Descrição de funções VNU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descrição de funções VNU"

Transcrição

1 Descrição de funções VNU Preâmbulo: O programa Voluntários das Nações Unidas (VNU) é no seio das Nações Unidas, a organização que a nível mundial se encarrega de promover o voluntariado em prol da paz e do desenvolvimento. O voluntariado beneficia tanto a sociedade em geral e como a pessoa que se voluntaria. Os Voluntários das Nações Unidas contribuem para a paz e para o desenvolvimento na defesa do voluntariado em geral, incentivando os parceiros a integrar o voluntariado nos seus programas de desenvolvimento e na mobilização de voluntários. Nesse sentido, os voluntários das Nações Unidas participam em diferentes formas de voluntariado e desempenham um papel importante para o desenvolvimento e a paz em colaboração com parceiros, agências de acolhimento e comunidades locais. Durante o desempenho das suas tarefas, os Voluntários das Nações Unidas promovem o voluntariado através da sua ação e da sua conduta. O envolvimento nas atividades de voluntariado pode efetivamente e positivamente enriquecer a compreensão das realidades sociais e locais, assim como criar uma ponte entre os voluntários e as pessoas da comunidade de acolhimento. Isso faz com que o tempo que disponibilizam seja mais gratificante e produtivo. 1. Título do posto: Médico especialista em Anestesiologia. 1. Título do posto: Médico/a especialista em Anestesiologia. Quadro estratégico VNU reultado 1: As entidades das NU são mais eficazes na obtenção de resultados por integrarem Voluntários das Nações Unidas de qualidade e bem apoiados, assim como o voluntariado nos seus programas. 2. Tipo de contrato: Voluntário VNU Internacional 3. Título do Projecto: Apoio do Programa VNU ao Programa UNFPA H4+ SIDA na Guiné-Bissau Esforço conjunto para apoiar e melhorar a saúde materna, neonatal e infantil. 4. Duração: 12 meses 5. Local, País: Guiné-Bissau, região de Tombali, Catió. 6. Data de Início: Imediato 7. Breve Descrição do Projeto: A Guiné-Bissau é um país com indicadores de saúde materna dos mais débeis a nível mundial (um rácio de mortalidade materna de 900/ nados vivos, segundo o MICS 2014) e infantil (uma taxa de mortalidade infantil de 88,8% segundo o MICS 2014). A instabilidade política ao longo das três últimas décadas bloqueou o desenvolvimento económico e diminuiu os recursos nacionais. A arrecadação de receitas é fraca e os limitados recursos disponíveis são desigualmente repartidos, com a atribuição ao setor da Saúde limitada a menos de 10% do orçamento nacional. Como agravante, apenas um pequeno número de parceiros de desenvolvimento está presente no país. Para responder aos enormes desafios no setor da saúde, a visão do Governo é definida nos documentos estratégicos nacionais pertinentes, que incluem a Estratégia de Redução da Pobreza (DSRP), o Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário (PNDS), o Roteiro para a Redução da Mortalidade Materna e Neonatal e o Plano Operacional de Passagem à Escala Nacional das Intervenções de Alto Impacto para a Saúde Materna, Neonatal e Infantil Os objetivos gerais e específicos descritos nesses documentos estratégicos alinha-se com os objetivos nacionais para os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio 4 e 5. O presente Programa H4+ SIDA constitui uma oportunidade para os países melhorarem rapidamente os indicadores ligados à saúde materna e infantil, através da implementação de um 1

2 conjunto completo de intervenções cuidadosamente definido. As atividades financiadas a título desta subvenção irão completar o trabalho efetuado nos países pelas autoridades nacionais e parceiros, incluindo as agências do Sistema das Nações Unidas (SNU). Dada a situação, o Governo em colaboração com as agências do SNU, tais como UNFPA, OMS, ONU Mulheres, ONUSIDA e UNICEF, mobilizaram recursos no quadro da Iniciativa H4+, para recrutar um/a profissional de saúde especializado em Anestesiologia, que dará apoio técnico e ainda fará a formação em serviço. O/a médico/a anestesista estará baseado em Catió, região de Tomabli, e fará deslocações às áreas sanitárias da região e a outras regiões do projeto para a formação e supervisão ou para dar outro apoio necessário no seu domínio de intervenção.. 8. Agência / Instituição de acolhimento: UNFPA, Fundo das Nações Unidas para a População. 9. Contexto Organizacional: O Fundo das Nações Unidas para a População, trabalha para contribuir para um mundo onde cada gravidez é desejada, cada parto é realizado em segurança e o potencial de cada jovem é plenamente realizado. O UNFPA trabalha para aumentar a possibilidade de mulheres e jovens levarem uma vida sã e produtiva. O UNFPA é a agência coordenadora da Iniciativa H4+ na Guiné-Bissau. Este Programa Conjunto está no país desde 2013 e, em 2015, o UNFPA solicitou a integração de uma nova atividade no Plano de Trabalho H para reforçar os resultados do projeto numa das regiões mais difíceis (Tombali). O/a Voluntário/a das Nações Unidas estará afeto ao Hospital Regional de Catió, na região de Tombali, mas com deslocações a diferentes áreas sanitárias da região, bem como a outras regiões H4+ no quadro da transferência de conhecimentos, competências e da organização de serviço, para a formação, supervisão ou outro apoio necessário no domínio. Ele/a trabalhará em estreita colaboração com a Direção do Hospital, o UNFPA e as agências parceiras do H4+, o Ministério da Saúde Pública (nomeadamente o Hospital Regional de Catió e a Direção Regional de Saúde de Tombali), o ponto focal do UNFPA e Coordenadora H4+ e todos os outros membros da equipa do Programa. Ele/a submeterá relatórios periódicos à Representante do UNFPA. Ele/a fará também visitas regulares a Bissau se necessário. 10. Tipo de afetação: afetação com família; 11. Descrição das funções: O médico estará baseado em Catió, região de Tombali, mas fará deslocações a diferentes áreas sanitárias da região de Tombali e outras regiões do projeto H4+, para a formação, as ações de reforço de capacidade, supervisão e outro apoio necessário no seu domínio de intervenção. Ele/a fará também visitas a Bissau se necessário. Sob a supervisão direta da Representante do UNFPA e da Direção do Hospital Regional de Catió, o/a voluntário/a das Nações Unidas especialista em Anestesiologia fornecerá uma assistência técnica, quer em matéria clínica e de prestação de cuidados de saúde, quer em matéria de formação, e realizará as seguintes funções: Apoiar as equipas do Hospital Regional de Catió para a aplicação de anestesias correta e eficazmente; Apoiar as equipas de anestesia do hospital de referência nacional e regional para a aplicação de anestesias correta e eficazmente; Apoiar as equipas do hospital regional de Catió a gerir corretamente as complicações ligadas à anestesia; Apoiar as equipas de anestesia dos hospitais de referência nacional e regional a gerir corretamente as complicações ligadas à anestesia; Elaborar e implementar um plano de formação de prestadores de cuidados (que cubram pelo menos 50% dos médicos e 50% dos enfermeiros) para melhorar as competências e 2

3 especialização em técnicas de anestesia seguindo as normas do Ministério da Saúde Pública. Formar em serviço pelo menos 80% dos médicos e 80% dos enfermeiros do Hospital de Catió em técnicas de anestesiologia e supervisão de pacientes sob anestesia e pós despertar. Formar em serviço 50% de médicos e 50% de enfermeiros-anestesistas do hospital de referência nacional e regional; Colaborar ativamente nas ações de formação, nomeadamente formações em serviço, que tenham lugar no hospital e/ou na região no quadro da saúde materna e neonatal; Realizar supervisão formativa no seio dos hospitais de referência que não são dotados de especialistas em anestesiologia; Elaborar periodicamente relatório de missão a serem enviados ao UNFPA e à Direção do Hospital de Catió; Participar efetivamente para a criação de um ambiente baseado no trabalho em equipa, a partilha de informação, a colaboração e a cooperação mútuas; Reagir de forma flexível à mudança, através de uma participação ativa; Estabelecer normas e objetivos de performance, e assumir as responsabilidades dos mesmos; Assegurar e fazer o seguimento para assegurar as boas práticas em anestesia e reanimação, por parte das equipas de trabalho e dos enfermeiros em formação, no Hospital de Catió e em outras estruturas de Saúde da região e/ou país. Além disso, os voluntários VNU são incentivados a: Reforçar o conhecimento e a compreensão do conceito de voluntariado através da leitura de documentos disponibilizados pelo Programa VNU, publicações externas e participar ativamente nas actividades VNU (por exemplo, em eventos que marcam o Dia Internacional do Voluntariado (DIV), 5 de dezembro); Familiarizar-se e desenvolver todas as formas de voluntariado tradicional e/ou local ao nível do país de acolhimento; Refletir sobre o tipo e a natureza da ação voluntária que desenvolvem, incluindo a participação em reflexões substanciais; Contribuir para a redação de artigos sobre experiências de terreno a serem submetidos para publicação do programa VNU/ sites, boletins e notas de imprensa, etc; Contribuir para a redação de artigos sobre a experiências de terreno a serem submetidas para a publicação do Programa VNU/ website, boletim e notas de imprensa; Contribuir para o Programa de acolhimento de novos voluntários VNU que chegam ao país de afetação; Promover e aconselhar grupos locais na utilização do voluntariado online, ou encorajar indivíduos e organizações a utilizar o serviço Voluntariado VNU online quando tecnicamente possível. 12. Resultados Esperados No final da missão, o/a voluntário/a das Nações Unidas terá concretizado os seguintes resultados: Pelo menos 50% dos médicos e 50% dos enfermeiros são formados em técnicas de anestesia. A formação é documentada. Pelo menos 50% dos médicos e 50% dos enfermeiros anestesistas melhoram os seus conhecimentos e práticas de anestesia, em particular na região de Tombali; Pelo menos 50% dos medicos e 50% dos enfermeiros-anestesista são capazes de gerir complicações ligadas à anestesia, em particular na região de Tombali; Um relatório de missão elaborado com recomendações e síntese da performance especifica a cada enfermeiro formado; Uma nota sobre os resultados relacionados com o voluntariado para a paz e o desenvolvimento durante a afetação, como por exemplo o número de voluntários 3

4 mobilizados, participação nas atividades e contribuição ao desenvolvimento de capacidades. 13. Qualificações / Requisitos: Educação: Médico/a especialista em Anestesiologia. Experiência: mínimo de 3-5 anos de experiência de trabalho no domínio da anestesiologia. Experiência de ensino especificamente no domínio da anestesiologia é uma mais valia. Experiência em África Subsariana é desejável. Elevado conhecimento das questões de género no contexto da África subsariana é uma mais valia. Língua: Bons conhecimentos de português ou espanhol escrito e falado (obrigatório). Conhecimento de francês, bem como a língua local, creolo, é uma mais valia. Conhecimentos de informática: Bom conhecimento de informática na utilização de Programas Microsoft Office. Competências e valores Participa efetivamente num ambiente baseado no trabalho em equipa, na partilha de informação, na colaboração e cooperação com os outros; Reage de forma flexível às mudanças através de uma participação ativa; É diplomático, disponível, tem abertura de espírito e escuta os seus pacientes e membros de equipa de trabalho com paciência e pedagogia; Aptidões de Interação: Reconhece e reage de forma apropriada às ideias, aos interesses e às preocupações dos outros mostrando uma grande sensibilidade para a diferença; Estabelece normas e objetivos de performance e assume as responsabilidades que lhe competem; Demonstra boa aptidão de comunicação escrita e oral; Demonstra competências em relações interpessoais; Gestão de equipa. 14. Condições de Vida Capital:Bissau, População: aprox. (45% e muçulmanos e 10% de católicos, 45% outros). Clima: Bissau, aprox. 25º-30º; Época das chuvas de junho a outubro; Saúde: O setor da saúde é precário. As Nações Unidas tem a sua própria clínica. Língua: A língua oficial é o português; Línguas Faladas: Criolo; Língua de trabalho no seio das Nações Unidas: Francês. Eletricidade e comunicações: Certas zonas de Bissau têm eletricidade praticamente 24h por dia; outras dependem totalmente de geradores. Há muitos cafés com Internet em Bissau. Código de telefone internacional: Há duas empresas de telefone móvel: MTN e ORANGE. Segurança: Apesar de uma certa instabilidade política, o dia a dia é calmo e nem a comunidade internacional nem a população são afetadas. O pessoal do SNU está equipado com Rádio Codan (VHF). 15. Condições do Serviço (versão disponível em inglês International conditions of service 2015) O contrato terá a duração de até 12 meses. O/a voluntário/a recebe um subsídio de subsistência de voluntariado (VLA em inglês), que é composto pelo subsídio mensal de subsistência (MLA) e de um complemento familiar em (inglês FA) caso existam dependentes. O VLA destina-se a cobrir despesas de deslocação, necessidades básicas, bem como despesas locais (água electricidade, etc), equivalente a US$ (1,571 x 0.415) = US$ 2,222. Estes montantes são calculados utilizando a taxa de MLA aplicável ao local de afetação ao qual se acrescenta uma alocação familiar (se aplicável) 4

5 de 250$ USD dólares americanos para um dependente e 450$ USD dólares americanos para dois dependentes ou mais. O MLA aplicável obtém-se a partir da taxa de base de 1571$ USD dólares americanos que é revista uma vez por ano, e é ajustado mensalmente em função das das variações do índice de ajustamento do posto (PAM). O PAM é estabelecido pela Comissão Internacional da Função Pública (CIFP) para assegurar que os voluntários internacionais tenham relativamente o mesmo poder de compra; comparável, independentemente do seu local de afetação, apesar das diferenças de custo de vida. A indemnização mensal de subsistência aplicável a cada local de afetação é calculado com a seguinte fórmula: US$ (1,571 x 0.415) = US$ 2,222 de base. Por favor, consulte o site para mais informações. Além do acima mencionado, o voluntário tem direito a um subsídio de instalação (SIG) se aplicável, um seguro médico, um seguro de incapacidade e um seguro de vida. No final da missão, um bilhete de avião (se aplicável) e uma indemnização de reinstalação por serviço satisfatório será pago. 16. Processo de candidatura: Se você ainda não se registrou na base de dados de candidatos VNU, por favor registre o seu perfil através da página: Depois de validar seu endereço de e criar sua conta VNU, por favor complete todas as seções do seu perfil. Se você já está registrado(a) na base de dados de candidatos VNU, por favor atualize o seu perfil através da página Nota importante para ambos os casos: para se candidatar à presente oportunidade de voluntariado, por favor vá à seção Recrutamento Especial do seu perfil VNU (menu à esquerda), clique no botão Editar e escolha o código do anúncio 16GNB_08 na lista de opções. Por favor lembre-se de clicar no botão Atualizar para gravar a opção do código do anúncio escolhida. O prazo para se candidatar é 30 de junho de Somente os candidatos pré-selecionados serão contactados. O programa VNU é um programa que promove a igualdade de oportunidades e encoraja as candidaturas de profissionais qualificados. O programa VNU compromete-se a assegura a diversidade de género, de nacionalidade e de culturas. 5

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ASSISTENTE TÉCNICO PARA O TARV PEDIÁTRICO NA REGIÃO DE NAMPULA MOÇAMBIQUE Moçambique é um dos dez países no mundo mais atingido pelo HIV/SIDA com uma prevalência de 16.2%. Devido

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Consultor Nacional Monitoramento de Projecto - Apoio à implementação de um Programa Nacional de Voluntariado em Cabo Verde

TERMOS DE REFERÊNCIA Consultor Nacional Monitoramento de Projecto - Apoio à implementação de um Programa Nacional de Voluntariado em Cabo Verde TERMOS DE REFERÊNCIA Consultor Nacional Monitoramento de Projecto - Apoio à implementação de um Programa Nacional de Voluntariado em Cabo Verde ANTECEDENTES O Projeto "Apoio à implementação de um Programa

Leia mais

Casa do Direito, Abre essa porta!

Casa do Direito, Abre essa porta! Casa do Direito, Abre essa porta! Apresentação do Projecto Organização Actividades Decreto-lei nº62/2005 de 10 de Outubro Garantir a protecção e o exercício dos direitos do cidadão bem como a observância

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica)

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Localização: Em domicílio (com visitas de campo previstas) Prazo para envio de candidatura:

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 Considerando que na Região Autónoma dos Açores, à semelhança do País, regista-se um elevado número de jovens

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

Innovations Against Poverty

Innovations Against Poverty Distribution www.sida.se Sustainability Training Partnership segments Cost Model Innovations Against Poverty Guia para Candidatos 2011/2012 Introdução Terminologia Negócio Inclusivo O programa Innovations

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PARA A SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/12/03

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PARA A SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/12/03 www.nepad.org info@nepad.org Tel: +27 (0) 11 256 3600 Fax: +27 (0) 11 206 3762 P.O. Box 1234 Halfway House 1685 Midrand, Johannesburg South Africa ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PARA A SEGURANÇA

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Apresentação. Objetivos do Programa

Apresentação. Objetivos do Programa Diálogo Jovem 0 Índice Assunto Pagina Apresentação 2 Objetivos do Programa 2 Resultados esperados 3 Demandas do Programa 3 Por que investir 4 Origem dos Recursos 5 Metodologia 6 Roteiro do Primeiro encontro

Leia mais

O que é Rotary? Tourigo, 22.10.2011 - R.C. Tondela 1

O que é Rotary? Tourigo, 22.10.2011 - R.C. Tondela 1 O que é Rotary? Rotary é uma organização de Líderes de negócios e profissionais que prestam serviços humanitários, fomentam elevado padrão de Ética em todas as Profissões e ajudam a estabelecer a Paz e

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 006/2015 DATA: 08/04/2015 ASSUNTO: Gestão Integrada da Obesidade Requisitos para Centros de Tratamento Cirúrgico de Obesidade PALAVRAS-CHAVE: Tratamento Cirúrgico de Obesidade, Obesidade PARA:

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09

ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09 ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo

Leia mais

CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS

CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS REGULAMENTO ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVO EIXOS DE INTERVENÇÃO 4 PARTICIPANTES 5 CALENDARIZAÇÃO 4 PROCEDIMENTOS CONCURSAIS 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 5 8 AVALIAÇÃO 9

Leia mais

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA PREÂMBULO A Universidade Católica de Moçambique, reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV/SIDA; cumprindo

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1980L0155 PT 31.07.2001 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA DO CONSELHO de 21 de Janeiro de 1980 que tem por objectivo a coordenação

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Preâmbulo No âmbito dos novos desafios, exigências e problemas que se colocam às universidades nacionais e internacionais e aos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO PREÂMBULO O presente Acordo concretiza os objectivos das conversações

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS - NO.VA/P5/11/01

ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS - NO.VA/P5/11/01 ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS - NO.VA/P5/11/01 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração

Leia mais

Guião de Ajuda. Inscrição. Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo

Guião de Ajuda. Inscrição. Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo Guião de Ajuda Inscrição Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo ÍNDICE Títulos Pág. Apresentação do Roteiro do Associativismo 3 Aceder ao Roteiro do Associativismo 4 Inscrever/Atualizar

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

P. O. Box 3243 Telephone +251 115 517 700 Website: www.african-union.org Fax: +251 115 517 844 Addis Ababa, ETHIOPIA ANÚNCIO DE VAGA

P. O. Box 3243 Telephone +251 115 517 700 Website: www.african-union.org Fax: +251 115 517 844 Addis Ababa, ETHIOPIA ANÚNCIO DE VAGA RE6785 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE ANÚNCIO DE VAGA UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243 Telephone +251 115 517 700 Website: www.african-union.org Fax: +251 115 517 844 Addis Ababa, ETHIOPIA COORDENADOR DO PROJECTO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

Freguesia de Gouveia

Freguesia de Gouveia PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA FREGUESIA REGULAMENTO 1º Objecto O Programa de Ocupação de Tempos Livres promovido pela Junta de Freguesia, tem por objectivo proporcionar a ocupação saudável dos

Leia mais

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Este é um guia prático do processo de inscrição online em programas de mobilidade para estudantes da Universidade de Coimbra

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Kit de Ação

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Kit de Ação #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Kit de Ação INTRODUÇÃO Este Kit de Ação foi desenvolvido para orientar a implementação geral do movimento

Leia mais

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome).

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome). Declaração de Normas do Rotaract 1. O programa Rotaract foi desenvolvido e estabelecido pelo Rotary International. A autoridade pela elaboração e execução dos dispositivos estatutários, requisitos de organização,

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Perguntas Frequentes. Atração de Jovens Talentos BJT

Perguntas Frequentes. Atração de Jovens Talentos BJT Perguntas Frequentes Atração de Jovens Talentos BJT Diretoria de Relações Internacionais Coordenação-Geral de Bolsas e Projetos CGBP Coordenação de Acompanhamento de Bolsistas no Exterior CBE Brasília,

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona?

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona? CHEQUE FORMAÇÂO Como Funciona? A medida Cheque- Formação é um incentivo à qualificação e formação profissional dos trabalhadores, sendo um apoio direto do estado ao candidato, através do IEFP. Após a aprovação

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A ATIVIDADE DO XADREZ NAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1 CEB ANO LETIVO 2012-2013

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A ATIVIDADE DO XADREZ NAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1 CEB ANO LETIVO 2012-2013 CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A ATIVIDADE DO XADREZ NAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1 CEB ANO LETIVO 2012-2013 Agrupamento de Escolas de Aveiro, pessoa coletiva de direito público,

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013 2015 AVALIAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Social constitui um documento estratégico concelhio em matéria social, e integra, a um nível local, os problemas prioritários

Leia mais

AGÊNCIA NEPAD DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO ANÚNCIO DE VAGA: ASSITENTE PESSOAL/SECRETÁRIO(A) - NO.VA/NPCA/14/30

AGÊNCIA NEPAD DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO ANÚNCIO DE VAGA: ASSITENTE PESSOAL/SECRETÁRIO(A) - NO.VA/NPCA/14/30 AGÊNCIA NEPAD DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO ANÚNCIO DE VAGA: ASSITENTE PESSOAL/SECRETÁRIO(A) - NO.VA/NPCA/14/30 A União Africana (UA), estabelecida como um órgão continental Pan-Africano único, é encarregada

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 1 Introdução 1.1 A Incubadora Startup Lourinhã é uma iniciativa da Câmara Municipal da Lourinhã e localiza-se no, na Lourinhã. 1.2 As presentes Normas Internas destinam-se

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Administração e Política Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que:

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que: PROTOCOLO ENTRE PRIMEIRO: MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO, pessoa colectiva de direito público, com o NIPC nº 512 044 040, com sede na Praça Velha, freguesia de Sé, Concelho de Angra do Heroísmo, representado

Leia mais

1 - Destinatários: Apenas serão financiados os estágios em que os jovens cumpram os seguintes requisitos:

1 - Destinatários: Apenas serão financiados os estágios em que os jovens cumpram os seguintes requisitos: Programa de Estágios Profissionais na Administração Local Aviso Nos termos do nº do art.º 6º do D.L. nº 66/204, de 06 de novembro, conjugado com o art.º 3º da Portaria 254/204, de 9 de dezembro, torna-se

Leia mais

Apresentação do Projecto

Apresentação do Projecto Apresentação do Projecto Projecto de intervenção sócio pedagógica de promoção social das crianças, jovens e familiares dos bairros sociais de Ramalde e Campinas Freguesia de Ramalde, Concelho do Porto.

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Nós, os delegados tripartidos de 47 Estados Africanos membros da Organização Internacional do Trabalho ao Segundo

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

ANÚ NCIO DE VAGA: COORDENADOR DO PROGRAMA AFRICANO DE INDICADORES PARA A CIÊ NCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇ Ã O NO.VA/NPCA/11/13

ANÚ NCIO DE VAGA: COORDENADOR DO PROGRAMA AFRICANO DE INDICADORES PARA A CIÊ NCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇ Ã O NO.VA/NPCA/11/13 ANÚ NCIO DE VAGA: COORDENADOR DO PROGRAMA AFRICANO DE INDICADORES PARA A CIÊ NCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇ Ã O NO.VA/NPCA/11/13 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano,

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES

COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES Artigo 69.º Definição 1. A informação relativa às atividades educativas promovidas a partir dos docentes, das estruturas de coordenação

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CÓDIGO DE ÉTICA... 5 Secção I: PARTE GERAL............................................... 6 Secção II: PRINCÍPIOS... 8 Secção III: DEVERES CORPORATIVOS...

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ANÁLISE SOBRE UTILIZACAO DE KITS DE ABRIGO NAS EMERGENCIAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ANÁLISE SOBRE UTILIZACAO DE KITS DE ABRIGO NAS EMERGENCIAS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA A ELABORAÇÃO DE UMA ANÁLISE SOBRE UTILIZACAO DE KITS DE ABRIGO NAS EMERGENCIAS Código: CVM/2013/SK/DIPECHO3 KITS DE ABRIGO 1. JUSTIFICATIVA

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE GRADUAÇÃO / POSGRADUAÇÃO / MESTRADO E DOUTORADO / PESSOAL ACADEMICO FELLOW-MUNDUS Edital de Seleção de bolsas Fellow Mundus. 01.2015

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Serviço de Reabilitação

Serviço de Reabilitação Serviço de Reabilitação Relatório de Actividades.1.2.3.4 Tratamento de casos Implementação da política de reabilitação Desenvolvimento de equipamentos sociais Desenvolvimento de actividades 31 Relatório

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA

MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA O Projeto El-Gate Portal de Cooperação Universitária Europa-América Latina (EUROPEAID/126-821/C/ACT/RAL), é uma iniciativa financiada pela União Europeia

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade?

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade? ERASMUS+ - MOBILIDADE DE ESTUDANTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Erasmus+? Quais os tipos de mobilidade a que posso concorrer? Quem pode candidatar-se? Que restrições existem? Já fui beneficiário de

Leia mais

Perguntas mais frequentes (FAQ) da Staples EthicsLink

Perguntas mais frequentes (FAQ) da Staples EthicsLink Perguntas mais frequentes (FAQ) da Staples EthicsLink Introdução O objectivo deste documento é informar os colaboradores da Staples sobre a linha de apoio de ética e conformidade da empresa, conhecida

Leia mais

Boletim de notícias URBACT. Outubro - Novembro de 2011

Boletim de notícias URBACT. Outubro - Novembro de 2011 Boletim de notícias URBACT Outubro - Novembro de 2011 2 BOLETIM DE NOTÍCIAS URBACT POPULAÇÃO ENVELHECIDA, Artigo de fundo: População envelhecida: desafios para as cidades a nível dos cuidados de saúde

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE PROGRAMAS, ADVOCACIA E MOBILIZAÇÃO DE PARTES INTERESSADAS - NO.VA/NPCA/14/15

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE PROGRAMAS, ADVOCACIA E MOBILIZAÇÃO DE PARTES INTERESSADAS - NO.VA/NPCA/14/15 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE PROGRAMAS, ADVOCACIA E MOBILIZAÇÃO DE PARTES INTERESSADAS - NO.VA/NPCA/14/15 A União Africana (UA), estabelecida como um órgão continental Pan-Africano único, é encarregada

Leia mais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente estatuto visa regular o funcionamento e competências

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO (TI) NO.VA/NPCA/12/04

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO (TI) NO.VA/NPCA/12/04 www.nepad.org info@nepad.org Tel: +27 (0) 11 256 3600 Fax: +27 (0) 11 206 3762 P.O. Box 1234 Halfway House 1685 Midrand, Johannesburg South Africa ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Novas Formas de Aprender e Empreender

Novas Formas de Aprender e Empreender Novas Formas de Aprender e Empreender DÚVIDAS FREQUENTES 1. Sobre o Prêmio Instituto Claro, Novas Formas de Aprender e Empreender 1.1. O que é o Prêmio? O Prêmio Instituto Claro Novas Formas de Aprender

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade

Leia mais

Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da. Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil

Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da. Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil a ser realizado com apoio do Senac São Paulo e Santander Universidades Maio 2008 2 Nome da organização:

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

PMI Espírito Santo. Política de Voluntariado. Diretoria de Filiação e Voluntariado

PMI Espírito Santo. Política de Voluntariado. Diretoria de Filiação e Voluntariado PMI Espírito Santo Política de Voluntariado Diretoria de Filiação e Voluntariado Índice 1. Introdução...3 2. O Trabalho Voluntário...4 3. O PMI-ES e o Trabalho Voluntário...4 4. Expectativas do PMI-ES

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação) concede, através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA

CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA pág. 1 de 8 CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA Artº 1 - Âmbito 1 - O presente Regimento define as normas de organização e funcionamento do Curso de Iniciação Pedagógica (CIP),

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional. Morada Rua Pedro Álvares Cabral 1675 106 Pontinha, Odivelas

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional. Morada Rua Pedro Álvares Cabral 1675 106 Pontinha, Odivelas FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Paramédicos de Catástrofe Internacional Diretor(a) Bruno Ferreira Setor de Atividade Voluntariado Social Número de Efetivos 100 NIF 509 557 597 Morada Rua Pedro Álvares

Leia mais

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores Aprovadas pelo Conselho de Acção Social do IPVC em 1 de Fevereiro de 2011 Serviços de Acção Social do IPVC Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores O Conselho de Acção Social do Instituto Politécnico

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais