OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL Módulo 2 - Áudio e vídeo Atividade Produzindo pocket videos noticiosos Este curso é financiado com recursos da Coordenação de Pessoal de Nível Superior - Capes (Edital Capes / DEB Novos Talentos - Programa Escola Aberta à Universidade Pública ) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq (Edital MCT/CNPq/MEC/CAPES N º 02/2010)

2 Plano de trabalho Técnicas básicas de produção de pocket vídeos Tarefas 1. Estudar os conceitos de categoria, gênero e formatos do vídeo analisando os exemplos do CD, listados nas páginas 55 a 57; 2. Estudar os tutoriais sobre planos e ângulos das páginas 58 a 60; 3. Estudar o conceito de estruturas narrativas aplicado à produção de vídeo, nas páginas 61 e 62; 4. Estudar o tutorial sobre estrutura e linguagem da reportagem em vídeo nas páginas 63 a 65; 3. Elaborar uma pauta sobre algum evento da escola, produzir um script de vídeo, gravar imagens e sonoras 4. Usando o Movie Maker, editar um pocket video 5. Publicar o vídeo no Youtube e incorporar ao blog, juntamente com um comentário sobre a experiênci e o resultado. CATEGORIAS, GÊNEROS E FORMATOS NO VÍDEO De um modo elementar, podemos pegar todos os vídeos do Youtube e organizá-los em três grandes categorias, mais ou menos como a Biologia faz com os reinos animal,vegetal e mineral. No nosso caso, temos as categorias ficção (um curta metragem), não-ficção (uma reportagem) e os vídeos híbridos, que misturam ficção e não-ficção (por exemplo, documentários que ilustram certos eventos reais com encenações). A palavra gênero se refere a uma característica mais geral do programa de rádio ou televisão, ou seja, o que ele é: educação, publicidade, informação, entretenimento etc. Já a palavra formato se aproxima da ideia de fôrma, isto é dos moldes ou estruturas onde os conteúdos de um dado gênero são encaixados. O formato apresenta o gênero de um jeito específico. Assim,fazem parte do gênero informativo a reportagem, a entrevista, o boletim etc. O gênero entretenimento cotempla o programa de variedades, a esquete humorística, o game show,a novela etc. É claro que essa divisão é flexível e depende de variáveis como o modo de produção, a intenção do autor e as expectativas do público para definir um programa com mais precisão. O formato game show, por exemplo, pode se tornar gênero educativo se for centrado na cultura escolar e voltado para alunos do Ensino Fundamental. O gráfico da próxima página organiza categorias, gêneros e formatos do vídeo. OBJETIVOS DESTA ATIVIDADE 1. Conhecer elementos técnicos e estéticos fundamentais da linguagem audiovisual; 2. analisar criticamente vídeos curtos produzidos para a internet; 3. aprender a produzir videos de bolso. 53

3 CATEGORIAS, GÊNEROS E FORMATOS NA PRODUÇÃO DE VÍDEO NÃO-FICÇÃO Informação HÍBRIDOS Educação Entretenimento Publicidade Telejornal Entrevista Novela Reality show Esquete Auditório Religioso Animação Docudrama Variedades Televendas Esportivos Videoclipe Culinários Vídeo arte Documentário Game Show Debate Pocket vídeo? A expressão pocket video ou vídeo de bolso é usada para nomear um gênero de produção que se popularizou com as chamadas câmeras de mão e, principalmente, com os sites de compartilhamento tipo Vimeo e Youtube. É difícil precisar com clareza as características desse gênero: pode ser ficção ou não ficção; é feito por profissionais mas também por amadores, são publicitários, de arte, de humor, educativos, de protesto, são até versões moderninhas dos antigos vídeos de aniversário ou casamento. De qualquer forma, os vídeos de bolso ainda continuam na categoria textos midiáticos e, por isso, precisam obedecer algumas regrinhas básicas para que sejam mensagens compreensíveis para o público. Em primeiro lugar, qualquer que seja a sua proposta de vídeo, certifique-se de que ela tem uma estrutura narrativa em termos de começo, meio e fim. Em segundo lugar, FICÇÃO Ao vivo Outros Série Vídeo aula Vídeo de bolso Anúncio aprenda a distinguir o olhar do olho do olhar da câmera e, tanto quanto possível, incorpore os códigos do audiovisual nas suas gravações, com planos e ângulos mais adequados ao que você quer expressar. Isso é o mínimo que separa a produção de vídeo de simplesmente ligar a câmera e deixá-la gravar. Nas próximas páginas, iremos aprender um pouco mais sobre gêneros, formatos, estruturas narrativas e códigos da linguagem audiovisual. C G F 54

4 Estudando os conceitos de categorias, gêneros e formatos do vídeo Na pasta Explorando a linguagem do vídeo, da Atividade 2.2 do Módulo 2, você vai encontrar 12 produções que exemplificam a diversidade de categorias, gêneros e formatos desse tipo de texto midiático. Assista cada um deles e tente identificar quatro aspectos: 1. Qual é a categoria predominante e por quê? 2. Qual é o gênero dominante e porquê? 3. Qual é o formato? 4. Qual é a intenção do autor ao fazer este vídeo desse jeito? A dança do esqueleto Produção da Disney, Reporter Enesto Varella Produção de Marcelo Tas e Fernando Meireles Manual de reportagem Produzido por Rafinha Bastos Dicionário Lituano Produzido por Alexandra, Danilo e Justas,

5 Na pasta Explorando a linguagem do vídeo, da Atividade 2.2 do Módulo 2, você vai encontrar 12 produções que exemplificam a diversidade de categorias, gêneros e formatos desse tipo de texto midiático. Assista cada um deles e tente identificar quatro aspectos: 1. Qual é a categoria predominante e por quê? 2. Qual é o gênero dominante e porquê? 3. Qual é o formato? 4. Qual é a intenção do autor ao fazer este vídeo desse jeito? Propaganda, faz diferença Associação Brasileira de Anunciantes Karen quer tomar café Produção do Laboratório Aberto de Interatividade - UFSCar Encontrando Bianca Vídeo proibido do MEC Assuma o compromisso Video canadense anti-bullying 56

6 Na pasta Explorando a linguagem do vídeo, da Atividade 2.2 do Módulo 2, você vai encontrar 12 produções que exemplificam a diversidade de categorias, gêneros e formatos desse tipo de texto midiático. Assista cada um deles e tente identificar quatro aspectos: 1. Qual é a categoria predominante e por quê? 2. Qual é o gênero dominante e porquê? 3. Qual é o formato? 4. Qual é a intenção do autor ao fazer este vídeo desse jeito? House Abertura da série Fernando Meireles Hikage Dirigido por Sayaka Shimada Canal Brasil Vinheta do canal The Power of Networks Video da ong inglesa RSA Este vídeo está em inglês. Aproveite para prestar atenção nos recursos não verbais 57

7 OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO - LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL Estudando planos e ângulos A diferença entre o olhar do olho e o olhar da câmera é que esta recorta e enfatiza aspectos da realidade que o nosso olhar normal não faz. Mas, como desde muito cedo assistimos televisão, nossa percepção incorporou os códigos da linguagem audiovisual de tal forma que ela nos parece natural quando estamos assistindo. Mas nem todos nós temos habilidade para reproduzir o olhar da câmera quando fazemos nossos vídeos. É mais ou menos como saber ler sem saber escrever, porém usando uma linguagem não-verbal. O saber escrever na linguagem do vídeo implica no uso de dois (mas não apenas eles) recursos básicos: os planos e os ângulos. Use as informações do quadro abaixo, os stills* das próximas páginas e os vídeos e slides disponíveis na pasta Planos e Ângulos da Atividade 2.2 do Módulo 2 do CD. Comece assisitindo o vídeo Tutorial Ângulos e Planos. Depois, assista o trailler do filme Zuzu Angel. Por fim, abra o arquivo de Power Point Stills - Estudando Planos e Ângulos - Zuzu Angel e faça o exercício das páginas 59 e 60. PLANIFICAÇÃO Plano geral - é o mais aberto de todos e mostra paisagens inteiras Plano aberto - mais fechado que o geral e mostra ambientes internos ou externos Plano Americano - foca o personagem do joelho para cima Plano médio - foca o personagem da cintura para cima Close - foca o rosto ou objetos Super close - foca um detalhe do personagem ou dos objetos Os planos mais abertos são mais objetivos, e servem para localizar o local e a época onde se passa a narrativa, mostrar um encadeamento de fatos etc. Os planos mais fechados são mais subjetivos; os planos americano e médio são usados quando devemos presta atenção em gestos ou diálogos dos personagens e os closes servem para evidenciar a emoção que o personagem está sentindo naquele determinado momento. *Um dos significados da palavra inglesa still é parado e se refere às cenas congeladas de filmes e vídeos. ANGULAÇÃO Panorâmica - a câmera desliza ao longo de um eixo horizontal ou vertical Travelling - a câmera se desloca para dentro da imagem Zoom in - a câmera se aproxima de um ponto Zoom out - a câmera se afasta de um ponto Chicote - a câmera se desloca rapidamente de um ponto a outro, deixano um rastro Plongée - captação de cima para baixo Contra-plongée - captação de baixo para cima Panorâmicas, travellings e zooms são movimentos que exploram a cena: as panorâmicas são mais descritivas, os travellings e zooms são mais introspectivos, porque reproduzem movimentos que dão ao espectador a sensação momentânea de estar no lugar do personagem. Esses movimentos também fazem o espectador ter a sensação de que está entrando na cena, e são responsáveis por gerar a imersão típica da experiência de assistir um filme. O chicote é um recurso estético muito dinâmico que liga rapidamente pontos diferentes da cena, o plongée dá mais poder ao espectador, que vê a cena de cima, e o contra-plongée dá mais poder ao personagem, porque coloca o espectador num plano mais baixo. 58

8 Zuzu Angel foi dirigido por Sérgio Rezende. Lançado em 2006, o filme se baseia na história real da estilista (vivida por Patrícia Pillar), cujo filho Stuart (Daniel Oliveira), entra para a luta armada, é preso e torturado até a morte pelos militares, nos anos 60. Ela então inicia uma batalha contra o Estado autoritário para saber do paradeiro do corpo do filho, que havia sido jogado no mar. A estilista morreu num acidente de carro que pode ter sido consequência de sabotagem. O compositor Chico Buarque escreveu a canção Angélica em homenagem a Zuzu Angel. 59

9 Usando os stills da página anterior e a versão colorida do CD, tente nomear cada um dos planos e procure explicar qual foi a intenção do diretor ao construir a cena usando o respectivo plano. 60

10 Estudando as estruturas narrativas Pense numa piada, numa fofoca que alguém lhe contou em detalhe ou numa longa reportagem de jornal. Aparentemente diferentes, todas essas mensagens têm uma estrutura em comum: elas têm um começo, um meio e um fim. Essa é a ideia mais elementar de estrutura narrativa, originalmente estudada nos campos da teoria da literatura e da semiologia, mas que pode ser adaptada à produção de vídeos de bolso na escola. Segundo Todorov, a estrutura narrativa Nojinsky - Glauco - Folha de S. Paulo, 15/12/2008 Assuma o compromisso Video canadense anti-bullying clássica pode ser dividida em três partes: 1. uma situação de normalidade; 2. o surgimento de um conflito, que rompe com a normalidade; 3. a solução do conflito, criando uma nova situação de normalidade, modificada pelo conflito surgido. Tal estrutura é tão universal, que pode ser encontrada nos mitos, contos de fada, filmes de ação, anúncios publicitários, enredos de novela e até em mensagens extremamente suscintas, como as tirinhas de jornal. Nesta tirinha, a situação de normalidadebé aquela em que o motorista de tapete voador, segue seu trajeto. O conflito surge quando ele precisa frear repentinamente, e é solucionado quando sabemos que ele está circulando no dia probido para a sua placa. Retome o vídeonúmero 8 Assuma do compromisso, da pasta Explorando a linguagem do vídeo, da Atividade 2.2 do Módulo 2 do CD. Você consegue identificar a estrutura daquela mensagem em termos de começo, meio e fim? E em termos de normalidade, conflito, nova normalidade? O que faz você identificar o ponto onde termina uma etapa e começa a outra? 61

11 Assista os quatro filmes que estão na pasta Estruturas narrativas da Atividade 2.2 do Módulo 2 do CD. Sortie d Usine (Saída da Fábrica), de 1895, foi o primeiro filme produzido pelos irmãos Lumière, tidos como os inventores do cinema. Le jardinier et le petit espiègle também foi produzido por eles em The big swallow (O grande engolidor) foi produzido em 1901 pelo cineasta escocês James Willianson, outro pioneiro do cinema. O último deles, Mary Jane s mishap (O acidente de Mary Jane) foi produzido pelo inglês George Albert Smith em Sua tarefa é analisar de que maneira, num espaço de oito anos, os pioneiros do cinema foram moldando uma linguagem própria para essa mídia, que, aos poucos, deixou o olhar do olho, adquiriu o olhar da câmera e adaptou o texto cinematográfico à estrutura em termos de começo, meio e fim ou normalidade, conflito, solução do conflito e nova normalidade. Por fim, assista o filme Um homem com uma câmera produzido pelo cineasta russo Dziga Terkov, em 1929, e preste atenção nos experimentos visuais que ele faz para consolidar um olhar de câmera. Sortie d Usine Le jardinier et le petit spiègle The big swallow Mary Jane s mishap O QUE MUDOU NOS PLANOS, ÂNGULOS E ESTRUTURA NARRATIVA? HOUVE ALGUMA OUTRA INVENÇÃO? 62

12 Estudando a estrutura e a linguagem da reportagem em vídeo Você já prestou atenção no jeito como uma reportagem é feita? Com pequenas variações, ela é feita do seguinte modo: 1. No estúdio, o apresentador faz uma introdução, que é chamada de cabeça. Tratase de um texto curto, que antecipa o assunto da reportagem e chama o repórter. Assim, por exemplo, se a reportagem será sobre o aumento dos índices de violência nas escolas, o apresentador vai começar com uma frase do tipo O Ministério da Educação divulgou hoje resultados de uma pesquisa que monitora casos de violência nas escolas de todo o Brasil. A depredação e as agressões verbais entre alunos e professores são as campeãs de uma lista enorme de problemas, como nos mostra a repórter Ana Silva. 2. A reportagem começa, geralmente, com cenas captadas no local da pauta, quando o repórter introduz o assunto. A reportagem sobre os índices de violência poderia começar com tomadas em plano aberto e plano detalhe de uma escola, mostrando carteiras quebradas, grades nas janelas, arame farpado no muro. Essas cenas seriam complementas por uma narração em off do repórter, que poderia dizer algo como É escola, mas Plano médio usado para gravar sonora. No script, é preciso anotar a inclusão do crédito, com o nome e a profissão do entrevistado parece uma prisão. A diferença é que, aqui, grades e arame farpado servem para evitar que se entre, não que se saia. São medidas drásticas, tomadas por muitos diretores, para evitar a depredação das escolas públicas, que geralmente acontece nos finais de semana. 3. Na sequência, vêm as informações que devem responder as questões básicas (quem, o que, como, quando, onde e porque) e que podem ser apresentadas de diversas formas: 1. com o repórter falando diretamente para a câmera; 2. com entrevistas; 3. com narração em off. A pauta, neste caso, irá explorar os dados obtidos pela pesquisa para responder as perguntas básicas: 63

13 - Quem são os agentes da violência nas escolas - Quais são as formas mais comuns de violência - Em que momentos os casos mais comuns acontecem - Por que as escolas têm índice tão elevado de violência - O que está sendo feito para enfrentar esse problema. 4. A estrutura tradicional de uma reportagem de TV costuma ter uma passagem. É um texto que o repórter fala, olhando para a câmera, e que serve para ligar aspectos da pauta. No momento da passagem é que são inseridos os créditos do repórter. Assim, por exemplo, se a pauta é sobre o baixo desempenho dos estudantes nas provas de Matemática do ENEM, o repórter vai entrevistar pessoas que vão explicar as razões do resultado ruim (professores, pesquisadores, funcionários do Ministério da Educação etc). Depois, ele faz uma passagem, em uma escola, e, no texto, relaciona os resultados com as condições de trabalho dos professores, que também são ruins. A seguir, ele entrevista uma professora que explica porque é tão difícil ensinar matemática quando o professor dá 40 horas de aula por semana, em três escolas diferentes, e não tem tempo nem de preparar adequadamente as aulas, muito menos de dar atenção aos alunos. 5 Por fim, vem a conclusão, quando o repórter geralmente diz alguma frase impactante que resume o tom que foi escolhido para apresentar o assunto. No caso da reportagem sobre os índices de violência, supondo que a pauta tenha sido feita para enfatizar a existência da violência em si nas escolas, o repórter poderia dizer algo como: Apesar do empenho de muitos diretores e professores, os índices do MEC mostram que ainda vai ser preciso muito esforço para fazer das escolas locais pacíficos, onde os estudantes se reúnem para aprender. Por outro lado, se o objetivo da pauta for mostrar iniciativas bem sucedidas para enfrentar o problema, o repórter poderia dizer algo como: A experiência bem sucedidas como a da escola estadual Tarsila do Amaral mostra que, apesar dos índices alarmantes do MEC, professores e diretores estão conseguindo enfrentar o problema. Aqui, temos um exemplo para todo o Brasil. Ana Silva, para o Jornal das 10. Veja que a reportagem sempre termina com o crédito Nome do repórter para o nome do jornal. A reportagem é um formato televisivo tão previsível, que mereceu este vídeo deboche feito pelo humorista Rafinha Bastos. Veja na pasta de vídeos do CD. Assista o vídeo Tutorial - Como fazer uma reportagem de TV que está na pasta Tutoriais para Produção da Atividade 2.2 do Módulo 2 do CD para se familiarizar com a linguagem desse gênero e formato. 64

14 Estudando produções dos alunos Assista o vídeo Reportagem Biblioteca Municipal Bernardo Guimarães, que está na pasta Vídeos de Alunos, na pasta Atividade 2.2 do Módulo 2 do CD. Os alunos conseguiram aplicar os conceitos e técnicas estudados? Como avaliar uma atividade desse tipo? 00:00 a 00:34 Abertura Imagens do local Off do repórter COMEÇO MEIO FIM 00:34 a 04:35 Entrevistas e passagens Diretora da biblioteca - funcionamento Estudante 1 - porque usa a biblioteca Bibliotecária - quem é o público Passagem 1 - sala de informática Estudante 2 - porque usa a biblioteca Passagem 2 - livro mais antigo Diretora da biblioteca - cuidados 04:35 a 04:46 Passagem Repórter no acervo 65

15 Estudando produções dos alunos Assista o vídeo Mídia-educação - que trem é esse?, que está na pasta Vídeos de Alunos, na pasta Atividade 2.2 do Módulo 2 do CD. Os alunos conseguiram aplicar os conceitos e técnicas estudados? Como avaliar uma atividade desse tipo? COMEÇO MEIO FIM 00:00 a 00:55 Normalidade inicial Personagens em uma situação cotidiana 00:56 a 03:24 Surgimento e desenvolvimento do conflito Júlia descobre um curso de mídiaeducação e convida Clara para ir com ela. Clara não quer porque está desconfiada de que é algo estranho. Júlia a convence a ir. 03:25 a 03:33 Resolução do conflito Um mal entendido sugere que Clara estava certa: mídia-educação é algo muito estranho... 66

16 OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO - LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL Produzindo um script de TV A reportagem de TV é um texto multimodal, isto é, que reúne linguagens diferentes na mesma mensagem. Nela, temos imagem, texto visual, texto sonoro e sons não-verbais. Para conseguir organizar todas essas linguagens numa mensagem que seja coerente e inteligível para as pessoas, os repórteres e editores costumam trabalhar com um script. O script é um roteiro que têm todas as informações necessárias para a produção da reportagem. Há uma diversidade de modelos de script, mas o básico é composto pelas seguintes partes: 1. Um cabeçalho com : - Data - Repóter e editor responsáveis - Telejornal onde será exibida (há emissoras que têm diversos telejornais no mesmo dia) - Assunto - Tempo de duração 2. Uma coluna à esquerda, onde são colocadas todas as informações da pista de imagem do vídeo: - Descrição de tomadas (locais, tipos de plano) - Textos que irão aparecer, tais como créditos e infográficos 3. Uma coluna à direita, onde são colocadas todas as informações da pista de som - Texto narrado em off pelo repórter - Tomadas em que o repórter fala diretamente para a câmera - Efeitos sonoros - Trilha de fundo (também chamada de BG background) 67

17 Produzindo um vídeo de bolso Que tal produzir seu primeiro vídeo de bolso noticioso? Parece complicado mas, se você seguir o passo-a-passo da produção, verá que é possível, fácil e divertido fazer reportagens em vídeo. 1. Escolha um evento da escola como, por exemplo, uma reunião de pais; 2. Elabore uma pauta com o histórico, o aspecto que será enfatizado (por exemplo, mostrar a importância da participação dos pais na aprendizagem), as fontes que serão entrevistadas (pais que compareçam à reunião, filhos, professores) e as perguntas que serão feitas a cada uma das fontes; 3. Grave as entrevistas. Note que essa gravação pode ser feita até com câmeras de celular. Tome o cuidado de variar nos ângulos e planos, gravando, por exemplo, os adultos de cima para baixo e as crianças de baixo para cima, para criar um contraste de perspectivas entre o olho da câmera e o olho humano; 4. Faça um script com narração do repórter olhando para a câmera e entrada de sonoras, obedecendo a estrutura narrativa com começo, meio e fim (veja no quadro no canto superior direito dessa página); 5. Use o Windows Movie Maker para editar cada uma das passagens e sonoras dos entrevistados. Depois, junte tudo num só vídeo. 6. Carregue o vídeo na sua conta do Youtube e depois incorpore-o ao blog, com um comentário explicando porque fez essa reportagem e o que aprendeu com essa tarefa. ESTRUTURA NARRATIVA COMEÇO Imagens da escola Off do repórter explicando para que servem as reuniões com pais de alunos MEIO Passagem 1 Entrevista com mãe de aluno explicando porque participa Passagem 2 Entrevistas com professora explicando porque é importante a presença dos pais FIM Passagem 3 com uma conclusão Na pasta Tutoriais para produção da Atividade 2.2 do Módulo 2 do CD você encontra um vídeo ensinando a usar ferramentas básicas do Windows Movie Maker para editar sua reportagem. 68

18 OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL Módulos 1 e 2 Este material material foi produzido no escopo dos programas: Universidade Aberta à Escola Pública, subprojeto 3 Mapeamento de Serviços Públicos Locais para celular e Internet: Unindo Inclusão Digital, Aprendizagem da Língua e Exercício da Cidadania em Atividades Extracurriculares, executado pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro com recursos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do edital CAPES/DEB Nº 033/ Programa de Apoio a Projetos Extracurriculares: Investindo em Novos Talentos da Rede de Educação Pública para Inclusão Social e Desenvolvimento da Cultura Científica. Media literacy no Ensino Médio: Desenvolvendo habilidades de acesso, avaliação e produção de conteúdo digital com alunos e professores, com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do edital MCT/CNPq/MEC/CAPES N º 02/2010. Coordenação: Dra. Alexandra Bujokas de Siqueira Equipe: Dra. Alexandra Bujokas de Siqueira, Dr. Fábio César da Fonseca, Dra. Martha Maria Prata-Linhares, Dra. Natália Morato Fernandes, Ana Paula Ferreira Sebastião, Vivian Freitas da Silveira. Apoio: Pró-reitoria de Ensino Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação Centro de Educação a Distância e Aprendizagem com Tecnologias de Informação e Comunicação - Cead Grupo de pesquisa Educação, Mídia e Novas Cidadanias Laboratório de Mídia-educação

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: CRIATIVIDADE E MULTIMÍDIA. Módulo 2 - Áudio e vídeo Atividade 2.2 - Produzindo pocket videos noticiosos

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: CRIATIVIDADE E MULTIMÍDIA. Módulo 2 - Áudio e vídeo Atividade 2.2 - Produzindo pocket videos noticiosos TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: CRIATIVIDADE E MULTIMÍDIA Módulo 2 - Áudio e vídeo Atividade 2.2 - Produzindo pocket videos noticiosos Este curso é financiado com recursos da Coordenação de Pessoal

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

COMO PARTICIPAR? GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO

COMO PARTICIPAR? GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO Tutorial Inscreva sua história COMO PARTICIPAR? VEJA O TEMA TENHA UMA IDEIA GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO COLOQUE UMA TRILHA SONORA INSCREVA-SE! Tema: Inspirando histórias Premissa conceitual: Em comemoração

Leia mais

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles Torne as suas aulas mais memoráveis com um filme Não é segredo que as crianças crescem a ver filmes, a apreciar programas televisivos e a aprender através deles. Os locais, sons e acção de um filme, dão

Leia mais

OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO

OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL Módulo 2 - Áudio e vídeo Atividade 2.1 - Produzindo reportagens radiofônicas na escola Este curso é financiado com recursos

Leia mais

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela Pós-Produção Prof. Adriano Portela Pós-Produção A pós-produção pode ser o aspecto menos compreendido pelo produtor. É nessa fase que as cenas e o áudio são editados e mixados para criar uma obra coerente

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

Windowns Live Movie Maker

Windowns Live Movie Maker Windowns Live Movie Maker PROGRAMA CONECTIVIDADE AMBIENTE VIRTUAL PARA APRENDIZAGEM COLABORATIVA CURSO DE TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO Diretoria de Educação Assessoria de Tecnologias Educacionais Gerência de

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 Cronograma Cobertura jornalística e Webwriting Fotojornalismo Radiojornalismo Telejornalismo

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

Introdução ao GetResponse

Introdução ao GetResponse Guia rápido sobre... Introdução ao GetResponse Neste guia... Aprenda a construir sua lista, a criar envolventes e-mails e a converter contatos em clientes em GetResponse, com acesso aos melhores recursos

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação.

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. O que é o Windows Movie Maker? O Windows Movie Maker é um programa de computador que permite criar vídeos ou editar os que já existem e transformá-los

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

PASSO A PASSO MOVIE MAKER

PASSO A PASSO MOVIE MAKER PASSO A PASSO MOVIE MAKER Nesta etapa, você deverá apresentar o programa e ajudá-los a montarem o filme. Veja como é fácil. Siga as instruções do passo-a-passo: DICA O que é o Movie Maker? Com o Microsoft

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY,

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, Termo de Referência CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, EM SÃO FÉLIX DO XINGU, NO ESTADO DO PARÁ. INTRODUÇÃO E CONTEXTO A The Nature

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Organizando Voluntariado na Escola Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Objetivos 1 Entender a importância de fazer um planejamento. 2 Aprender como planejar o projeto de voluntariado. 3 Conhecer ferramentas

Leia mais

Tutorial de animação

Tutorial de animação Tutorial de animação Uma animação nada mais é que uma sequência de imagens estáticas que, quando mostradas rapidamente, dão a ilusão de movimento. Selecionamos um conjunto de dicas para você, professor(a),

Leia mais

OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL. Módulo 1 - Texto e foto Atividade 1.1 - Uso de ferramentas web 2.

OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL. Módulo 1 - Texto e foto Atividade 1.1 - Uso de ferramentas web 2. OFICINAS DE MÍDIA-EDUCAÇÃO LEITURA CRÍTICA, PRODUÇÃO E REMIX DE CONTEÚDO DIGITAL Módulo 1 - Texto e foto Atividade 1.1 - Uso de ferramentas web 2.0 Este curso é financiado com recursos da Coordenação de

Leia mais

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo.

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo. O PROGRAMA Claquete, sua revista eletrônica de entretenimento. Claquete: Sua revista eletrônica de entretenimento. Com seu bom humor e curiosidade característicos, Otávio Mesquita apresenta os bastidores

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

PLANOS CINEMATOGRÁFICOS BÁSICOS Introdução aos estudo do cinema e sua linguaguem v1.0

PLANOS CINEMATOGRÁFICOS BÁSICOS Introdução aos estudo do cinema e sua linguaguem v1.0 PLANOS CINEMATOGRÁFICOS BÁSICOS Introdução aos estudo do cinema e sua linguaguem v1.0 Os planos cinematográficos são formas de descrever a posição da câmera em relação ao foco da cena, não apenas de personagens

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL

NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL O que é o Windows Movie Maker? É um programa que permite criar nossos próprios filmes com som, músicas, transição e efeito de vídeo.

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Prática 19 e 20 Características de um bom jogo

Prática 19 e 20 Características de um bom jogo Prática 19 e 20 Características de um bom jogo 1. Objetivos Estudar os elementos essenciais no desenvolvimento de jogos Desenvolver um jogo em Flash 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Laboratório de Novas Tecnologias Aplicadas à Educação

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Laboratório de Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Laboratório de Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Guia didático para professores sobre o Windows Movie Maker Prof. Dr Sérgio Ferreira Amaral

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los

Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los Visite mosyle.com e blog.mosyle.com 2015 Mosyle. Todos os direitos reservados. Nos últimos anos, as escolas passaram

Leia mais

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER*

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* * Microsoft Windows MovieMakeré um programa da Microsoft Corporation. A versão utilizada é a 5.1 que já vem instalada no Microsoft Windows

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Vinte dicas para o Word 2007

Vinte dicas para o Word 2007 Vinte dicas para o Word 2007 Introdução O Microsoft Word é um dos editores de textos mais utilizados do mundo. Trata-se de uma ferramenta repleta de recursos e funcionalidades, o que a torna apta à elaboração

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO.

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO. SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ... 2 DICAS PEDAGÓGICAS:... 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO... 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD... 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO... 3 PASSO 3 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO... 4 CRIANDO NOVAS

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 1. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 1. o bimestre Arte Ciências Geografia A nota de PIC é a média entre a nota

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Windows Live Movie Maker

Windows Live Movie Maker Windows Live Movie Maker Passo-a-passo para Professores Criar um filme com o Windows Live Movie Maker Descarregue o programa 1. Visite o site http://explore.live.com/windows-live-movie-maker e descarregue

Leia mais

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital Conteúdo PRIMEIROS PASSOS COM BLOG:... 3 Primeiro:... 3 Segundo:... 4 Terceiro:... 5 Quarto:...

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

ROTEIRO DE USO DO PROGRAMA MOVIE MAKER. Etapa 2 Orientações sobre pesquisa e armazenamento de dados

ROTEIRO DE USO DO PROGRAMA MOVIE MAKER. Etapa 2 Orientações sobre pesquisa e armazenamento de dados Etapa 1 Introdução Colégio Pedro II Campus Tijuca II Informática Educativa 2015 Professora: Simone Lima ROTEIRO DE USO DO PROGRAMA MOVIE MAKER Este roteiro tem por objetivo orientar vocês no uso do programa

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

Venda com Tráfego Gratuito

Venda com Tráfego Gratuito Venda com Tráfego Gratuito Depois de vários anos no marketing digital, acabei por aprender como fazer divulgação online de forma gratuita. Estou falando de algo totalmente novo, diferente de tudo o que

Leia mais

Apostila de Windows Movie Maker

Apostila de Windows Movie Maker Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva 2 Índice Introdução ao Windows Movie Maker...03 O que é o Windows Movie Maker?...03

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA UNINTER EXPOCOM 2014 REGIONAL

SELEÇÃO INTERNA UNINTER EXPOCOM 2014 REGIONAL SELEÇÃO INTERNA UNINTER EXPOCOM 2014 REGIONAL Está na hora de tirar os trabalhos da gaveta! Fique atento e participe!!! É para já!!! O que é o Expocom? O Expocom (Exposição de Pesquisa Experimental em

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANIBAL FERNANDES

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANIBAL FERNANDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA HENRIQUE BEZERRA IGOR FERNANDES PAULO HENRIQUE WILMA DE ANDRADE WILLIAM FREIRE RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE

Leia mais

GIED Grupo de Informática Educativa. Apresentação de Slides

GIED Grupo de Informática Educativa. Apresentação de Slides Apresentação de Slides Animação Figuras Fala dos personagens Personagens Cenários Professora: Olá pessoal. Hoje nós vamos aprender sobre apresentação de Slides. de Projeção (cenário parecido com o OA de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br APRESENTAÇÃO www.radiomisturebaonline.com.br O que é a rádio MISTUREBA on-line? A rádio MISTUREBA on-line é voltada para divulgação sócio-cultural, musical e esportiva. cultural. A rádio MISTUREBA on-line

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

CURSOS DE DESIGN DE APRESENTAÇÃO. Revolucione seu jeito de comunicar ideias

CURSOS DE DESIGN DE APRESENTAÇÃO. Revolucione seu jeito de comunicar ideias CURSOS DE DESIGN DE APRESENTAÇÃO Revolucione seu jeito de comunicar ideias QUEREMOS AJUDAR A REVOLUCIONAR O JEITO DE COMUNICAR IDEIAS Especialistas em comunicar ideias usando apresentações, nossa experiência

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Fácil e comum é se ouvir uma empresa levantar a bandeira do fluxo de informação com seus diversos públicos, inclusive o interno. A este, a maioria das empresas enaltece com orgulho um setor específico,

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia História A nota da PIC é a média

Leia mais

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos professores da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos professores da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012 Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos professores da UNIGRANRIO Fevereiro/2012 UM POUCO SOBRE O PROFESSOR Negro 1% Etnia segundo classificação do ENADE Pardo/Mulato

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido Microsoft PowerPoint 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que

Leia mais