SOCIAL MEDIA: THE USE OF FACEBOOK AS A TOOL TO SUPPORT LEARNING IN HIGHER EDUCATION

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIAL MEDIA: THE USE OF FACEBOOK AS A TOOL TO SUPPORT LEARNING IN HIGHER EDUCATION"

Transcrição

1 SOCIAL MEDIA: THE USE OF FACEBOOK AS A TOOL TO SUPPORT LEARNING IN HIGHER EDUCATION Cristian Tadeu von der Hayde (Universidade Regional de Blumenau FURB, SC, Brasil) Camila da Silva Schmitt (Universidade Regional de Blumenau FURB, SC, Brasil) Maria José Carvalho de Souza Domingues (Universidade Regional de Blumenau FURB, SC, Brasil) - The aim of this paper is to assess how the participation of students and teacher in a group created on Facebook can be used to support the development of learning during the study in higher education. For this, we conducted a case study with a descriptive and exploratory class masters in the discipline of Information Technology and Communication for a period of three months. It was noticed that Facebook significantly when used as an educational tool allows flexibility in learning processes and plays the easy creation, sharing and reuse of study content is managed by the teachers and students. However, there is a barrier to be broken regarding deploying this tool in teaching by teachers. Key-words: Social media, Facebook, Learning, Higher Education. 2294

2 1 INTRODUÇÃO A invenção da tecnologia emergente trouxe transformações ao mundo contemporâneo. Essas mudanças influenciaram significativamente todas as atividades humanas, inclusive as que tangem a área da educação (Fazekas, Czschesz, 2011). O impacto da tecnologia e suas ferramentas de mídias sociais na educação tem sido muito comentado, fazendo com que os professores a considerem um instrumento para atender às necessidades de seus alunos que utilizam essas mídias sociais (English, Duncan-Howell, 2008). Na concepção de Shittu, Basha, Abdulrahman e Ahmad (2011), a mais recente tecnologia emergente são as mídias sociais que têm se tornado uma ferramenta educacional na mão da atual geração de estudantes e professores. Essa ferramenta tem alterado também o modo como os indivíduos se comunicam entre os seus pares. Das diversas mídias sociais disponíveis, o Facebook é, sem dúvida, uma das mais populares e bem sucedidas (Dickey, William, 2010). Nessa perspectiva, este trabalho tem como objetivo avaliar como a participação dos estudantes e do professor em um grupo criado no Facebook pode ser utilizada no apoio ao desenvolvimento da aprendizagem durante o estudo da disciplina de TICs Tecnologias da Informação Aplicadas ao Ensino Superior, do Programa de Pós-Graduação em Administração (Mestrado em Administração). Dessa maneira, o artigo visa responder a seguinte indagação: Como a mídia social Facebook pode auxiliar o aprendizado de acadêmicos quando utilizada no apoio em uma disciplina no ensino superior? Para atingir determinado objetivo e responder adequadamente a pergunta de pesquisa, foi utilizado um estudo de caso exploratório e descritivo para contemplar de maneira eficaz a busca por resultados. O presente trabalho está dividido em cinco seções. Na primeira, é feita uma revisão da temática sobre mídias sociais na educação superior. A descrição da metodologia cabe à segunda seção, com a apresentação da pesquisa no que tange seus aspectos teóricos e coleta de dados. Na etapa seguinte são explorados os resultados obtidos que elucida as principais indagações que motivaram o presente estudo. Ao final, na quinta e última seção, faz-se o fechamento do trabalho com as considerações finais e possibilidades para novas pesquisas. 2 MÍDIAS SOCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Tecnologias têm tido um impacto significativo na educação superior, atingindo a metodologia de ensino e os processos de aprendizagem. Entre essas tecnologias, estão as mídias sociais, que já estão sendo utilizadas no ensino superior no ambiente social entre os acadêmicos, assim envolvida em atividades de aprendizagem (Rhema, Miliszewska, 2010). Social Media (ou Mídia Social) é um termo do século XXI utilizado de forma ampla para definir uma variedade de ferramentas de rede ou tecnológicas que corresponde a aspectos sociais da Internet como um canal de comunicação, colaboração, e de expressão criativa, sendo muitas vezes relacionado com o termo WEB 2.0 (Dabbagh, Reo, 2011a). Exemplos de Social Media incluem o compartilhamento de experiência e conhecimento em ferramentas como Delicious (bookmarking), WordPress (blog), e Twitter (microblogging); ferramentas wiki como a Wikipédia, que permitem a criação via espaços colaborativos; ferramentas de compartilhamento de mídias, como o Flickr e YouTube; sites de redes sociais (social networking sites SNS) como o Facebook e LinkedIn; e a computação nas 2295

3 nuvens (cloud computing) como ferramentas oficiais do Google Apps que permite o compartilhamento de documentos e calendários, editado ao mesmo tempo por várias pessoas (Dabbagh, Reo, 2011b; Kitsantas, Dabbag, 2010). Um estudo do ECAR 2010 (EDUCAUSE Centro para Pesquisa Aplicada) feito com estudantes de graduação revelou que o uso das mídias sociais pelos alunos tem aumentando consideravelmente de 2007 a Os dados revelam que os estudantes universitários estão integrando as mídias sociais em sua experiência acadêmica. Além disso, o corpo docente das universidades estão apoiando cada vez mais o uso das mídias sociais em atividades de ensino e aprendizagem (Educause, 2012). Tem-se como exemplos o uso de blog pelos estudantes para criação de materiais (Rosen, Nelson, 2008); Twitter para estimular a participação em salas de aula (Rankin, 2009); e as ferramentas wiki para o colaboração participativa dos alunos (Hazari, North, Moreland, 2009). Esses esforços, tanto dos professores quanto dos alunos, estão criando novas formas de ensino e aprendizagem, caracterizando temas como abertura, personalização, colaboração, redes sociais, presença social, conteúdo gerado pelo usuário, sabedoria coletiva, caracterizando uma transformação no ensino (Dabbagh, Reo, 2011b; Jones, 2008; Norton, Hathaway, 2008, Lindstrom, 2007). Por exemplo, Hilton (2009) acredita que o ensino superior está sendo desafiado pelas novas tecnologias (principalmente as redes sociais) e que essas tecnologias estão capacitando os alunos a cuidar de sua própria aprendizagem. Pesquisas sobre mídias sociais na educação brasileira estão começando a surgir. Exemplos podem ser encontrados nas pesquisas de Formentin e Lemos (2011), Pereira e Borges (2011, 2012), Coelho (2012), Balbino e Anacleto (2011), Pereira (2012), Miranda e Figueiredo (2012), Patrício e Gonçalves (2010a, 2010b), Andrade, Azavedo e Déda (2012), Fernandes (2011), Natt et al. (2010). Essas pesquisas descrevem como as mídias sociais podem influenciar na educação, com estudos feitos na prática, mostrando que é possível. Outros argumentam que as novas tecnologias estão induzindo uma transformação pedagógica (Siemens, Tittenberger, 2009; Katz, 2008; Siemens, 2005; Weigel, 2002) e que as instituições de ensino superior deveriam integrar plataformas de mídias sociais que permitem a criação de espaços pessoais e sociais de aprendizagem para um suporte mais personalizado de sistemas de educação centrado no aluno (Dabbagh, Reo, 2011b; Mcgloughlin, Lee, 2010; Selwyn, 2007). Mídias sociais são ferramentas que proporcionam às pessoas a capacidade de colaborar e comunicar uns com os outros online. Esses instrumentos promovem a criação e o compartilhamento de conhecimento, informação, ideias, opiniões, e permitem que os usuários participem ativamente em suas mídias sociais (Campbell, 2010). Fundamentados em uma extensa revisão de literatura, Kaplan e Haenlein (2010) definem mídias sociais como meios de comunicação social que permitem a criação e a troca de conteúdo gerado pelo usuário. Ferramentas de mídias sociais incluem sites de redes sociais (social networking sites SNSs), blogs, wikis, podcasts, agregadores de conteúdo e comunidades de conteúdo (Dabbagh, Kitsantas, 2012). De todas as ferramentas de mídias sociais, os SNSs tiveram o maior crescimento. SNSs são serviços originados da web que permitem aos usuários construir um perfil público ou semi-público dentro de um sistema limitado, articular uma lista de outros usuários (contatos) com quem eles compartilham uma conexão (Boyd, Ellison, 2008). Das SNSs existentes, o Facebook é o mais popular entre os estudantes (Boyd, Ellison, 2008). Este foi criado por Mark Zuckerberg em 2004 enquanto estudante em Harvard, com o conceito geral de paquerar, interagir e relacionar-se virtualmente. Dada a 2296

4 popularidade do Facebook atualmente, não é de surpreender-se que tenha se tornado um área de interesse para pesquisadores envolvidos com a educação superior (Dabner, 2012). Nesse contexto, as mídias sociais têm proporcionado uma nova dimensão de aprendizagem e educação, como por exemplo, oferecer aos alunos a oportunidade de participar ativamente do processo de aprendizagem (Hrastinski, Dennen, 2009). Quase 60% dos estudantes que usam redes sociais falam sobre educação e mais especificamente 50% sobre trabalhos acadêmicos. Portanto, o Facebook, entre outras SNSs, tem se tornando um ambiente usualmente acadêmico (Arnold, Paulus, 2010; Schwartz, 2009). 3 METODOLOGIA Este artigo propõe um estudo de caso, exploratório na primeira parte e descritivo na segunda, como estratégia para investigar a potencialidade das questões elaboradas e da abordagem de implementação em fornecer respostas para o que se pretende investigar. Dessa maneira, segundo Yin (2010), esta metodologia permite preservar características holísticas significativas de eventos da vida real, como por exemplo, processos organizacionais e administrativos, além de possibilitar o estudo de inúmeros problemas de difícil abordagem por outros métodos, em função, principalmente, da dificuldade de isolálos de seu contexto na vida real. Para essa pesquisa, a ferramenta de grupo do Facebook foi criada e utilizada na disciplina de TICs Tecnologias da Informação Aplicadas ao Ensino Superior, do Programa de Pós-Graduação em Administração (Mestrado em Administração) dando suporte a matéria. Os objetivos da disciplina são: conhecimento, ou seja, propiciar ao aluno um refinamento do conhecimento sobre as teorias que consubstanciam o uso das tecnologias de informação no ensino superior; habilidades, ou seja, desenvolver as capacidades intelectuais do aluno para compreender os fundamentos teóricos das tecnologias de informação no ensino superior e refletir, de forma crítica, sobre o processo de sua aplicação; e atitudes, ou seja, motivar o aluno a realizar pesquisas nesta área do conhecimento e divulgá-las por meio da participação em eventos científicos e de publicações em periódicos. Para isso, o grupo foi criado no início da disciplina por um acadêmico e pela professora da disciplina. O acesso ao grupo primeiramente foi dado como fechado, ou seja, qualquer pessoa pode ver o grupo e quem está nele, porém somente membros podem ver as postagens. Dessa forma, os acadêmicos pediam permissão para entrar no grupo, que posteriormente era aceita pelos administradores do grupo (professora e o acadêmico criador do grupo). Após todos os estudantes terem sido incluídos, o grupo foi posto como secreto, sendo restrito a visualização das postagens feitas no grupo somente pelos membros do mesmo. As atividades realizadas no grupo do Facebook incluíram informações sobre as aulas, compartilhamento da criação de outros canais utilizados em aula (Google+, Twitter, YouTube, Pinterest e SlideShare) como também de recursos usados em aulas, postagem de materiais relevantes da disciplina e realização de discussões. A respeito do item informações sobre as aulas, o grupo do Facebook foi criado para divulgar informações em tempo real. O grupo permitiu a publicação informações que incluem links, fotos e vídeos. Também permitiu que os participantes compartilhassem recursos e obtivessem feedback dos outros integrantes. Esse recurso de publicação foi útil pois toda vez que era criada uma nova discussão, apareceria para todos os integrantes, mantendo-se um controle das atividades que fosse conveniente ao grupo. 2297

5 Com relação ao item compartilhamento, materiais da aula podem existir em diversos formatos, mas o Facebook não permite trabalhar com esse tipo de material. Para isso, foram criadas alternativas como o compartilhamento de arquivos DOC e PDF em Cloud Drives (compartilhamento nas nuvens), como por exemplo Google Drive, Sky Drive, Dropbox e ICloud, e para PPT foi usado a plataforma SlideShare. Para vídeos que foram utilizados em sala de aula, a plataforma utilizada foi o YouTube. No item discussões online, a realização das discussões foi feita mediante postagens de alunos e professor, por meio de fotos, vídeos, links e textos. Posteriormente, foi elaborado um questionário, baseado no trabalho de Patrício e Gonçalves (2010a), contendo 17 questões a respeito do uso do Facebook durante a disciplina. Também foi pedido que cada participante postasse no grupo do Facebook sua percepção acerca da utilização do mesmo. 4 RESULTADOS Foram 3 meses de estudos realizados no último trimestre acadêmico de 2012 no Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGAd) da Universidade Regional de Blumenau (FURB). No total vinte participantes, sendo: 1 professor da disciplina (PD) e 19 acadêmicos (AC), do qual um organizou o grupo (OR) juntamente com o professor. Com relação em que contexto os estudantes utilizaram o Facebook na disciplina, analisou-se as mensagens. Num total de 127 comentários e 56 postagens, todos foram acompanhados (examinadas) e classificados quanto às postagens em: fotos; vídeos; reportagens; avisos. Todas as mensagens foram examinadas, analisadas e classificadas para dar maior confiabilidade para esse processo (Tabela 1). Tabela 1 Circunstâncias em que o Facebook é utilizado. Seções Acadêmicos (AC) Organizador (OR) Professor (PD) Total Fotos Vídeo (Link) Avisos Discussões Diversos Pergunta Total Comentários Total Nota: Fonte: da pesquisa (2012). Todos os grupos (AC, OR, PD) foram envolvidos nessa tabela. A maioria dos comentários foram respostas dos acadêmicos para as diferentes seções, como por exemplo, discussões e avisos, assim como respostas aos comentários feitos. A seção fotos foi aproveitada somente pelos acadêmicos, postando fotos de atividades que aconteceram em sala e confraternização da turma. A seção vídeo foi utilizada pelo organizador e professor. A postagem do organizador envolveu o link do canal criado no Youtube para a disciplina, onde constava 9 vídeos sobre mídias sociais na educação. As postagens do professor foram em relação a vídeos também sobre mídias sociais. A seção avisos foi usada por todos os grupos, principalmente pelo professor da disciplina. Os avisos que foram repassados tratavam sobre assuntos de aula, alteração do calendário proposto e lembretes sobre as próximas aulas. Já a seção discussões, todos os membros participaram de postagens, principalmente pelos acadêmicos, tomando iniciativa para realizar 2298

6 discussões, trazendo assuntos relevantes para o mesmo, como mídias sociais na educação, uso do Facebook na educação e Ensino a Distância (EAD) como alternativa de educação. A seção diversos foi usada para a divulgação da criação de matérias em outras mídias sociais, como Google+, Pinterest, entre outros, como também para divulgação de notícias pertinentes sobre o assunto da aula, assim aproveitado principalmente pelo organizador e professor. Na seção comentários, a atividade mais popular dessa seção foi o comentário e resposta entre os usuários do grupo, sendo o mais participativo o grupo de acadêmicos. A Tabela 2 apresenta alguns exemplos de como foi utilizado essa ferramenta no grupo do Facebook. Tabela 2 O uso das ferramentas disponíveis no grupo criado no Facebook Seções Exemplos Vídeos (link) A Day in the Life of Social Media ; Educational Facebook Promo ; Educational Facebook Promo ; Educational Facebook Promo ; Social Media in Education - Teaching Digital Natives in 2011 ; Social Media Revolution 2011 Avisos Só para lembrar. Realizar leituras para a aula de sexta e postar resumo. ; Chat via AVA no dia 20/11 em dois horários: 9hs-10hs e 21hs-22hs. ; Ótimo chat utilizando o skype. O próximo será com o Google+. Favor instalar e providenciar a leitura. Muito bom ver o entusiasmo crescente com as descobertas do grupo. Abs Discussões Olá...todos realizaram as leituras para o seminário de sexta? A temática é interessante. Poste aqui suas expectativas para o seminário. ; Ótima discussão! O uso de EAD gera mais trabalho ao docente, ou faz que o professor mais-ou-menos não consiga se esconder? ; Então, a geração Y é realmente multitarefa? Ou, são multitarefas mal feitas? Diversos Testando para o trabalho de TICS - Mídias sociais na educação :) ; quem tem twitter. #TicsPpgadFurb ; Canal no Youtube ;) ; Quem tiver Google+ add ai tb :) Comentários Tens razão, faço discussão pós provas com meus estudantes pelos grupos do face, mais que isso já "complica", requer muito mais tempo e atenção. ; Cabe as instituições de ensino proporcionar modelos para fazer o uso das redes sociais como meio de apoio ao processo ensino-aprendizagem. ; Minha expectativa é grande, pois sou um apreciador das redes sociais online e as discussões que são emanadas da sua utilização no ensino nos revela interessantes pontos de vista. ; Eu penso que as mídias ditas como sociais, são uma ferramenta, e devem ser usadas literalmente como uma ferramenta. O bom uso pode trazer vantagens e benefícios, porém ela por si só não garante nada. Quanto ao "sociais" que incorporaram me leva a um questionamento: O quanto elas excluem quem não participa! ; em cinco anos os jovens que hoje fazem praticamente tudo pela internet estarão no mercado de trabalho, muitos casados, com filhos. Precisa dar conta. Nota: Fonte: da pesquisa (2012). Com relação à pesquisa aplicada aos alunos no final da disciplina, houve um total de dezessete respondentes. Primeiramente, foi questionado com relação há quanto tempo você o usuário tem conta no Facebook. Uma pessoa respondeu menos de um ano; dez responderam entre um e três anos; cinco responderam mais de três anos e somente um pessoa respondeu que abriu a conta para participar do grupo na disciplina. Dessa forma, percebe-se que dentre dezessete respondentes, somente uma pessoa nunca utilizou o Facebook com uma conta própria. Em seguida, foi questionado se concordava com o uso do Facebook nas disciplinas de forma geral. Quatorze pessoas respondem que sim, concordam com o uso do Facebook e somente três pessoas discordam, ou seja, não concordam com o uso do Facebook nas disciplinas de forma geral. O terceiro questionamento foi com relação a idade do respondente. Quatro responderam que tem entre vinte e quatro e vinte e nove anos; três entre trinta e trinta e cinco anos; e dez com mais de trinta e cinco. 2299

7 Posteriormente, foi questionado ao aluno quais as principais atividades que se realizou no grupo criado no Facebook para a disciplina (Tabela 3). Tabela 3 Com relação ao uso do Facebook nessa disciplina quais foram as principais atividades que você realizou no grupo? Raramente Pouco Às Total Muito Sempre vezes Postagem de comentários Visualização de posts Publicação de vídeos/fotos educativos Publicação de links para sites Web educativos Nota: Fonte: da pesquisa (2012). Os alunos tiveram que responder quatro questões, sendo cada alternativa uma escala Likert de cinco pontos, de raramente até sempre. Com relação ao item postagem de comentários, quatorze responderam raramente, pouco e às vezes. Já a visualização de posts, onze responderam muito e sempre. Entretanto nos itens publicação de vídeos/fotos educativas e publicação de links para sites educativos, quinze respondem em ambos que raramente, pouco ou às vezes utilizaram esses serviços. Essas quatro afirmações demonstram que os usuários utilizaram o Facebook, porém em grande parte para a visualização de posts. Ou seja, somente 12% dos usuários utilizaram o Facebook para postagem de comentários e publicações de vídeos, fotos, e links. Já com relação às principais funcionalidades e potencialidade, foi perguntado qual o aluno desenvolveu (Tabela 4). Tabela 4 Com relação ao uso do Facebook nessa disciplina, quais foram às principais funcionalidades e potencialidades que você desenvolveu? Afirmações Qt. de respondente Desenvolvi competências tecnológicas 6 Permitiu-me conhecer melhor os colegas melhorando a coesão dos grupos de trabalho 3 Estimulou a minha motivação para a aprendizagem 2 Permitiu que aumentasse o meu interesse pela disciplina 3 Permitiu-me produzir mais conhecimento ou aprender mais 3 Contribuiu para aumentar a minha participação e envolvimento com os colegas 3 Contribuiu para aumentar a minha participação e envolvimento com os conteúdos 3 Promoveu a minha autonomia e gestão da aprendizagem 1 Contribuiu para estimular e ativar o meu pensamento crítico e reflexivo 4 Contribuiu para a partilha de informação e conhecimento 5 Promoveu a integração, a colaboração, a interação e a participação entre todos 4 Facilitou a comunicação entre os alunos e a professora, prolongando os momentos de 5 aprendizagem independentemente do tempo e do espaço Facilitou a comunicação entre os alunos/alunos, prolongando os momentos de 4 aprendizagem independente do tempo e do espaço Permitiu à professora orientar a aprendizagem de um modo interativo 6 Promoveu a reflexão crítica e a criação de novas ideias 1 Proporcionou um ambiente aberto, cooperativo e colaborativo de aprendizagem. 10 Nota: Fonte: da pesquisa (2012). Dentre dezesseis afirmações, o item proporcionou um ambiente aberto, cooperativo e colaborativo de aprendizagem teve o maior número de respostas com 59%, seguido de permitiu à professora orientar a aprendizagem de um modo interativo e desenvolvi competências tecnológicas com 35%. Os itens promoveu a reflexão crítica e a criação de novas ideias e promoveu a minha autonomia e gestão da aprendizagem 2300

8 obtiveram somente 6% das respostas, seguido de estimulou a minha motivação para a aprendizagem com 12%. Com relação ao potencial educativo do Facebook, o aluno respondeu sete afirmações, numa escala Likert de cinco pontos, de menos importante até mais importante (Tabela 5). Tabela 5 Como você considera, de forma geral, o potencial educativo do Facebook? I* II III IV V** Total Promover o ensino cooperativo e colaborativo Desenvolver competências essenciais no mundo globalizado e tecnológico Fomentar a partilha do conhecimento Promover uma maior participação no processo educativo Promover a reflexão crítica e a criação de novas ideias Desenvolver a comunicação e a linguagem Estimular a motivação e o interesse Nota: Fonte: da pesquisa (2012). Com relação a promover o ensino cooperativo e colaborativo, 59% responderam que o consideram entre IV e V. Já com relação ao item desenvolver competências essenciais no mundo globalizado e tecnológico, 71% o consideram entre I e III. Com relação a fomentar a partilha do conhecimento, 65% consideram entre IV e V. Os itens promover uma maior participação no processo educativo e desenvolver a comunicação e a linguagem tiveram um resultado considerável entre os itens. Já promover a reflexão crítica e a criação de novas ideias e estimular a motivação e o interesse obtiveram respectivamente, 65% entre I e III e 59% entre IV e V. Observa-se com esses resultados que, de forma geral, há um potencial educativo. Foi questionado aos alunos se o Facebook deveria ser usado como recurso/instrumento nas demais disciplinas. 12 respondem que sim e 5 que não deveria. Após essa pergunta, os alunos foram questionados a fornecer sua opinião (Tabela 6) a sobre a pergunta anterior. Tabela 6 Opinião dos usuários/respondentes sobre o potencial do Facebook no processo educacional Respondente Resposta 1 Integração 2 Pode ser utilizado como ferramenta de disseminação de conhecimento e promoção dos fatos e/ou processos de mudanças. 3 Como aumenta a interação entre os alunos, o uso é positivo em todas as disciplinas. Contudo, o papel do professor como mediador e incentivador é fundamental. 4 Porque estimula a análise crítica e o uso racional de redes sociais. Além disso, favorece a comunicação e interação entre aluno/aluno, bem como, aluno/professor. 5 O Face mais distrai do que contribui. É mais uma ferramenta de divulgação. É possível utilizá-la? Sim. Porém, de forma limitada, não fazendo desta ferramenta a salvação do ensino. Até porque o aluno que possui interesse em estudar não se importa com o método. 6 Pela interação por ele proporcionada. 7 Dispersa as pessoas, perde-se facilmente o foco. 8 Ampliaria a forma de inteiração e comunicação alunos e professores. Estimularia a participação e formalização de grupos de estudos e de pesquisa de determinados assuntos. Hoje sabemos pouco sobre o que cada um está desenvolvendo ou possui interesse. 9 Acho que seria mais interessante o Google+. 10 Acho que muito conteúdo das disciplinas são correntes e devem ser atualizados sempre, dessa maneira com o uso do Facebook há melhor atualização de conteúdo, e maior interação. 2301

9 11 Possibilita a troca de informações interessantes e inerentes ao estudo assim como a interação entre alunos e professores. 12 Concordo, mas desde que seja usado de forma equilibrada para não perder o foco do conteúdo. 13 Na minha opinião o Facebook deve ser usado como ferramenta de ensino, pois, é um recurso que a maioria das pessoas utiliza em seu cotidiano, sendo assim, acho interessante levar para a sala de aula, algo que já faz parte da realidade da maioria das pessoas, torna o ambiente de ensino mais real e dinâmico. 14 Na minha concepção o face não se mostrou "convidativo" de forma que pudesse auxiliar e motivar no processo educacional, quer como aprimoramento de posicionamentos críticos, novas ideias, competências/habilidades, nem como fomentadora de novos conteúdos. 15 Deve ser uma escolha de cada professor. 16 Sim, pois o Facebook permite um integração em tempo real, devido ao tempo médio do usuário na rede. 17 Utilizar do Facebook como recurso didático pedagógico de maneira simples, interativa e que desperta o interesse do aluno em aprender com a utilização de uma rede social que é amplamente utilizada por ele. Nota: Fonte: da pesquisa (2012). Pode-se dividir as respostas em três grupos: os que consideram um ferramenta que poderia ser utilizada como recurso/instrumento em disciplinas; outro grupo que não concorda, considerando o Facebook somente como rede social; e o terceiro grupo que considera que fica a cargo do professor. Exemplos do primeiro grupo são encontrados nos um, dois, três, quatro, seis, oito, dez, onze, doze, treze, dezesseis e dezessete, ou seja, 71%. O segundo grupo pode ser encontrado nos respondentes cinco, sete, nove e quatorze, ou seja, 24%. Já o terceiro grupo pode ser encontrado no respondente quinze, ou seja, apenas 6%. Por último, foi solicitado a cada aluno um depoimento num post específico no Facebook sua opinião sobre vantagens e desvantagens sobre o uso desta ferramenta de ensino (Tabela 7). Tabela 7 Opiniões sobre vantagens e desvantagens (depoimento sobre o uso desta ferramenta no ensino) Opinião Vantagens Dinamicidade; praticidade; integração; flexibilização; facilidade; aviso via sobre os posts; socialização do conhecimento; ferramenta dinamizadora das relações professor/aluno e aluno/aluno Desvantagens Usuários não participam efetivamente, somente curtindo sem questionar ou opinar; rede social e não educacional; atenção pode ser desviada por ser uma rede social; pouco resultado em termos de retenção ou ganho de conhecimento específico de uma disciplina diretamente; o professor precisa estar apto para realizar a moderação, o que necessita muito tempo dedicado Nota: Fonte: da pesquisa (2012). Com relação a esse item, somente quinze pessoas responderam, com uma taxa de abstenção de 21%. Analisando a tabela e as respostas de cada aluno, o Facebook tem mais vantagens do que desvantagens, com demonstrando na tabela 7. Entretanto, os usuários que consideraram as desvantagens foram unânimes com relação ao preparo do professor e por ser uma rede social, e não educacional. 5 CONCLUSÕES Este artigo descreveu o uso da ferramenta de mídia social, o Facebook, para apoiar os estudantes na disciplina de TICs Tecnologias da Informação Aplicadas ao Ensino 2302

10 Superior, do Programa de Pós-Graduação em Administração (Mestrado em Administração). O trabalho apresentou um estudo de caso que envolveu um grupo de estudantes do programa que utilizaram o Facebook para apoiar a aprendizagem. Os resultados indicaram que a maioria das postagens feitas pelos participantes foram associadas ao reforço do grupo para com determinadas discussões. Houve também o incentivo e apoio entre os mesmos que pode sugerir o sentido de comunidade no grupo. Percebeu-se significativamente que o Facebook quando utilizado como ferramenta educacional permite flexibilidade nos processos de aprendizagem e desempenha a fácil criação, compartilhamento e reutilização de conteúdo de estudo que é gerida pelos próprios professores e alunos. Nesse sentindo, tais resultados corroboram os aspectos elucidados por Hrastinski e Dennen (2009). Com a análise feita sobre as respostas auferidas pelos usuários identificou-se que professor e alunos compartilham opiniões positivas em sua grande maioria sobre o potencial do Facebook como ferramenta educacional na disciplina estudada. Os usuários depois da experiência se mostraram muito mais acessível à ideia de usar o Facebook para determinada temática, havendo a comprovação que existe uma transformação pedagógica como auferida por Siemens e Tittenberger (2009). Ainda notou-se com os resultados que a mídia social pode não ser necessariamente adequada e produtiva na perspectiva de todo usuário. No entanto, se a utilização da mídia social é direcionada ao processo aprendizagem pode haver a geração de resultados satisfatórios entre os usuários, como demonstra as pesquisas de Ractham e Firpo (2011) e Patrício e Gonçalves (2010). Dessa maneira, a gestão do ensino superior deve divulgar os benefícios da utilização de mídia social entre o corpo docente, utilizando exemplos concretos de resultados encorajadores na satisfação do aluno para com sua aprendizagem. Portanto é visível que o desafio maior por parte dos usuários no uso da mídia social está na avaliação se é ou não é um conjunto legítimo de ferramentas educacionais que agreguem valor à experiência da sua aprendizagem. Há uma barreira a ser rompida no que diz respeito a implantação dessa ferramenta no ensino por parte dos professores, como essa pesquisa demonstrou. 6 RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES Essa pesquisa apresenta algumas limitações. Por se tratar de um estudo de caso, necessita-se outras pesquisas para reforçar ou não o que essa demonstrou. O número de respondentes foi pequeno, comprometendo a abrangência da pesquisa. Há a necessidade de se realizar estudos com um número mais de respondentes, utilizando-se tratamento de dados quantitativos para averiguar estudos acerca do Facebook na educação. Observa-se também que a idade dos respondentes, pois 68% dos respondentes têm mais de trinta anos. Em qualquer caso, os resultados desse estudo relatados aqui indicam que é necessário haver maior explanação do arranjo pesquisado com a realização de outras pesquisas. Sendo assim, futuras pesquisas podem averiguar se estudantes que iniciam a graduação obtêm uma perspectiva semelhante ou não. REFERÊNCIAS Andrade, P. B., Azevedo, D. S., & Déda, T. de A. (2012, setembro). Práticas de ensinagem e redes sociais na internet: um estudo de caso do facebook como ambiente de 2303

11 aprendizagem. Anais do Simpósio de Educação e Comunicação, Aracaju, SE, Brasil, 3. Recuperado de Arnold, N., & Paulus, T. (2010). Using a social networking site for experiential learning: Appropriating, lurking, modeling and community building. The Internet and Higher Education, 13(4), Balbino, F. C., & Anacleto, J. C. (2011, setembro). Redes Sociais Online Orientadas à Difusão de Inovações como Suporte à Extensão de Práticas Educativas. Anais do Simpósio Brasileiro da Informática Educação (SBIE), Aracaju, SE, Brasil, 22. Recuperado de Boyd, D. M., & Ellison, N. B. (2008). Social network sites: Definition, history, and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, 13, Campbell, D. (2010). The new ecology of information: how the social media revolution challenges the university. Environment and planning. D, Society and space, 28(2), 193. Coelho, W. G. (2012). Uso dos recursos de mídias sociais na Educação a Distância: impactos na percepção da presença social. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE), Aracaju, SE, Brasil, 23. Recuperado de Dabbagh, N., & Kitsantas, A. (2012). Personal Learning Environments, social media, and self-regulated learning: A natural formula for connecting formal and informal learning. The Internet and Higher Education, 15(1), 3-8. Dabbagh, N., & Reo, R. (2011a). Back to the future: Tracing the roots and learning affordances of social software. In M. J. W. Lee, & C. McLoughlin (Eds.), Web 2.0-based e-learning: Applying social informatics for tertiary teaching (pp. 1 20). Hershey, PA: IGI Global. Dabbagh, N., & Reo, R. (2011b). Impact of Web 2.0 on higher education. In: D. W. Surry, T. Stefurak, & R. Gray (Eds.), Technology integration in higher education: Social and organizational aspects (pp ). Hershey, PA: IGI Global. Dabner, N. (2012). Breaking Ground in the use of social media: A case study of a university earthquake response to inform educational design with Facebook. The Internet and Higher Education, 15(1), Dickey, I. J., & William, F. L. (2010). The evolution (revolution) of social media and social networking as a necessary topic in the marketing curriculum: a case for integrating social media into marketing classes. Society for Marketing Advances Proceedings, s/n, Jul., p Educause (2012). Center for Applied Research. Recuperado de 2304

12 English, R. M., & Duncan-Howell, J. A. (2008). Facebook goes to college: using social networking tools to support students undertaking teaching practicum. Journal of Online Learning and Teaching, 4(4), Fazekas, A. M., & Czschesz, E. C. (2011). High school students computer and internet related habits. Iskolakultura, 21 (8/9), Fernandes, L. (2011). Redes Sociais Online e Educação: contributo do Facebook no contexto das comunidades virtuais de aprendentes. Lisboa: Universidade de Nova Lisboa. Recuperado de Formentin, C. N., & Lemos, M. (2011). Mídias Sociais e Educação. Anais de Simpósio Sobre Formação de Professores, Tubarão, SC, Brasil, 1. Recuperado em 0Formentin_Maite%20Lemos.pdf Hazari, S., North, A., & Moreland, D. (2009). Investigating pedagogical value of wiki technology. Journal of Information Systems Education, 20(2), Hilton, J. (2009). Essential versus strategic IT investments. EDUCAUSE Review, 8 9. Hrastinski, S., & Dennen, V. (2012). Social media in higher education: Introduction to the special issue. The Internet and higher education, 15(1), 1-2. Jones, B. L. (2008). Web 2.0 heroes: Interviews with 20 Web 2.0 influencers. Indianapolis, IN: Wiley. Kaplan, A. M., & Haenlein, M. (2010). Users of the world, unite! The challenges and opportunities of Social Media. Business Horizons, 53(1), Katz, R. (2008). The gathering cloud: Is this the end of the middle? In R. Katz (Ed.). The tower and the cloud: Higher education in the age of cloud computing. Recuperado de Kitsantas, A., & Dabbagh, N. (2010). Learning to learn with Integrative Learning Technologies (ILT): A practical guide for academic success. Greenwich, CT: Information Age Publishing. Lindstrom, P. (2007). Securing Web 2.0 technologies. In-depth research report, the Burton Group. EDUCAUSE Center for Applied Research. Recuperado de McGloughlin, C., & Lee, M. J. W. (2010). Personalised and self-regulated learning in the Web 2.0 era: International exemplars of innovative pedagogy using social software. Australasian Journal of Educational Technology, 26(1), Miranda, F. D., & Figueiredo, L. A. V. D. (2012, março). Jogos em midias sociais e a educação ambiental: uma proposta interdisciplinar com o aplicativo Trash Tycoon do Facebook na educação escolar. Anais do Fórum Brasileiro de Educação Ambiental, 2305

13 Salvador, BA, Brasil. Recuperado de Natt, E. D. M., da Costa Barbosa, B. F., & Melo, T. (2010). Rede Social como ferramenta de ensino-aprendizagem em sala de aula. Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34. Recuperado de EPQ2175.pdf Norton, P., & Hathaway, D. (2008). On its way to K-12 classrooms, web 2.0 goes to graduate school. Computers in the Schools, 25, Patrício, M. R., & Gonçalves, V. (2010a). Utilização educativa do Facebook no ensino superior. Conference learning and teaching in higher education, Bragança, Portugal, 1. Recuperado de https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/2879/4/7104.pdf Patrício, M. R., & Gonçalves, V. (2010b). Facebook: rede social educativa? Conference learning and teaching in higher education, Bragança, Portugal, 1. Recuperado de https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/3584/1/118.pdf Pereira, C. C. A. (2012, novembro). Mídias sociais nas universidades: como explorar o máximo potencial de cada uma delas. Anais do Congresso Nacional Universidade, EAD e Software Livre. Recuperado de view/2784/2740 Pereira, D. A., & Borges, M. K. (2012). Mídias sociais como estratégia de comunicação em uma instituição de ensino: perspectivas e desafios. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 5(2), Pereira, D. A., & Borges, M. K. (2011). Mídias sociais e instituições de ensino: uma ponte entre a escola e seus públicos. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Aracaju, SE, Brasil, 22. Recuperado de Ractham, P., & Firpo, D. (2011, janeiro). Using social networking technology to enhance learning in higher education: A case study using Facebook. Hawaii International Conference on, 2011, 44. doi: /HICSS Rankin, M. (2009). Some general comments on the Twitter Experiment. Recuperado de Rhema, A.; Miliszewska, I. (2010). Towards e-learning in higher education in Libya. Issues in Informing Science and Information Technology, 7, Rosen, D., & Nelson, C. (2008). Web 2.0: A new generation of learners and education. Computers in the Schools, 25, Schwartz, H. L. (2009). Facebook: The new classroom commons?. Chronicle of Higher Education, 56(6), B12-B

14 Selwyn, N. (2007, October). Web 2.0 applications as alternative environments for informal learning-a critical review. Paper for CERI-KERIS International Expert Meeting on ICT and Educational Performance. Recuperado de Shittu, A. T.; Basha, K. M.; Abdulrahman, N. S. N.; Ahmad, T. B. T. (2011). Investigating students' attitude and intention to use social software in higher institution of learning in Malaysia. Multicultural Education & Technology Journal, 5(3), Siemens, G. (2005). Connectivism: a learning theory for the digital age. International Journal of Instructional Technology and Distance Learning, 2(1). Recuperado de Siemens, G., & Tittenberger, P. (2009). Handbook of emerging technologies for learning. Recuperado de Weigel, V. (2002). Deep learning for a digital age: Technology's untapped potential to enrich higher education. San Francisco: Jossey-Bass. Yin, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 Página 1 Índice Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 O QUE É EDUCAÇÃO A DISTANCIA (EAD)?... 4 O que é necessário para estudar em ead?... 4 Quais são as vantagens de estudar a distância?...

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO Mércia Cardoso da Costa Guimarães 1, Henrique Oliveira da Silva 2 1 Instituto Federal de Pernambuco

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE UM BLOG COMO APOIO DIDÁTICO PARA AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO SUBPROJETO DE QUÍMICA DO PIBID-UEMS

UTILIZAÇÃO DE UM BLOG COMO APOIO DIDÁTICO PARA AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO SUBPROJETO DE QUÍMICA DO PIBID-UEMS UTILIZAÇÃO DE UM BLOG COMO APOIO DIDÁTICO PARA AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO SUBPROJETO DE QUÍMICA DO PIBID-UEMS Camila Cristina Zanetti França 1, Ana Claudia Rocha Cabral 2, Keila Batista Dias 3, Marileide

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais

ID:1587 REDES SOCIAIS VIRTUAIS COMO FACILITADORAS DE APRENDIZAGEM NA ODONTOLOGIA: OPINIÃO DOS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BRASIL

ID:1587 REDES SOCIAIS VIRTUAIS COMO FACILITADORAS DE APRENDIZAGEM NA ODONTOLOGIA: OPINIÃO DOS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BRASIL ID:1587 REDES SOCIAIS VIRTUAIS COMO FACILITADORAS DE APRENDIZAGEM NA ODONTOLOGIA: OPINIÃO DOS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BRASIL Barbosa de Souza, Fábio; Jamelli, Silvia Regina; Dantas

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos Marli Fátima Vick Vieira 1 ; Gicele Vieira Prebianca 2 ; Tháfila Krum de

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Nº 171303109 Mestrado em Ciências da educação Informática educacional Online Learning Communities.

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Disciplina: Ambientes Sociotécnicos para Ensino/Aprendizagem de Línguas Professora: Dra. Maria Raquel de A. Bambirra Aluna: Ednalva Pereira da Silva

Disciplina: Ambientes Sociotécnicos para Ensino/Aprendizagem de Línguas Professora: Dra. Maria Raquel de A. Bambirra Aluna: Ednalva Pereira da Silva Disciplina: Ambientes Sociotécnicos para Ensino/Aprendizagem de Línguas Professora: Dra. Maria Raquel de A. Bambirra Aluna: Ednalva Pereira da Silva O uso Wallwisher/Padlet no ensino de L2 e sua complexidade

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) NA EEEC * PALAVRAS-CHAVE: Ensino a Distância (EaD), TelEduc, Moodle, Conexões de Saberes.

PERSPECTIVAS DO PROJETO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) NA EEEC * PALAVRAS-CHAVE: Ensino a Distância (EaD), TelEduc, Moodle, Conexões de Saberes. PERSPECTIVAS DO PROJETO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) NA EEEC * Ricardo Henrique Fonseca ALVES 1 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 ; Marcelo Stehling DE CASTRO 3 e Rodrigo Pinto LEMOS 4 1 Estudante não bolsista

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet Por Carolina Cavalcanti * Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a maneira que nossa sociedade está

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo Caroline Gomes Romano e-mail: carolgromano@hotmail.com Ana Letícia Carvalho e-mail: anale.carvalho03@gmail.com Isabella Domingues Mattano

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA 1 RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA Introdução A passagem da comunicação oral para a comunicação eletrônica no final da década

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 *

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 * 1 APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS Janara de Camargo Matos 1 * RESUMO A internet ou Web 2.0 é um espaço onde se pode criar, editar e transformar páginas de maneira simples. A utilização de tecnologias

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG*

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* ALVES, Ricardo Henrique Fonseca 1 ; DEUS JÚNIOR, Getúlio Antero de 2 ; CASTRO, Marcelo Stehling de 3 ; LEMOS, Rodrigo Pinto 4 Palavras-chave: Ensino a Distância

Leia mais

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS Brasília, maio de 2012 Iara Carneiro Tabosa Pena - Universidade de Brasília (iarapena@yahoo.com.br) Wilsa Maria Ramos Universidade

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Laura de Sousa Mendonça 1. Patrícia de Souza Costa 2 RESUMO

Laura de Sousa Mendonça 1. Patrícia de Souza Costa 2 RESUMO 1 Percepção de Discentes e Docentes sobre o Uso do Moodle no Ensino Presencial: o caso do Curso de Ciências Contábeis de uma Universidade Pública Mineira RESUMO Laura de Sousa Mendonça 1 Patrícia de Souza

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro

Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro DICAS PARA ESTUDAR A DISTÂNCIA Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.

Leia mais

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011 1 FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS São Paulo 05/2011 Claudia Stippe Rodrigues Instituto Paramitas claudiastippe@institutoparamitas.org.br Mary Grace Pereira Andrioli

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Natal- RN- Maio de 2015 Thais Paulo Teixeira Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - thais.paulo@hotmail.com Nathalia

Leia mais

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012 REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Porto Nacional TO Maio 2012 Categoria: Métodos e Tecnologia Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

MANUAL DO ALUNO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) I-UMA

MANUAL DO ALUNO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) I-UMA MANUAL DO ALUNO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) I-UMA SUMÁRIO 1 O que é a Plataforma Blackboard...4 2 Como acessar a Plataforma Blackboard...5 3 Acessando a Blackboard...6 4 Menu do Curso...7 5 Acessando

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP)

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP) 1 O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP) São Carlos - SP - maio/2015 Daniela Salgado Gonçalves da Silva - UFSCar - danisalgadoead@gmail.com Glauco

Leia mais

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino Escolher o Sponte Educacional é escolher inteligente Sistema web para gerenciamento de instituições

Leia mais

Aprender a Distância na Previdência

Aprender a Distância na Previdência Relatório de Encerramento Aprender a Distância na Previdência (ADP-001-09) Brasília, 05 de março de 2009. 1 1. Identificação: Curso: Aprender a distância na Previdência Descrição do curso: Módulo introdutório

Leia mais

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa...

Sobre o estudo. Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Sobre o estudo perfil Publico: De um lado: Consumidores Do outro: Profissionais de marketing, comunicação, design, pesquisa... Amostra: Total: 1.035 respondentes Consumidores: 805 Profissionais: 230 objetivo

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ RESULTADOS DA PESQUISA DE PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS CURSOS DE: MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA DOS NEGÓCIOS MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA COM PESSOAS FACULDADE REDENTOR 2012 ITAPERUNA RJ MODELO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CELINA FERREIRA RIBEIRO, FRANCISCO WILLIANS M. PLÁCIDO HIRANO CELINA.RIBEIRO@IFTO.EDU.BR Resumo O Ambiente

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA Renato dos Santos Diniz renatomatematica@hotmail.com Adelmo de Andrade Carneiro adelmomatematico@yahoo.com.br Wesklemyr Lacerda wesklemyr@hotmail.com Abigail

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

Manual do aluno online

Manual do aluno online Manual do aluno online Os 10 mandamentos do aluno de educação online 1 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é prérequisito para a participação nos cursos

Leia mais

Educação a Distância Definições

Educação a Distância Definições Educação a Distância Definições Educação a distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente; Visa a interação

Leia mais

Organizar uma Biblioteca Virtual PÚBLICO-ALVO: Licenciandos, estudantes do ensino superior. TEMPO DE DURAÇÃO: 14 dias (2 semanas)

Organizar uma Biblioteca Virtual PÚBLICO-ALVO: Licenciandos, estudantes do ensino superior. TEMPO DE DURAÇÃO: 14 dias (2 semanas) Organizar uma Biblioteca Virtual PÚBLICO-ALVO: Licenciandos, estudantes do ensino superior. TEMPO DE DURAÇÃO: 14 dias (2 semanas) JUSTIFICATIVA O mundo digital está cada vez mais fazendo parte do processo

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET 110. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Autor: Dominique Turpin Presidente do IMD - International Institute for Management Development www.imd.org Lausanne, Suíça Tradução:

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais. Mídias Sociais e Marketing Pessoal

Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais. Mídias Sociais e Marketing Pessoal Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais Mídias Sociais Sites de Redes Sociais são serviços de web que permitem aos usuários (1) construir um perfil público ou semipúblico dentro de um sistema

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

Questionário Parte I: Informação Pessoal Parte II: Utilização das Tecnologias Educativas (TE)

Questionário Parte I: Informação Pessoal Parte II: Utilização das Tecnologias Educativas (TE) Questionário Este questionário destina-se a avaliar, a nível nacional, as atitudes e perceções dos professores e formadores de cursos de Nível Secundário sobre a utilização de recursos computacionais na

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

Informação não é conhecimento. 2.1 Acessar, Criar & Compartilhar com sabedoria. Acessar, Criar & Compartilhar com sabedoria

Informação não é conhecimento. 2.1 Acessar, Criar & Compartilhar com sabedoria. Acessar, Criar & Compartilhar com sabedoria PLANOS De aula Informação não é conhecimento 2.1 Acessar, Criar & Compartilhar com sabedoria Título curto para Atividade Autor Tópico Acessar, Criar & Compartilhar com sabedoria Fernando Rui Campos, Portugal

Leia mais