RECURSOS FLORAIS E SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO E DISPERSÃO DE ESPÉCIES DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECURSOS FLORAIS E SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO E DISPERSÃO DE ESPÉCIES DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS RELATÓRIO FINAL RECURSOS FLORAIS E SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO E DISPERSÃO DE ESPÉCIES DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. PESQUISADORA: PROFA. DRA. MIRLEY LUCIENE DOS SANTOS BOLSISTA PIBIC: JAIR EUSTÁQUIO QUINTINO DE FARIA JÚNIOR ANÁPOLIS GO AGOSTO

2 2 RECURSOS FLORAIS E SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO E DISPERSÃO DE ESPÉCIES DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Jair Eustáquio Quintino de FARIA JÚNIOR 1,3, Mirley Luciene dos SANTOS 2,3 1 Bolsista PIBIC-CNPq/UEG. 2 Pesquisadora orientadora. 3 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, Universidade Estadual de Goiás. RESUMO Conhecer os atributos florais, as formas de polinização e as síndromes de dispersão de uma comunidade vegetal pode contribuir para a compreensão da sua dinâmica e conservação. Este trabalho objetivou levantar dados relativos à ocorrência e freqüência dos sistemas de polinização e síndromes de dispersão das espécies que ocorrem na área de campo rupestre do Parque Estadual da Serra do Pireneus, em Goiás. O parque está situado entre os municípios de Pirenópolis, Cocalzinho e Corumbá de Goiás e apresenta extensão de 2833,26 ha. Os dados foram obtidos de coletas realizadas entre agosto de 2005 e julho de 2006 e de material herborizado. O material coletado foi depositado no Herbário da Universidade Estadual de Goiás. Para cada espécie encontrada florescendo foram registrados: forma, cor e simetria da corola, tipo de recompensa floral e sistema sexual. Para a definição dos sistemas de polinização foram feitas observações no campo e inferências com base em dados da literatura. Para as espécies encontradas frutificando, foi registrado o tipo de fruto. Foram levantadas 361 espécies, nas quais, em 64% foi registrada a predominância de flores claras, incluindo as cores amarela, branca e esverdeada, em contraste com as espécies de cores escuras, que inclui as cores vermelha, laranja, lilás/violeta e rosa. A simetria floral prevalente foi a actinomorfa, com 78% das espécies. O tipo floral predominante foi taça (37%), seguido de tubo (26%), inconspícuo (20%), goela (8%), estandarte (5%), pincel (3%) e câmara (1%). Quanto aos recursos, considerando apenas as espécies zoófilas, houve predomínio de néctar (37%), seguido de pólen (31%), pólen/néctar (12%), óleo (5%) e resina (1%). Zoofilia foi o sistema de polinização mais freqüente, somando 95%. Noventa por cento (90%) das espécies estudadas são hermafroditas, o monoicismo e o dioicismo foram representados em 9% e 1% das espécies respectivamente. A síndrome de dispersão prevalente foi a anemocoria (57%), seguida de zoocoria (22%) e autocoria (21%). Os resultados corroboram o encontrado na literatura para outras fitofisionomias do bioma Cerrado, onde os sistemas de polinização são diversificados e as plantas apresentam diferentes estratégias de reprodução. Palavras-chave: Atributos florais; melitofilia; síndromes de dispersão, sistemas sexuais.

3 3 INTRODUÇÃO O campo rupestre é um dos tipos fitofisionômicos do Cerrado característico de altitudes acima de 900m (Menezes & Giulietti, 1986), e cuja vegetação ocorre sobre afloramentos rochosos (Andrade et al., 1986). O substrato predominante é o quartzito, os solos são ácidos, pobres em nutrientes e a disponibilidade de água é restrita (Ribeiro & Walter, 1998). Os campos rupestres possuem uma composição florística rica e com muitas espécies endêmicas (Giulietti et al., 1987). Este tipo de vegetação predomina no Alto da Cadeia do Espinhaço em Minas Gerais e na Bahia, mas os campos rupestres podem ser encontrados também em outras localidades da porção sudoeste e sul de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal como ilhas florísticas isoladas circundadas por vegetação de cerrados (Giulietti et al., 2000). No estado de Goiás, os campos rupestres ocorrem em algumas disjunções na Serra Dourada, no município de Mossâmedes, na Serra dos Pireneus, no município de Pirenópolis, na Chapada dos Veadeiros, principalmente no município de Alto Paraíso, e nas serras dos Cristais e Serra dos Topázios no município de Cristalina (Romero, 2002). Apesar da diversidade e das espécies endêmicas, poucos estudos foram realizados nesta importante fitofisionomia do Cerrado (Joly, 1970). De acordo com Romero (2002), a Serra dos Pireneus está entre as serras no estado de Goiás que apresentam extensas áreas de campo rupestre e que merece uma alta prioridade para investigação. Entre os trabalhos sobre campos rupestres encontrados na literatura, os de Menezes (1980), Sendulsk & Burman (1978, 1980) e Wanderley (1983), estão mais relacionados à taxonomia, enquanto os de Rizzo (1970), Andrade et al. (1986), Alves (1992), Munhoz & Proença (1998), Romero & Nakajima (1999) e Proença et al. (2000), fizeram levantamentos florísticos de várias regiões do Brasil onde se encontra este tipo de vegetação. Em trabalhos recém concluídos foi realizado o inventário florístico da família Melastomataceae na Serra dos Pireneus, incluindo a fitofisionomia de campo rupestre (Santos, 2003), o levantamento florístico de campo e cerrado rupestre na área do Parque Estadual da Serra dos Pireneus (Miranda et al., 2004) e o estudo da fenologia e biologia reprodutiva de Tibouchina papyrus, espécie endêmica de algumas serras goianas que também ocorre na área de campo rupestre do Parque Estadual da Serra dos Pireneus (Montoro & Santos, 2002).

4 4 Trabalhos sobre recursos florais, síndromes de polinização e de dispersão das espécies de campo rupestre são escassos e limitados a estudos ao nível de espécie. Estudos ao nível de comunidade são importantes, pois fornecem informações para a compreensão da dinâmica das comunidades vegetais, além de outros padrões relevantes para o manejo da flora (Mantovani & Martins, 1988). O estudo dos atributos florais, síndromes de polinização e de dispersão de uma comunidade vegetal pode fornecer dados para responder a várias questões relacionadas à manutenção do fluxo gênico intraespecífico, sucesso reprodutivo, partilha e competição por polinizadores e também sobre conservação de hábitats naturais afetados por processos de fragmentação (Machado & Lopes, 2002). Segundo Faegri & Pijl (1979) o conjunto de atributos florais caracteriza as diferentes síndromes de polinização, as quais constituem um importante guia para subsidiar estudos de ecologia da polinização. A forma, o tamanho e o odor são parâmetros florais que têm sido utilizados nos estudos ao nível de comunidade, por revelarem importantes implicações, não apenas na relação planta-polinizador, mas também por influenciar no sucesso reprodutivo da planta (Barbosa, 1997). A morfologia floral tanto pode excluir visitantes quanto atrair polinizadores potenciais, seja pela relação interdependente entre o tamanho das flores e o dos polinizadores ou pela ocorrência de diferentes tipos de recompensas florais (Frankie et al., 1983; Machado & Lopes, 2002). Também a morfologia dos frutos pode estar diretamente relacionada com seus possíveis agentes dispersores. Frutos maduros apresentam diferentes características como cor, presença de alas, deiscência de cápsula e apresentação de semente com arilo, que indicam adaptação para a dispersão por diferentes vetores ou síndromes (Morellato & Leitão-Filho, 1992). Estudos sobre tais aspectos são importantes à medida que possibilitam um melhor entendimento dos diversos tipos de interações entre plantas e animais e nos permitem melhor compreender as diferentes estratégias encontradas entre as plantas que irão garantir o seu sucesso reprodutivo. Estudos que abordam aspectos gerais da ecologia reprodutiva das plantas são encontrados em Silberbauer-Gottsberger & Gottsberger (1988), Barbosa (1997) e Oliveira & Gibbs (2000), Calaça & Gonçalves (2006), em áreas do Cerrado, em Ormond et al. (1991, 1993) com espécies de restinga, Silva et al. (1997), com espécies de Mata Atlântica e em Machado & Lopes (2002) com espécies de Caatinga. No entanto, mais estudos são necessários para que se possa reconhecer a existência ou não

5 5 de diferentes padrões entre as diversas comunidades de plantas, incluindo aqui, estudos para os campos rupestres. Este trabalho objetivou, portanto, caracterizar os padrões gerais relacionados aos atributos florais e síndromes de polinização e dispersão de espécies de campo rupestre no Parque Estadual da Serra dos Pireneus, e assim contribuir com informações sobre a ecologia reprodutiva dessa comunidade. MATERIAL E MÉTODOS 1. Área do Estudo A Serra dos Pireneus está situada entre os municípios de Pirenópolis, Cocalzinho e Corumbá de Goiás. No topo da Serra está delimitada a área do Parque que engloba várias fitofisionomias do Cerrado, entre elas a do campo rupestre, foco desse estudo. A área do parque possui uma extensão de 2833,26 ha e está localizada entre os paralelos S e S e longitudes de W e W (Santos, 2003). A vegetação no alto da serra é predominantemente campestre, representada por campo limpo, campo limpo úmido e campo sujo úmido. Sobre os afloramentos rochosos crescem campo e cerrado rupestre, com alto grau de conservação (Oliveira et al., 2002). As formações savânicas são representadas na área por cerrado típico e vereda, além do mencionado cerrado rupestre, onde a vegetação lenhosa cresce em locais de afloramentos de rocha característicos. Entre as formações florestais, encontram-se mata mesofítica e cerradão, e ao longo dos cursos d água, mata de galeria. Em muitos casos, ao longo desses cursos d água, observam-se afloramentos rochosos com vegetação herbáceo/arbustiva não adensada (Santos, 2003). 2. Metodologia 2.1. Atributos Florais As coletas e observações de campo foram realizadas de agosto de 2005 a junho de Todas as espécies encontradas florescendo foram amostradas e as coletas herborizadas, identificadas e depositadas no Herbário da Universidade Estadual de Goiás. Para cada espécie foram registrados os atributos florais: forma, tamanho, cor e

6 6 recompensa floral. Além das observações visuais, foi feito o registro fotográfico das espécies. A metodologia descrita a seguir foi baseada nos trabalhos de Barbosa (1997), Machado & Lopes (2002) e Calaça & Gonçalves (2006). As flores das espécies coletadas foram classificadas de acordo com o tipo floral ( classes estruturais ), modificado de Faegri & Pijl (1979). Foram considerados sete tipos florais: (1) tubo, (2) goela, (3) taça, (4) pincel, (5) estandarte, (6) câmara e (7) inconspícuo (atribuído a flores muito pequenas: até 4mm). As flores foram enquadradas ainda, em sete categorias de cores, considerando a cor predominante mais conspícua: (1) branca, (2) vermelha, (3) esverdeada (incluindo bege e creme), (4) amarela, (5) laranja, (6) lilás/violeta (incluindo azul) e (7) rosa (claro e magenta). Os recursos florais foram considerados em cinco classes: (1) pólen, (2) néctar, (3) óleo, (4) resina e (5) pólen/néctar. Para cada classe (exceto a última) apenas o recurso principal foi considerado ( atrativo primário sensu Faegri & Pijl, 1979) Sistemas de Polinização Para estimar as freqüências dos sistemas de polinização, as espécies foram agrupadas em guildas de acordo com o principal vetor de polinização: (1) vento, (2) insetos (incluindo abelhas, vespas, borboletas, mariposas, esfingídeos, moscas, besouros e aquelas polinizadas por diversos pequenos insetos), (3) beija-flores e (4) morcegos Sistemas Sexuais O sistema sexual foi reconhecido por meio de observações no campo e análise de material herborizado. As espécies foram classificadas como: hermafroditas, monóicas e dióicas, segundo a distribuição dos órgãos reprodutivos masculinos e femininos nas flores e indivíduos (Bawa, 1980) Sistemas de Dispersão de Frutos e Sementes Todas as espécies encontradas frutificando foram amostradas e as coletas herborizadas, identificadas e depositadas no Herbário da Universidade Estadual de Goiás. Para cada espécie amostrada foram coletados no mínimo dez frutos maduros. Os frutos foram etiquetados com nome da espécie, classificados tipologicamente e separados de acordo com a síndrome de dispersão (zoocóricos, anemocóricos e

7 7 autocóricos). Os frutos secos passaram por um processo de secagem em estufa enquanto os frutos carnosos foram fixados em álcool 70% e armazenados na carpoteca do Herbário da Universidade Estadual de Goiás. RESULTADOS E DISCUSSÃO 1- Atributos florais e síndromes de polinização Foram encontradas na área de estudo 361 espécies distribuídas em 67 famílias botânicas. O hábito predominante foi o herbáceo (43%), seguido do subarbustivo (26%), arbustivo (19%), arbóreo (11%) e trepador (1%). Com relação aos atributos florais observou-se grande diversidade de cores e formas. A maior proporção de espécies apresentou flores claras (64%, incluindo amarela, branca e esverdeada), em contraste com as espécies de cores vistosas (36%, incluindo as cores: vermelha, laranja, lilás/violeta e rosa) (Figura 1 e 2). Proporção semelhante foi encontrada por Barbosa (1997) para uma área de campo sujo, Mantovani & Martins (1988) e Silberbauer-Gottsberger & Gottsberger (1988), para áreas de cerrado e Ormond et al. (1993) para uma área de restinga, enquanto o predomínio de cores vistosas foi encontrado por Machado & Lopes (2002) para uma área de caatinga. Nos campos rupestres, onde a vegetação predominante é herbáceo-subarbustiva, a predominância das flores amarelas e brancas pode ser justificada já que essas cores são muito reflexivas e as flores visitadas por uma variedade de insetos (Silberbauer-Gottsberger & Gottsberger, 1988). As cores esverdeadas predominaram em decorrência da representatividade das famílias Poaceae, Cyperaceae e Euphorbiaceae nesses ambientes. Para a morfologia floral houve um predomínio do tipo taça que correspondeu a 37%, seguido de tubo (26%), inconspícuo (20%), goela (8%), estandarte (5%), pincel (3%) e câmara (1%) (Figura 3). Em ambientes mais abertos, onde os ventos são constantes, a predominância de flores abertas (taça, pincel e inconspícua) pode favorecer a dispersão do pólen na ausência dos visitantes florais. Além disso, flores abertas bem como actinomorfas, que no presente estudo representam 78% são estruturalmente mais simples e apresentam sistemas de polinização menos especializados, o que pode ser altamente favorável em ambientes, onde, a presença do polinizador é muitas vezes incerta. A estreita relação entre as flores de forma aberta e cores claras reforça a idéia de que em ambientes mais abertos, como os de campo

8 8 rupestre, flores menos especializadas seriam favorecidas em oposição àquelas estruturalmente mais complexas, como as tubulosas (tubo, goela, estandarte). Quanto à simetria floral, o tipo predominante foi a actinomorfa, totalizando 78%. Esse resultado se deve ao alto número de flores do tipo taça, tubo e inconspícua. Zigomorfismo foi registrado em 22% das espécies. 18% 3% 10% 20% Amarela Vermelha 3% Lilás/Violeta Esverdeada Branca 20% Laranja 26% Rosa Figura 1: Freqüência das cores florais encontradas em uma área de campo rupestre no Parque Estadual da Serra dos Pireneus. a) b) c) d) e Figura 2: Cores florais mais freqüentes encontradas na área de campo rupestre no Parque Estadual da Serra dos Pireneus. Cores claras (a, b e c) e cores vistosas (d e e).

9 Número de Espécies Taça Tubo Inconspícua Goela Estandarte Pincel Câmara Tipo floral Figura 3. Freqüência dos tipos florais em uma área de campo rupestre no Parque Estadual da Serra dos Pireneus. Considerando-se apenas as espécies zoófilas, o néctar foi o recurso mais representativo oferecido pelas plantas (37%), seguido do pólen (31%), pólen/néctar (12%), óleo (5%) e resina (1%), (Figura 4). Esses dados corroboram o encontrado para outras comunidades estudadas como os de Silberbauer-Gottsberger & Gottsberger (1988), Ramirez et al. (1990), Ormond et al. (1993), Barbosa (1997), Oliveira & Gibs (2000) e Machado & Lopes (2002). E, segundo Kevan & Baker (1983), representa uma característica peculiar às comunidades associadas a uma diversidade de polinizadores. 12% 5% 1% 37% Néctar Pólen Sem informação 14% Pólen e Néctar Óleo 31% Resina Figura 4: Recompensas florais oferecidas por uma comunidade vegetal de campo rupestre no Parque Estadual da Serra dos Pireneus.

10 10 A análise dos dados evidenciou que a polinização por abelhas foi a mais representativa, devido à presença de grande número de espécies melitófilas, seguida por outros diversos insetos (borboletas, mariposas, vespas, moscas, esfingídeos). Esses dados corroboram com o descrito na literatura, onde o grupo mais representativo para a polinização é o dos insetos, com destaque para as abelhas que são os polinizadores efetivos de um grande número de espécies. Apesar disso, no presente estudo a polinização pelo vento mereceu destaque, sendo a segunda síndrome de polinização mais freqüente (Figura 5), o que ressalta a importância do vento na comunidade estudada. 30% Abelhas 45% Vento Beija-flor Morcego 1% Outros insetos 4% 20% Figura 5. Freqüência dos agentes polinizadores em uma comunidade de campo rupestre na área do Parque Estadual da Serra dos Pireneus. 2. Sistemas Sexuais A freqüência de espécies hermafroditas foi de 90%, enquanto que o monoicismo ficou com 9% e o dioicismo com 1% das espécies estudadas. A alta incidência de espécies hermafroditas também tem sido registrada para a vegetação do cerrado de maneira geral e para os diversos ecossistemas tropicais. A freqüência de espécies monóicas foi mais alta do que o observado para outras áreas de cerrado estudadas, como exemplificado por Oliveira & Gibbs (2000), e Saraiva et al. (1996), que encontraram valores de 5% e 4,5% respectivamente. As populações de plantas diferem grandemente na disposição das funções sexuais masculinas e femininas entre plantas e entre flores de uma planta (Bertin, 1989).

11 11 As vantagens de cada um dos sistemas sexuais não são completamente entendidas, ainda que esse assunto venha recebendo muita atenção por parte dos pesquisadores. Segundo Bertin (1989), cerca de 70% das plantas são hermafroditas. As vantagens para esse sistema incluem a necessidade de apenas um perianto e, em alguns casos, uma única dose de néctar para ambos os sexos, ao contrário das flores com funções sexuais separadas. Além disso, em uma única visita o polinizador pode tanto depositar o pólen no estigma quanto retirar pólen das anteras. Finalmente, nessas flores a oportunidade de autopolinização existe, a menos que haja fatores preventivos (Bertin, 1989). 3. Síndromes de dispersão de frutos e sementes Os tipos de frutos encontrados foram: cápsula (150 espécies), Aquênio (56 espécies), baga (45), drupa (33), cariopse (32), legume (23), sâmara (16), folículo (4) e síliqua (2). Com base no tipo de fruto foi possível estimar as síndromes de dispersão. A síndrome de dispersão mais freqüente foi a anemocoria com 57% das espécies, seguida de zoocoria com 22%, e autocoria com 21%. Esses dados estão de acordo com a literatura, que demonstram que em ambientes abertos onde os ventos são constantes a anemocoria prevalece em detrimento da zoocoria e autocoria. Segundo Oliveira & Moreira (1992), em áreas de clima sazonal a dispersão pelo vento é mais eficiente durante a estação seca. Dados fenológicos existentes para o Cerrado (Gottsberger & Silberbauer-Gottsberger 1983, Mantovani & Martins 1988) e para outras formações vegetais ocorrendo em clima sazonal (Morellato et al. 1989), indicam uma concentração da dispersão anemocórica durante a estação seca em contraste com a frutificação das espécies zoocóricas que ocorre principalmente durante a estação chuvosa. A diversidade de frutos e formas de dispersão pode ser interpretada como uma estratégia evolutiva utilizada pelas plantas para permitir o seu sucesso reprodutivo. E a grande diversidade de tipos de frutos e síndromes indica que as espécies encontradas em frutificação na área do estudo estão altamente adaptadas aos seus agentes dispersores, sejam eles bióticos ou abióticos.

12 12 CONCLUSÃO A área estudada apresenta diversidade de recursos florais e sistemas de polinização, o que reforça a necessidade de se garantir a preservação deste ecossistema dentro da área do Parque Estadual da Serra dos Pireneus. AGRADECIMENTOS Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pela concessão de bolsa de iniciação científica (PIBIC) e a Universidade Estadual de Goiás pela concessão de carga horária para pesquisa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, R.J. The flora and vegetation of the Serra the São José in Minas Gerais, Brasil. Botan. Inst. Czechoslovak Academy of Sciences (Thesis) p. ANDRADE, P.M.; GONTIJO, T.A.; GRANDI, T.S.M. Composição florística e aspectos estruturais de uma área de "Campo Rupestre" do Morro do Chapéu, Nova Lima, Minas Gerais. Revista brasileira de Botânica. 9: BARBOSA, A.A. Biologia reprodutiva de uma comunidade de Campo Sujo, Uberlândia - MG. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP BAWA, K.S. Evolution of dioecy in flowering plants. Annual Review of Ecology and Systematics. 11: BERTIN, R. I. Pollination biology. In: Abrahamnon, W. G. (ed.). Plant-animal interactions. New York: McGraraw-Hill Book Company. p CALAÇA, A.M.; GONÇALVES, C.F. Recursos florais e sistemas de polinização e sexuais em uma área de cerrado no Campus da Universidade Estadual de Goiás, Anápolis. Monografia de Final de Curso. Universidade Estadual de Goiás FAEGRI, K.; VAN DER PIJL. The principles of pollination ecology. 3 rd. edition. New York: Pergamon Press FRANKIE, G.W.; HARBER, W.A.; OPLER, P.A; BAWA, K.S. Characteristics and organization of the large bee pollination systems in the Costa Rican dry forest. In: C.E.

13 13 Jones; R.J. Little (eds.). Handbook of experimental pollination biology. New York: Van Nostrand Reinhold Company Inc. p GIULIETTI, A.M.; MENEZES, N.L.; PIRANI, J.R.; MEGURO, M.; WANDERLEY, M.G.L. Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: Caracterização e lista das espécies. Boletim de Botânica, 9: GIULIETTI, A.M.; HARLEY, R.M.; QUEIROZ, L.P.; WANDERLEY, M.G.L.; PIRANI, J.R. Caracterização e endemismos nos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. In: Cavalcanti, T.B.; Walter, B.M.T. (eds.). Tópicos Atuais de Botânica. Brasília: EMBRAPA Recursos Genéticos. pp GOTTSBERGER, G.; SILBERBAUER-GOTTSBERGER, I. Dispersal and distribuition in the cerrado vegetation of Brazil. Sonderbd. Naturwis. Ver. Hamburg. 7: JOLY, A.B. Conheça a vegetação brasileira. São Paulo: Editora Polígono p. KEVAN, P. G.; BAKER, H. G. Insects as flowers visitors and pollinators. Ann. Rev. Entomol. 28: MACHADO, I.C.; LOPES, A.V. A polinização em ecossistemas de Pernambuco: uma revisão do estado atual do conhecimento. In: M. Tabarelli; J.M.C. Silva (orgs.). Diagnóstico da Biodiversidade de Pernambuco. Recife: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio-Ambiente, Fundação Joaquim Nabuco e Editora Massangana. p MANTOVANI, W., MARTINS, F.R. Variações fenológicas das espécies do cerrado da Reserva Biológica de Mogi Guaçu, Estado de São Paulo. Revista brasileira de Botânica. 11: MENEZES, N.L. Restabelecimento do gênero Plererostima (Velloziaceae). Revista brasileira de Botânica. 3: MENEZES, N.L.; GIULIETTI, A.M. Campos Rupestres. Revista Ciência Hoje. 5(25): MIRANDA, S.C.; BATISTA, M.A.; DeCARVALHO, P.S.; SANTOS, M.L. Levantamento florístico em áreas de campo e cerrado rupestre no Parque Estadual da Serra dos Pireneus, Goiás. In: 55º Congresso Nacional de Botânica, 2004, Viçosa. Resumos do 55º Congresso Nacional de Botânica. Viçosa: Sociedade Brasileira de Botânica, 2004.

14 14 MONTORO, G.R.; SANTOS, M.L. Fenologia e Biologia reprodutiva de Tibouchina papyrus (POHL.) Toledo no Parque Estadual da Serra dos Pireneus, Pirenópolis, Goiás. Estudos Goiânia, v. 29 (Especial) p MORELLATO, L.P.; RODRIGUES, R.R.; LEITÃO-FILHO, H.F.; JOLY, C.A. Estudo comparativo da fenologia de espécies arbóreas de floresta de altitude e floresta mesófila semidecídua na Serra do Japi, Jundiaí, São Paulo. Revista brasileira de Botânica. 12: MORELLATO, L.P.C.; LEITÃO-FILHO, H.F. Padrões de frutificação e dispersão na Serra do Japi. In: Morellato, L.P.C. (org.). História Natural da Serra do Japi: Ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas. p MUNHOZ, C.B.R.; PROENÇA, C.E.B. Composição florística do município de Alto Paraíso de Goiás na Chapada dos Veadeiros. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer. 3: OLIVEIRA, P. E. A. M..; MOREIRA, A. G. Anemocoria em espécies de Cerrados e mata de galeria de Brasília, DF. Revista brasileira de botânica. 15(2): OLIVEIRA, P.E.; GIBBS, P.E. Reproductive biology of wood plants in a cerrado community of Central Brazil. Flora. 195: OLIVEIRA, A.A.M.; COSTA, D.D.; SALGADO, D.P.; MOURA, I.O.; TEIXEIRA, K.A.; SANTOS, L.L.; CATEIN, S.M.M. Plano de Gestão das Unidades de Conservação Estaduais em Goiás Proposta Metodológica e Executiva. Documento do Departamento de Áreas Protegidas para a Gestão das Unidades de Conservação Estaduais. Goiânia: Agência Ambiental de Goiás ORMOND, W.T.; PINHEIRO, M.C.B.; De LIMA, H.A. Sexualidade das plantas da restinga de Maricá, RJ. Boletim do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Série Botânica. 87: ORMOND, W.T.; PINHEIRO, M.C.B.; De LIMA, H.A.; CORREIA, M.C.R.; PIMENTA, M.L. Estudo das recompensas florais das plantas da restinga de Maricá Itaipuaçu, RJ. I Nectaríferas. Bradea. 6: PROENÇA, C.; OLIVEIRA, R.S.; SILVA, A.P. Flores e frutos do Cerrado. Brasília: Editora da Universidade de Brasília RAMIREZ, N.; GIL, C.; HOKCHE, O.; SERES, A.; BRITO, Y. Biologia floral de uma comunidad arbustiva tropical em la Guayana Venezolana. Annals of the Missouri Botanical Garden. 77:

15 15 RIBEIRO, J.F.; WALTER, B.M.T. Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P. (eds.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA. p RIZZO, J.A. Contribuição ao conhecimento da Flora de Goiás - Área na Serra Dourada. Goiânia: Universidade Federal de Goiás. (Tese de livre docência) p. ROMERO, R.; NAKAJIMA, J.N. Espécies endêmicas do Parque Nacional da Serra da Canastra, Minas Gerais. Revista brasileira de Botânica. 22 (2-suplemento): ROMERO, R. Diversidade da flora dos campos rupestres de Goiás, Sudoeste e Sul de Minas Gerais. In: ARAÚJO et al. (eds.). Biodiversidade, Conservação e Uso Sustentável da flora do Brasil. Recife: Universidade Federal Rural de Pernambuco, Sociedade Botânica do Brasil. p SANTOS, M.L. Florística e biologia reprodutiva de espécies de Melastomataceae no Parque Estadual da Serra de Caldas Novas e Parque Estadual da Serra dos Pireneus, Goiás. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília p. SARAIVA, L.C.; CESAR, O.; MONTEIRO, R. Breeding systems of shrubs and trees of a Brazilian savanna. Arquivos de Biologia e Tecnologia, 39(4): SENDULSKY, T.; BURMAN, A.G. Paspalum species of the Serra do Cipó (I): contribution to the study of Brasilian Poaceae. Revista brasileira de Botânica. 1: SENDULSKY, T.; BURMAN, A.G. Paspalum species of the Serra do Cipó (II): contribution to the study of Brasilian Poaceae. Revista brasileira de Botânica. 3: SILBERBAUER-GOTTSBERGER, I.; GOTTSBERGER, G. A polinização de plantas do cerrado. Revista Brasileira de Biologia. 48(4): SILVA, A.G.; GUEDES-BRUNI, R.R.; LIMA, M.P.M. Sistemas sexuais e recursos florais do componente arbustivo-arbóreo em mata preservada na reserva ecológica de Macaé de Cima. In: Serra de Macaé de Cima: Diversidade Florística e Conservação em Mata Atlântica. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. p WANDERLEY, M.G.L. Xyris da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil: duas novas espécies. Revista brasileira de Botânica. 6:

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus.

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus. 1 TIPOLOGIA DE FRUTOS E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE UMA COMUNIDADE DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Sabrina do Couto de Miranda 1,4 ; Marineide Abreu Batista 1,4 ; Jair

Leia mais

RECURSOS FLORAIS E SISTEMAS DE POLINIZAÇÃO E SEXUAIS EM UMA ÁREA DE CERRADO NO CAMPUS DA UEG, ANÁPOLIS

RECURSOS FLORAIS E SISTEMAS DE POLINIZAÇÃO E SEXUAIS EM UMA ÁREA DE CERRADO NO CAMPUS DA UEG, ANÁPOLIS 1 RECURSOS FLORAIS E SISTEMAS DE POLINIZAÇÃO E SEXUAIS EM UMA ÁREA DE CERRADO NO CAMPUS DA UEG, ANÁPOLIS Analice Maria CALAÇA 1,4, Caroline Ferraz GONÇALVES 2,4, Mirley Luciene dos SANTOS 3,4 1 Voluntária

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO IPEF n.47, p.62-65, mai.1994 FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO Mário Augusto Gonçalves Jardim (1) Paulo Yoshio Kageyama

Leia mais

Ecologia da Polinização

Ecologia da Polinização Universidade Federal da Bahia Instituto de Biologia Programa de Pós- Graduação em Ecologia e Biomonitoramento Patrícia Ferreira Salvador Setembro/Outubro 2007 Fenologia Fases Reprodutivas Fase Vegetativa

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

FLOR X POLINIZADOR: UM GOSTINHO DE QUERO MAIS

FLOR X POLINIZADOR: UM GOSTINHO DE QUERO MAIS FLOR X POLINIZADOR: UM GOSTINHO DE QUERO MAIS Leandro dos Santos Silva, Mariângela Fernandes Abreu, Nícholas Camargo, Sergio Gomes da Silva & Tassiana Reis Rodrigues dos Santos Orientador: Hélder Consolaro

Leia mais

Biodiversidade e Manejo dos Recursos Tropicais : Raridade e Reprodução de Espécies

Biodiversidade e Manejo dos Recursos Tropicais : Raridade e Reprodução de Espécies Biodiversidade e Manejo dos Recursos Tropicais : Raridade e Reprodução de Espécies Paulo Kageyama. ESALQ/USP Ciências Biológicas Manejo de Recursos Naturais Piracicaba, 11 março 2011 Conteúdo da Aula Diversidade

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Campus Luiz Meneghel Projeto de pesquisa LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE PTERIDÓFITAS NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO Ricardo Vinícius Zandonadi Bandeirantes

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia FENOLOGIA DE UMA COMUNIDADE ARBÓREA NA AMAZÔNIA CENTRAL COMO FERRAMENTA PARA CONSERVAÇÃO Suiane Claro Saraiva;

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

FAZENDA MAGÉ: FLORA REGIONAL UTILIZADA COMO FERRAMENTA PARA AULA DE CAMPO.

FAZENDA MAGÉ: FLORA REGIONAL UTILIZADA COMO FERRAMENTA PARA AULA DE CAMPO. FAZENDA MAGÉ: FLORA REGIONAL UTILIZADA COMO FERRAMENTA PARA AULA DE CAMPO. Maria Katiane de Lima (Aluna da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC) da Universidade Estadual

Leia mais

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina.

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. ARILDO DE S. DIAS 1, CLÁUDIA DE M. MARTINELLI 2, LARISSA G. VEIGA 1, RICARDO GABRIEL MATTOS

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução 1 TRABALHANDO AS BORBOLETAS E AS ABELHAS COMO INSETOS POLINIZADORES NAS AULAS PRÁTICAS DE DUCAÇÃO AMBIENTAL E ZOOLOGIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

Blandina Felipe Viana Coordenadora da Rede POLINFRUT

Blandina Felipe Viana Coordenadora da Rede POLINFRUT Essa série de cartilhas, voltadas para estudantes do ensino fundamental, que tratam da importância dos serviços de polinização e de suas ameaças, foram produzidas pela equipe de estudantes e professores

Leia mais

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal Curso de Ecologia da Vegetação Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Ary T. Oliveira

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

Fenologia Reprodutiva e Síndromes de Polinização e Dispersão do sub-bosque de em um remanescente de Mata Mesofítica do Sudeste Goiano, Catalão, Go.

Fenologia Reprodutiva e Síndromes de Polinização e Dispersão do sub-bosque de em um remanescente de Mata Mesofítica do Sudeste Goiano, Catalão, Go. RELATÓRIO FINAL PIBIC/2010-2011 Fenologia Reprodutiva e Síndromes de Polinização e Dispersão do sub-bosque de em um remanescente de Mata Mesofítica do Sudeste Goiano, Catalão, Go. Maxmiller Cardoso Ferreira

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Água & Polinização. Qual a importância dessa relação para a vida na Terra?

Água & Polinização. Qual a importância dessa relação para a vida na Terra? Água & Polinização Qual a importância dessa relação para a vida na Terra? Essa série de cartilhas, voltadas para estudantes do ensino fundamental, que tratam da importância do serviço de polinização e

Leia mais

Autor(es) AMANDA PELLIGRINOTTI. Co-Autor(es) HELOISA MALAGUETTA DÉBORA GRIGIO LUVIZOTTO JOSÉ LUIZ SOUZA BEATRIZ PARISE. Orientador(es) KAYNA AGOSTINI

Autor(es) AMANDA PELLIGRINOTTI. Co-Autor(es) HELOISA MALAGUETTA DÉBORA GRIGIO LUVIZOTTO JOSÉ LUIZ SOUZA BEATRIZ PARISE. Orientador(es) KAYNA AGOSTINI 8º Simposio de Ensino de Graduação BIOLOGIA REPRODUTIVA DE QUESNELIA ARVENSIS EM INDIVÍDUOS DE BORDA E INTERIOR DA RESTINGA DA ILHA COMPRIDA, LITORAL SUL DE SÃO PAULO Autor(es) AMANDA PELLIGRINOTTI Co-Autor(es)

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica LEVANTAMENTO DA FAUNA E FLORA APÍCOLA DA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, SÃO PAULO

18º Congresso de Iniciação Científica LEVANTAMENTO DA FAUNA E FLORA APÍCOLA DA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, SÃO PAULO 18º Congresso de Iniciação Científica LEVANTAMENTO DA FAUNA E FLORA APÍCOLA DA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA, SÃO PAULO Autor(es) AMANDA PELLIGRINOTTI Orientador(es) KAYNA AGOSTINI Apoio Financeiro

Leia mais

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO Santos, J.P.Q. (1) ; Tabelini, H.M. (1) ; Hollunder, R.K. (1) ; Pereira, M.C.A. (1) jaqueline_pego@hotmail.com (1) Graduanda

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

Cada espécie teria de ser observada em campo visitando flores;

Cada espécie teria de ser observada em campo visitando flores; Quantas espécies são polinizadoras no Brasil? Seria quase impossível estimar! pois: Cada espécie teria de ser observada em campo visitando flores; Experimentos de efetividade de polinização devem ser feitos

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

ZELMA GLEBYA MACIEL QUIRINO FENOLOGIA, SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO E DISPERSÃO E RECURSOS FLORAIS DE UMA COMUNIDADE DE CAATINGA NO CARIRI PARAIBANO

ZELMA GLEBYA MACIEL QUIRINO FENOLOGIA, SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO E DISPERSÃO E RECURSOS FLORAIS DE UMA COMUNIDADE DE CAATINGA NO CARIRI PARAIBANO ZELMA GLEBYA MACIEL QUIRINO FENOLOGIA, SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO E DISPERSÃO E RECURSOS FLORAIS DE UMA COMUNIDADE DE CAATINGA NO CARIRI PARAIBANO RECIFE 2006 ii ZELMA GLEBYA MACIEL QUIRINO FENOLOGIA, SÍNDROMES

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Ciências Biológicas Departamento de Botânica Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal - PPGBV Disciplina Seminários Integrados 1) Informações Gerais Aluno:

Leia mais

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL Azevedo, Cláudia P.M.F.; Ferreira, Paulo C.; Pasin, Liliana A.A.P. UNIVAP/Ciências Biológicas, claumariotto@hotmail.com

Leia mais

O contraste entre síndromes de polinização e sistemas efetivos de polinização e suas perspectivas para ecossistemas associados à Mata Atlântica.

O contraste entre síndromes de polinização e sistemas efetivos de polinização e suas perspectivas para ecossistemas associados à Mata Atlântica. Copyright 2008 do(s) autor(es). Publicado pela ESFA. Obermulle EA, Nascimento GB, Gava, HZ, Ribeiro LF & Silva AG (2008) O contraste entre síndromes de polinização e sistemas efetivos de polinização e

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA Patrocínio: Apoio: A SERRA DA BODOQUENA SURGIMENTO Entre 580 e 540 milhões de anos, havia um supercontinente na Terra chamado de Rodínia. Nos oceanos

Leia mais

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás SANTOS, Mariângela Sousa Rodrigues¹ ROSA, Patrícia Cristiane Lins e Freitas 1,3 MENEZES, Andréia Ribeiro Teles

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

FENOLOGIA REPRODUTIVA E REQUERIMENTOS DE POLINIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO - Jatropha curcas L.

FENOLOGIA REPRODUTIVA E REQUERIMENTOS DE POLINIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO - Jatropha curcas L. FENOLOGIA REPRODUTIVA E REQUERIMENTOS DE POLINIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO - Jatropha curcas L. Ismael de Oliveira Pinto 1 ; Paulo Henrique Tschoeke 2 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus de Gurupi; e-mail:

Leia mais

Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO

Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO Hortência Soardi MARICATO hortenciabio12@yahoo.com.br Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal de Goiás/Campus Jataí UFG

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA.

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. Iara Késia Alves dos Santos (1); Tamires Araújo Fortunato (2); Jorgeana de

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita,

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita, INGÁ-QUATRO-QUINAS Nome científico: Inga vera Willd. Nome popular: ingá-quatro-quinas Família: Leguminosae-Mimosoideae Classificação: espécie pioneira Porte arbóreo: (5-10 m) Zona de ocorrência natural:

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Palavras-chave: Artigos científicos, periódicos, região neotropical

Palavras-chave: Artigos científicos, periódicos, região neotropical Revista de Biologia Neotropical: Oito anos divulgando a pesquisa científica (2004 2011)* GOMES-KEIN, Vera Lúcia 1 ; RODRIGUES, Walter Alvarenga 1 ; CHEN-CHEN, Lee 1 ; CARVALHO, Salvador de 1 ; LACERDA,

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

Morcegos Polinizadores

Morcegos Polinizadores Morcegos Polinizadores Clóvis de Andrade Rocha 1 Este artigo tem como objetivo principal, passar informações claras e objetivas entre o relacionamento morcegos e plantas, sendo seu papel como polinizador

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS ECOLOGIA COMPORTAMENTAL DE Aratinga aurea (AVES: PSITTACIDAE) NA ÁREA URBANA DE MORRINHOS-GO. Graziele Alves Campos (UEG)1 grazicampos_graziele@hotmail.com Drielly Auxiliadora de Oliveira Coelho2 drika_lili@hotmail.com

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas

Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas Exercícios com Gabarito de Biologia Pteridófitas 1) (PUC - SP-2008) No ciclo de vida de uma samambaia ocorre meiose na produção de esporos e mitose na produção de gametas. Suponha que a célula-mãe dos

Leia mais

Caracterização Fitofisionômica do fragmento do Bioma Cerrado existente no Bosque dos Buritis Goiânia-GO

Caracterização Fitofisionômica do fragmento do Bioma Cerrado existente no Bosque dos Buritis Goiânia-GO Caracterização Fitofisionômica do fragmento do Bioma Cerrado existente no Bosque dos Buritis Goiânia-GO Jefferson Pereira da Silva bioextremus@hotmail.com MBA Engenharia Sanitária e Ambiental Instituto

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Estoques em Biomassa e Carbono Acima do Solo em um Cerrado sensu stricto no Distrito Federal

Estoques em Biomassa e Carbono Acima do Solo em um Cerrado sensu stricto no Distrito Federal Estoques em Biomassa e Carbono Acima do Solo em um Cerrado sensu stricto no Distrito Federal Gileno Brito de Azevedo (1) ; Alba Valéria Rezende (2) ; Glauce Taís de Oliveira Sousa (3) ; João Felipe Nunes

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA Parte do estudo da ciência geográfica que combina elementos da botânica e geografia; Analisa características da vegetação partindo das características climáticas,

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 8:00-9:30 9:30-10:00 10:00-12:30 Inscrição e distribuição de material Mini-curso Mini-curso Mini-curso Intervalo Intervalo Intervalo Minisimpósio

Leia mais

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Juan Carlos Vargas Mena 1,3,4, Eugenia Cordero-Schmidt 1,3,4, Bernal Rodriguez- Herrera 2,3,4 & Eduardo Martins Venticinque 1 1 Universidade

Leia mais

Vista parcial da serra do Espinhaço (MG), uma das regiões com maior número de espécies endêmicas no cerrado. 32 ciênciahoje 330 VoL. 55.

Vista parcial da serra do Espinhaço (MG), uma das regiões com maior número de espécies endêmicas no cerrado. 32 ciênciahoje 330 VoL. 55. ECoLoGIA Foto MArCELE PINHEIro/ INStItuto biotrópicos o cerrado é considerado a savana mais rica do mundo, composta por um mosaico natural de formações vegetais que abrigam alta biodiversidade, com muitas

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: CARACTERIZAÇÃO FITOGEOGRÁFICA, DISTRIBUIÇÃO DAS ESPECIES LENHOSAS E DETERMINANTES VEGETACIONAIS NA TRANSIÇÃO CERRADO/AMAZÔNIA Descrição: Serão feitos levantamentos de solos e vegetação

Leia mais

Amazonas (UFAM) Av. André Araujo, 2936, Aleixo, Manaus, Amazonas, CEP 69.060-001

Amazonas (UFAM) Av. André Araujo, 2936, Aleixo, Manaus, Amazonas, CEP 69.060-001 Maria Lúcia Absy 1 ; Isabella Dessaune Rodrigues 2 luciabsy@inpa.gov.br 1 Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA); 2 Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Av. André Araujo, 2936, Aleixo, Manaus,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia APORTE DE MATERIAL VEGETAL SOBRE O SOLO EM UMA FLORESTA SEMIDECIDUA AO NORTE DO ESTADO DE MATO GROSSO Ândrea Carla

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

5.18 - Programa de Conservação da Flora - Resgate de Germoplasma... 1/12. 5.18.1 - Objetivos... 1/12. 5.18.2 - Justificativas...

5.18 - Programa de Conservação da Flora - Resgate de Germoplasma... 1/12. 5.18.1 - Objetivos... 1/12. 5.18.2 - Justificativas... 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/12 5.18.1 - Objetivos... 1/12 5.18.2 - Justificativas... 2/12 5.18.3 - Metas... 3/12 5.18.4 - Metodologia... 3/12 5.18.4.1 - Definição

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ*

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* LIMA, L. G. 1, BARROS, A L. R. de 2. VIDAL, D. P. 3, BERTOLINO, A V. F. A 4, BERTOLINO, L. C. 4 1 Graduando/

Leia mais