TECNOLOGIAS DIGITAIS E PERCEPÇÃO DA REALIDADE: CONTRIBUIÇÕES PARA A MODELAGEM MATEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIAS DIGITAIS E PERCEPÇÃO DA REALIDADE: CONTRIBUIÇÕES PARA A MODELAGEM MATEMÁTICA"

Transcrição

1 TECNOLOGIAS DIGITAIS E PERCEPÇÃO DA REALIDADE: CONTRIBUIÇÕES PARA A MODELAGEM MATEMÁTICA Rodrigo Dalla Vecchia Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Marcus Vinicius Maltempi Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Resumo: Assumindo que, de modo geral, a Modelagem Matemática é vista como se referindo a um problema e a essência dessa tendência parece se dar quando o lugar desse problema é a realidade, colocamos em evidência dois elementos que se destacam: problema e realidade. Apesar de adotarmos uma concepção de problema, daremos ênfase na discussão da realidade, que historicamente sempre constituiu um ponto intrigante para filosofia. Essa temática ganha relevância principalmente com o advento das tecnologias da informação e comunicação (TIC), nas quais a idéia de realidade adquire pluralidade, sendo comum a presença de adjetivações para representá-la, tais como, realidade do mundo cibernético, hiperrealidade, realidade aumentada etc. Nesse contexto, trataremos de uma concepção de real que comporta adjetivações, focando nossa atenção na realidade do mundo cibernético e nas características que lhe são específicas, tais como percepção de tempo e espaço. A partir disso, iniciaremos uma discussão voltada para as conseqüências desses elementos para a Modelagem Matemática na Educação Matemática. Em particular, apresentaremos um experimento ocorrido em sala de aula, que permitirá focarmos nas questões relacionadas ao tempo. Palavras-chave: Modelagem Matemática; Realidade do mundo cibernético; Tecnologias digitais. INTRODUÇÃO E OBJETIVO Várias são as pesquisas em Educação Matemática que abordam o ensino e aprendizagem da Matemática por meio da Modelagem Matemática. Apesar de o rótulo Modelagem Matemática estar presente em várias publicações, as concepções e entendimentos acerca dessa tendência de pesquisa em Educação Matemática possuem elementos que diferem entre si. Para iniciar a discussão abordaremos não os elementos que se diferenciam, mas sim os que se assemelham. Nesse sentido, Vecchia e Maltempi (2009), ao fazerem uma análise de diferentes concepções destacam dois pontos importantes que perpassam as diferentes 1

2 concepções sobre o que os pesquisadores entendem ser a Modelagem Matemática, no campo da Educação Matemática. O primeiro deles consiste no problema e segundo está relacionado ao real e realidade. A ênfase nesses dois temas se dá ao se defender que, de um modo geral, a Modelagem Matemática se refere a um problema e a essência dessa tendência parece se dar quando o lugar desse problema é a realidade. Nossa conjectura é que diferentes perspectivas relacionadas a esses dois elementos podem contribuir para diferentes entendimentos sobre Modelagem Matemática. Nesse sentido, Araújo (2002) apresenta argumentações de como escolas filosóficas como o Platonismo e o Formalismo influenciam as concepções teóricas e práticas da Modelagem Matemática, corroborando, sob certos aspectos, nossa conjectura. Para a noção de problema, adotaremos as idéias de Dewey (apud ABBAGNANO, 2007) e de Deleuze (1988). Segundo Abbagano (2007, p. 935), Dewey defendia a idéia de que [...] problema é a situação que constitui o ponto de partida de qualquer indagação, ou seja, a situação indeterminada. Nessa citação é possível perceber que o autor coloca o problema como anterior à indagação e, conseqüentemente, anterior à proposição que o represente. Deleuze (1988) também defende a idéia de distanciamento entre proposição e problema. Por entender que a proposição que determina o problema já conduz a um conjunto de possibilidades, associa a proposição a um conjunto de respostas. Para ele o problema é universal, isto é, [...] não é a solução que confere sua generalidade ao problema, mas o problema que confere sua universalidade à solução (DELEUZE, 1988, p. 265). A refutação de uma associação biunívoca entre problema e preposição traz como conseqüência que a solução não elimina o problema. A constituição de uma resolução não significa que o problema deixa de existir: A descoberta de um medicamento que cure uma doença é a solução de um problema, mas nem por isso o problema está eliminado, pois a doença continuará a ocorrer. (ABBAGNANO, 2007, p. 235). De forma sucinta, assumimos que o problema constitui o ponto inicial da indagação. Dessa maneira, entendemos que o problema está muito além de sua(s) solução(ões), não sendo eliminado pela(s) mesma(s). Nesse sentido, descartamos totalmente a possibilidade de confundi-lo com a dúvida e com a pergunta, pois para o referencial que adotamos, a dúvida é substituída pela crença ao ser resolvida, enquanto que a pergunta, ao ser respondida, perde seu significado. 2

3 No que diz respeito ao real, assumiremos a perspectiva dada por Bicudo (1999, p. 31) que entende o real como [...] um todo dinâmico, temporal, histórico, percebido no encontro homem-mundo, não separado daquele que o percebe, que dele fala e que o interpreta, construindo uma rede de significados na intersubjetividade, ao partilhar vivências e comunicar interpretações. Assumindo essa concepção nos colocamos em consonância com a ideia de problema. De fato, ao compreender o dinamismo da realidade, não separando o mundo daquele que o percebe, damos ao problema um caráter intersubjetivo, isto é, está associado à nossa vivência, à nossa percepção, sujeito, portanto, à proposição que o representa. Ao entendermos que existe uma intersubjetividade nessa percepção, entendemos também que a relação entre o problema e a proposição não se dá de forma biunívoca, isto é, o problema não é a proposição, uma vez que existe uma subordinação à vivência do homem-mundo. Defendidas as concepções de real e de problema que norteiam nosso trabalho e evidenciados os pontos que associam as duas idéias, nos aprofundaremos na discussão acerca do real e da realidade. Conforme Abbagnano (2007), a concepção de real, sob o ponto de vista histórico-filosófico, gerou controvérsias, críticas e construções, dadas pelos problemas que envolveu. Nesse universo, o que se revela é a natureza delicada do real que, principalmente com o advento das tecnologias, se potencializa, gerando adjetivações, como por exemplo: realidade do mundo cibernético 1, hiperrealidade, realidade aumentada etc. Voltando nossa atenção ao contexto da Modelagem Matemática, adotamos uma postura de defender que esta abarca o real com suas adjetivações, sendo factível pensar em uma multiplicidade de realidades. Evidentemente, cada adjetivação confere peculiaridades, havendo distinções qualitativas. Nesse sentido, daremos nas próximas seções um enfoque na realidade do mundo cibernético, visando apresentar os elementos que a caracterizam e a diferenciam. Com o intuito de discutir possíveis contribuições para o campo da Modelagem Matemática, apresentaremos também uma situação de Modelagem Matemática ocorrida em sala de aula onde fatores que se mostraram importantes para o encaminhamento da investigação feita pelos alunos são específicos da realidade do mundo cibernético. 1 Optaremos, nesse artigo, por usar a expressão realidade do mundo cibernético para representar a realidade dada pelas TIC. 3

4 A REALIDADE DO MUNDO CIBERNÉTICO Conforme explicitamos na seção anterior, tanto a ideia de problema assumida, quanto a ideia de realidade podem trazer conseqüências para a maneira como percebemos a Modelagem Matemática. Nessa seção focaremos apenas na questão da realidade 2, em particular da realidade do mundo cibernético, procurando nos orientar pelos questionamentos: é possível considerar esse ambiente como sendo real? E se for real, quais os aspectos distintos que caracterizam e diferenciam essa realidade? Para iniciar as argumentações, voltemos à ideia de real assumida. Não há um mundo separado do homem, mas sim, a perspectiva de homem-com-o-mundo, isto é, não se separa a realidade da dimensão humana. Segundo Bicudo e Rosa (2010) essa essência não se perde ao falarmos da realidade do ciberespaço. Na busca por uma associação entre a concepção de real com a realidade do mundo cibernético esses autores argumentam que esta última pode ser também compreendida como um modo de viver a vida na dimensão do humano. Para tanto, desenvolvem uma série de argumentos que envolvem as relações ocorridas no ciberespaço, como por exemplo, o relacionamento entre pessoas. Segundo eles, na realidade virtual existem relacionamentos abordando diferentes modalidades, que podem abranger aquelas comuns ao humanamente vivido. Nesse sentido complementam que estas relações [...] conduzem a uma profunda percepção de si pela percepção do outro, visto como igual, encarnado, estando lá e eu aqui (BICUDO e ROSA, 2010, p. 6). Com esses argumentos, se põem em consonância com sua visão de real, admitindo a realidade do mundo cibernético, não a separando da dimensão do humano. Mas se este é o ponto de consonância, o que caracteriza a diferença, justificando a adjetivação? Para responder a esta pergunta, estes autores recorrem a dois argumentos: o tempo e o espaço. Em suma, diferenciam a realidade virtual do mundo físico concebido pela Física Clássica, tido como [...] uma realidade em si, objetiva, onde estão colocadas as pessoas e as coisas e onde ocorrem os acontecimentos históricos e sociais (BICUDO e ROSA, 2010, p. 8). Dessa forma, caracterizam o onde, diferenciando-o deste espaço: [...] o onde do mundo cibernético não cabe nesse espaço [...] Não se trata de um espaço físico, que acolhe pontualmente pessoas e inter-relações, pois se expande por conexões que não se encaixam no gráfico cartesiano. São conexões velozes e que se bifurcam, criando outras conexões, 2 Acreditamos que existe uma forte relação entre problema e realidade. As conseqüências dessa relação, bem como a estruturação detalhada de como podem influenciar na concepção de Modelagem Matemática fazem parte da pesquisa de doutorado que gerou esse artigo. 4

5 atingindo outros espaços físicos, gerando múltiplas possibilidades de relações, configurando realidades possíveis, projetadas, inventadas. (BICUDO e ROSA, 2010, p. 8) Além da diferenciação do onde, existe a questão do tempo. Na perspectiva do mundo cibernético as interações podem ocorrer em um mesmo tempo, sendo denominadas síncronas, como também em tempos diferentes, chamadas de assíncronas. Nesse ambiente, os acontecimentos do mundo se atualizam em tempos, velocidades e instantes distintos ou não. São comumente citados pela literatura chats, onde pessoas de diversas partes do mundo dialogam em tempo presente, e s, onde a cronologia do tempo é diferente, isto é, não acontece ao mesmo tempo. Com esses argumentos, os autores concluem: A concepção que vai aos poucos se formando é que se trata sim de uma realidade na qual o espaço é visto como sendo diferente daquele a que se está acostumado no cotidiano (BICUDO e ROSA, 2010, p. 8). Sendo assim vemos que, de forma geral, a realidade do ciberespaço pode ser vista como uma realidade também vivida na dimensão do humano e que o que a diferencia da realidade física são as percepções de tempo e de espaço, respondendo assim as inquietações colocadas no início da seção acerca da realidade do mundo cibernético e de suas características. Entretanto, para os objetivos deste artigo resta ainda discutir aspectos relacionados ao contexto da Modelagem Matemática. Para tanto, apresentaremos uma situação investigada por estudantes em sala de aula, no qual alguns aspectos específicos do mundo cibernético se mostram preponderantes no ambiente de Modelagem Matemática. A MODELAGEM DO MOVIMENTO DA CORDA A modelagem do movimento da corda é um trabalho realizado semestralmente na disciplina de Laboratório de Matemática Aplicada da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), com alunos do curso de Engenharia, conforme mencionado por Vecchia (2007). Este consiste na proposta de modelagem do movimento de um ponto específico de uma corda que é balançada por dois alunos, criando um movimento constante de ondulação. Dessa situação, é possível abordar translações e rotações das funções trigonométricas básicas (seno e cosseno), bem como trabalhar com as noções de período. Além disso, a função resultante relata a posição do ponto fixado na corda em relação ao tempo, o que possibilita um aprofundamento nas idéias de velocidade e aceleração propiciadas por uma abordagem do ponto de vista do cálculo integral e diferencial. 5

6 O material necessário para o desenvolvimento do experimento consiste em uma corda de aproximadamente três metros, uma filmadora, uma régua ou fita métrica e um computador que possua algum software que possibilite a leitura da filmagem quadro a quadro. No caso específico desse experimento, utilizamos o software Windows Movie Maker, que possibilitou a visualização de cada quadro com uma diferença de 8 centésimos de segundo (0,08s) 3. A construção do modelo matemático não é baseada em etapas pré-determinadas e específicas. Para iniciar as atividades, apenas é mostrado o movimento que deve ser analisado. Os materiais que podem ser utilizados encontram-se separados em uma mesa cabendo aos alunos relacioná-los com o experimento. Sendo assim, o encaminhamento do processo é variado, dependendo das atitudes e decisões tomadas pela turma. Como forma de exemplificar esse processo, mostraremos um caso específico, ocorrido no primeiro semestre do ano de O processo dinâmico encaminhado pelos alunos do referido semestre iniciou com a necessidade de se criar um sistema de medidas para que os dados possam ser coletados. Por opção, o movimento foi feito de tal forma que o ponto mínimo atingiu a base do sistema de medida e o ponto máximo o final do sistema de medida construído, assumindo uma diferença de 100 centímetros, iniciando pelo ponto 0 e terminando com o ponto 100, conforme figura 1. Após esse início, os dados foram compilados no computador. As oscilações filmadas costumam variar de 50 centésimos de segundo a 1 segundo. Dentre os vários ciclos filmados, escolheu-se um específico, com duração de 80 centésimos de segundo. O critério de escolha se deu pela adaptação do movimento da corda ao sistema de medidas criado. Da análise dos dados obteve-se uma relação do tempo com a Figura 1: Experimento em aula: amplitude. altura (posição) explicitada pela Tabela 1. 3 Em versões mais atuais do Windows Movie Maker é possível obter uma precisão de 0,04 s. 6

7 Tabela 1: relação entre tempo e altura. Tempo (s) Altura (cm) , , , ,32 5 0,40 0 0, , , , , Com base nesses dados foi possível expressar essa relação por meio de um gráfico (Gráfico 1). A visualização do experimento no computador possibilitou a compilação dos dados e a construção de um gráfico que representasse a relação entre tempo e posição. Da análise gráfica surgiram conjecturas a respeito do modelo que representasse essa relação. Por meio dos elementos matemáticos que fazem parte Gráfico 1: relação entre tempo e altura. das funções trigonométricas foi possível determinar período, amplitude e deslocamento da função, de forma a construir o modelo 2 s cos. t (posição em cm). Usando o 0,8 software Excel, foi possível fazer um comparativo entre o modelo e a situação investigada (Gráfico 2). A importância desse exemplo para o artigo não se dá pelo modelo obtido em si, mas pelas características específicas do processo de obtenção das informações para a construção do mesmo. Enfatizamos que todo movimento modelado ocorre em um intervalo de tempo de 0,8s. Este dado pôde ser percebido com esta precisão ao filmar a corda e visualizar todo o movimento em um computador. Na realidade proporcionada pelo mundo 7 Gráfico 2: comparação entre dados e o modelo.

8 cibernético, a atualização do tempo se mostra de forma diferenciada, contribuindo para a coleta de dados. Nesse caso, ao perceber a corda em uma realidade diferente da realidade física, se fez presente de maneira marcante, a característica tempo, havendo uma permanência dada pela preservação do instante, ocorrendo um tempo de atualização somente proporcionado pela realidade específica onde o problema foi analisado. Assim, o ocorrido pôde ser vivenciado novamente, atualizado em outra realidade que comporta tempo e espaço distintos, ampliando a idéia de memória e transformando a problemática da entidade. Ao transpor a situação para o ciberespaço, as formas de visualização da entidade se alteraram proporcionadas por uma leitura quadro a quadro (0,8s de precisão), transformando assim a problemática e possibilitando uma leitura matemática mais precisa. O que enfatizamos é a natureza da transformação da percepção do tempo: centésimos de segundo foram transformados em elementos visualizáveis e analisáveis em outra dimensão de tempo, cabíveis em outro tipo de realidade, a do ciberespaço. Além do aspecto específico tempo, a dinâmica da atividade abre espaço para que os aspectos teóricos envolvendo o encadeamento problema, realidade, realidade cibernética se evidenciem. Ao falar em Modelagem Matemática assumimos que esta se refere a um problema e a essência dessa tendência parece se dar quando o lugar desse problema é a realidade. Então, assumimos uma perspectiva de problema e de realidade. Na perspectiva de problema, enfatizamos a sua relação não biunívoca com a proposição que o representa. Tal fato evidencia o caráter dinâmico que a situação investigada pode assumir. No caso específico da modelagem do movimento da corda, existe um problema que está relacionado a encontrar um modelo que represente a situação. Entretanto, a dinâmica do trabalho produz uma série de outros problemas, criando uma problemática em torno da situação investigada (quem balança a corda? como balançar a corda? qual será a amplitude? qual a função que melhor se adapta? como faremos para medir os dados?...). Cada um dos diversos fatores pode contribuir para que a problemática da situação mude 8

9 completamente, alterando as discussões e os modelos matemáticos obtidos, evidenciando assim um caráter dinâmico para a situação investigada. Para falarmos em transformação da percepção de problema, nos apoiamos na ideia de real não separado daquele que o percebe, que dele fala e que o interpreta. Com isso, abrimos caminho tanto para discutir o problema, quanto para estender a concepção de realidade a outras dimensões, em particular para a realidade cibernética, que têm como característica particular uma mudança na percepção de tempo e espaço. Novamente voltando ao exemplo apontado, percebemos que, dentre outros fatores, a diferença nos tempos de atualização do movimento da corda em cada realidade foi elemento essencial para o andamento das discussões. Sob certos aspectos podemos dizer que a percepção da situação em uma dada realidade contribuiu para que a dinâmica da problemática também se alterasse. Com isso podemos perceber certa conexão entre estes elementos, que, entre outras coisas, admitem e enfatizam o caráter dinâmico da situação. CONCLUSÃO Neste artigo destacamos dois elementos que dizem respeito à Modelagem Matemática o problema e a realidade enfatizando que na concepção de real assumida é factível pensar em uma multiplicidade de realidades. Procuramos focar nas características específicas da realidade do mundo cibernético. Nesse contexto, nosso referencial permitiu mostrar que o mundo cibernético pode ser pensado como real, uma vez que atinge a dimensão humana e as dimensões de tempo e espaço. Porém, diferentemente da realidade física, as características tempo espaço se mostram distintas. Por meio da atividade que envolveu a modelagem do movimento da corda foi possível perceber uma interconexão entre os aspectos teóricos abordados, bem como observar como as características da realidade do mundo cibernético contribuíram para o ambiente de Modelagem Matemática, em particular com a diferença de atualização do tempo do movimento da corda. Com isso evidencia-se um aspecto de como as tecnologias podem alterar a percepção da realidade, contribuindo assim para aspectos referentes às atividades de Modelagem Matemática. Os apontamentos contidos nesse artigo fazem parte de uma série de questionamentos que se entrelaçam, se bifurcam e se encadeiam, formando uma teia problemática que se dá ao pensar no real da Modelagem Matemática incorporando 9

10 diferentes adjetivações, tais como realidade física, realidade mundana, realidade do mundo cibernético, realidade aumentada, hiperrealidade, etc. Apresentamos aqui apenas uma parte de uma investigação maior, que engloba fatores ontológicos, epistemológicos e filosóficos que estão nos mostrando potencialidades para contribuições tanto teóricas quanto práticopedagógicas no contexto da Modelagem Matemática na Educação Matemática. REFERÊNCIAS ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. Traduçãoo Alfredo Bosi. Sao Paulo: Martins Fontes, ARAÚJO, J. L. Cálculo, tecnologias e modelagem matemática: as discussões dos alunos. Rio Claro: UNESP, Tese (Doutorado em Educação Matemática), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, BICUDO; M. A. V. Filosofia da Educação Matemática: um enfoque fenomenológico. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: Concepções & Perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, BICUDO, M. A.V.; ROSA, M. Educação Matemática na Realidade do Ciberespaço- Que Aspectos Ontológicos e Científicos se Apresentam. Revista Latinoamericana de Investigación en Matematica Educativa. v. 13, n. 1, p DELEUZE, G. Diferença e Repetição. Traduzido por: Orlandini, L.; Machado, R. Tradução de: Différence et Répétition. Rio de janeiro: Graal, VECCHIA, R. D. Modelagem Matemática com o Auxílio de Tecnologias Informáticas. In: IV Congresso Internacional do Ensino da Matemática. Anais do IV Congresso Internacional de Ensino da Matemática. Canoas, VECCHIA, R. D.; MALTEMPI, M. V. Ensaio Sobre a Modelagem Matemática e o Virtual. In: XIII Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática, Anais. Goiânia, p

Modelagem Matemática e Tecnologias de Informação e Comunicação: a realidade do mundo cibernético como um vetor de virtualização

Modelagem Matemática e Tecnologias de Informação e Comunicação: a realidade do mundo cibernético como um vetor de virtualização ISSN 0103-636X 963 Modelagem Matemática e Tecnologias de Informação e Comunicação: a realidade do mundo cibernético como um vetor de virtualização Mathematical Modeling and Information and Communication

Leia mais

de Licenciatura em Matemática. Tem-se como foco principal a incorporação de atividades

de Licenciatura em Matemática. Tem-se como foco principal a incorporação de atividades A INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS INFORMÁTICAS NA ESTRUTURAÇÃO DE CONCEITOS RELACIONADOS ÀS COORDENADAS POLARES Carmen Teresa Kaiber Universidade Luterana do Brasil kaiber@ulbra.br Rodrigo Dalla Vecchia Universidade

Leia mais

Cálculo Numérico e calculadoras gráficas: construindo idéias e conceitos

Cálculo Numérico e calculadoras gráficas: construindo idéias e conceitos Cálculo Numérico e calculadoras gráficas: construindo idéias e conceitos Rodrigo Dalla Vecchia Universidade Luterana do Brasil Brasil rodrigovecchia@gmail.com Carmen Teresa Kaiber Universidade Luterana

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

A LOUSA DIGITAL E O USO DO MAPLE NO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL: POTENCIALIDADES MEDIATIVAS

A LOUSA DIGITAL E O USO DO MAPLE NO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL: POTENCIALIDADES MEDIATIVAS A LOUSA DIGITAL E O USO DO MAPLE NO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL: POTENCIALIDADES MEDIATIVAS Carmen Teresa Kaiber, Rodrigo Dalla Vecchia Universidade Luterana do Brasil- ULBRA kaiber@ulbra.br, rodrigovecchia@gmail.com

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO Isabela Galvão Barbosa Stempniak Universidade Bandeirante - UNIBAN isabelagalvao@gmail.com Alessandro Jacques

Leia mais

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES Silvia Regina Viel Rodrigues - Uni-FACEF Introdução Localizado no Departamento de Matemática, Unesp, Rio Claro, sob a coordenação do professor

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Secretaria Estadual de Educação Resumo: O presente mini-curso tem como objetivo apresentar as potencialidades

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA

SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA Lilian Akemi Kato Universidade Estadual de Maringá lilianakato@hotmail.com Denise Knorst da Silva

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS RESUMO Poliana de Brito Morais 1 Silvanio de Andrade 2 Este artigo tem como objetivo discutir nossa

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: ensino do Cálculo, software Maple. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: ensino do Cálculo, software Maple. INTRODUÇÃO O USO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Carmen Teresa Kaiber, Sandra Pacheco Renz Universidade Luterana do Brasil Brasil kaiber@ulbra.br, sp_renz@yahoo.com.br Campo de Investigación:

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA, DESPERDÍCIO E ESCASSEZ DE ÁGUA 1

MODELAGEM MATEMÁTICA, DESPERDÍCIO E ESCASSEZ DE ÁGUA 1 MODELAGEM MATEMÁTICA, DESPERDÍCIO E ESCASSEZ DE ÁGUA 1 Resumo Willian Fuzinato Perez, willianthebest@gmail.com Faculdade de Ciências e Letras de Campo Mourão FECILCAM Wellington Hermann 2, eitohermann@gmail.com

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

DESIGN 1 DE CYBERPROBLEMAS 2 NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA

DESIGN 1 DE CYBERPROBLEMAS 2 NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA DESIGN 1 DE CYBERPROBLEMAS 2 NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA Fabiane Fischer Figueiredo 3 GD6 Educação Matemáticas, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia do Ensino de Matemática Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

ENSINAR E APRENDER TRIGONOMETRIA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA - UM OLHAR À FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA-

ENSINAR E APRENDER TRIGONOMETRIA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA - UM OLHAR À FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA- ENSINAR E APRENDER TRIGONOMETRIA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA - UM OLHAR À FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA- Por: Isabel Koltermann Battisti -UNIJUÍ Vanessa Faoro - UNIJUÍ André

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

Modelando o controle do crescimento humano

Modelando o controle do crescimento humano Modelando o controle do crescimento humano Marília Zabel (1) ; Ana Luiza Hein (2) ; Vitória Raissa Prada Fronza (3) (1) Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual

Leia mais

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP 182 NOVAS TECNOLOGIAS NO CONTEXTO EDUCACIONAL RESUMOS DE DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS

Leia mais

ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA Raimundo João dos Santos Júnior; Roseane Matias Lourenço; Amandda Mayara Araújo Farias; Onélia Araújo Franco Fragoso

Leia mais

Alguns aspectos teóricos que nortearam a análise dos materiais didáticos

Alguns aspectos teóricos que nortearam a análise dos materiais didáticos CTS NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS: O CASO DO PROJETO BRASILEIRO INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA E DA MATEMÁTICA CTS EN LA PRODUCCIÓN DE MATERIALES DIDÁCTICOS:

Leia mais

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Claudia Piva Depto de Física, Estatística e Matemática DeFEM, UNIJUÍ 98700-000, Ijuí, RS E-mail: claudiap@unijui.edu.br

Leia mais

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Ricardo Lisboa Martins Faculdade Integrada Tiradentes - FITS ricardolisboamartins@gmail.com Alex Melo da Silva

Leia mais

CYBERFORMAÇÃO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA: A FORMAÇÃO DOCENTE PARA O TRABALHO-COM-TECNOLOGIAS- DIGITAIS

CYBERFORMAÇÃO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA: A FORMAÇÃO DOCENTE PARA O TRABALHO-COM-TECNOLOGIAS- DIGITAIS CYBERFORMAÇÃO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA: A FORMAÇÃO DOCENTE PARA O TRABALHO-COM-TECNOLOGIAS- DIGITAIS Prof. Dr. Maurício Rosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Essa pesquisa em andamento

Leia mais

MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH

MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH Lucas Gabriel Seibert, Rodrigo Dalla Vecchia lucasseibert@hotmail.com, rodrigovecchia@gmail.com ULBRA, Brasil Palavras-chave:

Leia mais

TEIA TEIA DO DO SABER SABER

TEIA TEIA DO DO SABER SABER TEIA TEIA DO DO SABER SABER 2005 Fundação de Apoio às Ciências: Humanas, Exatas e Naturais GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA Janice Silvana Novakowski Kierepka - janicekierepka@bol.com.br Tamini Wyzykowski - tamini.wyzykowski@gmail.com Tatiane Cristina Possel Greter tati.cris2010@gmail.com

Leia mais

Uma história da criação do curso matemática aplicada a negócios na Universidade de São Paulo

Uma história da criação do curso matemática aplicada a negócios na Universidade de São Paulo Uma história da criação do curso matemática aplicada a negócios na Universidade de São Paulo Bárbara Grassetti Fonseca 1 GDn 5 História da Matemática e Cultura A matemática aplicada esta presente no cotidiano

Leia mais

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Profa. Dra. Maria Raquel Miotto Morelatti Departamento de Matemática, Estatística e Computação mraquel@fct.unesp.br O que são TIC? Recursos tecnológicos que

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 MARTINS, Sandro Luís Moresco 2 ; VARASCHINI, Patricia 3 ; SANTOS, Leila Maria Araújo 4 1 Trabalho de Pesquisa _ UFSM 2 Programa Especial de Formação de Professores (UFSM),

Leia mais

Cyberformação Semipresencial: uma possibilidade de formação continuada de professores de matemática

Cyberformação Semipresencial: uma possibilidade de formação continuada de professores de matemática Cyberformação Semipresencial: uma possibilidade de formação continuada de professores de matemática Vinícius Pazuch Bolsista da CAPES Processo nº: 6101-13-5 Universidade Luterana do Brasil Brasil viniuch@hotmail.com

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Carloney Alves de OLIVEIRA Centro de Educação, Universidade Federal de Alagoas Maceió, Alagoas, 57.072-970, Brasil 2002)[6].

Carloney Alves de OLIVEIRA Centro de Educação, Universidade Federal de Alagoas Maceió, Alagoas, 57.072-970, Brasil 2002)[6]. Um olhar sobre o aprender e o navegar com as interfaces disponíveis no Moodle: o aluno online no curso de Licenciatura em Física a distância da UAB/UFAL Carloney Alves de OLIVEIRA Centro de Educação, Universidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido NOTAS ACERCA DO VIRTUAL Celso Candido A fim de tornar mais claro o conceito de virtual, pressuposto neste trabalho, vai-se abordar este problema a partir de uma leitura de Pierre Lévy e Gilles Deleuze.

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

A ESCOLHA DAS CONEXÕES DE INTERNET: UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA

A ESCOLHA DAS CONEXÕES DE INTERNET: UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA A ESCOLHA DAS CONEXÕES DE INTERNET: UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Letícia Menezes Panciera 1 Eleni Bisognin 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo relatar uma experiência de sala

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALFABELETRAR: REFLEXÃO SOBRE O ENSINO DE MATEMÁTICA VIA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA FORMAÇÃO

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

Produção de Saberes Docentes em um Processo de Cyberformação Semipresencial de Professores de Matemática: proposições iniciais

Produção de Saberes Docentes em um Processo de Cyberformação Semipresencial de Professores de Matemática: proposições iniciais Produção de Saberes Docentes em um Processo de Cyberformação Semipresencial de Professores de Matemática: proposições iniciais Vinícius Pazuch 1 Maurício Rosa 2 RESUMO Este artigo apresenta apontamentos

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA PARA O USO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS NA CIDADE DE LIMEIRA/SP

Leia mais

SOFTWARES E INTERNET NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA 1

SOFTWARES E INTERNET NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA 1 SOFTWARES E INTERNET NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA 1 Marcelo de Carvalho Borba 2 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho mborba@rc.unesp.br Resumo: O objetivo deste artigo é discutir como

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL CLIMENIA MARIA LACERDA DE OLIVEIRA Núcleo de Estudos e Pesquisas: Trabalho Docente, Formação de Professores e

Leia mais

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva São Luís/MA - 2007 Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva Wagner Luis MARTINS (1); Silvia Cristina BATISTA (2); Gilmara BARCELOS (3)* (1) Licenciando em Matemática CEFET CAMPOS;

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

CÁLCULO DO VOLUME DE UM SÓLIDO DE REVOLUÇÃO: UMA ATIVIDADE USANDO OS SOFTWARES GRAPH E WINPLOT

CÁLCULO DO VOLUME DE UM SÓLIDO DE REVOLUÇÃO: UMA ATIVIDADE USANDO OS SOFTWARES GRAPH E WINPLOT ISSN 2177-9139 CÁLCULO DO VOLUME DE UM SÓLIDO DE REVOLUÇÃO: UMA ATIVIDADE USANDO OS SOFTWARES GRAPH E WINPLOT Adriana Rosélia Kraisig maryshelei@yahoo.com.br Universidade Regional do Noroeste do Estado

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Investigação Matemática: possibilidade para o ensino da álgebra no Ensino Fundamental

Investigação Matemática: possibilidade para o ensino da álgebra no Ensino Fundamental Investigação Matemática: possibilidade para o ensino da álgebra no Ensino Fundamental Ludmila Maccali 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Resumo do trabalho. Neste trabalho

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças.

Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Na casa da mãe, na casa da avó: um estudo sobre a circulação de crianças. Camila Cerqueira dos Santos SILVA (FE/UFG) camilacerqueira@hotmail.com Ivone Garcia BARBOSA (FE/UFG) ivonegbarbosa@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA Lilian Aragão da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS liuzinhaaragao@yahoo.com.br Ana Virginia

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

Caminhos para Análises de Políticas de Saúde

Caminhos para Análises de Políticas de Saúde Caminhos para Análises de Políticas de Saúde Tatiana Wargas de Faria Baptista Ruben Araujo de Mattos Este texto integra o material Caminhos para análise de políticas de saúde, produzido com apoio da Faperj,

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD

A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD A TUTORIA PRESENCIAL NA EAD Goiânia GO - Abril 2010 Lia Camila dos Reis Figueiredo - Colégio Meta - Goiânia GO liacamila19@hotmail.com Danuza Janne Ribeiro de Almeida - Polo Goiânia I SEPC / UNOPAR danuzajan@hotmail.com

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física P2CEM Pesquisa 2015/1 Elaboração de trabalho escrito Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física Tipos de trabalho escrito: - monografia (1º semestre); - projeto (1º ou 2º semestre); - relatório

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR*

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* Francisco Jeovane do Nascimento Universidade Estadual do Ceará - UECE jeonasc@hotmail.com Neiva Daiane Cordeiro

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

O Estudo de Funções na EJA semipresencial com o freeware Winplot: uma abordagem hipertextual

O Estudo de Funções na EJA semipresencial com o freeware Winplot: uma abordagem hipertextual 1 O Estudo de Funções na EJA semipresencial com o freeware Winplot: uma abordagem hipertextual Duque de Caxias RJ Maio 2014 Cleverson Vidal Esteves UNIGRANRIO cleversonprofmat@yahoo.com Herbert Gomes Martins

Leia mais

ENSINANDO E PESQUISANDO NA CÁTEDRA PAULO FREIRE DA PUC/SP. Resumo

ENSINANDO E PESQUISANDO NA CÁTEDRA PAULO FREIRE DA PUC/SP. Resumo 2 ENSINANDO E PESQUISANDO NA CÁTEDRA PAULO FREIRE DA PUC/SP SAUL, Ana Maria anasaul@uol.com.br Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC/SP Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo Resumo

Leia mais

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO?

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? Lessandra Marcelly Sousa da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho lessandramarcelly@gmail.com Resumo: Este trabalho é um relato

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores.

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores. INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: DIFICULDADES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA, DA REDE PÚBLICA BRASILEIRA, PARA A IMPLANTAÇÃO DESSAS PRÁTICAS. GIMENEZ DA SILVA AUGUSTO, THAÍS

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM AMBIENTES-MATEMÁTICOS DE APRENDIZAGEM COM INCLUSÃO DA INFORMÁTICA NA SOCIEDADE (GP @+): POSSIBILIDADES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

GRUPO DE PESQUISA EM AMBIENTES-MATEMÁTICOS DE APRENDIZAGEM COM INCLUSÃO DA INFORMÁTICA NA SOCIEDADE (GP @+): POSSIBILIDADES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA GRUPO DE PESQUISA EM AMBIENTES-MATEMÁTICOS DE APRENDIZAGEM COM INCLUSÃO DA INFORMÁTICA NA SOCIEDADE (GP @+): POSSIBILIDADES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Rodrigo Dalla Vecchia Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA EM DISCUSSÃO

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA EM DISCUSSÃO 1078 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA EM DISCUSSÃO Silvia Regina Viel Rodrigues 1 Resumo Neste trabalho, cujo objetivo é discutir a formação do professor de Matemática a distância, inicialmente

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

PESQUISA EM AMBIENTES ESCOLARES: UM ESTUDO SOBRE TRABALHO COLABORATIVO E PESQUISA-AÇÃO

PESQUISA EM AMBIENTES ESCOLARES: UM ESTUDO SOBRE TRABALHO COLABORATIVO E PESQUISA-AÇÃO PESQUISA EM AMBIENTES ESCOLARES: UM ESTUDO SOBRE TRABALHO COLABORATIVO E PESQUISA-AÇÃO Marília Lidiane Chaves da Costa Universidade Estadual da Paraíba UEPB marilialidiane@gmail.com Abigail Fregni Lins

Leia mais