GUIA PRÁTICO WEB RÁDIO FACOPP (WRF)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PRÁTICO WEB RÁDIO FACOPP (WRF)"

Transcrição

1 GUIA PRÁTICO WEB RÁDIO FACOPP (WRF)

2 ÍNDICE Abertura Produtos radiojornalísticos exemplo de flash edição extraordinária boletim radiojornal informativo especial entrevista documentário jornalístico debate Funções no Radiojornalismo mais detalhes sobre o trabalho do pauteiro saiba mais sobre a função do repórter correspondentes Fontes relação de fontes Pauta exemplo de pauta Preparar-se para a reportagem modelo de reportagem Reportagens Entrevista para o Rádio microfone ou gravador Escrever e falar na internet O texto para a webradio aqui uma lauda Edição relógio O script do Radiojornal espelho Apresentação de programas O locutor texto separado com barras Postura do locutor sente-se de maneira confortável postura exercícios O que e como falar Preparo pessoal Prática de locução pronunciar corretamente banco de pronúncias Na hora de falar Na hora de ler Organização de arquivo Postagem na Web Rádio Facopp (WRF) Termos usados em Radiojornalismo Referências bibliográficas e leitura recomendada32 Informações técnicas... 33

3 É mais fácil fazer notícias do que explicar como se faz (Nilson Lage) Olá, seja bem-vindo. Este é um guia para ser utilizado na produção de radiojornalismo na web. O rádio é a transmissão sonora no tempo real da vida do ouvinte. (Meditsch) É transmissão sonora, mas pode vir acompanhada de textos e imagens na web. Porém, esses dois últimos elementos não são necessariamente obrigatórios para a compreensão, porque rádio é, antes de tudo, som. (Prata) O rádio com existência apenas na internet e que pode ser acessado através de uma URL (endereço na internet) é webradio. (Prata) Radiojornalismo é a transmissão instantânea e resumida das notícias com as características do rádio, como instantaneidade, universalidade, atualidade e apelo direto. (Bahia) Notícia é o relato de uma série de fatos a partir do mais importante e, deste, do aspecto mais interessante. (Lage) A finalidade do radiojornalismo é atualizar seu público por meio da divulgação, do acompanhamento e da análise dos fatos. (Barbosa Filho) Na web, o rádio agrega novos recursos à mensagem radiofônica. Agora, não há mais ouvintes apenas. Há usuários interativos. (Prata) Há outras definições também para o usuário que acessa a webradio: ouvinte-internauta, internauta-ouvinte, ciberouvinte, webradionauta. Webradiojornalismo significa associar a prática do radiojornalismo às características da web, considerando sua multimidialidade. Mas, na essência, o jornalismo é sempre jornalismo. Possui dimensões éticas e técnicas que permanecem, não importa o meio em que seja praticado. (Barbeiro e Lima) Ser uma ferramenta, um facilitador para o exercício do radiojornalismo no ambiente online é o propósito deste material.

4 PRODUTOS RADIOJORNALÍSTICOS Flash: é a divulgação de um acontecimento importante, imediatamente. Não faz parte de nenhum programa específico, pode participar em qualquer deles, interrompe a qualquer momento. O tempo é curto, apenas informa que o fato está ocorrendo, sem pormenores. Não precisa nem do lead. Ouça um exemplo de flash. Edição Extraordinária: normalmente é mais longa que o flash. A notícia é apresentada com mais pormenores. Também se refere a acontecimentos importantes cuja divulgação é oportuna e, como o flash, interrompe qualquer programa. Permanece no ar enquanto houver novidade. Acompanhe uma edição extraordinária. Boletim: é o noticiário apresentado com horário e duração pré-determinados, geralmente de dois até cinco minutos. Possui característica musical de abertura e de encerramento, tem script e as notícias podem ser locais, nacionais ou internacionais. Sua finalidade é manter o ouvinte informado sobre os acontecimentos mais recentes. Ouça um boletim. Radiojornal: é um noticiário mais amplo, com informações mais detalhadas dos fatos, reunindo reportagens, entrevistas e comentários. Normalmente é estruturado em editorias, tem periodicidade e sua função é atualizar o último período informativo, entre uma emissão e outra. Exemplo de radiojornal.

5 PRODUTOS RADIOJORNALÍSTICOS Informativo especial: é um noticiário voltado a apenas um campo de atividade, com informações que interessam àquele setor especificamente. Os noticiários esportivos são um exemplo. Pode ser diário ou não e tem horário pré-determinado. Quanto à duração, assemelha-se ao radiojornal. Ouça um informativo especial. Entrevistas: uma das principais fontes para fornecer informações, revelam novos conhecimentos, esclarecem fatos e marcam opiniões. Transmitem emoção, tanto por parte do entrevistado que naturalmente deve ser alguém que tem algo importante a dizer como do entrevistador. Podem ser gravadas ou ao vivo. Exemplo de entrevista. Documentário jornalístico: analisa um tema específico. É produzido de forma mais elaborada, com pesquisa, roteirização, textos e sons. Ouve quem tem algo a dizer e sua função é aprofundar determinado assunto que seja de importância e atualidade ou que possua interesse histórico. Acompanhe um documentário jornalístico. Mesas-redondas ou debates: programas em que os participantes apresentam e discutem ideias. São frequentes na área esportiva ou política. Podem ter um ou mais apresentadores e convidados que são conhecedores do assunto tratado. Ouça trecho de um debate.

6 FUNÇÕES NO RADIOJORNALISMO As redações encolheram, mas não foi apenas no rádio. As funções se multiplicaram e os profissionais se tornaram polivalentes. Ninguém é mais redator, apenas. Ou editor. Ou produtor. Ou repórter. Ou âncora. Todos fazem de tudo. E farão muito mais daqui para a frente. (Jung) Pauteiro: é o jornalista que seleciona assuntos que poderão gerar reportagens. Recebe o material de divulgação de acontecimentos (releases, por exemplo) e sugere reportagens ou entrevistas. Mais detalhes sobre o trabalho do pauteiro. Chefe de Reportagem: é quem determina quais assuntos serão cobertos pela equipe de reportagem. Dá suporte aos repórteres e faz uma ponte entre estes e o editor. De preferência, é o primeiro que chega e o último que sai no trabalho de realizar o produto radiojornalístico. Repórter: é quem se desloca até o local do acontecimento ou apura as informações através das fontes. Grava entrevistas, anota dados e depoimentos e elabora a notícia. Falar bem, com clareza, ser criativo e ter boa capacidade de improviso são requisitos necessários para exercer a tarefa. Saiba mais sobre a função do repórter. Redator: escreve os textos que serão divulgados. Podem ser especializados em áreas distintas como política, economia, esportes, saúde, educação, policial, etc.

7 FUNÇÕES NO RADIOJORNALISMO Locutor Noticiarista: Limita-se à leitura do noticiário. Veja mais sobre o locutor. Locutor Apresentador: Não segue obrigatoriamente o script. Tem a liberdade de fazer improvisos. Dicas sobre postura do locutor e prática de locução. Âncora: Além de apresentar, comenta a notícia. Segundo Jung, o público fiel enxerga no âncora ou comunicador o companheiro, o amigo, o conselheiro que diariamente conversa com ele ao pé do ouvido. Isso devido à característica de proximidade do rádio. Jung também diz que o âncora é um repórter privilegiado, porque tem a chance de dar personalidade ao programa, a partir da discussão da pauta e da decisão sobre a maneira de abordar os temas. Setorista: É o jornalista que trabalha num local fixo. Exemplos: clubes esportivos, polícia, hospitais, órgãos políticos. Enviado especial: Designado para determinada cobertura fora de sua área de atuação habitual. Comentarista: É um especialista que comenta sobre os fatos, normalmente numa área específica: política, economia.

8 FUNÇÕES NO RADIOJORNALISMO Produtor: Elabora a programação da emissora, cuida de preparar e acompanhar a execução dos produtos que serão realizados. Pode também fazer a ronda. Editor: Seleciona, revisa e monta as matérias de sua editoria. Estabelece o tempo que caberá a cada matéria. Editor-chefe: coordena os demais editores e se responsabiliza pela linha editorial adotada pelo produto jornalístico. Saiba mais sobre o trabalho de edição. Rádio-escuta: Sua função é ouvir outras emissoras para saber o que elas estão noticiando. Correspondente: É o jornalista que se estabelece numa determinada região geográfica e cobre os mais diferentes acontecimentos. Mais sobre o trabalho dos correspondentes.

9 FONTES Jornalista é aquele que não sabe nada, mas conhece quem sabe (Zuenir Ventura) Sou do tempo em que jornalista procurava a fonte, hoje a fonte vai atrás do jornalista (Jung) As pessoas e instituições que oferecem histórias, informações, opiniões e explicações que podem se transformar em notícia formam a rede de fontes. O jornalista deve diversificar suas fontes, permitindo a pluralidade de ideias. E também para abastecer toda informação que obtiver com variedade de pontos de vista. O jornalista não deve ter intimidade demais com a fonte. Isso pode prejudicar a isenção. A agenda de fontes deve ser selecionada e criteriosa. A fonte deve ser altamente confiável. Questionar sempre o interesse que a fonte possa ter na divulgação de determinado fato. O acesso à fonte deve ser imediato. Por isso é preciso ter a agenda atualizada e com várias possibilidades de contato (endereços, telefones fixo, celular, de familiares, vizinhos, do serviço, de quem possa indicar, etc) Retorne à fonte quantas vezes for preciso. Não tenha vergonha. Reconfirme a informação sempre que tiver dúvida. Veja aqui uma relação de fontes.

10 PAUTA Não esquecer que o ouvinte é um parceiro na construção da notícia. (Jung) A pauta é uma orientação para que o repórter possa executar sua matéria. Deve conter informações que o auxiliem na realização do trabalho. Através da pauta os editores uniformizam o material das diferentes áreas de acordo com a linha editorial do produto jornalístico. O repórter, por sua vez, se empenhará para cumprir o que foi determinado, enriquecer as informações, complementar aspectos importantes ou suprir os que foram esquecidos. A pauta tanto pode enfocar o factual como os assuntos de permanente interesse. Os editores devem ter material de reserva para abastecer os produtos radiojornalísticos em caso de necessidade. A reunião de pauta é oportunidade de sugerir assuntos e discutir sua importância. Oferecer ideias para a pauta não é só atribuição do pauteiro. A pauta, porém, não deve impedir o repórter de usar as boas iniciativas, o faro jornalístico, a investigação e o tato para descobrir o furo. O que deve pautar o jornalista, sempre, é o interesse público. Consulte aqui um exemplo de pauta.

11 PREPARAR-SE PARA A REPORTAGEM Seja o primeiro, mas primeiro esteja correto (H. Eugene Goodwin) O profissional que faz reportagem tem que se preparar para oferecer um produto de boa qualidade, que seja completo e equilibrado. (Barbeiro e Lima) Lembrar-se de que ninguém domina todos os assuntos com profundidade. Por isso, precisa pesquisar antes o assunto que vai cobrir. Não tenha vergonha de contatar um especialista e se informar sobre o tema. Verifique se o seu material de trabalho está em ordem. Gravador, notebook ou netbook, pilhas ou baterias carregadas, material para anotação, caneta que escreve (sempre ter mais de uma), endereços e telefones do local da reportagem, etc. Leia e entenda a pauta com antecedência. Procurar chegar bem antes no local da reportagem, quando for possível. Serve para que o repórter se ambiente. Obtenha o máximo de informações sobre o assunto que cobre. Você deve ter em mente que sua missão é obter respostas para as perguntas comuns que o ouvinte faria. Fazer perguntas claras, diretas e curtas. Não é preciso enfrentar o entrevistado. Ouça o que ele tem a dizer. Respeite as opiniões diferentes ou divergentes. Não tire conclusões apressadas. O repórter não deve fazer julgamentos. Ele apenas conta o que viu e o que apurou ao ouvinte. (Barbeiro e Lima) Desconfie sempre do que ouve e vê. Confirme as versões. Só divulgue aquilo que tiver certeza. Sempre mantenha o chefe de reportagem informado sobre o andamento do seu trabalho.

12 REPORTAGENS A reportagem consegue ampliar o caráter minimalista do jornalismo e oportunizar aos ouvintes, leitores, telespectadores ou internautas uma noção mais aprofundada a respeito do fato narrado. (Barbosa Filho) É preciso ficar claro que todo jornalista faz reportagem. Na produção, ao levantar dados para uma entrevista. Na pauta, ao buscar informações para montar um roteiro. Na escuta, ao fazer o rastreamento do que acontece no dia. A qualquer momento, em edição extraordinária. Esteja em serviço ou não, o jornalista tem de estar atento para os fatos que, potencialmente, são notícia e podem interessar ao público. (Jung) A reportagem é a essência do jornalismo. O jornalista pode ocupar funções específicas, mas ser repórter é a base da atividade. Por isso, é importante ter uma boa equipe, composta por repórteres de ambos os sexos, com conhecimento abrangente das áreas que cobrem e possuidores de boa cultura geral. O chefe de reportagem precisa ter visão de conjunto para distribuir as equipes de forma produtiva, otimizando a cobertura. O jornalista deve buscar formação contínua e permanente atualização. O repórter precisa se equipar para fazer seu trabalho. Mas, se estiver diante da notícia, deve utilizar os recursos que dispuser para informar o usuário/ouvinte. O improviso, a criatividade e a superação são características do rádio que permanecem ao longo do tempo. Sempre testar os equipamentos, verificá-los com antecedência. Pense como um aviador que, antes de voar, ocupa mais tempo checando o avião do que durante o voo. Porque o avião não pode cair. A reportagem deve sempre iniciar com um fato novo, mesmo que o assunto seja amplamente conhecido. Modelo de Reportagem.

13 ENTREVISTA PARA O RÁDIO Não se deve abrir mão de apurar os fatos no local dos acontecimentos e nem do contato com o público (Jung) Prefira sempre ouvir o entrevistado pessoalmente. O telefone ou outros meios só devem ser usados se não for possível o contato presencial. Tenha em mãos informações sobre o entrevistado. Paulo Autran, no fim de sua vida, dizia que se irritava muito quando jovens repórteres faziam perguntas de conhecimento notório sobre sua carreira. Mas, o repórter não deve ter receio de perguntar, sempre respeitando o entrevistado, é claro. O repórter está ali como representante do ouvinte e deve perguntar o que o ouvinte perguntaria. Cada caso deve ser analisado em particular, mas perguntas mais delicadas devem ser feitas do meio para o final da entrevista. Evitar perguntas longas. Devem ser objetivas e de preferência abertas, para evitar respostas monossilábicas como sim, não, talvez, depende. Mas não precisam ter tom provocativo. Um silêncio da pessoa entrevistada ou atitudes bruscas, como fugir por exemplo, também podem ser consideradas respostas. Se a pessoa entrevistada fornecer uma informação reveladora, bombástica, mantenha o sangue frio, obtenha mais dados a respeito, faça a tradicional cara de paisagem. Se você der sinais de que está deslumbrado com a resposta, ela perceberá que deu uma bola fora e poderá se retrair. Nas sonoras externas, não esquecer de identificar a pessoa. Se a entrevista for longa, repetir a identificação para que ou ouvinte saiba quem está sendo entrevistado. O microfone ou gravador devem ser postos próximos à boca da pessoa entrevistada, evidentemente tomando-se cuidado para não atingi-la.

14 ESCREVER E FALAR NA INTERNET A internet abre possibilidades que o rádio propagado por ondas eletromagnéticas jamais nos ofereceu (Jung) Apesar do texto ou fala ser para a internet, teoricamente um ambiente mais livre, sempre cuidar da correção. As palavras devem ser escritas e pronunciadas corretamente. O usuário ou ouvinte tem que compreender a mensagem. O redator de rádio deve sempre se lembrar que escreve um texto que será falado. Então, antes de passar para o locutor, deve lê-lo em voz alta para descobrir se precisa ser corrigido ou melhorado. Vale o de sempre: texto curto, ordem direta, palavras simples. Evitar palavras complicadas ou termos técnicos, exceção quando a mensagem se destinar a um público especializado. Para o público médio, explicar os termos técnicos. Usar as características e recursos do ambiente online: na tela do monitor, a velocidade de leitura é menor, não precisa ser linear e há o recurso do hiperlink. Não usar mais palavras do que o necessário para dizer algo e seja específico quando explicar algo. Sempre que for introduzir um assunto, no caso do texto falado ao vivo, convém fazer uma breve suíte para situar o ouvinte. Lembre-se que naquele momento não dá para ele voltar e saber do que se trata, a não ser que interrompa o áudio. Mesmo na internet, deve haver especial preocupação em manter o usuário interessado. Por isso, um texto deve ser atrativo, claro e inteligente. Não diga coisas óbvias.

15 O TEXTO PARA A WEBRADIO Ao escrever para quem ouve, deve-se escrever como quem fala (Iván Tubau) Não se deve esquecer que os textos informativos sempre devem ser claros, concisos, diretos, precisos, simples e objetivos. Basicamente, seja em que ambiente for, o jornalista deve saber que está contando algo para alguém e tem que se esforçar para ser compreendido. Mas, nem por isso, pode ser vulgar ou desrespeitar a gramática. Então, o redator de textos deve ler bastante, navegar muito, enriquecer seu vocabulário é o que se diz, ter repertório e consultar a gramática sempre que tiver dúvida. Ao redator cabe encontrar a palavra certa, aquela que vai seduzir o público e se fará entender logo que pronunciada. Nunca use duas palavras quando puder ter apenas uma. (Jung) O texto, no rádio, pode ser corrido, quando lido por um único locutor ou manchetado, quando lido por mais de um. Recomenda-se no máximo cem toques por frase de texto, obedecendo a clareza da informação e as devidas pausas para respirar. Cada 72 toques significam, em média, cinco segundos de leitura. Então, trinta segundos representam 432 toques. Aqui, mais uma vez, o menos é mais. Aqui uma lauda. (Exercite, escreva sua matéria, mas só imprima se for absolutamente necessário. Lembre-se sempre da responsabilidade ambiental)

16 EDIÇÃO Cada programa deve ter um formato. Um exemplo para formatá-lo é o do relógio, que estabelece faixas para cada assunto ou área de informação. Veja o relógio.(exemplo da Band News FM, in Prado) A programação deve levar em consideração o público que ouve o produto radiojornalístico. É preciso dar atenção aos ganchos. Eles podem introduzir a matéria seguinte. Manter a curiosidade do público é uma estratégia. Sempre deve haver uma atração a ser aguardada. É o editor quem avalia a ordem de apresentação das matérias. (Mcleish) Editar uma reportagem leva o jornalista a decidir o que será publicado e o que vai para o lixo. Por isso, devese ter o máximo de cuidado ao fazê-lo, para que o trecho escolhido esteja de acordo com o pensamento do entrevistado, sob o risco de se cometer falha grave. (Jung) As matérias não devem ser consideradas isoladamente. Uma matéria muito comovente é seguida de algo que inspire beleza e encanto; um quadro tremendamente engraçado é complementado por uma situação séria ou triste [...] É o contraste que estabelece entre si e a habilidade do apresentador que fazem com que uma realce a outra, para que o efeito global seja melhor do que a soma das partes. (Mcleish) Um detalhe importante na montagem de um noticiário é a necessidade de estar atento à associação involuntária e possivelmente infeliz entre as matérias. Poderia parecer por demais insensível mostrar logo após uma matéria sobre assassinato uma reportagem sobre um novo negócio para os açougueiros. (Mcleish) Durante o programa, tanto quanto possível, anunciam-se frases como mais notícias sobre esse assunto no final do programa. (Mcleish) Os sons incluídos no programa não devem afetar a credibilidade da notícia.

17 O SCRIPT DO RADIOJORNAL Script: Texto completo ou inserção de um programa a partir do qual é feita a transmissão (Mcleish) É o texto elaborado (Ortriwano) O texto escrito que será lido tem uma sequência. O tempo disponível do radiojornal (que pode variar entre meia hora e duas horas e meia) será dividido em blocos. Pode ter um apresentador ou mais ou, ainda, um âncora. Geralmente também possui comentaristas especializados em cada editoria. A função do radiojornal é cobrir o último período informativo, ou seja, o espaço de tempo entre uma emissão e outra. Tem abertura e encerramento e utiliza todos os recursos de sonoplastia. Cabe ao editor fazer o balanceamento da distribuição dos assuntos durante o radiojornal. Os scripts estão cada vez mais simples. A fonte deve ser limpa e de tamanho razoável para que o locutorleitor possa vê-la com clareza (usar corpo da fonte de tamanho 12 para cima) e destacar as sonoras ou backgrounds. O texto da cabeça das matérias deve introduzir o assunto e não repetir o que o repórter falará. Se houver nota-pé ela deve esclarecer ou adicionar informações. Cada radiojornal tem o seu perfil e deve manter o padrão. Geralmente se inicia com a escalada, ou seja, a leitura das manchetes, e tem chamadas interblocos. No final, há possibilidade de se mencionar as notícias que foram destaque naquela edição. No script, o tempo de cada matéria deve ser meticulosamente calculado, para caber no espaço disponível para a edição do radiojornal. Esse papel é do editor. Só se deve repetir frases de outras pessoas no texto falado se isso for absolutamente indispensável e esclarecendo devidamente a circunstância. O ouvinte pode não identificar de quem é aquela opinião (Seria do locutor?)

18 O SCRIPT DO RADIOJORNAL O programa de rádio tem de ter agilidade para mudar de assunto sempre que os acontecimentos assim o exigirem. Não se pode deixar para depois a notícia que se tem agora. (Jung) O radiojornal não se esgota com seu início. O rádio é ágil e na internet isso não é diferente. Durante a apresentação podem ser incluídas informações atuais. Isso significa que algo saírá do roteiro inicialmente previsto. Caberá ao editor fazer essa escolha. O script e a gravação do radiojornal deverão ser mantidos em arquivo pelo tempo que a lei exige. Atualmente (2010), se a rádio tiver a potência de até 1000 watts esse prazo é de 20 dias e, se de capacidade superior, 30 dias. Mas, na webradio, normalmente esse arquivo poderá ser recuperado após longo período, dada a capacidade de armazenamento dos equipamentos atuais. Importante destacar a ficha técnica do radiojornal, tanto no momento da transmissão quanto no site da webradio. Veja aqui um espelho.

19 APRESENTAÇÃO DE PROGRAMAS O radialista deve pensar como ele realmente daria a notícia a alguém que ele encontrasse no supermercado local, com outras pessoas a sua volta (Mcleish) A apresentação é a embalagem do produto de rádio. Se for malfeita, o programa será um fracasso, mesmo que tenha boa redação ou boas entrevistas. O apresentador não deve gritar. Não é uma questão de volume, mas sim de clareza. O locutor deve aumentar as pausas entre as sentenças para facilitar o entendimento de quem ouve. Podem ser intercalados efeitos sonoros para separar uma notícia de outra. Reserve um tempo para ler antecipadamente o script e em voz alta, para não cair em armadilhas. Uma dica, nesse momento da leitura prévia, é também a de visualizar o ouvinte, como se ele estivesse sentado, no estúdio, ouvindo o locutor. Se ocorrer algum imprevisto durante a transmissão, lembre-se que eles podem acontecer mesmo. Reaja com bom humor e siga em frente. Peça desculpas se for o caso, mas não deixe a peteca cair. Podem acontecer mudanças de última hora no script. Nesse caso, devem ficar bem sinalizadas para que o locutor/apresentador identifique imediatamente o que ocorre. A leitura de lista de dados deve ser feita de forma clara e compreensível para não confundir quem ouve. Outra dica, também, é o locutor ouvir sempre a gravação do que fala, para corrigir cacoetes, clichês ou melhorar suas expressões.

20 O LOCUTOR Antes de se tornar um bom locutor, precisa ser um bom ouvinte de rádio (Cyro César) O locutor é quem lê os textos preparados pela redação e/ou apresenta os comentários do programa. Deve possuir uma boa voz, audível, clara e compreensível. Mas também deve ter originalidade, poder de síntese, criatividade e carisma. Deve saber controlar situações. O programa tem um tempo de duração que deve ser respeitado. O locutor deve adquirir o hábito de sempre falar no tom correto. O som da voz deve fluir de maneira solta e clara. Treinar a articulação da voz e controlar a respiração de forma regular. Quando se fala, a finalidade é que o ouvinte entenda perfeitamente o que se está dizendo. Para isso, a primeira coisa que se deve ter em mente é que o locutor deve entender o que ele está falando. O(s) locutor(es) devem sempre conferir antes se o script está completo. Por isso, é recomendável que as folhas sejam numeradas em sequência. Ter sempre uma caneta ou um lápis à mão para fazer correções e lembretes. Observar sempre a pontuação nas frases que diz. Se possível, divida o texto com pequenas barras nos locais em que você deverá respirar. Coloque uma barra para respiração leve e duas barras para respiração mais acentuada (nos pontos finais ou dois pontos, por exemplo). Veja aqui um exemplo do texto separado com barras.

21 POSTURA DO LOCUTOR Comunicação não significa o que é dito, mas o que o outro entende (Jung) Sente-se de maneira confortável. Se você estiver incomodado, isso interferirá na qualidade da locução. A postura melhora a projeção da voz. Sentado corretamente, o locutor se sente mais seguro para falar e transmitir informações. Cuide da sua voz. Evite bebidas geladas, não fume, faça gargarejos. Não se intimide em procurar os serviços de um profissional de fonoaudiologia, se precisar. A impostação da voz pode fazer com que uma mesma frase assuma sentidos diferentes. Faça exercícios para relaxar e preparar sua voz: com o rosto, com o diafragma, com as cordas vocais. Antes de falar, posicionar o microfone a uma distância correta para você e para o entrevistado, se for o caso. Tire pulseiras ou qualquer adereço que possa fazer ruído. Sons que não estejam relacionados à informação devem ser evitados. Cuidado com o que fala perto de um microfone, ele pode estar aberto. Não tussa ou espirre junto ao microfone. Não abandonar o posto de locutor. Só deixe sua posição somente quando o espaço estiver preenchido. O ouvinte não deve sofrer com longos espaços de silêncio. Só quando for proposital. Cuide sempre do equipamento. Geralmente, trata-se de uso coletivo. Ao final da locução, deixe o equipamento organizado da forma que você gostaria de recebê-lo.

22 O QUE E COMO FALAR O que mais prende a atenção do público não é o que se diz, mas como se diz (Jung) Não basta uma boa voz. É preciso ser ágil, original, criativo, carismático, ter capacidade de improvisar e sintetizar, e, além disso, possuir uma boa colocação de voz. Adquira o hábito de sempre falar no tom correto, mesmo nas conversas informais. Lembre-se que a comunicação pelo rádio deve ser rápida e objetiva, por isso treine sua agilidade. Há fatores que favorecem a comunicação no rádio, por exemplo, conjugar voz, músicas e efeitos sonoros. Isso promove um balanceamento na transmissão da mensagem, que deve agradar e prender a atenção do ouvinte. Treine sempre para falar em público. Domine o assunto sobre o qual falará. Sempre ilustre com algum exemplo. Isso mantém o público interessado e torna mais fácil a compreensão e aplicabilidade do que você está falando. Decore as partes mais importantes de sua fala, para que não seja necessário recorrer continuamente ao papel. Mesmo assim, use um roteiro. Policie-se para não usar excessivamente expressões como né?, hãham, sei, assim, então, daí, etc. Você deve saber praticamente decor o início e o final de sua fala, mas não precisa decorar tudo o que for falar. Pense que, na medida em que você for desenvolvendo seu raciocínio, a palestra deve rumar para seu término. Então, não perca a ideia da totalidade do assunto e encaminhe-se para as conclusões. (César) Pesquisas indicam que as pessoas retêm apenas parte da mensagem que é transmitida verbalmente. Saiba, portanto que uma explanação longa demais é cansativa e improdutiva.

23 PREPARO PESSOAL Evite erros de linguagem. Use corretamente as regras gramaticais. Preste atenção na concordância e na pontuação. Cuidado com os cacófatos. Tenha repertório. Aprenda todo dia e saiba o que significam novas palavras e sinônimos das que já conhece. O locutor deve ter um vocabulário adequado. Goste de ler e leia sobre tudo. Amplie sua cultura geral. Transmita alegria e credibilidade nos momentos certos. Provoque a imaginação de quem ouve. Seja amável sempre. Não tenha preconceito, Tempere bom senso e equilíbrio. Mesmo diante de opiniões com as quais pessoalmente não concorde, ouça e reflita sobre os argumentos apresentados por quem as possui. Sempre dialogue. O jornalista de rádio deve acompanhar os acontecimentos do dia a dia para estar bem informado e conhecer sobre o assunto que tiver de divulgar. Procure sempre identificar a mensagem principal de um assunto. Se for improvisar, você só deve falar se possuir bom conhecimento do assunto. Veja o que os profissionais mais experientes têm de bom. Isso não significa imitá-los. Você deve ter estilo próprio. Descubra o seu.

24 PRÁTICA DE LOCUÇÃO Um bom locutor deve ser também um bom escritor (Iván Tubau) Nunca somos naturais diante do microfone (Jung) Antes de tudo, testar o microfone. O locutor deve ter uma boa dicção e pronunciar corretamente as palavras. Conheça antes o texto que será lido, sublinhe as palavras mais difíceis. Se tiver dúvida sobre a pronúncia de uma palavra ou de um nome estrangeiro, pesquise antes, informe-se sobre como falar corretamente. Mantenha um banco de pronúncias em seu computador para sanar dúvidas. Balancear corretamente a fala. Não fale nem muito rápido e nem muito devagar. Respire com tranquilidade. Mantenha o ritmo. Lembrese: o ouvinte deve entender o que você está falando. Preste atenção no que está lendo. Se for uma nota triste, não deve pronunciá-la transmitindo alegria. Da mesma forma, se for alegre, não anuncie com tristeza. Depois de ler a página do script, se em papel, faça uma marca para identificar que já foi lido. Se na tela do computador, sinalize de alguma forma, por exemplo, mudando a cor das letras ou inserindo um OK no final do texto já lido. Ênfase deve ser dada nas palavras-chave, importantes para o esclarecimento da notícia. A síntese de rádio exige narrativa mais veloz. Saiba como usar o silêncio, que pode revelar insatisfação, ironia, indignação ou consternação.

NAVEGANDO NAS ONDAS DO RÁDIO

NAVEGANDO NAS ONDAS DO RÁDIO OFICINA Nº: 01 ANEXO 1A NAVEGANDO NAS ONDAS DO RÁDIO ÁREA: Educomunicação FAIXA ETÁRIA: 13 a 16 anos. ROTEIRO DE PAUTA A pauta de rádio tem por objetivo oferecer o maior número de informações para o repórter

Leia mais

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 Cronograma Cobertura jornalística e Webwriting Fotojornalismo Radiojornalismo Telejornalismo

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Dominando os Meios de Comunicação

Dominando os Meios de Comunicação Dominando os Meios de Comunicação CORTESIA DE Save the Children Young People s Press Prep. para os Meios de Comunicação Conhecendo os Meios de Comunicação Você deve saber que tipo de entrevista vai dar:

Leia mais

REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL

REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL Andréa Cristiane Carneiro 1 Davi Rocha de Lima 2 Julia Formis Giglio 3 RESUMO A Revista Ponto e Vírgula é uma

Leia mais

TÉCNICAS DE ENTREVISTA

TÉCNICAS DE ENTREVISTA TÉCNICAS DE ENTREVISTA Preparação para a entrevista Antes de sair para campo, prepare-se: 1) Conheça seu gravador. Verifique se há trava para iniciar a gravação. Em caso negativo, leve as pilhas separadamente

Leia mais

Aleitamento Materno O Banco de Leite Humano de Juiz de Fora 1

Aleitamento Materno O Banco de Leite Humano de Juiz de Fora 1 Aleitamento Materno O Banco de Leite Humano de Juiz de Fora 1 Angeliza Lopes AQUINO 2 Tâmara Lis Reis, UMBELINO 3 RESUMO: A Doação de Leite Materno é, certamente, um dos gestos mais nobres que uma mulher

Leia mais

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio Produzir para Rádio Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio 2 de 12 CJF Conselho de Conteúdo 1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 3 2. DESCRITIVO DO PROCESSO... 5 2.1 ENTRADAS/INSUMOS... 5 2.2 SAÍDAS

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

Guia de Reportagem. 4 passos para criar a sua Reportagem. Venda Proibida. Conteúdo do Guia: Jovem Protagonista Educomunicação

Guia de Reportagem. 4 passos para criar a sua Reportagem. Venda Proibida. Conteúdo do Guia: Jovem Protagonista Educomunicação Guia de Reportagem 4 passos para criar a sua Reportagem Conteúdo do Guia: Jovem Protagonista Educomunicação Caminhos da reportagem Venda Proibida Guia desenvolvido pelo Instituto Faça Parte. Créditos:

Leia mais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais Objetivo desta Aula Apresentar dicas de como preparar apresentações Ronaldo Lopes Oliveira Especialização em Produção de Bovinos DPA/MEV/UFBA 2007 Apresentar dicas de como fazer a apresentação Apresentar

Leia mais

Guia de Relacionamento com a Imprensa. www.treinamentodemidia.com.br

Guia de Relacionamento com a Imprensa. www.treinamentodemidia.com.br Guia de Relacionamento com a Imprensa www.treinamentodemidia.com.br Apresentação Criar e manter uma imagem positiva para a sociedade é talvez o maior desafio profissional e pessoal de quem busca destaque,

Leia mais

JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1

JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1 JOVENS.COM: PROGRAMA AO VIVO DE RÁDIO E INTERATIVO 1 Bruno Botelho Bastos 2 Amanda Oliveira 3 Juliana Souza 4 Luciana Alves 5 Maria das Graças 6 Marcos Corrêa 7 RESUMO O programa Jovens.com foi realizado

Leia mais

Oficina de Radialismo

Oficina de Radialismo Oficina de Radialismo Projeto de Rádio Escolar Rádio Escolar: Exercícios práticos Vinhetas de Rádio Exemplos: O que são vinhetas? São pequenas gravações que usamos, geralmente, para reforçar uma informação.

Leia mais

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Humsol e a luta contra o câncer de mama 1 Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A reportagem foi realizada para a disciplina de Rádiojornalismo ainda no quarto

Leia mais

Tentarei falar o mais próximo possível de uma conversa com um estudante do começo da Graduação em Matemática.

Tentarei falar o mais próximo possível de uma conversa com um estudante do começo da Graduação em Matemática. Não há regras rígidas para um estudo com sucesso. Cada um tem o seu modo de estudar; sozinho ou acompanhado, em casa ou na rua, com ou sem música, são algumas variáveis que podemos experimentar e avaliar

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Curso: 42501 JORNALISMO Disciplina: Audiojornalismo Professor(es): Lenize Villaça Cardoso Márcia Detoni Núcleo Temático: Processos e Produtos Jornalísticos

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 1

Linguagem Radiofônica Aula 1 Linguagem Radiofônica Aula 1 Características do rádio: o veículo companheiro Você escuta rádio? Quais emissoras você ouve? Você presta atenção às peças comerciais? Que tarefas você faz enquanto escuta

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

Família de retalhos 1

Família de retalhos 1 Família de retalhos 1 Bruno da Silva BATISTON 2 Bianca Amorim dos SANTOS 3 Cesar Massaki Techima SOTO 4 Daniel LEMES 5 Jessica Bahia MELO 6 Mariane Pires VENTURA 7 Milena LUMINI 8 Wesley Klimpel do NASCIMENTO

Leia mais

RADIOFAM PROCEDIMENTOS

RADIOFAM PROCEDIMENTOS RADIOFAM PROCEDIMENTOS PARA QUEM ESTAMOS FALANDO (ouvinte interno e externo) I - CONHECER O INTERNAUTA Telefone; E-mail; Participação direta no estúdio ou saguão; Avaliação da programação (interna e externa);

Leia mais

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE

PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE PROGRAMA RADIOZINE 1 Sâmila Braga CHAVES 2 Faculdade 7 de Setembro FA7, Fortaleza, CE Resumo O programa Radiozine é um projeto desenvolvido para a disciplina de Projeto Experimental em Jornalismo Eletrônico,

Leia mais

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Como ler mais rapidamente Usando o leitor do SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Enquanto lê, você muitas vezes: "Ouve" cada palavra

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Guia prático para dirigentes sindicais

Guia prático para dirigentes sindicais FALAR COM A IMPRENSA NÃO É UM BICHO DE SETE CABEÇAS Guia prático para dirigentes sindicais Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região www.sindmetalsjc.org.br APRESENTAÇÃO O Sindicato dos

Leia mais

Se você já possui experiências em lançar um produto, por que não se lançar ao mercado de trabalho, ou identificar melhores oportunidades?

Se você já possui experiências em lançar um produto, por que não se lançar ao mercado de trabalho, ou identificar melhores oportunidades? Se você já possui experiências em lançar um produto, por que não se lançar ao mercado de trabalho, ou identificar melhores oportunidades? Não esqueça que o produto a ser vendido é você. Definição do Produto:

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

APRENDENDO A APRENDER

APRENDENDO A APRENDER UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ COORDENADORIA DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO APRENDENDO A APRENDER LOREM IPSUM AaBbCc ax 2 + bx + c = 0 ax 2 + bx + c x 2 y Prezado aluno, seja bem-vindo à Universidade Tuiuti

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade.

Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade. Sou Patrícia Arantes, diretora da agência RZT Comunicação e psicanalista. Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade. A comunicação eficaz se dá por uma

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Veja 100 dicas para passar em concursos públicos

Veja 100 dicas para passar em concursos públicos Veja 100 dicas para passar em concursos públicos Concurso público é a opção escolhida por milhares de pessoas que estão em busca de segurança e bom salário. Depois de tantas colunas sobre o tema, reuni

Leia mais

Projeto Escreve Cartas: a escrita como um gesto solidário 1

Projeto Escreve Cartas: a escrita como um gesto solidário 1 Projeto Escreve Cartas: a escrita como um gesto solidário 1 Drielle Sá CERRI 2 Andréa Perrone Martins COSTA 3 Bárbara Anny de Toledo GOTHA 4 Carolina Abrahão Rodrigues CARGUEJEIRO 5 Luisa Purchio HADDAD

Leia mais

Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1

Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1 Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1 Édria Caroline de Melo PIMENTE 2 Rosianne Cristina COUTO da Silva 3 David Simplício dos SANTOS 4 Isabelle

Leia mais

BULLYING Documentário para rádio 1

BULLYING Documentário para rádio 1 BULLYING Documentário para rádio 1 Tommy Elton MAQUINÉ 2 Thalles ATAIDE 3 José CARDOSO 4 Maria Conceição RETROZ 5 Neliã ALFAIA 6 Edineide Ferreira Batista 7 Jonária França 8 Faculdade Boas Novas, Manaus,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT ACRESCENTANDO IMAGENS A APRESENTAÇÃO Algumas igrejas preferem o uso do multimídia para suas apresentações. Oferecendo a esses pastores uma apresentação

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

CAPÍTULO 3. Primeiros passos: preparando o discurso. A linguagem deve exprimir com clareza o pensamento. Isso é tudo. Confúcio

CAPÍTULO 3. Primeiros passos: preparando o discurso. A linguagem deve exprimir com clareza o pensamento. Isso é tudo. Confúcio CAPÍTULO 3 Primeiros passos: preparando o discurso A linguagem deve exprimir com clareza o pensamento. Isso é tudo. Confúcio Antes da apresentação Organize e classifique as fontes de todo o material que

Leia mais

Nas ondas do rádio produção de programa na Web

Nas ondas do rádio produção de programa na Web Nas ondas do rádio produção de programa na Web O rádio chegou ao Brasil na festa de centenário da Independência, em 7 de setembro de 1922. Hoje é um meio de comunicação amplamente difundido em nosso país,

Leia mais

10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO

10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO 10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO 10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO Todo cuidado é pouco quando se esta nas redes sociais. A sensação que a

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 6 Locução

Linguagem Radiofônica Aula 6 Locução Linguagem Radiofônica Aula 6 Locução Rádio é um veículo companheiro Quem ouve rádio pode fazer outras atividades ao mesmo tempo, por isso, a atenção é dividida. Daí a necessidade de um texto claro que

Leia mais

Comunicação Integrada em Vendas

Comunicação Integrada em Vendas Comunicação Integrada em Vendas Hélio Azevedo helio.azevedo@salestalent.com.br Agenda Percepção Objetivos de uma apresentação O orador Os tipos de público Os tipos de discurso O medo de falar Preparando

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO

OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL Módulo 2 - Áudio e vídeo Atividade 2.1 - Produzindo reportagens radiofônicas na escola Este curso é financiado com recursos

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING AULA 1 Treinamento em Operador de Telemarketing O que é Telemarketing? Será que TELEMARKETING é a mesma atividade de TELEVENDAS? Entendendo Marketing É um processo

Leia mais

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES JORNALISMO

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES JORNALISMO M I N I S T É RIO DOS D E S B RA V A DO R E S Esta é mais uma publicação do site, Guias de estudo para as especialidade do Clube de Desbravadores Volume 28 1ª Edição: Disponível em www.mundodasespecialidades.com.br

Leia mais

Manual do Usuário do ClaireExpress

Manual do Usuário do ClaireExpress Manual do Usuário do ClaireExpress Tudo o que você precisa saber para realizar uma teleconferência utilizando o ClaireExpress pode ser encontrado neste manual. Caso necessite de assistência adicional de

Leia mais

O ANews está baseado em três importantes pilares: a mobilidade, a comunicação eficiente e a facilitação do fluxo de trabalho.

O ANews está baseado em três importantes pilares: a mobilidade, a comunicação eficiente e a facilitação do fluxo de trabalho. ANews é o que você precisa O ANews chegou ao mercado para inovar. Não é mais um programa, é o software que os jornalistas precisavam e não existia. É muito mais que um simples programa, é um sistema que

Leia mais

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA Guia Prático Sistema EAD PRO-CREA Educação a Distância (EAD) Conheça a seguir algumas dicas de Netiqueta para uma convivência sociável e boas maneiras na web. Sugerimos fazer um teste para saber como você

Leia mais

{AM} agência midiamania MANUAL DA REDAÇÃO

{AM} agência midiamania MANUAL DA REDAÇÃO agência midiamania MANUAL DA REDAÇÃO EDIÇÃO 2. ABRIL/2015 WEBWRITTING escrevendo em camadas Para entender o comportamento da informação em ambientes virtuais, a melhor imagem é a da cebola. Imagine a primeira

Leia mais

[ Parte integrante da View 49 ] Curso Essilor. de Vendas. [Conferindo qualidade à venda na óptica] e se o cliente disser "não"?

[ Parte integrante da View 49 ] Curso Essilor. de Vendas. [Conferindo qualidade à venda na óptica] e se o cliente disser não? Curso Essilor 5 [ Parte integrante da View 49 ] de Vendas [Conferindo qualidade à venda na óptica] e se o cliente disser "não"? o clien e se o cliente disser u m "não" significa "NÃO", certo? Por incrível

Leia mais

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site Tutorial USERADM Inserindo conteúdos no site Como acessar o Administrador de Conteúdos do site? 1. Primeiramente acesse o site de sua instituição, como exemplo vamos utilizar o site da Prefeitura de Aliança-TO,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

#almoçocomnegócios. Escrever não é um bicho de 7 cabeças

#almoçocomnegócios. Escrever não é um bicho de 7 cabeças Flavia Rebello, integrante criativa da Biblio Ideias, mostra dicas de como ter uma boa escrita, e escrever posts para blog, com conteúdo relevante, e que prendam a atenção do leitor. Escrever não é um

Leia mais

Manual de Redação. Agência Megafone / Rádio Universitária Cesumar FM 1. Maringá/Paraná Julho de 2007

Manual de Redação. Agência Megafone / Rádio Universitária Cesumar FM 1. Maringá/Paraná Julho de 2007 1 Manual de Redação Maringá/Paraná Julho de 2007 2 manual 1) webwritting e edição Trabalhe com o raciocínio de camadas Para entender o comportamento da informação em ambientes virtuais, a melhor imagem

Leia mais

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária A arte da apresentação oral de trabalhos científicos Como se comportar durante a apresentação de um pôster em um evento científico? Fobia Social ou Timidez??? (Medo excessivo contato ou exposição social)

Leia mais

2010 Conforme a nova ortografia

2010 Conforme a nova ortografia 1ª edição 2010 Conforme a nova ortografia Copyright Reinaldo Polito, 2005 Direitos desta edição: SARAIVA S.A. Livreiros Editores, São Paulo, 2005 Todos os direitos reservados Editor: Rogério Carlos Gastaldo

Leia mais

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD o seu Site e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Conteúdo Introdução Escrever bem é um misto entre arte e ciência Seus conhecimentos geram mais clientes Dicas práticas Faça

Leia mais

Proposta de publicidade

Proposta de publicidade Proposta de publicidade Olá, prezado (a) Vimos por meio deste apresentar nosso Jornal e a nossa proposta de publicidade para seu negocio ou serviço, que segue-se adiante. Informação é fundamental nos dias

Leia mais

APRENDENDO A ESTUDAR. Ensino Fundamental - II

APRENDENDO A ESTUDAR. Ensino Fundamental - II APRENDENDO A ESTUDAR Ensino Fundamental - II Projeto Hábitos de Estudo 2012 Onde estudar? Reserve sempre o mesmo horário para estudar (duas a três horas diárias). Descubra o horário em que se sinta mais

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Por que é necessário se preparar?

Por que é necessário se preparar? TREINAMENTO DE MÍDIA Sandra Damiani Consultoria em Comunicação sandra_damiani@hotmail.com Oficina de Capacitação em Comunicação Lençóis, 03-05/mar/2015 Por que é necessário se preparar? - Jornalismo tem

Leia mais

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Ensino de Graduação PROEG Home Page: http://www.uern.br

Leia mais

Mídia Brasil Online Manual do Usuário

Mídia Brasil Online Manual do Usuário 1) Menu Principal O Menu Principal se estende no topo da tela do MBO, apresentando as seguintes opções: Clicar sobre cada uma dessas opções permite o acesso às diferentes seções do site. 2) Funções do

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015 REGULAMENTO I - AS CATEGORIAS São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 11 de Matéria Completa 3 de Texto 4 de Arte 4 de Fotografia 5 Digitais 2 Especiais Prêmio Roberto Civita Prêmio Matéria

Leia mais

Guia de Estudos - 2010

Guia de Estudos - 2010 Guia de Estudos - 2010 Queridos alunos, 1. Onde estudar? - Estude em um lugar silencioso, livre de ruídos e trânsito de pessoas; - O melhor lugar para o estudo é a mesa ou escrivaninha; - O local deve

Leia mais

Para tirar proveito máximo de uma aula, algumas técnicas são úteis:

Para tirar proveito máximo de uma aula, algumas técnicas são úteis: A ARTE DE ESTUDAR "O começo da sabedoria é encontrado na dúvida; duvidando começamos a questionar, e procurando podemos achar a verdade." (Pierre Abelard) Para tirar proveito máximo de uma aula, algumas

Leia mais

ÁREA: RÁDIO 49. (TRT23, 2011 Rádio e TV) Praticamente todos os softwares

ÁREA: RÁDIO 49. (TRT23, 2011 Rádio e TV) Praticamente todos os softwares ÁREA: RÁDIO 49. (TRT23, 2011 Rádio e TV) Praticamente todos os softwares de edição não linear de áudio, para um programa de rádio, por exemplo, permitem que uma narração seja sonorizada com uma música

Leia mais

Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1

Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1 Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1 Lucas Felipe JERÔNIMO 2 Mirna TONUS 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO O texto tem

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Karen Cristina Kraemer Abreu * UNISINOS- UNISUL Índice 1. O script e a organização do telejornal 2 1.1. Modelos de scripts para telejornalismo.............

Leia mais

COMO AUTOENTREVISTAR-SE PARA FAZER SUA HISTÓRIA PESSOAL

COMO AUTOENTREVISTAR-SE PARA FAZER SUA HISTÓRIA PESSOAL COMO AUTOENTREVISTAR-SE PARA FAZER SUA HISTÓRIA PESSOAL Tom Taylor, Fundador e Treinador da Pictures and Stories, Inc. INTRODUÇÃO As entrevistas são uma maneira fácil e eficaz de extrair histórias de sua

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Um estudo da Adequação do Rádio na Internet: o Surgimento das Webrádios 1

Um estudo da Adequação do Rádio na Internet: o Surgimento das Webrádios 1 Um estudo da Adequação do Rádio na Internet: o Surgimento das Webrádios 1 Gabriele Fernandes Siqueira 2 Gislaine Zanella 3 Camila Candeia Paz 4 Universidade do Contestado UnC Concórdia/SC RESUMO Os meios

Leia mais

MÓDULO RÁDIO Regra2 PLUS

MÓDULO RÁDIO Regra2 PLUS Rede Talk Rádio Soluções em Radiodifusão. 0800 770 1825 MÓDULO RÁDIO Regra2 PLUS 1. Introdução Modulo Radio Regra2 Plus é uma aplicação destinada as Emissoras de Rádio que deseja obter maior qualidade

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba.

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. Objetivos: Capacitar os pontos focais de cada Comitê Afluente que trabalhem diretamente

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

COMO ESCREVO UM PRESS-RELEASE?

COMO ESCREVO UM PRESS-RELEASE? COMO ESCREVO UM PRESS-RELEASE? Press-release é um resumo curto de uma notícia, que você pode usar para propor a jornalistas que escrevam uma reportagem sobre ela. A característica mais importante é que

Leia mais

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais