EFEITOS DA REPETIÇÃO NO TEXTO FALADO INFANTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITOS DA REPETIÇÃO NO TEXTO FALADO INFANTIL"

Transcrição

1 EFEITOS DA REPETIÇÃO NO TEXTO FALADO INFANTIL Andressa Cristina Coutinho Barboza Universidade de São Paulo Resumo: Este artigo discute os efeitos da repetição no processo de aquisição da linguagem por meio de um estudo de narrativas orais produzidas por crianças em situação de tutela. A análise do corpus possibilitou a verificação do importante papel da repetição de itens lexicais, principalmente nomes e verbos, para a ampliação da base comum (conhecimento enciclopédico) partilhada entre adulto e criança durante as interações comunicativas. Palavras-chave: aquisição da linguagem; repetição; tutela; narrativa infantil Abstract: This paper discuss about the effects of repetition in the language acquisition process through the study of the oral narratives produced by child in caretaker situation. The corpus analysis did possible the verification of the important role of the lexical words repetition, meanly nouns and verbs, in the common base enlargement (encyclopedic knowledge) shared between adult and child during the communicative exchanges. Keywords: language acquisition; repetition; caretaker situation; child s narrative. Introdução O presente trabalho tem o objetivo de refletir sobre os efeitos da repetição no processo de aquisição da linguagem, a partir do estudo de uma narrativa oral produzida em situação de tutela, ou seja, em interação comunicativa mediada pelo adulto pesquisador. Em um primeiro momento, são apresentados alguns aspectos teóricos sobre a forma e a função da repetição na língua falada e sobre a função da repetição como estratégia para aquisição da linguagem. A partir deste referencial teórico-metodológico, realizou-se a análise da narrativa oral produzidas pelo sujeito desta pesquisa, Ingrid (7;6). 1. Formas e funções da repetição na língua falada De acordo com Koch (2005:123), apesar de sofrer um estigma negativo na produção textual escrita, a repetição constitui um constante na produção oral, tratando-se de uma verdadeira estratégia de estruturação do discurso: os textos que produzimos apresentam uma grande quantidade de construções paralelas, repetições literais enfáticas, pares de sinônimos ou quase sinônimos, repetições da fala do outro e assim por diante. Para Marcuschi (2002: 105), a repetição é uma das estratégias de formulação textual mais presentes na oralidade e graças a sua maleabilidade, apresenta variadas funções. Este recurso textual contribui para a organização discursiva e a monitoração da coerência textual; favorece a coesão e a geração de seqüências mais compreensíveis; dá continuidade à organização tópica e auxilia nas 1

2 atividades interativas. Diante disso, o autor defende que a repetição favorece uma textualidade menos densa e um maior grau de envolvimento interpessoal. Este trabalho utiliza a definição funcional proposta por Marcuschi (op. cit., p. 107), que conceitua repetição como a produção de segmentos discursivos idênticos ou semelhantes duas ou mais vezes no âmbito de um mesmo evento comunicativo. O autor estabelece como matriz (M) a primeira entrada do segmento que opera como base ou modelo para a projeção de outro segmento construído à sua semelhança ou identidade, chamado de repetição (R). Em relação ao nível textual (formal), serão consideradas como unidades mínimas as repetições de itens lexicais (nomes, verbos e preposições), e comunidades maiores as repetições em construções suboracionais (sintagmas nominal, verbal, preposicional e adjetivo) e as repetições de orações. Também serão observadas as condições de produção, distribuição e forma das repetições: (a) auto-repetições (produzidas pelo mesmo falante) ou heterorrepetições (as reproduções em falas de falantes distintos); (b) adjacentes (contíguas ou próximas) ou distantes e; (c) integral (repetição exata) ou com variação. De acordo com Silva (op. cit.), além da identidade entre formas lingüísticas, a repetição também apresenta vínculos semânticos e pragmáticos. Estes vínculos são estabelecidos no nível discursivo (funcional) e tornam-se tangíveis durante o ato da enunciação. A autora define três macrofunções para as repetições: a coesão, a interação e o processamento. A coesão promove o encadeamento referencial e seqüencial, bem como atividades de formulação (expansão, reformulação e enquadramento). A macrofunção da interação estabelece o envolvimento dos falantes por meio da especificação dos detalhes e da ampliação do significado da forma. A função específica de ampliação do significado da forma também é tratada por Clark (2006), por ser utilizada como estratégia para aquisição da linguagem. Além do envolvimento, a repetição com função de interação pode promover a avaliação, quando intensifica ou suspende a ação narrativa ou garantindo mecanismos para ênfase ou reforço na enunciação. Por fim, a macrofunção do processamento visa à produção, por meio dos recursos de: simplificação da produção discursiva, apoio para preencher pausas, ponte ou superação de interrupções e reparação. Além da produção, o processamento também abarca os mecanismos de compreensão, expressos pelas funções específicas de atualização da cena, esclarecimento ou metacomentário e reajuste ou preciso do sentido. De acordo com a autora, as funções de coesão, interação e processamento são combinadas entre si durante a produção discursiva. Este trabalho enfatiza a função de processamento (produção e compreensão) e seus 2

3 respectivos desdobramentos como estratégias verificáveis na fala infantil para a aquisição da linguagem. 2. Repetição e aquisição de linguagem Segundo Johnstone (1987), os estudos sobre a repetição são organizados em quatro grandes centros de interesse: (a) como mecanismo coesivo; (b) enquanto recurso retórico; (c) seus efeitos semânticos e; (d) sua importância na aquisição da linguagem. Em relação a esta última abordagem, a repetição é um dos procedimentos de interação mais freqüentes na fala e desempenha um importante papel nas primeiras etapas de aquisição da linguagem e socialização. Bambi Schieffelin (1979 apud Silva, 2001:48-9), afirma que a repetição implementa e mantém a interação lingüística e social enquanto as crianças desenvolvem suas habilidades comunicativas essenciais. Nesse sentido, ao mesmo tempo em que auxilia nos processos de aquisição e desenvolvimento da linguagem, a repetição se faz presente em situações de interação, que envolvem conhecimento sócio-cultural. Tais situações se estendem desde como formular perguntas, como responder, como pedir, até outros atos comunicativos mais complexos. Keenan e Klein (1975) observaram que, nos diálogos entre gêmeos (idade de 2;9), 59% de suas respostas às afirmações eram repetições. Aos 3 anos, essa porcentagem diminui: as crianças empregam, desde então, outras possibilidades diversas. Em uma perspectiva pragmática, Elinor Keenan constata que as crianças costumam repetir na tentativa de responder de maneira apropriada determinados tipos de enunciados produzidos por seus interlocutores. A autora esclarece que, ao repetir o enunciado do outro, a criança está aprendendo a comunicar-se: perguntar, comentar, afirmar, contestar uma questão ou responder uma pergunta entre outros atos comunicativos. Algumas das funções da repetição encontradas nos dados da autora compreendem maneiras de cumprimentar, de autoinformação ou demonstração de conhecimento, concordância com o interlocutor, além de perguntas e respostas para esclarecer uma informação (Keenan,1977 apud Silva 2001:49). Clark (2006) demonstra que a repetição tem um papel importante, não apenas no aumento da base comum (conhecimento enciclopédico) partilhada pelos participantes de uma interação, mas também no próprio processo de aquisição da linguagem. A autora apresenta uma análise da repetição como mecanismo de correção de palavras e construções oferecidas nas interações entre pais e filhos e conclui que a repetição pelas crianças apresenta um meio 3

4 de estabelecer a contribuição precedente do interlocutor adulto como parte da base comum (contribuição partilhada entre adulto e criança). Clark defende que as crianças empregam a repetição para sinalizar que elas prestaram atenção naquilo, ou seja, a nova forma empregada. Por meio da repetição, as crianças confirmam a compreensão e a aceitação do uso da palavra naquela ocasião. 3. Material e método Melo (2003:40) afirma que a observação das estratégias empregadas pelas crianças para aprender a ler e escrever e para compreender e produzir mensagens escritas oferece ao pesquisador um melhor entendimento dos mecanismos e a evolução da aquisição-apropriação da linguagem. Isso significa, para nós, olhar e escutar um sujeito cogniscente, isto é, uma criança que busca, (que) se interroga, (que) compreende mais ou menos bem, (que) muda de ponto de vista, (que) elabora conceitualizações novas e provisórias, (que) constrói progressivamente conhecimentos e estratégias.... Participou como sujeito desta coleta de dados Ingrid (7;5). A criança tem um irmão mais velho de 9;3 e os dois moram junto com seus pais, que possuem o Ensino Médio completo e trabalham na área da saúde em cargos administrativos. Ingrid está na 2ª. série do ensino fundamental e estuda em uma escola estadual localizada na periferia da zona sul da cidade de São Paulo. Aos finais de semana a criança fica na casa dos avós paternos, local onde a gravação foi realizada. Numa perspectiva interacionista, a mediação do adulto em atividades cognitivas e linguageiras infantis são denominadas tutela (Bruner, 1991 apud Melo, 2003: 58) e pressupõem, em seu nível mais simples, a manutenção e a orientação da criança para a atividade proposta. Durante a manutenção, o adulto protege a criança contra as distrações assegurando uma convergência entre sua atenção e a da criança na interação. Segundo Melo (op. cit.), a manutenção da atenção favorece o processo de engajamento da criança e capta seu interesse para a tarefa desenvolvida e a consiste nas intervenções do adulto faz para que a criança focalize os aspectos de sua conduta ou tarefa, fazendo-a progredir. Para a produção da narrativa pela criança, em um primeiro momento, a pesquisadora leu para Ingrid, a história O macaco bombeiro de Ruth Rocha. Em um segundo momento, a criança contou a história para a pesquisadora com o auxílio das ilustrações dos livros. Os dados obtidos foram gravados em mídia digital (MP3) e transcritos para análise segundo as normas estabelecidas pelo Projeto NURC. 4

5 De acordo com Melo (op. cit., p. 73), o ato de contar histórias é uma forma de brincar que pertence à nossa cultura e, como tal, está localizado em um espaço potencial que faz fronteira indeterminadas com nossa realidade. A autora ainda afirma que as imagens do livro infantil são capazes de veicular significados integrativos do texto verbal, até (mesmo) em sua ausência (como acontece, por exemplo, com os livros de Eva Furnari). 4. Análise e interpretação dos dados A seguir, serão analisadas as repetições na narrativa oral de Ingrid quanto ao domínio do processamento, ou seja, em relação à sua percepção na produção do próprio discurso. De acordo com Silva (op. cit., p.171) o domínio do processamento implica fundamentalmente a percepção do falante ou do escritor com relação ao seu próprio discurso. A autora considera que o processamento é composto por duas funções, a produção e a compreensão, pelas quais é possível explicar os usos da repetição em termos estritamente de motivações cognitivas. Melo (op. cit.) realizou um estudo lingüístico e pragmático de explicações em crianças entre cinco e dez anos e, neste trabalho, explica que a interação compreensão-produção está ligada à idéia de competência lingüística. A autora observa que a criança entende muito mais do que produz e que mesmo antes de produzir qualquer enunciado, a criança parece entender os enunciados (ou alguns deles) dirigidos a ela pelo seu interlocutor adulto, o que leva o estudioso da compreensão infantil à hipótese de que a compreensão precede a produção (p. 23). A repetição em situação de produção permite explicar seu uso como uma exigência da comunicação face a face, enquanto que as repetições orientadas para a compreensão refletem o propósito do narrador de incrementar seu discurso para um processamento mais adequado por parte do interlocutor (op. cit., p.176) No nível da compreensão a) Recursos utilizados para atualização da cena (1) I. aqui já vai tá pedino pa ser bombero po elefante que era o bom...bero ((a pesquisadora vira a página do livro)) aqui é o:: esqueci o nome dele (risada) é o elefante... o Jão, né? o Jão P. o Jô I. o Jô... ele falou pro Jô que ele era o mais o mais o mais:: o mais gran::de, o ma/ o maior e:: ele era o:: e/ o bombeiro 5

6 Em (1) a atualização da cena visa à compreensão, a fim de que a criança e sua interlocutora tomem os elementos repetidos como pistas semânticas que as mantém dentro do relato. Este recurso favorece a interação, além de contribuir com a coesão da narrativa. b) Tentativa de esclarecimento metadiscursivo (2) I. ah: aqui o macaca o tava lá na árvore dele ai ele viu uma fumacinha ele viu uma fumacinha e ele foi com água apaga Em (2), percebemos a tentativa da criança em explicar algo a sua interlocutora por meio da repetição da oração ele viu uma fumacinha em posição contígua, acrescida de outras informações na oração coordenada e ele foi com água apaga. Diante disso, nota-se que a tentativa de esclarecimento metadiscursivo consiste em uma estratégia do emprego das relações tema-rema para progressão da narrativa infantil. (3) I. um... um menininho tava todo molhado tava todo mundo reclamando que ele fazia tudo errado Em (3) temos a repetição do sintagma verbal tava todo, que além de possibilitar a progressão temática pelo acréscimo de novas informações ao elemento repetido, também demonstra o papel de ênfase dada pela criança a este trecho da narração. c) Retomada do sentido (4) I. aqui o macaco tava pedino oi o e: o é: o Jão, não tem um: ai: uma VAGA pa mim no bombero? (risadas) ((a pesquisadora vira a página do livro)) aí é ele falo assim é ele pediu uma vaga no aí ele falou assim mas você não tem água pa espirra não tem tampa pa espirra aí ele falo mas eu posso molha com água no chapéu Em (4) a criança sinaliza que se esqueceu do nome que escutara durante a leitura da história (vaga) pela série de pausas seguidas pelo aumento de sua entonação quando se lembra do nome correto. Para garantir a compreensão de sua interlocutora, a criança reajusta o que já tinha dito por meio de uma repetição em posição contígua. É importante observar que a repetição é interrompida no meio do enunciado ele pediu uma vaga no, o que demonstra que a criança entende que esta repetição só é feita para acrescentar maior precisão para o que poderia ter ficado obscuro a sua interlocutora. (5) I. ((a pesquisadora vira a página do livro)) aí de repente ele viu uma fumacinha e ele foi lá pego água assim correu e apago o fogo ((a pesquisadora vira a página do livro)) a quando foi vê num era pa apaga P. por que que não era pra apaga? I. porque ele tava ajudano o menino que ele tava fritano o peixe ((o tio pigarreia)) pra come bem na hora que ele conseguiu frita o peixe o macaco vai lá 6

7 Em (5) a repetição visando à retomada de sentido é heterocondicionada, o que motiva a criança a adotar uma conduta justificativa/explicativa (Cf. Melo, op. cit) No nível da produção a) Simplificação discursiva (6) I. aqui já vai tá pedino pa ser bombero po elefante que era o bom...bero Em (6), ocorre simplificação discursiva após vacilação da criança no momento de seleção do léxico. Neste trecho da história, o macaco Janjão pede ao elefante Jô para ser bombeiro. A criança vacila pois percebe que Jô não é um simples bombeiro, mas o chefe da corporação. Mesmo assim, ela opta pela simplificação inicial, como verificamos no fragmento (1), no qual a criança já enfatizara a referência ao tamanho do elefante para diferenciá-lo dos demais por ser o líder. (7) I. aí ele falou assim mas você não tem água pa espirrá não tem tampa pa espirrá Em (7), a simplificação é apoiada na construção paralelística, ocorrendo variação lexical entre água e tampa. É importante observar que, neste caso, o fato da criança optar em realizar uma simplificação discursiva implicou em uma maior complexidade de sua produção narrativa, pois ela percebeu a existência estrutura lingüística do paralelismo e soube apropriar-se da mesma com sucesso em sua fala, garantindo a compreensão de sua interlocutora. Acredita-se que a criança emprega tampa no lugar de tromba, o que dá indícios de uma facilitação em nível de pronúncia lexical. (8) I. aí ele falou assim mas você não tem água pa espirrá não tem tampa pa espirrá aí ele falo mas eu posso molhá com água Em (8), destacamos o uso da expressão aí ele falo(u), empregada como mecanismo de progressão temática. No conjunto de sua narrativa, a criança emprega o conectivo aí quatorze vezes, o que denota a ampla utilização deste recurso como estratégia para encadeamento seqüencial da narrativa. A expressão ele falou é usada 7 vezes ao longo da narração, indicando que a criança distingue a construção original da história, escrita em discurso direto, e pontua isso ao recontá-la. É importante ressaltar que o pronome ele foi empregado 29 vezes ao longo da narrativa, 28 vezes pela criança e uma vez pela pesquisadora. Ingrid empregou o pronome ele 7

8 para referir-se ao macaco Janjão 21 vezes, para referir-se ao elefante Jô três vezes, para referir-se a outros personagens a história três vezes e sem referência específica, uma vez. Provavelmente isso aconteceu porque a criança teve dificuldade em elaborar mecanismos de referência na narrativa para dois personagens masculinos (o macaco e o elefante). Esse problema aumenta quando Ingrid percebe que esqueceu o nome da personagem Janjão, o macaco. No momento em que pesquisadora a corrige, indicando o nome correto elefante (Jô), Ingrid faz a retomada da personagem macaco, ao longo da narrativa, empregando o pronome ele, o que justifica sua elevada freqüência na história contada pela criança. (9) I. tava falando assim que o avião era passarinho e ele voava o submarinho não era peixe nadava por que ele é macaquinho e pode ser bombeiro? Em (9), a simplificação discursiva ocorre com a tentativa de realizar uma construção paralelística, a qual também aparece na história de Rocha (2006, p.20) na seguinte fala da personagem Janjão, o macaco: - Por que é que eu não posso ser bombeiro? Só porque não tenho tromba? Avião não é passarinho e voa. Submarino não é peixe e nada. Eu tenho que resolver meu problema. Na narrativa da criança percebe-se uma série de elipses, principalmente das negações apontadas para os objetos avião e submarino na relação não ser e fazer. Acredita-se que, pela tentativa da criança em estabelecer uma construção paralelística para explicar o argumento do macaco (oposição entre não ser e fazer), a negação presente apenas na segunda oração ( o submarinho não era peixe nadava ) pode ser emprestada para as outras duas construções. Reforça este argumento o fato de a criança saber que a pesquisadora com quem interage também conhece a história. b) Apoio para preencher pausas (10) I. aqui o macaco tava pedino oi o e: o é: o Jão, não tem um: ai: uma VAGA pa mim no bombero? (risadas) ((a pesquisadora vira a página do livro)) aí é ele falo assim é ele pediu uma vaga no aí ele falou assim mas você não tem água pa espirra não tem tampa pa espirrá aí ele falô mas eu posso molhá com água no chapéu Em (10), observa-se que a criança utiliza pausas para ganhar tempo e, deste modo, conseguir elaborar sua fala. A palavra que procura lembrar é vaga, termo também empregado na história original. Quando Ingrid consegue lembrar da palavra, ri e reitera novamente o que tinha dito, sem pausas, com a oração aí é ele falô assim é ele pediu uma vaga no. 8

9 Vale destacar que esta última oração apresenta sentido incompleto, faltando-lhe a indicação adverbial de lugar. A criança já tinha dado esta indicação na frase anterior uma VAGA pa mim no bombero?. Contudo, Ingrid percebe que bombeiro, item lexical até então empregado com função adjetiva e substantiva, não é a expressão adequada para indicar o lugar apontado pela história original, ou seja, corpo de bombeiros. Por não lembrar o termo exato, a criança utiliza-se da elipse, pois sabe que está compartilhando as informações da história com seu interlocutor. c) Apoio para superar interrupções (11) I. aí quando chego lá ele falo assim que ele ia se um macaquinho de circo de cavalinho e tudo que ele fazia tava errado P. (risada) ((a pesquisadora vira a página do livro)) que que aconteceu? I. um... um menininho tava todo molhado tava todo mundo reclamando que ele fazia tudo errado Em (11), a criança é interrompida pelo riso da pesquisadora. Quando solicitada a continuar sua narração, retoma novamente o que havia dito por meio da uma repetição com variações da informação que considerava essencial para compreensão da história. d) Retomada para efeito de reparação discursiva (12) I. aqui é o:: esqueci o nome dele (risada) é o elefante... o Jão, né? o Jão P. o Jô I. o Jô... Em (12), nota-se uma repetição heterocondicionada, pois a pesquisadora corrige a criança e, percebendo que o adulto está certo, a criança demonstra que aceita a correção repetindo a palavra novamente em seu próximo turno. Clark (op. cit.) afirma que, em situações de correção entre pais e filhos, as crianças empregam a repetição para sinalizar que prestaram atenção naquilo que o adulto disse e que aceitam uso da nova forma na interação. Desta forma, ocorre uma ampliação da base comum (conhecimento enciclopédico) partilhada entre adulto e criança, durante as interações comunicativas. (13) I. ele falou pro Jô que ele era o mais o mais o mais:: o mais gran::de, o ma/ o maior Em (13), a criança percebe que há uma falha em seu discurso ( o mais grande ) e, diante disso, utiliza-se da repetição para ganhar tempo a fim de lembrar a forma correta ( o maior ). Quando consegue, faz a retificação do enunciado, pronunciando a variação da forma selecionada com elevação de voz. 9

10 (14) I. ((Cai um objeto e faz barulho. A criança ri)) aí ele uma idéia e pego uma coida pego uma corda subiu lá em cima pego u ninho e desceu pu coisinha pu coisinha apaga o fogo P. quem é esse aqui? I. o Jô P. o Jô ele é o quê? I. elefante pu Jô apaga o:: Em (14), a criança realiza a repetição coida/corda na tentativa de reparar a pronúncia da palavra. Em seguida, a repetição do termo genérico coisinha é uma estratégia discursiva empregada pela criança para ganhar tempo necessário para lembrar-se do nome da personagem. Como isso não ocorre, a pesquisadora toma o turno para indagar a criança sobre o nome da personagem, com o objetivo de estabelecer maior precisão à narrativa. Considerações finais Diante dos dados obtidos nesta pesquisa, verificamos que a repetição é uma estratégia lingüística empregada pela criança com a finalidade de estruturar o discurso, garantindo a progressão temática, a interação e a coesão dos enunciados. Assim, o fenômeno lingüístico da repetição, considerado como um dos procedimentos de interação mais freqüente no discurso oral, desempenha um papel fundamental desde as primeiras etapas da aquisição da linguagem e socialização. V Bibliografia de apoio ALMEIDA, Fernando Lopes de. As mentiras de Paulinho. São Paulo: Ática, CLARK, E. V. La répétition et l acquisition du langage. La linguistique, vol 2 (2), 2006, p JOHNSTONE, Bárbara. An introduction. Text 7(3), 1987, p KEENAN, Elinor Ochs a Klein, Ewan. Coherency in children s discourse. Journal of Psycholinguistic Research, 4, 1975, p KOCH, Ingedore G. Villaça. A repetição como estratégia de construção do texto falado. O texto e a construção dos sentidos. 8. ed. São Paulo: Contexto, MARCUSCHI, Luiz Antônio. A repetição na dílgua falada como estratégia de formulação textual. KOCL, I. G. V. (org). Gramática do Português Falado. 2ª. ed. rev. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2002, p MELO, L. E. Em busca de alternativas para a entrada da criança na escrita. São Paulo: Humanitas, PRETI, Dino (org). Análise de textos orais. 4. ed. São Paulo: Humanitas Publicações FFLCH/USP, 1999 (Projetos Paralelos vol. 1). ROCHA, Ruth. O macaco bombeiro. São Paulo: Editora Moderna, 2006 (coleção Salamandra). SILVA, Denize Helena Garcia. A repetição em narrativas orais de adolescentes: do oral ao escrito. Brasília: Editora Universidade de Brasília: Plano Editora: Oficina Editorial: Instituto de Letras UnB,

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO BAIRRO - 160568 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês 10º/11º

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP Singular-Anglo Vestibulares Professora Natália Sanches Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. Retirado do site oficial do vestibular. FUVEST e UNESP Na correção, três

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Informação - Prova de Equivalência à Frequência Formação: Específica Inglês (cont.) 12º Ano Código 358 2015 1 - Introdução: O presente documento visa

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

COMBINADOS PARA O SEMESTRE:

COMBINADOS PARA O SEMESTRE: COMBINADOS PARA O SEMESTRE: Temas de redação serão dados durantes as aulas. É importante pesquisá-los e estudá-los, pois alguns deles serão utilizados para as produções em sala ou em simulados; Toda a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: RELAÇÃO ENTRE FALA E ESCRITA

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: RELAÇÃO ENTRE FALA E ESCRITA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: RELAÇÃO ENTRE FALA E ESCRITA Janaína Antunes Nunes 1 Rodrigo Divino E. da Silva 2 Orientação: Prof. Ms. Artarxerxes T.T. Modesto RESUMO: Este artigo pretende analisar nas histórias

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

A planificação de atividades para a leitura e educação literária:

A planificação de atividades para a leitura e educação literária: A planificação de atividades para a leitura e educação literária: Apresentação do professor-leitor ao leitor em formação Um percurso de leitura Maria Vitória de Sousa Do professor ao aluno 1. Ler o texto

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal A INCORPORAÇÃO SEMÂNTICA NA AQUISIÇÃO DO NOME NU SINGULAR NA POSIÇÃO PÓS-VERBAL Luciana Santos Brito (Bolsista do PIBIC/UFPI), Gustavo Andrade Nunes Freire (Colaborador, IEL - UNICAMP), Ronald Taveira

Leia mais

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA META Apresentar questões problemáticas relativas à transitividade verbal pela gramática tradicional; propor novo modelo de transitividade verbal.

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 Gil Roberto Costa Negreiros (PUC-SP, UNIVERSITAS) 2 Nesta comunicação, temos como objetivo analisar as correções,

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS]

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS] INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS ANO DE ESCOLARIDADE: 10º E 11º ANOS ANO LETIVO: 2012 2013 TIPO DE PROVA: DURAÇÃO: CÓDIGO DA PROVA: MATERIAL NECESSÁRIO/PERMITIDO: ESCRITA 90 MINUTOS

Leia mais

OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM

OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM Disciplina Curso Profª Série REDACÃO Ensino Médio Silvia Zanutto 3º Lembre-se: ESTUDO APROVAÇÃO SUCESSO OS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO para a REDAÇÃO do ENEM Aluno,LEIA COM ATENÇÃO! Na redação, o ENEM avalia

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Fernanda Couto Guimarães Casagrande RESUMO Podemos perceber que há nas aulas de Língua Portuguesa um maior incentivo

Leia mais

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula!

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! Bete Masini A pontuação é, sem dúvida, um dos principais elementos coesivos do nosso texto. Certamente, não podemos crer no que muitos já falaram (e ainda falam):

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência ESPANHOL (continuação) Código da Prova:368 2015 10.º e 11.º Anos de Escolaridade

Informação - Prova de Equivalência à Frequência ESPANHOL (continuação) Código da Prova:368 2015 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Disciplina Espanhol Código - 368 Informação - Prova de Equivalência à Frequência ESPANHOL (continuação) Código da Prova:368 2015 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho,

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS Palavras-chave: Afasia, Provérbios, Cognição Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA A MÚSICA POSITIVISMO DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA Josegleide Elioterio dos Santos gleideelioterio@hotmail.com

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico - Leitura de textos MÓDULO 1 - Um mundo de muitas línguas: contacto com outras línguas, experiências e culturas Línguas e culturas

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

03. Resposta: E. Página 552 02.

03. Resposta: E. Página 552 02. Orações coordenadas Página 550 a) O aquecimento excessivo do planeta é um fato incontestável [1], por isso muitos países já implantaram programas de redução de poluentes [2], mas / porém / no entanto o

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade.

Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade. PROF. BRUNO AUGUSTO Dissertar é expor determinada opinião em relação a um tema e defendê-la através de argumentos coerentes com a realidade. Deve apresentar uma linguagem clara e condizente aopúblicoemqueotextoserádestinado.

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o presente do indicativo em português e espanhol Talita Vieira Moço (USP) Introdução Nesta ocasião apresentaremos algumas das observações

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA Lúcia de Fátima Melo do Nascimento Secret. Municipal de Educ. do Natal RN / Depart. de Ensino / Setor de Ensino Fundamental Colégio Imaculada Conceição

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A PROGRESSÃO REFERENCIAL EM DEPOIMENTOS DE ORKUT Lorena Santana Gonçalves (UFES) ls.goncalves@hotmail.com Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br 1. Apresentação Inseridos numa perspectiva

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série:

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA A À FREQUÊNCIA INGLÊS Cont. Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais