Superintendência de Fiscalização dos Serviços de Geração SFG MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA GERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Superintendência de Fiscalização dos Serviços de Geração SFG MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA GERAÇÃO"

Transcrição

1 Superintendência de Fiscalização dos Serviços de Geração SFG MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA GERAÇÃO 2004

2 MISSÃO Educar e orientar dos agentes do setor de energia elétrica, prevenindo e, se necessário, punindo as condutas violadoras da lei, visando garantir o atendimento aos requisitos de qualidade, quantidade, adequação e finalidade dos serviços e instalações.

3 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 5 GLOSSÁRIO 7 APRESENTAÇÃO DO MANUAL 12 CONTEXTUALIZAÇÃO DA FISCALIZAÇÃO 12 O MANUAL DOS PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO AS PRINCIPAIS AÇÕES DA FISCALIZAÇÃO MONITORAMENTO DA GERAÇÃO À DISTÂNCIA VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DOS CONTRATOS DE CONCESSÃO E ATOS DE AUTORIZAÇÃO FISCALIZAÇÃO DE ADEQUAÇÃO ACOMPANHAMENTO DAS CONDIÇÕES DE CONSERVAÇÃO E SEGURANÇA DIAGNÓSTICO DOS PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ACOMPANHAMENTO DE OBRAS FISCALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA O PLANEJAMENTO DA ÁREA DE FISCALIZAÇÃO O PLANO PLURIANUAL E A PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE VISITAS O PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA SEDE O DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS A DESCENTRALIZAÇÃO PLANO DE ATIVIDADES E METAS PAM METAS E PRODUTOS ESPECÍFICOS DO PAM O PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES TERCEIRIZADAS PROCEDIMENTOS GERAIS PARA A FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA O PLANEJAMENTO DA FISCALIZAÇÃO ENVIO DE OFÍCIO AO AGENTE FISCALIZADO DADOS E DOCUMENTOS SOLICITADOS AO AGENTE INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS NA AGÊNCIA E EM OUTROS AGENTES ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO O PLANEJAMENTO DA VIAGEM RECURSOS DE APOIO EXECUÇÃO DA FISCALIZAÇÃO CONDUTA DA EQUIPE DE FISCALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DA EQUIPE DE FISCALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DO AGENTE CONFIRMAÇÃO DA AGENDA ANÁLISE DA DOCUMENTAÇÃO DA USINA A FISCALIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES OU DAS OBRAS REGISTRO FOTOGRÁFICO ENCERRAMENTO DA FISCALIZAÇÃO: REUNIÃO DA EQUIPE ENCERRAMENTO DA FISCALIZAÇÃO: REUNIÃO COM O AGENTE 32

4 3.3 - ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO INTERNO E ORGANIZAÇÃO DE DOCUMENTOS INTERNOS ELABORAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DO RELATÓRIO AO AGENTE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DA MANIFESTAÇÃO DO AGENTE CONCLUSÃO DO PROCESSO DE FISCALIZAÇÃO PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE FISCALIZAÇÃO DE PROGRAMAS E AGENTES ESPECIAIS CONTA DE CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS CCC AS SUBCONTAS DA CCC A FISCALIZAÇÃO DO REEMBOLSO DE COMBUSTÍVEIS PELA CCC A FISCALIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS SUB-ROGADOS NA CCC OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO ONS PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA PROINFA PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO P&D PROGRAMA PRIORITÁRIO DE TERMELETRICIDADE PPT A CONTRATAÇÃO DO FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL USINAS TERMELÉTRICAS EMERGENCIAIS E COMERCIALIZADORA BRASILEIRA DE ENERGIA EMERGENCIAL CBEE UTES EMERGENCIAIS NO SISTEMA ISOLADO 43 ANEXOS 45 ANEXO I CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DO PROCESSO DE FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE GERAÇÃO 46 ANEXO II MODELO DE OFÍCIO DE COMUNICAÇÃO AO AGENTE 47 ANEXO III PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO (ANEXO 1 DO OFÍCIO AO AGENTE) 48 ANEXO IV RELAÇÃO DE DOCUMENTOS SOLICITADOS AO AGENTE (ANEXO 2 DO OFÍCIO AO AGENTE) 49 ANEXO V FICHA TÉCNICA CENTRAL COGERADORA 50 ANEXO VI FICHA TÉCNICA CENTRAL GERADORA EOLIOELÉTRICA 51 ANEXO VII FICHA TÉCNICA CENTRAL GERADORA SOLAR FOTOVOLTAICA 52 ANEXO VIII FICHA TÉCNICA (AHE COM POTÊNCIA KW) 53 ANEXO IX FICHA TÉCNICA USINA HIDRELÉTRICA / PCH 54 ANEXO X FICHA TÉCNICA USINA TERMELÉTRICA 55 ANEXO XI MODELO DE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 56 ANEXO XII ORGANIZAÇÃO DE DOCUMENTOS INTERNOS 63 ANEXO XIII MODELO DE TERMO DE NOTIFICAÇÃO TN 65 ANEXO XIV MODELO DE AUTO DE INFRAÇÃO AI 66 ANEXO XV MODELO DE TERMO DE ARQUIVAMENTO TA 67 ANEXO XVI MODELO DE TERMO DE ENCERRAMENTO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO PUNITIVO TE 68 ANEXO XVII FLUXOGRAMA DOS PROCEDIMENTOS GERAIS PARA IMPOSIÇÃO DE PENALIDADES AOS AGENTES (RESOLUÇÃO ANEEL Nº 63/2004) 69 ANEXO XVIII LEGISLAÇÃO BÁSICA DO SETOR ELÉTRICO 75 ANEXO XIX EXEMPLOS DE DESCRIÇÃO DE NÃO CONFORMIDADES 82 ANEXO XX QUADRO DE PESSOAL E ORGANOGRAMA FUNCIONAL - SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE GERAÇÃO (SFG) 89

5 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACL Ambiente de Contratação Livre ACR Ambiente de Contratação Regulada AHE Aproveitamento Hidrelétrico AI Auto de Infração APE Autoprodutor de Energia Elétrica BIG Banco de Informações de Geração CCEAR Contrato de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado CCEE Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (sucessora do MAE 1 ) CBEE Comercializadora Brasileira de Energia Emergencial CCC Conta de Consumo de Combustíveis Fósseis CCD Contrato de Conexão ao Sistema de Distribuição CCT Contrato de Conexão ao Sistema de Transmissão CDE Conta de Desenvolvimento Energético CGH Central Geradora Hidrelétrica CMSE Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico CNPE Conselho Nacional de Política Energética COG Central Cogeradora de Energia CUSD Contrato de Uso do Sistema de Distribuição CUST Contrato de Uso do Sistema de Transmissão Eletrobrás Centrais Elétricas Brasileiras S.A. EOL Central Geradora Eolioelétrica EPE Empresa de Pesquisa Energética GCE Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (extinta 2 ) LDO Lei de Diretrizes Orçamentárias LOA Lei Orçamentária Anual MAE Mercado Atacadista de Energia Elétrica (sucedido pela CCEE 1 ) MME Ministério de Minas e Energia ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico PAC Plano Anual de Combustíveis PAM Plano de Atividades e Metas PCH Pequena Central Hidrelétrica P&D Pesquisa e Desenvolvimento 1 Lei nº /04, art. 5º. 2 Decreto nº 4.261/02, art. 4º.

6 PIA PIE PMO PPA PPT PROINFA RGR SAF SIN SOL SP SPG TA TE TI TN UBP UHE UTE UTN Produtor Independente Autônomo Produtor Independente de Energia Elétrica Programa Mensal da Operação Plano Plurianual Programa Prioritário de Termeletricidade Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica Reserva Global de Reversão Superintendência de Administração e Finanças (da ANEEL) Sistema Elétrico Interligado Nacional Central Geradora Solar Fotovoltaica Serviço Público Superintendência de Planejamento da Gestão (da ANEEL) Termo de Arquivamento Termo de Encerramento Termo de Intimação Termo de Notificação Uso de Bem Público Usina Hidrelétrica Usina Termelétrica Usina Termonuclear

7 GLOSSÁRIO Visando uniformizar e facilitar o entendimento do usuário, a seguir são apresentadas definições de termos que constam neste manual, os quais são empregados no âmbito da ANEEL, relacionados com as características do parque gerador brasileiro. Agente de geração: agente titular de concessão, permissão ou autorização, outorgada pelo Poder Concedente, para fins de geração de energia elétrica. Agente Registrado: agente proprietário de aproveitamento de potencial hidráulico, igual ou inferior a kw, ou de usina termelétrica de potência igual ou inferior a kw, que está dispensado, por lei 3, de concessão, permissão ou autorização, e que deve apenas comunicar os dados técnicos e características do respectivo empreendimento ao poder concedente. Aproveitamento Hidrelétrico (AHE): empreendimento para exploração de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica 4 ; ou, também, aproveitamento energético de curso d água 5. Auto de Infração (AI): é o termo lavrado pela autoridade responsável pela ação fiscalizatória, para evidência ou comprovação material da infração, nele se indicando a transgressão praticada contra a legislação setorial ou cláusulas contratuais 6. O AI é lavrado nos casos de: comprovação de não conformidade; ausência de manifestação tempestiva do agente ao TN; quando consideradas insatisfatórias as alegações apresentadas pelo agente em sua manifestação; e quando não forem atendidas, no prazo, as determinações da agência 7. O AI é instruído com o TN, salvo na hipótese do embargo de obras e da interdição de instalações, e a respectiva manifestação da notificada, se houver, bem assim com a exposição de motivos da autuação e outros documentos a esta relacionados, sendo uma via remetida ou entregue ao representante legal da autuada, ou ao seu procurador habilitado 8. Autoprodutor de Energia Elétrica (APE): pessoa física ou jurídica ou empresas reunidas em consórcio que recebam concessão ou autorização para produzir energia elétrica destinada ao seu uso exclusivo 9. Central Cogeradora de Energia (COG): usina baseada em processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total ou parcialmente em energia elétrica, por meio do processo de geração termelétrica (ver Usina Termelétrica), a partir da energia química disponibilizada por um ou mais combustíveis Lei nº 9.074/95, art. 8º. 4 Constituição Federal 1988, art. 20, 1º. 5 Constituição Federal 1988, art. 21, XII, b. 6 SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico. Ed. Forense, Rio de Janeiro: (p.173). 7 Resolução nº 63/04, arts. 20, 2º. 8 Resolução nº 63/04, arts. 22 a Decreto nº 2.003/96, art. 2º, II. 10 Resolução ANEEL nº 21, art. 3º.

8 Central Geradora Eolioelétrica (EOL): usina que produz energia elétrica com geradores acoplados, por meio de um sistema mecânico de transmissão, a rotores que são acionados pela energia cinética do vento conjuntos chamados de aerogeradores. Central Geradora Hidrelétrica (CGH): aproveitamento de potencial hidráulico de potência igual ou inferior a kw, conforme denominação adotada pela ANEEL 11 em seus documentos e no Banco de Informações de Geração BIG. Central Geradora Solar Fotovoltaica (SOL): usina que, por meio de um sistema fotovoltaico, converte radiação solar diretamente em energia elétrica. Concessionária de serviço público (SP) de geração: agente titular de concessão federal para explorar a prestação de serviço público de geração de energia elétrica 12. Constatação: descrição de procedimento, situação ou fato relevante constatado quando da fiscalização do agente de geração pode ser um ponto notável ou uma não conformidade. Determinação: corresponde a uma ação emanada da agência reguladora e que deve ser cumprida pelo agente, no prazo especificado. Fiscalização emergencial: fiscalização motivada por conflito ou ocorrência grave na exploração do serviço de geração de energia elétrica, que tenha causado ou esteja causando degradação da qualidade e da continuidade desses serviços, ou que tenha ocasionado acidente ou esteja colocando em risco a segurança de pessoas, de instalações ou do meio ambiente. Fiscalização eventual: fiscalização não rotineira, motivada por causas outras que não a emergencial. Fiscalização periódica: fiscalização de rotina, baseada em planejamento de visitas previamente elaborado, onde é verificado, de maneira geral, o atendimento ao contrato de concessão, ou ao ato autorizativo, e à legislação do setor elétrico. Não conformidade: refere-se a um procedimento adotado pelo agente, a um fato consumado por ele, a uma inação ou ação sua em curso que, simultaneamente ou não: não obedeça à legislação 13, 14 do setor elétrico; não atenda ao contrato de concessão 1 ou ato autorizativo 2 ; encontre-se em desacordo com os dispositivos que regulamentam a exploração dos serviços 1, 2 de geração; 11 ANEEL. Guia do empreendedor de pequenas centrais hidrelétricas. Brasília: ANEEL, (p.21). 12 Definição abrangente, que contempla diferentes formas de concessão ao longo da história do Setor Elétrico. Em uma leitura contemporânea mais precisa, conjugando-se a Lei nº 8.987/95, art. 2º, II, com a Lei nº 9.074, art. 1º, V, e Capítulo II, Seção I, poder-se-ia definir concessionária de serviço público de geração como pessoa jurídica ou consórcio de empresas titular de delegação (concessão), feita pelo poder concedente da União, mediante licitação, na modalidade de concorrência, para prestação de serviço público de geração de energia elétrica, para o qual tenha demonstrado capacidade para seu desempenho, por sua conta e risco e por prazo determinado. 13 Lei nº 8.987/95, art. 6º, caput. 14 Decreto nº 2.335/97, art. 16, II.

9 não observe às normas técnicas, aos procedimentos ou às instruções adotadas 1, 2 no setor ou, se permitido, pelo próprio agente; traga prejuízo ou represente risco iminente às condições 15 de regularidade, continuidade, eficiência, segurança 16, atualidade e qualidade 4 do fornecimento de energia; traga prejuízo à conservação dos bens e instalações 17, em especial daqueles que possam reverter à União ou que lhe pertençam 18, 19 ; traga prejuízo ou represente risco iminente ao meio ambiente e à sua preservação 20 ; Ao identificar uma não conformidade, é vedada aos agentes da fiscalização a renúncia total ou parcial de seus poderes ou competências, devendo fazê-la constar nos autos do respectivo processo administrativo e adotar as ações necessárias para que o agente fiscalizado proceda ao seu saneamento 21. Pequena Central Hidrelétrica (PCH): aproveitamento de potencial hidráulico de potência instalada superior a kw e igual ou inferior a kw, destinado a produção independente ou autoprodução de energia elétrica, e que atenda aos demais critérios de enquadramento estabelecidos pela ANEEL. Permissionária de serviço público (SP) de geração: agente titular de permissão federal para explorar a prestação de serviço público de geração de energia elétrica. Produtor Independente Autônomo (PIA): o produtor independente tem essa condição quando sua sociedade, não sendo ela própria concessionária de qualquer espécie, não é controlada ou coligada de concessionária de serviço público ou de uso do bem público de geração, transmissão ou distribuição de energia elétrica, nem de seus controladores ou de outra sociedade controlada ou coligada com o controlador comum 22. Produtor Independente de Energia Elétrica (PIE): pessoa jurídica ou empresas reunidas em consórcio que recebam concessão ou autorização do poder concedente, para produzir energia elétrica destinada ao comércio de toda ou parte da energia produzida, por sua conta e risco 23. Recomendação: tem caráter de educação e orientação e corresponde a uma ação ou procedimento que não se enquadra como não conformidade, cujo atendimento pelo agente é apenas desejável do ponto de vista de melhoria de seu processo ou de suas instalações. Pode ser feita pela fiscalização tão-somente quando represente melhoria inquestionável e sempre com base nas melhores práticas consagradas no 15 Lei n 8.987/95, art. 6º, 1º. 16 Decreto nº 2.335/97, art. 16, III. 17 Lei n 8.987/95, art. 6º, 2º 18 Lei nº 9.074/95, art Decreto nº 2.003/96, art Lei nº 8.987/95, art. 29, X. 21 Lei nº 9.784/99, art. 2º, parágrafo único. 22 Lei nº /02, art. 3º, 1º. 23 Lei nº 9.074/95, art. 11, e Decreto nº 2.003/96, art. 2º, I.

10 setor, recomendadas nas normas ou literatura especializada, ou acumuladas na experiência da ação fiscalizatória. Termo de Compromisso de Ajuste de Conduta: termo que a ANEEL poderá, alternativamente à imposição de penalidade, firmar com a concessionária, permissionária ou autorizada, visando à adequação da conduta irregular às disposições regulamentares e/ou contratuais aplicáveis 24. Termo de Arquivamento (TA): termo expedido pela autoridade responsável pela ação fiscalizatória para dar ciência ao agente notificado de que o TN foi arquivado, quando não comprovada a não conformidade ou sendo consideradas procedentes as alegações deste 25. Além de dados cadastrais do processo e do agente, o TA traz a determinação expressa do arquivamento, bem como as considerações que embasaram este ato administrativo. Termo de Encerramento (TE): registro formal de encerramento do processo para arquivamento, no qual consta o número do processo, a identificação do solicitante, a data e o local do encerramento, com assinatura ou rubrica do responsável aposta sobre o nome e o cargo, digitado ou carimbado 26. É lavrado pela autoridade responsável pela ação fiscalizatória, sendo o original juntado ao final do processo administrativo que tenha sido encerrado e uma via remetida ao respectivo agente interessado, para lhe dar ciência do ato. Além dos dados supracitados, o TE traz a descrição sucinta dos fatos que motivaram o encerramento do processo. Termo de Intimação (TI): termo expedido pela autoridade responsável pela ação fiscalizatória, mediante autorização por Despacho da Diretoria da ANEEL, para cientificar o agente em cujas instalações tenham sido constatadas irregularidades que possam, de per si ou conjuntamente, levar à imposição das penalidades de: suspensão temporária de participação em licitações para obtenção de novas concessões, permissões ou autorizações, ou impedimento de receber autorização para serviços e instalações de energia elétrica; revogação de autorização; intervenção administrativa; e caducidade da concessão ou da permissão. O TI é acompanhado de exposição circunstanciada de motivos e, na hipótese de caducidade de concessão ou permissão, de relatório de comunicação de falhas e transgressões à legislação e ao contrato de concessão ou permissão, com a fixação de prazo para a sua regularização definitiva pelo agente 27. Termo de Notificação (TN): termo enviado pela área de fiscalização da agência, acompanhado do respectivo relatório de fiscalização, ao representante legal do agente fiscalizado ou ao seu procurador habilitado, para conhecimento e, se for o caso, manifestação no prazo regulamentar 28. O relatório trará: os dados básicos da ação fiscalizatória identificação, localização e características básicas do empreendimento fiscalizado, data de execução, nomes dos executores; os objetivos específicos da ação; uma síntese da situação do empreendimento (fatos relevantes que não representem irregularidades); irregularidades constatadas; determinações 24 Resolução ANEEL nº 63/04, art Resolução ANEEL nº 63/04, art. 20, 1º. 26 Portaria ANEEL nº 50/04, art. 3º, XXXII. 27 Resolução ANEEL nº 63/04, arts. 27 a Resolução ANEEL nº 63/04, arts. 18 a 20.

11 e/ou recomendações, caso necessárias; e registro fotográfico, se imprescindível para evidenciar a irregularidade. Usina Hidrelétrica (UHE): aproveitamento de potencial hidráulico de potência instalada maior do que kw. Usina Termelétrica (UTE): usina que produz energia elétrica com geradores acoplados a máquinas térmicas (motores ou turbinas), as quais, por sua vez, obtêm a energia mecânica para movimentá-los a partir da transformação da energia térmica de uma fonte de calor combustão de carvão mineral, óleo combustível, gás natural, resíduos industriais, biomassa, etc. Usina Termonuclear (UTN): usina que produz energia elétrica com geradores acoplados a máquinas térmicas (turbinas), as quais, por sua vez, obtêm a energia mecânica para movimentá-los a partir da transformação da energia térmica resultante de fissão nuclear controlada.

12 APRESENTAÇÃO DO MANUAL Contextualização da Fiscalização A energia elétrica é insumo fundamental para a economia de qualquer país. Não há crescimento econômico ou melhoria das condições sociais sem energia. A responsabilidade de planejar a expansão da geração de energia elétrica é tarefa do Governo Federal, mas a fiscalização da operação e do andamento das obras de novas usinas, a serem inseridas no parque gerador nacional, é atribuição da ANEEL. Essa competência é desempenhada pela Superintendência de Fiscalização dos Serviços de Geração SFG, por meio do monitoramento contínuo das usinas em operação e do acompanhamento das obras de empreendimentos concedidos, autorizados ou registrados pelo Poder Concedente. Apesar do pouco tempo de existência, a SFG implantou e promoveu uma profunda mudança nos métodos de fiscalização dos empreendimentos de geração de todo o país. Hoje, pela primeira vez em sua história, o Brasil tem a totalidade de suas usinas geradoras fiscalizadas pelo poder público. Esse trabalho começou em 1998, com o início das atividades da Agência, quando foram cadastradas as usinas geradoras em funcionamento no país, com ênfase nas concessionárias de serviço público. A iniciativa pavimentou o caminho para a consolidação do acompanhamento da operação das usinas já existentes. Após a conclusão do cadastramento das usinas, o foco da fiscalização passou para os autoprodutores e os produtores independentes de energia. A partir de 1999, priorizou-se o acompanhamento da implantação de novas usinas que tiveram suas outorgas expedidas. O objetivo desse trabalho, uma das principais atividades da SFG, é verificar o cumprimento dos cronogramas das obras de novas usinas e atuar, quando necessário, por meio de seu poder de polícia, no sentido de orientar, notificar ou autuar os agentes para que corrijam desvios. Com o auxílio das agências estaduais conveniadas, de consultorias e universidades, a SFG realiza acompanhamento contínuo e rigoroso do andamento das obras de construção de novas geradoras. Hoje, por meio de relatórios mensais disponíveis no sítio da Agência na Internet, a sociedade tem condições de conhecer a situação de cada empreendimento de geração outorgado no país. Esse trabalho funciona como importante instrumento de auxílio ao planejamento setorial, uma vez que permite o conhecimento da real evolução da oferta de energia para atendimento ao mercado. A preocupação da fiscalização da geração não se restringe, no entanto, apenas às usinas que ainda vão entrar em operação. Em 2000, a Agência iniciou uma nova etapa de sua atividade de fiscalização, desenvolvendo o Diagnóstico dos Procedimentos de Operação e Manutenção em Centrais de Geração de Energia Elétrica. Trabalho pioneiro no país. Esse diagnóstico visa constatar as condições físicas e de operação e operação das usinas em funcionamento. Essa tem sido a rotina da área de fiscalização. Aprimorar-se cada vez mais no nível de exigências técnicas sobre a operação e conservação, contribuído assim para a detecção, prevenção e correção de problemas no Sistema Elétrico, levando ao incremento da confiabilidade e disponibilidade energética e ao aperfeiçoamento constante dos procedimentos operacionais e de manutenção das geradoras. 12

13 Nesse contexto, a SFG adotou sete ações principais de fiscalização, como é descrito mais adiante neste manual, estabelecidos e em execução, a saber: monitoramento da geração à distancia; verificação do cumprimento dos contratos de concessão e atos de autorizações; fiscalização de adequação; acompanhamento das condições de conservação e segurança; diagnóstico dos procedimentos de operação e manutenção; acompanhamento de obras; e fiscalização de emergência. O Manual dos Procedimentos de Fiscalização Este Manual apresenta, de maneira sucinta e progressiva, todas as etapas que integram o processo de fiscalização, organizado de tal forma a atender às sete principais ações de fiscalização, descritas no Capítulo 1, as quais foram concebidas no intuito de cumprir as obrigações legais atribuídas à fiscalização dos serviços de geração. Para a fase de planejamento, constante do Capítulo 2, está contemplado desde a inserção da área de fiscalização no Plano Plurianual PPA da agência, que abrange um período de quatro anos, cuja meta principal é o monitoramento de todo o parque gerador, seja à distância ou por meio de visita in loco, até a elaboração do planejamento anual, que inclui o planejamento individual, de cada técnico, em conformidade com as metas de longo prazo do PPA. Esse planejamento contempla, além das atividades específicas de cada técnico na fiscalização de agentes e empreendimentos, aquelas de caráter geral, necessárias ao funcionamento da área, tais como a gestão de contratos de consultoria especializada e do Plano de Atividades e Metas PAM, firmado junto às agências estaduais conveniadas. Para as visitas de fiscalização in loco é apresentado, no Capítulo 3, todo o procedimento para a sua execução, incluindo as fases de planejamento, execução, elaboração do relatório de fiscalização, acompanhamento e análise da manifestação do agente, que traz em seu bojo o acatamento e as ações que serão por ele implementadas no sentido de sanar ou regularizar as constatações listadas no relatório, as quais, ao serem cumpridas, estarão contribuindo para a melhoria das condições de atendimento ao sistema elétrico como um todo e, em última análise, ao consumidor final. Dentro desse procedimento estão inclusas, também, orientações quanto à conduta da equipe de fiscalização frente ao agente fiscalizado, em consonância com os princípios do serviço público e o Código de Ética da Agência. O Capítulo 4 é dedicado aos procedimentos específicos adotados para o acompanhamento e a fiscalização de programas e agentes especiais, tais como a Conta de Consumo de Combustíveis CCC, o Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS e o Programa de Pesquisa e Desenvolvimento P&D. Nos anexos integrantes deste Manual são apresentados modelos de ofício e de fax, rol de documentos básicos a serem solicitados aos agentes, previamente às fiscalizações, e modelos de fichas técnicas para os diferentes tipos de usinas de geração de energia elétrica que integram o parque gerador brasileiro. 13

14 No que diz respeito aos aspectos formais dos processos de fiscalização, nos anexos também são apresentados modelos de Relatório de Fiscalização, de Temo de Notificação TN, de Termo de Arquivamento TA de notificação, de Auto de Infração AI, bem como modelo de Termo de Encerramento TE de Processo Administrativo Punitivo, além de um fluxograma que sintetiza os procedimentos gerais para imposição de penalidades, conforme estabelecido na Resolução ANEEL n 63/2004. Desses anexos, os dois últimos merecem especial destaque por tratarem, respectivamente, do arcabouço legal do Setor Elétrico e da descrição das principais constatações, que são usualmente identificadas nas ações de fiscalização dos serviços de geração. Por fim, vale destacar que o processo de fiscalização tem-se mostrado bastante dinâmico e desafiador, como o próprio universo das agências reguladoras, sublinhando com isso a necessidade da busca contínua da melhoria de métodos e procedimentos empregados nas atuais ações de fiscalização e, também, de subsídios para a concepção de novos tipos de ações no futuro. 14

15 1 - AS PRINCIPAIS AÇÕES DA FISCALIZAÇÃO A ação fiscalizadora da agência reguladora, no que tange à exploração dos serviços de geração de energia elétrica, visa, primordialmente, à educação e orientação dos agentes deste segmento, à prevenção de condutas violadoras da lei e dos contratos e à descentralização de atividades complementares aos Estados, com os propósitos de 29 : instruir os agentes de geração quanto ao cumprimento de suas obrigações contratuais e regulamentares; fazer cumprir os contratos, as normas e os regulamentos da exploração dos serviços e instalações de energia elétrica; garantir o atendimento aos padrões de qualidade, custo, prazo e segurança compatíveis com as necessidades regionais e específicas dos agentes de geração; garantir o atendimento aos requisitos de quantidade, adequação e finalidade dos serviços e instalações de energia elétrica; e subsidiar, com informações e dados necessários, a ação regulatória, visando à modernização do ambiente institucional de atuação da agência reguladora. As ações de fiscalização, no âmbito das atividades realizadas pelos agentes do setor, em conformidade com as normas regulamentares e os respectivos contratos de concessão e atos autorizativos, poderão levar às seguintes penalidades: advertência escrita, por inobservância a determinações da agência reguladora ou de normas legais; multas em valores atualizados, nos casos previstos nos regulamentos ou nos contratos de concessão, ou pela reincidência em fato que tenha gerado advertência escrita; embargo de obras ou interdição das instalações, respectivamente, nos casos de realização de obras ou a posse de instalações, sem a necessária autorização ou concessão ou que ponham em risco a integridade física ou patrimonial de terceiros; suspensão temporária de participação em licitações para obtenção de novas concessões, permissões ou autorizações, bem como de impedimento de contratar com a ANEEL e de receber autorização para serviços e instalações de energia elétrica, em caso de não execução total ou parcial de obrigações definidas em lei, em contrato de concessão ou em ato autorizativo; revogação da autorização, nos termos da legislação vigente ou do ato autorizativo; intervenção administrativa, nos casos previstos em lei, no contrato de concessão, ou em ato autorizativo, em caso de sistemática reincidência em infrações já punidas por multas; e caducidade da concessão ou permissão, na forma da lei e do respectivo contrato. 29 Decreto nº 2.335/97, art

16 Os procedimentos para regular a imposição de penalidades aos agentes delegados de instalações e serviços de energia elétrica, referentes às infrações apuradas, estão estabelecidos na Resolução da ANEEL nº 63, de 12 de maio de 2004, inclusive no que diz respeito à cumulatividade, ao agravo ou atenuação delas. Para fins de organização e planejamento da área de fiscalização dos serviços de geração, essa ação pode ser desdobrada em sete principais, como mostra a Figura 1, as quais são descritas sob cada um dos subtítulos seguintes. Além dessas, poderão existir outras, de caráter permanente ou não, decorrentes de novos tipos de agentes, modalidades de exploração dos serviços de geração e programas setoriais. FISCALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA MONITORAMENTO DA GERAÇÃO À DISTÂNCIA ACOMPANHAMENTO DE OBRAS DIAGNÓSTICO DOS PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DOS CONTRATOS E ATOS AUTORIZATIVOS FISCALIZAÇÃO DE ADEQUAÇÃO ACOMPANHAMENTO DAS CONDIÇÕES DE CONSERVAÇÃO E SEGURANÇA Figura 1 As sete principais ações da fiscalização dos serviços de geração Monitoramento da Geração à Distância É uma ação conduzida a partir da sede da agência reguladora, que pode ser tanto de caráter periódico quanto eventual ou emergencial, de acordo com sua motivação. No monitoramento à distância dos serviços de geração, para o Sistema Elétrico Interligado Nacional SIN, são utilizados indicadores e outras informações constantes dos relatórios do Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. Para o Sistema Isolado, o monitoramento à distância é feito com base nos relatórios do Grupo Técnico Operacional da Região Norte GTON e naqueles enviados periodicamente para a agência reguladora. Também são usadas, como fonte subsidiária de informações, as matérias veiculadas pela mídia, principalmente pelos veículos de comunicação locais. 16

17 Essas informações são empregadas, dentre outras, com a finalidade de: identificar interrupções ou desativações não autorizadas; detectar repotenciações não autorizadas; tomar conhecimento de ocorrências e problemas pontuais que motivem ações fiscalizatórias específicas; e comprovar a energia efetivamente gerada pelos agentes Verificação do Cumprimento dos Contratos de Concessão e Atos de Autorização É usualmente uma ação de caráter periódico a menos quando decorrente de denúncia ou demanda emergencial, que pode ser conduzida isolada ou conjuntamente com outras ações, e visa verificar o cumprimento dos compromissos estabelecidos nos contratos de concessão. Para verificação do cumprimento desses compromissos são observadas as obrigações: constantes nos editais de licitação da concessão; constantes nos editais de privatização das empresas; estabelecidas nos contratos de concessão e eventuais aditivos, tais como as enumeradas abaixo, com especial atenção para datas e prazos de cumprimento: o condições e níveis de qualidade exigidos para a prestação do serviço; o conservação de bens e instalações; o investimentos em programas de pesquisa e desenvolvimento; e o aumento da capacidade instalada e, conseqüentemente, da oferta de energia ao mercado atendido Fiscalização de Adequação A fiscalização de adequação, quando prevista no plano de visitas da área, é de caráter periódico e tem como principal objetivo o cadastramento e a regularização de usinas geradoras de energia elétrica. Será de caráter eventual quando visa atender demandas de outras superintendências não previstas no plano, tais como: confirmação de dados técnicos para fins de análise de projetos, autorização, registro ou renovação de concessões, cobrança de encargos setoriais; verificação da situação dos empreendimentos (em operação, parcialmente operando, desativados, etc); e obtenção de subsídios para a mediação de conflitos. Nesta ação fiscalizadora são verificados basicamente os seguintes itens, aplicáveis conforme o tipo de usina: potência instalada: conformidade com aquela que consta no contrato de concessão, ato autorizativo ou nos registros da agência; 17

18 legalidade: cumprimento de normas, regulamentos setoriais e, quando aplicáveis, procedimentos de operação do próprio agente; licença ambiental: existência, validade e conformidade com as características do empreendimento e atividades desenvolvidas; e outorga de direito de uso de recursos hídricos: existência, validade e conformidade com as características do empreendimento Acompanhamento das Condições de Conservação e Segurança Esse tipo de acompanhamento visa verificar as condições de conservação e segurança dos bens e instalações das usinas geradoras. É uma ação usualmente de caráter periódico, mas poderá ser eventual ou emergencial conforme sua motivação. A agência reguladora poderá, em conformidade com a legislação, as normas e os contratos de concessão, exigir relatórios ou laudos que atestem as condições de conservação e de segurança (p.ex.: laudo de avaliação das condições de segurança das estruturas civis), bem como deverá fazê-lo sempre que houver indícios do comprometimento dessas condições (p.ex.: fissuras na estruturas civis, danos na isolação de equipamentos elétricos, etc) Diagnóstico dos Procedimentos de Operação e Manutenção Uma vez que deve estar prevista no plano de visitas da área, esta ação possui caráter periódico. O diagnóstico tem como objetivo identificar não conformidades nos procedimentos de operação e manutenção das usinas geradoras, avaliar suas conseqüências, determinar aos agentes medidas corretivas e, quando aplicável, recomendar melhorias em seus processos e instalações, com vistas a garantir as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade e qualidade do fornecimento de energia. Este trabalho visa analisar os procedimentos de operação e manutenção das empresas de geração de energia elétrica no Brasil, de forma clara e objetiva e apontar suas deficiências e potencialidades. Essa metodologia está sistematizada em um manual e formulário específico desenvolvido para aquisição de dados (questionário) e que contém todos os itens a serem analisados. O formulário foi estruturado contemplando oito áreas fundamentais, com desdobramentos diversos, perfazendo um total de até 280 registros relacionados com operação e manutenção. A metodologia aplica-se a usinas hidrelétricas, termelétricas e termonucleares, visando garantir o bom desempenho técnico destas, atuando-se preventivamente no sentido de evitar a ocorrência de falhas e mitigar a indisponibilidade de geração. Este processo, embora restrito às usinas de geração de energia, particularmente voltado para os procedimentos de operação e manutenção, acaba refletindo na melhor utilização dos recursos hídricos e térmicos e produzindo benefícios tanto para os agentes como para o conjunto dos consumidores. Considerando a interdependência operativa de usinas situadas em seqüência de rios, a interconexão dos sistemas de transmissão e a integração da geração e transmissão no atendimento ao mercado, uma exploração coordenada de tais recursos deverá garantir maior disponibilidade e confiabilidade no suprimento da eletricidade com redução de custos para os consumidores. 18

19 1.6 - Acompanhamento de Obras O acompanhamento de obras é uma fiscalização de caráter periódico e tem como principal objetivo verificar e avaliar a evolução das obras de usinas concedidas ou autorizadas, para a tomada de ações por parte da agência reguladora, quando necessário, no sentido de fazer o agente cumprir os compromissos de entrada em operação comercial nas datas previstas no contrato de concessão ou no ato autorizativo. Esse acompanhamento dar-se-á in loco e mediante relatórios periódicos enviados pelo agente. Durante o período de construção, as obras serão visitadas periodicamente pela agência reguladora. As empresas titulares e responsáveis pelos empreendimentos devem enviar periodicamente, por solicitação da agência ou por obrigação constituída no contrato ou na autorização, relatório de progresso que contemple um cronograma com os principais marcos e quantitativos realizados no período de referência, incluindo fotografias que evidenciem o andamento das obras Fiscalização de Emergência A fiscalização de emergência é aquela que não está prevista no plano de visitas da área, sendo motivada por conflito ou ocorrência grave na exploração do serviço de geração de energia elétrica, que tenha causado ou esteja causando degradação da qualidade e da continuidade desses serviços, ou que tenha ocasionado acidente ou esteja colocando em risco a segurança de pessoas, de instalações ou do meio ambiente. 19

20 2 - O PLANEJAMENTO DA ÁREA DE FISCALIZAÇÃO É desejável que a monitoração seja executada na totalidade dos serviços de geração do Setor Elétrico, em cada exercício anual. Entretanto, levando-se em conta as prioridades de atuação sobre agentes e empreendimentos específicos, os limites de recursos disponíveis, em cada exercício, para as atividades de fiscalização, bem como o seu uso eficiente, as seguintes diretrizes devem ser consideradas para planejamento da área de fiscalização, em suas atividades-fim e de apoio: o monitoramento à distância é de central importância e deve ser executado de maneira a tentar cobrir, de acordo com os meios e tecnologias disponíveis, a totalidade do setor e para servir de base na definição e priorização das fiscalizações in loco; as fiscalizações in loco devem ser definidas, principalmente, em função dos resultados da monitoração à distância, de modo a otimizar o uso dos recursos da agência, atuando-se sobre os agentes e empreendimentos que tenham ou possam ter impactos significativos no sistema elétrico seja sob o aspecto técnico ou econômico; e a descentralização das atividades de fiscalização deve ser maximizada, observando-se a conveniência para a administração, assim como os limites e condições impostos pelas normas legais. Ressalta-se que essas diretrizes nortearão as metas de fiscalização que deverão constar do Plano Plurianual PPA da agência, que abrange um horizonte de quatro anos, as quais, por sua vez, deverão ser observadas quando da elaboração do planejamento anual O Plano Plurianual e a Previsão Orçamentária A Constituição Federal de 1988, no seu art. 165, definiu a forma de integração entre plano e orçamento por meio da criação de três instrumentos: Plano Plurianual PPA Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO Lei Orçamentária Anual LOA Nesse processo, a área de fiscalização será responsável pela elaboração da parte do plano e do orçamento no que diz respeito às suas atividades. Estes estarão inseridos no plano e no orçamento da ANEEL, os quais, por sua vez comporão o PPA, a LDO e a LOA da esfera federal, inserindo-se setorialmente na área de Minas e Energia. As agências estaduais serão incluídas sob a rubrica relativa à verba alocada à descentralização, a qual, por sua vez, se materializa por meio da celebração dos convênios de cooperação e respectivos Planos de Atividades e Metas PAM, entre a ANEEL e as agências, a afetiva transferência de recursos e a execução das atividades planejadas por estas (descritos sob o título específico deste capítulo). Não obstante, as agências deverão, além de cumprir com as obrigações estabelecidas com a ANEEL, atender às formalidades relativas aos planos e 20

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA Este boletim aborda o acompanhamento da expansão da oferta de energia elétrica no Brasil, realizado pela equipe de fiscalização dos serviços de geração da ANEEL, e apresenta os principais resultados observados

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A.

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. VOTO PROCESSO: 48500.007977/2000-07. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS.

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o artigo 90, inciso VII, da Constituição do Estado,

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO QUARTO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 14/ANA/2004 CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E A ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL, COM A ANUÊNCIA DO COMITÊ PARA

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 114, DE 20 DE MARÇO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. VOTO PROCESSO: 48500.005606/2014-31. INTERESSADO: Floraplac MDF Ltda. - Floraplac RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. ASSUNTO:

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO CVM N o 529, DE 1º DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instituição da Ouvidoria no âmbito do mercado de valores mobiliários. O PRESIDENTE INTERINO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União Facilitador: Fernanda Lyra Horário da Aula: 28 de janeiro - Segunda - das 18h às 20h SICONV TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO ANUAL DE AUDITORIA (PAA) 2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 4 2 DO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP)... 6 3 DAS ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 6 3.1 Apoio ao Tribunal de Contas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3)

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) Estabelece as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos superficiais para fins de captação por

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 0017/2010 EMENTA: Regulamenta a coordenação e o funcionamento do Sistema de Controle Interno no âmbito do Tribunal de Contas e dá outras providências. O DO ESTADO DE PERNAMBUCO, na sessão

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada;

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada; 1 PORTARIA MEC 403/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 403, DE 23 DE ABRIL DE 2009 Dispõe sobre a solicitação, autorização, concessão e prestação de contas de diárias, passagens

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos e condições para obtenção e manutenção da situação operacional e definição de

Leia mais

CONVÊNIO NIO ANEEL /ARPE

CONVÊNIO NIO ANEEL /ARPE CONVÊNIO NIO ANEEL /ARPE Câmara Federal Audiência PúblicaP - ComissC omissão o de Defesa do Consumidor - Comissão o de Minas e Energia 15 de abril de 2009 COMANDOS LEGAIS: Lei Federal 9.074/95 Estabelece

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

DECRETO N 42.262 DE 26 DE JANEIRO DE 2010

DECRETO N 42.262 DE 26 DE JANEIRO DE 2010 DECRETO N 42.262 DE 26 DE JANEIRO DE 2010 REGULAMENTA A LEI ESTADUAL Nº 5.628/09, QUE INSTITUIU O BILHETE ÚNICO NOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE COLETIVO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS NA REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DA PROCURADORIA CONSULTIVA Nº 03/2015 (MARÇO DE 2015)

BOLETIM INFORMATIVO DA PROCURADORIA CONSULTIVA Nº 03/2015 (MARÇO DE 2015) ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO BOLETIM INFORMATIVO DA PROCURADORIA CONSULTIVA Nº 03/2015 (MARÇO DE 2015) 1. Instruções para prorrogações de convênios celebrados pela Administração Direta

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 Dispõe sobre critérios para a elaboração de Planos de Controle de Poluição Veicular-PCPV e para a implantação

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em vigor a partir de 01/01/2016) Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece a obrigatoriedade da

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

! "# " " $%&'())* ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

! #   $%&'())* ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++ TÍTULO I DO OBJETO.... 5 TÍTULO II DAS INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS.... 5 CAPÍTULO I - DO PODER CONCEDENTE.... 5 CAPÍTULO II - DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA.... 7 Seção I - Das atribuições e da

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 2.655, DE 2 DE JULHO DE 1998. Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013

2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013 2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013 MESA REDONDA REQUISITOS LEGAIS 2013: Lei 13577 Áreas Contaminadas / Decreto 59.263 Decreto nº 59.263/2013,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) Estabelece procedimentos administrativos e critérios técnicos referentes à Declaração

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta.

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta. 1 Texto atualizado apenas para consulta. LEI Nº 3.984, DE 28 DE MAIO DE 2007 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Cria o Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal Brasília

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais