCO DO BRASIL Seminário de Sensibilização do Programa ABC LINHAS DE CRÉDITO Crédito Rural; Pronaf; Fundos Constitucionais. CRÉDITO RURAL Suprimento de recursos financeiros, disponibilizados por instituições

Leia mais

OER Caçu Energia S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais

OER Caçu Energia S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais . Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2013 Passivo e patrimônio líquido (passivo a descoberto) 2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 200 Empréstimos e

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ Temas a serem tratados: Custos de Produção 2015 e Orçamentação para 2016 Proposta de Projeto de Lei com estabelecimentos de critérios em Lei; Mecanismos de Comercialização

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015 1. Introdução O Crédito Rural abrange recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização. As suas regras, finalidades e condições estão estabelecidas no Manual de Crédito Rural (MCR), elaborado

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 REGIÃO CENTRO-SUL RESUMO O censo varietal e de produtividade de cana-de-açúcar é realizado pelo CTC - Centro de Tecnologia Canavieira, na Região Centro-Sul do

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATANTE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA CONTAG, entidade sindical de grau superior, reconhecida pelo Decreto Presidencial nº. 53.517, de janeiro

Leia mais

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Crédito para Implantação de uma suinocultura de Baixa Emissão decarbono Esta edição do boletim informativo da Suinocultura de Baixa Emissão de Carbono visa sanar

Leia mais

Novos produtos e serviços para o agronegócio. Ivan Wedekin

Novos produtos e serviços para o agronegócio. Ivan Wedekin Novos produtos e serviços para o agronegócio Ivan Wedekin Agenda 1 Evolução do mercado de derivativos 2 Financeirização dos contratos agropecuários 3 Novos produtos e serviços para o agronegócio Mercado

Leia mais