Duas óticas sobre a saúde pública brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Duas óticas sobre a saúde pública brasileira"

Transcrição

1 ISSN Duas óticas sobre a saúde pública brasileira Novo modelo de gestão da AMBr apresenta seus primeiros resultados CFM e SBGG condenam práticas de medicina antienvelhecimento Festa do Médico 2012 da AMBr: dia 20 de outubro viaje num sonho tropical

2

3 ISSN Editorial É uma alegria para nós, editores da revista Médico em Dia, poder inaugurar essa nova fase da publicação da AMBr oferecendo a você, nosso leitor, uma viagem por temas tão relevantes e interessantes. Procuramos fazer uma revista diversificada, isenta e agradável de ler, que informe, que abra necessário espaço para o debate de temas polêmicos, mas que também suavize a mente e alma com arte, cultura, dicas e lazer. Duas óticas sobre a saúde pública brasileira Novo modelo de gestão da AMBr apresenta seus primeiros resultados CFM e SBGG condenam práticas de medicina antienvelhecimento Festa do Médico 2012 da AMBr: dia 20 de outubro viaje num sonho tropical A tônica desta edição especial é, sem dúvida, a mudança, claramente espelhada na própria publicação e na entrevista com o nosso Diretor de Comunicação, Paulo Feitosa, onde ele contextualiza as mudanças dos canais com as diretrizes estratégicas da atual gestão da AMBr. Mais filosoficamente a mudança se reveste de adaptabilidade na Palavra do Presidente como uma premissa para a sobrevivência das entidades de classe, assim como ocorre na natureza. A coluna Gestão da Saúde, do Dr. Elias Couto, segmenta o tema, mostrando que o mercado mudou e que médicos se tornaram empreendedores e hoje necessitam entender de gestão! A mudança está também subliminarmente nas temáticas políticas, onde os interlocutores divergem em seus pontos de vista, mas nunca sobre a necessidade de mudar. A Saúde Pública, consenso geral, precisa mudar! Óticas diferentes nas entrevistas deixam para o leitor a análise dos melhores caminhos. Já no perfil, temos a bagagem do Dr. Edson Porto, primeiro CRM de Brasília, um pioneiro que vivenciou a construção da nova capital do Brasil no meio do cerrado. Desta feita, a mudança se chamava sonho. No campo da saúde a matéria sobre os perigos das práticas de antienvelhecimento faz um alerta para aqueles que não querem deixar o tempo mudar sua aparência e fazem uso de hormônios sem efetividade comprovada. Mudanças, mudanças, cada vez mais rápidas e surpreendentes, nos deixando em meio a dúvidas e dilemas. Nem mesmo um livro ou um filme são os mesmos quando o lemos ou vemos pela segunda vez, pois nós já não somos mais os mesmos! A mudança É, não há como evitar. Somos afetados todo o tempo por nossas experiências exteriores e interiores, num processo contínuo de evolução e adaptabilidade. Esperamos que gostem da revista tanto quanto nós gostamos de criá-la para você. Uma ótima leitura! Cristiane Kozovits Editora- Chefe

4 Diretoria Executiva Dr. Luciano Gonçalves de Souza Carvalho Presidente Dr. Evaldo Trajano Filho Vice-Presidente Dr. Jorge Gomes de Araujo Diretor Administrativo Dr. Carlos Jose Sabino Costa Diretor Econômico-Financeiro Dr. Elias Couto e Almeida Filho Diretor de Planejamento Dr. Paulo Henrique Ramos Feitosa Diretor de Comunicação e Divulgação Dr. Luiz Augusto Casulari Roxo da Motta Diretor de Editoração Científica Diretor Científico e de Ensino Médico Continuado Dr. Fernando Fernandes Correia Diretor Social e de Atividades Culturais Dra. Olimpia Alves Teixeira Lima Diretora de Relações com a Comunidade Conselho Fiscal TITULAR Dr. Márcio de Castro Morem Dra. Alba Mirindiba Bonfim Palmeira Dr. Ognev Meireles Cosac SUPLENTE Dra. Elza Dias Tosta da Silva Dr. Alexandre Barbosa Sotero Caio Dr. Bolivar Leite Coutinho Delegados EFETIVOS Dra. Edna Marcia Xavier Dr. Alexandre Morales Castillo Olmedo Dr. Jose Nava Rodrigues Neto Dr. Carlos Alberto de Santa Ritta Filho Dr. Eudes Fernandes de Andrade Dr. Sergio Tamura Dr. Aloísio Nalon Queiroz SUPLENTES Dr. Adalberto Amorim de M. Junior Dr. Antonio Geraldo da Silva Dr. Bruno Vilalva Mestrinho Dr. Baelon Pereira Alves Dr. Roberto Cavalcanti Gomes de Barros Dr. Roberto Nicolau Cavalcanti de Souza Dr. Alcides de Oliveira Dourado Filho Conselho Editorial Dr. Luciano Gonçalves de Souza Carvalho Dr. Evaldo Trajano Filho Dr. Paulo Henrique Ramos Feitosa Dr. Luiz Augusto Casulari Roxo da Motta DIRETOR RESPONSÁVEL Paulo Henrique Ramos Feitosa EDITORA-CHEFE Cristiane Rodrigues Kozovits JORNALISTA RESPONSÁVEL Marina Gomes Barbosa (RP: /2011 DF) REVISÃO Maria Carolina Lopes (RP: 7190/DF) FOTOGRAFIA André Muniz EDITORAÇÃO Grifo Design COMERCIALIZAÇÃO AMBr Glória Santana (61) (61) IMPRESSÃO Ideal Gráfica e Editora TIRAGEM exemplares Médico em Dia é uma publicação da Associação Médica de Brasília AMBr SCES Trecho 3 Conj. 6 (61) REDAÇÃO Revista cultural de distribuição gratuita. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores.

5 Sumário 8 Tribuna O presidente da Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados, deputado Luiz Henrique Mandetta, faz um balanço das principais propostas em tramitação na Casa. 12 Entrevista O diretor de Comunicação e Divulgação da AMBr, Dr. Paulo Feitosa, comenta as mudanças na área de Comunicação da Associação. 39 Especialidade Médica A presidente da Associação Brasiliense de Medicina do Trabalho Abramt, Dra. Rosylane Rocha, assina um artigo sobre os agravos à saúde do trabalhador e sua relação com as atividades laborais e com o ambiente do trabalho 28 Especial O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, fala do seu trabalho desenvolvido no ministério e sobre a situação da Saúde Pública do país. 46 Perfil A história de Dr. Jorge Porto, o primeiro CRM de Brasília, que chegou ao que seria a nova capital no dia 04 de dezembro de Olhar Social 19 Terceira Idade 22 Jovem Médico 27 Dia do Médico 31 Destinos 52

6

7 Palavra do Presidente Presidente da Associação Médica de Brasília AMBr Darwinismo Associativo Darwin afirmou que a evolução procede por pequenas mudanças sucessivas num processo contínuo de adaptação ao meio. Adaptar-se é uma questão de sobrevivência. De fato, a observação da dinâmica da vida nos faz concordar com Darwin quando ele diz que não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças. No mundo das organizações temos inúmeros exemplos disso. Sólidas instituições do mercado quebraram por demorarem a perceber que o mercado mudou, que os desejos dos consumidores mudaram, que a concorrência avançava em inovação. Casos emblemáticos como a falência da Varig e do Mappin se repetem em todo o mundo e são mais frequentes na era tecnológica, onde as mudanças se aceleram. Em todo o país são formados cerca de 16 mil médicos anualmente, sendo que este número poderá chegar a 20 mil em Hoje atuam no Brasil 360 mil médicos, mas enquanto este número aumenta, paradoxalmente, observamos o encolhimento das entidades de classe que representam a categoria e defendem o mérito da medicina. A representatividade está enfraquecida e, com ela, esmaece nossa capacidade de intervir nas políticas públicas de promoção à saúde, no planejamento da formação médica, na forma e oferta de saúde suplementar e em outros temas importantes para a defesa da qualidade do serviço prestado à população, acima de tudo. Algumas entidades isoladamente conseguem desenvolverse e adaptar-se, mesmo permanecendo pequenas. Criamos alguns braços fortes, mas o corpo está enfraquecido. A reflexão inadiável é a de como podemos nos adaptar aos novos tempos e superar paradigmas que não fazem mais sentido. Precisamos evoluir, promover mudanças, unir esforços e encontrar caminhos para a perenidade. Temas como certificação, qualidade do ensino em medicina, graduação no exterior, honorários médicos, tabela do SUS, regulação, novas tecnologias, protocolos, méritos e titularidade precisam de novos olhares e esse papel cabe, em grande parte, a nós, gestores e médicos que compõem as entidades de classe da área de saúde. As entidades associativas não escapam a este modelo de evolução: precisam adaptar-se aos movimentos sociais e perceber, dentro deles, quais os mares a navegar. O segmento de Saúde, especialmente, vem passando por metamorfoses complexas que afetam toda sua cadeia. A sobrevivência das entidades do setor depende da observação contínua das mudanças que vão se consolidando. A prospecção de cenários aponta a Saúde como uma das três áreas de maior aquecimento progressivo na próxima década. Investimentos em tratamento, prevenção, tecnologia médica, qualidade de vida, pesquisa, formação e qualificação profissional serão a tônica dos próximos anos. 7

8 Tribuna Deputado Federal Analisar, votar e atuar em projetos que dizem respeito à Assistência Social, Previdência, Saúde e à estrutura da família. Essa é a tarefa da Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados. Prestes a completar seis meses à frente da Comissão de Seguridade Social da Câmara, o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MT) concedeu uma entrevista polêmica à Revista Médico em Dia, onde fez um balanço das principais propostas em tramitação na Casa, criticou a falta de investimentos do governo federal na saúde pública, a abertura indiscriminada de faculdades de medicina no país e a atuação no Brasil de médicos formados no exterior. 8 Mandetta faz ainda um alerta a respeito do modelo de saúde suplementar brasileiro. Esse é um sistema que está caminhando para o colapso, afirma. O senhor é presidente da Comissão de Seguridade Social, qual são os principais desafios enfrentados? Essa é uma Comissão das mais antigas do Congresso Nacional. É uma Comissão que tem a competência de analisar os projetos que dizem respeito à Assistência Social, Previdência, Saúde e a todos aqueles que afetam a estrutura da família. Portanto, tem um espectro muito grande, muito vasto de atuação. Tem um número de projetos muito extenso, com grande número de audiências públicas, requerimentos, atuações e fiscalizações. O meu grande desafio é exatamente selecionar, como presidente, aqueles projetos que têm que ter um andamento mais célere, fazer essa diferenciação e dosar um equilíbrio de projetos que dizem respeito às quatro áreas de atuação. Quais os principais projetos em tramitação na Casa na área da saúde pública? Neste ano, enquanto presidente, nós tivemos alguns projetos considerados históricos. No dia 4 de setembro conseguimos levar ao Plenário da Câmara, como projeto prioritário da Comissão de Seguridade Social, o projeto que garante uma série de inclusões aos portadores de autismo. No que diz respeito à Previdência, plano de saúde e educação, é uma carta de garantias. O autista ficava fora de muitos benefícios. Já que fisicamente ele não tem uma deformidade, ficava fora de uma série de políticas públicas. Nós tivemos também, no primeiro semestre, no caso específico da classe médica, o andamento de um projeto que está tramitando há oito anos no Congresso, que estabelece o vínculo de contrato entre os trabalhadores médicos e as operadoras de plano de saúde.

9 Na prática, estabelece a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) como um parâmetro de utilização. Isso acaba com a discussão do CADE, se isso é direito econômico ou não. O projeto traz a tabela para a lei, estabelece um período anual de reajuste no contrato e coloca os direitos e deveres neste contrato. O mérito do projeto já foi discutido e aprovado. O projeto é terminativo na CCJ e esperamos que seja votado até o final deste ano. Este é um capítulo importante na luta dos direitos da classe médica. Fizemos alguns avanços no que diz respeito aos direitos das pessoas com deficiência, alinhando as políticas públicas com a convenção mundial das pessoas com deficiência. Isso influiu diretamente no novo Código de Processo Civil, onde a pessoa com deficiência não mais será taxada de incapaz. Ela passa a ter a sua responsabilidade civil. Um exemplo é o físico inglês Stephen Hawking. Pela lei brasileira, ele seria considerado incapaz, teria que ter um tutor, mas é o maior físico do mundo. O senhor apresentou também um requerimento, sugerido pelo deputado Eleuses Paiva (PSD-SP), para a Comissão de Seguridade Social e Família realizar um seminário com a finalidade de discutir a necessidade de formação de um número maior de médicos, bem como ingresso de profissionais estrangeiros ou brasileiros formados em universidades no exterior. O senhor acredita que essa é uma das soluções para a falta de atendimento nos hospitais públicos? Não, o seminário foi proposto para começar uma discussão e um posicionamento. Nós temos escutado muito o governo articulando e falando de abertura indiscriminada da atuação de médicos formados fora do Brasil. Nós temos escutado ameaças contra o Revalida, que é o exame de revalidação do diploma médico. E isso nos causa muita preocupação porque, na minha opinião, a qualidade do atendimento vai ser jogada no ralo se o Brasil assim proceder. Nós temos a responsabilidade de alertar a sociedade do risco que será uma abertura indiscriminada para atuação de médicos formado fora do país, coisa que nenhum país do mundo faz. Esse seminário foi realizado exatamente no sentido de escutar a sociedade e instrumentalizar os deputados para que eles possam ter uma posição muito clara no momento que o governo tomar essa atitude. Eu espero que não tome. Mas já existe um projeto ou uma decisão do governo? Não, o que existem são ruídos. Eu tenho escutado comentários. O governo não fez esse documento, não fez uma Medida Provisória. A gente escuta de pessoas que estão dentro do governo, que eles pensam em abrir para voluntários formados no exterior o Programa de Saúde da Família. Esses voluntários ficariam dois anos em locais determinados pelo Ministério da Saúde, tutorados por uma universidade pública e que, ao final de dois anos, eles teriam o diploma automaticamente revalidado. Isso é o que eu tenho escutado como ruído, mas isso não é um projeto de lei, nem uma MP. Mas quando a gente vê o ministro da Saúde, em todas as ocasiões que ele vai falar sobre o tema, falar que o Brasil possui uma relação médico por habitante inferior à necessária, provocando a imprensa, saindo editoriais de terceiros dizendo que precisa de mais médico, a gente começa a se preocupar. O governo está preparando o ambiente para uma medida desse tipo. O problema do Brasil é a má distribuição, o Governo Federal não acena com uma política de estado, uma carreira de estado para os profissionais de saúde, para preencherem as lacunas da atenção básica, com vínculo qualificado, com salário em dia e bem remunerado. O Brasil não interioriza as condições da prática da medicina e quer interiorizar o médico, mas não coloca laboratório, não coloca profissionais na equipe. O médico tem que ir para o interior para fazer 100% de tudo, essa medida de abrir para médicos formados fora do país me parece uma grande enganação frente a um problema estrutural muito grande. Se você colocar o médico e não colocar as condições para a boa prática, ele vai ser um mero encaminhador de pessoas para os grandes centros. Vai aumentar a concentração de médicos nas cidades que têm algum recurso tecnológico. O Brasil tem hoje 1,8 médicos para cada 100 mil habitantes, o ministro acha que três médicos é o número ideal para 100 mil habitantes. Ou seja, o ministro quer dobrar o número de médicos. Nós somos 300 mil médicos e ele quer aumentar para 640 mil médicos. Hoje, esses 300 mil médicos que trabalham no Brasil solicitam em média, cada um, três exames por consulta. Esses 300 mil médicos solicitam em torno de 900 mil exames e temos uma fila enorme de espera para fazer um ultrassom, para fazer uma tomografia, uma ressonância, porque não temos esses recursos. Se só dobrarmos o número de médicos, vamos passar para uma capacidade de solicitação que também vai dobrar. Vamos Se você colocar o médico e não colocar as condições para a boa prática, ele vai ser um mero encaminhador de pessoas para os grandes centros. 9

10 Tribuna LUIZ HENRIQUE MADETTA 10 passar para 1,8 milhões de solicitações. Ou seja, a judicialização da demanda oriunda da presença do médico vai explodir nos tribunais. Não adianta fazer um projeto isolado, ele tem que ser uma decisão política que o Brasil vai ter que fazer em um determinado momento. A sociedade vai ter que optar e os eleitos do Executivo Federal vão ter que decidir se querem fazer saúde de qualidade ou se querem continuar com essa enganação que eles estão fazendo, que é requentar sistematicamente políticas públicas de saúde. O senhor foi relator da Subcomissão Especial destinada a avaliar o Sistema de Saúde Complementar. Qual a sua opinião a respeito dos planos de saúde no Brasil? Esse é um sistema que também está caminhando para um processo de colapso porque o modelo, a proposta dele é equivocada. É um sistema centrado na doença e não na prevenção. Ele tem reajustes pela Lei 9.656/98 por faixa etária, baseado na utilização, o que penaliza muito as pessoas de terceira idade. Acima de 60, 70 anos, o preço é proibitivo. Em um país que está aumentando a expectativa de vida e que dentro de 20 anos vai ter mais pessoas acima de 60 anos do que abaixo de 20 anos, significa que não haverá renda para pagar o plano de saúde, se continuar o reajuste no patamar que está. A legislação atual desagrada os trabalhadores da saúde. Os médicos, principalmente, são os mais penalizados porque não têm contrato de trabalho, não têm dissídios, foram entregues às leis de mercado. E todas as vezes que o detentor da força do capitalismo se depara com o detentor da força do trabalho, o capital sempre leva vantagem frente ao detentor da força de trabalho. Principalmente quando a força de trabalho é desorganizada pelo ponto de vista sindical e associativo. Os consumidores batem recorde em todos os Procons do Brasil, com queixas sobre o não cumprimento de regras contratuais, e temos ainda uma Agência Nacional de Saúde que é formada basicamente com diretores oriundos das operadoras mercantis de planos de saúde, cujo objetivo é dar retorno a essas operadoras, que têm ações na bolsa de valores. Elas têm que dar lucro. Dessa forma temos um coquetel explosivo nesse setor. Fizemos uma proposição de se colocar na ANS (Associação Nacional de Saúde Suplementar) uma estrutura deliberativa, com a participação paritária desses atores, trabalhadores, operadores e consumidores, para que a gente pudesse ter uma decisão mais harmônica e não focada em dois ou três diretores. Mas o lobby das operadoras de saúde impediu que o relatório fosse sequer votado. Neste ano eu designei um grupo de trabalho para apresentar no final do ano à Comissão de Seguridade Social as suas conclusões, que passam com certeza pela revisão do Marco Regulatório da Lei Geral dos Planos de Saúde. Esse grupo de trabalho tem o prazo até novembro para entregar as suas conclusões e o deputado Saraiva Felipe (PMDB-MG) é o coordenador. Em sua opinião, qual o maior problema da saúde pública no país? Primeiro é natural que tenha desafios porque o nosso sistema de saúde pública foi definido na Constituição de A municipalização começou de fato a ocorrer uma década depois, em Então nós temos somente 14 anos de construção do SUS (Sistema Único de Saúde). É muito pouco tempo para se cobrar para que todos os problemas estivessem resolvidos. Mas o que mais me preocupa, o que é uma pedra no sistema de saúde, é que ele tem que ter a participação dos três entes da federação: do município, do estado e da União. Quando nós fizemos a regulamentação da Emenda 29, ficou definido o percentual mínimo de investimento para municípios e para estados. A União está desobrigada de colocar qualquer percentual mínimo na Saúde. E a União vem diminuindo ano após ano a sua participação no financiamento da Saúde e transferindo os deveres de atendimento para o município sem a transferência proporcional de recursos. Isso está gerando uma insatisfação de Norte a Sul do Brasil, insatisfação da população sempre em direção aos secretários municipais e aos prefeitos. Os prefeitos estão todos no limite dos seus investimentos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, os estados agora que estão obrigados a investirem 12% e a União está sem nenhum tipo de obrigação na saúde pública e está sem o desgaste político também pela crise da saúde pública. Então esse é o maior problema, é a gente achar espaço para que o governo federal se obrigue a investir na Saúde. O governo tem uma base aqui no Congresso Nacional de 480 deputados que só votam aquilo que o Governo Federal autoriza votar. Como não existe espaço para iniciativa parlamentar, a iniciativa da Associação Médica Brasileira, da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), das entidades de se coletar 1,8 milhões de assinaturas no Brasil afora para dar entrada em um projeto de iniciativa popular vai servir exatamente para provocar no Executivo a retirá-lo da zona de conforto em que ele se encontra hoje, optando para que, ao invés de investir os recursos na saúde, ele está investindo em trem bala, que não vai servir para produzir nada, para fazer estádio de futebol, para fazer Olimpíadas, para fazer viaduto e etc. Talvez esse seja hoje o grande problema e o grande desafio da sociedade civil organizada, deixar claro que o maior arrecadador de impostos, que é o governo federal, não pode colocar a quantidade ínfima que ele coloca na saúde, que não tem parâmetro em nenhum país com a arrecadação que temos no Brasil. O senhor acha que a Farmácia Popular teve mais impacto na saúde do brasileiro do que o genérico? Eu acho que a Farmácia Popular, para as cidades que tinham boa estrutura de medicamentos na Rede Pública, não teve grande impacto. Mas naquelas cidades onde a saúde não conseguia dar uma boa lista de medicamentos,

11 o impacto foi muito bom para as pessoas. Me preocupa muito na Farmácia Popular a fragilidade do controle, vamos supor que sejam 10 farmácias por município, em média, seriam 50 mil estabelecimentos cadastrados, se você tiver uma fraude de mil reais por mês, você terá uma fraude que chega a bilhões ao ano. Não há nenhum tipo de controle e me preocupa muito essa falta de controle na Farmácia Popular. Ao ponto de, na sessão de 05 de setembro, na Comissão de Seguridade Social, eu ter solicitado junto com os deputados uma audiência pública pedindo esclarecimentos ao governo e solicitar um levantamento mais preciso desses números, porque em tempo de poucos recursos não dá para deixar ralos para que haja desperdício. Nós sabemos que fazer compras de insumos e medicamentos é uma coisa bastante complicada, sob o risco de ser plicada a Lei nº Falta gerenciamento e dinheiro ou falta muito mais dinheiro do financiamento para se atingir um padrão de qualidade no SUS? Acho que as duas coisas. Por exemplo, para se cumprir a lei na compra de insumos e medicamentos você tem o uso do pregão eletrônico, com registro de preços que me garante o preço por um ano. Acabou-se com aquela morosidade da licitação de papel, e abriu-se a concorrência para o mundo via internet. O bom gestor de aquisição de insumos e medicamentos já optou por esse formato, que garante para ele compra em escala, barateamento de preço, formação de consórcios intermunicipais. Claramente é um processo de gestão. Agora, quando você chega ao ponto de falar que não vai comprar mais kits para laboratório, por conta de recursos de orçamento, claramente vemos a falta de financiamento, é um sistema que tem um mix dos dois, é um sistema que tem problemas de gestão e baixíssimo financiamento. Experiências exitosas de gestão existem. O que a gente não está vendo são experiências exitosa de financiamento. Recentemente a presidenta tomou uma decisão de abrir mais vagas nos cursos de medicina na Brasil, com o viés de acabar com a regionalização da categoria, com a intenção de suprir a falta de médicos em várias regiões brasileiras. Qual a sua opinião? O problema é que temos uma má distribuição. Agora com essa abertura indiscriminada de faculdades de medicina, nós hoje já pagamos um preço pela baixa qualidade do médico que está se formando. E com essa abertura indiscriminada, em locais que não têm um hospital-escola, não têm internato, não têm professores concursados, não têm profissionais qualificados para ensino, nós devemos piorar a formação médica no Brasil. Nós já tivemos no passado uma medicina de excelente qualidade, hoje nós somos uma medicina mediana, com alguns centros de alta qualidade. Com esse tipo de política nós devemos ter uma medicina crítica, abaixo do nível de qualidade desejado. O governo se esconde atrás da sua falta de cobrança por qualidade de ensino, não permite exames que atestem a qualidade, como é o do Conselho de Medicina de SP, para o exercício do profissional de medicina, abre faculdades sem fechar nenhuma daquelas que estão entregando profissionais mal formados, não exige investimentos em laboratórios, pesquisa, eles querem abrir as portas e dar bolsas e cotas como se medicina fosse uma atividade meramente burocrática. E não é. Medicina é uma arte, leva tempo, leva capacidade muito forte de transmissão de conhecimento pelo professor, é um curso que exige uma transformação daquele jovem que entra com o desejo de ser médico em um profissional ético, em um profissional humanizado, capacitado, motivado, coisa que o Brasil não oferece, coisa que o governo não quer discutir. O Brasil quer simplesmente fazer número. A Comissão de Seguridade Social da Câmara aprovou recentemente um projeto de sua autoria que susta uma decisão da Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, que proíbe o CFM, a AMB e a Fenam de promover paralisações coletivas de médicos e movimentos para descredenciamento de planos. Como foi essa decisão? Isso aí foi uma decisão tomada lá na Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça, logo no início de 2011, quando houve um dia de paralisação de advertência contra os abusos praticados pelos planos de saúde. Eles desengavetaram uma denúncia de 2002, que estava arquivada. Essa denúncia dizia respeito a uma assembléia do interior de SP. Eles tomaram esta decisão claramente influenciados pelo lobby das operadoras de planos de saúde, que provavelmente atuaram junto aos membros dessa secretaria de direito econômico. Nunca, nem na ditadura, nem na Lei Falcão, que proibia a imprensa de se manifestar, eu vi uma proibição de uma associação, de um sindicato, de um conselho, que é uma autarquia federal, nunca tinha ouvido falar de proibir de se manifestar. Isso é ditadura, é censura, isso é de péssimo exemplo para um país que quer ser democrático, vindo de um Ministério da Justiça, de um órgão ligado ao Ministro da Justiça, que devia ter o dever de zelar pela democracia. Foi um projeto de decreto legislativo para analisar esta nota e sustar os seus efeitos. Foi aprovada na Comissão de Seguridade Social e está agora na Comissão de Trabalho. 11

12 Entrevista Diretor de Comunicação e Divulgação da AMBr Diretor de Comunicação e Divulgação da Associação Médica de Brasília, Dr. Paulo Henrique Ramos Feitosa fez residência em Clínica Médica e Pneumologia, é especialista em Pneumologia pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia e mestre em Ciências Médicas pela Universidade de Brasília. Já foi chefe do serviço de Pneumologia do Hospital Regional do Gama, coordenador de Pneumologia da Secretaria de Saúde do Distrito Federal e atualmente é diretor geral do Hospital Regional da Asa Norte. Nesta entrevista, Dr. Paulo Feitosa vai comentar as mudanças implementadas na área de Comunicação da Associação, incluindo a remodelagem dos canais de comunicação da AMBr. Feitosa também adianta alguns aspectos da pesquisa de mercado feita pela AMBr para entender e interagir melhor com o associado. A AMBr está passando por mudanças na área de Comunicação. Quais os objetivos dessas mudanças? 12 As mudanças na área de Comunicação fazem parte de uma remodelagem mais abrangente na visão e no modelo de gestão da AMBr. Buscamos a profissionalização e a eficiência operacional num trabalho detalhado desenvolvido nos últimos seis meses. Investimos na melhoria dos processos e na organização interna, mas agora chegou a hora de olharmos para fora, ou seja: de ouvirmos nossos associados e de ampliarmos nosso relacionamento com eles, além de fazer investimentos seguros na ampliação de nossos serviços. Uma pesquisa de mercado acaba de sair do forno e, a partir de seus indicadores, vamos desenvolver o planejamento estratégico de Internalizar a comunicação neste momento foi estratégico para a Associação, que precisa repensar e expandir seus canais, modernizar sua linguagem e tornar mais interativa a relação com seus associados, parceiros e com a sociedade.

13 Quais os canais de comunicação que a AMBr possui hoje e efetivamente quais mudanças estão ocorrendo em cada um deles? Segundo a pesquisa que realizamos (que vocês vão conhecer os resultados na próxima edição), um dos canais mais utilizados pelos médicos para se informar é a internet. Por isso estamos investindo em um novo site, mais moderno, fácil de navegar e com informações dinâmicas e atualizadas. Ainda no meio digital queremos ampliar nosso acesso aos profissionais em formação, como os médicos residentes e os estudantes de Medicina e, por isso, vamos otimizar nossa comunicação no Facebook e outras redes sociais. Criamos o espaço Jovem Médico tanto no site como na revista para trazer informações e novidades relevantes para sua formação e cultura, na linguagem deles. A newsletter quinzenal da AMBr terá um foco mais voltado à circulação de assuntos pontuais de defesa dos interesses da categoria, com o intuito de estabelecer o debate dessas questões. A pesquisa também indicou as revistas especializadas como uma fonte de informação importante. Nesse sentido, mexemos drasticamente nas duas revistas da Associação. A nossa revista científica, a Brasília Médica, passou por mudanças de layout e, além de mais leve e bonita, virá com o miolo colorido, valorizando os conteúdos científicos que nela circulam. Já a AMBr Revista foi toda modificada. Agora chama-se Médico em Dia, como podem ver, e vem com um novo projeto editorial, vinte páginas a mais (agora serão 48) e periodicidade bimestral. Terá mais diversidade e mais relevância de temas. Falando na revista, por que o nome da publicação mudou e como foi feita a escolha do novo título? Mudou justamente para marcar a mudança. Queremos deixar claro que a revista é para atualização, valorização e entretenimento da classe médica, embora continue divulgando todas as atividades e serviços que a AMBr promove. É uma tarefa difícil unir as duas coisas: nossa divulgação com a notícia isenta, sem viés algum, como pretendemos trazer. Dê um exemplo. Um exemplo bom é a editoria Ponto e Contraponto. Ela abordará temas polêmicos de interesse da classe médica e vamos abrir espaço para que se manifeste quem é contra e quem é favor da ideia em questão, dando subsídios para o médico, nosso leitor, formar sua própria opinião. O nome Médico em Dia foi escolhido pela diretoria executiva em reunião, obtendo a melhor votação. Acreditamos que o nome reflita essa ideia de que a revista é da classe, feita para ela, que sabemos tem muito pouco tempo Somos considerada uma das melhores associações médicas do Brasil. Queremos manter o título e continuar melhorando, avançando com o bom trabalho que foi feito pela gestão anterior. e, por isso, tem que ser seletiva em suas leituras. Em textos leves vamos reunir um pouco de política, cultura, novidades científicas, oportunidades de qualificação, histórias interessantes e debates quentes em um só canal. Você falou na internalização da Comunicação na AMBr. Por que optaram por esse caminho quando o mercado cada vez mais terceiriza o que puder na gestão de uma empresa? Somos a favor da terceirização, mas em alguns momentos precisamos ir contra as tendências ao traçar diretrizes que mexam com paradigmas e cultura da instituição. Estamos na era do conhecimento e da interatividade virtual. A comunicação é mais do que nunca uma ferramenta estratégica que precisamos tratar com muita responsabilidade neste processo de mudanças que promovemos. Por ser estratégica entendemos que deve ser gerida internamente, por isso trouxemos profissionais experientes do mercado que irão trabalhar conosco na construção da imagem da Associação Médica de Brasília. Pensando em Marketing e Comunicação, qual o cenário que o senhor enxerga para 2013? Vejo que tudo que esta gestão veio trabalhando em 2012 dará frutos nos dois próximos anos. Está sendo feito um trabalho coordenado preparando a retaguarda para crescermos em todos os sentidos: mais e melhores serviços, mais oferta de qualificação e aprimoramento, reforço das parcerias atuais, mas também busca de novos parceiros para construirmos uma Associação forte e cada vez mais representativa. Somos considerada uma das melhores associações médicas do Brasil. Queremos manter o título e continuar melhorando, avançando com o bom trabalho que foi feito pela gestão anterior. Queremos também deixar um legado importante para os próximos gestores, pois a cada momento as necessidades mudam; mudam com os cenários dinâmicos da vida e, como diz nosso presidente Luciano Carvalho, na Palavra do Presidente desta edição, sobrevive quem sabe se adaptar as mudanças! 13

14

15 Cultura Manual de Oftalmologia A Cooperativa Editora Médica da Faculdade de Medicina da UFMG está lançando a segunda edição do Manual de Oftalmologia revisto, atualizado e ampliado, em versão digital. Para adquirir o livro: Loja virtual Manual de Oftalmologia Infanticídio: crime ou ficção jurídica O médico aposentado da Secretaria de Saúde, José Ribamar Ribeiro Malheiros, lançou recentemente o livro Infanticídio: crime ou ficção jurídica. Utilizandose de seu conhecimento como ginecologista e bacharel em Direito, Malheiros joga luz sobre um assunto controverso, que vem dividindo a opinião de especialistas das duas áreas ao longo dos últimos 72 anos. Com informações da Secretaria de Saúde do DF Resenha acadêmica descritiva O livro Artigos Científicos: como redigir, publicar e avaliar, de autoria do Prof. Mauricio Gomes Pereira, foi lançado recentemente pela Editora Guanabara Koogan. Com o objetivo de orientar os potenciais autores sobre como vencer as muitas barreiras na elaboração e publicação de artigos científicos, o livro aborda cada uma das etapas desse processo em 24 capítulos. 15

16

17 Radar DF tem banco de células-tronco A população do Distrito Federal conta agora com um banco particular de células-tronco de cordão umbilical. Foi inaugurada, na QI 15 do Lago Sul, a primeira clínica privada que oferece o serviço de coleta, congelamento e armazenamento do material biológico. Todo o processo custa em média R$ 3,5 mil além de mensalidade anual de R$ 500 para manutenção da unidade celular. Fonte: Correio Braziliense Contra abusos praticados pelas operadoras, médicos prometem boicote a planos Santa Lúcia é o primeiro hospital do DF a participar do Programa Brasileiro de Segurança do Paciente A convite do Instituto Qualisa de Gestão (IQG), o Hospital Santa Lúcia é a primeira instituição a integrar o Programa Brasileiro de Segurança do Paciente (PBSP) no Distrito Federal. Convidamos os hospitais que se interessam ou estão trabalhando como prioridade estratégica de sua organização a assistência ao paciente com qualidade e segurança, explica a coordenadora do PBSP, Milene Volpe. Entre os dias 10 e 25 de outubro, médicos de todo o país participarão de protesto nacional contra os abusos cometidos pelos planos e seguros de saúde. Para marcar o início da mobilização nacional, os profissionais realizarão atos públicos (assembleias, caminhadas e concentrações) nos estados em 10 de outubro. A partir de então, com base em decisões tomadas em assembleias locais, a categoria pode suspender, por tempo determinado, consultas e outros procedimentos eletivos por meio de guias dos convênios sem cobrança de valores adicionais que serão definidos como alvo pelas assembleias. As mobilizações serão articuladas pelas Comissões Estaduais de Honorários Médicos. Além de reajuste nos honorários, os médicos pedem o fim da interferência antiética das operadoras na relação médico-paciente. Também reivindicam a inserção, nos contratos, de índices e periodicidade de reajustes por meio da negociação coletiva pelas entidades médicas e a fixação de outros critérios de contratualização. Fonte: CFM Assim, o HSL servirá de multiplicador de boas práticas de gestão da segurança do paciente, auxiliando a implantar a iniciativa nos demais hospitais da região e, assim, contribuir para os objetivos do programa, que é salvar 50 mil vidas e evitar 150 mil danos por ano. 17

18 Radar Convênio entre AMBr e Unicred oferece benefícios exclusivos para associados A AMBr acaba de realizar mais uma parceria importante para seu associado. O convênio com a Unicred, cooperativa de crédito criada para os profissionais da área de saúde, oferece benefícios exclusivos aos associados. Na Unicred, o médico associado da AMBr terá vantagens como: assessoria financeira, condições diferenciadas de financiamentos e empréstimos, serviços de malote, seguros, entre outros serviços. Bactéria e novas vacinas podem livrar Brasil da dengue em poucos anos, prevê Ministério da Saúde O desenvolvimento de uma bactéria que contamina o mosquito Aedes aegypti, aliado à aplicação de vacinas contra a dengue, podem erradicar a doença no Brasil dentro de cinco a dez anos. A previsão é do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa. A Unicred Centro Brasileira é uma cooperativa de crédito com 20 anos de história. É uma instituição financeira sólida, autorizada pelo Banco Central e parte de um sistema nacional que tem mais de 260 mil cooperados em todo o país. Fortalecer o setor de saúde é também uma das principais missões da cooperativa. Na Unicred, o cooperado tem os produtos de uma instituição financeira com as vantagens de uma cooperativa. Passa então a ser dono e não cliente em sua própria instituição. Para informações, acesse o site: Enquanto as pesquisas com vacinas prosseguem em laboratórios, o desenvolvimento do método de combate com a bactéria Wolbachia já está em teste de campo na Austrália e começa a ser testada contra o Aedes aegypti, no Brasil. Os testes estão programados para Fonte: Agência Brasil 18 Cade freia planos da Rede D`Or no DF A aquisição de participações no capital social da Medgrupo e do Hospital Santa Lúcia pela Rede D OR foi congelada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Após negociações com a autarquia vinculada ao Ministério da Justiça, a rede de hospitais assinou um Acordo de Preservação de Reversibilidade da Operação (Apro), que estipula que as empresas mantenham a administração dos seus estabelecimentos separadas até que seja concluída a análise da negociação pelo órgão. Se descumprir a determinação, a Rede D Or terá que pagar multa de R$ 50 milhões, e os administradores dela, de R$ 5 milhões. Fonte: Correio Braziliense

19 Olhar Social AMBr faz doação ao Instituto Ápice Down Atuar com responsabilidade social é um desafio que a Associação Médica de Brasília busca em todas as suas atividades. A criação da Política de Responsabilidade Social da AMBr é um passo decisivo na sua história, que possibilita conhecer a realidade que nos cerca, assegura inserção social e a melhoria da qualidade de vida da sociedade. Dessa forma, a Associação entregou ao Instituto Ápice Down, no dia 04 de setembro, uma doação no valor de R$ Os recursos foram arrecadados pela AMBr com a venda de itens da decoração da Festa Junina da Associação. O presidente da AMBr, Dr. Luciano Carvalho, ao lado da diretoria da Associação, fez a entrega da doação à coordenadora do projeto, Nádia Quadros, e à segunda secretária, Iris Quadros. O Ápice Down é um projeto do Instituto Ápice em Saúde, que desenvolve projetos sociais de promoção de qualidade de vida e saúde à população carente do DF. O grupo também viabiliza o estágio supervisionado e promove a formação humanizada de profissionais. O Instituto atende hoje cerca de 170 crianças e realiza mais de mil atendimentos ao mês. Os serviços oferecidos são: fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, pilates down, pediatria, clínica médica, psicologia, pedagogia, oficinas de aprendizagem especial e rede colaborativa de inclusão profissional (banco de talentos). Conheça o Instituo Ápice pelo site Dia da criança Solidário AMBr promove campanha de arrecadação de brinquedos para serem doados à Creche Renascer Este ano a AMBr vai comemorar o Dia da Criança de uma forma diferente. A Associação convida todos os associados para participar da campanha de doação de brinquedos para crianças carentes da Creche Renascer. A Instituição cuida de crianças de 02 a 12 anos que vivem em situação de risco no Lixão da Estrutural. Os brinquedos doados serão entregues pelos próprios sócios em uma bela festa no dia 12 de outubro na AMBr, onde teremos atividades recreativas e delícias saborosas para as crianças: brinquedoteca, oficina de balão, pintura de rosto, contador de histórias, cachorro quente, picolé, algodão doce e pipoca. Faça a doação e traga seu filho para entregar pessoalmente o presente para seu afilhado ou afilhada, no dia 12 de outubro. Entre em contato com a nossa secretaria pelo telefone: (61) e diga que quer participar da campanha solidária do Dia da Criança. 19

20 Medicina & Arte Médicos 20 Henry Wellcome e a História da Medicina Mary Wellcome e seu marido, Solomon Cummings Wellcome, estavam muito felizes naquele 21 de agosto de O casal, que vivia do cultivo de batatas em sua fazenda em Almond, no estado americano de Wisconsin, viu nascer seu tão esperado filho, que recebeu o nome de Henry Solomon Wellcome. Henry cresceu na dúvida se seria farmacêutico ou médico como seu tio Jacob, um conceituado clínico em Garden City, no Estado de Minnesota. Após trabalhar em uma drogaria da família, criou gosto pelo comércio e pela produção de medicamentos. Cursou então Farmácia, tendo se graduado em 1874 no Philadelphia College of Pharmacy.

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais AUDIÊNCIA PÚBLICA REALIZADA NA COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS EM 28 DE JUNHO DE 2006 PARA INSTRUIR O PROJETO DE LEI DO SENADO Nº25, DE 2002, QUE DISPÕE SOBRE O

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017 INTRODUÇÃO O Plano de Ação do Sindicato-Apase adota como referencial de elaboração as Teses aprovadas no XI Fórum Sindical/2015, referendadas na Assembleia Geral Extraordinária Deliberativa de 11/12/2015.

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Propostas aprovadas no XII Enem

Propostas aprovadas no XII Enem Propostas aprovadas no XII Enem Tema I Formação Médica Ensino Médico 1. Exigir como requisitos mínimos para reconhecimento e revalidação dos cursos de Medicina: hospital próprio com quantidade suficiente

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS 2013

MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS 2013 A PARTICIPAÇÃO DO CIDADÃO NA CONSTRUÇÃO E NO MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS AGENDA CICLO ORÇAMENTÁRIO 2013 MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS 2013 MESA DA ASSEMBLEIA Deputado Dinis Pinheiro Presidente

Leia mais

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007)

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) Médico Pesquisador do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia.Ex-Coordenador

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar

As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar CAMARA DOS DEPUTADOS As Novas Tecnologias e o Processo Legislativo Parlamentar Lúcio Henrique Xavier Lopes XII Encontro da Associação dos Secretários- Gerais dos Parlamentos de Língua Portuguesa CAMARA

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber?

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber? PLANOS DE SAÚDE O que é preciso saber? Queridos amigos, Estamos muito felizes por concluir a nossa segunda cartilha sobre direitos atrelados à saúde. Este trabalho nasceu com o propósito de levar informações

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

Fórum. Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais

Fórum. Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais Fórum Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais Centro Infantil Boldrini Nov / 2013 José Alberto Vieira Saltini Importância do Terceiro Setor É inegável a crescente importância do Terceiro

Leia mais

Tema 1. Redução da Maioridade Penal

Tema 1. Redução da Maioridade Penal Tema 1 Redução da Maioridade Penal Questão que sazonalmente aparece nos meios de comunicação e é matéria de discussão acalorada na sociedade civil diz respeito à redução da idade de imputabilidade penal

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia... ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo...2 O Estado de S.Paulo...2 Vida&...2 Rede de bancos poderá facilitar transplantes...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...4 Nem tão exemplar...4 O

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS.

RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS. RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS. Com a participação de conselheiros do Conselho Nacional de Saúde (CNS) juntamente com

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA Minuta PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 189, de 2010 (Projeto de Lei nº 3.077, de 2008, na origem), do Poder Executivo, que altera a Lei nº 8.742,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ESTADO: GOIÁS COORDENADOR: HENRIQUE RICARDO BATISTA PERÍODO DO RELATÓRIO: Ano de 20 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ATIVIDADE DATA N o DE HORAS LOCAL (Município) OBJETIVO N o PART RESULTADO/

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

Ofício nº 0110-08/DIR-CFP Brasília, 9 de junho de 2008. Assunto: Encaminhamentos da APAF acerca do tema Saúde Suplementar

Ofício nº 0110-08/DIR-CFP Brasília, 9 de junho de 2008. Assunto: Encaminhamentos da APAF acerca do tema Saúde Suplementar Ofício nº 0110-08/DIR-CFP Brasília, 9 de junho de 2008. Aos Senhores PRESIDENTES Conselho Regional de Psicologia Assunto: Encaminhamentos da APAF acerca do tema Saúde Suplementar Senhor Presidente, 1.

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Dezembro/2003 - A discussão sobre carga horária para

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS

RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS Nos dias 05 e 06 de outubro do corrente ano, na cidade de Governador Valadares, aconteceu o Fórum Nacional das Profissões da Área de Saúde-FNEPAS

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012)

PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012) Cria o Programa Nacional de Coleta,

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Local: Marília Data: 25/06/2015 (20:00h)

Local: Marília Data: 25/06/2015 (20:00h) PUBLICIDADE MÉDICA QUAIS SÃO OS LIMITES ÉTICOS? Local: Marília Data: 25/06/2015 (20:00h) DR. LAVÍNIO NILTON CAMARIM Marília/SP A melhor cidade para se viver do mundo Na Medicina seria ético dizer isso?

Leia mais

A Sombra do Imposto. Cartilha III - Corrupção

A Sombra do Imposto. Cartilha III - Corrupção Cartilha III - Corrupção A Sombra do Imposto Boa parte do que pagamos em tributos é desviada pela corrupção. Temos o dever de cobrar a correta aplicação dos recursos. A corrupção e a carga tributária O

Leia mais

REGULAMENTO. Ao ler e concordar com os termos deste Regulamento, o candidato se compromete a:

REGULAMENTO. Ao ler e concordar com os termos deste Regulamento, o candidato se compromete a: Juntos pela Excelência REGULAMENTO Este instrumento tem por objetivo regulamentar o processo de seleção e desenvolvimento de Trainees Técnicos do Laboratório Leme, de acordo com os termos e condições adiante

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.143, DE 2011 Proíbe a comercialização de produtos ópticos na condição que menciona. Autor: Deputado ARNALDO FARIA DE SÁ

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Diagnosticando os problemas da sua empresa

Diagnosticando os problemas da sua empresa Diagnosticando os problemas da sua empresa O artigo que você vai começar a ler agora é a continuação da matéria de capa da edição de agosto de 2014 da revista VendaMais. O acesso é restrito a assinantes

Leia mais

Antonio Bulhões Deputado Federal - PRB/SP

Antonio Bulhões Deputado Federal - PRB/SP Caros amigos e amigas, Comemoramos, no último dia 1º de Outubro, o Dia Internacional da Terceira Idade. Por essa razão, estamos trazendo uma matéria referente ao Estatuto do Idoso, que contém informações

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

Local: Salvador - Bahia Data: 09/10/2015 às 11:45h

Local: Salvador - Bahia Data: 09/10/2015 às 11:45h PUBLICIDADE MÉDICA QUAIS SÃO OS LIMITES ÉTICOS? Local: Salvador - Bahia Data: 09/10/2015 às 11:45h DR. LAVÍNIO NILTON CAMARIM Salvador - Bahia A melhor cidade para se viver do mundo Na Medicina seria ético

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

Os Rumos da Dermatologia no Brasil:

Os Rumos da Dermatologia no Brasil: Fóruns SBD RELATÓRIO FINAL Relator: Gabriel Gontijo, Vice-Presidente e Presidente Eleito da SBD São Paulo - 5 de abril de 2014 São Paulo - 5 de abril de 2014 Promoção Diretoria da Sociedade Brasileira

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

ADVOCACY LEGISLATIVO: O PAPEL DE ASSESSORES POLÍTICOS

ADVOCACY LEGISLATIVO: O PAPEL DE ASSESSORES POLÍTICOS ADVOCACY LEGISLATIVO: O PAPEL DE ASSESSORES POLÍTICOS Advogado chefe de gabinete do Deputado Darcísio Perondi PMDB/RS O Deputado é Médico pela Universidade Federal do Rio Grande Sul, com pós-graduação

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

CAPÍTULO 5 AS PERSPECTIVAS

CAPÍTULO 5 AS PERSPECTIVAS CAPÍTULO 5 AS PERSPECTIVAS DA INFECTOLOGIA Entre os principais desafios da especialidade, questões como o uso racional dos antimicrobianos, a melhoria da infra-estrutura para diagnóstico etiológico e o

Leia mais

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas

Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Sugestão de Projeto de Lei de Municipalização das 30 Horas Texto construído com base em diversos trabalhos acadêmicos, dados do Cofen, dados do Coren, Fórum Nacional das 30 horas, Aben e do artigo Jornada

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL 2010 TURMA DO BEM A Turma do Bem é uma OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público fundada em 2002

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

ATA DA OCTAGÉSIMA QUARTA REUNIÃO DO CONSELHO CURADOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF

ATA DA OCTAGÉSIMA QUARTA REUNIÃO DO CONSELHO CURADOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ATA DA OCTAGÉSIMA QUARTA REUNIÃO DO CONSELHO CURADOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

Movimento Pró Autista

Movimento Pró Autista POLÍTICAS PÚBLICAS DE ATENDIMENTO PARA AS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Saúde Educação Trabalho Cultura, Esportes e Lazer Transporte Especializado Centros de Convivência Moradias Assistidas

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças.

1948 Lista os direitos e deveres fundamentais de todo ser humano. 1959 Estabelece direitos universais das crianças. LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO PROGRAMA NACIONAL DE DST E AIDS PNDST-AIDS 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS 1948 Lista os direitos e deveres

Leia mais

Número de funcionários: Aproximadamente 1200 colaboradores na sede administrativa e industrial.

Número de funcionários: Aproximadamente 1200 colaboradores na sede administrativa e industrial. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 Categoria Franqueador Máster Dados da empresa Razão Social: IBAC Indústria Brasileira de Alimentos e Chocolates Nome Fantasia: Cacau Show Data de fundação:

Leia mais

Título: Parecer sobre Paciente com diagnóstico de ascite quilosa, provocada por fístulas linfático-peritoneais, provavelmente secundárias a trauma.

Título: Parecer sobre Paciente com diagnóstico de ascite quilosa, provocada por fístulas linfático-peritoneais, provavelmente secundárias a trauma. Folha de Informação rubricada sob nº do processo nº (a) Ref. 003/11 Paciente com diagnóstico de ascite quilosa, provocada por fístulas linfático-peritoneais, provavelmente secundárias a trauma. Parecer

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA 2012 PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA CASE: Projeto Campanha de Combate à Dengue CATEGORIA: Comunicação FUNCIONÁRIO: Adriana Boscov e Aline Gislene de Oliveira Sumário INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher.

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher. Sinopse As últimas décadas marcaram o avanço do papel da mulher na economia. Cada vez mais mulheres são responsáveis pela administração de seus lares e é crescente sua participação no mercado de trabalho,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL Lei Nº 05129/99 Tipo: LEI ORDINÁRIA Autor: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL Data: (13/9/1999) Classificação: REGULAMENTAÇÃO Ementa: Dispõe sobre a Política Municipal do idoso,

Leia mais