A TECNOLOGIA DE EDITORAÇÃO DE LEGENDA NO PROCESSO EDUCACIONAL DOS ALUNOS COM SURDEZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TECNOLOGIA DE EDITORAÇÃO DE LEGENDA NO PROCESSO EDUCACIONAL DOS ALUNOS COM SURDEZ"

Transcrição

1 A TECNOLOGIA DE EDITORAÇÃO DE LEGENDA NO PROCESSO EDUCACIONAL DOS ALUNOS COM SURDEZ Resumo TSUKAMOTO, Neide Mitiyo Shimazaki Tsukamoto PUCPR TORRES, Patrícia Lupion Torres PUCPR Área Temática: Diversidade e Inclusão Agência financiadora: Não contou com financiamento Essa pesquisa apresenta os resultados de uma prática pedagógica instrumentada pelas tecnologias no processo educacional dos alunos com surdez, o recurso de editor de legenda, utilizada em uma escola especial de Curitiba-PR. Com vista na formação multidimensional do aluno, no reconhecimento como sujeito e produtor do próprio conhecimento, vivenciada na relação dialógica com o professor e os colegas, recorre-se aos recursos disponibilizados pela Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), por oferecer dispositivos que possibilitam e facilitam a interação social dos alunos com surdez, sendo o editor de legenda um desses dispositivos. O estudo vincula-se na análise das implicações da deficiência auditiva na limitação do processo educacional quando se utiliza apenas as metodologias tradicionais e no entendimento que o apoio dos recursos tecnológicos constitui uma alternativa pedagógica na educação dos alunos surdos, dentro da Escola de Educação Especial. Assim, participaram dessa pesquisa sete alunos adolescentes com surdez que possuíam dificuldades no uso funcional das linguagens resultantes de um processo inclusivo não efetivado refletido no comprometimento no processo de alfabetização. Para tanto, os resultados da pesquisa mostram avanços na apropriação da leitura, da escrita e da comunicação, amparados no editor de legendas, no âmbito da sala de aula, que evidencia a escola como legitimadora da função de ensinar e direcionar para a possibilidade de inclusão social dos alunos com surdez. Nesse viés, o uso de tecnologia em sala de aula, fundada na educação ancorada, representa uma práxis pedagógica diferenciada que auxiliam a superação de visão de incapacidade dos alunos surdos produzirem textos, dentro da perspectiva da educação especial para a educação inclusiva implementando meios e procedimentos que atendam as reais necessidades educacionais dos alunos com surdez, que denota a viabilização de uma inclusão real. Palavras-chave: Editor de legendas. Surdez. Recursos tecnológicos. Educação inclusiva. Introdução

2 1901 A educação atual explicita a perspectiva democrática na defesa do direito de todos os alunos ao acesso e permanência na escola, expressadas por inúmeros termos legais que regem o sistema educacional brasileiro, que instiga a superação da segregação para todos os que possuem alguma necessidade educacional especial. A complexidade em discutir a educação inclusiva na atualidade, urge em decorrência da necessidade de garantir a aplicação da LDB 9394/96 e o Parecer 17/2001, que prevêem ações no ensino regular fundadas nas adaptações curriculares, no que tange ao atendimento à especificidade comunicativa na provisão de ajudas técnicas, nas condições especiais de admissão; na freqüência e avaliação; na previsão de atendimento educacional especializado e no apoio pedagógico que atendam a todos os alunos com necessidades educacionais especiais, incluem-se, nesse contexto, com deficiências (BRASIL, 2001). A realidade escolar dos alunos surdos incluídos no ensino regular é abordada pelos autores como Lacerda (2007), Arcoverde (2006), Góes (2004), entre outros, que geralmente apontam que as maiores dificuldades encontram-se no interior das escolas, pela falta de adaptação arquitetônica e curricular, por problemas na formação docente, pela falta de uma cultura inclusiva nos profissionais, dentre outros. Nesse contexto são inseridos os alunos com surdez. Nesse viés, Rosa (2006, p. 3) comenta que no processo de inclusão dos alunos com surdez o professor ouvinte esforça-se na aceitação de um aluno surdo, mas desvaloriza suas contribuições e não proporcionam o desenvolvimento da autonomia, porque a maioria dos professores ouvintes não sabe muito bem LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais). Esse grande fracasso no ensino da escrita e da leitura dos alunos surdos é porque a maioria dos alunos surdos não tem muito interesse e gosto para aprender leitura e escrita, por que a escola não ensina e, consequentemente, o aluno não aprende. Como conseqüência, verifica-se que os alunos, participantes desse estudo, procuraram apoio educacional especializado em Escola de Educação Especial, que tem como o princípio norteador o ensino da Língua Portuguesa escrita e, inclusive, a falada.

3 1902 Esse cenário é também descrito por Barbosa e Amorin (2008, p. 32) que relatam que a inclusão não vem ocorrendo adequadamente, dada às condições de implementação, à falta de preparo docente e às concepções acerca da surdez, a maioria dos professores prefere a prática da linguagem oral e o paradigma do ouvintivismo 1 prevalece nas escolas regulares, sendo os alunos surdos obrigados a adequar-se a essa situação. Por outro lado, o Decreto 5626/05 assegura a figura do intérprete no ensino regular para os alunos surdos. No entanto, uma pesquisa interna feita pela Escola de Educação Especial, no ano de 2008, revela que dos cento e cinquenta alunos incluídos no ensino regular, somente 30% possuem intérprete, pela falta de profissional com certificação para essa função, também, fato confirmada pela Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos, atuante como órgão regulador da profissão de intérprete (FENEIS, 2006). Vale destacar que os resultados revelam a data tardia da promulgação desse direito, uma vez que os alunos surdos já estavam incluídos no ensino regular desde a oficialização da LDB nº em 1996 (BRASIL, 1996). Dos sete alunos com surdez, público-alvo desse estudo, dois tiveram apoio de intérpretes. Todos os sete alunos envolvidos neste estudo apresentaram dificuldades no processo educacional, pois, embora tenha havido uma aceitação da importância da condição bilíngüe do aluno a escola não [fez] as adaptações metodológicas e curriculares às suas necessidades e [acabou] criando dois espaços paralelos no mesmo espaço, quando se transferia o trabalho pedagógico para o intérprete (LACERDA, 2000, p.72). Fagundes et al. (2005), também relatam que o intérprete traduzia as aulas praticamente pré-estabelecidas, com a repetição oral do saber acumulado do professor, restrito para as possíveis interações. Aulas que não podiam gerar dúvidas sobre o que está sendo ensinadas, aulas destinadas aos alunos homogêneos e com informações uniformes. Considerando as dificuldades educacionais e de adaptações apresentadas pelos alunos surdos no processo de inclusão no ensino regular juntos aos ouvintes, a pesquisa usou dos recursos tecnológicos e os seus dispositivos digitais. Fundamentada no conceito de instrução ancorada, que remete ao uso de vídeo para introduzir informações relevantes aos estudantes nas soluções de situações problemas, estudadas pelos autores Bransford et al. (1990) e Alcântara e Behrens (2001), a pesquisa objetivou investigar o uso dos recursos das Tecnologias da Informação e da Comunicação, 1 Termo descrito por Skliar (1998, p.15) como um conjunto de representações dos ouvintes, a partir do qual o surdo está obrigado a olhar-se e a narrar-se como se fosse ouvinte,

4 1903 especificamente o editor de legenda, como uma prática para efetivar as habilidades da leitura e escrita, dos alunos com surdez, de forma interativa e dentro dos paradigmas inovadores solicitadas pela sociedade do conhecimento. Valente (2001) ressalta a importância de criar ambientes de aprendizagem com uso do computador, para propiciar aos alunos com necessidades educacionais especiais, a oportunidade de desenvolverem atividades desafiantes com propósitos educacionais. Assim, as experiências e as expectativas em torno da utilização de uma tecnologia, antes só utilizadas nos meios cinematográficos, configuram como uma possibilidade de ancorar o processo de ensino-aprendizagem e efetivar as interações sociais comunicativas, que requer as apresentações dos editores de legendas nos próximos parágrafos. Editores de legendas A escola deve possibilitar o acesso a todos os recursos tecnológicos que podem minimizar as representações segregadoras. A utilização dos editores de legendas nos meios educacionais constitui uma ferramenta tecnológica que apóia o desenvolvimento das habilidades da linguagem escrita e falada para os alunos surdos. Alba (2006) comenta que entender a educação como um direito de todos significa necessariamente contar com todos e cada um dos componentes da sociedade, com suas formas variadas de ser, aprender, mover-se ou de socializar. As tecnologias podem contribuir para tornar efetivo o direito de participar nos contextos sociais e culturais, escolares e profissionais, especialmente quando são utilizados para dar respostas à diversidade (ALBA, 2006, p ). Lévy (1999) comenta que o mundo digital, seja qual for o grau de acesso e utilização, acarreta na universalização da comunicação por meio da linguagem escrita. A esse respeito, Arcoverde (2006) afirma que a tecnologia permite ressignificar a escrita fazendo ou uso social de linguagem, fazer o uso da linguagem escrita para o surdos significa apropriar-se de um conhecimento social e cultural de grande amplitude. A apropriação se dá pelo

5 1904 diálogo entre diferentes linguagens sociais, diferentes discursos, na pluralidade de enunciados e na multiplicidade de vozes (ARCOVERDE, 2006, p.257). Nesse quadro, no Brasil existe um movimento Legenda Nacional para quem não ouve, mas emociona que constitui uma campanha para acesso aos deficientes auditivos aos produtos culturais nacionais, uma vez que os filmes brasileiros não possuem legendas. Assim, as pessoas surdas são excluídas do acesso à informação em alguns espaços, como as redes de bibliotecas públicas e nos meios de comunicação de massa. Em sua maioria as necessidades especiais de comunicação (o uso da língua de sinais e de legendas em closed-caption 2 ) são ignoradas, e existem pouquíssimos materiais educacionais e culturais de qualidade acessíveis especificamente para essa população (PEDROSA, 2008). A educação ancorada nas práticas autênticas suportadas em interação social na sala de aula e vivenciada em outros espaços. Tais práticas, de forma geral, mobilizam as interações verbais e a apropriação da linguagem, privilegiando a interdiscursividade, o que implica tornar os alunos surdos participantes ativos de uma rede enunciativos e discursivos, ao abrirem possibilidades de novas construções (BRANSFORD et al., 1990). Nessa perspectiva, os recursos de editores de legendas correspondem ao conceito de Tecnologia Assistiva [...] um termo utilizado para identificar todo o arsenal de recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e conseqüentemente promover vida independente e inclusão (BERSCH, 2008, p.1). O recurso de editor de legenda constitui um dispositivo conhecido e de ampla utilização na indústria cinematográfica. Com a propagação e avanços das tecnologias digitais, o editor de legenda passou a constituir como um dos dispositivos do computador pessoal, sendo uns dos componentes do programa conhecido: o Movie Maker 3. Outro recurso de editor de legenda, de livre acesso, é o tutorial 4 Subtitle Workshop processados por meio de tecnológicos digitais com a inserção de legendas sobre as 2 Função criada para os deficientes auditivos, apresenta na tela as legendas correspondentes aos diálogos do filme (Fonte: Acesso: ). 3 O Windows Movie Maker possui uma interface de usuário baseada em tarefas e assistentes que o ajudam a publicar e capturar vídeos, com um opção de inserir legenda sobre as imagens. (Fonte: Acesso: ). 4 Tutoriais: Um tutorial é um programa ou texto, contendo ou não imagens, que ensina passo a passo, didaticamente, como algo funciona (Fonte: br.answers.yahoo.com/question/index?qid= aahqnud - 46k. Acesso: 07/05/09)

6 1905 informações de imagens e diálogos projetados na tela de computador. A legenda para a finalidade de legenda estática usa-se os recursos de legenda do Movie Maker e / ou o editor Subtitle Workshop, que é um programa de legendas destinadas a filmes, que permite inserir imagens com transcrições textuais, em tempo real, dos conteúdos que está sendo expressas oralmente pelo interlocutor. Esse último, criado por uma empresa de origem uruguaio, a URUSOFT que dispõe de componentes referentes a edição de legendas em filmes (URUSOFT, 2007). Assim, pressupõe-se que os alunos tenham acesso e a utilização dos editores de textos para articular as experiências lingüísticas com os propósitos do uso de tecnologias que aproximem à educação no contexto adaptado às necessidades dos alunos com surdez, que serão descritas a seguir. Desenvolvimento A pesquisa foi realizada em Escola de Educação Especial que atende cento e sessenta alunos surdos, sendo que cento e cinquenta estão incluídos no sistema regular de ensino, no município de Curitiba PR. Na característica atual de Atendimento Educacional Especializado, oficializada pelo Plano Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva de 2008 (Brasília, 2008), a escola possui metodologia própria que desenvolve em dois eixos: a audição, voz e fala e a produção, leitura e análise lingüística como recursos para a sua inserção social (METODOLOGIA EPHETA, 2000). Os alunos participantes, de acordo com Korn et al. (2002), possuem perda auditiva de severa a profunda. Na faixa etária de quinze a dezessete anos, todos freqüentam o ensino regular, entre 6ª a 8ª séries, do Ensino Fundamental, perto das suas residências e no período contrário frequentam a Escola de Educação Especial. Os relatórios da equipe multidisciplinar constam que os alunos procuraram a escola especial, por apresentarem dificuldades nas habilidades de leitura e escrita. A forma utilizada na comunicação é a bimodal (língua de sinais associados à fala) com os professores e pessoas do ambiente escolar. Todos os alunos utilizam o Aparelho de Amplificação Sonora Individual (A.A.S.I), fazendo o uso da audição funcional para orientar-se e interagir. Como programa de apoio, a Escola de Educação Especial desenvolve o programa de informática pedagógica que consiste em apoiar o desenvolvimento da linguagem e na

7 1906 apreensão da habilidade de digitação. Assim, os alunos participantes da investigação, aprenderam a digitar e a executar tarefas básicas no computador de forma independente. Para o desenvolvimento da proposta contou com os recursos culturais de consulta, associados aos recursos específicos de informática e, praticamente dependeu da câmera digital para a captação de imagens e de sete computadores, com dispositivos de multimídia. De acordo com Thiollent (2007, p. 17), este estudo se caracteriza como uma pesquisaação quando os pesquisadores desempenham um papel ativo no equacionamento dos problemas encontrados, no acompanhamento e na avaliação das ações desencadeadas em função dos problemas pela aplicação prática dirigidos à solução de problemas específicos, sobretudo a aquisição da leitura e escrita pelos surdos. A primeira autora é também professora dos alunos investigados da Escola de Educação Especial Em relação à análise de resultados, consideram-se os procedimentos da escola especial onde ocorreu a pesquisa, que possui as características diagnóstica, qualitativa e descritiva, porém para simplificar a visualização dos resultados nesta pesquisa, avaliam-se os itens: comportamento; a expressão oral e na expressão escrita, na escola de valores numéricos de zero (0) a cem (100) pontos para cada item. O uso de editor de legenda vinculou-se a análise de imagens gravadas, leitura e a escrita dos conteúdos dos vídeos, elaboração de produções escritas dentro das diversidades textuais (texto narrativos, de instruções, não verbais; publicitários) considerando o programa que os alunos estão envolvidos, transformando o ensino em algo dinâmico e funcional (ILARI, 1992). Dessa forma, foram aplicados em cinco diferentes contextos de comunicação, adaptando o currículo com a utilização de diferentes contextos de tipologia textual. Em todas as aplicações e intervenções da pesquisa feita com os alunos, foram registrados nos relatórios de atividades, resultando em cinco planejamentos constituídos de conteúdos, a tipologia textual, os objetivos, os materiais utilizados, os procedimentos pedagógicos, que serão descritos a seguir. Procedimentos e resultados A primeira Aplicabilidade foi utilizada o editor Movie Maker Leitura e produção de texto descritivo sobre um (a) amigo (a), em que os alunos participaram dentro da seguinte

8 1907 sequência: produção de uma descrição a respeito de um amigo, de forma individual e em sala de aula; reestruturação do texto orientado pela professora; filmagem com a câmera digital das leituras das produções; visualizações coletiva das filmagens na tela do computador, ocorridas na de informática; congelamento de imagens, retrocesso nas filmagens para as correções coletivas das falas; transcrições das leituras visualizadas no caderno, individualmente; digitação dos registros em um arquivo e, por fim a inserção das legendas sobre as imagens. Por ser a primeira experiência, o processo durou todo o período de aula. Os resultados das atividades certificam que os recursos de ensino/aprendizagem que valorizam o pensamento que se dão pelo aspecto visual, característicos dos sujeitos surdos, propiciam o desenvolvimento lingüístico e constituindo um apoio para a leitura, a compreensão de textos e a produção escrita (SKLIAR, 2007). A expressão oral constituiu a atividade de maior dificuldade para os três alunos com surdez profunda, como ilustra o gráfico 1. O aluno 6 atingiu 35% e o Aluno 5 atingiu 43% dos itens avaliados (participação, expressão oral e leitura e escrita). RESULTADOS - Leitura e Produção descritiva ALUNO 1 ALUNO 2 ALUNO 3 ALUNO 4 ALUNO 5 ALUNO 6 ALUNO 7 Participação Expressão oral - leitura Escrita Gráfico 1 - Leitura e Produção de Texto descritivo sobre um(a) amigo (a) Na segunda Aplicabilidade recorreu-se ao editor Subtitle Workshop articulada em uma atividade de interação social dos alunos com surdez. Os alunos participaram dos Jogos Especiais organizado pela Prefeitura do Município de Curitiba. O evento foi filmado, com a câmera digital, cenas que eles interagiram com outros alunos utilizando Libras. Na sala de informática, os alunos fizeram a transposição dos diálogos da língua de sinais para a escrita, obedecendo a seguinte sequência: visualizaram as filmagens no computador; registraram no

9 1908 caderno; digitaram as legendas individualmente e inseriram em forma de legenda alternando os autores na inserção de legendas. Na estruturação da escrita, no que concerne ao uso de alguns elementos de ligação, flexão do verbo, ao uso da letra maiúscula fora de disposição de frases e/ou parágrafos, dentre outros, apresentaram dificuldades. No entanto, verificou-se o interesse em apropriar da forma correta da escrita, de forma que se iniciou o estabelecimento da metacognição da língua portuguesa escrita. Nesta atividade, os alunos recorriam aos referenciais e os recursos de apoio linguísticos visuais existentes na sala de aula As imagens captadas em situação de interação social demonstraram que a utilização da língua de sinais pelos alunos possibilita a produção de texto de forma interativa, sem a racionalidade ou temas estanques, sobretudo para a expressão do pensamento e para a compreensão de situações. O que propicia a apropriação consciente da língua, ou seja, o aluno com surdez não age apenas como um mero repetidor da língua oficial do país, mas é capaz de colocar-se como sujeito ativo. Isso ocorre, particularmente, por mediações dialógicas que oportunizam o conhecimento das regras e conceitos da língua portuguesa, impossíveis de serem compreendidos apenas pela imposição de cópias e repetições orais (ESCOLA EPHETA, 2000). Na terceira Aplicabilidade Transposição do discurso direto para o discurso indireto com a utilização do editor de legendas do Movie Maker. Partiu do registro escrito, feito pela professora, da conversa informal sobre os feriados da Semana da Pátria na forma de discurso direto e seguiu com a transposição oral, dos alunos, para o discurso indireto, com registro escrito no caderno, individualmente. Após a reestruturação do texto, os alunos assistiram as imagens da participação dos relatos e introduziram as legendas a partir das falas ocorridas na sala de aula. Os alunos não apresentaram dificuldades na compreensão da tarefa. Realizaram as transposições discursivas com investigações e recorrendo aos apoios didáticos fornecidos pela professora, tais como: livros didáticos, listas de verbo, dicionários, entre outros. Os resultados comprovam que o recurso foi o elemento mediador e facilitador do conhecimento, dada a necessidade de instrumentalização com as tecnologias contemporâneas e a reflexão sobre prática pedagógica para o enfrentamento de imprevisto transformando o conhecimento dos alunos (BEHRENS, 2005).

10 1909 Quarta Aplicabilidade utilização do editor Subtitle Workoshop Fórum de Discussão: a Importância da comunicação oral, com base no Decreto nº de 2005 (BRASIL, 2005), que institui a Língua de Sinais Brasileira (Libras). As interações foram previamente planejadas, com perguntas e procedimentos selecionados. As imagens do fórum de discussões foram gravadas na biblioteca da escola. Na sala de informática, os alunos visualizaram as imagens. As editorações de legendas foram feitas coletivamente, para não perder a seqüência de falas e opiniões, em forma de rodízio entre os alunos na digitação da legenda. Na busca das concepções e/ou filosofias que respondam as reais necessidades dos alunos, os elaboradores de leis e alguns pesquisadores interpretam as posições dos alunos surdos de forma unilateral. Os depoimentos revelam algumas particularidades da surdez, pouco investigados na educação, sobretudo no ensino regular, os preconceitos e anseios na sua convivência social. O resultado requer reflexões de temas complexos, sobre o determinismo das leis e a discussão unilateral de uma ou outra metodologia, principalmente, quando os alunos surdos relatam favorável aquisição da linguagem oral, considerando que é a forma mais aceitável, consciente e transformadora para eles. Contribuições que causam reflexões nos referenciais sobre a sociedade escrita e falada pelos ouvintes. Os resultados demonstraram uma grande evolução nos três itens avaliados (Gráfico 2). Tanto o registro oral como o de legendas constitui uma fonte de esclarecimentos a cerca dos alunos pesquisados. RESULTADOS - DEBATE SOBRE A COMUNICAÇÃO ALUNO 1 ALUNO 2 ALUNO 3 ALUNO 4 ALUNO 5 ALUNO 6 ALUNO 7 Participação Expressão oral - leitura Escrita Gráfico 2 Fórum de Discussão: a Importância da Comunicação Oral

11 1910 Quinta Aplicabilidade Opiniões sobre ética e cidadania A Importância das Eleições. Essa proposição obedeceu a seguintes fases: os alunos participaram da pesquisa sobre os candidatos a eleições municipais, reuniram panfletos, confeccionaram um mural informativo, organizaram uma simulação de eleição com desempenho de função para o processamento, votaram; na sala de aula produziram texto sobre Qual é a importância das eleições ; foi realizado leitura das produções e as imagens foram gravadas; fizeram a editoração das legendas a partir da reunião dos textos individuais; inseriram as legendas sobre as leituras realizadas, selecionando as imagens correspondentes à participação de cada um. A última atividade registrada demonstra avanços nas áreas avaliadas, no entanto, mereceu detalhamento e cuidado por constituir uma atividade de opinião, depoimentos e o voto consciente nas eleições de 2006, portanto as médias foram altas, variando de 80% a 100% nos resultados, conforme mostra o gráfico a seguir. RESULTADOS - A IMPORTÂNCIA DAS ELEIÇÕES ALUNO 1 ALUNO 2 ALUNO 3 ALUNO 4 ALUNO 5 ALUNO 6 ALUNO 7 Participação Expressão Oral - leitura Escrita Gráfico 3 Opiniões sobre ética e cidadania A Importância das Eleições. As adaptações tecnológicas existentes na sociedade abrem possibilidades para gerar novas formas de comunicação, interação com a informação e socialização em contextos educativos (ALBA, 2006, P. 144), reafirmada nos cinco procedimentos pedagógicos vivenciados pelos alunos surdos envolvidos na pesquisa, a partir de um fato cultural real e visualizado, transpostas para expressões lingüísticas (oral, escrita, não verbal) com o uso da metacognição para a formação do pensamento formal. Conclusão

12 1911 A investigação sobre o uso da tecnologia de editoração de legenda no processo educacional dos alunos com surdez objetivou a efetivação do processo de aprendizagem da leitura e escrita para os sete alunos surdos adolescentes, por meio de utilização de um recurso das Tecnologias da Informação e da Comunicação como uma das alternativas para suprir essas necessidades. Foi possível concluir que os editores de legendas, Subtitle Workshop e a legenda do Movie Maker, organizam as experiências de linguagens, em relação à unidade de sentido do texto nas produções sistemáticas e assistemáticas, com adequação os sistemas fonéticos (ponto e modo de articulação) e sintáticos. Verificadas quando os textos foram transpostos da oralidade para a escrita, sendo que esta consolidou as habilidades da escrita digitalizadas, com as legendas inseridas simultâneas ao texto falado. Tais resultados amparam-se nos dispositivos de interfaces visuais, tanto na identificação de fala como da escrita e em conformidade aos preceitos desenvolver pesquisa de produtos que beneficiam e facilitam a todos, com e sem necessidades educacionais especiais, dentro da perspectiva da Tecnologia Assistiva. Entende-se que a aprendizagem decorre das interações, ou seja, das relações estabelecidas em ações do pensamento humano acompanhadas de reflexões sobre resultados e produção de significados. Assim, os resultados do uso dos editores de legendas deram origem a outros projetos envolvendo o uso das tecnologias para o resgate educacional dos alunos prejudicados pela falta de recursos na inclusão, que, infelizmente, não cessaram, mas duplicaram desde o ano de 2006, data que iniciou essa pesquisa. Os alunos resultantes de uma inclusão que careciam de recursos e adaptações para a melhoria do processo de aprendizagem da língua portuguesa, na habilidade da leitura e escrita, apresentaram os resultados evolutivos com o apoio dos editores de legendas, que atenderam às reais necessidades educacionais dos sete alunos já adolescentes. Os resultados positivos remetem a análise vinculada à vontade política, quando as reflexões sobre as ações levam a concluir que faltam recursos em pesquisa e investimentos tecnológicos nos instrumentos que apóiam visualmente os alunos com surdez no processo de apropriação da leitura e escrita, ao invés de sentenciá-los como limitados nesses conhecimentos e / ou até mesmo encaixá-los numa metodologia unilateral. Portanto, as melhores condições para a aprendizagem são aquelas que proporcionam ao aprendiz tanto a possibilidade de interagir com objetos de aprendizagem quanto à

13 1912 convivência com a diversidade cultural e de idéias que possibilitam colocar a sua expressão de pensamento. REFERÊNCIAS ALBA, Carmem. Uma educação sem barreiras tecnológicas. TIC e a educação inclusiva. SANCHO, Juan Maria (org.). Tecnologias para transformar a educação. Tradução Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2006, p ALCÂNTARA, Paulo R., BEHRENS, Marilda A., CARVALHO, Ronaldo G. CD ROM do Projeto Pacto: Pesquisa em aprendizagem colaborativa com tecnologias interativas ( ). Curitiba, PR: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, ARCOVERDE, Rossana Delmar de Lima. Tecnologias digitais: novo espaço interaivo na produção escrita dos surdos. In: Cadernos CEDES, 69, Educação, surdez e inclusão social. 1ª Edição, maio/ago. 2006, p BARBOSA, Shirley Teles; AMORIM, Kátia de Souza. Revisão da literatura sobre a educação de deficientes auditivos e surdos: o Antagonismo de perspectivas / práticas persiste. In: MENDES, Enicéia G.; ALMEIDA, Maria Amélia; HAYASHI, Maria Cristina P.I (Orgs.). Temas em educação especial: conhecimentos para fundamentar a prática. Araraquara, SP: Juqueira&Marin: Brasília, DF: CAPES PROESP, p.27-35, BEHRENS, Marilda Aparecida. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, BERSCH, Rita. Introdução a Tecnologia Assistiva. CEDI, Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil. Porto Alegre, Disponível em: Acesso em: BRANSFORD, John D. et al. Anchored instruction: why we need it and how technology can help. In D. Nix & R. Spiro (Eds.), Cognition, education, and multimedia: Exploring ideas in high technology (p ). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nº 1/92 a 38/2002 e pelas Emendas Constitucionais de revisão nº 1 a 6/94. Brasília, Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/20/12/1996. Disponível em: >http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 10 set

14 1913 Decreto Federal n. 5626/2005. Regulamenta a Lei /2002 que oficializa a Língua Brasileira de sinais Libras. Disponível em Acesso em: CLOSED CAPTION. Definição. Disponível em: Acesso: KORN, Gustavo Polacow et al. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, Vol.68 nº 1 São Paulo, maio de FAGUNDES, José; RIBAS Mariná Holzmann; OLIVEIRA, Eugênia Aparecida da Maia; RIBAS, Maria José Bauer. O professor em busca de sua identidade. In: RIBAS, Mariná Holzmann (org.). Formação professores. Escolas, práticas e saberes. Ponta Grossa. Ed UEPG, ESCOLA EPHETA. Metodologia Epheta. Encarte elaborado pela equipe de profissionais da Escola de Educação Especial Epheta. Curitiba, FENEIS. Notícias e detalhes. Disponível em: Acesso: GÓES, Maria Cecília Rafael. Desafios da Inclusão de Alunos Especiais: a escolarização do aprendiz e sua constituição como pessoa. In: GÓES, Maria Cecília Rafael De; LAPLANE, Adriana. Lia F. (Orgs). Políticas e Práticas de Educação Inclusiva. Campinas: Autores Associados, ILARI, Rodolfo. A Lingüística e o Ensino da Língua Portuguesa. 4ª Edição: Editora Martins Fontes. São Paulo, LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. In: Surdez: Processos educativos e subjetividade. Org. São Paulo: Lovise, O aluno surdo em escola regular: um estudo de caso sobre a construção de identidade. In: GOÉS, Maria Cecília Rafael de; LAPLANE, Lia Friszman de (orgs) Campinas, SP: Autores Associados, LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, PEDROSA, Marcelo de Carvalho. Legenda Nacional. Disponível em: e Acesso em: REILY, L. O papel da igreja nos primórdios da educação dos surdos. In: Revista Brasileira de Educação. Belo Horizonte, v. 12, p , 2007.

15 1914 ROSA, Fabiano Souto. Literatura, Letramento e Práticas Educacionais - Grupo de Estudos Surdos e Educação. Campinas: ETD Educação Temática, v.7, n.2, p.58-64, jun. 2006, LITERATURA SURDA: CRIAÇÃO E PRODUÇÃO DE IMAGENS E VALENTE, José Armando (Org). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP/NIED, SUBTITLE WORKSHOP. Definição. Disponível: Copyright URUSoft. All Rights Reserved. Design by AlmaOscura. Acesso: 27/04/06. SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre, R.S.: Mediação, Estudos surdos e estudos culturais em educação: um debate entre professores ouvintes e surdos sobre o currículo escolar. In: GOÉS, Maria Cecília Rafael de; LAPLANE, Lia Friszman de (orgs.) Surdez: Processos educativos e subjetividade. Campinas, SP: Autores Associados, THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 9 ed. São Paulo: Cortez, TUTORIAL. Definições. Disponível em: br.answers.yahoo.com/question/index?qid= aahqnud - 46k. Acesso: 07/05/09) WINDOWS MOVIE MAKER. Definições. Disponível em: Acesso em:

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS Carlene da Penha Santos - Graduanda/ UFPB Luzia Domiciano da Silva - Graduanda/ UFPB OBJETIVO Aproximar os alunos ditos

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

RELAÇÃO DE LINHAS DE PESQUISA, EMENTAS E TEMAS PARA ORIENTAÇÃO DE TCC PEDAGOGIA

RELAÇÃO DE LINHAS DE PESQUISA, EMENTAS E TEMAS PARA ORIENTAÇÃO DE TCC PEDAGOGIA RELAÇÃO DE LINHAS DE, S E PARA METODOLOGIAS DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS EDUCATIVOS Constituição histórica das metodologias do ensino e as diferentes concepções de ensino

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE Maria Cristina Polito de Castro Universidade dos Bandeirantes UNIBAN cristinapolito@hotmail.com Resumo: O relato desta experiência aborda a

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais O SENAI estimula e aperfeiçoa as tecnologias educacionais para suprir as necessidades

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO AS TECNOLOGIAS FAZENDO A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR DOS ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS NA ESCOLA INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ISABEL DE ESPANHA 28ª CRE FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: A GESTÃO DAS DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS

INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: A GESTÃO DAS DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: A GESTÃO DAS DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS Patrícia Graff (Universidade Federal de Santa Maria UFSM¹) (Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI²) Um

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A INSERÇÃO DA DISCIPLINA LIBRAS NA FORMAÇÃO INICIAL DO PEDAGOGO Gabriela Geovana Pinho, Claudia

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 DISSERTATIVA - 13 Magali, 07 anos de idade, iniciará sua vida escolar. Seus familiares compareceram

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 149, /2 6 / 8 FACULDADES EDUCAÇÃO COM ÁREAS DE

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL Vanessa Piccinin da Rosa. Maria Rosangela Silveira Ramos Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA

IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA IMERSÃO TECNOLÓGICA DE PROFESSORES: POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA MEDIADA POR AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA QUARESMA, Cíndia Rosa Toniazzo 1 Palavras-chave: Formação de Professores,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico

Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico Local: Taquari Carga horária: 400 horas. Resolução 01/2007 CES/CNE/MEC: "Art. 5. Os cursos

Leia mais

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Audiovisual e Acessibilidade - UFBA O papel do intérprete

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

PATRÍCIA NEVES RAPOSO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA panera@brturbo.com.br

PATRÍCIA NEVES RAPOSO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA panera@brturbo.com.br PATRÍCIA NEVES RAPOSO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA panera@brturbo.com.br De quem são esses olhos? De quem são esses olhos? De quem são esses olhos? De quem são esses olhos? De quem são esses olhos?

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA Mariana Rodrigues Ferreira Fantinelli (G UENP, campus de Jac.) naninha_fantinelli@hotmail.com Sonia Maria Dechandt Brochado ( Orientadora UENP) O letramento do

Leia mais

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO 1 DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO Mara Aparecida de Castilho Lopes 1 Ida Lichtig 2 Universidade de São Paulo - USP Resumo:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY Daiyane Akemi Morimoto- Graduanda em Pedagogia- Unisalesiano de Linsday_akemi@hotmail,com

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais