INFORMAÇÕES ESTATÍSTICAS SOBRE OS CIRCOS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÕES ESTATÍSTICAS SOBRE OS CIRCOS 1"

Transcrição

1 INFORMAÇÕES ESTATÍSTICAS SOBRE OS CIRCOS 1 Cristina Lins, março de 2007 Agradecimentos O Projeto Segundos Encontros constituído pela realização simultânea do 2º Encontro de Escolas de Circo do Brasil e o 2º Encontro de Circos da Bahia, em março de 2007, fruto da nova política de programas federais de incentivo, viabilizados pelo Prêmio Carequinha de Estímulo ao Circo, da FUNARTE, teve por objetivo não só o reconhecimento, por parte dos estados e municípios, da importância do potencial cultural e social da atividade circense, mas também estimular os formuladores de políticas públicas no fortalecimento do novo circo, pela singularidade de seu conteúdo simbólico, responsável pela formação das identidades dos indivíduos e da própria construção da identidade brasileira. Para conhecer o universo desta arte milenar que trabalha com o encanto e a imaginação, foram convidadas diversas instituições, como as Secretarias de Segurança Pública e de Cultura do Estado da Bahia, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) pesquisadores, especialistas e estudiosos do tema, artistas, profissionais e escolas de circo de diferentes estados, que participaram dos debates, das reflexões e da construção de propostas sobre a atividade do circo no país. O IBGE, enquanto instituição parceira do Ministério da Cultura, que participa do Grupo de Trabalho Transversal Economia da Cultura (GTT), auxiliando as Câmaras Setoriais com informações das pesquisas realizadas pela Instituição, apresentou os trabalhos que estão sendo desenvolvidos, fruto do acordo de parceria, ajudando a pensar conjuntamente o desafio do mapeamento da atividade circense no país. Sem a pretensão de querer responder a todas as questões tratadas durante os Segundos Encontros, este texto registra as contribuições apresentadas pelo IBGE e saúda os realizadores, parceiros e colaboradores do encontro. 1 A elaboração deste artigo contou com contribuições de Antonio Carlos Alkmin dos Reis, Italmar Santos Oliveira e Jaciara Zacharias Silva, da Diretoria de Pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Economista, Mestre em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais. Coordenadora técnica do Sistema de Informações e Indicadores Culturais, da Coordenação de População e Indicadores Sociais da Diretoria de Pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. 1

2 Agradecimentos especiais a Anselmo Serrat, Coordenador da Picolino e Presidente da Cooperativa de Circenses da Bahia, pelo acolhimento e pelo esforço realizado para o êxito do Projeto que se tornou real no picadeiro do Circo Picolino, em Salvador. 1 Apresentação A discussão sobre as atividades culturais no mundo contemporâneo cresce em importância pois a necessidade de se conhecer melhor a vida cultural da população e seu consumo, como base empírica de uma política pública da cultura, reforça o interesse sobre a produção, a distribuição e o consumo de bens culturais no Brasil. As estatísticas culturais tornam-se tanto mais necessárias quanto mais se amplia a definição de Cultura e quanto mais se relaciona Cultura e Desenvolvimento. Dados ou indicadores podem medir que parte da sua riqueza uma determinada sociedade dedica à Cultura, como esses produtos culturais são gerados ou difundidos, quantos empregos geram, quanto contribuem, em suma, para a riqueza do país. Eles também podem permitir aos países compreender melhor sua própria situação, inserir a Cultura no ambiente das políticas de desenvolvimento, buscando evitar que os investimentos continuem sendo decididos com base em crenças e opiniões, reduzindo assim a lacuna de responsabilidade das políticas públicas para a cultura além de promover e qualificar o debate público. No princípio do século XX, alguns economistas norte-americanos começaram a indagar sobre os processos de criação, produção, distribuição e consumo de bens e serviços culturais. A demanda por trabalhos sobre economia da cultura configura-se, em particular, nos Estados Unidos, a partir da década de 60, consubstanciado no documento Performing Arts: the economic dilema, de William Baumol e Willian Bowen, encomendado pela Fundação Ford. A partir de então, outros estudos realizados em diversas partes do mundo, começaram a investigar e a constatar que a cultura não era só rentável para o setor privado, mas também para o conjunto de suas atividades, produtos e serviços e representava uma fonte de recursos para as próprias finanças do Estado. 2

3 Esta obra estimulou outros trabalhos acadêmicos semelhantes em distintos países e os Estados Unidos e outros países-membros da UNESCO, passaram a incorporar a cultura em suas estratégias de desenvolvimento social e econômico. A França, um dos primeiros países a incluir a cultura no plano de metas nacional, criou o Ministério da Cultura da França em 1959, e instalou um departamento de estudos dedicado especificamente à produção e sistematização de dados e estudos sobre o setor cultural, com estreita vinculação ao instituto de estatística nacional, o Départment des Etudes et de la Prospective, em Três anos depois, em 1966, o Ministério da Cultura da França publica o resultado de uma pesquisa encomendada L amour de l art. Une étude sur les publics des musées d art européens, dos autores Bourdieu e Darbel, lançando as bases metodológicas para trabalhos posteriores sobre práticas culturais realizadas, não só na França, como em diversos países. Mais recentemente, estudos e investigações relacionados com a incidência da dimensão cultural na economia, no emprego e no desenvolvimento social vêm sendo realizados em países da América Latina, tais como Chile, Colômbia, Peru, Venezuela, Bolívia, Argentina, com o respaldo de organismos internacionais, entre os que se destacam o Convênio Andrés Bello (CAB/Colômbia), a Organização dos Estados Iberoamericanos (OEI), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), bem como nos institutos oficiais de estatísticas sul-americanos, inclusive no Brasil através do Ministério da Cultura, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e por outras entidades governamentais e não-governamentais. A palavra cultura foi recentemente incorporada às Constituições nacionais da maior parte dos países latino-americanos nas últimas três décadas. A partir dos anos 70 e 80 do século passado, com a emergência de novas Constituições democráticas em diversos países da América Latina, a cultura, ao menos como termo e como conceito, alcançou reconhecimento constitucional. O Ministério da Cultura brasileiro foi criado em 1985, durante o processo de redemocratização do país. Segundo a historiadora Lia Calabre, o novo texto constitucional de 1988 havia criado garantias para a implementação de um processo de democratização da gestão pública da cultura, expressa na determinação de que deve haver a 3

4 colaboração da comunidade ; na atuação do estado nas questões ligadas à promoção e proteção do patrimônio cultural. Os novos rumos da política interna brasileira a partir de 2003 fizeram com que as questões das políticas públicas de cultura retornassem à pauta de discussão. A primeira e urgente questão era a de conhecer a real dimensão da ação pública no campo da cultura isso sem entrarmos nas discussões das necessidades de definições conceituais, entre elas a do próprio conceito operacional de cultura, fundamental no processo de delimitação da ação do governo (Calabre, 2006). No caso brasileiro, a investigação sobre questões na área de cultura não é recente do ponto de vista da produção de estatísticas culturais, visto que já na década de 1980 começaram a surgir estudos acadêmicos sobre o tema, porém de forma irregular e dispersa. A título de ilustração, vale lembrar que o IBGE já produziu no passado, algumas estatísticas na área de cultura. O volume de introdução do Recenseamento Geral de 1920 tratou da evolução da sociedade no capítulo O povo brasileiro e a sua evolução e investigou o desenvolvimento dos meios de comunicação postais e telegráficos, e as características gerais da população (nome, nacionalidade, relação com o chefe da casa, instrução, culto, profissão, título científico, literário ou artístico e renda). No Recenseamento Geral do Brasil de 1940, o volume introdutório sobre A Cultura Brasileira apresentou uma visão de conjunto da evolução histórica e social do país e informações quantitativas sobre editoras, tipografias, produção e venda de livros, revistas, circulação de jornais diários, bibliotecas públicas e radiodifusão, além do registro de fotos de monumentos históricos. A inconstância não permitiu a produção de um corpo considerável de informações e estudos das atividades culturais, quer dos órgãos especificamente culturais, quer dos produtores de dados. Outros países tiveram também, e alguns ainda têm, dificuldades na organização, produção de indicadores e análise de informações relativas à cultura. Vive-se um permanente dilema para incorporar novas formas de manifestações que surgem sem cessar, associadas ao surgimento de novas infra-estruturas e tecnologias dos meios de comunicação, os 4

5 quais introduzem novos hábitos sociais geradores de novas necessidades, transformando a cultura em um sistema de constante renovação e complexidade. Nos debates contemporâneos, uma questão que vem sendo tratada por diversos países consiste em se produzir informações e análises quantitativas e qualitativas sobre a cultura, de forma a promover diagnósticos de caráter social e mesmo demográfico, aprofundando-se a investigação atual e promovendo cruzamentos dos indicadores culturais disponíveis com outros indicadores provenientes de fontes diversas. A concepção do setor cultural, adotada neste estudo, é definida de uma maneira empírica, mais ampla, que tem como referência inicial a definição da UNESCO (2003) sobre as atividades culturais relacionadas à criação, produção, e comercialização de conteúdos que são intangíveis e culturais em sua natureza. Estes conteúdos estão protegidos pelo direito autoral e podem tomar a forma de bens e serviços. São indústrias em trabalho e conhecimento e que estimulam a criatividade e incentivam a inovação dos processos de produção e comercialização. Essa breve introdução tem o intuito de registrar que o setor cultural além de gerar recursos econômicos, que como os demais setores, emprega pessoas, paga salários, recolhe imposto e contribui para a geração de riqueza e crescimento econômico, possui uma outra dimensão de valor incalculável no que se refere ao desenvolvimento humano e social de um país. No caso deste estudo, pretende-se através das informações disponíveis, existentes nas bases de dados do IBGE, apresentar alguns dados sobre o setor do circo, as novas linhas de pesquisa em andamento, assim como o Suplemento de Cultura da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) 2006, que engloba informações dos municípios brasileiros e que poderá contribuir com novos elementos para o diagnóstico das atividades circenses nas municipalidades brasileiras. 2 - Descrição e classificação das atividades do circo Com vistas a uma melhor compreensão dos vínculos entre a cultura e o desenvolvimento econômico e social, torna-se indispensável a elaboração de uma classificação detalhada das atividades culturais para a organização das informações. 5

6 As classificações de atividades econômicas são construídas para organizar as informações estatísticas sobre os fenômenos relacionados com a contribuição das unidades produtivas (empresas) no processo econômico. O ordenamento dessas informações se baseia na identificação de segmentos homogêneos quanto à similaridade de processos de produção, das características dos bens e serviços produzidos e da finalidade para a qual os bens e serviços são produzidos. Para classificar as atividades econômicas culturais, este estudo utilizou como referência a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE). Por ser uma nomenclatura completa e desagregada das atividades econômicas, a CNAE assegura a coerência das informações ao longo do tempo, no espaço territorial e entre fontes diversas, além de assegurar a comparabilidade internacional das estatísticas nacionais. Com o objetivo de se manter a articulação das informações no tempo, espaço e entre fontes diversas e, respeitando o compromisso de harmonização internacional e comparabilidade com estatísticas nacionais, utilizou-se como referência a Classificação Nacional de Atividades Econômicas 1.0 CNAE/IBGE, como nomenclatura mais completa e desagregada das atividades econômicas. A CNAE 1.0 é a classificação usada no Sistema Estatístico Nacional e na Administração Pública que permite estabelecer uma mesma base de comparação em todos os países que a utilizam como parâmetro de organização de registros e adota como referência a International Standard Industrial Classification - ISIC Revisão 3 equivalente em espanhol a Clasificación Industrial Internacional Uniforme CIIU 2. A versão em vigor, CNAE 1.0, constituiu o instrumento chave para a reflexão sobre a delimitação do setor cultural. Esta nomenclatura integra o conjunto das atividades econômicas mensuradas por uma extensa variedade de pesquisas do IBGE, permitindo a identificação das atividades econômicas, a partir de registros de entidades jurídicas e cadastros. A classificação de uma atividade econômica como característica de cultura se faz a partir da identificação, em sua produção principal, de produtos classificados como relacionadas à cultura, isto é, produtos que são bastante sensíveis ao consumo de bens e serviços no âmbito da cultura. 2 Para informações mais detalhadas da estrutura da CNAE 1.0 sugerimos consultar 6

7 O detalhamento das classes da CNAE 1.0 que serve de base para a organização das informações das atividades artísticas de espetáculos estão descritas na Divisão 92 ATIVIDADES RECREATIVAS, CULTURAIS E DESPORTIVAS. Esta divisão compreende as atividades culturais, recreativas, de entretenimento e esportivas. Inclui a produção, promoção e participação em performances ao vivo, eventos ou exibições voltadas à audiência do público; a habilidade técnica ou criativa, para a produção de produtos artísticos e performances ao vivo; a preservação e exibição de objetos e lugares históricos, culturais ou de interesse educacional. Além disso, esta divisão também inclui as atividades de serviços que permitem aos consumidores participarem de atividades esportivas, recreativas, de lazer ou hobbies. A seguir identifica-se em ordem hierárquica o grupo 92.3 OUTRAS ATIVIDADES ARTÍSTICAS E DE ESPETÁCULOS e a classe Outras atividades de espetáculos, não especificadas anteriormente, o qual compreende os espetáculos circenses, de marionetes e similares, objeto do presente estudo. A título de ilustração apresentamos a seguir a estruturação e especificação dos níveis hierárquicos desta organização na CNAE ATIVIDADES RECREATIVAS, CULTURAIS E DESPORTIVAS 92.3 OUTRAS ATIVIDADES ARTÍSTICAS E DE ESPETÁCULOS Atividades de teatro, música e outras atividades artísticas e literárias Esta classe compreende: - As atividades de artistas independentes no campo das artes em geral (artes dramáticas, música, pintura e similares): escritores, atores, músicos, escultores, pintores, etc. - As atividades de grupos, companhias, bandas, etc. de artistas, ligados ou não a uma sala de espetáculos - As atividades de criação de espetáculos de dança Esta classe compreende também: - Os serviços técnicos especializados ligados diretamente às atividades artísticas: - cenografia, telões, iluminação, som, efeitos especiais, etc. - maquilagem e figurinos - A produção, organização e promoção de espetáculos artísticos e eventos culturais - A restauração de obras de arte, como quadros, esculturas, etc. Esta classe não compreende: - A restauração de móveis (52.79) - O aluguel de salas de teatro (70.20) - Os espetáculos circenses, rodeios, vaquejadas e outros similares (92.39) Gestão de salas de espetáculos Esta classe compreende: - A gestão de salas de teatro, de música e outras dedicadas a atividades artísticas - A exploração de cabarés, cafés-teatros, casas de espetáculo Esta classe compreende também: - As agências de venda de ingressos para salas de teatro e para outras atividades artísticas 7

8 - As casas de cultura - Os serviços de sonorização (disc-jóquei) Esta classe não compreende: - A exploração de salas de cinema (92.13) Outras atividades de espetáculos, não especificadas anteriormente Esta classe compreende: - A produção de outros tipos de atividades artísticas e de entretenimento, não especificados em outra classe: - os espetáculos circenses, de marionetes e similares - os espetáculos de rodeios, vaquejadas e similares - os espetáculos de som e luz Esta classe compreende também: - As atividades de academias de dança e instrutores de dança - As atividades dos salões de bailes, discotecas, danceterias e atividades similares Tendo-se em conta que a partir das classificações de atividades é possível derivar informações sobre atividades relacionadas, de alguma maneira, à área cultural, passaremos então a investigar as informações contidas nas Estatísticas do Cadastro Central de Empresas. O Cadastro Central de Empresas - CEMPRE é o instrumento que permite a articulação entre as diversas pesquisas econômicas do Sistema de Produção de Informações Estatísticas do IBGE. No cadastro estão armazenados os dados cadastrais e econômicos, de todas as pessoas jurídicas formalmente constituídas no território nacional, identificando o código da natureza jurídica, o número e a localização de empresas, classificadas de acordo com a atividade principal, além do número de empregados e da massa salarial. Podemos, então, eleger indicadores com algum interesse para o âmbito da cultura, tais como produtividade, variáveis de porte, salários médios, participação relativa das grandes regiões geográficas na distribuição espacial do número de empresas e de pessoal ocupado total, percentual de empresas com empregados e sem, participação do número de empresas (e outras organizações) segundo a natureza jurídica pública, empresarial e instituições sem fins lucrativos, entre outros. As atividades de espetáculos circenses, de marionetes e similares estão compreendidas na classe Outras atividades de espetáculos, não especificadas anteriormente. Contudo, avaliando os registros, identificamos como códigos potenciais as CNAES (maior freqüência) e (residual), dentre outros. 8

9 A Tabela 1 apresenta o número absoluto de empresas (20.747), pessoal ocupado total (50.054) e assalariado (20.469) e o valor dos salários (R$ ) pagos em 2004 no total das atividades artísticas e de espetáculos formalmente constituídas no país. Considera-se como constituição jurídica das empresas, o registro das entidades públicas e privadas nos cadastros da administração pública do País. Este registro obedece normas legais previstas para cada forma de organização legal ou de natureza jurídica. Do total de número de empresas, considerando a natureza jurídica das organizações - a administração pública, entidades empresariais e entidades sem fins lucrativos -, 10,9% correspondem à natureza jurídica de Entidade sem fins lucrativos das atividades circenses, na maioria representadas pelas organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIPs), as fundações privadas, as organizações sociais e as organizações não-governamentais (ONGs). Tabela 1 - Número de unidades locais, pessoal ocupado total e assalariado, salários e outras remunerações, segundo classificação CNAE Brasil Número de Salários e outras Classificação Nacional de Atividades Código unidades Pessoal ocupado remunerações Econômicas - CNAE 1.0 locais R$ Total Assalariado Atividades recreativas, culturais e desportivas Outras atividades artísticas e de 92.3 espetáculos Atividades de teatro, música e outras atividades artísticas e literárias Gestão de salas de espetáculo Outras atividades de espetáculos, não especificadas anteriormente Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Cadastro Central de Empresas, Em termos absolutos, a atividade cultural ( ) de teatro, música e outras atividades artísticas e literárias, que também agrega, em alguns casos, as atividades circenses desenvolvidas por grupos teatrais, de realização de eventos e de espetáculos, ligados ou não a uma sala de espetáculos, apresentou o maior número de empresas, absorveu maior quantidade de mão-de-obra e pagou os salários mais elevados (Tabela 1). No segmento das atividades econômicas diretamente relacionadas aos ( ) espetáculos circenses, de marionetes e similares, atuaram empresas que ocuparam pessoas, das quais eram trabalhadores assalariados e que gerou uma massa salarial de R$ 35,1 milhões. 9

10 3 Despesas das famílias brasileiras com circo A Pesquisa de Orçamentos Familiares POF visa mensurar as estruturas de consumo, dos gastos e dos rendimentos das famílias e possibilita traçar um perfil das condições de vida da população brasileira a partir da análise de seus orçamentos domésticos. A Pesquisa de Orçamentos Familiares possui múltiplas aplicações. Para a gestão pública, contribui para subsidiar o estabelecimento de prioridades na área social com vistas à melhoria da qualidade de vida da população, incluídas as políticas públicas temáticas nos campos da nutrição, orientação alimentar, saúde, moradia, entre outras. Para o setor privado, a pesquisa pode ser útil na definição de estratégias de investimentos em que o conhecimento do perfil do consumidor e da demanda por bens e serviços seja determinante. Em 2003, as famílias brasileiras gastaram em média, cerca de 0,05% do total do orçamento (R$ 64,53) com o circo. 4 Características sociodemográficas Com base no Censo Demográfico realizado pelo IBGE no ano de 2000, estimou-se que existiam no país, naquele ano, 65,6 milhões de pessoas ocupadas nas atividades econômicas. Quanto ao número de ocupados nas atividades de circo, chegou-se a mil trabalhadores, o que significa que para cada 100 mil ocupados, 4,1 trabalham nas atividades circenses. Tabela 2 - Total de ocupados e ocupados em atividades de circo, por características sociodemográficas, 2000 Ocupados Distribuição Ocupados em em atividades dos ocupados atividades de circo Ocupados de circo em atividades sobre 100 mil de circo (%) ocupados HOMEM ,0 5,0 MULHER ,0 2,7 ATE 18 ANOS IDADE ,1 11,5 19 A 30 ANOS IDADE ,1 5,1 31 A 40 ANOS IDADE ,3 3,0 41 A 60 ANOS IDADE ,1 2,0 61 ANOS E MAIS ,4 2,4 ATE 4 ANOS ESTUDO ,7 4,2 5 A 8 ANOS ESTUDO ,9 5,6 9 ANOS E MAIS ,8 3,4 ATE 1 SM ,0 4,9 MAIS DE 1 A 3 SM ,3 4,0 MAIS DE 3 SM ,9 3,5 TOTAL ,0 4,1 10

11 Fonte: IBGE, Censo Demográfico No gráfico 1 observou-se que nas atividades de circo predominava a participação do gênero masculino (75%), uma proporção maior que a dos ocupados em geral, onde a participação da população ocupada do gênero masculino foi de 62,3%. Observou-se que para cada 100 mil homens ocupados, 5 trabalhavam no circo, enquanto que para cada 100 mil mulheres ocupadas, 2,7 atuavam nessa atividade. A maior participação percentual dos trabalhadores em circos (65,2%) corresponde à faixa etária de até 30 anos de idade, um perfil mais jovem do que para o total de ocupados (42,1%) em geral. Outro indicador que revela a juventude nesta atividade é a incidência de 11,5 pessoas ocupadas no circo para cada 100 mil ocupados em atividades circenses com até 18 anos de idade. Outra característica dos ocupados no circo, que os diferem dos ocupados em geral, foi um menor nível de escolaridade que o do mercado de trabalho em geral. Os trabalhadores do circo com instrução de até 8 anos de estudo (ensino fundamental) representavam 65,6% do total da ocupação. Para o total de ocupados o percentual encontrado com até 8 anos de estudo foi menor (55,3%). Por outro lado, ocupados em geral com 9 ou mais anos de estudo atingem 36,4% do total, sendo que esta proporção cai para 29,8% para os ocupados nas atividades circenses. Em relação aos rendimentos auferidos na ocupação principal, a diferença entre a distribuição dos salários para os ocupados e os trabalhadores de circo não é tão acentuada, embora favoreça os ocupados em geral nos níveis mais altos de renda, mais de 3 salários mínimos, alcançando 30,4% dos ocupados e 25,9% dos circenses. Nesta faixa, para cada 100 mil ocupados (que recebem mais de 3 salários mínimos) 3,5 são trabalhadores de circo. 11

12 Gráfico 1 - Distribuição percentual do total de ocupados e dos ocupados em atividades de circo, por características sociodemográficas, % HOMEM MULHER 25 37,7 62,3 75 ATE 18 ANOS IDADE 19 A 30 ANOS IDADE 31 A 40 ANOS IDADE 41 A 60 ANOS IDADE 61 ANOS E MAIS ATE 4 ANOS ESTUDO 5 A 8 ANOS ESTUDO 9 ANOS E MAIS ATE 1 SM MAIS DE 1 A 3 SM MAIS DE 3 SM 8,3 23,1 33,8 42,1 26,2 19,3 27,6 13,1 4 2,4 29,8 30,7 25,5 34,9 36,4 29,8 31, ,3 37,3 30,4 25,9 Total de ocupados Ocupados em circo Fonte: IBGE, Censo Demográfico, Do ponto de vista da distribuição dos ocupados em circo pelas unidades da federação, prevalece uma concentração em alguns estados, como São Paulo (23,2%), Rio de Janeiro (19,2%) e Minas Gerais (8,8%). Apenas estas três unidades da federação detinham mais da metade (51,2%) dos circenses. Rondônia, Distrito Federal, Acre e Mato Grosso do Sul registraram menos de 5 trabalhadores nesta atividade. Percebe-se que a distribuição dos trabalhadores atinge em maior número estados do Sudeste, Sul e Nordeste. No entanto, quanto se considera a incidência de trabalhadores em circo para cada 100 mil ocupados (indicador calculado levando em conta o peso relativo da atividade circense em cada estado), o perfil geográfico apresenta mudanças significativas. Roraima (29,6), Rio de Janeiro (9,4), Amapá (8,2) e Ceará (8,2) apresentaram os maiores valores, enquanto que Maranhão, Distrito Federal, Acre e Mato Grosso do Sul não alcançaram 0,5. O padrão regional modifica-se com a presença de estados da região Norte (além de Roraima, Amapá e Amazonas) e a redução em estados onde os ocupados são numerosos, como Minas Gerais, Rio Grande do Sul e mesmo São Paulo, que tinha o maior número absoluto de trabalhadores de circo. 12

13 Cartograma 1 Ocupados em atividade de circo, por unidades da federação, AC AM RO RR MT MS PA RS AP PR GODF SC TO SP Fonte: IBGE, Censo Demográfico, MA MG PI RJ BA CE RN PB PE SE AL ES UF Ocupados % em circo SP ,2 RJ ,2 MG 239 8,8 CE 212 7,8 BA 181 6,7 PE 171 6,3 PR 141 5,2 RS 134 5,0 SC 130 4,8 PB 56 2,1 PI 56 2,1 GO 43 1,6 RR 35 1,3 PA 30 1,1 AL 25 0,9 RN 22 0,8 AM 21 0,8 ES 16 0,6 AP 12 0,4 TO 9 0,3 SE 8 0,3 MA 6 0,2 MT 5 0,2 RO 3 0,1 DF 2 0,1 AC 0 0 MS 0 0 Total Cartograma 2 Ocupados em atividade de circo, por cem mil ocupados, por unidades da federação, AC AM RO RR MT MS PA RS AP PR GODF SC TO SP Fonte: IBGE, Censo Demográfico, MA MG PI BA RJ CE PB RN PE SE AL ES UF Ocupados em circo por 100 mil ocupados RR 29,6 RJ 9,4 AP 8,2 CE 8,2 PE 6,5 PI 5,5 SC 5,4 PB 4,7 SP 4,2 BA 4,0 PR 3,5 MG 3,3 RS 3,0 AL 2,8 RN 2,4 AM 2,4 TO 2,2 GO 2,1 PA 1,4 SE 1,3 ES 1,2 RO 0,5 MT 0,5 MA 0,3 DF 0,2 AC 0,0 MS 0,0 Total 4,1 13

14 5 - Novas linhas de pesquisa nos municípios brasileiros Estão sendo desenvolvidas novas linhas de pesquisa para a obtenção de um maior detalhamento das informações sobre a diversidade cultural nos municípios brasileiros. A Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) que foi a campo pela primeira vez em 1999, atendeu a uma demanda crescente na sociedade brasileira por informações desagregadas ao nível local, demanda decorrente do processo de descentralização administrativa, com raízes na Constituição de 1988, que deu maior atribuições e poder aos municípios brasileiros. A Munic é uma pesquisa de abrangência nacional, anual, que busca mostrar o quadro da gestão municipal com seus instrumentos e estrutura institucional, coletando informações sobre as práticas de gestão municipal e permitindo avaliações sobre a eficácia, eficiência e efetividade das propostas que procuram enfrentar os grandes desafios do desenvolvimento local. A pesquisa municipal consolida-se como uma das fontes permanentes para a construção de indicadores culturais. Aspectos como a infra-estrutura cultural (equipamentos e meios de comunicação), atividades artísticas e artesanais nos municípios, existência de orçamento específico para a cultura e existência de Conselhos Municipais de Cultura são temas que tem sido objeto de investigação da pesquisa. A Munic coloca-se dentro de um projeto mais amplo para a formação de um sistema de indicadores culturais para o país, com diversidade temática e metodológica que o tema exige. Esta pesquisa, tanto a de 1999 quanto à de 2001 teve como um dos seus objetivos a identificação da infra-estrutura cultural, em um sentido mais abrangente, através da aferição da existência de equipamentos culturais, apontando a sua presença nos municípios, e para alguns deles, a quantidade. É um inquérito que abrange todos os municípios brasileiros e tem seu foco principal na gestão pública municipal, obtendo também informações sobre Conselhos Municipais de Cultura instalados nos municípios brasileiros. Em 2001, as prefeituras informaram sobre 17 tipos de equipamentos culturais: biblioteca pública, museus, teatros ou salas de espetáculo, cinemas, clubes e associações recreativas, estádio ou ginásio poliesportivo, banda de 14

15 música, orquestra, videolocadora, livraria, loja de discos, CDs e fitas, shoppingcenter, estações de rádio AM, estações de rádio FM, unidades de ensino superior, geradora de tv e provedor de internet. Na Munic de 2005 foi aplicado no questionário da pesquisa um bloco com quesitos sobre os equipamentos culturais e meios de comunicação nos municípios brasileiros; as atividades culturais (artísticas e artesanais) praticadas nos municípios; as características de gestão pública e a interlocução com a sociedade civil através da existência dos Conselhos Municipais de Cultura. Em 2006, foi elaborado um Suplemento de Cultura que detalha, a partir das informações do órgão gestor, o tema cultural no âmbito dos municípios. Quanto ao Suplemento, a sua formulação contou com a participação, além de pesquisadores do IBGE (sob a coordenação da Diretoria de Pesquisas - DPE/Coordenação de População e Indicadores Sociais), de técnicos do Ministério da Cultura e da Casa de Rui Barbosa. A Munic 2006, com divulgação prevista para o segundo semestre de 2007, está sendo levada a campo pelo IBGE, acompanhada do Suplemento de Cultura, que traz os seguintes blocos temáticos: 1. Cadastramento do órgão gestor da cultura no município 2. Infra-estrutura do órgão gestor 3. Recursos humanos da cultura na prefeitura 4. Instrumentos de gestão utilizados 5. Legislação na área da cultura 6. Existência e funcionamento de Conselhos Municipais de Cultura 7. Existência e características de Fundo Municipal de Cultura 8. Recursos financeiros 9. Existência de Fundação Municipal de Cultura 10. Ações, projetos e atividades desenvolvidos 11. Existência de meios de comunicação 12. Existência e, em alguns casos, quantidade de equipamentos culturais Embora a investigação sobre as atividades circenses 3 ainda não seja uma atividade amplamente investigada em suas diversas dimensões, bem como outros 3 Circo é um empreendimento voltado para a apresentação de espetáculos que contam com atrações diversas, em estruturas desmontáveis e itinerantes. Cabe ressaltar que esta definição deverá ser revista e ampliada para os próximas pesquisas. 15

16 segmentos da área da cultural, a Munic constitui um avanço, incluindo perguntas relativas às ações, projetos e atividades desenvolvidos pela prefeitura ou existentes no município. Na pesquisa identifica-se a existência de escola, oficina ou curso de circo, assim como a existência de algum grupo artístico de circo, 4 indagando se a sua manutenção é feita ou não pelo poder público municipal As informações derivadas do Suplemento de 2006 aliam-se ao esforço mais amplo no sentido de organizar e sistematizar um conjunto de programas, ações e atividades que preencham a lacuna existente na área cultural, que tem nos últimos anos merecido um crescente destaque entre planejadores e gestores públicos, assim como pesquisadores em e agentes sociais e econômicos em geral que têm interesse direto neste segmento. 6 Considerações e encaminhamentos Este texto pretende contribuir, de forma introdutória, para o conhecimento que vem sendo construído sobre uma área da cultura, o circo, pouco contemplada no contexto da gestão cultural do País e nem sempre valorizado pela mídia e pelas elites culturais. Neste sentido assume importância o aporte de conhecimento desta arte que vem sedimentando-se e segue ainda muita ativa, mesmo com os reveses causados pela televisão e pelas novas tecnologias que mudaram a cultura de entretenimento no Brasil e no mundo. Hoje, o que se observa é que o Brasil, com suas dimensões continentais e especificidades regionais, apresenta grandes desafios para a construção de informações e de registros que durante muito tempo não foram levadas em consideração, tais como o mapeamento, levando em conta a dificuldade de registros dos circos itinerantes, o porte e quantidade de trabalhadores do circo, o número de pessoas vivendo desta atividade mambembe, bem como as profissões do mundo encantado das artes circenses. Em síntese, podemos dizer que o primeiro desafio que se apresenta é do reconhecimento dessa realidade, passível de registro e inventário, e que deve ser 4 São considerados grupos artísticos existentes no município, aqueles com ou sem caráter comercial, juridicamente constituídos ou que tenham no mínimo dois anos de atuação. 16

17 considerada como informação relevante e que deve integrar as estatísticas oficiais. Dentro de um quadro de ausência de informações e de dados estatísticos confiáveis no setor do circo, os debates apontaram a necessidade de se avançar conjuntamente na busca de uma definição sobre o circo, levantamento de informações cadastrais e a construção de uma base de informações estatísticas sobre o setor. Essas seriam algumas das informações fundamentais para o mapeamento nacional das atividades e dos circos existentes. Um dos desafios a ser tratado se refere à obtenção de cadastro dos circos. Convém destacar que as pesquisas do IBGE cobrem o universo das entidades empresariais, órgãos da administração pública e instituições privadas sem fins lucrativos inscritas no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica CNPJ, do Ministério da Fazenda. O CNPJ torna-se um incentivo à regulamentação da atividade do circo e das escolas de circo, mas a ABECIRCO deve se aprofundar na reflexão e nas implicações desse tema. Os circos itinerantes, pelas suas características próprias, representam mais um desafio para o mapeamento. Uma das propostas sugeridas no seminário é a possibilidade de incentivar o registro dos circos itinerantes com o preenchimento de um formulário a ser disponibilizado nos correios. O IBGE apontou a importância em aprofundar esse estudo e sugeriu, como referência, a busca de metodologias e questionários existentes em outros países. O site <http://www.pindoramacircus.com.br> é outra importante fonte de pesquisa que disponibiliza formulários on-line para preenchimento 5, como os de escolas de circo, cursos de formação, cursos livres e projetos sociais; circos itinerantes; grupos e artistas; pesquisadores; festivais e encontros e de entidades de classe. Entre as recomendações que surgiram do Projeto Segundos Encontros destacam-se a formação de três Núcleos de Trabalho, sendo criado o Núcleo de Desenvolvimento Institucional para promover a articulação com atores públicos e privados, governamentais e não governamentais, visando a consecução dos projetos, iniciativas, atividades e objetivos institucionais da ABECIRCO, com a 5 Acessar para visualizar os formulários 17

18 proposta de trabalhar junto ao IBGE para realizar o mapeamento das Escolas de Circo, assim como o mapeamento de todos os segmentos da atividade circense. Dentro da perspectiva de parceria técnica entre o IBGE, o Ministério da Cultura e as Câmaras Setoriais, no caso específico do circo, foi sinalizada a intenção do IBGE apoiar a sistematização do cadastro e tabulação de dados, e propor a criação de um grupo de trabalho para pensar nas lacunas de informações existentes. Finalmente, registramos que o IBGE é uma instituição que se preocupa em gerar informações e dados que permitam avaliar os aportes socioeconômicos dos diversos segmentos culturais, apontando caminhos para que os estudiosos, gestores e formuladores de políticas e programas culturais possam eventualmente identificar problemas, potencialidades existentes e produzir incentivos ao desenvolvimento de oportunidades que potencialmente podem ser exploradas no universo cultural brasileiro. Referências bibliográficas ALKMIM, Antonio C. Equipamentos culturais, meios de comunicação e atividades artísticas e artesanais nos municípios brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais, outubro de BOTELHO, Isaura. Demandas e lacunas nas informações sobre o setor cultural. IN: 2º Encontro Nacional de Produtores e usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais. Rio de Janeiro: IBGE, agosto de BOURDIEU, P.; DARBEL, A. L amour de l art. Une étude sur les publics des musées d art européens. Paris: Éditions de Minuit, 1966 Censo demográfico / IBGE. V.1 (1940- ). Rio de Janeiro: IBGE, v. decenal, Cadastro Central de Empresas CEMPRE, Rio de Janeiro: IBGE, 265p. CALABRE, Lia. A importância da produção de informações no processo de construção do Sistema Nacional de Cultura. IN: 2º Encontro Nacional de Produtores e usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais. Rio de Janeiro: IBGE, agosto de

19 Classificação Nacional de Atividades Econômicas 1.0 CNAE versão 1.0 / Comissão Nacional de Classificação. Rio de Janeiro: IBGE, p. Disponível em Départment des Etudes et de la Prospective, Ministère de la Culture. MIMEO, Informe mundial sobre a cultura, 2000: diversidade cultural, conflito e pluralismo. Editor(es): UNESCO, Ed. Moderna p. RECENSEAMENTO Geral do Brasil (1º de setembro de 1940). Rio de Janeiro: IBGE, v. 1, t. 1: A Cultura Brasileira. RECENSEAMENTO do Brasil Rio de Janeiro: Directoria Geral de estatísticas, v. em 19. v. 1 Sistema de informações e indicadores culturais: 2003/IBGE, Diretoria de Pesquisas. Rio de Janeiro: IBGE, p. Acesso em 15 de março de

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CULTURAIS Jaciara Zacharias da Silva 1

ECONOMIA DA CULTURA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CULTURAIS Jaciara Zacharias da Silva 1 IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS CULTURAIS

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS CULTURAIS

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS CULTURAIS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. BOLETIM DE ESTATÍSTICAS CULTURAIS Andréa Gomes da Silva Felipe

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 32/2014 REGULAMENTO DO II FESTIVAL NACIONAL DE CONTADORES DE HISTÓRIAS DE PONTA GROSSA/PR - É

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 32/2014 REGULAMENTO DO II FESTIVAL NACIONAL DE CONTADORES DE HISTÓRIAS DE PONTA GROSSA/PR - É FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 32/2014 REGULAMENTO DO II FESTIVAL NACIONAL DE CONTADORES DE HISTÓRIAS DE PONTA GROSSA/PR - É hora de contos nos Campos Gerais! A PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos

Diagnóstico Situacional da capacidade instalada Rede de Frio Crie Vigilância de Eventos Adversos Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações CGPNI Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Diagnóstico Situacional da capacidade instalada

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 Março 2012 SUMÁRIO I - EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS, COOPERADOS E EMPREGADOS, 3 II - ANÁLISE POR RAMO, 8 2.1

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Pesquisa da 10ª Semana de Museus Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Panorama geral - Pesquisa da 10ª Semana Nº entradas

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas Programa 0166 Música e Artes Cênicas Objetivo Aumentar a produção e a difusão da música e das artes cênicas. Público Alvo Sociedade em geral Ações Orçamentárias Indicador(es) Número de Ações 7 Taxa de

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Educação baseada em evidências

Educação baseada em evidências Educação baseada em evidências Textos para discussão Resultados do ENEM 2013 Texto 2015-01 Abril 2015 APRESENTAÇÃO Textos para discussão do apresentam dados, análise e evidências para informar o público

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

É uma ação permanente de promoção dos museus brasileiros coordenada pelo Ibram;

É uma ação permanente de promoção dos museus brasileiros coordenada pelo Ibram; Pesquisa da 13ª Semana Nacional de Museus Período de aplicação: 25 de maio a 30 de junho de 2015 Coordenação de Estudos Socioeconômicos e Sustentabilidade Ceses Departamento de Difusão, Fomento e Economia

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

Pluralidade dos Meios de Comunicação

Pluralidade dos Meios de Comunicação Pluralidade dos Meios de Comunicação Novembro/212 APRESENTAÇÃO A pesquisa Pluralidade dos Meios de Comunicação, desenvolvida pelo Instituto Palavra Aberta entidade criada em fevereiro de 21 pela Abert

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos Compras Institucionais Programa de Aquisição de Alimentos Brasil Sem Miseria: Rota de Inclusao Produtiva Termo de compromisso ABRAS Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Compras Privadas Promoção Comercial

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Com relação aos Compromissos Nacionais

Com relação aos Compromissos Nacionais Plano de Ação México Com relação aos Compromissos Nacionais 1. Nos último anos, o Ministério da Cultura do Brasil (MinC) vem debatendo com especial ênfase o impacto econômico propiciado pela música na

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria Políticas de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos maio 2015 PANORAMA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Pesquisa A Implementação do PNEDH nas Diretrizes do Ensino Fundamental nos Municípios Brasileiros Instituição Executora: Coordenação Geral: Apoio: Gajop Gajop e Undime Secretaria de Direitos Humanos da

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine Mapeamento dos Produtores Audiovisuais do Rio Grande do Sul Audiovisual 2013 Porto Alegre 2013

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Consultor Sebrae Nacional PARCERIAS MPOG - Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão/SLTI CONSAD Conselho Nacional de Secretários

Leia mais

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012)

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) Março/2014 Estudos e Pesquisas 1 SEBRAE 2 Estudos e Pesquisas

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral.

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral. APRESENTAÇÃO 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. 2. E-mail para contato eje@tre-rj.gov.br. 3. Nome do Projeto. 4. Tema escolhido Gestão Sócio Ambiental. 5.

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA Programa Nacional de Capacitação e Qualificação ABLA Convênio nº 635/2007. Objeto: Aumentar a qualidade na prestação de serviços e competitividade dos

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

METOLOGIA. 1. Histórico

METOLOGIA. 1. Histórico METOLOGIA O Índice de Confiança do Empresário Industrial do Rio Grande do Sul (ICEI/RS) é um indicador antecedente utilizado para identificar mudanças na tendência da produção industrial gaúcha. O ICEI

Leia mais

Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização,

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

UOL e o Segmento Imobiliário

UOL e o Segmento Imobiliário UOL e o Segmento Imobiliário Já somos mais de 83 milhões de internautas no Brasil 11% NORDESTE 8% NORTE/ CENTRO- OESTE 67% SUDESTE 14% SUL Fonte: Estimativa comscore (outubro/ 2011) 3º meio com mais Penetração

Leia mais