PRODUÇÃO E AVALIAÇÃO DE VÍDEO PARA O ENSINO DE LAVAGEM VESICAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO E AVALIAÇÃO DE VÍDEO PARA O ENSINO DE LAVAGEM VESICAL"

Transcrição

1 PRODUÇÃO E AVALIAÇÃO DE VÍDEO PARA O ENSINO DE LAVAGEM VESICAL INTRODUÇÃO Alessandra Vidal da Silva 1 Denise Costa Dias 2 Tem sido estimado que 40 a 50% dos pacientes com sonda vesical de demora (SVD) de longa permanência sofram uma obstrução da sonda. Isto não apenas causa estresse e desconforto ao paciente como também demanda recursos e um tempo aumentado de enfermagem. Infecções com bacteriúria tornam a urina alcalina predispondo a formação de cristais que frequentemente se depositam no lúmen interno da SVD causando bloqueio do fluxo de urina. A equipe de enfermagem frequentemente maneja esta situação de crise com lavagens vesicais, ou lavagem da SVD (EVANS, GODFREY, 2000). A lavagem vesical é um procedimento realizado através da sonda vesical, para tanto, iniciaremos discorrendo sobre a sondagem vesical, logo após definiremos a lavagem vesical e a abordagem pedagógica que utilizaremos neste projeto. Sondagem vesical é usada quando a urina não pode ser eliminada naturalmente, deve ser drenada artificialmente através de sondas ou cateteres que podem ser introduzidos diretamente na bexiga, ureter ou pelve renal. A sondagem vesical é a introdução de uma sonda ou cateter na bexiga, que pode ser realizada através da uretra ou por via supra-púbica, e tem por finalidade a remoção da urina. Suas principais indicações são: obtenção de urina asséptica para exame, esvaziar bexiga em pacientes com retenção urinária, em preparo cirúrgico e mesmo no pós operatório, para monitorizar o débito urinário horário e em pacientes inconscientes, para a determinação da urina residual ou com bexiga neurogênica que não possuam um controle esfincteriano adequado (VEIGA; CROSSETTI, 1993). 1 Acadêmica do 4º ano de enfermagem da Unioeste, rua André de Barros 503, telefone: (45) , endereço eletrônico: 2 Enfermeira doutora, Docente do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná- Unioeste - Cascavel.

2 A sondagem vesical pode ser dita de alívio, quando há a retirada da sonda após o esvaziamento vesical, ou de demora, quando há a necessidade de permanência da mesma. Nestas sondagens de demora, a bexiga não se enche nem se contrai para o seu esvaziamento, perdendo com o tempo, um pouco de sua tonicidade e levando à incapacidade de contração do músculo detrusor (POTTER; PERRY, 1996). A sondagem vesical, ou cateterismo pode ser necessário para coletar amostras urinárias ou para avaliar quanto de urina permanece na bexiga depois que o paciente urinou (CRAVEN; HIRNLE, 2007). Em geral as sondas urinárias são feitas de borracha, plástico ou náilon. Um cateter reto com apenas uma luz é empregado para os procedimentos de cateterismo de alívio (isolado ou intermitente). Quando é necessária uma sonda de demora, utiliza-se uma sonda de luz dupla conhecida como sonda de foley. Uma sonda de foley possui uma luz para remover a urina e uma segunda luz, menor, para insuflar um balão que impede que a sonda saia da bexiga. O balão está localizado próximo a extremidade de inserção da sonda e pode ser insuflado e desinsuflado com uma seringa. Um terceiro tipo de sonda e a sonda de demora de luz tripla, que é inserida quando a urina deve ser removida da bexiga e também deve ser realizada a irrigação da bexiga com líquidos ou medicamentos. Em geral, um cateter de luz tripla é empregado depois de cirurgia urológica ou prostática (CRAVEN; HIRNLE, 2007). O método aberto de irrigação, ou lavagem vesical, é realizado com a sonda de demora de luz dupla. Ele raramente é usado e está associado um risco aumentado de infecções do trato urinário (ITU) relacionadas à abertura do sistema, por desconexão da sonda com o tubo de drenagem. De acordo com Craven, Hirlen (2006) deve ser realizada a limpeza da junção da sonda com o tubo de drenagem, e empregando técnica esterilizada, desconectar a sonda do tubo e utilizando uma seringa urológica esterilizada administrar a solução prescrita. A lavagem vesical é uma técnica utilizada em situações extremas, para desobstrução da sonda vesical. Ocorre com a introdução de uma solução fisiológica sob pressão, por meio de seringa urológica. É uma técnica pouco utilizada pelo risco de contaminação e conseqüente infecção decorrente do procedimento (VEIGA; CROSSETTI, 1993). Muitos urologistas prescrevem a retirada da sonda obstruída e colocação de nova sonda. Somente quando o paciente tiver algum traumatismo de uretra ou condição em que a re-sondagem signifique um risco importante é que a lavagem vesical estará indicada. Muitos livros que abordam procedimentos de enfermagem relacionados às vias urinárias, embora descrevam as

3 técnicas de cateterismo vesical e todos os cuidados relacionados, não mencionam esta técnica. No entanto é importante que o enfermeiro conheça esta alternativa terapêutica.

4 OBJETIVOS Geral - Produzir e testar material para o ensino de lavagem vesical Específicos: - Realizar pesquisa bibliográfica sobre a técnica de lavagem vesical; - Produzir vídeo sobre a técnica de lavagem vesical; - Elaborar checklist sobre a técnica de lavagem vesical para ser utilizado em conjunto com o vídeo; - Testar o vídeo junto à acadêmicos de enfermagem. METODOLOGIA Foi realizada uma pesquisa bibliográfica, onde encontramos 1 artigo nacional, 4 artigos em língua inglesa e 4 livros de enfermagem que abordam o procedimento. Elaboramos checklist, com base nas referências bibliográficas e o encaminhamos para análise de professores de enfermagem, assim como de profissionais enfermeiros que executam o procedimento em seus ambientes de trabalho. Obtivemos o retorno de 4 profissionais. Produzimos um vídeo sobre a técnica por meio de simulação realizada em laboratório de enfermagem, utilizando o checklist como norteador. O estudo iniciou após aprovação pelo Comitê de ética em Pesquisa. As imagens foram captadas com filmadora digital Sansung operada pelas autoras. E após a captação, as imagens foram editadas de forma ainda preliminar com o software Windows Movie Maker. O vídeo sobre lavagem vesical foi editado e cortado em duas partes de aproximadamente 10 minutos cada, abordando três técnicas de lavagem vesical, onde o profissional realizava a técnica sozinho. O vídeo foi postado em um site bastante acessado da internet you tube, podendo ser assistido pelo mundo inteiro. A avaliação do vídeo ocorreu por meio digital através da internet. O link do endereço virtual onde os 2 vídeos estão disponíveis foi enviado para o das turmas do 2º, 3º e 4º ano de enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, juntamente com o questionário de avaliação contendo 15 questões e o checklist da técnica. Também foi enviado para o pessoal de seis professores dessa mesma

5 instituição e para o de uma aluna do 3º ano de enfermagem da universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro). Os alunos e professores foram orientados a respeito do termo de consentimento, que foi colocado ao final do questionário de avaliação, e caso o fosse respondido, automaticamente o termo seria considerado como aceito. DESENVOLVIMENTO Para elaboração do checklist foram utilizadas as recomendações encontradas na literatura, assim como a experiência profissional das avaliadoras. Checklist para o procedimento de lavagem vesical Material necessário: 1 par de luvas de procedimento 1 par de luvas cirúrgicas 1 seringa urológica 50 ml 1 pacote de cateterismo vesical* 3 pacotes de gaze esterilizada Solução antisséptica (PVPI ou Clorexidina alcoólica 2%) Soro fisiológico 250 ml ou a solução prescrita *o pacote de cateterismo pode ser substituído por 2 cubas rins esterelizadas. n Ação Justificativa 1 Verificar a prescrição Evitar erros potenciais 2 Lavar as mãos Evitar transmissão de microorganismos 3 Preparar o material Planejar o procedimento 4 Orientar o paciente e dispor o material a beira do É um direito do paciente leito 5 Fechar a porta da enfermaria e cercar o leito com biombo, se necessário. ser informado e ele poderá colaborar por compreender melhor o procedimento Preservar a privacidade do paciente. Em caso de

6 6 Abrir o pacote de cateterismo vesical sem contaminar o interior; abrir o invólucro da seringa urológica e dispô-la sobre o campo; abrir 1 pacote de gaze e dispor sobre o campo 7 abrir o SF 250ml, realizando a antissepsia da ponta do frasco antes, e despejar na cuba redonda ( se a cuba redonda estiver com torundas, deve ser esvaziada de maneira a não contaminar os materiais do campo). 8 Calçar a luva de procedimento 9 Utilizar a compressa do pacote de cateterismo para forrar o leito 10 Soltar a fixação da sonda vesical 11 Utilizar 1 pacote de gazes e solução antisséptica para realizar a antissepsia do local de aproximadamente 5cm acima e abaixo do local da conexão da sonda foley com o tubo extensor da quarto privativo basta fechar a porta. bolsa coletora. 12 Calçar a luva cirúrgica Evitar contaminar 13 Aproximar a cuba-rim da ponta da sonda vesical 14 Desconectar a sonda vesical do tubo de drenagem Evitar contaminar utilizando gazes esterilizadas na mão não dominante e o campo fenestrado dobrado na mão dominante. 15 Proteger a ponta do tubo da bolsa coletora com o campo fenestrado dobrado sobre a ponta, prendendo com a pinça do pacote de cateterismo vesical. 16 Aspirar 50 ml de SF(ou solução prescrita) com a seringa urológica 17 Introduzir a ponta da seringa urológica na ponta da sonda vesical e injetar com uma pressão leve e Evitar contaminar a ponta da bolsa coletora. Caso o profissional proceda a troca da bolsa após a lavagem vesical esta etapa não será necessária.

7 constante 18 Aspirar a sonda vesical com a seringa urológica observando o aspecto e volume do líquido aspirado 19 Repetir o procedimento 14 e 15 até o retorno ser claro, sem resíduos ou coágulos. 20 Fechar o sistema, reconectando a sonda ao tubo da bolsa coletora e fixá-la novamente à perna do paciente. 21 Deixar o paciente confortável e levar o material usado para o expurgo 22 Lavar as mãos 23 Registrar o procedimento realizado, volume injetado, volume aspirado e aspecto do mesmo. Os vídeos foram elaborados pela acadêmica e orientadora no laboratório de enfermagem, utilizando de materiais próprios para a técnica e de manequim. Foram realizadas algumas improvisações, como por exemplo, para não molharmos internamente o manequim foi colocada uma cuba rim na ponta da sonda foley, esta serviu como uma bexiga artificial, na qual o líquido era injetado e da qual o líquido era aspirado posteriormente. Para simular a coloração de uma urina hematúrica e com coágulos foi utilizado água corrente com adição de PVPI e xarope avermelhado. O tempo utilizado para filmagem foi de aproximadamente 6 horas, distribuídas em 3 dias diferentes. No primeiro dia filmamos a técnica realizada com o pacote de cateterismo vesical, no segundo dia filmamos a técnica com a utilização de 2 cubas rins esterilizadas em substituição ao pacote de cateterismo. No terceiro dia aventamos a hipótese de que a instituição possa optar pelo papel grau cirúrgico ao invés de campo de pano para o empacotamento do material. Neste caso seria necessário acrescentar um campo cirúrgico para a abertura do material. As imagens foram captadas com filmadora digital Sansung operada pelas autoras. E após a captação, as imagens foram editadas de forma ainda preliminar com o software Windows Movie Maker. Obtivemos a avaliação de cinco alunas do 3º ano de enfermagem da Unioeste com a idade entre 19 e 22 anos, uma aluna do 4º ano da mesma instituição com 21 anos e duas professoras que fazem parte do corpo docente do curso de enfermagem da

8 Unioeste e atuam na área da docência há 15 e 27 anos; totalizando 8 avaliadores, sendo 6 discentes e 2 docentes. O período de coleta de dados teve alterações devido à paralisação ocorrida em todas as Universidades Estaduais do Paraná, motivado pelo aumento do número de casos da Gripe H1N1. Esse fato prejudicou o andamento da coleta de dados, pois os alunos ficaram sobrecarregados de provas e trabalhos e poucos concordaram em participar da pesquisa. A primeira pergunta do questionário questionou sobre a utilidade do checklist para orientar a realização de lavagem vesical e todos concordaram que este é um recurso útil e não houve sugestões de modificação deste. Foi questionado se os indivíduos utilizariam o checklist para sua auto avaliação e todos responderam afirmativamente, e para a avaliação de alunos no desempenho da técnica apenas uma não concordou, justificando que essa forma de avaliação pode inibir a criatividade e tornar a atividade muito mecânica. Foi questionado se as imagens/informações apresentadas nos vídeos possibilita a aprendizagem sobre lavagem vesical e todos responderam afirmativamente, justificando que: Aluna 1 (3º ano): Sim. Porque trás o checklist, e em seguida é possível visualizar passo a passo o procedimento, incluindo o matérial o manejo e a técnica propriamente dita. Aluna 2 (3º ano): Sim. Além de padronizar a técnica, o recurso visual trás uma melhor assimilação da teoria com a prática. Aluna 4 (3º ano): Sim, pois apesar de ter realizado a técnica em laboratório, os acadêmicos acabam esquecendo muitas das técnicas apresentadas, sendo que não realizamos muitas das técnicas nas aulas práticas supervisionadas. Por isso achei muito interessante o vídeo, pois possibilita o aluno relembrar da prática Aluna 5 (3º ano): Sim, porém o vídeo sem demonstração dos professores e sem a prática do aluno em aulas práticas não possibilita um bom aprendizado. Aluna 6 (4º ano): Sim. Possibilita a aprendizagem sim. Nunca realizei a técnica na prática e considero que facilitou a visualização do procedimento. Professora 1: Sim, ficou muito didático a apresentação, com os passos a serem seguidos. Professora 2: Sim, apresenta a sequência do procedimento Todos concordaram que as informações sobre o procedimento apresentadas no vídeo são suficientes, sendo que uma das alunas comentou que: com certeza não exclui

9 a necessidade de aprender a técnica em laboratório durante a formação, o que dará suporte para a memória não só visual mas motora também, e a relação entre elas. O questionário perguntou se para a melhor compreensão da técnica apresentada seria necessário visualizar novamente o vídeo e as 2 professoras responderam não achar necessário, das alunas 4 acham sim necessário uma nova visualização e de preferência em sala de aula para esclarecimento de dúvidas com os professores. O conteúdo do vídeo foi considerado interessante pelo formato e imagens, fácil, completo pela maioria dos que responderam o questionário (7), apenas uma aluna considerou o vídeo cansativo de assistir, sendo que esta mesma aluna foi a única a considerar a técnica demonstrada no vídeo como difícil. Foi questionado sobre a necessidade de explicações sobre a técnica e o conteúdo, e metade dos respondentes julgou necessário que o vídeo seja acompanhado por explicações verbais concomitantes, com interrupções do mesmo. Sendo que para uma aluna para melhor entendimento da técnica é importante além do vídeo que o professor demonstre em laboratório.outra metade considerou que não há necessidade de explicações concomitantes ou posteriores por que está bem claro. Os professores que responderam ao questionário após a visualização do vídeo responderam que não ensinam essa técnica no laboratório, mas julgam importante que os alunos aprendam a mesma. Sendo que uma delas não recorda ter aprendido essa técnica durante sua graduação. Apenas uma aluna, do quarto ano do curso respondeu não ter aprendido a técnica. Algumas sugestões foram fornecidas pelas professoras para aprimoramento do vídeo, as alunas não fizeram sugestões. Todas concordaram que seria útil para o ensino de outras técnicas de enfermagem a elaboração de vídeos: Aluna 1 (3º ano): Sim, devido ao fato de poder visualizar a técnica a qualquer hora depois de apreendida. Aluna 2 (3º ano): Sim, padronizando as técnicas ensinadas na instituição, e a melhor visualização do acadêmico, fazendo ligação entre a teoria e a prática. Aluna 3 (3º ano): Sim, considero, pois é uma maneira didática de se assimilar o conhecimento. Aluna 4 (3º ano): Com certeza. Acho muito útil para a formação, pois são várias as técnicas, e com os vídeos podemos relembrar as mesmas

10 Aluna 5 (3º ano): A utilização de vídeo é um recurso interessante, mas nada dispensa a demonstração do professor em laboratório, o vídeo seria como um complemento. Concordamos com esta aluna que afirma que o recurso de ser um complemento, pois o vídeo é apenas um recurso audio-visual de forma alguma dispensa a explicação e demonstração da técnica pelo professor. Aluna 6 (4ºano): Certamente. Caso o aluno não pegue alguns detalhes do procedimento na aula prática ou, por algum motivo, não tenha tido tempo de praticá-lo em sala de laboratório, pode assistir o vídeo em casa e assim rever e tirar duvidas restantes. Neste caso discordamos, pois assistir ao vídeo não dispensa a prática da técnica em laboratório. O vídeo intenciona apenas orientar a prática. A destreza manual é adquirida apenas com o manejo real dos materiais, cabendo destacar que nesta técnica em particular a seringa urológica é de difícil manejo. Mas a prática é imprescindível para qualquer técnica. O tempo necessário para ler o checklist, ver o vídeo e responder ao questionário foi em média 40 minutos. CONCLUSÃO A técnica de lavagem vesical é pouco utilizada, pouco estudada e pobremente abordada na literatura de enfermagem. Esta técnica, como outras na área de enfermagem, permite algumas variações nos passos do procedimento, assim como, em relação ao tipo de materiais utilizados para a sua execução. Recomendamos que cada instituição adote um formato, defina os materiais a serem utilizados, a maneira correta de utilizá-los e que disponibilize orientações para que os profissionais possam realizar o procedimento de forma segura. O vídeo e checklist elaborados podem constituir um recurso didático útil para complementar de forma interessante a formação dos alunos. No entanto a validação deste recurso, tanto em termos de conteúdo como em termos de qualidade de imagem, som, legendas, ainda deve ser avaliado posteriormente com uma amostra maior incluindo mais docentes de enfermagem desta e de outras instituições. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11 CRAVEN, R. F.; HIRNLE, C. J. Fundamentos de Enfermagem 4a ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, EVANS, A.; GODFREY, H. Bladder washouts in the management of long-term catheters British Journal of Nursing, Vol. 9, Iss. 14, 27 Jul 2000, pp POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Grande tratado de enfermagem prática: clínica e prática hospitalar. São Paulo: Santos Editora, VEIGA, D. A; CROSSETTI, M. G. O. Manual de técnicas de enfermagem. 4.ed. Rev. e Ampl. Porto alegre, Sagra: DC Luzzato, 1993.

PRODUÇÃO DE VÍDEO COMO OBJETO DIGITAL DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE SONDAGEM VESICAL

PRODUÇÃO DE VÍDEO COMO OBJETO DIGITAL DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE SONDAGEM VESICAL PRODUÇÃO DE VÍDEO COMO OBJETO DIGITAL DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE SONDAGEM VESICAL Denise Costa Dias 1 Lorena Moraes Goetem Gemelli 2 Daisy Cristina Rodrigues 3 INTRODUÇÂO: No desenvolvimento de recursos

Leia mais

Sondagens Gastro Gastro-intestinal Vesical Retal Priscilla Roberta Rocha Enfermeira - Especialista em Clínica Médica DEFINIÇÕES SONDA - Tubo que se introduz no organismo em canal natural ou não, para reconhecer-

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA SONDAGEM VESICAL SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA MATERIAL: Bandeja com pacote de cateterismo vesical; Sonda vesical duas vias(foley) de calibre adequado (em geral n. 14); Xylocaína gel, gazes, luvas estéreis;

Leia mais

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterismo Vesical APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterização intermitente Alivio do desconforto da distensão da bexiga, provisão da descompressão Obtenção de amostra de urina estéril

Leia mais

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical Termo correto = CATETERIZAÇÃO VESICAL Cateter: dispositivo tubular com luz, mais utilizados para drenagem de líquidos ou infusão

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual Norma - Algaliação DEFINIÇÃO Consiste na introdução de um cateter da uretra até á bexiga. É uma técnica asséptica e invasiva. Sendo uma intervenção interdependente, isto é, depende da prescrição de outros

Leia mais

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese.

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. PÁG:1 CONCEITO Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. FINALIDADE - Promover a drenagem urinária. -Realizar o controle rigoroso do

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA; Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva - USS; MBA em Administração

Leia mais

Prevenção de Infecções relacionadas ao Cateter Vesical

Prevenção de Infecções relacionadas ao Cateter Vesical UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS DIVISÃO DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM Prevenção de Infecções relacionadas ao Cateter Vesical Instrutora: Enf, Dra.Thaís

Leia mais

CATETERISMO SONDA NASOGÁSTRICA. Introdução

CATETERISMO SONDA NASOGÁSTRICA. Introdução CATETERISMO SONDA NASOGÁSTRICA Introdução A sonda é um instrumento para ser introduzido em um canal ou cavidade para fins propedêuticos (determinar a presença de estenose, corpo estranho ou uma outra situação

Leia mais

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE Revisão: PÁG: 1 CONCEITO É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina. FINALIDADE Esvaziamento da bexiga em pacientes com comprometimento ou ausência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM ENFERMAGEM NA UNIDADE DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR 6º NORTE - HCPA PORTO ALEGRE 1 MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS RELATÓRIO

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010 Assunto: Desobstrução de sonda vesical de demora. 1. Do fato Profissional de enfermagem questiona se enfermeiros e técnicos de enfermagem podem realizar desobstrução

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM SODA VESICAL E NASO ENTERAL Prof: Elton Chaves. DÉBITO URINÁRIO Anúria diurese inferior a 100ml Oligúria diurese inferior a 400ml Poliúria- diurese superior a 2.500ml 1 DÉBITO

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA

CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA Mateus Antonio de Oliveira Calori 1 Paula de Cássia Pelatieri 2 RESUMO Sondagem vesical de demora é um procedimento invasivo que tem por objetivo o esvaziamento

Leia mais

Manual para Cuidadores Informais de Idosos URIPEN E SONDA VESICAL DE DEMORA A sonda de Foley ou sonda vesical de demora pode ser utilizada em pacientes que perderam a capacidade de urinar espontaneamente,

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

PARECER COREN-SP CAT nº 006/2015 Revisão em março de 2015

PARECER COREN-SP CAT nº 006/2015 Revisão em março de 2015 PARECER COREN-SP CAT nº 006/2015 Revisão em março de 2015 Ementa: Sondagem/cateterismo vesical de demora, de alívio e intermitente no domicílio. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam esclarecimentos

Leia mais

Rotina de Cateterismo Vesical Unidades Assistenciais. Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Enfermeira Débora Mari Junges Hermany

Rotina de Cateterismo Vesical Unidades Assistenciais. Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Enfermeira Débora Mari Junges Hermany Rotina de Cateterismo Vesical Unidades Assistenciais Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Enfermeira Débora Mari Junges Hermany OBJETIVO DA ROTINA 2 Padronizar o atendimento ao usuário com

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

Especialização Profissional de Nível Técnico de. Enfermagem em Instrumentação Cirúrgica, Centro Cirúrgico e Central de Material e Esterilização

Especialização Profissional de Nível Técnico de. Enfermagem em Instrumentação Cirúrgica, Centro Cirúrgico e Central de Material e Esterilização Nome da Instituição : SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC - SP CNPJ: 03.709.814/0001-98 Data: 09 de maio de 2002 Número do Plano: 60 Área do Plano: Saúde - Subárea Enfermagem PLANO DE CURSO

Leia mais

SONDAGEM VESICAL INTERMITENTE Técnica limpa

SONDAGEM VESICAL INTERMITENTE Técnica limpa Grupo Hospitalar Conceição Hospital Nossa Senhora da Conceição SONDAGEM VESICAL INTERMITENTE Técnica limpa Orientações para pacientes, familiares e cuidadores Maio 2011. 1 Sondagem Vesical Intermitente

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Professor: Petrúcia Maria de Matos E-mail: petruciamatos@hotmail.com Código: Carga Horária:

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

Centro de Cuidados de Enfermagem: Integrando o ensino, a pesquisa e extensão ;

Centro de Cuidados de Enfermagem: Integrando o ensino, a pesquisa e extensão ; DESENVOLVIMENTO DO PROTOCOLO DE CURATIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA DEMANDA DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Peruzzo, Simone Aparecida 1 ; Boller, Shirley 2 ; Taube, Samanta AM 3 ; Soares, Franciele 4 ; Stahlhoefer,

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

Sondagem é a introdução de sondas/catéteres nos orifícios naturais do organismo ou através de

Sondagem é a introdução de sondas/catéteres nos orifícios naturais do organismo ou através de Sondagem é a introdução de sondas/catéteres nos orifícios naturais do organismo ou através de abertura. Sua função é determinada de acordo com a necessidade do paciente, podendo ser tanto para introdução

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. Orientações de Saúde Para Cadeirantes

1. APRESENTAÇÃO. Orientações de Saúde Para Cadeirantes 1. APRESENTAÇÃO Uma parcela significativa dos atletas paralímpicos são lesados medulares e/ou cadeirantes. Nos Jogos Paralímpicos de Londres a delegação brasileira apresentou-se com 180 atletas, dos quais

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

COLETOR DE URINA SISTEMA FECHADO SOLIDOR (Nome técnico:bolsa Coletora Código de identificação:2501160 )

COLETOR DE URINA SISTEMA FECHADO SOLIDOR (Nome técnico:bolsa Coletora Código de identificação:2501160 ) INSTRUÇÕES DE USO COLETOR DE URINA SISTEMA FECHADO SOLIDOR (Nome técnico:bolsa Coletora Código de identificação:2501160 ) Fabricante: Yangzhou Medline Industry Co., Ltd. Endereço: No. 108, Jinshan Road,

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável.

CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de sangue venoso através de uma veia periférica, utilizando agulha ou cateter tipo escalpe e seringa descartável. FINALIDADE Determinar compatibilidade de

Leia mais

EDITAL. Processo de compras Nº 49/2016

EDITAL. Processo de compras Nº 49/2016 EDITAL Processo de compras Nº 049/2016 O CREDEQ - Centro de Referência e Excelência em Dependência Química - Unidade Aparecida de Goiânia - Jamil Issys, - CNPJ: 02.812.043/0012 50, torna público que, no

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM FRENTE AO PROCEDIMENTO DE CATETERISMO VESICAL DE DEMORA

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM FRENTE AO PROCEDIMENTO DE CATETERISMO VESICAL DE DEMORA ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM FRENTE AO PROCEDIMENTO DE CATETERISMO VESICAL DE DEMORA ROLE OF NURSING IN THE FACE OF PROCEDURE CATHETERIZATION BLADDER OF DELAY Semiologia Anna Karollyne Bezerra Dos Santos 1 Walquiria

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea Nefrolitotripsia Percutânea A cirurgia renal percutânea é a forma menos agressiva de tratamento para cálculos renais grandes e que não podem ser tratados adequadamente pela fragmentação com os aparelhos

Leia mais

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores.

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores. Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na retirada de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de manter a permeabilidade das vias aéreas, facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração.

Leia mais

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SISTEMA DIGESTÓRIO Formado pelo tubo digestivo e as glândulas anexas; Subdividido em: -cavidade oral - esôfago - estômago - intestino

Leia mais

Auxiliar de Enfermagem

Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Enfermagem 01.01.01.001-0 - Atividade Educativa / Orientação em Grupo na Atenção Básica - Consiste nas atividades educativas, em grupo, sobre ações de promoção e prevenção à saúde, desenvolvidas

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

Detalhamento Cód. 197511

Detalhamento Cód. 197511 DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 Detalhamento Cód. 197511 POP: Administração de Dieta ao Recém Nascido por Sonda de Alimentação Enteral e Bomba de Infusão

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXELÔ CONCURSO PÚBLICO 001/2014 DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXELÔ CONCURSO PÚBLICO 001/2014 DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXELÔ CONCURSO PÚBLICO 001/2014 DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infra relacionados, concorrentes ao cargo ENFERMEIRO PSF

Leia mais

Drenos. Prof. Claudia Witzel

Drenos. Prof. Claudia Witzel Drenos 1 Conceito É um material que quando necessário ;e colocado em uma cavidade, ou ferida, para saída de líquidos, secreções, e ou ar, pois estes não deveriam estar presentes no local. 2 Objetivos dos

Leia mais

Cuidar e Educar: Noções básicas de cuidados para os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento

Cuidar e Educar: Noções básicas de cuidados para os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento Cuidar e Educar: Noções básicas de cuidados para os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento Procedimentos básicos sobre higiene, alimentação e locomoção Desenvolvimento infantil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. MATERNIDADE-ESCOLA DA UFRJ Divisão de Enfermagem PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Aspiração de Tubo Orotraqueal (TOT) ou Traqueostomia (TQT) em Recém- Nascidos (RN) Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 05 Área

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

PIE Data: 01/10/2010 Revisão:

PIE Data: 01/10/2010 Revisão: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Plano De Intervenções De Enfermagem BANHO DIARIO E CUIDADOS AO CLIENTE INTERNADO 1-Conceito: É a higienização corporal diária do cliente

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS

TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS República de Moçambique Ministério da Saúde Programa Nacional de Cirurgia TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Número 5 Abril de 2004 Técnicas de Enfermagem TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Número 5 Abril de 2004 Técnicas

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Qual o tamanho da próstata?

Qual o tamanho da próstata? É o aumento benigno do volume da próstata. A próstata é uma glândula situada na parte inferior da bexiga e anterior ao reto. No seu interior passa a uretra (o canal pelo qual a urina é eliminada do corpo).

Leia mais

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências Sistema Urinário Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências O sistema urinário ANTONIA REEVE / SCIENCE PHOTO LIBRARY O rim foi o primeiro órgão vital a ser transplantado com sucesso em pessoas. Qual a função

Leia mais

Produtos. Divisão Consumo. Zammi_catalogo21-03.indd 1 21/03/2011 16:41:30

Produtos. Divisão Consumo. Zammi_catalogo21-03.indd 1 21/03/2011 16:41:30 Produtos Divisão Consumo Zammi_catalogo21-03.indd 1 21/03/2011 16:41:30 introdução Zammi_catalogo21-03.indd 2 28/04/2011 11:57:26 A Zammi, fundada pelo Dr. Domingos Edgardo Junqueira, foi a primeira empresa

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral Título: Reunião Extraordinária do Colegiado Gestor Data: 06/05/2014 Página: 1 de 6 Pauta: 1. Apresentação das duas candidatas a direção da EEUFMG; 2. Medicamentos trazidos de casa para o HC pelo paciente

Leia mais

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem:

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem: UNESC FACULDADES ENFERMAGEM NEFROLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES A infecção do trato urinário (ITU) é a infecção ou colonização do trato urinário (rins, ureteres, bexiga e uretra) por microorganismos. A infecção

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Administração de oxigênio, a uma pressão maior que a encontrada no ar ambiente, para aliviar e/ou impedir hipóxia tecidual. FINALIDADE Fornecer concentração adicional de oxigênio

Leia mais

Incontinência urinaria. Claudia witzel

Incontinência urinaria. Claudia witzel Incontinência urinaria Claudia witzel A Incontinência Urinária (IU) é a queixa de qualquer perda involuntária de urina, caracterizando uma condição que gera grandes transtornos para a vida das pessoas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica.

Administração segura de medicamentos por via inalatória ( anexo 1) conforme prescrição médica. Revisão: 28/04/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na administração de medicamentos através de dispositivos que produzem uma fina nevoa que facilita o transporte de medicamentos através da inspiração profunda

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO POJUCA CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO POJUCA CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM 1 SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO POJUCA CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM MARIA JACIELY LEAL DE BRITO TÂNIA KARLA NASCIMENTO DE ARRUDA AVALIAÇÃO DAS CONFORMIDADES E NÃO

Leia mais

Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR. Enfª Julliana Pinheiro

Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR. Enfª Julliana Pinheiro Diagnóstico e Prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência a Saúde/ITU- CR Enfª Julliana Pinheiro Definição ITU-RAS é DEFINIDA como: 1. Qualquer infecção ITU relacionada a procedimento urológico;

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST Coleta de culturas antes ATB adequado em h se sepse Intervalo e dose corretos (peso) Reavaliar em - com culturas Suspender em -0d se boa evolução tratar bacteriúria/

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Especialização Profissional de Nível Técnico em. Home Care

Especialização Profissional de Nível Técnico em. Home Care Nome da Instituição : SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC - SP CNPJ: 03.709.814/0001-98 Data: 10 de maio de 2002 Número do Plano: 57 Área do Plano: Saúde - Subárea Enfermagem PLANO DE CURSO

Leia mais

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM TRANSPORTE NEONATAL INTER E ENFERMAGEM INTRA-HOSPITALAR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro Qualquer tipo de transporte deve ser realizado com segurança,

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM AUSTRIBERTA DE ARAÚJO ALVES

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM AUSTRIBERTA DE ARAÚJO ALVES UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM AUSTRIBERTA DE ARAÚJO ALVES FATORES PREDISPONENTES PARA OCORRÊNCIA DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA. Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA. Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA QUESTÃO 21 Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como: a) Papilomas vesicais. b) Carcinomas epidermóides. c) Carcinomas de células

Leia mais

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional Página: 1/17 Emissor: Fabiano de Oliveira Bueno Emitido em: 13/11/2012 Aprovação: Equipe Multidiscliplinar de Terapia Nutricional Aprovado em: 11/12/2012 PROTOCOLO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP)

Leia mais

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem.

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem. ATIVIDADES REFERIDAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS PESSOAS COM ÚLCERAS VASCULARES: MAPEANDO O ATENDIMENTO NAS SALAS DE CURATIVO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA Adriana Cristina de SANTANA 1 ; Maria Márcia

Leia mais

EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES DE ENFERMAGEM TREVIZAN, M.A.; FÁVERO, N.; NUTI, E. Educação e treinamento em serviço para atendentes de enfermagem. Revista de Enfermagem EERP-USP, v.01, n.2, p.63-69, 1973. EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES

Leia mais