Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010"

Transcrição

1

2 Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010

3 Alma-Ata 1978 CF 1988 PNAF 2004 Proposta PNPMF 2001 CEME 1982 PNM 1998 CNAF 2005 OMS CNS 8ª ª ª Seminári o 2003 PNCTIS 2005

4 Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS Acupuntura/MTC Homeopatia Plantas Medicinais/Fitoterapia Termalismo/Crenoterapia Portaria nº 971/GM/MS 3 maio 2006

5 Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Interministerial abrange toda cadeia produtiva Decreto nº junho 2006

6 Portaria nº 1.274/GM/MS, de 25 junho 2008 Institui Grupo Executivo para apoiar o MS na coordenação do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos DAF DES (DECIIS) ANVISA NGBS/FAR/FIOCRUZ NEPFITO/GHC/MS

7 Portaria Interministerial nº 2.960, 9 dezembro 2008 Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

8 produção de fitoterápicos recursos/ financiamento comercialização regulamentação Garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional recursos humanos PD&I informação e comunicação manejo e cultivo de plantas medicinais conhecimento tradicional e popular SUS

9 Processo PNPMF regulamentação conhecimento tradicional e popular cultivo planta medicinal manejo planta medicinal beneficia mento planta medicinal serviço produção fitoterápico comercializa ção ou distribuição usuário agricultura familiar complexo produtivo PD&I financiamento

10 PNPIC Portaria GM/MS nº 971/2006 Planta in natura Planta seca (droga vegetal) Fitoterápico manipulado regulamentaç ão critérios Fitoterápico industrializado Fitoterápico: Produto obtido de planta medicinal, ou de seus derivados, exceto substâncias isoladas, com finalidade profilática, curativa ou paliativa. (PNPMF, 2008)

11 SUS - PNPMF SUS atenção em saúde assistência farmacêutica complexo produtivo capacitação serviço elenco de referência AFB estruturação de serviços laboratórios públicos e privados

12 Plantas Medicinais e FITOTERAPIA 2008 Municípios que oferecem o recurso de Plantas Medicinais e/ou Fitoterápicos Fonte: Pesquisa Expertise / Ministério da Saúde/2008 DAB/SAS/MS

13 Regulamentação Ação no Programa Criar e implementar regulamento de insumos vegetais Criar e implementar regulamento de BPM Criar e implementar regulamento de BPF Situação Discussão do novo marco regulatório em GT Anvisa- MS desde janeiro 2008

14 Registro Inspeção Situação anterior Fitoterápico (RDC 48/04) BPFC para medicamentos (RDC 210/03) Situação atual Medicamento fitoterápico (RDC 14/10) Padronização de bulas (RDC 47/09) Lista para segurança e eficácia (IN 5/10) Registro simplificado (IN 5/08) Pós-registro de fitoterápicos (CP) Notificação de Drogas vegetais (RDC 10/10) RDC 17/10 BPFC para drogas vegetais (CP 36/09) Manipulação RDC 67/ /08 Cultivo + manipulação Farmácias Vivas Insumos RDC 249/05 CP 63/09 Fonte: Anvisa

15 Farmacopeia Brasileira Atualização das monografias (CP 24/2009, 38/09, 24/10) SQR Elaboração do Memento e Formulário Nacional de Fitoterápicos DCB Fonte: Anvisa

16 Recursos Humanos Ação no Programa Situação Status Promover polos de capacitação e treinamento nas estruturas já existentes Promover capacitação técnica e educação permanente em plantas medicinais e fitoterápicos, dos profissionais de saúde do SUS, vigilantes e agentes comunitários, em conformidade com a Política Nacional de Educação Permanente Em processo de contratação de parceria para curso EAD em Fitoterapia para médicos no SUS Incluída a Disciplina Gestão em Fitoterapia e Homeopatia, no Curso de Pós-graduação Lato sensu Gestão da Assistência Farmacêutica em 13 IES/ESP, para 440 farmacêuticos Capacitar profissionais de saúde e gestores em Plantas medicinais /Fitoterapia (ação do Mais Saúde), por meio de oficina para multiplicadores Em execução Concluída Paralisada

17 PD&I Ação no Programa Situação Status Incentivar a pesquisa em plantas medicinais e fitoterápicos com vistas a atenção à saúde, eficiência, eficácia, efetividade e segurança do uso nos cuidados prestados Identificar e relacionar as principais necessidades epidemiológicas no País que possam ser atendidas com plantas medicinais e fitoterápicos Criar banco de dados de pesquisadores e pesquisas em Plantas Medicinais e Fitoterapia realizadas no Brasil, interligando-o com outros bancos de abrangência internacional Criar banco de dados de espécies nativas, por biomas Realizado o levantamento das pesquisas financiadas pelo MS entre (79 projetos = R$ ,63) Selecionadas 71 espécies vegetais da Renisus para serem pesquisadas Identificadas as necessidades epidemiológicas para a elaboração da Renisus Em processo de construção do banco de dados das 71 espécies vegetais da Renisus Concluída Concluída Concluída Paralisad a

18 PD&I Ação no Programa Situação Status Sistematizar demandas de pesquisas em toda a cadeia produtiva de plantas medicinais e fitoterápicos Identificar as prioridades de estudos de ATS de novos fitoterápicos utilizados em doenças prevalentes, tendo como base a Relação Nacional de Plantas Medicinais com Potencial Identificar, verificar demandas e fomentar de Uso no SUS Instituições e centros de pesquisas com potencial para desenvolver pesquisas em toda, ou em parte, da cadeia produtiva Identificar, verificar demandas e fomentar Redes de pesquisa Em processo de sistematização do levantamento de pesquisas para as 71 espécies vegetais da Renisus, para definir prioridade de pesquisas Constituída a COMA-FITO Portaria GM/MS nº 1.102/2010 Identificado e enviado demanda para: a) Centro Franco-Brasileiro da Biodiversidade Amazônica; b) Instituto Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Farmacêutica Paralisada Concluída Concluída

19 PD&I Ação no Programa Situação Status Propor a inserção, na Farmacopeia Brasileira, de monografias das espécies medicinais nativas da flora brasileira, e de suas formas farmacêuticas derivadas no Formulário Nacional Apoiar os Comitês Técnicos Temáticos da Farmacopeia Brasileira, voltados às plantas medicinais e fitoterápicos Foi proposta a inserção de monografias de plantas medicinais da Renisus Em processo de elaboração do Formulário Nacional de Fitoterápicos com espécies medicinais nativas ou exóticas O MS tem adaptadas, apoiado tecnicamente utilizadas no SUS os CTTs Em processo de construção do banco de dados das 71 espécies vegetais da Renisus, para elaboração Concluída Em execução Em execução Paralisada

20 Informação/Comunicação Ação no Programa Situação Status Promover ações de educação popular em saúde, por meio de campanhas educativas de esclarecimento sobre formas de apresentação, os benefícios, riscos e cuidados de administração relativos a posologia, indicação, modo de preparo e utilização Elaborar material de plantas didático medicinais sobre e uso fitoterápicos racional de plantas medicinais e fitoterápicos Elaborado e publicado texto sobre uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos no projeto Educanvisa Informações no site do MS Concluíd a Concluíd a

21 Informação/Comunicação Ação no Programa Situação Status Identificar demandas, manter e ampliar as formas de apoio a Eventos relacionados à cadeia produtiva de plantas medicinais e fitoterápicos Participação em 29 eventos nacionais entre dez 2008 abr 2010 Fomento a eventos, por meio de editais do Decit Concluída Concluída Inserção na mídia PNPMF Fitoterápicos na Portaria nº 2.982/ inserções mídia impressa + Voz do Brasil + 5TVs 51 inserções dez/2008 mídia mar/2009 impressa

22 SUS Ação no Programa Situação Status Criar incentivo para a garantia de acesso à plantas medicinais e fitoterápicos Disponibilizar plantas medicinais e fitoterápicos aos usuários Pactuar inserção de fitoterápicos no elenco de referência da atenção básica Promovido o financiamento de 2 fitoterápicos com recurso tripartite (Portaria GM/MS nº 3237/2007) Maytenus ilicifolia (Espinheira-santa) Mikania glomerata (Guaco) Incluídos + 6 fitoterápicos no financiamento da Assistência Farmacêutica Básica (Portaria GM/MS nº 2.982/2009): Cynara scolymus (Alcachofra), Glycine max (Soja isoflavona), Rhamnus purshiana (Cáscara-sagrada), Uncaria tomentosa (Unha-de-gato), Harpagophythum proc. (Garra-do-diabo), Schinus terebinthifolius (Aroeira-da- Concluída Concluída

23 RN PB RO MT DF GO TO BA SE Resultado das pactuações Portaria GM/MS nº 3.237/2007 RS PR SC RJ

24 PA AC TO SP ES Pactuações recebidas Portaria GM/MS nº 2.982/2009 RS SC

25 SUS Ação no Programa Situação Status Elaborar Memento Terapêutico das plantas medicinais e fitoterápicos da Relação Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Elaborar o Formulário Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Elaboração de projeto do Memento Terapêutico em parceria com Farmacopeia Brasileira/Anvisa Em processo de elaboração o Formulário Nacional de Fitoterápicos em parceria com CTT de Apoio à Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos da Farm. Bras. Em execução Em execução

26 SUS Ação no Programa Situação Status Definir critérios de inclusão/exclusão, atualizar e divulgar a Relação Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (RENAFITO) Criar incentivo para a garantia de acesso à plantas medicinais e fitoterápicos Constituída a COMA-FITO Portaria GM/MS nº 1.102/2010 Finalização do banco de dados com as espécies da Renisus Elaboração de critérios e forma de apoio a projetos pilotos transversais e intersetoriais Orientação para submissão de projetos Iniciada Paralisada Em execução Em execução

27 Conhecimento Tradicional e Popular Ação no Programa Situação Status Promover o reconhecimento sobre os direitos dos detentores de conhecimento tradicional associado Participação nas discussões do CGEN sobre acesso ao patrimônio genético e repartição de benefícios Em execução

28 Manejo e produção/cultivo de plantas medicinais Ação no Programa Situação Status Participação nas discussões de regulamentação de Farmácia Viva Em execução Apoiar projetos de produção local de plantas medicinais Pactuada na CIT a minuta de Portaria que institui a Farmácia Viva no âmbito do SUS Publicada a Portaria GM/MS nº 886/2010 Concluída Concluída

29 Produção de Fitoterápicos Ação no Programa Situação Status Identificar os Laboratórios farmacêuticos públicos aptos para produção de fitoterápicos de interesse em saúde pública Definir mecanismos de incentivo e fomento para estruturação de Laboratórios farmacêuticos públicos Fomentar a produção de fitoterápicos pelos Laboratórios farmacêuticos públicos Realizada Oficina preparatória e do Seminário do Complexo Industrial da Saúde e Fitoterápicos para identificar potencialidades e necessidades dos setores produtivos, academia e serviços Realizada reuniões com DECIIS e potenciais parceiros Concluída Em execução

30 Recursos/Financiamento Ação no Programa Situação Status Recursos/Financiamento para PD&IT para Informação e Comunicação Criada proposta de ação do MS no PPA e alocação de recursos do Orçamento Discutido o assunto com outros Ministérios Concluída Concluída para o SUS para Cultivo/produção de plantas medicinais para Produção de Fitoterápicos Solicitado ao MP a realização de oficina para orientar desenvolvimento de ações no PPA Realizadas 2 reuniões com MP (SOF, SIP) Enviada ao MP proposta conjunta de MS, MAPA, MDIC e Fiocruz para o PPA Concluída Concluída Concluída

31 Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Realizado 3 reuniões realizadas (set/2009 a mar/2010) Instalação e definição de regimento interno Apresentação de ações realizadas pelos Ministérios Análise estratégica e definição de prioridades Realinhamento das ações dos Ministérios Definição de resultados e metas Elaboração de relatórios Planejado Instalação do GTI Definição de indicadores para as metas 3 reuniões até o final do ano

32 Distribuição das ações propostas por eixo Comercialização 3% Produção de Fitoterápicos 3% M&P /Cultivo de PM 7% Recursos/Financiamento 9% Cadeia Produtiva 7% Regulamentação 4% Recursos Humanos 5% PDT&I 31% Conhecimento T&P 16% SUS 7% Informação/Comunicação 8%

33 Distribuição do total de ações executadas por eixo Produção de Fitoterápicos 3% M&P /Cultivo de PM 10% Recursos/Financiamento 3% Comercialização 1% Cadeia Produtiva 1% Regulamentação 12% Recursos Humanos 3% Conhecimento T&P 2% SUS 10% PDT&I 40% Informação/Comunicação 15%

34 PNPMF Decreto 5.813/2006 Portaria Interministerial nº 2.960/2008 COMITÊ M&A do PNPMF SECRETARIA EXECUTIVA MS DAF/SCTIE/MS GRUPO EXECUTIVO PNPMF GRUPO TÉCNICO INTERMINISTERIAL Plataforma de Gestão Integrada do PNPMF Planejamento; Integração de conhecimentos e competência; Apoio à execução financeiras e orçamentárias; Acompanhamento de situação; Informações estratégicas; Comunicação. DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO DE PROJETOS INTEGRADOS ÓRGÃOS SETORIAIS GOVERNO SETORES AGRICULTURA, INDÚSTRIA E MANIPULAÇÃO SETOR PESQUISA SETOR SERVIÇOS DE SAÚDE E PCT REDES DE BIOMAS Portfólio de ações Portfólio de ações Portfólio de ações Portfólio de ações Portfólio de ações

35 PORTARIA Nº. 886/GM/MS, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Art. 1º Fica instituída, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, sob gestão estadual, municipal ou do Distrito Federal, a Farmácia Viva. 1º A Farmácia viva, no contexto da Política Nacional de Assistência Farmacêutica, deverá realizar todas as etapas, desde o cultivo, a coleta, o processamento, o armazenamento de plantas medicinais, a manipulação e a dispensação de preparações magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos. 2º Fica vedada a comercialização de plantas medicinais e fitoterápicos elaborados a partir das etapas mencionadas no parágrafo primeiro. Art. 2º A Farmácia Viva fica sujeita ao disposto em regulamentação sanitária e ambiental específicas, a serem emanadas pelos órgãos regulamentadores afins.

36 As condições e requisitos de aplicação da Portaria, serão detalhados na consulta pública da Anvisa: instalações, equipamentos e recursos humanos aquisição (algumas matérias-primas poderão ser adquiridas de terceiros, desde que haja o horto) e controle da qualidade da matéria-prima armazenamento, conservação, transporte avaliação farmacêutica da prescrição manipulação, dispensação das preparações estoque mínimo atenção farmacêutica aos usuários ou seus responsáveis

37 As SMS e as SES poderão optar por: a) Farmácia Viva para cultivar plantas medicinais e dispensar plantas medicinais e fitoterápicos; b) farmácias de manipulação próprias ou conveniadas, desde que atendam ao disposto na RDC nº 67/2007, para manipular e dispensar plantas medicinais e fitoterápicos; c) dispensar drogas vegetais; e/ou d) dispensar fitoterápicos industrializados.

38 As organizações não governamentais e empresas privadas, podem se organizar para a comercialização de produtos com o setor público e com o setor privado, desde que atendam às regulamentações: 1- plantas medicinais e fitoterápicos manipulados, conforme a RDC nº 67/2007; 2- drogas vegetais notificadas, conforme a RDC nº 10/2010 e a norma a ser editada sobre B.P.F. de drogas vegetais sujeitas à notificação; 3- medicamentos industrializados, conforme as RDCs nº 14 e nº 17/2010; insumos de origem vegetal, conforme RDC nº 249/05 e a norma a ser editada após a consolidação da Consulta Pública nº 63/2009; 4- futuramente plantas medicinais, para Farmácias Vivas, dependendo da norma a ser editada pela Anvisa. E no caso de comercialização para o setor público, deve ser obedecida a legislação que regulamenta as compras governamentais (Lei 8.666/93).

39 Como implantar o PNPMF no município Para garantir o acesso à plantas medicinais e fitoterápicos, o gestor municipal deve seguir os seguintes passos: 1. Identificar as demandas de plantas medicinais e de fitoterápicos a partir das necessidades epidemiológicas da população. 2. Selecionar as plantas medicinais e os fitoterápicos a serem disponibilizados aos usuários do SUS, considerando a RENAFITO (Relação Nacional de Fitoterápicos) e a RENAPLAM (Relação Nacional de Plantas Medicinais) e as espécies vegetais nativas ou exóticas adaptadas na região.

40 RENISUS (Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS) lista com 71 espécies vegetais Finalidade: orientar pesquisas e estudos RENAFITO (Relação Nacional de Fitoterápicos) Finalidade: financiamento e disponibilização no SUS RENAPLAM (Relação Nacional de Plantas Medicinais) e as espécies vegetais nativas ou exóticas adaptadas na região Finalidade: disponibilização no SUS

41 RENISUS divulgada em fevereiro de 2009 RENAFITO e RENAPLAM serão elaboradas pela COMA-FITO Portaria GM/MS nº 1.102/2010

42 Como implantar o PNPMF no município 3. Definir uma ou mais das seguintes formas de acesso as plantas medicinais e fitoterápicos, de acordo com as possibilidades do município: a) planta medicinal in natura : implantação e manutenção de hortos oficiais de espécies medicinais e/ou estimulando hortas e hortos comunitários reconhecidos junto a órgãos públicos, para o fornecimento das plantas.

43 Como implantar o PNPMF no município b) planta medicinal seca (droga vegetal): obtenção da matéria-prima vegetal, processada de acordo com as boas práticas, oriunda de hortos oficiais de espécies medicinais, de cooperativas, de associações de produtores, de extrativismo sustentável ou de outros, com alvará ou licença dos órgãos competentes para tal;

44 Como implantar o PNPMF no município c) fitoterápico manipulado: por intermédio de farmácias, públicas ou convênio com farmácias privadas, com manipulação de fitoterápicos, que atenda à demanda e às necessidades locais, respeitando a legislação pertinente às necessidades do SUS na área; d) fitoterápico industrializado: produzidos por laboratórios farmacêuticos públicos ou indústrias farmacêuticas nacionais.

45 Como implantar o PNPMF no município 4. Identificar demandas e promover a capacitação da equipe multiprofissional de saúde, em consonância com o nível de atenção e com a forma de acesso as plantas medicinais e aos fitoterápicos. 5. Divulgar e informar aos profissionais de saúde, gestores e usuários, os conhecimentos básicos sobre plantas medicinais e fitoterápicos, considerando as metodologias participativas e o saber popular.

46 Como implantar o PNPMF no município A implementação do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos PNPMF é descentralizada. Para a orientação na implementação das ações, tanto do acesso às plantas medicinais e fitoterápicos, bem como de outras ações da cadeia produtiva, deve-se observar o âmbito de atuação de cada um dos dez ministérios e órgãos vinculados, participantes do Programa, e respectivas responsabilidades.

47 Como implantar o PNPMF no município Financiamento do programa: Cabe ao gestor municipal, definir recursos orçamentários e financeiros para a implementação desse Programa.

48 Financiamento de medicamentos fitoterápicos União: R$ 5,10 por habitante/ano; Estados e Distrito Federal: R$ 1,86 por habitante/ano; e Municípios: R$ 1,86 por habitante/ano. As Secretarias Municipais de Saúde, anualmente, poderão utilizar um percentual de até 15% (quinze por cento) da soma dos valores dos recursos financeiros estaduais, municipais e do Distrito Federal, definidos no art. 2º desta Portaria, para atividades destinadas a adequação de espaço físico das Farmácias do SUS relacionadas à Atenção Básica, à aquisição de equipamentos e mobiliário destinados ao suporte das ações de Assistência Farmacêutica, e à realização de atividades vinculadas à educação continuada voltada à qualificação dos recursos humanos da Assistência Farmacêutica na Atenção Básica, sendo vedada a utilização dos recursos federais para esta finalidade.

49 Solicitação de recursos federais e outras demandas: Acesse o cadastro e as orientações para apresentação de proposta de projeto.

50

51 Katia Torres Consultora técnica DAF/SCTIE/MS Esplanada dos Ministérios Bloco G, Edifício Sede, sala 834 CEP Brasília/DF Fone: (61) Assistência farmacêutica

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. III EnFarMed São Paulo Setembro_2009

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. III EnFarMed São Paulo Setembro_2009 Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos III EnFarMed São Paulo Setembro_2009 Políticas Públicas para Plantas Medicinais e Fitoterápicos Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares

Leia mais

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA A Portaria nº 1.686 de 16 de Outubro de 2009 da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia instituiu o Núcleo Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Núcleo FITOBAHIA com o

Leia mais

Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS

Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS Pré-Evento: II Encontro dos Núcleos Estaduais de Apoio a APLs 6ª Conferência Brasília, 3 dezembro de 2013 Contemplar as

Leia mais

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF R. Mário Viana 523 Santa Rosa - Niterói - R.J. E-mail: lean@vm.uff.br BIOMAS DO BRASIL Biomas são

Leia mais

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS Esplanada dos Ministérios. Bloco G, Ed. Sede, 8º Andar CEP:

Leia mais

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Wanderli Pedro Tadei tadei@inpa.gov.br CENÁRIOS ATUAIS DA

Leia mais

ANEXO II - Diagnóstico Situacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - 2008

ANEXO II - Diagnóstico Situacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - 2008 ANEXO II - Diagnóstico Situacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - 2008 Em 2008, após dois anos de aprovação da PNPIC, o Departamento de Atenção Básica (DAB), em parceria com a Secretaria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 459 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 459 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 459 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2007 Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito das plantas medicinais e fitoterápicos e dá outras providências. O Conselho Federal de Farmácia (CFF),

Leia mais

10/07/2011. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Avanços e desafios

10/07/2011. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Avanços e desafios Política Nacional de Práticas Integrativas e Avanços e desafios Política Nacional de Atenção Básica Portaria nº 648, de 28 de Março de 2006 Atenção Básica em saúde é: um conjunto de ações de saúde desenvolvidas

Leia mais

Práticas Integrativas e Complementares no SUS

Práticas Integrativas e Complementares no SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares RELATÓRIO DE GESTÃO 2006/2010 Práticas Integrativas e Complementares

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ministério da Saúde II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO, DESAFIOS E POSSIBILIDADES Brasília, 25 de setembro de

Leia mais

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Brasília DF Maio de 2014 3 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 Atualização do fluxo de notificações em farmacovigilância para os Detentores de Registro de Medicamentos no Estado de São Paulo e dá providências correlatas;

Leia mais

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução)

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução) UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG PERÍODO LETIVO: 2015.2 CURSO: ENFERMAGEM - TURNO: NOTURNO 5º PERÍODO A AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

Compartilhando experiências em Práticas Integrativas e Complementares

Compartilhando experiências em Práticas Integrativas e Complementares II JORNADA CIENTÍFICA HOSPITAL DE MEDICINA ALTERNATIVA Compartilhando experiências em Práticas Integrativas e Complementares no SUS Goiânia, outubro de 2012. 1 2 Política: Integrar MT/MCA aos Sistemas

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Departamento t de Desenvolvimento Sustentável tá na Mineração Ministério das Minas e Energia LEI Nº 12.305/2010 Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 10/04/2013-17:36:08 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2225 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

I CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS SOB UM OLHAR INTEGRATIVO DE RACIONALIDADES MÉDICAS

I CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS SOB UM OLHAR INTEGRATIVO DE RACIONALIDADES MÉDICAS I CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS SOB UM OLHAR INTEGRATIVO DE RACIONALIDADES MÉDICAS CADASTRADO NA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX/UNIFESP (N 7863) http://dpdphp.epm.br/acad/siex/index.htm 1. INTRODUÇÃO A edição,

Leia mais

Marcos regulatórios para plantas medicinais e fitoterápicos

Marcos regulatórios para plantas medicinais e fitoterápicos Marcos regulatórios para plantas medicinais e fitoterápicos GMEFH/GGMED/ANVISA Prêmio Inovação na Gestão Pública Federal 2006/2007 Medicamentos fitoterápicos Fitoterápicos São medicamentos obtidos empregando-se

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00.

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Organizador: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Contatos:

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 610 DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 610 DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 610 DE 20 DE MARÇO DE 2015 EMENTA: Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico na farmácia universitária e dá outras providências. PREÂMBULO No mundo contemporâneo, os modelos de assistência

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação

Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Mesa redonda 3 O papel institucional na elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico: interesses,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA

AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS: COMO A POLÍTICA PÚBLICA PODERÁ VIABILIZAR ESTA CADEIA PRODUTIVA 1 2 3 Sandra Maria Pereira da Silva ; Iracélis Fátima de

Leia mais

Desvio de Finalidade Papel Imune

Desvio de Finalidade Papel Imune Desvio de Finalidade Papel Imune Compliance com as Leis de Defesa da Concorrência ALERTA: Evitar quaisquer discussões ou conversações sobre temas sensíveis à livre competição entre as empresas associadas,

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N, DE 2015.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N, DE 2015. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N, DE 0. Institui a Unidade Nacional de Capacitação do Ministério Público, no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Gestor de Projeto - Brasília PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA. Gestor de Projeto - Brasília PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA Gestor de Projeto - Brasília PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO DE PROJETOS DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE I. CONTEXTO A Saúde da Família (SF), estratégia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.053 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador PLANEJAMENTO DO SUS Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador FINANCIAMENTO DA

Leia mais

Educação Ambiental em apoio à Nova Lei Florestal. Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente

Educação Ambiental em apoio à Nova Lei Florestal. Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente Educação Ambiental em apoio à Nova Lei Florestal Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente Contextualização O Decreto Nº 7.029/09, que instituía o Programa Mais Ambiente foi revogado

Leia mais

NOTÍCIAS DO CFF Plenário do CFF aprova prescrição farmacêutica Data: 30/08/2013 De acordo com o texto da proposta, o farmacêutico poderá realizar a prescrição de medicamentos e produtos com finalidade

Leia mais

Memória de Reunião Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL 6ª REUNIÃO PLENÁRIA DO GTP APL

Memória de Reunião Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL 6ª REUNIÃO PLENÁRIA DO GTP APL Memória de Reunião Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL 6ª REUNIÃO PLENÁRIA DO GTP APL Data: 26/04/2006, quarta-feira Horário: 10h às 12h Local: sala 614, MDIC, Brasília/DF

Leia mais

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP NORMAS E FLUXOS

Leia mais

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, tecnologia e Insumos Estratégico Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégico Coordenação Geral de Assistência Farmacêutica Básica QUALIFAR-SUS

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA Nº PROPOSTA 01 02 Inclusão do segmento dos surdos na isenção dos impostos, assim como as demais pessoas com deficiência, quando da aquisição de veículo de transporte de passeio;

Leia mais

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde Encontro com Referências Estaduais de Alimentação

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Política Nacional de Educação na Saúde

Política Nacional de Educação na Saúde III Seminário Nacional de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde Política Nacional de Educação na Saúde 13 a 15 de outubro de 2008 CONTEXTOS DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE A Constituição Federal

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2015 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROEJA Síntese dos

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Atenção à Saúde das Pessoas com Deficiência Intelectual e

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 14.310, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. (publicada no DOE n.º 189, de 1º de outubro de 2013) Institui o Sistema

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE NOTA TÉCNICA 16/2011 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília, 23 de maio de 2011. PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE 1. INTRODUÇÃO: O Programa Academia da Saúde foi instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde através

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA SEC. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília, 3 de dezembro de 2014

SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA SEC. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília, 3 de dezembro de 2014 SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA SEC 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília, 3 de dezembro de 2014 Ações 2013 Editais de Economia Criativa Prêmio Economia Criativa: Edital de fomento a iniciativas

Leia mais

PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL

PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL Osmário Zan Matias Fiscal Agropecuário SFA/GO Engenheiro Agrônomo CREA/GO - 2.899/D osmario.zan@agricultura.gov.br Lei nº 9.972 de 25 de maio de 2000 Institui a classificação

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS

PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS Brasília DF 2007 Lista de siglas ANPPS ANVISA APEX ATER ATS BNDES BPA

Leia mais

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade dos Centros de Especialidades Odontológicas (PMAQ-CEO). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2199 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2199 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 10/04/2013-17:33:42 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2199 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica

Leia mais

RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados

RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados RELATÓRIO DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS Secretarias de Agricultura dos Estados Com base nas informações disponíveis, a ANDAV fez um levantamento nas Legislações Estaduais referente à necessidade de entrega

Leia mais

Leomar Luiz Prezotto

Leomar Luiz Prezotto LEGISLAÇÃO SANITÁRIA Leomar Luiz Prezotto Consultor em agroindústria Email: leomar.prezotto@mda.gov.br prezotto@consultoriaboavista.com.br www.consultoriaboavista.com.br Fone: 61 8128.9790 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2357 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 136/2013 CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2357 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 136/2013 CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 17/05/2013-16:53:43 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2357 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília DF 2013 MONITORAMENTO DO PROGRAMA O Polo do Programa Academia da Saúde, instituído no âmbito

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB. Guarujá, Outubro de 2013.

Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB. Guarujá, Outubro de 2013. Contexto das Cooperativas de Eletrificação no Brasil Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB Guarujá, Outubro de 2013. Conceito de Infraestrutura É o conjunto de atividades

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Estratégia e-sus AB caminhos da implantação Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Assista o vídeo que mostra como os profissionais de saúde

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão do

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO "Casa com Carro"

REGULAMENTO PROMOÇÃO Casa com Carro REGULAMENTO PROMOÇÃO "Casa com Carro" Porto Seguro Administradora de Consórcios LTDA pessoa jurídica com sede, na Rua Guaianases, 1238 6º andar - Campos Elíseos Cep: 01204-001 inscrita no CNPJ sob nº 48.041.735/0001-90,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL EDITAL N 12 BRA/14/011 Contratação de consultoria nacional especializada para produção de subsídios visando ao fortalecimento das ações de saúde

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1485 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1485 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 25/04/2012-15:38:18 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1485 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura Programa 0168 LIVRO ABERTO Objetivo Estimular o hábito da leitura, facilitando o acesso às bibliotecas públicas e propiciar a difusão do conhecimento científico, acadêmico e literário. Indicador(es) Taxa

Leia mais