MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR 1º Ten Al FAGNER PEREIRA DE ARAÚJO PLANO PARA UM SISTEMA DE MONITORAMENTO UTILIZANDO REDES DE SENSORES SEM FIO: UM ESTUDO DE CASO PARA A ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Salvador 2009

2 FAGNER PEREIRA DE ARAÚJO PLANO PARA UM SISTEMA DE MONITORAMENTO UTILIZANDO REDES DE SENSORES SEM FIO: UM ESTUDO DE CASO PARA A ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR TCC EsAEx 2009

3 1º Ten Al FAGNER PEREIRA DE ARAÚJO PLANO PARA UM SISTEMA DE MONITORAMENTO UTILIZANDO REDES DE SENSORES SEM FIO: UM ESTUDO DE CASO PARA A ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Comissão de Avaliação de Trabalhos Científicos da Divisão de Ensino da Escola de Administração do Exército, como exigência parcial para a obtenção do título de Especialista em Aplicações Complementares às Ciências Militares. Orientador: Cap QCO Luiz Fernando Sousa da Fonte Salvador 2009

4 1º Ten Al FAGNER PEREIRA DE ARAÚJO PLANO PARA UM SISTEMA DE MONITORAMENTO UTILIZANDO REDES DE SENSORES SEM FIO: UM ESTUDO DE CASO PARA A ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Comissão de Avaliação de Trabalhos Científicos da Divisão de Ensino da Escola de Administração do Exército, como exigência parcial para a obtenção do título de Especialista em Aplicações Complementares às Ciências Militares. Aprovado em: / /2009 José Pereira Emiliano Maj Presidente Escola de Administração do Exército Alexandre José Ribeiro Cap 1º Membro Escola de Administração do Exército Luiz Fernando Souza da Fonte Cap 2º Membro Escola de Administração do Exército

5 Este trabalho é dedicado à minha família principalmente meu irmão que me ajudou a está aqui nesse momento.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, pela força e amparo nos momentos de incerteza e fraqueza. Ao meu orientador, Cap QCO Luiz Fernando Sousa da Fonte, meus agradecimentos pela orientação objetiva na realização deste trabalho. A minha família, pelo apoio sempre presente nos momentos de sobrecarga de trabalho. Por fim, meus agradecimentos ao Exército Brasileiro, pela oportunidade de realização desta pesquisa.

7 RESUMO Rede de Sensores Sem Fio é um conjunto de dispositivos eletrônicos com capacidade de comunicação entre si que recebem e respondem à sinais ou estímulos do ambiente onde se encontram caracterizados pelo baixo consumo de bateria, podendo ser aplicada em diversos setores como monitoramento, segurança, agricultura, militar, etc. O monitoramento realizado pelo Serviço da Guarda a um aquartelamento é executado por homens que são passíveis de falhas. A eficiência da vigilância executada por um homem pode estar limitada a capacidade física do mesmo. Visando tornar o serviço mais eficiente, o presente trabalho propõe um projeto de um sistema de monitoramento eletrônico realizado com um auxilio de Rede de Sensores Sem Fio. Para alcançar os objetivos desse projeto, foi realizado um estudo de caso na Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador, onde o mesmo foi realizado através de um questionário respondido por vários militares experientes que tiram serviço no Corpo da Guarda dessa organização militar. Para indicar nossa solução foi também realizada uma pesquisa de mercado das principais tecnologias que solucionasse o problema utilizando uma arquitetura de Redes de Sensores Sem Fio. Assim foi possível fazer uma análise das implicações dessa solução para o Exercito Brasileiro de forma geral. Palavras-chave: Redes. Monitoramento. Segurança. Sensores. Sem Fio. Exercito Brasileiro.

8 ABSTRACT Wireless sensor network is a set of electronic devices capable of communicating with each other to receive and respond to environmental stimuli or signals which are characterized by low consumption of battery, can be applied in various industries such as monitoring, security, agriculture, military, etc. The monitoring carried out by a guard barracks is run by men who are likely to fail. The effectiveness of the monitoring performed by a man may be limited to the same physical capacity. To make the service more efficient, this paper proposes a design of a system of electronic monitoring conducted with the aid of Wireless Sensors Network. To achieve the objectives of this project, was a case study in the Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador, where it was conducted through a questionnaire answered by more experienced to take military service in the security of the military organization. To indicate our solution was also carried out market research of key technologies that answer the problem using an architecture of wireless sensor networks. Thus it was possible to analyze the implications of this solution to the Brazilian Army in general. Key-words: Network. Monitoring. Security. Sensors. Wireless. Brazilian Army.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Exemplos de Sensores...16 Figura 2. Arquitetura de um sensor sem fio...17 Figura 3. Exemplo de uma Rede de Sensores Sem Fio...18 Figura 4. Símbolo da Escola de Administração do Exercito...30 Figura 5. Vista área da EsAEx/CMS com a localização dos postos de sentinelas...31 Figura 6. Setores que requer mais atenção segundo os entrevistados...32 Figura 7. Sensor MICA2 Mote, tecnologia em RSSF escolhida por esse projeto...33 Figura 8. Micro câmera transmissora e Receptor sem fio Fujika...34 Figura 9. Planejamento inicial do projeto de um sistema de monitoramento usando RSSF...35

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Comparativo das tecnologias...19 Tabela 2. Cronograma de Atividades...28 Tabela 3. Estimativa do custo inicial para o projeto da EsAEx/CMS...35

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Adj - Adjunto Cb Gd Cabo da Guarda CFO/QC Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar CiOp Centro de Inteligência e Operações Cmt Gd Comandante da Guarda Cmt U Comandante de Unidade EB Exército Brasileiro EsAEx Escola de Administração do Exército FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo GPRS General packet radio service IPM Inquérito Policial Militar km 2 Quilômetro quadrado MEMS Micro-Electro-Mechanical Systems Of Dia Oficial de Dia OM Organização Militar RISG Regulamento Interno e dos Serviços Gerais RSSF Redes de Sensores Sem Fio SCmt U Subcomandante de Unidade Sgt Dia SU Sargento de Dia de Subunidade UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

12 Sumário 1 INTRODUÇÃO Motivação e Justificativas Trabalhos Relacionados Objetivos Estrutura da Monografia REDES DE SENSORES SEM FIO Redes de Computadores Sensores Redes de Sensores Sem Fio Áreas de Aplicações de Redes de Sensores sem Fio MONITORAMENTO DE UM AQUARTELAMENTO Guarda do Quartel O Serviço de Oficial de Dia Serviço de Adjunto Cabo de Dia, Sentinelas e Plantões Plano de Defesa do Aquartelamento METODOLOGIA Procedimentos para Coleta de dados Etapas da Investigação ESTUDO DE CASO EsAEx/CMS Setores da EsAEx/CMS e Suas Vulnerabilidades Planejamento Inicial de um Projeto de Implantação (A Solução) Análise de Viabilidade do Projeto CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE A QUESTIONÁRIO PARA LEVANTAMENTO DOS PRINCÍPAIS PONTOS VULNERÁVEIS A INVASÃO NA ESAEX/CMS APÊNDICE B TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO... 38

13 11 1 INTRODUÇÃO Redes de Sensores Sem Fio (RSSF) é um conjunto de dispositivos eletrônicos com capacidade de comunicação entre si que recebem e respondem aos sinais ou estímulos do ambiente onde se encontram caracterizado pelo baixo consumo de bateria. Esses tipos de redes podem ser utilizadas para medir quantidades físicas, presença de objetos ou animais, como temperatura e pressão, e converter os dados obtidos em sinais eletrônicos 1. Seu uso hoje em dia está difundido por diversos setores, seja em aplicações industriais (têxtil, espacial), na agricultura (informações clima local), na segurança (detecção de intrusão, aeroportos, automóveis) entre outros. Neste trabalho apresentaremos uma proposta de um Sistema de Monitoramento de um Aquartelamento utilizando Redes de Sensores sem Fio para auxiliar o Exercito Brasileiro (EB) na vigilância dos seus quartéis. Para isso será feito um estudo de caso na Escola de Administração do Exercito e Colégio Militar de Salvador (EsAEx/CMS). 1.1 Motivação e Justificativas O monitoramento feito por homens é passível de falhas. A eficiência da vigilância executada pelo o homem pode ficar limitada a capacidade física do mesmo. Além disso, um aquartelamento monitorado usando a tecnologia RSSF ou até mesmo com auxilio de sistema eletrônico simples pode compensar uma eventual ineficiência do efetivo para fazê-lo, e, uma melhor cobertura no monitoramento das diversas áreas da Organização Militar (OM), tornando mais eficiente um plano de reação contra integridade das pessoas e do patrimônio. Financeiramente, o monitoramento de uma Unidade do Exército pode torna-se menos oneroso e aumentando a qualidade do serviço diário do Corpo da Guarda. 1.2 Trabalhos Relacionados 1 F. AKYILDIZ; W. SU; Y. SANKARASUBRAMANIAM; E. CAYIRCI. A Survey on Sensor Networks. In: IEEE Communications Magazine, 2002, p

14 12 O grande avanço das redes de computadores sem fio está revolucionando a maneira das pessoas interagirem umas com as outras. Um novo horizonte que surge são as RSSF que ganham maior visibilidade a cada ano e tornam-se cada vez mais imprescindíveis nas mais diversas aplicações. Atualmente a indústria está avançando na implementação de RSSF que possam operar em ambientes de produção de forma a oferecerem vantagens no processo de monitoramento. Novos sensores e atuadores baseados em sistemas Micro Eletromecânicos também conhecidos por MEMS, estão sendo desenvolvidos pelos laboratórios ao redor do mundo e fornecem soluções para aplicações específicas. Alguns exemplos de aplicações para RSSF são demonstrados através de: aplicações militares 2 ; monitoramento de ambientes 3 ; detecção de incêndios em florestas 4 ; aplicações na área da saúde, como o monitoramento de sinais vitais 5. O monitoramento de ambientes controlados representa uma possibilidade para a utilização das RSSF, podendo trazer grandes benefícios para a comunidade científica e industrial. O efeito das RSSF no monitoramento de ambientes controlados pode ser aprimorado através da análise dos processos que são realizados nesses ambientes. 1.3 Objetivos Em sentido mais amplo, este trabalho busca propor um estudo inicial para implantação de um sistema de monitoramento eletrônico em aquartelamentos utilizando RSSF, realizado através do estudo de caso da EsAEx/CMS, objetivando avaliar as implicações desse sistema 2 F. Ye; H. Luo; J. Cheng, S. Lu; L. Zhang. A two-tier data dissemination model for large-scale wireless sensor networks. In: Proceedings of the 8th Annual International Conference on Mobile Computing and Networking, 2002, ACM Press, p A. Mainwaring; D. Culler; J. Polastre; R. Szewczyk; J. Anderson. Wireless sensor networks for habitat monitoring. In: Proceedings of the 1st ACM international Workshop on Wireless Sensor Networks and Applications, ACM Press, New York, NY, p A. Cerpa, J. Elson, M. Hamilton, J. Zhao, D. Estrin, L. Girod, Habitat monitoring: application driver for wireless communications technology. In: Workshop on Data communication in Latin America and the Caribbean, 2001, Costa Rica, p A. Chandrakasan, R. Amirtharajah, S. Cho, J. Goodman, G. Konduri, J. Kulik, W. Rabiner, A. Wang. Design considerations for distributed micro-sensor systems. In: Proceedings of the IEEE 1999 Custom Integrated Circuits Conference, 1999, San Diego, CA, p

15 13 para as demais unidades do Exército Brasileiro. Dessa forma, para realização desse estudo de caso na EsAEx/CMS procurou-se: Identificar possíveis falhas no monitoramento da EsAEx/CMS, a partir das ocorrências registradas por militares que servem nessa unidade. Conhecer as principais tecnologias disponíveis no mercado em Redes de Sensores Sem Fio. Apresentar um planejamento inicial de implantação de um sistema de monitoramento de aquartelamentos utilizando RSSF. Apresentar uma estimativa de custo que um projeto desse teria para EsAEx/CMS, indicando as implicações da adoção desse tipo de tecnologia na segurança dos aquartelamentos do Exército Brasileiro. 1.4 Estrutura da Monografia Este trabalho encontra-se organizado em 6 capítulos. O primeiro intitulado, INTRODUÇÃO, contextualiza este estudo frente as possibilidades de utilização das RSSF, bem como justificar a proposta de pesquisa realizada nesse estudo. O Capítulo 2 REDES DE SENSORES SEM FIO Aborda sobre uma visão geral das RSSF, descrevendo a arquitetura, padrões e aplicações que existem nesse tipo de rede. O Capítulo 3 MONITORAMENTO DE UM AQUARTELAMENTO Demonstra esquema de monitoramento de aquartelamento definindo alguns conceitos básicos da guarda ao quartel assim como os principais problemas envolvidos. O Capítulo 4 METODOLOGIA Indica as etapas e ferramentas utilizadas para o desenvolvimento deste estudo. O Capítulo 5 ESTUDO DE CASO EsAEx/CMS Apresenta uma proposta de implantação de um sistema de monitoramento de aquartelamentos utilizando RSSF para auxiliar ao corpo da guarda no monitoramento de um aquartelamento procurando uma maior eficiência em uma situação de emergência. No último capítulo, CONCLUSÃO, são apresentadas as conclusões e implicações do estudo, além de reflexões com base na investigação realizada que apontam orientações para realização de trabalhos futuros.

16 14 2 REDES DE SENSORES SEM FIO Para um melhor entendimento das RSSF, este capítulo apresenta uma visão geral, bem como descreve a arquitetura, padrões e aplicações que existem nesse tipo de rede. 2.1 Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste em dois ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, como dados, impressoras, mensagens ( s) entre outros. A Internet é um amplo sistema de comunicação que conecta muitas redes de computadores. Existem várias formas equipamentos eletrônicos serem interligados e compartilhados, mediante meios de acesso, protocolos e requisitos de segurança. Dentre essas formas, destacamos as RSSF que podem ser caracterizadas pelo uso de uma grande quantidade de nós-sensores com a capacidade de se comunicar. Esses nós podem ser colocados dentro do fenômeno a ser analisado ou próximo a ele. A principal característica das RSSF têm sido sua viabilidade econômica e industrial pela rápida convergência de três tecnologias: circuitos integrados, comunicação sem fio e micro-sistemas eletro-mecânicos. Uma RSSF pode ser usada para monitorar e controlar um ambiente. Este tipo de rede tende a ser formada por centenas ou milhares de dispositivos autônomos chamados nós-sensores. Os principais componentes de um nó-sensor são unidade de comunicação sem fio, unidade de energia, unidade de sensoriamento, unidade de computação. Nós-sensores são unidade básica das RSSF que serão detalhados na próxima subseção desse capítulo 2.2 Sensores Um sensor é geralmente definido como um dispositivo que recebe e responde a um estímulo ou um sinal. Porém, os sensores artificiais são aqueles que respondem com sinal elétrico a um estímulo ou a um sinal. A Figura 1 mostra alguns tipos de sensores.

17 15 Figura 1 - Exemplos de Sensores Fonte: sítio Wireless Brasil - Hoje em dia, seu uso está difundido em diversos setores. A aplicação mais comum de sensores é na medição de condições ambientais, como temperatura, pressão, umidade e condições do clima ou do solo, mas eles também são bastante utilizados para monitorar movimentos, controlar velocidades e detectar materiais perigosos. Eles podem ser usados em aplicações industriais (têxtil, espacial), na agricultura (informações clima local), na segurança (detecção de intrusão, aeroportos, automóveis) entre outros. Dentre a tipologia dos sensores, destacamos os Sensores Sem Fio que é o elemento central das RSSF é o nó-sensor que possui capacidades de processamento de dados e de comunicação sem fio. Tais sensores coletam informações e as processam coordenadamente com nós vizinhos, e, as transmitem em direção ao usuário ou para nós processadores. Os componentes de um nó-sensor, ilustrados na Figura 2, indicam a arquitetura de um sensor sem fio, que são basicamente: Unidade de Localização - responsável pela localização do nó na rede; Unidade de Movimentação - essa unidade permite ao nó movimenta-se pela rede. Não são todas tecnologias em RSSF que tem essa possibilidade Unidade de Sensoriamento - possibilita a coleta dos dados dos eventos a serem monitorados pelo nó-sensor; Unidade de Processamento responsável pelo processamento e armazenamento de todas as informações coletados pelo sensor; Unidade de Energia essa unidades tem a função de produzir e armazenar a energia necessária para o funcionamento do nó-sensor Unidade Transmissora/Receptora esse componente tem a função de transmitir e recepcionar as informações.

18 16 Figura 2 - Arquitetura de um sensor sem fio Fonte: sítio do Grupo de Teleinformática e Automação da UFRJ 2.3 Redes de Sensores Sem Fio Uma RSSF pode ser caracterizada pelo uso de uma quantidade grande de nós-sensores com a capacidade de se comunicarem. Como já mencionado anteriormente, esses nós podem ser colocados dentro do fenômeno a ser analisado ou próximo a ele, diferentemente das redes de sensores tradicionais. As posições de cada nó não são pré-determinadas ou pré-calculadas, são aleatórias, visto que a implantação de RSSF em locais de difícil acesso pode ocorrer pelo uso de helicóptero, apenas soltando os nós sobre a região a ser analisada. A comunicação entre estes nós é feita através de uma rede ad-hoc sem fio 6, um nó transmitindo a outro nó próximo, os valores do sensoriamento, conforme esquematizado na Figura 3 até o destino final. Este próximo nó deve se encarregar de passar os dados para o próximo nó, e assim por diante. Sumariamente, a principal idéia nessa tecnologia é tirar o máximo de proveito de dispositivos pequenos e baratos que possam ser usados em larga escala. 6 Cordeiro C. M.; Agrawal, D. P. Mobile Ad hoc Networking, Tutorial/Short Course. In: 20 th Brazilian Symposium on Computer Networks, 2002, p

19 17 Figura 3 - Exemplo de uma Rede de Sensores Sem Fio Fonte: sítio Wireless Brasil - As RSSF têm características que as diferem bastante das redes mais comuns. Uma característica das RSSF é que são centradas em dados, diferente das redes tradicionais centradas em endereço. Assim, um nó difunde ou pede informações baseadas em atributos. Além disso, os nós-sensores devem atender a requisitos específicos da aplicação. Muito comumente os nós focam em apenas um atributo, ou um pequeno conjunto de atributos, necessitando então de processamento no interior da rede. Outras restrições impostas às RSSF são a pouca capacidade de processamento e pouca quantidade de energia que implicam em uma série de requisitos para os protocolos de comunicação nunca antes encontrados em tal escala. Como conseqüência de suas características, os protocolos de comunicação e gerenciamento da rede devem ter capacidades de auto-organização para otimizar a utilização da rede. As tecnologias de comunicação sem fio a serem usadas podem ser escolhidas entre várias opções, como GPRS, Wi-Fi, Bluetooth, e ZigBee. A Tabela 1 abaixo mostra um comparativo dessas tecnologias. Tabela 1 - Comparativo das tecnologias Fonte: sítio Wireless Brasil -

20 18 ZigBee Bluetooth Wi-Fi b GPRS/GSM 1XRTT/CDMA Recurso de Sistema 4-32 KB 250 KB+ 1 MB ± 16 MB+ Vida da Bateria (dias) 100-1, Nós por rede 255/65, Largura de Banda (KBps) , Alcance (metros) Foco da aplicação Web, Monitoramento Substituição de Voz e dados em , e e controle cabos redes sem fio vídeo 2.4 Áreas de Aplicações de Redes de Sensores sem Fio Do ponto de vista de aplicação, as RSSF podem ser utilizadas em diversos cenários incluindo monitoramento ambiental, agricultura, pecuária, rastreamento de eventos, coordenação de ações, mineração e processamento de informação. O potencial de uso das RSSF alcança um número ilimitado de áreas, dentre elas as principais são: Militar - para funções de monitoramento, rastreamento, segurança, controle e manutenção; Industrial - para funções de monitoramento, particularmente em áreas de difícil acesso; Aviação - substituindo as redes com fio, como já são usadas atualmente; Ambiente - para monitorar variáveis ambientais em prédios, florestas oceanos, entre outros; Tráfego - principalmente monitoramento de vias, estacionamentos, entre outros; Engenharia - monitoramento (e modelagem) de estruturas.

21 19 3 MONITORAMENTO DE UM AQUARTELAMENTO Nesse capítulo são definidas as características das principais funções exercidas pelo Serviço da Guarda de um aquartelamento mostrando o seu trabalho durante o decorrer do serviço, bem como possíveis causas de tentativa de invasão ao aquartelamento, seus planos de reação caso ocorra um tentativa dessas, e, possíveis falhas no monitoramento do cartel durante a execução do serviço. Já que a proposta desse trabalho é montar um sistema que auxiliará ao Serviço da Guarda no monitoramento do quartel é essencial ter uma noção de sua função para a segurança de uma Organização Militar. 3.1Guarda do Quartel A guarda do quartel é o nome que se dá ao grupamento de militares responsáveis pela segurança do quartel. Ela é constituída de Cabos e Soldados necessários ao serviço de sentinelas, do Comandante da guarda que é geralmente exercido por um 3 Sargento, pelo Adjunto e por um Oficial de Dia. Para isso todo o pessoal da guarda deve manter-se corretamente uniformizado, equipado e armado durante o serviço, pronto para rapidamente atender a qualquer eventualidade. O Regulamento Interno de Serviços Gerais (RISG) orienta que a guarda do quartel tem por principais finalidades: - manter a segurança do quartel; - manter os presos e detidos nos locais determinados, não permitindo que os primeiros saiam das prisões, nem os últimos do quartel, salvo mediante ordem de autoridade competente; - impedir a saída de praças que não estejam convenientemente fardadas, somente permitindo a sua saída em trajes civis quando portadoras de competente autorização e, neste caso, convenientemente trajadas; - somente permitir a saída de praças, durante o expediente e nas situações extraordinárias, mediante ordem ou licença especial e apenas pelos locais estabelecidos; - não permitir a entrada de bebidas alcoólicas, inflamáveis, explosivos e outros artigos proibidos pelo Cmt U, exceto os que constituírem suprimento para a unidade; - não permitir aglomerações nas proximidades das prisões nem nas imediações do corpo da guarda e dos postos de serviço; - impedir a saída de animais, viaturas ou material sem ordem da autoridade competente, bem como exigir o cumprimento das prescrições relativas à saída de viaturas; - impedir a entrada de força não pertencente à unidade, sem conhecimento e ordem do Of Dia, devendo, à noite, reconhecer à distância aquela que se aproximar do quartel;

22 - impedir que os presos se comuniquem com outras praças da unidade ou pessoas estranhas, sem autorização do Of Dia; - dar conhecimento imediato ao Of Dia sobre a entrada, no aquartelamento, de oficial estranho à unidade; - levar à presença do Adj as praças de outras OM que pretendam entrar no quartel; - impedir a entrada de civis estranhos ao serviço da unidade sem prévio conhecimento e autorização do Of Dia; - apenas permitir a entrada de civis, empregados na unidade, mediante a apresentação do cartão de identidade em vigor, fornecido pelo SCmt U; - só permitir a entrada de qualquer viatura à noite, depois de reconhecida à distância, quando necessário; - fornecer escolta para os presos que devam ser acompanhados no interior do quartel; - relacionar as praças da unidade que se recolherem ao quartel depois de fechado o portão principal; - permitir a saída das praças, após a revista do recolher, somente das que estejam autorizoadas pelo Of Dia; - prestar as continências regulamentares A comunicação eficiente é, sem qualquer dúvida, um dos campos da atividade militar em que os progressos da ciência, através da tecnologia, tornam-se mais visíveis. Uma de suas características essenciais é manter a tropa unida num único objetivo com pouco esforço e contribuir para uma melhor organização das ações de comando numa eventual força de reação a uma tropa inimiga. Não são diferentes as necessidades de uma eficiente comunicação entre os integrantes do corpo da guarda, pois é comum quartéis serem alvos de tentativas de invasão como pode ser visto na noticia abaixo: Um grupo de bandidos roubou sete fuzis do quartel do 6º Batalhão de Infantaria Leve, em Caçapava, no interior de São Paulo, no fim da noite de ontem. Segundo o Comando Militar do Sudeste, por volta das 23 horas o bando atacou dois postos de sentinela do batalhão do Exército, dando início a um tiroteio. Um militar acabou ferido durante o confronto, mas sem risco de morrer. O Comando da Unidade determinou a abertura de um Inquérito Policial Militar (IPM) para a apuração do fato e iniciou as diligências para recuperar o armamento roubado. O IPM, cuja condução é sigilosa, nos termos do Artigo 16 do Código de Processo Penal Militar, tem prazo de 40 dias para ser concluído, podendo ser prorrogado por mais 20 dias. 8 RISG prevê: Para salvaguardar as vidas das pessoas do aquartelamento e o patrimônio histórico, o Os postos de sentinela, especialmente o da sentinela das armas e os das prisões, 7 Decreto nº , de 9 de agosto de Aprova o Regulamento Interno e dos Serviços Gerais (R/1). 8 Forças Terrestres Blog. Disponível em <http://www.forte.jor.br/?p=1893>. Acesso em: 22 jul.2009.

23 são ligados ao corpo da guarda por meio de campainha elétrica ou outros meios de comunicação. 9 Na ocasião do roubo de fuzis, em Caçapava, certamente se houvesse um sistema de comunicação mais eficiente num momento de um ataque desses, o pessoal de serviço teria tido maior possibilidade de prevenir a ofensiva dos bandidos aquele aquartelamento O Serviço de Oficial de Dia O Oficial de Dia (Of Dia) é, fora do expediente, o representante do Comandante da Unidade (Cmt U) ou Subcomandante da Unidade (SCmt U), e, tem como principais atribuições zelar pela segurança das pessoas e do patrimônio do aquartelamento, além das previstas em outros regulamentos, para exemplificar as funções do Oficial de Dia abaixo segue algumas atribuições previstas no RISG: Assegurar, durante o seu serviço, o exato cumprimento de ordens da unidade e das disposições regulamentares relativas ao serviço diário; - estar inteiramente familiarizado com os planos de segurança do aquartelamento, de combate a incêndio, de chamada e os sinais de alarme correspondentes, para fins de execução ou treinamento; - conduzir, pessoalmente, após a rendição da Parada, um exercício de manejo das armas (preconizado nas instruções de tiro) a ser realizado por toda guarda do quartel que está entrando de serviço, bem como a recomendação da fiel obediência às normas de segurança para o uso do armamento, tudo como medida de prevenção de disparos acidentais, e o mesmo procedimento deve ser adotado com o pessoal de reforço que assume o serviço ao final do expediente; - participar ao SCmt U todas as ocorrências extraordinárias havidas fora do expediente, mencionando-as, ainda, na parte diária, e, na recepção ao Cmt U, deve prestar-lhe as mesmas informações, sem que isso o dispense de fazê-lo ao SCmt U; - ter sob sua responsabilidade os objetos existentes nas dependências privativas do Of Dia e de oficiais presos; - estar ciente da entrada, permanência e saída de quaisquer pessoas estranhas à unidade; - inspecionar, freqüentemente, as dependências do quartel, verificando se estão sendo regularmente cumpridas as ordens em vigor e tomando as providências que não exijam a intervenção de autoridade superior; - conservar em seu poder, durante a noite e a partir das vinte e uma horas, as chaves das prisões e de todas as entradas do quartel, menos a do portão principal, que permanece com o Cmt Gd; - impedir, salvo motivo de instrução ou serviço normal, a saída de qualquer fração de tropa armada sem autorização prévia do comando da unidade, a menos que, por circunstâncias especiais, uma autoridade nas condições previstas no inciso XXII deste artigo o determine diretamente, procedendo, então, como está regulado naquele inciso; 9 Decreto nº , de 9 de agosto de Aprova o Regulamento Interno e dos Serviços Gerais (R/1).

24 - impedir a saída de animais, viaturas ou outro material sem ordem de autoridade competente, salvo nos casos de instrução ou serviço normal, fazendo constar da parte diária as saídas extraordinárias, assim como o regresso, mencionando as horas; - impedir a abertura de qualquer dependência fora das horas de expediente, sem ser pelo respectivo chefe ou mediante ordem escrita deste, com declaração do motivo; - assistir ao recebimento de todo o material que entre no quartel fora das horas de expediente, fazendo constar da parte diária, e, a qualquer hora, à distribuição de víveres e forragem; - somente permitir a entrada de civil no quartel depois de inteirado de sua identidade, motivo de sua presença e do conhecimento da pessoa com quem deseja entender-se, mesmo assim, devidamente acompanhado, quando julgar essa medida necessária Como podemos notar o Oficial de Dia é responsável pelo quartel na ausência do Cmt U ou SCmt U, portanto é essencial que o Oficial de Dia possua o máximo de informações relacionadas ao quartel durante o serviço. Nesse sentido, um sistema de monitoramento eficiente o auxiliaria significativamente, sobre essas informações, fornecendo dados que agilizariam a fiscalização e uma possível força de reação. 3.3 Serviço de Adjunto O Adjunto (Adj) é o auxiliar imediato do Of Dia, função geralmente exercida por um 1 Sargento (Sgt) antigo que ficam na incumbência de: - apresentar-se ao Of Dia após receber o serviço, executar e fazer executar todas as suas determinações; - transmitir as ordens que dele receber e inteirá-lo da execução; - participar ao Of Dia todas as ocorrências que verificar e as providências que a respeito tenha tomado; - acompanhar o Of Dia nas suas visitas às dependências do quartel, salvo quando dispensado por ele ou na execução de outro serviço; - dividir os quartos de ronda noturna entre si e os Sgt Dia SU; - dividir a ronda noturna da guarda entre o seu comandante e o Cb Gd; - providenciar para que as chaves de todas as dependências do quartel (gabinetes, reservas, depósitos, paiol etc) estejam colocadas no claviculário da unidade, logo após o toque de ordem, informando pessoalmente ao Of Dia qualquer falta e entregando-lhe a respectiva chave; - no caso de abertura de reserva para entrega de armamento do pessoal de serviço, nos horários sem expediente e ausente o Cmt SU, auxiliar o Of Dia na fiscalização, acompanhados do respectivo Sgt Dia SU, da distribuição e do recolhimento, pelos armeiros, de todo o armamento utilizado, bem como da abertura e do fechamento da reserva Decreto nº , de 9 de agosto de Aprova o Regulamento Interno e dos Serviços Gerais (R/1). 11 Idem.

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Instituições de Ensino Vol. VIV Manual de Segurança U Apresentação m dos maiores desafios durante a elaboração de um sistema de segurança para uma instituição

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. Aprova a instituição e o funcionamento da equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais do IPEA.

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 001/2012, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 06/11/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 55/2012 Unidade Responsável: Departamento de Tecnologia da Informação

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Art.1º As presentes intruções regulam a sistematização

Leia mais

MANUAL ALARME DIGITAL INTELBRAS AMT-2010/AMT-2018

MANUAL ALARME DIGITAL INTELBRAS AMT-2010/AMT-2018 MANUAL ALARME DIGITAL INTELBRAS AMT-2010/AMT-2018 PARABÉNS! Você acaba de adquirir um equipamento ímpar em qualidade, tecnologia, precisão e segurança! Mas para que você tenha o máximo aproveitamento de

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores 1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores A crescente dependência das empresas e organizações modernas a sistemas computacionais interligados em redes e a Internet tornou a proteção adequada

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Automação residencial: visão geral e aplicações

Automação residencial: visão geral e aplicações Automação residencial: visão geral e aplicações Paulo Sérgio Marin, Dr. Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br Resumo- A automação residencial é um segmento relativamente novo na indústria de infraestrutura

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 229/2013 Aprova a Norma Complementar de Criação da Equipe de Tratamento e Resposta a Incidentes na Rede de Computadores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Apucarana, 01 de fevereiro de 2011. Objetivos A política de utilização da rede wireless tem como objetivo estabelecer regras e normas de utilização e ao

Leia mais

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy.

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. Monitoramento altamente confiável com valor agregado ACM avançado ACM básico Contadores

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Programa Vizinhança Solidária O Programa Vizinhança Solidária cria a adoção de mecanismos dentro da filosofia de polícia comunitária de estímulo à mudança de comportamento dos integrantes de determinadas

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Número da Norma Complementar

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA 1 PERFIL CÓDIGO TI PLENO PRODUTO 01: Capacidade do INMET de aperfeiçoar e

Leia mais

The Application of The Principles of GLP to Computerised

The Application of The Principles of GLP to Computerised APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS BPL AOS SISTEMAS INFORMATIZADOS NORMA N o NIT-DICLA-038 APROVADA EM SET/2011 N o 01/13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da revisão 5 Siglas

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS RESUMO Alessandro Lumertz Garcia 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo apresenta tipos de aplicações que podem existir nas casas inteligentes,

Leia mais

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 2012.2 SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY Proposta de trabalho de graduação Aluno: Lucas André Pequeno Paes

Leia mais

IMAGINE UM MUNDO ONDE A TECNOLOGIA SEJA TOTALMENTE INTUITIVA PRÓXIMA GERAÇÃO EM SOLUÇÕES DE SEGURANÇA PÚBLICA DA MOTOROLA

IMAGINE UM MUNDO ONDE A TECNOLOGIA SEJA TOTALMENTE INTUITIVA PRÓXIMA GERAÇÃO EM SOLUÇÕES DE SEGURANÇA PÚBLICA DA MOTOROLA IMAGINE UM MUNDO ONDE A TECNOLOGIA SEJA TOTALMENTE INTUITIVA PRÓXIMA GERAÇÃO EM SOLUÇÕES DE SEGURANÇA PÚBLICA DA MOTOROLA ESCALADA DO INCIDENTE OU RETORNO À TRANQUILIDADE? ENVIAR MAIS UNIDADES OU REALIZAR

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este documento foi elaborado pelo setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (CSGI), criada com as seguintes atribuições: Assessorar a Direção da SESAU

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA SEGURANÇA CIBERNÉTICA Fevereiro/2015 SOBRE A PESQUISA Esta pesquisa tem como objetivo entender o nível de maturidade em que as indústrias paulistas se encontram em relação

Leia mais

Vol. I. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. I. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Vol. I Condomínios Residenciais Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Apresentação C âmeras espalhadas por todos os lados, guardas armados, portões altos e com cerca elétrica nem

Leia mais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais Proposta de Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO Regulamenta as atividades de correição e inspeção no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso visitante on-line, você tem o direito de saber as práticas que

Leia mais

Nosso foco é facilitar a videovigilância profissional para todos. Armazenamento de dados seguro e excelente usabilidade

Nosso foco é facilitar a videovigilância profissional para todos. Armazenamento de dados seguro e excelente usabilidade Nosso foco é facilitar a videovigilância profissional para todos Armazenamento de dados seguro e excelente usabilidade 2 Fácil e confiável Frank Moore, proprietário da Keymusic 3 Fácil e confiável Eu não

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ATO PGJ nº 19/2009

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ATO PGJ nº 19/2009 ATO PGJ nº 19/2009 - Alterado o inciso III, do art. 3º, pelo Ato nº 23/2010, de 27/05/10, art. 1º. - Ver Errata do Ato-PGJ n.23/2010, publicado no DOMP n. 255 em 11/06/2010. - Ver Ato-PGJ n. 18/2009, arts.

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 comunicaçõesasseguradas Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 Melhore os seus sentidos. Falcon Watch Vigilância Remota. Todo o dia. Toda a noite. A Harris sabe da necessidade de ter sistemas

Leia mais

Proposta de Adequação Tecnológica da Área de Segurança

Proposta de Adequação Tecnológica da Área de Segurança Proposta de Adequação Tecnológica da Área de Segurança 1 Mapeamento dos pilares da Segurança prestada atualmente Serviço de Segurança Patrimonial; Ronda perimetral, muros e cercas; Ronda nas Alamedas;

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

2- Disparo de alarme com evolução de setor e com o alarme armado...07. 2.2- Disparo seguido de desarme ou arme em seguida...08

2- Disparo de alarme com evolução de setor e com o alarme armado...07. 2.2- Disparo seguido de desarme ou arme em seguida...08 Caro Cliente: Olá estes procedimentos de atendimento de alarmes foram elaborados, supervisionados, atualizados e informados aos usuários, conforme o avanço tecnológico e as necessidades na área do monitoramento.

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Como dicas de segurança, sugerimos:

Como dicas de segurança, sugerimos: POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO QÜINQUAGÉSIMO PRIMEIRO BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR DO INTERIOR SETOR DE ASSUNTOS CIVIS Como dicas de segurança, sugerimos: Edifícios: - As normas de segurança a serem

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER)

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) Dispõe sobre as empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança e dá outras Providências. O Congresso nacional decreta: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

DETECÇÃO DE FOGO E TECNOLOGIA DE VÍDEO PARA DETECÇÃO DE INVASÃO, FUMAÇA E CHAMAS VIGILÂNCIA POR VÍDEO DE ÚLTIMA GERAÇÃO

DETECÇÃO DE FOGO E TECNOLOGIA DE VÍDEO PARA DETECÇÃO DE INVASÃO, FUMAÇA E CHAMAS VIGILÂNCIA POR VÍDEO DE ÚLTIMA GERAÇÃO DETECÇÃO DE FOGO E TECNOLOGIA DE VÍDEO PARA DETECÇÃO DE INVASÃO, FUMAÇA E CHAMAS VIGILÂNCIA POR VÍDEO DE ÚLTIMA GERAÇÃO Devido à própria natureza do projeto, a maioria das grandes estruturas de hoje não

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET 1. Objetivo As Normas de Segurança para a UNIFAPnet têm o objetivo de fornecer um conjunto de Regras e Recomendações aos administradores de rede e usuários, visando

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Objetivos A política de utilização da rede wireless tem como objetivo estabelecer regras e normas de utilização e ao mesmo tempo desenvolver

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados.

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados. A MBS SERVIÇOS possui o conhecimento necessário e indispensável para oferecer qualidade e agilidade nas realizações dos serviços prestados. Possuímos sede própria com toda infraestrutura necessária para

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Uso de Dispositivos Móveis nos Aspectos relativos

Leia mais

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar.

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. Localização e Inteligência Móvel Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. 1 2 Localização e Inteligência Móvel Todos os dias sua empresa enfrenta grandes desafios para

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições regulamentares e, considerando

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

SOLUÇÕES DE RESILIÊNCIA E SEGURANÇA

SOLUÇÕES DE RESILIÊNCIA E SEGURANÇA SERVIÇO DE RESPOSTA A INCIDENTES D Solução de segurança que fornece orientações para o efetivo controle ou correção de ataques externos causados por vulnerabilidades encontradas no ambiente do cliente.

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 P/3 2º BPM

EDITAL Nº 001/2014 P/3 2º BPM ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO COMANDO DO POLICIAMENTO DE ÁREA DO INTERIOR 4 2º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR EDITAL Nº 001/2014 P/3 2º BPM I Curso

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA Dezembro de 2013 SUMÁRIO 1. OBJETO... 3 2. GENERALIDADES... 3 3. DO EDIFÍCIO... 4 4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, ELETRÔNICAS, DADOS E VOZ... 4 5. INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO...

Leia mais