2. Características das WebQuests Actividade de grupo aprendizagem colaborativa Contêm elementos de motivação intrínseca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. Características das WebQuests Actividade de grupo aprendizagem colaborativa Contêm elementos de motivação intrínseca"

Transcrição

1 1. Introdução Nas páginas WWW encontram-se diversos tipos de actividades para os alunos concretizarem, tais como: histórias interactivas, excursões virtuais, caça ao tesouro, visitas ao passado, WebQuests. Cada vez há mais escolas ligadas à Internet e há muitos tipos de actividades para os alunos desenvolverem. Com o objectivo de definir novos ambientes de aprendizagem, em 1995, Bernie Dodge, professor de Tecnologia Educacional na Universidade de San Diego, EU, desenvolveu um formato de actividades/lições na Wweb, a que chamou WebQuest (pesquisa na Web). No artigo Some Thoughts About WebQuests, ele define uma WebQuest como:... uma actividade orientada para a pesquisa em que alguma, ou toda, a informação com que os alunos interagem provém de recursos na Internet, opcionalmente suplementados por videoconferência. Em 95, Bernie Dodge e Tom March, ambos da Universidade de San Diego, desenvolveram um tipo de plano de lição a que chamaram WebQuest - o qual continha links para, de e ao longo da Web. A tarefa era normalmente um problema a resolver ou um projecto a completar. Os alunos eram informados dos recursos e deveriam analisar e sintetizar as informações e apresentar soluções criativas. Desde então, tem sido considerada uma estratégia bastante interessante de utilização da Internet na escola. Pretende-se que os alunos desenvolvam a capacidade de navegar na Internet com uma tarefa em mente. É uma maneira de utilizar sites seguros e de prender a atenção dos alunos. Sendo as WebQuests elaboradas/escolhidas de forma relevante em relação aos conteúdos educativos, para além de garantirem um uso responsável da Internet, tornam as aulas muito mais aliciantes. Uma boa WebQuest vai mais além da procura de informações: implica que os alunos analisem recursos e desenvolvam diversas capacidades, tais como: como espírito crítico e criatividade. Tem-se verificado que os alunos estão de tal modo motivados e interessados que não perdem tempo a navegar indescriminadamente na Web. Esta estratégia tem sido bastante aplicada nos Estados Unidos. Muitos professores têm construído e divulgado as suas WebQuests, encontrando-se inúmeros exemplos, em inglês. Também se encontram alguns exemplos em português.

2 2. Características das WebQuests Actividade de grupo aprendizagem colaborativa Contêm elementos de motivação intrínseca o Os alunos são colocados perante um desafio/problema o Atribuição de um papel a cada interveniente o Estabelecimento de um cenário o Simulação de uma entrevista a um personagem o... Podem ser disciplinares, interdisciplinares ou multidisciplinares Têm várias vantagens: Desenvolvem capacidades cognitivas Promovem a aprendizagem colaborativa Permitem a integração de recursos Orientam a navegação na Internet 3. Estrutura das WebQuest Para que uma WebQuest seja eficiente e clara no seu propósito, deverá conter, pelo menos, as seguintes partes: 3.1. Introdução 3.2. Tarefa 3.3. Processo 3.4. Recursos 3.5. Avaliação 3.6. Conclusão 3.1. Introdução A introdução deve definir o cenário e ter algumas informações básicas. Será mais motivadora se indicar os objectivos e levantar um problema. Deve ser: relevante para as experiências anteriores do aluno; relevante em relação aos objectivos do aluno; importante pelas suas implicações; curta, pela necessidade de obter uma solução em pouco espaço de tempo; divertida, pelo papel que o aluno pode ter que desempenhar ou pelo produto a criar; visualmente atraente Tarefa A tarefa consiste no que o aluno deverá ter feito no fim do trabalho. Deverá ser exequível e interessante. Do ponto de vista cognitivo será tanto melhor quando exija que os alunos não tenham apenas que dar respostas, mas que tenham que efectuar uma síntese a partir da 2

3 informação consultada, tomar uma posição, fazer uma generalização, criar um produto. Pode, portanto, consistir em: resolução de um problema; simulação de papéis; criação de um produto; participação em debates; avaliação histórica;... A sua apresentação pode ir desde a simples resposta verbal ou escrita a uma apresentação exigindo a utilização de software, por exemplo, uma criação em PowerPoint Processo No processo estão descritos os passos que levarão à execução da tarefa. Pode incluir: estratégias que levem a divisão da tarefa em sub-tarefas; descrição dos papéis a serem desempenhados; descrição das perspectivas a serem desenvolvidas; indicações sobre a forma de organizar a informação, por exemplo, com a forma de questões orientadas ou indicações para a gestão do tempo. Por vezes, estas indicações aparecem na estrutura, como mais outro passo e com a designação Orientações, a fim de não sobrecarregar o processo, cuja descrição deve ser curta e simples. Aliás, do 1º artigo do próprio Dodge constam as Orientações e não aparece a Avaliação. Num outro seu artigo, posterior, adoptou a nomenclatura indicada acima Recursos Um conjunto de recursos deverão ser sites da Web. Isso implica uma análise prévia de inúmeros sites da parte do professor antes de efectuar uma escolha criteriosa. Com alunos mais crescidos até poderão ser escolhidos sites com informações incompletas ou contraditórias, mas não com alunos pequenos. É importante ter em conta que os recursos não terão que estar exclusivamente na Internet. Podem ser livros, textos, vídeos, etc. Além disso, os alunos podem entrevistar pessoas, pedir esclarecimentos por mail, fazer visitas de estudo, etc. Muitas vezes, é preferível dividir a lista de recursos, de modo a uns serem analisados por todos os alunos e outros analisados por parte dos alunos, conforme o papel ou a tarefa/subtarefa que cada aluno está a desempenhar Avaliação Não existia, inicialmente, este bloco na estrutura da WebQuest. Mas, se queremos justificar o tempo dispendido com a Web para aprendizagem, é necessário avaliarmos os resultados. A maior parte das WebQuest acaba com um produto que pode ser um trabalho escrito ou oral, uma apresentação multimédia, uma dramatização, etc, etc. O formato da avaliação depende 3

4 do tipo de tarefa que o aluno executou. É de ter em conta a capacidade de pesquisa, organização da informação, o formato do produto, etc. Existem, na Internet, diversas fichas, com critérios e níveis, para avaliar cada categoria Conclusão A conclusão deverá constituir uma oportunidade para: resumir o projecto; recordar o que o aluno aprendeu; encorajar a continuar a reflectir e/ou explorar esse tema Também pode ser um bom momento para o professor obter o feedback dos alunos. 4. Tipo das WebQuest Há, pelo menos, dois tipos de WebQuest que devem ser distintos: 4.1. Curta duração 1 a 3 aulas Com estas WebQuest pretende-se a aquisição e integração do conhecimento. No fim, o aluno deverá ter tomado contacto com um número significativo de informações, às quais dará sentido Longa duração 1 semana a 1 mês Com uma WebQuest deste tipo pretende-se uma análise mais profunda dos conhecimentos, a criação de algo novo. Uma WebQuest de longa duração pode ter inúmeros formatos: uma base de dados com recursos de procura na qual as categorias em cada campo são criadas pelos alunos; uma história interactiva ou um estudo de caso criados pelos alunos; um documento que descreva uma análise de uma situação controversa, convidando o aluno a tomar posição; uma entrevista on-line com a simulação de uma personagem (as perguntas e respostas seriam dadas pelos alunos que, previamente, teriam estudado a personagem). 5. Como desenvolver uma WebQuest Procurar os recursos disponíveis na Internet e familiarizar-se com eles Organizar os recursos em categorias Identificar tópicos/conteúdos curriculares para os quais há materiais adequados Construir a WebQuest Aplicar a WebQuest Avaliar a WebQuest 4

5 6. Taxonomia das tarefas A tarefa é a parte mais importante da WebQuest. Desde 95 que os professores têm adaptado diversas WebQuest às suas necessidades e destas experiências têm emergido alguns formatos de tarefas. A taxonomia que se segue descreve esses formatos e dá sugestões de como optimizá-los. É de também ter em conta que há tarefas que combinam várias categorias. De acrescentar ainda que esta taxonomia não é um produto acabado. As categorias que se seguem não obedecem a nenhuma ordem; no entanto, a primeira, reconto, é na realidade, a primeira devido à sua simplicidade Reconto Deverá recontar o que os alunos aprenderam, podendo ser apresentada sob a forma de um pequeno relatório, um poster ou uma apresentação em PowerPoint. São as WebQuests mais comuns, apesar de menos desafiantes e interessantes. Uma modesta WebQuest é baseada no reconto se: é significativamente diferente do que foi apresentado, tanto no conteúdo como na forma, isto é, o produto não resulta de uma operação de corta e cola ; aos alunos foi dada oportunidade de organizar a informação e de decidir sobre a sua nova apresentação; implica desenvolvimento das capacidades de análise (distinguir o que é fundamental) e de síntese. É importante salientar que uma tarefa de reconto pode ser utilizada como um passo intermédio para desenvolver conhecimentos acerca de um tópico, combinando-a com uma ou mais tarefas de outro tipo Compilação Uma tarefa simples para os alunos é recolher informação de diferentes fontes ou mesmo de diferentes tipos de fontes e dar-lhe um formato comum. Esta compilação de resultados pode ser ou não publicada na Web ou pode ter a forma de um produto não multimedia. Uma WebQuest é uma compilação se: há uma transformação da informação compilada. Capacidades desenvolvidas numa tarefa de compilação: utiliza recursos com diferentes formatos e é necessário que sejam reescritos ou reformatados; desenvolve os seus próprios critérios para seleccionar os items que deve articular. 5

6 6.3. Mistério Todos gostam de mistérios. Por vezes, uma boa maneira de atrair os alunos para um tema, é disfarçá-lo num puzzle ou numa história de detectives. Isto resulta para alunos muito pequenos, mas também com mais velhos, desde que adaptado ao seu nível etário. Uma tarefa mistério requer síntese da informação recolhida em diversas fontes. Um puzzle, por exemplo, não pode ser resolvido simplesmente pela resposta encontrada numa página. Na realidade uma tarefa mistério requer: síntese da informação de múltiplas fontes; obtenção de informação através de inferências ou generalizações cruzando informação de diferentes fontes; eliminação de falsas pistas Jornalísticas No caso de haver um acontecimento sobre o qual os alunos se deveriam debruçar, uma das maneiras de criar uma WebQuest é pedir aos alunos que façam uma reportagem cobrindo o acontecimento. O importante a avaliar é a exactidão dos factos e não a criatividade. Uma tarefa jornalística bem desenhada requer que os alunos: optimizem a exactidão recorrendo a múltiplas abordagens do acontecimento; alarguem os seus conhecimentos incorporando opiniões divergentes da sua; aprofundem os seus conhecimentos utilizando informação de segundo plano; se consciencializem dos seus próprios preconceitos e minimizem o seu impacto no que escreverem Design Este tipo de tarefa requer que os alunos criem um produto ou um plano de acção. O importante é que a tarefa seja construída tendo em conta determinadas condições. Se a tarefa for muito livre, os alunos terão a ilusão de que qualquer coisa serve e isso não tem a ver com a atitude necessário no dia a dia. Para ser bem construída requer que: seja necessário a criação de um produto com determinada finalidade; existam recursos e condições não idênticas aos observados; encoraja a criatividade dentro das condições que foram previamente dadas Produtos criativos Este tipo de tarefas deve levar à criação de um produto realizado com determinado formato, mas muito mais imprevisível que o da tarefa de design. Nos produtos criativos é enfatizada, evidentemente, a criatividade. Tal como nas tarefas de design, o fundamental são as condições impostas e distinguem-se pelo modo como o produto é trabalhado e pela criatividade. Essas diferenças podem ter em conta: exactidão histórica; 6

7 aderência a um estilo artístico particular; utilização de um formato particular; limitação no comprimento, tamanho, extensão Consenso Uma tarefa de consenso bem construída deve: implicar que os alunos se apercebam das diferentes perspectivas, a partir dos diferentes recursos estudados; basear-se em diferentes opiniões e factos e não apenas em factos; dar origem a um produto com o formato normalmente utilizado na vida extra-escolar; dar origem a um relatório dirigido a uma audiência específica (real ou virtual) e ter um formato análogo ao que é usado, normalmente, na vida real (por exemplo, recomendação a alguém do governo, um memorando, etc) 6.8. Persuasão Há pessoas que não estão de acordo connosco. Estão certamente erradas, portanto, é necessário desenvolver capacidades de persuasão para as convencer. Uma tarefa de persuasão ultrapassa o simples reconto, requerendo que os alunos desenvolvam um caso convincente baseados no que aprenderam. Pode incluir uma simulação de um comício, a escrita de uma carta, editorial ou notícia, ou a produção de um poster, ou de um vídeo construídos de modo a influenciar opiniões. As tarefas de persuasão estão muitas vezes combinadas com as de consenso. A principal diferença é que nas tarefas de persuasão os alunos trabalham no sentido de convencer uma audiência externa de um certo ponto de vista, enquanto que nas de consenso, a tarefa passa apenas pela tomada de consciência das diferentes perspectivas. Para termos uma boa tarefa de persuasão é necessário que: uma audiência plausível, em relação à mensagem a tratar, tenha sido identificada com determinado ponto de vista, diferente ou pelo menos, neutro Auto-conhecimento Por vezes, o objectivo de uma WebQuest é uma melhor compreensão de si próprio e a compreensão do que se pode desenvolver a partir de diversos recursos. Como o autoconhecimento não é muito representado nos actuais currículos, há poucas tarefas deste tipo. Uma boa tarefa de auto-conhecimento implica que o aluno responda, não laconicamente, a questões que ele coloca a si próprio. Estas tarefas podem ser desenvolvidas em torno de: objectivos a longo prazo; objectivos de carácter ético e moral; desenvolvimento de auto-estima 7

8 opiniões pessoais sobre arte e literatura Analíticas Um dos aspectos do conhecimento é perceber como as coisas funcionam em conjunto e como, num determinado assunto, as coisas se relacionam. Uma tarefa analítica vai ao encontro do desenvolvimento desta capacidade. Uma tarefa analítica ultrapassa uma simples análise, para encontrar implicações naquilo que encontrou. Por exemplo, enquanto que criar um diagrama Venn comparando Itália com Inglaterra é uma tarefa simples, uma tarefa mais complexa incluirá especulação ou inferência sobre semelhanças e diferenças entre os dois países Julgamento Para se avaliar alguma coisa é preciso um grau de compreensão assim como de julgamento. As tarefas de julgamento apresentam aos alunos um número de questões, que eles devem ordenar, eliminar ou tomar decisões com um número limitado de escolhas. É natural, mas não obrigatório, que os alunos desempenhem um papel, enquanto desenvolvem uma tarefa deste tipo. Têm sido desenvolvidas muito boas WebQuests deste tipo, com o formato de simulações. Para estar bem construída deve, por um lado: existir uma ficha ou um conjunto de critérios para efectuar o julgamento; auxiliar e apoiar os alunos na criação dos seus próprios critérios de avaliação. Por outro lado, é importante levar os alunos a explicitar e defender o seu sistema de avaliação Científicas A Web faculta muitos tipos de dados e alguns deles podem levar a fazer ciência. Uma tarefa científica deve: formular hipóteses baseadas no conhecimento de informação proveniente de recursos on-line ou não; testar as hipóteses reunindo dados a partir dos recursos previamente escolhidos; determinar quais as hipóteses que são válidas; descrever os resultados e suas implicações no formato de relatório científico. Para uma WebQuest deste tipo ter sucesso é fundamental encontrar questões que possam resultar de vários tipos de dados on-line. 8

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

João Paiva e Carla Morais

João Paiva e Carla Morais João Paiva e Carla Morais Generalidades sobre WebQuests WebQuest Definição A WebQuest is an inquiryoriented activity in which some or all of the information that learners interact with comes from resources

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

Algumas idéias sobre WebQuests

Algumas idéias sobre WebQuests Algumas idéias sobre WebQuests Bernie Dodge, San Diego State University [Tradução e adaptação: Simão Pedro P. Marinho, 1999] Existem milhares de escolas de algum modo conectadas com a Internet e seu número

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA Coordenação Técnica. Outubro de 2013 BALANÇO DE ETAPA EM METADE DO PROJECTO GEPETO Outubro de 2013 1. RECAPITULAÇÃO DOS OBJECTIVOS 2. ROTEIRO 3. PRINCIPAIS ACTIVIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AERT E. B. 2, 3 de Rio Tinto

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AERT E. B. 2, 3 de Rio Tinto Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AERT E. B. 2, 3 de Rio Tinto CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 3º CICLO - 2015/2016 Os critérios de avaliação têm como documentos de referência o Programa de Inglês

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA

WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA WEBQUEST: UM RECURSO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÃTICA Patrícia Sândalo Pereira UNIOESTE Foz do Iguaçu patriciasandalop@uol.com.br Cleonice Salateski Colégio Estadual Alberto Santos Dumont maucleo@seed.pr.gov.br

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

"Metas de Aprendizagem

Metas de Aprendizagem "Metas de Aprendizagem TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Esmeralda Oliveira Contexto Contexto Perspectiva As TIC acrescentam valor Saberes duradouros enfoque transversal Assume-se que a integração

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO Este guia pretende ajudar os professores e os alunos na criação de guiões de pesquisa de informação. Os guiões de pesquisa podem ser mais ou menos detalhados,

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Planificação. Alexandra Baldaque

Planificação. Alexandra Baldaque Planificação Alexandra Baldaque Sumário Modelos de planificação Razões para planificar Fases da planificação Períodos de planificação Instrumentos de planificação Planificação A planificação passa pela

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA Renato dos Santos Diniz renatomatematica@hotmail.com Adelmo de Andrade Carneiro adelmomatematico@yahoo.com.br Wesklemyr Lacerda wesklemyr@hotmail.com Abigail

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional

CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional Em março de 2014, o Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) da Escola Secundária de Felgueiras iniciou a sua missão de informar,

Leia mais

PLANO DA LIÇÃO Aprender sobre Segurança Pessoal On-line

PLANO DA LIÇÃO Aprender sobre Segurança Pessoal On-line PLANO DA LIÇÃO Aprender sobre Segurança Pessoal On-line Idade Recomendada: 5 anos Guia da Lição Os alunos participarão numa discussão de grupo moderada pelo professor de modo a (a) serem expostos ao vocabulário

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e atividades O e-campus do ISPA - Instituto

Leia mais

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública Outubro de 2015 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Objectivos,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS Dados sócio-demográficos: Género: F M Idade:... (anos) Escolaridade: Ensino Secundário Licenciatura Mestrado Doutoramento

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

3. DESCRIÇÃO DO PROTÓTIPO

3. DESCRIÇÃO DO PROTÓTIPO 3. DESCRIÇÃO DO PROTÓTIPO O computador pode e deve apoiar o ensino, não só na produção de imagens estereoscópicas como também na sua divulgação. O site sobre estereoscopia foi desenvolvido tendo como objectivo

Leia mais

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Plano de Aula 1 Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Competências - Comparar as taxas associadas aos diferenets cartões de crédito. - Comparar as taxas com a inflação.

Leia mais

A criação de um site público e dinâmico

A criação de um site público e dinâmico PHC dportal A criação de um site público e dinâmico A solução ideal para criar um site público e dinâmico com um visual profissional, e facilmente utilizável por colaboradores sem conhecimentos de HTML.

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo.

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo. ÁREA: Conhecimento e utilização da Biblioteca Cumprir as regras de funcionamento da biblioteca - cumpre as regras de comportamento na BE - cumpre as regras de acesso, manipulação, preservação e arrumação

Leia mais

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES

CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES CAPÍTULO V CONCLUSÕES, IMPLICAÇÕES E SUGESTÕES 5.1. Introdução Neste último capítulo, pretendemos esboçar as principais conclusões sobre os resultados obtidos na investigação orientada para o objectivo

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português O Holocausto O Holocausto foi o extermínio de, aproximadamente, seis milhões de judeus pelos nazis

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

A aprendizagem cooperativa no jardim-de-infância

A aprendizagem cooperativa no jardim-de-infância A aprendizagem cooperativa no jardim-de-infância VIII JORNADAS DA INFÂNCIA da C.A.S.A. Ribeira Grande, 30 de janeiro de 2015 Vygotsky Desenvolvimento cognitivo Construção de conhecimento Interação Dimensão

Leia mais

Introdução Conselhos para educadores

Introdução Conselhos para educadores Introdução Conselhos para educadores INTRODUÇÃO A utilização da Internet constitui um desafio para a educação dos nossos filhos e dos nossos alunos. Acontece muito frequentemente que os deixamos a navegar

Leia mais

Puzzle de Investigação

Puzzle de Investigação Atividades: Puzzle de Investigação Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 30 min de preparação + 30 minutos de atividade Objetivos: Figura 1- Esquema acerca do processo de investigação Compreender

Leia mais

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Compreender informação factual e explicações Compreender instruções e orientações

Leia mais

Ano Lectivo 2008/2009-1ºCiclo. Magalhães Formação

Ano Lectivo 2008/2009-1ºCiclo. Magalhães Formação Direcção Regional de Educação de Lisboa Centro de Área Educativa de Setúbal Agrupamento Vertical de Escolas Elias Garcia - Sobreda Ano Lectivo 2008/2009-1ºCiclo Magalhães Formação Objectivos da Formação

Leia mais

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt EPALE ELECTRONIC PLATFORM FOR ADULT LEARNING IN EUROPE fevereiro e março de 2015 O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt Qual a

Leia mais

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES Setúbal, 13 de Maio de 2012 A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR) e a Escola Superior de Ciências

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Planificação da Formação Total

Planificação da Formação Total Planificação da Formação Total Mobility Coach - Introdução e Indução - Duração 5 horas Tempo: Assunto: Método: Resultado: Material: Introdução à Formação e ao Projeto Mobility Coach Apresentação-PP Os

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

Curso de Formação Especializada em BE/CRE Módulo: Software Educativo e aprendizagem com as TIC

Curso de Formação Especializada em BE/CRE Módulo: Software Educativo e aprendizagem com as TIC Módulo: Software Educativo e aprendizagem com as TIC Trabalho realizado pelas professoras: Graça Pedrosa Ivone Pedroso Outubro 2003 Introdução Concordando com Papert, pensamos que a aprendizagem tipo familiar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação DOMÍNIOS (Unidades) UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Introdução Conteúdos Objetivos Estratégias/ recursos Conceitos fundamentais Teste e controlo de erros em algoritmia Estruturas de controlo Arrays

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID)

A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID) A importância das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais (DID) Ana Isabel Leitão, Técnica Superior de Educação Especial

Leia mais