FONTES DE PESQUISA UTILIZADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I: UM ENFOQUE NA INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FONTES DE PESQUISA UTILIZADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I: UM ENFOQUE NA INTERNET"

Transcrição

1 FONTES DE PESQUISA UTILIZADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I: UM ENFOQUE NA INTERNET Eixo temático: Tecnologia Marilia Rodrigues Mercadante Graduando em Bibloteconomia- Universidade Estadual Paulista (UNESP)- FFC- Campus de Marília Bolsista Programa de Educação Tutorial Biblioteconomia PET MEC/SESu RESUMO Com o aparecimento da internet, o fluxo de informação tomou tamanha proporção que a cada dia que passa, novas informações são colocadas em rede. Como conseqüência da popularização da internet, a sua utilidade para pesquisa tornou-se corriqueira, sendo utilizada tanto para sanar simples duvidas ou como para realizar pesquisas escolares. Dessa maneira, propõe-se estudar os tipos de fontes utilizadas pelos os alunos da 4ª série do ensino fundamental. Deve-se dar ênfase na pesquisa escolar na vida do aluno, pois é a partir desse momento que o aluno aprende a definição e como realizar uma pesquisa, podendo ter conseqüências na vida acadêmica Aplicou-se um questionário com alunos da 4ª serie do ensino fundamental, no qual verificou-se que a internet é a ferramenta mais utilizada para a realização de pesquisas escolares. Não servindo somente para as pesquisas, o computador passou a se fazer presente na vida dos alunos, sendo utilizado como atividade nas horas vagas. Por fim, as pesquisas escolares devem ser bem orientadas não somente pelos professores, mas também com a ajuda do bibliotecário, pois devido ao grande numero de informações encontrada na rede os alunos passam a não somente a realizar a pesquisa, mas também a selecionar as informações pertinentes, pois existem muitas informações irrelevantes na internet. PALAVRAS-CHAVE Internet. Crianças. Tecnologia. Educação.

2 INTRODUÇÃO Tendo como base os Estudos de Usuário para a realização do trabalho, pôdese pensar em um projeto de pesquisa que envolvesse usuários, no caso as crianças, e fontes de informação. Trabalhando com esses itens, o trabalho tem por característica o estudo de uso, tema que está englobado no estudo de usuário. Caracteriza-se dessa maneira, pois o trabalho estudará quais os tipos de fontes que o usuário utiliza no momento da sua pesquisa escolar. A pesquisa escolar, por sua vez, é condição imprescindível para o desenvolvimento da aprendizagem (BICHERI, 2008), pois ela propicia o desenvolvimento da investigação e do conhecimento do aluno, assim como do professor. Sendo a pesquisa escolar tão importante assim na vida do aluno, pensouse em fazer levantamentos quantitativos e qualitativos quanto a tipologia das fontes utilizadas. A pesquisa realizada tem o enfoque em pesquisas escolares na internet, pois esse tem sido o recurso mais utilizado para a realização das pesquisas não só escolares, mas também nas pesquisas diárias, além da corriqueira utilização do meio digital nos últimos tempos, advindo da evolução tecnológica. Objetiva-se, assim, estudar as fontes de informação utilizadas pelos alunos do ensino fundamental ciclo I 1ª a 4ª série) no momento da busca por informações para as pesquisas escolares solicitadas pelos professores, obedecendo o currículo escolar. Além de verificar as fontes, o trabalho dá enfoque no uso da internet como recurso de pesquisa. Como metodologia, aplicou-se um questionário para uma população total de vinte e cinco alunos. A folha de perguntas possuía oito questões, sendo que todas eram do tipo múltipla escolha. A aplicação do questionário aconteceu na Escola Estadual Raul Antonio Fragoso, em São Paulo, com os alunos da 4ª série, tendo em média dez anos de idade, uma idade que, segundo Kuhlthau (2002 apud BICHERI, 2008), a criança já sabe realizar uma pesquisa ou que está aprendendo, mas já tem um conhecimento prévio de como realizar a busca pela informação. Pelo motivo da pesquisa ser realizada com o publico infantil e por não terem uma absoluta certeza no que respondem, foi permitido que escolhessem duas alternativas por questão.

3 Estudo de Usuário Segundo Figueiredo (1979, p.79), Estudos de Usuário São investigações que se fazem para se saber o que os indivíduos precisam em matéria de informação, ou então para saber se as necessidades de informação por parte dos usuários de uma biblioteca ou de um centro de informacional estão sendo satisfeitas de maneira adequada. Os estudos de usuário, em suma, é o estudo baseado na população que utiliza o centro de informação. Estuda, no geral, quais são suas necessidades, a que setor da sociedade ele pertence e quais são as fontes informacionais que ele costuma utilizar nas suas pesquisas. É dividido em três outros estudos: o de usuário, o de uso e de demanda. O estudo de usuário faz o levantamento das características, das necessidades, da conduta e da opinião do usuário. O resultado é o perfil do usuário que o centro informacional atende, como por exemplo, a idade, o gênero e a classe social. Para González Teruel (205, p.23), o estudo de usuários é de grande valia porque És para bibliotecário y documentalistas conocer quiénes son los usuários (y tambiém no usuário) de las unidades de información,saber qué opinam,conocer la percepción que tienem de los servícios que recibem y, em dfinitivo, poder determnar cuales son sus hábitos informativos (...) O Estudo de demanda refere-se aos pedidos orais ou escritos feitos a um sistema, que permite conhecer as características dos usuários. Os dados são levantados por intermédio de entrevistas, questionários e pelo próprio sistema que o usuário consulta. Quanto ao estudo de uso, ao que se refere este trabalho, estuda com que freqüência e quais as fontes de informação são utilizadas. Além disso, esse estuda a forma de como o usuário utiliza as fontes de informação.

4 Um método complementar diferente que envolve uma análise de como o acervo está realmente sendo utilizado. Um dos objetivos consiste em identificar os pontos fortes e fracos do acervo a partir dos padrões atuais de utilização, acarretando, portanto, modificações na política de desenvolvimento de coleções, a fim de mudar a relevância do acervo para as necessidades dos usuários. (LANCASTER, p. 51) Para Lancaster, o estudo de uso é importante para a Unidade de informação não somente para saber o que os usuários estão usando, mas sim para saber quais as fontes que está sendo mais utilizada para, assim, se for o caso, adequar a unidade de informação para a comunidade atendida. È de valia principalmente para a biblioteca ou unidade de informação, pois é a partir desse levantamento que o centro informacional terá visitações e utilidades para o público destinado. Porém, os estudos direcionados aos usuários são relativamente novos. Até os ano 1960 a preocupação de estudo era voltado para o sistema e para os métodos organizacionais. Os usuários nesse período de invisibilidade eram definidos como leitores, pois seu único objetivo era ir a uma biblioteca somente para ler. A partir da metade da década de 1960, os usuários passaram a ser vistos como o enfoque dos estudos, pois descobriu-se que não adiantaria de nada possuir um sistema de ultima geração se o bibliotecário não conhecesse seu usuário, gerando assim, a insatisfação do usuário, uma vez que ele não saberia utilizar a fonte ou o recurso. O antigo leitor passou, então, a ser chamado de usuário. Pois, ele passou a procurar informação e não mais um determinado autor ou título. Por fim, soube-se que os estudos tomaram outro foco pelo fato da mudança de comportamento do usuário. Hoje em dia o usuário está cada vez mais independente, cada dia que passa o usuário possui uma nova fonte de informação para suas buscas e pesquisas. Os estudos, hoje, são voltados para usuários como pessoas e não leitores, participantes de um grupo. Os estudos são direcionados em como o usuário utiliza as fontes, como vivem, quais são suas habilidades e seu conhecimento de mundo.

5 FONTES DE PESQUISA ESCOLAR Para entendermos a pesquisa escolar é necessário, primeiramente, conceituar a pesquisa em si. Para Gil (2006, p.17 apud BICHERI, 2008, p. 55) pesquisa é um procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos e que recorremos a uma pesquisa quando se dispõe de informação suficiente para responder ao problema. Ou seja, a pesquisa nos serve para nos aprofundarmos mais em um determinado assunto o qual temos algum tipo de duvida, sendo que seu objetivo principal é solucionar a questão proposta. No âmbito da pesquisa existem dois tipos: a pesquisa cientifica, realizada pelos acadêmicos e a pesquisa escolar, trabalhada em sala de aula com alunos do ensino fundamental. A pesquisa escolar é considerada um fator importante no ensino para as crianças, pois é a partir desse momento da vida escolar do aluno que o instinto pela investigação é lançado, além disso, é nessa fase que todo o conhecimento de o que é uma pesquisa e como realizada é colocada em evidência. No entanto, as pesquisas escolares no Brasil não são trabalhadas adequadamente desde o principio da vida escolar do aluno, ocasionando defasagem nas pesquisas acadêmicas quando o usuário ingressa em uma faculdade. Para Demo (1993, p. 97 apud BICHERI, 2008, p. 56) a pesquisa escolar é um principio educativo, pois No espaço da educação básica (...) não está em jogo produzir a ciência propriamente, mas construir a metodologia do aprender a aprender. Pesquisa ressalta sua pretensão educativa, emergindo como estratégia de formação, âmago da pedagogia, dentro da didática. Para que a pesquisa seja realizada é necessário que haja fontes de informação para que os alunos busquem as respostas das questões. Para isso existem as obras de referência (dicionários, atlas, enciclopédia, almanaques), onde o aluno busca a informação conforme a sua necessidade de esclarecimento da questão. Caso o aluno precise somente de uma definição, ele utilizará os dicionários; caso necessite de um histórico de uma pessoa famosa, o aluno procurará em uma enciclopédia, onde o assunto é mais completo.

6 Para saber qual é a realidade dos alunos quanto ao uso das fontes na pesquisa escolar, aplicamos um questionário no qual três perguntas se referiam ao tipo de fonte que o aluno utiliza no momento da busca na pesquisa pedida pela professora. No total foram vinte e cinco alunos que responderam as questões, sendo que foi liberada a escolha de duas alternativas por pergunta. A primeira pergunta relacionada ao tema foi quanto ao tipo de suporte informacional utilizado no momento da pesquisa. Figura 1. Fonte de informação utilizada nas pesquisas escolares Observou-se que a maioria dos alunos, vinte e três deles, responderam que pesquisam na internet. Em segundo lugar, a fonte consultada são os pais. Perdendo somente para materiais em casa, a taxa de uso da biblioteca é bem pequena. Levando em consideração que a biblioteca escolar deveria ser o primeiro local para uma pesquisa, pois é onde está concentrado um grande número de informações. Porém, como sabemos, a realidade das bibliotecas escolares no Brasil é outra. As bibliotecas escolares deveriam abrigar obras de referências e uma variedade de suportes informacionais, além de possuir uma bibliotecária para o auxilio nas pesquisas. A próxima pergunta lançada aos alunos diz respeito à preferência dos suportes informacionais para a realização da pesquisa.

7 Preferência no suporte informacional Figura 2. Preferência na utilização do suporte para a pesquisa Notou-se que a preferência, mais uma vez, é pela internet, onde vinte e um alunos, cerca de 55% das respostas, afirmam gostar mais de utilizar a internet para sua pesquisas escolares. O livro ficou em segundo lugar, com quatorze alunos opinando sua preferência. A terceira e ultima pergunta relacionada ao tema de fontes para as pesquisas escolares, refere-se ao tipo de ajuda que é pedida para a realização da pesquisa. A pergunta é considerada pertinente ao tema tratado por abordar o tipo de fonte informacional informal, onde não se tem a garantia da veracidade da informação e que advêm por meio de cartas, conversas, s, etc.

8 Figura 3. Tipo de ajuda na realização da pesquisa O auxílio mais requisitado é dos pais, onde dezessete alunos opinaram. É possível observar pelo gráfico que a ajuda dos amigos é imprescindível. Em resumo, os levantamentos realizados para o iten de tipologia de fontes de informção nos mostraram que o recurso utilizado freqüentemente é, sem dúvida, o meio digital, através da internet. A PESQUISA ESCOLAR E A INTERNET O projeto de internet é trabalhado há muito tempo, porém foi só na década de 1990 que a prática da internet tornou-se popular. O sucesso da internet foi devido ao engenheiro Tim Bernes Lee, que desenvolveu a World Wide Web, tornando a internet com uma visualização mais dinâmica. A partir dessa época vários navegadores foram criados e juntamente, as interfaces de fácil acesso. Então, a internet passou a ser utilizada para várias coisas, principalmente para a realização de pesquisas escolares. Apesar da praticidade e da rapidez que a internet trouxe para as pesquisas escolares, existe o lado negativos da história. Com a popularização da internet, o fluxo informacional cresceu e vem crescendo desaceleradamente, havendo um grande número de informações. As vezes, muitas dessas informações não são de fontes confiáveis. Para uma pesquisa escolar esse fator é de risco, pois estará passando uma informação errada. Como diz Campello (p.3)

9 É preciso lembrar que a sociedade atual, caracterizada pela abundância, por vezes excesso de informação, apresenta ao aluno pesquisador o problema de definir o que é informação suficiente tanto quanto o de selecionar a informação relevante. O desafio para o aluno será, pois, não só o de desenvolver habilidades de ir além da localização das fontes de informação, mas ser capaz de encontrar significados através da produção de sentido em mensagens diversas e numerosas e, por vezes, inconsistentes. Para Campello (2001, p. 84) não se pode deixar de mencionar a internet como uma rica fonte de informação para apoiar os trabalhos escolares, pois o uso de recursos hipertextuais e interativos devem ser estimuladas. Além de serem estimuladas, o ambiente digital é um local muito chamativo para as crianças, pois é um local interativo e um local que sacia a curiosidade do aluno, independentemente do professor (FALKENBACK, 2004, p.177). Para explicar sua afirmação, Falkenback (2004, p. 176) diz que Uma animação prende a atenção mais do que uma figura, e com o vídeo representa um recurso poderoso, pois atrai e mantém a atenção e o interesse do aluno, e com isso promove a retenção da informação. Porém, quando se fala em trabalhos de pesquisa na internet pode-se falar, também em Lei do menor esforço, de George K. Zipf. A lei diz que cada indivíduo adotará em seu trabalho em curso de ação que provavelmente despendera do menor esforço (CRUZ, 2003). O usuário prefere ter menos esforço para procurar sua pesquisa, mesmo se o resultado não for satisfatório. Ou seja, o usuário prefere utilizar a internet, que é um recurso mais rápido, do que ir a um centro informacional e se aprofundar no assunto buscado. Para averiguar a utilização da internet para as pesquisas escolares, foi aplicado um questionário o qual tiveram seus dados tabulados. Em relação a freqüência do uso da internet, temos:

10 Freqüência do uso da internet Figura 4. Freqüência do uso da internet O levantamento de dados demonstrou que a maioria dos alunos, 14 deles, utilizam a internet nos finais de semana. Isso ocorre pelo motivo da internet de muitos deles serem do tipo discada, utilizando a linha telefônica, e aos finais de semana as tarifas são mais baixas. Porém, a utilização da internet quase todos osdias, não fica muito atrás,totalizando em oito respostas. Quanto aos alunos que não utilizam a internet, a taxa foi baixa, sendo somente dois alunos. Para testar o grau de conhecimento na utilização dos computadores, foi perguntado aos alunos qual atividade eles gostavam mais de fazer quando estão com o tempo livre.

11 Figura 5. Atividades no tempo livre Como era esperado, a utilização do computador é o recurso mais utilizado no momento em que os alunos estão com o tempo vago. Esse dado demonstra que os alunos conhecem a estrutura gráfica dos hipertextos e já estão familiarizados com as técnicas de utilização do computador,como por exemplo, mexer no mouse, no teclado e até memso na interface.todo esse conhecimento é devido ao tempo que é despendido diante da frente de um atela de computador. A atividade ouvir música também aparece em número considerável, porém muitos desses alunos disseram à pesquisadora que a realização dessa atividade é feita no computador, através do programa Windows Media Player. Gostaríamos também de saber em que locais a internet é acesada pelo aluno. Para isso, perguntamos ao aluno e tabulamos os dados.

12 Figura 6. Locais de acesso da internet O local em que a internet é mais acessada é em casa, com a maioria de vinte respostas. A escola é o segundo lugar onde os alunos utilizam a internet. Porém, isso só é possivel porque a escola em que o questionário foi aplicado é uma escola de tempo integral, onde os alunos permanecem na escola por volta de oito horas por dia. Como uma das atividades realizadas na parte da tarde, está a aula de computação,onde os alunos apredem a utilizar o computador Quanto ao local de busca da pesquisa na internet, foram dados duas opções : o site Google e, caso o aluno utilizasse outro site de busca, deveria especifica-lo. Figura 7. Sites de busca utilizados

13 A resposta foi em unanimidade, o site de busca Google. O site possui em sua interface uma fácil utilização. Apresenta apenas uma página com uma caixa de texto para o usuário digitar a sua pesquisa. Como dito no inicio, o usuário procura ter o menos trabalho possível no momento da pesquisa, fazendo com que o site de busca Google seja o amis utilizado, por ser mais fácil e rápido.

14 CONCLUSÃO O estudo de usuário é um grande estudo que engloba o próprio estudo de usuário, pesquisando a comunidade em que ele pertence; estudo de demanda, que é tudo aquilo que o usuário expressa em uma unidade de informação; e o estudo de uso, que trabalha os tipos de fontes que o usuário utiliza. Ao decorrer da história, o usuário passou de leitor para consumidor da informação. Primeiramente, os estudos eram voltados para o desenvolvimento do sistema da unidade de informação. A partir da década de 1960, o usuário mudou seu comportamento, começando a fazer buscas pela informação, e com isso, os estudos foram voltados para as necessidades, para os tipos de fontes utilizadas pelo usuário. O trabalho propôs estudar os tipos de fontes utilizadas pelos os alunos da 4ª série do ensino fundamental, caracterizando, assim, o trabalho como um estudo de uso. Deve-se dar ênfase na pesquisa escolar na vida do aluno, pois é a partir desse momento que o aluno aprende a definição e como realizar uma pesquisa, podendo ter conseqüências na vida acadêmica. Com o aparecimento da internet, o fluxo de informação tomou tamanha proporção que a cada dia que passa, novas informações são colocadas em rede. Como conseqüência da popularização da internet, a sua utilidade para pesquisa tornou-se corriqueira. Ao aplicar o questionário com os alunos, foi possível verificar que a internet é muito utilizada para a realização de pesquisas escolares. Não servindo somente para as pesquisas, o computador passou a se fazer presente na vida dos alunos, utilizando-o como atividade nas horas vagas. Por fim, as pesquisas escolares devem ser bem orientadas não somente pelos professores, mas também a ajuda do bibliotecário, pois devido ao grande numero de informações encontrada na rede os alunos passam a não somente a realizar a pesquisa, mas também a selecionar as informações pertinentes, pois existem muitas informações irrelevantes na internet.

15 Referências BICHERI, Ana Lúcia de Oliveira. A mediação do bibliotecário na pesquisa escolar face a crescente virtualização da informação f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Universidade Estadual Paulista, Unesp, Marília, CAMPELLO, Bernadete Santos; et al. A coleção da biblioteca escolar na perspectiva dos parâmetros curriculares nacionais. Revista Informação Informação. Londrina, v. 6, n.2, p , jul./dez CAMPELLO, Bernadete Santos; et al. A internet na pesquisa escolar: um panorama do uso da web por alunos do ensino fundamental. CRUZ, Angelo Antonio Alves Correa da; et al. Impacto dos periódicos eletrônicos em bibliotecas universitárias. Revista Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n.2, p , mai./ago Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ci/v32n2/17032.pdf> Acesso em 28 ago CUEVAS CERVERÓ, Aurora. La promoción a lectura como modelo de alfabetización en información. In:. Lectura, alfabetización en información y biblioteca escolar. Espanha: Ediciones trea. Terceira parte, cap. 6, p FALKENBACK, Gilse Antoninha Morgental; PEREIRA, Clelia Teresinha Denardini; TREVISAN, Maria do Carmo Barbosa. Informática na educação infantil: brincando, aprendendo e criando. In: SANTOS, Santa Marli Pires dos (org.). Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. 5ªed. Petrópolis: Editora vozes, Cap. 21, p FIGUEIREDO, Nice. Avaliação de coleções e estudo de usuários. Brasília: ABDF, p. GONZALEZ TERUEL, Aurora. Los estúdios de necessidades y usos de la información: fundamentos y perspectivas actuales. [s.l.]: Ediciones trea, p. HARRIS, Frances Jacobson. I found It on the internet: coming of age online. Chicago: American library association, p. HISTÓRIA da internet Disponível em <http://www.suapesquisa.com/internet> Acesso em 28 ago SMITH, Frank. A leitura na era da eletrônica. In:. Leitura significativa. 3ªed. Porto Alegre: Editora artes médicas sul Ltda, Cap. 13, p

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília.

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. Eixo Temático: Livre Nome: Etiene Siqueira de Oliveira - Bolsista: PIBIC/CNPq

Leia mais

COMPETÊNCIA INFORMACIONAL NA ESCOLA: UM PROJETO COM ALUNOS E PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

COMPETÊNCIA INFORMACIONAL NA ESCOLA: UM PROJETO COM ALUNOS E PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 COMPETÊNCIA INFORMACIONAL

Leia mais

A disciplina de Educação de Usuários nos cursos de Biblioteconomia brasileiros

A disciplina de Educação de Usuários nos cursos de Biblioteconomia brasileiros A disciplina de Educação de Usuários nos cursos de Biblioteconomia brasileiros Marta Leandro da Mata 1 Helen de Castro Silva Casarin Universidade Estadual Paulista. Brasil Resumo Investiga a existência

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

O VALOR DO BRINCAR NO HOSPITAL: A IMPORTÂNCIA E CONTRIBUIÇÃO ÀS CRIANÇAS HOSPITALIZADAS NO (HUJBB)

O VALOR DO BRINCAR NO HOSPITAL: A IMPORTÂNCIA E CONTRIBUIÇÃO ÀS CRIANÇAS HOSPITALIZADAS NO (HUJBB) O VALOR DO BRINCAR NO HOSPITAL: A IMPORTÂNCIA E CONTRIBUIÇÃO ÀS CRIANÇAS HOSPITALIZADAS NO (HUJBB) Emanuela Santos dos Santos¹, Cleiton Silva da Silva², Cláudia Magno de Oliveira³, Paulo Henrique Almeida

Leia mais

As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP

As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP Prof a. Dr a. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP 27 Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP Andréia Gonçalves Silva Bibliotecária do escritório Lazzareschi Advogados Docente da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência Lucas Santiago Rodrigues Graduando em Sistemas de Informação na UFMS Natália Fernanda de Castro Meira Graduanda em Engenharia de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS OFICINAS NO ÂMBITO DA GRADUAÇÃO. PET BIBLIOTECONOMIA

A IMPORTÂNCIA DAS OFICINAS NO ÂMBITO DA GRADUAÇÃO. PET BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A IMPORTÂNCIA DAS OFICINAS

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

O PROGRAMA DE NIVELAMENTO INTEGRADO DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

O PROGRAMA DE NIVELAMENTO INTEGRADO DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI O PROGRAMA DE NIVELAMENTO INTEGRADO DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Abril/2004 Suely Trevisan Araújo Universidade Anhembi Morumbi - trevizam@anhembi.br Fábio Laurenti Universidade Anhembi Morumbi - falanti@anhembi.br

Leia mais

UERJ REDE SIRIUS - BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS SOCIAIS B / CCSB

UERJ REDE SIRIUS - BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS SOCIAIS B / CCSB UERJ REDE SIRIUS - BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS SOCIAIS B / CCSB PESQUISA CIENTÍFICA ON-LINE NA Autores: Manoel Silva Barata; Sandra Pimenta; Regina Patrocínio RESUMO: Este trabalho técnico-científico representa

Leia mais

Pesquisa já: inovando a pesquisa escolar C. C. Passos, L. T. R. V. Sebin, T. B. Lopes, V. L. Cóscia, J. C. Bastos Junior

Pesquisa já: inovando a pesquisa escolar C. C. Passos, L. T. R. V. Sebin, T. B. Lopes, V. L. Cóscia, J. C. Bastos Junior 72 Relato de experiência Camila Cassiavilani Passos camilapassos@ufscar.br; Luciana Teresa Romanelli Vicente Sebin lusebin@ufscar.br Teresa Bessi Lopes teresa@ufscar.br Vera Lúcia Cóscia vlc@ufscar.br

Leia mais

Leitura infanto-juvenil no SESC-Piedade

Leitura infanto-juvenil no SESC-Piedade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Artes e Comunicação Departamento de Ciência da Informação Curso de Biblioteconomia Professora: Cecília Prysthon Leitura infanto-juvenil no SESC-Piedade (Relatório

Leia mais

Biblioteca escolar como espaço de produção do conhecimento

Biblioteca escolar como espaço de produção do conhecimento Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Ciência da Informação Grupo de Estudos em Biblioteca Escolar Biblioteca escolar como espaço de produção do conhecimento Parâmetros para bibliotecas escolares

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE.

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. 1 SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. LIDIANE DOS SANTOS CARVALHO (lidianebiblio@hotmail.com) ELAINE R. DE OLIVEIRA LUCAS (lani@udesc.br) Contextualiza as Bibliotecas Universitárias

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS São Carlos 2012 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES... 3 1.1 OBJETIVOS... 3 2 FORMAÇÃO DO ACERVO... 3 2.1

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA INTERNET PELOS PROFESSORES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

A UTILIZAÇÃO DA INTERNET PELOS PROFESSORES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA A UTILIZAÇÃO DA INTERNET PELOS PROFESSORES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA RESUMO: Esse trabalho é um recorte de uma pesquisa para verificar a influência das Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Diagnóstico da utilização de sistemas de informação na biblioteca do IFMGcampus Bambuí: uma visão gerencial e tecnológica

Diagnóstico da utilização de sistemas de informação na biblioteca do IFMGcampus Bambuí: uma visão gerencial e tecnológica Diagnóstico da utilização de sistemas de informação na biblioteca do IFMGcampus Bambuí: uma visão gerencial e tecnológica Aline Martins CHAVES 1 ; Gabriel da SILVA 2 1 Pós-Graduanda em Administração de

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS Autor Júnior Alves Feitosa Faculdades Integradas de Patos Alvesjunior338@gmail.com coutora Prof.ª Ms.Maria do

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

FLUXOS DOCUMENTAIS EM AMBIENTES EMPRESARIAIS: CARACTERÍSTICAS, TIPOLOGIAS E USOS

FLUXOS DOCUMENTAIS EM AMBIENTES EMPRESARIAIS: CARACTERÍSTICAS, TIPOLOGIAS E USOS FLUXOS DOCUMENTAIS EM AMBIENTES EMPRESARIAIS: CARACTERÍSTICAS, TIPOLOGIAS E USOS BUENO, Danilo André¹ VALENTIM, Marta Lígia Pomim² Resumo: Analisa os fluxos informacionais/documentais e a gestão documental,

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por:

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por: Projeto DOSVOX O que é o DOSVOX O DOSVOX é um sistema para microcomputadores que se comunica com o usuário através de síntese de voz, viabilizando, deste modo, o uso de computadores por deficientes visuais,

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC 45 4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC A tecnologia ligada à acessibilidade ajuda a minimizar as dificuldades encontradas entre pessoas com deficiências ao acesso a diversos formatos de informação. Do

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC CURVELO 2010 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...3 1.1Objetivos...3. 1.2 Comissão

Leia mais

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1)

A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) A INDEXAÇÃO NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO DOCUMENTAL DE DOMÍNIOS ESPECÍFICOS: UM ESTUDO EM CONTEXTO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (1) Mariana de Oliveira Inácio 1, Mariângela Spotti Lopes Fujita 2 1 Mestranda,

Leia mais

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Jocélia Germano

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

Como produzir um Curso on line

Como produzir um Curso on line Como produzir um Curso on line 1 - Introdução Este tutorial visa estimular a produção de cursos on line na forma mais profissional possível. O público alvo deste tutorial é qualquer indivíduo interessado

Leia mais

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES:

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES I FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Funções, Políticas

Leia mais

Gestão e Organização de Bibliotecas Públicas

Gestão e Organização de Bibliotecas Públicas Gestão e Organização de Bibliotecas Públicas Sandra Soller Dias da Silva SSOLLER Informações Empresariais Junho de 2012 Introdução A biblioteca hoje é um centro de acesso à informação e ao conhecimento.

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto. Telefônico: 3289-4654

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto. Telefônico: 3289-4654 CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto: Biblioteca infantojuvenil: estudo para desenvolvimento de acervo. Coordenador do Projeto: Dilza

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP 1 HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP RESUMO: Há muito que áreas como a Biblioteconomia e

Leia mais

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social 1 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 DESENVOLVIMENTO... 5 4 CONCLUSÃO... 11 5 REFERÊNCIA... 11 TABELA DE FIGURAS Figura

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 2

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 2 Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Etapa 2 1. Apresentação 1.1 O Programa de Capacitação em Projetos e Empreendimentos Criativos é uma iniciativa do Ministério da

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Marcos Diego de Menezes 1 Liliane M. T. Lima de Carvalho 2 RESUMO O artigo apresenta pesquisa que identifica e caracteriza

Leia mais

O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO

O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO O INSPETOR ESCOLAR SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO LEANDRA PAULISTA DE CARVALHO * Silma do Carmo Nunes ** Resumo: A Inspeção Escolar é uma função que merece especial atenção no cenário da educação brasileira.

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD Luciane Meire Ribeiro STRAUD Biblioteca FCAV (Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação) 1. Introdução: Definição de FI (em

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA INFORMÁTICA PARA ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS ATRAVÉS DO PROJETO CURUPIRA

A CONTRIBUIÇÃO DA INFORMÁTICA PARA ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS ATRAVÉS DO PROJETO CURUPIRA A CONTRIBUIÇÃO DA INFORMÁTICA PARA ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS ATRAVÉS DO PROJETO CURUPIRA Tássia Patricia Silva do Nascimento; Dalmir Pacheco de Souza Instituto

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número considerável

Leia mais

AS PRÁTICAS DE MATEMÁTICA DO PROGRAMA LER E ESCREVER NO COTIDIANO DAS AULAS DOS ANOS INICIAIS: AS CLASSES DE 1º/ 2º E 3º ANOS

AS PRÁTICAS DE MATEMÁTICA DO PROGRAMA LER E ESCREVER NO COTIDIANO DAS AULAS DOS ANOS INICIAIS: AS CLASSES DE 1º/ 2º E 3º ANOS AS PRÁTICAS DE MATEMÁTICA DO PROGRAMA LER E ESCREVER NO COTIDIANO DAS AULAS DOS ANOS INICIAIS: AS CLASSES DE 1º/ 2º E 3º ANOS Gabriele Machado Faculdade de Educação Centro de Ciências Humanas e Sociais

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados 1 Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados Renata Aliaga 1 Lilian Lopes Martin da Silva (Grupo ALLE- Alfabetização, Leitura e Escrita Programa de Pós Graduação

Leia mais

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA E REDAÇÃO CIENTÍFICA EM DISSERTAÇÕES E TESES DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP

A INFLUÊNCIA DA DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA E REDAÇÃO CIENTÍFICA EM DISSERTAÇÕES E TESES DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP A INFLUÊNCIA DA DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA E REDAÇÃO CIENTÍFICA EM DISSERTAÇÕES E TESES DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP Maria Isabel Santoro - santoro@bestway.com.br Universidade

Leia mais

ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência da biblioteca da PUC-RIO

ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência da biblioteca da PUC-RIO TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador DVD Vídeo-Aula Internet na escola ENCARTE www.educarede.org.br Internet na escola Caderno do capacitador Internet na escola 3 Pesquisar Acessar o conhecimento é condição para compreendermos a sociedade

Leia mais

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL 1 AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL Belo Horizonte, Maio/2010. Vanessa Belmonte - CEFET-MG - vabelmonte@yahoo.com.br - (31) 9225-1923 Márcia Gorett Ribeiro Grossi - CEFET-MG

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS TÍTULO: PROJETO SALA DE LEITURA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO AUTORES: Abinadá de Caldas da Silva e Ângela Cardoso Ferreira Silva e-mail: ângelacardoso@ligbr.com.br INSTITUIÇÃO: Universidade Federal da

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA Josué Antunes de Macêdo 1 Taise Costa de Souza Nunes 2 Marcos Rincon Voelzke 3 Resumo O presente trabalho é resultado de uma pesquisa que teve

Leia mais

Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos

Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos Maria José da Silva Rocha 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática A pesquisa

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

JOGO E EDUCAÇÃO: UM DIÁLOGO POSSÍVEL?

JOGO E EDUCAÇÃO: UM DIÁLOGO POSSÍVEL? Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2008 página 1 JOGO E EDUCAÇÃO: UM DIÁLOGO POSSÍVEL? Lúcia P. S. Villas Bôas Versão condensada do texto apresentado no XIV Endipe - Encontro Nacional de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

QUESTIONÁRIO DESENVOLVIDO PELO PIBID ESPANHOL UFSM: UM MEIO PARA REALIZAÇÃO DE ANÁLISE DE NECESSIDADES

QUESTIONÁRIO DESENVOLVIDO PELO PIBID ESPANHOL UFSM: UM MEIO PARA REALIZAÇÃO DE ANÁLISE DE NECESSIDADES QUESTIONÁRIO DESENVOLVIDO PELO PIBID ESPANHOL UFSM: UM MEIO PARA REALIZAÇÃO DE ANÁLISE DE NECESSIDADES LEMES, Debora; OLIVEIRA, Carine; AZEVEDO, Cinara Leal; MOREIRA, Luisiana Petry Rigão; DALENOGARE,

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

Britannica Escola Online. Manual de Treinamento

Britannica Escola Online. Manual de Treinamento Britannica Escola Online Manual de Treinamento 1 ÍNDICE Conhecendo a Britannica Escola Online...3 Como Acessar a Britannica Escola Online...3 Página Inicial da Britannica Escola Online...4 Área de Pesquisa...4

Leia mais

PESQUISA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS DO PIBID E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

PESQUISA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS DO PIBID E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PESQUISA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS DO PIBID E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Edna Neves Pereira (1); Dacielle Antunes Santos (1); Sandra Alves de Oliveira

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial.

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial. 1 Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial Serra, 05/2009 Isaura Alcina Martins Nobre, MSc Ifes isaura@ifes.edu.br

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE EM UMA EMPRESA DA CIDADE DE MOSSORÓ RN

GESTÃO DE ESTOQUE: ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE EM UMA EMPRESA DA CIDADE DE MOSSORÓ RN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 GESTÃO DE ESTOQUE: ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE EM UMA EMPRESA DA CIDADE DE MOSSORÓ RN Cícero Eriberto da Silva 1, Hudson do Vale de Oliveira 2,

Leia mais

O uso do blog para mediar os processos de aprendizagem entre alunos do curso de Biblioteconomia

O uso do blog para mediar os processos de aprendizagem entre alunos do curso de Biblioteconomia O uso do blog para mediar os processos de aprendizagem entre alunos do curso de Biblioteconomia RESUMO Celia da Consolação Dias 1 O objetivo deste trabalho é apresentar o blog Fontes como uma ferramenta

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das considerações preliminares Art. 1º - A Biblioteca e a Biblioteca Digital da instituição é o depositário de todo material bibliográfico

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA?

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? ZONTA, Marinez Arruda FACIAP/UNIPAN FERREIRA, Josiane Peres FACIAP/UNIPAN e PUCRS RESUMO

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa. Adamantina São Paulo 2014

O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa. Adamantina São Paulo 2014 O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa Adamantina São Paulo 2014 O Papel dos Jogos na Promoção da Aprendizagem Significativa. Ana Paula Tarifa Jayny Bibiani Queiroz Siomara A. L. Marinho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

RELATÓRIO DO PROJETO PORTAL DA SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO

RELATÓRIO DO PROJETO PORTAL DA SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS SEÇÃO DE INFORMAÇÃO REFERENCIAL RELATÓRIO DO PROJETO PORTAL DA SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO Niterói 2013

Leia mais

Consumidor brasileiro e SMS Marketing: Uma relação de respeito!

Consumidor brasileiro e SMS Marketing: Uma relação de respeito! Consumidor brasileiro e SMS Marketing: Uma relação de respeito! Conteúdo Dar voz ao consumidor e levar em conta sua opinião é fundamental para a criação de regras que tornem o mercado de SMS Marketing

Leia mais