SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009"

Transcrição

1 SONDAGENS GEOFÍSICAS Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009

2 Sondagens Geofísicas - estudo das propriedades físicas dos solos e rochas: - condutividade elétrica - densidade -velocidade das ondas elásticas - susceptibilidade magnética - Variam no espaço devido às mudanças nas características do meio - tem importante papel na solução de problemas relacionados com as áreas de engenharia, meio ambiente, prospecção mineral e de águas subterrâneas e arqueologia - Constituem de métodos indiretos de prospecção, de investigação não destrutivos - Ideal é conjugar esse método com outros métodos de investigação

3 Aplicações Determinação da profundidade do substrato rochoso Caracterização geológica Exploração mineral e hidrogeológica Identificação de cavidades e zonas de fraturas Investigação para fundações Avaliação e determinação para depósitos de agregados (cascalho, areia, etc) Estudos preliminares para estradas e infra-estruturas Estudo costeiros (intrusão salina) Estudo do solo e suas características hidrogeológicas Detecção de estruturas metálicas enterradas Detecção de estruturas de combustão Estudos arqueológicos Detecção e delimitação de plumas de contaminação do subsolo e das águas subterrâneas

4 Métodos de Prospecção Geofísica Métodos Sísmicos Sísmica de Refração Sísmica de Reflexão Métodos Geoétricos Eletrorresistividade Eletromagnéticos Métodos Potenciais mais aplicados em prospecção geológica de recursos minerais Magnetometria Gravimetria

5 MÉTODOS SÍSMICOS Princípios da Refração (UNB, Glossário Geológico) Mudança na trajetória da onda sísmica na passagem de um meio para outro, com diferentes propriedades Elásticas Apenas para visualização o exemplo da refração do ar para água

6 V2 > V1 Base: Lei de Snell V2 < V1

7 A velocidade de propagação de ondas sísmicas depende: - Densidade de minerais e rochas - Constantes elásticas - Porosidade - Composição química minerais - Conteúdo de água - Tensão confinante da rocha

8

9 Peso específico / densidade de rochas (ROCHA, 1981): FONTES DE ENERGIA = explosivos, rifles sísmicos, martelos sísmicos

10

11 Em Rochas ic = ângulo crítico Refração total Nova frente de ondas Princípio de Huygens Retorno à superfície com mesmo ângulo crítico

12 Sísmica de Refração Notas de aula do Prof. Dourado, J.C. UNESP/RC

13 geofones sen i = v1 sen r v2 SISMOGRAMA Resultados: -Velocidades de propagação - Número de camadas -Espessura das camadas -Estimativa dos tipos materiais

14 Resultados Sismógrafos e sismogramas

15 GRÁFICO TEMPO X DISTÂNCIA TEMPO DIST.

16 SÍSMICA DE REFLEXÃO - destina-se à prospecções profundas (100 a milhares de metros) mas tb. para prosp. Rasas (< 30 m) - Prospecção de Petróleo Método - Propagação de sinal acústico na superfície com freqüência de 100 a 400 hz - Geofones alinhados captam sinais - Indicação de camadas refletidas

17 Princípios Sísmica de Reflexão Lei de Snell

18

19 ENERGIA GEOFONE É O CASO MAIS REAL!

20 - Sismograma Seção Sísmica - Evidencia as estruturas e feições geológicas

21 MÉTODOS GEOELÉTRICOS 2 TIPOS BÁSICOS: - SONDAGEM ELÉTRICA VERTICAL (SEV) - CAMINHAMENTO ELÉTRICO (CE)

22 Sondagem Elétrica Vertical (SE) - Medir a a com emprego de eletrodos de emissão e de recepção - Eletrodos de corrente i enviadas por AB - Eletrodos de recepção MN medem o v AB/2 = a NN/2 = b MN <= AB / 5

23 MEDIÇÃO DA RESISTIVIDADE APARENTE: k = fator geométrico relacionado ao espaçamento entre os eletrodos No arranjo Schulumberger:

24 Resultados SE SEV-3 em Alterêdo Oliveira Cutrim; Aldo da Cunha Rebouças, ISSN X; Rev. Bras. Geof. vol.23 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2005

25 Perfil Geológico em Alterêdo Oliveira Cutrim; Aldo da Cunha Rebouças, ISSN X; Rev. Bras. Geof. vol.23 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2005

26 Caminhamento Elétrico - CE - Analisar a distribuição horizontal da eletrorresistividade aparente em profundidades constantes - Geram-se mapas de isovalores de a - Caminhamento Elétrico Dipolo-Dipolo

27 Exemplo Fernando da F. Xavier XIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas APLICAÇÃO DA SONDAGEM GEOFÍSICA MÉTODO ELETRORRESISTIVID ADE - NA LOCAÇÃO DE POÇOS TUBULARES PROFUNDOS

28

29 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS De Vallejo, L.G. et al. (ed.) Ingeniería geológica / - Madrid [etc.] : Prentice Hall, Hoek, Evert. Practical Rock Engineering, 2000 Edition, Rocha, Manuel. Mecânica das Rochas - Lisboa : LNEC, Sharma, P. V. (1997) Environmental and Engineering Geophysics. Cambridge University Press, Cambridge, ISBN: , 475 pp.

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. LOCALIZAÇÃO DOS ENSAIOS GEOFÍSICOS... 2 3. EQUIPE...

Leia mais

6200 Métodos geofísicos

6200 Métodos geofísicos 6200 Métodos geofísicos 1 Geofísica aplicada à detecção da contaminação do solo e das águas subterrâneas Os métodos geofísicos são técnicas indiretas de investigação das estruturas de subsuperfície através

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

Investigações Geotécnicas

Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Interpretação de imagens; Métodos geofísicos ou indiretos; Amostragem e ensaios de laboratório; Ensaios de campo. Imagem de satélite simples Argila mole

Leia mais

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html 1 de 5 12/8/2009 11:34 O Que é Geofísica? (* Adaptado por C.A. Bertulani para o projeto de Ensino de Física a Distância) Geofísica é o estudo da Terra usando medidas físicas tomadas na sua superfície.

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Elementos de prospecção geotécnica

Leia mais

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison HIDRÁULICA DE POÇOS Prof. Marcelo R. Barison Infiltração e Escoamento - as zonas de umidade do solo - Aqüífero Livre; Aqüífero Confinado. TIPOS DE AQÜÍFEROS Representação Esquemática dos Diferentes Tipos

Leia mais

Utilização de métodos geoelétricos aplicados à determinação de plumas contaminantes em área urbana na grande São Paulo

Utilização de métodos geoelétricos aplicados à determinação de plumas contaminantes em área urbana na grande São Paulo Introdução O método geofísico da eletrorresistividade tem sido usado com sucesso para conhecer a geometria de jazidas minerais; determinação de cobertura de solo/estéril, profundidade e geometria do aquífero,

Leia mais

LEVANTAMENTO GEOFÍSICO PARA CARACTERIZAÇÃO DO TRECHO ALUVIONAR DO RIO PALHANO NA LOCALIDADE DE CHILE, IBICUITINGA-CE

LEVANTAMENTO GEOFÍSICO PARA CARACTERIZAÇÃO DO TRECHO ALUVIONAR DO RIO PALHANO NA LOCALIDADE DE CHILE, IBICUITINGA-CE LEVANTAMENTO GEOFÍSICO PARA CARACTERIZAÇÃO DO TRECHO ALUVIONAR DO RIO PALHANO NA LOCALIDADE DE CHILE, IBICUITINGA-CE Nelson Paiva Raulino de Souza 1 ; Fernando César Moura de Andrade 1 ; Gilberto Möbus

Leia mais

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18 /Abr/013 Aula 18 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda e níveis

Leia mais

II Workshop Gestão Integrada: Risco e sustentabilidade São Paulo, 19 e 20 de Maio de 2006 Centro Universitário Senac

II Workshop Gestão Integrada: Risco e sustentabilidade São Paulo, 19 e 20 de Maio de 2006 Centro Universitário Senac II Workshop Gestão Integrada: Risco e sustentabilidade São Paulo, 19 e 20 de Maio de 2006 Centro Universitário Senac 1 A GEOFÍSICA NO MAPEAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS Debora Silveira Carvalho IDS Radar

Leia mais

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO António Costa Instituto Superior Técnico AVALIAÇÃO DO ESTADO DA ESTRUTURA Identificação das anomalias e caracterização da segurança e do estado de deterioração

Leia mais

APLICAÇÃO DE SONDAGEM ELÉTRICA VERTICAL NA ESTIMATIVA DO TOPO E DA ESPESSURA DE UNIDADES GEOLÓGICAS DA BACIA DO PARANÁ NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT

APLICAÇÃO DE SONDAGEM ELÉTRICA VERTICAL NA ESTIMATIVA DO TOPO E DA ESPESSURA DE UNIDADES GEOLÓGICAS DA BACIA DO PARANÁ NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT Revista Brasileira de Geofísica (2005) 23(1): 89-98 2005 Sociedade Brasileira de Geofísica ISSN 0102-261X www.scielo.br/rbg APLICAÇÃO DE SONDAGEM ELÉTRICA VERTICAL NA ESTIMATIVA DO TOPO E DA ESPESSURA

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

112968 Introdução à Geofísica. Prof. George Sand França Observatório Sismológico Instituto de Geociências

112968 Introdução à Geofísica. Prof. George Sand França Observatório Sismológico Instituto de Geociências 112968 Introdução à Geofísica Prof. George Sand França Observatório Sismológico Instituto de Geociências Organização do curso Aulas: Quarta 14:00h às 15:40h Local: Auditório do SIS Avaliação: Prova 1 -

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

Processamento Sísmico:

Processamento Sísmico: Processamento Sísmico: Até aqui vimos que um pulso sísmico artificial atravessa as camadas e parte de sua energia é refletida em cada superfície de contraste de impedância acústica. A fração da amplitude

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND. ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal

IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND. ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal Histórico APRESENTAÇÃO Fundada em 1969, a ESTEIO Engenharia e Aerolevantamentos

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos -

Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos - MINERAÇÃO DE ATERROS EM PORTUGAL OPORTUNIDADE OU FICÇÃO CIENTÍFICA? Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos - M.G.Brito 1 ; A.P. Silva 1 ; R. Araújo 2 1 GeoBioTec, FCT Universidade Nova Lisboa

Leia mais

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Unidade curricular: Projeto FEUP Supervisores: Alexandre Leite Feliciano Rodrigues Jorge Carvalho Monitores:

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Estudo de Caso Levantamentos de FWD e para Avaliação Estrutural dos Pavimentos Introdução Necessidade de conhecer a condição estrutural

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

Investigação Detalhada e Plano de Intervenção

Investigação Detalhada e Plano de Intervenção e Plano de Intervenção Geol. MSc. Paulo L. Lima Gerente de Contratos Essencis Soluções Ambientais plima@essencis.com.br Seminário Gerenciamento de Áreas Contaminadas Agosto de 2011 Premissas: Investigação

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CONDUTIVIDADES HIDRÁULICAS DAS ZONAS SATURADA E NÃO SATURADA DO AQUÍFERO FREÁTICO NAS ADJACÊNCIAS DO ATERRO CONTROLADO DE LONDRINA.

DETERMINAÇÃO DAS CONDUTIVIDADES HIDRÁULICAS DAS ZONAS SATURADA E NÃO SATURADA DO AQUÍFERO FREÁTICO NAS ADJACÊNCIAS DO ATERRO CONTROLADO DE LONDRINA. DETERMINAÇÃO DAS CONDUTIVIDADES HIDRÁULICAS DAS ZONAS SATURADA E NÃO SATURADA DO AQUÍFERO FREÁTICO NAS ADJACÊNCIAS DO ATERRO CONTROLADO DE LONDRINA. Autores: André Celligoi 1 ; Diogo Lamônica 2 ; Andressa

Leia mais

CARGO: ENGENHARIA CIVIL II

CARGO: ENGENHARIA CIVIL II MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

Objetivos da Geologia

Objetivos da Geologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOQUÍMICA: PETRÓLEO E MEIO AMBIENTE O AUXÍLIO DA GEOLOGIA NOS ESTUDOS AMBIENTAIS ROSENAIDE SANTOS DE JESUS Salvador,

Leia mais

Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society. Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica

Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society. Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica Aplicação da Eletrorresistividade na avaliação de viabilidade de empreendimentos imobiliários Georgia Castro*¹, Debora Carvalho¹ and Rodrigo Machado², Geofisica Consultoria¹, AltaResolução² Copyright 2013,

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DE MACIÇOS ROCHOSOS

5. CLASSIFICAÇÃO DE MACIÇOS ROCHOSOS 5. CLASSIFICAÇÃO DE MACIÇOS ROCHOSOS 5.1 INTRODUÇÃO Um dos aspectos mais importantes ligados aos estudos de terrenos para fins de engenharia civil é o da respectiva classificação, nomeadamente no que se

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE

DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE CIENTISTAS DO AMANHÃ Descritores 1º Bimestre

Leia mais

Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás

Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás Professora Elaine Ribeiro EMENTA Origem do petróleo e do gás natural. Estrutura da Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustível Origem do Petróleo e Gás Petróleo:

Leia mais

Mário Antônio Bernal Rodríguez 1

Mário Antônio Bernal Rodríguez 1 Física da Radiología-F852. Aulas Cap. 16-1. Mário Antônio Bernal 1 1 Departamento de Física Aplicada-DFA Universidade Estadual de Campinas- Local-DFA 68 email: mabernal@ifi.unicamp.br url pessoal: www.ifi.unicamp.br\

Leia mais

2º semestre - Ciências Exatas (noturno)

2º semestre - Ciências Exatas (noturno) 2º semestre - Ciências Exatas (noturno) Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 18:50 às 19:45 Geometria Analítica Geometria Analítica Energia Energia Bases Experimentais na Química

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTOURA XAVIER SECRETARIA DO PLANEJAMENTO LOCAL: AVENIDA 25 DE ABRIL ASSUNTO: PROJETO DE CAPEAMENTO ASFÁLTICO ÁREA TOTAL: 4.935,75 m² PROJETO BÁSICO

Leia mais

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2)

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2) A UTILIZAÇÃO DO GEORADAR (GPR) COMO FERRAMENTA DE ENSAIO NÃO DESTRUTIVO (END) PARA LOCALIZAÇÃO DA MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESPESSURA DO CONCRETO NUM BLOCO TESTE Autores: Roberto Okabe

Leia mais

CÁLCULO DE DUAS VARIAVEIS

CÁLCULO DE DUAS VARIAVEIS CÁLCULO DE DUAS VARIAVEIS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS ÓTICA, ONDAS E ELETROMAGNETISMO QUÍMICA GERAL E EXPERIMENTAL ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Eng. Civil- Campus Mossoró) 3ª série Funções

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta a seqüência operacional de procedimentos para a execução de uma Dosagem Marshall, visto exclusivamente como uma tarefa de laboratório de asfalto. Aborda-se a análise

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 01 - A figura mostra uma série de fotografias estroboscópicas de duas esferas, A e B, de massas diferentes. A esfera A foi abandonada em queda livre

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1 1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1.1 - Introdução As correntes fazem parte das transmissões flexíveis, conjuntamente com as correias. Apresentam menor capacidade de absorção de choques em virtude de sua

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA 1 ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. OBJETIVOS DA 3. FASES DA 4. MÉTODOS DE PROSPECÇÃO 2 1. Considerações iniciais: As características de um solo não podem ser descobertas apenas pelo

Leia mais

QUEM SOMOS. Visão Ser referência de qualidade e eficiência em gerenciamento de projetos de engenharia ambiental.

QUEM SOMOS. Visão Ser referência de qualidade e eficiência em gerenciamento de projetos de engenharia ambiental. QUEM SOMOS A MARCELINO & ASSOCIADOS é uma empresa especializada em gerenciamento de projetos em engenharia ambiental, com sede em São Paulo, composta por colaboradores com mais de 20 anos de experiência

Leia mais

Caracterização Geotécnica da Colina do Castelo Abordagem preliminar para a estimativa do Risco Sísmico

Caracterização Geotécnica da Colina do Castelo Abordagem preliminar para a estimativa do Risco Sísmico Caracterização Geotécnica da Colina do Castelo Abordagem preliminar para a estimativa do Risco Sísmico I. Moitinho de Almeida 1, I. F. Lopes 2, F. Almeida 3 e P. Teves Costa 4 SUMÁRIO A estrutura geológica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Prof. Dr. Guttemberg Silvino Considerações Iniciais Todo mapa/carta/planta é uma representação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA APOSTILA DE GEOLOGIA 7: INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO; PROPRIEDADES DAS ROCHAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA APOSTILA DE GEOLOGIA 7: INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO; PROPRIEDADES DAS ROCHAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS APOSTILA DE GEOLOGIA 7: INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO; PROPRIEDADES DAS ROCHAS PROF. Luiz Carlos Godoy PONTA GROSSA /2005 8 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO...118

Leia mais

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas *

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas * DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÁO DE HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Elementos de Engenharia Civil 2007/2008 2 SEMESTRE Enunciados dos problemas * (módulo de Hidráulica)

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica Resumo Técnico Perfilagem Geofísica PERFILAGEM GEOFÍSICA A perfilagem geofísica é um método de investigação indireta que tem se mostrado muito eficaz na identificação de anomalias petrofísicas e na caracterização

Leia mais

Corrente, resistência, f.e.m. e circuitos

Corrente, resistência, f.e.m. e circuitos Corrente, resistência, f.e.m. e circuitos Corrente elétrica. Condução elétrica em metais. Resistência e resistividade. f.e.m. e circuitos. Instrumentos de medidas elétricas Energia e potência em circuitos.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA TEL. (048) 3721-9506 - FAX

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA TEL. (048) 3721-9506 - FAX UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA TEL. (048) 3721-9506 - FAX. (048) 3721-7538 PLANO DE ENSINO - DISCIPLINA: Proteção

Leia mais

Planeta Terra Contributos para o seu conhecimento

Planeta Terra Contributos para o seu conhecimento Planificação da unidade didáctica Biologia e Geologia: Planeta Terra Contributos para o seu conhecimento Manual escolar utilizado: Título: Terra, Universo de Vida Autores: Amparo Dias da Silva; Fernanda

Leia mais

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera Questão 1 Na figura abaixo, vê-se um trecho de uma linha de produção de esferas. Para testar a resistência das esferas a impacto, são impulsionadas a partir de uma esteira rolante, com velocidade horizontal

Leia mais

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS João M. L. Meira Geólogo INTRODUÇÃO A gestão adequada dos resíduos é, na actualidade, um dos grandes desafios das sociedades modernas

Leia mais

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO Lisboa, Abril de 2015 Esta página foi deixada propositadamente em branco 2 ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO

Leia mais

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO redução da resistência ao cisalhamento em superfícies potenciais de ruptura devido à poropressão ou mesmo a mudanças no teor de umidade do material; o aumento das forças

Leia mais

Quando ocorre? Movimento de Terra. Serviços de Escavação

Quando ocorre? Movimento de Terra. Serviços de Escavação DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Serviços Preliminares Movimento de Terra Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M. B. Barros, Fernando H. Sabbatini

Leia mais

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA RESISTIIDADE ELÉCTRICA A resistência eléctrica de um material é expressa pela sua resistividade eléctrica. Se a resistência entre as faces opostas de um corpo condutor de comprimento L e secção uniforme

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA

EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA Marcelo Telles Kalybatas LOGOTIP DA EMPRESA 1 A Silcon Drilling foi fundada com

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta Questão 11 Acredita-se que desde o século XIV acrobatas chineses já usavam uma versão primitiva do pára-quedas. É certo que, no ocidente, Leonardo da Vinci (145-1519) já o havia imaginado. que a velocidade

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS

PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS 12 PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS QUESTÃO 41: Um dos objetivos do planejamento de lavra a céu aberto (longo prazo é definir a cava ("pit" final. Várias metodologias são empregadas nesse processo.

Leia mais

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal WAVE ENERGY CENTRE Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal Versão 0.1 1 INDICE 11.. OO RREECCUURRSSOO EENNEERRGGÉÉTTIICCOO... 3 22.. AACCTTUUAAIISS PPRROOTTÓÓTTIIPPOOSS

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 nas Estruturas segundo a NBR

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

GEOLOGIA ESTRUTURAL. Aula 3 Regimes e Processos de Deformação. Prof. Eduardo Salamuni. (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto)

GEOLOGIA ESTRUTURAL. Aula 3 Regimes e Processos de Deformação. Prof. Eduardo Salamuni. (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto) GEOLOGIA ESTRUTURAL Aula 3 Regimes e Processos de Deformação Prof. Eduardo Salamuni (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto) REGIMES E PROCESSOS DE DEFORMAÇÃO CONCEITOS GERAIS As mudanças mecânicas nos maciços

Leia mais

FCM 0410 Física para Engenharia Ambiental

FCM 0410 Física para Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos - IFSC FCM 0410 Física para Engenharia Ambiental Grandezas físicas, dimensões e unidades Prof. Dr. José Pedro Donoso Unidades: sistema Internacional

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 8) Recife - PE

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas.

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas. UniposRio - FÍSICA Exame Unificado de Acesso às Pós-Graduações em Física do Rio de Janeiro 9 de novembro de 00 Nome (legível): Assinatura: Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS 01 Consultas técnicas no escritório (por hora) 01.01 Com solução verbal R$ 400,00 01.02 Com solução por escrito R$ 600,00 01.03 Com consulta a arquivos, registros ou

Leia mais

de Susceptibilidade Geotécnica

de Susceptibilidade Geotécnica II Congresso Internacional de Riscos 24-25 Maio 2010, Coimbra Classificação de Susceptibilidade Geotécnica João Narciso 1, Pedro Santarém Andrade 2 1 Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e

Leia mais

Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil. Agregados para a Construção Civil no Brasil

Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil. Agregados para a Construção Civil no Brasil Associação Nacional de Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil Agregados para a Construção Civil no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Fernando M. Valverde

Leia mais

PROCESSOS EM ENGENHARIA BIOLÓGICA (PEB)

PROCESSOS EM ENGENHARIA BIOLÓGICA (PEB) (PEB) MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOLÓGICA 2º ANO / 2º SEMESTRE 2014/2015 S-101 S-102 S-103 P-1 / V-101 P-2 / ST-101 S-104 Tanque de mistura Esterilizador S-108 P-6 / AF-102 S-109 S-105 Filtro de

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

7 PARTÍCULAS SÓLIDAS

7 PARTÍCULAS SÓLIDAS 7 PARTÍCULAS SÓLIDAS O CONHECIMENTO DAS PROPRIEDADES DAS PARTÍCULAS SÓLIDAS É FUNDAMENTAL PARA AS OPERAÇÕES LISTADAS ABAIXO: FRAGMENTAÇÃO PENEIRAMENTO FLUIDIZAÇÃO MISTURA ARMAZENAMENTO SEPARAÇÕES MECÂNICAS

Leia mais

Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para Investigação de blocos de rochas e matacões

Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para Investigação de blocos de rochas e matacões Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para Investigação de blocos de rochas e matacões Fernando da Fontoura Xavier 1 ; Deisy Schulz Xavier 2 Resumo: Este trabalho mostra a aplicação e resultados da Geofísica

Leia mais

Solicitação de Propostas. Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais

Solicitação de Propostas. Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais Solicitação de Propostas Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais RNP/DIV/0085 SDP 01/2002 Solicitação de Propostas Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG QUESTÃO 01 Em uma corrida de Fórmula 1, o piloto Miguel Sapateiro passa, com seu carro, pela linha de chegada e avança em linha reta, mantendo velocidade constante Antes do fim da reta, porém, acaba a

Leia mais

Refração da Luz Prismas

Refração da Luz Prismas Refração da Luz Prismas 1. (Fuvest 014) Um prisma triangular desvia um feixe de luz verde de um ângulo θ A, em relação à direção de incidência, como ilustra a figura A, abaixo. Se uma placa plana, do mesmo

Leia mais

SBGf. boletim. A Geofísica na Indústria da Mineração

SBGf. boletim. A Geofísica na Indústria da Mineração boletim SBGf Publicação da Sociedade Brasileira de Geofísica Número 4.2010 ISSN 2177-9090 A Geofísica na Indústria da Mineração Investir em levantamentos geofísicos é o caminho mais eficiente na busca

Leia mais

PROFOMETER PM-6 MEDIDORES DE CAMADA DE CONCRETO AVANÇADOS. 60 Years of Innovation. Made in Switzerland. Design Patent Pending 4H20-03 4H20-06

PROFOMETER PM-6 MEDIDORES DE CAMADA DE CONCRETO AVANÇADOS. 60 Years of Innovation. Made in Switzerland. Design Patent Pending 4H20-03 4H20-06 PROFOMETER PM-6 MEDIDORES DE CAMADA DE CONCRETO AVANÇADOS 4H20-03 DB D1 B 1500 4H32-04 B 4H20-06 4H32-01 U-BARS D2 D1 4H20-02 4H20-05 A B 60 Years of Innovation Design Patent Pending Nova sonda universal

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS INTRODUÇÃO Resistência elétrica

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

Soluções para implantação de RDS com recursos inteligentes em áreas urbanas

Soluções para implantação de RDS com recursos inteligentes em áreas urbanas Soluções para implantação de RDS com recursos inteligentes em áreas urbanas Ronaldo Antonio Roncolatto RAR Manuel Luis Borges Campos NB&C Antonio Paulo da Cunha Sinapsis João José dos Santos Oliveira Redenel

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA INF2608 FUNDAMENTOS DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA RELATÓRIO: IMAGENS SÍSMICAS VISUALIZAÇÃO E DETECÇÃO

Leia mais

IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008. Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt

IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008. Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008 Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt 1852 É CRIADO O SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO INDUSTRIAL, ASSENTE NA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO, SENDO A ESCOLA

Leia mais

PRH 08 Programa de Pós-Graduação e Graduação em Geofísica e Geologia para o Setor de Petróleo e Gás

PRH 08 Programa de Pós-Graduação e Graduação em Geofísica e Geologia para o Setor de Petróleo e Gás PRH 08 Programa de Pós-Graduação e Graduação em Geofísica e Geologia para o Setor de Petróleo e Gás Instituição Sigla Reitor Coordenadoria Endereço Universidade Federal da Bahia UFBA Naomar Monteiro de

Leia mais