OFICINA DE ANIMAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA IRENE MONTEIRO JORGE. Wesley Diniz Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFICINA DE ANIMAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA IRENE MONTEIRO JORGE. Wesley Diniz Ferreira wesleyartista@yahoo.com."

Transcrição

1 OFICINA DE ANIMAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA IRENE MONTEIRO JORGE Wesley Diniz Ferreira Universidade Federal de Uberlândia Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrando em Educação Comunicação Relato de Experiência RESUMO: Este relato parte da minha experiência como professor de Oficina Pedagógica na E. M. Profª Irene Monteiro Jorge no ano de Em dezembro de 2009, ao assistir um vídeo de animação chamado Fábulas Malucas, fiquei fascinado pela criatividade e originalidade do mesmo. O vídeo utiliza legumes, materiais recicláveis e outros elementos para recontar os contos clássicos da Literatura. Ao perceber que o processo de construção desta animação era algo possível de ser feito, fiz alguns experimentos e o resultado foi muito positivo. Procurei a direção para descrever as minhas expectativas, após constatar as inúmeras possibilidades que esta experiência poderia proporcionar como importante recurso pedagógico, surgia naquele momento a Oficina de Animação. No ano de 2010, esta Oficina produziu dois vídeos, o primeiro foi a A Aranha Perneta voltado para crianças de 6 a 9 anos, o segundo vídeo foi: Zumbi dos Palmares uma animação pensada para crianças de 9 a 11 anos. A Oficina atendia um grupo de 30 alunos com idade entre 07 e 10 anos, que permaneciam na escola em período integral. As animações foram produzidas por meio da ferramenta Windows Movie Maker, as imagens e vídeos capturados a partir de uma máquina fotográfica digital de 6.0 Mega Pixels e os sons capturados através da ferramenta Audacity. Os personagens dos desenhos foram confeccionados com materiais recicláveis e os alunos participavam de toda elaboração, produção e conclusão dos desenhos, inclusive no momento de inserir os vídeos, vozes e imagens no computador. Palavras-chave: Oficina Pedagógica. Desenho Animado. Educação.

2 Este relato apresenta minha experiência como professor da Oficina Pedagógica: Oficina de Animação no ano de 2010, e a rica experiência que foi vivenciá-la com alunos e professores. A mesma fazia parte das onze Oficinas Pedagógicas oferecidas pela Escola Municipal Professora Irene Monteiro Jorge, em Uberlândia/MG. A Escola Municipal Professora Irene Monteiro Jorge se localiza na periferia da cidade e atende uma clientela de baixa renda familiar. A comunidade é carente de atendimentos no que se refere ao baixo rendimento escolar, violência física, psicológica, abuso sexual, negligência familiar, alimentação, saúde, higiene e outros. Minha experiência profissional com estes alunos começou em fevereiro de 2008, como professor de Oficina Pedagógica. Desde então tem sido uma preocupação não só minha como também do corpo docente da escola, a busca incessante em atender as reais necessidades destas crianças, no que tange os conteúdos curriculares, baixa autoestima e valores morais. Acredito que as Oficinas Pedagógicas tenham como uma das principais características a socialização, por permitir o confronto das relações interpessoais que se constituem neste ambiente, de maneira muito próxima e que para Vygotsky (1996), fazem dele um ser biológico, histórico e social. Para que haja uma maior qualidade no ensino e um melhor aproveitamento, é fundamental que o educador problematize situações em sala de aula, e sempre que possível na perspectiva de aproximar a realidade do aluno com os conteúdos ministrados. Dessa forma, a oficina de Animação surge como uma possibilidade de se trabalhar diversos assuntos e conteúdos dentro de uma dinâmica lúdica e envolvente, pois une linguagens artísticas, tais como a literatura, as artes visuais, a música e a mídia, no processo de construção do conhecimento. Em dezembro de 2009 tive a oportunidade de conhecer o vídeo de animação chamado Fábulas Malucas, uma produção francesa, ganhadora do prêmio Family Price no Festival de Roma. O vídeo utiliza legumes, materiais recicláveis e outros elementos para recontar os contos clássicos da literatura. Após assistir este DVD que é composto por 10 histórias e com aproximadamente 50 minutos de duração, percebi que o processo pelo qual foi construída esta animação era algo possível de ser feito com os recursos que eu dispunha, e para isso, experimentei inicialmente a 2

3 ferramenta do Windows Movie Maker, e o resultado foi muito positivo. Fiquei estimulado com a possibilidade de trazer para os alunos(as) algo novo e desafiador, uma atividade que pudesse proporcionar a todos sonhar e trabalhar, divertir e aprender, uma proposta criativa e estimulante, conforme Brasil (1997), Apenas um ensino criador, que favoreça a integração entre aprendizagem racional e estética dos alunos, poderá contribuir para o exercício conjunto complementar da razão e do sonho, no qual conhecer é também maravilhar-se, divertir-se brincar com o desconhecido, arriscar hipóteses ousadas, trabalhar duro, esforçar-se e alegrar-se com descobertas. (p. 35) Com o intuito de oportunizar um ensino criador, comecei a elaborar este novo projeto, surgindo a partir daí a Oficina de Animação, que no ano de 2010 produziu dois vídeos, o primeiro foi a A Aranha Perneta voltado para crianças de 6 a 9 anos de idade, com aproximadamente 16 minutos de duração e levou em média três meses para elaboração e conclusão. O segundo vídeo foi: Zumbi dos Palmares uma animação pensada para crianças de 9 a 11 anos de idade, mas também possível de ser trabalhado com crianças maiores, o tempo gasto para a elaboração e conclusão deste vídeo foi de quatro meses. Em 2010, a Oficina atendia um grupo de 32 alunos, com idade entre 07 e 10 anos que permaneciam na escola em período integral. As animações foram produzidas por meio da ferramenta Windows Movie Maker, as imagens e vídeos capturados a partir de uma máquina fotográfica digital Sansung S630 de 6.0 Mega Pixels e os sons capturados através da ferramenta Audacity. Os personagens dos desenhos foram confeccionados com materiais recicláveis e as filmagens aconteciam no âmbito da unidade escolar. Os alunos participavam de toda elaboração, produção e conclusão dos desenhos, inclusive no momento de inserir os vídeos, vozes e imagens no computador. Inseridos num contexto marcado pelas Novas Tecnologias da Informação e Comunicação, concordamos com Martins (1998) quando afirma que, vivemos em um mundo de imagens que estamos permanentemente produzindo, lendo e decodificando (p.54). Isso ao perceber que nossos alunos, ainda que desprovidos de recursos financeiros, tem tido maior acesso às novas tecnologias, é que idealizei uma proposta que contemplasse ao mesmo tempo, recursos tecnológicos com educação, que fosse algo estimulador e que também oportunizasse aos alunos (as) aquisição de novos saberes. Segundo Ferraz (1999), De um modo geral, as crianças apropriam-se das imagens, sons e gestos contidos nas mensagens veiculadas pelas mídias, reelaborando-os e reutilizando- 3

4 os na maioria das vezes de uma maneira pessoal (p.44). Por essa razão, penso que ao trabalhar conteúdos curriculares, valores e noções de cidadania nos desenhos, seja uma outra forma de contribuir na melhoria de atitudes e comportamentos dos alunos(as). E sob a ótica da alfabetização digital, a Oficina de Animação, além de pretender incentivar a criação e o uso de vídeos temáticos para as várias disciplinas, também propunha criar um espaço que oportunizasse os alunos aprender a utilizar o computador, a máquina digital fotográfica como filmadora, baixar arquivos da Internet, editar textos, imagens e inserir sons. A partir do momento que constatei a viabilidade do projeto, e já com a autorização concedida pela Direção da Escola para iniciar a formatação e elaboração da Oficina de Animação, tomei como primeira medida fazer uma reflexão sobre as maiores necessidades apresentada pelos alunos durante as nossas aulas, posteriormente, levei esta reflexão para a coordenadora das Oficinas Pedagógicas que também concordou com a minha análise, de que os conflitos de relacionamento, indisciplina e a baixa auto-estima têm sido um dos aspectos que mais precisam ser trabalhados. Com essa informação, idealizei o roteiro para a história da Aranha Perneta, que visava principalmente discutir esses e outros assuntos que penso também poder contribuir para o desenvolvimento da aprendizagem, aquisição de valores e possibilitar aos alunos refletir sobre seus comportamentos. Acredito que não seria esta atividade que elevaria a auto-estima dos alunos, nem mesmo seria esta atividade que iria discipliná-los, tão pouco resolveria as dificuldades de relacionamento apresentadas por eles. Para isso, penso que seja preciso somar ações entre as várias disciplinas e conteúdos, além dos cuidados da família. Possibilitar aos educandos perceber suas dificuldades sem que para isso seja preciso confrontá-los de forma rude, punitiva ou constrangedora é algo que desejei alcançar. Creio que acompanhar o aluno diante das suas dificuldades e limitações, mostrando a ele que há novas possibilidades e horizontes, seja uma metodologia mais humanizada. Nesta atividade, a metodologia adotada perpassou três pilares, que foram: a sensibilização, a conscientização e a mobilização. Num primeiro momento, tanto eu quanto os alunos fomos conduzidos a refletir sobre o meio a qual pertencemos, sobre as nossas dificuldades e limitações, sobre a forma de nos relacionarmos e interagirmos com as outras pessoas e com o mundo que nos cerca, dessa forma, nos sensibilizamos tanto para com o eu como para com o outro. Num segundo momento, propus aos alunos refletirmos sobre tais questões e assim possibilitar momentos que pudesse desencadear em cada sujeito uma maior 4

5 consciência sobre as questões levantadas. E como mobilização, desenvolvemos conjuntamente o desenho da Aranha Perneta. Penso que antes de se preocupar em desenvolver a consciência dos alunos em relação ao meio ambiente, seja preciso trabalhar os valores. No contrário, como vou tocar o indivíduo para que ele entenda que a preservação ambiental não seja apenas a árvore pela árvore, o rio pelo rio ou o animal pelo animal. Primeiramente, acredito ter que trabalhar o interior do indivíduo, o seu eu. Não adianta querer construir um ambiente equilibrado, se a estrutura da sociedade, por outro lado, está em grande parte em desarmonia. A escola passa a ser uma mini-sociedade para o aluno, e com o desenho da Aranha Perneta, desejei retratar a vida da natureza, uma sociedade paralela, uma sociedade que esta sendo desarticulada pela ação do homem, onde este é o agente destruidor. Tal situação oportunizou desenvolver com a turma várias reflexões sobre as várias intervenções do homem junto à natureza, nos seus vários aspectos positivos e negativos. No final do ano, todos os alunos da Oficina de Animação ganharam uma cópia do desenho A Aranha Perneta. Esta animação também foi apresentada numa reunião de Diretores Escolares no CEMEPE (Centro Municipal de Estudos e Projetos Educacionais Julieta Diniz), onde os mesmos também receberam uma cópia do desenho para levar para suas escolas. Este vídeo foi inscrito no Prêmio Alexandrino Garcia, tendo chegado até a fase semifinal do concurso, ficando entre os 10 melhores trabalhos da região sudeste, e entre os cinco melhores trabalhos apresentados da cidade de Uberlândia. A grande maioria dos alunos da Escola Municipal Professora Irene Monteiro Jorge são negros ou mestiços, e por perceber falas preconceituosas por parte de alguns alunos e atitudes que demonstravam baixa autoestima por parte de outros é que idealizamos a segunda animação, cujo tema seria a Consciência Negra, daí a inspiração de estudarmos e trabalharmos a vida e a luta de Zumbi dos Palmares, transpondo na medida do possível essa história para um desenho animado. A temática da Consciência Negra já fazia parte da minha prática pedagógica, não por determinação de uma lei ou por exigência de uma Secretaria ou Direção, mas por entender a necessidade e relevância do assunto. O desenho animado Zumbi dos Palmares foi apresentado para toda comunidade escolar no dia 20 de novembro de 2010, num sábado letivo, onde contou com a presença da comunidade escolar e convidados. Foi uma tarde importante para todos os presentes, pois, 5

6 além de refletirmos sobre a heróica história de Zumbi, juntos, tivemos a oportunidade de nos sensibilizarmos em relação ao racismo e suas conseqüências. O processo avaliativo da Oficina de Animação se deu durante toda construção das atividades, por meio de diálogos individuais e coletivos. No qual cada cena idealizada e filmada, foi socializada com todos, onde podíamos naquele momento refleti-la, e ao mesmo tempo transpô-la para a nossa realidade. O que foi muito positivo, pois oportunizou aos alunos relatar suas próprias experiências individuais e familiares e ao mesmo tempo possibilitou-me também conhecê-los um pouco mais. Em relação a minha auto-avaliação, acredito ter sido positiva, pois tomei esta atividade como um grande desafio. Foi preciso pesquisar e estudar mais sobre a ferramenta a ser utilizada, também procurei ajuda com a professora do laboratório de informática da escola que deu uma significativa contribuição na construção destes vídeos. Busquei orientação pedagógica com a minha esposa que é Mestre em Educação, além das trocas de informações com outros professores das Oficinas Pedagógicas. Encontrar caminhos e soluções para as dificuldades que iam surgindo durante o processo foi algo constante durante todo o processo de construção da animação. O melhor foi que as conquistas e respostas foram encontradas de forma coletiva e coletivamente também foi à vibração por cada minuto gravado. Enfim, o conhecimento perpassou o sonho de acreditar que era possível, o desejo e a satisfação de fazer, e a alegria de ver o imaginário se concretizar na tela da televisão. 6

7 FOTOS: Foto 1: Desenho: A Aranha Perneta Foto 2: Desenho: A Aranha Perneta Gravação de uma cena na parte externa da escola Gravação de uma cena na sala da Oficina Foto 3: Desenho: Zumbi dos Palmares Foto 4: Desenho: Zumbi dos Palmares Momento da escolha de imagens da internet Gravação de uma cena na sala da Oficina REFERÊNCIAS BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. parâmetros curriculares nacionais: arte/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC/SEF, p. FERRAZ, Maria Heloísa Corrêa de Toledo. Metodologia do ensino de arte / Maria Heloísa C. de T. Ferraz, Maria F. de Rezende e Fusari. São Paulo : Cortez, ed. (Coleção magistério. 2 grau. Série formação do professor) MARTINS, Mirian Celeste Ferreira Dias. Didática do ensino de arte: a língua do mundo : poetizar, fruir e conhecer arte / Mirian Celeste Martins, Gisa Picosque, M. Terezinha Telles Guerra. São Paulo : FTD, VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. Rio de Janeiro: Martins Fontes,

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 6, Mar.2015. ISSN 2175-37

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 6, Mar.2015. ISSN 2175-37 17 ÁGORA, Porto Alegre, Ano 6, Mar.2015. ISSN 2175-37 PROJETO CONSTRUÇÃO: CRIATIVIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE NA ESCOLA Ezequiel Viapiana 1 Gisele Damiani 2 Anelise Pereira Baur 3 Paola Junqueira dos

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

natural das crianças para esses seres que fazem tão bem às nossas vidas.

natural das crianças para esses seres que fazem tão bem às nossas vidas. Justificativa do Projeto Os animais têm forte presença no dia a dia das crianças, seja de forma física ou através de músicas, desenhos animados, jogos, historias e brinquedos. Além disso, possuem um importante

Leia mais

Educação Ambiental: um exercício. Cidadania

Educação Ambiental: um exercício. Cidadania Educação Ambiental: um exercício de Cidadania II CARACTERIZAÇÃO Empresa: Coteminas Macaíba Segmento: Ensino Médio Equipe de elaboração: Aldécia Cortez Pereira Pinto Coordenadora pedagógica Rosa de Medeiros

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Produção de um documentário amador por turmas de ensino médio e EJA, (ensino de jovens e adultos) com o uso do Windows Movie Maker

Produção de um documentário amador por turmas de ensino médio e EJA, (ensino de jovens e adultos) com o uso do Windows Movie Maker Produção de um documentário amador por turmas de ensino médio e EJA, (ensino de jovens e adultos) com o uso do Windows Movie Maker Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade Estadual do Norte Fluminense

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO:

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO: Relatório O brincando se Aprende Um Projeto Socioeducativo foi criado e aplicado como uma nova metodologia, para despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio pelas atividades matemáticas e de linguagens,

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

BULLYING EI! QUEM É VOCÊ?

BULLYING EI! QUEM É VOCÊ? CONCURSO PARA PROFESSORES do EM das Etecs: Trabalhando com os roteiros de aprendizagem ROTEIRO DE APRENDIZAGEM BULLYING EI! QUEM É VOCÊ? a) APRESENTAÇÃO: Este roteiro tem como objetivo geral, trabalhar

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos

Plano de Trabalho com Projetos PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos 1. Identificação: Escola Municipal de Ensino Fundamental Renato Pradi Professora:

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

Comunicação Relato de Experiência

Comunicação Relato de Experiência 1 A CARA DA GENTE... Teresa Cristina Melo da Silveira teca.ensinodearte@centershop.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia / Secretaria Municipal de Educação Comunicação Relato de Experiência A CARA

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO

PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO OLIVEIRA, Khomar Tander s (Bolsista do PIBID) PAULINO, Jailson da Silva

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA APRESENTAÇÃO: A Escola Estadual Getúlio Vargas Ensino Fundamental, do Município de Engenheiro Beltrão, Estado do Paraná, preocupada

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas Apresentação e Objetivos Estamos bem adiantados em nosso curso. Já falamos sobre o conceito de arte, conhecendo um pouco de cada linguagem artística. Hoje,

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

TEATRO INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA BUSCA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA 1

TEATRO INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA BUSCA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA 1 TEATRO INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA BUSCA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA 1 CHIAPINOTO, Andréia Moro²; GUNSCH, Fernanda Beatriz Strickler²; KASTEN, Jocelaine²; PASETTO, Luciane Zamberlan²;

Leia mais

Pais, avós, parentes, adultos, professores, enfim, educadores de forma geral.

Pais, avós, parentes, adultos, professores, enfim, educadores de forma geral. Entre os dias 30 de agosto e 6 de setembro de 2014, a PUC Minas no São Gabriel realiza a VI Semana de Ciência, Arte e Política, com a temática Cidades Aqui tem gente? Dentro da programação, a SCAP Lá e

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

O que os olhos não veem, a lente registra

O que os olhos não veem, a lente registra O que os olhos não veem, a lente registra E.E. Profº Adelaide Maria de Barros Sala 5 sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Maria Aparecida Oliveira Brito Aline Loures Realização: Foco A Eletiva de Fotografia

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

ANTÕNIO CARLOS DOS SANTOS CARLOS ROBERTO SANTOS FERREIRA ISAÍAS DOS SANTOS CAVALCANTE MARIA DA CONCEIÇÃO SANTANA SOUZA SILVA MARIELZA NASCIMENTO PEDRA

ANTÕNIO CARLOS DOS SANTOS CARLOS ROBERTO SANTOS FERREIRA ISAÍAS DOS SANTOS CAVALCANTE MARIA DA CONCEIÇÃO SANTANA SOUZA SILVA MARIELZA NASCIMENTO PEDRA ANTÕNIO CARLOS DOS SANTOS CARLOS ROBERTO SANTOS FERREIRA ISAÍAS DOS SANTOS CAVALCANTE MARIA DA CONCEIÇÃO SANTANA SOUZA SILVA MARIELZA NASCIMENTO PEDRA NILZETE SANTANA MASCARENHAS SILVA NÚBIA CONCEIÇÃO

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

esta escola é o bicho!

esta escola é o bicho! esta escola é o bicho! PROJETO ESTA ESCOLA É O BICHO! Porto Alegre, Março de 2015. Marina Favarini Tathiana Jaeger apresentação Com este escrito, Gerência de Programas Educacionais da Secretaria Especial

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Veja o exemplo de relatório do processo de ensino-aprendizagem apresentado pela professora de uma das turmas da CMEB Mário Leal Silva CMEB

Leia mais

Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1

Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1 Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1 Professor(es) Apresentador(es): responsável: Simone da Silva de Paula corresponsável: Lucilene Fernandes Realização: Foco O Projeto Quem

Leia mais

OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS APRENDER BRINCANDO INVESTIDAS DA PRÁTICA EDUCACIONAL EM ESPAÇOS NÃO ESCOLARES JUNTO AO PROGRAMA INTEGRAÇÃO AABB COMUNIDADE, UMA EXPERIÊNCIA COM CRIANÇAS E JOVENS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA CIDADE DE

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin

JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin Quem não se lembra do tempo de escola? Das canções infantis? Das brincadeiras de criança? Dos jogos daquele

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade Amélia Maria Rodrigues Oliveira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) amelia.amiga@hotmail.com Joelson Alves Soares Universidade Estadual

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO EM SALA DE AULA: RESISTORES

EXPERIMENTAÇÃO EM SALA DE AULA: RESISTORES EXPERIMENTAÇÃO EM SALA DE AULA: RESISTORES Patrick Antonio Morelo UNICENTRO PIBID/CAPES morelo@mail.com Wycaro Elias Domingues de Deus UNICENTRO PIBID/CAPES wycarodomingues18@gmail.com Tania Toyomi Tominaga

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte 1 CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte Este texto refere-se às reflexões iniciais sobre a temática de pesquisa no Doutorado do Programa

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos - Professor

Plano de Trabalho com Projetos - Professor PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos - Professor 1. Identificação Escola Municipal de Ensino Fundamental Anna Töwe

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

A Rede Pública Municipal de Ensino de Maceió atende cerca de 55 mil alunos, de acordo com o censo escolar de 2014. Dessa clientela, cerca de 40%

A Rede Pública Municipal de Ensino de Maceió atende cerca de 55 mil alunos, de acordo com o censo escolar de 2014. Dessa clientela, cerca de 40% OFICINA MAIS COMUNICAÇÃO ENSINA TÉCNICAS DE TEXTO, FOTO E AUDIOVISUAL EM MACEIÓ Adriana Thiara de Oliveira SILVA 1 Delane Barros dos SANTOS 2 Maria Janaina de Farias SOARES 3 Resumo Euforia, barulho, trabalho

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES

PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES PROJETO CONVIVÊNCIA E VALORES Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se da urgência de deixar filhos melhores para o nosso planeta PROJETO: CONVIVÊNCIA

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 1 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 O Pibid: ações de formação de professores que impactam a escola e a universidade Maurivan Güntzel Ramos mgramos@pucrs.br O presente texto

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais