PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA COMARCA DE AMÉLIA RODRIGUES/BA CARTÓRIO DOS FEITOS CRIMINAIS, DE INFÂNCIA E DE JUVENTUDE E DA FAZENDA PÚBLICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA COMARCA DE AMÉLIA RODRIGUES/BA CARTÓRIO DOS FEITOS CRIMINAIS, DE INFÂNCIA E DE JUVENTUDE E DA FAZENDA PÚBLICA"

Transcrição

1 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA COMARCA DE AMÉLIA RODRIGUES/BA CARTÓRIO DOS FEITOS CRIMINAIS, DE INFÂNCIA E DE JUVENTUDE E DA FAZENDA PÚBLICA Processo nº Natureza do feito: AÇÃO PENAL PÚBLICA S E N T E N Ç A O presentante do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA com ofício nesta Comarca ofereceu DENÚNCIA contra XXX, já qualificado nos autos, imputando-lhe a prática do delito capitulado no artigo 33, caput, da Lei n /2006, bem como contra YYY, já qualificado nos autos, imputando-lhe a prática do delito capitulado no artigo 16, parágrafo único, inciso I, da Lei /2003. Narra a peça acusatória inicial, em resumo, que, no dia , policiais em ronda encontraram o segundo denunciado portando um revólver calibre.38 com numeração raspada. Inquirido, YYY confessou que a arma pertencia ao primeiro denunciado, bem como encaminhou os policiais à residência de XXX. Ocorre que, ao avistar a polícia se aproximando de sua residência, o primeiro denunciado empreendeu fuga, dispensando uma sacola amarela que portava, em cujo interior foram encontradas 40 trouxinhas de crack, 09 dolões de maconha e R$ 20,00 em notas de 2 e 5 reais. Acompanha a denúncia o Inquérito Policial de fls Às fls. 21, 112 e 114, laudo de exame pericial das substâncias apreendidas (preliminar). Laudo definitivo das substâncias apreendidas às fls Laudo pericial da arma apreendida às fls Recebimento da denúncia às fls Citação dos acusados às fls. 61 e 70. Apresentação de resposta à acusação às fls e 103 (em audiência). Durante a instrução, foram ouvidas as testemunhas ZZZ e WWW (fls ), bem como interrogados os réus, sendo que a defesa não arrolou 1

2 testemunhas oportunamente. Nas alegações finais (fls ), pugnou o Ministério Público pela total procedência do pedido acusatório. A Defesa, por seu turno, requereu, às fls , a absolvição dos Réus, diante da inexistência de provas suficientes à condenação e, subsidiariamente, em caso de eventual condenação, aplicação da pena mínima com redutores legais e substituição da pena. Eis o breve relatório. Decido. FUNDAMENTAÇÃO A relação processual se instaurou e se desenvolveu de forma regular, estando presentes os pressupostos processuais e as condições da ação. Assim, não havendo nulidades a serem declaradas de ofício, nem tendo se implementado qualquer prazo prescricional, passo ao exame do mérito. Imputa-se ao réu XXX a prática do crime tipificado no artigo 33, caput, da Lei n /2006, enquanto imputa-se ao réu YYY a prática do delito capitulado no artigo 16, parágrafo único, inciso I, da Lei /2003. A acusação é procedente, como se demonstrará a seguir. Do crime tipificado no art. 33, caput, da Lei n /2006. A materialidade do crime tipificado no artigo 33 da Lei n /2006 encontra-se patente nos laudos periciais de fls , em que foram certificadas e descritas as substâncias entorpecentes ilícitas apreendidas (maconha e crack). No que toca à autoria, a instrução probatória logrou êxito quanto à imputação ao réu XXX da responsabilidade pelo crime previsto no artigo 33, caput, da Lei n /2006. De fato, o depoimento das testemunhas arroladas pelo Ministério Público oferece um traçado histórico linear e coerente sobre a autoria do acusado XXX no crime de tráfico de drogas. Destacam-se os seguintes trechos: ( ) que a polícia militar já havia recebido várias denúncias dando conta de que os réus estavam praticando assaltos nesta cidade ( ); que YYY concordou em levar a polícia até a residência de XXX; ( ) que XXX ao avistar a polícia, tentou fugir pelos fundos [da casa]; que o depoente viu XXX correr com um saco na mão; ( ) que XXX dispensou o saco amarelo próximo a uma cerca; ( ) que no saco havia 40 pedrinhas de crack, 09 dolões de maconha e notas em dinheiro totalizando R$20,00 ( ) - depoimento judicial da 2

3 testemunha ZZZ, fl ( ) que XXX concordou em levar a polícia militar até o paradeiro de YYY, a fim de esclarecer os fatos; que, ao se aproximarem da residência de YYY, este percebeu a aproximação da viatura e empreendeu fuga; ( ) que o depoente viu YYY arremessar a sacola ao chão; ( ) que o depoente foi quem pegou o saco amarelo; que dentro do saco havia 09 dolões de maconha e cerca de 40 trouxinhas de substância aparentando ser crack ( ) - depoimento judicial da testemunha WWW, fl Infere-se pelos trechos acima que XXX trazia consigo (verbo nuclear alternativo do caput do art. 33 da Lei n /2006) substâncias entorpecentes, que, pela forma de acondicionamento, pela quantidade e variedade e pelas circunstâncias da apreensão (dentro de um saco junto a valores em dinheiro miúdo, típico da venda de drogas), se destinavam à mercancia ilícita (conduta dolosa). Quanto ao alegado flagrante forjado, a Defesa não logrou êxito em apresentar, durante a instrução processual, provas que elidissem o depoimento dos policiais ouvidos em juízo. Destaque-se que não houve contradição entre os policiais no que concerne ao elemento central de identificação da conduta criminosa do réu XXX (porte de drogas para comércio ilícito). Os termos de declarações apresentados pela Defesa às fls. 120 e 122, os quais deveriam ser exclusivamente abonatórios, tal qual se ajustou em termo de audiência de fl. 103 (já que a Defesa não arrolou testemunhas oportunamente), mas ora examinados em deferência ao princípio da ampla defesa, não têm consistência para refutar as afirmações prestadas pelas testemunhas em juízo. Com efeito, uma das declarantes é a genitora do Réu XXX (que não presta o compromisso de dizer a verdade - art. 206 do CPP), enquanto a outra declaração foi firmada pela tia do réu, sem maiores destalhes do fato e provavelmente movida pela natural intenção de proteger o familiar. Sendo assim, formo convencimento pela compreensão dos fatos tais quais narrados pelos policiais ouvidos em juízo. Inconcussa, portanto, é a validade do depoimento policial, pois não há qualquer prova nos autos que ateste a ocorrência de abuso de autoridade, coação ou agressão física perpetrada pelos policiais contra os réus. Outrossim, a função pública ocupada pelos policiais - ofício desincumbido em nome da ordem e da segurança das pessoas em geral - reforça a credibilidade e a imparcialidade de seu depoimento, para além do compromisso legal assumido em juízo. Assevere-se, por fim, que, no caso, não há que se falar em excludentes de tipicidade, ilicitude ou culpabilidade. Enfim, do conjunto probatório acima explicitado, restam incontestes a existência (materialidade) e a autoria pelo réu XXX do crime previsto no artigo 33, caput, da Lei n /

4 Do crime tipificado no artigo 16, parágrafo único, inciso I, da Lei n /2003. A materialidade do crime tipificado no artigo 16, parágrafo único, inciso I, da Lei n /2003 encontra-se patente no laudo pericial de fls , tratando-se de revólver calibre.38 com numeração raspada (supressão). No que toca à autoria, a instrução probatória logrou êxito quanto à imputação ao réu YYY da responsabilidade pelo crime previsto no artigo 16, parágrafo único, inciso I, da Lei n /2003. De fato, o depoimento das testemunhas arroladas pelo Ministério Público oferece um traçado histórico linear e coerente sobre a autoria do acusado YYY no crime de porte de arma de fogo com numeração suprimida. Destacam-se os seguintes trechos: ( ) que a polícia militar já havia recebido várias denúncias dando conta de que os réus estavam praticando assaltos nesta cidade ( ); que, no dia dos fatos, a polícia militar estava em ronda quando avistou o denunciado YYY no Areal; que ao abordarem YYY foi encontrada com o mesmo uma arma de fogo calibre 38; que a arma de fogo estava municiada; ( ) - depoimento judicial da testemunha ZZZ, fl ( ) que, no dia dos fatos, a polícia militar estava em ronda quando avistou um homem com os atributos acima-referidos, ocasião em que foi feita a abordagem e encontrada uma arma de fogo tipo revólver, contendo 5 munições; que ao ser questionada sua identidade pela polícia informou se chamar YYY; ( ) - depoimento judicial da testemunha WWW, fl Infere-se pelos trechos acima que YYY portava intencionalmente uma arma de fogo, oferecendo risco à incolumidade pública (conduta dolosa). Quanto ao alegado flagrante forjado, a Defesa não logrou êxito em apresentar, durante a instrução processual, provas que elidissem o depoimento dos policiais ouvidos em juízo. Destaque-se que não houve contradição entre os policiais no que concerne ao elemento central de identificação da conduta criminosa do réu YYY (porte de arma de fogo). Inconcussa, portanto, é a validade do depoimento policial, pois não há qualquer prova nos autos que ateste a ocorrência de abuso de autoridade, coação ou agressão física perpetrada pelos policiais contra os réus. Outrossim, a função pública ocupada pelos policiais - ofício desincumbido em nome da ordem e da segurança das pessoas em geral - reforça a credibilidade e a imparcialidade de seu depoimento, para além do compromisso legal assumido em juízo. 4

5 Assevere-se, por fim, que, no caso, não há que se falar em excludentes de tipicidade, ilicitude ou culpabilidade. Assim, do conjunto probatório acima explicitado, restam incontestes a existência (materialidade) e a autoria pelo réu YYY do crime previsto no artigo 16, parágrafo único, inciso I, da Lei n /2003. CONCLUSÃO para: Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE o pedido formulado na denúncia CONDENAR XXX nas penas do crime previsto no artigo 33, caput, da Lei n /2006; CONDENAR YYY nas penas do crime previsto no artigo 16, parágrafo único, I, da Lei n /2003. DOSIMETRIA DA PENA Passo, doravante, à dosimetria da pena dos sentenciados, adotando-se o sistema trifásico, a teor do art. 68 do CP. Para o réu XXX: 1ª fase (artigo 59 do Código Penal com predominância do artigo 42 da Lei n /2006): Observo que o sentenciado agiu com culpabilidade normal à espécie, razão por que tal circunstância não deve ser valorada de forma negativa, além das reprimendas previstas no tipo penal; O réu é primário e não possui antecedentes registrados nos autos; Não consta dos autos prova da prática de conduta extrapenal (convivência com o grupo a que pertence: família, vizinhança e sociedade em geral) que venha a desabonar a conduta social do sentenciado; Não há nos autos elementos suficientes para aferir a personalidade do agente, quer pela inexistência de laudo psicossocial, quer pela ausência de elementos suficientes no interrogatório do acusado, pelo que considero tal circunstância favorável; A busca do lucro fácil pelo autor do crime de tráfico de drogas é inerente ao próprio tipo penal violado (STJ: HC /SP), não 5

6 podendo tal circunstância ser valorada negativamente no momento da aplicação da pena, já que inexistem outros motivos diversos daquele pré-definido no tipo; Quanto às circunstâncias do crime, tem-se que o modus operandi afigura-se normal à espécie e a quantidade da droga apreendida não se revela extraordinária, de modo que resta prejudicado o exame da natureza da droga, consoante jurisprudência do STF (HC 94655/MS); Inviável aferir o comportamento da vítima já que se trata de crime cuja vítima é a própria coletividade, motivo por que deixo de valorar esta circunstância negativamente, consoante jurisprudência dominante no STJ, a exemplo do HC /MG, Rel. Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, QUINTA TURMA, julgado em 08/04/2014, DJe 23/04/2014; As consequências do crime são graves (ofensa à saúde pública, pelos malefícios causados pela droga), mas já integram a essência do tipo penal (STJ: HC 67064/PR, REsp /DF), de forma que, não havendo outras consequências não imanentes ao tipo, deixo de valorar negativamente esta circunstância judicial, em face da proibição do bis in idem. Diante disto, depreende-se que as circunstâncias judiciais são favoráveis ao réu, razão pela qual fixo a pena-base do sentenciado XXX em 05 (cinco) anos de reclusão e 500 (quinhentos) dias-multa. 2ª fase: Na segunda fase da fixação da pena, verifico não haver circunstâncias agravantes. Por outro lado, é cabível a atenuante do artigo 65, I, do Código Penal para o réu XXX (menor de 21 anos na data do fato). Porém, não obstante esteja presente a atenuante, a pena intermediária permanece em 05 (cinco) anos de reclusão e 500 (quinhentos) dias-multa, porquanto a incidência da circunstância atenuante não pode conduzir à redução da pena abaixo do mínimo legal (enunciado da súmula n. 231, STJ). 3ª fase: Não há causas de aumento; todavia, tratando-se de réu primário, sem antecedentes desabonadores formalmente lançados nos autos e por não haver prova nos autos de que se dedique às atividades criminosas ou integre organização criminosa (conforme art. 1º, 1º, da Lei n /2013), aplico a causa especial de diminuição da pena prevista no art. 33, 4º, da Lei nº /06, reduzindo a pena em 2/3 (dois terços) e, à míngua de outros fatores, fixo, definitivamente, a pena privativa de liberdade de XXX em 01 (um) ano e 08 (oito) meses de reclusão e 166 (cento e sessenta e seis) dias-multa. O valor do dia-multa fica estabelecido à base de 1/30 (um trinta avos) do salário mínimo vigente na época do fato, pois não há dados concretos para aferir a condição econômica do 6

7 réu, devendo apenas ser corrigido monetariamente, na forma da lei, desde a data da infração (artigos 49 1º e 2º e artigo 60, todos do Código Penal). Para o réu YYY: 1ª fase (art. 59 do Código Penal): Observo que o sentenciado agiu com culpabilidade normal à espécie, razão por que tal circunstância não deve ser valorada de forma negativa, além das reprimendas previstas no tipo penal; O réu é primário e não possui antecedentes registrados nos autos; Não consta dos autos prova da prática de conduta extrapenal (convivência com o grupo a que pertence: família, vizinhança e sociedade em geral) que venha a desabonar a conduta social do sentenciado; Não há nos autos elementos suficientes para aferir a personalidade do agente, quer pela inexistência de laudo psicossocial, quer pela ausência de elementos suficientes no interrogatório do acusado, pelo que considero tal circunstância favorável; Não restaram apurados os motivos do porte da arma (para além daquele já inerente ao tipo), de maneira que deixo de valorar negativamente esta circunstância judicial; Quanto às circunstâncias do crime, tem-se que o modus operandi afigura-se normal à espécie, não havendo detalhes que permitam elevar a pena-base; Por se tratar de crime de perigo abstrato, inviável aferir o comportamento da vítima, motivo por que deixo de valorar esta circunstância negativamente (STJ: HC / MS); As consequências do crime já integram a essência do tipo penal, de forma que, não havendo outras consequências não imanentes ao tipo, deixo de valorar negativamente esta circunstância judicial, em face da proibição do bis in idem. Diante disto, depreende-se que as circunstâncias judiciais são favoráveis ao réu, razão pela qual fixo a pena-base do sentenciado YYY em 03 (três) anos de reclusão e 10 (dez) dias-multa. 2ª fase: Na segunda fase da fixação da pena, verifico não haver circunstâncias agravantes. Por outro lado, é cabível a atenuante do artigo 65, I, do Código Penal para o réu YYY (menor de 21 anos na data do fato). 7

8 Porém, não obstante esteja presente a atenuante, a pena intermediária de YYY permanece em 03 (três) anos de reclusão e 10 (dez) dias-multa, visto que a incidência da circunstância atenuante não pode conduzir à redução da pena abaixo do mínimo legal (enunciado da súmula n. 231, STJ). 3ª fase: Não há causas de aumento, tampouco de diminuição, e, à míngua de outros fatores, fixo, definitivamente, para YYY, no crime do artigo 16, parágrafo único, I, da Lei n /2003, a pena privativa de liberdade em 03 (três) anos de reclusão e 10 (dez) dias-multa. O valor do dia-multa fica estabelecido à base de 1/30 (um trinta avos) do salário mínimo vigente na época do fato, pois não há dados concretos para aferir a condição econômica do réu, devendo apenas ser corrigido monetariamente, na forma da lei, desde a data da infração (artigos 49 1º e 2º e artigo 60, todos do Código Penal). REGIME INICIAL DE CUMPRIMENTO DE PENA Quanto ao regime inicial de pena dos sentenciados, a rigor do artigo 387, 2º, do Código de Processo Penal, trago o seguinte sumário de tempo de prisão cautelar cumprida pelos sentenciados: Para XXX: Prisão em flagrante em (estando preso desde então por força da custódia preventiva decretada nos autos apensos n. ); Total de custódia: 07 meses e 23 dias. Tempo restante: 01 ano e 07 dias. Para YYY: Prisão em flagrante em e soltura em , por força de decisão concessiva de liberdade provisória (autos apensos n. ); Total de custódia: 18 dias. Tempo restante: 02 anos, 11 meses e 12 dias; Logo, considerando o tempo de pena de prisão a ser cumprido pelos sentenciados, estabeleço para XXX e YYY o regime inicial de cumprimento de pena ABERTO, conforme dispõe o art. 33, 2º, c e 3º, do Código Penal. SUBSTITUIÇÃO DA PENA e SURSIS 8

9 Analisando-se os requisitos do artigo 44 do Código Penal, nota-se que a pena privativa de liberdade aplicada aos sentenciados é inferior a quatro anos e os delitos foram praticados sem violência ou grave ameaça à pessoa; além do mais os sentenciados são primários. Além disso, a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade dos condenados, bem como os motivos e as circunstâncias do crime indicam que a pena alternativa atenderá com muito maior fidelidade ao escopo da sanção penal, notadamente seus fins de prevenção geral e especial. Destarte, com fundamento no artigo 44, 2º, do Código Penal, SUBSTITUO A PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE DOS SENTENCIADOS XXX E YYY POR DUAS RESTRITIVAS DE DIREITO, para cada, a saber: a) prestação gratuita de serviços à comunidade a ser cumprida em entidades assistenciais, escolas, hospitais, orfanatos, ou estabelecimentos congêneres, durante o tempo da pena, conforme as aptidões dos condenados, à razão de 01 (uma) hora por dia de condenação, fixada de modo a não prejudicar a jornada normal de trabalho; e b) prestação pecuniária consistente no pagamento em dinheiro, no valor de 01 (um) salário mínimo, a entidade pública ou privada com destinação social - tudo a ser definido em audiência admonitória. Desnecessário examinar o benefício estampado no art. 77 do CP quanto à suspensão condicional da pena privativa de liberdade (sursis), em face da substituição ora realizada. LIBERDADE PROVISÓRIA Nada obstante ter permanecido em cárcere durante todo o processo, a pena imposta ao sentenciado XXX em regime aberto, não se coaduna com a manutenção da prisão cautelar, vez que incompatíveis. Neste sentido, é a corte baiana: PENAL E PROCESSO PENAL. HABEAS CORPUS. PACIENTE CONDENADO, COMO INCURSO, NAS SANÇÕES DO ARTIGO 33, CAPUT, DA LEI Nº /2006, APÓS A DETRAÇÃO, À PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE DE 03 (TRÊS) ANOS, 05 (CINCO) MESES E 19 (DEZENOVE) DIAS, EM REGIME ABERTO. PLEITO DE RECORRER EM LIBERDADE. ACOLHIMENTO. PRISÃO PROVISÓRIA QUE, ACASO MANTIDA, REVELA-SE MAIS GRAVOSA DO QUE A PENA FIXADA NA SENTENÇA CONDENATÓRIA. CONSTRANGIMENTO ILEGAL CARACTERIZADO. ORDEM CONCEDIDA. (TJBA. Habeas Corpus n.º Origem: Foro da Comarca de Amélia Rodrigues Órgão: Primeira Câmara Criminal - Primeira Turma Relator(a): Des. Aliomar Silva) Na mesma dicção é a doutrina mais equânime: A medida cautelar a ser adotada deve ser proporcional a eventual resultado favorável ao pedido do autor, não sendo admissível que a 9

10 restrição à liberdade, durante o curso do processo, seja mais severa que a sanção que será aplicada caso o pedido seja julgado procedente. A homogeneidade da medida é exatamente a proporcionalidade que deve existir entre o que está sendo dado e o que será concedido. (...) Entendemos, em uma visão sistemática do sistema penal como um todo, que, nos crimes de médio potencial ofensivo, ou seja, aqueles que admitem a suspensão condicional do processo (cf. art. 89 da Lei 9.099/95), não mais se admite prisão cautelar, seja a manutenção da prisão em flagrante ou a decretação da prisão preventiva. (RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal, 10. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Júris Editora, 2005, p. 606). Desta forma, a rigor do 387, 1º, do CPP, RECONHEÇO a XXX O DIREITO DE EVENTUAL APELAÇÃO EM LIBERDADE, devendo o mesmo ser solto imediatamente, salvo se por outro motivo não deva sê-lo. Expeça-se alvará de soltura. O sentenciado YYY permaneceu solto durante todo o feito sem ter, aparentemente, comprometido a ordem pública, além de que inexistem novos motivos/fatos justificadores da segregação cautelar, pelo que RECONHEÇO SEU DIREITO DE EVENTUAL APELAÇÃO EM LIBERDADE (artigo 387, 1º, do CPP). PROVIDÊNCIAS FINAIS Ficam, a priori, os sentenciados obrigados, pro rata, ao pagamento das custas processuais nos termos do art. 804, do Código de Processo Penal. Inviável a aplicação do disposto no artigo 201, 2º, do CPP (comunicação da sentença ao ofendido) e no artigo 387, IV, também do CPP (fixação de valor mínimo de reparação de danos causados pela infração), já que, em ambos os casos, trata-se de crimes em que não há vítima específica, sendo esta a própria coletividade (tráfico de drogas e porte de arma). Oficie-se à Autoridade Policial autorizando a incineração da droga, com as cautelas dos artigos 50 e 50-A da Lei n /2006. Uma vez que a prova coletada em juízo foi unânime no sentido da procedência ilícita dos valores apreendidos (proveito da venda de drogas), DECLARO A PERDA do valor de R$20,00 apreendidos, em favor da União, conforme determina o artigo 91, II, b, do CP, devendo a Autoridade Policial ser oficiada para que adote as providências necessárias. Incabível é a expedição de guia de recolhimento provisória, dado o reconhecimento do apelo em liberdade e face à substituição de pena aplicada. Após o trânsito em julgado: a. lance-se o nome dos réus no rol dos culpados; 10

11 b. oficie-se ao TRE deste Estado comunicando a condenação dos réus, com sua devida identificação pessoal, acompanhada de fotocópia da presente decisão, para cumprimento do disposto no art. 71, 2º, do Código Eleitoral c/c o art. art. 15, inciso III, da CF/88; c. comunique-se, ainda, aos Órgãos de Estatística Criminal do Estado; d. intimem-se os sentenciados para providenciarem o pagamento da pena de multa no prazo de 10 (dez) dias, como preceitua o art. 50 do CP; não havendo pagamento no prazo, extraia-se cópia da autuação, da denúncia, da sentença, da certidão de trânsito em julgado e da certidão de que transcorreu prazo sem pagamento e encaminhem-se à COFIS/TJBA, para providências de execução da pena pecuniária junto à Procuradoria Regional da Fazenda Estadual; e. designe-se audiência admonitória; f. oficie-se à SENAD, a rigor do artigo 63, 4º, da Lei n /2006, comunicando-se detalhadamente a perda de bens decretada nestes autos; g. arquivem-se estes autos e demais apensos, inclusive APF e pedidos de liberdade, não apensos. Publique-se. Registre-se. Intimem-se os sentenciados pessoalmente, devendo ser-lhes indagado sobre o interesse de recorrer desta sentença, lavrandose termo positivo ou negativo, conforme o caso. Intimem-se o Defensor constituído, na forma do artigo 392 do CPP, e o Ministério Público e o Defensor Dativo, pessoalmente. Local, data. SADRAQUE OLIVEIRA RIOS Juiz de Direito 11

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MEDIDA CAUTELAR NO HABEAS CORPUS 126.965 SÃO PAULO RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) PROC.(A/S)(ES) COATOR(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :A P :DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO :DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL :SUPERIOR

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A Código: 170741 Autor: Ministério Público Estadual Réu: Eldo Barbosa S E N T E N Ç A 1. Relatório O Ministério Público estadual ofereceu denúncia, fls. 05/08, contra Eldo Barbosa, por supostamente ter infringido

Leia mais

NEILA SILVANA JUNQUEIRA ABEL

NEILA SILVANA JUNQUEIRA ABEL COMARCA DE CAMAQUÃ VARA CRIMINAL Av. Antonio Duro, 260 Processo nº: 007/2.08.0000879-0 (CNJ:.0008792-82.2008.8.21.0007) Natureza: Crimes contra a Propriedade Imaterial - DL 7903/45 - Lei 7646/87 Autor:

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1 APELAÇÃO CRIMINAL Nº 512212-28.2009.8.09.0107(200995122121) COMARCA DE MORRINHOS APELANTE : VIBRAIR MACHADO DE MORAES APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR : Des. LUIZ CLÁUDIO VEIGA BRAGA RELATÓRIO O

Leia mais

Tribunal de Justiça do Distrito Federal

Tribunal de Justiça do Distrito Federal Tribunal de Justiça do Distrito Federal Circunscrição :4 - GAMA Processo :2011.04.1.003085-4 Vara : 11 - TRIBUNAL DO JÚRI E VARA DOS DELITOS DE TRÂNSITO DO GAMA Autos nº: 2011.04.1.003085-4 AUTORA: JUSTIÇA

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: CLEBER ALVES APELANTE 2: MARCELO FABRÍCIO PRESTES AMÉRICO APELADO: MINISTÉRIO

Leia mais

APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI.

APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI. 1 AUTOS DE APELAÇÃO CRIMINAL DE N.º 1231245-7, DE FOZ DO IGUAÇU 1ª VARA CRIMINAL. APELANTE FÁBIO CÂNDIDO DA SILVA. APELADO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RELATOR DES. JOÃO DOMINGOS KÜSTER PUPPI.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.391.004 - GO (2013/0219024-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS : ADEMIR NOLASCO GUIMARÃES : ACHILES

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000927737 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0009206-77.2014.8.26.0477, da Comarca de Praia Grande, em que é apelante MARCEL BARBOSA LOPES, é apelado MINISTÉRIO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 43.213 - MG (2013/0400356-8) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : SAMUEL JHON DE JESUS (PRESO) ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECORRIDO : MINISTÉRIO

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CRIMINAL Nº 7155-CE (2009.81.00.007031-1) APTE : ANA BELEN ANTERO GARCIA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 12ª VARA FEDERAL (COMPETENTE P/ EXEC. PENAIS)

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.453.802 - SP (2014/0109774-1) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ AGRAVANTE : ROSEMEIRE CARFARO AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA AGRAVO REGIMENTAL.

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 14.960/CS HABEAS CORPUS Nº 108.639 ESPÍRITO SANTO IMPETRANTE: DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PACIENTE: ADRIANO JOSÉ DA SILVA IMPETRADO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA RELATORA: MINISTRA

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA - L,, n ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Criminal n 200.2007.001711-2/001 8 a Vara Criminal de João Pessoa Relator : O Excelentíssimo Desembargador José Maninho Lisboa Apelante : Darcilene

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO XLIII CONCURSO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA SENTENÇA PENAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO XLIII CONCURSO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA SENTENÇA PENAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO XLIII CONCURSO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DE CARREIRA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SENTENÇA PENAL Leia o relatório abaixo com atenção e complemente a sentença.

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO ACR 12760 AL (0007902-40.2007.4.05.8000) APTE : JOSEVAL REIS LIMA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : JUÍZO FEDERAL DA 4ª VARA AL (SENTENCIANTE: DR. SÉRGIO DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 197.783 - SP (2011/0034092-9) RELATORA : MINISTRA MARILZA MAYNARD (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/SE) IMPETRANTE : FABIANA JULIA OLIVEIRA RESENDE - DEFENSORA PÚBLICA IMPETRADO : TRIBUNAL

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PODER JUDICIÁRIO Comarca de Manaus Juízo de Direito da 1ª V.E.C.U.T.E.

ESTADO DO AMAZONAS PODER JUDICIÁRIO Comarca de Manaus Juízo de Direito da 1ª V.E.C.U.T.E. fls. 85 Processo nº 0205553-39.2012.8.04.0001 Réu: Carlos Magno Americo Barbosa e Marco Rodrigo America Autor: O Ministério Público Infração Penal: Arts. 33 e 35 da Lei 11.343/06 Vistos em sentença. S

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL CID MARCONI: Embargos de Declaração desafiados por Ana Paula Dias Gomes Barbosa e Roberto Abraham Abrahamian Asfora em face do Acórdão de fls. 642/657, cuja ementa tem

Leia mais

9ª Vara Criminal Protocolo nº: 362588-24.2011.809.0174 (201103625882) Réu: JOSÉ CARLOS RECKERT S E N T E N Ç A

9ª Vara Criminal Protocolo nº: 362588-24.2011.809.0174 (201103625882) Réu: JOSÉ CARLOS RECKERT S E N T E N Ç A 9ª Vara Criminal Protocolo nº: 362588-24.2011.809.0174 (201103625882) Réu: JOSÉ CARLOS RECKERT S E N T E N Ç A O Ministério Público, via de sua representante legal, denunciou JOSÉ CARLOS RECKERT, brasileiro,

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 115.126 SÃO PAULO RELATORA IMPTE.(S) : MIN. ROSA WEBER :ZHEN HAIFANG :WU LIZHEN :ZHOU XINYOU :LIU PEIHUA :WANDERLEY RODRIGUES BALDI :DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL QUE ATUA JUNTO AO AEROPORTO

Leia mais

*200404010126186B* RELATÓRIO

*200404010126186B* RELATÓRIO APELAÇÃO CRIMINAL Nº 2004.04.01.012618-6/RS RELATOR : DES. FEDERAL LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO APELANTE : JEAN SIDNEI DE OLIVEIRA ADVOGADO : Ivo Grandini Neto APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RELATÓRIO

Leia mais

Vistos. Consta, ainda, que no período compreendido entre as 13h15min do dia 13 de outubro até as 18h00min do dia 17 de outubro de 2008, na Rua Oito,

Vistos. Consta, ainda, que no período compreendido entre as 13h15min do dia 13 de outubro até as 18h00min do dia 17 de outubro de 2008, na Rua Oito, Vistos. LINDEMBERG ALVES FERNANDES, qualificado nos autos, foi denunciado como incurso no artigo 121, parágrafo 2º, incisos I e IV (vítima Eloá); artigo 121, parágrafo 2º, incisos I e IV c.c. artigo 14,

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal)

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE RONDÔNIA Câmara Criminal Data de distribuição :31/07/2007 Data de julgamento :25/09/2008 100.019.2005.002900-0 Apelação Criminal Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Réu: Procedimento Especial da Lei Antitóxicos - Tráfico de Drogas e Condutas Afins Juiz(a) de Direito: Dr(a). Heitor Donizete de Oliveira Vistos. XX, qualificado

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

Autor: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E SIMILARES DE SÃO PAULO E REGIÃO,

Autor: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E SIMILARES DE SÃO PAULO E REGIÃO, ATENÇÃO - Texto meramente informativo, sem caráter intimatório, citatório ou notificatório para fins legais. PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2ª Região Número Único: 01497003320065020075

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

Autos código nº 338241 Réu: Carlos Henrique Costa de Carvalho. Vistos etc.

Autos código nº 338241 Réu: Carlos Henrique Costa de Carvalho. Vistos etc. Autos código nº 338241 Réu: Carlos Henrique Costa de Carvalho ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE CUIABÁ JUÍZO DA PRIMEIRA VARA CRIMINAL TRIBUNAL DO JÚRI SENTENÇA Vistos etc. O MINISTÉRIO

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A inicial acusatória entendeu que a conduta do réu se adequaria ao tipo definido no artigo 312 do Código Penal.

R E L A T Ó R I O. A inicial acusatória entendeu que a conduta do réu se adequaria ao tipo definido no artigo 312 do Código Penal. AÇÃO PENAL PÚBLICA (PROCEDIMENTO CRIMINAL COMUM) 250 - CE (2002.05.99.001144-5) AUTOR : JUSTIÇA PÚBLICA INDIC : CARLOMANO GOMES MARQUES ADV/PROC : FRANCISCO MONTEIRO DA SILVA VIANA E OUTRO PROC. ORIGINÁRIO

Leia mais

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo.

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Documentos, Indícios e Busca e Apreensão. II) Legislação correlata DOS DOCUMENTOS Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 104.669 - RJ (2008/0084528-9) RELATOR IMPETRANTE IMPETRADO PACIENTE : MINISTRO ADILSON VIEIRA MACABU (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/RJ) : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise

Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise TESE: 01/13 (ÁREA CRIMINAL) Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise Súmula: A fixação de fiança pelo juízo ou a manutenção da fiança arbitrada pela

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

Instado à exibição dos documentos originais (f.193), o Autor esquivou-se de fazê-lo (f.194).

Instado à exibição dos documentos originais (f.193), o Autor esquivou-se de fazê-lo (f.194). SENTENÇA 0024.09.690410-7 25ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte Vistos, etc. I - RELATÓRIO Nilton Antônio Monteiro ajuizou ação de indenização contra Samarco Mineração S/A, José Tadeu de Morais e

Leia mais

PLANTÃO JUDICIAL. HABEAS CORPUS N.º 4000932-10.2015.8.04.0000 - Plantão Judicial Portaria n.º 357/2015

PLANTÃO JUDICIAL. HABEAS CORPUS N.º 4000932-10.2015.8.04.0000 - Plantão Judicial Portaria n.º 357/2015 fls. 678 PLANTÃO JUDICIAL HABEAS CORPUS N.º 4000932-10.2015.8.04.0000 - Plantão Judicial Portaria n.º 357/2015 IMPETRANTE PACIENTE IMPETRADO PLANTONISTA : Aldemir da Rocha Silva Junior : Gregorio Graça

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal Peça O examinando deverá redigir uma petição de relaxamento de prisão, fundamentado no art. 5º, LXV, da CRFB/88, ou art. 310, I, do CPP (embora os

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO EXMO.SR(a).DR(a). JUIZ(a) DE DIREITO DA 2 ª SECRETARIA CRIMINAL DO JUIZADO ESPECIAL DE BELO HORIZONTE -MG Réu: Autor: Ministério Público Processo n. APELAÇÃO O Ministério Público do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL Autores: Henrique Baltazar Vilar dos Santos Fábio José Guedes de Sousa Sumário: 1. Início do processo:... 2 a. Recebimento de Processo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 344.501 - DF (2015/0310820-3) RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ IMPETRANTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO IMPETRADO : TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Apelação interposta por LUCIANA PINHEIRO LINS DE LIMA condenada à pena de 07 (sete) anos e 04 (quatro) meses de reclusão, a ser cumprida em

Leia mais

CADERNO DE RASCUNHO DIREITO PENAL

CADERNO DE RASCUNHO DIREITO PENAL Ordem dos Advogados do Brasil Exame de Ordem Unificado 2010.2 Prova Prático-profissional CADERNO DE RASCUNHO DIREITO PENAL Leia com atenção as instruções a seguir: 1. Você está recebendo do fiscal de sala,

Leia mais

Número : 387619-15.2013.8.09.0000 (201393876196) RELATÓRIO E VOTO. favor de ADRIANO SANTOS GOMES, qualificado nos autos, preso em flagrante no dia 06

Número : 387619-15.2013.8.09.0000 (201393876196) RELATÓRIO E VOTO. favor de ADRIANO SANTOS GOMES, qualificado nos autos, preso em flagrante no dia 06 HABEAS CORPUS 1 Número : 387619-15.2013.8.09.0000 (201393876196) Comarca Impetrante Paciente Relator : GOIÂNIA : JOSÉ LOPES DA LUZ FILHO : ADRIANO SANTOS GOMES : DES. J. PAGANUCCI JR. RELATÓRIO E VOTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro MANDADO DE SEGURANÇA (TURMA) (MSTR) Nº 103144/SE (0000385-44.2015.4.05.0000) IMPTTE : FERNANDO LIMA COSTA ADV/PROC : PAULO ROBERTO NERY NASCIMENTO E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 6ª VARA FEDERAL DE SERGIPE

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 23/05/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 24/04/2012 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 106.942 GOIÁS RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. JOAQUIM BARBOSA :SUPERIOR

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

Aliás, ainda em âmbito ministerial, no I Encontro Criminal de 2004, a conclusão, nas ementas 73 e 84, havia sido de que:

Aliás, ainda em âmbito ministerial, no I Encontro Criminal de 2004, a conclusão, nas ementas 73 e 84, havia sido de que: Em abril de 2007, no Relatório de Pesquisa 6.2.5., este Centro de Apoio Operacional Criminal havia concluído que, do ponto de vista prático, se tratando de infração de menor potencial ofensivo a ser apurada

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.133.986 - RS (2009/0133788-0) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO JORGE MUSSI : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL : WILER DA LUZ DOS REIS : LÉA BRITO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA

^ g -, ,fitt.à r '4 4.44. kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ^ g -,,fitt.à r '4 4.44 kre44, ej_,.. 4 ' t+1$ 3 '., e In. Wh& i* 1 "#. (4' jr~..pax ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL: 016.2000.000691-2/001

Leia mais

Prisão Preventiva e Clamor Público

Prisão Preventiva e Clamor Público Prisão Preventiva e Clamor Público José Carlos Fragoso 1. A prisão preventiva é medida excepcional, que se funda exclusivamente na imperiosa necessidade. O normal é que as pessoas recebam a pena depois

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 127.395 RIO DE JANEIRO RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :NATALINO JOSE GUIMARAES : LUIZ CARLOS DA SILVA NETO E OUTRO(A/S) :RELATOR DO CC Nº 134702 DO SUPERIOR

Leia mais

DIREITO PENAL. Exame de Ordem 2009.2 Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL

DIREITO PENAL. Exame de Ordem 2009.2 Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL DIREITO PENAL PEÇA PROFISSIONAL José de Tal, brasileiro, divorciado, primário e portador de bons antecedentes, ajudante de pedreiro, nascido em Juazeiro BA, em 7/9/1938, residente e domiciliado em Planaltina

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 2 Registro: 2016.0000213833 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0831938-67.2013.8.26.0052, da Comarca de, em que é apelante ALEX KOZLOFF SIWEK, é apelado MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta por Alfredo de Oliveira Santos contra sentença (fls. 455/471) da lavra do MM. Juízo da 13ª Vara Federal

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

Publicado pelo RONDONIAGORA em 06 de maio de 2.010

Publicado pelo RONDONIAGORA em 06 de maio de 2.010 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE RONDÔNIA COMARCA DE PORTO VELHO 2ª VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI S E N T E N Ç A Autos nº 0005496-08.2002.8.22.0501 Réus: Michel Alves das Chagas e Anselmo Garcia de Almeida Vistos e

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

S E N T E N Ç A 45.2014.4.05.8308. Sentença : Tipo A

S E N T E N Ç A 45.2014.4.05.8308. Sentença : Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA Classe : 126 Poder Judicário Processo : 0000419-58.2014.4.05.8308 Impetrante : IURIC PIRES MARTINS Impetrado : DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL EM JUAZEIRO Referente : IPL n.º 0115/2013

Leia mais

EMENTA PENAL. DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR SEM HABILITAÇÃO. MANOBRAS IRREGULARES. POTENCIALIDADE DE DANO. RESULTADO NATURALÍSTICO INEXIGÍVEL.

EMENTA PENAL. DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR SEM HABILITAÇÃO. MANOBRAS IRREGULARES. POTENCIALIDADE DE DANO. RESULTADO NATURALÍSTICO INEXIGÍVEL. Órgão : 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe : APJ Apelação Criminal no Juizado Especial Nº Processo: 2007.09.1.007157-3 Apelante : MARTINHO DE JESUS FONSECA Apelante : MINISTÉRIO

Leia mais

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal Solicito informações a respeito do posicionamento jurisprudencial atualizado a respeito da necessidade de degravação dos depoimentos prestados nas audiências gravadas por meio audiovisual. Explico: a Defesa

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0009721-92.2011.8.19.0031 (Ação n 0009721-92.2011.8.19.0031 // Juízo de Direito da 2ª Vara da Comarca de Maricá)

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal Juízo de origem: 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital Embargante: Pither Honorio Gomes Advogado: Defensoria Pública Embargado: Ministério Público Presidente: Marcus Henrique Pinto Basílio Relatora:

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL 1ª Questão (Tráfico de entorpecentes

Leia mais

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA Desembargador diz que obrigação de delegado e promotor é conhecer a lei Segue abaixo, com partes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE JUSTIÇA Juiz Convocado HELVÉCIO DE BRITO MAIA NETO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE JUSTIÇA Juiz Convocado HELVÉCIO DE BRITO MAIA NETO HABEAS CORPUS Nº 0002031-78.2014.827.0000 ORIGEM: COMARCA DE PARAÍSO DO TOCANTINS 1ª VARA CRIMINAL PACIENTE: RAPHAEL BRANDÃO PIRES IMPETRANTE: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DO TOCANTINS IMPETRADO:

Leia mais

Os acusados foram notificados, e apresentaram defesa preliminar, mas por preencher os requisitos legais a denúncia foi recebida.

Os acusados foram notificados, e apresentaram defesa preliminar, mas por preencher os requisitos legais a denúncia foi recebida. Vara: 1ª Vara de Delitos de Tóxicos Processo: 0070912-73.2009.8.22.0501 Classe: Procedimento Especial da Lei Antitóxicos (Réu Solto) Autor: Ministério Público do Estado de Rondônia Denunciado: Robson Fernandes

Leia mais

Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS

Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS CÓDIGO DE NORMAS 1 Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS N.º de ordem N.º distribuição Data Nome Filiação Artigo Apreensão Fiança recebimento da denúncia suspensão

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: A Pena 2. A Pena na Constituição Federal de 1988 3. Finalidades da pena 4. Espécies de pena no Código Penal brasileiro 5. Direito Penitenciário 6. Legislação 7. Aplicação

Leia mais

336 TRIBUNAL DE JUSTIÇA

336 TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO 2ª CÂMARA CRIMINAL AGRAVO Nº 0009049-46.2012.8.19.0000 AGRAVANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO AGRAVADO: RAFAEL BEZERRA LEANDRO RELATORA: DES. KATIA MARIA AMARAL JANGUTTA AGRAVO

Leia mais

233 TRIBUNAL DE JUSTIÇA TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO CRIMINAL Nº. 0086204-54.2014.8.19. MÔNICA TOLLEDO DE OLIVEIRA

233 TRIBUNAL DE JUSTIÇA TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO CRIMINAL Nº. 0086204-54.2014.8.19. MÔNICA TOLLEDO DE OLIVEIRA TRIBUNAL DE JUSTIÇA TERCEIRA CÂMARA CRIMINAL APELAÇÃO CRIMINAL Nº. 0086204-54.2014.8.19.0001 APELANTE: RENATO DA SILVA PEREIRA APELADO: MINISTÉRIO PÚBLICO RELATORA: DES. MÔNICA TOLLEDO DE OLIVEIRA Apelação.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 300.092 - DF (2001/0005267-3) RELATÓRIO EXMO. SR. MINISTRO VICENTE LEAL(Relator): Eldo Pereira Lopes, por possuir condenação anterior por crime contra a pessoa e contra o patrimônio,

Leia mais

140 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1ª CÂMARA CRIMINAL HABEAS CORPUS Nº. 0063587-40.2013.8.19

140 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1ª CÂMARA CRIMINAL HABEAS CORPUS Nº. 0063587-40.2013.8.19 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1ª CÂMARA CRIMINAL HABEAS CORPUS Nº. 0063587-40.2013.8.19.0000 PACIENTE: FABIO FERREIRA CHAVES DA SILVA AUTORIDADE COATORA: JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA 5ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA 5ª REGIÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR E DEMAIS INTEGRANTES DA 1ª TURMA DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO DVMF/MPF/PRR5/ /2016 Processo nº : 0006727-33.2011.4.05.8400 (ACR 13367 RN)

Leia mais