SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO"

Transcrição

1 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURSO DE FORMAÇÃO EM ATENDIMENTO ESPECIALIZADO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE COM DEFICIÊNCIA E SUAS FAMÍLIAS Florianópolis, Março de

2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL A PROTEÇÃO SOCIAL A PESSOA COM DEFICIENCIA Política Nacional de Assistência Social A Proteção Social no SUAS ESTRUTURA DO SUAS Proteção Social Básica Centro de Referência da Assistência Social Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Serviço de Proteção Social Básica no Domicílio para Pessoas com Deficiência e Idosas Benefícios Socioassistenciais Benefício de Prestação Continuada BPC na Escola BPC Trabalho Programas de Transferência de Renda Cadastro Único para Programas Sociais Programa Bolsa Família Proteção Social Especial Proteção Social Especial de Média Complexidade Centro de Referência Especializado de Assistência Social Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosos e suas Famílias/CENTRO-DIA Proteção Social Especial de Alta Complexidade Serviço de Acolhimento Institucional Serviço de Acolhimento Institucional para Jovens e Adultos com Deficiência em Situação de Dependência, em RESIDÊNCIAS INCLUSIVAS Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora AÇÕES DE OUTRAS POLÍTICAS DA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO Diretoria de Trabalho e Emprego Diretoria de Habitação Secretaria Executiva de Políticas Sociais de Combate a Fome REFERÊNCIAS

3 SIGLAS BPC CRAS CREAS CENTRO POP LA LOAS PAEFI PAIF PBF PcD PETI PSB PSC PSE PNAS SINE SST SUAS Benefício de Prestação Continuada Centro de Referência de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Liberdade Assistida Lei Orgânica de Assistência Social Serviço de Proteção Integral e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos Serviço de Proteção e Atendimento Integral a Família Programa Bolsa Família Pessoa com Deficiência Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Proteção Social Básica Prestação de Serviço a Comunidade Proteção Social Especial Política Nacional de Assistência Social Sistema Nacional de Emprego Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho e Habitação Sistema Único de Assistência Social 3

4 1. APRESENTAÇÃO Cabe salientar que, apesar de considerar o recorte da temática aqui abordada Criança e Adolescente com deficiência e suas famílias entendemos de suma importância a explanação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), a fim de favorecer a compreensão acerca dos serviços, programas e benefícios ofertados no âmbito da Política de Assistência Social às famílias, independentemente da presença de indivíduos com deficiência na composição familiar, já que o SUAS apresenta como um dos pilares a matricialidade sócio-familiar, e todas ações socioassistenciais podem perpassar a questão. Todavia, serão ressaltados os serviços específicos para as pessoas com Deficiência, especialmente aqueles voltados ao público infanto-juvenil, e ainda, programas desenvolvidos por outras políticas integrantes da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, compreendendo que as ações não devem ser consideradas isoladamente, mas parte integrante das Políticas Públicas e consequentemente da Proteção Social à Pessoa com deficiência, conforme veremos adiante. 2. SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL 4

5 As Políticas de Saúde, Previdência e Assistência Social compõem o Tripé da Seguridade Social no Brasil, conforme a Constituição Federal. De acordo com as definições acima, a Saúde é um direito universal, dever do Estado brasileiro; já a Previdência Social é administrada mediante a contribuição, e a Assistência Social constitui-se um direito daqueles que dela necessitarem. Sistema de Seguridade Social ou Sistema de Proteção Social Sistema de segurança contra riscos, perdas, e danos sociais, cujo as ocorrências afetam negativamente as condições de vida da população. 3. A PROTEÇÃO SOCIAL A PESSOA COM DEFICIÊNCIA A Proteção Social deve objetivar: a construção da autonomia, a superação de barreiras, vida independente, a oferta pública de cuidados no apoio aos cuidadores familiares e no fortalecimento do papel protetivo das famílias. Tem-se como pressuposto que os países devem oferecer uma variedade de serviços de apoios para evitar que pessoas fiquem isoladas ou segregadas da comunidade (CRUZ, 2013): - em domicílios ou em instituições residenciais (Residências Inclusivas); - em serviços comunitários ou especializados (Centros-Dia); - serviços de atendentes pessoais e - Benefícios para as famílias contratarem cuidados. O Brasil, signatário da Convenção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, instituiu o Plano Nacional Viver Sem Limites (2012/2014), que contém quatro eixos: Acesso à Educação, Inclusão Social, Acessibilidade e Saúde. As Proteções Sociais ofertadas pelo SUAS Sistema Único de Assistência Social integram o Plano (CRUZ, 2013). 3.1 Política Nacional de Assistência Social Integra o Sistema de Seguridade Social brasileira, juntamente com as políticas de Saúde e de Previdência Social; Novo Paradigma: visão social de proteção que supõe conhecer riscos e vulnerabilidades a que estão sujeitos os usuários; suas necessidades e também possibilidades e capacidades, identificando recursos para o enfrentamento das vulnerabilidades e para o desenvolvimento dessas potencialidades. 5

6 Marco Regulatório e Base Normativa da Política de Assistência Social Constituição Federal de 1988; Lei Orgânica de Assistência Social Lei 8.742/1993 atualizada pela Lei /2012; Política Nacional de Assistência Social/2004; NOB/SUAS/2012; NOB/RH/SUAS/ A Proteção Social no SUAS Art. 1º - A Política de Assistência Social, que tem por funções a proteção social, a vigilância socioassistencial e a defesa de direitos, organiza-se sob a forma de sistema público não contributivo, descentralizado e participativo, denominado Sistema Único de Assistência Social SUAS (NOB/SUAS, 2012). A PNAS/SUAS oferta um conjunto de proteções com o objetivo de afiançar seguranças de acolhida; renda (como com o Benefício de Prestação Continuada BPC); convívio ou vivência familiar; desenvolvimento da autonomia, apoio e auxílio (como os Benefícios Eventuais). Conforme descrito anteriormente, para a compreensão dos serviços voltados à pessoa com deficiência e suas famílias no âmbito da Política de Assistência Social, faz-se necessário o entendimento do Sistema Único de Assistência Social SUAS como um todo, conhecendo os serviços e benefícios ofertados nos níveis de Proteção Social. A Política de Proteção Social é realizada pela Rede Socioassistencial, através de: Órgãos gestores municipais e Organizações e entidades de assistência social. Os serviços, programas, projetos e benefícios tem como foco prioritário a atenção às famílias e indivíduos. CONCEITO DE FAMÍLIA A família para a Política Nacional de Assistência Social é o grupo de pessoas que se acham unidas por laços consangüíneos, afetivos e/ou de solidariedade (PNAS, 2004). 6

7 4. ESTRUTURA DA SUAS Fonte: Elaboração técnicas da Gerência de Proteção Social Especial/DIAS/SST. Neste âmbito, a Proteção Social Básica é voltada ao atendimento às famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade e risco social, quando os vínculos familiares e comunitários permanecem preservados. Ela está voltada a prevenção de situações de risco social, tendo como equipamento principal os CRAS, conforme será explicitado a seguir. A Proteção Social Especial se divide em Média e Alta Complexidade, voltando-se a Média Complexidade ao atendimento de famílias e indivíduos em situação de risco pessoal e social por violação de direitos, mas quando os vínculos familiares e comunitários encontram-se preservados, fragilizados e/ou rompidos, e seu equipamento é o CREAS. Já na Alta Complexidade, são ofertados serviços especializados de acolhimento às famílias e indivíduos quando os vínculos familiares e comunitários encontram-se fragilizados e/ou rompidos, tendo a função de garantir proteção integral aos usuários. Especificamente para as Pessoas com Deficiência, o SUAS tipificou serviços no âmbito das Proteções Sociais Básica e Especial. 7

8 No âmbito da Proteção Social Básica: o Serviço de Proteção Social Básica no Domicílio para Pessoas com Deficiência e Idosas protege famílias em situação de vulnerabilidade no território; Na Proteção Social Especial: o Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosas e suas Famílias presta atendimento especializado a famílias e indivíduos nas situações de risco por violação de direitos, sendo que, quando agravadas pela fragilização ou rompimento dos vínculos familiares há previsão dos serviços de acolhimento, sendo que em situação de dependência, tem-se o Serviço de Acolhimento Institucional para Jovens e Adultos com Deficiência, em Residências Inclusivas. 4.1 Proteção Social Básica Conforme a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais (2009A), são público alvo, portanto, dos serviços de Proteção Social Básica: Famílias em situação de vulnerabilidade social decorrente da pobreza, do precário ou nulo acesso aos serviços públicos, da fragilização de vínculos de pertencimento e sociabilidade e/ou qualquer outra situação de vulnerabilidade e risco social residentes nos territórios de abrangência dos CRAS, em especial destaque para as Pessoas com deficiência e/ou pessoas idosas que vivenciam situações de vulnerabilidade de risco social. A Proteção Social Básica tem caráter preventivo para evitar o agravamento de vulnerabilidades e riscos sociais por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições, juntamente com o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários (PNAS, 2004). Tem por objetivo processar a inclusão de grupos em situação de risco social nas políticas públicas, no mundo do trabalho e na vida comunitária e social, além de prevenir as situações de risco social Centro de Referência da Assistência Social É a porta de entrada do SUAS, universalizando os serviços no seu território; É uma unidade pública estatal, de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social; 8

9 Atua com famílias e indivíduos, na sua comunidade, inserindo-as na rede de proteção social, tendo como metas: - prevenir situações de risco; - fortalecer vínculos familiares e comunitários; - criar condições para o exercício de cidadania. Serviços ofertados nos CRAS: Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF); O Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) atua de forma preventiva, protetiva e proativa; Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV); Serviço de Proteção Social Básica no Domicílio para Pessoas com Deficiência e Idosas. Inter-relação entre PAIF E CRAS: Fonte: Guia de Orientações Técnicas do CRAS (BRASIL, 2009B). 9

10 O Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) oferta ações de acolhida, ações particularizadas, comunitárias, oficinas com famílias e encaminhamentos caracterizando o trabalho social com famílias, que trata do conjunto de procedimentos técnicos e conhecimentos teórico-metodológico e técnicooperativo a fim de contribuir para convivência, reconhecer direitos e possibilidades de intervenção na vida social. O PAIF, portanto, assegura espaços de convívio, informa e garante acesso aos direitos socioassistenciais, contribui para a gestão intersetorial local, para o desenvolvimento da autonomia, o empoderamento das famílias e a ampliação de sua capacidade protetiva. Fortalece vínculos familiares e comunitários, favorecendo a ampliação de perspectivas de vida das famílias mais vulneráveis e o acesso a oportunidades. Tem como princípios dois pilares do SUAS: a matricialidade sociofamiliar e a territorialização. A família é reconhecida como o núcleo primário de afetividade, acolhida, convívio, sociabilidade, autonomia, sustentabilidade e referência no processo de desenvolvimento e reconhecimento da cidadania. E o Estado tem o dever de prover proteção social às famílias a fim de possibilitar o exercício de sua função protetiva. O território é o lócus de operacionalização do PAIF, o lugar a ser re-significado pelas suas ações. A equipe do CRAS, responsável pela implementação do PAIF, sob coordenação do gestor municipal deve ainda contribuir para a organização das ações no território, tendo as famílias como referência. - Acolhida Ações que compõem o PAIF - Oficinas com famílias - Ações Comunitárias - Ações particularizadas - Encaminhamentos Fonte: Guia de Orientações Técnicas sobre o PAIF. Volume 2 (BRASIL, 2012B). No âmbito da Proteção Social Básica, mais especificamente para o público infanto-juvenil, tem-se a previsão do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, apontando como usuários prioritariamente crianças e adolescentes com deficiência, especialmente aquelas beneficiárias do BPC. 10

11 Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Cada uma das situações de fragilidade enfrentadas pelos cidadãos deve receber um tipo de atenção diferenciada, de acordo com as necessidades de cada um. Além disso, as potencialidades das famílias devem ser ponto de partida para a organização dos serviços de proteção básica de assistência social, que estimulam a participação social. Todos os serviços de convivência e fortalecimento de vínculos organizam-se em torno do PAIF, sendo a ele articulados. Previnem a institucionalização e a segregação de crianças, adolescentes, jovens e idosos e oportunizam o acesso às informações sobre direitos e participação cidadã. Ocorrem por meio do trabalho em grupos ou coletivos e organizam-se de modo a ampliar trocas culturais e de vivências, desenvolver o sentimento de pertença e de identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização e a convivência comunitária (BRASIL, 2009A). Podem ser ofertados nos CRAS, em outras unidades públicas ou em entidades privadas sem fins lucrativos, desde que referenciadas ao CRAS, sempre supervisionados por uma equipe de profissionais capacitada para atender as demandas específicas de cada faixa etária Serviço de Proteção Social Básica no Domicílio para Pessoas com Deficiência e Idosas (PARA JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA E IDOSOS) 11

12 Segundo a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais (BRASIL, 2009A), o Serviço de PSB no Domicílio para Pessoas com Deficiência e Idosas Tem por finalidade a prevenção de agravos que possam provocar o rompimento de vínculos familiares e sociais dos usuários. Visa a garantia de direitos, o desenvolvimento de mecanismos para a inclusão social, a igualdade de oportunidades e a participação e o desenvolvimento da autonomia das pessoas com deficiência e pessoas idosas, a partir de suas necessidades, prevenindo situações de risco, exclusão e isolamento. Este Serviço deve contribuir com a promoção do acesso de pessoas com deficiência e pessoas idosas a toda a rede socioassistencial, bem como aos serviços de outras políticas públicas, entre elas educação, trabalho, saúde, transporte especial e programas de desenvolvimento de acessibilidade, serviços setoriais e de defesa de direitos e programas especializados de habilitação e reabilitação. Desenvolve ações extensivas aos familiares, de apoio, informação, orientação e encaminhamento, com foco na qualidade de vida, exercício da cidadania e inclusão na vida social, de caráter preventivo ao isolamento. O planejamento das ações deverá ser realizado pelos municípios e pelo Distrito Federal, de acordo com a territorialização e a identificação da demanda pelo serviço. Objetivos: Prevenir rompimento de vínculos familiares e sociais, e o confinamento/isolamento; Identificar situações de dependência; Colaborar com redes inclusivas no território; Prevenir o abrigamento e promover a sua inclusão social. - Funções do CRAS Oferta do Serviço de Proteção e Atendimento Integral a Família (PAIF); Gestão de Proteção Social Básica no Território. 12

13 Fonte: Guia de Orientações Técnicas do CRAS (BRASIL, 2009B). Números de CRAS de acordo com o Porte dos Municípios: Porte do município No. Habitantes No. mínimo de CRAS Famílias referenciadas Capacidade de atendimento anual Pequeno Porte I Até 20 mil habitantes 1 CRAS famílias Pequeno Porte II De 20 a 50 mil habitantes 1 CRAS famílias Médio Porte De 50 a 100 mil habitantes 2 CRAS famílias Grande Porte De 100 a 900 mil habitantes 4 CRAS famílias Metrópole Mais de 900 mil habitantes 8 CRAS famílias Fonte: Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social (NOB/SUAS, 2005). 13

14 Composição da Equipe de Referência do CRAS: Porte dos municípios Pequeno Porte I Pequeno Porte II Porte Médio Grande Porte Metrópole Equipe de referência 2 técnicos de nível médio e 2 técnicos de nível superior, sendo 1 assistente social e outro psicólogo 3 técnicos de nível médio e 3 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais e 1 psicólogo. 4 técnicos de nível médio e 4 técnicos de nível superior, sendo 2 assistentes sociais, 1 psicólogo e 1 profissional que compõe o SUAS. As equipes de referência do CRAS devem contar sempre com um coordenador com nível superior Fonte: Norma Operacional Básica de Recursos Humanos (NOB/RH, 2006). - NÃO constitui atribuição e competência das equipes de referência do CRAS: Assumir o papel e/ou funções de equipes interprofissionais de outros atores da rede (Segurança Pública, Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e Conselho Tutelar) ou de outras Políticas; Acompanhar e participar de oitiva de pessoa em processo judicial; Realizar terapia ou psicoterapia com famílias e/ou indivíduos; Elaborar parecer, laudo e/ou perícia social para compor processos judiciais; Elaborar Laudo Social, para fins de requerimento do Benefício de Prestação Continuada (BPC); Atender casos de indisciplina, dificuldades de adaptação escolar, entre outros, encaminhados pela rede de ensino (BRASIL, 2012B). 14

15 4.2 Benefícios Socioassistenciais As modalidades de Benefícios Socioassistenciais são: Benefício de Prestação Continuada (BPC); Benefícios Eventuais: De caráter suplementar e provisório, prestado aos cidadãos e às famílias em virtude de nascimentos, mortes, situações de vulnerabilidade temporária ou calamidades públicas. (Lei /2011) Benefício de Prestação Continuada Previsto na Constituição Federal, no Art. 20 da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) e no Estatuto do Idoso, é provido pelo Governo Federal, consistindo no repasse de 1 (um) salário mínimo mensal ao idoso (com 65 anos ou mais) e à pessoa com deficiência que comprovem não ter meios para suprir sua subsistência ou de tê-la provida por sua família. Repasse efetuado diretamente ao beneficiário. Operacionalização do direito é do Instituto Nacional do Seguro Social INSS. QUEM TEM DIREITO AO BPC-LOAS: - Pessoa Idosa - IDOSO: deverá comprovar que possui 65 anos de idade ou mais, que não recebe nenhum benefício previdenciário, ou de outro regime de previdência e que a renda mensal familiar per capita seja inferior a ¼ do salário mínimo vigente. - Pessoa com Deficiência - PcD: deverá comprovar que a renda mensal do grupo familiar per capita seja inferior a ¼ do salário mínimo, deverá também ser avaliado se a sua deficiência o incapacita para a vida independente e para o trabalho, e esta avaliação é realizada pelo Serviço Social e pela Pericia Médica do INSS BPC na Escola (Instituído pela Portaria Normativa Interministerial nº 18 de 24 de abril de 2007). - Tem como objetivo desenvolver ações intersetoriais, visando garantir o acesso e a permanência na escola de crianças e adolescentes com deficiência, de 0 a 18 anos, beneficiários do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC). 15

16 - Busca a identificação das barreiras que impedem ou dificultam o acesso e a permanência de crianças e adolescentes com deficiência na escola. - Envolve ações intersetoriais, das políticas de educação, de assistência social, de saúde e de direitos humanos, com vistas à superação dessas barreiras BPC Trabalho (Instituído pela Portaria Normativa Interministerial nº 02 de 02 de agosto de 2012). Tem como objetivo articular ações intersetoriais para promover a qualificação profissional e o acesso ao trabalho às pessoas com deficiência beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC), envolvendo políticas de assistência social, trabalho e emprego, educação e direitos humanos. O BPC Trabalho atende prioritariamente o público entre 16 e 45 anos de idade. Assim, adolescentes com deficiência podem acumular o BPC e bolsas de qualificação profissional, além de se preparar para o mundo do trabalho. 4.3 Programas de Transferência de Renda Cadastro Único para Programas Sociais CadÚnico O que é? É um instrumento de identificação e caracterização socioeconômica das famílias brasileiras de baixa renda, que possuam: Renda mensal igual ou inferior a ½ salário mínimo por pessoa ou Renda familiar mensal de até três salários mínimos. Famílias com renda maior podem ser cadastradas se a inclusão estiver vinculada à seleção de programas sociais implementados em nível federal, estadual ou municipal (BRASIL, 2013). Regulamentado pelo Decreto nº 6.135/07 e demais Portarias e Instruções Normativas. Deve ser obrigatoriamente utilizado para seleção de beneficiários e integração de programas sociais do Governo Federal voltados ao atendimento desse público; 16

17 Acesso à programas como: Programa Bolsa Família e Benefício de Prestação Continuada Programa Bolsa Família: O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o País. O Programa foi instituído pela Lei /04 e regulamentado pelo Decreto nº 5.209/04. O PBF possui três eixos principais: transferência de renda, condicionalidades e ações e programas complementares. A transferência de renda promove o alívio imediato da pobreza. As condicionalidades reforçam o acesso a direitos sociais básicos nas áreas de educação, saúde e assistência social. Já as ações e programas complementares objetivam o desenvolvimento das famílias, de modo que os beneficiários consigam superar a situação de vulnerabilidade. A seleção das famílias para o PBF é feita com base nas informações registradas pelo município no Cadastro Único para Programas Sociais. Com base nesses dados, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) seleciona, de forma automatizada, as famílias que serão incluídas no PBF. No entanto, o cadastramento não implica a entrada imediata das famílias no Programa e o recebimento do benefício (BRASIL, 2013). 4.4 PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL A Proteção Social Especial - PSE organiza a oferta de serviços, programas e projetos de caráter especializado, com objetivo de contribuir para a reconstrução de vínculos familiares e comunitários, o fortalecimento de potencialidades e aquisições e a proteção de famílias e das situações de risco indivíduos para o enfrentamento pessoal e social, por violação de direitos (BRASIL, 2011). Conforme já colocado anteriormente, a PSE divide-se em dois níveis de complexidade: Proteção Social Especial de Média Complexidade e Proteção Social Especial de Alta Complexidade. 17

18 4.4.1 Proteção Social Especial de Média Complexidade As Unidades da PSE de Média Complexidade são: Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS); Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro Pop); Centros Dia para idosos ou deficientes CREAS Centro de Referência Especializado de Assistência Social É a unidade pública estatal de abrangência municipal ou regional que tem como papel constituir-se em lócus de referência, nos territórios, da oferta de trabalho social especializado no SUAS a famílias e indivíduos em situação de risco pessoal ou social, por violação de direitos (BRASIL, 2011). Equipe de Referência do CREAS Fonte: Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado de Assistência Social (MDS, 2011). Atribuições da Equipe de Referência do CREAS: A equipe deve desenvolver um trabalho social que pressupõe a escuta qualificada e a compreensão da situação vivenciada por cada família/indivíduo. Deve- 18

19 se pensar na construção de novos projetos de vida e de novas possibilidades de relacionamento, com superação das situações adversas vivenciadas, no trabalho em rede para a atenção integral e o acesso aos direitos e em demais partes integrantes do Plano de Acompanhamento Familiar (BRASIL, 2011). Não cabe à Equipe CREAS: Ocupar lacunas da ausência de atendimentos que devem ser ofertados por outras políticas públicas e/ou órgãos de defesa de direito; Ter seu papel confundido com o de outras políticas ou órgãos, e por conseguinte, as funções de sua equipe com as de equipes interprofissionais de outros atores da rede, como, por exemplo, da segurança pública, órgãos de defesa e responsabilização ou de outras políticas publicas; Assumir a atribuição de investigação para a responsabilização dos autores de violência (BRASIL, 2011). Serviços executados no CREAS, conforme a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais (2009A): Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI); Serviço Especializado em Abordagem Social; Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida (LA), e de Prestação de Serviços à Comunidade(PSC); Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosas e suas Famílias; Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI): Serviço de apoio, orientação e acompanhamento a famílias com um ou mais membros em situação de ameaça e violação de direitos. Deve promover os direitos, preservar e fortalecer os vínculos familiares, comunitários e sociais, fortalecendo a função protetiva das famílias diante das situações de risco pessoal e social. 19

20 Como o usuário tem acesso ao PAEFI? Por identificação e encaminhamento dos serviços de proteção e vigilância social; Por encaminhamento de outros serviços socioassistenciais, das demais políticas públicas setoriais, dos demais órgãos do Sistema de Garantia de Direitos e do Sistema de Segurança Pública; Demanda Espontânea. Serviço Especializado em Abordagem Social: Deve assegurar trabalho social de abordagem e busca ativa que identifique a incidência de trabalho infantil, exploração sexual de crianças e adolescentes, situação de rua, dentre outras. Deve contribuir com a construção do processo de saída das ruas e possibilitar condições de acesso à rede de serviços e a benefícios assistenciais. O acesso ao Serviço é feito através da identificação da equipe técnica. Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medidas Socioeducativas de LA e PSC: Deve prover atenção e acompanhamento a adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto, através da elaboração do Plano Individual de Atendimento. Deve contribuir para o acesso a direitos e para a resignificação de valores na vida pessoal e social, junto com a responsabilização face ao ato infracional e criando condições para a construção/reconstrução de projetos de vida que visem à ruptura com a prática de ato infracional. Como o adolescente tem acesso ao Serviço? Encaminhamento da Vara da Infância e da Juventude ou pela Vara correspondente. Sendo que são atendidos no Serviço os adolescentes de 12 a 18 anos incompletos, ou jovens de 18 a 21 anos, em cumprimento de medida socioeducativa de LA ou de PSC, aplicada pelo Poder Judiciário. 20

21 Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI O PETI é um programa de que articula um conjunto de ações visando proteger e retirar crianças e adolescentes com idade inferior a 16 anos da prática do trabalho precoce, resguardado o trabalho na condição de aprendiz a partir de 14 anos. É importante que o Sistema de Garantia de Direitos esteja preparado para a identificação das situações de trabalho infantil. Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua: Ofertado para pessoas que utilizam as ruas como espaço de moradia e/ou sobrevivência, visando assegurar atendimento e atividades direcionadas para o desenvolvimento de sociabilidades, na perspectiva de fortalecimento de vínculos interpessoais e/ou familiares que oportunizem a construção de novos projetos de vida. O acesso é feito por: Encaminhamentos do Serviço Especializado em Abordagem Social; Encaminhamento de serviços socioassistenciais, das demais políticas públicas setoriais e dos demais órgãos do Sistema de Garantia de Direitos; Demanda espontânea. Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop): Volta-se especificamente para o atendimento especializado à população em situação de rua, devendo ofertar, obrigatoriamente, o Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua. Podendo ofertar também o Serviço de Abordagem Social Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosas e suas famílias: Serviço para oferta de atendimento especializado a famílias com pessoas com deficiência e idosos com algum grau de dependência, que tiveram suas limitações agravadas por violações de direitos. 21

22 IMPORTANTE E quando não há equipamentos de Média Complexidade no município? Quando, no município, não há uma unidade de Média Complexidade, os serviços devem ser executados por uma equipe de referência específica para os serviços de média complexidade, vinculada à gestão da política de assistência social, com garantia de espaço físico adequado para o atendimento. Centro-Dia para Idosos e Pessoas com Deficiência: O Centro Dia é um equipamento para a instalação do Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosas e suas Famílias, no qual as pessoas idosas e pessoas com deficiência em situações de violência (negligência, violência física, psicológica, entre outras violações de direito) poderão passar o dia e manter seus vínculos familiares. O Centro-Dia é uma unidade especializada tipificada no Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com deficiências e suas famílias, referenciada ao CREAS. Público Prioritário: Jovens e adultos com deficiência em situação de dependência inseridos no CadÚnico ou no BPC; Deve promover autonomia, inclusão social e melhoria da qualidade de vida das pessoas participantes. O acesso é feito por: Demanda espontânea de membros da família e/ou da comunidade Busca ativa; Por encaminhamento dos demais serviços socioassistenciais e das demais políticas públicas setoriais; Por encaminhamento dos demais órgãos do Sistema de Garantia de Direitos (CRUZ, 2013) 22

23 4.4.2 Proteção Social Especial de Alta Complexidade A PSE de Alta Complexidade tem por objetivo ofertar serviços especializados, em diferentes modalidades e equipamentos, com vistas a afiançar segurança de acolhida. Deve primar pela preservação, fortalecimento ou resgate da convivência familiar e comunitária - ou construção de novas referências, quando for o caso - adotando metodologias de atendimento e acompanhamento condizente com esta finalidade (BRASIL, 2011, p. 21). Ainda segundo as Orientações Técnicas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (2011), nos casos em que a permanência no grupo familiar e comunitário de origem torna-se inviável como lugar de proteção, mesmo que temporariamente, os serviços de acolhimento devem assegurar proteção integral aos sujeitos atendidos, garantindo atendimento personalizado e em pequenos grupos, com respeito às diversidades (ciclos de vida, arranjos familiares, raça/etnia, religião, gênero e orientação sexual). Serviços de Alta Complexidade: Fonte: Apresentação VIII Conferência Nacional de Assistência Social MDS,

24 Serviço de Acolhimento Institucional O Serviço de Acolhimento Institucional oferta acolhimento em diferentes tipos de equipamentos, destinados a famílias e/ou indivíduos com vínculos familiares rompidos ou fragilizados, a fim de garantir proteção integral. O atendimento prestado deve ser personalizado e em pequenos grupos e favorecer o convívio familiar e comunitário. Deve funcionar em unidades inseridas na comunidade com características residenciais, ambiente acolhedor e estrutura física adequada, oferecendo condições de habitabilidade, higienização, salubridade, segurança, acessibilidade e privacidade (Brasil, 2013). As crianças e os adolescentes com deficiência que, por diversas razões, precisem ser temporariamente afastadas de suas famílias de origem, devem ser acolhidos conjuntamente em Serviços de Acolhimento para crianças e adolescentes, e não de forma segregada. De acordo com o documento Orientações Técnicas: Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes (BRASIL, 2009), o atendimento deve conter estratégias metodológicas condizentes com as necessidades da criança e do adolescente com deficiência e o local deve possuir estrutura física adequada, atendendo aos critérios de acessibilidade, de modo a possibilitar a integração com os demais acolhidos e com a comunidade (BRASIL, 2012). 24

25 QUADRO COMPARATIVO ABRIGO INSTITUCIONAL E CASA-LAR: Fonte: Apresentação VIII Conferência Nacional de Assistência Social MDS,

26 Serviço de Acolhimento Institucional para Jovens e Adultos com Deficiência em Situação de Dependência, em RESIDÊNCIAS INCLUSIVAS. A Residência Inclusiva é uma unidade que oferta Serviço de Acolhimento Institucional, no âmbito da Proteção Social Especial de Alta Complexidade do SUAS, conforme estabelece a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais. Público Alvo: São usuários da Residência Inclusiva jovens e adultos com deficiência, em situação de dependência, prioritariamente beneficiários do BPC, que não disponham de condições de autossustentabilidade ou de retaguarda familiar e/ ou que estejam em processo de desinstitucionalização de instituições de longa permanência. Capacidade de atendimento da Residência Inclusiva: Até 10 jovens e adultos com deficiência em situação de dependência, com funcionamento de 24 horas, ininterruptamente. Objetivos: Ofertar de forma qualificada a proteção integral de jovens e adultos com deficiência, em situação de dependência; Promover a inclusão de jovens e adultos com deficiência, em situação de dependência, na vida comunitária e social; Contribuir para a interação e superação de barreiras; Contribuir para a construção progressiva da autonomia, com maior independência e protagonismo no desenvolvimento das atividades da vida diária. Articulação SUAS e SUS: A articulação da política de saúde na Residência Inclusiva se dará por meio de apoio matricial de equipes de saúde com foco em medidas preventivas, no fomento do autocuidado e na promoção de autonomia dos usuários, oferecendo suporte às medidas individuais e coletivas de saúde. A novidade que a Residência Inclusiva traz é a possibilidade assegurar proteção integral para jovens e adultos com deficiência, em situação de dependência, por meio de um serviço especializado organizado em pequenos grupos, inserido na comunidade, que visa garantir o direito a uma vida digna, de qualidade e participativa, além de promover o desenvolvimento da autonomia, independência e emancipação pessoal e social desses cidadãos (BRASIL, 2012). 26

27 IMPORTANTE O conceito de dependência entendido aqui está vinculado à perda da capacidade funcional, associada à demanda por cuidados de longa duração. A dependência pode ser incapacitante ou não, bem como gradual, definitiva ou reversível. Neste caso, as pessoas com deficiência em situação de dependência a serem atendidas pelo Serviço de Proteção Social Especial não devem ser confundidos com pessoas com transtornos mentais público com demandas específicas à Política de Saúde. As pessoas com transtornos mentais, portanto, devem ser atendidas pela rede de saúde mental, que contempla serviços exclusivos nos municípios e na comunidade (BRASIL, 2012). E quando não há serviços de acolhimento no município? Quando não há Serviço de Acolhimento no município, este deve fazer consórcio com municípios próximos e pertencente à mesma Comarca. Nestes casos, o município de origem deve viabilizar o transporte de familiares e da equipe técnica da gestão para visitas e locomoções do público atendido, com o intuito de preservar os vínculos familiares (NERIS, 2011). 27

28 Serviço de Acolhimento em República O Serviço de Acolhimento em República trabalha através da oferta de proteção, apoio e moradia a grupos de pessoas maiores de 18 anos em situação de abandono, vulnerabilidade e risco pessoal e social, com vínculos familiares rompidos ou extremamente fragilizados e sem condições de moradia e autossustento. O atendimento deve apoiar a construção e o fortalecimento de vínculos comunitários, a integração e a participação social e o desenvolvimento da autonomia das pessoas atendidas. O serviço deve ser desenvolvido em sistema de autogestão ou cogestão, possibilitando gradual autonomia e independência de seus moradores. Assim como nos demais equipamentos da rede socioassistencial, as edificações utilizadas no serviço de república deverão respeitar as normas de acessibilidade, de maneira a possibilitar a inclusão de pessoas com deficiência (BRASIL, 2013) Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora organiza o amparo de crianças e adolescentes, afastados da família por medida de proteção, em residência de famílias cadastradas. É previsto até que seja possível o retorno à família de origem ou, na sua impossibilidade, o encaminhamento para adoção. O serviço é o responsável por selecionar, capacitar, cadastrar e acompanhar as famílias acolhedoras. O acompanhamento da equipe deve abranger a criança e/ou adolescente acolhido e também sua família de origem, com vistas à reintegração familiar (BRASIL, 2013). Serviço de Proteção em Situações de Calamidades Públicas e de Emergências O serviço promove apoio e proteção à população atingida por situações de emergência e calamidade pública, com a oferta de alojamentos provisórios, atenções e provisões matérias, conforme as necessidades detectadas (BRASIL, 2009A). 28

29 Como os usuários acessam os serviços de Alta Complexidade? Crianças e Adolescentes: Determinação Judicial; Requisição do Conselho Tutelar em casos excepcionais e somente se tratando de acolhimento institucional, sendo necessária a Guia de Acolhimento expedida pela autoridade judiciária em até 24 horas. Adultos e Famílias Encaminhamento do Serviço de Abordagem Social; Encaminhamento do CREAS e outros Serviços; Demanda Espontânea. Idosos, mulheres em situação de violência e pessoas com deficiência: Determinação Judicial; Encaminhamento do CREAS; Requisição das políticas públicas setoriais; Ministério Público; Demanda Espontânea. 29

30 5 AÇÕES DE OUTRAS POLÍTICAS DA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO - SST/SC Fonte: Apresentação Plano Viver Sem Limites/SST, Diretoria de Trabalho e Emprego Projeto de Inclusão de Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho Lei de Cotas - implementada em 1999 pelo Decreto 3.298, o qual regulamentou a Lei 8.213/91 que institui um percentual de vagas obrigatórias para pessoas com deficiência nas empresas que contam com mais de 100 trabalhadores. I de 100 a 200 empregados % II- de 201 a % III de 501 a % IV de 1001 em diante % CONTEXTO No ano de 2009 havia postos de trabalho registrados como ocupados por PcD em SC, na RAIS, o que representa 0,7% do registro geral de empregados do Estado. (SINE) A partir de intensificação e regularização da fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho, no que tange ao cumprimento da porcentagem de contratação de PCDs, levando a um expressivo aumento de vagas para esse público. OBJETIVO GERAL Promover a inserção social da pessoa com deficiência, através de sua inclusão no mundo de trabalho, otimizando a estrutura existente no SINE. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Captar novas vagas e flexibilizar as existentes, junto às empresas cadastradas no Sistema Nacional de Emprego - SINE, sensibilizando-as e desmitificando o trabalho acerca da PCD; 30

31 Ampliar a divulgação de vagas com este perfil, a fim de direcionar os trabalhadores para as mesmas; Estreitar laços entre o SINE e as instituições que atendem as pessoas com deficiência, criando parcerias; Aperfeiçoar estrutura do SINE, tanto pessoal, quanto física, para melhorar a acessibilidade; Atuar junto às entidades ofertantes dos Cursos do Pronatec (Sistema S e Institutos Federais) para garantir a porcentagem de cursos para o público com deficiência, e que os cursos sejam adequados às especificidades dessas pessoas. Além disso, auxiliar na mobilização da público-alvo e acompanhar a efetividade da inclusão da PcD no Mercado de Trabalho. METODOLOGIA Estabelecer rede de parcerias entre as instituições que lidam com a temática da inclusão da pessoa com deficiência no mundo do trabalho, estabelecendo papeis e fluxo de encaminhamentos entre os serviços. Órgãos que poderão atuar: SINE, FCEE, SRTE, CRAS, CREAS, APAEs, UFSC, Sistema S, etc. INSS EMPRESA 1 CRAS SINE EMPRESA 2 UFSC EMPRESA 3 FCEE Fonte: Apresentação Plano Viver sem Limite SST,

32 Atividades do Serviço Psicossocial: Orientações aos empregadores a respeito da acessibilidade no local de trabalho; Orientações aos trabalhadores sobre como se comportar em uma entrevista e como fazer um currículo; Encaminhamento dos trabalhadores que precisam de atendimento para a rede de assistência social, educação, saúde, entre outros. De acordo com a necessidade são indicadas escolas públicas, Ensino de Jovens e Adultos, na área de educação, ou atendimento psicológico clínico na rede pública de saúde, por exemplo; Atendimento psicossocial especializado e individualizado, quando necessário, melhorando a inserção deste público no SINE. Orientações a respeito das alterações na lei do BPC. Até o momento, o Serviço Psicossocial do SINE de SC já cadastrou mais de 428 pessoas com deficiência, sendo que colocou no mercado de trabalho cerca de 210 Trabalhadores PcD. Cidades que contam atualmente com o Serviço Psicossocial do SINE: Tubarão; Criciúma; Blumenau; Rio do Sul; Balneário Camboriú; Caçador; Laguna; Joinville; Mafra; Joaçaba; Chapecó; Concórdia; Itajaí e Curitibanos. Vale considerar que o público juvenil pode ser considerado aqui através das ações de parceria com o CIEE, para a promoção de estágios, além da consideração da idade mínima de 16 anos (adolescentes) para os encaminhamentos para o mercado de trabalho. 32

33 5.2 Diretoria de Habitação Programa - Meu Cantinho - Casa Boa O programa foi concebido para dar cumprimento aos objetivos e ações do Governo do Estado, que instituiu o Fundo pelo Pacto Social para Erradicação da Miséria Extrema. Cujo recurso financiará as açoes de moradias dignas em todo o Estado pela SST. Programa - Meu Cantinho Casa Boa pretende até 2014 beneficiar 20 mil famílias, na faixa salarial que vai de zero a três salários que: Não tenham casa própria, Morem em barracos insalubres, Morem em áreas de riscos, Foram atingidas por catástrofes naturais; Que nao tenham financiamento. Conforme a Portaria 610/2011, do Ministério das Cidades, das 20 mil famílias beneficiadas com o Programa, 3% será destinado para Pessoas com Deficiência. 5.3 Secretaria Executiva de Políticas Sociais de Combate a Fome A Política de Segurança Alimentar e Nutricional visa assegurar o Direito Humano à Alimentação Adequada a todos, em qualidade e quantidade suficientes, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais. Para tanto, essa Secretaria desenvolve programas e projetos voltados às famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional, tendo como critério de seleção as famílias inseridas no CadÚnico, especialmente as crianças de 0 a 06 anos, gestantes e nutrizes, idosos e famílias em situação de extrema pobreza, sem no entanto especificar o público da pessoa com deficiência. 33

34 REFERÊNCIAS BRASIL. LEI Nº /2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências, Santa Catarina. BRASIL. MDS. LEI Nº 8.742, DE 07 DEZEMBRO DE 1993 Lei Orgânica da Assistência Social. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências, Brasília, BRASIL. CNAS/MDS. RESOLUÇÃO Nº 145, DE 15 DE OUTUBRO DE Política Nacional de Assistência Social, Brasília, BRASIL. LEI N o , DE 9 DE JANEIRO DE Cria o Programa Bolsa Família e dá outras providências, BRASIL. CNAS/MDS. RESOLUÇÃO Nº 130, DE 15 DE JULHO DE Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social/NOB/SUAS, Brasília, BRASIL. CNAS/MDS. RESOLUÇÃO Nº 269, DE 13 DE DEZEMBRO DE Norma Operacional Básica de Recursos Humanos/NOB-RH/SUAS, BRASIL. DECRETO Nº 6.135, DE 26 DE JUNHO DE Dispõe sobre o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e dá outras providências, BRASIL. Portaria Interministerial MDS/MEC/MS/SEDH nº 18, de 24 de abril de Institui o Programa de Acompanhamento e Monitoramento do Acesso e Permanência na Escola das Pessoas com Deficiência Beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social - Programa BPC na Escola, BRASIL. MDS. Orientações Técnicas sobre Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes. Brasília, BRASIL. CNAS/MDS. RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais, 2009A. BRASIL. MDS. Orientações Técnicas: Centro de Referência de Assistência Social CRAS. Brasília, MDS, 2009B. BRASIL. MDS. Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS. Brasília, MDS, BRASIL. LEI Nº Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social,

35 BRASIL. MDS. Orientações Técnicas sobre o PAIF. Volume 1. O Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família PAIF, segundo a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília, BRASIL. MDS. Orientações Técnicas sobre o PAIF. Volume 2. Trabalho Social com Famílias do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família PAIF. Brasília, BRASIL. MDS. Orientações Técnicas Preliminares (Perguntas e Respostas) Serviço de Acolhimento Institucional para Jovens e Adultos com Deficiência em Residências Inclusivas. Brasília, BRASIL. MDS. Portaria Interministerial nº 02, de 02 DE Agosto de Institui o Programa de Promoção do Acesso das Pessoas com Deficiência Beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social à Qualificação Profissional e ao Mundo do Trabalho - Programa BPC Trabalho, BRASIL. MDS. Sistema Único de Assistência Social: programas, benefícios, serviços socioassistenciais e rede de proteção social. Disponível em: Acesso em: Mar CRUZ. Deusina Lopes (org). Apresentação: Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência em situação de dependência e suas famílias ofertado em Centro-Dia de Referência. MDS, Brasília, FEBRABAN. População com deficiência no Brasil Fatos e Percepções. São Paulo, MTE. A Inclusão das Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho. 3. Ed. Brasília: MTE, SIT, NERIS, Mariana de Sousa M. (org.) Oficina 23: O SUAS e o Acolhimento Institucional. Apresentação da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. MDS, Brasília, SANTA CATARINA. SST. Apresentação: Plano Viver sem Limites SANTOS, Leandro dos. Perfil do Mercado de Trabalho para Pessoas com Deficiência. Disponível em: Acesso em: Dez

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite.

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite. O SUAS E AS AGENDAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO: O FORTALECIMENTO DO COMBATE À POBREZA, AOS RISCOS E ÀS VULNERABILIDADES SOCIAIS: Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer!

Leia mais

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS I Seminário Nacional sobre Consultórios na Rua e Saúde Mental na Atenção Básica: novas tecnologias e desafios para a gestão do cuidado Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Curso de capacitação para o provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS e implementação de ações do plano Brasil sem Miséria Maria Luiza João Pessoa - PB TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A SAS S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A CCI Vovó Zizá P R E F E I T U R A M U N I C I PA L DE CAMPO GRANDE SAS S E C R E TA R I A M

Leia mais

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS

Política Nacional de Assistência Social. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS Política Nacional de Assistência Social Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social/GPSE/SAS SEADES Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social A SEADES é o Órgão Gestor

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS COMPONENTES HISTÓRICOS DA NORMATIZAÇÃO LEGAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MARCO LEGAL 1988 - Constituição Federal 1993 - Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) 1998

Leia mais

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social

SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social SUAS: vantagens e desafios de um sistema único de assistência social I. Como o Brasil chegou ao modelo de Sistema Único adotado na política de Assistência Social? II. O que é e como funciona o SUAS? III.

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1

O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 PLANO ESTADUAL DE CAPACITAÇÃO CONTINUADA DE RECURSOS HUMANOS PARA A ÁREA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS e o Plano Brasil Sem Miséria 1 Estrutura do SUAS no Plano Brasil Sem Miséria Secretarias Estaduais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M.

DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. DIALOGANDO COM O PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS Departamento de Proteção Social Especial Juliana M. Fernandes Pereira Marcos importantes para o trabalho social com a questão das drogas

Leia mais

SUMÁRIO RESOLUÇÃO 109 DO CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL TIPIFICAÇÃO NACIONAL DE SERVI ÇOS SOCIOASSISTENCIAIS...03

SUMÁRIO RESOLUÇÃO 109 DO CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL TIPIFICAÇÃO NACIONAL DE SERVI ÇOS SOCIOASSISTENCIAIS...03 SUMÁRIO RESOLUÇÃO 109 DO CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL TIPIFICAÇÃO NACIONAL DE SERVI ÇOS SOCIOASSISTENCIAIS...03 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL (LDB - LEI Nº 9.394/96 COM ALTERAÇÕES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Especial de Alta Complexidade Programa de Enfrentamento a Situações de Riscos Sociais Administração: Rodrigo Antonio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem

Leia mais

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES Alana da Silva SIQUIÉRI 1 Dayana Klebis da SILVA 2 RESUMO:

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS

SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Campo Grande-MS SEMINÁRIO INTERMINISTERIAL SOBRE A NOVA LEI DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Campo Grande-MS Mudanças na Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social e

Leia mais

- Indicadores Sociais -

- Indicadores Sociais - Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social - Indicadores Sociais - Construir o novo sistema de respeitar a cidadania significa criar uma nova tradição em que alteramos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem-Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Especial de Média Complexidade Serviço Especializado de Abordagem Social Administração: Rodrigo Antonio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social:

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba.

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba. CARTILHA do CRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA - PSB SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA Prefeitura Municipal de Parnaíba

Leia mais

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O SUAS-SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL HISTÓRICO DA POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL SAÚDE PREVIDÊNCIA

Leia mais

Texto 03. Os serviços da Proteção Social Especial de Média Complexidade e o processo de construção de saída da rua

Texto 03. Os serviços da Proteção Social Especial de Média Complexidade e o processo de construção de saída da rua Texto 03 Os serviços da Proteção Social Especial de Média Complexidade e o processo de construção de saída da rua A Proteção Social Especial PSE organiza a oferta de programas, projetos e serviços socioassistenciais

Leia mais

ROTEIRO DE ATUAÇÃO SUAS

ROTEIRO DE ATUAÇÃO SUAS ROTEIRO DE ATUAÇÃO SUAS APRESENTAÇÃO A Assistência Social é direito do cidadão e responsabilidade do Estado, regulamentada pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS - Lei n. 8.742/93), através da instituição

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS

O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS O Centro de Referência de Assistência Social CRAS como Unidade de Gestão Local do SUAS XIV Encontro Nacional do CONGEMAS Fortaleza, 21 a 23 de março de 2012 Política Pública de Seguridade Social não contributiva

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

CREAS Recursos Humanos

CREAS Recursos Humanos Como deve ser a composição da equipe de referência do CREAS? Os recursos humanos constituem elemento fundamental para a efetividade do trabalho do CREAS. A vinculação dos profissionais do CREAS com a família/indivíduo

Leia mais

Mulheres. As mulheres e a Política de Assistência Social no Estado de SC

Mulheres. As mulheres e a Política de Assistência Social no Estado de SC 2016 2015 IV Conferência ncia Estadual de Políticas para Mulheres As mulheres e a Política de Assistência Social no Estado de SC Diretoria de Assistência Social Camila Magalhães Nélsis Fevereiro - 2016

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Neste terceiro momento do nosso estudo iremos aprofundar as mudanças

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Instrução Operacional Conjunta MDS - MS 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua.

SUAS e População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. O SUAS e a implementação em território nacional da Política Nacional para População em Situação de Rua. 28 de novembro de 2013 Assistência Social Política pública de Seguridade Social, não-contributiva,

Leia mais

CADÚNICO/BOLSA FAMILIA Av. Santo Antonio, 721 Centro CEP. 17500-070 Fone: (14)3401-2450

CADÚNICO/BOLSA FAMILIA Av. Santo Antonio, 721 Centro CEP. 17500-070 Fone: (14)3401-2450 Secretaria Municipal de Assistência Social Av. Santo Antonio, 721 Centro CEP. 17500-070 Fone: (14)3401-2450 Email: sas@marilia.sp.gov.br Horário de Atendimento: das 8:00 as 17:00 hs Atribuições: Dotar

Leia mais

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA Este documento se propõe a estabelecer normas de inserção e execução de estágio em Serviço Social no Projeto Viva a Vida, de acordo com a Resolução 533/2008

Leia mais

1. UNIDADE CONVENENTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME (SETRA)

1. UNIDADE CONVENENTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME (SETRA) ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA, EM SITUAÇÃO DE DEPENDÊNCIA RESIDÊNCIA INCLUSIVA 1. UNIDADE CONVENENTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO,

Leia mais

ção o do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais

ção o do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais Programa de Erradicaçã ção o do Trabalho Infantil Ministério Ministério do do Desenvolvimento Social Social e e Combate àà Fome SUBSÍDIOS IMPORTANTES PARA A CONSTRUÇÃO DE DIRETRIZES PARA O PETI PNAS, NOB/SUAS

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social e suas Inter-relações

Sistema Único de Assistência Social e suas Inter-relações Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito Santo

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO -

- REGIMENTO INTERNO - - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Assistência Social Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.634/06, nº 13.239/07, nº 15.181/11, 15.454/12 e nº 15.581/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

PLANO VIVER SEM LIMITE

PLANO VIVER SEM LIMITE PLANO VIVER SEM LIMITE O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e

Leia mais

Questionário Rede Privada

Questionário Rede Privada MONITORAMENTO SUAS CENSO SUAS 2010 Questionário Rede Privada O Censo Rede Privada 2010, tem como finalidade proporcionar subsídios para a construção e manutenção de indicadores de monitoramento e avaliação

Leia mais

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade

CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social CREAS e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais: Serviços de Proteção Social Especial de Média e Alta

Leia mais

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS SOCIAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2010. Prezado Senhor, A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social,

Leia mais

Palavras-chave: Assistência Social. Proteção Social Básica. Programa Cidadão Crescente.

Palavras-chave: Assistência Social. Proteção Social Básica. Programa Cidadão Crescente. AS AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS DESENVOLVIDAS PELO PROGRAMA CIDADÃO CRESCENTE NO CRAS SANTA RITA NO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL 1 Noemia Schuch 2 Janice Merigo 3 Resumo: O presente artigo trata sobre as ações socioeducativas

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social CNAS As Conferências Municipais da Assistência Social de 2007 avaliarão as metas aprovadas nas Conferências de 2005, identificando os avanços, as dificuldades e os desafios a serem enfrentados nos próximos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 01, DE 09 DE JANEIRO DE 2012 Publica as deliberações da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CNAS, no uso das competências que lhe confere

Leia mais

A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social

A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social A necessária abordagem interdisciplinar: a importância da equipe de referência da Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS - 2004 SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS REDE

Leia mais

SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 04 UNIDADE RESPONSÁVEL INÍCIO DA VIGÊNCIA

SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 04 UNIDADE RESPONSÁVEL INÍCIO DA VIGÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SBE-01-H/2014 Data: 20/09/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SBE SISTEMA DE BEM ESTAR SOCIAL 02 ASSUNTO SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 03 SETORES

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95,

RESOLUÇÃO N 124/2006. O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLUÇÃO N 124/2006 O Conselho Municipal de Assistência Social de Porto Alegre, no uso das atribuições que lhe confere a Lei Complementar n 352/95, RESOLVE: Aprovar a utilização das definições de Programas

Leia mais

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE Título: A Proteção Socioassistencial para Usuários de Crack e Outras Drogas e suas

Leia mais

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia DIREITO Normativas Política Pública # direito LOAS atualizada Elaboração Âncoras Nacional Universalidade

Leia mais

GUIA DE POLÍTICAS SOCIAIS QUILOMBOLAS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

GUIA DE POLÍTICAS SOCIAIS QUILOMBOLAS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GUIA DE POLÍTICAS SOCIAIS QUILOMBOLAS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME 2009 Governo e Sociedade trabalhando juntos Informe-se. É um direito seu. 1 2 3 4 Tratar

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

CNAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Especial dos Direitos Humanos (2007-2015) 2015)

CNAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Especial dos Direitos Humanos (2007-2015) 2015) Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária (2007-2015) 2015) MARCO LEGAL A CRIANÇA E O ADOLESCENTE COMO SUJEITOS DE DIREITOS

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação O SUAS e o Acolhimento Institucional

Leia mais

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social BPC Direito constitucional

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV).

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). Maria Mabel Nunes de Morais; Raiany Augusto Carvalho; Samara Pereira de Sousa; Édja Larissa Simão de Lacerda; Maria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 18, 5 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre expansão e qualificação do Serviço de Proteção Social aos Adolescentes em Cumprimento de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto de Liberdade Assistida

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL STDS Área de Gestão do SUAS e Assessoramento aos Municípios O SUAS NO CEARÁ Março - 2012 1' ' Apresentação O presente documento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNÍCIPIO DE PALMEIRA-PR RODRIGUES, Tatielle Adams (estagio I); e-mail: adams.tati@gmail.com; RIFFERT, Gracieli Aparecida (supervisora), e-mail:

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL NO CREAS DO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL NO CREAS DO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL NO CREAS DO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO Sabrina da Silva Magalhães 1 Juliene Aglio de Oliveira 2 RESUMO: Este artigo é fruto de trabalho de Supervisão Acadêmica.

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF)

SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NA ASSISTÊNCIA SOCIAL NA PERSPECTIVA DA SUPERAÇÃO DO CLIENTELISMO/ASSISTENCIALISMO O Serviço de Proteção e Atendimento

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social. Oficina. CRAS - Unidade de Proteção

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social. Oficina. CRAS - Unidade de Proteção Oficina CRAS - Unidade de Proteção Social Básica do SUAS 2010 a Área da Assistência Social I CRAS - unidade de proteção social básica do SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA - SUAS Caráter preventivo e processador

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS PROGRAMA BPC TRABALHO PASSO A PASSO O QUE É O Programa de Promoção

Leia mais

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL OBJETIVO: 0108- Promover os serviços, programas e benefícios de proteção social, por meio de capacitação, monitoramento, co-financiamento, implantação e orientação,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 24 DE ABRIL DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 24 DE ABRIL DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 24 DE ABRIL DE 2012. Aprova os critérios de partilha do cofinanciamento federal para apoio à oferta dos Serviços de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, em situação

Leia mais

PRÁTICAS PSICOLÓGICAS E POLÍTICAS PÚBLICAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL:ALGUMAS INTERROGAÇÕES

PRÁTICAS PSICOLÓGICAS E POLÍTICAS PÚBLICAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL:ALGUMAS INTERROGAÇÕES 137 PRÁTICAS PSICOLÓGICAS E POLÍTICAS PÚBLICAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL:ALGUMAS INTERROGAÇÕES Lilian Rodrigues da Cruz Márcio André Schiefferdecker Universidade de Santa Cruz do Sul Resumo O trabalho investiga

Leia mais

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Os Programas Orçamentários para Execução de Parcerias com pessoas jurídicas do setor privado ou pessoas físicas serão executados nas 08 Macrorregiões

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Brasilândia TEMA: Procedimento do Sistema do Bem Estar Social

Prefeitura Municipal de Nova Brasilândia TEMA: Procedimento do Sistema do Bem Estar Social Página 1 de 11 A CONTROLADORA GERAL DO MUNICÍPIO DE NOVA BRASILÂNDIA - MT, no uso de suas atribuições legais, com base no art. 2º, da Lei Municipal n.º 330 de 07 de Agosto de 2007, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Escola e Cidadania: o Programa BPC na escola e seus rebatimentos no processo de consolidação de direitos.

Escola e Cidadania: o Programa BPC na escola e seus rebatimentos no processo de consolidação de direitos. III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Juliana Nunes Pereira Escola e Cidadania: o Programa BPC na escola e seus rebatimentos no processo de consolidação de direitos. RESUMO: Com o

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014 Programa 2037 - Fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) 0561 - Renda Mensal Vitalícia por Idade Tipo: Operações Especiais Número de Ações 15 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 Ficam criados os cargos e ampliadas as vagas de cargos de provimento efetivo que integrarão o Anexo III da Lei Complementar nº 118, de 3 de dezembro de 2010,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SMCAIS Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Evento UNICAMP DESAFIOS SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CAMPINAS, E POR CONSEGUINTE DA REGIÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Centro de de Referência Especializado Assistência Social CREAS Brasília 2011 03 - livreto_perguntas_respostascreas.indd 1 15/12/2011 10:41:43 EXPEDIENTE Presidenta da República Federativa

Leia mais

Desenvolvimento Social

Desenvolvimento Social Desenvolvimento Social Assistência Social A Assistência Social integra o sistema de seguridade social do país, junto com a saúde e a previdência social, e tem como objetivo regulamentado pela Lei Orgânica

Leia mais

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA . FEBRAEDA OFICINA DE TRABALHO SOBRE A CONSTRUÇÃO DA METODOLOGIA DA SÓCIO APRENDIZAGEM PROFª: MARIA CECILIA ZILIOTTO 26 DE MAIO DE 2014 CAMP - PINHEIROS . Construindo a Metodologia da Socioaprendizagem

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA: DIRETRIZES PARA A PERSPECTIVA DE REINSERÇÃO SOCIAL DOS USUÁRIOS.

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA: DIRETRIZES PARA A PERSPECTIVA DE REINSERÇÃO SOCIAL DOS USUÁRIOS. SERVIÇO DE ACOLHIMENTO PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA: DIRETRIZES PARA A PERSPECTIVA DE REINSERÇÃO SOCIAL DOS USUÁRIOS. Thalita Eugenio Santos 1 Eduardo Luis Couto 2 RESUMO: O presente trabalho abordará

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS 1º CONGRESSO REGIONAL DE POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL UBERABA INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO SUAS 18/03/2011 PARA DISCUTIR SOBRE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO FAZ- SE NECESSÁRIO ENTENDER SOBRE A GESTÃO DO SUAS

Leia mais

TEMA: Requisições do Sistema de Justiça ao Suas

TEMA: Requisições do Sistema de Justiça ao Suas CRESS 16ª REGIÃO/AL: I Colóquio de Serviço Social na área sociojurídica TEMA: Requisições do Sistema de Justiça ao Suas Maceió/AL Maio/2016 Marcus Aurélio de F. Barros Promotor de Justiça no RN e Professor

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social. Discutindo as diferenças entre Atendimento e Acompanhamento

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social. Discutindo as diferenças entre Atendimento e Acompanhamento Discutindo as diferenças entre Atendimento e Acompanhamento Defina: O que é Acompanhamento e Atendimento no âmbito do PAIF? O desenvolvimento do trabalho social com famílias do PAIF pode ocorrer por meio

Leia mais

ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS

ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS Departamento de Proteção Social Especial Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à

Leia mais

RESOLUÇÃO 008/CMAS/2014 Ji Paraná, 03 de junho de 2014.

RESOLUÇÃO 008/CMAS/2014 Ji Paraná, 03 de junho de 2014. RESOLUÇÃO 008/CMAS/2014 Ji Paraná, 03 de junho de 2014. Dispõe sobre a aprovação do Plano de Ação e Aplicação da Reprogramação do Saldo de Recursos Federais FNAS/MDS/FMAS. O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 08, DE 18 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre as ações estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI no âmbito do Sistema Único da Assistência Social SUAS e o critério de

Leia mais