REFLETINDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ SUAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFLETINDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ SUAS"

Transcrição

1 1 REFLETINDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ SUAS Delma Rosa de Almeida * Janaina Carvalho da Silva ** RESUMO Este artigo tem por objetivo trazer a tona algumas preocupações referentes à implantação do Sistema Único de Assistência Social/SUAS, tendo por base as dificuldades da implantação da LOAS, num contexto de mudanças macroeconômicas, modelo neoliberal, associado a cultura tutelada da Assistência Social. Nesse sentido, as reflexões articulam-se aos diferentes contextos em que a implantação do SUAS não esta deslocada. Palavras Chave: Globalização, assistência, gestão social e Suas. ABSTRACT This article has for objective to bring some referring concerns to the implantation of the Unique System of Social Assistance / SUAS, having for base the difficulties of the implantation of the LOAS, in a context of macroeconomic changes and neoliberal model, associated to the culture tutored of the Social Assistance. In this direction, the reflections articulate it to the different contexts where the implantation of SUAS is not dislocated. Wordkey: Globalization, assistance, term of office and SUAS. 1 INTRODUÇÃO A década de 90 é marcada por acontecimentos que alteraram significativamente o modelo econômico, político e social do Brasil, entre eles, o processo de globalização que ao ser internalizado incindiu de maneira decisiva (IANNI,1992) para que desencadeasse a crescente liberação e desregulamentação dos mercados, com alterações profundas nas relações sociais, políticas, culturais e econômicas. A dimensão econômica apresenta-se multifacetada cujos indicadores apontados por vários autores, entre eles, Costa (1994), o país ao ingressar no processo de globalização o fez com baixos investimentos tecnológicos, desaceleração da economia como mecanismos de freio aos processos inflacionário e com a preocupação do governo em ajustar a economia para saldar a dívida externa e cobrir os déficits na balança. * Especialista em Serviço Social ** Mestre em Serviço Social

2 2 Esse contexto traz o embricamento de conjunturas anteriores em que desde a década de 70, o desequilíbrio fiscal e financeiro estava ocorrendo com a crise das dívidas interna e externa, estagnação produtiva e do emprego industrial. Associado ao conservadorismo e autoritarismo das elites brasileiras que deram contribuição para que esse quadro se instalasse em um cenário de transição política e abertura democrática em que, os que dirigiam a transição, o processavam intencionando mudar para manter (CANO,1994, p. 13). A inserção do Brasil no processo de globalização de forma Abrupta quando já intensificado as relações econômicas e comerciais em escala mundial, decorre do atraso nas mudanças do modelo de produção que dificultou seu engajamento na denominada terceira onda, representada pela reestruturação da produção, reorganização dos mercados e avanços tecnológicos. Os fatores apontados trouxeram entraves para o país fazer frente às mudanças do sistema produtivo, à acirrada competição, concentração de capital mundial e o surgimento de blocos econômicos, a exemplo do Mercosul que não construiu a mesma visibilidade e poder hegemônico da União Européia, Nafta e outros. Ao sujeitar-se aos interesses macroeconômicos do capital internacional, produziram novos direcionamentos às mudanças estruturais de ordem econômica e política absorvendo a lógica neoliberal consubstanciada na reforma do estado, políticas de ajuste fiscal com medidas recessivas que reduz a possibilidade de financiamento de serviços públicos, preceituando o enxugamento dos gastos governamentais. Paradoxalmente, os direitos sociais assegurados na Constituição de 1988, em especial a Seguridade Social ocorreram em um contexto que a nível mundial, inclusive nos países industrializados, a proteção social sofria derrocada com a consolidação do neoliberalismo. Portanto, a presente reflexão é realizada sob a ótica de que as políticas públicas em especial a assistência social, no âmbito da Seguridade Social não constituir-sea em política pública de direito tão somente pela regulamentação da LOAS e implementação do Sistema Únicos de Assistência Social/SUAS. 2 ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ÂMBITO DA SEGURIDADE SOCIAL A conquista da política de Assistência Social na Seguridade Social, como direito do cidadão e dever do estado, sem dúvidas foi um avanço legal/formal, porém a regulamentação em lei não garante sua efetivação, assim como, das demais políticas públicas. Desvelar a sua não efetivação remete apreender o movimento histórico de sua constituição no Brasil anterior a década de 30. A assistência era realizada por entidades

3 3 assistenciais filantrópicas, campo de atenção voltado para àqueles que não se encontravam vinculados às relações de produção. Assim, a assistência se constituiu de paradigma laico-religioso fundamentada na ajuda e solidariedade, e, somente a partir de 30, o estado estabeleceu uma combinação de regulação do capital-trabalho e ações assistenciais, através de subvenções, convênios e acordos com as instituições assistenciais. Nesse contexto, as problemáticas apreendidas até então como fenômeno social, passaram a ser vista como questão social, constituída por conjunto de problemas políticos sociais e econômicos que o surgimento da classe operária impôs no curso de constituição da sociedade capitalista. (CERQUEIRA FILHO, 1982, p. 21). A adoção de algumas iniciativas de proteção social por parte do governo, relaciona-se com a emergência das reinvidicações da classe trabalhadora e a condução ao novo padrão de acumulação, quando se inicia o denominado processo de industrialização brasileira. Na década de 70, em uma conjuntura marcada por crise econômica, política, social e de legitimidade do governo, movimentos sociais engendram estratégias para democratização do país e estabelecimento do estado de direito. Alguns autores apontam que no interior desses aglutinaram forças que ao criticarem a ação pontual, residual, caritativa e filantrópica no campo assistencial, incorporaram demandas por sua efetivação como política. De contra partida, há autores que afirmam que somente na década de 80 a Assistência Social passou a constituir-se preocupação, em especial por parte da academia. Almeida (1999) pontua que a Assistência Social e Previdência Social não contou com uma elite profissional que fosse capaz de nuclear e dar rumo a coalização mudancista e que aliasse clara concepção do novo modelo assistencial com experiência de gestão pública e forte penetração nos centros de decisão da política assistencial no executivo. Enquanto que, no campo da saúde encontrava-se uma elite profissional, atores estrategicamente situado, dotados de recursos políticos para transformar problemas em questão (OSZLAK; O DONNEL apud PEREIRA, 2002, p. 39), construíram articulação, negociações e concessões por parte do poder político. A grande contribuição dos intelectuais orgânicos na defesa da Política de Seguridade Social, com riqueza conceitual, análise crítica, direção à construção do modelo, descentralizado, participativo e com controle social, não potencializou suficientemente os profissionais da base a se fazerem representar quantitativo e qualitativamente frente às forças conservadoras, interessadas na manutenção do caráter tradicional da Assistência Social. Confirmando tal assertiva, tem-se a não construção de uma contra hegemonia frente aos interesses governamentais, onde dos projetos de lei formulados, prevaleceu o de

4 4 interesse do governo, sendo considerada vitória a negociação à manutenção dos princípios e diretrizes da Lei Orgânica da Assistência Social LOAS de nº /93. Contudo, estes se apresentam incompatíveis com os procedimentos, normas, interpretações e encaminhamentos adotados, vindo a Assistência ora se apresentar mais restrita, ora mais generosos e ainda, com forte centralismo, em que a autonomia dos municípios não se estabeleceu conforme o paradigma defendido pelos intelectuais orgânicos e políticos comprometidos com os interesses das classes subalternas. Outro fator que demonstra a hegemonia do poder foi o atraso de cinco anos para regulamentação da referida Lei, vindo sua divulgação, organização e implementação perpassar por vários entraves em função do jogo político que dera maior visibilidade ao programa Comunidade Solidária, ao invés de investir no processo de municipalização. O atraso no processo de implantação da LOAS e do respectivo Sistema Único de Assistência Social requer que sua construção seja debatida coletivamente, para que não ocorra os equívocos pontuados no presente artigo. A preocupação levantada, tem por base a participação no processo de divulgação e implantação da LOAS no Estado de Mato grosso, pesquisas, inserção participante em fóruns, seminários, acompanhamento e orientação de estagiárias (ROSA, 1999; 2003) 3 GESTÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A gestão social na década de 90 passa a ser entendida como um conjunto de estratégias voltadas à reprodução da vida social, no âmbito privilegiado dos serviços [...] ocupa-se, portanto, da ampliação do acesso à riqueza social - material e imaterial -, na forma de fruição dos bens, recursos e serviços, entendida como direito social, sob valores democráticos com equidade, universalidade e justiça social. (SILVA, 19994, p.32). A partir da referência acima, necessário se faz indicar que a implementação do modelo de administração gerencial emergente na década de 90 que privilegia a participação e controle social, faz parte do mesmo processo em que a sociedade política apoiada por elites conservadoras responsabilizam o modelo de Estado burocrático e intervencionista pela crise fiscal e inflacionária. O processo de modernização com a reforma do Estado, conclamando a sociedade civil organizada, entre elas o terceiro setor e entidades filantrópicas, remete-se a compreensão de que a descentralização encaminhada pela sociedade política faz parte de

5 5 estratégias de deslocamento das funções da ação estatal para setores da sociedade, reduzindo os gastos públicos com as políticas sociais, respondendo ao paradigma neoliberal. A descentralização constitui uma categoria que abarca diferentes concepções teóricas, sendo que, a defendida no período de embates pela regulamentação da LOAS, pressupõe: democracia, autonomia e participação popular, porém esta, ainda não se constitui uma realidade. A descentralização para Tobar (apud STEIN, 1991, p.32) aparece e desaparece no transcurso da história das instituições, portanto não se constituindo em uma categoria nova, pois esteve presente em alguns contextos da administração burocrática, inclusive no período autoritário do país. LOBO (apud STEIN, 1991, p. 32) aponta duas vertentes da descentralização: a horizontal e a vertical. A horizontal entendida como funcional, de caráter setorial e não global, a exemplo de autarquias, fundações e empresas públicas. A descentralização vertical entendida como territorial realizada mediante formalidades legais previstas na Constituição Federal, sendo a última posta para o país. Com relação à implantação do novo modelo de gestão político-administrativo em Mato Grosso/MT, um dos entraves que podemos citar a partir da participação no processo de implantação da LOAS, foi o retardamento por parte da instância federal, em como proceder aos encaminhamentos, definição de regras claras aos municípios à implementação da política de assistência social. Frente ao cenário de indefinições, profissionais de extinta Legião Brasileira de Assistência Social/LBA, em meados de 94 inicia o processo de divulgação e implantação da LOAS, em um esforço isolado, sem as devidas orientações e participação da estância estadual nesse processo. As indefinições associadas à ênfase em programas solidários, não privilegiando a implementação da assistência social como política pública favoreceu para que não houvesse integração no primeiro momento, das equipes da LBA com o órgão gestor a nível estadual. Quando da definição do comando único, após quatro meses da posse do presidente Fernando H.Cardoso, surgi uma luz no fundo do túnel recebendo a Fundação de Promoção Social/PROSOL sinal verde para assumir as tarefas da LBA, com parcos recursos humanos, reforçando e ampliando as ações para a implantação da política de assistência social no estado. Outro aspecto que chamou a atenção fora às informações que os municípios podiam não aceitar a municipalização, isto é, não aderirem o processo de descentralização, o que corroborou para o retardamento do envolvimento deste, não vindo, portanto, alguns

6 6 municípios fazer parte da dinâmica necessária em tempo que possibilitasse o amadurecimento e a construção coletiva do paradigma norteador da formulação da política. Quando o governo federal pressionado pela correlação de forças estabelecida por representações da categoria do serviço social, entidades assistenciais, intelectuais e políticos, este direcionou as orientações em curtos prazos, com altos custos ao processo de descentralização, com muitos municípios não preparados para estruturar a gestão a partir do novo paradigma, consequentemente não responderem as demandas postas pela população. Outro aspecto que chamou a atenção foi os equívocos por parte de gestores de partidos contrários ao governo, que entenderam o movimento de implantação da política como se fosse makentig eleitoral, e/ou, ainda, pela trajetória da assistência social, alguns municípios não deram crédito às orientações emanadas. Em outros termos, os gestores não tinham o conhecimento necessário para implantar o processo de descentralização, seja porque as capacitações foram pontuais e descontínuas, tanto para estes, quanto para os poucos técnicos que constituía a época os recursos humanos qualificados, e, as entidades filantrópicas se fizeram ausente desse processo com raras exceções. Seja pelo seu não engajamento no processo. Em relação às parcerias construídas à operacionalização da LOAS foram com as mesmas, antigas instituições, ou, no máximo com aquelas que surgiram a partir da Lei, porém com características semelhantes, quanto a função social, estatuto, normas e procedimentos, os quais na grande maioria não respondem as exigências estabelecida nesta e na respectiva política e norma operacional, conforme estudos realizados. Em outros termos, há inúmeras entidades filantrópicas e religiosas que preenche o cadastro e passam fazer parte do Conselho Municipal de Assistência Social/CMAS, sem estarem em conformidade com a lei. Com relação às organizações comunitárias, na maioria dos municípios são constituídas juridicamente, porém sem engajamento efetivo nas problemáticas dos mesmos. Em decorrência da fragilidade dessas organizações, a representatividade no CMAS, por vezes é realizada por sindicatos encontrando também, em desconformidade com a lei. Em se tratando dos recursos humanos estes são na quase totalidade, constituídos por voluntários que, apesar dos esforços empreendidos, as concepções imbricadas não corresponde ao novo paradigma da Assistência Social preceituado e defendido. Quanto aos gestores da assistência social, por mais que sejam percebidas algumas mudanças de cultura no modo de gestar a ação pública, ainda se presencia o paternalismo, clientelismo e tutela, sendo comum à gestora desta política atuar no setor emergencial, espaço em que as carências se manifestam e onde o favor e a troca se estabelecem.

7 7 Com relação aos aspectos financeiros à implantação da LOAS foi observado o escasso orçamento, pois a nível estadual ocorrera que, os custos para divulgação e capacitação à implementação da LOAS, não estavam previstos no orçamento, o que produziu entraves para uma ampla socialização, discussão e apreensão do marco conceitual pelos agentes sociais responsáveis pela implementação da política de assistência social. Acreditamos que os aspectos inferidos tenham contribuído para que os esforços empreendidos pelos profissionais de ambas as instituições, não tenham obtido melhores resultados, frente ao compromisso empreendido a implantação da política de assistência social. As análises formuladas remetem-se a compreensão de que a descentralização político-institucional até então processada, permite afirmar que esta vem se consolidando com ênfase no reordenamento institucional, com manutenção da centralização financeira e de direção dos projetos a serem implementados. Menezes (1993, p. 15) ao analisar esse processo, informa que omitindo a articulação entre o econômico e o político, não ultrapassa os marcos do aperfeiçoamento institucional, circunscreve, pois de estratégias que fazem parte das determinações da modernização do Estado e ajustes macroeconômicos, com desresponsabilização do estado para com as políticas públicas de direito. Trabalhar as políticas a partir da integralidade acreditando produzir autonomia dos sujeitos constituiu em equívoco, pois a desvinculação do social com o econômico produz apenas ilusão de que através da política produzirá transformações sociais. Neste sentido, a dimensão política não pode desvincular-se do econômico, assim como, a interface das políticas constitui a base fundante do arcabouço da integralidade destas. Ou seja, requer a revitalização das forças sociais em presença para retomar as discussões sobre direitos e cidadania e o estabelecimento de critérios de justiça social, uma das estratégias às reformas estruturais. Ao mesmo tempo, o exercício de práticas interdisciplinares constitui uma das alternativas a consolidação da integralidade das políticas e consequentemente a construção do SUAS. O contrário é formatar um modelo que não finca raízes nos marcos da própria história, vez que a questão social na contemporaneidade é a desigualdade social a qual será alterada quando houver redistribuição de riqueza socialmente produzida, inclusão pelo conhecimento e acesso as condições de participação ativa nos processos de decisão.

8 8 4 REFLETINDO SOBRE SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/SUAS O Sistema Único de Assistência Social/SUAS, para configurar-se como modelo descentralizado, participativo e controle social com programas e projetos organicamente articulado as demais políticas públicas, vai requerer um amplo debate, nos espaços de legitimação e participação dos atores sociais locais. A partir dos parâmetros definidos, necessário se faz o envolvimento de todas as representações das diferentes políticas públicas, estratégia ao exercício da democracia, do poder de deliberação e a ruptura com práticas fragmentadas e sobrepostas. Assim sendo, à construção da rede de assistência social, prevista na Política Nacional de Assistência Social/2004, traz questões emblemáticas que se não resolvidas constituirá entraves e/ou equívocos, anteriormente ocorridos com a implantação da LOAS, entre eles, ausência de protagonismo no processo, não podendo ser as representações de ambos os segmentos apenas receptores, sob o risco do SUAS não ser aquele conceitualmente formulado pelos intelectuais situados na máquina governamental e academia. O formato institucional previsto na construção do SUAS, não pode incorrer nos mesmo equívocos e ficar submetido a jogo de interesses, muitas vezes obscuros, provocando aceleramento do processo a exemplo do que foi presenciado: os municípios não precisam fazer adesão ao SUAS, mas haverá ampliação de programas para o próximo ano àqueles que o fizerem (Encontro Estadual de Gestoras Municipais de Assistência Social,2005). Inclusive deve-se ainda estar atento quanto à proposta de um Sistema Único de Assistência Social semelhante ao Sistema Único de Saúde/SUS, pois há questões históricas, de infra-estrutura, orçamento, equipe interdisciplinar qualificada, parcerias e características peculiares na construção da política de saúde, que para ser semelhante vai sem dúvidas, alterar o que está posto. Conceber a rede básica e especial de proteção social expressa na Política de Assistência Social, articulada a realidade da maioria dos municípios Mato-grossense, em especial de pequeno porte, leva-nos a certificar que haverá uma total redefinição na reorganização dos serviços, programas e projetos de assistência social, inclusive no redimensionamento dos espaços. Em outros termos, a regionalização não pode incorrer no risco de provocar nos municípios de médio e grande porte concentração de demandas, por apresentarem esses, maior capacidade instalada, conforme vem ocorrendo com o SUS. Como particularidade ainda tem a presença de entidades com assento nos Conselhos Municipais de Assistência Social/CMAS, cuja função social não corresponde às

9 9 prerrogativas estabelecidas a configurar-se de assistência social. Ademais, a problemática da não paridade, e do conjunto heterogêneo de entidades harmonizadas pela legislação ao constituir-se de parceiras do estado, indo desde entidades filantrópicas, hospitais e faculdades particulares, precisa ser redefinida. A complexidade das instituições ora parceiras na operacionalização da assistência social, apreendida como sociedade civil (DORIGUETTO, 2005), precisa se repensada institucionalmente. Assim como, a estrutura mínima, a qualificação e o conjunto de instituições com características laico-religiosas e terceiro setor que atualmente processam a assistência social, representando a contradição entre direito e solidariedade. Assim sendo, as condições objetivas a consolidação do SUAS precisa ser construída, pois a reestruturação requerida exigirá muito mais do que as prestadoras complementares de serviços sócio-assistenciais tornarem-se co-gestoras e co-responsáveis na luta por garantia dos direitos sociais, através dos conselhos de assistência social (BRASIL. Política Nacional de Assistência Social, 2004). Deve-se atentar ainda que, o SUS é formado por rede, em que determinados espaços são demarcados como público e com características como tal, como: postos, centros de saúde e policlínicas, denominados de atenção básica. Enquanto atenção secundária e terciária que exige média e alta complexidade, os serviços produzidos são privados, porém públicos. Em síntese, a construção e implementação do SUAS, mesmo sendo tardia não pode ser viabilizado com procedimentos apresados e interpretação de que, o sucesso da política de assistência social esta condicionado a implantação do sistema, como já começaram a alardear alguns atores localizados nos espaços de poder político. REFERÊNCIAS ALMEIDA, C. Reformas do Estado e reforma de sistemas de saúde. Ciências e Saúde Coletiva. v. 4, n. 2, p , BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, set BRASIL. Lei Orgânica de Assistência Social, n , de 7 de dezembro de Diário Oficial da União, Brasília, 8 dez CANO Wilson. Reflexões sobre o Brasil e a Nova (Dês) Ordem Internacional. 3. ed. Campinas (SP): Editora da UNICAMP; São Paulo: FAPESP, CERQUEIRA F. G. A questão social no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, COSTA, Sergio. Esfera pública, redescoberta da sociedade civil e movimentos sociais no Brasil. Novos Estudos CEBRAP. São Paulo, CEPRAP. n. 38, março 1994.

10 10 DURIGUETTO, M. L. Sociedade civil, esfera publica, terceiro setor: a dança dos conceitos. Revista Serviço Social & Sociedade, n. 81. São Paulo: Cortez, IANNI Octavio. A sociedade Global. Rio Janeiro: Civilização Brasilense, MENEZES, Maria Thereza C.G. Em Busca da Teoria: políticas de assistência pública. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, PEREIRA, P. A. Política de assistência social no Brasil: avanços e retrocessos. Cadernos de Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares,. Brasília: CEAM/UNB, ano 3, n. 11, out ROSA, Delma. Pesquisa: Perfil dos Gestores da Assistência Social. Mato Grosso: Associação Mato-grossense dos Municípios/AMM (Mimeo).. Encontros Regionais de Preparação da IV Conferência de Assistência Social. Conselho Estadual de Assistência Social/SEAS, 2003 (Mimeo). SILVA, Ademir Alves. A gestão da Seguridade Social Brasileira Entre o publico e Privado. São Paulo: Cortez, STEIN Rosa Helena. A descentralização como instrumento de ação política e suas controvérsias. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília: IPEA, n. 5., 1991.

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS INTRODUÇÃO Marcelo Machado Sassi 1 Indiara Sartori Dalmolin 2 Priscila de Oliveira Rodrigues 3 Fabiane

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA Potyara A. P. Pereira 1 Introdução Do conjunto de leis, direitos e políticas que, a partir da Constituição Federal de 1988, compõem a nova institucionalidade

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES O IV Simpósio Nacional do (Cebes), realizado no dia 31 de outubro de 2015, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, teve como objetivo

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

Oficina Cebes DESENVOLVIMENTO, ECONOMIA E SAÚDE

Oficina Cebes DESENVOLVIMENTO, ECONOMIA E SAÚDE RELATÓRIO Oficina Cebes DESENVOLVIMENTO, ECONOMIA E SAÚDE 30 de março de 2009 LOCAL: FLÓRIDA WINDSOR HOTEL No dia 30 de março de 2009, o Cebes em parceria com a Associação Brasileira de Economia da Saúde

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Secretaria de Coordenação Política e Governança Local

Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Governança Solidária Local O exemplo de Porto Alegre Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Porto Alegre / RS / Brasil Brasília 2.027 Km Buenos Aires 1.063 Km Montevidéu 890 Km Assunção

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25 DE ABRIL DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 027/2014 DE 25

Leia mais

Palavras-chave: Relação Estado x Sociedade Civil; Política de Descentralização político-administrativa; participação social.

Palavras-chave: Relação Estado x Sociedade Civil; Política de Descentralização político-administrativa; participação social. POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM CAMARAGIBE-PE: Configurações da relação Estado x Sociedade Civil Denize Fernandes da Silva Neta 1 Rita de Cássia Oliveira de Lima Filha 2 Viviane Cristina Azevedo Galdino

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO Gislaine dos Santos Silva 1 Edvânia Ângela de Souza Lourenço 2 Resumo A partir da Constituição da República Federativa do Brasil,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15 Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br Escola de Governo Novembro/15 AÇÃO SOCIAL COM FORTE ATUAÇÃO DA IGREJA ENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE CIVIL AUSÊNCIA DO ESTADO AÇÕES FOCALIZADAS E FRAGMENTADAS

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção A interiorização do trabalho e da formação em saúde: Mais Médicos e Mais Reforma Sanitária* No dia 5 de setembro de 2013, o Fórum de Estudantes da ENSP/Fiocruz coordenou a roda de conversa sobre a interiorização

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Reforma sanitária e sus primeira parte

Reforma sanitária e sus primeira parte Reforma sanitária e sus primeira parte Cidadão é o indivíduo que tem consciência de seus direitos e deveres e participa ativamente de todas as questões da sociedade (Herbert de Souza - Betinho) No alvorecer

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

A Reforma Sanitária e o processo de implantação do Sistema Único de Saúde no Brasil

A Reforma Sanitária e o processo de implantação do Sistema Único de Saúde no Brasil A Reforma Sanitária e o processo de implantação do Sistema Único de Saúde no Brasil Antecedentes Históricos Movimento pela Reforma Sanitária VIII Conferência Nacional de Saúde O Movimento pela Reforma

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br POLÍTICA SOCIAL Ações coletiva que concretiza direitos

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Fórum Paranaense de ONG AIDS.

Fórum Paranaense de ONG AIDS. RELATÓRIA TRABALHO DE SUBTEMAS XVII ERONG PR SUL 2013 REGIÃO SUL CURITIBA. ERONG PR SUL 2013 Cidade: CURITIBA UF: PARANÁ Pessoa/s de contato:amauri Instituição/es: Fórum Paranaense de ONG AIDS, Ferreira

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos.

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos. PESQUISA SOBRE ARTIGOS ACERCA DA TEMÁTICA MOVIMENTOS SOCIAIS, MOBILIZAÇÃO SOCIAL E/OU PARTICIPAÇÃO POLÍTICA PUBLICADOS NA REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE ENTRE 1994 E 2011 (EDIÇÕES 45 A 108) Autor:

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS CARTA DE PRINCÍPIOS (versão rascunho em análise) I DA ORIGEM O Fórum Nacional de Trabalhadores/as do Sistema Único de Assistência Social foi concebido durante a VII Conferência Nacional de Assistência

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES POLÍTICAS EDUCACIONAIS E O PROTAGONISMO DO PLANEJAMENTO NA GESTÃO MUNICIPAL Roberta Freire Bastos PPGE/UFES/CAPES Resumo Este texto tem por objetivo discutir as novas formas de gestão da educação no sentido

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO EM INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Responsável: Profª

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Sandra Faé Praxedes* Este artigo tem como objetivo oferecer ao leitor um breve balanço acerca do momento atual, das trajetórias

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais